SlideShare uma empresa Scribd logo
Os trilhões de células de nosso corpo precisam de água e de
variados tipos de nutrientes, além de um suprimento
ininterrupto de gás oxigênio. Essas demandas são supridas pelo
sistema cardiovascular, que também transporta hormônios e
participa da defesa contra agentes invasores
Circulação sanguínea
Sistema sanguíneo
O sistema sanguíneo apresenta três componentes principais:
Sangue, vasos sanguíneos e coração.
Coração
As paredes do coração são
constituídas por tecido
muscular estrito cardíaco, o
miocárdio.
A superfície interna do
miocárdio é revestida por
uma camada de células
achatadas, denominadas
endocárdio.
Externamente o coração é
envolto pelo pericárdio,
constituído por três camadas
membranosas
“A alma pulsa ao embalo do
coração”
Artérias
São vasos que levam sangue do
coração para os órgãos e tecidos
corporais, Elas apresentam parede
relativamente espessa, constituída
por três camadas de tecido
Internamente, as artérias são
revestidas por tecido epitelial,
formado por uma só camada de
células achatadas, o endotélio, ou
túnica interna.
A camada intermediaria da
parede arterial, denominada
túnica média, é formada por
tecido conjuntivo elástico e tecido
muscular liso; a camada mais
externa da artéria, chamada de
camada adventícia, é constituída
por tecido conjuntivo fibroso. Artéria
Capilares
sanguíneos
Capilares sanguíneos são vasos
finíssimos com diâmetro microscópico,
que estabelecem comunicação entre
uma arteríola e uma vênula, isto é,
uma veia de pequeno diâmetro.
A parede dos capilares é constituída
por uma única camada de células, em
continuidade ao endotélio das
arteríolas e das vênulas. As células que
formam a parede dos capilares deixam
pequenos espaços entre si, por onde
extravasa líquidos sanguíneo
O líquido sanguíneo extravasa, recebendo o nome de
tissular banha as células próximas as capilares,
nutrindo-as e oxigenando-as
As células, por sua vez, eliminam no liquido tissular gás
carbônico e excreções decorrentes de seu metabolismo. A maior
parte do liquido que saiu dos capilares e banhou as células é
reabsorvida pelos próprios capilares, reincorporando-se ao
sangue.
Ao passar pelos capilares doa tecidos , o sangue
banha as células, tornando-se mais pobre em
nutrientes e em gás oxigênio , e mais rico em gás
carbônico e excreções diversas.
O sangue flui para o corpo.
No ponto de conexão entre uma arteríola e um capilar há
uma célula muscular lisa, enrolada no vaso sanguíneo,
denominada esfíncter pré-capilar, que se contrai
deixando a passagem do sangue para o capilar diminuída
ou bloqueada.
Veias
Veias são vasos que levam sangue
de órgãos e tecidos para o
coração: suas paredes são
também constituídas por três
túnicas, correspondentes às duas
artérias.
Não apresentam movimento de
pulsação como as artérias.
No interior das veias de maior
diâmetro há válvulas, cuja função
é impedir o refluxo de sangue e
garantir sua circulação em um
único sentido.
Nos órgãos e tecidos, as finas
veias ligadas às extremidades dos
capilares são denominadas
vênulas.
Sistema linfático
É constituído por uma ampla rede de vasos linfáticos distribuídos por todo
o corpo. Os capilares linfáticos situam-se entre as células dos tecidos, de
onde captam os retos do liquido tissular que extravasou dos capilares
sanguíneos, reconduzindo-o à circulação. Se por um algum motivo, o
sistema linfático deixar de cumprir sua função de drenar os restos do
líquido tissular, este tende a se acumular nos tecidos, causando inchaços
conhecidos como edemas linfáticos.
Os capilares linfáticos situam-se entre as células
dos tecidos, de onde captam os retos do liquido
tissular que extravasou dos capilares sanguíneos,
reconduzindo-o à circulação. Se por um algum
motivo, o sistema linfático deixar de cumprir sua
função de drenar os restos do líquido tissular,
este tende a se acumular nos tecidos, causando
inchaços conhecidos como edemas linfáticos.
Baço
Armazenamento de linfócitos e
monóxidos, dois tipos de glóbulos
brancos
Filtragem do sangue para a remoção de
microrganismos e substâncias estranhas
e resíduos celulares
Destruição de hemácias envelhecidas.
Além disso o baço atua como, banco de
sangue de emergência, por armazenar
hemácias, podendo lançá-las na corrente
sanguínea em momentos de necessidade,
como em um esforço físico intenso.
No interior dos vasos
linfáticos circula a linfa, um
fluido esbranquiçado de
constituição semelhante a do
sangue, do qual difere por
não conter hemácias
99%
50%
Linfa
O baço é um órgão rico em
linfócitos, localizado do lado
esquerdo do abdome, sob as
últimas costelas. Ele
desempenha diversas funções
importantes, entre as quais se
destacam:
Linfonodo
Em diversos pontos da rede linfática há
linfonodos , ou nódulos linfáticos,
estruturas de consistência esponjosa
presente ao longo dos vasos linfáticos.
Ao passar pelos linfonodos, a linfa
circula por fios canais, onde há
leucócitos que identificam e destroem
substâncias e corpos estranhos
Quando o organismo é invadido por
microrganismos, os leucócitos dos
linfonodos próximos ao local da
invasão identificam o invasor e
começam se multiplicar para combatê-
lo. Com isso os linfonodos aumentam
de tamanho, formando inchaços
chamados de ínguas; é possível
detectar um processo infeccioso pelo
exame dos linfonodos.
Os linfonodos se localizam em
posições estratégicas no corpo para
cumprir seu papel que é filtrar a linfa.
A dupla circulação
Coração – pulmões – coração
(denominada circulação pulmonar ou pequena
circulação)
Coração – sistemas corporais – coração
(denominada circulação sistemática, ou grande
circulação)
O sistema cardiovascular humano como o dos outros
vertebrados é fechado, isto é, o sangue circula
continuamente dentro dos vasos sanguíneos, executando o
seguinte trajeto:
Coração – artérias – arteríolas – capilares vênulas – veias –
coração.
O sangue proveniente das diversas
partes do corpo chega ao átrio
direito por duas grandes veias
cavas. Uma delas a veia cava
superior, traz o sangue que irrigou a
cabeça, os braços e aparte superior
do tronco. A veia cava inferior, por
sua vez, traz o sangue que irrigou as
pernas e parte inferior do troco.
Do átrio direito o sangue
passa para o ventrículo
direito, sendo bombeado
para a artéria pulmonar. Esta
se divide em duas, a direita
e a esquerda, que levam o
sangue a cada um dos
pulmões. Neste, o sangue
passa por elos finíssimos
capilares sanguíneos que
recebem os alvéolos
pulmonares, onde captura
gás oxigênio e libera gás
carbônico, no processo de
hematose.
O sangue, depois de
oxigenado nos pulmões,
retorna ao coração pelas
veias pulmonares ,que
desembocam no átrio
esquerdo. Daí ele passa pelo
ventrículo esquerdo, que
bombeia para a artéria
aorta. Esta se divide em
vários ramos, que levam o
sangue oxigenado a todos os
sistemas do corpo.
Sangue arterial e
sangue venoso
A maioria das artérias transporta
sangue rico em oxigênio; por isso o
termo sangue arterial costuma ser
empregado de maneira incorreta como
sinônimo de sangue oxigenado. Por
outro lado, a maioria das veias
transporta sangue pobre em gás
oxigênio e rico em gás carbônico, por
isso o termo sangue venoso
geralmente designa o sangue pobre
em oxigênio.
Devemos ter cuidado ao empregar os
termos sangue arterial e sangue
venoso devido às seguintes exceções:
as artérias pulmonares conduzem
sangue pobre em oxigênio do coração
para os pulmões. As, veias
pulmonares, por sua vez, transportam
sangue oxigenado dos pulmões para o
coração.
O funcionamento
do coração
O funcionamento do sangue em
nosso corpo é mantido
principalmente pelas contrações
rítmicas do coração, processo em
que as câmaras cardíacas se
relaxam e se contraem
alternadamente
O relaxamento de uma câmara
cardíaca se relaxam e se contraem
alternadamente. O relaxamento
de uma câmara cardíaca é
chamada diástole, e sua
contração, sístole. Durante a
diástole, a câmara cardíaca
enche-se de sangue, durante a
sístole, ela bombeia sangue para
fora.
Sistema Circulatório
Ciclo cardíaco
Uma sequência completa de
sístole e diástole das câmaras do
coração é chamada de ciclo
cardíaco e dura cerca de 0,8
segundos.
Durante o ciclo cardíaco, pode-
se identificar duas batidas
subsequentes do coração. Esses
tons são gerados pela pelo
fechamento rápido das valvas
semilunares, essas últimas
localizadas nas entradas das
artérias pulmonares e aorta.
Passados cerca de 0,2 segundos,
do início do ciclo, os ventrículos
direito e esquerdo entram em
sístole, bombeando sangue,
respectivamente, para as
artérias pulmonares e aorta.
Durante a sístole
ventricular as valvas
atrioventriculares direita
e esquerda fecham-se
evitando o retorno de
sangue para os átrios
Ao ocorrer a sístole atrial
terá início um novo ciclo
cardíaco.
O início do ciclo cardíaco
é marcado sístole dos
átrios, que bombeiam
sangue para o interior
dos ventrículos que estão
em diástole.
Valvas presentes nas entradas
das veias cavas (junto ao átrio
direito) e das veias
pulmonares(junto ao átrio
esquerdo) fecham-se durante
a sístole arterial, evitando
assim refluxos de sangue para
essas veias
O primeiro som, de tom mais baixo e
menos audível, é usado pelo fechamento
rápido das valvas atrioventriculares direita
e esquerda e marca o início da sístos e
ventricular
O segundo som, mais agudo e alto, é usado
pelo fechamento rápido das valvas semilunares
da aorta e das artérias pulmonar início da
diástole ventricular.
Frequência cardíaca
A frequência cardíaca é o número de vezes
que o coração se contraí por unidade de
tempo, varia de acordo com o grau de
atividade da pessoa e com a situação
emocional em que se encontra. Em média,
a frequência cardíaca oscila em torno de 70
a 80 batimentos por minuto.
O aumento da frequência cardíaca faz o
sangue circular mais rapidamente pelo
corpo, com isso todos os órgãos, inclusive
os músculos, receberem maior quantidade
de nutrientes e de gás oxigênio, o que
permite suportar uma atividade metabólica
elevada.
A frequência dos
batimentos cardíacos é
controlada por uma
região especial do
coração denominada
marca-passo, ou nó
sinoatrial
Este é um aglomerado de
junção entre átrio direito e
a veia cava superior. A cada
segundo as células do
marca-passo emitem um
sinal elétrico que se
propaga diretamente para
a musculatura dos átrios,
provocando sua contração
(sístole).
A região chamada nó
atrioventricular, distribui o
sinal gerado pelo marca-
passo, estimulando a
musculatura dos ventrículos a
entrar em sístole.
O movimento do
sangue nos vasos
Pressão arterial
Quando o sangue é
bombeado pelos ventrículos,
ele penetra nas artérias sob
alta pressão.
Simultaneamente, as paredes
arteriais relaxam-se,
aumentando de volume, de
modo a expandir o volume
interno e suportar a entrada
de sangue. Se as artérias não
relaxarem o suficiente, a
pressão do sangue em seu
interior pode subir e atingir
níveis perigosos, com risco de
ruptura da parede arterial.
A pressão que o sangue exerce sobre a parede
interna das artérias é denominada pressão
arterial. Em uma pessoa jovem e com boa
saúde, a pressão nas artérias durante a sístole
ventricular, chamada de pressão sistólica ou
pressão máxima, oscila em torno de 120 mm
Hg e 130 mm Hg. Durante a diástole, a pressão
diminui, ficando em torno 70 mmHg a 80 mm
Hg; essa é a chamada pressão diastólica ou
pressão mínima. A pressão arterial máxima e a
mínima podem ser medidas pela utilização do
esfigmomanômetro e um estetoscópio.
Depois de o sangue passar por milhões de
arteríolas e capilares, a pressão sanguínea cai
a valores muito baixos no interior das veias. O
sangue é impulsionado de volta ao coração
pela contração e relaxamento dos músculos
esqueléticos. Quando os músculos se
contraem, eles comprimem as veias e
provocam o deslocamento do sangue em seu
interior. Como no interior das veias há válvulas
que impedem o refluxo de sangue, este se
desloca no sentido do coração.
Sistema Circulatório
O sangue e as defesas corporais
O sistema imunitário, também chamado sistema
imunológico é constituído por certos tipos de leucócitos,
principalmente linfócitos, e pelos órgãos onde ocorrem a
formação, a maturação e a multiplicação desses leucócitos.
Apesar de nosso corpo ser protegido pela pele e
pelas membranas que revestem os órgãos
internos, é praticamente impossível evitar a
entrada de substancias estranhas ou
microrganismos invasores, alguns deles bastante
perigosos.
Células do sistema
imunitário Linfócitos B
• São especializados na produção
de anticorpos, proteínas capazes
de se combinar especificamente
a substâncias estranhas ao
corpo, levando a sua destruição
ou a sua inativação.
Linfócitos T
•O linfócito T citotóxico, também conhecido
como linfócito CD8. Esses linfócitos são
especializados em reconhecer e matar células
corporais alternadas.
•Linfócitos T auxiliadores ou CD4: são os
comandantes do sistema imunitário.
Recebem informações dos macrófagos sobre
a presença de invasores do corpo e
estimulam imediatamente os linfócitos B e os
linfócitos T citotóxicos a combater os
invasores.
•Linfócitos T reguladores:
Descobertos recentemente, tem função
moduladora na resposta imunitária, podendo
refrear a ação dos linfócitos T auxiliadores e
citotóxicos.
Macrófagos são células que se
movimentam continuamente
entre os tecidos, onde
ingerem, por fagocitose,
microrganismos, restos de
células mortas, resíduos
celulares, etc.
Os principais “soldados” do
sistema imunitário são
linfócitos. Há vários tios de
linfócito, cada um
especializado em
determinadas funções
relacionadas à defesa do
organismo.
[do latim humor, fluido ou líquido corporal]
Órgãos do sistema
imunitário
Os linfócitos T organizam-se na medula
óssea vermelha, como as demais
células sanguíneas. Os linfócitos B
amadurecem na própria medula,
enquanto as células precursoras dos
linfócitos T migram par o timo, um
órgão situado sob o osso esterno, na
altura do coração e ali terminam o seu
amadurecimento. Por constituírem os
principais locais de formação e
amadurecimento dos linfócitos, a
medula óssea e o timo costumam ser
denominados órgãos imunitários
primários.
Quando entram na circulação e
passam pelos linfonodos, os
linfonodos T e os linfócitos B aí se
instalam, temporariamente. É durante
esse estágio nos linfonodos
O sistema imunitário
em ação
Durante uma infecção viral, por
exemplo, a sequência de ações dos
anticorpos ocorre da seguinte forma:
Macrófagos: capturam os antígenos,
apresentando-os ao sistema imunitário
para sua identificação.
Linfócitos T auxiliadores (CD4):
reconhecem os antígenos e liberam
interleucinas, substâncias capazes de
ativar os linfócitos B e os T citotóxicos.
Ativados, esses linfócitos passam a se
multiplicar rapidamente, formando um
verdadeiro exército de células capazes
de combater especificamente o invasor.
Os linfócitos continuam a se multiplicar
enquanto há antígenos para ativá-los. À
medida que os antígenos vão sendo
destruídos, o número de linfócitos
diminui.
Imunidade
hormonal
É aquela de que participam
proteínas especiais presentes
no plasma sanguíneo, os
anticorpos. Estes são
produzidos pelos linfócitos B
maduros, ou plasmócitos.
Anticorpos são proteínas do
grupo das imunoglobulinas cuja
forma molecular espacial
lembra uma letra Y. Cada
molécula de anticorpo compõe-
se de quatro cadeias
polipeptídicas, duas de maior
tamanho e idênticas entre si,
denominadas cadeias pesadas,
e duas de menor tamanho,
também idênticas entre si,
denominadas cadeias leves.
Imunidade
celular
É aquela mediada pelos
linfócitos T citotóxicos. Na
membrana plasmática dessa
célula há proteínas que
reconhecem células anormais
ou infectadas por vírus e se
ligam a elas, lançando sobre
essas “células estranhas” uma
substância chamada perforina
que perfura a membrana
plasmática das células
alteradas, matando-as.
Memória
imunitária
Mesmo após uma infecção ter
sido combatida, resta no
organismo certa quantidade
de linfócitos especiais, as
células de memória, que
guardam por anos ou pelo
resto da vida a capacidade de
reconhecer agentes
infecciosos com os quais o
organismo esteve em contato.
Imunização ativa e passiva: vacinas
e soros
Imunização ativa ocorrerá quando o próprio organismo é
estimulado a produzir os anticorpos protetores. Já a imunização
passiva acontecerá quando os anticorpos são gerados em outro
organismo de onde são retirados purificados e inoculados no ser
que se deseja imunizar.
Vacinas
Os cientistas descobriram que é
possível preparar uma pessoa
antecipadamente para um possível
ataque de certos microrganismos.
Uma vacina é consistida por antígenos
isolados de microrganismos
causadores de certa doença ou mesmo
de microrganismos vivos previamente
atenuados, isto é, tratados de modo a
não causar a doença
Os antígenos presentes na vacina
desencadeiam, no organismo
vacinado, uma resposta imunitária
primária, na qual há produção de
células de memória. Caso o organismo
seja invadido pelo microrganismo
contra o qual foi imunizado, ocorrerá a
resposta imunitária secundária, muito
mais rápida e intensa que a primária, e
os invasores serão destruídos antes de
causarem a doença.
Soros
Injeta-se em animais de grande porte doses
sucessivas e crescentes do antígeno contra
o qual se deseja obter anticorpos
O antígeno estimula seu sistema
imunitário a produzir anticorpos
específicos.
à medida que as doses
progressivamente maiores do
antígeno são injetadas no animal, os
anticorpos já presentes evitam
prejuízos à saúde,
Retira-se, então, sangue do animal
imunizado e dele isolam-se os anticorpos,
com os quais se prepara o soro imune. Ao
serem injetados no paciente, os anticorpos
do soro reconhecem a substância tóxica,
unindo-se a ela e inativando-a
prontamente.
Certas substâncias tóxicas, como
toxinas bacterianas ou peçonha de
cobras e aranhas, têm efeitos
fulminantes no organismo, podendo
mata a pessoa antes que ela consiga
produzir anticorpos.
A aplicação do soro não confere
imunidade permanente, pois a
memória imunitária não é estimulada.
Os anticorpos injetados desaparecem
da circulação em poucos dias. Deve-se
evitar o tratamento com o mesmo soro
duas vezes, pois uma segunda injeção
pode desencadear uma reação
imunitária contra o próprio soro, com
prejuízos à saúde.
EAPC – UPE –
2° ano 2013
• Equipe:
• Douglas Rogério
Freitas de Souza
• Flávio Henrique
Duarte Santos
Filho
• Maria Clara
Carneiro Irineu

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema cardiovascular (ufop)
Sistema cardiovascular (ufop)Sistema cardiovascular (ufop)
Sistema cardiovascular (ufop)
Thiagohs
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Tânia Reis
 
Sistema+circulatório
Sistema+circulatórioSistema+circulatório
Sistema+circulatório
MarceloGuaruja
 
Sistema cardiorrespiratório
Sistema cardiorrespiratórioSistema cardiorrespiratório
Sistema cardiorrespiratório
xanapreto
 
Sistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangueSistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangue
robioprof
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
ewellem nascimento
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
Isabel Canova
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
rodrigogs7
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
wagneripo
 
Sistema cardiovascular 8 ano
Sistema cardiovascular 8 anoSistema cardiovascular 8 ano
Sistema cardiovascular 8 ano
Barbara Stherfany Caetano
 
Sistema circulatório 6º ano
Sistema circulatório 6º anoSistema circulatório 6º ano
Sistema circulatório 6º ano
Isabel Ribeiro
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
1202258760 sistema circulatorio
1202258760 sistema circulatorio1202258760 sistema circulatorio
1202258760 sistema circulatorio
Pelo Siro
 
Sangue sistema circulatório
Sangue sistema circulatórioSangue sistema circulatório
Sangue sistema circulatório
Margarida Catarro
 
Sistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - BiologiaSistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - Biologia
Carson Souza
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Sistema cardivascular
Sistema cardivascularSistema cardivascular
Sistema cardivascular
José Antonio Paniagua
 
Sistema circulatorio
Sistema circulatorioSistema circulatorio
Sistema circulatorio
Marcos Anicio
 
Sistema vascular
Sistema vascularSistema vascular
Sistema vascular
tuhlucena
 
Anatomia - Sistema Cardio Linfático
Anatomia - Sistema Cardio LinfáticoAnatomia - Sistema Cardio Linfático
Anatomia - Sistema Cardio Linfático
Pedro Miguel
 

Mais procurados (20)

Sistema cardiovascular (ufop)
Sistema cardiovascular (ufop)Sistema cardiovascular (ufop)
Sistema cardiovascular (ufop)
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema+circulatório
Sistema+circulatórioSistema+circulatório
Sistema+circulatório
 
Sistema cardiorrespiratório
Sistema cardiorrespiratórioSistema cardiorrespiratório
Sistema cardiorrespiratório
 
Sistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangueSistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangue
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Sistema cardiovascular 8 ano
Sistema cardiovascular 8 anoSistema cardiovascular 8 ano
Sistema cardiovascular 8 ano
 
Sistema circulatório 6º ano
Sistema circulatório 6º anoSistema circulatório 6º ano
Sistema circulatório 6º ano
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
1202258760 sistema circulatorio
1202258760 sistema circulatorio1202258760 sistema circulatorio
1202258760 sistema circulatorio
 
Sangue sistema circulatório
Sangue sistema circulatórioSangue sistema circulatório
Sangue sistema circulatório
 
Sistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - BiologiaSistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - Biologia
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
 
Sistema cardivascular
Sistema cardivascularSistema cardivascular
Sistema cardivascular
 
Sistema circulatorio
Sistema circulatorioSistema circulatorio
Sistema circulatorio
 
Sistema vascular
Sistema vascularSistema vascular
Sistema vascular
 
Anatomia - Sistema Cardio Linfático
Anatomia - Sistema Cardio LinfáticoAnatomia - Sistema Cardio Linfático
Anatomia - Sistema Cardio Linfático
 

Semelhante a Sistema Circulatório

sistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptxsistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptx
AndreiaCosta151227
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
DesconFiles
 
sistema circulatório, fisiologia humana e comparada
sistema circulatório, fisiologia humana e comparadasistema circulatório, fisiologia humana e comparada
sistema circulatório, fisiologia humana e comparada
IsanaCarlaAmorimSouz
 
Sistema Cardio respiratório
Sistema Cardio respiratórioSistema Cardio respiratório
Sistema Cardio respiratório
Andrey Moreira
 
Sistema CirculatóRio
Sistema CirculatóRioSistema CirculatóRio
Sistema CirculatóRio
Segundo B
 
Sistema circulatório ou cardiovascular
Sistema circulatório ou cardiovascularSistema circulatório ou cardiovascular
Sistema circulatório ou cardiovascular
Letícia Souza Monteiro
 
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologicaAula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
KarineRibeiro57
 
4- SISTEMA CIRCULATÓRIO.pptx
4- SISTEMA CIRCULATÓRIO.pptx4- SISTEMA CIRCULATÓRIO.pptx
4- SISTEMA CIRCULATÓRIO.pptx
jaquelinemelo57
 
Sistema circulatório.docx
Sistema circulatório.docxSistema circulatório.docx
Sistema circulatório.docx
EduardoGomes340723
 
Sistema circulatorio 2011
Sistema circulatorio 2011Sistema circulatorio 2011
Sistema circulatorio 2011
Antonio Fernandes
 
O Sistema Circulatório
O Sistema CirculatórioO Sistema Circulatório
O Sistema Circulatório
Antonio Gilberto
 
sistemacardiovascular1-170831184902.pdf
sistemacardiovascular1-170831184902.pdfsistemacardiovascular1-170831184902.pdf
sistemacardiovascular1-170831184902.pdf
NetoPaes2
 
sistema circulatorio
 sistema circulatorio sistema circulatorio
sistema circulatorio
Roberto Barbosa Souza
 
Corpo humano
Corpo humanoCorpo humano
Corpo humano
Paulo Gabriel
 
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação SanguíneaFisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
Wisley Velasco
 
Circulatorio
CirculatorioCirculatorio
Circulatorio
biomedunifil
 
Sistema circulatório ventriculos
Sistema circulatório ventriculosSistema circulatório ventriculos
Sistema circulatório ventriculos
karol_ribeiro
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
letyap
 
Sistema circulatrio 2
Sistema circulatrio 2Sistema circulatrio 2
Sistema circulatrio 2
Muryllo Sirqueira Lopes Dos Santos
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
Carlos Antunes
 

Semelhante a Sistema Circulatório (20)

sistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptxsistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptx
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
sistema circulatório, fisiologia humana e comparada
sistema circulatório, fisiologia humana e comparadasistema circulatório, fisiologia humana e comparada
sistema circulatório, fisiologia humana e comparada
 
Sistema Cardio respiratório
Sistema Cardio respiratórioSistema Cardio respiratório
Sistema Cardio respiratório
 
Sistema CirculatóRio
Sistema CirculatóRioSistema CirculatóRio
Sistema CirculatóRio
 
Sistema circulatório ou cardiovascular
Sistema circulatório ou cardiovascularSistema circulatório ou cardiovascular
Sistema circulatório ou cardiovascular
 
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologicaAula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
Aula de anatomia e Fisiologia Humana cardiologica
 
4- SISTEMA CIRCULATÓRIO.pptx
4- SISTEMA CIRCULATÓRIO.pptx4- SISTEMA CIRCULATÓRIO.pptx
4- SISTEMA CIRCULATÓRIO.pptx
 
Sistema circulatório.docx
Sistema circulatório.docxSistema circulatório.docx
Sistema circulatório.docx
 
Sistema circulatorio 2011
Sistema circulatorio 2011Sistema circulatorio 2011
Sistema circulatorio 2011
 
O Sistema Circulatório
O Sistema CirculatórioO Sistema Circulatório
O Sistema Circulatório
 
sistemacardiovascular1-170831184902.pdf
sistemacardiovascular1-170831184902.pdfsistemacardiovascular1-170831184902.pdf
sistemacardiovascular1-170831184902.pdf
 
sistema circulatorio
 sistema circulatorio sistema circulatorio
sistema circulatorio
 
Corpo humano
Corpo humanoCorpo humano
Corpo humano
 
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação SanguíneaFisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
 
Circulatorio
CirculatorioCirculatorio
Circulatorio
 
Sistema circulatório ventriculos
Sistema circulatório ventriculosSistema circulatório ventriculos
Sistema circulatório ventriculos
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema circulatrio 2
Sistema circulatrio 2Sistema circulatrio 2
Sistema circulatrio 2
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
 

Mais de Douglas Freitas

Carvão Mineral - Química
Carvão Mineral - QuímicaCarvão Mineral - Química
Carvão Mineral - Química
Douglas Freitas
 
Argentina
ArgentinaArgentina
Argentina
Douglas Freitas
 
Estatísticas - Trabalho de Matemática
Estatísticas - Trabalho de MatemáticaEstatísticas - Trabalho de Matemática
Estatísticas - Trabalho de Matemática
Douglas Freitas
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
Douglas Freitas
 
Cones
Cones Cones
Miriápodes
MiriápodesMiriápodes
Miriápodes
Douglas Freitas
 

Mais de Douglas Freitas (6)

Carvão Mineral - Química
Carvão Mineral - QuímicaCarvão Mineral - Química
Carvão Mineral - Química
 
Argentina
ArgentinaArgentina
Argentina
 
Estatísticas - Trabalho de Matemática
Estatísticas - Trabalho de MatemáticaEstatísticas - Trabalho de Matemática
Estatísticas - Trabalho de Matemática
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Cones
Cones Cones
Cones
 
Miriápodes
MiriápodesMiriápodes
Miriápodes
 

Último

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 

Sistema Circulatório

  • 1. Os trilhões de células de nosso corpo precisam de água e de variados tipos de nutrientes, além de um suprimento ininterrupto de gás oxigênio. Essas demandas são supridas pelo sistema cardiovascular, que também transporta hormônios e participa da defesa contra agentes invasores Circulação sanguínea
  • 2. Sistema sanguíneo O sistema sanguíneo apresenta três componentes principais: Sangue, vasos sanguíneos e coração.
  • 3. Coração As paredes do coração são constituídas por tecido muscular estrito cardíaco, o miocárdio. A superfície interna do miocárdio é revestida por uma camada de células achatadas, denominadas endocárdio. Externamente o coração é envolto pelo pericárdio, constituído por três camadas membranosas “A alma pulsa ao embalo do coração”
  • 4. Artérias São vasos que levam sangue do coração para os órgãos e tecidos corporais, Elas apresentam parede relativamente espessa, constituída por três camadas de tecido Internamente, as artérias são revestidas por tecido epitelial, formado por uma só camada de células achatadas, o endotélio, ou túnica interna. A camada intermediaria da parede arterial, denominada túnica média, é formada por tecido conjuntivo elástico e tecido muscular liso; a camada mais externa da artéria, chamada de camada adventícia, é constituída por tecido conjuntivo fibroso. Artéria
  • 5. Capilares sanguíneos Capilares sanguíneos são vasos finíssimos com diâmetro microscópico, que estabelecem comunicação entre uma arteríola e uma vênula, isto é, uma veia de pequeno diâmetro. A parede dos capilares é constituída por uma única camada de células, em continuidade ao endotélio das arteríolas e das vênulas. As células que formam a parede dos capilares deixam pequenos espaços entre si, por onde extravasa líquidos sanguíneo O líquido sanguíneo extravasa, recebendo o nome de tissular banha as células próximas as capilares, nutrindo-as e oxigenando-as As células, por sua vez, eliminam no liquido tissular gás carbônico e excreções decorrentes de seu metabolismo. A maior parte do liquido que saiu dos capilares e banhou as células é reabsorvida pelos próprios capilares, reincorporando-se ao sangue. Ao passar pelos capilares doa tecidos , o sangue banha as células, tornando-se mais pobre em nutrientes e em gás oxigênio , e mais rico em gás carbônico e excreções diversas. O sangue flui para o corpo. No ponto de conexão entre uma arteríola e um capilar há uma célula muscular lisa, enrolada no vaso sanguíneo, denominada esfíncter pré-capilar, que se contrai deixando a passagem do sangue para o capilar diminuída ou bloqueada.
  • 6. Veias Veias são vasos que levam sangue de órgãos e tecidos para o coração: suas paredes são também constituídas por três túnicas, correspondentes às duas artérias. Não apresentam movimento de pulsação como as artérias. No interior das veias de maior diâmetro há válvulas, cuja função é impedir o refluxo de sangue e garantir sua circulação em um único sentido. Nos órgãos e tecidos, as finas veias ligadas às extremidades dos capilares são denominadas vênulas.
  • 7. Sistema linfático É constituído por uma ampla rede de vasos linfáticos distribuídos por todo o corpo. Os capilares linfáticos situam-se entre as células dos tecidos, de onde captam os retos do liquido tissular que extravasou dos capilares sanguíneos, reconduzindo-o à circulação. Se por um algum motivo, o sistema linfático deixar de cumprir sua função de drenar os restos do líquido tissular, este tende a se acumular nos tecidos, causando inchaços conhecidos como edemas linfáticos. Os capilares linfáticos situam-se entre as células dos tecidos, de onde captam os retos do liquido tissular que extravasou dos capilares sanguíneos, reconduzindo-o à circulação. Se por um algum motivo, o sistema linfático deixar de cumprir sua função de drenar os restos do líquido tissular, este tende a se acumular nos tecidos, causando inchaços conhecidos como edemas linfáticos.
  • 8. Baço Armazenamento de linfócitos e monóxidos, dois tipos de glóbulos brancos Filtragem do sangue para a remoção de microrganismos e substâncias estranhas e resíduos celulares Destruição de hemácias envelhecidas. Além disso o baço atua como, banco de sangue de emergência, por armazenar hemácias, podendo lançá-las na corrente sanguínea em momentos de necessidade, como em um esforço físico intenso. No interior dos vasos linfáticos circula a linfa, um fluido esbranquiçado de constituição semelhante a do sangue, do qual difere por não conter hemácias 99% 50% Linfa O baço é um órgão rico em linfócitos, localizado do lado esquerdo do abdome, sob as últimas costelas. Ele desempenha diversas funções importantes, entre as quais se destacam:
  • 9. Linfonodo Em diversos pontos da rede linfática há linfonodos , ou nódulos linfáticos, estruturas de consistência esponjosa presente ao longo dos vasos linfáticos. Ao passar pelos linfonodos, a linfa circula por fios canais, onde há leucócitos que identificam e destroem substâncias e corpos estranhos Quando o organismo é invadido por microrganismos, os leucócitos dos linfonodos próximos ao local da invasão identificam o invasor e começam se multiplicar para combatê- lo. Com isso os linfonodos aumentam de tamanho, formando inchaços chamados de ínguas; é possível detectar um processo infeccioso pelo exame dos linfonodos. Os linfonodos se localizam em posições estratégicas no corpo para cumprir seu papel que é filtrar a linfa.
  • 10. A dupla circulação Coração – pulmões – coração (denominada circulação pulmonar ou pequena circulação) Coração – sistemas corporais – coração (denominada circulação sistemática, ou grande circulação) O sistema cardiovascular humano como o dos outros vertebrados é fechado, isto é, o sangue circula continuamente dentro dos vasos sanguíneos, executando o seguinte trajeto: Coração – artérias – arteríolas – capilares vênulas – veias – coração.
  • 11. O sangue proveniente das diversas partes do corpo chega ao átrio direito por duas grandes veias cavas. Uma delas a veia cava superior, traz o sangue que irrigou a cabeça, os braços e aparte superior do tronco. A veia cava inferior, por sua vez, traz o sangue que irrigou as pernas e parte inferior do troco. Do átrio direito o sangue passa para o ventrículo direito, sendo bombeado para a artéria pulmonar. Esta se divide em duas, a direita e a esquerda, que levam o sangue a cada um dos pulmões. Neste, o sangue passa por elos finíssimos capilares sanguíneos que recebem os alvéolos pulmonares, onde captura gás oxigênio e libera gás carbônico, no processo de hematose. O sangue, depois de oxigenado nos pulmões, retorna ao coração pelas veias pulmonares ,que desembocam no átrio esquerdo. Daí ele passa pelo ventrículo esquerdo, que bombeia para a artéria aorta. Esta se divide em vários ramos, que levam o sangue oxigenado a todos os sistemas do corpo.
  • 12. Sangue arterial e sangue venoso A maioria das artérias transporta sangue rico em oxigênio; por isso o termo sangue arterial costuma ser empregado de maneira incorreta como sinônimo de sangue oxigenado. Por outro lado, a maioria das veias transporta sangue pobre em gás oxigênio e rico em gás carbônico, por isso o termo sangue venoso geralmente designa o sangue pobre em oxigênio. Devemos ter cuidado ao empregar os termos sangue arterial e sangue venoso devido às seguintes exceções: as artérias pulmonares conduzem sangue pobre em oxigênio do coração para os pulmões. As, veias pulmonares, por sua vez, transportam sangue oxigenado dos pulmões para o coração.
  • 13. O funcionamento do coração O funcionamento do sangue em nosso corpo é mantido principalmente pelas contrações rítmicas do coração, processo em que as câmaras cardíacas se relaxam e se contraem alternadamente O relaxamento de uma câmara cardíaca se relaxam e se contraem alternadamente. O relaxamento de uma câmara cardíaca é chamada diástole, e sua contração, sístole. Durante a diástole, a câmara cardíaca enche-se de sangue, durante a sístole, ela bombeia sangue para fora.
  • 15. Ciclo cardíaco Uma sequência completa de sístole e diástole das câmaras do coração é chamada de ciclo cardíaco e dura cerca de 0,8 segundos. Durante o ciclo cardíaco, pode- se identificar duas batidas subsequentes do coração. Esses tons são gerados pela pelo fechamento rápido das valvas semilunares, essas últimas localizadas nas entradas das artérias pulmonares e aorta. Passados cerca de 0,2 segundos, do início do ciclo, os ventrículos direito e esquerdo entram em sístole, bombeando sangue, respectivamente, para as artérias pulmonares e aorta. Durante a sístole ventricular as valvas atrioventriculares direita e esquerda fecham-se evitando o retorno de sangue para os átrios Ao ocorrer a sístole atrial terá início um novo ciclo cardíaco. O início do ciclo cardíaco é marcado sístole dos átrios, que bombeiam sangue para o interior dos ventrículos que estão em diástole. Valvas presentes nas entradas das veias cavas (junto ao átrio direito) e das veias pulmonares(junto ao átrio esquerdo) fecham-se durante a sístole arterial, evitando assim refluxos de sangue para essas veias O primeiro som, de tom mais baixo e menos audível, é usado pelo fechamento rápido das valvas atrioventriculares direita e esquerda e marca o início da sístos e ventricular O segundo som, mais agudo e alto, é usado pelo fechamento rápido das valvas semilunares da aorta e das artérias pulmonar início da diástole ventricular.
  • 16. Frequência cardíaca A frequência cardíaca é o número de vezes que o coração se contraí por unidade de tempo, varia de acordo com o grau de atividade da pessoa e com a situação emocional em que se encontra. Em média, a frequência cardíaca oscila em torno de 70 a 80 batimentos por minuto. O aumento da frequência cardíaca faz o sangue circular mais rapidamente pelo corpo, com isso todos os órgãos, inclusive os músculos, receberem maior quantidade de nutrientes e de gás oxigênio, o que permite suportar uma atividade metabólica elevada. A frequência dos batimentos cardíacos é controlada por uma região especial do coração denominada marca-passo, ou nó sinoatrial Este é um aglomerado de junção entre átrio direito e a veia cava superior. A cada segundo as células do marca-passo emitem um sinal elétrico que se propaga diretamente para a musculatura dos átrios, provocando sua contração (sístole). A região chamada nó atrioventricular, distribui o sinal gerado pelo marca- passo, estimulando a musculatura dos ventrículos a entrar em sístole.
  • 17. O movimento do sangue nos vasos Pressão arterial Quando o sangue é bombeado pelos ventrículos, ele penetra nas artérias sob alta pressão. Simultaneamente, as paredes arteriais relaxam-se, aumentando de volume, de modo a expandir o volume interno e suportar a entrada de sangue. Se as artérias não relaxarem o suficiente, a pressão do sangue em seu interior pode subir e atingir níveis perigosos, com risco de ruptura da parede arterial. A pressão que o sangue exerce sobre a parede interna das artérias é denominada pressão arterial. Em uma pessoa jovem e com boa saúde, a pressão nas artérias durante a sístole ventricular, chamada de pressão sistólica ou pressão máxima, oscila em torno de 120 mm Hg e 130 mm Hg. Durante a diástole, a pressão diminui, ficando em torno 70 mmHg a 80 mm Hg; essa é a chamada pressão diastólica ou pressão mínima. A pressão arterial máxima e a mínima podem ser medidas pela utilização do esfigmomanômetro e um estetoscópio. Depois de o sangue passar por milhões de arteríolas e capilares, a pressão sanguínea cai a valores muito baixos no interior das veias. O sangue é impulsionado de volta ao coração pela contração e relaxamento dos músculos esqueléticos. Quando os músculos se contraem, eles comprimem as veias e provocam o deslocamento do sangue em seu interior. Como no interior das veias há válvulas que impedem o refluxo de sangue, este se desloca no sentido do coração.
  • 19. O sangue e as defesas corporais O sistema imunitário, também chamado sistema imunológico é constituído por certos tipos de leucócitos, principalmente linfócitos, e pelos órgãos onde ocorrem a formação, a maturação e a multiplicação desses leucócitos. Apesar de nosso corpo ser protegido pela pele e pelas membranas que revestem os órgãos internos, é praticamente impossível evitar a entrada de substancias estranhas ou microrganismos invasores, alguns deles bastante perigosos.
  • 20. Células do sistema imunitário Linfócitos B • São especializados na produção de anticorpos, proteínas capazes de se combinar especificamente a substâncias estranhas ao corpo, levando a sua destruição ou a sua inativação. Linfócitos T •O linfócito T citotóxico, também conhecido como linfócito CD8. Esses linfócitos são especializados em reconhecer e matar células corporais alternadas. •Linfócitos T auxiliadores ou CD4: são os comandantes do sistema imunitário. Recebem informações dos macrófagos sobre a presença de invasores do corpo e estimulam imediatamente os linfócitos B e os linfócitos T citotóxicos a combater os invasores. •Linfócitos T reguladores: Descobertos recentemente, tem função moduladora na resposta imunitária, podendo refrear a ação dos linfócitos T auxiliadores e citotóxicos. Macrófagos são células que se movimentam continuamente entre os tecidos, onde ingerem, por fagocitose, microrganismos, restos de células mortas, resíduos celulares, etc. Os principais “soldados” do sistema imunitário são linfócitos. Há vários tios de linfócito, cada um especializado em determinadas funções relacionadas à defesa do organismo. [do latim humor, fluido ou líquido corporal]
  • 21. Órgãos do sistema imunitário Os linfócitos T organizam-se na medula óssea vermelha, como as demais células sanguíneas. Os linfócitos B amadurecem na própria medula, enquanto as células precursoras dos linfócitos T migram par o timo, um órgão situado sob o osso esterno, na altura do coração e ali terminam o seu amadurecimento. Por constituírem os principais locais de formação e amadurecimento dos linfócitos, a medula óssea e o timo costumam ser denominados órgãos imunitários primários. Quando entram na circulação e passam pelos linfonodos, os linfonodos T e os linfócitos B aí se instalam, temporariamente. É durante esse estágio nos linfonodos
  • 22. O sistema imunitário em ação Durante uma infecção viral, por exemplo, a sequência de ações dos anticorpos ocorre da seguinte forma: Macrófagos: capturam os antígenos, apresentando-os ao sistema imunitário para sua identificação. Linfócitos T auxiliadores (CD4): reconhecem os antígenos e liberam interleucinas, substâncias capazes de ativar os linfócitos B e os T citotóxicos. Ativados, esses linfócitos passam a se multiplicar rapidamente, formando um verdadeiro exército de células capazes de combater especificamente o invasor. Os linfócitos continuam a se multiplicar enquanto há antígenos para ativá-los. À medida que os antígenos vão sendo destruídos, o número de linfócitos diminui.
  • 23. Imunidade hormonal É aquela de que participam proteínas especiais presentes no plasma sanguíneo, os anticorpos. Estes são produzidos pelos linfócitos B maduros, ou plasmócitos. Anticorpos são proteínas do grupo das imunoglobulinas cuja forma molecular espacial lembra uma letra Y. Cada molécula de anticorpo compõe- se de quatro cadeias polipeptídicas, duas de maior tamanho e idênticas entre si, denominadas cadeias pesadas, e duas de menor tamanho, também idênticas entre si, denominadas cadeias leves.
  • 24. Imunidade celular É aquela mediada pelos linfócitos T citotóxicos. Na membrana plasmática dessa célula há proteínas que reconhecem células anormais ou infectadas por vírus e se ligam a elas, lançando sobre essas “células estranhas” uma substância chamada perforina que perfura a membrana plasmática das células alteradas, matando-as.
  • 25. Memória imunitária Mesmo após uma infecção ter sido combatida, resta no organismo certa quantidade de linfócitos especiais, as células de memória, que guardam por anos ou pelo resto da vida a capacidade de reconhecer agentes infecciosos com os quais o organismo esteve em contato.
  • 26. Imunização ativa e passiva: vacinas e soros Imunização ativa ocorrerá quando o próprio organismo é estimulado a produzir os anticorpos protetores. Já a imunização passiva acontecerá quando os anticorpos são gerados em outro organismo de onde são retirados purificados e inoculados no ser que se deseja imunizar.
  • 27. Vacinas Os cientistas descobriram que é possível preparar uma pessoa antecipadamente para um possível ataque de certos microrganismos. Uma vacina é consistida por antígenos isolados de microrganismos causadores de certa doença ou mesmo de microrganismos vivos previamente atenuados, isto é, tratados de modo a não causar a doença Os antígenos presentes na vacina desencadeiam, no organismo vacinado, uma resposta imunitária primária, na qual há produção de células de memória. Caso o organismo seja invadido pelo microrganismo contra o qual foi imunizado, ocorrerá a resposta imunitária secundária, muito mais rápida e intensa que a primária, e os invasores serão destruídos antes de causarem a doença.
  • 28. Soros Injeta-se em animais de grande porte doses sucessivas e crescentes do antígeno contra o qual se deseja obter anticorpos O antígeno estimula seu sistema imunitário a produzir anticorpos específicos. à medida que as doses progressivamente maiores do antígeno são injetadas no animal, os anticorpos já presentes evitam prejuízos à saúde, Retira-se, então, sangue do animal imunizado e dele isolam-se os anticorpos, com os quais se prepara o soro imune. Ao serem injetados no paciente, os anticorpos do soro reconhecem a substância tóxica, unindo-se a ela e inativando-a prontamente. Certas substâncias tóxicas, como toxinas bacterianas ou peçonha de cobras e aranhas, têm efeitos fulminantes no organismo, podendo mata a pessoa antes que ela consiga produzir anticorpos. A aplicação do soro não confere imunidade permanente, pois a memória imunitária não é estimulada. Os anticorpos injetados desaparecem da circulação em poucos dias. Deve-se evitar o tratamento com o mesmo soro duas vezes, pois uma segunda injeção pode desencadear uma reação imunitária contra o próprio soro, com prejuízos à saúde.
  • 29. EAPC – UPE – 2° ano 2013 • Equipe: • Douglas Rogério Freitas de Souza • Flávio Henrique Duarte Santos Filho • Maria Clara Carneiro Irineu