SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
Melhores Práticas em Segurança em Escolas e Universidades
Nenhum programa de segurança escolar é infalível, e há coisas em nossas
comunidades, bem como leis municipais, estaduais e federais que as
escolas não podem controlar. As práticas a seguir, no entanto, devem
diminuir as chances da sua instituição de ensino passar por uma tragédia
previsível, incluindo um tiroteio no campus.
As recomendações são:
Melhore o controle de acesso e, se possível, construa uma portaria central
segura que canalize todos os visitantes por uma entrada. (IMPORTANTE: Ao
reforçar o controle de acesso, também garanta que os socorristas, como
policiais e bombeiros, ainda possam acessar o campus durante um
bloqueio. Eles têm chaves, cartões de acesso ou alguma outra forma de
entrar rapidamente em uma sala de aula, escritório? ou qualquer área do
campus que esteja passando por um problema de segurança? Isso os
ajudará a responder de forma mais eficaz a situações, como um suspeito
barricado, incêndio, etc.)
Implante detectores de metal em eventos esportivos, shows, discursos
políticos, etc. Considere usar aleatoriamente tecnologias de detecção de
armas (CWD) e explosivos nos campi durante o horário escolar.
Instale travas nas portas da sala de aula que travam por dentro. Certifique-
se de seguir todos os códigos e leis aplicáveis, como ISO 31000 e Normas de
Prevenção e Combate a Incêndios e Sinistros e etc.
Considere instalar películas de segurança para janelas em áreas
apropriadas, tomando cuidado para não atrapalhar a evacuação do prédio
durante emergências.
Contrate um empreiteiro/integrador de sistemas de segurança qualificado
e experiente que entenda e siga todos os códigos e regulamentos para
instalar todos os sistemas e equipamentos de segurança, segurança pública
e proteção à vida.
Treine alunos, professores, funcionários e médicos sobre como identificar
e responder adequadamente a atiradores ativos e outras emergências do
campus.
Realize regularmente treinos e exercícios que abordem uma ampla
variedade de perigos e incidentes, não apenas atiradores ativos.
Instale sistemas de gerenciamento de visitantes que rastreiem os
convidados.
Faça com que os professores e funcionários carreguem botões de pânico.
Instalar ou atualizar equipamentos de comunicação e notificação de
emergência
Crie uma equipe multidisciplinar de avaliação e gerenciamento de ameaças.
Faça parceria com os socorristas locais para que eles possam responder de
forma eficaz e rápida a uma emergência no campus. Participem das
reuniões mensais do Conseg da região da escola. Isso deve acontecer muito
antes de um incidente acontecer.
Contrate oficiais de recursos escolares (Agentes de Segurança Escolar) ou
tenha segurança orgânica do campus – vigilantes, forneça-lhes treinamento
adequado e, em seguida, arme-os.
Adotar os conceitos de Prevenção ao Crime por Meio do Design Ambiental
(CPTED).
Treinar professores, funcionários, administradores e oficiais de segurança
pública em técnicas verbais de redução de conflito e crises.
Implante câmeras de segurança que a central de vigilância do campus e/ou
a polícia local possam acessar durante um incidente. As evidências
fornecidas pelos sistemas de vídeo vigilância também são extremamente
úteis durante as investigações de incidentes.
Realizar verificações de antecedentes de todos os professores,
colaboradores, voluntários e fornecedores.
Tenha na equipe psicólogos escolares, assistentes sociais e conselheiros
suficientes para que os indivíduos que apresentam comportamento
preocupante recebam a ajuda de que precisam antes de recorrer à violência
contra si mesmos, contra os outros ou ambos.
Desenvolver planos de emergência e mantê-los atualizados.
Desenvolva e mantenha relacionamentos com alunos, professores,
colaboradores, médicos, enfermeiros e outros na comunidade para que
eles se sintam à vontade para relatar o comportamento preocupante dos
outros.
Adote linhas telefônicas de dicas anônimas e serviços de mensagens de
texto.
Ter a capacidade de reunir os alunos de forma eficaz e rápida com seus pais
ou responsáveis legais.
Após um incidente, forneça serviços de saúde mental de longo prazo para
alunos, colaboradores e professores.
Desenvolva políticas e procedimentos para dar suporte a todas as soluções
que você adotou e, em seguida, treine e retreine regularmente todo o
pessoal do campus sobre como implementá-las e segui-las.
Esta lista não é completa ou perfeita.
Ulisses Nascimento, Consultor
+5511 931528430
Autorizada a reprodução desde que a fonte seja citada .

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Melhores Práticas em Segurança em Escolas e Universidades.docx

Guia Operação Volta às Aulas e Recepção de Calouros no segundo semestre.docx
Guia Operação Volta às Aulas e Recepção de Calouros no segundo semestre.docxGuia Operação Volta às Aulas e Recepção de Calouros no segundo semestre.docx
Guia Operação Volta às Aulas e Recepção de Calouros no segundo semestre.docxUlisses Ferreira do Nascimento, GSP,MBS,CES
 
Plano de-prevencao-e-emergencia
Plano de-prevencao-e-emergenciaPlano de-prevencao-e-emergencia
Plano de-prevencao-e-emergenciaPaulo H Bueno
 
Informativo resgate básico em altura 24 horas
Informativo resgate básico em altura   24 horasInformativo resgate básico em altura   24 horas
Informativo resgate básico em altura 24 horasJaime Alves
 
Plano de formação para uma empresa mafalda
Plano de formação para uma empresa mafaldaPlano de formação para uma empresa mafalda
Plano de formação para uma empresa mafaldajoanatoky
 
Educação para a Segurança e Prevenção de Riscos na Escola.pdf
Educação para a Segurança e Prevenção de Riscos na Escola.pdfEducação para a Segurança e Prevenção de Riscos na Escola.pdf
Educação para a Segurança e Prevenção de Riscos na Escola.pdfJoão Paulo Freire
 
Boletim escola mais segura nº1
Boletim escola mais segura nº1Boletim escola mais segura nº1
Boletim escola mais segura nº1Sandra Pereira
 
Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013
Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013
Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013acajado
 
O Que Farias V2
O Que Farias V2O Que Farias V2
O Que Farias V2Jmr
 
HIG OCUPACIONAL 1.pdf
HIG OCUPACIONAL 1.pdfHIG OCUPACIONAL 1.pdf
HIG OCUPACIONAL 1.pdfdavid743760
 
Tst higiene ocupacional (extra)
Tst   higiene ocupacional (extra)Tst   higiene ocupacional (extra)
Tst higiene ocupacional (extra)Bolivar Motta
 
Plano de prevencao_e_emergencia_para_estabelecimentos_de_ensino
Plano de prevencao_e_emergencia_para_estabelecimentos_de_ensinoPlano de prevencao_e_emergencia_para_estabelecimentos_de_ensino
Plano de prevencao_e_emergencia_para_estabelecimentos_de_ensinoRobson Peixoto
 
Controle de riscos e sinistros- E-TEC.pdf
Controle de riscos e sinistros- E-TEC.pdfControle de riscos e sinistros- E-TEC.pdf
Controle de riscos e sinistros- E-TEC.pdfBrendoArajo4
 
NR01+-+Treinamento+-+Integracao+SST+Fabrica+Embalagens+-+P21+-+Nov+20.pptx
NR01+-+Treinamento+-+Integracao+SST+Fabrica+Embalagens+-+P21+-+Nov+20.pptxNR01+-+Treinamento+-+Integracao+SST+Fabrica+Embalagens+-+P21+-+Nov+20.pptx
NR01+-+Treinamento+-+Integracao+SST+Fabrica+Embalagens+-+P21+-+Nov+20.pptxInaraSantos12
 
Oferta de sensibilização à segurança da informação sys value - v2013.2
Oferta de sensibilização à segurança da informação   sys value - v2013.2Oferta de sensibilização à segurança da informação   sys value - v2013.2
Oferta de sensibilização à segurança da informação sys value - v2013.2Filipe Rolo
 
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptx
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptxNR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptx
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptxLuís Gustavo de Souza Santos
 
151012 seg trab_i
151012 seg trab_i151012 seg trab_i
151012 seg trab_itstnicolas
 
1184585404 planos de_emergncia_para_estabelecimentos_de_ensino
1184585404 planos de_emergncia_para_estabelecimentos_de_ensino1184585404 planos de_emergncia_para_estabelecimentos_de_ensino
1184585404 planos de_emergncia_para_estabelecimentos_de_ensinoPelo Siro
 
Plano de Continuidade/Emergencia é Resiliência
Plano de Continuidade/Emergencia é ResiliênciaPlano de Continuidade/Emergencia é Resiliência
Plano de Continuidade/Emergencia é ResiliênciaRicardo Reis
 

Semelhante a Melhores Práticas em Segurança em Escolas e Universidades.docx (20)

Guia Operação Volta às Aulas e Recepção de Calouros no segundo semestre.docx
Guia Operação Volta às Aulas e Recepção de Calouros no segundo semestre.docxGuia Operação Volta às Aulas e Recepção de Calouros no segundo semestre.docx
Guia Operação Volta às Aulas e Recepção de Calouros no segundo semestre.docx
 
Plano de-prevencao-e-emergencia
Plano de-prevencao-e-emergenciaPlano de-prevencao-e-emergencia
Plano de-prevencao-e-emergencia
 
Informativo resgate básico em altura 24 horas
Informativo resgate básico em altura   24 horasInformativo resgate básico em altura   24 horas
Informativo resgate básico em altura 24 horas
 
Plano de formação para uma empresa mafalda
Plano de formação para uma empresa mafaldaPlano de formação para uma empresa mafalda
Plano de formação para uma empresa mafalda
 
Educação para a Segurança e Prevenção de Riscos na Escola.pdf
Educação para a Segurança e Prevenção de Riscos na Escola.pdfEducação para a Segurança e Prevenção de Riscos na Escola.pdf
Educação para a Segurança e Prevenção de Riscos na Escola.pdf
 
Boletim escola mais segura nº1
Boletim escola mais segura nº1Boletim escola mais segura nº1
Boletim escola mais segura nº1
 
Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013
Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013
Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013
 
O Que Farias V2
O Que Farias V2O Que Farias V2
O Que Farias V2
 
HIG OCUPACIONAL 1.pdf
HIG OCUPACIONAL 1.pdfHIG OCUPACIONAL 1.pdf
HIG OCUPACIONAL 1.pdf
 
Tst higiene ocupacional (extra)
Tst   higiene ocupacional (extra)Tst   higiene ocupacional (extra)
Tst higiene ocupacional (extra)
 
Plano de prevencao_e_emergencia_para_estabelecimentos_de_ensino
Plano de prevencao_e_emergencia_para_estabelecimentos_de_ensinoPlano de prevencao_e_emergencia_para_estabelecimentos_de_ensino
Plano de prevencao_e_emergencia_para_estabelecimentos_de_ensino
 
Controle de riscos e sinistros- E-TEC.pdf
Controle de riscos e sinistros- E-TEC.pdfControle de riscos e sinistros- E-TEC.pdf
Controle de riscos e sinistros- E-TEC.pdf
 
NR01+-+Treinamento+-+Integracao+SST+Fabrica+Embalagens+-+P21+-+Nov+20.pptx
NR01+-+Treinamento+-+Integracao+SST+Fabrica+Embalagens+-+P21+-+Nov+20.pptxNR01+-+Treinamento+-+Integracao+SST+Fabrica+Embalagens+-+P21+-+Nov+20.pptx
NR01+-+Treinamento+-+Integracao+SST+Fabrica+Embalagens+-+P21+-+Nov+20.pptx
 
Oferta de sensibilização à segurança da informação sys value - v2013.2
Oferta de sensibilização à segurança da informação   sys value - v2013.2Oferta de sensibilização à segurança da informação   sys value - v2013.2
Oferta de sensibilização à segurança da informação sys value - v2013.2
 
Novo programa do curso Técnico Superior de Segurança no Trabalho
Novo programa do curso Técnico Superior de Segurança no TrabalhoNovo programa do curso Técnico Superior de Segurança no Trabalho
Novo programa do curso Técnico Superior de Segurança no Trabalho
 
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptx
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptxNR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptx
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptx
 
151012 seg trab_i
151012 seg trab_i151012 seg trab_i
151012 seg trab_i
 
1418
14181418
1418
 
1184585404 planos de_emergncia_para_estabelecimentos_de_ensino
1184585404 planos de_emergncia_para_estabelecimentos_de_ensino1184585404 planos de_emergncia_para_estabelecimentos_de_ensino
1184585404 planos de_emergncia_para_estabelecimentos_de_ensino
 
Plano de Continuidade/Emergencia é Resiliência
Plano de Continuidade/Emergencia é ResiliênciaPlano de Continuidade/Emergencia é Resiliência
Plano de Continuidade/Emergencia é Resiliência
 

Mais de Ulisses Ferreira do Nascimento, GSP,MBS,CES

Mais de Ulisses Ferreira do Nascimento, GSP,MBS,CES (15)

CONFIANÇA E GESTÃO DE PESSOAS.docx
CONFIANÇA E GESTÃO DE PESSOAS.docxCONFIANÇA E GESTÃO DE PESSOAS.docx
CONFIANÇA E GESTÃO DE PESSOAS.docx
 
Proposta de Consultoria para 2023
Proposta de Consultoria para 2023Proposta de Consultoria para 2023
Proposta de Consultoria para 2023
 
CLUBE DO TORCEDOR
CLUBE DO TORCEDORCLUBE DO TORCEDOR
CLUBE DO TORCEDOR
 
Apresentação da AUCON SPORTS BUSINESS
Apresentação da AUCON SPORTS BUSINESSApresentação da AUCON SPORTS BUSINESS
Apresentação da AUCON SPORTS BUSINESS
 
Apresentação do Clube do Torcedor arena hub-jun2021 (4)
Apresentação do Clube do Torcedor   arena hub-jun2021 (4)Apresentação do Clube do Torcedor   arena hub-jun2021 (4)
Apresentação do Clube do Torcedor arena hub-jun2021 (4)
 
CONSULTORIA DE SEGURANÇA E GESTÃO DE RISCOS
CONSULTORIA DE SEGURANÇA E GESTÃO DE RISCOSCONSULTORIA DE SEGURANÇA E GESTÃO DE RISCOS
CONSULTORIA DE SEGURANÇA E GESTÃO DE RISCOS
 
School Safety & Security
School Safety & SecuritySchool Safety & Security
School Safety & Security
 
Abese Cartilha do Consumidor
Abese Cartilha do ConsumidorAbese Cartilha do Consumidor
Abese Cartilha do Consumidor
 
ESCOLTA & VSPP
ESCOLTA & VSPPESCOLTA & VSPP
ESCOLTA & VSPP
 
Cartilha Apoio à Segurança Escolar
Cartilha Apoio à Segurança EscolarCartilha Apoio à Segurança Escolar
Cartilha Apoio à Segurança Escolar
 
Cartilha sistema de proteção escolar
Cartilha sistema de proteção escolarCartilha sistema de proteção escolar
Cartilha sistema de proteção escolar
 
ABESE
ABESEABESE
ABESE
 
SEGURANÇA URBANA
SEGURANÇA URBANASEGURANÇA URBANA
SEGURANÇA URBANA
 
Inpame 2011
Inpame 2011 Inpame 2011
Inpame 2011
 
CBO 2526 05
CBO 2526 05CBO 2526 05
CBO 2526 05
 

Último

Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 

Último (20)

Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 

Melhores Práticas em Segurança em Escolas e Universidades.docx

  • 1. Melhores Práticas em Segurança em Escolas e Universidades Nenhum programa de segurança escolar é infalível, e há coisas em nossas comunidades, bem como leis municipais, estaduais e federais que as escolas não podem controlar. As práticas a seguir, no entanto, devem diminuir as chances da sua instituição de ensino passar por uma tragédia previsível, incluindo um tiroteio no campus. As recomendações são: Melhore o controle de acesso e, se possível, construa uma portaria central segura que canalize todos os visitantes por uma entrada. (IMPORTANTE: Ao reforçar o controle de acesso, também garanta que os socorristas, como policiais e bombeiros, ainda possam acessar o campus durante um bloqueio. Eles têm chaves, cartões de acesso ou alguma outra forma de entrar rapidamente em uma sala de aula, escritório? ou qualquer área do campus que esteja passando por um problema de segurança? Isso os ajudará a responder de forma mais eficaz a situações, como um suspeito barricado, incêndio, etc.) Implante detectores de metal em eventos esportivos, shows, discursos políticos, etc. Considere usar aleatoriamente tecnologias de detecção de armas (CWD) e explosivos nos campi durante o horário escolar. Instale travas nas portas da sala de aula que travam por dentro. Certifique- se de seguir todos os códigos e leis aplicáveis, como ISO 31000 e Normas de Prevenção e Combate a Incêndios e Sinistros e etc. Considere instalar películas de segurança para janelas em áreas apropriadas, tomando cuidado para não atrapalhar a evacuação do prédio durante emergências. Contrate um empreiteiro/integrador de sistemas de segurança qualificado e experiente que entenda e siga todos os códigos e regulamentos para instalar todos os sistemas e equipamentos de segurança, segurança pública e proteção à vida. Treine alunos, professores, funcionários e médicos sobre como identificar e responder adequadamente a atiradores ativos e outras emergências do campus.
  • 2. Realize regularmente treinos e exercícios que abordem uma ampla variedade de perigos e incidentes, não apenas atiradores ativos. Instale sistemas de gerenciamento de visitantes que rastreiem os convidados. Faça com que os professores e funcionários carreguem botões de pânico. Instalar ou atualizar equipamentos de comunicação e notificação de emergência Crie uma equipe multidisciplinar de avaliação e gerenciamento de ameaças. Faça parceria com os socorristas locais para que eles possam responder de forma eficaz e rápida a uma emergência no campus. Participem das reuniões mensais do Conseg da região da escola. Isso deve acontecer muito antes de um incidente acontecer. Contrate oficiais de recursos escolares (Agentes de Segurança Escolar) ou tenha segurança orgânica do campus – vigilantes, forneça-lhes treinamento adequado e, em seguida, arme-os. Adotar os conceitos de Prevenção ao Crime por Meio do Design Ambiental (CPTED). Treinar professores, funcionários, administradores e oficiais de segurança pública em técnicas verbais de redução de conflito e crises. Implante câmeras de segurança que a central de vigilância do campus e/ou a polícia local possam acessar durante um incidente. As evidências fornecidas pelos sistemas de vídeo vigilância também são extremamente úteis durante as investigações de incidentes. Realizar verificações de antecedentes de todos os professores, colaboradores, voluntários e fornecedores. Tenha na equipe psicólogos escolares, assistentes sociais e conselheiros suficientes para que os indivíduos que apresentam comportamento preocupante recebam a ajuda de que precisam antes de recorrer à violência contra si mesmos, contra os outros ou ambos. Desenvolver planos de emergência e mantê-los atualizados. Desenvolva e mantenha relacionamentos com alunos, professores, colaboradores, médicos, enfermeiros e outros na comunidade para que
  • 3. eles se sintam à vontade para relatar o comportamento preocupante dos outros. Adote linhas telefônicas de dicas anônimas e serviços de mensagens de texto. Ter a capacidade de reunir os alunos de forma eficaz e rápida com seus pais ou responsáveis legais. Após um incidente, forneça serviços de saúde mental de longo prazo para alunos, colaboradores e professores. Desenvolva políticas e procedimentos para dar suporte a todas as soluções que você adotou e, em seguida, treine e retreine regularmente todo o pessoal do campus sobre como implementá-las e segui-las. Esta lista não é completa ou perfeita. Ulisses Nascimento, Consultor +5511 931528430 Autorizada a reprodução desde que a fonte seja citada .