SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
A seleção do método de lavra é um dos principais elementos em
qualquer análise econômica de uma mina e sua escolha permite o
desenvolvimento da operação. Numa etapa de maior detalhe, pode
constituir-se como fator preponderante para uma resposta positiva do
projeto. A seleção imprópria tem efeitos negativos na viabilidade da
mina.
A mineração é uma atividade que é praticada em todo mundo e as
técnicas de extração empregadas estão em constante evolução.
Embora seja possível destacar cerca de dez métodos de lavra
principais, provavelmente existem mais de trezentas variações. Os
métodos são limitados pela disponibilidade e desenvolvimento dos
equipamentos e, como todos os fatores que influenciam em sua
seleção, devem ser avaliados levando-se em conta os aspectos
tecnológico, social, econômico e político; a escolha do método de lavra
pode ser considerada tanto uma arte como uma ciência.
Os métodos de lavra
subterrâneos são classificados em
três grupos:
• métodos com realces auto-
portantes
• métodos com suporte das
encaixantes
• métodos com abatimento
Dentre os métodos com
realces auto-portantes os mais
comuns estão os métodos
abaixo, sendo que os dois
primeiros são os mais
difundidos no Brasil:
• câmaras e pilares
• método dos sub-níveis
• VCR, vertical crater retreat
Objetivos da seleção do método de lavra
Os principais objetivos da seleção do método estão
relacionados com os aspectos ambientais, econômicos e
sociais.
1. Ser seguro e produzir condições ambientais adequadas
para os operários.
2. Os impactos causados ao meio ambiente devem ser
reduzidos.
3. Permitir condições de estabilidade durante a vida útil.
4. Assegurar a máxima recuperação de minério com
mínima diluição.
5. Ser flexível para adaptar às diversas condições geológicas
e à infra-estrutura disponível.
6. Permitir atingir a máxima produtividade reduzindo,
conseqüentemente, o custo unitário.
As características físicas do depósito limitam as
possibilidades de aplicação de alguns métodos de lavra.
O mergulho do corpo é um fator importante que influencia
tanto na seleção do método como na escolha dos
equipamentos, podendo ser definidos como suave
(horizontal a 20º), médio (20º a 50º) e íngreme (50º a
vertical).
A espessura do depósito e a sua forma também
permitem a exclusão de determinados métodos.
podem inviabilizar o uso de métodos altamente
mecanizados, visto que sua aplicação não permite o
controle do teor e exige uma largura mínima para
operação.
A seleção do método de lavra também é condicionada pelo
teor do minério e sua distribuição espacial. Como os limites
da mineralização geralmente não são identificáveis, é
possível se obterem várias reservas em função de
diferentes teores de corte. Sua redução gradual causa o
aumento das reservas. Por exemplo, um depósito do tipo
veio com alto teor e baixa tonelagem pode passar ao tipo
massivo com baixo teor. O valor do produto e o custo de
extração determinam a quantidade e o teor a ser lavrado.
Depósitos com alto teor, estreito e de baixa tonelagem,
indicam métodos de baixo investimento e mão-de-obra
intensiva. O tamanho do depósito é diretamente
proporcional à sua mecanização.
A caracterização do maciço permite a construção de
um modelo que objetiva prever os efeitos causados
pela escavação. Algumas propriedades e
características do maciço devem ser analisadas:
1. O RQD, que é calculado a partir das medidas do
testemunho de sondagem, pode ser usado para
determinar o índice de escavabilidade (Nicholas,
1968).
2. Nos métodos de realce, as características da rocha
determinam as dimensões dos salões e dos pilares.
3. As fraturas principais, a resistência ao
cisalhamento, o comprimento e espaçamento de
juntas e a hidrologia definem as geometrias
potenciais de ruptura das escavações.
Método dos Sub-níveis
REGIÃO DE JACOBINA
Os principais depósitos de ouro de Jacobina na Bahia (minas de João
Belo e Canavieiras) estão predominantemente encaixados em
metaconglomerados ligomíniticos ricos em pirita e mica verde fuchsita
(Formação Córrego do Sítio).Pela similitude litológica foram
comparadas aos conhecidos depósitos de tipo paleoplacer de
witwatersrand na África do Sul (Molinari e Scarpelli,1988) .No
entanto,estudos mais recentes sugerem um modelo epigenérico
(fluidos hidrotermais tardios) para a formação dessas jazidas já que
foram encontradas evidências na região de corpos mineralizados
estruturalmente controlados encaixantes em quartzitos,rochas máficas
e ultramáficas,afetadas pela alteração hidrotermal tardia (Milesi ET
AL.1996, Teixeira ET AL. 2001.
Os depósitos de João Belo e Canavieiras apresentam reservas da
ordem de mais de 300t de Au e produção acumulada da ordem de 20t.
curiosidades
      A sílica é um óxido (SiO2) sendo o mais abundante
         constituinte dos minerais das rochas ígneas.
    Vários polimorfos de SiO2 existem. Eles são: quartzo,
 tridimita, cristobalita, coesita e stischovita. Dentre estes, o
                      quartzo é o mais comum.
             A sílica (SiO2) é a causadora da doença
ocupacional,conhecida como silicose(peneumoconiose) ,que
 é a doença do mineiro das minas de ouro, responsável por
                           muitas mortes.
       Em jacobina-Ba a JMC do grupo Yamana,conseguiu
minimizar os casos de silicose.
       Investindo em ventilação, treinamento e
conscientização do no uso do EPI’S pelos seus
colaboradores.
O método por sub-níveis clássico foi empregado nos
painéis I e II da Mina de cobre,da Mineração Caraíba,
em Jaguarari- Ba, com arranjos
clássicos longitudinais dotados de estruturas com
pontos de carga na base dos
painéis, sendo que os realces alcançavam dimensões
de até 90x35x80m. A
operação não era muito bem controlada devido aos
desplacamentos que
aumentavam a diluição até 35%. Foi também
empregado na Mina de João Belo,
do grupo Anglo American, em Jacobina, também na
Bahia, e nas minas da Plumbum- Paraná,
Boquira- Bahia e Camaquã- Rio Grande do Sul.
A perfuração pode ser descendente,
ascendente ou radial, em torno dos subníveis,
os diâmetros variam de 51 a 150 , com
                         mm     mm


perfuratrizes de topo ou de
fundo de furo, eletro-hidráulicas ou
pneumáticas.
A carga e transporte são feitos através de LHDs
e caminhões, com preferência para os
equipamentos de maior porte, sempre que
possível. No caso de arranjos
longitudinais sem pontos de extração, é
necessário o uso de equipamentos
dotados de controle remoto para a carga do
material desmontado.
Equipamentos utilizados
APLICAÇÃO DE TIRANTE
     CLICAR AQUI COM O MOUSE
Furos à serem
 carregados

                Furos de alívio
CONCLUSÃO
O projeto da mina deve ser flexível para permitir o desenvolvimento
do sistema de extração. O uso de novos equipamentos ou a mudança
para um outro método devem ser desconsiderados se caso o mesmo
não permita modificações estruturais.
Durante a avaliação das reservas, o custo associado com a obtenção de
informações geotécnicas é mínimo, se comparado com os benefícios
que esses métodos poderão fornecer no desenvolvimento do projeto.
Geralmente, os acessos e a infra-estrutura necessária são
permanentes durante a vida da mina, devendo ser consideradas como
exigências para se desenvolverem operações em grande escala.
A operação de uma mina exige grandes investimentos e envolve
conhecimento multidisciplinar, razões pelas quais a seleção do método
de lavra não deve ser responsabilidade de um único indivíduo. A
decisão sobre o método está diretamente relacionada à qualidade da
informação, que é baseada na experiência do pessoal envolvido em
projetos similares de engenharia.
subnível-sublevel

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Métodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaMétodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aula
PublicaTUDO
 
Aula 1 lavra a ceu aberto
Aula 1   lavra a ceu abertoAula 1   lavra a ceu aberto
Aula 1 lavra a ceu aberto
ETEEPA
 
Operações de perfuração de poços de petróleo
Operações de perfuração de poços de petróleoOperações de perfuração de poços de petróleo
Operações de perfuração de poços de petróleo
Cláudia Melchíades
 
Introdução ao processamento sísmico pt4 (inversão e interpretação)
Introdução ao processamento sísmico pt4 (inversão e interpretação)Introdução ao processamento sísmico pt4 (inversão e interpretação)
Introdução ao processamento sísmico pt4 (inversão e interpretação)
Gabriela Pantoja
 
Aula 10 auxiliar de mineração (beneficiamento de minérios) l
Aula 10 auxiliar de mineração (beneficiamento de minérios) lAula 10 auxiliar de mineração (beneficiamento de minérios) l
Aula 10 auxiliar de mineração (beneficiamento de minérios) l
Homero Alves de Lima
 

Mais procurados (20)

MÉTODO DE LAVRA A CÉU ABERTO
MÉTODO DE LAVRA A CÉU ABERTOMÉTODO DE LAVRA A CÉU ABERTO
MÉTODO DE LAVRA A CÉU ABERTO
 
reservatórios
 reservatórios  reservatórios
reservatórios
 
Métodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaMétodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aula
 
Obras subterraneas
Obras subterraneasObras subterraneas
Obras subterraneas
 
Aula 1 lavra a ceu aberto
Aula 1   lavra a ceu abertoAula 1   lavra a ceu aberto
Aula 1 lavra a ceu aberto
 
Abertura de poço
Abertura de poçoAbertura de poço
Abertura de poço
 
Hidrogeologia
HidrogeologiaHidrogeologia
Hidrogeologia
 
Perfuração
PerfuraçãoPerfuração
Perfuração
 
Bacia do Amazonas
Bacia do AmazonasBacia do Amazonas
Bacia do Amazonas
 
03 aula métodos sismicos
03 aula métodos sismicos03 aula métodos sismicos
03 aula métodos sismicos
 
Operações de perfuração de poços de petróleo
Operações de perfuração de poços de petróleoOperações de perfuração de poços de petróleo
Operações de perfuração de poços de petróleo
 
Longwall mining (Multisling mining - Horizontal slicing) NIT ROURKELA
Longwall mining (Multisling mining - Horizontal slicing) NIT ROURKELALongwall mining (Multisling mining - Horizontal slicing) NIT ROURKELA
Longwall mining (Multisling mining - Horizontal slicing) NIT ROURKELA
 
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e GásPerfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
Perfuração, Completação e Recuperação de Petróleo e Gás
 
Completação de Petróleo e Gás
Completação de Petróleo e GásCompletação de Petróleo e Gás
Completação de Petróleo e Gás
 
introducao a planejamento lavra
introducao a planejamento lavraintroducao a planejamento lavra
introducao a planejamento lavra
 
Geotecnia na concepção, projetos e execução de tuneis em maciços rochosos
Geotecnia na concepção, projetos e execução de tuneis em maciços rochosos Geotecnia na concepção, projetos e execução de tuneis em maciços rochosos
Geotecnia na concepção, projetos e execução de tuneis em maciços rochosos
 
Barragens
BarragensBarragens
Barragens
 
Reservatórios aula 4
Reservatórios   aula 4Reservatórios   aula 4
Reservatórios aula 4
 
Introdução ao processamento sísmico pt4 (inversão e interpretação)
Introdução ao processamento sísmico pt4 (inversão e interpretação)Introdução ao processamento sísmico pt4 (inversão e interpretação)
Introdução ao processamento sísmico pt4 (inversão e interpretação)
 
Aula 10 auxiliar de mineração (beneficiamento de minérios) l
Aula 10 auxiliar de mineração (beneficiamento de minérios) lAula 10 auxiliar de mineração (beneficiamento de minérios) l
Aula 10 auxiliar de mineração (beneficiamento de minérios) l
 

Semelhante a subnível-sublevel

Resposta pesquisa mineral
Resposta pesquisa mineralResposta pesquisa mineral
Resposta pesquisa mineral
Mayra Silva
 
Pedreira Carangi
Pedreira CarangiPedreira Carangi
Pedreira Carangi
Jonas923
 
109527925 flotacao-em-coluna
109527925 flotacao-em-coluna109527925 flotacao-em-coluna
109527925 flotacao-em-coluna
Daniel Borges
 
Curso direcional jb
Curso direcional jbCurso direcional jb
Curso direcional jb
Sydney Dias
 
Curso direcional jb
Curso direcional jbCurso direcional jb
Curso direcional jb
tecpetrogas
 
Parecer técnico sobre estabilização de talude
Parecer técnico sobre estabilização de taludeParecer técnico sobre estabilização de talude
Parecer técnico sobre estabilização de talude
Marcelo Forest
 
Processos industrias x impactos ambientais
Processos industrias x impactos ambientaisProcessos industrias x impactos ambientais
Processos industrias x impactos ambientais
Jasmim Dias
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
admilson silva
 

Semelhante a subnível-sublevel (20)

aula 2_062807.pptx
aula 2_062807.pptxaula 2_062807.pptx
aula 2_062807.pptx
 
1º resumo túneis e obras subterrâneas
1º  resumo túneis e obras subterrâneas1º  resumo túneis e obras subterrâneas
1º resumo túneis e obras subterrâneas
 
Resposta pesquisa mineral
Resposta pesquisa mineralResposta pesquisa mineral
Resposta pesquisa mineral
 
PEDREIRA CARANGÍ
PEDREIRA CARANGÍPEDREIRA CARANGÍ
PEDREIRA CARANGÍ
 
Pedreira Carangi
Pedreira CarangiPedreira Carangi
Pedreira Carangi
 
Aula1 2017[1]
Aula1 2017[1]Aula1 2017[1]
Aula1 2017[1]
 
Darcy
DarcyDarcy
Darcy
 
A1_ARTIGO_02.pdf
A1_ARTIGO_02.pdfA1_ARTIGO_02.pdf
A1_ARTIGO_02.pdf
 
109527925 flotacao-em-coluna
109527925 flotacao-em-coluna109527925 flotacao-em-coluna
109527925 flotacao-em-coluna
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 
O desastre social e ambiental em brumadinho
O desastre social e ambiental em brumadinhoO desastre social e ambiental em brumadinho
O desastre social e ambiental em brumadinho
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
Curso direcional jb
Curso direcional jbCurso direcional jb
Curso direcional jb
 
Curso direcional jb
Curso direcional jbCurso direcional jb
Curso direcional jb
 
Parecer técnico sobre estabilização de talude
Parecer técnico sobre estabilização de taludeParecer técnico sobre estabilização de talude
Parecer técnico sobre estabilização de talude
 
Painel tecnico pre-sal: operacao perfuracao workshop 28012011
Painel tecnico pre-sal: operacao perfuracao workshop 28012011Painel tecnico pre-sal: operacao perfuracao workshop 28012011
Painel tecnico pre-sal: operacao perfuracao workshop 28012011
 
Disposição de Rejeitos de Mineração em Barragens de Solo Compactado
Disposição de Rejeitos de Mineração em Barragens de Solo CompactadoDisposição de Rejeitos de Mineração em Barragens de Solo Compactado
Disposição de Rejeitos de Mineração em Barragens de Solo Compactado
 
Processos industrias x impactos ambientais
Processos industrias x impactos ambientaisProcessos industrias x impactos ambientais
Processos industrias x impactos ambientais
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
 

subnível-sublevel

  • 1.
  • 2. A seleção do método de lavra é um dos principais elementos em qualquer análise econômica de uma mina e sua escolha permite o desenvolvimento da operação. Numa etapa de maior detalhe, pode constituir-se como fator preponderante para uma resposta positiva do projeto. A seleção imprópria tem efeitos negativos na viabilidade da mina. A mineração é uma atividade que é praticada em todo mundo e as técnicas de extração empregadas estão em constante evolução. Embora seja possível destacar cerca de dez métodos de lavra principais, provavelmente existem mais de trezentas variações. Os métodos são limitados pela disponibilidade e desenvolvimento dos equipamentos e, como todos os fatores que influenciam em sua seleção, devem ser avaliados levando-se em conta os aspectos tecnológico, social, econômico e político; a escolha do método de lavra pode ser considerada tanto uma arte como uma ciência.
  • 3. Os métodos de lavra subterrâneos são classificados em três grupos: • métodos com realces auto- portantes • métodos com suporte das encaixantes • métodos com abatimento
  • 4. Dentre os métodos com realces auto-portantes os mais comuns estão os métodos abaixo, sendo que os dois primeiros são os mais difundidos no Brasil: • câmaras e pilares • método dos sub-níveis • VCR, vertical crater retreat
  • 5. Objetivos da seleção do método de lavra Os principais objetivos da seleção do método estão relacionados com os aspectos ambientais, econômicos e sociais. 1. Ser seguro e produzir condições ambientais adequadas para os operários. 2. Os impactos causados ao meio ambiente devem ser reduzidos. 3. Permitir condições de estabilidade durante a vida útil. 4. Assegurar a máxima recuperação de minério com mínima diluição. 5. Ser flexível para adaptar às diversas condições geológicas e à infra-estrutura disponível. 6. Permitir atingir a máxima produtividade reduzindo, conseqüentemente, o custo unitário.
  • 6. As características físicas do depósito limitam as possibilidades de aplicação de alguns métodos de lavra. O mergulho do corpo é um fator importante que influencia tanto na seleção do método como na escolha dos equipamentos, podendo ser definidos como suave (horizontal a 20º), médio (20º a 50º) e íngreme (50º a vertical). A espessura do depósito e a sua forma também permitem a exclusão de determinados métodos. podem inviabilizar o uso de métodos altamente mecanizados, visto que sua aplicação não permite o controle do teor e exige uma largura mínima para operação.
  • 7. A seleção do método de lavra também é condicionada pelo teor do minério e sua distribuição espacial. Como os limites da mineralização geralmente não são identificáveis, é possível se obterem várias reservas em função de diferentes teores de corte. Sua redução gradual causa o aumento das reservas. Por exemplo, um depósito do tipo veio com alto teor e baixa tonelagem pode passar ao tipo massivo com baixo teor. O valor do produto e o custo de extração determinam a quantidade e o teor a ser lavrado. Depósitos com alto teor, estreito e de baixa tonelagem, indicam métodos de baixo investimento e mão-de-obra intensiva. O tamanho do depósito é diretamente proporcional à sua mecanização.
  • 8. A caracterização do maciço permite a construção de um modelo que objetiva prever os efeitos causados pela escavação. Algumas propriedades e características do maciço devem ser analisadas: 1. O RQD, que é calculado a partir das medidas do testemunho de sondagem, pode ser usado para determinar o índice de escavabilidade (Nicholas, 1968). 2. Nos métodos de realce, as características da rocha determinam as dimensões dos salões e dos pilares. 3. As fraturas principais, a resistência ao cisalhamento, o comprimento e espaçamento de juntas e a hidrologia definem as geometrias potenciais de ruptura das escavações.
  • 10.
  • 11. REGIÃO DE JACOBINA Os principais depósitos de ouro de Jacobina na Bahia (minas de João Belo e Canavieiras) estão predominantemente encaixados em metaconglomerados ligomíniticos ricos em pirita e mica verde fuchsita (Formação Córrego do Sítio).Pela similitude litológica foram comparadas aos conhecidos depósitos de tipo paleoplacer de witwatersrand na África do Sul (Molinari e Scarpelli,1988) .No entanto,estudos mais recentes sugerem um modelo epigenérico (fluidos hidrotermais tardios) para a formação dessas jazidas já que foram encontradas evidências na região de corpos mineralizados estruturalmente controlados encaixantes em quartzitos,rochas máficas e ultramáficas,afetadas pela alteração hidrotermal tardia (Milesi ET AL.1996, Teixeira ET AL. 2001. Os depósitos de João Belo e Canavieiras apresentam reservas da ordem de mais de 300t de Au e produção acumulada da ordem de 20t.
  • 12. curiosidades A sílica é um óxido (SiO2) sendo o mais abundante constituinte dos minerais das rochas ígneas. Vários polimorfos de SiO2 existem. Eles são: quartzo, tridimita, cristobalita, coesita e stischovita. Dentre estes, o quartzo é o mais comum. A sílica (SiO2) é a causadora da doença ocupacional,conhecida como silicose(peneumoconiose) ,que é a doença do mineiro das minas de ouro, responsável por muitas mortes. Em jacobina-Ba a JMC do grupo Yamana,conseguiu minimizar os casos de silicose. Investindo em ventilação, treinamento e conscientização do no uso do EPI’S pelos seus colaboradores.
  • 13. O método por sub-níveis clássico foi empregado nos painéis I e II da Mina de cobre,da Mineração Caraíba, em Jaguarari- Ba, com arranjos clássicos longitudinais dotados de estruturas com pontos de carga na base dos painéis, sendo que os realces alcançavam dimensões de até 90x35x80m. A operação não era muito bem controlada devido aos desplacamentos que aumentavam a diluição até 35%. Foi também empregado na Mina de João Belo, do grupo Anglo American, em Jacobina, também na Bahia, e nas minas da Plumbum- Paraná, Boquira- Bahia e Camaquã- Rio Grande do Sul.
  • 14. A perfuração pode ser descendente, ascendente ou radial, em torno dos subníveis, os diâmetros variam de 51 a 150 , com mm mm perfuratrizes de topo ou de fundo de furo, eletro-hidráulicas ou pneumáticas. A carga e transporte são feitos através de LHDs e caminhões, com preferência para os equipamentos de maior porte, sempre que possível. No caso de arranjos longitudinais sem pontos de extração, é necessário o uso de equipamentos dotados de controle remoto para a carga do material desmontado.
  • 15.
  • 16.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. APLICAÇÃO DE TIRANTE CLICAR AQUI COM O MOUSE
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28. Furos à serem carregados Furos de alívio
  • 29.
  • 30.
  • 31. CONCLUSÃO O projeto da mina deve ser flexível para permitir o desenvolvimento do sistema de extração. O uso de novos equipamentos ou a mudança para um outro método devem ser desconsiderados se caso o mesmo não permita modificações estruturais. Durante a avaliação das reservas, o custo associado com a obtenção de informações geotécnicas é mínimo, se comparado com os benefícios que esses métodos poderão fornecer no desenvolvimento do projeto. Geralmente, os acessos e a infra-estrutura necessária são permanentes durante a vida da mina, devendo ser consideradas como exigências para se desenvolverem operações em grande escala. A operação de uma mina exige grandes investimentos e envolve conhecimento multidisciplinar, razões pelas quais a seleção do método de lavra não deve ser responsabilidade de um único indivíduo. A decisão sobre o método está diretamente relacionada à qualidade da informação, que é baseada na experiência do pessoal envolvido em projetos similares de engenharia.