Romantismo

461 visualizações

Publicada em

TRABALHO

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
461
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Romantismo

  1. 1. ROMANTISMO “O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
  2. 2. O QUE FOI E DE ONDE SURGIU  O Romantismo foi o movimento literário, artístico e filosófico que surgiu na Europa entre XVII e XIX. O sentimentalismo era uma das principais características do Romantismo, além do individualismo e a subjetividade.
  3. 3. O MOVIMETO  O movimento romântico cultiva uma visão de mundo centrada no indivíduo, e portanto os autores voltavam-se para si mesmo, retratando dramas pessoais como tragédias de amor, idéias utópicas, desejos de escapismo e amores platônicos ou impossíveis.  A produção Romântica foi rica e vasta, tanto em outros países, quanto aqui, tanto em prosa, quanto em versos.
  4. 4. DIVISÃO DA POESIA  Na poesia, a obra que marca o início das produções românticas é “Suspiros Poéticos e Saudades”, de Gonçalves de Magalhães. A poesia romântica é dividida em 3 gerações:
  5. 5. AS 3 GERAÇÕES  Primeira Geração: Nacionalismo - influenciada pela Independência do Brasil, a poesia buscava a identificação do país com suas raízes históricas, linguísticas e culturais. Foi fortemente marcada pelo indianismo e trazia à toda elementos da natureza (flora e fauna) brasileiros.
  6. 6. AS 3 GERAÇÕES  Segunda Geração: Mal do Século - Neste período, que se iniciou por volta de 1850, a poesia vinha de encontro às ideias e temáticas da geração anterior: o eu-lírico volta-se mais para si e afasta-se da realidade social à sua volta. Traz em si o pessimismo e o apego aos vícios. O eu-lírico vivem em meio solidão, aos devaneios e às idealizações.
  7. 7. AS 3 GERAÇÕES  Terceira Geração: Condoreirismo - a última geração da poesia romântica se inspira em Victor Hugo, e traz um foco político e social. É a fase que prenuncia o Realismo, que viria em seguida, tanto é que tem como foco a realidade social, a crítica à sociedade, a poesia liberal, enfim, era o final do movimento romântico no Brasil. O condoreirismo se refere à figura do condor, uma ave que tinha voo alto, assim como os poetas românticos faziam em busca de defender seus ideais libertários.
  8. 8. ROMANTISMO EM PORTUGAL  Em Portugal, a tendência se desenvolveu a partir de 1836, nessa época o país passava por uma profunda crise econômica, política e social.  Em 1836, as idéias românticas começaram a fluir, foram levadas da França e da Inglaterra pelos emigrados durante a revolução.
  9. 9.  Em Portugal, podemos considerar a existência de duas gerações românticas: - Primeira Geração: marcada por preocupações históricas e políticas; nela se destacam Almeida Garrett, Alexandre Herculano e Antônio Feliciano de Castilho;  - Segunda Geração: as características românticas estão definidas e amadurecidas; nela se destacam Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis, Soares dos Passos e João de Deus. 
  10. 10. PRINCIPAIS AUTORES BRASILEIROS DO MOVIMENTO ROMANTISMO  Joaquim de Sousa Andrade  Joaquim de Sousa Andrade nasceu no Maranhão aos 9 de julho de 1833.  Suas poesias refletem suas experiências vividas através das suas viagens: a cultura indígena, a frenética ascensão da industrialização européia e norte-americana e a visão capitalista.  Quando da proclamação da República volta ao Maranhão, ignorado por todos morre isolado e na miséria, em 21 de abril de 1902.  Obras: Poesia: Harpas selvagens (1857); Guesa errante (1866); Novo Éden (1893).
  11. 11. GUESA ERRANTE “Eia, imaginação divina! Os Andes Vulcânicos elevam cumes calvos, Circundados de gelos, mudos, alvos, Nuvens flutuando – que espetác’los grandes! Lá, onde o ponto do condor negreja, Cintilando no espaço como brilhos D’olhos, e cai a prumo sobre os filhos Do lhama descuidado; onde lampeja Da tempestade o raio; onde deserto, O azul sertão, formoso e deslumbrante, Arde do sol o incêndio, delirante Coração vivo em céu profundo aberto!”
  12. 12. DOMINGOS JOSÉ GONÇALVES DE MAGALHÃES  Domingos José Gonçalves de Magalhães nasceu no Rio de Janeiro, em 1811, e morreu em Roma, em 1882. Publica seu primeiro livro, Poesias, em 1832.  Gonçalves de Magalhães publica, em Paris, em 1836, Suspiros Poéticos e Saudades, considerado o primeiro livro romântico brasileiro, cujo prefácio é um verdadeiro manifesto em prol da nova estética.  OBRAS: Poesia lírica: "Suspiros Poéticos e Saudades" (1836); "A Confederação dos Tamoios" (1856); Os Mistérios (1858); Cânticos Fúnebres (1864); NOVELA: Amância (1844); TEATRO(em verso): Antônio José ou O Poeta e a Inquisição (1838).
  13. 13. A CONFEDERAÇÃO DOS TAMOIOS “Como da pira extinta a labareda, Ainda o rescaldo crepitante fica, Assim do ardente moço a mente acesa Na desusada luta que a excitara, Ainda, alerta e escaldada se revolve! De um lado e de outro balanceia o corpo, Como após da tormenta o mar banzeiro; Alma e corpo repouso achar não podem. Debalde os olhos cerra; a igreja, as casas, A vila, tudo ante ele se apresenta. [...]"
  14. 14. ANTÔNIO GONÇALVES DIAS  ANTÔNIO GONÇALVES DIAS nasceu em 1823, em Caxias, no Maranhão e morreu no naufrágio do Ville Boulogne, em 1864. Filho de um comerciante português e de uma cafuza (mestiça de negro e índio), pois o poeta se dizia descendente de três raças que formaram a etnia brasileira.  "Primeiros Cantos". Com a preocupação romântica de retorno ao passado, valorizou nosso indígena, tomando-o por tema em seus melhores poemas, como "I-Juca Pirama", "Marabá", "Canção do Tamoio", "O Canto do Piaga", "Leito de Folhas Verdes", "Os Timbiras", poema inacabado em versos brancos.
  15. 15. ANTÔNIO GONÇALVES DIAS  Parte dele se perdeu no naufrágio do navio Ville de Boulogne, que levou à morte o poeta quando voltava da Europa. Embora não tenha sido ele o introdutor deste tema na poesia brasileira, é considerado O MAIOR AUTOR INDIANISTA BRASILEIRO.  OBRAS: "Primeiros Cantos" (1846); "Segundos Cantos e Sextilhas de frei Antão"(1848); "Últimos Cantos" (1851); "Os Timbiras" (1857).
  16. 16. CANÇÃO DO EXÍLIO “Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. [...]”
  17. 17. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS  http://www.mensagenscomamor.com/poemas-e- poesias/poemas_de_goncalves_dias.htm  http://www.mundoeducacao.com/literatura/roma ntismo-portugal.htm  http://gladislangaro.comunidades.net/index.php? pagina=1624196415  http://www.escritas.org/pt/poema/7037/a- confederacao-dos-tamoios 
  18. 18.  ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ  WALISSON DECARIA MIRANDA N°37  WALLACE TRUYTS DE OLIVEIRA N°38  PROFESSORA: MARIA PIEDADE TEODORO DA SILVA  SÉRIE: 2° ANO C – ENSINO MÉDIO

×