SlideShare uma empresa Scribd logo
Texto:
Ronaldo Melo
Ilustrações:
Klaudiana Torres
Fortaleza ● Ceará ● 2018
Texto: Ronaldo Melo
Ilustrações: Klaudiana Torres
Copyright © 2018 Ronaldo Melo
Copyright © 2018 Klaudiana Torres
Coordenação Editorial,
Preparação de Originais e Revisão
Raymundo Netto
Projeto e Coordenação Gráfica
Daniel Dias
Revisão Final
Marta Maria Braide Lima
Conselho Editorial
Maria Fabiana Skeff de Paula Miranda
Sammya Santos Araújo
Antônio Élder Monteiro de Sales
Sandra Maria Silva Leite
Antônia Varele da Silva Gama
Catalogação e Normalização
Gabriela Alves Gomes
Governador
Camilo Sobreira de Santana
Vice-Governadora
Maria Izolda Cela de Arruda Coelho
Secretário da Educação
Rogers Vasconcelos Mendes
Secretária-Executiva da Educação
Rita de Cássia Tavares Colares
Coordenador de Cooperação
com os Municípios (COPEM)
Márcio Pereira de Brito
Orientadora da Célula de Apoio à Gestão Municipal
Gilgleane Silva do Carmo
Orientador da Célula
de Fortalecimento da Aprendizagem
Idelson de Almeida Paiva Júnior
SEDUC - Secretaria da Educação do Estado do Ceará
Av. Gen. Afonso Albuquerque Lima, s/n - Cambeba - Fortaleza - Ceará | CEP: 60.822-325
(Todos os Direitos Reservados)
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
M528z Melo, Ronaldo de.
Zé Cassimiro, o vaqueiro / Ronaldo de Melo; ilustrações de Klaudiana Tor-
res. - Fortaleza: SEDUC, 2018.
24p.; il.
ISBN 978-85-8171-174-4
1. Literatura infantojuvenil. I. Torres, Klaudiana. II. Título.
CDU 028.5
A todos os vaqueiros do meu Ceará, em especial, a Zé Cassimiro,
protagonista dessa aventura, e ao Luiz Carlos que, se estivesse
aqui entre nós, esse livro seria motivo de orgulho e admiração.
À Ilderlucia Cândido e Auremilia Abreu,
pelo carinho, amizade e incentivo.
Aos meus alunos, crianças curiosas e investigadoras,
que muito contribuíram para a realização dessa obra.
À minha esposa Natália e aos meus filhos Raul e Luiz,
que acreditaram juntos comigo que esse sonho era possível.
4444444444444
EEEEEEEEssssssstttttttttaaaaaaaaa hhhhhhhhhiiiiiiiiiissssssttttttttóóóóóóóóórrrrrrriiiiiiiiaaaaaaaaaaa vvvvvvvvvvvvvveeeeeeeeeeemmmmmmmmmmm lllllllllllllááááááááááá dddddddddddddoooooooooo sssssssssssseeeeeeeeeeerrrrrrrrrrttttttttttãããããããããããããoooooooooo......
OOOOOOOOOOOuuuuuuuuuvvvvvvvvvvviiiiiii oooooooooo mmmmmmmmmmmmmeeeeeeeeeeeuuuuuuuuuuuu aaaaaaaaaavvvvvvvvvvôôôôôôôôôôôô ccccccccccoooooooooonnnnnnnnnttttttttttaaaaaaaaaarrrrrrrrrrrr.....
AAAAAAAAAAA ddddddddddeeeeeeeeee uuuuuuuuuummmmmmmmmmm sssssssssssuuuuuuuuujjjjjjjjjjeeeeeeeeeeeeeeiiiiiiiiiiiiiiitttttttttttooooooooo aaaaaaaaaaffffffffffaaaaaaaaammmmmmmmaaaaaaadddddddddooooooo,,,,,
vvvvvvvvvvvvaaaaaaaaqqqqqqqqquuuuuuuueeeeeeeiiiiiiirrrrrrrooooooo cccccccooooooonnnnnnnsssssssaaaaaaaaagggggggggggrrrrrrrraaaaaaaadddddddddddooooooooo ddddddddddddooooooooooo ssssssssseeeeeeeerrrrrrrrrrrrrrttttttttttttttãããããããããããããããooooooo dddddddddooooooooo CCCCCCCCCCCCCeeeeeeeeaaaaaaaarrrrrrrrrráááááááá....
555555555
No alpendre das casas, nas cancelllllllas dos currais,
se o assunto era coragem, e a conversa muito mais,
falavam logo de Zé Cassimiro, o vaqueiro,
um cabra destemido, duro e ligeiro.
6
Zé Cassimiro era daqueles que quanto maior o desafio,
maior a empolgação.
E como se transformava quando vestia
sua calçaaaaaaaaa, chapéu de couro e gibão.
7
Montado em seu cavalo alazão,
não rejeitava pega de boi valente e fujão,
ainda que o desafio fosse em mata fechada
ou no meio da plantação.
Quando vestia sua roupa de couro eeeeeeeeeeeeee montava o seu alazããããããão,
Zé Cassimiro deixava de ser um agricultor,
passando a ser respeitado por prefeito, fazendeiro e até douuuuuuuutor.
8
9
NNNNNaaasssssscccceeeeuuuu nnnaaaa ccccciiiiiddddaaaaaadddddeeeee ddddeeee MMMMoooorrraaadddddddddddddddddddddddaaaa NNNNooooovvvvaaa....
AAAAA llllliiiidddaaa ccccoooommmm oooo gggggaaaaaddddoooo sssseeeemmmmmppppppprrrreeeee ffffoooiiiii sssssssssssssuuuuuuaaaaa úúúúúnnnniiiiccccaaaaa ppppppaaaaiiiiiiiixxxxxxxããããããoooo...
EEEEEssssssssaaaaa fffffaaaaaammmmmaaa dddddeeee bbbbboooommmmm vvvvaaaaqqqquuuuueeeeeiiirrrroooo
cccccoooorrrrrrrreeeeuuuuu oooooo mmmmmuuuuunnnndddddooo iiiinnnnttttteeeiiirrrrroooooooo dddddoooo sssseeeeerrrrrttttãããããoooooo.......
AAAAAsssssssiiimmmmm,,,, ooo ssssseeeeuuuuu nnnnnoooooommmmeeee llllllloooggggggoooo ssssseeeee eeeesssssppppaaaaalllllhhhhhoooouuuuu...
DDDDDDDeeeeiiixxxxooooooouuuuu ssssuuuuuaaaaa ttttteeeeerrrrrrrrraaaaa nnnnaaatttttaaaaallll pppppppaaarrraaaa ttttttttttttttrrrrrraaaaabbbbaaaalllllhhhhhaaaarrrr nnnnaaaa ccccciiiidddaaaadddeeee ddddddeeeee OOOOOrrrróóóóssss,,,
nnnnnaaaaa ffffaaaaazzzeeeeennnndddddaaaa dddeeee uuuummmmm fffffffaaaaammmmoooossssssoooo cccaaannnnnttttooooorrrr...
101010100
11111111
Das histórias contadas, sobre Zé Cassimiro,
tinha uma que sempre se repetia,
de quando ele perseguiu um boi esperto
na mata fechada por quase dez dias.
Por onde Cassimiro passava, as pessoas
lhe apontavam e começavam a falar:
“Lá vai Zé Cassimiro, o melhor vaqueiro do sertão do Ceará.”
12121212121212121212221212122122222211212222221121222212122211112122212222121221222112122222212121212222221121222121212222221212122121212212111211111222121212122221221
Certa vez, lá pras bandas da Serra do Franco,
na fazenda de um grande criador, na divisa
de Orós com Quixelô, um boi brabo a cerca
do curral arrebentou.
Foi a última vez que foi visto,
pois o bbbbbbbbbicho na mata fechada se embrenhou.
13
O boi por vários dias foi perseguido
e por muitos vaqueiros procurado,
os melhores daquele lugar,
e nenhum deles conseguiu sequer
do bicho se aproximar.
1414144411
Até que um dia, depois de mais uma vez fracassar,
um dos vaqueiros pôs-se a dizer sem gaguejar:
— Aqui só se for Zé Cassimiro, vaqueiro duro e ligeiro,
o mais valente do Ceará.
1515151555155515
O fazendeiro, que já se encontrava desacreditado,
não pensou duas vezes e por um vizinho mandou
o recado:
— Diga a Zé Cassimiro que eu estou muito
agoniado. Nunca mais vi a cor do meu boi, apenas
escuto de longe o chocalhado. Fale pra ele vir
ligeiro, que o pagamento é ele quem escolhe, se
uma vaca parida ou uma boa quantia em dinheiro.
1666666666666666666666666666666666666666
No dia seguinte, o sol não tinha ainda saído,
quando o fazendeiro avistou, na cancela de sua
fazenda, o vaqueiro montado em seu alazão.
O fazendeiro se aproximou, com alegria no coração,
recebendo o vaqueiro com um forte aperto de mão.
17177171771
O vaqueiro muito ansioso perguntou
ao novo patrão:
— Para que lado o boi poderia estar?
O fazendeiro lhe indicou e ele falou:
— Comigo não carece se preocupar,
só volto quando o bicho capturar.
1818181818181818181818118181181818118181881818181881888181181818881811111811818
Zé Cassimiro, vestido com roupa de couro
e montado em seu alazão, sumia pouco a
pouco na mata como se fosse assombração.
Depois de um longo período de silêncio,
um grito, seguido do badalo do chocalho,
de longe se deu para escutar.
A perseguição tinha se iniciado e Zé
Cassimiro o boi tinha encontrado.
1919191919991991999999
Por várias horas, uma gritaria mata adentro continuou,
Quando, finalmente, se ouviu um alto mugido seguido
de um forte estalo. O fazendeiro falou:
— O boi foi capturado!
202
O fazendeiro, no alpendre da casa e arrodeado
de curiosos, as apostas começava a fazer. Alguns
duvidavam que sozinho Zé Cassimiro, a fera, não
conseguiria trazer.
222121221221212121121212121212121211212121211122
Qual não foi a surpresa, lá vinha o vaqueiro
abrindo a cancela com o boi encaretado,
amarrado na lua de sua sela.
Zé Cassimiro foi muito aplaudido e aclamado.
A multidão não conseguia acreditar
como um homem sozinho e danado,
aquela fera tinha conseguido pegar.
22
Zé Cassimiro era um homem simples
que não gostava de se gabar.
Recebeu seu pagamento
e deixou a história para o povo inventar.
Ora, no sertão, o vaqueiro é como um herói da
fazenda e, depois de mais esse desafio,
Zé Cassimiro virou lenda.
23
Ronaldo Melo
Olá! Sou professor, formado em matemática pela
Universidade Vale do Acaraú (Uva). Moro em
Quixelô, Ceará, onde trabalho como educador,
alfabetizando crianças. Fico muito feliz em
poder compartilhar esta história com vocês.
Cada palavra foi pensada e escrita para fazer
essa humilde homenagem a todos os vaqueiros,
verdadeiros heróis do sertão. Boa leitura!
Klaudiana Torres
Ao receber essa linda história, decidi voltar meu
olhar, com maior esmero, aos objetos existentes no
Museu Frei Aquino na Fazenda Marruás em Ipu-CE,
cidade onde nasci. Lá os objetos nos mostram a
história do homem sertanejo e seus diversos aparatos
para atravessarem as nossas difíceis estações. Voltei
também, aos alpendres de minha infância em Santa
Quitéria na Fazenda Nova Virginia onde não só
ouvia, como via, a partida e a chegada de vaqueiros
profissionais. Quis marcar as várias escalas do
marrom, referente à terra, à caatinga, ao coro curtido
e ao ferro da marca do gado. Marquei também o azul
permanente do céu que assiste às idas e vindas do
verde na paisagem do sertão do Ceará.
Sou professora de Artes em Caucaia-CE, onde
moro atualmente. Fazer parte de mais uma coleção
do PAIC, é motivo de grande satisfação, pois sei
do retorno positivo que tal projeto proporciona a
Educação no nosso Estado.
Realização
Apoio
O Governo do Estado do Ceará desenvolve, com os seus 184 municípios, o
Programa de Aprendizagem na Idade Certa - MAIS PAIC, com o compro-
misso de garantir e elevar a qualidade e os resultados da educação de suas
crianças e seus jovens.
Publicada pela Secretaria da Educação do Estado, através do MAIS PAIC, a
Coleção Paic, Prosa e Poesia, rica em identidade cultural, reúne narrativas
de autores do Ceará que tiveram seus textos selecionados por meio de se-
leção pública. Esse acervo constitui um estímulo a mais para se ler e contar
histórias em sala de aula, garantindo, assim, um letramento competente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangelHistória um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangel
Andreá Perez Leinat
 
O mundinho
O mundinhoO mundinho
O mundinho
Hayana Oliveira
 
Slides joaninha-diferente
Slides joaninha-diferenteSlides joaninha-diferente
Slides joaninha-diferente
bethinhapm
 
O jogo da parlenda
O jogo da parlendaO jogo da parlenda
O jogo da parlenda
Jozi Mares
 
O coração do baobá
O coração do baobáO coração do baobá
O coração do baobá
Iracema Perin
 
Historia " Os Nossos Amigos Animais"
Historia " Os Nossos Amigos Animais"Historia " Os Nossos Amigos Animais"
Historia " Os Nossos Amigos Animais"
bibdjosei
 
A galinha ruiva
A galinha ruivaA galinha ruiva
A galinha ruiva
Bertilia Madeira
 
NinguéM é Igual A Ninguém
NinguéM é Igual A NinguémNinguéM é Igual A Ninguém
NinguéM é Igual A Ninguém
Celoy Mascarello
 
O nariz do palhaço
O nariz do palhaçoO nariz do palhaço
O nariz do palhaço
Albertina Pereira
 
Culinária
CulináriaCulinária
Culinária
Natália Ramos
 
A familia do marcelo
A familia do marceloA familia do marcelo
A familia do marcelo
Blog da Criançada
 
Listas fabulosas -_eva_furnari
Listas fabulosas -_eva_furnariListas fabulosas -_eva_furnari
Listas fabulosas -_eva_furnari
Prefeitura de Cianorte
 
O polvo coceguinhas
O polvo coceguinhasO polvo coceguinhas
O polvo coceguinhas
Virgínia Ferreira
 
Galinha choca
Galinha chocaGalinha choca
Galinha choca
fabianafachini
 
Um amor de família
Um amor de famíliaUm amor de família
Um amor de família
Emef Madalena
 
Jogos, brincadeiras e cantigas
Jogos, brincadeiras e cantigasJogos, brincadeiras e cantigas
Jogos, brincadeiras e cantigas
Natália Ramos
 
Os Dois Dinossauros Amigos
Os Dois Dinossauros AmigosOs Dois Dinossauros Amigos
Os Dois Dinossauros Amigos
Maria Sousa
 
O Pássaro Encantado
O Pássaro EncantadoO Pássaro Encantado
O Pássaro Encantado
Maria Sousa
 
O monstro das cores
O monstro das coresO monstro das cores
O monstro das cores
Alice Lima
 
O chá das dez
O chá das dezO chá das dez
O chá das dez
Andreá Perez Leinat
 

Mais procurados (20)

História um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangelHistória um amor de confusão, de dulce rangel
História um amor de confusão, de dulce rangel
 
O mundinho
O mundinhoO mundinho
O mundinho
 
Slides joaninha-diferente
Slides joaninha-diferenteSlides joaninha-diferente
Slides joaninha-diferente
 
O jogo da parlenda
O jogo da parlendaO jogo da parlenda
O jogo da parlenda
 
O coração do baobá
O coração do baobáO coração do baobá
O coração do baobá
 
Historia " Os Nossos Amigos Animais"
Historia " Os Nossos Amigos Animais"Historia " Os Nossos Amigos Animais"
Historia " Os Nossos Amigos Animais"
 
A galinha ruiva
A galinha ruivaA galinha ruiva
A galinha ruiva
 
NinguéM é Igual A Ninguém
NinguéM é Igual A NinguémNinguéM é Igual A Ninguém
NinguéM é Igual A Ninguém
 
O nariz do palhaço
O nariz do palhaçoO nariz do palhaço
O nariz do palhaço
 
Culinária
CulináriaCulinária
Culinária
 
A familia do marcelo
A familia do marceloA familia do marcelo
A familia do marcelo
 
Listas fabulosas -_eva_furnari
Listas fabulosas -_eva_furnariListas fabulosas -_eva_furnari
Listas fabulosas -_eva_furnari
 
O polvo coceguinhas
O polvo coceguinhasO polvo coceguinhas
O polvo coceguinhas
 
Galinha choca
Galinha chocaGalinha choca
Galinha choca
 
Um amor de família
Um amor de famíliaUm amor de família
Um amor de família
 
Jogos, brincadeiras e cantigas
Jogos, brincadeiras e cantigasJogos, brincadeiras e cantigas
Jogos, brincadeiras e cantigas
 
Os Dois Dinossauros Amigos
Os Dois Dinossauros AmigosOs Dois Dinossauros Amigos
Os Dois Dinossauros Amigos
 
O Pássaro Encantado
O Pássaro EncantadoO Pássaro Encantado
O Pássaro Encantado
 
O monstro das cores
O monstro das coresO monstro das cores
O monstro das cores
 
O chá das dez
O chá das dezO chá das dez
O chá das dez
 

Semelhante a Zé cassimiro, o vaqueiro .

ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4
Diocese de Aveiro
 
Módulo 2016.2
Módulo   2016.2Módulo   2016.2
A casa dos animais
A casa dos animais   A casa dos animais
A casa dos animais
Cristina Girão
 
A casa dos animais
A casa dos animais A casa dos animais
A casa dos animais
PamellaSilveira3
 
A casa dos animais
A casa dos animaisA casa dos animais
A casa dos animais
AlineRossi12
 
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/2
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/2ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/2
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/2
Diocese de Aveiro
 
Historia de lobisomen
Historia de lobisomenHistoria de lobisomen
Historia de lobisomen
Marcia Gomes
 
Histria de lobisomem
Histria de lobisomemHistria de lobisomem
Histria de lobisomem
PamellaSilveira3
 
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1
Diocese de Aveiro
 

Semelhante a Zé cassimiro, o vaqueiro . (9)

ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4
 
Módulo 2016.2
Módulo   2016.2Módulo   2016.2
Módulo 2016.2
 
A casa dos animais
A casa dos animais   A casa dos animais
A casa dos animais
 
A casa dos animais
A casa dos animais A casa dos animais
A casa dos animais
 
A casa dos animais
A casa dos animaisA casa dos animais
A casa dos animais
 
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/2
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/2ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/2
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/2
 
Historia de lobisomen
Historia de lobisomenHistoria de lobisomen
Historia de lobisomen
 
Histria de lobisomem
Histria de lobisomemHistria de lobisomem
Histria de lobisomem
 
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1
 

Mais de PamellaSilveira3

A joaninha que perdeu as pintinhas
A joaninha que perdeu as pintinhasA joaninha que perdeu as pintinhas
A joaninha que perdeu as pintinhas
PamellaSilveira3
 
Carlota barbosa a bruxa medrosa
Carlota barbosa a bruxa medrosaCarlota barbosa a bruxa medrosa
Carlota barbosa a bruxa medrosa
PamellaSilveira3
 
O sapato que miava
O sapato que miavaO sapato que miava
O sapato que miava
PamellaSilveira3
 
A escola de Marcelo - Ruth Rocha
A escola de Marcelo - Ruth RochaA escola de Marcelo - Ruth Rocha
A escola de Marcelo - Ruth Rocha
PamellaSilveira3
 
Alegria
AlegriaAlegria
A menina das estrelas
A menina das estrelasA menina das estrelas
A menina das estrelas
PamellaSilveira3
 
Cheirar - Ruth rocha
Cheirar - Ruth rocha   Cheirar - Ruth rocha
Cheirar - Ruth rocha
PamellaSilveira3
 
O reizinho mandao ruth rocha
O reizinho mandao  ruth rochaO reizinho mandao  ruth rocha
O reizinho mandao ruth rocha
PamellaSilveira3
 
O tamanho da gente - Murilo Cisalpino
O tamanho da gente - Murilo Cisalpino O tamanho da gente - Murilo Cisalpino
O tamanho da gente - Murilo Cisalpino
PamellaSilveira3
 
Anna llenas o monstro das cores
Anna llenas   o monstro das coresAnna llenas   o monstro das cores
Anna llenas o monstro das cores
PamellaSilveira3
 
Stephen michael king - O homem que amava caixas
Stephen michael king - O homem que amava caixasStephen michael king - O homem que amava caixas
Stephen michael king - O homem que amava caixas
PamellaSilveira3
 
A borboleta rosa
A borboleta rosaA borboleta rosa
A borboleta rosa
PamellaSilveira3
 
Que bicho este
Que bicho  este Que bicho  este
Que bicho este
PamellaSilveira3
 
A gargalhada de alegria da Dona Ecologia
A gargalhada de alegria da Dona EcologiaA gargalhada de alegria da Dona Ecologia
A gargalhada de alegria da Dona Ecologia
PamellaSilveira3
 
O menino que escrevia com os pes interativo
O menino que escrevia com os pes interativoO menino que escrevia com os pes interativo
O menino que escrevia com os pes interativo
PamellaSilveira3
 
O melgor amigo da bengala interativo
O melgor amigo da bengala interativoO melgor amigo da bengala interativo
O melgor amigo da bengala interativo
PamellaSilveira3
 
Mauro e o dinossauro
Mauro e o dinossauro  Mauro e o dinossauro
Mauro e o dinossauro
PamellaSilveira3
 
Uma princesa diferente mini min
Uma princesa diferente mini minUma princesa diferente mini min
Uma princesa diferente mini min
PamellaSilveira3
 
O tempo que o tempo tem
O tempo que o tempo temO tempo que o tempo tem
O tempo que o tempo tem
PamellaSilveira3
 
O ratinho roi roi
O ratinho roi roiO ratinho roi roi
O ratinho roi roi
PamellaSilveira3
 

Mais de PamellaSilveira3 (20)

A joaninha que perdeu as pintinhas
A joaninha que perdeu as pintinhasA joaninha que perdeu as pintinhas
A joaninha que perdeu as pintinhas
 
Carlota barbosa a bruxa medrosa
Carlota barbosa a bruxa medrosaCarlota barbosa a bruxa medrosa
Carlota barbosa a bruxa medrosa
 
O sapato que miava
O sapato que miavaO sapato que miava
O sapato que miava
 
A escola de Marcelo - Ruth Rocha
A escola de Marcelo - Ruth RochaA escola de Marcelo - Ruth Rocha
A escola de Marcelo - Ruth Rocha
 
Alegria
AlegriaAlegria
Alegria
 
A menina das estrelas
A menina das estrelasA menina das estrelas
A menina das estrelas
 
Cheirar - Ruth rocha
Cheirar - Ruth rocha   Cheirar - Ruth rocha
Cheirar - Ruth rocha
 
O reizinho mandao ruth rocha
O reizinho mandao  ruth rochaO reizinho mandao  ruth rocha
O reizinho mandao ruth rocha
 
O tamanho da gente - Murilo Cisalpino
O tamanho da gente - Murilo Cisalpino O tamanho da gente - Murilo Cisalpino
O tamanho da gente - Murilo Cisalpino
 
Anna llenas o monstro das cores
Anna llenas   o monstro das coresAnna llenas   o monstro das cores
Anna llenas o monstro das cores
 
Stephen michael king - O homem que amava caixas
Stephen michael king - O homem que amava caixasStephen michael king - O homem que amava caixas
Stephen michael king - O homem que amava caixas
 
A borboleta rosa
A borboleta rosaA borboleta rosa
A borboleta rosa
 
Que bicho este
Que bicho  este Que bicho  este
Que bicho este
 
A gargalhada de alegria da Dona Ecologia
A gargalhada de alegria da Dona EcologiaA gargalhada de alegria da Dona Ecologia
A gargalhada de alegria da Dona Ecologia
 
O menino que escrevia com os pes interativo
O menino que escrevia com os pes interativoO menino que escrevia com os pes interativo
O menino que escrevia com os pes interativo
 
O melgor amigo da bengala interativo
O melgor amigo da bengala interativoO melgor amigo da bengala interativo
O melgor amigo da bengala interativo
 
Mauro e o dinossauro
Mauro e o dinossauro  Mauro e o dinossauro
Mauro e o dinossauro
 
Uma princesa diferente mini min
Uma princesa diferente mini minUma princesa diferente mini min
Uma princesa diferente mini min
 
O tempo que o tempo tem
O tempo que o tempo temO tempo que o tempo tem
O tempo que o tempo tem
 
O ratinho roi roi
O ratinho roi roiO ratinho roi roi
O ratinho roi roi
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 

Zé cassimiro, o vaqueiro .

  • 2.
  • 3. Fortaleza ● Ceará ● 2018 Texto: Ronaldo Melo Ilustrações: Klaudiana Torres
  • 4. Copyright © 2018 Ronaldo Melo Copyright © 2018 Klaudiana Torres Coordenação Editorial, Preparação de Originais e Revisão Raymundo Netto Projeto e Coordenação Gráfica Daniel Dias Revisão Final Marta Maria Braide Lima Conselho Editorial Maria Fabiana Skeff de Paula Miranda Sammya Santos Araújo Antônio Élder Monteiro de Sales Sandra Maria Silva Leite Antônia Varele da Silva Gama Catalogação e Normalização Gabriela Alves Gomes Governador Camilo Sobreira de Santana Vice-Governadora Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário da Educação Rogers Vasconcelos Mendes Secretária-Executiva da Educação Rita de Cássia Tavares Colares Coordenador de Cooperação com os Municípios (COPEM) Márcio Pereira de Brito Orientadora da Célula de Apoio à Gestão Municipal Gilgleane Silva do Carmo Orientador da Célula de Fortalecimento da Aprendizagem Idelson de Almeida Paiva Júnior SEDUC - Secretaria da Educação do Estado do Ceará Av. Gen. Afonso Albuquerque Lima, s/n - Cambeba - Fortaleza - Ceará | CEP: 60.822-325 (Todos os Direitos Reservados) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) M528z Melo, Ronaldo de. Zé Cassimiro, o vaqueiro / Ronaldo de Melo; ilustrações de Klaudiana Tor- res. - Fortaleza: SEDUC, 2018. 24p.; il. ISBN 978-85-8171-174-4 1. Literatura infantojuvenil. I. Torres, Klaudiana. II. Título. CDU 028.5
  • 5. A todos os vaqueiros do meu Ceará, em especial, a Zé Cassimiro, protagonista dessa aventura, e ao Luiz Carlos que, se estivesse aqui entre nós, esse livro seria motivo de orgulho e admiração. À Ilderlucia Cândido e Auremilia Abreu, pelo carinho, amizade e incentivo. Aos meus alunos, crianças curiosas e investigadoras, que muito contribuíram para a realização dessa obra. À minha esposa Natália e aos meus filhos Raul e Luiz, que acreditaram juntos comigo que esse sonho era possível.
  • 7. EEEEEEEEssssssstttttttttaaaaaaaaa hhhhhhhhhiiiiiiiiiissssssttttttttóóóóóóóóórrrrrrriiiiiiiiaaaaaaaaaaa vvvvvvvvvvvvvveeeeeeeeeeemmmmmmmmmmm lllllllllllllááááááááááá dddddddddddddoooooooooo sssssssssssseeeeeeeeeeerrrrrrrrrrttttttttttãããããããããããããoooooooooo...... OOOOOOOOOOOuuuuuuuuuvvvvvvvvvvviiiiiii oooooooooo mmmmmmmmmmmmmeeeeeeeeeeeuuuuuuuuuuuu aaaaaaaaaavvvvvvvvvvôôôôôôôôôôôô ccccccccccoooooooooonnnnnnnnnttttttttttaaaaaaaaaarrrrrrrrrrrr..... AAAAAAAAAAA ddddddddddeeeeeeeeee uuuuuuuuuummmmmmmmmmm sssssssssssuuuuuuuuujjjjjjjjjjeeeeeeeeeeeeeeiiiiiiiiiiiiiiitttttttttttooooooooo aaaaaaaaaaffffffffffaaaaaaaaammmmmmmmaaaaaaadddddddddooooooo,,,,, vvvvvvvvvvvvaaaaaaaaqqqqqqqqquuuuuuuueeeeeeeiiiiiiirrrrrrrooooooo cccccccooooooonnnnnnnsssssssaaaaaaaaagggggggggggrrrrrrrraaaaaaaadddddddddddooooooooo ddddddddddddooooooooooo ssssssssseeeeeeeerrrrrrrrrrrrrrttttttttttttttãããããããããããããããooooooo dddddddddooooooooo CCCCCCCCCCCCCeeeeeeeeaaaaaaaarrrrrrrrrráááááááá.... 555555555
  • 8. No alpendre das casas, nas cancelllllllas dos currais, se o assunto era coragem, e a conversa muito mais, falavam logo de Zé Cassimiro, o vaqueiro, um cabra destemido, duro e ligeiro. 6
  • 9. Zé Cassimiro era daqueles que quanto maior o desafio, maior a empolgação. E como se transformava quando vestia sua calçaaaaaaaaa, chapéu de couro e gibão. 7
  • 10. Montado em seu cavalo alazão, não rejeitava pega de boi valente e fujão, ainda que o desafio fosse em mata fechada ou no meio da plantação. Quando vestia sua roupa de couro eeeeeeeeeeeeee montava o seu alazããããããão, Zé Cassimiro deixava de ser um agricultor, passando a ser respeitado por prefeito, fazendeiro e até douuuuuuuutor. 8
  • 11. 9
  • 12. NNNNNaaasssssscccceeeeuuuu nnnaaaa ccccciiiiiddddaaaaaadddddeeeee ddddeeee MMMMoooorrraaadddddddddddddddddddddddaaaa NNNNooooovvvvaaa.... AAAAA llllliiiidddaaa ccccoooommmm oooo gggggaaaaaddddoooo sssseeeemmmmmppppppprrrreeeee ffffoooiiiii sssssssssssssuuuuuuaaaaa úúúúúnnnniiiiccccaaaaa ppppppaaaaiiiiiiiixxxxxxxããããããoooo... EEEEEssssssssaaaaa fffffaaaaaammmmmaaa dddddeeee bbbbboooommmmm vvvvaaaaqqqquuuuueeeeeiiirrrroooo cccccoooorrrrrrrreeeeuuuuu oooooo mmmmmuuuuunnnndddddooo iiiinnnnttttteeeiiirrrrroooooooo dddddoooo sssseeeeerrrrrttttãããããoooooo....... AAAAAsssssssiiimmmmm,,,, ooo ssssseeeeuuuuu nnnnnoooooommmmeeee llllllloooggggggoooo ssssseeeee eeeesssssppppaaaaalllllhhhhhoooouuuuu... DDDDDDDeeeeiiixxxxooooooouuuuu ssssuuuuuaaaaa ttttteeeeerrrrrrrrraaaaa nnnnaaatttttaaaaallll pppppppaaarrraaaa ttttttttttttttrrrrrraaaaabbbbaaaalllllhhhhhaaaarrrr nnnnaaaa ccccciiiidddaaaadddeeee ddddddeeeee OOOOOrrrróóóóssss,,, nnnnnaaaaa ffffaaaaazzzeeeeennnndddddaaaa dddeeee uuuummmmm fffffffaaaaammmmoooossssssoooo cccaaannnnnttttooooorrrr... 101010100
  • 14. Das histórias contadas, sobre Zé Cassimiro, tinha uma que sempre se repetia, de quando ele perseguiu um boi esperto na mata fechada por quase dez dias. Por onde Cassimiro passava, as pessoas lhe apontavam e começavam a falar: “Lá vai Zé Cassimiro, o melhor vaqueiro do sertão do Ceará.” 12121212121212121212221212122122222211212222221121222212122211112122212222121221222112122222212121212222221121222121212222221212122121212212111211111222121212122221221
  • 15. Certa vez, lá pras bandas da Serra do Franco, na fazenda de um grande criador, na divisa de Orós com Quixelô, um boi brabo a cerca do curral arrebentou. Foi a última vez que foi visto, pois o bbbbbbbbbicho na mata fechada se embrenhou. 13
  • 16. O boi por vários dias foi perseguido e por muitos vaqueiros procurado, os melhores daquele lugar, e nenhum deles conseguiu sequer do bicho se aproximar. 1414144411
  • 17. Até que um dia, depois de mais uma vez fracassar, um dos vaqueiros pôs-se a dizer sem gaguejar: — Aqui só se for Zé Cassimiro, vaqueiro duro e ligeiro, o mais valente do Ceará. 1515151555155515
  • 18. O fazendeiro, que já se encontrava desacreditado, não pensou duas vezes e por um vizinho mandou o recado: — Diga a Zé Cassimiro que eu estou muito agoniado. Nunca mais vi a cor do meu boi, apenas escuto de longe o chocalhado. Fale pra ele vir ligeiro, que o pagamento é ele quem escolhe, se uma vaca parida ou uma boa quantia em dinheiro. 1666666666666666666666666666666666666666
  • 19. No dia seguinte, o sol não tinha ainda saído, quando o fazendeiro avistou, na cancela de sua fazenda, o vaqueiro montado em seu alazão. O fazendeiro se aproximou, com alegria no coração, recebendo o vaqueiro com um forte aperto de mão. 17177171771
  • 20. O vaqueiro muito ansioso perguntou ao novo patrão: — Para que lado o boi poderia estar? O fazendeiro lhe indicou e ele falou: — Comigo não carece se preocupar, só volto quando o bicho capturar. 1818181818181818181818118181181818118181881818181881888181181818881811111811818
  • 21. Zé Cassimiro, vestido com roupa de couro e montado em seu alazão, sumia pouco a pouco na mata como se fosse assombração. Depois de um longo período de silêncio, um grito, seguido do badalo do chocalho, de longe se deu para escutar. A perseguição tinha se iniciado e Zé Cassimiro o boi tinha encontrado. 1919191919991991999999
  • 22. Por várias horas, uma gritaria mata adentro continuou, Quando, finalmente, se ouviu um alto mugido seguido de um forte estalo. O fazendeiro falou: — O boi foi capturado! 202
  • 23. O fazendeiro, no alpendre da casa e arrodeado de curiosos, as apostas começava a fazer. Alguns duvidavam que sozinho Zé Cassimiro, a fera, não conseguiria trazer. 222121221221212121121212121212121211212121211122
  • 24. Qual não foi a surpresa, lá vinha o vaqueiro abrindo a cancela com o boi encaretado, amarrado na lua de sua sela. Zé Cassimiro foi muito aplaudido e aclamado. A multidão não conseguia acreditar como um homem sozinho e danado, aquela fera tinha conseguido pegar. 22
  • 25. Zé Cassimiro era um homem simples que não gostava de se gabar. Recebeu seu pagamento e deixou a história para o povo inventar. Ora, no sertão, o vaqueiro é como um herói da fazenda e, depois de mais esse desafio, Zé Cassimiro virou lenda. 23
  • 26. Ronaldo Melo Olá! Sou professor, formado em matemática pela Universidade Vale do Acaraú (Uva). Moro em Quixelô, Ceará, onde trabalho como educador, alfabetizando crianças. Fico muito feliz em poder compartilhar esta história com vocês. Cada palavra foi pensada e escrita para fazer essa humilde homenagem a todos os vaqueiros, verdadeiros heróis do sertão. Boa leitura! Klaudiana Torres Ao receber essa linda história, decidi voltar meu olhar, com maior esmero, aos objetos existentes no Museu Frei Aquino na Fazenda Marruás em Ipu-CE, cidade onde nasci. Lá os objetos nos mostram a história do homem sertanejo e seus diversos aparatos para atravessarem as nossas difíceis estações. Voltei também, aos alpendres de minha infância em Santa Quitéria na Fazenda Nova Virginia onde não só ouvia, como via, a partida e a chegada de vaqueiros profissionais. Quis marcar as várias escalas do marrom, referente à terra, à caatinga, ao coro curtido e ao ferro da marca do gado. Marquei também o azul permanente do céu que assiste às idas e vindas do verde na paisagem do sertão do Ceará. Sou professora de Artes em Caucaia-CE, onde moro atualmente. Fazer parte de mais uma coleção do PAIC, é motivo de grande satisfação, pois sei do retorno positivo que tal projeto proporciona a Educação no nosso Estado.
  • 27.
  • 28. Realização Apoio O Governo do Estado do Ceará desenvolve, com os seus 184 municípios, o Programa de Aprendizagem na Idade Certa - MAIS PAIC, com o compro- misso de garantir e elevar a qualidade e os resultados da educação de suas crianças e seus jovens. Publicada pela Secretaria da Educação do Estado, através do MAIS PAIC, a Coleção Paic, Prosa e Poesia, rica em identidade cultural, reúne narrativas de autores do Ceará que tiveram seus textos selecionados por meio de se- leção pública. Esse acervo constitui um estímulo a mais para se ler e contar histórias em sala de aula, garantindo, assim, um letramento competente.