SlideShare uma empresa Scribd logo
SECRETARIA DE SEGURANÇA PUBLICA/SECRETARIA DE EDUCACAO
                                          POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIAS
                                      DIRETORIA DE ENSINO, INSTRUCAO E PESQUISA
                                  COLEGIO DA POLICIA MILITAR UNIDADES AYRTON SENNA E
                                          POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS
              SÉRIE                 TURMA                                  DISCIPLINA                                   DATA
               2ºs                                             FÍSICO – QUÍMICA [QUIMICA I]                        ______/______/11
                                    PROFESSOR (A)
                                 THAIZA MONTINE
                                                                                 TEXTO COMPLEMENTAR III SOBRE
         Aluno (a): _______________________________________nº:____                      TERMOQUÍMICA



                                        Com o prazo de validade vencido 




                       Entenda como fungos e bactérias estragam alimentos e podem provocar infecções!




Esse anúncio, obviamente, é de mentirinha! Fungos e bactérias, ora essa, ainda não foram alfabetizados nem conferem os classificados! Mas, 
sim, são eles que estragam o leite que você não tomou inteiro de manhã e deixou sobre a mesa! 

Não é por maldade que fungos e bactérias estragam o que nós pretendíamos comer, mas por uma questão de sobrevivência! Para se reproduzir, 
eles precisam de água e de alimentos dos quais possam retirar proteínas, gorduras e carboidratos. Num copo de leite ou numa fruta, por exemplo, 
eles têm tudo isso à disposição. Então, se multiplicam depressa e de várias formas. 

O problema é que fungos e bactérias não só se reproduzem nos alimentos, como também fabricam substâncias que se desprendem deles. Muitas 
delas exalam forte cheiro e são prejudiciais à nossa saúde! Veja o caso do peixe estragado: ele exala forte odor e, se alguém almoçá­lo, pronto: 
pode ter diarréia, vômitos e náuseas. Tudo porque, como o mau cheiro indica, o peixe sofreu ação de bactérias, que produziram toxinas. 

Intoxicação alimentar é o que também pode afetar quem ingerir o conteúdo de uma lata de conserva estufada. Então, atenção: se a embalagem 
estufou, é porque houve produção de gases. E, se houve produção de gases, é porque o alimento que estava dentro da lata deve ter sofrido ação  
de bactérias ou fungos e... estragou! 

Embora microrganismos como fungos e bactérias estejam no ar, na água, na terra e tenham papel importante na decomposição dos alimentos, é 
possível conservar o que iremos comer. Basta preparar os alimentos com as técnicas certas! Há as que dificultam o contato de microrganismos ­­ 
como fungos e bactérias ­­ com a comida, outras que criam um meio desfavorável à reprodução e ao desenvolvimento desses seres e algumas 
que os reduzem ou os eliminam por completo. Confira: 




                                                                                                                           1
Quente ou frio

Por   que   é   preciso   ferver   o   leite?   E   qual   a   razão   para   a   comida,   ao   ser   guardada   na   geladeira,   demorar   mais   para   estragar?   Ora,   tanto 
temperaturas altas quanto baixas podem ser úteis para a conservação dos alimentos! As altas temperaturas destroem total ou parcialmente os 
microrganismos presentes neles. Já as baixas temperaturas são capazes de reduzir a atividade e o crescimento dos microrganismos. Sem falar 
que a água no estado sólido (gelo) não favorece a vida. 

Fora do ar

Repare: para garantir que o doce em compota dure por um bom tempo é importante colocá­lo num frasco de vidro esterilizado e, de preferência, 
bem fechado. A razão é simples: microrganismos estão por toda a parte, inclusive no ar, e, evitando o contato dos alimentos com ele, fica mais 
fácil conservar o que iremos comer. Por isso é que alguns alimentos industrializados são embalados a vácuo, isto é, de forma que não haja ar na 
embalagem! 

Mudar para melhor

Há produtos que são adicionados aos alimentos para, por exemplo, ajudar a retardar a sua decomposição. São os aditivos conservantes, que 
evitam a ação dos microrganismos, das enzimas ­­ proteínas que aceleram as reações químicas ­­ ou do oxigênio do ar sobre os alimentos. 


                                                              Ciência Hoje das Crianças 134, abril 2003
                                                                   Maria Emília Caixeta Castro Lima,
                                                                         Selma Moura Braga,
                                                                          Orlando Aguiar Jr.,
                                                             Faculdade de Educação e Centro Pedagógico,
                                                                Universidade Federal de Minas Gerais,
                                                                  autores do livro Aprender ciências ­
                                                              um mundo de materiais, da editora UFMG.

                                                                               BIBLIOGRAFIA:

                                                                  http://cienciahoje.uol.com.br/view/2012




                                                     Algumas práticas de conservação de alimentos

Sal e açúcar:

Quem pensa que essa dupla só serve para dar sabor precisa ouvir essa: sal e açúcar também são usados para conservar os alimentos, pois 
retiram a água deles e dos microrganismos. Sem água, esses seres não sobrevivem ou se reproduzem, então, não decompõem os alimentos! Um 
doce de cortar, como uma goiabada, tem mais açúcar ­­ e leva mais tempo no fogo também ­­, dura um tempo maior fora da geladeira do que a 
goiabada em compota. Afinal, graças ao modo como é feito, tem menos água. 

Nitritos e nitratos:

Esses aditivos são usados para conservar carnes (embaladas, em enlatados etc.). Sua função é eliminar 
um microrganismo muito resistente causador da doença conhecida como botulismo, que gera intoxicações 
graves. Entretanto, como podem provocar o desenvolvimento de tumores no organismo humano, há uma 
legislação que regulamenta o seu uso, rigorosamente controlado. 

Antibióticos naturais:




                                                                                                                                                         2
Alguém aí já quis saber por que o docinho de coco sempre tem um cravo­da­índia espetado nele? É para evitar o aparecimento de fungos! Cravo­
da­índia é ótimo para isso! A canela, presença certa em muitas guloseimas, também é usada não só por dar sabor, mas também porque tem ação 
conservante por apresentar uma substância chamada aldeído cinâmico! 

Defumação:

Nessa técnica de conservação de alimentos ­­ uma das mais antigas que há ­­, queimam­se madeiras especiais para impregnar carnes e queijos 
com formol, uma substância com ação desinfetante, capaz de matar bactérias, produzida durante a queima e que, por isso, evita a deterioração 
dos alimentos. 

Hoje conservar os alimentos é um problema tratado, em geral, pela indústria. Como consumidores, só verificamos as datas de validade dos 
produtos, as condições de conservação das embalagens e o destino mais adequado que podemos dar aos alimentos quando abertos. Até o início 
do século 20, porém, conservar alimentos era uma prática doméstica e algumas das técnicas que você conheceu agora já eram usadas. Os 
sertanejos, em suas viagens pelo Brasil, por exemplo, comiam carne seca, doce de cravo e canela, rapadura... Fácil entender porquê, né?! 

Agora que você já está craque em conservação de alimentos, que tal fazer um incrível experimento para identificar as condições mais favoráveis 
para o crescimento dos fungos? 




                                                 Ciência Hoje das Crianças 134, abril 2003
                                                      Maria Emília Caixeta Castro Lima,
                                                            Selma Moura Braga,
                                                             Orlando Aguiar Jr.,
                                                Faculdade de Educação e Centro Pedagógico,
                                                   Universidade Federal de Minas Gerais,
                                                     autores do livro Aprender ciências ­
                                                 um mundo de materiais, da editora UFMG.


                                                           BIBLIOGRAFIA:

                                                http://cienciahoje.uol.com.br/materia/view/2014




                                                            EXPERIMENTO:

                                                        Fungos em crescimento

Há condições que são mais favoráveis para o crescimento dos fungos. Desafiamos você a identificar quais são fazendo este experimento! Pronto 
                                  para colocar as mãos na massa e, na prática, os seus conhecimentos?!

1. Ponha uma colher de mingau de amido de milho quente num copo plástico. Vede­o imediatamente com plástico. Cole nele uma etiqueta com o 
                                                             número um.

2. Em outro copo, coloque uma colher de mingau de amido de milho, mas, desta vez, deixe­o esfriar antes de pôr a tampa. Cole uma etiqueta com 
                                                         o número dois no copo.

  3. Num terceiro copo, coloque uma colher de mingau de amido de milho, espere­o esfriar. Não tampe. Cole uma etiqueta com o número três e 



                                                                                                                         3
guarde­o na geladeira. 

     4. Ponha, no quarto copo, um colher de mingau, deixe­o destampado e fora da geladeira. Coloque nele uma etiqueta com o número 4.

 Feito isso, dê os seu palpite: em qual ordem de copos você acredita que os fungos aparecerão (por exemplo, primeiro no copo 3, a seguir, no 4 
   etc.)? Por quê? A seguir, fique de olho nos copos por uma semana. Registre, num quadro, o dia em que o fungo surgir, seu tamanho, sua 
               localização etc. Ao fim de sete dias, responda: suas previsões se confirmaram? Se não, tente explicar o que ocorreu!

                                                                   Resultado:
Os fungos surgem na seguinte ordem: 1º ­ frasco nº 4. 2º ­ frasco nº 2. 3º ­ frasco nº 1. 4º ­ frasco nº 3. Dependendo da umidade e da temperatura 
do ar dentro da geladeira, porém, o frasco nº 3 pode ter fungos antes do frasco nº 1. Note que as baixas temperaturas e o isolamento do ar foram 
      os elementos que favoreceram a conservação do mingau, enquanto a falta de refrigeração e o contato com o ar incentivaram o rápido 
                                                           desenvolvimento de fungos.

                                                               Sugestão:
refaça o experimento, colocando canela no mingau ou um dos copos no freezer. No primeiro caso, você verificará que o mingau irá durar por mais 
                                              tempo e, no segundo, que ele nunca estragará! 




                                                    IMPORTANTE!!!!!

                                         BIBLIOGRAFIA PARA ALIMENTOS

• BEHMER, M.L.A., Tecnologia Do Leite. 11 ed., São Paulo, Livraria Nobel, 1986.
• CRUESS, W.V., Elements of food technology. Westport, AVI Publishing Company, 1977. 763 p.
• DESROSIER, N.W., Conservation de Alimentos. 2 ed. Westport, AVI Publishing Company, 1963. 468
p.
• DESROSIER, N.W., Elements of food technology. AVI Publishing Company,1977.468 p.
• GAVA, A.J., Princípios de Tecnologia de Alimentos, 6 ed., Nobel, São Paulo, 1984.
• MORAES, M.A.C., Métodos para Avaliação Sensorial dos Alimentos, 5 ed. Editora da UNICAMP, Campinas, 1985.
314p.
• POTTER, N. N., Food Science, 3rd edition, AVI Publishing Company Inc. Westport, 1980.
• SCHVARTSMAN, S., Manual sobre Intoxicações Alimentares. Sociedade Brasileira de Pediatria,
1990. 45 p.




                                                                                                                            4

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Termoquímica complementar iii-cpmg.as e pmvr-2011

Apresentação mgme ciências alimentos1
Apresentação mgme ciências alimentos1Apresentação mgme ciências alimentos1
Apresentação mgme ciências alimentos1
Ailton Guillarducci
 
Apresentação mgme ciências alimentos
Apresentação mgme ciências alimentosApresentação mgme ciências alimentos
Apresentação mgme ciências alimentos
Ailton Guillarducci
 
Caderno padagógico de ciências 2° bimestre
Caderno padagógico de ciências   2° bimestreCaderno padagógico de ciências   2° bimestre
Caderno padagógico de ciências 2° bimestre
anakarolinarocha
 
Tecnologia de alimentos
Tecnologia de alimentosTecnologia de alimentos
Tecnologia de alimentos
Universidade Eduardo Mondlane
 
C7 3 bim_aluno_2013 (2)
C7 3 bim_aluno_2013 (2)C7 3 bim_aluno_2013 (2)
C7 3 bim_aluno_2013 (2)
Gelson Gbb
 
Ava ciencias 7ano
Ava ciencias 7anoAva ciencias 7ano
Ava ciencias 7ano
Atividades Diversas Cláudia
 
Revista Citino Volume 3 - Número 4
Revista Citino Volume 3 - Número 4Revista Citino Volume 3 - Número 4
Revista Citino Volume 3 - Número 4
hestia-org
 
Microbiologia democrática
Microbiologia democráticaMicrobiologia democrática
Microbiologia democrática
pibidbio
 
Fundamentos e Metodologia de Ciencias
Fundamentos e Metodologia de CienciasFundamentos e Metodologia de Ciencias
Fundamentos e Metodologia de Ciencias
JAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Projeto sabão
Projeto sabãoProjeto sabão
Projeto sabão
Maiara Nogueira
 
Alimentos contaminação
Alimentos  contaminaçãoAlimentos  contaminação
Alimentos contaminação
Marta Magalhães
 
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rcEstrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
Proama Projeto Amamentar
 
Revista Ciência Caipira
Revista Ciência Caipira Revista Ciência Caipira
Revista Ciência Caipira
Thiago Peres
 
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rcEstrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
Silvia Anaruma
 
Projeto três mártires
Projeto três mártiresProjeto três mártires
Projeto três mártires
pibidbio
 
Pedagogico maio junho e julho
Pedagogico maio junho e julhoPedagogico maio junho e julho
Pedagogico maio junho e julho
Renan Romero
 
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambienteComo ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente
planocoletivo
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
CEFAPRO-Sinop
 
Projeto Pedagógico de Combate ao Piolho
Projeto  Pedagógico  de Combate ao Piolho Projeto  Pedagógico  de Combate ao Piolho
Projeto Pedagógico de Combate ao Piolho
uagne989
 
Expensbio
ExpensbioExpensbio
Expensbio
Tatão Ribeiro
 

Semelhante a Termoquímica complementar iii-cpmg.as e pmvr-2011 (20)

Apresentação mgme ciências alimentos1
Apresentação mgme ciências alimentos1Apresentação mgme ciências alimentos1
Apresentação mgme ciências alimentos1
 
Apresentação mgme ciências alimentos
Apresentação mgme ciências alimentosApresentação mgme ciências alimentos
Apresentação mgme ciências alimentos
 
Caderno padagógico de ciências 2° bimestre
Caderno padagógico de ciências   2° bimestreCaderno padagógico de ciências   2° bimestre
Caderno padagógico de ciências 2° bimestre
 
Tecnologia de alimentos
Tecnologia de alimentosTecnologia de alimentos
Tecnologia de alimentos
 
C7 3 bim_aluno_2013 (2)
C7 3 bim_aluno_2013 (2)C7 3 bim_aluno_2013 (2)
C7 3 bim_aluno_2013 (2)
 
Ava ciencias 7ano
Ava ciencias 7anoAva ciencias 7ano
Ava ciencias 7ano
 
Revista Citino Volume 3 - Número 4
Revista Citino Volume 3 - Número 4Revista Citino Volume 3 - Número 4
Revista Citino Volume 3 - Número 4
 
Microbiologia democrática
Microbiologia democráticaMicrobiologia democrática
Microbiologia democrática
 
Fundamentos e Metodologia de Ciencias
Fundamentos e Metodologia de CienciasFundamentos e Metodologia de Ciencias
Fundamentos e Metodologia de Ciencias
 
Projeto sabão
Projeto sabãoProjeto sabão
Projeto sabão
 
Alimentos contaminação
Alimentos  contaminaçãoAlimentos  contaminação
Alimentos contaminação
 
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rcEstrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
 
Revista Ciência Caipira
Revista Ciência Caipira Revista Ciência Caipira
Revista Ciência Caipira
 
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rcEstrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
Estrutura interssan, nosso projeto, demandas rc
 
Projeto três mártires
Projeto três mártiresProjeto três mártires
Projeto três mártires
 
Pedagogico maio junho e julho
Pedagogico maio junho e julhoPedagogico maio junho e julho
Pedagogico maio junho e julho
 
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambienteComo ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Projeto Pedagógico de Combate ao Piolho
Projeto  Pedagógico  de Combate ao Piolho Projeto  Pedagógico  de Combate ao Piolho
Projeto Pedagógico de Combate ao Piolho
 
Expensbio
ExpensbioExpensbio
Expensbio
 

Mais de ProfªThaiza Montine

Conexão XXI - Camisetas feitas de PET
Conexão XXI - Camisetas feitas de PETConexão XXI - Camisetas feitas de PET
Conexão XXI - Camisetas feitas de PET
ProfªThaiza Montine
 
Uma breve história da química
Uma breve história da química Uma breve história da química
Uma breve história da química
ProfªThaiza Montine
 
Estrutura atômica
Estrutura atômica Estrutura atômica
Estrutura atômica
ProfªThaiza Montine
 
Termoquímica complementar i-cpmg.as e pmvr-2011
Termoquímica   complementar i-cpmg.as e pmvr-2011Termoquímica   complementar i-cpmg.as e pmvr-2011
Termoquímica complementar i-cpmg.as e pmvr-2011
ProfªThaiza Montine
 
Termoquímica complementar ii-cpmg.as e pmvr-2011
Termoquímica complementar ii-cpmg.as e pmvr-2011Termoquímica complementar ii-cpmg.as e pmvr-2011
Termoquímica complementar ii-cpmg.as e pmvr-2011
ProfªThaiza Montine
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
ProfªThaiza Montine
 
Ensaio260
Ensaio260Ensaio260
Concentrações de soluções
Concentrações de soluçõesConcentrações de soluções
Concentrações de soluções
ProfªThaiza Montine
 
Cinética química para CPMG.PMVR e AS
Cinética química para CPMG.PMVR e ASCinética química para CPMG.PMVR e AS
Cinética química para CPMG.PMVR e AS
ProfªThaiza Montine
 
Termoquímica cpmg-pmvr e as - 2010
Termoquímica cpmg-pmvr e as - 2010Termoquímica cpmg-pmvr e as - 2010
Termoquímica cpmg-pmvr e as - 2010
ProfªThaiza Montine
 
SoluçõEs - Completo
SoluçõEs - CompletoSoluçõEs - Completo
SoluçõEs - Completo
ProfªThaiza Montine
 
Breve Estudo Sobre QuíMica E MúSica - turmas 2010
Breve Estudo Sobre QuíMica E MúSica - turmas 2010Breve Estudo Sobre QuíMica E MúSica - turmas 2010
Breve Estudo Sobre QuíMica E MúSica - turmas 2010
ProfªThaiza Montine
 
Plasticos E Meio Ambiente
Plasticos E Meio AmbientePlasticos E Meio Ambiente
Plasticos E Meio Ambiente
ProfªThaiza Montine
 
PolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof ThaizaPolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof Thaiza
ProfªThaiza Montine
 
Radioatividade - profª Nília
Radioatividade - profª NíliaRadioatividade - profª Nília
Radioatividade - profª Nília
ProfªThaiza Montine
 
ForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPytForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ProfªThaiza Montine
 
TermoquíMica
TermoquíMicaTermoquíMica
TermoquíMica
ProfªThaiza Montine
 
AtomíStica
AtomíSticaAtomíStica
Benefícios da Radiação Na Agricultura
Benefícios da Radiação Na AgriculturaBenefícios da Radiação Na Agricultura
Benefícios da Radiação Na Agricultura
ProfªThaiza Montine
 
Benefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XBenefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios X
ProfªThaiza Montine
 

Mais de ProfªThaiza Montine (20)

Conexão XXI - Camisetas feitas de PET
Conexão XXI - Camisetas feitas de PETConexão XXI - Camisetas feitas de PET
Conexão XXI - Camisetas feitas de PET
 
Uma breve história da química
Uma breve história da química Uma breve história da química
Uma breve história da química
 
Estrutura atômica
Estrutura atômica Estrutura atômica
Estrutura atômica
 
Termoquímica complementar i-cpmg.as e pmvr-2011
Termoquímica   complementar i-cpmg.as e pmvr-2011Termoquímica   complementar i-cpmg.as e pmvr-2011
Termoquímica complementar i-cpmg.as e pmvr-2011
 
Termoquímica complementar ii-cpmg.as e pmvr-2011
Termoquímica complementar ii-cpmg.as e pmvr-2011Termoquímica complementar ii-cpmg.as e pmvr-2011
Termoquímica complementar ii-cpmg.as e pmvr-2011
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Ensaio260
Ensaio260Ensaio260
Ensaio260
 
Concentrações de soluções
Concentrações de soluçõesConcentrações de soluções
Concentrações de soluções
 
Cinética química para CPMG.PMVR e AS
Cinética química para CPMG.PMVR e ASCinética química para CPMG.PMVR e AS
Cinética química para CPMG.PMVR e AS
 
Termoquímica cpmg-pmvr e as - 2010
Termoquímica cpmg-pmvr e as - 2010Termoquímica cpmg-pmvr e as - 2010
Termoquímica cpmg-pmvr e as - 2010
 
SoluçõEs - Completo
SoluçõEs - CompletoSoluçõEs - Completo
SoluçõEs - Completo
 
Breve Estudo Sobre QuíMica E MúSica - turmas 2010
Breve Estudo Sobre QuíMica E MúSica - turmas 2010Breve Estudo Sobre QuíMica E MúSica - turmas 2010
Breve Estudo Sobre QuíMica E MúSica - turmas 2010
 
Plasticos E Meio Ambiente
Plasticos E Meio AmbientePlasticos E Meio Ambiente
Plasticos E Meio Ambiente
 
PolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof ThaizaPolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof Thaiza
 
Radioatividade - profª Nília
Radioatividade - profª NíliaRadioatividade - profª Nília
Radioatividade - profª Nília
 
ForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPytForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
 
TermoquíMica
TermoquíMicaTermoquíMica
TermoquíMica
 
AtomíStica
AtomíSticaAtomíStica
AtomíStica
 
Benefícios da Radiação Na Agricultura
Benefícios da Radiação Na AgriculturaBenefícios da Radiação Na Agricultura
Benefícios da Radiação Na Agricultura
 
Benefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XBenefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios X
 

Último

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 

Último (20)

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 

Termoquímica complementar iii-cpmg.as e pmvr-2011

  • 1. SECRETARIA DE SEGURANÇA PUBLICA/SECRETARIA DE EDUCACAO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIAS DIRETORIA DE ENSINO, INSTRUCAO E PESQUISA COLEGIO DA POLICIA MILITAR UNIDADES AYRTON SENNA E POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS SÉRIE TURMA DISCIPLINA DATA 2ºs  FÍSICO – QUÍMICA [QUIMICA I] ______/______/11 PROFESSOR (A) THAIZA MONTINE TEXTO COMPLEMENTAR III SOBRE Aluno (a): _______________________________________nº:____  TERMOQUÍMICA Com o prazo de validade vencido  Entenda como fungos e bactérias estragam alimentos e podem provocar infecções! Esse anúncio, obviamente, é de mentirinha! Fungos e bactérias, ora essa, ainda não foram alfabetizados nem conferem os classificados! Mas,  sim, são eles que estragam o leite que você não tomou inteiro de manhã e deixou sobre a mesa!  Não é por maldade que fungos e bactérias estragam o que nós pretendíamos comer, mas por uma questão de sobrevivência! Para se reproduzir,  eles precisam de água e de alimentos dos quais possam retirar proteínas, gorduras e carboidratos. Num copo de leite ou numa fruta, por exemplo,  eles têm tudo isso à disposição. Então, se multiplicam depressa e de várias formas.  O problema é que fungos e bactérias não só se reproduzem nos alimentos, como também fabricam substâncias que se desprendem deles. Muitas  delas exalam forte cheiro e são prejudiciais à nossa saúde! Veja o caso do peixe estragado: ele exala forte odor e, se alguém almoçá­lo, pronto:  pode ter diarréia, vômitos e náuseas. Tudo porque, como o mau cheiro indica, o peixe sofreu ação de bactérias, que produziram toxinas.  Intoxicação alimentar é o que também pode afetar quem ingerir o conteúdo de uma lata de conserva estufada. Então, atenção: se a embalagem  estufou, é porque houve produção de gases. E, se houve produção de gases, é porque o alimento que estava dentro da lata deve ter sofrido ação   de bactérias ou fungos e... estragou!  Embora microrganismos como fungos e bactérias estejam no ar, na água, na terra e tenham papel importante na decomposição dos alimentos, é  possível conservar o que iremos comer. Basta preparar os alimentos com as técnicas certas! Há as que dificultam o contato de microrganismos ­­  como fungos e bactérias ­­ com a comida, outras que criam um meio desfavorável à reprodução e ao desenvolvimento desses seres e algumas  que os reduzem ou os eliminam por completo. Confira:  1
  • 2. Quente ou frio Por   que   é   preciso   ferver   o   leite?   E   qual   a   razão   para   a   comida,   ao   ser   guardada   na   geladeira,   demorar   mais   para   estragar?   Ora,   tanto  temperaturas altas quanto baixas podem ser úteis para a conservação dos alimentos! As altas temperaturas destroem total ou parcialmente os  microrganismos presentes neles. Já as baixas temperaturas são capazes de reduzir a atividade e o crescimento dos microrganismos. Sem falar  que a água no estado sólido (gelo) não favorece a vida.  Fora do ar Repare: para garantir que o doce em compota dure por um bom tempo é importante colocá­lo num frasco de vidro esterilizado e, de preferência,  bem fechado. A razão é simples: microrganismos estão por toda a parte, inclusive no ar, e, evitando o contato dos alimentos com ele, fica mais  fácil conservar o que iremos comer. Por isso é que alguns alimentos industrializados são embalados a vácuo, isto é, de forma que não haja ar na  embalagem!  Mudar para melhor Há produtos que são adicionados aos alimentos para, por exemplo, ajudar a retardar a sua decomposição. São os aditivos conservantes, que  evitam a ação dos microrganismos, das enzimas ­­ proteínas que aceleram as reações químicas ­­ ou do oxigênio do ar sobre os alimentos.  Ciência Hoje das Crianças 134, abril 2003 Maria Emília Caixeta Castro Lima, Selma Moura Braga, Orlando Aguiar Jr., Faculdade de Educação e Centro Pedagógico, Universidade Federal de Minas Gerais, autores do livro Aprender ciências ­ um mundo de materiais, da editora UFMG. BIBLIOGRAFIA: http://cienciahoje.uol.com.br/view/2012 Algumas práticas de conservação de alimentos Sal e açúcar: Quem pensa que essa dupla só serve para dar sabor precisa ouvir essa: sal e açúcar também são usados para conservar os alimentos, pois  retiram a água deles e dos microrganismos. Sem água, esses seres não sobrevivem ou se reproduzem, então, não decompõem os alimentos! Um  doce de cortar, como uma goiabada, tem mais açúcar ­­ e leva mais tempo no fogo também ­­, dura um tempo maior fora da geladeira do que a  goiabada em compota. Afinal, graças ao modo como é feito, tem menos água.  Nitritos e nitratos: Esses aditivos são usados para conservar carnes (embaladas, em enlatados etc.). Sua função é eliminar  um microrganismo muito resistente causador da doença conhecida como botulismo, que gera intoxicações  graves. Entretanto, como podem provocar o desenvolvimento de tumores no organismo humano, há uma  legislação que regulamenta o seu uso, rigorosamente controlado.  Antibióticos naturais: 2
  • 3. Alguém aí já quis saber por que o docinho de coco sempre tem um cravo­da­índia espetado nele? É para evitar o aparecimento de fungos! Cravo­ da­índia é ótimo para isso! A canela, presença certa em muitas guloseimas, também é usada não só por dar sabor, mas também porque tem ação  conservante por apresentar uma substância chamada aldeído cinâmico!  Defumação: Nessa técnica de conservação de alimentos ­­ uma das mais antigas que há ­­, queimam­se madeiras especiais para impregnar carnes e queijos  com formol, uma substância com ação desinfetante, capaz de matar bactérias, produzida durante a queima e que, por isso, evita a deterioração  dos alimentos.  Hoje conservar os alimentos é um problema tratado, em geral, pela indústria. Como consumidores, só verificamos as datas de validade dos  produtos, as condições de conservação das embalagens e o destino mais adequado que podemos dar aos alimentos quando abertos. Até o início  do século 20, porém, conservar alimentos era uma prática doméstica e algumas das técnicas que você conheceu agora já eram usadas. Os  sertanejos, em suas viagens pelo Brasil, por exemplo, comiam carne seca, doce de cravo e canela, rapadura... Fácil entender porquê, né?!  Agora que você já está craque em conservação de alimentos, que tal fazer um incrível experimento para identificar as condições mais favoráveis  para o crescimento dos fungos?  Ciência Hoje das Crianças 134, abril 2003 Maria Emília Caixeta Castro Lima, Selma Moura Braga, Orlando Aguiar Jr., Faculdade de Educação e Centro Pedagógico, Universidade Federal de Minas Gerais, autores do livro Aprender ciências ­ um mundo de materiais, da editora UFMG. BIBLIOGRAFIA: http://cienciahoje.uol.com.br/materia/view/2014 EXPERIMENTO: Fungos em crescimento Há condições que são mais favoráveis para o crescimento dos fungos. Desafiamos você a identificar quais são fazendo este experimento! Pronto  para colocar as mãos na massa e, na prática, os seus conhecimentos?! 1. Ponha uma colher de mingau de amido de milho quente num copo plástico. Vede­o imediatamente com plástico. Cole nele uma etiqueta com o  número um. 2. Em outro copo, coloque uma colher de mingau de amido de milho, mas, desta vez, deixe­o esfriar antes de pôr a tampa. Cole uma etiqueta com  o número dois no copo. 3. Num terceiro copo, coloque uma colher de mingau de amido de milho, espere­o esfriar. Não tampe. Cole uma etiqueta com o número três e  3
  • 4. guarde­o na geladeira.  4. Ponha, no quarto copo, um colher de mingau, deixe­o destampado e fora da geladeira. Coloque nele uma etiqueta com o número 4. Feito isso, dê os seu palpite: em qual ordem de copos você acredita que os fungos aparecerão (por exemplo, primeiro no copo 3, a seguir, no 4  etc.)? Por quê? A seguir, fique de olho nos copos por uma semana. Registre, num quadro, o dia em que o fungo surgir, seu tamanho, sua  localização etc. Ao fim de sete dias, responda: suas previsões se confirmaram? Se não, tente explicar o que ocorreu! Resultado: Os fungos surgem na seguinte ordem: 1º ­ frasco nº 4. 2º ­ frasco nº 2. 3º ­ frasco nº 1. 4º ­ frasco nº 3. Dependendo da umidade e da temperatura  do ar dentro da geladeira, porém, o frasco nº 3 pode ter fungos antes do frasco nº 1. Note que as baixas temperaturas e o isolamento do ar foram  os elementos que favoreceram a conservação do mingau, enquanto a falta de refrigeração e o contato com o ar incentivaram o rápido  desenvolvimento de fungos. Sugestão: refaça o experimento, colocando canela no mingau ou um dos copos no freezer. No primeiro caso, você verificará que o mingau irá durar por mais  tempo e, no segundo, que ele nunca estragará!  IMPORTANTE!!!!! BIBLIOGRAFIA PARA ALIMENTOS • BEHMER, M.L.A., Tecnologia Do Leite. 11 ed., São Paulo, Livraria Nobel, 1986. • CRUESS, W.V., Elements of food technology. Westport, AVI Publishing Company, 1977. 763 p. • DESROSIER, N.W., Conservation de Alimentos. 2 ed. Westport, AVI Publishing Company, 1963. 468 p. • DESROSIER, N.W., Elements of food technology. AVI Publishing Company,1977.468 p. • GAVA, A.J., Princípios de Tecnologia de Alimentos, 6 ed., Nobel, São Paulo, 1984. • MORAES, M.A.C., Métodos para Avaliação Sensorial dos Alimentos, 5 ed. Editora da UNICAMP, Campinas, 1985. 314p. • POTTER, N. N., Food Science, 3rd edition, AVI Publishing Company Inc. Westport, 1980. • SCHVARTSMAN, S., Manual sobre Intoxicações Alimentares. Sociedade Brasileira de Pediatria, 1990. 45 p. 4