áFrica diversidade

1.363 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.363
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

áFrica diversidade

  1. 1. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  2. 2. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Terceiro maior continente, com extensão de 30,1 milhões de quilômetros quadrados, a África possui 1,031 bilhão de habitantes.
  3. 3. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Essa região do planeta apresenta grande diversidade paisagística e cultural. Esses elementos contribuíram para uma subdivisão do continente: a África Mediterrânea e a África Subsaariana. É o continente que apresenta os países com os mais baixos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH).
  4. 4. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia O continente, em razão dessas diferenças, pode ser dividido em duas principais regiões: África Mediterrânea, localizada na porção norte, banhada pelo Mar Mediterrâneo e com população majoritariamente mulçumana e África Subsaariana, ocupando a porção centro-sul e com grande diversidade étnico- cultural.
  5. 5. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  6. 6. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Essa regionalização, além dos elementos culturais, tem como fator determinante o deserto do Saara, que é considerado um divisor natural. A África Mediterrânea, situada ao norte do deserto do Saara, corresponde a 25% do território continental, sendo formada por apenas cinco países: Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia e Egito.
  7. 7. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia a África Mediterrânea foi dominada pelos povos árabes durante os séculos VII e VIII.
  8. 8. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia a África Mediterrânea foi dominada pelos povos árabes durante os séculos VII e VIII. Esse fato contribuiu de forma significativa para a propagação da cultura árabe, com destaque para o idioma e a religião (islamismo). Sendo assim, essa porção da África apresenta semelhanças com o Oriente Médio.
  9. 9. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia a África Setentrional, também conhecida por África Branca, é de maneira geral constituída por povos muçulmanos, de origem árabe e de pele branca
  10. 10. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia A África Subsaariana ocupa a maior parte do continente africano (75%). Essa região, localizada ao sul do deserto do Saara, possui grande pluralidade cultural, com diversas danças, religiões (cristianismo, judaísmo, islamismo, além de crenças tradicionais) e grupos étnicos distintos.
  11. 11. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia REVISTA MUNDO ESTRANHO, por Julia Moioli | Edição 107
  12. 12. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Depende do que você considera estranho. REVISTA MUNDO ESTRANHO, por Julia Moioli | Edição 107
  13. 13. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  14. 14. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Se, no Ocidente, estamos acostumados a ver pessoas loiras e magras nas revistas, em outras partes do mundo a beleza pode ter a ver com peso, tatuagens e acessórios. "Os referenciais de beleza estão ligados à visão de mundo de cada cultura. Como as sociedades são diferentes umas das outras, eles também são", explica a antropóloga Mirela Berger, pós-doutoranda e professora colaboradora da Unicamp. Mas vale lembrar: como a cultura é dinâmica, nada é para sempre. Gostos e hábitos mudam. "Na sociedade ocidental moderna, por exemplo, a facilidade de comunicação entre os povos favorece a aculturação, que é quando um povo absorve um modelo cultural de outro", diz a socióloga Flávia Mestriner Botelho, mestranda em ciências da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP. REVISTA MUNDO ESTRANHO, por Julia Moioli | Edição 107
  15. 15. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia ONDE: Mauritânia PADRÃO Obesidade Neste país da África Ocidental, quilinhos a mais são sinal de status para a mulherada: indicam que elas não têm de trabalhar, porque o marido é rico. Para se adequar, algumas meninas são mandadas aos 5 anos a campos de engorda, onde consomem 16 mil calorias por dia! O menu inclui dois copos de manteiga e 20 litros de leite de camelo!
  16. 16. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia ONDE Mianmar PADRÃO Longos pescoços Neste país asiático, as mulheres da tribo dos karenis são famosas por alongar o pescoço com anéis de metal - eles forçam o ombro para baixo e dão a ilusão de que o pescoço é mais comprido. O ritual, que é gradativo e começa aos 5 anos, está caindo em desuso: sem as argolas, os músculos não conseguem mais suportar a cabeça o pescoço longo é sinal de beleza entre elas, logo, quanto mais argolas, mais bela é a mulher.
  17. 17. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia o pescoço longo é sinal de beleza entre elas, logo, quanto mais argolas, mais bela é a mulher. http://www.360meridianos.com/2012/08/o-que-descobrimos-sobre-as-mulheres- girafa-da-tailandia.html A curiosidade é que o pescoço não se alonga com o processo – é só ilusão de ótica. O que acontece na verdade é que os aros afinam a região e o peso da peça comprime a clávicula para baixo, afundando a caixa torácica, o que dá a impressão de que o pescoço cresceu. As mulheres Kayan podem tirar as argolas, só precisam tomar cuidado para não virar o pescoço bruscamente.
  18. 18. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia ONDE Irã PADRÃO Nariz ocidental A capital do Irã, Teerã, é campeã de plásticas feitas no nariz. O nariz é estratégico para as mulheres de lá porque é uma das poucas partes que seus trajes e véus não escondem.
  19. 19. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia ONDE Paquistão, Tailândia, Coréia do Sul, Hong Kong, Malásia e Índia PADRÃO Pele esbranquiçada Enquanto no Brasil bonito é ser bronzeado, nesses países a galera foge do sol. Como a maioria tem pele amarelada, a moda é (tentar) ser branco, com o uso de cosméticos alvejantes. Quem não tem grana apela até para produtos piratas, que podem causar danos irreversíveis
  20. 20. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  21. 21. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia ONDE Etiópia PADRÃO Deformação labial Nada de pulseiras, brincos ou anéis. Na tribo mursi, as mais "gatas" são as que usam enormes discos de madeira ou porcelana no lábio inferior.
  22. 22. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia O enfeite só cabe depois que a mãe ou a avó da menina faz um corte na região - geralmente, o ritual ocorre quando ela completa 15 anos. No Brasil, algo semelhante é usado pelos índios caiapós
  23. 23. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia ONDE Etiópia PADRÃO Cicatrizes Mesmo quando homens também precisam aderir a modificações estéticas, os motivos são diferentes.
  24. 24. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia ONDE Etiópia PADRÃO Cicatrizes Mesmo quando homens também precisam aderir a modificações estéticas, os motivos são diferentes.
  25. 25. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Na tribo karo, eles fazem cicatrizes no peito para representar rivais mortos em batalhas. Já as mulheres passam pelo mesmo dolorido processo, no peito e na barriga, só para arranjar um marido - que, aliás, pode ter quantas esposas quiser
  26. 26. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia ONDE Nova Zelândia PADRÃO Tatuagens no rosto Os descendentes dos maoris se adornam com tatuagens tribais chamadas moko. Homens as usam no rosto, e mulheres têm detalhes azuis nos lábios e no queixo. Se antigamente esse tipo de enfeite tinha a ver com status (o processo era tão dolorido que podia levar à morte), hoje representa uma espécie de ressurgimento da cultura típica
  27. 27. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia MUDANÇAS NO ESPELHO Conforme a cultura muda, padrões estéticos também se alteram
  28. 28. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia MUDANÇAS NO ESPELHO Conforme a cultura muda, padrões estéticos também se alteram
  29. 29. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Pré-História Seios grandes e ancas largas indicavam capacidade de gerar bons filhos Renascimento Depois da peste negra detonar parte da Europa, ser gorda era sinal de saúde Século 17 Espartilhos diminuíam a cintura e ressaltavam que mulheres eram seres frágeis Anos 20 A emancipação feminina prega um look menos sensual: faixas achatam cinturas, seios ou quadris, para deixá-los na mesma proporção Anos 40 Mais duronas após a 2a Guerra Mundial, as mulheres passam a desejar ombros largos. No fim da década, Marilyn Monroe reverte a tendência Anos 60 A onda hippie e a busca pela juventude levam a corpos com poucos seios ou curvas Anos 80 Culto ao corpo saradaço - inclusive para elas, que queriam parecer mais fortes Anos 90 O maior objeto de desejo feminino são os seios fartos - e siliconados! FONTES The New York Times, The Guardian, National Geographic, Newsweek, PBS, CNN e CBS News
  30. 30. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  31. 31. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Tribo Mursi-Etiópia
  32. 32. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Tribo Mursi-Etiópia
  33. 33. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia tribo Ndebele –África do Sul Tribo Mursi-Etiópia
  34. 34. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia tribo Ndebele –África do Sul Tribo Mursi-Etiópia Tribo Mursi-Etiópia
  35. 35. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia tribo Ndebele –África do Sul Tribo Mursi-Etiópia Tribo Shilluk - Sudão Tribo Mursi-Etiópia
  36. 36. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Etnocentrismo é a sobrevalorização dos valores de um determinado grupo social em detrimento dos valores de outro. Trata-se de uma estratégia de afirmação cultural que implica também em dominação cultural, direta ou indiretamente. tribo Ndebele –África do Sul Tribo Mursi-Etiópia Tribo Shilluk - Sudão Tribo Mursi-Etiópia
  37. 37. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  38. 38. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  39. 39. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  40. 40. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia a diversidade étnica e linguística não foi considerada quando os europeus estabeleceram os limites territoriais na África, mesmo considerando em grande parte do continente elementos geográficos para a formação e consolidação das fronteiras
  41. 41. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia São vários os conflitos no continente africano, o que é pior, muitos deles longe de um processo de pacificação. A maioria é motivada por diferenças étnicas, é o que acontece em Ruanda, Mali, Senegal, Burundi, Libéria, Congo e Somália, por exemplo.

×