LISTA DE EXERCÍCIOS (PRIMEIRO ANO)
Obs.: Esta lista será corrigida no plantão de véspera da P2 – PRIMEIRO
BIMESTRE (dia 29...
04 – Analisando as duas tiras (inferior e superior), encontramos uma figura de
pensamento bastante evidente, especialmente...
06 – O poema pode ser dividido em duas partes distintas: os três primeiros versos
formam um bloco, os três últimos, outro,...
09 – Qual é a figura de linguagem que predomina na canção? Como ela colaborou para
o desenvolvimento temático da mesma? (0...
13 – “Se Isabel tinha vindo me procurar no jornal, alguém deveria saber. Perguntei ao
contínuo pelo Nilo, chefe da redação...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2ª lista de_exercicios_-_1º_ano_-_prof._kleber

628 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
628
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2ª lista de_exercicios_-_1º_ano_-_prof._kleber

  1. 1. LISTA DE EXERCÍCIOS (PRIMEIRO ANO) Obs.: Esta lista será corrigida no plantão de véspera da P2 – PRIMEIRO BIMESTRE (dia 29-03-2012) Leia um trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha “Muitos deles ou quase a maior parte dos que andavam ali traziam aqueles bicos de osso nos beiços. E alguns, que andavam sem eles, tinham os beiços furados e nos buracos uns espelhos de pau, que pareciam espelhos de borracha; outros traziam três daqueles bicos, a saber, um no meio e os dois nos cabos. Aí andavam outros, quartejados de cores, a saber, metade deles da sua própria cor , e metade de tintura preta, a modos de azulada; e outros quartejados de escaques. Ali andavam entre eles três ou quatro moças, bem moças e bem gentis, com cabelos muito pretos, compridos pelas espáduas, e suas vergonhas tão altas, tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as muito bem olharmos, não tínhamos nenhuma vergonha. 01 - A Carta do Descobrimento é considerada a certidão de nascimento cultural de nosso país. Em que sentido esta carta influenciou a Literatura Brasileira? (04 LINHAS) Ela foi a nossa primeira manifestação literária, apesar de ter sido produzida por portugueses. Além disso, muitas obras literárias posteriores descreveriam as nossas belezas naturais, o nosso povo, ou seja, a Carta de Caminha foi a primeira de uma extensa lista de livros literários que abordavam estes temas. 02 – Quais eram as principais abordagens relatadas pela Carta de Pero Vaz de Caminha? (04 LINHAS) As nossas riquezas minerais, naturais (fauna e flora), clima, tipo humano (índio) e a possibilidade de catequese. 03 - A qual representante do Quinhentismo Brasileiro referem-se as afirmações a seguir: “Foi o mais importante jesuíta em atividade no Brasil do século XVI.” “Estudou o tupi-guarani, escrevendo uma cartilha sobre a gramática da língua dos nativos.” “Escreveu tanto uma literatura de caráter pedagógico.” “Suas peças apresentam sempre o duelo entre anjos e diabos.” (02 LINHAS) José de Anchieta Leia as tiras abaixo, extraídas de Mafalda:
  2. 2. 04 – Analisando as duas tiras (inferior e superior), encontramos uma figura de pensamento bastante evidente, especialmente no último quadrinho de ambas. Qual seria ela? Que efeito ela causa para o desfecho da mensagem? (05 LINHAS) A figura de pensamento é a personificação (ou prosopopeia). Ela causa o efeito de humanizar o “mundo”, como alguém que precisa de cuidados especiais, por se encontrar “doente”. 05 – Indique a figura de construção que foi utilizada nos 2º e 3º quadrinhos da tira superior. Qual é a contribuição desta figura para a mensagem da mesma? (04 LINHAS) A figura de construção chama-se Zeugma. Ela contribui para deixar a mensagem mais enxuta, proporcionando um maior dinamismo ao diálogo exposto. Leia o poema abaixo, de Oswald de Andrade: Erro de português Quando o português chegou Debaixo duma bruta chuva Vestiu o índio Que pena! Fosse uma manhã de sol O índio tinha despido O português
  3. 3. 06 – O poema pode ser dividido em duas partes distintas: os três primeiros versos formam um bloco, os três últimos, outro, separados pelo quarto verso. Esses dois blocos foram construídos a partir de uma figura de linguagem. Qual é ela? Transcreva palavras que justifiquem sua resposta. (04 LINHAS) A figura de linguagem é a antítese. As palavras que justificam a figura são “sol”x “chuva” e “vestiu”x “despido” 07 – Quais são as funções sintáticas desempenhadas pelas palavras “português” e “índio” em cada bloco? Isso reforça a importância da figura de linguagem da questão 06? Por quê? (06 LINHAS) No poema, o português seria o sujeito a influenciar a cultura indígena (seu objeto a ser manipulado); já no segundo bloco do texto de Oswald encontramos as coisas invertidas, pois o índio transformou-se no sujeito sintático enquanto o português, apenas um objeto. Estes contrastes realçam a figura de linguagem (antítese). 08 – Em sua opinião, além dos aspectos estruturais e linguísticos, o que diferencia este poema de Oswald de Andrade da Carta de Pero Vaz de Caminha? (06 LINHAS) O texto de Caminha é direto, informativo, predominando uma linguagem de sentido denotativo; já o poema de Oswald encontramos uma linguagem poética, sugestiva, irreverente para fazer o leitor pensar a respeito da nossa cultura que foi influenciada por Portugal desde os anos de 1500. Leia a canção abaixo para responder as questões 09 e 10: VIDA DE CACHORRO Composição: Os Mutantes Vamos embora companheiro, vamos Eles estão por fora do que eu sinto por você Me dê sua pata peluda, vamos passear Sentindo o cheiro da rua Me lamba o rosto, meu querido, lamba E diga que também você me ama Eu quero ver seu rabo abanando Vamos ficar sem coleira Vamos ter cinco lindos cachorrinhos Até que a morte nos separe, meu amor!
  4. 4. 09 – Qual é a figura de linguagem que predomina na canção? Como ela colaborou para o desenvolvimento temático da mesma? (05 LINHAS) A figura predominante é a zoomorfização (ou animalização). Ela provoca no leitor a sensação de que um casal pode se sentir amado, acolhido, livre, ou seja, feliz vivendo como dois cachorros neste mundo. 10 – No verso “Me dê sua pata peluda [...]” destacamos uma figura de linguagem. Qual é o seu nome? Qual é o seu papel nesta passagem da composição? (05 LINHAS) A figura chama-se aliteração. O seu papel é o de proporcionar mais musicalidade à canção. 11 – Em O Bom Ladrão, de Fernando Sabino, por que o narrador-personagem também pode ser compreendido como um antagonista desta novela? Diante desta possibilidade interpretativa, quem seriam os coadjuvantes? (06 LINHAS) O narrador-personagem pode ter sido o ladrão citado em sua própria narrativa e, talvez, estivesse nos fazendo acreditar que os ladrões fossem sua esposa (Isabel) e Garcia (primo de Isabel). Ele pode ter problemas de esquizofrenia e está enfrentando- se ao longo da história, em outras plavras, um conflito consigo mesmo. Neste caso, Garcia e Isabel seriam os coadjuvantes do enredo de Fernando Sabino. Para as questões 12 e 13 você irá explicar o que está acontecendo em cada fragmento extraído de O Bom Ladrão: 12 – “Um dia, quando em meio ao trabalho acendi um cigarro, o Moura Júnior saltou lá de sua mesa e chamou a atenção dos outros: - Vejam só com quem estava. Veio para o meu lado: - E eu procurando o tempo todo! Seu tom era agressivo. Não me sentia com disposição para discutir. Continuei escrevendo, fingi que não era comigo. - E então? - E então o quê? – respondi, erguendo finalmente a cabeça. [...] Limitei-me a olhá-lo com simulada superioridade: - Não chateia Moura. Você não tem o que fazer? Se quiser que seja seu, pois então é seu, pode levar. Está satisfeito? Leve logo e me deixe trabalhar. Ele vacilou: - Bem, já comprei outro. Seu não é não. Mas passa a ser: fique com ele para você.” (SABINO, Fernando. O Bom Ladrão. São Paulo: Ática, 2005, p.60) (06 LINHAS) Neste momento, o narrador-personagem está sendo acusado de ter roubado o isqueiro de Moura Júnior (pelo próprio Moura Jr.). Ele pode não estar entendendo a acusação ou, na opinião de Moura Jr., fingindo que não é com ele.
  5. 5. 13 – “Se Isabel tinha vindo me procurar no jornal, alguém deveria saber. Perguntei ao contínuo pelo Nilo, chefe da redação. - Embarcou para Minas. Foi cobrir a visita do Presidente O Presidente da República era, assim, o responsável pela minha incerteza, pelas suspeitas que eu não queria me formular.” (06 LINHAS) Isabel disse ao narrador-personagem que foi procurá-lo em seu trabalho (redação de um jornal) na última noite para juntos irem a um concerto no teatro. Segundo o narrador, Nilo, o chefe da redação, poderia tê-la visto naquela noite, mas este viajou para Minas, tornando este momento impossível para sanar as dúvidas do próprio narrador. Leia o fragmento abaixo, extraído de O Bom Ladrão, novela de Fernando Sabino: “- Estiveram te procurando. Polícia. Da DRF. - Polícia? Por quê? - Eu que hei de saber? Afastei-me. Depois do caso do isqueiro, mal conversávamos. Talvez o Norberto soubesse alguma coisa. Resolvi indagar dele, mas tive de esperar mais de meia hora pela sua chegada.” (SABINO, Fernando. O bom ladrão. São Paulo: Ática, 2006, p.68) 14 - Após a leitura deste fragmento, resuma o que aconteceu logo após este episódio. (06 LINHAS) Levado por Norberto, o narrador-personagem foi à polícia para ser interrogado a respeito do desaparecimento de uma bolsa. Durante o interrogatório ele foi agredido pelos policiais. 15 – Explique o porquê da obra O Bom Ladrão ser considerada uma novela. (05 LINHAS) A obra é uma novela por apresentar uma extensão de páginas superior a de um conto convencional, mas inferior a de um típico romance. Além disso, a história volta-se para o passado, os capítulos são relativamente independentes e o fio condutor da narrativa é o próprio narrador-personagem. 16 – Aponte pelo menos dois pontos intertextuais entre O Bom Ladrão e Dom Casmurro, este último um romance de Machado de Assis. (05 LINHAS) Ambos apresentam narradores-personagens; as mulheres dos narradores são analisadas por estes como dissimuladas; finais abertos; triângulos amorosos nas duas obras; narrativas psicológicas; os dois narradores são dados aos devaneios (fantasias) e estão com idade avançada quando escrevem os seus textos.

×