SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 72
SURGIMENTO DO HOMEM
          A África é um
          continente de
       grandes contrastes.
           Foi nele que,
            segundo as
      evidências científicas
        de que dispomos
      hoje, surgiu a espécie
          humana. Sua
       população, no ano
        2000, beirava 800
            milhões de
            habitantes.
ARTES NA CULTURA AFRICANA
               A cultura africana tem uma rica
              tradição artística representada
              por uma variedade de entalhos
              em madeira, trabalhos em
              bronze e couro. As artes
              africanas incluem esculturas,
              pinturas, cerâmica, máscaras
              cerimoniais     e     vestimentas
              religiosas. A cultura africana
              sempre deu ênfase na aparência
              das pessoas, e as jóias, colares,
              braceletes         e        anéis
              permaneceram         como     um
              acessório pessoal importante.
              De maneira similar, máscaras
              são feitas com desenhos
              elaborados e constituem parte
              importante da cultura africana.
              Máscaras são usadas em uma
              variedade de cerimônias e
              rituais.
RITMOS
Ao ritmo do Semba, Funaná, Kuduro, Sakiss, Puita, Marrabenta, e outros
sons da música folclórica, são dançadas em pequenas coreografias,
trabalhando assim os movimentos da anca, o rebolar da bunda , e a
facilidade de juntar a agilidade dos braços, pernas e cabeça, num só
movimento culminando num trabalho de ritmo corporal.
KIZOMBA
    Ritmo quente, originário
    de Angola, não pára de
    conquistar cada vez mais
    praticantes. É uma das
    danças sempre tocadas
    nas discotecas, não só
    africanas. Quente, suave,
    apaixonante... Vários
    estilos, técnicas,
    influencias. Toda
    variedade e diversidade
    de Kizomba.
SEMBA
É uma dança de salão
angolana urbana. Dançada a
pares, com passadas distintas
dos cavalheiros, seguidas
pelas damas em passos
totalmente largos onde o
malabarismo dos cavalheiros
conta muito a nível de
improvisação. O Semba
caracteriza-se como uma
dança de passadas. Não é
ritual nem guerreira, mas sim
dança de divertimento
principalmente em festas,
dançada ao som do Semba.
DANÇAS TRIBAIS
            Danças e rituais que
           despertam o ritmo e as
          expressões corporais, que
           existem dentro de nós,
       inspirando o corpo e a alma e
       onde a música se entrelaçam
        com dinamismo e alegria de
               viver. Dançadas
         individualmente. Dança de
          saltos atléticos, figurinos
       exóticos e ritmos de êxtase. É
        uma expressão fortíssima de
           sentimentos artísticos,
           emocionais e religiosos.
KUDURO


O ritmo é semelhante à do Afro Zouk, mas num andamento intermédio.
As letras caracterizam-se pela sua simplicidade e humor. São geralmente
escritas em português, e muitas vezes com algum vocabulário de línguas
angolanas (por exemplo, quimbundo), tal como Da Dombolo (Dj SL), ou
Salalê (Dog Murras).
CAPOEIRA
A Capoeira é uma luta disfarçada em dança, criada pelos escravos trazidos
da África nos navios negreiros para o Brasil.
Dentro das Senzalas após a mistura das culturas das diversas tribos
africanas que aqui se encontraram, foi-se ao poucos somando o Ngolo que
era um jogo de luta praticado nas tribos africanas, o qual o vencedor
escolheria uma mulher da tribo a qual seria sua esposa.
CIDADE DO CABO
          Localizada numa
          pequena península no
          extremo sul da África, a
          Cidade do Cabo é o
          ponto turístico mais
          importante e o quarto
          maior centro urbano da
          África do Sul.
          As influências
          holandesas, britânica e
          nativa lhe garantem um
          ar cosmopolita. No pé de
          seu marco mais famoso a
          Table Mountain
          (montanha da mesa) a
          Cidade do Cabo possui
          muitos edifícios
          históricos bem
          conservados, além dos
          passeios aos rochedos
          que despeçam para o
          mar como também a
          região dos vinhos e ao
          Cabo da Boa Esperança.
EGITO


A civilização egípcia antiga desenvolveu-se no nordeste africano (margens
do rio Nilo) entre 3200 a.C (unificação do norte e sul) a 32 a.c (
domínio romano).
Como a região é formada por um deserto (Saara), o rio Nilo ganhou uma
extrema importância para os egípcios. O rio era utilizado como via de
transporte (através de barcos) de mercadorias e pessoas. As águas do rio
Nilo também eram utilizadas para beber, pescar e fertilizar as margens, nas
épocas de cheias, favorecendo a agricultura.
EGITO
SAFARI
  Na África,
 expedição de
caça de animais
   ferozes e
de grande porte
       .
ANIMAIS DO
  SAFARI
ANIMAIS DO
  SAFARI
ANIMAIS DO
  SAFARI
ANIMAIS DO
  SAFARI
ANIMAIS DO
  SAFARI
ANIMAIS DO
  SAFARI
ANIMAIS DO
  SAFARI
TRAJES FEMININOS
            A vestimenta das
                 mulheres
            africanas, baseia-
              se, em grande
             parte, em panos
              ou cangas que
            enrolam no corpo
              como vestidos,
           cangas, capulanas,
                   etc.
            São belos tecidos
           cuja padronagem e
              acabamento é
               reconhecida
             mundialmente.
TRAJES MASCULINOS
O Boubou/ Bubu
é um dos nomes
usados para um
robe de mangas
    largas e
  esvoaçantes
 usado na maior
 parte da Africa
  Ocidental, e
 parte da Africa
   do Norte.
PENTEADOS AFRICANOS
      O cabelo afro por
      ter uma estrutura
        porosa, fina e
          ondulada é
        naturalmente
      seco e assim mais
           sensível,
        precisando de
       cuidados. Alguns
        cortes ajudam
            nestas
       características e
         valorizam na
       mulher o que ela
       tem de melhor.
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PENTEADOS AFRICANOS
PINTURA CORPORAL
          As tribos africanas usam a
          pintura corporal com
          significados particulares a
          cada evento, e para
          embelezar-se. A natureza
          também é muito
          retratada nesse tipo de
          pintura corporal. As
          pinturas africanas são
          feitas com vegetais,
          barro, ocre vermelho e
          amarelo extraídos de
          rochas vulcânicas, cal
          branca e seiva de algumas
          plantas que possuem
          pigmentos fortes.
PINTURA CORPORAL
PINTURA CORPORAL
PINTURA CORPORAL
RELIGIÕES AFRICANAS
            Religiões tradicionais
            africanas envolvem
            ensinamentos, práticas e
            rituais, e visam compreender
            o divino. Mesmo dentro de
            uma mesma comunidade,
            pode haver pequenas
            diferenças de percepção do
            sobrenatural. São religiões
            que não foram
            significativamente alteradas
            pelas religiões adotadas mais
            recentemente (cristianismo,
            islão, judaísmo e outras).
            Estima-se que estas religiões
            sejam seguidas por
            aproximadamente 100
            milhões de pessoas em todo
            território africano.
UMBANDA
  Umbanda é uma
  religião formada
  dentro da cultura
 religiosa brasileira
que sincretiza vários
elementos, inclusive
 de outras religiões
como o catolicismo,
  o espiritismo e as
    religiões afro-
brasileiras. A palavra
 umbanda deriva de
  m'banda, que em
quimbundo significa
   "sacerdote" ou
    "curandeiro".
CANDOMBLÉCandomblé é uma
     religião panteísta onde se
     cultuam os orixás. Sendo
        de origem totêmica e
         familiar, é uma das
      religiões afro-brasileiras
              praticadas
     principalmente no Brasil,
       pelo chamado povo do
      santo, mas também em
         outros países como
         Uruguai, Argentina,
       Venezuela, Colômbia,
          Panamá, México,
     Alemanha, Itália, Portugal
             e Espanha.
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
ÁFRICA – FOME E POBREZA
Uns queriam um emprego melhor; outros, só
um emprego.
Uns queriam uma refeição mais farta; outros,
só uma refeição.
Uns queriam uma vida mais amena; outros,
apenas viver.
Uns queriam pais mais esclarecidos; outros,
ter pais.
Uns queriam ter olhos claros; outros,
enxergar.
Uns queriam ter voz bonita; outros, falar.
Uns queriam silêncio; outros, ouvir.
Uns queriam sapato novo; outros, ter pés.
Uns queriam um carro; outros, andar.
Uns queriam o supérfluo; outros, apenas o
necessário.

(Chico Xavier)
Continete Africano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRA
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRACONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRA
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRAValéria Vanessa
 
Fauna e flora da áfrica
Fauna e flora da áfricaFauna e flora da áfrica
Fauna e flora da áfricaIrlene Coutinho
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro BrasileiraCultura Afro Brasileira
Cultura Afro Brasileirabrendazarza
 
Introdução a historia - fontes históricas
Introdução a historia - fontes históricasIntrodução a historia - fontes históricas
Introdução a historia - fontes históricasIsabel Aguiar
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasilguestb74f0c
 
Plano de aula urbanização.doc2
Plano de aula urbanização.doc2Plano de aula urbanização.doc2
Plano de aula urbanização.doc2Luciana Souza
 
História da ÁFrica
História da ÁFricaHistória da ÁFrica
História da ÁFricaJoice Belini
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosIsaquel Silva
 
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileiraHistória da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileiraRaphael Lanzillotte
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasiledsonluz
 
Cultura africana 3° ano
Cultura africana 3° anoCultura africana 3° ano
Cultura africana 3° anoProfEricaVit
 
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdfARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdfWeslleyDias8
 
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa AvanciniAula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancinialexrrosaueja
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroferaps
 

Mais procurados (20)

CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRA
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRACONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRA
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS PARA A CULTURA BRASILEIRA
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
Africa - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e BantosAfrica - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e Bantos
 
Fauna e flora da áfrica
Fauna e flora da áfricaFauna e flora da áfrica
Fauna e flora da áfrica
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro BrasileiraCultura Afro Brasileira
Cultura Afro Brasileira
 
Cultura negra
Cultura negraCultura negra
Cultura negra
 
Introdução a historia - fontes históricas
Introdução a historia - fontes históricasIntrodução a historia - fontes históricas
Introdução a historia - fontes históricas
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
 
Plano de aula urbanização.doc2
Plano de aula urbanização.doc2Plano de aula urbanização.doc2
Plano de aula urbanização.doc2
 
História da ÁFrica
História da ÁFricaHistória da ÁFrica
História da ÁFrica
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
 
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileiraHistória da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
 
Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
 
Africa
AfricaAfrica
Africa
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
 
Cultura africana 3° ano
Cultura africana 3° anoCultura africana 3° ano
Cultura africana 3° ano
 
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdfARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
 
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa AvanciniAula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
 

Destaque

Apresentação do slide vocábulos africanos
Apresentação do slide   vocábulos africanosApresentação do slide   vocábulos africanos
Apresentação do slide vocábulos africanosAline Vieira da Silva
 
Dicionário afrobrasileiro
Dicionário afrobrasileiroDicionário afrobrasileiro
Dicionário afrobrasileiroLourdes Grasel
 
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOSCONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOSValéria Vanessa
 
ReligiõEs Afro Brasileiras
ReligiõEs Afro BrasileirasReligiõEs Afro Brasileiras
ReligiõEs Afro Brasileiraskobe_2B
 
Aula sobre Brincadeiras Africanas - Herança africana nas brincadeiras de cria...
Aula sobre Brincadeiras Africanas - Herança africana nas brincadeiras de cria...Aula sobre Brincadeiras Africanas - Herança africana nas brincadeiras de cria...
Aula sobre Brincadeiras Africanas - Herança africana nas brincadeiras de cria...Elisângela Sooma
 
Palavras de origem africana turma 6ª feira- definitivo
Palavras de origem africana  turma 6ª feira- definitivoPalavras de origem africana  turma 6ª feira- definitivo
Palavras de origem africana turma 6ª feira- definitivojocelia cristrina cerqueira
 

Destaque (10)

Cultura afro brasileira
Cultura afro brasileiraCultura afro brasileira
Cultura afro brasileira
 
Apresentação do slide vocábulos africanos
Apresentação do slide   vocábulos africanosApresentação do slide   vocábulos africanos
Apresentação do slide vocábulos africanos
 
Dicionário afrobrasileiro
Dicionário afrobrasileiroDicionário afrobrasileiro
Dicionário afrobrasileiro
 
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOSCONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS
CONTRIBUIÇÃO DOS AFRICANOS
 
Instrumentos musicais
Instrumentos musicaisInstrumentos musicais
Instrumentos musicais
 
ReligiõEs Afro Brasileiras
ReligiõEs Afro BrasileirasReligiõEs Afro Brasileiras
ReligiõEs Afro Brasileiras
 
Aula sobre Brincadeiras Africanas - Herança africana nas brincadeiras de cria...
Aula sobre Brincadeiras Africanas - Herança africana nas brincadeiras de cria...Aula sobre Brincadeiras Africanas - Herança africana nas brincadeiras de cria...
Aula sobre Brincadeiras Africanas - Herança africana nas brincadeiras de cria...
 
Palavras de origem africana turma 6ª feira- definitivo
Palavras de origem africana  turma 6ª feira- definitivoPalavras de origem africana  turma 6ª feira- definitivo
Palavras de origem africana turma 6ª feira- definitivo
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
Consciencia negra
Consciencia negraConsciencia negra
Consciencia negra
 

Semelhante a Continete Africano

Salvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do BrasilSalvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do Brasilgrupo102017
 
Cultura afro-brasileira----religiões.pptx
Cultura afro-brasileira----religiões.pptxCultura afro-brasileira----religiões.pptx
Cultura afro-brasileira----religiões.pptxBrendaBosi2
 
A influê (1).pdf
A influê (1).pdfA influê (1).pdf
A influê (1).pdfabnermaday
 
Trabalho sobre influencia da africa no espaço brasileiro
Trabalho sobre influencia da africa no espaço brasileiroTrabalho sobre influencia da africa no espaço brasileiro
Trabalho sobre influencia da africa no espaço brasileiroHudson Giovanni
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades Diversas Cláudia
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades Diversas Cláudia
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasiljosé Augusto Dias
 
Africa ApresentaÇÃO
Africa ApresentaÇÃOAfrica ApresentaÇÃO
Africa ApresentaÇÃOguestb74f0c
 
Identidade do negro no brasil
Identidade do negro no brasil Identidade do negro no brasil
Identidade do negro no brasil CmteAlyne
 
Dancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasilDancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasilRaiRosa1
 
Africanos, culturas, economias e etc
Africanos, culturas, economias e etcAfricanos, culturas, economias e etc
Africanos, culturas, economias e etcAnnaClaraBezerraMarq
 
Influência Africana
Influência AfricanaInfluência Africana
Influência Africanagrupo102017
 
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdfRaizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdfMaria Claudia F.Graca
 

Semelhante a Continete Africano (20)

Cultura africana
Cultura africanaCultura africana
Cultura africana
 
Cultura afro descendente
Cultura afro descendenteCultura afro descendente
Cultura afro descendente
 
Salvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do BrasilSalvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do Brasil
 
Cultura afro-brasileira----religiões.pptx
Cultura afro-brasileira----religiões.pptxCultura afro-brasileira----religiões.pptx
Cultura afro-brasileira----religiões.pptx
 
Arte de áfrica
Arte de áfricaArte de áfrica
Arte de áfrica
 
A influê (1).pdf
A influê (1).pdfA influê (1).pdf
A influê (1).pdf
 
Trabalho sobre influencia da africa no espaço brasileiro
Trabalho sobre influencia da africa no espaço brasileiroTrabalho sobre influencia da africa no espaço brasileiro
Trabalho sobre influencia da africa no espaço brasileiro
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
 
Africanidades
AfricanidadesAfricanidades
Africanidades
 
Arte africana
Arte africanaArte africana
Arte africana
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
 
Africa ApresentaÇÃO
Africa ApresentaÇÃOAfrica ApresentaÇÃO
Africa ApresentaÇÃO
 
Identidade do negro no brasil
Identidade do negro no brasil Identidade do negro no brasil
Identidade do negro no brasil
 
Dancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasilDancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasil
 
Cultura Afrodescendente.pptx
Cultura Afrodescendente.pptxCultura Afrodescendente.pptx
Cultura Afrodescendente.pptx
 
Africanos, culturas, economias e etc
Africanos, culturas, economias e etcAfricanos, culturas, economias e etc
Africanos, culturas, economias e etc
 
Sul da áfrica
Sul da áfricaSul da áfrica
Sul da áfrica
 
Influência Africana
Influência AfricanaInfluência Africana
Influência Africana
 
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdfRaizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
 

Mais de pratesclaudio

Qual a origem da história do Papai Noel?
Qual a origem da história do Papai Noel?Qual a origem da história do Papai Noel?
Qual a origem da história do Papai Noel?pratesclaudio
 
Semana nacional do trânsito
Semana nacional do trânsitoSemana nacional do trânsito
Semana nacional do trânsitopratesclaudio
 
Plantas comestíveis e ornamentais
Plantas comestíveis e ornamentaisPlantas comestíveis e ornamentais
Plantas comestíveis e ornamentaispratesclaudio
 
Lenda Calção de Couro - Goianésia Goiás
Lenda Calção de Couro - Goianésia GoiásLenda Calção de Couro - Goianésia Goiás
Lenda Calção de Couro - Goianésia Goiáspratesclaudio
 
O marimbondo zangado - Eunice Braido
O marimbondo zangado - Eunice BraidoO marimbondo zangado - Eunice Braido
O marimbondo zangado - Eunice Braidopratesclaudio
 
Copa do mundo 2014 - Prof. Cláudio Prates
Copa do mundo 2014 - Prof. Cláudio PratesCopa do mundo 2014 - Prof. Cláudio Prates
Copa do mundo 2014 - Prof. Cláudio Pratespratesclaudio
 
História: "A escola que chorava".
História: "A escola que chorava".História: "A escola que chorava".
História: "A escola que chorava".pratesclaudio
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasilpratesclaudio
 
História da Cidade de Goianésia - Prof. Cláudio Prates.
História da Cidade de Goianésia - Prof. Cláudio Prates.História da Cidade de Goianésia - Prof. Cláudio Prates.
História da Cidade de Goianésia - Prof. Cláudio Prates.pratesclaudio
 
Higiene - Prof. Cláudio Prates
Higiene - Prof. Cláudio PratesHigiene - Prof. Cláudio Prates
Higiene - Prof. Cláudio Pratespratesclaudio
 
Profissões e salário
Profissões e salárioProfissões e salário
Profissões e saláriopratesclaudio
 
Animais Selvagens e Domésticos - Prof. Cláudio Prates.
Animais Selvagens e Domésticos - Prof. Cláudio Prates.Animais Selvagens e Domésticos - Prof. Cláudio Prates.
Animais Selvagens e Domésticos - Prof. Cláudio Prates.pratesclaudio
 

Mais de pratesclaudio (20)

Qual a origem da história do Papai Noel?
Qual a origem da história do Papai Noel?Qual a origem da história do Papai Noel?
Qual a origem da história do Papai Noel?
 
Semana nacional do trânsito
Semana nacional do trânsitoSemana nacional do trânsito
Semana nacional do trânsito
 
Plantas comestíveis e ornamentais
Plantas comestíveis e ornamentaisPlantas comestíveis e ornamentais
Plantas comestíveis e ornamentais
 
Punks e Skinheads
Punks e SkinheadsPunks e Skinheads
Punks e Skinheads
 
Primavera
PrimaveraPrimavera
Primavera
 
Órgãos do sentido
Órgãos do sentidoÓrgãos do sentido
Órgãos do sentido
 
Lenda Calção de Couro - Goianésia Goiás
Lenda Calção de Couro - Goianésia GoiásLenda Calção de Couro - Goianésia Goiás
Lenda Calção de Couro - Goianésia Goiás
 
Paraguai
ParaguaiParaguai
Paraguai
 
O marimbondo zangado - Eunice Braido
O marimbondo zangado - Eunice BraidoO marimbondo zangado - Eunice Braido
O marimbondo zangado - Eunice Braido
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
 
Copa do mundo 2014 - Prof. Cláudio Prates
Copa do mundo 2014 - Prof. Cláudio PratesCopa do mundo 2014 - Prof. Cláudio Prates
Copa do mundo 2014 - Prof. Cláudio Prates
 
História: "A escola que chorava".
História: "A escola que chorava".História: "A escola que chorava".
História: "A escola que chorava".
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Trânsito
TrânsitoTrânsito
Trânsito
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
História da Cidade de Goianésia - Prof. Cláudio Prates.
História da Cidade de Goianésia - Prof. Cláudio Prates.História da Cidade de Goianésia - Prof. Cláudio Prates.
História da Cidade de Goianésia - Prof. Cláudio Prates.
 
Higiene - Prof. Cláudio Prates
Higiene - Prof. Cláudio PratesHigiene - Prof. Cláudio Prates
Higiene - Prof. Cláudio Prates
 
Partes da planta
Partes da plantaPartes da planta
Partes da planta
 
Profissões e salário
Profissões e salárioProfissões e salário
Profissões e salário
 
Animais Selvagens e Domésticos - Prof. Cláudio Prates.
Animais Selvagens e Domésticos - Prof. Cláudio Prates.Animais Selvagens e Domésticos - Prof. Cláudio Prates.
Animais Selvagens e Domésticos - Prof. Cláudio Prates.
 

Último

As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 

Último (20)

treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 

Continete Africano

  • 1.
  • 2. SURGIMENTO DO HOMEM A África é um continente de grandes contrastes. Foi nele que, segundo as evidências científicas de que dispomos hoje, surgiu a espécie humana. Sua população, no ano 2000, beirava 800 milhões de habitantes.
  • 3.
  • 4. ARTES NA CULTURA AFRICANA A cultura africana tem uma rica tradição artística representada por uma variedade de entalhos em madeira, trabalhos em bronze e couro. As artes africanas incluem esculturas, pinturas, cerâmica, máscaras cerimoniais e vestimentas religiosas. A cultura africana sempre deu ênfase na aparência das pessoas, e as jóias, colares, braceletes e anéis permaneceram como um acessório pessoal importante. De maneira similar, máscaras são feitas com desenhos elaborados e constituem parte importante da cultura africana. Máscaras são usadas em uma variedade de cerimônias e rituais.
  • 5.
  • 6. RITMOS Ao ritmo do Semba, Funaná, Kuduro, Sakiss, Puita, Marrabenta, e outros sons da música folclórica, são dançadas em pequenas coreografias, trabalhando assim os movimentos da anca, o rebolar da bunda , e a facilidade de juntar a agilidade dos braços, pernas e cabeça, num só movimento culminando num trabalho de ritmo corporal.
  • 7. KIZOMBA Ritmo quente, originário de Angola, não pára de conquistar cada vez mais praticantes. É uma das danças sempre tocadas nas discotecas, não só africanas. Quente, suave, apaixonante... Vários estilos, técnicas, influencias. Toda variedade e diversidade de Kizomba.
  • 8. SEMBA É uma dança de salão angolana urbana. Dançada a pares, com passadas distintas dos cavalheiros, seguidas pelas damas em passos totalmente largos onde o malabarismo dos cavalheiros conta muito a nível de improvisação. O Semba caracteriza-se como uma dança de passadas. Não é ritual nem guerreira, mas sim dança de divertimento principalmente em festas, dançada ao som do Semba.
  • 9. DANÇAS TRIBAIS Danças e rituais que despertam o ritmo e as expressões corporais, que existem dentro de nós, inspirando o corpo e a alma e onde a música se entrelaçam com dinamismo e alegria de viver. Dançadas individualmente. Dança de saltos atléticos, figurinos exóticos e ritmos de êxtase. É uma expressão fortíssima de sentimentos artísticos, emocionais e religiosos.
  • 10. KUDURO O ritmo é semelhante à do Afro Zouk, mas num andamento intermédio. As letras caracterizam-se pela sua simplicidade e humor. São geralmente escritas em português, e muitas vezes com algum vocabulário de línguas angolanas (por exemplo, quimbundo), tal como Da Dombolo (Dj SL), ou Salalê (Dog Murras).
  • 11. CAPOEIRA A Capoeira é uma luta disfarçada em dança, criada pelos escravos trazidos da África nos navios negreiros para o Brasil. Dentro das Senzalas após a mistura das culturas das diversas tribos africanas que aqui se encontraram, foi-se ao poucos somando o Ngolo que era um jogo de luta praticado nas tribos africanas, o qual o vencedor escolheria uma mulher da tribo a qual seria sua esposa.
  • 12.
  • 13. CIDADE DO CABO Localizada numa pequena península no extremo sul da África, a Cidade do Cabo é o ponto turístico mais importante e o quarto maior centro urbano da África do Sul. As influências holandesas, britânica e nativa lhe garantem um ar cosmopolita. No pé de seu marco mais famoso a Table Mountain (montanha da mesa) a Cidade do Cabo possui muitos edifícios históricos bem conservados, além dos passeios aos rochedos que despeçam para o mar como também a região dos vinhos e ao Cabo da Boa Esperança.
  • 14. EGITO A civilização egípcia antiga desenvolveu-se no nordeste africano (margens do rio Nilo) entre 3200 a.C (unificação do norte e sul) a 32 a.c ( domínio romano). Como a região é formada por um deserto (Saara), o rio Nilo ganhou uma extrema importância para os egípcios. O rio era utilizado como via de transporte (através de barcos) de mercadorias e pessoas. As águas do rio Nilo também eram utilizadas para beber, pescar e fertilizar as margens, nas épocas de cheias, favorecendo a agricultura.
  • 15. EGITO
  • 16.
  • 17. SAFARI Na África, expedição de caça de animais ferozes e de grande porte .
  • 18.
  • 19. ANIMAIS DO SAFARI
  • 20. ANIMAIS DO SAFARI
  • 21. ANIMAIS DO SAFARI
  • 22. ANIMAIS DO SAFARI
  • 23. ANIMAIS DO SAFARI
  • 24. ANIMAIS DO SAFARI
  • 25. ANIMAIS DO SAFARI
  • 26.
  • 27. TRAJES FEMININOS A vestimenta das mulheres africanas, baseia- se, em grande parte, em panos ou cangas que enrolam no corpo como vestidos, cangas, capulanas, etc. São belos tecidos cuja padronagem e acabamento é reconhecida mundialmente.
  • 28. TRAJES MASCULINOS O Boubou/ Bubu é um dos nomes usados para um robe de mangas largas e esvoaçantes usado na maior parte da Africa Ocidental, e parte da Africa do Norte.
  • 29.
  • 30.
  • 31. PENTEADOS AFRICANOS O cabelo afro por ter uma estrutura porosa, fina e ondulada é naturalmente seco e assim mais sensível, precisando de cuidados. Alguns cortes ajudam nestas características e valorizam na mulher o que ela tem de melhor.
  • 45.
  • 46. PINTURA CORPORAL As tribos africanas usam a pintura corporal com significados particulares a cada evento, e para embelezar-se. A natureza também é muito retratada nesse tipo de pintura corporal. As pinturas africanas são feitas com vegetais, barro, ocre vermelho e amarelo extraídos de rochas vulcânicas, cal branca e seiva de algumas plantas que possuem pigmentos fortes.
  • 50.
  • 51. RELIGIÕES AFRICANAS Religiões tradicionais africanas envolvem ensinamentos, práticas e rituais, e visam compreender o divino. Mesmo dentro de uma mesma comunidade, pode haver pequenas diferenças de percepção do sobrenatural. São religiões que não foram significativamente alteradas pelas religiões adotadas mais recentemente (cristianismo, islão, judaísmo e outras). Estima-se que estas religiões sejam seguidas por aproximadamente 100 milhões de pessoas em todo território africano.
  • 52.
  • 53. UMBANDA Umbanda é uma religião formada dentro da cultura religiosa brasileira que sincretiza vários elementos, inclusive de outras religiões como o catolicismo, o espiritismo e as religiões afro- brasileiras. A palavra umbanda deriva de m'banda, que em quimbundo significa "sacerdote" ou "curandeiro".
  • 54.
  • 55. CANDOMBLÉCandomblé é uma religião panteísta onde se cultuam os orixás. Sendo de origem totêmica e familiar, é uma das religiões afro-brasileiras praticadas principalmente no Brasil, pelo chamado povo do santo, mas também em outros países como Uruguai, Argentina, Venezuela, Colômbia, Panamá, México, Alemanha, Itália, Portugal e Espanha.
  • 56.
  • 57. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 58. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 59. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 60. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 61. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 62. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 63. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 64. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 65. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 66. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 67. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 68. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 69. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 70. ÁFRICA – FOME E POBREZA
  • 71. Uns queriam um emprego melhor; outros, só um emprego. Uns queriam uma refeição mais farta; outros, só uma refeição. Uns queriam uma vida mais amena; outros, apenas viver. Uns queriam pais mais esclarecidos; outros, ter pais. Uns queriam ter olhos claros; outros, enxergar. Uns queriam ter voz bonita; outros, falar. Uns queriam silêncio; outros, ouvir. Uns queriam sapato novo; outros, ter pés. Uns queriam um carro; outros, andar. Uns queriam o supérfluo; outros, apenas o necessário. (Chico Xavier)