Disciplina: Língua Portuguesa
Professor: Paulo Faria
   É um caso especial de repetição: quando
    uma palavra aparece repetida no inicio de
    um verso ou frase.

  Ex.:
...
   Processo de evidenciar semelhanças entre
    duas realidades. Pode ser realizado através
    da partícula comparativa ...
    Interpelação de pessoas ausentes ou
    presentes, identidades reais ou irreais,
    sob a forma exclamativa.



   ...
   Atribuição de aspectos antagónicos a
     uma mesma realidade.

 Ex.:
“Amor é fogo que arde sem se ver”
“É ferida que ...
 Consiste na associação ou sobreposição
  de duas realidades diferentes que têm
  algo em comum.
 Ex:
Meu coração é um b...
   É a substituição de um termo por outro,
    em que os sentidos destes termos têm
    uma relação de extensão desigual....
   Recuo temporal destinado a relatar
    eventos anteriores ao presente da
    acção.
Os Lusíadas de Camões, como começa...
 Atribuição de
  qualidades, características e atitudes
  humanas a outros seres não humanos
  (animais ou seres inanimad...
   Consiste na atribuição a um objecto de
    uma característica que, na verdade,
    pertence a outro com o qual está
  ...
 É a relação de planos sensoriais
  diferentes: Por exemplo, o gosto com o
  cheiro, ou a visão com o olfacto.
 Ex.:
“ e...
   Expressão de uma ideia, mas fazendo
    entender precisamente o seu contrário.

 Ex:
 quot;E fique sabendo o Dantas q...
   Figura de estilo através da qual
    determinada realidade, geralmente
    negativa, é suavizada.


Exemplo: » Após
pr...
 Recurso estilístico que consiste na
  representação de uma realidade
  abstracta através de uma realidade
  concreta
 O...
   Apresentação sucessiva de vários
    elementos dominados por uma
    realidade comum.

   Exemplo: » Vaidade é o luxo...
   Consiste Acto ou modo de atribuir
    qualidades aos substantivos, precisando
    o seu significado.

Ex.:
“Figura re...
Recursos Estilísticos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Recursos Estilísticos

2.879 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.879
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Recursos Estilísticos

  1. 1. Disciplina: Língua Portuguesa Professor: Paulo Faria
  2. 2.  É um caso especial de repetição: quando uma palavra aparece repetida no inicio de um verso ou frase.  Ex.: Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. (Camões)
  3. 3.  Processo de evidenciar semelhanças entre duas realidades. Pode ser realizado através da partícula comparativa como ou de verbos como: parecer, assemelhar- se, fazer lembrar.  Ex: O Amor queima como o fogo (Luís de Camões)
  4. 4.  Interpelação de pessoas ausentes ou presentes, identidades reais ou irreais, sob a forma exclamativa.  Exemplo: » Ó lua inspira-me» ( Luís de Camões)
  5. 5.  Atribuição de aspectos antagónicos a uma mesma realidade. Ex.: “Amor é fogo que arde sem se ver” “É ferida que dói e não se sente”
  6. 6.  Consiste na associação ou sobreposição de duas realidades diferentes que têm algo em comum.  Ex: Meu coração é um balde despejado (Fernando Pessoa)
  7. 7.  É a substituição de um termo por outro, em que os sentidos destes termos têm uma relação de extensão desigual. Exemplo: » Que, da Ocidental praia Lusitana» ( Luís de Camões)
  8. 8.  Recuo temporal destinado a relatar eventos anteriores ao presente da acção. Os Lusíadas de Camões, como começam quot;a meio da acçãoquot; (in media res), farão, depois, uso da analepse para que sejam referidos acontecimentos prévios. No cinema, o flashback é um recurso típico de vários géneros cinematográficos, sendo frequente nos filmes policiais e nos clássicos do filme negro norte-americano: por exemplo, em “Out of the Past”, de Jacques Tourneur, onde o passado é essencial para a compreensão da acção, é apresentado numa longa sequência que justifica o título original do filme (Fora do Passado, em tradução literal).
  9. 9.  Atribuição de qualidades, características e atitudes humanas a outros seres não humanos (animais ou seres inanimados).  Ex: quot;A Bomba atómica é triste, Coisa mais triste não há Quando cai, cai sem vontadequot; (Vinícius de Morais)
  10. 10.  Consiste na atribuição a um objecto de uma característica que, na verdade, pertence a outro com o qual está relacionado.  Exemplo: »Tentou todavia uma garfada tímida» (Eça de Queiroz)
  11. 11.  É a relação de planos sensoriais diferentes: Por exemplo, o gosto com o cheiro, ou a visão com o olfacto.  Ex.: “ e remando ouvia o som trémulos dos peixes – voadores.”
  12. 12.  Expressão de uma ideia, mas fazendo entender precisamente o seu contrário.  Ex: quot;E fique sabendo o Dantas que se um dia houver justiça em Portugal todo o mundo saberá que o autor dos Lusíadas é o Dantas que num rasgo memorável de modéstia só consentiu a glória do seu pseudónimo Camões.quot; (Almadaaviso de proibido A figura mostra um Negreiros, fumar colocado sobre figuras de Sherlock Manifesto Anti-Dantas)Holmes fumando, um exemplo típico da ironia de situação.
  13. 13.  Figura de estilo através da qual determinada realidade, geralmente negativa, é suavizada. Exemplo: » Após prolongada doença ele apagou-se»
  14. 14.  Recurso estilístico que consiste na representação de uma realidade abstracta através de uma realidade concreta  Os ditados populares são alegorias contextualizadas: “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.” “Mais vale um pássaro na mão que dois a voar.” “Casa de ferreiro, espeto de pau.”
  15. 15.  Apresentação sucessiva de vários elementos dominados por uma realidade comum.  Exemplo: » Vaidade é o luxo, a glória, caridade» ( António Nobre)
  16. 16.  Consiste Acto ou modo de atribuir qualidades aos substantivos, precisando o seu significado. Ex.: “Figura resoluta e forte”

×