SlideShare uma empresa Scribd logo
41ª Edição, mês de Janeiro de 2011




Mioma
INDICE


    Pág. 3 — Mensagem de Natal;

    Pág. 4 — Domingo

    Pág. 5, 6, 7 — Epifania do Senhor

    Pág. 7, 8 — Baptismo do Senhor;

    Pág. 9, 10 — II Domingo do Tempo Comum;

    Pág. 11, 12 — III Domingo do Tempo Comum;

    Pág. 13, 14 — IV Domingo do Tempo Comum;

    Pág. 15—Os três Reis Magos;

    Pág. 16 — Ofertas para o restauro do telhado da Igreja Matriz-Dezembro/2010

    Pág. 17 — A Voz do Conselho Económico; Banco Alimentar

    Pág. 18 — Culinária

    Pág. 19 — Jogos de passatempos.




     Agradecemos a todos quantos queiram participar com documentos e/ou
    testemunhos, que os façam chegar ao J.E.S (Grupo de Jovens Do Espírito
    Santo de Mioma), da seguinte forma e, prazos, para a edição do mes
    seguinte:

                          Em mão ou por correio, até dia 15;
                 Para, jesmioma@hotmail.com, até ao dia20.



                                 Visite-nos em:




2
Mensagem de Natal

 A Mensagem de Natal do Bispo de Viseu, para o ano 2010, é especial-
mente dirigida "àquelas e àqueles que estão a viver tempos difíceis".
Transcrevemo-la na íntegra:

       Neste tempo tão especial, quero dirigir-me a todos os homens e mulheres desta nos-
sa Igreja de Viseu, sobretudo àquelas e àqueles que estão a viver tempos difíceis. Quero,
na comunhão amiga com todos, declarar-lhes os meus votos de paz, de justiça, de amor e
de bem. Igualmente, quero dirigir-me aos homens e mulheres que melhor vivem, pedindo a
todos que ajudemos a que o Natal seja a Festa e a Celebração sem fim da alegria, da frater-
nidade e da solidariedade para todos.

       Faço apelo sincero a que ninguém fique indiferente à situação actual. O Natal é desa-
fio à mudança pessoal e social. Celebrando o Natal, não podemos esquecer as causas de
uma crise com tão graves consequências nem os seus efeitos que fazem sofrer tantas e
tantos, de todas as idades e de todas as condições sociais. O atropelo aos valores e aos
princípios éticos fundamentais - na política, na economia, nos mercados, nas empresas, na
educação, na cultura - cria injustiça, promove individualismo e exclusão social e fomenta
corrupção, mentira e inversão de valores. O meu apelo é que vivamos o Natal como o sonho
a concretizar, o desafio a aceitar e o projecto a construir, para ajudarmos a realizar a paz e
o bem universais.

       A par da crise, devemos reconhecer que, hoje, se afirmam valores muito nobres, tais
como: generosidade, tolerância e globalização positiva e humanizadora em muitos aspectos.
Apreciamos também o alargado acesso à educação e à cultura e a maior sensibilidade para
a liberdade, direitos e responsabilidades individuais. São bons os sinais de esperança para o
melhor serviço a todos. Porém, a nossa sociedade está longe de ser justa e de praticar o
bem comum. Este nunca pode esquecer cada pessoa concreta.

       Pede-se, neste Natal em época de crise tão dura e tão difícil, uma maior correspon-
sabilidade de todos e a favor de todos. Todos - individual, social e colectivamente - todos
somos chamados a ser sujeitos activos e destinatários da esperança. Esta missão somente
será cumprida se tivermos as pessoas no centro da nossa atenção e se elas, a começar
pelas mais frágeis e pelas mais pobres, forem as mobilizadoras das nossas energias e das
nossas iniciativas.

       Na nossa Diocese de Viseu estamos a iniciar o Sínodo como uma oportunidade de
mudança, de renovação, de reorganização e de formação. A nossa Igreja quer lavar o rosto,
quer rever-se em Jesus Cristo e na Sua Boa Nova e quer olhar, de frente e com o coração, o
mundo e as pessoas do nosso tempo. Quer ainda, em comunhão com todos - crianças e
jovens, homens e mulheres, mais velhos e mais novos, em qualquer situação - acreditar,
viver e anunciar Jesus Cristo. Ele é a Fonte da nossa esperança. Todos somos convidados a
viver em comunhão para a missão.

Para todos, um Santo Natal e um Feliz 2011, cheio de esperança.

O vosso irmão e amigo bispo - Ilídio Leandro




                                                        3
DOMINGO — Paragem, descanso, família


    Numa segunda Nota do Pastor e a propósito da aproximação do Natal,
    D. Ilídio lembra a importância do Domingo, como Dia do Senhor para a
    Família. Aqui a deixamos reproduzida, para proveito dos leitores:


          Está próximo o Natal. Acontece em ordem e por causa da Páscoa - o Dia
    e a Hora do Senhor. O Messias vem, como Filho de Deus, tornado Homem em
    Jesus, para celebrar a Páscoa que se torna Festa da Libertação de todos os
    homens. O Natal anuncia, prepara e ordena-se para a Páscoa.

          Cada Domingo é a celebração do Senhor, no Seu Mistério de Natal, de
    Vida, de Morte, de Ressurreição e de Presença Sacramental - tudo celebrado e
    vivido na Eucaristia. O Domingo é, assim, o Dia do Senhor e de toda a Sua
    acção transformadora, em ordem à plenitude e à perfeição.

          Vive-se o Domingo como uma paragem do normal trabalho e das nor-
    mais preocupações dos outros dias. Vive-se o Domingo como um necessário
    descanso, retemperador e regenerador para um recomeço livre e feliz, na coo-
    preação com o Senhor Deus, Criador e Pai. Vive-se o Domingo como o dia da
    família, no encontro, na comunhão e no amor, sempre a precisar de se dizer,
    de se comunicar e de se celebrar.

          Ao jeito de "petição", de "protesto" e de "voto", que o Domingo não seja
    estragado por actividades que o espartilhem e o transformem em visitas, pas-
    seios e asfixias em catedrais de consumo e de dependências materialistas!...
    Que os apelos às necessárias poupanças ajudem as grandes superfícies e as
    grandes áreas comerciais a poupar-nos a todos a toda a pressão e manipula-
    ção, no sentido da criação de necessidades dispensáveis!...

          Seria um contributo muito importante para a saúde de todos, inclusive
    para a saúde da família, a precisar tanto de encontro, de comunhão e de amor!
    Seria um contributo tão bom para o Natal que deveria ser todos os dias, o que
    acontecerá, sempre que nós quisermos!...

    Para todos, desde já, um Santo e Feliz Natal!...


                                                       Viseu, 14 de Dezembro de 2010
                                                           Ilídio Leandro - vosso irmão




4
EPIFANIA DO SENHOR
                             (2 de Janeiro de 2011)
LEITURA I Is 60, 1-6

                   «Brilha sobre ti a glória do Senhor»

Leitura do Livro de Isaías
Levanta-te e resplandece, Jerusalém, porque chegou a tua luz e brilha sobre
ti a glória do Senhor. Vê como a noite cobre a terra, e a escuridão os povos.
Mas sobre ti levanta-Se o Senhor, e a sua glória te ilumina.
As nações caminharão à tua luz, e os reis ao esplendor da tua aurora. Olha ao
redor e vê: todos se reúnem e vêm ao teu encontro; os teus filhos vão chegar
de longe, e as tuas filhas são trazidas nos braços. Quando o vires ficarás
radiante, palpitará e dilatar-se-á o teu coração, pois a ti afluirão os tesouros
do mar, a ti virão ter as riquezas das nações. Invadir-te-á uma multidão de
camelos, de dromedários de Madiã e Efá. Virão todos os de Sabá, trazendo
ouro e incenso e proclamando as glórias do Senhor.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL 71 (72), 2.7-8.10-11.12-13 (R. cf. 11)
Refrão: Virão adorar-Vos, Senhor,
        todos os povos da terra.

Ó Deus, concedei ao rei o poder de julgar
e a vossa justiça ao filho do rei.
Ele governará o vosso povo com justiça
e os vossos pobres com equidade.

Florescerá a justiça nos seus dias
e uma grande paz até ao fim dos tempos.
Ele dominará de um ao outro mar,
do grande rio até aos confins da terra.

Os reis de Társis e das ilhas virão com presentes,
os reis da Arábia e de Sabá trarão suas ofertas.
Prostrar-se-ão diante dele todos os reis,
todos os povos o hão-de servir.

Socorrerá o pobre que pede auxílio
e o miserável que não tem amparo.
Terá compaixão dos fracos e dos pobres
e defenderá a vida dos oprimidos.




                                              5
LEITURA II Ef 3, 2-3a.5-6

              Os gentios recebem a mesma herança prometida

    Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios
    Irmãos:
    Certamente já ouvistes falar da graça que Deus me confiou a vosso
    favor: por uma revelação, foi-me dado a conhecer o mistério de Cristo.
    Nas gerações passadas, ele não foi dado a conhecer aos filhos dos
    homens como agora foi revelado pelo Espírito Santo aos seus santos
    apóstolos e profetas: os gentios recebem a mesma herança que os
    judeus, pertencem ao mesmo corpo e participam da mesma promessa,
    em Cristo Jesus, por meio do Evangelho.
    Palavra do Senhor.


    ALELUIA Mt 2, 2
    Refrão: Aleluia. Repete-se
    Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorar o Senhor. Refrão

    EVANGELHO Mt 2, 1-12
                     «Viemos do Oriente adorar o Rei»
     Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
    Tinha Jesus nascido em Belém da Judeia, nos dias do rei Herodes,
    quando chegaram a Jerusalém uns Magos vindos do Oriente. «Onde
    está – perguntaram eles – o rei dos judeus que acaba de nascer? Nós
    vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-l’O». Ao ouvir tal notícia,
    o rei Herodes ficou perturbado e, com ele, toda a cidade de Jerusalém.
    Reuniu todos os príncipes dos sacerdotes e escribas do povo e pergun-
    tou-lhes onde devia nascer o Messias. Eles responderam: «Em Belém
    da Judeia, porque assim está escrito pelo Profeta: ‘Tu, Belém, terra de
    Judá, não és de modo nenhum a menor entre as principais cidades de
    Judá, pois de ti sairá um chefe, que será o Pastor de Israel, meu
    povo’». Então Herodes mandou chamar secretamente os Magos e pedi-
    lhes informações precisas sobre o tempo em que lhes tinha aparecido a
    estrela. Depois enviou-os a Belém e disse-lhes: «Ide informar-vos cui-
    dadosamente acerca do Menino; e, quando O encontrardes, avisai me,
    para que também eu vá adorá-lO». Ouvido o rei, puseram-se a cami-
    nho. E eis que a estrela que tinham visto no Oriente seguia à sua frente
    e parou sobre o lugar onde estava o Menino. Ao ver a estrela, sentiram




6
os seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes: ouro, incenso e mirra. E, avi-
sados em sonhos para não voltarem à presença de Herodes, regressaram
à sua terra por outro caminho.
Palavra da salvação.

                        BAPTISMO DO SENHOR
                           (9 de Janeiro de 2011)

LEITURA I Is 42, 1-4.6-7

                «Eis o meu servo, enlevo da minha alma»
Leitura do Livro de Isaías
Diz o Senhor:
«Eis o meu servo, a quem Eu protejo, o meu eleito, enlevo da minha alma.
Sobre ele fiz repousar o meu espírito, para que leve a justiça às nações.
Não gritará, nem levantará a voz, nem se fará ouvir nas praças; não que-
brará a cana fendida, nem apagará a torcida que ainda fumega: proclama-
rá fielmente a justiça. Não desfalecerá nem desistirá, enquanto não esta-
belecer a justiça na terra, a doutrina que as ilhas longínquas esperam. Fui
Eu, o Senhor, que te chamei segundo a justiça; tomei-te pela mão, formei-
te e fiz de ti a aliança do povo e a luz das nações, para abrires os olhos
aos cegos, tirares do cárcere os prisioneiros e da prisão os que habitam
nas trevas».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL 28 (29), 1a.2.3ac-4.3b.9b-10 (R. 11b)
Refrão: O Senhor abençoará o seu povo na paz.

Tributai ao Senhor, filhos de Deus,
tributai ao Senhor glória e poder.
Tributai ao Senhor a glória do seu nome,
adorai o Senhor com ornamentos sagrados.

A voz do Senhor ressoa sobre as nuvens,
o Senhor está sobre a vastidão das águas.
A voz do Senhor é poderosa,
a voz do Senhor é majestosa.

A majestade de Deus faz ecoar o seu trovão,
e no seu templo todos clamam: Glória!
Sobre as águas do dilúvio senta-Se o Senhor,
o Senhor senta-Se como rei eterno.




                                              7
LEITURA II Actos 10, 34-38

                    «Deus ungiu-O com o Espírito Santo»
    Leitura dos Actos dos Apóstolos
    Naqueles dias, Pedro tomou a palavra e disse: «Na verdade, eu reconheço
    que Deus não faz acepção de pessoas, mas, em qualquer nação, aquele que
    O teme e pratica a justiça é-Lhe agradável. Ele enviou a sua palavra aos
    filhos de Israel, anunciando a paz por Jesus Cristo, que é o Senhor de
    todos. Vós sabeis o que aconteceu em toda a Judeia, a começar pela Gali-
    leia, depois do baptismo que João pregou: Deus ungiu com a força do Esp
    rito Santo a Jesus de Nazaré, que passou fazendo o bem e curando todos os
    que eram oprimidos pelo Demónio, porque Deus estava com Ele».
    Palavra do Senhor.



    ALELUIA cf. Mc 9, 6
    Refrão: Aleluia. Repete-se
     Abriram-se os céus e ouviu-se a voz do Pai:
    «Este é o meu Filho muito amado: escutai-O». Refrão


    EVANGELHO Mt 3, 13-17
    «Depois de ter sido baptizado, Jesus viu o Espírito de Deus descer sobre Si»
       Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
    Naquele tempo, Jesus chegou da Galileia e veio ter com João Baptista ao
    Jordão, para ser baptizado por ele. Mas João opunha-se, dizendo: «Eu é que
    preciso de ser baptizado por Ti, e Tu vens ter comigo?». Jesus respondeu-
    lhe: «Deixa por agora; convém que assim cumpramos toda a justiça». João
    deixou então que Ele Se aproximasse. Logo que Jesus foi baptizado, saiu da
    água. Então, abriram-se os céus e Jesus viu o Espírito de Deus descer como
    uma pomba e pousar sobre Ele. E uma voz vinda do Céu dizia: «Este é o
    meu Filho muito amado, no qual pus toda a minha complacência».
    Palavra da salvação.




8
DOMINGO II (TEMPO COMUM)
                          (16 de Janeiro de 2011)

LEITURA I Is 49, 3.5-6

 «Farei de ti a luz das nações, para que sejas a minha salvação»
Leitura do Livro de Isaías
Disse-me o Senhor: «Tu és o meu servo, Israel, por quem manifestarei a
minha glória». E agora o Senhor falou-me, Ele que me formou desde o
seio materno, para fazer de mim o seu servo, a fim de Lhe reconduzir
Jacob e reunir Israel junto d’Ele. Eu tenho merecimento aos olhos do
Senhor, e Deus é a minha força. Ele disse-me então: «Não basta que
sejas meu servo, para restaurares as tribos de Jacob e reconduzires os
sobreviventes de Israel. Vou fazer de ti a luz das nações, para que a
minha salvação chegue até aos confins da terra».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL 39 (40), 2 e 4ab.7-8a.8b-9.10-11ab (R. 8a e 9a)
Refrão: Eu venho, Senhor,
        para fazer a vossa vontade.


Esperei no Senhor com toda a confiança,
e Ele atendeu-me.
Pôs em meus lábios um cântico novo,
um hino de louvor ao nosso Deus.

Não Vos agradaram sacrifícios nem oblações,
mas abristes-me os ouvidos;
não pedistes holocaustos nem expiações,
então clamei: «Aqui estou».

«De mim está escrito no livro da Lei
que faça a vossa vontade.
Assim o quero, ó meu Deus,
a vossa lei está no meu coração».

Proclamei a justiça na grande assembleia,
não fechei os meus lábios, Senhor, bem o sabeis.
Não escondi a vossa justiça no fundo do coração,
proclamei a vossa fidelidade e salvação.




                                              9
LEITURA II 1 Cor l, 1-3
     «A graça e a paz de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo estejam convosco»

     Início da primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
     Irmãos:
     Paulo, por vontade de Deus escolhido para Apóstolo de Cristo Jesus, e o
     irmão Sóstenes, à Igreja de Deus que está em Corinto, aos que foram san-
     tificados em Cristo Jesus, chamados à santidade, com todos os que invo-
     cam, em qualquer lugar, o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor
     deles e nosso: A graça e a paz de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo
     estejam convosco.
     Palavra do Senhor.



     ALELUIA Jo 1, 14a.12a

     Refrão: Aleluia. Repete-se
     O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós.
     Àqueles que O receberam deu-lhes o poder de se tornarem filhos
     de Deus. Refrão


     EVANGELHO Jo 1, 29-34

            «Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo»
         Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
     Naquele tempo, João Baptista viu Jesus, que vinha ao seu encontro, e
     exclamou: «Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. É d’Ele
     que eu dizia: ‘Depois de mim vem um homem, que passou à minha frente,
     porque era antes de mim’. Eu não O conhecia, mas foi para Ele Se mani-
     festar a Israel que eu vim baptizar na água». João deu mais este testemu-
     nho: «Eu vi o Espírito Santo descer do Céu como uma pomba e permane-
     cer sobre Ele. Eu não O conhecia, mas quem me enviou a baptizar na água
     é que me disse: ‘Aquele sobre quem vires o Espírito Santo descer e perma-
     necer é que baptiza no Espírito Santo’. Ora, eu vi e dou testemunho de
     que Ele é o Filho de Deus».
     Palavra da salvação.




10
DOMINGO III (TEMPO COMUM)
                       (23 de Janeiro de 2011)
LEITURA I Is 8, 23b – 9, 3 (9, 1-4)

      Na Galileia dos gentios o povo viu uma grande luz
Leitura do Livro de Isaías
Assim como no tempo passado foi humilhada a terra de Zabulão e de
Neftali, também no futuro será coberto de glória o caminho do mar, o
Além do Jordão, a Galileia dos gentios. O povo que andava nas tre-
vas viu uma grande luz; para aqueles que habitavam nas sombras da
morte uma luz se levantou. Multiplicastes a sua alegria, aumentastes
o seu contentamento. Rejubilam na vossa presença, como os que se
alegram no tempo da colheita, como exultam os que repartem de
pojos. Vós quebrastes, como no dia de Madiã, o jugo que pesava
sobre o povo, o madeiro que ele tinha sobre os ombros e o bastão do
opressor.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL 26 (27), 1.4.13-14 (R. 1a)
Refrão: O Senhor é minha luz e salvação.
Ou: O Senhor me ilumina e me salva.

O Senhor é minha luz e salvação:
a quem hei-de temer?
O Senhor é protector da minha vida:
de quem hei-de ter medo?

Uma coisa peço ao Senhor, por ela anseio:
habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida,
para gozar da suavidade do Senhor
e visitar o seu santuário.

Espero vir a contemplar a bondade do Senhor
na terra dos vivos.
Confia no Senhor, sê forte.
Tem coragem e confia no Senhor.




                                             11
LEITURA II 1 Cor 1, 10-13.17

               «Falai todos a mesma linguagem e não haja divisões»
     Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios

     Irmãos:
     Rogo-vos, pelo nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos a mes-
     ma linguagem e que não haja divisões entre vós, permanecendo bem uni-
     dos, no mesmo pensar e no mesmo agir. Eu soube, meus irmãos, pela gen-
     te de Cloé, que há divisões entre vós, que há entre vós quem diga: «Eu sou
     de Paulo», «eu de Apolo», «eu de Pedro», «eu de Cristo». Estará Cristo divi-
     dido? Porventura Paulo foi crucificado por vós? Foi em nome de Paulo que
     recebestes o Baptismo? Na verdade, Cristo não me enviou para baptizar, ma
     para anunciar o Evangelho; não, porém, com sabedoria de palavras, a fim
     de não desvirtuar a cruz de Cristo.
     Palavra do Senhor.



     ALELUIA Cf. Mt 4, 23

     Refrão: Aleluia. Repete-se
     Jesus proclamava o Evangelho do reino
     e curava todas as doenças entre o povo. Refrão



     EVANGELHO Forma breve Mt 4, 12-17

      «Foi para Cafarnaum, a fim de se cumprir o que anunciara o profeta Isaías»
         Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
     Quando Jesus ouviu dizer que João Baptista fora preso, retirou-Se para a
     Galileia. Deixou Nazaré e foi habitar em Cafarnaum, terra à beira-mar, no
     território de Zabulão e Neftali. Assim se cumpria o que o profeta Isaías
     anunciara, ao dizer: «Terra de Zabulão e terra de Neftali, caminho do mar,
     além do Jordão, Galileia dos gentios: o povo que vivia nas trevas viu uma
     grande luz; para aqueles que habitavam na sombria região da morte uma
     luz se levantou». Desde então, Jesus começou a pregar: «Arrependei-vos,
     porque está próximo o reino dos Céus».
     Palavra da salvação.




12
DOMINGO IV (TEMPO COMUM)
                        (30 de Janeiro de 2011)

LEITURA I Sof 2, 3; 3, 12-13

   «Deixarei ficar no meio de ti um povo pobre e humilde»
Leitura da Profecia de Sofonias
Procurai o Senhor, vós todos os humildes da terra, que obedeceis aos
seus mandamentos. Procurai a justiça, procurai a humildade; talvez
encontreis protecção no dia da ira do Senhor. Só deixarei ficar no
meio de ti um povo pobre e humilde, que buscará refúgio no nome do
Senhor. O resto de Israel não voltará a cometer injustiças, não torna-
rá a dizer mentiras, nem mais se encontrará na sua boca uma língua
enganadora. Por isso, terão pastagem e repouso, sem ninguém que
os perturbe.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL 145(146),7.8-9a.9bc-10(R.Mt5,3ou Aleluia)

Refrão: Bem-aventurados os pobres em espírito,
        porque deles é o reino dos Céus.

Ou: Aleluia.
O Senhor faz justiça aos oprimidos,
dá pão aos que têm fome
e a liberdade aos cativos.

O Senhor ilumina os olhos dos cegos,
o Senhor levanta os abatidos,
o Senhor ama os justos.

O Senhor protege os peregrinos,
ampara o órfão e a viúva
e entrava o caminho aos pecadores.

O Senhor reina eternamente.
O teu Deus, ó Sião,
é rei por todas as gerações.




                                              13
LEITURA II 1 Cor 1, 26-31

                 «Deus escolheu o que é fraco aos olhos do mundo»
     Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
     Irmãos:
     Vede quem sois vós, os que Deus chamou: não há muitos sábios, naturalmente
     falando, nem muitos influentes, nem muitos bem-nascidos. Mas Deus escolheu o
     que é louco aos olhos do mundo, para confundir os sábios; escolheu o que é fra-
     co, para confundir o forte; escolheu o que é vil e desprezível, o que nada vale aos
     olhos do mundo, para reduzir a nada aquilo que vale, a fim de que nenhuma cria-
     tura se possa gloriar diante de Deus. É por Ele que vós estais em Cristo Jesus, o
     qual Se tornou para nós sabedoria de Deus, justiça, santidade e redenção. Deste
     modo, conforme está escrito, «quem se gloria deve gloriar-se no Senhor».
     Palavra do Senhor.


     ALELUIA Mt 5, 12a
     Refrão: Aleluia. Repete-se
     Alegrai-vos e exultai,
     porque é grande nos Céus a vossa recompensa. Refrão


     EVANGELHO Mt 5, 1-12a

                      «Bem-aventurados os pobres em espírito»
           Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
     Naquele tempo, ao ver as multidões, Jesus subiu ao monte e sentou-Se. Rodea-
     ram-n’O os discípulos, e Ele começou a ensiná-los, dizendo: «Bem aventurados
     os pobres em espírito, porque deles é o reino dos Céus. Bem aventurados os
     humildes, porque possuirão a terra. Bem-aventurados os que choram, porque
     serão consolados. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque
     serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão miseri-
     córdia. Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. Bem-
     aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus.
     Bem-aventurados os que sofrem perseguição por amor da justiça, porque deles é
     o reino dos Céus. Bem-aventurados sereis, quando, por minha causa, vos insulta-
     rem, vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós. Alegrai-vos e
     exultai, porque é grande nos Céus a vossa recompensa».
     Palavra da salvação.




14
Os três Reis Magos


      Após o nascimento de Jesus, segundo o Evangelho de São Mateus,
surgem os Reis Magos provenientes do Oriente, que o visitaram em
Belém guiados por uma estrela.


      Esta denominação de «Mago», tem conotação de sapiência entre
os Orientais ou designa ainda astrólogos, deduzindo-se inicialmente
que seriam Astrólogos eruditos. Isto pensa-se por se contar que terão
avistado uma estrela que os terá guiado até onde Jesus nasceu. Terão
chegado até Cristo a 6 de Janeiro, data que actualmente se comemora
o «Dia de Reis».


      O nome de «Reis» fora colocado com base na aplicação liberal do
Salmo 71,10 realizada pela Igreja. Não há informação de quantos seriam
e os seus nomes, existem sim apenas suposições e algumas pinturas dos
primeiros séculos, aparecendo dois, quatro e doze «Magos».


      Após o Evangelho terão sido atribuídos os nomes dos «Reis»; Bal-
tasar, representante da raça africana ; Belchior, representante da raça
europeia e Gaspar que representava a raça asiática, representando
todas as raças conhecidas até à data, simbolizando a homenagem de
todos os Homens da Terra a Jesus.


      Pelo número de prendas deduziu-se quantos seriam, pois oferece-
ram três presentes, ouro (Belchior), incenso (Gaspar) e mirra (Baltasar).
As prendas têm uma simbologia, pois o ouro era somente oferecido a
Reis, perfazendo a sua nobreza; o incenso, representa a divindade e a
mirra, simboliza Jesus como Homem e o sofrimento que iria ter ao longo
da sua vida.


      Sendo países tradicionalmente católicos, Espanha e Itália são os
países que maior importância e simbolismo atribuem a esta tradição.
As crianças espanholas e italianas celebram o Natal como todas as outras
mas têm de esperar pelo dia de Reis, 6 de Janeiro, para receber as tão
desejadas prendas.




                                          15
Ofertas para o restauro do telhado da Igreja Matriz



                       Nome                Localidade    Quantia


     Transporte do mês anterior                              9.640,00€
     António Campos Costa                  Mioma               100,00€
     Daniel Fernandes Gouveia(sacristão)   Mioma                   50,00€
     Manuel Lopes Marinho (2.ªvez)         Mioma                   25,00€
     Maria do Céu Silva Roque              Mioma                   30,00€
     Armando Rodrigues Figueiredo          Meã                 100,00€
     José Rodrigues de Sousa               Lages                   10,00€
     Maria da Conceição R.S.Loureiro       Lages                   25,00€
     Marcelino Fernandes da Fonseca        Lages                   20,00€
                                             ta
     António Figueiredo Oliva              Q. do Monte             20,00€
                                             ta
     António Reis Oliva                    Q. do Monte             20,00€
     João Rodrigues                        Afonsim                 20,00€
     Anónimo (Mioma)                                           300,00€
     Anónimo                                                       50,00€
     Anónimo                                                       40,00€
     Anónimo                                                       20,00€
     Anónimo                                                       10,00€
     Errata:
     No mês de Novembro onde se lê
     Fernando Oliveira Machado,deve
     ler-se Fernando Machado Oliveira




     Total de Dezembro                                         840,00€
     Trasporte para o mês seguinte                         10.480,00 €




16
A Voz do Conselho Económico
          Publicamos nesta edição o relatório de contas, referente ao mês de
                             Novembro de 2010

                 Receita                                     Despesas

          Dia/Evento                                   Evento            Montante

Ofertórios Dominicais             438,57 €    Vencimento do Pároco       600,00 €
Missas Plurintencionais           725,20 €    Evangelização               36,00 €
Casamento                          30,00 €
Funeral                            30,00 €
Azeitona do Adro da Igreja         20,00 €
Catecimos do 2.º Ano               55,00 €
TOTAL                        1.298,77€                                   636,00 €

                                             Saldo (receita - despesa)              662,77 €

Contributos a entregar na Diocese:
•    Missas Plurintencionais :                    362,60 €
•    Para os Seminários                            80,52 €

Total a entregar :                                443,12 €

SALDO REAL =           219,12 €




                                  BANCO ALIMENTAR

A campanha de recolha de alimentos levada a cabo pelo Banco Alimen-
tar Contra a Fome, de Viseu, nos dias 27 e 28 de Novembro, rendeu
110 toneladas de alimentos.

       A recolha foi realizada na quase totalidade dos concelhos do Distrito e
representa um acréscimo de 43%, em relação à campanha anterior.
       Os alimentos provenientes desta campanha irão ser entregues a mais de
60 instituições apoiadas pelo Banco Alimentar de Viseu. Mensalmente, os géne-
ros alimentares são-lhes enviados e, em forma de refeições confeccionadas, ou
em forma de cabazes, estas instituições fazem-nos chegar a 4.000 beneficiá-
rios carenciados.
       Em 28 e 29 de Maio de 2011, o Banco Alimentar Contra a Fome fará
nova recolha de alimentos, contando sempre com a generosidade daqueles que
gostam de ajudar, repartindo com quem tem mais necessidades. E o alimento
é necessidade básica.




                                                        17
Bolo Rei

     Ingredientes:

     •   750 g de farinha
     •   30 g de fermento de padeiro
     •   150 g de margarina
     •   150 g de açúcar
     •   150 g de frutas cristalizadas
     •   150 g de frutos secas
     •   4 ovos
     •   raspa de 1 limão
     •   raspa de 1 laranja
     •   1 decilitro de vinho do Porto
     •   1 colher de sobremesa de sal
     •   1 brinde
     •   1 fava

     Confecção:

     Pique as frutas e deixe-as a macerar com o vinho do Porto (deixe algumas
     inteiras para enfeitar). Dissolva o fermento de padeiro em 1 decilitro de água
     morna, junte a 1 chávena de farinha e deixe a levedar em ambiente temperado
     durante 15 minutos. Entretanto bata a margarina, o açúcar, e as raspas de
     limão e laranja, junte os ovos (batendo um a um), e a massa de fermento.
     Quando tudo estiver bem ligado adicione o resto da farinha e o sal. Amasse até
     ficar elástica e macia e misture as frutas. Molde a massa numa bola, polvilhe
     com farinha e tape a massa com um pano, deixando levedar num ambiente
     temperado durante 5 horas. Depois da massa dobrar o volume, ponha sobre
     um tabuleiro e faça-lhe um buraco no meio. Introduza o brinde (embrulhado
     em papel vegetal) e a fava, e deixe levedar mais uma hora. Pincele o bolo com
     gema de ovo, enfeite com frutas cristalizadas inteiras, torrões de açúcar,
     pinhões, meias-nozes, etc, e leve a cozer em forno bem quente. Depois de
     cozido, pincele o bolo-rei com geleia diluída num pouco de água quente.


     Nota: O próximo a fazer o bolo-rei (ou a comprar), é o que tiver a fava na
     fatia.




18
SUDOKU




       JOGO DAS DIFERÊNÇAS
(Descobre as 9 diferenças entre as imagens)




                         19
2011
     = Lua cheia   = Lua nova    = Quarto crescente   = Quarto Minguante




            Por favor guarde a nossa voz, pode ser-lhe útil no futuro.
                                               Com a colaboração do JES




                                                jesmioma@hotmail.com




20

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Novena de Natal - Missionária
Novena de Natal - MissionáriaNovena de Natal - Missionária
Novena de Natal - Missionária
Bernadetecebs .
 
Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC
Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJCCampanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC
Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC
Bernadetecebs .
 
Informativo "Lá Vem o Trem das CEBs..."
Informativo "Lá Vem o Trem das CEBs..."Informativo "Lá Vem o Trem das CEBs..."
Informativo "Lá Vem o Trem das CEBs..."
Bernadetecebs .
 
Novena De Natal 2009
Novena De Natal 2009Novena De Natal 2009
Novena De Natal 2009
guestab52b4
 
Oração da manhã setor 14 das CEBs 23 julho 2014
Oração da manhã setor 14 das CEBs   23 julho 2014Oração da manhã setor 14 das CEBs   23 julho 2014
Oração da manhã setor 14 das CEBs 23 julho 2014
Bernadetecebs .
 
Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010
Bernadetecebs .
 
A metodologia das Missões na Paróquia Coração de Jesus
A metodologia das Missões na Paróquia Coração de JesusA metodologia das Missões na Paróquia Coração de Jesus
A metodologia das Missões na Paróquia Coração de Jesus
Bernadetecebs .
 
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPNovena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Bernadetecebs .
 
Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021
Bernadetecebs .
 
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Bernadetecebs .
 
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCOEXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
Bernadetecebs .
 
Novena Natal PJMP_2015
Novena Natal PJMP_2015Novena Natal PJMP_2015
Novena Natal PJMP_2015
Bernadetecebs .
 
Oração da manhã - Santas Missões Populares
Oração da manhã - Santas Missões PopularesOração da manhã - Santas Missões Populares
Oração da manhã - Santas Missões Populares
Bernadetecebs .
 
Roteiro de oração para Santas Missões Populares - Novena Missionária
Roteiro de oração para Santas Missões Populares - Novena MissionáriaRoteiro de oração para Santas Missões Populares - Novena Missionária
Roteiro de oração para Santas Missões Populares - Novena Missionária
Bernadetecebs .
 
Ano da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
Ano da Fé - Arquidiocese de FlorianópolisAno da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
Ano da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
Bernadetecebs .
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2014
Voz da Paróquia - Janeiro 2014Voz da Paróquia - Janeiro 2014
Voz da Paróquia - Janeiro 2014
jesmioma
 
Oração das missões nº 21 setor 7 das CEBs - 4 fevereiro 2015
Oração das missões  nº 21 setor 7 das CEBs - 4 fevereiro 2015Oração das missões  nº 21 setor 7 das CEBs - 4 fevereiro 2015
Oração das missões nº 21 setor 7 das CEBs - 4 fevereiro 2015
Bernadetecebs .
 
Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de Vitória
Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de VitóriaNovena de Natal 2013 - Arquidiocese de Vitória
Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de Vitória
Bernadetecebs .
 
Roteiro homilético do natal missa da noite 251212
Roteiro homilético do natal missa da noite 251212Roteiro homilético do natal missa da noite 251212
Roteiro homilético do natal missa da noite 251212
José Luiz Silva Pinto
 
Culto dia internacional mulher web
Culto dia internacional mulher webCulto dia internacional mulher web
Culto dia internacional mulher web
Paulo Dias Nogueira
 

Mais procurados (20)

Novena de Natal - Missionária
Novena de Natal - MissionáriaNovena de Natal - Missionária
Novena de Natal - Missionária
 
Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC
Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJCCampanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC
Campanha da Fraternidade 2014 - Livreto das CEBs diocese de SJC
 
Informativo "Lá Vem o Trem das CEBs..."
Informativo "Lá Vem o Trem das CEBs..."Informativo "Lá Vem o Trem das CEBs..."
Informativo "Lá Vem o Trem das CEBs..."
 
Novena De Natal 2009
Novena De Natal 2009Novena De Natal 2009
Novena De Natal 2009
 
Oração da manhã setor 14 das CEBs 23 julho 2014
Oração da manhã setor 14 das CEBs   23 julho 2014Oração da manhã setor 14 das CEBs   23 julho 2014
Oração da manhã setor 14 das CEBs 23 julho 2014
 
Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010
 
A metodologia das Missões na Paróquia Coração de Jesus
A metodologia das Missões na Paróquia Coração de JesusA metodologia das Missões na Paróquia Coração de Jesus
A metodologia das Missões na Paróquia Coração de Jesus
 
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPNovena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
 
Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021
 
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
 
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCOEXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
 
Novena Natal PJMP_2015
Novena Natal PJMP_2015Novena Natal PJMP_2015
Novena Natal PJMP_2015
 
Oração da manhã - Santas Missões Populares
Oração da manhã - Santas Missões PopularesOração da manhã - Santas Missões Populares
Oração da manhã - Santas Missões Populares
 
Roteiro de oração para Santas Missões Populares - Novena Missionária
Roteiro de oração para Santas Missões Populares - Novena MissionáriaRoteiro de oração para Santas Missões Populares - Novena Missionária
Roteiro de oração para Santas Missões Populares - Novena Missionária
 
Ano da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
Ano da Fé - Arquidiocese de FlorianópolisAno da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
Ano da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2014
Voz da Paróquia - Janeiro 2014Voz da Paróquia - Janeiro 2014
Voz da Paróquia - Janeiro 2014
 
Oração das missões nº 21 setor 7 das CEBs - 4 fevereiro 2015
Oração das missões  nº 21 setor 7 das CEBs - 4 fevereiro 2015Oração das missões  nº 21 setor 7 das CEBs - 4 fevereiro 2015
Oração das missões nº 21 setor 7 das CEBs - 4 fevereiro 2015
 
Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de Vitória
Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de VitóriaNovena de Natal 2013 - Arquidiocese de Vitória
Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de Vitória
 
Roteiro homilético do natal missa da noite 251212
Roteiro homilético do natal missa da noite 251212Roteiro homilético do natal missa da noite 251212
Roteiro homilético do natal missa da noite 251212
 
Culto dia internacional mulher web
Culto dia internacional mulher webCulto dia internacional mulher web
Culto dia internacional mulher web
 

Destaque

Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
luluziernaga123
 
Projeto cultural para noemia divulgar em 10 municipios
Projeto cultural  para noemia divulgar em  10 municipiosProjeto cultural  para noemia divulgar em  10 municipios
Projeto cultural para noemia divulgar em 10 municipios
Claudio Bento
 
Políticas publicas
Políticas publicasPolíticas publicas
Políticas publicas
yas_180794
 
Cómo hacerse un blog
Cómo hacerse un blogCómo hacerse un blog
Cómo hacerse un blog
OlgaAlonsoL13
 
Meu álbum de família 1
Meu álbum de família 1Meu álbum de família 1
Meu álbum de família 1
MariaCeciliaMello
 
Livroreceitasmariscos
LivroreceitasmariscosLivroreceitasmariscos
Livroreceitasmariscos
CarlosAfonso1970
 
340412
340412340412
Segunda tela
Segunda telaSegunda tela
Segunda tela
Venelouis Polar
 
Innovación Tecnológica
Innovación Tecnológica Innovación Tecnológica
Innovación Tecnológica
saraim472
 
S.o. windows
S.o. windowsS.o. windows
S.o. windows
Ram Iro
 
Pabon johana 1 adea presencial duirno
Pabon johana 1 adea presencial duirnoPabon johana 1 adea presencial duirno
Pabon johana 1 adea presencial duirno
johana pabon
 
Sistema operativo mac
Sistema operativo macSistema operativo mac
Sistema operativo mac
flaka_195
 
Casseta popular_entrevista_mussum Outubro de 1991
Casseta popular_entrevista_mussum Outubro de 1991Casseta popular_entrevista_mussum Outubro de 1991
Casseta popular_entrevista_mussum Outubro de 1991titobpc
 
TEC 2011 08 - Influência da cor ou raça na vida das pessoas de acordo com a P...
TEC 2011 08 - Influência da cor ou raça na vida das pessoas de acordo com a P...TEC 2011 08 - Influência da cor ou raça na vida das pessoas de acordo com a P...
TEC 2011 08 - Influência da cor ou raça na vida das pessoas de acordo com a P...
LAESER IE/UFRJ
 
Acrostico
AcrosticoAcrostico
Acrostico
carmosilva74
 
movimento e luz
movimento e luzmovimento e luz
movimento e luz
Joao Ramos
 
Espíritos Elementais
Espíritos ElementaisEspíritos Elementais
Espíritos Elementais
Eduardo Henrique Marçal
 
Parece difícil e é mesmo: sobre a dificuldade de falar sobre o trabalho docen...
Parece difícil e é mesmo: sobre a dificuldade de falar sobre o trabalho docen...Parece difícil e é mesmo: sobre a dificuldade de falar sobre o trabalho docen...
Parece difícil e é mesmo: sobre a dificuldade de falar sobre o trabalho docen...
Formação Cooperativa
 
Tdt(televisão digital terrestre) daniel fabio
Tdt(televisão digital terrestre) daniel fabioTdt(televisão digital terrestre) daniel fabio
Tdt(televisão digital terrestre) daniel fabio
fabiodaniel_fa
 
Talento solidario colaboraciones empresas
Talento solidario colaboraciones empresasTalento solidario colaboraciones empresas
Talento solidario colaboraciones empresas
talentosolidario
 

Destaque (20)

Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
 
Projeto cultural para noemia divulgar em 10 municipios
Projeto cultural  para noemia divulgar em  10 municipiosProjeto cultural  para noemia divulgar em  10 municipios
Projeto cultural para noemia divulgar em 10 municipios
 
Políticas publicas
Políticas publicasPolíticas publicas
Políticas publicas
 
Cómo hacerse un blog
Cómo hacerse un blogCómo hacerse un blog
Cómo hacerse un blog
 
Meu álbum de família 1
Meu álbum de família 1Meu álbum de família 1
Meu álbum de família 1
 
Livroreceitasmariscos
LivroreceitasmariscosLivroreceitasmariscos
Livroreceitasmariscos
 
340412
340412340412
340412
 
Segunda tela
Segunda telaSegunda tela
Segunda tela
 
Innovación Tecnológica
Innovación Tecnológica Innovación Tecnológica
Innovación Tecnológica
 
S.o. windows
S.o. windowsS.o. windows
S.o. windows
 
Pabon johana 1 adea presencial duirno
Pabon johana 1 adea presencial duirnoPabon johana 1 adea presencial duirno
Pabon johana 1 adea presencial duirno
 
Sistema operativo mac
Sistema operativo macSistema operativo mac
Sistema operativo mac
 
Casseta popular_entrevista_mussum Outubro de 1991
Casseta popular_entrevista_mussum Outubro de 1991Casseta popular_entrevista_mussum Outubro de 1991
Casseta popular_entrevista_mussum Outubro de 1991
 
TEC 2011 08 - Influência da cor ou raça na vida das pessoas de acordo com a P...
TEC 2011 08 - Influência da cor ou raça na vida das pessoas de acordo com a P...TEC 2011 08 - Influência da cor ou raça na vida das pessoas de acordo com a P...
TEC 2011 08 - Influência da cor ou raça na vida das pessoas de acordo com a P...
 
Acrostico
AcrosticoAcrostico
Acrostico
 
movimento e luz
movimento e luzmovimento e luz
movimento e luz
 
Espíritos Elementais
Espíritos ElementaisEspíritos Elementais
Espíritos Elementais
 
Parece difícil e é mesmo: sobre a dificuldade de falar sobre o trabalho docen...
Parece difícil e é mesmo: sobre a dificuldade de falar sobre o trabalho docen...Parece difícil e é mesmo: sobre a dificuldade de falar sobre o trabalho docen...
Parece difícil e é mesmo: sobre a dificuldade de falar sobre o trabalho docen...
 
Tdt(televisão digital terrestre) daniel fabio
Tdt(televisão digital terrestre) daniel fabioTdt(televisão digital terrestre) daniel fabio
Tdt(televisão digital terrestre) daniel fabio
 
Talento solidario colaboraciones empresas
Talento solidario colaboraciones empresasTalento solidario colaboraciones empresas
Talento solidario colaboraciones empresas
 

Semelhante a Voz da Paróquia - Janeiro 2011

Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
jesmioma
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2013
Voz da Paróquia - Janeiro 2013Voz da Paróquia - Janeiro 2013
Voz da Paróquia - Janeiro 2013
jesmioma
 
Jornal Balada da União
Jornal Balada da UniãoJornal Balada da União
Jornal Balada da União
Lili Nabais
 
Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013
jesmioma
 
425
425425
Voz da Paróquia - Dezembro 2010
Voz da Paróquia - Dezembro 2010Voz da Paróquia - Dezembro 2010
Voz da Paróquia - Dezembro 2010
jesmioma
 
Voz da Paróquia - Dezembro 2010
Voz da Paróquia - Dezembro 2010Voz da Paróquia - Dezembro 2010
Voz da Paróquia - Dezembro 2010
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Abril 2012
Voz da Paróquia - Abril 2012Voz da Paróquia - Abril 2012
Voz da Paróquia - Abril 2012
jesmioma
 
Voz da Paróquia - Abril 2012
Voz da Paróquia - Abril 2012Voz da Paróquia - Abril 2012
Voz da Paróquia - Abril 2012
Fernando Chapeiro
 
Boletim informativo dezembro 2012
Boletim informativo  dezembro 2012Boletim informativo  dezembro 2012
Boletim informativo dezembro 2012
fespiritacrista
 
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPNovena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Bernadetecebs .
 
Voz da Paróquia - Outubro 2012
Voz da Paróquia - Outubro 2012Voz da Paróquia - Outubro 2012
Voz da Paróquia - Outubro 2012
jesmioma
 
08 01 12
08 01 1208 01 12
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
jesmioma
 
Folha Dominical - 02.12.18 Nº 745
Folha Dominical - 02.12.18 Nº 745Folha Dominical - 02.12.18 Nº 745
Folha Dominical - 02.12.18 Nº 745
Comunidades Vivas
 
Jornal Ágape n°14 - novembro 2011
Jornal Ágape n°14 - novembro 2011Jornal Ágape n°14 - novembro 2011
Jornal Ágape n°14 - novembro 2011
jornalagape
 
Jornal Ágape 14 - novembro 2011
Jornal Ágape 14 - novembro 2011Jornal Ágape 14 - novembro 2011
Jornal Ágape 14 - novembro 2011
jornalagape
 
Cat02
Cat02Cat02

Semelhante a Voz da Paróquia - Janeiro 2011 (20)

Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2013
Voz da Paróquia - Janeiro 2013Voz da Paróquia - Janeiro 2013
Voz da Paróquia - Janeiro 2013
 
Jornal Balada da União
Jornal Balada da UniãoJornal Balada da União
Jornal Balada da União
 
Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013
 
425
425425
425
 
Voz da Paróquia - Dezembro 2010
Voz da Paróquia - Dezembro 2010Voz da Paróquia - Dezembro 2010
Voz da Paróquia - Dezembro 2010
 
Voz da Paróquia - Dezembro 2010
Voz da Paróquia - Dezembro 2010Voz da Paróquia - Dezembro 2010
Voz da Paróquia - Dezembro 2010
 
Voz da Paróquia - Abril 2012
Voz da Paróquia - Abril 2012Voz da Paróquia - Abril 2012
Voz da Paróquia - Abril 2012
 
Voz da Paróquia - Abril 2012
Voz da Paróquia - Abril 2012Voz da Paróquia - Abril 2012
Voz da Paróquia - Abril 2012
 
Boletim informativo dezembro 2012
Boletim informativo  dezembro 2012Boletim informativo  dezembro 2012
Boletim informativo dezembro 2012
 
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPNovena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
 
Voz da Paróquia - Outubro 2012
Voz da Paróquia - Outubro 2012Voz da Paróquia - Outubro 2012
Voz da Paróquia - Outubro 2012
 
08 01 12
08 01 1208 01 12
08 01 12
 
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
 
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
 
Folha Dominical - 02.12.18 Nº 745
Folha Dominical - 02.12.18 Nº 745Folha Dominical - 02.12.18 Nº 745
Folha Dominical - 02.12.18 Nº 745
 
Jornal Ágape n°14 - novembro 2011
Jornal Ágape n°14 - novembro 2011Jornal Ágape n°14 - novembro 2011
Jornal Ágape n°14 - novembro 2011
 
Jornal Ágape 14 - novembro 2011
Jornal Ágape 14 - novembro 2011Jornal Ágape 14 - novembro 2011
Jornal Ágape 14 - novembro 2011
 
Cat02
Cat02Cat02
Cat02
 

Mais de Fernando Chapeiro

Voz da Paróquia - Junho 2012
Voz da Paróquia - Junho 2012Voz da Paróquia - Junho 2012
Voz da Paróquia - Junho 2012
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Maio 2012
Voz da Paróquia - Maio 2012Voz da Paróquia - Maio 2012
Voz da Paróquia - Maio 2012
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Março 2012
Voz da Paróquia - Março 2012Voz da Paróquia - Março 2012
Voz da Paróquia - Março 2012
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Fevereiro 2012
Voz da Paróquia - Fevereiro 2012Voz da Paróquia - Fevereiro 2012
Voz da Paróquia - Fevereiro 2012
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Novembro 2011
Voz da Paróquia - Novembro 2011Voz da Paróquia - Novembro 2011
Voz da Paróquia - Novembro 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Setembro 2011
Voz da Paróquia - Setembro 2011Voz da Paróquia - Setembro 2011
Voz da Paróquia - Setembro 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Julho 2011
Voz da Paróquia - Julho 2011Voz da Paróquia - Julho 2011
Voz da Paróquia - Julho 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Junho 2011
Voz da Paróquia - Junho 2011Voz da Paróquia - Junho 2011
Voz da Paróquia - Junho 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Maio 2011
Voz da Paróquia - Maio 2011Voz da Paróquia - Maio 2011
Voz da Paróquia - Maio 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Abril 2011
Voz da Paróquia - Abril 2011Voz da Paróquia - Abril 2011
Voz da Paróquia - Abril 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Março 2011
Voz da Paróquia - Março 2011Voz da Paróquia - Março 2011
Voz da Paróquia - Março 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Fevereiro 2011
Voz da Paróquia - Fevereiro 2011Voz da Paróquia - Fevereiro 2011
Voz da Paróquia - Fevereiro 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Fernando Chapeiro
 

Mais de Fernando Chapeiro (16)

Voz da Paróquia - Junho 2012
Voz da Paróquia - Junho 2012Voz da Paróquia - Junho 2012
Voz da Paróquia - Junho 2012
 
Voz da Paróquia - Maio 2012
Voz da Paróquia - Maio 2012Voz da Paróquia - Maio 2012
Voz da Paróquia - Maio 2012
 
Voz da Paróquia - Março 2012
Voz da Paróquia - Março 2012Voz da Paróquia - Março 2012
Voz da Paróquia - Março 2012
 
Voz da Paróquia - Fevereiro 2012
Voz da Paróquia - Fevereiro 2012Voz da Paróquia - Fevereiro 2012
Voz da Paróquia - Fevereiro 2012
 
Voz da Paróquia - Novembro 2011
Voz da Paróquia - Novembro 2011Voz da Paróquia - Novembro 2011
Voz da Paróquia - Novembro 2011
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011
 
Voz da Paróquia - Setembro 2011
Voz da Paróquia - Setembro 2011Voz da Paróquia - Setembro 2011
Voz da Paróquia - Setembro 2011
 
Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011
 
Voz da Paróquia - Julho 2011
Voz da Paróquia - Julho 2011Voz da Paróquia - Julho 2011
Voz da Paróquia - Julho 2011
 
Voz da Paróquia - Junho 2011
Voz da Paróquia - Junho 2011Voz da Paróquia - Junho 2011
Voz da Paróquia - Junho 2011
 
Voz da Paróquia - Maio 2011
Voz da Paróquia - Maio 2011Voz da Paróquia - Maio 2011
Voz da Paróquia - Maio 2011
 
Voz da Paróquia - Abril 2011
Voz da Paróquia - Abril 2011Voz da Paróquia - Abril 2011
Voz da Paróquia - Abril 2011
 
Voz da Paróquia - Março 2011
Voz da Paróquia - Março 2011Voz da Paróquia - Março 2011
Voz da Paróquia - Março 2011
 
Voz da Paróquia - Fevereiro 2011
Voz da Paróquia - Fevereiro 2011Voz da Paróquia - Fevereiro 2011
Voz da Paróquia - Fevereiro 2011
 
Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010
 
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010
 

Último

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
ElijainaVelozoGonalv
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (18)

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 

Voz da Paróquia - Janeiro 2011

  • 1. 41ª Edição, mês de Janeiro de 2011 Mioma
  • 2. INDICE Pág. 3 — Mensagem de Natal; Pág. 4 — Domingo Pág. 5, 6, 7 — Epifania do Senhor Pág. 7, 8 — Baptismo do Senhor; Pág. 9, 10 — II Domingo do Tempo Comum; Pág. 11, 12 — III Domingo do Tempo Comum; Pág. 13, 14 — IV Domingo do Tempo Comum; Pág. 15—Os três Reis Magos; Pág. 16 — Ofertas para o restauro do telhado da Igreja Matriz-Dezembro/2010 Pág. 17 — A Voz do Conselho Económico; Banco Alimentar Pág. 18 — Culinária Pág. 19 — Jogos de passatempos. Agradecemos a todos quantos queiram participar com documentos e/ou testemunhos, que os façam chegar ao J.E.S (Grupo de Jovens Do Espírito Santo de Mioma), da seguinte forma e, prazos, para a edição do mes seguinte: Em mão ou por correio, até dia 15; Para, jesmioma@hotmail.com, até ao dia20. Visite-nos em: 2
  • 3. Mensagem de Natal A Mensagem de Natal do Bispo de Viseu, para o ano 2010, é especial- mente dirigida "àquelas e àqueles que estão a viver tempos difíceis". Transcrevemo-la na íntegra: Neste tempo tão especial, quero dirigir-me a todos os homens e mulheres desta nos- sa Igreja de Viseu, sobretudo àquelas e àqueles que estão a viver tempos difíceis. Quero, na comunhão amiga com todos, declarar-lhes os meus votos de paz, de justiça, de amor e de bem. Igualmente, quero dirigir-me aos homens e mulheres que melhor vivem, pedindo a todos que ajudemos a que o Natal seja a Festa e a Celebração sem fim da alegria, da frater- nidade e da solidariedade para todos. Faço apelo sincero a que ninguém fique indiferente à situação actual. O Natal é desa- fio à mudança pessoal e social. Celebrando o Natal, não podemos esquecer as causas de uma crise com tão graves consequências nem os seus efeitos que fazem sofrer tantas e tantos, de todas as idades e de todas as condições sociais. O atropelo aos valores e aos princípios éticos fundamentais - na política, na economia, nos mercados, nas empresas, na educação, na cultura - cria injustiça, promove individualismo e exclusão social e fomenta corrupção, mentira e inversão de valores. O meu apelo é que vivamos o Natal como o sonho a concretizar, o desafio a aceitar e o projecto a construir, para ajudarmos a realizar a paz e o bem universais. A par da crise, devemos reconhecer que, hoje, se afirmam valores muito nobres, tais como: generosidade, tolerância e globalização positiva e humanizadora em muitos aspectos. Apreciamos também o alargado acesso à educação e à cultura e a maior sensibilidade para a liberdade, direitos e responsabilidades individuais. São bons os sinais de esperança para o melhor serviço a todos. Porém, a nossa sociedade está longe de ser justa e de praticar o bem comum. Este nunca pode esquecer cada pessoa concreta. Pede-se, neste Natal em época de crise tão dura e tão difícil, uma maior correspon- sabilidade de todos e a favor de todos. Todos - individual, social e colectivamente - todos somos chamados a ser sujeitos activos e destinatários da esperança. Esta missão somente será cumprida se tivermos as pessoas no centro da nossa atenção e se elas, a começar pelas mais frágeis e pelas mais pobres, forem as mobilizadoras das nossas energias e das nossas iniciativas. Na nossa Diocese de Viseu estamos a iniciar o Sínodo como uma oportunidade de mudança, de renovação, de reorganização e de formação. A nossa Igreja quer lavar o rosto, quer rever-se em Jesus Cristo e na Sua Boa Nova e quer olhar, de frente e com o coração, o mundo e as pessoas do nosso tempo. Quer ainda, em comunhão com todos - crianças e jovens, homens e mulheres, mais velhos e mais novos, em qualquer situação - acreditar, viver e anunciar Jesus Cristo. Ele é a Fonte da nossa esperança. Todos somos convidados a viver em comunhão para a missão. Para todos, um Santo Natal e um Feliz 2011, cheio de esperança. O vosso irmão e amigo bispo - Ilídio Leandro 3
  • 4. DOMINGO — Paragem, descanso, família Numa segunda Nota do Pastor e a propósito da aproximação do Natal, D. Ilídio lembra a importância do Domingo, como Dia do Senhor para a Família. Aqui a deixamos reproduzida, para proveito dos leitores: Está próximo o Natal. Acontece em ordem e por causa da Páscoa - o Dia e a Hora do Senhor. O Messias vem, como Filho de Deus, tornado Homem em Jesus, para celebrar a Páscoa que se torna Festa da Libertação de todos os homens. O Natal anuncia, prepara e ordena-se para a Páscoa. Cada Domingo é a celebração do Senhor, no Seu Mistério de Natal, de Vida, de Morte, de Ressurreição e de Presença Sacramental - tudo celebrado e vivido na Eucaristia. O Domingo é, assim, o Dia do Senhor e de toda a Sua acção transformadora, em ordem à plenitude e à perfeição. Vive-se o Domingo como uma paragem do normal trabalho e das nor- mais preocupações dos outros dias. Vive-se o Domingo como um necessário descanso, retemperador e regenerador para um recomeço livre e feliz, na coo- preação com o Senhor Deus, Criador e Pai. Vive-se o Domingo como o dia da família, no encontro, na comunhão e no amor, sempre a precisar de se dizer, de se comunicar e de se celebrar. Ao jeito de "petição", de "protesto" e de "voto", que o Domingo não seja estragado por actividades que o espartilhem e o transformem em visitas, pas- seios e asfixias em catedrais de consumo e de dependências materialistas!... Que os apelos às necessárias poupanças ajudem as grandes superfícies e as grandes áreas comerciais a poupar-nos a todos a toda a pressão e manipula- ção, no sentido da criação de necessidades dispensáveis!... Seria um contributo muito importante para a saúde de todos, inclusive para a saúde da família, a precisar tanto de encontro, de comunhão e de amor! Seria um contributo tão bom para o Natal que deveria ser todos os dias, o que acontecerá, sempre que nós quisermos!... Para todos, desde já, um Santo e Feliz Natal!... Viseu, 14 de Dezembro de 2010 Ilídio Leandro - vosso irmão 4
  • 5. EPIFANIA DO SENHOR (2 de Janeiro de 2011) LEITURA I Is 60, 1-6 «Brilha sobre ti a glória do Senhor» Leitura do Livro de Isaías Levanta-te e resplandece, Jerusalém, porque chegou a tua luz e brilha sobre ti a glória do Senhor. Vê como a noite cobre a terra, e a escuridão os povos. Mas sobre ti levanta-Se o Senhor, e a sua glória te ilumina. As nações caminharão à tua luz, e os reis ao esplendor da tua aurora. Olha ao redor e vê: todos se reúnem e vêm ao teu encontro; os teus filhos vão chegar de longe, e as tuas filhas são trazidas nos braços. Quando o vires ficarás radiante, palpitará e dilatar-se-á o teu coração, pois a ti afluirão os tesouros do mar, a ti virão ter as riquezas das nações. Invadir-te-á uma multidão de camelos, de dromedários de Madiã e Efá. Virão todos os de Sabá, trazendo ouro e incenso e proclamando as glórias do Senhor. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL 71 (72), 2.7-8.10-11.12-13 (R. cf. 11) Refrão: Virão adorar-Vos, Senhor, todos os povos da terra. Ó Deus, concedei ao rei o poder de julgar e a vossa justiça ao filho do rei. Ele governará o vosso povo com justiça e os vossos pobres com equidade. Florescerá a justiça nos seus dias e uma grande paz até ao fim dos tempos. Ele dominará de um ao outro mar, do grande rio até aos confins da terra. Os reis de Társis e das ilhas virão com presentes, os reis da Arábia e de Sabá trarão suas ofertas. Prostrar-se-ão diante dele todos os reis, todos os povos o hão-de servir. Socorrerá o pobre que pede auxílio e o miserável que não tem amparo. Terá compaixão dos fracos e dos pobres e defenderá a vida dos oprimidos. 5
  • 6. LEITURA II Ef 3, 2-3a.5-6 Os gentios recebem a mesma herança prometida Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios Irmãos: Certamente já ouvistes falar da graça que Deus me confiou a vosso favor: por uma revelação, foi-me dado a conhecer o mistério de Cristo. Nas gerações passadas, ele não foi dado a conhecer aos filhos dos homens como agora foi revelado pelo Espírito Santo aos seus santos apóstolos e profetas: os gentios recebem a mesma herança que os judeus, pertencem ao mesmo corpo e participam da mesma promessa, em Cristo Jesus, por meio do Evangelho. Palavra do Senhor. ALELUIA Mt 2, 2 Refrão: Aleluia. Repete-se Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorar o Senhor. Refrão EVANGELHO Mt 2, 1-12 «Viemos do Oriente adorar o Rei» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Tinha Jesus nascido em Belém da Judeia, nos dias do rei Herodes, quando chegaram a Jerusalém uns Magos vindos do Oriente. «Onde está – perguntaram eles – o rei dos judeus que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-l’O». Ao ouvir tal notícia, o rei Herodes ficou perturbado e, com ele, toda a cidade de Jerusalém. Reuniu todos os príncipes dos sacerdotes e escribas do povo e pergun- tou-lhes onde devia nascer o Messias. Eles responderam: «Em Belém da Judeia, porque assim está escrito pelo Profeta: ‘Tu, Belém, terra de Judá, não és de modo nenhum a menor entre as principais cidades de Judá, pois de ti sairá um chefe, que será o Pastor de Israel, meu povo’». Então Herodes mandou chamar secretamente os Magos e pedi- lhes informações precisas sobre o tempo em que lhes tinha aparecido a estrela. Depois enviou-os a Belém e disse-lhes: «Ide informar-vos cui- dadosamente acerca do Menino; e, quando O encontrardes, avisai me, para que também eu vá adorá-lO». Ouvido o rei, puseram-se a cami- nho. E eis que a estrela que tinham visto no Oriente seguia à sua frente e parou sobre o lugar onde estava o Menino. Ao ver a estrela, sentiram 6
  • 7. os seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes: ouro, incenso e mirra. E, avi- sados em sonhos para não voltarem à presença de Herodes, regressaram à sua terra por outro caminho. Palavra da salvação. BAPTISMO DO SENHOR (9 de Janeiro de 2011) LEITURA I Is 42, 1-4.6-7 «Eis o meu servo, enlevo da minha alma» Leitura do Livro de Isaías Diz o Senhor: «Eis o meu servo, a quem Eu protejo, o meu eleito, enlevo da minha alma. Sobre ele fiz repousar o meu espírito, para que leve a justiça às nações. Não gritará, nem levantará a voz, nem se fará ouvir nas praças; não que- brará a cana fendida, nem apagará a torcida que ainda fumega: proclama- rá fielmente a justiça. Não desfalecerá nem desistirá, enquanto não esta- belecer a justiça na terra, a doutrina que as ilhas longínquas esperam. Fui Eu, o Senhor, que te chamei segundo a justiça; tomei-te pela mão, formei- te e fiz de ti a aliança do povo e a luz das nações, para abrires os olhos aos cegos, tirares do cárcere os prisioneiros e da prisão os que habitam nas trevas». Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL 28 (29), 1a.2.3ac-4.3b.9b-10 (R. 11b) Refrão: O Senhor abençoará o seu povo na paz. Tributai ao Senhor, filhos de Deus, tributai ao Senhor glória e poder. Tributai ao Senhor a glória do seu nome, adorai o Senhor com ornamentos sagrados. A voz do Senhor ressoa sobre as nuvens, o Senhor está sobre a vastidão das águas. A voz do Senhor é poderosa, a voz do Senhor é majestosa. A majestade de Deus faz ecoar o seu trovão, e no seu templo todos clamam: Glória! Sobre as águas do dilúvio senta-Se o Senhor, o Senhor senta-Se como rei eterno. 7
  • 8. LEITURA II Actos 10, 34-38 «Deus ungiu-O com o Espírito Santo» Leitura dos Actos dos Apóstolos Naqueles dias, Pedro tomou a palavra e disse: «Na verdade, eu reconheço que Deus não faz acepção de pessoas, mas, em qualquer nação, aquele que O teme e pratica a justiça é-Lhe agradável. Ele enviou a sua palavra aos filhos de Israel, anunciando a paz por Jesus Cristo, que é o Senhor de todos. Vós sabeis o que aconteceu em toda a Judeia, a começar pela Gali- leia, depois do baptismo que João pregou: Deus ungiu com a força do Esp rito Santo a Jesus de Nazaré, que passou fazendo o bem e curando todos os que eram oprimidos pelo Demónio, porque Deus estava com Ele». Palavra do Senhor. ALELUIA cf. Mc 9, 6 Refrão: Aleluia. Repete-se Abriram-se os céus e ouviu-se a voz do Pai: «Este é o meu Filho muito amado: escutai-O». Refrão EVANGELHO Mt 3, 13-17 «Depois de ter sido baptizado, Jesus viu o Espírito de Deus descer sobre Si» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, Jesus chegou da Galileia e veio ter com João Baptista ao Jordão, para ser baptizado por ele. Mas João opunha-se, dizendo: «Eu é que preciso de ser baptizado por Ti, e Tu vens ter comigo?». Jesus respondeu- lhe: «Deixa por agora; convém que assim cumpramos toda a justiça». João deixou então que Ele Se aproximasse. Logo que Jesus foi baptizado, saiu da água. Então, abriram-se os céus e Jesus viu o Espírito de Deus descer como uma pomba e pousar sobre Ele. E uma voz vinda do Céu dizia: «Este é o meu Filho muito amado, no qual pus toda a minha complacência». Palavra da salvação. 8
  • 9. DOMINGO II (TEMPO COMUM) (16 de Janeiro de 2011) LEITURA I Is 49, 3.5-6 «Farei de ti a luz das nações, para que sejas a minha salvação» Leitura do Livro de Isaías Disse-me o Senhor: «Tu és o meu servo, Israel, por quem manifestarei a minha glória». E agora o Senhor falou-me, Ele que me formou desde o seio materno, para fazer de mim o seu servo, a fim de Lhe reconduzir Jacob e reunir Israel junto d’Ele. Eu tenho merecimento aos olhos do Senhor, e Deus é a minha força. Ele disse-me então: «Não basta que sejas meu servo, para restaurares as tribos de Jacob e reconduzires os sobreviventes de Israel. Vou fazer de ti a luz das nações, para que a minha salvação chegue até aos confins da terra». Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL 39 (40), 2 e 4ab.7-8a.8b-9.10-11ab (R. 8a e 9a) Refrão: Eu venho, Senhor, para fazer a vossa vontade. Esperei no Senhor com toda a confiança, e Ele atendeu-me. Pôs em meus lábios um cântico novo, um hino de louvor ao nosso Deus. Não Vos agradaram sacrifícios nem oblações, mas abristes-me os ouvidos; não pedistes holocaustos nem expiações, então clamei: «Aqui estou». «De mim está escrito no livro da Lei que faça a vossa vontade. Assim o quero, ó meu Deus, a vossa lei está no meu coração». Proclamei a justiça na grande assembleia, não fechei os meus lábios, Senhor, bem o sabeis. Não escondi a vossa justiça no fundo do coração, proclamei a vossa fidelidade e salvação. 9
  • 10. LEITURA II 1 Cor l, 1-3 «A graça e a paz de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo estejam convosco» Início da primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios Irmãos: Paulo, por vontade de Deus escolhido para Apóstolo de Cristo Jesus, e o irmão Sóstenes, à Igreja de Deus que está em Corinto, aos que foram san- tificados em Cristo Jesus, chamados à santidade, com todos os que invo- cam, em qualquer lugar, o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso: A graça e a paz de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo estejam convosco. Palavra do Senhor. ALELUIA Jo 1, 14a.12a Refrão: Aleluia. Repete-se O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós. Àqueles que O receberam deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus. Refrão EVANGELHO Jo 1, 29-34 «Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Naquele tempo, João Baptista viu Jesus, que vinha ao seu encontro, e exclamou: «Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. É d’Ele que eu dizia: ‘Depois de mim vem um homem, que passou à minha frente, porque era antes de mim’. Eu não O conhecia, mas foi para Ele Se mani- festar a Israel que eu vim baptizar na água». João deu mais este testemu- nho: «Eu vi o Espírito Santo descer do Céu como uma pomba e permane- cer sobre Ele. Eu não O conhecia, mas quem me enviou a baptizar na água é que me disse: ‘Aquele sobre quem vires o Espírito Santo descer e perma- necer é que baptiza no Espírito Santo’. Ora, eu vi e dou testemunho de que Ele é o Filho de Deus». Palavra da salvação. 10
  • 11. DOMINGO III (TEMPO COMUM) (23 de Janeiro de 2011) LEITURA I Is 8, 23b – 9, 3 (9, 1-4) Na Galileia dos gentios o povo viu uma grande luz Leitura do Livro de Isaías Assim como no tempo passado foi humilhada a terra de Zabulão e de Neftali, também no futuro será coberto de glória o caminho do mar, o Além do Jordão, a Galileia dos gentios. O povo que andava nas tre- vas viu uma grande luz; para aqueles que habitavam nas sombras da morte uma luz se levantou. Multiplicastes a sua alegria, aumentastes o seu contentamento. Rejubilam na vossa presença, como os que se alegram no tempo da colheita, como exultam os que repartem de pojos. Vós quebrastes, como no dia de Madiã, o jugo que pesava sobre o povo, o madeiro que ele tinha sobre os ombros e o bastão do opressor. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL 26 (27), 1.4.13-14 (R. 1a) Refrão: O Senhor é minha luz e salvação. Ou: O Senhor me ilumina e me salva. O Senhor é minha luz e salvação: a quem hei-de temer? O Senhor é protector da minha vida: de quem hei-de ter medo? Uma coisa peço ao Senhor, por ela anseio: habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para gozar da suavidade do Senhor e visitar o seu santuário. Espero vir a contemplar a bondade do Senhor na terra dos vivos. Confia no Senhor, sê forte. Tem coragem e confia no Senhor. 11
  • 12. LEITURA II 1 Cor 1, 10-13.17 «Falai todos a mesma linguagem e não haja divisões» Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios Irmãos: Rogo-vos, pelo nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos a mes- ma linguagem e que não haja divisões entre vós, permanecendo bem uni- dos, no mesmo pensar e no mesmo agir. Eu soube, meus irmãos, pela gen- te de Cloé, que há divisões entre vós, que há entre vós quem diga: «Eu sou de Paulo», «eu de Apolo», «eu de Pedro», «eu de Cristo». Estará Cristo divi- dido? Porventura Paulo foi crucificado por vós? Foi em nome de Paulo que recebestes o Baptismo? Na verdade, Cristo não me enviou para baptizar, ma para anunciar o Evangelho; não, porém, com sabedoria de palavras, a fim de não desvirtuar a cruz de Cristo. Palavra do Senhor. ALELUIA Cf. Mt 4, 23 Refrão: Aleluia. Repete-se Jesus proclamava o Evangelho do reino e curava todas as doenças entre o povo. Refrão EVANGELHO Forma breve Mt 4, 12-17 «Foi para Cafarnaum, a fim de se cumprir o que anunciara o profeta Isaías» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Quando Jesus ouviu dizer que João Baptista fora preso, retirou-Se para a Galileia. Deixou Nazaré e foi habitar em Cafarnaum, terra à beira-mar, no território de Zabulão e Neftali. Assim se cumpria o que o profeta Isaías anunciara, ao dizer: «Terra de Zabulão e terra de Neftali, caminho do mar, além do Jordão, Galileia dos gentios: o povo que vivia nas trevas viu uma grande luz; para aqueles que habitavam na sombria região da morte uma luz se levantou». Desde então, Jesus começou a pregar: «Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos Céus». Palavra da salvação. 12
  • 13. DOMINGO IV (TEMPO COMUM) (30 de Janeiro de 2011) LEITURA I Sof 2, 3; 3, 12-13 «Deixarei ficar no meio de ti um povo pobre e humilde» Leitura da Profecia de Sofonias Procurai o Senhor, vós todos os humildes da terra, que obedeceis aos seus mandamentos. Procurai a justiça, procurai a humildade; talvez encontreis protecção no dia da ira do Senhor. Só deixarei ficar no meio de ti um povo pobre e humilde, que buscará refúgio no nome do Senhor. O resto de Israel não voltará a cometer injustiças, não torna- rá a dizer mentiras, nem mais se encontrará na sua boca uma língua enganadora. Por isso, terão pastagem e repouso, sem ninguém que os perturbe. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL 145(146),7.8-9a.9bc-10(R.Mt5,3ou Aleluia) Refrão: Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos Céus. Ou: Aleluia. O Senhor faz justiça aos oprimidos, dá pão aos que têm fome e a liberdade aos cativos. O Senhor ilumina os olhos dos cegos, o Senhor levanta os abatidos, o Senhor ama os justos. O Senhor protege os peregrinos, ampara o órfão e a viúva e entrava o caminho aos pecadores. O Senhor reina eternamente. O teu Deus, ó Sião, é rei por todas as gerações. 13
  • 14. LEITURA II 1 Cor 1, 26-31 «Deus escolheu o que é fraco aos olhos do mundo» Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios Irmãos: Vede quem sois vós, os que Deus chamou: não há muitos sábios, naturalmente falando, nem muitos influentes, nem muitos bem-nascidos. Mas Deus escolheu o que é louco aos olhos do mundo, para confundir os sábios; escolheu o que é fra- co, para confundir o forte; escolheu o que é vil e desprezível, o que nada vale aos olhos do mundo, para reduzir a nada aquilo que vale, a fim de que nenhuma cria- tura se possa gloriar diante de Deus. É por Ele que vós estais em Cristo Jesus, o qual Se tornou para nós sabedoria de Deus, justiça, santidade e redenção. Deste modo, conforme está escrito, «quem se gloria deve gloriar-se no Senhor». Palavra do Senhor. ALELUIA Mt 5, 12a Refrão: Aleluia. Repete-se Alegrai-vos e exultai, porque é grande nos Céus a vossa recompensa. Refrão EVANGELHO Mt 5, 1-12a «Bem-aventurados os pobres em espírito» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, ao ver as multidões, Jesus subiu ao monte e sentou-Se. Rodea- ram-n’O os discípulos, e Ele começou a ensiná-los, dizendo: «Bem aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos Céus. Bem aventurados os humildes, porque possuirão a terra. Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão miseri- córdia. Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. Bem- aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os que sofrem perseguição por amor da justiça, porque deles é o reino dos Céus. Bem-aventurados sereis, quando, por minha causa, vos insulta- rem, vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós. Alegrai-vos e exultai, porque é grande nos Céus a vossa recompensa». Palavra da salvação. 14
  • 15. Os três Reis Magos Após o nascimento de Jesus, segundo o Evangelho de São Mateus, surgem os Reis Magos provenientes do Oriente, que o visitaram em Belém guiados por uma estrela. Esta denominação de «Mago», tem conotação de sapiência entre os Orientais ou designa ainda astrólogos, deduzindo-se inicialmente que seriam Astrólogos eruditos. Isto pensa-se por se contar que terão avistado uma estrela que os terá guiado até onde Jesus nasceu. Terão chegado até Cristo a 6 de Janeiro, data que actualmente se comemora o «Dia de Reis». O nome de «Reis» fora colocado com base na aplicação liberal do Salmo 71,10 realizada pela Igreja. Não há informação de quantos seriam e os seus nomes, existem sim apenas suposições e algumas pinturas dos primeiros séculos, aparecendo dois, quatro e doze «Magos». Após o Evangelho terão sido atribuídos os nomes dos «Reis»; Bal- tasar, representante da raça africana ; Belchior, representante da raça europeia e Gaspar que representava a raça asiática, representando todas as raças conhecidas até à data, simbolizando a homenagem de todos os Homens da Terra a Jesus. Pelo número de prendas deduziu-se quantos seriam, pois oferece- ram três presentes, ouro (Belchior), incenso (Gaspar) e mirra (Baltasar). As prendas têm uma simbologia, pois o ouro era somente oferecido a Reis, perfazendo a sua nobreza; o incenso, representa a divindade e a mirra, simboliza Jesus como Homem e o sofrimento que iria ter ao longo da sua vida. Sendo países tradicionalmente católicos, Espanha e Itália são os países que maior importância e simbolismo atribuem a esta tradição. As crianças espanholas e italianas celebram o Natal como todas as outras mas têm de esperar pelo dia de Reis, 6 de Janeiro, para receber as tão desejadas prendas. 15
  • 16. Ofertas para o restauro do telhado da Igreja Matriz Nome Localidade Quantia Transporte do mês anterior 9.640,00€ António Campos Costa Mioma 100,00€ Daniel Fernandes Gouveia(sacristão) Mioma 50,00€ Manuel Lopes Marinho (2.ªvez) Mioma 25,00€ Maria do Céu Silva Roque Mioma 30,00€ Armando Rodrigues Figueiredo Meã 100,00€ José Rodrigues de Sousa Lages 10,00€ Maria da Conceição R.S.Loureiro Lages 25,00€ Marcelino Fernandes da Fonseca Lages 20,00€ ta António Figueiredo Oliva Q. do Monte 20,00€ ta António Reis Oliva Q. do Monte 20,00€ João Rodrigues Afonsim 20,00€ Anónimo (Mioma) 300,00€ Anónimo 50,00€ Anónimo 40,00€ Anónimo 20,00€ Anónimo 10,00€ Errata: No mês de Novembro onde se lê Fernando Oliveira Machado,deve ler-se Fernando Machado Oliveira Total de Dezembro 840,00€ Trasporte para o mês seguinte 10.480,00 € 16
  • 17. A Voz do Conselho Económico Publicamos nesta edição o relatório de contas, referente ao mês de Novembro de 2010 Receita Despesas Dia/Evento Evento Montante Ofertórios Dominicais 438,57 € Vencimento do Pároco 600,00 € Missas Plurintencionais 725,20 € Evangelização 36,00 € Casamento 30,00 € Funeral 30,00 € Azeitona do Adro da Igreja 20,00 € Catecimos do 2.º Ano 55,00 € TOTAL 1.298,77€ 636,00 € Saldo (receita - despesa) 662,77 € Contributos a entregar na Diocese: • Missas Plurintencionais : 362,60 € • Para os Seminários 80,52 € Total a entregar : 443,12 € SALDO REAL = 219,12 € BANCO ALIMENTAR A campanha de recolha de alimentos levada a cabo pelo Banco Alimen- tar Contra a Fome, de Viseu, nos dias 27 e 28 de Novembro, rendeu 110 toneladas de alimentos. A recolha foi realizada na quase totalidade dos concelhos do Distrito e representa um acréscimo de 43%, em relação à campanha anterior. Os alimentos provenientes desta campanha irão ser entregues a mais de 60 instituições apoiadas pelo Banco Alimentar de Viseu. Mensalmente, os géne- ros alimentares são-lhes enviados e, em forma de refeições confeccionadas, ou em forma de cabazes, estas instituições fazem-nos chegar a 4.000 beneficiá- rios carenciados. Em 28 e 29 de Maio de 2011, o Banco Alimentar Contra a Fome fará nova recolha de alimentos, contando sempre com a generosidade daqueles que gostam de ajudar, repartindo com quem tem mais necessidades. E o alimento é necessidade básica. 17
  • 18. Bolo Rei Ingredientes: • 750 g de farinha • 30 g de fermento de padeiro • 150 g de margarina • 150 g de açúcar • 150 g de frutas cristalizadas • 150 g de frutos secas • 4 ovos • raspa de 1 limão • raspa de 1 laranja • 1 decilitro de vinho do Porto • 1 colher de sobremesa de sal • 1 brinde • 1 fava Confecção: Pique as frutas e deixe-as a macerar com o vinho do Porto (deixe algumas inteiras para enfeitar). Dissolva o fermento de padeiro em 1 decilitro de água morna, junte a 1 chávena de farinha e deixe a levedar em ambiente temperado durante 15 minutos. Entretanto bata a margarina, o açúcar, e as raspas de limão e laranja, junte os ovos (batendo um a um), e a massa de fermento. Quando tudo estiver bem ligado adicione o resto da farinha e o sal. Amasse até ficar elástica e macia e misture as frutas. Molde a massa numa bola, polvilhe com farinha e tape a massa com um pano, deixando levedar num ambiente temperado durante 5 horas. Depois da massa dobrar o volume, ponha sobre um tabuleiro e faça-lhe um buraco no meio. Introduza o brinde (embrulhado em papel vegetal) e a fava, e deixe levedar mais uma hora. Pincele o bolo com gema de ovo, enfeite com frutas cristalizadas inteiras, torrões de açúcar, pinhões, meias-nozes, etc, e leve a cozer em forno bem quente. Depois de cozido, pincele o bolo-rei com geleia diluída num pouco de água quente. Nota: O próximo a fazer o bolo-rei (ou a comprar), é o que tiver a fava na fatia. 18
  • 19. SUDOKU JOGO DAS DIFERÊNÇAS (Descobre as 9 diferenças entre as imagens) 19
  • 20. 2011 = Lua cheia = Lua nova = Quarto crescente = Quarto Minguante Por favor guarde a nossa voz, pode ser-lhe útil no futuro. Com a colaboração do JES jesmioma@hotmail.com 20