subnível-sublevel

3.261 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.261
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
96
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

subnível-sublevel

  1. 1. A seleção do método de lavra é um dos principais elementos emqualquer análise econômica de uma mina e sua escolha permite odesenvolvimento da operação. Numa etapa de maior detalhe, podeconstituir-se como fator preponderante para uma resposta positiva doprojeto. A seleção imprópria tem efeitos negativos na viabilidade damina.A mineração é uma atividade que é praticada em todo mundo e astécnicas de extração empregadas estão em constante evolução.Embora seja possível destacar cerca de dez métodos de lavraprincipais, provavelmente existem mais de trezentas variações. Osmétodos são limitados pela disponibilidade e desenvolvimento dosequipamentos e, como todos os fatores que influenciam em suaseleção, devem ser avaliados levando-se em conta os aspectostecnológico, social, econômico e político; a escolha do método de lavrapode ser considerada tanto uma arte como uma ciência.
  2. 2. Os métodos de lavrasubterrâneos são classificados emtrês grupos:• métodos com realces auto-portantes• métodos com suporte dasencaixantes• métodos com abatimento
  3. 3. Dentre os métodos comrealces auto-portantes os maiscomuns estão os métodosabaixo, sendo que os doisprimeiros são os maisdifundidos no Brasil:• câmaras e pilares• método dos sub-níveis• VCR, vertical crater retreat
  4. 4. Objetivos da seleção do método de lavraOs principais objetivos da seleção do método estãorelacionados com os aspectos ambientais, econômicos esociais.1. Ser seguro e produzir condições ambientais adequadaspara os operários.2. Os impactos causados ao meio ambiente devem serreduzidos.3. Permitir condições de estabilidade durante a vida útil.4. Assegurar a máxima recuperação de minério commínima diluição.5. Ser flexível para adaptar às diversas condições geológicase à infra-estrutura disponível.6. Permitir atingir a máxima produtividade reduzindo,conseqüentemente, o custo unitário.
  5. 5. As características físicas do depósito limitam aspossibilidades de aplicação de alguns métodos de lavra.O mergulho do corpo é um fator importante que influenciatanto na seleção do método como na escolha dosequipamentos, podendo ser definidos como suave(horizontal a 20º), médio (20º a 50º) e íngreme (50º avertical).A espessura do depósito e a sua forma tambémpermitem a exclusão de determinados métodos.podem inviabilizar o uso de métodos altamentemecanizados, visto que sua aplicação não permite ocontrole do teor e exige uma largura mínima paraoperação.
  6. 6. A seleção do método de lavra também é condicionada peloteor do minério e sua distribuição espacial. Como os limitesda mineralização geralmente não são identificáveis, épossível se obterem várias reservas em função dediferentes teores de corte. Sua redução gradual causa oaumento das reservas. Por exemplo, um depósito do tipoveio com alto teor e baixa tonelagem pode passar ao tipomassivo com baixo teor. O valor do produto e o custo deextração determinam a quantidade e o teor a ser lavrado.Depósitos com alto teor, estreito e de baixa tonelagem,indicam métodos de baixo investimento e mão-de-obraintensiva. O tamanho do depósito é diretamenteproporcional à sua mecanização.
  7. 7. A caracterização do maciço permite a construção deum modelo que objetiva prever os efeitos causadospela escavação. Algumas propriedades ecaracterísticas do maciço devem ser analisadas:1. O RQD, que é calculado a partir das medidas dotestemunho de sondagem, pode ser usado paradeterminar o índice de escavabilidade (Nicholas,1968).2. Nos métodos de realce, as características da rochadeterminam as dimensões dos salões e dos pilares.3. As fraturas principais, a resistência aocisalhamento, o comprimento e espaçamento dejuntas e a hidrologia definem as geometriaspotenciais de ruptura das escavações.
  8. 8. Método dos Sub-níveis
  9. 9. REGIÃO DE JACOBINAOs principais depósitos de ouro de Jacobina na Bahia (minas de JoãoBelo e Canavieiras) estão predominantemente encaixados emmetaconglomerados ligomíniticos ricos em pirita e mica verde fuchsita(Formação Córrego do Sítio).Pela similitude litológica foramcomparadas aos conhecidos depósitos de tipo paleoplacer dewitwatersrand na África do Sul (Molinari e Scarpelli,1988) .Noentanto,estudos mais recentes sugerem um modelo epigenérico(fluidos hidrotermais tardios) para a formação dessas jazidas já queforam encontradas evidências na região de corpos mineralizadosestruturalmente controlados encaixantes em quartzitos,rochas máficase ultramáficas,afetadas pela alteração hidrotermal tardia (Milesi ETAL.1996, Teixeira ET AL. 2001.Os depósitos de João Belo e Canavieiras apresentam reservas daordem de mais de 300t de Au e produção acumulada da ordem de 20t.
  10. 10. curiosidades A sílica é um óxido (SiO2) sendo o mais abundante constituinte dos minerais das rochas ígneas. Vários polimorfos de SiO2 existem. Eles são: quartzo, tridimita, cristobalita, coesita e stischovita. Dentre estes, o quartzo é o mais comum. A sílica (SiO2) é a causadora da doençaocupacional,conhecida como silicose(peneumoconiose) ,que é a doença do mineiro das minas de ouro, responsável por muitas mortes. Em jacobina-Ba a JMC do grupo Yamana,conseguiuminimizar os casos de silicose. Investindo em ventilação, treinamento econscientização do no uso do EPI’S pelos seuscolaboradores.
  11. 11. O método por sub-níveis clássico foi empregado nospainéis I e II da Mina de cobre,da Mineração Caraíba,em Jaguarari- Ba, com arranjosclássicos longitudinais dotados de estruturas compontos de carga na base dospainéis, sendo que os realces alcançavam dimensõesde até 90x35x80m. Aoperação não era muito bem controlada devido aosdesplacamentos queaumentavam a diluição até 35%. Foi tambémempregado na Mina de João Belo,do grupo Anglo American, em Jacobina, também naBahia, e nas minas da Plumbum- Paraná,Boquira- Bahia e Camaquã- Rio Grande do Sul.
  12. 12. A perfuração pode ser descendente,ascendente ou radial, em torno dos subníveis,os diâmetros variam de 51 a 150 , com mm mmperfuratrizes de topo ou defundo de furo, eletro-hidráulicas oupneumáticas.A carga e transporte são feitos através de LHDse caminhões, com preferência para osequipamentos de maior porte, sempre quepossível. No caso de arranjoslongitudinais sem pontos de extração, énecessário o uso de equipamentosdotados de controle remoto para a carga domaterial desmontado.
  13. 13. Equipamentos utilizados
  14. 14. APLICAÇÃO DE TIRANTE CLICAR AQUI COM O MOUSE
  15. 15. Furos à serem carregados Furos de alívio
  16. 16. CONCLUSÃOO projeto da mina deve ser flexível para permitir o desenvolvimentodo sistema de extração. O uso de novos equipamentos ou a mudançapara um outro método devem ser desconsiderados se caso o mesmonão permita modificações estruturais.Durante a avaliação das reservas, o custo associado com a obtenção deinformações geotécnicas é mínimo, se comparado com os benefíciosque esses métodos poderão fornecer no desenvolvimento do projeto.Geralmente, os acessos e a infra-estrutura necessária sãopermanentes durante a vida da mina, devendo ser consideradas comoexigências para se desenvolverem operações em grande escala.A operação de uma mina exige grandes investimentos e envolveconhecimento multidisciplinar, razões pelas quais a seleção do métodode lavra não deve ser responsabilidade de um único indivíduo. Adecisão sobre o método está diretamente relacionada à qualidade dainformação, que é baseada na experiência do pessoal envolvido emprojetos similares de engenharia.

×