I
N
T
E
G
R
A
L
I
Z
A
Ç
Ã
O
C
L
Í
N
I
C
A
Docente
Marieve Pereira
E
N
F
E
R
M
A
G
E
M
Dicentes
Daniela Santos
Erlane Conce...
Aborto
 Definição
É a remoção ou expulsão prematura de
um embrião ou feto do útero, tendo
como resultado a morte. Este pode ser
...
 Espontâneo:
Surge quando a gravidez é interrompida sem que
seja por vontade da mulher. Pode acontecer por
vários fatores...
 Induzido:
É um procedimento usado para interromper
uma gravidez. Pode acontecer quando existe
má formação congênita, qua...
 Causas Possíveis de Abortamento
-Abuso de drogas e álcool;
-Exposição a toxinas ambientais;
-Problemas hormonais;
-Infec...
 Aborto Legal
É legal quando a interrupção da gravidez é
realizada de acordo com a legislação em vigor.
Quando feito precocemente por mé...
Aborto Ilegal
É a interrupção de uma gravidez quando os
motivos apresentados não se encontram
enquadrados na legislação em vigor ou quan...
 Meios de abortamento
As características mais comuns das mulheres que
fazem um primeiro aborto é idade de até dezenove
an...
 Meios de abortamento
Complicações
Atuando na área da saúde da mulher, tanto na docência
como na assistência poderemos conviver com mulheres
em...
 Pesquisa Nacional de Aborto
Um levantamento por amostragem aleatória de
domicílios, realizado em 2010, cuja cobertura
ab...
Não se observou diferenciação relevante na
prática em função de religiosa, mas o aborto se
mostrou mais comum entre mulher...
É um tema polêmico em um sério problema de
saúde pública mundial, responsável pela
manutenção das altas taxas de mortalida...
Um estudo financiado pelo Ministério da Saúde, em 2002,
mostrou que a mortalidade materna continua alta e que o
aborto ins...
 Maus Tratos
Os maus tratos são descritos com julgamento moral,
ameaças de denúncias à polícia, maneiras brutas no contat...
 Lei Penal
 Mulheres que abortam ilegalmente de um à três anos de
detenção.
 Mulheres que provocam o aborto ilegalmente...
Considerações Finais
O aborto é praticado clandestinamente por
mulheres de todas as classes sociais, níveis de
escolarida...
Considerações Finais
Diante disso, o bjetivo desse trabalho é esclarecer de
forma a sensibilizar as mulheres os problemas...
 Referência Bibliográficas
DINIZ, Débora; MEDEIROS, Marcelo. Aborto no Brasil: uma pesquisa
domiciliar com técnica de urn...
 Anexo
 Fotos sobre o tema
Vida Sim,
Aborto
Não!
Fim
Seminário aborto
Seminário aborto
Seminário aborto
Seminário aborto
Seminário aborto
Seminário aborto
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seminário aborto

282 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
282
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminário aborto

  1. 1. I N T E G R A L I Z A Ç Ã O C L Í N I C A Docente Marieve Pereira E N F E R M A G E M Dicentes Daniela Santos Erlane Conceição Ester Santos Liliane Souza Michele Lima Sônia Régis Vanessa Bastos
  2. 2. Aborto
  3. 3.  Definição É a remoção ou expulsão prematura de um embrião ou feto do útero, tendo como resultado a morte. Este pode ser espontâneo ou provocado. SILVA, 2011
  4. 4.  Espontâneo: Surge quando a gravidez é interrompida sem que seja por vontade da mulher. Pode acontecer por vários fatores biológico, psicológico e social que contribui para que esta situação se verifique. A maioria do aborto espontâneo é causado por problemas cromossômicos que impossibilitam o desenvolvimento fetal. Geralmente, esses problemas não estão relacionados aos genes dos progenitores.  Classificação Espontâneo e Induzido
  5. 5.  Induzido: É um procedimento usado para interromper uma gravidez. Pode acontecer quando existe má formação congênita, quando a gravidez resulta de um crime contra a liberdade e autodeterminação sexual, quando a gravidez coloca em perigo a vida e a saúde física ou psíquica da mulher ou simplesmente por opção da mulher.
  6. 6.  Causas Possíveis de Abortamento -Abuso de drogas e álcool; -Exposição a toxinas ambientais; -Problemas hormonais; -Infecção; -Obesidade; -Problemas físicos com os órgãos reprodutivos da mulher; -Problemas com as respostas imunológica do organismo; -Doenças graves que afetam todo corpo (sistêmica) nas mães (diabetes não controlável, por exemplo); -Fumo; -Com o aumento do risco a partir dos 30 anos ficando maiores entre 33 e 40 anos atingido o pico aos 40 anos de idade.
  7. 7.  Aborto Legal
  8. 8. É legal quando a interrupção da gravidez é realizada de acordo com a legislação em vigor. Quando feito precocemente por médicos experientes e em condições adequadas que apresentam um elevadíssimo nível de segurança. Esta permissão é dada somente em caso de estupro ou quando oferecer risco na vida da mãe. Em algumas situações nas quais o feto apresenta anomalias graves, esse direito também pode ser concedido.
  9. 9. Aborto Ilegal
  10. 10. É a interrupção de uma gravidez quando os motivos apresentados não se encontram enquadrados na legislação em vigor ou quando é feito em locais que não estão oficialmente reconhecidos para o efeito. O aborto ilegal inseguro, constitui uma importante causa da mortalidade e de morbidade maternas. A aborto clandestino é um problema de saúde pública, estima-se que mais de 100.000 abortos clandestinos sejam realizados anualmente no
  11. 11.  Meios de abortamento As características mais comuns das mulheres que fazem um primeiro aborto é idade de até dezenove anos, cor negra e com filhos. A gravidez é certificada por meio de um teste de urina na farmácia e o aborto iniciado por um regime de chás, líquido e ervas combinado com Cytotec vaginal e oral. A dose mais comum é de quatro comprimidos, aplicados por via vaginal e oral e a finalização do aborto é feito no hospital.
  12. 12.  Meios de abortamento
  13. 13. Complicações Atuando na área da saúde da mulher, tanto na docência como na assistência poderemos conviver com mulheres em situações de abortamento que buscam nos serviços de saúde atendimento para suas necessidades, na maioria das vezes em condições clínicas graves, pois, as mulheres que não morrem podem ter complicações sérias, tais como: Sangramento Vaginal Abundante; Septicemias; Peritonite; Fortes Dores; Febre; Choque, Sequelas Físicas; e outros que caracterizam complicações por abortamento e que colocam em risco suas vidas.
  14. 14.  Pesquisa Nacional de Aborto Um levantamento por amostragem aleatória de domicílios, realizado em 2010, cuja cobertura abrangeu as mulheres com idades entre 18 e 39 anos em todo o Brasil urbano. A PNA combinou duas técnicas de sondagem: a técnica de urna e questionários preenchidos por entrevistados. Seus resultados indicam que, ao final da vida reprodutiva, mais de uma em cada cinco mulheres já fez aborto, ocorrendo os abortos em geral nas idades que compõem o centro do período reprodutivo das mulheres, isto é, entre 18 e 39 anos.
  15. 15. Não se observou diferenciação relevante na prática em função de religiosa, mas o aborto se mostrou mais comum entre mulheres de menor escolaridade. O uso de medicamentos para a indução do último aborto ocorreu em metade dos casos e a internação pós-aborto foi observada em cerca de metade dos abortos. Tais resultados levam a concluir que o aborto deve ser prioridade na agenda de saúde pública nacional.  PNA
  16. 16. É um tema polêmico em um sério problema de saúde pública mundial, responsável pela manutenção das altas taxas de mortalidade materna em muitos países em desenvolvimento. No Brasil, por se tratar de um ato ilegal muitas mulheres que não desejam manter uma gestação acaba por procurar clínicas clandestinas submetendo-se ao aborto em condições precárias o que acarreta graves consequências à saúde física, psicológica e a própria vida. Aborto na Saúde Pública DOMINGOS,2010
  17. 17. Um estudo financiado pelo Ministério da Saúde, em 2002, mostrou que a mortalidade materna continua alta e que o aborto inseguro ainda representa uma de suas causas. O aborto inseguro é considerado uma pandemia silenciosa que demanda ações imperativas e urgentes no âmbito da saúde pública e dos direitos humanos. Como futuras enfermeiras reconhece-se a magnitude das questões que permeiam as discussões sobre o abortamento e a mortalidade materna no cenário das políticas de saúde que envolve a área da saúde da mulher. DOMINGOS,2010
  18. 18.  Maus Tratos Os maus tratos são descritos com julgamento moral, ameaças de denúncias à polícia, maneiras brutas no contato físico, internação em quartos coletivos com mulheres com recém nascidos ou longa espera até o atendimento. Como prática de sobrevivência quase todas as mulheres mais velhas omitem dos médicos que provocam o aborto descrevendo-o como espontâneo, como resultado de uma queda, de uma ingestão ou de um susto, mesmo quando os médicos insistem na tese da indução.
  19. 19.  Lei Penal  Mulheres que abortam ilegalmente de um à três anos de detenção.  Mulheres que provocam o aborto ilegalmente de três à dez anos de detenção.  Médicos que realizam o aborto de três à dez anos de detenção.
  20. 20. Considerações Finais O aborto é praticado clandestinamente por mulheres de todas as classes sociais, níveis de escolaridade, etnias e religiões, sendo esse legalizado em alguns países e visto como crime em outros. Diversas são as clínicas clandestinas que cometem esse crime por quantias elevadas, sem contar o risco que essas mulheres correm podendo ter sequelas grandes como perder parte do útero, adquirir câncer, infertilidade, às vezes chegando até a morte.
  21. 21. Considerações Finais Diante disso, o bjetivo desse trabalho é esclarecer de forma a sensibilizar as mulheres os problemas e sofrimentos ocasionados pelo aborto. Demonstrar o sofrimento do feto no ato do aborto e informar as mulheres sobre problemas físicos e psicológicos que poderão surgir em função dessa prática ilegal que para tanto, existe a lei penal que irá julgar os devidos anos de detenção como punição.
  22. 22.  Referência Bibliográficas DINIZ, Débora; MEDEIROS, Marcelo. Aborto no Brasil: uma pesquisa domiciliar com técnica de urna.2010. VIEIRA, Elisabeth Meloni. Aborto legal: o conhecimento dos profissionais e as implicações das políticas públicas.2012 SILVA, Rosineide Lopes Barros da. Aborto em defesa do inocente. 2011. DOMINGOS, Silvana Ribeiro da Fonseca; MERIGHI, Miriam Aparecida Barbosa. O aborto como causa da mortalidade materna: um pensar para o cuidado da enfermagem. 2010. OSIS, Maria José D.; HARDY, Ellen; FAÚNDES, Anibal; RODRIGUES, Telma. Dificuldades para obter informações da população de mulheres sobre aborto ilegal. 1996. DINIZ, Débora; MEDREIROS, Marcelo. Itinerários e métodos do aborto ilegal em cinco capitais brasileiras. 2012.
  23. 23.  Anexo  Fotos sobre o tema
  24. 24. Vida Sim, Aborto Não! Fim

×