Curso: Qualidade em Saúde e Segurança do Paciente Data: 24/05/2015
Aluno: Patricia de Souza Castro Turma:
Tatuapé
T3/14-QS...
representam um grande aumento nos custos e identificar aqueles com o maior
impacto sobre os custos dos cuidados hospitalar...
Todos os estudos analisados demonstram que as lesões dos pacientes
associadas aos cuidados de saúde aumentam substancialme...
ser realizada por meio da formação dos profissionais, técnicas de avaliação do
desempenho, colaborações multiprofissionais...
ao contrários devem ser priorizados, pois a prevenção de eventos adversos é
claramente uma maneira eficiente de economizar...
ao contrários devem ser priorizados, pois a prevenção de eventos adversos é
claramente uma maneira eficiente de economizar...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

CUSTOS DE EVENTOS ADVERSOS EM SAÚDE

506 visualizações

Publicada em

SEGURANÇA DO PACIENTE

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
506
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CUSTOS DE EVENTOS ADVERSOS EM SAÚDE

  1. 1. Curso: Qualidade em Saúde e Segurança do Paciente Data: 24/05/2015 Aluno: Patricia de Souza Castro Turma: Tatuapé T3/14-QSSP-02-12 ATIVIDADE 11 – CONSEQUÊNCIAS ECONÔMICAS DE ERROS E EVENTOS ADVERSOS EM SAÚDE – QUAL A IMPORTÂCIA DE CONHECER A CONSEQUÊNCIA ECONÔMICA E SOCIAL DOS EVENTOS ADVERSOS – EAs. INTRODUÇÃO A segurança clínica como a minimização dos eventos adversos - EAs atribuíveis ao atendimento recebido pelos pacientes, e potencialmente evitáveis, tornou-se um componente essencial dos serviços de saúde de qualidade. A prática complexa e a estrutura organizacional no cenário atual muitas vezes são fatores associados à má qualidade e a problemas de segurança clínicas predisponentes ao paciente e a todos os envolvidos no cuidado a saúde. Prova de seu impacto é o esforço que vários países dedicam à análise dos riscos e causas da falta de segurança e a implementação de estratégias para a segurança do paciente. Mais recentemente, o foco centrou-se no impacto da falta de qualidade associado a eventos adversos potencialmente evitáveis, em termos de despesas de saúde também evitável. Vários estudos têm avaliado o aumento dos custos hospitalares associados a eventos adversos, portanto, neste capitulo propõe-se a avaliar o impacto econômico da incidência de eventos adversos na assistência hospitalar e também procura identificar as condições e procedimentos que os eventos adversos
  2. 2. representam um grande aumento nos custos e identificar aqueles com o maior impacto sobre os custos dos cuidados hospitalares. DESENVOLVIMENTO A avaliação econômica em saúde parte da constatação que os recursos são limitados e as necessidades inúmeras, obrigando a fazer escolhas, a tomar decisões e a “sacrificar” umas necessidades a favor de outras. A economia é a ciência das escolhas, e a saúde não escapa a esta realidade: mesmo na saúde, as arbitragens são necessárias. Essa questão é ainda mais relevante se considerarmos o aumento notável das despesas em saúde ao longo das últimas décadas, e a expectativa para que esse aumento continue. As decisões econômicas na área da saúde são mais complexas pela predominância da saúde pública (SUS) onde não há flexibilização financeira; pelos vários critérios que devem ser considerados para a tomada de decisão (qualidade, eficiência, por exemplo); e pela dificuldade em quantificar custos e benefícios em saúde. A medição de custos é um instrumento essencial para o apoio à decisão na área da saúde. Assim, a medição dos custos dos eventos adversos é relevante por duas razões essenciais, a prevalência desses eventos, demonstra o peso econômico da doença para a sociedade e para o Estado, portanto, o seu caráter tem que ser prioritário para as políticas de saúde; e a medição dos custos que os Eventos Adversos - EAs representam para poder avaliar intervenções alternativas que permitam reduzir os EAs. Os custos dos EAs têm sido considerados em diversos estudos a nível internacional. Estes estudos estimam que entre 13 e 16% dos custos hospitalares são direcionados para os EAs.
  3. 3. Todos os estudos analisados demonstram que as lesões dos pacientes associadas aos cuidados de saúde aumentam substancialmente os custos no atendimento aos pacientes expostos a EAs. A organização e a sequencia dos estudos analisados pretenderam ser cronológicos, e demonstram indiferentemente da metodologia utilizada um acréscimo considerável de custos no cuidado aos pacientes vitimas de EAs, que podem ocorrer pelo aumento do tempo de internação, e consequentemente aumento da taxa de permanência do leito. Os estudos estimam ainda que a ocorrência de Infecção Hospitalar – IH é considerado um evento adverso que mais causa mortalidade e também o que demanda mais custo quando da sua ocorrência. Fazendo um paralelo com o cenário da Instituição a que pertenço penso que essas estimativas referentes a IH, deve-se além do aumento do tempo de internação e consumo de insumos, já ditos anteriormente, devemos atentar que os antimicrobianos utilizados no combate destas IH têm custos elevados e muito provavelmente tem alta representatividade nesse custo. Cabe lembrar ainda que o uso inadequado de antimicrobianos além de aumentar o desperdício pelo uso inadequado, pode acarretar resistência microbiana, como o uso de antimicrobianos de novas gerações e mais caros, com consequente aumento do tempo de internação, sendo assim um segundo quadro de EA – resistência microbiana, relacionado a um primeiro quadro de EA – infecção hospitalar. Esse é um efeito em cascata onde um evento leva a outro. A ocorrência de EAs tem impacto elevado nas despesas de saúde e a nível social. Várias estratégias foram identificadas na literatura para reduzir a incidência de eventos adversos, relacionadas com atitudes individuais, gestão ao nível das equipas ou mudanças organizacionais. A implementação dessas estratégias pode
  4. 4. ser realizada por meio da formação dos profissionais, técnicas de avaliação do desempenho, colaborações multiprofissionais, incentivos financeiros, intervenções dos pacientes, entre outros. CONCLUSÃO Analisando os estudos, que foram realizados nos EUA e União Européia, na ocorrência de EAs há o aumento do tempo de internação e portanto do taxa de ocupação do leito, com esse aumento do tempo dentro da unidade hospitalar o paciente fica mais exposto a contrair infecções Hospitalares – IH, e por conseguinte o aumento do consumo de insumos (materiais médicos, medicamentos, sobremaneira antimicrobianos, e procedimentos complementares). Diante de um aumento considerável desta permanência na internação, este fato contribui para a superlotação já que os leitos demoram mais para serem disponibilizados para novos pacientes. Os impactos meramente sociais dos EAs são pouco estudados. Deve-se levar em consideração a análise dos custos sociais relacionados com os EAs, que permite estudar os custos na perspetiva da sociedade, é pouco abordada, mas merece reflexão e cuidado especial. O cálculo dos custos sociais deve ter em linha de conta com os anos de vida perdidos, as perdas de produtividade e o apoio de familiares ou de terceiros aos pacientes. Todas as formas de contabilizar os EAs apresentam fragilidades devido as qualidade dos dados e de suas fontes. Levando em consideração a crise mundial no qual nos encontramos; as politicas econômicas recente que receberam cortes relevantes nos investimentos em saúde, os custos dos EAs e em sua preveção não devem ser negligenciados,
  5. 5. ao contrários devem ser priorizados, pois a prevenção de eventos adversos é claramente uma maneira eficiente de economizar recursos financeiros destinados ao cuidado em saúde. Conhecer o impacto econômico e social dos EAs é extremamente importante para a alocação de recursos para a prevenção da ocorrência reduzindo a ocorrência de EAs, ao invés da aplicação nas ocorrências de EAs. Na convicção dos autores deste capitulo estudado e compartilhada humildemente por esta aluna que a avaliação econômica e aplicação de estratégias de intervenção, será uma das linhas de investigação mais promissoras, para os próximos anos, no estudo dos eventos adversos, em particular, e da segurança do paciente, em geral. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Vincent C (2010) Patient safety. 2nd edition, Wiley Blackwell BMJ Books, p. 57 http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232013000700018&script=sci_arttext http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452011000300022&script=sci_arttext http://www.extranet.ead.fiocruz.br/criacao/qssp/QSSP- PercursoAprendizagem/A11_L2cp2_cons_econ_erros.pdf http://scielo.isciii.es/scielo.php?pid=S0213-91112014000100009&script=sci_arttext
  6. 6. ao contrários devem ser priorizados, pois a prevenção de eventos adversos é claramente uma maneira eficiente de economizar recursos financeiros destinados ao cuidado em saúde. Conhecer o impacto econômico e social dos EAs é extremamente importante para a alocação de recursos para a prevenção da ocorrência reduzindo a ocorrência de EAs, ao invés da aplicação nas ocorrências de EAs. Na convicção dos autores deste capitulo estudado e compartilhada humildemente por esta aluna que a avaliação econômica e aplicação de estratégias de intervenção, será uma das linhas de investigação mais promissoras, para os próximos anos, no estudo dos eventos adversos, em particular, e da segurança do paciente, em geral. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Vincent C (2010) Patient safety. 2nd edition, Wiley Blackwell BMJ Books, p. 57 http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232013000700018&script=sci_arttext http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452011000300022&script=sci_arttext http://www.extranet.ead.fiocruz.br/criacao/qssp/QSSP- PercursoAprendizagem/A11_L2cp2_cons_econ_erros.pdf http://scielo.isciii.es/scielo.php?pid=S0213-91112014000100009&script=sci_arttext

×