Síntese do acordo ortográfico de 1990 algumas regras

1.084 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.084
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Síntese do acordo ortográfico de 1990 algumas regras

  1. 1. Síntese do Acordo Ortográfico de 1990 O Acordo Ortográfico visa acabar com algumas das divergências que existem entre as duas ortografias, a do português europeu e a do português do Brasil, assim como permitir que algumas dessas divergências possam coexistir, atribuindo-se-lhes o nome de duplas grafias. Este acordo é acima de tudo uma tentativa de criação de uma norma ortográfica única, privilegiando a fonética e, assim sendo, aproximando a língua falada da língua escrita. Principais alterações a ter em conta com a entrada em vigor do novo acordo: 1. Alfabeto da língua portuguesa: O alfabeto da língua portuguesa passa a ter 26 letras com a inclusão de k (capa), w (dáblio) e y (ípsilon). Essas letras são usadas nos casos seguintes: - em antropónimos estrangeiros, isto é, em nomes de pessoas de origem estrangeira, assim como nos seus derivados: Kafka – kafkiano; - em topónimos de origem estrangeira e seus derivados: Kosovo – kosovar. Nota: Nos casos em que já exista uma forma aportuguesada (vernácula) esta deve ser dada como preferencial, como é o caso da substituição de New York por Nova Iorque. - nas siglas, símbolos e unidades de medida internacionais, como é o caso de WWW (World Wide Web) e de km (quilómetro); - em palavras de origem estrangeira de uso corrente, como os exemplos seguintes: web, software, hobby, etc. 2. Alterações na acentuação de palavras: Supressão do acento agudo - palavras graves com ditongo tónico ói: jibóia > jiboia; jóia > joia Nota: No Brasil, o acento agudo será ainda eliminado em: - palavras graves com ditongo tónico éi: idéia > ideia; - palavras graves com í e ú tónicos, quando precedidas de ditongo: feiúra > feiura. Supressão do acento circunflexo - formas verbais graves terminadas em êem da 3.ª pessoa do plural do presente do indicativo ou do conjuntivo: lêem > leem; vêem > veem; crêem > creem; dêem > deem. Nota: No Brasil, será eliminado o acento circunflexo nas palavras graves terminadas em o duplo (enjôo > enjoo; vôo > voo). Supressão do trema O trema, que não é usado em Portugal desde 1945, desaparece na variante brasileira em palavras como: frequência > frequência; tranqüilo > tranquilo. No entanto, o trema continuará a ser usado, quer no português europeu quer no brasileiro, em vocábulos de origem estrangeira
  2. 2. e seus derivados: mülleriano. Acento diferencial A diferenciação entre palavras graves homógrafas proclíticas deixa de ser feita através da acentuação aguda ou circunflexa e passa a ser dada pelo contexto, como nos seguintes exemplos: pára (presente do indicativo e imperativo do verbo parar) e para (preposição): O automobilista para no sinal vermelho. A passadeira é para os peões atravessarem em segurança. pelo (presente do indicativo de verbo pelar), pêlo (nome) e pelo (contracção da preposição por + artigo o): Eu pelo uma castanha. O gato tem o pelo macio. Andei a passear pelo Porto. Uso facultativo do acento - formas verbais terminadas em -ámos do pretérito perfeito do indicativo na 1.ª pessoa do plural: amámos ou amamos; passámos ou passamos; - forma verbal grave do presente do conjuntivo do verbo dar: dêmos ou demos; - nome feminino forma com sentido de molde: fôrma ou forma. Dupla acentuação - em casos como as palavras graves ou esdrúxulas com é e ó tónicos, seguidas das consoantes nasais m ou n, com as quais não formam sílaba: ténis e tênis; fenómeno e fenômeno; - em casos como as palavras agudas com é e ó tónicos, geralmente provenientes do francês, em que há oscilação de pronúncia: bebé e bebê; guiché e guiché; cocó e cocô; - nas palavras agudas terminadas em o: judo e judô; metro e metrô; - formas verbais com u tónico na raiz, precedido de g ou q e seguido de e ou i podem perder a acentuação gráfica em ú (mas não a tónica) ou ser acentuados (tónica e graficamente) nas vogais a e i radicais: averigúe > averigúe ou averígue . 3. Supressão das sequências consonânticas As consoantes mudas ou não articuladas são suprimidas e mantêm-se as duas grafias quando há oscilação de pronúncia. Alguns exemplos de supressão da consoante em casos em que não há dúvidas quanto à sua não articulação: accionar > acionar colecção > coleção actual > atual decepcionar > dececionar assumpcionista > assuncionista adopção > adoção assumpção > assunção adoptar > adotar Egipto > Egito óptimo > ótimo sumptuoso> suntuoso
  3. 3. Alguns exemplos em que a sequência consonântica é pronunciada e, por isso, não é eliminada: ficcional convicção bactéria egípcio corrupção adepto Exemplos de casos de oscilação da pronúncia em que é aceite a grafia dupla: carácter ou caráter infecioso ou infeccioso infeção ou infecção dececionar ou decepcionar conceção ou concepção receção ou recepção corrupto ou corruto perentório ou peremptório súbdito ou súdito subtil ou sutil amígdala ou amídala amnistia ou anistia 4. Supressão do hífen - nos compostos em que se perdeu a noção de composição como nos seguintes casos: mandachuva e paraquedas; - duplicação do r nas formas derivadas quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por r ou s, como são os casos seguintes: contra-relógio > contrarrelógio ultra-sónico > ultrassónico - quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com uma vogal diferente, como é o caso seguinte: auto-estrada > autoestrada - com o prefixo co-, mesmo quando o segundo elemento comece com o, como é o caso seguinte: co-ocorrência > coocorrência - na maior parte das locuções: cartão-de-visita > cartão de visita; fim-de-semana > fim de semana - na conjugação do verbo haver com a preposição de: hei-de > hei de hás-de > hás de há-de > há de heis-de > heis de hão-de > hão de 5. Uso do hífen - em compostos que designam espécies zoológicas ou botânicas, como os casos seguintes: couve-flor e galinha-da-índia. - com os prefixos circum- e pan-, quando o segundo elemento começa por vogal, h, m ou n,
  4. 4. como em circum-navegação e pan-africano. - com os prefixos hiper-, inter- e super-, quando o segundo elemento começa por r, como em hiper-realista e super-resistente. - com os prefixos pré-, pró- e pós-: pré-fabricação e pré-fabricar. - quando o segundo elemento começa pela mesma vogal com que termina o prefixo, como, por exemplo, infra-axilar e micro-ondas. 6. Simplificação do uso das maiúsculas e minúsculas - uso de minúsculas nos casos seguintes: Meses do ano: janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho, julho, agosto, setembro, outubro, novembro, dezembro Estações do ano: primavera, verão, outono, inverno Pontos cardeais, colaterais e subcolaterais: norte, sul, este, oeste, nordeste, noroeste, sudeste, sueste, sudoeste, és-nordeste, és-sudeste, és-sueste, nor-noroeste, nor-nordeste, oés-noroeste, oés-sudoeste, su-sudeste, su-sueste, su- sudoeste. Nota: Excepto se estes nomes correspondem a uma região e são usados no seu valor absoluto (*), ou quando se usam as correspondentes abreviaturas. (*) Vivo no Sul (por sul de Portugal) Designações usadas para mencionar alguém cujo nome se desconhece: fulano, sicrano e beltrano - uso facultativo da minúscula e da maiúscula: Disciplinas escolares, cursos e domínios de saber: português ou Português Nomes de vias ou lugares públicos: Rua da Restauração ou rua da Restauração Formas de tratamento: Senhor Doutor ou senhor doutor Nomes de livros ou obras, excepto o primeiro elemento e os nomes próprios que se grafam com maiúscula inicial: O Retrato de Ricardina ou O retrato de Ricardina In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2010. [Consult. 2010-09-16]. Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/$acordo-ortografico>.

×