SlideShare uma empresa Scribd logo
Tempestades
Uma tempestade é um estado climático de curta duração marcado por ventos fortes, trovoadas e precipitação forte.  As tempestades acontecem, geralmente, quando o aquecimento diferencial da superfície da terra é o mecanismo dominante para o disparo do processo de formação de tempestades. Conforme as áreas da terra são aquecidas a diferentes taxas, o fluxo de baixos - níveis  cria zonas de convergência.
Dentro de uma tempestade, o ar circula verticalmente e horizontalmente. O ar quente e húmido fluindo dentro de uma tempestade (influxo) sobe e cria correntes ascendentes fortes. Conforme a subida, o ar é arrefecido, fazendo com que o vapor de água condense; em consequência, as gotículas da nuvem crescem para gotas da nuvem e caem como precipitação.  À medida que a chuva cai, através da tempestade, o ar é arrefecido e cai no solo como forma de uma corrente descendente. O afundamento do ar frio forma um domo de alta pressão à superfície.
Durante as tempestades, aumenta o risco de acidentes causados por descargas eléctricas.  A corrente eléctrica de um raio pode causar graves queimaduras e outros danos em certos órgãos, como por exemplo, no coração, nos pulmões, no sistema nervoso e noutras partes do corpo. Além do aquecimento brusco do corpo, a vítima pode sofrer, também, um série de reacções electroquímicas que causarão disfunções em todo o corpo.
Para se fazer uma previsão mais acurada das tempestades, os meteorologistas usam uma ampla variedade de dados – incluindo radares, imagens de satélites, estações de superfície e altitude – para monitorizar o desenvolvimento do tempo severo.  Quando usados colectivamente, estes dados são ainda mais acurados.
  O radar e a modelização permitem prever as precipitações e as suas consequências de forma a cada vez mais exacta. Se este conhecimento dos riscos não é suficiente para anular os prejuízos causados pelas águas, permite pelo menos às autoridades públicas a instauração de dispositivos de segurança à população.
COMO A DEFESA CIVIL VÊ UMA TEMPESTADE Desastre  Componentes  Consequências  Problemas a enfrentar Tempestade  Chuvas pesadas; Ventos fortes; Raios; Granizo; Frio intenso.  Inundações; Deslizamento de encostas; Danos parciais ou totais às estruturas; Cortes nas linhas de abastecimento; Baixa visibilidade.  Mortos; Feridos; Contaminados; Epidemias; Desabrigados; Falta de energia; Falta e contaminação da água; Prejuízos morais, matérias e psicológicos; Congestionamento do trânsito.
 
Tempestades tropicais
As tempestades tropicais começam no mar mas podem ser levadas até terra, através do vento forte e violento que as caracteriza.  Estas, são mais frequentes em três regiões do mundo: no mar das Caraíbas, na parte Sul do Oceano Índico e no Atlântico Norte.
Os ventos circulam a uma velocidade que pode variar entre os 62km/h e os 118km/h.  Neste estado de desenvolvimento, atribui-se um nome distintivo ao ciclone, porque “olho” pode tornar-se visível.
Furacão  Katrina  Furacão  Katrina,  26  de Agosto de 2005 Formação:  23 de Agosto de 2005 Dissipação:  31 de Agosto de 2005 Vento mais  150 nós (278km/h, forte (1min.)  173mph)
O furacão  Katrina  foi uma tempestade tropical que alcançou a categoria 5 na escala de Furacões de  Saffir-Simpson,  onde os  ventos atingiram mais de 280km/h. De acordo com o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, havia formado uma depressão tropical a sudeste das Bahamas. No 23 dia de Agosto evoluiu para uma tempestade tropical e a  25 do mesmo mês aproximou-se de Aventura, na Florida.
O Katrina enfraqueceu a 26 de Agosto, depois de se encontrar com a terra, transformando-se em categoria 2. A 27 do mesmo mês, evolui para categoria 3 e, no dia seguinte, para categoria 4 com ventos de 281km/h, ultrapassando o ponto de inicio da categoria 5.
Consequências   Como consequência da tempestade, muitos problemas apareceram. Cerca de 200 mil casas ficaram debaixo de água em Nova Orleães. O sistema sanitário e de esgotos ficaram danificados. Isto fez com que só se pudesse retornar no verão de 2006. A maioria dos habitantes foram evacuados para outras cidades do estado, ou transferidos para regiões distantes.
Consequências  A interrupção do suprimento de petróleo, as importações e exportações  causadas pela tempestade tiveram consequência para a economia global. Em contagem final, deram-se conta de 1883 mortes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As secas
As secasAs secas
As secas
Mayjö .
 
Furacões e tornados
Furacões e tornadosFuracões e tornados
Furacões e tornados
Ilda Bicacro
 
Riscos naturais
Riscos naturaisRiscos naturais
Riscos naturais
Mayjö .
 
Riscos naturais - conceitos básicos
Riscos naturais -  conceitos básicosRiscos naturais -  conceitos básicos
Riscos naturais - conceitos básicos
Célia Pereira
 
Resumos geografia climas
Resumos geografia climasResumos geografia climas
Resumos geografia climas
Goreti Carvalho
 
Destruição da camada de ozono 9º4
Destruição da camada de ozono 9º4Destruição da camada de ozono 9º4
Destruição da camada de ozono 9º4
Mayjö .
 
Poluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalhoPoluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalho
Mayjö .
 
Tempestades, secas, ondas de frio e calor trabalho geografia 9ºano
Tempestades, secas, ondas de frio e calor trabalho geografia 9ºanoTempestades, secas, ondas de frio e calor trabalho geografia 9ºano
Tempestades, secas, ondas de frio e calor trabalho geografia 9ºano
Hus Juky
 
Temperatura
TemperaturaTemperatura
Temperatura
Carlamspc
 
Tempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências NaturaisTempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências Naturais
Elsa Pereira
 
Sismos
SismosSismos
As telecomunicações
As telecomunicaçõesAs telecomunicações
As telecomunicações
Mayjö .
 
Secas
SecasSecas
Secas
Carlamspc
 
Terror de te amar Sophia de Mello Breyner
Terror de te amar Sophia de Mello Breyner Terror de te amar Sophia de Mello Breyner
Terror de te amar Sophia de Mello Breyner
Catarina'a Silva
 
Cheias e inundações
Cheias e inundaçõesCheias e inundações
Cheias e inundações
Carlos Henrique Tavares
 
Clima Em Portugal
Clima Em PortugalClima Em Portugal
Clima Em Portugal
analuisacvieira
 
Movimentos de Vertente
Movimentos de VertenteMovimentos de Vertente
Movimentos de Vertente
EBSPMA
 
Furacoes
FuracoesFuracoes
Furacoes
penedono
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
André Cerqueira
 
Furacões
FuracõesFuracões
Furacões
LuisMagina
 

Mais procurados (20)

As secas
As secasAs secas
As secas
 
Furacões e tornados
Furacões e tornadosFuracões e tornados
Furacões e tornados
 
Riscos naturais
Riscos naturaisRiscos naturais
Riscos naturais
 
Riscos naturais - conceitos básicos
Riscos naturais -  conceitos básicosRiscos naturais -  conceitos básicos
Riscos naturais - conceitos básicos
 
Resumos geografia climas
Resumos geografia climasResumos geografia climas
Resumos geografia climas
 
Destruição da camada de ozono 9º4
Destruição da camada de ozono 9º4Destruição da camada de ozono 9º4
Destruição da camada de ozono 9º4
 
Poluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalhoPoluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalho
 
Tempestades, secas, ondas de frio e calor trabalho geografia 9ºano
Tempestades, secas, ondas de frio e calor trabalho geografia 9ºanoTempestades, secas, ondas de frio e calor trabalho geografia 9ºano
Tempestades, secas, ondas de frio e calor trabalho geografia 9ºano
 
Temperatura
TemperaturaTemperatura
Temperatura
 
Tempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências NaturaisTempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências Naturais
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
As telecomunicações
As telecomunicaçõesAs telecomunicações
As telecomunicações
 
Secas
SecasSecas
Secas
 
Terror de te amar Sophia de Mello Breyner
Terror de te amar Sophia de Mello Breyner Terror de te amar Sophia de Mello Breyner
Terror de te amar Sophia de Mello Breyner
 
Cheias e inundações
Cheias e inundaçõesCheias e inundações
Cheias e inundações
 
Clima Em Portugal
Clima Em PortugalClima Em Portugal
Clima Em Portugal
 
Movimentos de Vertente
Movimentos de VertenteMovimentos de Vertente
Movimentos de Vertente
 
Furacoes
FuracoesFuracoes
Furacoes
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 
Furacões
FuracõesFuracões
Furacões
 

Destaque

Los Vientos
Los VientosLos Vientos
Los Vientos
reynareynareyna
 
Tornado
TornadoTornado
El viento
El vientoEl viento
El viento
FarruQuito_60
 
Blizzard
BlizzardBlizzard
Blizzard
azamhicks
 
Circulación de los vientos
Circulación de los vientosCirculación de los vientos
Circulación de los vientos
ccccc B J
 
Los vientos
Los vientosLos vientos
Los vientos
Kenlly Rufino
 
Blizzards
BlizzardsBlizzards
Blizzards
Franglish5
 
Los tornados
Los tornadosLos tornados
Los tornados
Suyleen Goomita Ü
 
remolinos en botellas y barcos a propulsión
remolinos en botellas y barcos a propulsiónremolinos en botellas y barcos a propulsión
remolinos en botellas y barcos a propulsión
Carlos Cáceres
 
La tempestad calmada final
La tempestad calmada finalLa tempestad calmada final
La tempestad calmada final
hjonilton
 
Tornados
TornadosTornados
Tornados
cjveronelli
 
Cómo se forma el viento
Cómo se forma el vientoCómo se forma el viento
Cómo se forma el viento
IDDEA
 
Remolino en una botella
Remolino en una botellaRemolino en una botella
Remolino en una botella
Carmen Castillo Garcia
 
Tipos de vientos
Tipos de vientosTipos de vientos
Tipos de vientos
ceiprueda
 
Tempestades Tropicais
Tempestades TropicaisTempestades Tropicais
Tempestades Tropicais
PanquecasSIAA
 
Vientos
VientosVientos
El viento
El vientoEl viento
El viento
naturales_eso
 
El Viento
El VientoEl Viento
El Viento
cnsg1259alumn
 

Destaque (18)

Los Vientos
Los VientosLos Vientos
Los Vientos
 
Tornado
TornadoTornado
Tornado
 
El viento
El vientoEl viento
El viento
 
Blizzard
BlizzardBlizzard
Blizzard
 
Circulación de los vientos
Circulación de los vientosCirculación de los vientos
Circulación de los vientos
 
Los vientos
Los vientosLos vientos
Los vientos
 
Blizzards
BlizzardsBlizzards
Blizzards
 
Los tornados
Los tornadosLos tornados
Los tornados
 
remolinos en botellas y barcos a propulsión
remolinos en botellas y barcos a propulsiónremolinos en botellas y barcos a propulsión
remolinos en botellas y barcos a propulsión
 
La tempestad calmada final
La tempestad calmada finalLa tempestad calmada final
La tempestad calmada final
 
Tornados
TornadosTornados
Tornados
 
Cómo se forma el viento
Cómo se forma el vientoCómo se forma el viento
Cómo se forma el viento
 
Remolino en una botella
Remolino en una botellaRemolino en una botella
Remolino en una botella
 
Tipos de vientos
Tipos de vientosTipos de vientos
Tipos de vientos
 
Tempestades Tropicais
Tempestades TropicaisTempestades Tropicais
Tempestades Tropicais
 
Vientos
VientosVientos
Vientos
 
El viento
El vientoEl viento
El viento
 
El Viento
El VientoEl Viento
El Viento
 

Semelhante a Tempestades

Catástrofes Naturais
Catástrofes NaturaisCatástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
SMS191
 
Furacão sandy
Furacão sandyFuracão sandy
Furacão sandy
yayatrentino
 
Furacões e tornados
Furacões e tornadosFuracões e tornados
Furacões e tornados
Daiane Moura
 
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no BrasilAnálise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
Elias Galvan
 
CatáStrofes Naturais
CatáStrofes NaturaisCatáStrofes Naturais
CatáStrofes Naturais
AFPP
 
Catástrofes Naturais
Catástrofes NaturaisCatástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
AFPP
 
Catástrofes Naturais
Catástrofes NaturaisCatástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
GrupoRGF
 
Catástrofes naturais daniel
Catástrofes naturais danielCatástrofes naturais daniel
Catástrofes naturais daniel
protecaocivil
 
desastres climaticos
desastres climaticosdesastres climaticos
desastres climaticos
B0das
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
dianalove15
 
Tornado
TornadoTornado
Elementos e fatores_climaticos
Elementos e fatores_climaticosElementos e fatores_climaticos
Elementos e fatores_climaticos
marcokiko84
 
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho Ucs
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho   UcsDesastres Naturais Vandriani Hermes Botelho   Ucs
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho Ucs
Vandriani Botelho
 
Furacão 2 D
Furacão 2 DFuracão 2 D
FuracõEs 2
FuracõEs 2FuracõEs 2
FuracõEs 2
sibfv
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
protecaocivil
 
Terremoto- ciclone e furacão 2011
Terremoto- ciclone e furacão 2011Terremoto- ciclone e furacão 2011
Terremoto- ciclone e furacão 2011
Regina E Franck
 
Desastres naturais.
Desastres naturais.Desastres naturais.
Desastres naturais.
guesta5f4a7d
 
Trabalho de ciencias
Trabalho de cienciasTrabalho de ciencias
Trabalho de ciencias
quimpreto
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
guest2aa3a0e9c
 

Semelhante a Tempestades (20)

Catástrofes Naturais
Catástrofes NaturaisCatástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
 
Furacão sandy
Furacão sandyFuracão sandy
Furacão sandy
 
Furacões e tornados
Furacões e tornadosFuracões e tornados
Furacões e tornados
 
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no BrasilAnálise da ocorrência de downbursts no Brasil
Análise da ocorrência de downbursts no Brasil
 
CatáStrofes Naturais
CatáStrofes NaturaisCatáStrofes Naturais
CatáStrofes Naturais
 
Catástrofes Naturais
Catástrofes NaturaisCatástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
 
Catástrofes Naturais
Catástrofes NaturaisCatástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
 
Catástrofes naturais daniel
Catástrofes naturais danielCatástrofes naturais daniel
Catástrofes naturais daniel
 
desastres climaticos
desastres climaticosdesastres climaticos
desastres climaticos
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
 
Tornado
TornadoTornado
Tornado
 
Elementos e fatores_climaticos
Elementos e fatores_climaticosElementos e fatores_climaticos
Elementos e fatores_climaticos
 
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho Ucs
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho   UcsDesastres Naturais Vandriani Hermes Botelho   Ucs
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho Ucs
 
Furacão 2 D
Furacão 2 DFuracão 2 D
Furacão 2 D
 
FuracõEs 2
FuracõEs 2FuracõEs 2
FuracõEs 2
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
Terremoto- ciclone e furacão 2011
Terremoto- ciclone e furacão 2011Terremoto- ciclone e furacão 2011
Terremoto- ciclone e furacão 2011
 
Desastres naturais.
Desastres naturais.Desastres naturais.
Desastres naturais.
 
Trabalho de ciencias
Trabalho de cienciasTrabalho de ciencias
Trabalho de ciencias
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
 

Mais de Samanta Duarte

V3r518 Holanda
V3r518  HolandaV3r518  Holanda
V3r518 Holanda
Samanta Duarte
 
Gestão Sustentável dos Recursos
Gestão Sustentável dos RecursosGestão Sustentável dos Recursos
Gestão Sustentável dos Recursos
Samanta Duarte
 
Sismos
SismosSismos
Secas
SecasSecas
Inundações2
Inundações2Inundações2
Inundações2
Samanta Duarte
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
Samanta Duarte
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
Samanta Duarte
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
Samanta Duarte
 

Mais de Samanta Duarte (8)

V3r518 Holanda
V3r518  HolandaV3r518  Holanda
V3r518 Holanda
 
Gestão Sustentável dos Recursos
Gestão Sustentável dos RecursosGestão Sustentável dos Recursos
Gestão Sustentável dos Recursos
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Secas
SecasSecas
Secas
 
Inundações2
Inundações2Inundações2
Inundações2
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 

Tempestades

  • 2. Uma tempestade é um estado climático de curta duração marcado por ventos fortes, trovoadas e precipitação forte. As tempestades acontecem, geralmente, quando o aquecimento diferencial da superfície da terra é o mecanismo dominante para o disparo do processo de formação de tempestades. Conforme as áreas da terra são aquecidas a diferentes taxas, o fluxo de baixos - níveis cria zonas de convergência.
  • 3. Dentro de uma tempestade, o ar circula verticalmente e horizontalmente. O ar quente e húmido fluindo dentro de uma tempestade (influxo) sobe e cria correntes ascendentes fortes. Conforme a subida, o ar é arrefecido, fazendo com que o vapor de água condense; em consequência, as gotículas da nuvem crescem para gotas da nuvem e caem como precipitação. À medida que a chuva cai, através da tempestade, o ar é arrefecido e cai no solo como forma de uma corrente descendente. O afundamento do ar frio forma um domo de alta pressão à superfície.
  • 4. Durante as tempestades, aumenta o risco de acidentes causados por descargas eléctricas. A corrente eléctrica de um raio pode causar graves queimaduras e outros danos em certos órgãos, como por exemplo, no coração, nos pulmões, no sistema nervoso e noutras partes do corpo. Além do aquecimento brusco do corpo, a vítima pode sofrer, também, um série de reacções electroquímicas que causarão disfunções em todo o corpo.
  • 5. Para se fazer uma previsão mais acurada das tempestades, os meteorologistas usam uma ampla variedade de dados – incluindo radares, imagens de satélites, estações de superfície e altitude – para monitorizar o desenvolvimento do tempo severo. Quando usados colectivamente, estes dados são ainda mais acurados.
  • 6. O radar e a modelização permitem prever as precipitações e as suas consequências de forma a cada vez mais exacta. Se este conhecimento dos riscos não é suficiente para anular os prejuízos causados pelas águas, permite pelo menos às autoridades públicas a instauração de dispositivos de segurança à população.
  • 7. COMO A DEFESA CIVIL VÊ UMA TEMPESTADE Desastre Componentes Consequências Problemas a enfrentar Tempestade Chuvas pesadas; Ventos fortes; Raios; Granizo; Frio intenso. Inundações; Deslizamento de encostas; Danos parciais ou totais às estruturas; Cortes nas linhas de abastecimento; Baixa visibilidade. Mortos; Feridos; Contaminados; Epidemias; Desabrigados; Falta de energia; Falta e contaminação da água; Prejuízos morais, matérias e psicológicos; Congestionamento do trânsito.
  • 8.  
  • 10. As tempestades tropicais começam no mar mas podem ser levadas até terra, através do vento forte e violento que as caracteriza. Estas, são mais frequentes em três regiões do mundo: no mar das Caraíbas, na parte Sul do Oceano Índico e no Atlântico Norte.
  • 11. Os ventos circulam a uma velocidade que pode variar entre os 62km/h e os 118km/h. Neste estado de desenvolvimento, atribui-se um nome distintivo ao ciclone, porque “olho” pode tornar-se visível.
  • 12. Furacão Katrina Furacão Katrina, 26 de Agosto de 2005 Formação: 23 de Agosto de 2005 Dissipação: 31 de Agosto de 2005 Vento mais 150 nós (278km/h, forte (1min.) 173mph)
  • 13. O furacão Katrina foi uma tempestade tropical que alcançou a categoria 5 na escala de Furacões de Saffir-Simpson, onde os ventos atingiram mais de 280km/h. De acordo com o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, havia formado uma depressão tropical a sudeste das Bahamas. No 23 dia de Agosto evoluiu para uma tempestade tropical e a 25 do mesmo mês aproximou-se de Aventura, na Florida.
  • 14. O Katrina enfraqueceu a 26 de Agosto, depois de se encontrar com a terra, transformando-se em categoria 2. A 27 do mesmo mês, evolui para categoria 3 e, no dia seguinte, para categoria 4 com ventos de 281km/h, ultrapassando o ponto de inicio da categoria 5.
  • 15. Consequências Como consequência da tempestade, muitos problemas apareceram. Cerca de 200 mil casas ficaram debaixo de água em Nova Orleães. O sistema sanitário e de esgotos ficaram danificados. Isto fez com que só se pudesse retornar no verão de 2006. A maioria dos habitantes foram evacuados para outras cidades do estado, ou transferidos para regiões distantes.
  • 16. Consequências A interrupção do suprimento de petróleo, as importações e exportações causadas pela tempestade tiveram consequência para a economia global. Em contagem final, deram-se conta de 1883 mortes.