SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO – UEMA
CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE CAXIAS – CESC
DEPARTAMENTO: MATEMÁTICA E FÍSICA
DISCIPLINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
PROFESSOR: VALDONE
ACADEMICA: IVANYLDE P. DOS SANTOS
A GÊNESE DA TEORIA DAS PROBABILIDADES
ORIGEM DA TEORIA DAS PROBABILIDADES
Vicio, passatempo ou higiene mental, não importa, quase todas as culturas
primitivas praticavam algum tipo de jogo. O jogo foi o motor de arranque e o
primeiro beneficiado com as probabilidades. De facto, por volta de 1200 a.C.
existiam dados com forma cúbica feitos a partir de ossos chamado de
astrágalo.
Um dos jogos na Grécia antiga consistia em lançar simultaneamente quatro
astrágalos e verificar as faces que apareciam para cima. Neste caso as jogadas
mais valorizadas, em geral, era aquela que os ossos mostravam faces
diferentes.
O jogo de cartas pode ter surgido inicialmente na China, na Índia ou no Egito.
Só se tornou popular com invenção da imprensa no século XV é que as cartas
deixaram de ser algo acessível apenas aos bem-afortunados.
No entanto, o jogo atingiu uma grande popularidade com os gregos e os
romanos. Na Idade Média, a igreja católica era contra o jogo dos dados, não
pelo jogo em si, mas pelo vício de beber e dizer palavrões que
acompanhavam os jogos.
O imperador Cláudio (10 a.C.-54 d.C.) era tão viciado no jogo de dados que
escreveu um livro com título de Como ganhar com os dados.
Os jogadores inveterados do século XVI procuravam
cientistas de renome para que estes lhes dessem fórmulas
mágicas para garantir ganhos substanciais nas bancas de
jogo.
O contributo decisivo para o início da teoria das
probabilidades foi dada pela correspondência trocada
entre os matemáticos franceses Blaise Pascal e seu amigo
Pierre de Fermat, em que ambos, por diferentes
caminhos, chegaram à solução correta do célebre
problema da divisão das apostas em 1654.
Laplace escreveu: “A teoria das probabilidades, no fundo, não é mais
do que o bom senso traduzido em cálculo, permite calcular com exatidão
aquilo que as pessoas sentem por uma espécie de instinto.
É natural como tal ciência, que começou com estudos sobre jogos de
azar, tenha alcançado os mais altos níveis do conhecimento humano.”
Em 1812, Laplace publicou uma importante obra de Teoria Analítica
das Probabilidades, onde sistematizou os conhecimentos da época e onde
se encontra definida a Lei de Laplace.
Destaca-se a participação de Gauss (1777-1855) no aprofundamento da “Lei Normal” e
de Poisson na sua “Teoria da lei dos grandes números e da lei de repartição”.
No século XIX e princípio do século XX a teoria das probabilidades tornou-se um
instrumento eficaz, exato e fiável do conhecimento.
Surge a célebre escola de S. Petersburgo. Desta escola resultaram grandes nomes, tais
como: Tchébychev (1821-1894), Markov (1856-1922) e Liapounav (1857-1918). À escola
de S. Petersburgo sucedeu a escola soviética na qual destaca-se a participação de
Kolmogorov (1903-1987) que axiomatizou corretamente a teoria das probabilidades.
Gauss (1777-1855) Tchébychev (1821-1894) Markov (1856-1922) Liapounav (1857-1918) Kolmogorov (1903-1987)
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
IEZZI, Gelson...[et al.]. – Matemática 2º grau, 2ª série, pág-229. São Paulo:
Atual, 1993.
SITES:
http://www.brasilescola.com/matematica/historia-probabilidade.htm-28/05/2013.
http://www.somatematica.com.br/probab.php. 28/05/2013.
http://www.slideshare.net/marinaforcato/probabilidade-histria. 28/05/2013.
Teoria das probabilidades i

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Teoria das probabilidades i

Resgate histórico da geometria analítica
Resgate histórico da geometria analíticaResgate histórico da geometria analítica
Resgate histórico da geometria analítica
P_Reus
 
"O Teorema do Papagaio" de Denis Guedj
"O Teorema do Papagaio" de Denis Guedj"O Teorema do Papagaio" de Denis Guedj
"O Teorema do Papagaio" de Denis Guedj
Thales Rafael
 
Aristoteles Publisher
Aristoteles PublisherAristoteles Publisher
Aristoteles Publisher
guestb40e6a
 

Semelhante a Teoria das probabilidades i (20)

A vida e obra de René Descartes
A vida e obra de René DescartesA vida e obra de René Descartes
A vida e obra de René Descartes
 
Resgate histórico da geometria analítica
Resgate histórico da geometria analíticaResgate histórico da geometria analítica
Resgate histórico da geometria analítica
 
História do espiritismo no Brasil
História do espiritismo no BrasilHistória do espiritismo no Brasil
História do espiritismo no Brasil
 
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_penseAndre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
Andre dumas -_allan_kardec_sua_vida_e_sua_obra_-_pense
 
Probabilidade história
Probabilidade históriaProbabilidade história
Probabilidade história
 
Probabilidade origem
Probabilidade origemProbabilidade origem
Probabilidade origem
 
02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte
 
"O Teorema do Papagaio" de Denis Guedj
"O Teorema do Papagaio" de Denis Guedj"O Teorema do Papagaio" de Denis Guedj
"O Teorema do Papagaio" de Denis Guedj
 
Allan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obraAllan Kardec, vida e obra
Allan Kardec, vida e obra
 
1 davenport-ok
1 davenport-ok1 davenport-ok
1 davenport-ok
 
150 anos de O Livro dos Médiuns
150 anos de O Livro dos Médiuns150 anos de O Livro dos Médiuns
150 anos de O Livro dos Médiuns
 
( Espiritismo) # - a d e p - a procura e o conhecimento
( Espiritismo)   # - a d e p - a procura e o conhecimento( Espiritismo)   # - a d e p - a procura e o conhecimento
( Espiritismo) # - a d e p - a procura e o conhecimento
 
( Espiritismo) # - a d e p - a procura e o conhecimento
( Espiritismo)   # - a d e p - a procura e o conhecimento( Espiritismo)   # - a d e p - a procura e o conhecimento
( Espiritismo) # - a d e p - a procura e o conhecimento
 
( Espiritismo) # - a d e p - a procura e o conhecimento
( Espiritismo)   # - a d e p - a procura e o conhecimento( Espiritismo)   # - a d e p - a procura e o conhecimento
( Espiritismo) # - a d e p - a procura e o conhecimento
 
( Espiritismo) # - a d e p - a procura e o conhecimento
( Espiritismo)   # - a d e p - a procura e o conhecimento( Espiritismo)   # - a d e p - a procura e o conhecimento
( Espiritismo) # - a d e p - a procura e o conhecimento
 
Conclusao / resumo-factos espíritas
Conclusao / resumo-factos espíritasConclusao / resumo-factos espíritas
Conclusao / resumo-factos espíritas
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Sociedade parisiense espirita
Sociedade parisiense espiritaSociedade parisiense espirita
Sociedade parisiense espirita
 
Aristoteles Publisher
Aristoteles PublisherAristoteles Publisher
Aristoteles Publisher
 
3. do humanismo à descartes
3. do humanismo à descartes3. do humanismo à descartes
3. do humanismo à descartes
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 

Teoria das probabilidades i

  • 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO – UEMA CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE CAXIAS – CESC DEPARTAMENTO: MATEMÁTICA E FÍSICA DISCIPLINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA PROFESSOR: VALDONE ACADEMICA: IVANYLDE P. DOS SANTOS A GÊNESE DA TEORIA DAS PROBABILIDADES
  • 2. ORIGEM DA TEORIA DAS PROBABILIDADES Vicio, passatempo ou higiene mental, não importa, quase todas as culturas primitivas praticavam algum tipo de jogo. O jogo foi o motor de arranque e o primeiro beneficiado com as probabilidades. De facto, por volta de 1200 a.C. existiam dados com forma cúbica feitos a partir de ossos chamado de astrágalo. Um dos jogos na Grécia antiga consistia em lançar simultaneamente quatro astrágalos e verificar as faces que apareciam para cima. Neste caso as jogadas mais valorizadas, em geral, era aquela que os ossos mostravam faces diferentes.
  • 3. O jogo de cartas pode ter surgido inicialmente na China, na Índia ou no Egito. Só se tornou popular com invenção da imprensa no século XV é que as cartas deixaram de ser algo acessível apenas aos bem-afortunados. No entanto, o jogo atingiu uma grande popularidade com os gregos e os romanos. Na Idade Média, a igreja católica era contra o jogo dos dados, não pelo jogo em si, mas pelo vício de beber e dizer palavrões que acompanhavam os jogos. O imperador Cláudio (10 a.C.-54 d.C.) era tão viciado no jogo de dados que escreveu um livro com título de Como ganhar com os dados.
  • 4. Os jogadores inveterados do século XVI procuravam cientistas de renome para que estes lhes dessem fórmulas mágicas para garantir ganhos substanciais nas bancas de jogo. O contributo decisivo para o início da teoria das probabilidades foi dada pela correspondência trocada entre os matemáticos franceses Blaise Pascal e seu amigo Pierre de Fermat, em que ambos, por diferentes caminhos, chegaram à solução correta do célebre problema da divisão das apostas em 1654.
  • 5. Laplace escreveu: “A teoria das probabilidades, no fundo, não é mais do que o bom senso traduzido em cálculo, permite calcular com exatidão aquilo que as pessoas sentem por uma espécie de instinto. É natural como tal ciência, que começou com estudos sobre jogos de azar, tenha alcançado os mais altos níveis do conhecimento humano.” Em 1812, Laplace publicou uma importante obra de Teoria Analítica das Probabilidades, onde sistematizou os conhecimentos da época e onde se encontra definida a Lei de Laplace.
  • 6. Destaca-se a participação de Gauss (1777-1855) no aprofundamento da “Lei Normal” e de Poisson na sua “Teoria da lei dos grandes números e da lei de repartição”. No século XIX e princípio do século XX a teoria das probabilidades tornou-se um instrumento eficaz, exato e fiável do conhecimento. Surge a célebre escola de S. Petersburgo. Desta escola resultaram grandes nomes, tais como: Tchébychev (1821-1894), Markov (1856-1922) e Liapounav (1857-1918). À escola de S. Petersburgo sucedeu a escola soviética na qual destaca-se a participação de Kolmogorov (1903-1987) que axiomatizou corretamente a teoria das probabilidades. Gauss (1777-1855) Tchébychev (1821-1894) Markov (1856-1922) Liapounav (1857-1918) Kolmogorov (1903-1987)
  • 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: IEZZI, Gelson...[et al.]. – Matemática 2º grau, 2ª série, pág-229. São Paulo: Atual, 1993. SITES: http://www.brasilescola.com/matematica/historia-probabilidade.htm-28/05/2013. http://www.somatematica.com.br/probab.php. 28/05/2013. http://www.slideshare.net/marinaforcato/probabilidade-histria. 28/05/2013.