Modernismobrasil1fase

1.321 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.321
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
354
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modernismobrasil1fase

  1. 1. A primeira fase, conhecida como heroica, compreende o período de 1922 a 1930 e apresenta o desejo de liberdade, de ruptura e de destruição do passado como características marcantes. Os principais autores são: Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Manuel Bandeira Alcântara Machado.
  2. 2. Essa primeira fase foi predominantemente poética, entretanto, encontramos também alguns textos em prosa. Neste período nós encontramos como grandes marcas a negação do passado, a valorização poética do cotidiano, o nacionalismo e a liberdade linguística, basicamente através da incorporação da linguagem coloquial e o Anarquismo.
  3. 3. ROMPIMENTO COM TODAS AS ESTRUTURAS DO PASSADO CARÁTER ANÁRQUICO E DESTRUIDOR BUSCA DO MODERNO, DO ORIGINAL E DO POLÊMICO VOLTA ÀS ORIGENS DO PAÍS PROCURA DE UMA “LÍNGUA BRASILEIRA”
  4. 4. PARÓDIAS, HUMOR VALORIZAÇÃO DO ÍNDIO VERDADEIRAMENTE BRASILEIRO DUAS VERTENTES DO NACIONALISMO: DE UM LADO, O CRÍTICO, LIDERADO POR OSWALD DE ANDRADE; POR OUTRO, UM NACIONALISMO UFANISTA, LIDERADO POR PLÍNIO SALGADO
  5. 5. PRINCIPAIS OBRAS E REPRESENTANTES MÁRIO DE ANDRADE “Eu sou um escritor difícil Que a muita gente enquisila, Porém essa culpa é fácil De se acabar de uma vez: E só tirar a cortina Que entra luz nesta escuridez.” (A Costela de Grão Cão)
  6. 6. MÁRIO DE ANDRADE Foi um apaixonado pela cidade de São Paulo. Era um escritor irreverente e criativo. Em seus textos buscou romper as estruturas até então tidas como modelos. Buscava o resgate da linguagem cotidiana, do popular e do folclórico. Com seu texto Pauliceia desvairada, é que temos como primeiro livro totalmente modernista. Vejamos o prefácio desse livro: Leitor:
  7. 7. Está fundado o Desvairismo. Este prefácio, apesar de interessante, inútil. (...) Alguns dados. Nem todos. Sem conclusões. Para quem me aceita são inúteis ambos. Os curiosos terão prazer em descobrir minhas conclusões, confrontando obra e dados. Para quem me rejeita trabalho perdido explicar o que, antes De ler, já não aceitou. (...) Quando sinto a impulsão lírica escrevo sem pensar tudo o que meu inconsciente me grita. Penso depois: não só para corrigir, como para justificar o que escrevi. Daí a razão deste prefácio Interessantíssimo.
  8. 8. Esse ar de deboche presente no prefácio se estende por todo o livro, mas Mário de Andrade não escreveu só poesias, pois escreveu em prosa, e ele escreveu um romance muito conhecido, Macunaíma, que não apresenta as característica de um romance como nós conhecemos.
  9. 9. O livro Macunaíma que apresenta o subtítulo herói sem nenhum caráter é um romance rapsódia, que discute a nacionalidade brasileira. E o que é uma rapsódia? É uma composição que mistura elementos musicais com elementos do folclore da cultura popular e, é justamente isso que Mario de Andrade faz em Macunaíma. No livro ele conta a história do índio que de preto virou branco, a história de Macunaíma que significava um grande mal.
  10. 10. “No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói de nossa gente. Era preto retinto e filho do medo da noite. Houve um momento em que o silêncio foi tão grande escutando o murmurejo do Uraricoera, que a índia tapanhumas pariu uma criança feia. Essa criança é que chamara Macunaíma. Já na meninice fez coisas de sarapantar. De primeiro passou mais de seis anos não falando. Si o incitavam a falar, exclamava: _ Ai! que preguiça! ... e não dizia mais nada. Ficava no canto da maloca, trepado no jirau de paxiúba, espiando o trabalho dos outros e principalmente os dois manos que tinha, Maanape já velhinho e Jiguê na força de homem. O divertimento dele era decepar cabeça de saúva.Vivia deitado mas si punha os olhos em dinheiro, Macunaíma dandava pra ganhar vintém. E também espertava quando a família ia tomar banho no rio, todos juntos e nus (...) No mucambo si alguma cunhatã se aproximava dele pra fazer festinha, Macunaíma punha a mão nas graças dela, cunhatã se afasta (...)”
  11. 11. Macunaíma era debochado, malandro, um garoto terrível, bem diferente da imagem que tínhamos de um herói, tanto que Macunaíma é considerado um anti-herói se comparado aos heróis românticos. Macunaíma mexia com todo mundo, era preguiçoso, não queria saber de trabalhar. Esse texto é considerado o grande marco do modernismo, tanto que volta e meia, ele aparece nos grandes vestibulares do Brasil.
  12. 12. EU SOU TREZENTOS... Eu sou trezentos, sou trezentos-e-cincoenta, As sensações renascem de si mesmas sem repouso, Ôh espelhos, ôh ! Pirineus ! Ôh caiçaras ! Si um deus morrer, irei no Piauí buscar outro ! Abraço no meu leito as milhores palavras, E os suspiros que dou são violinos alheios; Eu piso a terra como quem descobre a furto Nas esquinas, nos táxis, nas camarinhas seus próprios beijos ! Eu sou trezentos, sou trezentos-e-cincoenta, Mas um dia afinal toparei comigo... Tenhamos paciência, andorinhas curtas, Só o esquecimento é que condensa, E então minha alma servirá de abrigo. Mário de Andrade
  13. 13. DESCOBRIMENTO Abancado à escrivaninha em São Paulo Na minha casa da rua Lopes Chaves De supetão senti um friúme por dentro. Fiquei trêmulo, muito comovido Com o livro palerma olhando pra mim. Não vê que me lembrei que lá no Norte, meu Deus! muito longe de mim Na escuridão ativa da noite que caiu Um homem pálido magro de cabelo escorrendo nos olhos, Depois de fazer uma pele com a borracha do dia, Faz pouco se deitou, está dormindo. Esse homem é brasileiro que nem eu. Mário de Andrade
  14. 14. OSWALD DE ANDRADE Oswald de Andrade é considerado o autor mais irreverente, combativo e polêmico da 1ª fase modernista. Foi o idealizador dos principais manifestos que ocorreram nesse período. Sua obra é toda marcada pela ironia, pelo humor, pois é o mais debochados dos poetas modernistas. Ele inova ao trazer o elemento nacional para a literatura sob a roupagem modernista. É o criador do poema piada, poema pílula, ou seja, textos curtos, mas que carregam uma grande carga poética.
  15. 15. Erro de português Quando o português chegou Debaixo duma bruta chuva Vestiu o índio Que pena! Fosse uma manhã de sol O índio tinha despido O português. Pronominais Dê-me um cigarro Diz a gramática Do professor e do aluno E do mulato sabido Mas o bom negro e o bom branco Da nação brasileira Dizem todos os dias Deixa disso camarada Me dá um cigarro.
  16. 16. Perceberam a diferença e o humor. Muito diferente dos poemas parnasianos. Oswald também escreveu em prosa, e tem como um de seus maiores livros Memória sentimentais de João Miramar - Nesse livro, Oswald rompe com os esquemas tradicionais da narrativa. Os capítulos são curtíssimos, apresentando-se como pequenos fragmentos justapostos, próximos da técnica da pintura cubista, que representava ao mesmo tempo, as várias faces de um objeto ou situação, o que impossibilita uma leitura linear.
  17. 17. MANUEL BANDEIRA Num primeiro momento se mostra preso aos valores parnasianos, mas com o passar do tempo, se transforma num dos grandes representantes do modernismo. É a partir do livro Libertinagem que Manuel Bandeira se firma realmente como um poeta modernista. A partir desse livro, seus textos se aproximam muito do linguajar coloquial e os temas são bem diversificados. Tudo para o autor era tema poético, partindo de frases corriqueiras, fala dos meninos negros, das negras, das irenes de até notícias retiradas de jornal, e chega ao ponto de brincar com sua própria doença, a tuberculose.
  18. 18. Mas é com o poema intitulado Poética que nós encontramos as principais características de sua obra. Vejamos alguns fragmentos desse texto:
  19. 19. Poética Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e [manifestações de apreço ao sr. Diretor Estou farto do lirismo que para e vai averiguar no dicionário o cunho [vernáculo de um vocábulo Abaixo aos puristas Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis (...) Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbados O lirismo difícil e pungente dos bêbados O lirismo dos clowns de Shakespeare
  20. 20. A IRONIA FOI TAMBÉM UMA OUTRA CARACTERÍSTICA DE BANDEIRA. PERCEBA-A NO TEXTO ABAIXO: Pneumotórax Febre, hemoptise, dispneia e suores noturnos. A vida interia que podia ter sido e que não foi. Tosse, tosse, tosse. Mandou chamar o médico: _ Diga trinta e três. _ Trinta e três ... trinta e três ... trinta e três ... _ Respire. ..................................................................................... _ O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito infiltrado. _ Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax? _ Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.
  21. 21. MANUEL BANDEIRA
  22. 22. ARTE DE AMAR Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma. A alma é que estraga o amor. Só em Deus ela pode encontrar satisfação. Não noutra alma. Só em Deus — ou fora do mundo. As almas são incomunicáveis. Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo. Porque os corpos se entendem, mas as almas
  23. 23. Café com pão Café com pão Café com pão Virge Maria que foi isso maquinista? Agora sim Café com pão Agora sim Voa, fumaça Corre, cerca Ai seu foguista Bota fogo Na fornalha Que eu preciso Muita força Muita força Muita força (trem de ferro, trem de ferro) Oô... Foge, bicho Foge, povo Passa ponte Passa poste Passa pasto Passa boi Passa boiada Passa galho Da ingazeira Debruçada No riacho Que vontade De cantar! Oô... (café com pão é muito bom) TREM DE FERRO
  24. 24. Quando me prendero No canaviá Cada pé de cana Era um oficiá Oô... Menina bonita Do vestido verde Me dá tua boca Pra matar minha sede Oô... Vou mimbora vou mimbora Não gosto daqui Nasci no sertão Sou de Ouricuri Oô... Vou depressa Vou correndo Vou na toda Que só levo Pouca gente Pouca gente Pouca gente... (trem de ferro, trem de ferro) (Manuel Bandeira in "Estrela da Manhã" 1936)
  25. 25. O ÚLTIMO POEMA Assim eu quereria o meu último poema. Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos A paixão dos suicidas que se matam sem explicação.
  26. 26. ANTÔNIO DE ALCÂNTARA MACHADO PROSA BRÁS, BEXIGA E BARRA FUNDA LARANJA DA CHINA
  27. 27. CARACTERÍSTICAS DA OBRA BRÁS, BEXIGA E BARRA FUNDA ONZE CONTOS CARACTERIZADOS COMO NOTÍCIAS LINGUAGEM CONCISA FLASHES CINEMATOGRÁFICOS PERSONAGENS ÍTALO-BRASILEIRAS COSTUMES DE IMIGRANTES ITALIANOS QUE INFLUENCIARÃO A CULTURA PAULISTANA NARRATIVA ISENTA DE DESCRIÇÕES

×