SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistema Nacional de Avaliação da Educação
                 Básica - SAEB
       O O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica - SAEB
 implantado em 1990, é coordenado pelo Instituto Nacional de Estudos e
 Pesquisas Educacionais - INEP e conta com a participação e o apoio das
   Secretarias Estaduais e Municipais de Educação das 27 Unidades da
                                  Federação.
   Os levantamentos de dados do SAEB são realizados, a cada dois anos, em
  uma amostra probabilística representativa dos 26 estados brasileiros e do
     Distrito Federal. A cada aplicação de instrumentos são pesquisados
aproximadamente 700 municípios, 3.000 escolas públicas e privadas, 25.000
 professores, 3.000 diretores e 220.000 alunos do Ensino Básico (da 4ª e 8ª
séries do Ensino Fundamental e da 3ª série do Ensino Médio) nas disciplinas
Língua Portuguesa, Matemática e Ciências. A partir de 1999 serão incluídas
                     as disciplinas História e Geografia.
   A análise dos resultados dos levantamentos do SAEB permite acompanhar
 a evolução do desempenho dos alunos e dos diversos fatores incidentes na
qualidade e na efetividade do ensino ministrado nas escolas, possibilitando a
 definição de ações voltadas para a correção das distorções identificadas e o
 aperfeiçoamento das práticas e dos resultados apresentados pelas escolas e
   pelo sistema de ensino brasileiro. Essas informações são utilizadas por
    gestores e administradores da educação, pesquisadores e professores.

                             SAEB: Breve Histórico
      Criado em 1988 e tendo já realizado quatro levantamentos, o SAEB vem
sendo aperfeiçoado, sucessivamente, a cada aplicação, tanto do ponto de vista
  metodológico, como nos procedimentos, operacionalização e abrangência.
        O primeiro levantamento foi realizado em 1990, somente para a rede
 pública do Ensino Fundamental, sendo avaliadas a 1ª, a 3ª, a 5ª e a 7ª séries e
 em três áreas: Português, Matemática e Ciências. Em 1993, os levantamentos
   tiveram as mesmas características e seguiram os mesmos procedimentos.
        A partir de 1995, a preocupação com a comparabilidade dos dados foi
incorporada aos procedimentos. Dentre as mudanças metodológicas realizadas
                                   destacam-se:
       as avaliações passaram a se concentrar no final de cada ciclo de estudos,
    ou seja, na 4ª e 8ª séries do Ensino Fundamental e na 3ª série do Ensino
                                      Médio;
           modernas técnicas de construção e análise de itens passaram a ser
 utilizadas, avançando-se dos modelos e técnicas clássicos de testes e medidas
 à Teoria de Resposta ao Item e ao modelo de amostragem matricial de itens;
        do ponto de vista operacional, inicialmente executado de forma direta
   pelo Ministério, partiu-se para a execução do SAEB por entidade externa,
                 contratada especificamente para essa finalidade;
       a abrangência foi ampliada: expandiu-se a aplicação para todas as redes
 de ensino - pública (federal, estadual e municipal) e particular - e incorporou-
se o Ensino Médio. Em 1995 alcançou-se a cobertura nacional, pois, pela
primeira vez, todas as unidades da Federação participaram dos levantamentos.
Para a aplicação do SAEB em 1997 foram mantidas as mesmas séries e níveis
de ensino, a mesma forma de execução (por entidade externa ao Ministério).
    Ampliaram-se as áreas avaliadas com a inclusão da área de ciências para o
 Ensino Fundamental e das áreas de Física, Química e Biologia para o Ensino
Médio. Sempre buscando o aperfeiçoamento do SAEB, já no levantamento de
 1997 foi introduzida uma nova atividade de apoio a sua operacionalização: o
      início da constituição do Banco Nacional de Itens, a partir do qual o
MEC/INEP passou a contar com um banco de itens nacionalmente calibrado e
   validado, donde vêm sendo selecionadas as questões a serem utilizadas.

                               crição do SAEB

                       I - Tipo de informação coletada

           i. Cobertura: As informações são coletadas por meio de amostras
     aleatórias - cuja característica principal é a sua natureza probabilística -
      representativas do País e de cada uma das 27 unidades da Federação.
       ii. População alvo: são avaliados os alunos das 4º e 8ª séries do Ensino
                    Fundamental e da 3ª série do Ensino Médio.
         iii. Âmbito da Avaliação: as áreas avaliadas são Língua Portuguesa,
   Matemática e Ciências, sendo que na 3ª série do Ensino Médio a área de
         Ciências compreende as disciplinas Física, Química e Biologia.
     iv. Periodicidade: o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica
  - SAEB é aplicado de dois em dois anos. Já foram realizadas 4 avaliações,
   sendo a primeira em 1990, a 2ª em 1993, a 3ª em 1995 e a 4ª em 1997. A
               próxima aplicação será realizada em outubro de 1999.
      v. Outros aspectos: são verificados alguns fatores contextuais e escolares
 que incidem na qualidade do Ensino Básico, tais como: as características de
    infra-estrutura e de disponibilidades da unidade escolar (questionário da
escola), o perfil do diretor e os mecanismos de gestão escolar (questionário do
       Diretor), o perfil e a prática docente (questionário do Professor), as
 características socioculturais e os hábitos de estudo dos alunos (questionário
                                      do aluno).

                         II - Procedimentos e análises

                           i. Tipos de instrumentos

     a. Em relação aos testes: são aplicados testes de desempenho dos alunos,
   elaborados com base em matrizes curriculares validadas nacionalmente.
      Esses testes medem tanto os conteúdos quanto as habilidades (em seus
diversos níveis de complexidade) das diversas séries e disciplinas avaliadas.
      b. Em relação ao tipo de resposta: para a área de Língua Portuguesa os
testes contêm tanto respostas fechadas (de múltipla escolha) quanto respostas
abertas (respostas construídas, curtas e longas). Nas demais disciplinas os
              testes são de resposta fechadas (múltipla escolha).
    c. Em relação aos procedimentos de aplicação, os testes para os alunos são
aplicados por agentes externos à escola, com procedimentos unificados e com
tempo controlado. Os mesmos agentes externos coletam as informações sobre
 a escola. Os questionários do diretor e do professor são auto-administrados.

                         ii. Tipos de processamento

      a. A entrada de dados dos questionários ocorre por meio da digitação das
informações. Os questionários de alunos e as respostas aos itens dos cadernos
              de provas, são processados por meio de leitura ótica.
      b. Análise dos Dados: para as análises dos dados são utilizados diversos
 tipos de softwares, de acordo com o nível de análise. Na análise de itens das
   provas, são utilizados softwares como o Bimain, Bilog, Microcat e outros,
  dependendo do tipo de item e do tipo de análise que se deseja (estimação de
 parâmetros TRI e da Teoria Clássica e cálculo de estatísticas para verificação
  das estimativas), Testfact e Microfact (para análise da unidimensionalidade
    dos itens). Para estimação das proficiências individuais são utilizados os
softwares Bilog e Bimain, entre outros, dependendo do modelo utilizado. Para
  a tabulação dos dados e análises estatísticas são usados pacotes estatísticos,
                         tais como SAS, SPSS e EXCEL.
      c. Tipos de Análises: são realizadas, primeiramente, análises dos itens de
 prova utilizados nos levantamentos, isto é, a análise de unidimensionalidade
 dos itens; a estimativa dos parâmetros dos itens (dificuldade, discriminação,
acerto ao acaso, entre outros, dependendo do modelo utilizado); a verificação
  da qualidade do ajuste ao modelo TRI; a estimação de parâmetros da Teoria
Clássica (proporção de acertos, correlação bi-serial e outras). Em seguida são
   calculadas as proficiências individuais dos alunos. São calculados também
 indicadores de aproveitamento curricular, obtidos através das probabilidades
       de acerto aos itens, por meio da utilização da técnica de Pontuação
                                   Verdadeira.
     d. Tipos de Análises: a partir dos dados dos questionários e dos resultados
 de Proficiência e de Aproveitamento Curricular, são efetuados diversos tipos
     de análises - cruzamentos de informações, correlações, comparação de
 médias, proporções, regressões, análises de informações socioeconômicas de
 alunos, confecção de "escalas" para interpretação dos resultados, indicando o
  que e quanto os alunos sabem fazer, comparação com indicadores do Censo
                             Educacional, entre outras.

                       iii. Disseminação da informação

      i. O que é disseminado: os resultados são divulgados tanto em termos
  gerais (nível nacional) quanto desagregados por região, estado, localização
(capital, interior), zona geográfica (urbano, rural), dependência administrativa
   (estadual, municipal, federal e particular). Os resultados englobam tanto
aqueles relacionados ao desempenho dos alunos quanto aqueles referentes às
     variáveis da escola, do diretor, do professor e dos hábitos de estudo e
                        condições socioculturais dos alunos.
    ii. Como se divulga: os resultados são divulgados por meio da distribuição
de relatórios técnicos, relatórios estaduais, boletins e documentos específicos
 (sobre o desempenho, condições da escola, características dos professores e
   diretores, etc.), de material preparado para a imprensa (televisão, jornais,
     rádio) e de promoção e participação em seminários locais, nacionais e
                                   internacionais.
        iii. Níveis de análises: os relatórios técnicos contêm toda a descrição
  metodológica da aplicação, além dos resultados dos diversos instrumentos
(questionários e testes de desempenho). Esses resultados são apresentados de
       forma descritiva (porcentual, média, etc.) e, também, com algumas
 associações simples (associação do desempenho dos alunos com a formação
 do diretor, do professor, participação destes em cursos de capacitação, etc.).
  São elaborados também documentos mais sintéticos - boletins e informes -
    focalizando aspectos específicos dos resultados, como descrito no item
                                       anterior.
          iv. Quem são os usuários: os usuários dos resultados são o próprio
Ministério da Educação, as Secretarias estaduais e Municipais de Educação, as
   Universidades, os Institutos de Pesquisa, as Escolas e o público em geral
                      (incluindo os alunos e seus familiares).

Mais conteúdo relacionado

Destaque

How do i gain more followers on keek
How do i gain more followers on keekHow do i gain more followers on keek
How do i gain more followers on keeksheri896
 
Excel gina celi
Excel gina celiExcel gina celi
Excel gina celiGiinaCeli
 
Semana da saúde
Semana da saúdeSemana da saúde
Semana da saúdePESES
 
How do i get keek followers fast
How do i get keek followers fastHow do i get keek followers fast
How do i get keek followers fastsheri896
 
ilusiones opticas
ilusiones opticasilusiones opticas
ilusiones opticasmarcelino4
 
Educación a distancia
Educación a distancia  Educación a distancia
Educación a distancia Myriam Ponce
 
How do i get more followers on keek fast
How do i get more followers on keek fastHow do i get more followers on keek fast
How do i get more followers on keek fastsheri896
 
Keek video online
Keek video onlineKeek video online
Keek video onlinebony895
 
Bobbi Style - Move 24 article
 Bobbi Style - Move 24 article Bobbi Style - Move 24 article
Bobbi Style - Move 24 articleScott Rains
 
How do i get free keek followers
How do i get free keek followersHow do i get free keek followers
How do i get free keek followerssheri896
 

Destaque (20)

Oops
OopsOops
Oops
 
Ana
AnaAna
Ana
 
How do i gain more followers on keek
How do i gain more followers on keekHow do i gain more followers on keek
How do i gain more followers on keek
 
Ilusiones
IlusionesIlusiones
Ilusiones
 
Corazón
CorazónCorazón
Corazón
 
Excel gina celi
Excel gina celiExcel gina celi
Excel gina celi
 
Codigo de etica
Codigo de eticaCodigo de etica
Codigo de etica
 
Semana da saúde
Semana da saúdeSemana da saúde
Semana da saúde
 
Floria Sigismondi
Floria SigismondiFloria Sigismondi
Floria Sigismondi
 
How do i get keek followers fast
How do i get keek followers fastHow do i get keek followers fast
How do i get keek followers fast
 
Lina-Forsgren
Lina-ForsgrenLina-Forsgren
Lina-Forsgren
 
Madrmodulo6pdf
Madrmodulo6pdfMadrmodulo6pdf
Madrmodulo6pdf
 
ilusiones opticas
ilusiones opticasilusiones opticas
ilusiones opticas
 
Usb 2012
Usb 2012Usb 2012
Usb 2012
 
Educación a distancia
Educación a distancia  Educación a distancia
Educación a distancia
 
How do i get more followers on keek fast
How do i get more followers on keek fastHow do i get more followers on keek fast
How do i get more followers on keek fast
 
Chateo
ChateoChateo
Chateo
 
Keek video online
Keek video onlineKeek video online
Keek video online
 
Bobbi Style - Move 24 article
 Bobbi Style - Move 24 article Bobbi Style - Move 24 article
Bobbi Style - Move 24 article
 
How do i get free keek followers
How do i get free keek followersHow do i get free keek followers
How do i get free keek followers
 

Semelhante a Sistema nacional de avaliação da educação básica

Avaliacao provas aferição2015-2016
Avaliacao provas aferição2015-2016Avaliacao provas aferição2015-2016
Avaliacao provas aferição2015-2016pr_afsalbergaria
 
Avaliacao nacional da_alfabetizacao
Avaliacao nacional da_alfabetizacaoAvaliacao nacional da_alfabetizacao
Avaliacao nacional da_alfabetizacaotaboao
 
Cristiane machado avaliação interna
Cristiane machado avaliação internaCristiane machado avaliação interna
Cristiane machado avaliação internabarbara martins
 
Relat rio valoresperado (1)
Relat rio valoresperado (1)Relat rio valoresperado (1)
Relat rio valoresperado (1)AMG Sobrenome
 
Avaliacao nacional alfabetizacao documento básico
Avaliacao nacional alfabetizacao documento básicoAvaliacao nacional alfabetizacao documento básico
Avaliacao nacional alfabetizacao documento básicotaboao
 
ANA:Avaliação Nacional de Alfabetização
ANA:Avaliação Nacional de AlfabetizaçãoANA:Avaliação Nacional de Alfabetização
ANA:Avaliação Nacional de AlfabetizaçãoGraça Sousa
 
Avaliaã§ã£o em matemã¡tica
Avaliaã§ã£o em matemã¡ticaAvaliaã§ã£o em matemã¡tica
Avaliaã§ã£o em matemã¡ticacelular12
 
Livreto saeb-online
Livreto saeb-onlineLivreto saeb-online
Livreto saeb-onlinemoborba
 
Critérios de avaliação 1º ciclo
Critérios de avaliação 1º cicloCritérios de avaliação 1º ciclo
Critérios de avaliação 1º cicloMarisa Luna
 
Exames na Europa e utilizaçã PT acionais de alunos a: objectivos, organização...
Exames na Europa e utilizaçã PT acionais de alunos a: objectivos, organização...Exames na Europa e utilizaçã PT acionais de alunos a: objectivos, organização...
Exames na Europa e utilizaçã PT acionais de alunos a: objectivos, organização...João Silva
 
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527elannialins
 
Manual do estudante_do_ensino_medio_2015
Manual do estudante_do_ensino_medio_2015Manual do estudante_do_ensino_medio_2015
Manual do estudante_do_ensino_medio_2015josiel rodrigues
 
Encontro de Lideres - IDEB MAIS - 28_07_2023.pptx
Encontro de Lideres - IDEB MAIS - 28_07_2023.pptxEncontro de Lideres - IDEB MAIS - 28_07_2023.pptx
Encontro de Lideres - IDEB MAIS - 28_07_2023.pptxjosihy
 
Avaliação Nacional Alfabetização - ANA
Avaliação Nacional Alfabetização - ANAAvaliação Nacional Alfabetização - ANA
Avaliação Nacional Alfabetização - ANARosemary Batista
 
Paula de oliveira operacionalização i
Paula de oliveira operacionalização iPaula de oliveira operacionalização i
Paula de oliveira operacionalização ipaulafernandadiogo
 

Semelhante a Sistema nacional de avaliação da educação básica (20)

Avaliacao provas aferição2015-2016
Avaliacao provas aferição2015-2016Avaliacao provas aferição2015-2016
Avaliacao provas aferição2015-2016
 
Simave 2
Simave 2Simave 2
Simave 2
 
Livreto saeb ciencias
Livreto saeb cienciasLivreto saeb ciencias
Livreto saeb ciencias
 
Avaliacao nacional da_alfabetizacao
Avaliacao nacional da_alfabetizacaoAvaliacao nacional da_alfabetizacao
Avaliacao nacional da_alfabetizacao
 
Cristiane machado avaliação interna
Cristiane machado avaliação internaCristiane machado avaliação interna
Cristiane machado avaliação interna
 
Relat rio valoresperado (1)
Relat rio valoresperado (1)Relat rio valoresperado (1)
Relat rio valoresperado (1)
 
Plano de avaliação
Plano de avaliaçãoPlano de avaliação
Plano de avaliação
 
Plano de avaliacao
Plano de avaliacaoPlano de avaliacao
Plano de avaliacao
 
Avaliacao nacional alfabetizacao documento básico
Avaliacao nacional alfabetizacao documento básicoAvaliacao nacional alfabetizacao documento básico
Avaliacao nacional alfabetizacao documento básico
 
ANA:Avaliação Nacional de Alfabetização
ANA:Avaliação Nacional de AlfabetizaçãoANA:Avaliação Nacional de Alfabetização
ANA:Avaliação Nacional de Alfabetização
 
Avaliaã§ã£o em matemã¡tica
Avaliaã§ã£o em matemã¡ticaAvaliaã§ã£o em matemã¡tica
Avaliaã§ã£o em matemã¡tica
 
Livreto saeb-online
Livreto saeb-onlineLivreto saeb-online
Livreto saeb-online
 
Enunciado_da_Avaliacao_2__Pesquisa_de_Mercado_(IL60090).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_2__Pesquisa_de_Mercado_(IL60090).pdfEnunciado_da_Avaliacao_2__Pesquisa_de_Mercado_(IL60090).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_2__Pesquisa_de_Mercado_(IL60090).pdf
 
Critérios de avaliação 1º ciclo
Critérios de avaliação 1º cicloCritérios de avaliação 1º ciclo
Critérios de avaliação 1º ciclo
 
Exames na Europa e utilizaçã PT acionais de alunos a: objectivos, organização...
Exames na Europa e utilizaçã PT acionais de alunos a: objectivos, organização...Exames na Europa e utilizaçã PT acionais de alunos a: objectivos, organização...
Exames na Europa e utilizaçã PT acionais de alunos a: objectivos, organização...
 
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
 
Manual do estudante_do_ensino_medio_2015
Manual do estudante_do_ensino_medio_2015Manual do estudante_do_ensino_medio_2015
Manual do estudante_do_ensino_medio_2015
 
Encontro de Lideres - IDEB MAIS - 28_07_2023.pptx
Encontro de Lideres - IDEB MAIS - 28_07_2023.pptxEncontro de Lideres - IDEB MAIS - 28_07_2023.pptx
Encontro de Lideres - IDEB MAIS - 28_07_2023.pptx
 
Avaliação Nacional Alfabetização - ANA
Avaliação Nacional Alfabetização - ANAAvaliação Nacional Alfabetização - ANA
Avaliação Nacional Alfabetização - ANA
 
Paula de oliveira operacionalização i
Paula de oliveira operacionalização iPaula de oliveira operacionalização i
Paula de oliveira operacionalização i
 

Mais de Celi Jandy Moraes Gomes

O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeCeli Jandy Moraes Gomes
 
Dispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dadosDispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dadosCeli Jandy Moraes Gomes
 
Saberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissionalSaberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissionalCeli Jandy Moraes Gomes
 
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superiorResolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superiorCeli Jandy Moraes Gomes
 
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1Celi Jandy Moraes Gomes
 
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998Celi Jandy Moraes Gomes
 
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998Celi Jandy Moraes Gomes
 

Mais de Celi Jandy Moraes Gomes (20)

Como instalar tudo em ubuntu
Como instalar tudo em ubuntuComo instalar tudo em ubuntu
Como instalar tudo em ubuntu
 
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
 
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
 
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
 
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
 
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
 
áLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicosáLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicos
 
Entrada e saida
Entrada e saidaEntrada e saida
Entrada e saida
 
Dispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dadosDispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dados
 
Lei 10.639 2003
Lei 10.639 2003Lei 10.639 2003
Lei 10.639 2003
 
Constituição do estado do pará
Constituição do estado do paráConstituição do estado do pará
Constituição do estado do pará
 
Formação social da mente
Formação social da menteFormação social da mente
Formação social da mente
 
Saberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissionalSaberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissional
 
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superiorResolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
 
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1
 
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
 
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
 
Pedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimidoPedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimido
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 

Sistema nacional de avaliação da educação básica

  • 1. Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica - SAEB O O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica - SAEB implantado em 1990, é coordenado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP e conta com a participação e o apoio das Secretarias Estaduais e Municipais de Educação das 27 Unidades da Federação. Os levantamentos de dados do SAEB são realizados, a cada dois anos, em uma amostra probabilística representativa dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal. A cada aplicação de instrumentos são pesquisados aproximadamente 700 municípios, 3.000 escolas públicas e privadas, 25.000 professores, 3.000 diretores e 220.000 alunos do Ensino Básico (da 4ª e 8ª séries do Ensino Fundamental e da 3ª série do Ensino Médio) nas disciplinas Língua Portuguesa, Matemática e Ciências. A partir de 1999 serão incluídas as disciplinas História e Geografia. A análise dos resultados dos levantamentos do SAEB permite acompanhar a evolução do desempenho dos alunos e dos diversos fatores incidentes na qualidade e na efetividade do ensino ministrado nas escolas, possibilitando a definição de ações voltadas para a correção das distorções identificadas e o aperfeiçoamento das práticas e dos resultados apresentados pelas escolas e pelo sistema de ensino brasileiro. Essas informações são utilizadas por gestores e administradores da educação, pesquisadores e professores. SAEB: Breve Histórico Criado em 1988 e tendo já realizado quatro levantamentos, o SAEB vem sendo aperfeiçoado, sucessivamente, a cada aplicação, tanto do ponto de vista metodológico, como nos procedimentos, operacionalização e abrangência. O primeiro levantamento foi realizado em 1990, somente para a rede pública do Ensino Fundamental, sendo avaliadas a 1ª, a 3ª, a 5ª e a 7ª séries e em três áreas: Português, Matemática e Ciências. Em 1993, os levantamentos tiveram as mesmas características e seguiram os mesmos procedimentos. A partir de 1995, a preocupação com a comparabilidade dos dados foi incorporada aos procedimentos. Dentre as mudanças metodológicas realizadas destacam-se: as avaliações passaram a se concentrar no final de cada ciclo de estudos, ou seja, na 4ª e 8ª séries do Ensino Fundamental e na 3ª série do Ensino Médio; modernas técnicas de construção e análise de itens passaram a ser utilizadas, avançando-se dos modelos e técnicas clássicos de testes e medidas à Teoria de Resposta ao Item e ao modelo de amostragem matricial de itens; do ponto de vista operacional, inicialmente executado de forma direta pelo Ministério, partiu-se para a execução do SAEB por entidade externa, contratada especificamente para essa finalidade; a abrangência foi ampliada: expandiu-se a aplicação para todas as redes de ensino - pública (federal, estadual e municipal) e particular - e incorporou-
  • 2. se o Ensino Médio. Em 1995 alcançou-se a cobertura nacional, pois, pela primeira vez, todas as unidades da Federação participaram dos levantamentos. Para a aplicação do SAEB em 1997 foram mantidas as mesmas séries e níveis de ensino, a mesma forma de execução (por entidade externa ao Ministério). Ampliaram-se as áreas avaliadas com a inclusão da área de ciências para o Ensino Fundamental e das áreas de Física, Química e Biologia para o Ensino Médio. Sempre buscando o aperfeiçoamento do SAEB, já no levantamento de 1997 foi introduzida uma nova atividade de apoio a sua operacionalização: o início da constituição do Banco Nacional de Itens, a partir do qual o MEC/INEP passou a contar com um banco de itens nacionalmente calibrado e validado, donde vêm sendo selecionadas as questões a serem utilizadas. crição do SAEB I - Tipo de informação coletada i. Cobertura: As informações são coletadas por meio de amostras aleatórias - cuja característica principal é a sua natureza probabilística - representativas do País e de cada uma das 27 unidades da Federação. ii. População alvo: são avaliados os alunos das 4º e 8ª séries do Ensino Fundamental e da 3ª série do Ensino Médio. iii. Âmbito da Avaliação: as áreas avaliadas são Língua Portuguesa, Matemática e Ciências, sendo que na 3ª série do Ensino Médio a área de Ciências compreende as disciplinas Física, Química e Biologia. iv. Periodicidade: o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica - SAEB é aplicado de dois em dois anos. Já foram realizadas 4 avaliações, sendo a primeira em 1990, a 2ª em 1993, a 3ª em 1995 e a 4ª em 1997. A próxima aplicação será realizada em outubro de 1999. v. Outros aspectos: são verificados alguns fatores contextuais e escolares que incidem na qualidade do Ensino Básico, tais como: as características de infra-estrutura e de disponibilidades da unidade escolar (questionário da escola), o perfil do diretor e os mecanismos de gestão escolar (questionário do Diretor), o perfil e a prática docente (questionário do Professor), as características socioculturais e os hábitos de estudo dos alunos (questionário do aluno). II - Procedimentos e análises i. Tipos de instrumentos a. Em relação aos testes: são aplicados testes de desempenho dos alunos, elaborados com base em matrizes curriculares validadas nacionalmente. Esses testes medem tanto os conteúdos quanto as habilidades (em seus diversos níveis de complexidade) das diversas séries e disciplinas avaliadas. b. Em relação ao tipo de resposta: para a área de Língua Portuguesa os testes contêm tanto respostas fechadas (de múltipla escolha) quanto respostas
  • 3. abertas (respostas construídas, curtas e longas). Nas demais disciplinas os testes são de resposta fechadas (múltipla escolha). c. Em relação aos procedimentos de aplicação, os testes para os alunos são aplicados por agentes externos à escola, com procedimentos unificados e com tempo controlado. Os mesmos agentes externos coletam as informações sobre a escola. Os questionários do diretor e do professor são auto-administrados. ii. Tipos de processamento a. A entrada de dados dos questionários ocorre por meio da digitação das informações. Os questionários de alunos e as respostas aos itens dos cadernos de provas, são processados por meio de leitura ótica. b. Análise dos Dados: para as análises dos dados são utilizados diversos tipos de softwares, de acordo com o nível de análise. Na análise de itens das provas, são utilizados softwares como o Bimain, Bilog, Microcat e outros, dependendo do tipo de item e do tipo de análise que se deseja (estimação de parâmetros TRI e da Teoria Clássica e cálculo de estatísticas para verificação das estimativas), Testfact e Microfact (para análise da unidimensionalidade dos itens). Para estimação das proficiências individuais são utilizados os softwares Bilog e Bimain, entre outros, dependendo do modelo utilizado. Para a tabulação dos dados e análises estatísticas são usados pacotes estatísticos, tais como SAS, SPSS e EXCEL. c. Tipos de Análises: são realizadas, primeiramente, análises dos itens de prova utilizados nos levantamentos, isto é, a análise de unidimensionalidade dos itens; a estimativa dos parâmetros dos itens (dificuldade, discriminação, acerto ao acaso, entre outros, dependendo do modelo utilizado); a verificação da qualidade do ajuste ao modelo TRI; a estimação de parâmetros da Teoria Clássica (proporção de acertos, correlação bi-serial e outras). Em seguida são calculadas as proficiências individuais dos alunos. São calculados também indicadores de aproveitamento curricular, obtidos através das probabilidades de acerto aos itens, por meio da utilização da técnica de Pontuação Verdadeira. d. Tipos de Análises: a partir dos dados dos questionários e dos resultados de Proficiência e de Aproveitamento Curricular, são efetuados diversos tipos de análises - cruzamentos de informações, correlações, comparação de médias, proporções, regressões, análises de informações socioeconômicas de alunos, confecção de "escalas" para interpretação dos resultados, indicando o que e quanto os alunos sabem fazer, comparação com indicadores do Censo Educacional, entre outras. iii. Disseminação da informação i. O que é disseminado: os resultados são divulgados tanto em termos gerais (nível nacional) quanto desagregados por região, estado, localização (capital, interior), zona geográfica (urbano, rural), dependência administrativa (estadual, municipal, federal e particular). Os resultados englobam tanto
  • 4. aqueles relacionados ao desempenho dos alunos quanto aqueles referentes às variáveis da escola, do diretor, do professor e dos hábitos de estudo e condições socioculturais dos alunos. ii. Como se divulga: os resultados são divulgados por meio da distribuição de relatórios técnicos, relatórios estaduais, boletins e documentos específicos (sobre o desempenho, condições da escola, características dos professores e diretores, etc.), de material preparado para a imprensa (televisão, jornais, rádio) e de promoção e participação em seminários locais, nacionais e internacionais. iii. Níveis de análises: os relatórios técnicos contêm toda a descrição metodológica da aplicação, além dos resultados dos diversos instrumentos (questionários e testes de desempenho). Esses resultados são apresentados de forma descritiva (porcentual, média, etc.) e, também, com algumas associações simples (associação do desempenho dos alunos com a formação do diretor, do professor, participação destes em cursos de capacitação, etc.). São elaborados também documentos mais sintéticos - boletins e informes - focalizando aspectos específicos dos resultados, como descrito no item anterior. iv. Quem são os usuários: os usuários dos resultados são o próprio Ministério da Educação, as Secretarias estaduais e Municipais de Educação, as Universidades, os Institutos de Pesquisa, as Escolas e o público em geral (incluindo os alunos e seus familiares).