Deriva Continental

320 visualizações

Publicada em

Trabalho da Deriva Continental

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Deriva Continental

  1. 1. Deriva dos Continentes
  2. 2. A Deriva Continental A crosta terrestre é formada de pedaços chamados placas, que andam à deriva sobre a camada de rocha fundida do manto. Há sete placas principais e várias outras mais pequenas. As forças magnéticas do interior da Terra fazem as placas deslucarem-se lentamente pelo globo num vaivém constante. Os geólogos pensam que há cerca de 225 milhões de anos toda a Terra deste planeta estava unida num "supercontinente" a que chamaram Pangeia. Mas, à medida que as placas se deslocaram, a Terra deste supercontinente começou lentamente a separasse. Chama-se a este movimento a deriva dos continentes. Os mapas que vemos abaixo mostram o que os geólogos pensam sobre o modo como os continentes se deslocaram e se afastaram até formarem as massas de terra que conhecemos actualmente. No hemisfério Sul, há cerca de 150 milhões de anos, no período chamado Jurássico, as correntes de convecção dividiram em pedaços o megacontinente Gondwana. Elas fracturaram a crosta terrestre e separaram a América do Sul, África, Austrália, Antárctica e Índia. Nas regiões de Gondwana, que hoje são Brasil e África, as correntes de convecção formaram fissuras e fracturas na crosta terrestre, o que gerou derramamento de lava. A ação contínua dessas forças também rompeu completamente a crosta terrestre e formou o Oceano Atlântico. Porém, ele não parecia o vasto mar que é hoje: a fragmentação de Gondwana formou apenas um pequeno oceano, que só cresceu quando Brasil e África começaram a se afastar de forma gradual há, aproximadamente, 135 milhões de anos.
  3. 3. A Deriva Continental
  4. 4. Alfred Wegener A formação inicial de Alfred Wegener foi feita pela astronomia, concluindo um doutoramento em 1904 na Universidade de Berlim. Contudo, sempre teve interesse pela geofísica e tornou-se também interessado nos campos emergentes da meteorologia e climatologia. Alfred Wegener casou-se com a filha de um famoso meteorologista, Wladimir Köppen. Na área da meteorologia, Wegener foi pioneiro na utilização de balões meteorológicos no estudo das massas de ar. Em 1906 Wegener fez parte de uma expedição à Groenlândia com o objetivo de estudar a circulação das massas de ar polar. Quando regressou da expedição com milhões de anos de história, aceitou um lugar de tutor na Universidade de Marburg. Tornou a viajar para a Groenlândia de novo de 1912 a 1913. Em 1912 foi recrutado para o exército alemão, sendo mais tarde dispensado de combater por ter sido ferido, servindo durante o resto da guerra nos serviços meteorológicos do exército. Após a guerra, Wegener regressou a , mas em 1924 aceitou um lugar de professor de meteorologia e geofísica na Universidade Austríaca de Graz. A sua última expedição à Groenlândia ocorreu em 1930. Nela, ao regressar de uma expedição de salvamento que levou alimentos a um grupo de seus colegas acampados num local remoto, morreu de hipotermia um dia ou dois após o seu quinquagésimo aniversário.
  5. 5. Designasse por Pangeia o continente que, descrito pela deriva continental, existiu até há 200 milhões de anos, durante a era Paleozoica, porém, há relatos também de 540 milhões de anos. A palavra originasse do fato de todos os continentes estarem juntos.
  6. 6. O ‘’supercontinente’’ do norte Laurásia incluía os continentes que hoje constituem Hemisfério Norte, incluindo a América do Norte, Europa e Ásia do Norte. O ‘’supercontinente’’ do sul Gondwana incluía a maior parte das zonas de terra firme que hoje constituem os continentes do Hemisfério Sul, incluindo a Antártida, América do Sul, África, Madagáscar, Seicheles, Índia, Austrália, Nova Guiné, Nova Zelândia, e Nova Caledónia.
  7. 7. Atual posição dos Continentes.

×