SlideShare uma empresa Scribd logo
TECNOLOGIA para financiamento estudantes
TECNOLOGIA para financiamento estudantes
Sem fronteiras
A	
   tecnologia	
   é	
   importante	
   por	
   várias
	
  
razões,	
  principalmente	
  para	
  que	
  todas	
  as
	
  
pessoas	
   possam	
   compar9lhar	
   suas
	
  
próprias	
  ideias	
  com	
  o	
  mundo.	
  
	
  
Mitchel	
  Resnik,
	
  
	
  
professor	
  do	
  Ins4tuto	
  de	
  Tecnologia	
  da	
  Universidade
	
  
	
  
de	
  Massachuse;s	
  (MIT)	
  e	
  criador	
  do	
  Scratch
	
  
Agenda
1. Por	
  que	
  tornar	
  a	
  tecnologia	
  um	
  componente?	
  
	
  
2. Como	
  funciona	
  na	
  prá4ca?	
  
	
  
3. O	
  que	
  a	
  tecnologia	
  deve	
  proporcionar	
  ao	
  aluno	
  
	
  
4. Eixos	
  do	
  componente	
  tecnologia	
  
	
  
5. Exemplos	
  de	
  prá4cas	
  do	
  componente	
  tecnologia	
  
	
  
6. Exemplo	
  de	
  desenvolvimento	
  cogni4vo	
  e	
  socioemocional	
  
Agenda
7. Diversidade	
  de	
  realidades	
  dentro	
  da	
  rede	
  
	
  
8. Nível	
  de	
  maturidade	
  no	
  uso	
  de	
  tecnologia	
  
	
  
9. É	
  possível	
  começar	
  hoje!	
  
	
  
10. Acompanhar	
  a	
  aprendizagem	
  e	
  o	
  desenvolvimento	
  dos	
  estudantes	
  
	
  
11. Passo	
  a	
  passo	
  para	
  a	
  implementação	
  
	
  
12. Dúvidas	
  
	
  
13. Preparação	
  para	
  a	
  formação	
  e	
  a	
  implementação	
  
Por que tornar a tecnologia um componente?
• 91%	
  dos	
  estudantes	
  acham	
  que	
  é	
  importante	
  saber	
  usar	
  as	
  novas	
  	
  
tecnologias	
  –	
  Pesquisa	
  realizada	
  pela	
  Secretaria	
  Estadual	
  	
  
de	
  Educação	
  de	
  São	
  Paulo	
  em	
  2019	
  com	
  160	
  mil	
  estudantes.	
  
	
  
• 57%	
  dos	
  jovens	
  classificam	
  como	
  regular	
  ou	
  ruim	
  o	
  uso	
  da	
  	
  
tecnologia	
  na	
  escola	
  –	
  	
  Pesquisa	
  Nossa	
  Escola	
  em	
  (Re)Construção.	
  
• 51%	
  dos	
  estudantes	
  querem	
  tecnologia	
  não	
  apenas	
  no	
  laboratório	
  	
  
de	
  informá4ca	
  –	
  Pesquisa	
  Nossa	
  Escola	
  em	
  (Re)Construção.	
  
• 93%	
  dos	
  professores	
  acham	
  importante	
  a	
  escola	
  ampliar	
  	
  
a	
  capacidade	
  de	
  o	
  estudante	
  usar	
  a	
  tecnologia	
  –	
  Pesquisa	
  realizada	
  	
  
pela	
  Secretaria	
  Estadual	
  de	
  Educação	
  de	
  São	
  Paulo	
  em	
  2019	
  	
  
com	
  88	
  mil	
  professores.	
  
	
  
• A	
  competência	
  geral	
  5	
  da	
  BNCC	
  trata	
  da	
  importância	
  da	
  tecnologia:	
  
– Compreender,	
  u4lizar	
  e	
  criar	
  tecnologias	
  digitais	
  de	
  informação	
  	
  
e	
  comunicação	
  de	
  forma	
  crí4ca,	
  significa4va,	
  reflexiva	
  e	
  é4ca	
  	
  
nas	
  diversas	
  prá4cas	
  sociais	
  (incluindo	
  as	
  escolares)	
  	
  
para	
  se	
  comunicar,	
  acessar	
  e	
  disseminar	
  informações,	
  	
  
produzir	
  conhecimentos,	
  resolver	
  problemas	
  e	
  exercer	
  protagonismo	
  	
  
e	
  autoria	
  na	
  vida	
  pessoal	
  e	
  cole4va.	
  
Por que tornar a tecnologia um componente?
• Um	
  tempo	
  de	
  aula	
  de	
  45	
  minutos	
  por	
  semana.	
  
	
  
• Um	
  professor	
  para	
  cada	
  turma.	
  
	
  
• Os	
  conteúdos	
  e	
  as	
  prá4cas	
  são	
  flexíveis	
  para	
  funcionar	
  	
  
independentemente	
  do	
  nível	
  de	
  maturidade	
  da	
  escola	
  no	
  que	
  	
  
diz	
  respeito	
  a	
  infraestrutura,	
  formação	
  dos	
  professores	
  etc.	
  
	
  
• Pode	
  acontecer	
  em	
  diversos	
  espaços	
  dentro	
  e	
  fora	
  da	
  escola,	
  	
  
e	
  não	
  apenas	
  no	
  laboratório	
  de	
  informá4ca.	
  
Como funciona na prática?
• 22	
  horas	
  de	
  formação	
  específica	
  para	
  professores	
  	
  
interessados	
  em	
  ministrar	
  ele4vas	
  +	
  30	
  horas	
  de	
  formação	
  específica	
  para	
  professores	
  
classificados	
  	
  
	
  
• Desenvolvido	
  com	
  base	
  em	
  situações	
  didá4cas	
  diversificadas,	
  	
  
tendo	
  como	
  foco	
  o	
  envolvimento	
  dos	
  estudantes	
  na	
  realização	
  	
  
de	
  projetos	
  que	
  u4lizem	
  diferentes	
  linguagens,	
  	
  
mídias	
  e	
  ferramentas	
  digitais.	
  
	
  
• A	
  Secretaria	
  Estadual	
  disponibilizará	
  materiais	
  de	
  apoio	
  para	
  	
  
os	
  professores	
  e	
  reforçará	
  a	
  infraestrutura	
  tecnológica	
  das	
  escolas.	
  
Como funciona na prática?
O que a tecnologia deve proporcionar ao aluno?
1. U4lizar	
  tecnologias	
  de	
  forma	
  autoral.	
  
	
  
2. Maior	
  fluência,	
  responsabilidade	
  e	
  amplitude	
  na	
  comunicação	
  	
  
ao	
  acessar,	
  produzir	
  e	
  disseminar	
  informações.	
  
	
  
3. Produzir	
  conhecimentos	
  e	
  resolver	
  problemas.	
  
	
  
4. Refle4r	
  de	
  forma	
  crí4ca	
  sobre	
  a	
  cultura	
  digital	
  e	
  os	
  impactos	
  	
  
da	
  tecnologia	
  nos	
  indivíduos,	
  no	
  mundo	
  do	
  trabalho,	
  na	
  sociedade	
  	
  
e	
  no	
  meio	
  ambiente.	
  
O que a tecnologia deve proporcionar ao aluno?
5. Aproximar	
  o	
  currículo,	
  as	
  prá4cas	
  e	
  o	
  co4diano	
  da	
  escola	
  	
  
de	
  sua	
  realidade	
  e	
  de	
  seus	
  interesses.	
  
	
  
6. Ampliar,	
  diversificar	
  e/ou	
  aprofundar	
  conteúdos	
  	
  
e	
  habilidades	
  de	
  um	
  ou	
  mais	
  componentes	
  curriculares	
  	
  
do	
  Currículo	
  Paulista.	
  
Eixos do componente tecnologia
O	
  componente	
  tecnologia	
  envolve	
  diversas	
  áreas:	
  
Mídias	
  digitais
	
  
Compreende	
  as	
  habilidades	
  e	
  os	
  conhecimentos	
  relacionados	
  	
  
ao	
  uso	
  de	
  múl4plas	
  mídias	
  em	
  suportes	
  digitais,	
  bem	
  como	
  	
  
a	
  criação	
  de	
  produtos	
  de	
  mídia	
  para	
  expressão,	
  comunicação	
  	
  
e	
  registro,	
  entre	
  outros.	
  
Cidadania	
  digital
	
  
Pondera	
  os	
  aspectos	
  é4cos	
  do	
  uso	
  da	
  tecnologia,	
  considerando:	
  
acesso	
  a	
  informações,	
  comunicação,	
  direito	
  digital,	
  	
  
responsabilidade,	
  segurança	
  e	
  privacidade,	
  entre	
  outros.	
  
Eixos do componente tecnologia
O	
  componente	
  tecnologia	
  envolve	
  diversas	
  áreas:	
  
Robó@ca,	
  
programação
	
  
e	
  redes
	
  
Envolve	
  as	
  habilidades	
  e	
  os	
  conhecimentos	
  relacionados	
  	
  
à	
  resolução	
  de	
  problemas	
  com	
  auxílio	
  de	
  computadores,	
  	
  
criação	
  de	
  instruções	
  (algoritmos),	
  automação	
  de	
  disposi4vos	
  
lsicos	
  e	
  digitais;	
  e	
  organização,	
  representação	
  e	
  análise	
  	
  
de	
  dados.	
  
• #AprenderFazendo	
  (“cultura	
  maker”)	
  é	
  elemento	
  fundamental	
  para	
  que	
  o	
  aluno	
  	
  
desenvolva	
  as	
  habilidades	
  e	
  os	
  conhecimentos	
  de	
  tecnologia	
  em	
  todos	
  os	
  eixos.	
  
Exemplos de práticas do componente tecnologia
Fonte:	
  www.porvir.org.br
	
  
Ex.:	
  alunos	
  criam	
  cartazes	
  para	
  encorajar	
  meninas	
  a	
  se	
  engajarem	
  em	
  tecnologia.	
  
Nessa	
  prá4ca,	
  os	
  alunos	
  vão:	
  
• Cidadania	
  digital:	
  Pesquisar	
  e	
  discu4r	
  sobre	
  a	
  par4cipação	
  	
  
das	
  mulheres	
  na	
  tecnologia	
  para	
  iden4ficar	
  figuras	
  inspiradoras	
  	
  
nesse	
  sen4do.	
  	
  
	
  
• Cidadania	
  digital:	
  Iden4ficar	
  imagens	
  com	
  direitos	
  	
  
autorais	
  abertos	
  para	
  a	
  u4lização	
  em	
  cartazes.	
  
Exemplos de práticas do componente tecnologia
Ex.:	
  alunos	
  criam	
  cartazes	
  para	
  encorajar	
  meninas	
  a	
  se	
  engajarem	
  em	
  tecnologia.	
  
Nessa	
  prá4ca,	
  os	
  alunos	
  vão:	
  
• Mídias	
  digitais:	
  Produzir	
  cartazes	
  com	
  as	
  mulheres	
  	
  
que	
  pesquisaram	
  para	
  serem	
  compar4lhados,	
  fisicamente,	
  	
  
pela	
  escola	
  e,	
  digitalmente,	
  nas	
  redes	
  sociais.	
  	
  
	
  
• Mídias	
  digitais:	
  Iden4ficar	
  e	
  u4lizar	
  aplica4vos	
  para	
  a	
  produção	
  de	
  imagens.	
  
Exemplos de práticas do componente tecnologia
Ex.:	
  alunos	
  criam	
  cartazes	
  para	
  encorajar	
  meninas	
  a	
  se	
  engajarem	
  em	
  tecnologia.	
  
Nessa	
  prá4ca,	
  os	
  alunos	
  vão:	
  
• Organizar	
  o	
  trabalho	
  em	
  grupo,	
  aprendendo	
  a	
  respeitar	
  as	
  opiniões	
  	
  
editoriais	
  de	
  cada	
  um	
  e	
  a	
  valorizar	
  os	
  talentos	
  diversos.	
  
	
  
• Mídias	
  digitais:	
  Pesquisar,	
  testar	
  e	
  entender	
  como	
  usar	
  suportes	
  	
  
digitais	
  de	
  comunicação	
  por	
  áudio.	
  Pesquisar,	
  planejar	
  e	
  escrever	
  	
  
conteúdo	
  para	
  ser	
  gravado.	
  
	
  
• Mídias	
  digitais:	
  Pesquisar,	
  planejar	
  e	
  escrever	
  conteúdo	
  para	
  ser	
  gravado.	
  
Exemplos de práticas do componente tecnologia
Ex.:	
  alunos	
  criam,	
  em	
  grupo,	
  uma	
  rádio	
  digital.	
  
Nessa	
  prá4ca,	
  os	
  alunos	
  vão:	
  
	
  
• Cidadania	
  digital:	
  Entrevistar	
  convidados	
  para	
  os	
  programas	
  	
  
da	
  rádio,	
  escutando	
  seus	
  pontos	
  de	
  vista	
  e	
  editando	
  com	
  fidelidade.	
  
	
  
• Robó@ca	
  e	
  programação:	
  Hospedar	
  o	
  conteúdo	
  em	
  uma	
  plataforma	
  	
  
e	
  programar	
  para	
  que	
  esteja	
  disponível	
  a	
  qualquer	
  hora.	
  
	
  
• Mídias	
  digitais:	
  Criar	
  estratégia	
  de	
  divulgação	
  da	
  rádio	
  considerando	
  	
  
quem	
  são	
  as	
  perspec4vas	
  dos	
  potenciais	
  ouvintes.	
  
Exemplos de práticas do componente tecnologia
Ex.:	
  alunos	
  criam,	
  em	
  grupo,	
  uma	
  rádio	
  digital.	
  
Exemplo de desenvolvimento cognitivo e socioemocional
O	
  QUE	
  É	
  EMPATIA?	
  
• É	
  usar	
  nossa	
  compreensão	
  	
  
da	
  realidade,	
  da	
  vida	
  e	
  das	
  habilidades	
  
para	
  entender	
  as	
  necessidades	
  	
  
e	
  os	
  sen4mentos	
  dos	
  outros,	
  agir	
  	
  
com	
  bondade	
  e	
  inves4r	
  em	
  nossos	
  	
  
relacionamentos,	
  ajudando	
  	
  
e	
  prestando	
  apoio	
  e	
  assistência.	
  
Exemplo de desenvolvimento cognitivo e socioemocional
• Exercitar	
  a	
  empa4a,	
  o	
  diálogo,	
  a	
  resolução	
  de	
  conflitos	
  e	
  a	
  cooperação,	
  	
  
fazendo-­‐se	
  respeitar	
  e	
  promovendo	
  o	
  respeito	
  ao	
  outro	
  e	
  aos	
  direitos	
  humanos,	
  	
  
com	
  acolhimento	
  e	
  valorização	
  da	
  diversidade	
  de	
  indivíduos	
  e	
  de	
  grupos	
  sociais,	
  	
  
seus	
  saberes,	
  iden4dades,	
  culturas	
  e	
  potencialidades,	
  sem	
  preconceitos	
  	
  
de	
  qualquer	
  natureza.	
  
POR	
  QUE	
  EMPATIA	
  É	
  IMPORTANTE?	
  	
  
Quando	
  temos	
  empa4a,	
  podemos	
  entender	
  as	
  necessidades	
  e	
  os	
  sen4mentos	
  de	
  outras	
  pessoas	
  	
  
e	
  dar	
  apoio	
  de	
  acordo	
  com	
  o	
  que	
  elas	
  precisam.	
  Agindo	
  assim,somos	
  mais	
  gen4s	
  	
  
e	
  atenciosos	
  com	
  os	
  outros.	
  É	
  como	
  cuidar	
  de	
  nosso	
  jardim:	
  a	
  empa4a	
  nos	
  ajuda	
  também	
  	
  
a	
  cul4var	
  o	
  relacionamento	
  com	
  nossos	
  familiares	
  e	
  amigos!	
  	
  
Nessa	
  prá4ca,	
  o	
  estudante	
  pode	
  exercitar	
  e	
  desenvolver	
  sua	
  empa4a	
  	
  
(socioemocional)	
  enquanto	
  aprende	
  novos	
  conhecimentos	
  (cogni4vo)	
  	
  
ao	
  realizar	
  a4vidades	
  como:	
  
	
  
• Organizar	
  o	
  trabalho	
  em	
  grupo,	
  aprendendo	
  a	
  respeitar	
  	
  
as	
  opiniões	
  editoriais	
  de	
  cada	
  um	
  e	
  a	
  valorizar	
  os	
  talentos	
  diversos.	
  
	
  
• Pesquisar,	
  testar	
  e	
  entender	
  como	
  usar	
  suportes	
  digitais	
  	
  
de	
  comunicação	
  por	
  áudio.	
  
	
  
• Pesquisar,	
  planejar	
  e	
  escrever	
  conteúdo	
  para	
  ser	
  gravado.	
  
Exemplo de desenvolvimento cognitivo e socioemocional
Ex.:	
  alunos	
  criam,	
  em	
  grupo,	
  uma	
  rádio	
  digital.	
  
Nessa	
  prá4ca,	
  o	
  estudante	
  pode	
  exercitar	
  e	
  desenvolver	
  sua	
  empa4a	
  	
  
(socioemocional)	
  enquanto	
  aprende	
  novos	
  conhecimentos	
  (cogni4vo)	
  	
  
ao	
  realizar	
  a4vidades	
  como:	
  
	
  
• Entrevistar	
  convidados	
  para	
  os	
  programas	
  da	
  rádio,	
  	
  
escutando	
  seus	
  pontos	
  de	
  vista	
  e	
  editando	
  com	
  fidelidade.	
  
	
  
• Hospedar	
  o	
  conteúdo	
  em	
  uma	
  plataforma	
  e	
  programar	
  para	
  	
  
que	
  esteja	
  disponível	
  a	
  qualquer	
  hora.	
  
	
  
• Criar	
  estratégia	
  de	
  divulgação	
  da	
  rádio	
  considerando	
  quem	
  	
  
são	
  as	
  perspec4vas	
  dos	
  potenciais	
  ouvintes.	
  
Exemplo de desenvolvimento cognitivo e socioemocional
Ex.:	
  alunos	
  criam,	
  em	
  grupo,	
  uma	
  rádio	
  digital.	
  
Diversidade de realidades dentro da rede
-­‐	
  Todas	
  as	
  escolas	
  estão	
  prontas	
  para	
  trabalhar	
  	
  
com	
  o	
  componente	
  tecnologia	
  
-­‐ Embora	
  de	
  formas	
  diferentes	
  
-­‐ De	
  acordo	
  com	
  seu	
  nível	
  de	
  maturidade	
  em	
  adoção	
  de	
  
tecnologia	
  na	
  educação.	
  
Esse	
  nível	
  de	
  maturidade	
  depende	
  de:	
  
	
  
1. Visão:	
  forma	
  como	
  a	
  tecnologia	
  aparece	
  na	
  proposta	
  pedagógica	
  	
  
da	
  escola	
  e	
  é	
  encarada	
  pela	
  comunidade	
  escolar.	
  
	
  
2. Formação	
  dos	
  professores:	
  quão	
  familiarizados	
  e	
  preparados	
  	
  
estão	
  os	
  professores	
  e	
  o	
  quanto	
  são	
  apoiados	
  pela	
  equipe	
  	
  
gestora	
  da	
  UE.	
  
	
  
3. Recursos	
  educacionais	
  digitais:	
  qual	
  uso	
  a	
  escola	
  faz	
  de	
  recursos	
  	
  
como	
  aplica4vos,	
  sovwares,	
  objetos	
  digitais	
  de	
  aprendizagem	
  etc.	
  
	
  
4. Infraestrutura:	
  equipamento	
  (celular,	
  computador,	
  tablet	
  etc.)	
  e	
  conec4vidade	
  	
  
com	
  a	
  internet.	
  
Diversidade de realidades dentro da rede
Nível de maturidade no uso de tecnologia
Básico
	
  
A	
  tecnologia	
  é	
  aplicada	
  como	
  ferramenta	
  de	
  forma	
  esporádica	
  	
  
e	
  limitada	
  por	
  professores	
  e	
  alunos.	
  	
  
Gestores	
  u4lizam	
  a	
  tecnologia	
  como	
  ferramenta	
  básica	
  	
  
de	
  gestão	
  e	
  comunicação.	
  
Intermediário
	
  
A	
  tecnologia	
  inspira	
  o	
  processo	
  de	
  ensino,	
  permi4ndo	
  o	
  acesso	
  	
  
a	
  conteúdos	
  e	
  recursos	
  e	
  o	
  planejamento	
  de	
  aulas,	
  e	
  facilita	
  	
  
o	
  aprendizado,	
  com	
  uso	
  frequente	
  em	
  sala	
  de	
  aula.	
  	
  
Gestores	
  u4lizam	
  a	
  tecnologia	
  para	
  ganhos	
  de	
  eficiência	
  	
  
e	
  planejamento	
  da	
  gestão.	
  
Nível de maturidade no uso de tecnologia
Avançado
	
  
A	
  tecnologia	
  é	
  transformadora	
  dos	
  processos	
  pedagógicos	
  	
  
e	
  de	
  gestão,	
  estando	
  presente	
  no	
  dia	
  a	
  dia	
  de	
  todos	
  os	
  atores	
  	
  
da	
  escola.	
  Alunos	
  tornam-­‐se	
  protagonistas	
  de	
  sua	
  aprendizagem	
  
por	
  meio	
  de	
  metodologias	
  a4vas.	
  	
  
A	
  tecnologia	
  apoia	
  a	
  tomada	
  de	
  decisão	
  da	
  equipe	
  escolar,	
  	
  
contribuindo	
  para	
  a	
  melhoria	
  dos	
  processos.	
  
• As	
  diretorias	
  de	
  ensino	
  e	
  as	
  escolas	
  avançam	
  em	
  seu	
  nível	
  de	
  maturidade	
  com	
  o	
  tempo.	
  	
  
	
  
• A	
  Secretaria	
  de	
  Educação	
  realizará	
  inves4mentos	
  em	
  formação,	
  	
  
recursos	
  digitais	
  e	
  infraestrutura	
  para	
  colaborar	
  com	
  esse	
  movimento.	
  
É possível começar hoje!
https://drive.google.com/drive/folders/1C08FT8wnFZcrk9xAScE-haFD72hqEPCx
Acompanhar a aprendizagem e o desenvolvimento
dos estudantes
O	
  professor	
  deve:	
  
	
  
• Observar	
  o	
  estudante	
  enquanto	
  ele/ela	
  realiza	
  as	
  a4vidades.	
  
	
  
• Analisar	
  os	
  produtos	
  parciais	
  criados	
  em	
  a4vidades	
  individuais	
  	
  
ou	
  em	
  grupo.	
  
	
  
• Promover	
  a	
  autoanálise	
  e	
  a	
  autoavaliação	
  do	
  estudante.	
  
	
  
• Discu4r	
  com	
  outros	
  professores	
  sobre	
  comportamentos	
  e	
  produções	
  do	
  estudante.	
  
Passo a passo para a implementação
• Equipe	
  escolar	
  par4cipa	
  das	
  a4vidades	
  forma4vas	
  	
  
(cursos	
  a	
  distância	
  e	
  semipresenciais,	
  orientações	
  	
  
técnicas	
  presenciais,	
  videoconferências,	
  videoaulas	
  e	
  ATPCs).	
  
	
  
• Com	
  base	
  no	
  nível	
  de	
  maturidade	
  da	
  escola,	
  a	
  equipe	
  escolar	
  discute	
  	
  
o	
  obje4vo,	
  a	
  estrutura,	
  o	
  perfil	
  dos	
  professores	
  com	
  atribuição	
  	
  
para	
  tecnologia	
  e	
  constrói	
  o	
  plano	
  de	
  inovação	
  e	
  educação	
  na	
  UE.	
  
1	
  –	
  Formação	
  e	
  planejamento	
  geral	
  
Passo a passo para a implementação
• Considerando	
  o	
  Currículo	
  Paulista,	
  o	
  plano	
  de	
  inovação	
  	
  
e	
  o	
  relatório	
  de	
  acolhimento	
  (contendo	
  elementos	
  dos	
  projetos	
  	
  
de	
  vida	
  dos	
  alunos),	
  a	
  equipe	
  escolar	
  define	
  a	
  proposta	
  pedagógica	
  	
  
para	
  tecnologia	
  na	
  UE.	
  
	
  
• Os	
  professores	
  de	
  tecnologia	
  preparam	
  os	
  planos	
  de	
  aula	
  	
  
com	
  base	
  na	
  proposta	
  pedagógica	
  da	
  escola,	
  da	
  ementa	
  	
  
e	
  dos	
  materiais	
  fornecidos	
  pela	
  Secretaria	
  Estadual.	
  
1	
  –	
  Formação	
  e	
  planejamento	
  geral	
  
Passo a passo para a implementação
• Professores	
  desenvolvem	
  a4vidades	
  com	
  os	
  estudantes	
  	
  
conforme	
  o	
  planejado.	
  
	
  
• A	
  equipe	
  gestora	
  acompanha	
  desenvolvimento	
  do	
  componente.	
  
	
  
• Os	
  professores	
  trocam	
  boas	
  prá4cas	
  e	
  discutem	
  desafios	
  	
  
e	
  soluções	
  durante	
  as	
  ATPCs.	
  
2	
  –	
  Execução	
  e	
  análise	
  dos	
  resultados	
  
Passo a passo para a implementação
• Os	
  professores	
  monitoram	
  o	
  desenvolvimento	
  das	
  habilidades	
  	
  
dos	
  estudantes	
  durante	
  as	
  a4vidades.	
  
	
  
• A	
  equipe	
  escolar	
  e	
  os	
  estudantes	
  avaliam	
  o	
  resultado	
  do	
  componente	
  	
  
e	
  propõem	
  melhorias	
  para	
  o	
  próximo	
  ciclo.	
  
	
  
• A	
  equipe	
  da	
  diretoria	
  de	
  ensino	
  acompanha,	
  discute	
  e	
  compar4lha	
  	
  
os	
  principais	
  resultados	
  e	
  aprendizados.	
  
2	
  –	
  Execução	
  e	
  análise	
  dos	
  resultados	
  
Dúvidas?

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a TECNOLOGIA para financiamento estudantes

Slideintroduoaeducaodigital
SlideintroduoaeducaodigitalSlideintroduoaeducaodigital
Slideintroduoaeducaodigital
marciom26
 
Slideintroduoaeducaodigital
SlideintroduoaeducaodigitalSlideintroduoaeducaodigital
Slideintroduoaeducaodigital
Andrea DE Brito
 
Linguagem Digital
Linguagem DigitalLinguagem Digital
Linguagem Digital
Letícia Cristina
 
Abertura tic
Abertura ticAbertura tic
Abertura tic
Ângela Szinvelski
 
1º encontro
1º encontro1º encontro
1º encontro
ivanildopontinha
 
Informática e Educação II
Informática e Educação IIInformática e Educação II
Informática e Educação II
Alessandra Silva
 
ousodatecnologiaemsaladeaula.ppt
ousodatecnologiaemsaladeaula.pptousodatecnologiaemsaladeaula.ppt
ousodatecnologiaemsaladeaula.ppt
DuarteTeles5
 
8 º encontro do Proinfo Tics. Junco do Seridó
8 º encontro do Proinfo  Tics. Junco do Seridó8 º encontro do Proinfo  Tics. Junco do Seridó
8 º encontro do Proinfo Tics. Junco do Seridó
Mônica Cristina Souza
 
Tecnologias Na EducaçãO 100h
Tecnologias Na EducaçãO   100hTecnologias Na EducaçãO   100h
Tecnologias Na EducaçãO 100h
ntelivramento
 
Letramento digital
Letramento digitalLetramento digital
Letramento digital
Naiara Rios
 
Aprendizagens Essenciais: disciplina de  TIC
Aprendizagens Essenciais: disciplina de  TICAprendizagens Essenciais: disciplina de  TIC
Aprendizagens Essenciais: disciplina de  TIC
Agrupamento de Escolas da Batalha
 
Trabalho informática
Trabalho informáticaTrabalho informática
Trabalho informática
Andrezza Fantauzzi
 
linguagem digital
linguagem digitallinguagem digital
linguagem digital
menezesiara
 
Linguagem Digital
Linguagem DigitalLinguagem Digital
Linguagem Digital
Luúh Reis
 
1º Encontro Presencial do Proinfo- TICs
1º Encontro Presencial do Proinfo- TICs1º Encontro Presencial do Proinfo- TICs
1º Encontro Presencial do Proinfo- TICs
Mônica Cristina Souza
 
Apresentação do curso TIC na Educação
Apresentação do curso TIC na EducaçãoApresentação do curso TIC na Educação
Apresentação do curso TIC na Educação
Diran Araújo
 
Ferramentas de autoria
Ferramentas de autoriaFerramentas de autoria
Ferramentas de autoria
Flávia Santos Alvim
 
Trabalho informática
 Trabalho informática Trabalho informática
Trabalho informática
dezzaf
 
Serie tecnologias digitaisedu
Serie tecnologias digitaiseduSerie tecnologias digitaisedu
Módulo 2 instrumentos pedagógicos
Módulo 2 instrumentos pedagógicosMódulo 2 instrumentos pedagógicos
Módulo 2 instrumentos pedagógicos
vallcalazans
 

Semelhante a TECNOLOGIA para financiamento estudantes (20)

Slideintroduoaeducaodigital
SlideintroduoaeducaodigitalSlideintroduoaeducaodigital
Slideintroduoaeducaodigital
 
Slideintroduoaeducaodigital
SlideintroduoaeducaodigitalSlideintroduoaeducaodigital
Slideintroduoaeducaodigital
 
Linguagem Digital
Linguagem DigitalLinguagem Digital
Linguagem Digital
 
Abertura tic
Abertura ticAbertura tic
Abertura tic
 
1º encontro
1º encontro1º encontro
1º encontro
 
Informática e Educação II
Informática e Educação IIInformática e Educação II
Informática e Educação II
 
ousodatecnologiaemsaladeaula.ppt
ousodatecnologiaemsaladeaula.pptousodatecnologiaemsaladeaula.ppt
ousodatecnologiaemsaladeaula.ppt
 
8 º encontro do Proinfo Tics. Junco do Seridó
8 º encontro do Proinfo  Tics. Junco do Seridó8 º encontro do Proinfo  Tics. Junco do Seridó
8 º encontro do Proinfo Tics. Junco do Seridó
 
Tecnologias Na EducaçãO 100h
Tecnologias Na EducaçãO   100hTecnologias Na EducaçãO   100h
Tecnologias Na EducaçãO 100h
 
Letramento digital
Letramento digitalLetramento digital
Letramento digital
 
Aprendizagens Essenciais: disciplina de  TIC
Aprendizagens Essenciais: disciplina de  TICAprendizagens Essenciais: disciplina de  TIC
Aprendizagens Essenciais: disciplina de  TIC
 
Trabalho informática
Trabalho informáticaTrabalho informática
Trabalho informática
 
linguagem digital
linguagem digitallinguagem digital
linguagem digital
 
Linguagem Digital
Linguagem DigitalLinguagem Digital
Linguagem Digital
 
1º Encontro Presencial do Proinfo- TICs
1º Encontro Presencial do Proinfo- TICs1º Encontro Presencial do Proinfo- TICs
1º Encontro Presencial do Proinfo- TICs
 
Apresentação do curso TIC na Educação
Apresentação do curso TIC na EducaçãoApresentação do curso TIC na Educação
Apresentação do curso TIC na Educação
 
Ferramentas de autoria
Ferramentas de autoriaFerramentas de autoria
Ferramentas de autoria
 
Trabalho informática
 Trabalho informática Trabalho informática
Trabalho informática
 
Serie tecnologias digitaisedu
Serie tecnologias digitaiseduSerie tecnologias digitaisedu
Serie tecnologias digitaisedu
 
Módulo 2 instrumentos pedagógicos
Módulo 2 instrumentos pedagógicosMódulo 2 instrumentos pedagógicos
Módulo 2 instrumentos pedagógicos
 

TECNOLOGIA para financiamento estudantes

  • 3. Sem fronteiras A   tecnologia   é   importante   por   várias   razões,  principalmente  para  que  todas  as   pessoas   possam   compar9lhar   suas   próprias  ideias  com  o  mundo.     Mitchel  Resnik,     professor  do  Ins4tuto  de  Tecnologia  da  Universidade     de  Massachuse;s  (MIT)  e  criador  do  Scratch  
  • 4. Agenda 1. Por  que  tornar  a  tecnologia  um  componente?     2. Como  funciona  na  prá4ca?     3. O  que  a  tecnologia  deve  proporcionar  ao  aluno     4. Eixos  do  componente  tecnologia     5. Exemplos  de  prá4cas  do  componente  tecnologia     6. Exemplo  de  desenvolvimento  cogni4vo  e  socioemocional  
  • 5. Agenda 7. Diversidade  de  realidades  dentro  da  rede     8. Nível  de  maturidade  no  uso  de  tecnologia     9. É  possível  começar  hoje!     10. Acompanhar  a  aprendizagem  e  o  desenvolvimento  dos  estudantes     11. Passo  a  passo  para  a  implementação     12. Dúvidas     13. Preparação  para  a  formação  e  a  implementação  
  • 6. Por que tornar a tecnologia um componente? • 91%  dos  estudantes  acham  que  é  importante  saber  usar  as  novas     tecnologias  –  Pesquisa  realizada  pela  Secretaria  Estadual     de  Educação  de  São  Paulo  em  2019  com  160  mil  estudantes.     • 57%  dos  jovens  classificam  como  regular  ou  ruim  o  uso  da     tecnologia  na  escola  –    Pesquisa  Nossa  Escola  em  (Re)Construção.   • 51%  dos  estudantes  querem  tecnologia  não  apenas  no  laboratório     de  informá4ca  –  Pesquisa  Nossa  Escola  em  (Re)Construção.  
  • 7. • 93%  dos  professores  acham  importante  a  escola  ampliar     a  capacidade  de  o  estudante  usar  a  tecnologia  –  Pesquisa  realizada     pela  Secretaria  Estadual  de  Educação  de  São  Paulo  em  2019     com  88  mil  professores.     • A  competência  geral  5  da  BNCC  trata  da  importância  da  tecnologia:   – Compreender,  u4lizar  e  criar  tecnologias  digitais  de  informação     e  comunicação  de  forma  crí4ca,  significa4va,  reflexiva  e  é4ca     nas  diversas  prá4cas  sociais  (incluindo  as  escolares)     para  se  comunicar,  acessar  e  disseminar  informações,     produzir  conhecimentos,  resolver  problemas  e  exercer  protagonismo     e  autoria  na  vida  pessoal  e  cole4va.   Por que tornar a tecnologia um componente?
  • 8. • Um  tempo  de  aula  de  45  minutos  por  semana.     • Um  professor  para  cada  turma.     • Os  conteúdos  e  as  prá4cas  são  flexíveis  para  funcionar     independentemente  do  nível  de  maturidade  da  escola  no  que     diz  respeito  a  infraestrutura,  formação  dos  professores  etc.     • Pode  acontecer  em  diversos  espaços  dentro  e  fora  da  escola,     e  não  apenas  no  laboratório  de  informá4ca.   Como funciona na prática?
  • 9. • 22  horas  de  formação  específica  para  professores     interessados  em  ministrar  ele4vas  +  30  horas  de  formação  específica  para  professores   classificados       • Desenvolvido  com  base  em  situações  didá4cas  diversificadas,     tendo  como  foco  o  envolvimento  dos  estudantes  na  realização     de  projetos  que  u4lizem  diferentes  linguagens,     mídias  e  ferramentas  digitais.     • A  Secretaria  Estadual  disponibilizará  materiais  de  apoio  para     os  professores  e  reforçará  a  infraestrutura  tecnológica  das  escolas.   Como funciona na prática?
  • 10. O que a tecnologia deve proporcionar ao aluno? 1. U4lizar  tecnologias  de  forma  autoral.     2. Maior  fluência,  responsabilidade  e  amplitude  na  comunicação     ao  acessar,  produzir  e  disseminar  informações.     3. Produzir  conhecimentos  e  resolver  problemas.     4. Refle4r  de  forma  crí4ca  sobre  a  cultura  digital  e  os  impactos     da  tecnologia  nos  indivíduos,  no  mundo  do  trabalho,  na  sociedade     e  no  meio  ambiente.  
  • 11. O que a tecnologia deve proporcionar ao aluno? 5. Aproximar  o  currículo,  as  prá4cas  e  o  co4diano  da  escola     de  sua  realidade  e  de  seus  interesses.     6. Ampliar,  diversificar  e/ou  aprofundar  conteúdos     e  habilidades  de  um  ou  mais  componentes  curriculares     do  Currículo  Paulista.  
  • 12. Eixos do componente tecnologia O  componente  tecnologia  envolve  diversas  áreas:   Mídias  digitais   Compreende  as  habilidades  e  os  conhecimentos  relacionados     ao  uso  de  múl4plas  mídias  em  suportes  digitais,  bem  como     a  criação  de  produtos  de  mídia  para  expressão,  comunicação     e  registro,  entre  outros.   Cidadania  digital   Pondera  os  aspectos  é4cos  do  uso  da  tecnologia,  considerando:   acesso  a  informações,  comunicação,  direito  digital,     responsabilidade,  segurança  e  privacidade,  entre  outros.  
  • 13. Eixos do componente tecnologia O  componente  tecnologia  envolve  diversas  áreas:   Robó@ca,   programação   e  redes   Envolve  as  habilidades  e  os  conhecimentos  relacionados     à  resolução  de  problemas  com  auxílio  de  computadores,     criação  de  instruções  (algoritmos),  automação  de  disposi4vos   lsicos  e  digitais;  e  organização,  representação  e  análise     de  dados.   • #AprenderFazendo  (“cultura  maker”)  é  elemento  fundamental  para  que  o  aluno     desenvolva  as  habilidades  e  os  conhecimentos  de  tecnologia  em  todos  os  eixos.  
  • 14. Exemplos de práticas do componente tecnologia Fonte:  www.porvir.org.br   Ex.:  alunos  criam  cartazes  para  encorajar  meninas  a  se  engajarem  em  tecnologia.  
  • 15. Nessa  prá4ca,  os  alunos  vão:   • Cidadania  digital:  Pesquisar  e  discu4r  sobre  a  par4cipação     das  mulheres  na  tecnologia  para  iden4ficar  figuras  inspiradoras     nesse  sen4do.       • Cidadania  digital:  Iden4ficar  imagens  com  direitos     autorais  abertos  para  a  u4lização  em  cartazes.   Exemplos de práticas do componente tecnologia Ex.:  alunos  criam  cartazes  para  encorajar  meninas  a  se  engajarem  em  tecnologia.  
  • 16. Nessa  prá4ca,  os  alunos  vão:   • Mídias  digitais:  Produzir  cartazes  com  as  mulheres     que  pesquisaram  para  serem  compar4lhados,  fisicamente,     pela  escola  e,  digitalmente,  nas  redes  sociais.       • Mídias  digitais:  Iden4ficar  e  u4lizar  aplica4vos  para  a  produção  de  imagens.   Exemplos de práticas do componente tecnologia Ex.:  alunos  criam  cartazes  para  encorajar  meninas  a  se  engajarem  em  tecnologia.  
  • 17. Nessa  prá4ca,  os  alunos  vão:   • Organizar  o  trabalho  em  grupo,  aprendendo  a  respeitar  as  opiniões     editoriais  de  cada  um  e  a  valorizar  os  talentos  diversos.     • Mídias  digitais:  Pesquisar,  testar  e  entender  como  usar  suportes     digitais  de  comunicação  por  áudio.  Pesquisar,  planejar  e  escrever     conteúdo  para  ser  gravado.     • Mídias  digitais:  Pesquisar,  planejar  e  escrever  conteúdo  para  ser  gravado.   Exemplos de práticas do componente tecnologia Ex.:  alunos  criam,  em  grupo,  uma  rádio  digital.  
  • 18. Nessa  prá4ca,  os  alunos  vão:     • Cidadania  digital:  Entrevistar  convidados  para  os  programas     da  rádio,  escutando  seus  pontos  de  vista  e  editando  com  fidelidade.     • Robó@ca  e  programação:  Hospedar  o  conteúdo  em  uma  plataforma     e  programar  para  que  esteja  disponível  a  qualquer  hora.     • Mídias  digitais:  Criar  estratégia  de  divulgação  da  rádio  considerando     quem  são  as  perspec4vas  dos  potenciais  ouvintes.   Exemplos de práticas do componente tecnologia Ex.:  alunos  criam,  em  grupo,  uma  rádio  digital.  
  • 19. Exemplo de desenvolvimento cognitivo e socioemocional O  QUE  É  EMPATIA?   • É  usar  nossa  compreensão     da  realidade,  da  vida  e  das  habilidades   para  entender  as  necessidades     e  os  sen4mentos  dos  outros,  agir     com  bondade  e  inves4r  em  nossos     relacionamentos,  ajudando     e  prestando  apoio  e  assistência.  
  • 20. Exemplo de desenvolvimento cognitivo e socioemocional • Exercitar  a  empa4a,  o  diálogo,  a  resolução  de  conflitos  e  a  cooperação,     fazendo-­‐se  respeitar  e  promovendo  o  respeito  ao  outro  e  aos  direitos  humanos,     com  acolhimento  e  valorização  da  diversidade  de  indivíduos  e  de  grupos  sociais,     seus  saberes,  iden4dades,  culturas  e  potencialidades,  sem  preconceitos     de  qualquer  natureza.   POR  QUE  EMPATIA  É  IMPORTANTE?     Quando  temos  empa4a,  podemos  entender  as  necessidades  e  os  sen4mentos  de  outras  pessoas     e  dar  apoio  de  acordo  com  o  que  elas  precisam.  Agindo  assim,somos  mais  gen4s     e  atenciosos  com  os  outros.  É  como  cuidar  de  nosso  jardim:  a  empa4a  nos  ajuda  também     a  cul4var  o  relacionamento  com  nossos  familiares  e  amigos!    
  • 21. Nessa  prá4ca,  o  estudante  pode  exercitar  e  desenvolver  sua  empa4a     (socioemocional)  enquanto  aprende  novos  conhecimentos  (cogni4vo)     ao  realizar  a4vidades  como:     • Organizar  o  trabalho  em  grupo,  aprendendo  a  respeitar     as  opiniões  editoriais  de  cada  um  e  a  valorizar  os  talentos  diversos.     • Pesquisar,  testar  e  entender  como  usar  suportes  digitais     de  comunicação  por  áudio.     • Pesquisar,  planejar  e  escrever  conteúdo  para  ser  gravado.   Exemplo de desenvolvimento cognitivo e socioemocional Ex.:  alunos  criam,  em  grupo,  uma  rádio  digital.  
  • 22. Nessa  prá4ca,  o  estudante  pode  exercitar  e  desenvolver  sua  empa4a     (socioemocional)  enquanto  aprende  novos  conhecimentos  (cogni4vo)     ao  realizar  a4vidades  como:     • Entrevistar  convidados  para  os  programas  da  rádio,     escutando  seus  pontos  de  vista  e  editando  com  fidelidade.     • Hospedar  o  conteúdo  em  uma  plataforma  e  programar  para     que  esteja  disponível  a  qualquer  hora.     • Criar  estratégia  de  divulgação  da  rádio  considerando  quem     são  as  perspec4vas  dos  potenciais  ouvintes.   Exemplo de desenvolvimento cognitivo e socioemocional Ex.:  alunos  criam,  em  grupo,  uma  rádio  digital.  
  • 23. Diversidade de realidades dentro da rede -­‐  Todas  as  escolas  estão  prontas  para  trabalhar     com  o  componente  tecnologia   -­‐ Embora  de  formas  diferentes   -­‐ De  acordo  com  seu  nível  de  maturidade  em  adoção  de   tecnologia  na  educação.  
  • 24. Esse  nível  de  maturidade  depende  de:     1. Visão:  forma  como  a  tecnologia  aparece  na  proposta  pedagógica     da  escola  e  é  encarada  pela  comunidade  escolar.     2. Formação  dos  professores:  quão  familiarizados  e  preparados     estão  os  professores  e  o  quanto  são  apoiados  pela  equipe     gestora  da  UE.     3. Recursos  educacionais  digitais:  qual  uso  a  escola  faz  de  recursos     como  aplica4vos,  sovwares,  objetos  digitais  de  aprendizagem  etc.     4. Infraestrutura:  equipamento  (celular,  computador,  tablet  etc.)  e  conec4vidade     com  a  internet.   Diversidade de realidades dentro da rede
  • 25. Nível de maturidade no uso de tecnologia Básico   A  tecnologia  é  aplicada  como  ferramenta  de  forma  esporádica     e  limitada  por  professores  e  alunos.     Gestores  u4lizam  a  tecnologia  como  ferramenta  básica     de  gestão  e  comunicação.   Intermediário   A  tecnologia  inspira  o  processo  de  ensino,  permi4ndo  o  acesso     a  conteúdos  e  recursos  e  o  planejamento  de  aulas,  e  facilita     o  aprendizado,  com  uso  frequente  em  sala  de  aula.     Gestores  u4lizam  a  tecnologia  para  ganhos  de  eficiência     e  planejamento  da  gestão.  
  • 26. Nível de maturidade no uso de tecnologia Avançado   A  tecnologia  é  transformadora  dos  processos  pedagógicos     e  de  gestão,  estando  presente  no  dia  a  dia  de  todos  os  atores     da  escola.  Alunos  tornam-­‐se  protagonistas  de  sua  aprendizagem   por  meio  de  metodologias  a4vas.     A  tecnologia  apoia  a  tomada  de  decisão  da  equipe  escolar,     contribuindo  para  a  melhoria  dos  processos.   • As  diretorias  de  ensino  e  as  escolas  avançam  em  seu  nível  de  maturidade  com  o  tempo.       • A  Secretaria  de  Educação  realizará  inves4mentos  em  formação,     recursos  digitais  e  infraestrutura  para  colaborar  com  esse  movimento.  
  • 27. É possível começar hoje! https://drive.google.com/drive/folders/1C08FT8wnFZcrk9xAScE-haFD72hqEPCx
  • 28. Acompanhar a aprendizagem e o desenvolvimento dos estudantes O  professor  deve:     • Observar  o  estudante  enquanto  ele/ela  realiza  as  a4vidades.     • Analisar  os  produtos  parciais  criados  em  a4vidades  individuais     ou  em  grupo.     • Promover  a  autoanálise  e  a  autoavaliação  do  estudante.     • Discu4r  com  outros  professores  sobre  comportamentos  e  produções  do  estudante.  
  • 29. Passo a passo para a implementação • Equipe  escolar  par4cipa  das  a4vidades  forma4vas     (cursos  a  distância  e  semipresenciais,  orientações     técnicas  presenciais,  videoconferências,  videoaulas  e  ATPCs).     • Com  base  no  nível  de  maturidade  da  escola,  a  equipe  escolar  discute     o  obje4vo,  a  estrutura,  o  perfil  dos  professores  com  atribuição     para  tecnologia  e  constrói  o  plano  de  inovação  e  educação  na  UE.   1  –  Formação  e  planejamento  geral  
  • 30. Passo a passo para a implementação • Considerando  o  Currículo  Paulista,  o  plano  de  inovação     e  o  relatório  de  acolhimento  (contendo  elementos  dos  projetos     de  vida  dos  alunos),  a  equipe  escolar  define  a  proposta  pedagógica     para  tecnologia  na  UE.     • Os  professores  de  tecnologia  preparam  os  planos  de  aula     com  base  na  proposta  pedagógica  da  escola,  da  ementa     e  dos  materiais  fornecidos  pela  Secretaria  Estadual.   1  –  Formação  e  planejamento  geral  
  • 31. Passo a passo para a implementação • Professores  desenvolvem  a4vidades  com  os  estudantes     conforme  o  planejado.     • A  equipe  gestora  acompanha  desenvolvimento  do  componente.     • Os  professores  trocam  boas  prá4cas  e  discutem  desafios     e  soluções  durante  as  ATPCs.   2  –  Execução  e  análise  dos  resultados  
  • 32. Passo a passo para a implementação • Os  professores  monitoram  o  desenvolvimento  das  habilidades     dos  estudantes  durante  as  a4vidades.     • A  equipe  escolar  e  os  estudantes  avaliam  o  resultado  do  componente     e  propõem  melhorias  para  o  próximo  ciclo.     • A  equipe  da  diretoria  de  ensino  acompanha,  discute  e  compar4lha     os  principais  resultados  e  aprendizados.   2  –  Execução  e  análise  dos  resultados