SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
1
LIRISMO	
  E	
  SURREALISMO	
  EM	
  “JOÃO	
  TERNURA”	
  
por	
  Manoel	
  Neves	
  
A	
  OBRA	
  
João	
   Ternura	
   é	
   um	
   livro	
   póstumo.	
   Foi	
   publicado	
   pela	
   primeira	
   vez	
   em	
   1965,	
   um	
   ano	
  
depois	
  da	
  morte	
  de	
  Aníbal	
  Machado,	
  que	
  –	
  malgrado	
  o	
  livro	
  estar	
  pronto	
  –	
  relutou	
  em	
  
lançá-­‐lo	
  ainda	
  em	
  vida,	
  apesar	
  de	
  ter	
  começado	
  a	
  escrevê-­‐lo	
  desde	
  a	
  década	
  de	
  1920	
  –	
  
primeiro	
  momento	
  do	
  modernismo	
  no	
  Brasil.	
  
A	
   obra	
   é	
   estruturada	
   em	
   seis	
   “livros”,	
   aos	
   quais	
   se	
   segue	
   um	
   conto,	
   “O	
   homem	
   e	
   seu	
  
capote”,	
   no	
   qual	
   aparece	
   o	
   protagonista	
   do	
   romance	
   em	
   mais	
   uma	
   aventura	
   absurda,	
  
mas	
  que	
  não	
  foi	
  aproveitado	
  na	
  estrutura	
  definitiva	
  do	
  romance.	
  
Apesar	
   de	
   se	
   intitular	
   romance	
   e	
   da	
   prevalência	
   do	
   caráter	
   épico	
   (pois,	
   vemos	
  
claramente	
  os	
  acontecimentos	
  se	
  desenrolarem	
  em	
  torno	
  de	
  um	
  protagonista),	
  a	
  obra	
  
apresenta	
   um	
   caráter	
   híbrido,	
   em	
   que	
   ressoam	
   um	
   intenso	
   lirismo	
   e	
   até	
   mesmo	
   um	
  
caráter	
  dramático.	
  
Analisando	
  o	
  foco	
  narrativo,	
  cumpre	
  dizer	
  que	
  cada	
  livro	
  é	
  composto	
  por	
  uma	
  narrativa	
  
que	
  oscila	
  entre	
  a	
  terceira	
  pessoa	
  (narrador	
  onisciente	
  neutro)	
  e	
  a	
  primeira	
  pessoa	
  do	
  
singular	
   (Ternura:	
   narrador	
   protagonista	
   –	
   isso	
   acontece	
   apenas	
   nos	
   dois	
   primeiros	
  
livros).	
  Encontramos,	
  também,	
  blocos	
  que	
  recebem	
  títulos	
  e	
  que	
  funcionam	
  como	
  contos	
  
ou	
  poemas	
  em	
  prosa	
  e,	
  ainda,	
  poemas	
  com	
  versos	
  livres;	
  há	
  até	
  um	
  Manifesto	
  dos	
  não	
  
nascidos,	
   transcrito	
   como	
   rodapé,	
   nas	
   páginas	
   172	
   a	
   174	
   e	
   ainda	
   um	
   trecho	
   em	
   que	
  
aparece	
  claramente	
  uma	
  peça	
  teatral,	
  caracterizando	
  o	
  gênero	
  dramático.	
  
Há	
  inúmeros	
  monólogos	
  interiores,	
  cartas,	
  telegramas.	
  
Apesar	
   de	
   a	
   narrativa	
   ser	
   composta	
   por	
   fragmentos,	
   é-­‐nos	
   apresentada	
   linearmente	
  
(tempo	
   cronológico).	
   Cada	
   mudança	
   de	
   foco/assunto/fragmento	
   é	
   indicada	
   por	
   um	
  
espaço	
  em	
  branco	
  entre	
  os	
  parágrafos.	
  Cada	
  bloco	
  se	
  refere	
  a	
  um	
  assunto	
  específico.	
  Às	
  
vezes,	
  o	
  bloco	
  –	
  à	
  maneira	
  de	
  um	
  conto	
  ou	
  poema	
  em	
  prosa	
  –	
  vem	
  antecedido	
  de	
  um	
  
título.	
  
A	
  linguagem	
  é	
  próxima	
  da	
  poesia,	
  não	
  apenas	
  pela	
  presença	
  de	
  poemas,	
  mas	
  também	
  
pelo	
   intenso	
   lirismo	
   de	
   alguns	
   trechos	
   e	
   pelo	
   intenso	
   uso	
   da	
   linguagem	
   figurada:	
  
metonímia,	
   assíndeto,	
   metáforas	
   densas	
   (que	
   lembram	
   o	
   surrealismo	
   em	
   alguns	
  
trechos).	
  
Em	
   alguns	
   momentos	
   o	
   lirismo	
   aparece	
   associado	
   à	
   desautomatização	
   da	
   percepção:	
  
uma	
  visão	
  inaugural	
  da	
  realidade,	
  como	
  se	
  vê	
  em	
  “Escolinha	
  da	
  professora”:	
  
Mamãe,	
   a	
   magra,	
   não.	
   Eu	
   quero	
   ficar	
   é	
   com	
   a	
   gorda.	
   A	
   gorda	
   é	
   quente,	
  
quente.1	
  
A	
  visão	
  lírica	
  do	
  mundo,	
  predominante	
  na	
  obra,	
  consiste	
  em	
  nos	
  apresentar	
  a	
  realidade	
  por	
  
intermédio	
  de	
  ângulos	
  espetacularmente	
  inéditos,	
  inaugurais.	
  O	
  poeta	
  –	
  diferentemente	
  do	
  
homem	
  comum	
  –	
  tem	
  uma	
  percepção	
  especial	
  da	
  realidade,	
  ele	
  a	
  enxerga	
  em	
  seus	
  mínimos	
  
detalhes,	
  mesmo	
  que	
  a	
  veja	
  pela	
  milésima	
  vez.	
  O	
  olhar	
  do	
  poeta	
  (do	
  narrador	
  e	
  de	
  Ternura)	
  
é	
   inaugural.	
   Ele	
   vê	
   tudo	
   de	
   forma	
   original.	
   Esse	
   lirismo	
   o	
   aproxima	
   dos	
   bêbados	
   e	
   das	
  
crianças.	
  Veja	
  alguns	
  trechos	
  abaixo	
  
Que	
  estará	
  fazendo	
  a	
  criadinha	
  no	
  fundo	
  da	
  lagoa?	
  
As	
  águas	
  são	
  tão	
  claras,	
  e	
  não	
  se	
  vê	
  o	
  corpo	
  dela.	
  
Como	
  a	
  estarão	
  tratando?	
  Entre	
  as	
  pedras	
  do	
  fundo,	
  que	
  andará	
  fazendo?...	
  
Servindo?2	
  
1
MACHADO, Aníbal. João Ternura, 16.
2
O	
  trecho	
  acima	
  tece	
  comentários	
  líricos	
  sobre	
  a	
  morte	
  da	
  criadinha	
  Maria,	
  que	
  fôra	
  à	
  
lagoa,	
  com	
  Isaac	
  e	
  Ternura	
  e	
  acabara	
  morrendo	
  ao	
  bater	
  com	
  a	
  cabeça	
  numa	
  pedra.	
  
Veja	
  agora	
  como	
  a	
  descrição	
  do	
  amanhecer	
  transforma-­‐se	
  num	
  raro	
  exemplar	
  de	
  prosa	
  
poética:	
  
Mais	
   cedo	
   que	
   de	
   costume	
   o	
   menino	
   abriu	
   a	
   porta.	
   E	
   se	
   defrontou	
   com	
   a	
  
noite	
  não	
  terminada.	
  O	
  rio	
  ainda	
  se	
  escondia	
  na	
  neblina.3	
  
A	
  linguagem	
  de	
  Machado	
  é	
  quase	
  sempre	
  elíptica	
  (metonímica).	
  Isso	
  dá	
  dinamismo	
  ao	
  
texto	
  e,	
  ao	
  mesmo	
  tempo,	
  um	
  caráter	
  mais	
  poético.	
  Veja,	
  a	
  propósito,	
  a	
  “Embolada	
  do	
  
crescimento”:	
  
Enquanto	
   a	
   criança	
   crescia	
   a	
   mãe	
   arrumava	
   a	
   casa	
   esperava	
   o	
   marido	
  
dormia	
  ia	
  à	
  igreja	
  conversava	
  dormia	
  outra	
  vez	
  regava	
  as	
  plantas	
  arrumava	
  
a	
  casa	
  fazia	
  compras	
  acabava	
  as	
  costuras	
  enquanto	
  a	
  criança	
  crescia	
  as	
  tias	
  
chegavam	
   à	
   janela	
   olhavam	
   o	
   tempo	
   estendiam	
   os	
   tapetes	
   imaginavam	
   o	
  
casamento	
  ralavam	
  o	
  coco	
  liam	
  os	
  crimes	
  e	
  os	
  dias	
  iam	
  passando	
  enquanto	
  a	
  
criança	
   dormia	
   crescia	
   pois	
   o	
   tempo	
   parou	
   para	
   esperar	
   que	
   a	
   criança	
  
crescesse.4	
  
O	
  ritmo	
  é	
  vertiginoso.	
  A	
  ausência	
  de	
  pontuação	
  e	
  de	
  conectivos	
  ligando	
  as	
  orações,	
  uma	
  
das	
  características	
  do	
  futurismo,	
  dá	
  velocidade	
  ao	
  texto	
  que	
  faz	
  uma	
  colagem	
  de	
  cenas	
  
referentes	
  à	
  infância	
  de	
  Ternura.	
  Trata-­‐se	
  de	
  um	
  dos	
  momentos	
  de	
  maior	
  elaboração	
  da	
  
obra,	
   pois	
   consegue	
   conjugar	
   a	
   elipse,	
   a	
   metonímia	
   (cubismo:	
   fragmentação	
   da	
   cena;	
  
flash	
  cinematográfico)	
  com	
  um	
  deslizar	
  vertiginoso	
  de	
  acontecimentos	
  (assíndeto)	
  que	
  
deixa	
  o	
  texto	
  em	
  altíssima	
  rotação.	
  
Além	
   das	
   elipses	
   constantes,	
   encontramos	
   ainda	
   inúmeros	
   recursos	
   poéticos	
   que	
  
aparecem	
  devidamente	
  analisados	
  a	
  seguir:	
  ALITERAÇÕES:	
  “e	
  o	
  rosto	
  de	
  Rita	
  que	
  emerge	
  
das	
  vagas	
  de	
  frutas	
  e	
  raízes,	
  rindo	
  entre	
  verduras”,5	
  “Rita	
  rindo	
  e	
  correndo”;6	
  ASSONÂNCIA:	
  
“Rita	
  infinita,	
  interminável...	
  As	
  duas	
  colinas	
  dos	
  seios	
  empinados	
  para	
  o	
  céu”;7	
  ANÁFORA:	
  
“Vais	
  ver	
  como	
  a	
  cidade	
  treme	
  fora	
  dos	
  gonzos.	
  Vais	
  ver	
  como	
  a	
  lava	
  arrebenta	
  a	
  calota	
  
das	
   aparências.	
   Vais	
   ouvir	
   o	
   canto	
   do	
   povo.	
   Vais	
   entrar	
   na	
   dimensão	
   do	
   delírio”;8	
  
NEOLOGISMOS:	
   esculhambatrizes,	
   fundamentalando,	
   Beatrização	
   do	
   prostituário,	
  
todaviísmos;	
   PARONOMÁSIAS:	
   “passam	
   trens	
   brutais/	
   carregando	
   trigo/	
   carregando	
  
tropas”.9	
  
Note	
   outro	
   momento	
   de	
   intenso	
   lirismo	
   quando	
   Ternura	
   está	
   se	
   lembrando	
   de	
   sua	
  
amada	
  burguesa	
  Malene/Marilene:	
  	
  
Marilene	
  é	
  bom	
  para	
  designar	
  o	
  conjunto	
  de	
  meu	
  bem...	
  voz,	
  pele,	
  cabelos,	
  
vestido	
  e	
  andar	
  –	
  tudo	
  de	
  meu	
  bem...	
  até	
  o	
  cheiro	
  da	
  carne	
  e	
  a	
  música	
  que	
  sai	
  
da	
  garganta	
  de	
  meu	
  bem...	
  o	
  corpo	
  dela	
  se	
  balançando	
  no	
  macio	
  do	
  nome	
  
Marilene.10	
  
A	
   personagem	
   João	
   Ternura	
   apresenta	
   uma	
   visão	
   desautomatizada	
   do	
   real.	
   Ele	
   vê	
   o	
  
mundo	
  por	
  uma	
  ótica	
  diferente	
  da	
  dos	
  adultos	
  comuns.	
  É	
  como	
  se	
  visse	
  algo	
  mais,	
  ou	
  
mais	
  além,	
  tal	
  qual	
  as	
  crianças,	
  os	
  bêbados	
  e	
  os	
  loucos.	
  Sua	
  visão	
  pode	
  ser	
  chamada	
  de	
  
lírica,	
  pois,	
  é	
  deslocada,	
  subjetiva,	
  parcial,	
  sensitiva,	
  e,	
  mais	
  ainda,	
  é	
  primitiva,	
  pura,	
  não	
  
é	
  regida	
  pelo	
  princípio	
  da	
  realidade	
  consensual,	
  mas	
  por	
  uma	
  interior,	
  um	
  exemplo	
  disso	
  
é	
   o	
   primeiro	
   contato	
   de	
   Ternura	
   com	
   a	
   cidade	
   grande:	
   no	
   hotel	
   do	
   Rio	
   de	
   Janeiro,	
  
2
Idem, 22.
3
Idem, 50.
4
Idem, 15.
5
Idem, 128.
6
Idem, 129.
7
Idem, 155. Além da aliteração, percebe-se a metáfora que aproxima os seios de Rita das montanhas pontiagudas.
8
Idem, 156.
9
Idem, 219.
10
Idem, 131.
3
Ternura,	
  em	
  sua	
  santa	
  inocência,	
  acaba	
  defecando	
  no	
  meio	
  do	
  “mato”	
  (nos	
  jardins	
  do	
  
hotel),	
  assim	
  como	
  fazia	
  em	
  sua	
  cidade	
  natal.	
  A	
  cena	
  é	
  hilária	
  (e,	
  até	
  mesmo,	
  revoltante)	
  
para	
   os	
   hóspedes	
   do	
   hotel	
   –	
   que	
   chamam	
   Ternura	
   de	
   bugre	
   –,	
   mas	
   é	
   encarada	
   com	
  
naturalidade	
   pelo	
   protagonista,	
   pois	
   era	
   assim	
   que	
   sempre	
   fizera.	
   A	
   pureza	
   ou	
   o	
  
primitivismo	
   da	
   personagem	
   reside	
   nesse	
   seu	
   deslocamento	
   do	
   senso	
   comum.	
   Essa	
  
chamada	
   visão	
   primitiva	
   da	
   realidade,	
   não	
   aparece	
   só	
   na	
   personagem	
   Ternura,	
   mas	
  
também	
  por	
  intermédio	
  de	
  Macunaíma,	
  no	
  romance	
  homônimo	
  de	
  Mário	
  de	
  Andrade.	
  
Outro	
  momento	
  em	
  que	
  Ternura	
  se	
  aproxima	
  de	
  Macunaíma	
  é	
  no	
  belíssimo	
  episódio	
  em	
  
que	
  vê	
  uma	
  locomotiva	
  durante	
  o	
  dia	
  e,	
  à	
  noite,	
  sonha:	
  
O	
  pesadelo	
  da	
  noite	
  revelou	
  a	
  verdadeira	
  intenção	
  da	
  locomotiva,	
  quando	
  
Ternura	
  recebeu	
  a	
  esguichada	
  do	
  vapor	
  e	
  caiu	
  entre	
  latas	
  de	
  óleo.	
  No	
  sonho,	
  
um	
  animal	
  fabuloso,	
  tendo	
  uma	
  chaminé	
  no	
  lugar	
  do	
  nariz,	
  abrira	
  bem	
  as	
  
pernas	
   e	
   agachando-­‐se	
   sobre	
   ele,	
   soltou-­‐lhe	
   na	
   cara	
   uma	
   mijada	
   longa	
   e	
  
humilhante.11	
  
O	
  trecho	
  acima,	
  intitulado	
  “Vida	
  noturna”	
  nos	
  apresenta	
  dois	
  elementos	
  interessantes,	
  a	
  
saber:	
   a	
   oposição	
   entre	
   o	
   mundo	
   moderno	
   (representado	
   pela	
   locomotiva,	
   que	
   traz	
   o	
  
progresso	
  à	
  cidadezinha	
  onde	
  morava	
  Ternura	
  em	
  Minas	
  Gerais)	
  e	
  o	
  mundo	
  interior	
  do	
  
protagonista;	
   e	
   a	
   criação	
   de	
   imagens	
   oníricas,	
   como	
   vimos	
   acima,	
   em	
   que	
   uma	
  
locomotiva	
  urina	
  no	
  rosto	
  de	
  João,	
  evidenciando	
  nitidamente	
  a	
  presença	
  do	
  surrealismo	
  
na	
  obra.	
  
Aníbal	
   Machado,	
   conforme	
   vimos	
   acima,	
   foi	
   um	
   grande	
   agitador	
   cultural	
   e	
   um	
   dos	
  
introdutores	
  do	
  Surrealismo	
  no	
  Brasil.	
  Vejamos	
  mais	
  detalhadamente	
  em	
  que	
  consistia	
  
esse	
  movimento	
  da	
  vanguarda	
  européia.	
  
O	
   Manifesto	
   do	
   Surrealismo	
   preconiza	
   a	
   “crítica	
   à	
   realidade	
   e	
   à	
   razão,	
   opostas	
  
irremediavelmente	
  às	
  certezas	
  da	
  infância,	
  da	
  loucura	
  e	
  da	
  imaginação”.12	
  A	
  definição	
  do	
  
movimento	
  é	
  lançada	
  no	
  Manifesto,	
  baseada	
  no	
  modelo	
  dos	
  verbetes	
  de	
  dicionários	
  e	
  
enciclopédias:	
  
Surrealismo.	
  S.	
  m.	
  Automatismo	
  psíquico	
  puro	
  através	
  do	
  qual	
  se	
  propõe	
  
exprimir,	
   verbalmente	
   ou	
   por	
   escrito,	
   ou	
   de	
   qualquer	
   outra	
   maneira,	
   o	
  
funcionamento	
  real	
  do	
  pensamento.	
  Ditado	
  do	
  pensamento,	
  na	
  ausência	
  de	
  
qualquer	
  controle	
  exercido	
  pela	
  razão,	
  fora	
  de	
  toda	
  preocupação	
  estética	
  ou	
  
moral.	
  
Encicl.	
  Filos.	
  O	
  Surrealismo	
  repousa	
  sobre	
  a	
  crença	
  na	
  realidade	
  superior	
  de	
  
certas	
   formas	
   de	
   associações	
   negligenciadas	
   até	
   ele,	
   no	
   sonho	
   todo-­‐
poderoso,	
   no	
   jogo	
   desinteressado	
   do	
   pensamento.	
   Ele	
   tende	
   a	
   arruinar	
  
definitivamente	
   todos	
   os	
   outros	
   mecanismos	
   psíquicos,	
   substituindo-­‐os	
  
para	
  resolução	
  dos	
  principais	
  problemas	
  da	
  vida.13	
  
A	
  escrita	
  automática,	
  um	
  dos	
  principais	
  procedimentos	
  surrealistas	
  utilizados	
  na	
  obra	
  é,	
  
nas	
  palavras	
  de	
  Antelo,	
  “expressão	
  do	
  mais	
  puro	
  espontaneísmo”.14	
  
Vendo	
  no	
  Surrealismo	
  não	
  apenas	
  mais	
  uma	
  tendência	
  da	
  vanguarda	
  literária,	
  mas	
  uma	
  
doutrina	
  que	
  busca	
  a	
  libertação	
  do	
  homem,	
  Aníbal	
  defende-­‐lhe	
  a	
  adoção,	
  como	
  um	
  meio	
  
de	
   liberar	
   “as	
   forças	
   vivas	
   retidas	
   no	
   subconsciente”,	
   de	
   atingir	
   as	
   “fontes	
   puras	
   da	
  
poesia”.	
   Ele	
   acredita	
   que,	
   por	
   esse	
   canal,	
   o	
   sonho	
   e	
   a	
   imaginação	
   podem	
   emergir	
   na	
  
realidade,	
  a	
  qual	
  –	
  com	
  a	
  abertura	
  para	
  o	
  lirismo,	
  a	
  intuição,	
  o	
  ludismo,	
  o	
  mistério,	
  o	
  
absurdo,	
  o	
  humor,	
  a	
  fantasia,	
  o	
  feérico,	
  os	
  ideais	
  –	
  seria	
  libertada	
  da	
  tirania	
  da	
  razão	
  e	
  da	
  
mediocridade.	
   Nas	
   palavras	
   do	
   escritor,	
   o	
   sonho	
   que	
   vinha	
   há	
   muito	
   invadindo	
   a	
  
11
Idem, 32.
12
REBOUÇAS, Marilda de Vasconcelos. Surrealismo, 15.
13
Idem, 15-16.
14
ANTELO, Raul, 22.
4
realidade,	
  precisava	
  de	
  uma	
  expressão	
  estética	
  que	
  lhe	
  desse	
  uma	
  efetiva	
  vazão.	
  E	
  esse	
  
foi,	
  para	
  ele,	
  o	
  grande	
  papel	
  exercido	
  pelo	
  Surrealismo.	
  
Utilizando	
   a	
   imagem,	
   a	
   metáfora,	
   a	
   analogia	
   e	
   o	
   automatismo	
   como	
  
instrumentos	
   principais	
   do	
   conhecimento	
   poético,	
   leva-­‐nos	
   o	
   Surrealismo	
  
ao	
   contato	
   das	
   correntes	
   profundas	
   do	
   inconsciente.	
   A	
   crosta	
   de	
   hábitos	
  
sociais	
  com	
  que	
  a	
  máquina	
  social	
  pesa	
  sobre	
  nós,	
  paralisa	
  os	
  movimentos	
  do	
  
ser	
  profundo.	
  Sem	
  rompê-­‐la,	
  é	
  impossível	
  alcançar	
  a	
  zona	
  iluminada	
  onde	
  
tudo	
   é	
   facilidade	
   e	
   êxtase.	
   A	
   criação	
   poética	
   atua	
   nesse	
   processo	
   de	
  
libertação	
   como	
   um	
   verdadeiro	
   explosivo	
   mental.	
   A	
   quebra	
   dos	
   hábitos	
  
normais	
   de	
   pensar	
   e	
   sentir	
   e	
   a	
   desintegração	
   das	
   palavras	
   assumem	
   o	
  
caráter	
  de	
  um	
  humor	
  absurdo	
  e	
  saboroso	
  que	
  alivia	
  o	
  espírito	
  das	
  tiranias	
  
da	
  razão.15	
  
Em	
  Aníbal,	
   o	
   crítico,	
  Oswaldino	
  Marques	
  reconhece	
  “um	
  dos	
  maiores	
  surrealistas	
  do	
  
nosso	
  tempo”,	
  para	
  o	
  qual	
  interessa	
  “a	
  herança	
  matinal	
  que	
  todos	
  transportamos,	
  nossos	
  
mitos	
  solares,	
  quer	
  seja	
  sob	
  a	
  feição	
  mágica	
  da	
  infância,	
  ou	
  da	
  inocência	
  inaugural	
  da	
  
espécie”.	
  O	
  crítico	
  aponta,	
  no	
  surrealismo	
  de	
  Machado,	
  o	
  procedimento	
  que	
  permite	
  dar	
  
a	
  ver	
  a	
  sujeição	
  da	
  existência	
  a	
  certos	
  fatores	
  pouco	
  conhecidos,	
  a	
  certas	
  metamorfoses	
  e	
  
influências	
  inesperadas.	
  No	
  cotidiano	
  de	
  Aníbal,	
  insinuam-­‐se	
  o	
  equívoco,	
  o	
  ambíguo,	
  o	
  
irracional,	
  tonalizando,	
  de	
  um	
  matiz	
  estranho,	
  a	
  realidade,	
  que	
  logo	
  adiante,	
  ainda	
  que	
  
não	
  mais	
  a	
  mesma,	
  aparece,	
  recomposta.	
  
Veja,	
  no	
  trecho	
  abaixo,	
  como	
  uma	
  simples	
  mamadeira	
  é	
  apresenta	
  de	
  forma	
  totalmente	
  
original,	
  desautomatizada,	
  surreal:	
  
Na	
  penumbra	
  do	
  corredor	
  uma	
  coisa	
  branca	
  e	
  móvel	
  foi	
  se	
  aproximando	
  e	
  
crescendo,	
  e	
  de	
  repente,	
  virando	
  para	
  a	
  esquerda,	
  mergulhou	
  no	
  quarto	
  aos	
  
gritos.	
  A	
  criança	
  viu-­‐se	
  formando	
  de	
  longe	
  e	
  no	
  alto	
  uma	
  nebulosa.16	
  
Outro	
   exemplo	
   bastante	
   interessante	
   encontra-­‐se	
   no	
   fato	
   de,	
   durante	
   a	
   Revolução	
   de	
  
1930,	
  Ternura	
  laçar	
  uma	
  metralhadora	
  e	
  a	
  puxar	
  como	
  a	
  um	
  cão.	
  
Falando	
  ainda	
  da	
  linguagem,	
  cumpre	
  ressaltar	
  a	
  presença	
  da	
  oralidade,	
  o	
  que	
  se	
  pode	
  
notar	
  neste	
  diálogo	
  entre	
  Ternura	
  e	
  Manuel:	
  
-­‐	
  Ô	
  siô...	
  com	
  esse	
  calor	
  dá	
  vontade	
  da	
  gente	
  fazer	
  nem	
  sei	
  o	
  quê!	
  
-­‐	
  É	
  mesmo.	
  Calor	
  danado,	
  Manuel!	
  Estou	
  fincando	
  zonzo.	
  
-­‐	
  Eu	
  gosto	
  é	
  dos	
  redondos.	
  
-­‐	
  Eu,	
  não...	
  eu	
  gosto	
  é	
  dos	
  que	
  estão	
  nascendo.	
  
-­‐	
   Mas	
   que	
   calor,	
   hein?	
   Safa!	
   Eu	
   gosto	
   deles	
   é	
   na	
   chuva,	
   quando	
   elas	
   saem	
  
apressadas.	
  Ficam	
  bulindo	
  que	
  é	
  uma	
  delícia.	
  
-­‐	
  Bons	
  eu	
  vi	
  no	
  mercado,	
  ontem.	
  Pareciam	
  misturados	
  com	
  hortaliça	
  e	
  água	
  
do	
  mar.	
  
-­‐	
   Seios	
   fresquinhos	
   que	
   eu	
   gosto	
   mesmo	
   são	
   de	
   empregadas	
   de	
   fábrica	
  
quando	
  elas	
  vão	
  para	
  o	
  serviço.	
  
-­‐	
  Esses	
  que	
  eu	
  estou	
  te	
  falando	
  que	
  vi	
  ontem	
  às	
  cinco	
  da	
  manhã,	
  na	
  hora	
  que	
  
o	
  sol	
  nascia.17	
  
No	
   trecho	
   acima,	
   há	
   inúmeros	
   deslizes	
   gramaticais:	
   sujeito	
   regido	
   de	
   preposição	
   (“dá	
  
vontade	
   da	
   gente	
   fazer	
   nem	
   sei	
   o	
   quê!”),	
   gíria	
   (“ficam	
   bulindo	
   que	
   é	
   uma	
   delícia”),	
  
regência	
   incorreta	
   (“seios	
   fresquinhos	
   que	
   eu	
   gosto	
   mesmo	
   são	
   de	
   empregadas	
   de	
  
fábrica”,	
  “esses	
  que	
  eu	
  estou	
  te	
  falando”).	
  
Outro	
  elemento	
  bastante	
  forte	
  no	
  trecho	
  acima	
  é	
  a	
  forte	
  conotação	
  erótica.	
  
15
Idem, 61.
16
MACHADO, Aníbal. João Ternura, 14.
17
MACHADO, Aníbal. João Ternura, 74.
5
Vários	
  críticos,	
  ao	
  se	
  referirem	
  ao	
  personagem-­‐síntese	
  da	
  obra,	
  chamam-­‐no	
  de	
  “lírico	
  e	
  
vulgar”.	
  O	
  lirismo	
  foi	
  bastante	
  analisado	
  acima.	
  Passo,	
  então,	
  a	
  tratar	
  da	
  sexualidade.	
  
A	
   sexualidade	
   aparece	
   muito	
   em	
   evidência.	
   Talvez,	
   o	
   vulgar	
   se	
   refira	
   a	
   isso.	
   Isaac	
   e	
  
Ternura,	
  com	
  suas	
  sexualidades	
  exuberantes,	
  lembram	
  Macunaíma	
  até	
  no	
  uso	
  do	
  verbo	
  
“brincar”.	
   Não	
   só	
   Ternura,	
   como	
   os	
   pais	
   (o	
   barulho	
   das	
   relações	
   sexuais	
   do	
   casal	
   é	
  
ouvido	
   por	
   todos	
   na	
   casa)	
   e	
   Tia	
   Marina	
   que	
   queria	
   sentir	
   “aquelas	
   dores	
   da	
   irmã”	
  
deixam	
  bastante	
  claro	
  a	
  exuberância	
  e	
  a	
  vitalidade	
  sexual	
  do	
  brasileiro.	
  
Durante	
   o	
   período	
   da	
   infância,	
   Ternura	
   sobe	
   as	
   saias	
   das	
   Tias,	
   abraça	
   a	
   prima,	
   toma	
  
banho	
   de	
   rio	
   com	
   as	
   negrinhas	
   e	
   sonha	
   acordado	
   com	
   a	
   mulher	
   da	
   vida.	
   Lirismo,	
  
sexualidade	
  e	
  surrealismo,	
  aliás,	
  caminham	
  juntos	
  nestes	
  trechos:	
  
Um	
   seio	
   de	
   mulher	
   periodicamente	
   intumesce	
   e	
   irradia	
   no	
   meio	
   da	
  
folhagem,	
  como	
  luz	
  de	
  farol	
  na	
  noite.	
  
O	
  lenço	
  e	
  o	
  seio	
  da	
  mulher	
  ficam	
  sobrevivendo	
  como	
  duas	
  estrelas.18	
  
Já	
  no	
  Rio	
  de	
  Janeiro,	
  Ternura	
  se	
  envolve	
  amorosamente	
  com	
  inúmeras	
  mulheres.	
  Mas	
  se	
  
encontra	
  periodicamente	
  com	
  Rita	
  e	
  com	
  Luisinha.	
  
Esquizossemia19	
  é	
  o	
  termo	
  utilizado	
  pelo	
  crítico	
  argentino	
  para	
  se	
  referir	
  à	
  escrita	
  de	
  
Aníbal	
   Machado:	
   uma	
   escritura	
   metamorfoseante	
   que	
   se	
   revolta	
   contra	
   o	
   tédio	
   e	
   a	
  
imobilidade,	
   que	
   prefere	
   ser	
   o	
   lavrador	
   à	
   espreita	
   da	
   semente	
   a	
   ser	
   a	
   guardiã	
   de	
   um	
  
túmulo.	
  Uma	
  linguagem	
  sóbria,	
  depurada,	
  paciente,	
  perfeccionista,	
  artesanal,	
  mas	
  capaz	
  
de	
  dinamitar	
  a	
  previsibilidade,	
  por	
  intermédio	
  do	
  surrealismo.	
  
Ternura	
  nasce	
  no	
  dia	
  de	
  Natal.	
  Seus	
  parentes	
  querem	
  que	
  ele	
  siga	
  um	
  padrão;	
  primeiro	
  
sugerem	
  poetas;	
  o	
  avô	
  diz	
  que	
  o	
  neto	
  será	
  uma	
  espécie	
  de	
  Napoleão,	
  o	
  que	
  se	
  confirma	
  
em	
  parte,	
  pois,	
  quando	
  criança,	
  Ternura	
  possuía	
  canhões,	
  com	
  que	
  aterrorizava	
  pessoas	
  
e	
  animais	
  e,	
  já	
  adulto,	
  participa	
  de	
  uma	
  revolução.	
  Entretanto,	
  trata-­‐se	
  de	
  um	
  Napoleão	
  
às	
  avessas,	
  uma	
  espécie	
  de	
  anti-­‐herói	
  brasileiro,	
  um	
  andarilho,	
  um	
  Quixote,	
  um	
  parente	
  
de	
  Carlitos,	
  como	
  já	
  vimos.	
  
A	
  imagem	
  de	
  Napoleão	
  quase	
  sempre	
  volta,	
  ainda	
  que	
  de	
  forma	
  caricatural:	
  “Deram-­‐lhe	
  
um	
   quepe	
   que	
   não	
   lhe	
   entrava	
   bem	
   na	
   cabeça,	
   vestiu	
   uma	
   blusa	
   que	
   lhe	
   sobrava	
   no	
  
corpo.	
  Esboço	
  grotesco	
  do	
  Napoleão	
  sonhado	
  pelo	
  avô.”20	
  
Ternura	
  sempre	
  se	
  identifica	
  com	
  os	
  oprimidos,	
  marginalizados:	
  
Aproximou-­‐se	
   um	
   grupo	
   de	
   entusiastas:	
   funcionários	
   demitidos	
   a	
   bem	
   do	
  
serviço	
   público,	
   homens	
   de	
   negócio	
   com	
   concessões	
   cassadas,	
   políticos	
  
afastados	
   da	
   situação,	
   estudantes	
   que	
   pleiteavam	
   exames	
   por	
   decreto,	
  
farristas	
   de	
   pijama	
   e	
   amadores	
   de	
   mazorca	
   –	
   todos	
   em	
   excitação	
  
patriótica.21	
  
Trata-­‐se	
   um	
   herói	
   caricato:	
   depois	
   de	
   conseguir	
   triunfar	
   em	
   território	
   inimigo,	
   ser	
  
conduzido	
  em	
  triunfo,	
  escorrega	
  numa	
  casca	
  de	
  banana	
  e	
  quebra	
  a	
  cabeça.	
  
Em	
  seguida	
  ao	
  ato	
  de	
  heroísmo,	
  Ternura	
  é	
  preso	
  num	
  bordel	
  porque	
  se	
  encontrava	
  com	
  
uma	
  garota	
  menor	
  de	
  idade.	
  Ninguém	
  mais	
  reconhece	
  nele	
  o	
  herói.	
  Aliás,	
  a	
  cidade	
  está	
  
sempre	
  a	
  oprimi-­‐lo.	
  Sua	
  identificação	
  com	
  ela	
  se	
  dá	
  de	
  forma	
  negativa.	
  Veja:	
  “Acabara	
  de	
  
conhecer	
  um	
  dos	
  mecanismos	
  mais	
  cruéis	
  da	
  vida	
  urbana.	
  Magoado,	
  embora	
  e	
  cheio	
  de	
  
espanto,	
  sentiu-­‐se	
  mais	
  integrado	
  na	
  cidade”.22	
  
18
Idem, 49.
19
Esquizossemia seria, por assim dizer uma escrita esquizofrênica, com múltiplas feições, formas e manifestações.
20
Idem, 83.
21
Idem, op.cit.
22
Idem, 93.
6
Nosso	
  protagonista	
  nunca	
  se	
  dá	
  bem	
  com	
  o	
  mundo	
  moderno,	
  um	
  dos	
  exemplos	
  é	
  quando	
  
vai	
  ao	
  banco	
  descontar	
  um	
  cheque.	
  Esse	
  episódio	
  é	
  um	
  pouco	
  semelhante	
  ao	
  primeiro	
  
contato	
  de	
  Ternura	
  com	
  a	
  locomotiva,	
  na	
  infância.	
  	
  
Ternura	
  vive	
  entre	
  marginais	
  no	
  Rio,	
  não	
  trabalha,	
  recebe	
  uma	
  mesada	
  da	
  família	
  e	
  se	
  
encontra	
  com	
  seus	
  amigos	
  e	
  com	
  meretrizes.	
  
Assim	
   como	
   Macunaíma,	
   que	
   tentara	
   conseguir	
   uma	
   bolsa	
   para	
   estudar	
   pintura	
   na	
  
Europa,	
   João	
   tenta	
   conseguir	
   uma	
   indenização	
   do	
   governo	
   por	
   haver	
   participado	
   da	
  
revolução	
   de	
   1930,	
   mas	
   não	
   consegue,	
   pois	
   a	
   foto	
   que	
   registrara	
   o	
   momento	
   de	
   seu	
  
heroísmo	
  aparece	
  na	
  mesma	
  em	
  que	
  é	
  preso	
  por	
  estar	
  num	
  bordel	
  com	
  uma	
  menor	
  de	
  
idade,	
  só	
  que	
  com	
  as	
  legendas	
  trocadas.	
  
Uma	
   das	
   análises	
   mais	
   interessantes	
   feitas	
   sobre	
   Ternura	
   aparece	
   na	
   boca	
   da	
  
personagem	
  Arosca:	
  
Parece	
  que	
  vive	
  no	
  fantástico,	
  (...)	
  vê	
  as	
  coisas	
  como	
  imagina	
  que	
  devem	
  ser	
  
(...),	
   acha	
   tudo	
   possível	
   (...).	
   E	
   você	
   pensa	
   que	
   vai	
   se	
   corrigir?	
   Duvido.	
   É	
  
possível	
  que	
  um	
  dia	
  ainda	
  abra	
  os	
  olhos.	
  Isso	
  a	
  poder	
  de	
  muita	
  cabeçada.	
  
Precisa	
  primeiro	
  sofrer	
  na	
  pele,	
  levar	
  trancos.	
  Mas	
  esse	
  diabinho	
  parece	
  que	
  
não	
  sofre,	
  nem	
  toma	
  conhecimento	
  da	
  realidade.	
  Não	
  analisa	
  os	
  fatos,	
  não	
  
raciocina.	
  Falta-­‐lhe	
  espírito	
  objetivo,	
  (...)	
  é	
  de	
  uma	
  inocência	
  que	
  desarma	
  	
  
(...)	
  um	
  tipo	
  ao	
  mesmo	
  tempo	
  frágil	
  e	
  forte,	
  (...)	
  conversar	
  com	
  ele	
  é	
  fugir	
  da	
  
realidade.23	
  
Em	
   seu	
   último	
   diálogo	
   com	
   Ternura,	
   Manuel	
   diz	
   que	
   Arosca	
   chamara	
   seu	
   amigo	
   de	
  
“anarco-­‐individualista”,	
  ao	
  que	
  Ternura	
  responde:	
  
Anarco...	
  marco...	
  parco...	
  arco...	
  o	
  que	
  é	
  que	
  eu	
  sou	
  mesmo?24	
  
A	
  citação	
  faz-­‐se	
  necessária	
  porque	
  consegue	
  uma	
  definição	
  de	
  nosso	
  herói.	
  A	
  vida	
  e	
  o	
  
pensamento	
  de	
  Ternura	
  são	
  totalmente	
  anarquistas.	
  Tanto	
  que	
  o	
  momento	
  em	
  que	
  se	
  
sente	
  pleno	
  é	
  durante	
  o	
  Carnaval,	
  cujos	
  acontecimentos	
  aparecem	
  descritos	
  em	
  cerca	
  de	
  
40	
  páginas,	
  cerca	
  de	
  um	
  quinto	
  da	
  obra.	
  Na	
  verdade,	
  Ternura	
  acha	
  a	
  festa	
  uma	
  “farra	
  
ecumênica”,	
   que	
   inverte	
   as	
   relações	
   reais	
   e	
   as	
   substitui,	
   temporariamente,	
   pelas	
  
imaginárias.	
  Por	
  isso	
  é	
  que,	
  depois	
  da	
  festa	
  que,	
  por	
  cinco	
  dias	
  fizera	
  com	
  que	
  	
  
o	
  maravilhoso,	
  que	
  na	
  infância	
  quase	
  chegara	
  a	
  tocar	
  com	
  as	
  mãos,	
  de	
  tão	
  
perto,	
   tivesse	
   ressurgido	
   agora	
   de	
   maneira	
   tão	
   profusa	
   e	
   estridente,	
   para	
  
logo	
  depois	
  desaparecer,	
  e	
  tudo	
  voltar	
  às	
  regras	
  antigas.25	
  
Nesse	
  folião	
  permanente,	
  podemos	
  enxergar	
  um	
  caráter	
  anarquista.	
  
Por	
   outro	
   lado,	
   pode-­‐se	
   afirmar	
   que	
   Ternura,	
   por	
   ser	
   uma	
   espécie	
   de	
   anti-­‐herói	
  
brasileiro,	
  funciona	
  como	
  um	
  marco	
  de	
  nossa	
  identidade	
  mestiça.	
  O	
  adjetivo	
  parco	
  se	
  
refere	
  aos	
  49	
  quilos	
  de	
  nossa	
  personagem.	
  Por	
  último,	
  o	
  arco	
  se	
  refere	
  ao	
  arco	
  (do	
  Rio)	
  
das	
  Velhas	
  que	
  encontra	
  no	
  passado	
  provinciano	
  de	
  vida.	
  
Como	
  já	
  nos	
  referimos	
  a	
  Ternura,	
  passamos	
  a	
  falar	
  agora	
  das	
  personagens	
  com	
  que	
  se	
  
relaciona	
  nosso	
  protagonista.	
  
Para	
  efeitos	
  didáticos,	
  dividirei	
  as	
  personagens	
  em	
  dois	
  grandes	
  blocos,	
  a	
  saber,	
  aquelas	
  
com	
  as	
  quais	
  se	
  relaciona	
  durante	
  a	
  infância,	
  na	
  vida	
  no	
  interior	
  de	
  Minas;	
  e	
  aquelas	
  com	
  
as	
  quais	
  se	
  relaciona	
  no	
  Rio	
  de	
  Janeiro.	
  
Na	
   chácara,	
   no	
   interior	
   de	
   Minas	
   Gerais,	
   Ternura	
   vive	
   com	
   a	
   mãe,	
   Liberata,	
   que	
   se	
  
caracteriza	
   pela	
   sensibilidade	
   e	
   lirismo	
   que	
   transmite	
   ao	
   filho.	
   O	
   pai,	
   Antônio,	
   bom	
  
atirador,	
  relaciona-­‐se	
  menos	
  com	
  o	
  filho.	
  Seus	
  negócios	
  vão	
  à	
  falência	
  quando	
  a	
  cidade	
  
23
Idem, 128.
24
Idem, 203.
25
Idem. 196.
7
se	
  moderniza.	
  Nesse	
  ambiente,	
  viviam	
  ainda	
  as	
  tias	
  Marina	
  e	
  Natália,	
  à	
  espera	
  de	
  um	
  
marido	
  que	
  não	
  aparecia.	
  Há	
  inúmeras	
  notações	
  sexuais	
  quando	
  o	
  narrador	
  se	
  refere	
  à	
  
Tia	
   Marina,	
   que	
   chega	
   a	
   namorar,	
   à	
   distância,	
   um	
   telegrafista.	
   O	
   avô,	
   não-­‐nomeado,	
   é	
  
referido	
  inúmeras	
  vezes:	
  mora	
  com	
  a	
  família	
  e	
  acompanha	
  os	
  passos	
  de	
  seu	
  pequeno	
  
Napoleão.	
  
Além	
  dos	
  trabalhadores	
  do	
  eito,	
  não	
  nomeados,	
  vivem	
  com	
  a	
  família	
  D.	
  Maria,	
  mãe	
  de	
  
Isaac	
  (negrinho,	
  amigo	
  de	
  Ternura	
  nas	
  brincadeiras;	
  é	
  safado,	
  apanha	
  todos	
  os	
  dias	
  e	
  
vive	
  sorrindo),	
  Josefina	
  e	
  a	
  prima.	
  
Certa	
  feita,	
  aparece	
  na	
  casa	
  dos	
  Silva,	
  uma	
  figura	
  que	
  se	
  parece	
  com	
  uma	
  bruxa.	
  Trata-­‐se	
  
de	
   D.	
   Iaiá.	
   Ela	
   representa	
   a	
   mulher	
   vivida,	
   viajada,	
   experimentada	
   (na	
   vida	
   e	
   nos	
  
amores)	
  e	
  que,	
  por	
  isso,	
  tem	
  muito	
  para	
  contar,	
  espécie	
  de	
  feiticeira	
  (deixa	
  atrás	
  de	
  si	
  
um	
  cheiro	
  de	
  enxofre).	
  
No	
  Rio	
  de	
  Janeiro,	
  faz	
  algumas	
  amizades.	
  
Dentre	
   os	
   amigos,	
   destaca-­‐se	
   Manuel,	
   espécie	
   de	
   Sancho	
   Pança	
   do	
   nosso	
   Quixote	
  
brasileiro.	
  Manuel	
  possui	
  uma	
  gráfica	
  e	
  é	
  o	
  principal	
  interlocutor	
  de	
  Ternura	
  no	
  Rio	
  de	
  
Janeiro.	
  
Fazem	
  parte	
  da	
  turma,	
  ainda,	
  Matias	
  (descrito	
  como	
  meio	
  “escroque”,	
  meio	
  sonhador),	
  
Silepse	
  (cético,	
  não	
  acredita	
  na	
  felicidade;	
  “não	
  falava	
  nada,	
  ninguém	
  lhe	
  sabia	
  ao	
  certo	
  o	
  
passado.	
  Sabia-­‐se	
  apenas	
  que	
  era	
  um	
  sujeito	
  alto	
  e	
  triste”),26	
  Pepão	
  (Pedro	
  Pereira),	
  ex-­‐
boxeur	
  e	
  vagabundo	
  sentimental,	
  expulso	
  so	
  Lóide	
  por	
  aversão	
  ao	
  trabalho,	
  membro	
  da	
  
diretoria	
  da	
  escola	
  de	
  samba;	
  Arosca:	
  ar	
  meio	
  distante,	
  mas	
  sempre	
  explicava	
  o	
  mundo	
  
para	
  Ternura	
  (fatos	
  do	
  dia,	
  opiniões	
  de	
  certos	
  jornais,	
  posição	
  de	
  certas	
  personagens	
  do	
  
dia).	
  Merece	
  destaque,	
  ainda,	
  o	
  estudante	
  Josias,	
  que	
  também	
  se	
  identifica	
  com	
  Ternura.	
  
Dentre	
  as	
  mulheres	
  com	
  que	
  Ternura	
  se	
  relaciona,	
  se	
  destacam	
  Luísa,	
  irmã	
  de	
  Manuel,	
  
que	
  ganha	
  de	
  presente	
  a	
  pedra	
  que	
  o	
  protagonista	
  recolhera	
  quando	
  criança,	
  Marilene	
  
(na	
  verdade,	
  Malena)	
  burguesa	
  pela	
  qual	
  Ternura	
  fôra	
  apaixonado,	
  que	
  aparece	
  no	
  Livro	
  
4	
  e	
  Rita,	
  com	
  a	
  qual	
  Ternura	
  queria	
  se	
  encontrar	
  quando	
  se	
  deita	
  nos	
  trilhos	
  do	
  trem	
  na	
  
última	
  vez	
  e	
  com	
  a	
  qual	
  vivencia	
  uma	
  das	
  experiências	
  sexuais	
  mais	
  intensas	
  da	
  obra.	
  
METÁFORAS	
  
Duas	
  metáforas	
  muito	
  importantes	
  atravessam	
  a	
  obra	
  de	
  Aníbal	
  Machado	
  e	
  aparecem	
  
trabalhadas	
  em	
  João	
  Ternura.	
  Trata-­‐se	
  da	
  pedra	
  e	
  do	
  vento.	
  
A	
  reincidência	
  de	
  temas	
  se	
  deve	
  ao	
  fato	
  de	
  Machado	
  acreditar	
  que	
  todo	
  escritor	
  “tem	
  um	
  
só	
  obra,	
  que	
  pode	
  ser	
  distribuída	
  em	
  vários	
  livros”.	
  Por	
  isso	
  é	
  que	
  o	
  protagonista	
  João	
  
Ternura	
  dá	
  título	
  a	
  outro	
  livro,	
  Cadernos	
   de	
   João,	
  e	
  o	
  conto	
  “O	
  homem	
  e	
  seu	
  capote”	
  
reaparecer	
  na	
  coletânea	
  de	
  contos	
  A	
   morte	
   da	
   porta-­‐estandarte	
   e	
   Tati,	
   a	
   garota	
   e	
  
outras	
  histórias,	
  com	
  o	
  título	
  “O	
  piano”.	
  
Como	
  acreditava	
  que	
  escrevia	
  uma	
  única	
  obra,	
  esses	
  dois	
  símbolos	
  (alegorias)	
  já	
  haviam	
  
aparecido	
   anteriormente.	
   A	
   pedra,	
   símbolo	
   da	
   estagnação,	
   da	
   concentração	
   máxima,	
  
beirando	
  à	
  inércia,	
  a	
  qual	
  proporcionaria	
  um	
  reagrupamento	
  da	
  essência	
  impenetrável	
  
do	
  ser,	
  propiciando	
  a	
  ascese,	
  tanto	
  desejada	
  por	
  ternura,	
  aparece	
  em	
  “A	
  pedra	
  e	
  o	
  vento”	
  
e	
  em	
  “O	
  piano”	
  (na	
  verdade	
  este	
  conto	
  meio	
  surrealista	
  é	
  uma	
  reescritura	
  do	
  texto	
  “O	
  
homem	
  e	
  seu	
  capote”,	
  que	
  fecha	
  a	
  obra	
  que	
  lemos).	
  	
  
O	
  vento	
  que	
  reincide	
  na	
  obra	
  põe	
  em	
  circulação	
  o	
  que	
  está	
  internamente	
  parado.	
  Trata-­‐
se	
  de	
  uma	
  força	
  propulsora,	
  algo	
  que	
  nega	
  o	
  que	
  está	
  estagnado.	
  Presença	
  onipotente	
  e	
  
polimorfa	
  –	
  agente	
  de	
  mudanças	
  –	
  que	
  tende	
  naturalmente	
  à	
  anarquia	
  e	
  ameaça	
  com	
  a	
  
destruição.	
  
26
Idem, 93-94.
8
O	
  vento	
  aparece	
  no	
  conto	
  “A	
  pedra	
  e	
  o	
  vento”	
  e	
  também	
  no	
  belíssimo	
  texto	
  “O	
  iniciado	
  do	
  
vento”.27	
  
Interessante	
   observar	
   que	
   os	
   dois	
   símbolos	
   representam	
   estados	
   contraditórios,	
  
antitéticos.	
  Ternura	
  é	
  o	
  agente	
  que	
  os	
  une	
  –	
  num	
  paradoxo	
  –,	
  deixando	
  claro	
  o	
  triunfo	
  da	
  
leveza,	
  da	
  mudança	
  contínua	
  capaz	
  de	
  levar	
  o	
  ser	
  ao	
  verdadeiro	
  conhecimento	
  de	
  quem	
  
ele	
  é.	
  
No	
   “Livro	
   1”,	
   num	
   momento	
   de	
   intenso	
   lirismo,	
   João	
   Ternura	
   encontra	
   a	
   pedra	
   e	
   a	
  
guarda	
  consigo:	
  
Desceu	
   à	
   praia,	
   viu	
   ao	
   longe	
   uma	
   pedra.	
   “Desconfio	
   que	
   ela	
   está	
   me	
  
chamando.”	
  Correu	
  até	
  lá.	
  Apanhou-­‐a.	
  Fresquinha,	
  quase	
  carnal.	
  Parecia	
  que	
  
acabara	
  de	
  nascer	
  
Apertou-­‐a	
  contra	
  o	
  peito,	
  sentiu-­‐lhe	
  a	
  consistência	
  úmida.	
  Úmida	
  do	
  sereno	
  
da	
  madrugada	
  ou	
  das	
  próprias	
  águas	
  do	
  rio.	
  
Teria	
   vindo	
   de	
   longe,	
   no	
   tempo	
   e	
   no	
   espaço.	
   E	
   era	
   diferente	
   dos	
   outros	
  
seixos	
  rolados.	
  Negra,	
  macia,	
  quase	
  retangular.	
  
Ternura	
  a	
  recebera	
  como	
  mensagem	
  de	
  antigas	
  eras	
  geológicas.	
  
Segurou-­‐a	
  com	
  fervor	
  e	
  a	
  pôs	
  no	
  bolso.	
  Subiu	
  correndo.	
  Sentiu	
  que	
  ela	
  lhe	
  
transmitia	
  ao	
  corpo	
  os	
  estremecimentos	
  de	
  sua	
  matéria.	
  
Entrou	
  ofegante	
  no	
  quarto.	
  E	
  deixou-­‐a	
  escondida	
  debaixo	
  do	
  colchão.	
  
Era	
  uma	
  pedra	
  de	
  uma	
  presença	
  que	
  transcendia	
  sua	
  aparência	
  de	
  pedra.28	
  
Como	
  ainda	
  estava	
  em	
  busca	
  do	
  conhecimento	
  sobre	
  quem	
  era,	
  Ternura	
  recolhe	
  a	
  pedra.	
  
Entretanto,	
  doa	
  a	
  pedra	
  a	
  um	
  dos	
  seus	
  amores,	
  Luisinha,	
  quando	
  sua	
  essência	
  já	
  estava	
  
condensada,	
  seu	
  sujeito	
  já	
  estava	
  centrado:	
  
Uma	
  vez,	
  Luisinha,	
  eu	
  era	
  menino,	
  acordei	
  de	
  madrugada,	
  corri	
  à	
  praia,	
  e	
  vi	
  
uma	
  pedra.	
  Ela	
  parecia	
  me	
  chamar	
  de	
  longe.	
  Eu	
  me	
  aproximei	
  pra	
  apanhá-­‐la.	
  
Devia	
  estar	
  rolando	
  há	
  séculos	
  no	
  leito	
  do	
  rio.	
  Eu	
  acho	
  que	
  ela	
  se	
  escondia	
  
dos	
   outros,	
   e	
   se	
   enterrava	
   na	
   areia	
   toda	
   vez	
   que	
   alguém	
   a	
   via	
   ou	
   que	
   a	
  
correnteza	
  ameaçava	
  levá-­‐la.	
  Era	
  uma	
  coisa	
  viva,	
  diferente.	
  Só	
  faltava	
  falar.	
  
Eu	
   tinha	
   certeza	
   de	
   que	
   essa	
   pedra	
   me	
   esperava.	
   Toda	
   a	
   vida	
   me	
   fez	
  
companhia.	
  E	
  está	
  aqui	
  comigo.	
  Eu	
  a	
  trouxe	
  para	
  você,	
  Luisinha.	
  Fique	
  com	
  
ela	
  pra	
  sempre.	
  É	
  como	
  se	
  fosse	
  meu	
  coração.29	
  
A	
  última	
  cena	
  da	
  obra	
  nos	
  apresenta	
  a	
  neta	
  de	
  Lusinha	
  deitando	
  fora	
  a	
  referida	
  pedra.	
  O	
  
narrador	
  chega	
  a	
  dizer	
  que	
  “nesse	
  instante,	
  Ternura	
  desaparecera	
  definitivamente”.	
  
Se	
   a	
   pedra	
   –	
   símbolo	
   da	
   concentração	
   e	
   da	
   concretude	
   –	
   desaparece,	
   o	
   vento	
  
evanescente	
  é	
  que	
  indica	
  a	
  permanência	
  do	
  sonho,	
  do	
  lirismo,	
  da	
  beleza	
  e	
  da	
  ternura.	
  
Aliás,	
  o	
  vento	
  aparece	
  como	
  índice	
  de	
  mudança.	
  Isso	
  pode	
  ser	
  visto	
  na	
  cena	
  em	
  que	
  o	
  pai	
  
de	
   Ternura	
   tem	
   um	
   caso	
   com	
   a	
   professora	
   particular	
   de	
   Ternura	
   e,	
   ainda,	
   durante	
   o	
  
período	
   em	
   que	
   o	
   protagonista,	
   quase	
   morrendo,	
   paira	
   sobre	
   os	
   acontecimentos	
   e	
   é	
  
“vaiado	
  na	
  eternidade”.	
  
A	
   prevalência	
   do	
   vento	
   sobre	
   a	
   pedra	
   aparece	
   no	
   fato	
   de	
   Ternura	
   deslocar-­‐se	
  
constantemente,	
  nunca	
  ficar	
  estagnado,	
  a	
  não	
  ser	
  quando	
  estava	
  a	
  fim	
  de	
  se	
  exilar	
  em	
  si	
  
mesmo,	
  e	
  se	
  transformava	
  numa	
  pedra	
  ou	
  numa	
  árvore:	
  
Muitos	
  então	
  pensavam	
  que	
  estava	
  aborrecido	
  ou	
  triste.	
  Não:	
  estava	
  numa	
  
pedra.	
  
Admitia	
   que	
   isso	
   se	
   dava	
   com	
   muita	
   gente.	
   Com	
   ele,	
   porém,	
   vinha	
   se	
  
27
Trata-se, conforme vimos, de intratextualidades, pois o diálogo intertextual se dá dentro da própria obra de Aníbal Machado.
Outras intertextualidades importantes são com o romance Tristão e Isolda, quando Ternura encontra o mendigo Jeremias, que está à
procura da sua amada (Isolda), e, ainda, com o Super-homem, herói dos quadrinhos e das telas de cinema.
28
Idem, 51.
29
Idem, 200.
9
repetindo	
  muito	
  ultimamente	
  e	
  de	
  maneira	
  tão	
  forte	
  que	
  chegava	
  a	
  alterar	
  o	
  
seu	
   comportamento	
   social	
   e	
   ele	
   se	
   tornava	
   meio	
   vago,	
   alheio	
   ao	
   mundo	
  
ambiente.30	
  
Importante	
  ainda	
  é	
  salientar	
  que	
  a	
  pedra	
  funciona	
  ainda	
  como	
  um	
  diálogo	
  intertextual	
  
com	
   Macunaíma,	
   de	
   Mário	
   de	
   Andrade.	
   Só	
   que	
   se	
   o	
   herói	
   de	
   Mário	
   de	
   Andrade	
  
procurava	
   sua	
   essência,	
   Ternura	
   procurava	
   exatamente	
   o	
   contrário,	
   ou	
   seja,	
   o	
  
descentramento.	
  
Pode-­‐se,	
  apontar	
  outro	
  ponto	
  de	
  contato	
  do	
  livro	
  de	
  Aníbal	
  Machado	
  com	
  Macunaíma,	
  o	
  
fato	
  de	
  as	
  duas	
  narrativas	
  se	
  estruturarem	
  em	
  torno	
  de	
  uma	
  busca.	
  
Através	
  da	
  repetição	
  do	
  tema,	
  o	
  escritor	
  mineiro	
  deixa	
  patente	
  a	
  diferença,	
  porque,	
  se	
  
Macunaíma	
  estava	
  em	
  busca	
  da	
  muiraquitã	
  perdida,	
  Ternura	
  não	
  sabe	
  o	
  que	
  procura.	
  
Nessa	
  busca	
  de	
  um	
  objeto	
  perdido,	
  lemos	
  a	
  busca	
  de	
  um	
  ser	
  perdido	
  em	
  um	
  mundo	
  sem	
  
objeto.	
  A	
  pedra	
  lisa	
  e	
  marrom	
  de	
  Ternura,	
  embora	
  complexa,	
  é	
  um	
  claro	
  enigma:	
  sem	
  a	
  
aura	
   da	
   muiraquitã,	
   de	
   Macunaíma,	
   ela	
   se	
   dissolve	
   entre	
   tantas	
   outras	
   pedras	
   e	
   da	
  
mesma	
   forma	
   que	
   o	
   protagonista:	
   aventureiro	
   sem	
   aventura.	
   Deste	
   modo,	
   podemos	
  
dizer	
  que	
  Ternura	
  é	
  uma	
  falta	
  que	
  ama,	
  saudosa	
  de	
  uma	
  ordem	
  ainda	
  não	
  degradada.	
  
O	
  ENREDO	
  
LIVRO	
  I	
  
Ternura	
  nasce	
  num	
  dia	
  de	
  Natal.	
  Filho	
  de	
  Antônio	
  e	
  Liberta.	
  Narram-­‐se	
  as	
  aventuras	
  da	
  
primeira	
  infância:	
  vida	
  na	
  fazenda,	
  no	
  interior	
  de	
  Minas	
  Gerais	
  entre	
  pais,	
  avós,	
  Isaac,	
  a	
  
prima,	
  as	
  meninas	
  com	
  que	
  aprende	
  o	
  sexo.	
  Numa	
  típica	
  infância	
  de	
  menino	
  do	
  interior,	
  
há	
  muitas	
  aventuras,	
  como	
  o	
  contato	
  com	
  a	
  locomotiva,	
  amores,	
  banhos	
  de	
  rio,	
  tiros	
  com	
  
seu	
  canhãozinho,	
  as	
  histórias	
  de	
  D.	
  Iaiá,	
  a	
  viagem	
  até	
  a	
  fazenda	
  próxima,	
  a	
  procissão,	
  a	
  
viagem	
  de	
  trem	
  e	
  a	
  entrada	
  para	
  a	
  escola	
  (na	
  cidade	
  grande,	
  de	
  onde	
  sai	
  devido	
  a	
  um	
  
problema	
  com	
  o	
  professor	
  de	
  aritmética).	
  
LIVRO	
  II	
  
O	
   pai	
   de	
   Ternura	
   ganhava	
   a	
   vida	
   com	
   o	
   transporte	
   de	
   pessoas,	
   cargas	
   e	
   mercadorias	
  
feito	
   por	
   intermédio	
   de	
   barcas.	
   Com	
   a	
   construção	
   da	
   estrada,	
   o	
   negócio	
   de	
   Antônio	
  
começa	
  a	
  apresentar	
  sinais	
  de	
  decadência.	
  Por	
  fim,	
  vem	
  a	
  falência.	
  Ironicamente,	
  os	
  pais	
  
de	
  Ternura	
  acabam	
  se	
  tornando	
  mais	
  afetivos.	
  
Levado	
  para	
  uma	
  nova	
  escola,	
  nova	
  fuga,	
  desta	
  vez,	
  a	
  nado.	
  Essa	
  nova	
  fuga	
  de	
  Ternura	
  
desperta	
  em	
  Liberata	
  preocupações	
  com	
  respeito	
  ao	
  futuro	
  do	
  filho.	
  
LIVRO	
  III	
  
Já	
   adulto,	
   João	
   Ternura	
   chega	
   ao	
   Rio	
   de	
   Janeiro,	
   cheio	
   de	
   cartas	
   de	
   recomendação	
   da	
  
família	
  e	
  com	
  vontade	
  de	
  levar	
  uma	
  nova	
  vida.	
  Vai	
  tomar	
  um	
  chopp	
  num	
  bar,	
  leva	
  um	
  
soco	
   e	
   é	
   roubado:	
   esse	
   primeiro	
   contato	
   com	
   a	
   cidade	
   prenuncia	
   o	
   que	
   está	
   por	
   vir:	
  
nosso	
   protagonista	
   não	
   conseguirá	
   se	
   adaptar	
   à	
   realidade,	
   vivendo	
   sempre	
   às	
   suas	
  
margens,	
   sem	
   conseguir	
   entender	
   os	
   mecanismos	
   do	
   mundo	
   burguês.	
   Quando	
   tenta	
  
fazer	
  isso,	
  ao	
  procurar	
  a	
  ajuda	
  do	
  primo	
  Bernardo,	
  o	
  efeito	
  é	
  caricatural,	
  pois	
  o	
  primo	
  diz	
  
que	
   a	
   cidade	
   não	
   é	
   para	
   tipos	
   como	
   Ternura.	
   João	
   precisaria	
   melhorar	
   a	
   aparência,	
  
ganhar	
  peso	
  e	
  freqüentar	
  a	
  “alta	
  roda”.	
  
Depois	
   de	
   tentar	
   obter	
   a	
   ajuda	
   do	
   primo	
   e	
   não	
   conseguir,	
   João	
   Ternura	
   arranja	
   lugar	
  
numa	
  pensão,	
  e	
  passa	
  a	
  perambular	
  pelas	
  ruas	
  do	
  Rio	
  de	
  Janeiro	
  à	
  toa	
  na	
  companhia	
  de	
  
párias	
  sociais,	
  como	
  Pepão,	
  Manuel,	
  Matias,	
  Silepse,	
  Luísa,	
  Rita.	
  
Estoura	
  a	
  Revolução	
  de	
  1930.	
  Ternura	
  é	
  convocado	
  a	
  participar.	
  Não	
  tendo	
  o	
  que	
  fazer,	
  
aceita	
  participar.	
  Contrariando	
  as	
  expectativas,	
  nosso	
  protagonista	
  se	
  torna	
  um	
  herói.	
  
30
Idem, 134.
10
Mas,	
  caricatamente,	
  depois	
  de	
  ser	
  conduzido	
  nos	
  braços	
  do	
  povo,	
  escorrega	
  numa	
  casca	
  
de	
  banana	
  e	
  quebra	
  a	
  cabeça.	
  
Primeira	
   prisão:	
   depois	
   de	
   participar	
   da	
   Revolução	
   de	
   1930,	
   vai	
   a	
   um	
   bordel,	
   onde	
   é	
  
preso	
  por	
  estar	
  na	
  companhia	
  de	
  uma	
  menor	
  de	
  idade.	
  Repare	
  que	
  de	
  herói,	
  Ternura	
  
passa,	
  no	
  momento	
  seguinte,	
  a	
  vilão.	
  
Ternura	
  recebe	
  cartas	
  de	
  seus	
  familiares	
  que	
  dizem	
  que	
  ele	
  poderia	
  –	
  se	
  quisesse	
  –	
  voltar	
  para	
  
casa,	
   já	
   que	
   não	
   estava	
   se	
   dando	
   bem	
   no	
   Rio.	
   Para	
   saber	
   se	
   vai	
   ou	
   fica,	
   Ternura	
   decide	
  
consultar	
  uma	
  cartomante.	
  Num	
  bairro	
  da	
  periferia,	
  acaba	
  na	
  casa	
  de	
  um	
  moribundo,	
  Saint-­‐
Hilaire	
  (chamado	
  pelos	
  vizinhos	
  de	
  Sentalher),	
  que,	
  antes	
  de	
  morrer,	
  o	
  confunde	
  com	
  o	
  filho	
  
Ernesto,	
  daí	
  o	
  fato	
  de	
  o	
  capítulo	
  se	
  intitular	
  “Eu	
  sou	
  o	
  Ernesto”,	
  frase	
  repetida	
  por	
  Ternura	
  
depois	
  de	
  assistir	
  ao	
  passamento	
  de	
  Sentalher.	
  
O	
  tempo	
  de	
  nosso	
  protagonista	
  é	
  gasto	
  na	
  perambulação	
  pela	
  cidade	
  e	
  nos	
  encontros	
  
com	
  os	
  amigos	
  e	
  as	
  mulheres.	
  
Matias	
  e	
  Pepão,	
  ao	
  saberem	
  que	
  Ternura	
  participara	
  da	
  Revolução	
  de	
  1930,	
  inventam	
  
uma	
  história	
  sobre	
  o	
  heroísmo	
  do	
  protagonista	
  e	
  o	
  enviam	
  para	
  falar	
  com	
  um	
  Ministro,	
  
para	
  tentar	
  conseguir	
  algum	
  pecúlio.	
  Ternura	
  leva	
  o	
  jornal	
  em	
  que	
  aparece	
  a	
  foto	
  que	
  
havia	
   sido	
   tirada	
   depois	
   do	
   triunfo	
   do	
   movimento	
   armado.	
   Ironicamente,	
   as	
   legendas	
  
embaixo	
  das	
  fotos	
  estavam	
  trocadas,	
  e	
  o	
  Ministro	
  vê	
  a	
  foto	
  em	
  que	
  um	
  homem	
  acusado	
  
de	
   assédio	
   sexual,	
   identifica	
   ali	
   a	
   figura	
   de	
   João	
   e	
   o	
   expulsa	
   da	
   sala	
   do	
   Ministério.	
  
Ternura,	
  depois	
  de	
  se	
  livrar	
  da	
  história	
  dos	
  amigos	
  e	
  do	
  Ministro	
  dá	
  uma	
  cambalhota	
  
para	
  aliviar	
  a	
  tensão.	
  
LIVRO	
  IV	
  
Passam-­‐se	
   os	
   anos	
   e	
   nada	
   de	
   Ternura	
   arranjar	
   emprego.	
   Os	
   amores,	
   entretanto,	
  
continuam	
   pródigos:	
   conhece	
   Marilene	
   (na	
   verdade,	
   Malena),	
   garota	
   burguesa	
   com	
  
quem	
  ensaia	
  um	
  relacionamento	
  e	
  se	
  relaciona	
  esporadicamente	
  com	
  Rita	
  e	
  com	
  Luísa,	
  
irmã	
  de	
  seu	
  amigo	
  Manuel.	
  
Os	
   amigos	
   tornam	
   a	
   vida	
   de	
   Ternura	
   interessante:	
   bebem,	
   filosofam	
   e...	
   saem	
   com	
  
mulheres,	
  muitas	
  mulheres.	
  
Depois	
  de	
  pedir	
  uma	
  carona,	
  Ternura	
  acaba	
  indo	
  parar	
  numa	
  festa	
  de	
  grã-­‐finos,	
  onde	
  é	
  
exibido	
  como	
  se	
  fosse	
  um	
  alienígena.	
  Depois	
  de	
  beber,	
  abandona	
  a	
  festa	
  de	
  ano	
  novo,	
  vai	
  
para	
  a	
  rua,	
  onde	
  é	
  abordado	
  por	
  uma	
  garota	
  com	
  a	
  qual	
  desaparece	
  por	
  onze	
  meses.	
  
LIVRO	
  V	
  
Manuel	
   interpela	
   Ternura	
   e	
   pergunta	
   quando	
   começaria	
   a	
   levar	
   a	
   vida	
   a	
   sério	
   e	
   a	
  
trabalhar,	
   Ternura	
   lhe	
   diz	
   que	
   ainda	
   não	
   era	
   hora:	
   “Já	
   te	
   disse	
   que	
   estou	
   sempre	
   em	
  
preparativos”.31	
  
Ternura	
  está	
  sempre	
  a	
  esperar,	
  mas	
  não	
  sabe	
  o	
  quê:	
  “e	
  tanto	
  tempo	
  a	
  esperar	
  a	
  coisa,	
  o	
  
grande	
  segredo,	
  a	
  razão	
  de	
  ser!”	
  Nova	
  constatação	
  do	
  passar	
  do	
  tempo.	
  Encontro	
  com	
  
Rita.	
  
Através	
  de	
  capítulos	
  elípticos,	
  fala-­‐se	
  do	
  Carnaval	
  (“A	
  contribuição	
  dos	
  gatos”	
  –	
  gatos	
  
viram	
  tamborins;	
  “A	
  morte	
  do	
  pistonista”;	
  “Ortodoxia”).	
  
LIVRO	
  VI	
  
Este	
   livro	
   trata	
   de	
   três	
   assuntos	
   especificamente:	
   a)	
   o	
   carnaval;	
   b)	
   a	
   existência;	
   c)	
   a	
  
morte	
  de	
  Ternura,	
  exatamente	
  nesta	
  ordem.	
  
Durante	
  o	
  Carnaval,	
  oradores	
  fazem	
  discursos	
  e	
  são	
  atirados	
  ao	
  mar.	
  O	
  primeiro	
  discurso	
  
apresenta-­‐se	
  como	
  uma	
  oração	
  dirigida	
  ao	
  Cristo	
  Redentor,	
  pedindo	
  perdão	
  pela	
  farra	
  do	
  
31
Idem, 150.
11
Carnaval;	
  o	
  segundo	
  discurso	
  apresenta	
  inúmeros	
  neologismos.	
  A	
  linguagem	
  empolada	
  e	
  o	
  
gosto	
  pelos	
  discursos	
  nos	
  remetem	
  ao	
  “lado	
  doutor”,	
  parnasiano	
  da	
  cultura	
  brasileira	
  que	
  
aparece	
   devidamente	
   satirizado:	
   “brasileiro	
   se	
   emprenha	
   pelos	
   ouvidos”,	
   “neste	
   país	
  
quem	
  escreve	
  e	
  fala	
  bonito	
  tem	
  a	
  porta	
  aberta	
  para	
  o	
  Congresso	
  e	
  para	
  as	
  Academias	
  de	
  
Letras;	
  e	
  só	
  de	
  falar	
  bonito	
  pode	
  chegar	
  à	
  Presidência”;32	
  o	
  terceiro	
  orador	
  incita	
  o	
  povo	
  a	
  
pescar,	
  defendendo	
  os	
  benefícios	
  desta	
  atividade.	
  
O	
   Carnaval	
   é	
   visto	
   de	
   forma	
   surrealista,	
   pois	
   na	
   página	
   169,	
   aparece	
   um	
   fantasma	
   para	
  
protestar	
  contra	
  o	
  barulho.	
  Esse	
  fantasma	
  usa	
  um	
  binóculo	
  e	
  vê	
  Napoleão,	
  escravos,	
  uma	
  
condessa,	
  D.	
  João	
  VI,	
  entre	
  outras	
  figuras	
  históricas	
  egressas	
  do	
  século	
  XIX.	
  Por	
  fim,	
  “girando	
  
nos	
  calcanhares,	
  seguiu	
  até	
  os	
  fundos	
  da	
  Biblioteca	
  Nacional,	
  onde	
  desapareceu	
  em	
  estado	
  
de	
  fumaça	
  e	
  naftalina”.33	
  
Há,	
  ainda,	
  mais	
  adiante,	
  um	
  morto	
  (homem-­‐féretro)	
  que	
  faz	
  um	
  elogio	
  fúnebre	
  ao	
  seu	
  corpo	
  
que	
  morrera	
  no	
  dia	
  anterior	
  ao	
  qual	
  faz	
  o	
  discurso	
  fúnebre.	
  Aparece	
  um	
  folião	
  que	
  diz	
  ser	
  
Deus	
  e	
  arranja	
  vários	
  seguidores.	
  Chovem	
  pastéis	
  e	
  empadas.	
  Veja	
  como	
  é	
  descrita	
  essa	
  cena	
  
surrealista:	
  
Cavalheiros	
   bem	
   vestidos,	
   com	
   aparência	
   de	
   fino	
   trato,	
   perdiam	
   a	
  
compostura	
  e,	
  em	
  saltos	
  de	
  goleiro,	
  abocanhavam	
  as	
  empadas	
  ainda	
  no	
  ar,	
  a	
  
fim	
  de	
  evitar	
  que	
  elas	
  se	
  esborrachassem	
  no	
  chão.34	
  
Há	
   um	
   tom	
   reflexivo	
   que	
   perpassa	
   a	
   obra.	
   Depois	
   de	
   receber	
   o	
   Manifesto	
   dos	
   não-­‐
nascidos,	
  Ternura	
  e	
  alguns	
  foliões	
  passam	
  a	
  discutir	
  o	
  aborto	
  e	
  o	
  fato	
  de	
  todos	
  terem	
  o	
  
direito	
  a	
  vir	
  à	
  luz.	
  
Este	
  sexto	
  livro,	
  que	
  mostra	
  a	
  festa	
  do	
  Carnaval	
  carioca,	
  é	
  o	
  mais	
  “surrealista”	
  da	
  obra,	
  pois	
  
os	
  fatos	
  equívocos	
  desfilam	
  um	
  após	
  o	
  outro.	
  O	
  único	
  mote	
  a	
  uni-­‐los	
  é	
  a	
  ausência	
  de	
  lógica,	
  o	
  
absurdo.	
  
Durante	
  o	
  Carnaval,	
  exibem-­‐se	
  as	
  riquezas	
  do	
  Brasil	
  (três	
  mocinhas	
  ou	
  riquezas	
  minerais	
  e	
  
vegetais?).	
   Há,	
   ainda,	
   uma	
   paródia	
   ao	
   discurso	
   nacionalista	
   ingênuo	
   na	
   cena	
   em	
   que	
   um	
  
bloco	
   carnavalesco	
   desfila	
   levando	
   uma	
   Caixa	
   de	
   possibilidades	
   que	
   traz	
   depois	
   de	
   si	
  
carnavalescos	
  fazendo	
  homenagens	
  aos	
  símbolos	
  da	
  brasilidade:	
  índios,	
  extensão	
  territorial,	
  
riquezas	
  vegetais	
  e	
  minerais,	
  etc.	
  
Depois	
  da	
  confusão	
  do	
  Carnaval,	
  da	
  possível	
  morte	
  do	
  sujeito	
  que	
  se	
  dizia	
  Deus,	
  a	
  cidade	
  
volta	
  ao	
  normal,	
  na	
  quinta-­‐feira,	
  o	
  que	
  deixa	
  Ternura	
  transtornado,	
  pois	
  a	
  catarse	
  provocada	
  
pelo	
  Carnaval	
  fez	
  aflorar	
  nas	
  pessoas	
  o	
  sonho,	
  o	
  lirismo,	
  a	
  poesia.	
  Para	
  Ternura,	
  “a	
  vida	
  devia	
  
ser	
  de	
  tal	
  jeito	
  que	
  não	
  seria	
  necessário	
  o	
  carnaval”.35	
  
Após	
  o	
  Carnaval,	
  Ternura	
  reencontra	
  Manuel.	
  Conversam.	
  Dias	
  depois,	
  Ternura	
  entra	
  em	
  
convalescença	
  e	
  todos	
  pensam	
  que	
  isso	
  será	
  o	
  seu	
  final.	
  Depois	
  de	
  cinco	
  dias	
  de	
  morre-­‐não-­‐
morre,	
  Ternura	
  –	
  já	
  bastante	
  debilitado	
  –	
  consegue	
  escapar,	
  para	
  continuar	
  sua	
  busca.	
  
Atravessa	
  a	
  cidade,	
  refletindo	
  sobre	
  a	
  beleza	
  das	
  coisas	
  mais	
  simples	
  e,	
  depois	
  de	
  vivenciar	
  
esse	
   novo	
   “aflorar	
   dos	
   sentidos”,	
   encontra-­‐se	
   com	
   Luísa,	
   para	
   quem	
   diz	
   a	
   frase	
   mágica:	
  
“abraçado	
   com	
   você,	
   Luisinha,	
   parece	
   que	
   estou	
   chegando”. 36 	
  O	
   que	
   Luisinha	
   não	
  
compreende	
  é	
  que	
  Ternura	
  finalmente	
  entendera	
  o	
  significado	
  de	
  sua	
  existência,37	
  por	
  isso	
  
já	
  estava	
  preparado	
  para	
  fazer	
  a	
  passagem.	
  
A	
   morte	
   de	
   Ternura	
   é	
   sugerida	
   por	
   intermédio	
   do	
   capítulo	
   “Impossibilidade	
   de	
   Rita”	
   –	
  
espécie	
  de	
  amante	
  de	
  João,	
  que	
  já	
  se	
  encontrava	
  morta	
  –	
  no	
  qual	
  nosso	
  protagonista	
  evoca	
  a	
  
32
Idem, 184.
33
Idem, 170.
34
Idem, 191.
35
Idem, 197.
36
Idem, 212.
37
Idem, 211-212.
12
amada	
  morta	
  e,	
  através	
  de	
  um	
  poema	
  que	
  explora	
  a	
  espacialização	
  da	
  página,	
  alude	
  à	
  morte	
  
do	
  protagonista.	
  Depois	
  desse	
  episódio,	
  ninguém	
  mais	
  tem	
  notícias	
  de	
  João.	
  
A	
  última	
  cena	
  do	
  livro	
  nos	
  mostra	
  uma	
  neta	
  de	
  Luísa	
  –	
  irmã	
  de	
  Manuel	
  e	
  amante	
  de	
  Ternura	
  
–	
  mexendo	
  em	
  um	
  baú	
  da	
  avó.	
  Joanita	
  encontra	
  a	
  pedra	
  que	
  havia	
  sido	
  dada	
  por	
  João	
  à	
  sua	
  
avó	
  (“Uma	
  pedra.	
  Lisa,	
  negra,	
  um	
  risco	
  marrom	
  atravessando-­‐a	
  de	
  lado	
  a	
  lado”)38	
  e,	
  sem	
  
compreender	
   o	
   motivo	
   por	
   que	
   tal	
   quinquilharia	
   estava	
   envolta	
   em	
   papel	
   de	
   seda	
   e	
  
guardada	
  a	
  tanto	
  tempo,	
  atira	
  fora	
  a	
  pedra.	
  Então,	
  segundo	
  o	
  narrador,	
  temos	
  o	
  definitivo	
  
desaparecimento	
  de	
  Ternura:	
  
Nesse	
  instante,	
  Ternura	
  desapareceu	
  definitivamente.	
  
Sem	
  nada,	
  sem	
  ninguém	
  que	
  o	
  lembrasse,	
  era	
  como	
  se	
  nunca	
  tivesse	
  existido.	
  39	
  
O	
  HOMEM	
  E	
  SEU	
  CAPOTE	
  
O	
  apêndice	
  “O	
  homem	
  e	
  seu	
  capote”	
  apresenta	
  a	
  estrutura	
  de	
  um	
  conto.	
  Nele,	
  Ternura,	
  
protagonista,	
   caminha	
   vestindo	
   um	
   sobretudo	
   pelas	
   ruas	
   do	
   Rio	
   de	
   Janeiro.	
   Sentindo	
  
muito	
  calor,	
  decide	
  doar	
  a	
  peça.	
  Ninguém	
  aceita.	
  Depois	
  de	
  tentar	
  abandonar	
  o	
  casaco	
  
duas	
   vezes,	
   é	
   conduzido	
   a	
   um	
   distrito	
   policial,	
   e	
   só	
   consegue	
   ser	
   liberado	
   no	
   dia	
  
seguinte.	
  Chegando	
  à	
  pensão	
  onde	
  mora,	
  abandona	
  o	
  fardo	
  e	
  sai	
  para	
  deambular.	
  Pega	
  
uma	
  uva	
  à	
  porta	
  de	
  uma	
  casa	
  de	
  frutas	
  e	
  sai	
  caminhando	
  calmamente,	
  quando	
  passa	
  a	
  
ser	
  perseguido	
  por	
  uma	
  multidão	
  que	
  o	
  acusa	
  de	
  roubo,	
  inclusive	
  do	
  “capote”/sobretudo	
  
que	
  lhe	
  houvera	
  sido	
  doado	
  pelo	
  primo	
  Bernardo.	
  
Apesar	
  de	
  se	
  tratar	
  de	
  uma	
  história	
  curta	
  (conto)	
  centrada	
  em	
  um	
  só	
  acontecimento,	
  o	
  
texto	
   se	
   aproxima	
   da	
   estrutura	
   dominante	
   na	
   obra	
   João	
   Ternura	
   na	
   medida	
   em	
   que	
  
apresenta	
  não	
  só	
  o	
  mesmo	
  protagonista	
  (além	
  de	
  elementos	
  que	
  já	
  haviam	
  aparecido	
  no	
  
romance	
   –	
   o	
   primo	
   Bernardo,	
   a	
   pensão,	
   dentre	
   outros),	
   mas	
   o	
   absurdo	
   em	
   que	
   se	
  
estrutura	
  os	
  dois	
  episódios	
  mais	
  importantes	
  da	
  narrativa	
  (portar	
  um	
  pesado	
  sobretudo	
  
sob	
  o	
  inclemente	
  calor	
  carioca	
  e	
  ser	
  acusado	
  de	
  roubar	
  algo	
  que	
  lhe	
  havia	
  sido	
  doado	
  
pelo	
  primo	
  Bernardo).	
  
BIBLIOGRAFIA	
  
ANTELO,	
  Raúl	
  (org.).	
  Parque	
   de	
   diversões	
   Aníbal	
   Machado.	
  Belo	
  Horizonte:	
  UFMG;	
  
Florianópolis:	
  UFSC,	
  1994.	
  
BUENO,	
  Antônio	
  Sérgio.	
  Em	
  busca	
  do	
  tempo	
  perdido:	
  “O	
  iniciado	
  do	
  vento”	
  e	
  “Viagem	
  
aos	
   seios	
   de	
   Duília”,	
   de	
   Aníbal	
   Machado.	
   In.:	
   Livros	
   do	
   vestibular:	
   análise,	
  
comentários	
  e	
  testes	
  –	
  ufmg	
  1998.	
  Belo	
  Horizonte:	
  Líttera	
  Maciel,	
  1997.	
  
Itaú	
  Cultural	
  (www.itaucultural.com.br).	
  
MACHADO,	
  Aníbal.	
  João	
  Ternura.	
  4.ed.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  José	
  Olympio,	
  1978.	
  
______________.	
  A	
  morte	
  da	
  porta	
  estandarte	
  e	
  outras	
  histórias.	
  13.	
  ed.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  
José	
  Olympio,	
  1989.	
  
MARQUES,	
  Oswaldino.	
  Aníbal	
  Machado	
  –	
  o	
  iniciado	
  do	
  vento.	
  Ensaios	
  escolhidos.	
  Rio	
  
de	
  Janeiro:	
  Civilização	
  Brasileira,	
  1968.	
  
REBOUÇAS,	
   Marilda	
   de	
   Vasconcelos.	
   Surrealismo.	
   São	
   Paulo:	
   Ática,	
   1986.	
   (Série	
  
Princípios,	
  77).	
  
38
Idem, 224.
39
Idem, op.cit.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014
Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014
Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014Patrícia C Milacci
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraMargarida Santos
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoCicero Luciano
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivojlsr1970
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidadevanysouza
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade Denise
 
Literatura Medieval
Literatura MedievalLiteratura Medieval
Literatura MedievalZofia Santos
 
arcadismo - questoes discursivas.pdf
arcadismo - questoes discursivas.pdfarcadismo - questoes discursivas.pdf
arcadismo - questoes discursivas.pdfProfessoraAline7
 
Categorias da narrativa 9º ano
Categorias da narrativa   9º anoCategorias da narrativa   9º ano
Categorias da narrativa 9º anoElisabeteMarques
 
O romantismo na poesia portuguesa
O romantismo na poesia portuguesaO romantismo na poesia portuguesa
O romantismo na poesia portuguesaSónia Neco
 
INTRODUÇÃO A LITERATURA BRASILEIRA, Resumo Do Antigo Estado à Máquina Mercante
INTRODUÇÃO A LITERATURA BRASILEIRA, Resumo Do Antigo Estado à Máquina MercanteINTRODUÇÃO A LITERATURA BRASILEIRA, Resumo Do Antigo Estado à Máquina Mercante
INTRODUÇÃO A LITERATURA BRASILEIRA, Resumo Do Antigo Estado à Máquina MercanteUFMG
 
Anáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualAnáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualMiquéias Vitorino
 

Mais procurados (20)

Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014
Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014
Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
 
Análise de o alienista
Análise de o alienistaAnálise de o alienista
Análise de o alienista
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
 
Auto da barca do inferno 2
Auto da barca do inferno 2Auto da barca do inferno 2
Auto da barca do inferno 2
 
Resumo galinha Virgilio Ferreia
Resumo galinha Virgilio FerreiaResumo galinha Virgilio Ferreia
Resumo galinha Virgilio Ferreia
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Oficina de minicontos
Oficina de minicontosOficina de minicontos
Oficina de minicontos
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
Literatura Medieval
Literatura MedievalLiteratura Medieval
Literatura Medieval
 
arcadismo - questoes discursivas.pdf
arcadismo - questoes discursivas.pdfarcadismo - questoes discursivas.pdf
arcadismo - questoes discursivas.pdf
 
Categorias da narrativa 9º ano
Categorias da narrativa   9º anoCategorias da narrativa   9º ano
Categorias da narrativa 9º ano
 
Macunaíma
MacunaímaMacunaíma
Macunaíma
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Camões e a epopeia
Camões e a epopeiaCamões e a epopeia
Camões e a epopeia
 
O romantismo na poesia portuguesa
O romantismo na poesia portuguesaO romantismo na poesia portuguesa
O romantismo na poesia portuguesa
 
INTRODUÇÃO A LITERATURA BRASILEIRA, Resumo Do Antigo Estado à Máquina Mercante
INTRODUÇÃO A LITERATURA BRASILEIRA, Resumo Do Antigo Estado à Máquina MercanteINTRODUÇÃO A LITERATURA BRASILEIRA, Resumo Do Antigo Estado à Máquina Mercante
INTRODUÇÃO A LITERATURA BRASILEIRA, Resumo Do Antigo Estado à Máquina Mercante
 
Anáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualAnáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textual
 

Destaque

A (nova) literatura marginal (das periferias)
A (nova) literatura marginal (das periferias)A (nova) literatura marginal (das periferias)
A (nova) literatura marginal (das periferias)ma.no.el.ne.ves
 
Questões de figuras de linguagem na aocp 2
Questões de figuras de linguagem na aocp 2Questões de figuras de linguagem na aocp 2
Questões de figuras de linguagem na aocp 2ma.no.el.ne.ves
 
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02ma.no.el.ne.ves
 
Figuras de linguagem na idecan
Figuras de linguagem na idecanFiguras de linguagem na idecan
Figuras de linguagem na idecanma.no.el.ne.ves
 
Visão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagemVisão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagemma.no.el.ne.ves
 
Revisional de vanguardas europeias e de modernismo
Revisional de vanguardas europeias e de modernismoRevisional de vanguardas europeias e de modernismo
Revisional de vanguardas europeias e de modernismoma.no.el.ne.ves
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileirama.no.el.ne.ves
 
Questões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiroQuestões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiroma.no.el.ne.ves
 
Questões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africanoQuestões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africanoma.no.el.ne.ves
 
Questões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjosQuestões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjosma.no.el.ne.ves
 
Questões sobre o alienista
Questões sobre o alienistaQuestões sobre o alienista
Questões sobre o alienistama.no.el.ne.ves
 
Questões sobre sagarana
Questões sobre sagaranaQuestões sobre sagarana
Questões sobre sagaranama.no.el.ne.ves
 
Prova discursiva de língua portuguesa e de literatura da ufes 2013
Prova discursiva de língua portuguesa e de literatura da ufes 2013Prova discursiva de língua portuguesa e de literatura da ufes 2013
Prova discursiva de língua portuguesa e de literatura da ufes 2013ma.no.el.ne.ves
 
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmaQuestões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmama.no.el.ne.ves
 
Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinhama.no.el.ne.ves
 

Destaque (20)

A (nova) literatura marginal (das periferias)
A (nova) literatura marginal (das periferias)A (nova) literatura marginal (das periferias)
A (nova) literatura marginal (das periferias)
 
O tropicalismo
O tropicalismoO tropicalismo
O tropicalismo
 
Questões de figuras de linguagem na aocp 2
Questões de figuras de linguagem na aocp 2Questões de figuras de linguagem na aocp 2
Questões de figuras de linguagem na aocp 2
 
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02
 
Figuras de linguagem na idecan
Figuras de linguagem na idecanFiguras de linguagem na idecan
Figuras de linguagem na idecan
 
Visão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagemVisão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagem
 
Revisional de vanguardas europeias e de modernismo
Revisional de vanguardas europeias e de modernismoRevisional de vanguardas europeias e de modernismo
Revisional de vanguardas europeias e de modernismo
 
Arcadismo no enem
Arcadismo no enemArcadismo no enem
Arcadismo no enem
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
 
Questões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiroQuestões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiro
 
O gênero épico
O gênero épicoO gênero épico
O gênero épico
 
O gênero dramático,
O gênero dramático,O gênero dramático,
O gênero dramático,
 
O gênero lírico
O gênero líricoO gênero lírico
O gênero lírico
 
Questões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africanoQuestões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africano
 
Questões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjosQuestões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjos
 
Questões sobre o alienista
Questões sobre o alienistaQuestões sobre o alienista
Questões sobre o alienista
 
Questões sobre sagarana
Questões sobre sagaranaQuestões sobre sagarana
Questões sobre sagarana
 
Prova discursiva de língua portuguesa e de literatura da ufes 2013
Prova discursiva de língua portuguesa e de literatura da ufes 2013Prova discursiva de língua portuguesa e de literatura da ufes 2013
Prova discursiva de língua portuguesa e de literatura da ufes 2013
 
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmaQuestões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
 
Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinha
 

Semelhante a Lirismo e surrealismo em João Ternura

Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaTamara Amaral
 
2°Tarefa-Lìngua Portuguesa
2°Tarefa-Lìngua Portuguesa2°Tarefa-Lìngua Portuguesa
2°Tarefa-Lìngua PortuguesaNatalia Salgado
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1BiiancaAlvees
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1BiiancaAlvees
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1BiiancaAlvees
 
AULA DIGITAL L.P
AULA DIGITAL L.PAULA DIGITAL L.P
AULA DIGITAL L.PSilDaniDani
 
questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfBiancaBatista53
 
10 livros da literatura brasileira
10 livros da literatura brasileira10 livros da literatura brasileira
10 livros da literatura brasileiraDiego Peterson
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxMarlene Cunhada
 
Jorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De AreiaJorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De AreiaFlaviacristina74
 
Sinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiroSinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiroSusana Frikh
 
Trabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesaTrabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesaRonaldo Mesquita
 
Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02ma.no.el.ne.ves
 
Cristóvão Tezza
Cristóvão TezzaCristóvão Tezza
Cristóvão TezzaIvan Lucas
 

Semelhante a Lirismo e surrealismo em João Ternura (20)

Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
2°Tarefa-Lìngua Portuguesa
2°Tarefa-Lìngua Portuguesa2°Tarefa-Lìngua Portuguesa
2°Tarefa-Lìngua Portuguesa
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
 
Tarefa 9 1 Em
Tarefa 9   1 EmTarefa 9   1 Em
Tarefa 9 1 Em
 
AULA DIGITAL L.P
AULA DIGITAL L.PAULA DIGITAL L.P
AULA DIGITAL L.P
 
questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdf
 
10 livros da literatura brasileira
10 livros da literatura brasileira10 livros da literatura brasileira
10 livros da literatura brasileira
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
 
Revisão-Pro-Campus-2018.pptx
Revisão-Pro-Campus-2018.pptxRevisão-Pro-Campus-2018.pptx
Revisão-Pro-Campus-2018.pptx
 
Artigo antónio mota
Artigo antónio motaArtigo antónio mota
Artigo antónio mota
 
Dalton novelas nada exemplares
Dalton   novelas nada exemplaresDalton   novelas nada exemplares
Dalton novelas nada exemplares
 
Jorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De AreiaJorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De Areia
 
Sinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiroSinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiro
 
Trabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesaTrabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesa
 
Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02
 
Cristóvão Tezza
Cristóvão TezzaCristóvão Tezza
Cristóvão Tezza
 

Mais de ma.no.el.ne.ves

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literaturama.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artesma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologiasma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticaisma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textualma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internetma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literaturama.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textualma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artesma.no.el.ne.ves
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010ma.no.el.ne.ves
 

Mais de ma.no.el.ne.ves (20)

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
 

Lirismo e surrealismo em João Ternura

  • 1. 1 LIRISMO  E  SURREALISMO  EM  “JOÃO  TERNURA”   por  Manoel  Neves   A  OBRA   João   Ternura   é   um   livro   póstumo.   Foi   publicado   pela   primeira   vez   em   1965,   um   ano   depois  da  morte  de  Aníbal  Machado,  que  –  malgrado  o  livro  estar  pronto  –  relutou  em   lançá-­‐lo  ainda  em  vida,  apesar  de  ter  começado  a  escrevê-­‐lo  desde  a  década  de  1920  –   primeiro  momento  do  modernismo  no  Brasil.   A   obra   é   estruturada   em   seis   “livros”,   aos   quais   se   segue   um   conto,   “O   homem   e   seu   capote”,   no   qual   aparece   o   protagonista   do   romance   em   mais   uma   aventura   absurda,   mas  que  não  foi  aproveitado  na  estrutura  definitiva  do  romance.   Apesar   de   se   intitular   romance   e   da   prevalência   do   caráter   épico   (pois,   vemos   claramente  os  acontecimentos  se  desenrolarem  em  torno  de  um  protagonista),  a  obra   apresenta   um   caráter   híbrido,   em   que   ressoam   um   intenso   lirismo   e   até   mesmo   um   caráter  dramático.   Analisando  o  foco  narrativo,  cumpre  dizer  que  cada  livro  é  composto  por  uma  narrativa   que  oscila  entre  a  terceira  pessoa  (narrador  onisciente  neutro)  e  a  primeira  pessoa  do   singular   (Ternura:   narrador   protagonista   –   isso   acontece   apenas   nos   dois   primeiros   livros).  Encontramos,  também,  blocos  que  recebem  títulos  e  que  funcionam  como  contos   ou  poemas  em  prosa  e,  ainda,  poemas  com  versos  livres;  há  até  um  Manifesto  dos  não   nascidos,   transcrito   como   rodapé,   nas   páginas   172   a   174   e   ainda   um   trecho   em   que   aparece  claramente  uma  peça  teatral,  caracterizando  o  gênero  dramático.   Há  inúmeros  monólogos  interiores,  cartas,  telegramas.   Apesar   de   a   narrativa   ser   composta   por   fragmentos,   é-­‐nos   apresentada   linearmente   (tempo   cronológico).   Cada   mudança   de   foco/assunto/fragmento   é   indicada   por   um   espaço  em  branco  entre  os  parágrafos.  Cada  bloco  se  refere  a  um  assunto  específico.  Às   vezes,  o  bloco  –  à  maneira  de  um  conto  ou  poema  em  prosa  –  vem  antecedido  de  um   título.   A  linguagem  é  próxima  da  poesia,  não  apenas  pela  presença  de  poemas,  mas  também   pelo   intenso   lirismo   de   alguns   trechos   e   pelo   intenso   uso   da   linguagem   figurada:   metonímia,   assíndeto,   metáforas   densas   (que   lembram   o   surrealismo   em   alguns   trechos).   Em   alguns   momentos   o   lirismo   aparece   associado   à   desautomatização   da   percepção:   uma  visão  inaugural  da  realidade,  como  se  vê  em  “Escolinha  da  professora”:   Mamãe,   a   magra,   não.   Eu   quero   ficar   é   com   a   gorda.   A   gorda   é   quente,   quente.1   A  visão  lírica  do  mundo,  predominante  na  obra,  consiste  em  nos  apresentar  a  realidade  por   intermédio  de  ângulos  espetacularmente  inéditos,  inaugurais.  O  poeta  –  diferentemente  do   homem  comum  –  tem  uma  percepção  especial  da  realidade,  ele  a  enxerga  em  seus  mínimos   detalhes,  mesmo  que  a  veja  pela  milésima  vez.  O  olhar  do  poeta  (do  narrador  e  de  Ternura)   é   inaugural.   Ele   vê   tudo   de   forma   original.   Esse   lirismo   o   aproxima   dos   bêbados   e   das   crianças.  Veja  alguns  trechos  abaixo   Que  estará  fazendo  a  criadinha  no  fundo  da  lagoa?   As  águas  são  tão  claras,  e  não  se  vê  o  corpo  dela.   Como  a  estarão  tratando?  Entre  as  pedras  do  fundo,  que  andará  fazendo?...   Servindo?2   1 MACHADO, Aníbal. João Ternura, 16.
  • 2. 2 O  trecho  acima  tece  comentários  líricos  sobre  a  morte  da  criadinha  Maria,  que  fôra  à   lagoa,  com  Isaac  e  Ternura  e  acabara  morrendo  ao  bater  com  a  cabeça  numa  pedra.   Veja  agora  como  a  descrição  do  amanhecer  transforma-­‐se  num  raro  exemplar  de  prosa   poética:   Mais   cedo   que   de   costume   o   menino   abriu   a   porta.   E   se   defrontou   com   a   noite  não  terminada.  O  rio  ainda  se  escondia  na  neblina.3   A  linguagem  de  Machado  é  quase  sempre  elíptica  (metonímica).  Isso  dá  dinamismo  ao   texto  e,  ao  mesmo  tempo,  um  caráter  mais  poético.  Veja,  a  propósito,  a  “Embolada  do   crescimento”:   Enquanto   a   criança   crescia   a   mãe   arrumava   a   casa   esperava   o   marido   dormia  ia  à  igreja  conversava  dormia  outra  vez  regava  as  plantas  arrumava   a  casa  fazia  compras  acabava  as  costuras  enquanto  a  criança  crescia  as  tias   chegavam   à   janela   olhavam   o   tempo   estendiam   os   tapetes   imaginavam   o   casamento  ralavam  o  coco  liam  os  crimes  e  os  dias  iam  passando  enquanto  a   criança   dormia   crescia   pois   o   tempo   parou   para   esperar   que   a   criança   crescesse.4   O  ritmo  é  vertiginoso.  A  ausência  de  pontuação  e  de  conectivos  ligando  as  orações,  uma   das  características  do  futurismo,  dá  velocidade  ao  texto  que  faz  uma  colagem  de  cenas   referentes  à  infância  de  Ternura.  Trata-­‐se  de  um  dos  momentos  de  maior  elaboração  da   obra,   pois   consegue   conjugar   a   elipse,   a   metonímia   (cubismo:   fragmentação   da   cena;   flash  cinematográfico)  com  um  deslizar  vertiginoso  de  acontecimentos  (assíndeto)  que   deixa  o  texto  em  altíssima  rotação.   Além   das   elipses   constantes,   encontramos   ainda   inúmeros   recursos   poéticos   que   aparecem  devidamente  analisados  a  seguir:  ALITERAÇÕES:  “e  o  rosto  de  Rita  que  emerge   das  vagas  de  frutas  e  raízes,  rindo  entre  verduras”,5  “Rita  rindo  e  correndo”;6  ASSONÂNCIA:   “Rita  infinita,  interminável...  As  duas  colinas  dos  seios  empinados  para  o  céu”;7  ANÁFORA:   “Vais  ver  como  a  cidade  treme  fora  dos  gonzos.  Vais  ver  como  a  lava  arrebenta  a  calota   das   aparências.   Vais   ouvir   o   canto   do   povo.   Vais   entrar   na   dimensão   do   delírio”;8   NEOLOGISMOS:   esculhambatrizes,   fundamentalando,   Beatrização   do   prostituário,   todaviísmos;   PARONOMÁSIAS:   “passam   trens   brutais/   carregando   trigo/   carregando   tropas”.9   Note   outro   momento   de   intenso   lirismo   quando   Ternura   está   se   lembrando   de   sua   amada  burguesa  Malene/Marilene:     Marilene  é  bom  para  designar  o  conjunto  de  meu  bem...  voz,  pele,  cabelos,   vestido  e  andar  –  tudo  de  meu  bem...  até  o  cheiro  da  carne  e  a  música  que  sai   da  garganta  de  meu  bem...  o  corpo  dela  se  balançando  no  macio  do  nome   Marilene.10   A   personagem   João   Ternura   apresenta   uma   visão   desautomatizada   do   real.   Ele   vê   o   mundo  por  uma  ótica  diferente  da  dos  adultos  comuns.  É  como  se  visse  algo  mais,  ou   mais  além,  tal  qual  as  crianças,  os  bêbados  e  os  loucos.  Sua  visão  pode  ser  chamada  de   lírica,  pois,  é  deslocada,  subjetiva,  parcial,  sensitiva,  e,  mais  ainda,  é  primitiva,  pura,  não   é  regida  pelo  princípio  da  realidade  consensual,  mas  por  uma  interior,  um  exemplo  disso   é   o   primeiro   contato   de   Ternura   com   a   cidade   grande:   no   hotel   do   Rio   de   Janeiro,   2 Idem, 22. 3 Idem, 50. 4 Idem, 15. 5 Idem, 128. 6 Idem, 129. 7 Idem, 155. Além da aliteração, percebe-se a metáfora que aproxima os seios de Rita das montanhas pontiagudas. 8 Idem, 156. 9 Idem, 219. 10 Idem, 131.
  • 3. 3 Ternura,  em  sua  santa  inocência,  acaba  defecando  no  meio  do  “mato”  (nos  jardins  do   hotel),  assim  como  fazia  em  sua  cidade  natal.  A  cena  é  hilária  (e,  até  mesmo,  revoltante)   para   os   hóspedes   do   hotel   –   que   chamam   Ternura   de   bugre   –,   mas   é   encarada   com   naturalidade   pelo   protagonista,   pois   era   assim   que   sempre   fizera.   A   pureza   ou   o   primitivismo   da   personagem   reside   nesse   seu   deslocamento   do   senso   comum.   Essa   chamada   visão   primitiva   da   realidade,   não   aparece   só   na   personagem   Ternura,   mas   também  por  intermédio  de  Macunaíma,  no  romance  homônimo  de  Mário  de  Andrade.   Outro  momento  em  que  Ternura  se  aproxima  de  Macunaíma  é  no  belíssimo  episódio  em   que  vê  uma  locomotiva  durante  o  dia  e,  à  noite,  sonha:   O  pesadelo  da  noite  revelou  a  verdadeira  intenção  da  locomotiva,  quando   Ternura  recebeu  a  esguichada  do  vapor  e  caiu  entre  latas  de  óleo.  No  sonho,   um  animal  fabuloso,  tendo  uma  chaminé  no  lugar  do  nariz,  abrira  bem  as   pernas   e   agachando-­‐se   sobre   ele,   soltou-­‐lhe   na   cara   uma   mijada   longa   e   humilhante.11   O  trecho  acima,  intitulado  “Vida  noturna”  nos  apresenta  dois  elementos  interessantes,  a   saber:   a   oposição   entre   o   mundo   moderno   (representado   pela   locomotiva,   que   traz   o   progresso  à  cidadezinha  onde  morava  Ternura  em  Minas  Gerais)  e  o  mundo  interior  do   protagonista;   e   a   criação   de   imagens   oníricas,   como   vimos   acima,   em   que   uma   locomotiva  urina  no  rosto  de  João,  evidenciando  nitidamente  a  presença  do  surrealismo   na  obra.   Aníbal   Machado,   conforme   vimos   acima,   foi   um   grande   agitador   cultural   e   um   dos   introdutores  do  Surrealismo  no  Brasil.  Vejamos  mais  detalhadamente  em  que  consistia   esse  movimento  da  vanguarda  européia.   O   Manifesto   do   Surrealismo   preconiza   a   “crítica   à   realidade   e   à   razão,   opostas   irremediavelmente  às  certezas  da  infância,  da  loucura  e  da  imaginação”.12  A  definição  do   movimento  é  lançada  no  Manifesto,  baseada  no  modelo  dos  verbetes  de  dicionários  e   enciclopédias:   Surrealismo.  S.  m.  Automatismo  psíquico  puro  através  do  qual  se  propõe   exprimir,   verbalmente   ou   por   escrito,   ou   de   qualquer   outra   maneira,   o   funcionamento  real  do  pensamento.  Ditado  do  pensamento,  na  ausência  de   qualquer  controle  exercido  pela  razão,  fora  de  toda  preocupação  estética  ou   moral.   Encicl.  Filos.  O  Surrealismo  repousa  sobre  a  crença  na  realidade  superior  de   certas   formas   de   associações   negligenciadas   até   ele,   no   sonho   todo-­‐ poderoso,   no   jogo   desinteressado   do   pensamento.   Ele   tende   a   arruinar   definitivamente   todos   os   outros   mecanismos   psíquicos,   substituindo-­‐os   para  resolução  dos  principais  problemas  da  vida.13   A  escrita  automática,  um  dos  principais  procedimentos  surrealistas  utilizados  na  obra  é,   nas  palavras  de  Antelo,  “expressão  do  mais  puro  espontaneísmo”.14   Vendo  no  Surrealismo  não  apenas  mais  uma  tendência  da  vanguarda  literária,  mas  uma   doutrina  que  busca  a  libertação  do  homem,  Aníbal  defende-­‐lhe  a  adoção,  como  um  meio   de   liberar   “as   forças   vivas   retidas   no   subconsciente”,   de   atingir   as   “fontes   puras   da   poesia”.   Ele   acredita   que,   por   esse   canal,   o   sonho   e   a   imaginação   podem   emergir   na   realidade,  a  qual  –  com  a  abertura  para  o  lirismo,  a  intuição,  o  ludismo,  o  mistério,  o   absurdo,  o  humor,  a  fantasia,  o  feérico,  os  ideais  –  seria  libertada  da  tirania  da  razão  e  da   mediocridade.   Nas   palavras   do   escritor,   o   sonho   que   vinha   há   muito   invadindo   a   11 Idem, 32. 12 REBOUÇAS, Marilda de Vasconcelos. Surrealismo, 15. 13 Idem, 15-16. 14 ANTELO, Raul, 22.
  • 4. 4 realidade,  precisava  de  uma  expressão  estética  que  lhe  desse  uma  efetiva  vazão.  E  esse   foi,  para  ele,  o  grande  papel  exercido  pelo  Surrealismo.   Utilizando   a   imagem,   a   metáfora,   a   analogia   e   o   automatismo   como   instrumentos   principais   do   conhecimento   poético,   leva-­‐nos   o   Surrealismo   ao   contato   das   correntes   profundas   do   inconsciente.   A   crosta   de   hábitos   sociais  com  que  a  máquina  social  pesa  sobre  nós,  paralisa  os  movimentos  do   ser  profundo.  Sem  rompê-­‐la,  é  impossível  alcançar  a  zona  iluminada  onde   tudo   é   facilidade   e   êxtase.   A   criação   poética   atua   nesse   processo   de   libertação   como   um   verdadeiro   explosivo   mental.   A   quebra   dos   hábitos   normais   de   pensar   e   sentir   e   a   desintegração   das   palavras   assumem   o   caráter  de  um  humor  absurdo  e  saboroso  que  alivia  o  espírito  das  tiranias   da  razão.15   Em  Aníbal,   o   crítico,  Oswaldino  Marques  reconhece  “um  dos  maiores  surrealistas  do   nosso  tempo”,  para  o  qual  interessa  “a  herança  matinal  que  todos  transportamos,  nossos   mitos  solares,  quer  seja  sob  a  feição  mágica  da  infância,  ou  da  inocência  inaugural  da   espécie”.  O  crítico  aponta,  no  surrealismo  de  Machado,  o  procedimento  que  permite  dar   a  ver  a  sujeição  da  existência  a  certos  fatores  pouco  conhecidos,  a  certas  metamorfoses  e   influências  inesperadas.  No  cotidiano  de  Aníbal,  insinuam-­‐se  o  equívoco,  o  ambíguo,  o   irracional,  tonalizando,  de  um  matiz  estranho,  a  realidade,  que  logo  adiante,  ainda  que   não  mais  a  mesma,  aparece,  recomposta.   Veja,  no  trecho  abaixo,  como  uma  simples  mamadeira  é  apresenta  de  forma  totalmente   original,  desautomatizada,  surreal:   Na  penumbra  do  corredor  uma  coisa  branca  e  móvel  foi  se  aproximando  e   crescendo,  e  de  repente,  virando  para  a  esquerda,  mergulhou  no  quarto  aos   gritos.  A  criança  viu-­‐se  formando  de  longe  e  no  alto  uma  nebulosa.16   Outro   exemplo   bastante   interessante   encontra-­‐se   no   fato   de,   durante   a   Revolução   de   1930,  Ternura  laçar  uma  metralhadora  e  a  puxar  como  a  um  cão.   Falando  ainda  da  linguagem,  cumpre  ressaltar  a  presença  da  oralidade,  o  que  se  pode   notar  neste  diálogo  entre  Ternura  e  Manuel:   -­‐  Ô  siô...  com  esse  calor  dá  vontade  da  gente  fazer  nem  sei  o  quê!   -­‐  É  mesmo.  Calor  danado,  Manuel!  Estou  fincando  zonzo.   -­‐  Eu  gosto  é  dos  redondos.   -­‐  Eu,  não...  eu  gosto  é  dos  que  estão  nascendo.   -­‐   Mas   que   calor,   hein?   Safa!   Eu   gosto   deles   é   na   chuva,   quando   elas   saem   apressadas.  Ficam  bulindo  que  é  uma  delícia.   -­‐  Bons  eu  vi  no  mercado,  ontem.  Pareciam  misturados  com  hortaliça  e  água   do  mar.   -­‐   Seios   fresquinhos   que   eu   gosto   mesmo   são   de   empregadas   de   fábrica   quando  elas  vão  para  o  serviço.   -­‐  Esses  que  eu  estou  te  falando  que  vi  ontem  às  cinco  da  manhã,  na  hora  que   o  sol  nascia.17   No   trecho   acima,   há   inúmeros   deslizes   gramaticais:   sujeito   regido   de   preposição   (“dá   vontade   da   gente   fazer   nem   sei   o   quê!”),   gíria   (“ficam   bulindo   que   é   uma   delícia”),   regência   incorreta   (“seios   fresquinhos   que   eu   gosto   mesmo   são   de   empregadas   de   fábrica”,  “esses  que  eu  estou  te  falando”).   Outro  elemento  bastante  forte  no  trecho  acima  é  a  forte  conotação  erótica.   15 Idem, 61. 16 MACHADO, Aníbal. João Ternura, 14. 17 MACHADO, Aníbal. João Ternura, 74.
  • 5. 5 Vários  críticos,  ao  se  referirem  ao  personagem-­‐síntese  da  obra,  chamam-­‐no  de  “lírico  e   vulgar”.  O  lirismo  foi  bastante  analisado  acima.  Passo,  então,  a  tratar  da  sexualidade.   A   sexualidade   aparece   muito   em   evidência.   Talvez,   o   vulgar   se   refira   a   isso.   Isaac   e   Ternura,  com  suas  sexualidades  exuberantes,  lembram  Macunaíma  até  no  uso  do  verbo   “brincar”.   Não   só   Ternura,   como   os   pais   (o   barulho   das   relações   sexuais   do   casal   é   ouvido   por   todos   na   casa)   e   Tia   Marina   que   queria   sentir   “aquelas   dores   da   irmã”   deixam  bastante  claro  a  exuberância  e  a  vitalidade  sexual  do  brasileiro.   Durante   o   período   da   infância,   Ternura   sobe   as   saias   das   Tias,   abraça   a   prima,   toma   banho   de   rio   com   as   negrinhas   e   sonha   acordado   com   a   mulher   da   vida.   Lirismo,   sexualidade  e  surrealismo,  aliás,  caminham  juntos  nestes  trechos:   Um   seio   de   mulher   periodicamente   intumesce   e   irradia   no   meio   da   folhagem,  como  luz  de  farol  na  noite.   O  lenço  e  o  seio  da  mulher  ficam  sobrevivendo  como  duas  estrelas.18   Já  no  Rio  de  Janeiro,  Ternura  se  envolve  amorosamente  com  inúmeras  mulheres.  Mas  se   encontra  periodicamente  com  Rita  e  com  Luisinha.   Esquizossemia19  é  o  termo  utilizado  pelo  crítico  argentino  para  se  referir  à  escrita  de   Aníbal   Machado:   uma   escritura   metamorfoseante   que   se   revolta   contra   o   tédio   e   a   imobilidade,   que   prefere   ser   o   lavrador   à   espreita   da   semente   a   ser   a   guardiã   de   um   túmulo.  Uma  linguagem  sóbria,  depurada,  paciente,  perfeccionista,  artesanal,  mas  capaz   de  dinamitar  a  previsibilidade,  por  intermédio  do  surrealismo.   Ternura  nasce  no  dia  de  Natal.  Seus  parentes  querem  que  ele  siga  um  padrão;  primeiro   sugerem  poetas;  o  avô  diz  que  o  neto  será  uma  espécie  de  Napoleão,  o  que  se  confirma   em  parte,  pois,  quando  criança,  Ternura  possuía  canhões,  com  que  aterrorizava  pessoas   e  animais  e,  já  adulto,  participa  de  uma  revolução.  Entretanto,  trata-­‐se  de  um  Napoleão   às  avessas,  uma  espécie  de  anti-­‐herói  brasileiro,  um  andarilho,  um  Quixote,  um  parente   de  Carlitos,  como  já  vimos.   A  imagem  de  Napoleão  quase  sempre  volta,  ainda  que  de  forma  caricatural:  “Deram-­‐lhe   um   quepe   que   não   lhe   entrava   bem   na   cabeça,   vestiu   uma   blusa   que   lhe   sobrava   no   corpo.  Esboço  grotesco  do  Napoleão  sonhado  pelo  avô.”20   Ternura  sempre  se  identifica  com  os  oprimidos,  marginalizados:   Aproximou-­‐se   um   grupo   de   entusiastas:   funcionários   demitidos   a   bem   do   serviço   público,   homens   de   negócio   com   concessões   cassadas,   políticos   afastados   da   situação,   estudantes   que   pleiteavam   exames   por   decreto,   farristas   de   pijama   e   amadores   de   mazorca   –   todos   em   excitação   patriótica.21   Trata-­‐se   um   herói   caricato:   depois   de   conseguir   triunfar   em   território   inimigo,   ser   conduzido  em  triunfo,  escorrega  numa  casca  de  banana  e  quebra  a  cabeça.   Em  seguida  ao  ato  de  heroísmo,  Ternura  é  preso  num  bordel  porque  se  encontrava  com   uma  garota  menor  de  idade.  Ninguém  mais  reconhece  nele  o  herói.  Aliás,  a  cidade  está   sempre  a  oprimi-­‐lo.  Sua  identificação  com  ela  se  dá  de  forma  negativa.  Veja:  “Acabara  de   conhecer  um  dos  mecanismos  mais  cruéis  da  vida  urbana.  Magoado,  embora  e  cheio  de   espanto,  sentiu-­‐se  mais  integrado  na  cidade”.22   18 Idem, 49. 19 Esquizossemia seria, por assim dizer uma escrita esquizofrênica, com múltiplas feições, formas e manifestações. 20 Idem, 83. 21 Idem, op.cit. 22 Idem, 93.
  • 6. 6 Nosso  protagonista  nunca  se  dá  bem  com  o  mundo  moderno,  um  dos  exemplos  é  quando   vai  ao  banco  descontar  um  cheque.  Esse  episódio  é  um  pouco  semelhante  ao  primeiro   contato  de  Ternura  com  a  locomotiva,  na  infância.     Ternura  vive  entre  marginais  no  Rio,  não  trabalha,  recebe  uma  mesada  da  família  e  se   encontra  com  seus  amigos  e  com  meretrizes.   Assim   como   Macunaíma,   que   tentara   conseguir   uma   bolsa   para   estudar   pintura   na   Europa,   João   tenta   conseguir   uma   indenização   do   governo   por   haver   participado   da   revolução   de   1930,   mas   não   consegue,   pois   a   foto   que   registrara   o   momento   de   seu   heroísmo  aparece  na  mesma  em  que  é  preso  por  estar  num  bordel  com  uma  menor  de   idade,  só  que  com  as  legendas  trocadas.   Uma   das   análises   mais   interessantes   feitas   sobre   Ternura   aparece   na   boca   da   personagem  Arosca:   Parece  que  vive  no  fantástico,  (...)  vê  as  coisas  como  imagina  que  devem  ser   (...),   acha   tudo   possível   (...).   E   você   pensa   que   vai   se   corrigir?   Duvido.   É   possível  que  um  dia  ainda  abra  os  olhos.  Isso  a  poder  de  muita  cabeçada.   Precisa  primeiro  sofrer  na  pele,  levar  trancos.  Mas  esse  diabinho  parece  que   não  sofre,  nem  toma  conhecimento  da  realidade.  Não  analisa  os  fatos,  não   raciocina.  Falta-­‐lhe  espírito  objetivo,  (...)  é  de  uma  inocência  que  desarma     (...)  um  tipo  ao  mesmo  tempo  frágil  e  forte,  (...)  conversar  com  ele  é  fugir  da   realidade.23   Em   seu   último   diálogo   com   Ternura,   Manuel   diz   que   Arosca   chamara   seu   amigo   de   “anarco-­‐individualista”,  ao  que  Ternura  responde:   Anarco...  marco...  parco...  arco...  o  que  é  que  eu  sou  mesmo?24   A  citação  faz-­‐se  necessária  porque  consegue  uma  definição  de  nosso  herói.  A  vida  e  o   pensamento  de  Ternura  são  totalmente  anarquistas.  Tanto  que  o  momento  em  que  se   sente  pleno  é  durante  o  Carnaval,  cujos  acontecimentos  aparecem  descritos  em  cerca  de   40  páginas,  cerca  de  um  quinto  da  obra.  Na  verdade,  Ternura  acha  a  festa  uma  “farra   ecumênica”,   que   inverte   as   relações   reais   e   as   substitui,   temporariamente,   pelas   imaginárias.  Por  isso  é  que,  depois  da  festa  que,  por  cinco  dias  fizera  com  que     o  maravilhoso,  que  na  infância  quase  chegara  a  tocar  com  as  mãos,  de  tão   perto,   tivesse   ressurgido   agora   de   maneira   tão   profusa   e   estridente,   para   logo  depois  desaparecer,  e  tudo  voltar  às  regras  antigas.25   Nesse  folião  permanente,  podemos  enxergar  um  caráter  anarquista.   Por   outro   lado,   pode-­‐se   afirmar   que   Ternura,   por   ser   uma   espécie   de   anti-­‐herói   brasileiro,  funciona  como  um  marco  de  nossa  identidade  mestiça.  O  adjetivo  parco  se   refere  aos  49  quilos  de  nossa  personagem.  Por  último,  o  arco  se  refere  ao  arco  (do  Rio)   das  Velhas  que  encontra  no  passado  provinciano  de  vida.   Como  já  nos  referimos  a  Ternura,  passamos  a  falar  agora  das  personagens  com  que  se   relaciona  nosso  protagonista.   Para  efeitos  didáticos,  dividirei  as  personagens  em  dois  grandes  blocos,  a  saber,  aquelas   com  as  quais  se  relaciona  durante  a  infância,  na  vida  no  interior  de  Minas;  e  aquelas  com   as  quais  se  relaciona  no  Rio  de  Janeiro.   Na   chácara,   no   interior   de   Minas   Gerais,   Ternura   vive   com   a   mãe,   Liberata,   que   se   caracteriza   pela   sensibilidade   e   lirismo   que   transmite   ao   filho.   O   pai,   Antônio,   bom   atirador,  relaciona-­‐se  menos  com  o  filho.  Seus  negócios  vão  à  falência  quando  a  cidade   23 Idem, 128. 24 Idem, 203. 25 Idem. 196.
  • 7. 7 se  moderniza.  Nesse  ambiente,  viviam  ainda  as  tias  Marina  e  Natália,  à  espera  de  um   marido  que  não  aparecia.  Há  inúmeras  notações  sexuais  quando  o  narrador  se  refere  à   Tia   Marina,   que   chega   a   namorar,   à   distância,   um   telegrafista.   O   avô,   não-­‐nomeado,   é   referido  inúmeras  vezes:  mora  com  a  família  e  acompanha  os  passos  de  seu  pequeno   Napoleão.   Além  dos  trabalhadores  do  eito,  não  nomeados,  vivem  com  a  família  D.  Maria,  mãe  de   Isaac  (negrinho,  amigo  de  Ternura  nas  brincadeiras;  é  safado,  apanha  todos  os  dias  e   vive  sorrindo),  Josefina  e  a  prima.   Certa  feita,  aparece  na  casa  dos  Silva,  uma  figura  que  se  parece  com  uma  bruxa.  Trata-­‐se   de   D.   Iaiá.   Ela   representa   a   mulher   vivida,   viajada,   experimentada   (na   vida   e   nos   amores)  e  que,  por  isso,  tem  muito  para  contar,  espécie  de  feiticeira  (deixa  atrás  de  si   um  cheiro  de  enxofre).   No  Rio  de  Janeiro,  faz  algumas  amizades.   Dentre   os   amigos,   destaca-­‐se   Manuel,   espécie   de   Sancho   Pança   do   nosso   Quixote   brasileiro.  Manuel  possui  uma  gráfica  e  é  o  principal  interlocutor  de  Ternura  no  Rio  de   Janeiro.   Fazem  parte  da  turma,  ainda,  Matias  (descrito  como  meio  “escroque”,  meio  sonhador),   Silepse  (cético,  não  acredita  na  felicidade;  “não  falava  nada,  ninguém  lhe  sabia  ao  certo  o   passado.  Sabia-­‐se  apenas  que  era  um  sujeito  alto  e  triste”),26  Pepão  (Pedro  Pereira),  ex-­‐ boxeur  e  vagabundo  sentimental,  expulso  so  Lóide  por  aversão  ao  trabalho,  membro  da   diretoria  da  escola  de  samba;  Arosca:  ar  meio  distante,  mas  sempre  explicava  o  mundo   para  Ternura  (fatos  do  dia,  opiniões  de  certos  jornais,  posição  de  certas  personagens  do   dia).  Merece  destaque,  ainda,  o  estudante  Josias,  que  também  se  identifica  com  Ternura.   Dentre  as  mulheres  com  que  Ternura  se  relaciona,  se  destacam  Luísa,  irmã  de  Manuel,   que  ganha  de  presente  a  pedra  que  o  protagonista  recolhera  quando  criança,  Marilene   (na  verdade,  Malena)  burguesa  pela  qual  Ternura  fôra  apaixonado,  que  aparece  no  Livro   4  e  Rita,  com  a  qual  Ternura  queria  se  encontrar  quando  se  deita  nos  trilhos  do  trem  na   última  vez  e  com  a  qual  vivencia  uma  das  experiências  sexuais  mais  intensas  da  obra.   METÁFORAS   Duas  metáforas  muito  importantes  atravessam  a  obra  de  Aníbal  Machado  e  aparecem   trabalhadas  em  João  Ternura.  Trata-­‐se  da  pedra  e  do  vento.   A  reincidência  de  temas  se  deve  ao  fato  de  Machado  acreditar  que  todo  escritor  “tem  um   só  obra,  que  pode  ser  distribuída  em  vários  livros”.  Por  isso  é  que  o  protagonista  João   Ternura  dá  título  a  outro  livro,  Cadernos   de   João,  e  o  conto  “O  homem  e  seu  capote”   reaparecer  na  coletânea  de  contos  A   morte   da   porta-­‐estandarte   e   Tati,   a   garota   e   outras  histórias,  com  o  título  “O  piano”.   Como  acreditava  que  escrevia  uma  única  obra,  esses  dois  símbolos  (alegorias)  já  haviam   aparecido   anteriormente.   A   pedra,   símbolo   da   estagnação,   da   concentração   máxima,   beirando  à  inércia,  a  qual  proporcionaria  um  reagrupamento  da  essência  impenetrável   do  ser,  propiciando  a  ascese,  tanto  desejada  por  ternura,  aparece  em  “A  pedra  e  o  vento”   e  em  “O  piano”  (na  verdade  este  conto  meio  surrealista  é  uma  reescritura  do  texto  “O   homem  e  seu  capote”,  que  fecha  a  obra  que  lemos).     O  vento  que  reincide  na  obra  põe  em  circulação  o  que  está  internamente  parado.  Trata-­‐ se  de  uma  força  propulsora,  algo  que  nega  o  que  está  estagnado.  Presença  onipotente  e   polimorfa  –  agente  de  mudanças  –  que  tende  naturalmente  à  anarquia  e  ameaça  com  a   destruição.   26 Idem, 93-94.
  • 8. 8 O  vento  aparece  no  conto  “A  pedra  e  o  vento”  e  também  no  belíssimo  texto  “O  iniciado  do   vento”.27   Interessante   observar   que   os   dois   símbolos   representam   estados   contraditórios,   antitéticos.  Ternura  é  o  agente  que  os  une  –  num  paradoxo  –,  deixando  claro  o  triunfo  da   leveza,  da  mudança  contínua  capaz  de  levar  o  ser  ao  verdadeiro  conhecimento  de  quem   ele  é.   No   “Livro   1”,   num   momento   de   intenso   lirismo,   João   Ternura   encontra   a   pedra   e   a   guarda  consigo:   Desceu   à   praia,   viu   ao   longe   uma   pedra.   “Desconfio   que   ela   está   me   chamando.”  Correu  até  lá.  Apanhou-­‐a.  Fresquinha,  quase  carnal.  Parecia  que   acabara  de  nascer   Apertou-­‐a  contra  o  peito,  sentiu-­‐lhe  a  consistência  úmida.  Úmida  do  sereno   da  madrugada  ou  das  próprias  águas  do  rio.   Teria   vindo   de   longe,   no   tempo   e   no   espaço.   E   era   diferente   dos   outros   seixos  rolados.  Negra,  macia,  quase  retangular.   Ternura  a  recebera  como  mensagem  de  antigas  eras  geológicas.   Segurou-­‐a  com  fervor  e  a  pôs  no  bolso.  Subiu  correndo.  Sentiu  que  ela  lhe   transmitia  ao  corpo  os  estremecimentos  de  sua  matéria.   Entrou  ofegante  no  quarto.  E  deixou-­‐a  escondida  debaixo  do  colchão.   Era  uma  pedra  de  uma  presença  que  transcendia  sua  aparência  de  pedra.28   Como  ainda  estava  em  busca  do  conhecimento  sobre  quem  era,  Ternura  recolhe  a  pedra.   Entretanto,  doa  a  pedra  a  um  dos  seus  amores,  Luisinha,  quando  sua  essência  já  estava   condensada,  seu  sujeito  já  estava  centrado:   Uma  vez,  Luisinha,  eu  era  menino,  acordei  de  madrugada,  corri  à  praia,  e  vi   uma  pedra.  Ela  parecia  me  chamar  de  longe.  Eu  me  aproximei  pra  apanhá-­‐la.   Devia  estar  rolando  há  séculos  no  leito  do  rio.  Eu  acho  que  ela  se  escondia   dos   outros,   e   se   enterrava   na   areia   toda   vez   que   alguém   a   via   ou   que   a   correnteza  ameaçava  levá-­‐la.  Era  uma  coisa  viva,  diferente.  Só  faltava  falar.   Eu   tinha   certeza   de   que   essa   pedra   me   esperava.   Toda   a   vida   me   fez   companhia.  E  está  aqui  comigo.  Eu  a  trouxe  para  você,  Luisinha.  Fique  com   ela  pra  sempre.  É  como  se  fosse  meu  coração.29   A  última  cena  da  obra  nos  apresenta  a  neta  de  Lusinha  deitando  fora  a  referida  pedra.  O   narrador  chega  a  dizer  que  “nesse  instante,  Ternura  desaparecera  definitivamente”.   Se   a   pedra   –   símbolo   da   concentração   e   da   concretude   –   desaparece,   o   vento   evanescente  é  que  indica  a  permanência  do  sonho,  do  lirismo,  da  beleza  e  da  ternura.   Aliás,  o  vento  aparece  como  índice  de  mudança.  Isso  pode  ser  visto  na  cena  em  que  o  pai   de   Ternura   tem   um   caso   com   a   professora   particular   de   Ternura   e,   ainda,   durante   o   período   em   que   o   protagonista,   quase   morrendo,   paira   sobre   os   acontecimentos   e   é   “vaiado  na  eternidade”.   A   prevalência   do   vento   sobre   a   pedra   aparece   no   fato   de   Ternura   deslocar-­‐se   constantemente,  nunca  ficar  estagnado,  a  não  ser  quando  estava  a  fim  de  se  exilar  em  si   mesmo,  e  se  transformava  numa  pedra  ou  numa  árvore:   Muitos  então  pensavam  que  estava  aborrecido  ou  triste.  Não:  estava  numa   pedra.   Admitia   que   isso   se   dava   com   muita   gente.   Com   ele,   porém,   vinha   se   27 Trata-se, conforme vimos, de intratextualidades, pois o diálogo intertextual se dá dentro da própria obra de Aníbal Machado. Outras intertextualidades importantes são com o romance Tristão e Isolda, quando Ternura encontra o mendigo Jeremias, que está à procura da sua amada (Isolda), e, ainda, com o Super-homem, herói dos quadrinhos e das telas de cinema. 28 Idem, 51. 29 Idem, 200.
  • 9. 9 repetindo  muito  ultimamente  e  de  maneira  tão  forte  que  chegava  a  alterar  o   seu   comportamento   social   e   ele   se   tornava   meio   vago,   alheio   ao   mundo   ambiente.30   Importante  ainda  é  salientar  que  a  pedra  funciona  ainda  como  um  diálogo  intertextual   com   Macunaíma,   de   Mário   de   Andrade.   Só   que   se   o   herói   de   Mário   de   Andrade   procurava   sua   essência,   Ternura   procurava   exatamente   o   contrário,   ou   seja,   o   descentramento.   Pode-­‐se,  apontar  outro  ponto  de  contato  do  livro  de  Aníbal  Machado  com  Macunaíma,  o   fato  de  as  duas  narrativas  se  estruturarem  em  torno  de  uma  busca.   Através  da  repetição  do  tema,  o  escritor  mineiro  deixa  patente  a  diferença,  porque,  se   Macunaíma  estava  em  busca  da  muiraquitã  perdida,  Ternura  não  sabe  o  que  procura.   Nessa  busca  de  um  objeto  perdido,  lemos  a  busca  de  um  ser  perdido  em  um  mundo  sem   objeto.  A  pedra  lisa  e  marrom  de  Ternura,  embora  complexa,  é  um  claro  enigma:  sem  a   aura   da   muiraquitã,   de   Macunaíma,   ela   se   dissolve   entre   tantas   outras   pedras   e   da   mesma   forma   que   o   protagonista:   aventureiro   sem   aventura.   Deste   modo,   podemos   dizer  que  Ternura  é  uma  falta  que  ama,  saudosa  de  uma  ordem  ainda  não  degradada.   O  ENREDO   LIVRO  I   Ternura  nasce  num  dia  de  Natal.  Filho  de  Antônio  e  Liberta.  Narram-­‐se  as  aventuras  da   primeira  infância:  vida  na  fazenda,  no  interior  de  Minas  Gerais  entre  pais,  avós,  Isaac,  a   prima,  as  meninas  com  que  aprende  o  sexo.  Numa  típica  infância  de  menino  do  interior,   há  muitas  aventuras,  como  o  contato  com  a  locomotiva,  amores,  banhos  de  rio,  tiros  com   seu  canhãozinho,  as  histórias  de  D.  Iaiá,  a  viagem  até  a  fazenda  próxima,  a  procissão,  a   viagem  de  trem  e  a  entrada  para  a  escola  (na  cidade  grande,  de  onde  sai  devido  a  um   problema  com  o  professor  de  aritmética).   LIVRO  II   O   pai   de   Ternura   ganhava   a   vida   com   o   transporte   de   pessoas,   cargas   e   mercadorias   feito   por   intermédio   de   barcas.   Com   a   construção   da   estrada,   o   negócio   de   Antônio   começa  a  apresentar  sinais  de  decadência.  Por  fim,  vem  a  falência.  Ironicamente,  os  pais   de  Ternura  acabam  se  tornando  mais  afetivos.   Levado  para  uma  nova  escola,  nova  fuga,  desta  vez,  a  nado.  Essa  nova  fuga  de  Ternura   desperta  em  Liberata  preocupações  com  respeito  ao  futuro  do  filho.   LIVRO  III   Já   adulto,   João   Ternura   chega   ao   Rio   de   Janeiro,   cheio   de   cartas   de   recomendação   da   família  e  com  vontade  de  levar  uma  nova  vida.  Vai  tomar  um  chopp  num  bar,  leva  um   soco   e   é   roubado:   esse   primeiro   contato   com   a   cidade   prenuncia   o   que   está   por   vir:   nosso   protagonista   não   conseguirá   se   adaptar   à   realidade,   vivendo   sempre   às   suas   margens,   sem   conseguir   entender   os   mecanismos   do   mundo   burguês.   Quando   tenta   fazer  isso,  ao  procurar  a  ajuda  do  primo  Bernardo,  o  efeito  é  caricatural,  pois  o  primo  diz   que   a   cidade   não   é   para   tipos   como   Ternura.   João   precisaria   melhorar   a   aparência,   ganhar  peso  e  freqüentar  a  “alta  roda”.   Depois   de   tentar   obter   a   ajuda   do   primo   e   não   conseguir,   João   Ternura   arranja   lugar   numa  pensão,  e  passa  a  perambular  pelas  ruas  do  Rio  de  Janeiro  à  toa  na  companhia  de   párias  sociais,  como  Pepão,  Manuel,  Matias,  Silepse,  Luísa,  Rita.   Estoura  a  Revolução  de  1930.  Ternura  é  convocado  a  participar.  Não  tendo  o  que  fazer,   aceita  participar.  Contrariando  as  expectativas,  nosso  protagonista  se  torna  um  herói.   30 Idem, 134.
  • 10. 10 Mas,  caricatamente,  depois  de  ser  conduzido  nos  braços  do  povo,  escorrega  numa  casca   de  banana  e  quebra  a  cabeça.   Primeira   prisão:   depois   de   participar   da   Revolução   de   1930,   vai   a   um   bordel,   onde   é   preso  por  estar  na  companhia  de  uma  menor  de  idade.  Repare  que  de  herói,  Ternura   passa,  no  momento  seguinte,  a  vilão.   Ternura  recebe  cartas  de  seus  familiares  que  dizem  que  ele  poderia  –  se  quisesse  –  voltar  para   casa,   já   que   não   estava   se   dando   bem   no   Rio.   Para   saber   se   vai   ou   fica,   Ternura   decide   consultar  uma  cartomante.  Num  bairro  da  periferia,  acaba  na  casa  de  um  moribundo,  Saint-­‐ Hilaire  (chamado  pelos  vizinhos  de  Sentalher),  que,  antes  de  morrer,  o  confunde  com  o  filho   Ernesto,  daí  o  fato  de  o  capítulo  se  intitular  “Eu  sou  o  Ernesto”,  frase  repetida  por  Ternura   depois  de  assistir  ao  passamento  de  Sentalher.   O  tempo  de  nosso  protagonista  é  gasto  na  perambulação  pela  cidade  e  nos  encontros   com  os  amigos  e  as  mulheres.   Matias  e  Pepão,  ao  saberem  que  Ternura  participara  da  Revolução  de  1930,  inventam   uma  história  sobre  o  heroísmo  do  protagonista  e  o  enviam  para  falar  com  um  Ministro,   para  tentar  conseguir  algum  pecúlio.  Ternura  leva  o  jornal  em  que  aparece  a  foto  que   havia   sido   tirada   depois   do   triunfo   do   movimento   armado.   Ironicamente,   as   legendas   embaixo  das  fotos  estavam  trocadas,  e  o  Ministro  vê  a  foto  em  que  um  homem  acusado   de   assédio   sexual,   identifica   ali   a   figura   de   João   e   o   expulsa   da   sala   do   Ministério.   Ternura,  depois  de  se  livrar  da  história  dos  amigos  e  do  Ministro  dá  uma  cambalhota   para  aliviar  a  tensão.   LIVRO  IV   Passam-­‐se   os   anos   e   nada   de   Ternura   arranjar   emprego.   Os   amores,   entretanto,   continuam   pródigos:   conhece   Marilene   (na   verdade,   Malena),   garota   burguesa   com   quem  ensaia  um  relacionamento  e  se  relaciona  esporadicamente  com  Rita  e  com  Luísa,   irmã  de  seu  amigo  Manuel.   Os   amigos   tornam   a   vida   de   Ternura   interessante:   bebem,   filosofam   e...   saem   com   mulheres,  muitas  mulheres.   Depois  de  pedir  uma  carona,  Ternura  acaba  indo  parar  numa  festa  de  grã-­‐finos,  onde  é   exibido  como  se  fosse  um  alienígena.  Depois  de  beber,  abandona  a  festa  de  ano  novo,  vai   para  a  rua,  onde  é  abordado  por  uma  garota  com  a  qual  desaparece  por  onze  meses.   LIVRO  V   Manuel   interpela   Ternura   e   pergunta   quando   começaria   a   levar   a   vida   a   sério   e   a   trabalhar,   Ternura   lhe   diz   que   ainda   não   era   hora:   “Já   te   disse   que   estou   sempre   em   preparativos”.31   Ternura  está  sempre  a  esperar,  mas  não  sabe  o  quê:  “e  tanto  tempo  a  esperar  a  coisa,  o   grande  segredo,  a  razão  de  ser!”  Nova  constatação  do  passar  do  tempo.  Encontro  com   Rita.   Através  de  capítulos  elípticos,  fala-­‐se  do  Carnaval  (“A  contribuição  dos  gatos”  –  gatos   viram  tamborins;  “A  morte  do  pistonista”;  “Ortodoxia”).   LIVRO  VI   Este   livro   trata   de   três   assuntos   especificamente:   a)   o   carnaval;   b)   a   existência;   c)   a   morte  de  Ternura,  exatamente  nesta  ordem.   Durante  o  Carnaval,  oradores  fazem  discursos  e  são  atirados  ao  mar.  O  primeiro  discurso   apresenta-­‐se  como  uma  oração  dirigida  ao  Cristo  Redentor,  pedindo  perdão  pela  farra  do   31 Idem, 150.
  • 11. 11 Carnaval;  o  segundo  discurso  apresenta  inúmeros  neologismos.  A  linguagem  empolada  e  o   gosto  pelos  discursos  nos  remetem  ao  “lado  doutor”,  parnasiano  da  cultura  brasileira  que   aparece   devidamente   satirizado:   “brasileiro   se   emprenha   pelos   ouvidos”,   “neste   país   quem  escreve  e  fala  bonito  tem  a  porta  aberta  para  o  Congresso  e  para  as  Academias  de   Letras;  e  só  de  falar  bonito  pode  chegar  à  Presidência”;32  o  terceiro  orador  incita  o  povo  a   pescar,  defendendo  os  benefícios  desta  atividade.   O   Carnaval   é   visto   de   forma   surrealista,   pois   na   página   169,   aparece   um   fantasma   para   protestar  contra  o  barulho.  Esse  fantasma  usa  um  binóculo  e  vê  Napoleão,  escravos,  uma   condessa,  D.  João  VI,  entre  outras  figuras  históricas  egressas  do  século  XIX.  Por  fim,  “girando   nos  calcanhares,  seguiu  até  os  fundos  da  Biblioteca  Nacional,  onde  desapareceu  em  estado   de  fumaça  e  naftalina”.33   Há,  ainda,  mais  adiante,  um  morto  (homem-­‐féretro)  que  faz  um  elogio  fúnebre  ao  seu  corpo   que  morrera  no  dia  anterior  ao  qual  faz  o  discurso  fúnebre.  Aparece  um  folião  que  diz  ser   Deus  e  arranja  vários  seguidores.  Chovem  pastéis  e  empadas.  Veja  como  é  descrita  essa  cena   surrealista:   Cavalheiros   bem   vestidos,   com   aparência   de   fino   trato,   perdiam   a   compostura  e,  em  saltos  de  goleiro,  abocanhavam  as  empadas  ainda  no  ar,  a   fim  de  evitar  que  elas  se  esborrachassem  no  chão.34   Há   um   tom   reflexivo   que   perpassa   a   obra.   Depois   de   receber   o   Manifesto   dos   não-­‐ nascidos,  Ternura  e  alguns  foliões  passam  a  discutir  o  aborto  e  o  fato  de  todos  terem  o   direito  a  vir  à  luz.   Este  sexto  livro,  que  mostra  a  festa  do  Carnaval  carioca,  é  o  mais  “surrealista”  da  obra,  pois   os  fatos  equívocos  desfilam  um  após  o  outro.  O  único  mote  a  uni-­‐los  é  a  ausência  de  lógica,  o   absurdo.   Durante  o  Carnaval,  exibem-­‐se  as  riquezas  do  Brasil  (três  mocinhas  ou  riquezas  minerais  e   vegetais?).   Há,   ainda,   uma   paródia   ao   discurso   nacionalista   ingênuo   na   cena   em   que   um   bloco   carnavalesco   desfila   levando   uma   Caixa   de   possibilidades   que   traz   depois   de   si   carnavalescos  fazendo  homenagens  aos  símbolos  da  brasilidade:  índios,  extensão  territorial,   riquezas  vegetais  e  minerais,  etc.   Depois  da  confusão  do  Carnaval,  da  possível  morte  do  sujeito  que  se  dizia  Deus,  a  cidade   volta  ao  normal,  na  quinta-­‐feira,  o  que  deixa  Ternura  transtornado,  pois  a  catarse  provocada   pelo  Carnaval  fez  aflorar  nas  pessoas  o  sonho,  o  lirismo,  a  poesia.  Para  Ternura,  “a  vida  devia   ser  de  tal  jeito  que  não  seria  necessário  o  carnaval”.35   Após  o  Carnaval,  Ternura  reencontra  Manuel.  Conversam.  Dias  depois,  Ternura  entra  em   convalescença  e  todos  pensam  que  isso  será  o  seu  final.  Depois  de  cinco  dias  de  morre-­‐não-­‐ morre,  Ternura  –  já  bastante  debilitado  –  consegue  escapar,  para  continuar  sua  busca.   Atravessa  a  cidade,  refletindo  sobre  a  beleza  das  coisas  mais  simples  e,  depois  de  vivenciar   esse   novo   “aflorar   dos   sentidos”,   encontra-­‐se   com   Luísa,   para   quem   diz   a   frase   mágica:   “abraçado   com   você,   Luisinha,   parece   que   estou   chegando”. 36  O   que   Luisinha   não   compreende  é  que  Ternura  finalmente  entendera  o  significado  de  sua  existência,37  por  isso   já  estava  preparado  para  fazer  a  passagem.   A   morte   de   Ternura   é   sugerida   por   intermédio   do   capítulo   “Impossibilidade   de   Rita”   –   espécie  de  amante  de  João,  que  já  se  encontrava  morta  –  no  qual  nosso  protagonista  evoca  a   32 Idem, 184. 33 Idem, 170. 34 Idem, 191. 35 Idem, 197. 36 Idem, 212. 37 Idem, 211-212.
  • 12. 12 amada  morta  e,  através  de  um  poema  que  explora  a  espacialização  da  página,  alude  à  morte   do  protagonista.  Depois  desse  episódio,  ninguém  mais  tem  notícias  de  João.   A  última  cena  do  livro  nos  mostra  uma  neta  de  Luísa  –  irmã  de  Manuel  e  amante  de  Ternura   –  mexendo  em  um  baú  da  avó.  Joanita  encontra  a  pedra  que  havia  sido  dada  por  João  à  sua   avó  (“Uma  pedra.  Lisa,  negra,  um  risco  marrom  atravessando-­‐a  de  lado  a  lado”)38  e,  sem   compreender   o   motivo   por   que   tal   quinquilharia   estava   envolta   em   papel   de   seda   e   guardada  a  tanto  tempo,  atira  fora  a  pedra.  Então,  segundo  o  narrador,  temos  o  definitivo   desaparecimento  de  Ternura:   Nesse  instante,  Ternura  desapareceu  definitivamente.   Sem  nada,  sem  ninguém  que  o  lembrasse,  era  como  se  nunca  tivesse  existido.  39   O  HOMEM  E  SEU  CAPOTE   O  apêndice  “O  homem  e  seu  capote”  apresenta  a  estrutura  de  um  conto.  Nele,  Ternura,   protagonista,   caminha   vestindo   um   sobretudo   pelas   ruas   do   Rio   de   Janeiro.   Sentindo   muito  calor,  decide  doar  a  peça.  Ninguém  aceita.  Depois  de  tentar  abandonar  o  casaco   duas   vezes,   é   conduzido   a   um   distrito   policial,   e   só   consegue   ser   liberado   no   dia   seguinte.  Chegando  à  pensão  onde  mora,  abandona  o  fardo  e  sai  para  deambular.  Pega   uma  uva  à  porta  de  uma  casa  de  frutas  e  sai  caminhando  calmamente,  quando  passa  a   ser  perseguido  por  uma  multidão  que  o  acusa  de  roubo,  inclusive  do  “capote”/sobretudo   que  lhe  houvera  sido  doado  pelo  primo  Bernardo.   Apesar  de  se  tratar  de  uma  história  curta  (conto)  centrada  em  um  só  acontecimento,  o   texto   se   aproxima   da   estrutura   dominante   na   obra   João   Ternura   na   medida   em   que   apresenta  não  só  o  mesmo  protagonista  (além  de  elementos  que  já  haviam  aparecido  no   romance   –   o   primo   Bernardo,   a   pensão,   dentre   outros),   mas   o   absurdo   em   que   se   estrutura  os  dois  episódios  mais  importantes  da  narrativa  (portar  um  pesado  sobretudo   sob  o  inclemente  calor  carioca  e  ser  acusado  de  roubar  algo  que  lhe  havia  sido  doado   pelo  primo  Bernardo).   BIBLIOGRAFIA   ANTELO,  Raúl  (org.).  Parque   de   diversões   Aníbal   Machado.  Belo  Horizonte:  UFMG;   Florianópolis:  UFSC,  1994.   BUENO,  Antônio  Sérgio.  Em  busca  do  tempo  perdido:  “O  iniciado  do  vento”  e  “Viagem   aos   seios   de   Duília”,   de   Aníbal   Machado.   In.:   Livros   do   vestibular:   análise,   comentários  e  testes  –  ufmg  1998.  Belo  Horizonte:  Líttera  Maciel,  1997.   Itaú  Cultural  (www.itaucultural.com.br).   MACHADO,  Aníbal.  João  Ternura.  4.ed.  Rio  de  Janeiro:  José  Olympio,  1978.   ______________.  A  morte  da  porta  estandarte  e  outras  histórias.  13.  ed.  Rio  de  Janeiro:   José  Olympio,  1989.   MARQUES,  Oswaldino.  Aníbal  Machado  –  o  iniciado  do  vento.  Ensaios  escolhidos.  Rio   de  Janeiro:  Civilização  Brasileira,  1968.   REBOUÇAS,   Marilda   de   Vasconcelos.   Surrealismo.   São   Paulo:   Ática,   1986.   (Série   Princípios,  77).   38 Idem, 224. 39 Idem, op.cit.