SlideShare uma empresa Scribd logo
Simulado gran curso
SIMULADO
SIMULADO
2
BRUNOPILASTRESIMULADO
LÍNGUA PORTUGUESA
(CESPE/CEBRASPE /CONHECIMENTOS BÁSICOS
PARA O CARGO 1/STJ/ 2015)
Texto I
1	 A ideia de solidariedade acompanha, desde os primór-
dios, a evolução da humanidade. Aristóteles, por exem-
plo, em clássica passagem, afirma que o homem não é
um ser que possa viver isolado; é, ao contrário, ordenado
5	 teleologicamente a viver em sociedade. É um ser que
vive, atua e relaciona-se na comunidade, e sente-se
vinculado aos seus semelhantes. Não pode renunciar à
sua condição inata de membro do corpo social, porque
apenas os animais e os deuses podem prescindir
10	 da sociedade e da companhia de todos os demais.
 O primeiro contato com a noção de solidariedade mos-
tra uma relação de pertinência: as nossas ações sociais
incidem, positiva ou negativamente, sobre todos os de-
mais membros da comunidade. A solidariedade implica,
15	 por outro lado, a corresponsabilidade, a compreen-
são da transcendência social das ações humanas, do
coexistir e do conviver comunitário. Percebe-se, aqui,
igualmente, a sua inegável dimensão ética, em virtude
do necessário reconhecimento mútuo de todos como
20	 pessoas, iguais em direitos e obrigações, o que dá
suporte a exigências recíprocas de ajuda ou sustento.
 A solidariedade, desse modo, exorta atitudes de
apoio e cuidados de uns com os outros. Pede diálo-
go e tolerância. Pressupõe um reconhecimento ético
25	 e, portanto, corresponsabilidade. Entretanto, para que
não fique estagnada em gestos tópicos ou se esgote
em atitudes episódicas, a modernidade política impõe
a necessidade dialética de um passo maior em dire-
ção à justiça social: o compromisso constante com
30	 o bem comum e a promoção de causas ou objeti-
vos comuns aos membros de toda a comunidade.
DINIZ, Marcio Augusto de Vasconcelos. Estado social e prin-
cípio da solidariedade. In: Revista de Direitos e Garantias
Fundamentais, Vitória, n.3, p. 31-48, jul.-dez./2008. Internet:
www.fdv.br (com adaptações).
Julgue os itens que se seguem, relativos às estruturas
linguísticas do texto Estado social e princípio da so-
lidariedade.
1.	 A correção gramatical do texto seria prejudicada
caso se empregasse o sinal indicativo de crase no
vocábulo “a” em “dá suporte a exigências recíprocas”
(l. 21).
2.	 A correção gramatical e o sentido original do texto se-
riam preservados se a oração “A solidariedade, desse
modo, exorta atitudes de apoio e cuidados de uns com
os outros” (l. 22 e 23) fosse reescrita da seguinte for-
ma: Atitudes de apoio e cuidados de uns com os outros
são exigidas para o exercício da solidariedade.
3.	 A correção gramatical e o sentido original do texto se-
riam preservados caso se inserisse o pronome se ime-
diatamente antes da forma verbal “pode” (l. 8).
4.	 A forma verbal “implica” (l.14) poderia, sem prejuízo
para a correção gramatical e o sentido original do tex-
to, ser substituída por acarreta.
5.	 Na linha 18, a expressão “a sua inegável dimensão
ética” constitui o sujeito da forma verbal “Percebe-se”.
Texto II
1	 A história da responsabilidade civil entrelaça-se com
a história da sanção. O homem primitivo atribuía (e
algumas tribos indígenas ainda o fazem) a fenômenos
da natureza caráter punitivo, cominado por espíritos
5	 ou deuses. Nas relações entre os homens, à ofensa
correspondia a vingança privada, brutal e ilimi-
tada, como se esta desfizesse a ofensa praticada.
 No período pré-romano da história ocidental, a sanção
tinha fundamento religioso e pretensão de satisfação
10	 da divindade ofendida pela conduta do ofensor. Nesse
período, surgiu a chamada Lei do Talião, do latim Lex
Talionis — Lex significando lei e Talionis, tal qual ou
igual. É de onde se extraiu a máxima “Olho por olho,
dente por dente”, encontrada, inclusive, na Bíblia.
15	 Embora hoje possa parecer pouco razoável a ideia de
sanção baseada na retaliação ou na prática pelo ofen-
dido de ato da mesma espécie da que o ofensor prati-
cou contra ele, a Lex Talionis, em verdade, representou
grande avanço, pois, da vingança privada, passou-se
20	 a algo que se pode chamar de justiça privada. Com a
justiça privada, o tipo de pena ou sanção deixou de ser
uma surpresa para seu destinatário, e não mais cor-
respondia a todo e qualquer ato que o ofendido pre-
tendesse; ao contrário, a punição do ofensor passou a
25	 sofrer os limites da extensão e da intensidade do dano
causado. Obviamente, isso quer dizer que, se o dano
fosse físico, a retaliação também o seria; por outro lado,
fosse a ofensa apenas moral, não poderia ser de outra
natureza o ato do ofendido contra o originário ofensor.
SILVA, Carlos B. I.; COSTA, Cynthia L. Evolução histórica da res-
ponsabilidade civil e efetivação dos direitos humanos. In: Renata
F. de Barros e Paula Maria T. Lara (Orgs.). Direitos humanos:
um debate contemporâneo. Raleigh, Carolina do Norte, EUA:
Lulu Publishing, 2012, p. 69-70. Internet: https://books.google.
com.br (com adaptações).
Acerca das estruturas linguísticas do texto Evolução
histórica da responsabilidade civil e efetivação dos
direitos humanos, julgue os itens a seguir.
6.	 Na linha 12, a vírgula que se segue ao vocábulo “Talio-
nis” representa a elipse da forma verbal “significando”.
7.	 Do ponto de vista sintático, as vírgulas que isolam a frase
“se o dano fosse físico” (l.26-27) são de emprego faculta-
tivo, razão por que a correção do texto seria preservada
caso se eliminassem ambas ou se apenas uma delas —
seja a primeira, seja a segunda — fosse eliminada.
3
SIMULADO
8.	 A substituição das formas verbais “deixou” (l.21), “cor-
respondia” (l.22-23) e “passou” (l.24) por deixa, cor-
responde e passa, respectivamente, manteria a cor-
reção e a coerência do texto.
(CESPE/CEBRASPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/
MECPS/ 2015)
Texto III
1	 Faço compras no supermercado. Encho o tanque do
automóvel. Compro umlivro, umfilme,umCD.Voualmo-
çar, pago a conta, saio. E então reparo que não encontrei
um único ser humano em todo o processo. Só máquinas.
5	 Eu, o meu cartão de crédito ― e uma máquina. Então
penso:seráquePaulLafargue(1842–1911)tinharazão?
 Lafargue é pouco lido hoje em dia. Genro do famo-
so Karl Marx, Lafargue escreveu O direito à pre-
guiça em finais do século XIX. Para deixar uma
10	 mensagem otimista: a humanidade deixará o tra-
balho para trás porque o progresso tecnológico
vai libertar os homens da condenação da jornada.
 A mensagem de Lafargue é uma espécie de pro-
fecia bíblica do avesso: quando Adão e Eva foram
15	 expulsos do paraíso, Deus condenou o par deso-
bediente a ganhar a vida com o suor do rosto. As
máquinas, escreveu Lafargue, permitirão que os
homens regressem ao paraíso, deixando as can-
seiras da labuta para os brinquedos da tecnologia.
20	 Não sei quantas vezes li o opúsculo de Lafargue. Umas
dez. Umas cem. Sempre à espera do dia em que a
máquina libertaria os homens para o lazer.
COUTINHO, João Pereira. Nós, os escravos. In: Internet:
www1.folha.uol.com.br (com adaptações).
Em relação as estruturas linguísticas e as ideias do
texto III, julgue os itens a seguir.
9.	 No primeiro parágrafo do texto, a ausência de conec-
tores entre os quatro primeiros períodos e o uso de
formas verbais em primeira pessoa constituem es-
tratégias discursivas que favorecem a construção de
uma atmosfera de automatismo e de individualismo no
texto.
10.	 Na linha 10, os dois-pontos tem a função de introduzir
uma explicação referente à informação anterior.
Texto IV
1	 Não é fácil ser um organismo. Em todo o universo, pelo
que sabemos até agora, só existe um lugar, um posto
avançado discreto da Via Láctea chamado Terra, que
sustentarávocêe,mesmoassim,commuitamávontade.
5	 Do fundo da fossa oceânica mais profunda ao topo da
montanha mais elevada, a zona que abrange quase
toda a vida conhecida, existem menos de vinte quilô-
metros ― não muito se comparados com a vastidão do
cosmo como um todo.
10	 Para os seres humanos, a situação é ainda pior, porque
pertencemos por acaso ao grupo de seres vivos que
tomaram a decisão precipitada, mas ousada, 400
milhões de anos atrás, de rastejar para fora dos ocea-
nos, tornando-se terrestres e respirando oxigênio. Em
15	 consequência, nada menos que 99,5% do espaço habi-
tável do mundo em termos de volume, de acordo com
uma estimativa, estão fundamentalmente ― em termos
práticos, completamente ― fora do nosso alcance.
 Não se trata apenas de que não conseguimos respirar
20	 na água, mas de que não suportaríamos as pressões.
Como a água é cerca de 1.300 vezes mais pesada que
o ar, as pressões aumentam rapidamente à medida que
se desce ― o equivalente a uma atmosfera para cada
dez metros de profundidade. Em terra, se você subisse
25	 em uma construção de 150 metros ― a catedral de
Colônia ou o monumento de Washington, digamos ―, a
mudança de pressão, de tão pequena, seria impercep-
tível. No entanto, à mesma profundidade na água, suas
veias se contrairiam e seus pulmões se comprimiriam
30	 até ficar do tamanho de uma lata de refrigerante.
BRYSON, Bill. O planeta solitário. In: Breve história de quase
tudo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005, p. 247-8 (com
adaptações).
No que se refere às estruturas linguísticas do texto
IV e às ideias nele desenvolvidas, julgue os próximos
itens.
11.	 O emprego da palavra “discreto” (l.3) enfatiza a ideia
da pequena dimensão em que ocorrem as condições
mínimas para a vida humana.
12.	 Na linha 26, o emprego da vírgula após o travessão é
facultativo.
13.	 Sem prejuízo para a correção gramatical do texto, o
pronome “você”, em suas duas ocorrências (l. 4 e 24),
poderia ser substituído por alguém.
14.	 A correção gramatical e os sentidos do texto seriam
preservados caso o trecho “a zona que abrange quase
toda a vida conhecida” (l. 6 e 7) fosse reescrito da se-
guinte forma: a área que preserva quase toda a vida de
que se têm conhecimento.
Texto V
1	 A vitória da beleza brasileira
 A universitária Amanda, de 20 anos de idade, é a primei-
ra negra eleita miss DF. A modelo, que representou o
Núcleo Bandeirante, quase desistiu do mundo da moda,
5	 pois exigiram que ela alisasse o cabelo, afinasse o nariz
e mudasse os traços. Amanda recusou-se e foi consa-
gradanaquelaqueseriaaúltimatentativadesermodelo.
Correio Braziliense, 13/07/2015, capa (com adaptações).
4
BRUNOPILASTRESIMULADO
Julgue os seguintes itens, referentes as ideias e as es-
truturas linguísticas do texto V.
15.	 Haveria prejuízo para a correção gramatical do texto
caso o pronome “se”, em “Amanda recusou-se” (l.6),
fosse deslocado para imediatamente antes da forma
verbal “recusou”: Amanda se recusou.
16.	 No trecho “exigiram que ela alisasse o cabelo, afinas-
se o nariz e mudasse os traços” (l. 5 e 6), o sujeito da
forma verbal “exigiram” é indeterminado.
CESPE/ CEBRASPE/ NÍVEL INTERMEDIÁRIO (CAR-
GO 12) /FUB/2015
1	 	 Estação do ano mais aguardada pelos brasilei-
ros, o verão não é sinônimo apenas de praia, corpos à
mostra e pele bronzeada. O calor extremo provocado por
massas de ar quente ― fenômeno comum nessa época
5	 do ano, mas acentuado na última década pelas mudan-
ças climáticas ― traz desconfortos e riscos à saúde.
Não se trata somente de desidratação e insolação. Um
estudo da Faculdade de Saúde Pública de Harvard
(EUA), o maior a respeito do tema feito até o momento,
10	 mostrou que as temperaturas altas aumentam hospita-
lizações por falência renal, infecções do trato urinário e
até mesmo sepse, entre outras enfermidades. “Embora
tenhamos feito o estudo apenas nos EUA, as ondas de
calor são um fenômeno mundial. Portanto, os resultados
15	 podem ser considerados universais”, diz Francesca
Domininci, professora de bioestatística da faculdade e
principal autora do estudo, publicado no jornal Jama,
da Associação Médica dos Estados Unidos. No Brasil,
não há estudos específicos que associem as ondas de
20	 calor a tipos de internações. “Não é só aí. No mundo
todo, há pouquíssimas investigações a respeito dessa
relação”, afirma Domininci. “Precisamos que os colegas
de outras partes do planeta façam pesquisas seme-
lhantes para compreendermos melhor essa importante
25	 questão para a saúde pública”, observa.
Internet: www.correioweb.com.br
(com adaptações)
Com relação às ideias e às estruturas do texto acima,
julgue os itens que se seguem.
17.	 Elementos presentes no texto permitem classificá-lo
como narrativo.
18.	 Mantêm-se a correção gramatical e o sentido original
do texto ao se substituir “há” (l. 19) por existe.
19.	 Seria mantida a correção gramatical do período caso
o fragmento “Estação do ano mais aguardada pelos
brasileiros” (l. 1) fosse deslocado e inserido, entre vír-
gulas, após “verão” (l. 2) feitos os devidos ajustes de
maiúsculas e minúsculas.
20.	 Os acentos gráficos das palavras “bioestatística” e “es-
pecíficos” têm a mesma justificativa gramatical.
21.	 O termo ‘aí’ (l. 20) tem como referente “Brasil” (l. 18).
22.	 O emprego da vírgula após “momento” (l. 9) explica-se
por isolar o adjunto adverbial, que está anteposto ao
verbo, ou seja, deslocado de sua posição padrão.
1	 	 “O preconceito linguístico é um equívoco, e tão
nocivo quanto os outros. Segundo Marcos Bagno,
especialista no assunto, dizer que o brasileiro não sabe
português é um dos mitos que compõem o preconceito
5	 mais presente na cultura brasileira: o linguístico”.
 	 A redação acima poderia ter sido extraída do edito-
rial 7 de uma revista, mas é parte do texto O oxente e o
ok, primeiro lugar na categoria opinião da 4.ª Olimpíada
de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro, realizada
10	 pelo Ministério da Educação em parceria com a Fun-
dação Itaú Social e o Centro de Estudos e Pesquisas
em Educação, Cultura e Ação Comunitária (CENPEC).
 	 A autora do artigo é estudante do 2.º ano do ensino
médio em uma escola estadual do Ceará, e foi premiada
15	 ao lado de outros dezenove alunos de escolas públi-
cas brasileiras, durante um evento em Brasília, no
último mês de dezembro. Como nos três anos anterio-
res, vinte alunos foram vencedores ― cinco em cada
gênero trabalhado pelo projeto. Além de opinião (2.º e
20	 3.º anos do ensino médio), a olimpíada destacou pro-
duções em crônica (9.º ano do ensino fundamental),
poema (5.º e 6.º anos) e memória (7.º e 8.º anos).
Tudo regido por um só tema: “O lugar em que vivo”.
Língua Portuguesa, 1/2015. Internet: www.
revistalingua.uol.com.br
(com adaptações)
No que se refere aos sentidos, à estrutura textual e aos
aspectos gramaticais do texto, julgue os itens a seguir.
23.	 Os trechos ‘especialista no assunto’ (l. 3), ‘o linguístico’
(l. 5) e “primeiro lugar na categoria opinião da 4.ª Olim-
píada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro” (l.
7 a 9) exercem a mesma função sintática, a de aposto.
24.	 O elemento coesivo “mas” (l. 7) inicia uma oração co-
ordenada que exprime a ideia de concessão em uma
sequência de fatos.
25.	 Na linha 18, caso o travessão fosse substituído por
dois-pontos, não haveria prejuízo para a correção gra-
matical do texto.
26.	 O termo “o brasileiro” (l. 3) exerce a função de sujeito
da oração em que se insere.
(CESPE/ CEBRASPE/ NÍVEL SUPERIOR (TODOS
OS CARGOS)/ FUB/ 2015)
1	 	 O fator mais importante para prever a perfor-
mance de um grupo é a igualdade da participação na
conversa. Grupos em que poucas pessoas dominam o
diálogo têm desempenho pior do que aqueles em que
5
SIMULADO
5	 há mais troca. O segundo fator mais importante é a
inteligência social dos seus membros, medida pela
capacidade que eles têm de ler os sinais emitidos pelos
outros membros do grupo. As mulheres têm mais inte-
ligência social que os homens, por isso grupos mais
10	 diversificados têm desempenho melhor.
Gustavo Ioschpe. Veja, 31/12/2014, p. 33
(com adaptações)
Julgue o iten seguinte, referentes às ideias e às estru-
turas linguísticas do texto acima.
27.	 Em todas as ocorrências de “têm” no texto (l. 4, 7, 8 e
10) é exigido o uso do acento circunflexo para marcar
o plural.
G A B A R I T O
1.	 C
2.	 E
3.	 E
4.	 C
5.	 C
6.	 C
7.	 E
8.	 C
9.	 C
10.	 C
11.	 C
12.	 E
13.	 C
14.	 E
15.	 E
16.	 C
17.	 E
18.	 E
19.	 C
20.	 C
21.	 C.
22.	 E
23.	 C
24.	 E
25.	 C
26.	 C
27.	 C
REDAÇÃO OFICIAL
(CESPE) Considerando os aspectos estruturais e lin-
guísticos das correspondências oficiais previstos no
Manual de Redação da Presidência da República, jul-
gue os itens que se seguem.
28.	 Sempre que possível, os despachos ao memorando
devem ser registrados no próprio documento, para
simplificar o processo e garantir maior transparência
às decisões tomadas.
29.	 A exposição de motivos é uma comunicação oficial diri-
gida ao presidente da República ou ao vice-presidente
por um ministro de Estado e pode ser interministerial,
ou seja, assinada por mais de um ministro.
30.	 Caso um ministro da Primeira Turma do STJ tenha de
encaminhar um documento a um ministro da Quarta
Turma desse mesmo tribunal, a comunicação a ser
expedida para esse fim será o aviso, e o fecho a ser
utilizado será “Cordialmente”.
(CESPE) Assunto: encaminha processo.
Excelentíssimo Senhor Ministro,
Ao cumprimentá-lo, encaminhamos processo, regis-
trado sob n. 1234567-00.2015.3.0.0000, para análise do
mesmo e para emissão do parecer de Vossa Excelência o
Senhor Ministro.
Atenciosamente,
[assinatura]
[identificação do signatário]
Considerando o fragmento da comunicação oficial hi-
potética anteriormente apresentado, julgue os próxi-
mos itens com base no Manual de Redação da Presi-
dência da República.
31.	 A linguagem empregada no documento hipotético em
questão atende aos princípios de clareza, concisão e
uso de linguagem formal e, portanto, é adequada à co-
municação oficial.
32.	 A estrutura do documento apresentado é adequada à
composição de um ofício.
(CESPE) PORTARIA STJ/ GDG N. 205, DE 6 DE
MARÇO DE 2015.
Prorroga o prazo estabelecido
na Portaria STJ GDG n. 1.247,
de 9 de dezembro de 2014.
O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPERIOR
TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição conferida
pelo item 17.2, X, b, do Manual de Organização do Superior
Tribunal de Justiça,
RESOLVE:
Art. 1º Prorroga, até 6 de abril de 2015, o prazo esta-
belecido no art. 3º da Portaria STJ GDG n. 1.247, de 9 de
dezembro de 2014.
Art. 2º Esta portaria entra em vigor nesta data de sua
publicação.
José Joaquim Xavier
Acerca de aspectos gerais das correspondências ofi-
ciais e com fundamento no Manual de Redação da
Presidência da República, julgue os próximos itens,
relativos ao documento oficial hipotético anteriormente
apresentado — PORTARIA STJ/GDG N. 205.
6
BRUNOPILASTRESIMULADO
33.	 Em uma portaria, denomina-se epígrafe o trecho do
texto que sintetiza seu conteúdo, de modo a permitir
o conhecimento imediato da matéria, como na hipó-
tese em questão: “Prorroga o prazo [...] dezembro
de 2014”.
34.	 Caso o artigo primeiro do documento em apreço cons-
tituísse um caput seguido de um único parágrafo, este
deveria ser identificado por extenso e seu texto deveria
iniciar-se com letra maiúscula e encerrar-se com ponto
final.
(CESPE) COMUNICADO GDG N. 2, DE 30 DE JANEI-
RO DE 2015
O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPERIOR
TRIBUNAL DE JUSTIÇA, em cumprimento ao que deter-
mina o art. 1º da Resolução CNJ n. 22, de 5 de junho de
2010, divulga a frota de veículos do Tribunal, conforme a
planilha anexa.
José Joaquim Xavier
No tocante a aspectos gerais das correspondências
oficiais e com fundamento no Manual de Redação da
Presidência da República, julgue os próximos itens, rela-
tivos ao fragmento de comunicação oficial hipotética an-
teriormente apresentado — COMUNICADO GDG N. 2.
35.	 A comunicação oficial hipotética em questão não aten-
de à concisão, uma das qualidades essenciais da re-
dação oficial.
36.	 O vocábulo “anexa” foi empregado de acordo com o
padrão culto formal da língua portuguesa.
37.	 O vocativo adequado, na elaboração de expediente
oficial dirigido ao emitente da comunicação em apreço,
seria “Digníssimo Senhor”, seguido do nome do cargo
correspondente.
G A B A R I T O
28.	 C
29.	 C
30.	 E
31.	 E
32.	 C
33.	 E
34.	 C
35.	 E
36.	 C
37.	 E
NOÇÕES DE INFORMÁTICA
(CESPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/FUB) Com re-
lação ao Windows, ao Microsoft Office e aos progra-
mas de correio eletrônico, julgue os itens a seguir.
38.	 No MS Excel, o procedimento denominado referência
absoluta possibilita que, ao se copiar, na planilha, a
fórmula de uma célula para outra célula, o programa
ajuste automaticamente a fórmula para que ela se
adapte à nova célula.
39.	 O Outlook Express dispõe de recursos que permitem
manter os e-mails no servidor para que os usuários
possam ler suas mensagens de quaisquer lugares ou
máquinas que tiverem acesso a esse servidor.
(CESPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/FUB) Julgue
os itens que se seguem, referentes a Internet e segu-
rança da informação.
40.	 A função da autoridade certificadora é emitir certificado
digital de usuários da Internet.
41.	 O phishing é um procedimento que possibilita a ob-
tenção de dados sigilosos de usuários da Internet, em
geral, por meio de falsas mensagens de email.
42.	 Os navegadores de Internet, como o Internet Explorer ou
o Firefox, permitem que sejam abertas quaisquer páginas
que estejam no formato de arquivo denominado .http.
43.	 As cópias de segurança do ambiente Windows podem ser
feitas por meio da ferramenta de assistente de backup, a
qual oferece ao usuário opções de escolha de itens para
serem copiados, como, por exemplo, pastas e arquivos
pessoais ou, ainda, todas as informações do computador.
(CESPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/FUB) Julgue
os próximos itens, relativos à informática.
44.	 A alça de preenchimento do Excel pode ser utilizada
para selecionar células com as quais se deseja realizar
algum tipo de operação.
45.	 Por meio de programas de correio eletrônico denomi-
nados webmails, os usuários podem acessar suas con-
tas a partir de computadores com acesso à Internet.
46.	 O Windows é um sistema operacional que, ao ser ins-
talado em uma máquina, permite que apenas um único
usuário da máquina consiga acessar, com segurança,
seus arquivos e pastas.
(CESPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/FUB) Em re-
lação ao uso da Internet e seus recursos, julgue os
itens a seguir.
47.	 Manter a cópia de arquivos em um pendrive é uma for-
ma de garantir a segurança dos dados, uma vez que
essa medida também garante a segurança do ambien-
te e das configurações do usuário.
48.	 Certificado digital de email é uma forma de garantir
que a mensagem enviada possui, em anexo, a assina-
tura gráfica do emissor da mensagem.
7
SIMULADO
49.	 A fim de evitar a infecção de um computador por vírus,
deve-se primeiramente instalar uma versão atualizada
de um antivírus, e somente depois abrir os arquivos
suspeitos anexados a emails.
(CESPE/ CONHECIMENTOS BÁSICOS/ ENAP) A fi-
gura acima ilustra uma janela do Word 2010 em um
computador com o sistema operacional Windows 7, na
qual foi aberto o documento Dicas do Word 2010. Com
relação a essa figura e ao programa Word 2010, julgue
os próximos itens.
50.	 O Word 2010 tem vários modos de exibição, e o do-
cumento em questão está aberto no modo de exibição
Layout de Impressão.
51.	 Na situação mostrada, se o documento denominado
Dicas do Word 2010 tiver sido o único aberto no pro-
grama Word, ao se clicar no botão , no canto
superior direito da janela, esse documento será fecha-
do e o Word permanecerá aberto.
(CESPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/ENAP) A figura
acima ilustra uma pasta de trabalho aberta em uma ja-
nela do programa Excel 2010, em um computador com
o sistema operacional Windows 7. A respeito dessa fi-
gura e do Excel 2010, julgue os itens que se seguem.
52.	 O resultado apresentado na célula G3 pode ter sido
obtido mediante a execução da seguinte sequência
de operações: selecionar a célula G3; digitar a fór-
mula =SE(E3$E$12;$G$11;SE(E3$E$13;$G$12;
$G$13)); pressionar a tecla ENTER.
53.	 Os valores contidos nas células de E3 a E8 podem ter
sido obtidos mediante a execução do seguinte proce-
dimento: clicar na célula E3; digitar =MÉDIA(B3:D3);
teclar ENTER; clicar na célula E3; arrastar o canto in-
ferior direito da célula E3 até a célula E8.
(CESPE/TÉCNICO DE CONTROLE EXTERNO/TCU)
A respeito dos sistemas operacionais Linux e Windo-
ws, do Microsoft PowerPoint 2013 e de redes de com-
putadores, julgue os itens a seguir.
54.	 O modo avião do Windows 8.1 é um recurso que torna
as comunicações do tipo sem fio inativas durante um
período preestabelecido, com exceção da comunica-
ção bluetooth.
55.	 Para que o Modo de Exibição do Apresentador do Po-
werPoint 2013 seja utilizado, é necessário o uso de, no
mínimo, dois monitores: um para que o apresentador
tenha a visão do slide atual e outro para que ele visua-
lize o próximo slide a ser mostrado ao público.
56.	 Mesmo que seja uma rede privada de determinado ór-
gão ou empresa destinada a compartilhar informações
confidenciais, uma intranet poderá ser acessada por
um computador remoto localizado na rede mundial de
computadores, a Internet.
57.	 O firewall é capaz de proteger o computador tanto de
ataques de crackers quanto de ataques de vírus.
G A B A R I T O
38.	 E
39.	 C
40.	 C
41.	 C
42.	 E
43.	 C
44.	 C
45.	 C
46.	 E
47.	 E
48.	 E
49.	 E
50.	 C
51.	 E
52.	 C
53.	 C
54.	 E
55.	 E
56.	 C
57.	 C
8
BRUNOPILASTRESIMULADO
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
58.	 (CESPE/ STJ/ 2015) A dimensão substancial da li-
berdade de expressão guarda relação íntima com o
pluralismo político na medida em que abarca, antes,
a formação da própria opinião como pressuposto para
sua posterior manifestação.
59.	 (CESPE /STJ/ 2015) Ações afirmativas são mecanis-
mos que visam viabilizar uma isonomia material em
detrimento de uma isonomia formal por meio do in-
cremento de oportunidades para determinados seg-
mentos.
60.	 (CESPE/ STJ/ 2015) Para fins do direito à inviolabilida-
de do domicílio, o conceito de casa não abrange locais
nos quais são exercidas atividades de índole profissio-
nal, como consultórios e escritórios.
61.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) A
defesa, em espaços públicos, da legalização das
drogas foi considerada pelo STF como manifesta-
ção pública compatível com o direito à liberdade de
pensamento.
62.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) O di-
reito de reunião constitui instrumento viabilizador
do exercício da liberdade de expressão e propicia
a ativa participação da sociedade civil mediante
exposição de ideias, opiniões, propostas, críticas e
reinvindicações.
63.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) A prote-
ção do direito de imagem do indivíduo é autônoma em
relação à sua honra.
64.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) As en-
tidades associativas, se expressamente autorizadas,
possuem legitimidade para representar seus filiados
na esfera judicial.
65.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) Na
hipótese de iminente perigo, o poder público com-
petente poderá requisitar o uso de propriedade par-
ticular, estando assegurada ao proprietário a possi-
bilidade de ser indenizado em caso de dano ao seu
patrimônio.
66.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ /2015) Como
regra, não se admite a privação de liberdade de loco-
moção em razão de dívidas.
67.	 (CESPE/ TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR/ MPOG/
2015) De acordo com a CF, e com base no direito à
escusa de consciência, o indivíduo pode se recusar a
praticar atos que conflitem com suas convicções reli-
giosas, políticas ou filosóficas, sem que essa recusa
implique restrições a seus direitos.
68.	 (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) Si-
tuação hipotética: Servidor público, ocupante de
cargo efetivo na esfera federal, recebia vantagem
decorrente do desempenho de função comissiona-
da por um período de dez anos. O servidor, após
ter sido regularmente exonerado do cargo efetivo
anterior, assumiu, também na esfera federal, novo
cargo público efetivo. Assertiva: Nessa situação, o
servidor poderá continuar recebendo a vantagem
referente ao cargo anterior, de acordo com o princí-
pio do direito adquirido.
69.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) Os ser-
vidores públicos gozam de todos os direitos sociais
previstos no texto constitucional para os trabalhadores
da iniciativa privada.
70.	 (CESPE/ MEC/ 2015) A respeito da organização po-
lítico-administrativa do Estado brasileiro, da adminis-
tração pública e dos servidores públicos, julgue o se-
guinte item.
Situação hipotética: João, ocupante de cargo efetivo
em uma instituição federal de ensino superior, foi eleito
prefeito de município situado no estado de Goiás, em
localidade próxima àquela em que exerce suas atribui-
ções. Assertiva: Nessa situação, ao assumir o manda-
to, João deverá afastar-se do cargo federal, ainda que
haja compatibilidade de horários, podendo optar entre
a remuneração do cargo efetivo e a do cargo eletivo.
71.	 (CESPE/ ANALISTA TÉCNICO ADMINISTRATIVO/
MPOG/ 2015) O texto constitucional é silente em rela-
ção ao direito de greve dos servidores públicos.
72.	 (CESPE/ FUB/ 2015) Destinam-se apenas às atribui-
ções de direção, chefia e assessoramento as funções
de confiança, exercidas exclusivamente por servido-
res ocupantes de cargo efetivo bem como os cargos
em comissão, a serem preenchidos por servidores de
carreira, nos casos, nas condições e nos percentuais
mínimos previstos em lei.
73.	 (CESPE/ FUB/ 2015) De acordo com a CF, os servi-
dores nomeados para cargo de provimento efetivo em
virtude de concurso público adquirem a estabilidade
após dois anos de efetivo exercício.
74.	 (CESPE/ AUDITOR/ FUB/ 2015) A contratação feita
por tempo determinado para atender a necessidade
temporária de excepcional interesse público é forma
de admissão de pessoal que tem vínculo funcional
com a administração pública de caráter jurídico admi-
nistrativo.
75.	 (CESPE/ DIPLOMATA/ INSTITUTO RIO BRANCO/
2015) A regra da responsabilidade civil objetiva aplica-
-se indistintamente à administração direta e às entida-
des que compõem a administração indireta da União,
dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.
9
SIMULADO
76.	 (CESPE/ AUDITOR GOVERNAMENTAL/ CGE-PI/
2015) Os cargos, empregos e funções públicas são
acessíveis apenas a brasileiros natos e naturalizados
que preencham os requisitos estabelecidos em lei.
77.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ TRE-GO/ 2015) O
ato de improbidade administrativa praticado por servi-
dor público, quando apurado e reconhecido mediante
devido processo administrativo, resulta na cassação
dos direitos políticos.
G A B A R I T O
58.	 C
59.	 	C
60.	 	E
61.	 C
62.	 C
63.	 C
64.	 C
65.	 C
66.	 C
67.	 C
68.	 E
69.	 E
70.	 C
71.	 E
72.	 C
73.	 E
74.	 C
75.	 E
76.	 E
77.	 E
DIREITO ADMINISTRATIVO
78.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS-
TRATIVA/ STJ/ 2015) O atributo da tipicidade do ato
administrativo impede que a administração pratique
atos sem previsão legal.
79.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS-
TRATIVA/ STJ/ 2015) O prazo para anulação dos atos
administrativos é de cinco anos, independentemente
da boa-fé do administrado que se tenha beneficiado
com tais atos.
80.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS-
TRATIVA/ STJ/ 2015) O órgão público não pode dele-
gar sua competência para a edição de atos normativos.
81.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS-
TRATIVA/ STJ/ 2015) Admite-se, em caráter excepcio-
nal, a avocação definitiva de competência atribuída a
órgão hierarquicamente inferior.
82.	 (CESPE/ ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO/ ANTAQ/
2014) A lei permite que órgão administrativo e seu ti-
tular deleguem parte de sua competência a órgão não
hierarquicamente subordinado.
83.	 (CESPE/ TÉCNICO FEDERAL DE CONTROLE EXTER-
NO/ TCU/ 2015) Agirá de acordo com a lei o servidor pú-
blico federal que, ao verificar a ilegalidade de ato admi-
nistrativo em seu ambiente de trabalho, revogue tal ato,
para não prejudicar administrados, que sofreriam efeitos
danosos em consequência da aplicação desse ato.
84.	 (CESPE/ TÉCNICO FEDERAL DE CONTROLE EX-
TERNO/ TCU/ 2015) Conforme a teoria dos motivos
determinantes, a validade do ato administrativo vincu-
la-se aos motivos que o determinaram, sendo, portan-
to, nulo o ato administrativo cujo motivo estiver disso-
ciado da situação de direito ou de fato que determinou
ou autorizou a sua realização.
85.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS-
TRATIVA/ STJ/ 2015) O poder de polícia dispõe de certa
discricionariedade, haja vista o poder público ter liberda-
de para escolher, por exemplo, quais atividades devem
ser fiscalizadas para que se proteja o interesse público.
86.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS-
TRATIVA/ STJ/ 2015) O desvio de finalidade é uma
espécie de abuso de poder em que o agente público,
apesar de agir dentro dos limites de sua competência,
pratica determinado ato com objetivo diverso daquele
pautado pelo interesse público.
87.	 (CESPE/ AUDITOR FEDERAL DO CONTROLE EX-
TERNO/ TCU/ 2015) O Poder Executivo pode, me-
diante decreto autônomo, criar e extinguir cargos e
órgãos da administração pública, desde que dessa
medida não resulte aumento de despesa.
88.	 (CESPE/ TÉCNICO ADMINISTRATIVO/ ANATEL/
2014) De acordo com o princípio da presunção de
constitucionalidade, o Estado não pode ser responsa-
bilizado por danos oriundos de lei posteriormente de-
clarada inconstitucional.
89.	 (CESPE/ TÉCNICO JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS-
TRATIVA/ STJ/ 2015) A responsabilidade objetiva do
Estado por danos causados a terceiros tem sustenta-
ção na teoria da culpa administrativa.
90.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS-
TRATIVA/ STJ/ 2015) Situação hipotética: Um policial
militar, durante período de folga, em sua residência, se
desentendeu com seu vizinho, desferindo-lhe um tiro
com arma pertencente à corporação. Assertiva: Nessa
situação, não haverá responsabilidade civil do Estado,
pois o dano foi causado por policial fora de suas atri-
buições públicas.
91.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: JUDICIÁ-
RIA/ TJDFT/ 2013) No que se refere ao exercício do
poder de polícia, denomina-se exigibilidade a prerro-
gativa da administração de praticar atos e colocá-los
em imediata execução, sem depender de prévia mani-
festação judicial.
10
BRUNOPILASTRESIMULADO
Em relação ao direito administrativo, julgue os itens a
seguir:
92.	 (CESPE/ANALISTAJUDICIÁRIO/ OFICIALDE JUSTIÇA/
TJDFT/ 2013) A atribuição conferida a autoridades ad-
ministrativas com o objetivo de apurar e punir faltas
funcionais, ou seja, condutas contrárias à realização
normal das atividades do órgão e irregularidades de
diversos tipos traduz-se, especificamente, no chama-
do poder hierárquico.
93.	 (CESPE/ TÉCNICO JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS-
TRATIVA/ STJ/ 2015) O decreto é ato administrativo
que pode ser praticado tanto pelo chefe do Poder
Executivo quanto pelos presidentes dos tribunais su-
periores.
94.	 (CESPE/ TÉCNICO JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS-
TRATIVA/ STJ/ 2015) Em seu sentido subjetivo, a ad-
ministração pública restringe-se ao conjunto de órgãos
e agentes públicos do Poder Executivo que exercem
a função administrativa. Julgue os itens seguintes,
acerca do direito administrativo e da prática dos atos
administrativos.
95.	 (CESPE/ TÉCNICO JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS-
TRATIVA/ STJ/ 2015) A Presidência da República inte-
gra a administração pública federal direta.
96.	 (CESPE/ ANALISTA ADMINISTRATIVO/ ANTAQ/
2014) Embora as autarquias não estejam hierarqui-
camente subordinadas à administração pública direta,
seus bens são impenhoráveis e seus servidores estão
sujeitos à vedação de acumulação de cargos e fun-
ções públicas.
97.	 (CESPE/ ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO/ ANTAQ/
2014) Os órgãos administrativos são pessoas jurídicas
de direito público que compõem tanto a administração
pública direta quanto a indireta.
98.	 (CESPE/ TÉCNICO ADMINISTRATIVO/ ANTAQ/ 2014)
A distribuição de competências entre os órgãos de uma
mesma pessoa jurídica denomina-se desconcentração,
podendo ocorrer em razão da matéria, da hierarquia ou
por critério territorial.
99.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: JUDICIÁ-
RIA/ TJDFT/ 2013) As sociedades de economia mista
podem revestir-se de qualquer das formas em direito
admitidas, a critério do poder público, que procede à
sua criação.
100.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: JUDICIÁ-
RIA/ TJDFT/ 2013) Nos litígios comuns, as causas que
digam respeito às autarquias federais, sejam estas au-
toras, rés, assistentes ou oponentes, são processadas
e julgadas na justiça federal.
101.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: JUDICIÁ-
RIA/ TJDFT/ 2013) Pessoas jurídicas de direito priva-
do integrantes da administração indireta, as empresas
públicas são criadas por autorização legal para que o
governo exerça atividades de caráter econômico ou
preste serviços públicos.
102.	 (CESPE/ TÉCNICO FEDERAL DE CONTROLE EX-
TERNO/ TCU/ 2015) 31 Se for imprescindível à se-
gurança da sociedade e do Estado, será permitido o
sigilo dos atos administrativos.
G A B A R I T O
78.	 C
79.	 E
80.	 C
81.	 E
82.	 C
83.	 E
84.	 C
85.	 C
86.	 C
87.	 E
88.	 E
89.	 E
90.	 C
91.	 E
92.	 E
93.	 E
94.	 E
95.	 C
96.	 C
97.	 C
98.	 C
99.	 E
100.	 C
101.	 C
102.	 C
DIREITO PREVIDENCIÁRIO
103.	 (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) As
diretrizes que fundamentam a organização da as-
sistência social são a descentralização político-
-administrativa para os estados, o Distrito Federal
e os municípios, e comando único em cada esfera
de governo; a participação da população, mediante
organizações representativas, na formulação das po-
líticas e no controle das ações; e a prevalência da
responsabilidade do Estado na condução da política
de assistência social.
104.	 (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) De acor-
do com a CF, a gestão administrativa da seguridade
social deve ser tripartite, ou seja, formada por trabalha-
dores, empregadores e governo. 
11
SIMULADO
105.	 (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) Con-
forme a jurisprudência do STF, a irredutibilidade do
valor dos benefícios é garantida constitucionalmente,
seja para assegurar o valor nominal, seja para asse-
gurar o valor real dos benefícios, independentemen-
te dos critérios de reajuste fixados pelo legislador
ordinário.
106.	 (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) Con-
forme entendimento do STJ, síndico de condomínio
que receber remuneração pelo exercício dessa ativi-
dade será enquadrado como contribuinte individual do
RGPS, ao passo que o síndico isento da taxa condo-
minial, por não ser remunerado diretamente, não será
considerado contribuinte do RGPS.
107.	 (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) Situ-
ação hipotética: Howard, cidadão norte-americano,
domiciliado no Brasil, foi aqui contratado pela empresa
brasileira X, para trabalhar, por tempo indeterminado,
em sua filial situada no Canadá. A maior parte do ca-
pital votante dessa filial canadense é da empresa X,
constituída sob as leis brasileiras e com sede e ad-
ministração no Brasil. Assertiva: Nessa situação,
Howard deverá estar, necessariamente, vinculado ao
RGPS como segurado empregado.
108.	 (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) Con-
forme entendimento do STF, não há incidência de
contribuição previdenciária nos benefícios do RGPS,
incluído o salário-maternidade.
109.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO – SERVIÇO SO-
CIAL/ STJ/ 2015) No contexto brasileiro de adesão
às medidas neoliberais, ocorre um processo de res-
trição aos direitos sociais e privatização de serviços
públicos essenciais. Como consequência dessa re-
alidade, os direitos da seguridade social passaram
a orientar-se pela seletividade e pela privatização,
ao mesmo tempo em que ocorreu a ampliação dos
programas assistenciais.
110.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO – SERVIÇO SOCIAL/
STJ/ 2015) Conforme a Lei Orgânica de Seguridade
Social, a seguridade social possui, entre seus prin-
cípios e diretrizes, a irredutibilidade do valor dos be-
nefícios, e, como forma de garantir esse preceito, o
seu financiamento deve ser realizado por duas fon-
tes — receitas da União e contribuições sociais das
empresas empregadoras.
111.	 (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO – SERVIÇO SO-
CIAL/ STJ/ 2015) A Lei Orgânica da Previdência So-
cial tem por fim assegurar os meios indispensáveis
de manutenção, exclusivamente, aos seus benefici-
ários que possuam vínculo empregatício, em razão
de idade avançada, incapacidade, tempo de servi-
ço, prisão ou morte daqueles de quem dependam
economicamente. 
112.	 (CESPE/ CONTADOR/ MPOG/ 2015) O síndico de
condomínio ou o administrador que tenha sido eleito
em janeiro de 2015 para exercer atividade de admi-
nistração condominial e que receba remuneração está
amparado na lei para se inscrever como contribuinte
facultativo da previdência social.
113.	 (CESPE/ CONTADOR/ MPOG/ 2015) Um aposenta-
do por regime de previdência social dos militares que
venha a exercer atividade remunerada abrangida
pelo Regime Geral da Previdência Social deve ser
considerado segurado obrigatório em relação a essa
atividade.
114.	 (CESPE/ CONTADOR/ MPOG/ 2015) Um contribuinte
individual que contrata segurados para a prestação de
serviços se equipara a uma empresa para fins de cum-
primento de obrigações previdenciárias.
115.	 (CESPE/ CONTADOR/ MPOG/ 2015) Ressalvada a
pessoa com deficiência, em relação à qual inexiste li-
mite máximo de idade, o aprendiz, maior de quatorze e
menor de vinte e quatro anos de idade, deve contribuir
na qualidade de segurado facultativo.
116.	 (CESPE/ AUDITOR GOVERNAMENTAL/ CGE-PI/
2015) A dependência econômica do irmão menor de
vinte e um anos de idade na condição de dependente
do segurado é presumida para fins de obtenção de be-
nefício previdenciário.
117.	 (CESPE/ ENFERMEIRO DO TRABALHO/ FUB/ 2015)
Os beneficiários de aposentadoria por invalidez do Regi-
me Geral de Previdência Social devem se submeter a pe-
rícia médica anualmente, qualquer que seja a sua idade.
118.	 (CESPE/ ENFERMEIRO DO TRABALHO/ FUB/ 2015)
A todos os indivíduos que tenham exercido exclusiva-
mente a função de magistério, em qualquer nível de
ensino, e iniciado a carreira profissional em 2001, é
garantida a redução em cinco anos dos requisitos de
idade e de tempo de contribuição para fins de aposen-
tadoria voluntária.
119.	 (CESPE/ DEFENSOR PÚBLICO FEDERAL DE SE-
GUNDA CATEGORIA/ DPU/ 2015) Conforme en-
tendimento do STF, o direito à aposentadoria espe-
cial pressupõe a efetiva exposição do trabalhador
a agente nocivo à sua saúde, de modo que, se o
equipamento de proteção individual for realmente
capaz de neutralizar a nocividade, não haverá res-
paldo à concessão constitucional de aposentadoria
especial.
120.	 (CESPE/ DEFENSOR PÚBLICO FEDERAL DE SE-
GUNDA CATEGORIA/ DPU/ 2015) O salário-mater-
nidade pago à segurada empregada, à segurada do-
méstica e à segurada avulsa, o auxílio-reclusão e o
salário-família prescindem de carência.
12
BRUNOPILASTRESIMULADO
G A B A R I T O
103.	 C
104.	 E
105.	 E
106.	 E
107.	 C
108.	 E
109.	 C
110.	 E
111.	 E
112.	 E
113.	 C
114.	 C
115.	 E
116.	 E
117.	 E
118.	 E
119.	 C
120.	 C
RACIOCÍNIO LÓGICO
Mariana é uma estudante que tem grande apreço
pela matemática, apesar de achar essa uma área
muito difícil. Sempre que tem tempo suficiente para
estudar, Mariana é aprovada nas disciplinas de mate-
mática que cursa na faculdade. Neste semestre, Ma-
riana está cursando a disciplina chamada Introdução
à Matemática Aplicada. No entanto, ela não tem tem-
po suficiente para estudar e não será aprovada nes-
sa disciplina. A partir das informações apresentadas
nessa situação hipotética, julgue os itens a seguir,
acerca das estruturas lógicas.
121.	 (CESPE/STJ-2015) Considerando-se as seguintes
proposições: p: “Se Mariana aprende o conteúdo de
Cálculo 1, então ela aprende o conteúdo de Química
Geral”; q: “Se Mariana aprende o conteúdo de Quími-
ca Geral, então ela é aprovada em Química Geral”; c:
“Mariana foi aprovada em Química Geral”, é correto
afirmar que o argumento formado pelas premissas p e
q e pela conclusão c é um argumento válido.
A partir dos argumentos apresentados pelo personagem
Calvin na tirinha acima mostrada, julgue os seguintes itens.
122.	 (CESPE/MPENAP-2015) Considere que o argumento
enunciado por Calvin na tirinha seja representado na
forma: “P: se for ignorante, serei feliz; Q: se assistir à
aula, não serei ignorante; R: serei feliz; S: logo, não
assistirei à aula”, em que P, Q e R sejam as premissas
e S seja a conclusão. É correto afirmar que essa repre-
sentação constitui um argumento válido.
123.	 (CESPE/MEC TEMPORÁRIO-2015) O texto “Penso,
logo existo” apresenta um argumento válido.
124.	 (CESPE/MEC TEMPORÁRIO 2015) O texto “O homem
inteligente nunca recebe penalidades, pois somente o
homem que erra recebe penalidades e o homem inteli-
gente jamais erra” apresenta um argumento válido.
Julgue os itens a seguir com base nas características
do raciocínio analítico e na estrutura da argumentação:
125.	 (CESPE/TCU/AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE
EXTERNO/2015) A pergunta complexa: “Você deixou
de roubar dinheiro de seus pais?” se baseia na pressu-
posição de que o interlocutor a quem essa pergunta se
dirige não rouba mais dinheiro de seus pais.
126.	 (CESPE/TCU/AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE
EXTERNO/2015) A seguinte situação é um exemplo de
apelo popular: “Dentro do metrô, um rapaz começa a pe-
dir ajuda aos demais passageiros para pagar sua passa-
gem de volta para casa. Sua justificativa para essa atitu-
de é o fato de ter sido assaltado e não ter um centavo”.
127.	 (CESPE/TCU/AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE
EXTERNO/2015) Adotando-se o processo de inferên-
cias do tipo indutiva, usado em ciências experimentais,
parte-se do particular para o geral, ou seja, a partir da
observação de casos particulares, chega-se a uma
conclusão que os transcende.
Em determinado estabelecimento penitenciário, todos
os detentos considerados perigosos são revistados
diariamente, e todos os detentos que cometeram cri-
mes utilizando armas são considerados perigosos.
13
SIMULADO
Representando as proposições por meio de seus dia-
gramas lógicos, temos:
DP: detentos perigosos
RD: revistados diariamente
CA: cometem crimes com armas
Com base nessa informação, julgue as questões 128
a 130.
128.	 (CESPE/DEPEN/2013) Se um detento cometeu um
assalto à mão armada, então ele é revistado diaria-
mente.
129.	 (CESPE/DEPEN/2013) Somente os detentos perigo-
sos serão revistados diariamente.
130.	 (CESPE/DEPEN/2013) A negação da proposição “To-
dos os detentos considerados perigosos são revista-
dos diariamente” é equivalente à proposição “Nenhum
detento perigoso é revistado diariamente”.
G A B A R I T O
121.	 E
122.	 E
123.	 E
124.	 C
125.	 E
126.	 E
127.	 C
128.	 C
129.	 E
130.	 E
Simulado gran curso
Simulado gran curso

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Dir. administrativo questões comentadas - volume ii - administrativo
Dir. administrativo   questões comentadas - volume ii - administrativoDir. administrativo   questões comentadas - volume ii - administrativo
Dir. administrativo questões comentadas - volume ii - administrativo
Diego Barbosa
 
Questões Comentadas Raciocínio Lógico p/ INSS
Questões Comentadas Raciocínio Lógico p/ INSS Questões Comentadas Raciocínio Lógico p/ INSS
Questões Comentadas Raciocínio Lógico p/ INSS
Estratégia Concursos
 
Provas Comentadas de Direito Administrativo (Cespe)
Provas Comentadas de Direito Administrativo (Cespe)Provas Comentadas de Direito Administrativo (Cespe)
Provas Comentadas de Direito Administrativo (Cespe)
Estratégia Concursos
 
Questões Comentadas de Português para Concursos FCC
Questões Comentadas de Português para Concursos FCCQuestões Comentadas de Português para Concursos FCC
Questões Comentadas de Português para Concursos FCC
Estratégia Concursos
 
Provas de Direito Administrativo Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Direito Administrativo Comentadas para o Concurso do INSSProvas de Direito Administrativo Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Direito Administrativo Comentadas para o Concurso do INSS
Estratégia Concursos
 
Provas de Informática Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Informática Comentadas para o Concurso do INSSProvas de Informática Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Informática Comentadas para o Concurso do INSS
Estratégia Concursos
 
Provas de Português Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Português Comentadas para o Concurso do INSSProvas de Português Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Português Comentadas para o Concurso do INSS
Estratégia Concursos
 
Questões de Informática Comentadas para Concurso do INSS
Questões de Informática Comentadas para Concurso do INSSQuestões de Informática Comentadas para Concurso do INSS
Questões de Informática Comentadas para Concurso do INSS
Estratégia Concursos
 
Provas de Direito Constitucional Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Direito Constitucional Comentadas para o Concurso do INSSProvas de Direito Constitucional Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Direito Constitucional Comentadas para o Concurso do INSS
Estratégia Concursos
 
Curso de Direito Eleitoral p/ Concurso TRE-SP
Curso de Direito Eleitoral p/ Concurso TRE-SPCurso de Direito Eleitoral p/ Concurso TRE-SP
Curso de Direito Eleitoral p/ Concurso TRE-SP
Estratégia Concursos
 
Questões de Direito Constitucional Comentadas para Concurso do INSS
Questões de Direito Constitucional Comentadas para Concurso do INSSQuestões de Direito Constitucional Comentadas para Concurso do INSS
Questões de Direito Constitucional Comentadas para Concurso do INSS
Estratégia Concursos
 
Lei 6.174/1970 Esquematizada para Concursos
Lei 6.174/1970 Esquematizada para ConcursosLei 6.174/1970 Esquematizada para Concursos
Lei 6.174/1970 Esquematizada para Concursos
Estratégia Concursos
 
Informática Básica para Concurso
Informática Básica para ConcursoInformática Básica para Concurso
Informática Básica para Concurso
Estratégia Concursos
 

Destaque (13)

Dir. administrativo questões comentadas - volume ii - administrativo
Dir. administrativo   questões comentadas - volume ii - administrativoDir. administrativo   questões comentadas - volume ii - administrativo
Dir. administrativo questões comentadas - volume ii - administrativo
 
Questões Comentadas Raciocínio Lógico p/ INSS
Questões Comentadas Raciocínio Lógico p/ INSS Questões Comentadas Raciocínio Lógico p/ INSS
Questões Comentadas Raciocínio Lógico p/ INSS
 
Provas Comentadas de Direito Administrativo (Cespe)
Provas Comentadas de Direito Administrativo (Cespe)Provas Comentadas de Direito Administrativo (Cespe)
Provas Comentadas de Direito Administrativo (Cespe)
 
Questões Comentadas de Português para Concursos FCC
Questões Comentadas de Português para Concursos FCCQuestões Comentadas de Português para Concursos FCC
Questões Comentadas de Português para Concursos FCC
 
Provas de Direito Administrativo Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Direito Administrativo Comentadas para o Concurso do INSSProvas de Direito Administrativo Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Direito Administrativo Comentadas para o Concurso do INSS
 
Provas de Informática Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Informática Comentadas para o Concurso do INSSProvas de Informática Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Informática Comentadas para o Concurso do INSS
 
Provas de Português Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Português Comentadas para o Concurso do INSSProvas de Português Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Português Comentadas para o Concurso do INSS
 
Questões de Informática Comentadas para Concurso do INSS
Questões de Informática Comentadas para Concurso do INSSQuestões de Informática Comentadas para Concurso do INSS
Questões de Informática Comentadas para Concurso do INSS
 
Provas de Direito Constitucional Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Direito Constitucional Comentadas para o Concurso do INSSProvas de Direito Constitucional Comentadas para o Concurso do INSS
Provas de Direito Constitucional Comentadas para o Concurso do INSS
 
Curso de Direito Eleitoral p/ Concurso TRE-SP
Curso de Direito Eleitoral p/ Concurso TRE-SPCurso de Direito Eleitoral p/ Concurso TRE-SP
Curso de Direito Eleitoral p/ Concurso TRE-SP
 
Questões de Direito Constitucional Comentadas para Concurso do INSS
Questões de Direito Constitucional Comentadas para Concurso do INSSQuestões de Direito Constitucional Comentadas para Concurso do INSS
Questões de Direito Constitucional Comentadas para Concurso do INSS
 
Lei 6.174/1970 Esquematizada para Concursos
Lei 6.174/1970 Esquematizada para ConcursosLei 6.174/1970 Esquematizada para Concursos
Lei 6.174/1970 Esquematizada para Concursos
 
Informática Básica para Concurso
Informática Básica para ConcursoInformática Básica para Concurso
Informática Básica para Concurso
 

Semelhante a Simulado gran curso

Apostila gratis-policia-federal (1)
Apostila gratis-policia-federal (1)Apostila gratis-policia-federal (1)
Apostila gratis-policia-federal (1)
André Luiz Alvim
 
Apostila gratis-policia-federal
Apostila gratis-policia-federalApostila gratis-policia-federal
Apostila gratis-policia-federal
leos2maah
 
Aula pronome e coesão textual
Aula  pronome e coesão textualAula  pronome e coesão textual
Aula pronome e coesão textual
Marcia Oliveira
 
Fluzz capítulo 4
Fluzz capítulo 4Fluzz capítulo 4
Fluzz capítulo 4
augustodefranco .
 
A Relaçao Homem- Natureza em Avatar
A Relaçao Homem- Natureza em AvatarA Relaçao Homem- Natureza em Avatar
A Relaçao Homem- Natureza em Avatar
AndrelinoFilho
 
caderno-de-questoes-portugues.pdf
caderno-de-questoes-portugues.pdfcaderno-de-questoes-portugues.pdf
caderno-de-questoes-portugues.pdf
JacquelineAlves47
 
Prova Filosofia
Prova FilosofiaProva Filosofia
Prova Filosofia
reflexaoeintervencao
 
Fluzz pilulas 35
Fluzz pilulas 35Fluzz pilulas 35
Fluzz pilulas 35
augustodefranco .
 
Dica 3 (aluno 2) funcoes do se
Dica 3   (aluno 2)  funcoes do seDica 3   (aluno 2)  funcoes do se
Dica 3 (aluno 2) funcoes do se
Isabelly Sarmento
 
Aula 4 concordância parte 2
Aula 4   concordância parte 2Aula 4   concordância parte 2
Aula 4 concordância parte 2
J M
 
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2
Fernando Macedo
 
Simulado-cespe-portugues
 Simulado-cespe-portugues Simulado-cespe-portugues
Simulado-cespe-portugues
Marizete Aparecida Dos Santos Reis
 
35019871 simulado-cespe-portugues
35019871 simulado-cespe-portugues35019871 simulado-cespe-portugues
35019871 simulado-cespe-portugues
joaobobo
 
CIÊNCIA POLÍTICA
CIÊNCIA POLÍTICA CIÊNCIA POLÍTICA
Lugares e nao_lugares_em_marc_auge_-_teresa_sa
Lugares e nao_lugares_em_marc_auge_-_teresa_saLugares e nao_lugares_em_marc_auge_-_teresa_sa
Lugares e nao_lugares_em_marc_auge_-_teresa_sa
Artetudo
 
Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002
Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002
Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002
Fabiana Tomassoni
 
O conflito 03-03-2013
O conflito   03-03-2013O conflito   03-03-2013
O conflito 03-03-2013
smmarchesini
 
Simulado humanas 1º ano c
Simulado humanas 1º ano   cSimulado humanas 1º ano   c
Simulado humanas 1º ano c
Vilmar Silva
 
Prova para Policial Rodoviário Federal 2019
Prova para Policial Rodoviário Federal 2019Prova para Policial Rodoviário Federal 2019
Prova para Policial Rodoviário Federal 2019
Jornal do Commercio
 
Artigo comunidade
Artigo comunidadeArtigo comunidade
Artigo comunidade
ocawiki
 

Semelhante a Simulado gran curso (20)

Apostila gratis-policia-federal (1)
Apostila gratis-policia-federal (1)Apostila gratis-policia-federal (1)
Apostila gratis-policia-federal (1)
 
Apostila gratis-policia-federal
Apostila gratis-policia-federalApostila gratis-policia-federal
Apostila gratis-policia-federal
 
Aula pronome e coesão textual
Aula  pronome e coesão textualAula  pronome e coesão textual
Aula pronome e coesão textual
 
Fluzz capítulo 4
Fluzz capítulo 4Fluzz capítulo 4
Fluzz capítulo 4
 
A Relaçao Homem- Natureza em Avatar
A Relaçao Homem- Natureza em AvatarA Relaçao Homem- Natureza em Avatar
A Relaçao Homem- Natureza em Avatar
 
caderno-de-questoes-portugues.pdf
caderno-de-questoes-portugues.pdfcaderno-de-questoes-portugues.pdf
caderno-de-questoes-portugues.pdf
 
Prova Filosofia
Prova FilosofiaProva Filosofia
Prova Filosofia
 
Fluzz pilulas 35
Fluzz pilulas 35Fluzz pilulas 35
Fluzz pilulas 35
 
Dica 3 (aluno 2) funcoes do se
Dica 3   (aluno 2)  funcoes do seDica 3   (aluno 2)  funcoes do se
Dica 3 (aluno 2) funcoes do se
 
Aula 4 concordância parte 2
Aula 4   concordância parte 2Aula 4   concordância parte 2
Aula 4 concordância parte 2
 
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2
Apostila tre.rs2014 int.de_tex_.redaçãooficial_mariatereza_2
 
Simulado-cespe-portugues
 Simulado-cespe-portugues Simulado-cespe-portugues
Simulado-cespe-portugues
 
35019871 simulado-cespe-portugues
35019871 simulado-cespe-portugues35019871 simulado-cespe-portugues
35019871 simulado-cespe-portugues
 
CIÊNCIA POLÍTICA
CIÊNCIA POLÍTICA CIÊNCIA POLÍTICA
CIÊNCIA POLÍTICA
 
Lugares e nao_lugares_em_marc_auge_-_teresa_sa
Lugares e nao_lugares_em_marc_auge_-_teresa_saLugares e nao_lugares_em_marc_auge_-_teresa_sa
Lugares e nao_lugares_em_marc_auge_-_teresa_sa
 
Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002
Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002
Adeildojunior portugues-questoes-cespe-002
 
O conflito 03-03-2013
O conflito   03-03-2013O conflito   03-03-2013
O conflito 03-03-2013
 
Simulado humanas 1º ano c
Simulado humanas 1º ano   cSimulado humanas 1º ano   c
Simulado humanas 1º ano c
 
Prova para Policial Rodoviário Federal 2019
Prova para Policial Rodoviário Federal 2019Prova para Policial Rodoviário Federal 2019
Prova para Policial Rodoviário Federal 2019
 
Artigo comunidade
Artigo comunidadeArtigo comunidade
Artigo comunidade
 

Último

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 

Último (20)

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 

Simulado gran curso

  • 3. 2 BRUNOPILASTRESIMULADO LÍNGUA PORTUGUESA (CESPE/CEBRASPE /CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA O CARGO 1/STJ/ 2015) Texto I 1 A ideia de solidariedade acompanha, desde os primór- dios, a evolução da humanidade. Aristóteles, por exem- plo, em clássica passagem, afirma que o homem não é um ser que possa viver isolado; é, ao contrário, ordenado 5 teleologicamente a viver em sociedade. É um ser que vive, atua e relaciona-se na comunidade, e sente-se vinculado aos seus semelhantes. Não pode renunciar à sua condição inata de membro do corpo social, porque apenas os animais e os deuses podem prescindir 10 da sociedade e da companhia de todos os demais. O primeiro contato com a noção de solidariedade mos- tra uma relação de pertinência: as nossas ações sociais incidem, positiva ou negativamente, sobre todos os de- mais membros da comunidade. A solidariedade implica, 15 por outro lado, a corresponsabilidade, a compreen- são da transcendência social das ações humanas, do coexistir e do conviver comunitário. Percebe-se, aqui, igualmente, a sua inegável dimensão ética, em virtude do necessário reconhecimento mútuo de todos como 20 pessoas, iguais em direitos e obrigações, o que dá suporte a exigências recíprocas de ajuda ou sustento. A solidariedade, desse modo, exorta atitudes de apoio e cuidados de uns com os outros. Pede diálo- go e tolerância. Pressupõe um reconhecimento ético 25 e, portanto, corresponsabilidade. Entretanto, para que não fique estagnada em gestos tópicos ou se esgote em atitudes episódicas, a modernidade política impõe a necessidade dialética de um passo maior em dire- ção à justiça social: o compromisso constante com 30 o bem comum e a promoção de causas ou objeti- vos comuns aos membros de toda a comunidade. DINIZ, Marcio Augusto de Vasconcelos. Estado social e prin- cípio da solidariedade. In: Revista de Direitos e Garantias Fundamentais, Vitória, n.3, p. 31-48, jul.-dez./2008. Internet: www.fdv.br (com adaptações). Julgue os itens que se seguem, relativos às estruturas linguísticas do texto Estado social e princípio da so- lidariedade. 1. A correção gramatical do texto seria prejudicada caso se empregasse o sinal indicativo de crase no vocábulo “a” em “dá suporte a exigências recíprocas” (l. 21). 2. A correção gramatical e o sentido original do texto se- riam preservados se a oração “A solidariedade, desse modo, exorta atitudes de apoio e cuidados de uns com os outros” (l. 22 e 23) fosse reescrita da seguinte for- ma: Atitudes de apoio e cuidados de uns com os outros são exigidas para o exercício da solidariedade. 3. A correção gramatical e o sentido original do texto se- riam preservados caso se inserisse o pronome se ime- diatamente antes da forma verbal “pode” (l. 8). 4. A forma verbal “implica” (l.14) poderia, sem prejuízo para a correção gramatical e o sentido original do tex- to, ser substituída por acarreta. 5. Na linha 18, a expressão “a sua inegável dimensão ética” constitui o sujeito da forma verbal “Percebe-se”. Texto II 1 A história da responsabilidade civil entrelaça-se com a história da sanção. O homem primitivo atribuía (e algumas tribos indígenas ainda o fazem) a fenômenos da natureza caráter punitivo, cominado por espíritos 5 ou deuses. Nas relações entre os homens, à ofensa correspondia a vingança privada, brutal e ilimi- tada, como se esta desfizesse a ofensa praticada. No período pré-romano da história ocidental, a sanção tinha fundamento religioso e pretensão de satisfação 10 da divindade ofendida pela conduta do ofensor. Nesse período, surgiu a chamada Lei do Talião, do latim Lex Talionis — Lex significando lei e Talionis, tal qual ou igual. É de onde se extraiu a máxima “Olho por olho, dente por dente”, encontrada, inclusive, na Bíblia. 15 Embora hoje possa parecer pouco razoável a ideia de sanção baseada na retaliação ou na prática pelo ofen- dido de ato da mesma espécie da que o ofensor prati- cou contra ele, a Lex Talionis, em verdade, representou grande avanço, pois, da vingança privada, passou-se 20 a algo que se pode chamar de justiça privada. Com a justiça privada, o tipo de pena ou sanção deixou de ser uma surpresa para seu destinatário, e não mais cor- respondia a todo e qualquer ato que o ofendido pre- tendesse; ao contrário, a punição do ofensor passou a 25 sofrer os limites da extensão e da intensidade do dano causado. Obviamente, isso quer dizer que, se o dano fosse físico, a retaliação também o seria; por outro lado, fosse a ofensa apenas moral, não poderia ser de outra natureza o ato do ofendido contra o originário ofensor. SILVA, Carlos B. I.; COSTA, Cynthia L. Evolução histórica da res- ponsabilidade civil e efetivação dos direitos humanos. In: Renata F. de Barros e Paula Maria T. Lara (Orgs.). Direitos humanos: um debate contemporâneo. Raleigh, Carolina do Norte, EUA: Lulu Publishing, 2012, p. 69-70. Internet: https://books.google. com.br (com adaptações). Acerca das estruturas linguísticas do texto Evolução histórica da responsabilidade civil e efetivação dos direitos humanos, julgue os itens a seguir. 6. Na linha 12, a vírgula que se segue ao vocábulo “Talio- nis” representa a elipse da forma verbal “significando”. 7. Do ponto de vista sintático, as vírgulas que isolam a frase “se o dano fosse físico” (l.26-27) são de emprego faculta- tivo, razão por que a correção do texto seria preservada caso se eliminassem ambas ou se apenas uma delas — seja a primeira, seja a segunda — fosse eliminada.
  • 4. 3 SIMULADO 8. A substituição das formas verbais “deixou” (l.21), “cor- respondia” (l.22-23) e “passou” (l.24) por deixa, cor- responde e passa, respectivamente, manteria a cor- reção e a coerência do texto. (CESPE/CEBRASPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/ MECPS/ 2015) Texto III 1 Faço compras no supermercado. Encho o tanque do automóvel. Compro umlivro, umfilme,umCD.Voualmo- çar, pago a conta, saio. E então reparo que não encontrei um único ser humano em todo o processo. Só máquinas. 5 Eu, o meu cartão de crédito ― e uma máquina. Então penso:seráquePaulLafargue(1842–1911)tinharazão? Lafargue é pouco lido hoje em dia. Genro do famo- so Karl Marx, Lafargue escreveu O direito à pre- guiça em finais do século XIX. Para deixar uma 10 mensagem otimista: a humanidade deixará o tra- balho para trás porque o progresso tecnológico vai libertar os homens da condenação da jornada. A mensagem de Lafargue é uma espécie de pro- fecia bíblica do avesso: quando Adão e Eva foram 15 expulsos do paraíso, Deus condenou o par deso- bediente a ganhar a vida com o suor do rosto. As máquinas, escreveu Lafargue, permitirão que os homens regressem ao paraíso, deixando as can- seiras da labuta para os brinquedos da tecnologia. 20 Não sei quantas vezes li o opúsculo de Lafargue. Umas dez. Umas cem. Sempre à espera do dia em que a máquina libertaria os homens para o lazer. COUTINHO, João Pereira. Nós, os escravos. In: Internet: www1.folha.uol.com.br (com adaptações). Em relação as estruturas linguísticas e as ideias do texto III, julgue os itens a seguir. 9. No primeiro parágrafo do texto, a ausência de conec- tores entre os quatro primeiros períodos e o uso de formas verbais em primeira pessoa constituem es- tratégias discursivas que favorecem a construção de uma atmosfera de automatismo e de individualismo no texto. 10. Na linha 10, os dois-pontos tem a função de introduzir uma explicação referente à informação anterior. Texto IV 1 Não é fácil ser um organismo. Em todo o universo, pelo que sabemos até agora, só existe um lugar, um posto avançado discreto da Via Láctea chamado Terra, que sustentarávocêe,mesmoassim,commuitamávontade. 5 Do fundo da fossa oceânica mais profunda ao topo da montanha mais elevada, a zona que abrange quase toda a vida conhecida, existem menos de vinte quilô- metros ― não muito se comparados com a vastidão do cosmo como um todo. 10 Para os seres humanos, a situação é ainda pior, porque pertencemos por acaso ao grupo de seres vivos que tomaram a decisão precipitada, mas ousada, 400 milhões de anos atrás, de rastejar para fora dos ocea- nos, tornando-se terrestres e respirando oxigênio. Em 15 consequência, nada menos que 99,5% do espaço habi- tável do mundo em termos de volume, de acordo com uma estimativa, estão fundamentalmente ― em termos práticos, completamente ― fora do nosso alcance. Não se trata apenas de que não conseguimos respirar 20 na água, mas de que não suportaríamos as pressões. Como a água é cerca de 1.300 vezes mais pesada que o ar, as pressões aumentam rapidamente à medida que se desce ― o equivalente a uma atmosfera para cada dez metros de profundidade. Em terra, se você subisse 25 em uma construção de 150 metros ― a catedral de Colônia ou o monumento de Washington, digamos ―, a mudança de pressão, de tão pequena, seria impercep- tível. No entanto, à mesma profundidade na água, suas veias se contrairiam e seus pulmões se comprimiriam 30 até ficar do tamanho de uma lata de refrigerante. BRYSON, Bill. O planeta solitário. In: Breve história de quase tudo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005, p. 247-8 (com adaptações). No que se refere às estruturas linguísticas do texto IV e às ideias nele desenvolvidas, julgue os próximos itens. 11. O emprego da palavra “discreto” (l.3) enfatiza a ideia da pequena dimensão em que ocorrem as condições mínimas para a vida humana. 12. Na linha 26, o emprego da vírgula após o travessão é facultativo. 13. Sem prejuízo para a correção gramatical do texto, o pronome “você”, em suas duas ocorrências (l. 4 e 24), poderia ser substituído por alguém. 14. A correção gramatical e os sentidos do texto seriam preservados caso o trecho “a zona que abrange quase toda a vida conhecida” (l. 6 e 7) fosse reescrito da se- guinte forma: a área que preserva quase toda a vida de que se têm conhecimento. Texto V 1 A vitória da beleza brasileira A universitária Amanda, de 20 anos de idade, é a primei- ra negra eleita miss DF. A modelo, que representou o Núcleo Bandeirante, quase desistiu do mundo da moda, 5 pois exigiram que ela alisasse o cabelo, afinasse o nariz e mudasse os traços. Amanda recusou-se e foi consa- gradanaquelaqueseriaaúltimatentativadesermodelo. Correio Braziliense, 13/07/2015, capa (com adaptações).
  • 5. 4 BRUNOPILASTRESIMULADO Julgue os seguintes itens, referentes as ideias e as es- truturas linguísticas do texto V. 15. Haveria prejuízo para a correção gramatical do texto caso o pronome “se”, em “Amanda recusou-se” (l.6), fosse deslocado para imediatamente antes da forma verbal “recusou”: Amanda se recusou. 16. No trecho “exigiram que ela alisasse o cabelo, afinas- se o nariz e mudasse os traços” (l. 5 e 6), o sujeito da forma verbal “exigiram” é indeterminado. CESPE/ CEBRASPE/ NÍVEL INTERMEDIÁRIO (CAR- GO 12) /FUB/2015 1 Estação do ano mais aguardada pelos brasilei- ros, o verão não é sinônimo apenas de praia, corpos à mostra e pele bronzeada. O calor extremo provocado por massas de ar quente ― fenômeno comum nessa época 5 do ano, mas acentuado na última década pelas mudan- ças climáticas ― traz desconfortos e riscos à saúde. Não se trata somente de desidratação e insolação. Um estudo da Faculdade de Saúde Pública de Harvard (EUA), o maior a respeito do tema feito até o momento, 10 mostrou que as temperaturas altas aumentam hospita- lizações por falência renal, infecções do trato urinário e até mesmo sepse, entre outras enfermidades. “Embora tenhamos feito o estudo apenas nos EUA, as ondas de calor são um fenômeno mundial. Portanto, os resultados 15 podem ser considerados universais”, diz Francesca Domininci, professora de bioestatística da faculdade e principal autora do estudo, publicado no jornal Jama, da Associação Médica dos Estados Unidos. No Brasil, não há estudos específicos que associem as ondas de 20 calor a tipos de internações. “Não é só aí. No mundo todo, há pouquíssimas investigações a respeito dessa relação”, afirma Domininci. “Precisamos que os colegas de outras partes do planeta façam pesquisas seme- lhantes para compreendermos melhor essa importante 25 questão para a saúde pública”, observa. Internet: www.correioweb.com.br (com adaptações) Com relação às ideias e às estruturas do texto acima, julgue os itens que se seguem. 17. Elementos presentes no texto permitem classificá-lo como narrativo. 18. Mantêm-se a correção gramatical e o sentido original do texto ao se substituir “há” (l. 19) por existe. 19. Seria mantida a correção gramatical do período caso o fragmento “Estação do ano mais aguardada pelos brasileiros” (l. 1) fosse deslocado e inserido, entre vír- gulas, após “verão” (l. 2) feitos os devidos ajustes de maiúsculas e minúsculas. 20. Os acentos gráficos das palavras “bioestatística” e “es- pecíficos” têm a mesma justificativa gramatical. 21. O termo ‘aí’ (l. 20) tem como referente “Brasil” (l. 18). 22. O emprego da vírgula após “momento” (l. 9) explica-se por isolar o adjunto adverbial, que está anteposto ao verbo, ou seja, deslocado de sua posição padrão. 1 “O preconceito linguístico é um equívoco, e tão nocivo quanto os outros. Segundo Marcos Bagno, especialista no assunto, dizer que o brasileiro não sabe português é um dos mitos que compõem o preconceito 5 mais presente na cultura brasileira: o linguístico”. A redação acima poderia ter sido extraída do edito- rial 7 de uma revista, mas é parte do texto O oxente e o ok, primeiro lugar na categoria opinião da 4.ª Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro, realizada 10 pelo Ministério da Educação em parceria com a Fun- dação Itaú Social e o Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (CENPEC). A autora do artigo é estudante do 2.º ano do ensino médio em uma escola estadual do Ceará, e foi premiada 15 ao lado de outros dezenove alunos de escolas públi- cas brasileiras, durante um evento em Brasília, no último mês de dezembro. Como nos três anos anterio- res, vinte alunos foram vencedores ― cinco em cada gênero trabalhado pelo projeto. Além de opinião (2.º e 20 3.º anos do ensino médio), a olimpíada destacou pro- duções em crônica (9.º ano do ensino fundamental), poema (5.º e 6.º anos) e memória (7.º e 8.º anos). Tudo regido por um só tema: “O lugar em que vivo”. Língua Portuguesa, 1/2015. Internet: www. revistalingua.uol.com.br (com adaptações) No que se refere aos sentidos, à estrutura textual e aos aspectos gramaticais do texto, julgue os itens a seguir. 23. Os trechos ‘especialista no assunto’ (l. 3), ‘o linguístico’ (l. 5) e “primeiro lugar na categoria opinião da 4.ª Olim- píada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro” (l. 7 a 9) exercem a mesma função sintática, a de aposto. 24. O elemento coesivo “mas” (l. 7) inicia uma oração co- ordenada que exprime a ideia de concessão em uma sequência de fatos. 25. Na linha 18, caso o travessão fosse substituído por dois-pontos, não haveria prejuízo para a correção gra- matical do texto. 26. O termo “o brasileiro” (l. 3) exerce a função de sujeito da oração em que se insere. (CESPE/ CEBRASPE/ NÍVEL SUPERIOR (TODOS OS CARGOS)/ FUB/ 2015) 1 O fator mais importante para prever a perfor- mance de um grupo é a igualdade da participação na conversa. Grupos em que poucas pessoas dominam o diálogo têm desempenho pior do que aqueles em que
  • 6. 5 SIMULADO 5 há mais troca. O segundo fator mais importante é a inteligência social dos seus membros, medida pela capacidade que eles têm de ler os sinais emitidos pelos outros membros do grupo. As mulheres têm mais inte- ligência social que os homens, por isso grupos mais 10 diversificados têm desempenho melhor. Gustavo Ioschpe. Veja, 31/12/2014, p. 33 (com adaptações) Julgue o iten seguinte, referentes às ideias e às estru- turas linguísticas do texto acima. 27. Em todas as ocorrências de “têm” no texto (l. 4, 7, 8 e 10) é exigido o uso do acento circunflexo para marcar o plural. G A B A R I T O 1. C 2. E 3. E 4. C 5. C 6. C 7. E 8. C 9. C 10. C 11. C 12. E 13. C 14. E 15. E 16. C 17. E 18. E 19. C 20. C 21. C. 22. E 23. C 24. E 25. C 26. C 27. C REDAÇÃO OFICIAL (CESPE) Considerando os aspectos estruturais e lin- guísticos das correspondências oficiais previstos no Manual de Redação da Presidência da República, jul- gue os itens que se seguem. 28. Sempre que possível, os despachos ao memorando devem ser registrados no próprio documento, para simplificar o processo e garantir maior transparência às decisões tomadas. 29. A exposição de motivos é uma comunicação oficial diri- gida ao presidente da República ou ao vice-presidente por um ministro de Estado e pode ser interministerial, ou seja, assinada por mais de um ministro. 30. Caso um ministro da Primeira Turma do STJ tenha de encaminhar um documento a um ministro da Quarta Turma desse mesmo tribunal, a comunicação a ser expedida para esse fim será o aviso, e o fecho a ser utilizado será “Cordialmente”. (CESPE) Assunto: encaminha processo. Excelentíssimo Senhor Ministro, Ao cumprimentá-lo, encaminhamos processo, regis- trado sob n. 1234567-00.2015.3.0.0000, para análise do mesmo e para emissão do parecer de Vossa Excelência o Senhor Ministro. Atenciosamente, [assinatura] [identificação do signatário] Considerando o fragmento da comunicação oficial hi- potética anteriormente apresentado, julgue os próxi- mos itens com base no Manual de Redação da Presi- dência da República. 31. A linguagem empregada no documento hipotético em questão atende aos princípios de clareza, concisão e uso de linguagem formal e, portanto, é adequada à co- municação oficial. 32. A estrutura do documento apresentado é adequada à composição de um ofício. (CESPE) PORTARIA STJ/ GDG N. 205, DE 6 DE MARÇO DE 2015. Prorroga o prazo estabelecido na Portaria STJ GDG n. 1.247, de 9 de dezembro de 2014. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição conferida pelo item 17.2, X, b, do Manual de Organização do Superior Tribunal de Justiça, RESOLVE: Art. 1º Prorroga, até 6 de abril de 2015, o prazo esta- belecido no art. 3º da Portaria STJ GDG n. 1.247, de 9 de dezembro de 2014. Art. 2º Esta portaria entra em vigor nesta data de sua publicação. José Joaquim Xavier Acerca de aspectos gerais das correspondências ofi- ciais e com fundamento no Manual de Redação da Presidência da República, julgue os próximos itens, relativos ao documento oficial hipotético anteriormente apresentado — PORTARIA STJ/GDG N. 205.
  • 7. 6 BRUNOPILASTRESIMULADO 33. Em uma portaria, denomina-se epígrafe o trecho do texto que sintetiza seu conteúdo, de modo a permitir o conhecimento imediato da matéria, como na hipó- tese em questão: “Prorroga o prazo [...] dezembro de 2014”. 34. Caso o artigo primeiro do documento em apreço cons- tituísse um caput seguido de um único parágrafo, este deveria ser identificado por extenso e seu texto deveria iniciar-se com letra maiúscula e encerrar-se com ponto final. (CESPE) COMUNICADO GDG N. 2, DE 30 DE JANEI- RO DE 2015 O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, em cumprimento ao que deter- mina o art. 1º da Resolução CNJ n. 22, de 5 de junho de 2010, divulga a frota de veículos do Tribunal, conforme a planilha anexa. José Joaquim Xavier No tocante a aspectos gerais das correspondências oficiais e com fundamento no Manual de Redação da Presidência da República, julgue os próximos itens, rela- tivos ao fragmento de comunicação oficial hipotética an- teriormente apresentado — COMUNICADO GDG N. 2. 35. A comunicação oficial hipotética em questão não aten- de à concisão, uma das qualidades essenciais da re- dação oficial. 36. O vocábulo “anexa” foi empregado de acordo com o padrão culto formal da língua portuguesa. 37. O vocativo adequado, na elaboração de expediente oficial dirigido ao emitente da comunicação em apreço, seria “Digníssimo Senhor”, seguido do nome do cargo correspondente. G A B A R I T O 28. C 29. C 30. E 31. E 32. C 33. E 34. C 35. E 36. C 37. E NOÇÕES DE INFORMÁTICA (CESPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/FUB) Com re- lação ao Windows, ao Microsoft Office e aos progra- mas de correio eletrônico, julgue os itens a seguir. 38. No MS Excel, o procedimento denominado referência absoluta possibilita que, ao se copiar, na planilha, a fórmula de uma célula para outra célula, o programa ajuste automaticamente a fórmula para que ela se adapte à nova célula. 39. O Outlook Express dispõe de recursos que permitem manter os e-mails no servidor para que os usuários possam ler suas mensagens de quaisquer lugares ou máquinas que tiverem acesso a esse servidor. (CESPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/FUB) Julgue os itens que se seguem, referentes a Internet e segu- rança da informação. 40. A função da autoridade certificadora é emitir certificado digital de usuários da Internet. 41. O phishing é um procedimento que possibilita a ob- tenção de dados sigilosos de usuários da Internet, em geral, por meio de falsas mensagens de email. 42. Os navegadores de Internet, como o Internet Explorer ou o Firefox, permitem que sejam abertas quaisquer páginas que estejam no formato de arquivo denominado .http. 43. As cópias de segurança do ambiente Windows podem ser feitas por meio da ferramenta de assistente de backup, a qual oferece ao usuário opções de escolha de itens para serem copiados, como, por exemplo, pastas e arquivos pessoais ou, ainda, todas as informações do computador. (CESPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/FUB) Julgue os próximos itens, relativos à informática. 44. A alça de preenchimento do Excel pode ser utilizada para selecionar células com as quais se deseja realizar algum tipo de operação. 45. Por meio de programas de correio eletrônico denomi- nados webmails, os usuários podem acessar suas con- tas a partir de computadores com acesso à Internet. 46. O Windows é um sistema operacional que, ao ser ins- talado em uma máquina, permite que apenas um único usuário da máquina consiga acessar, com segurança, seus arquivos e pastas. (CESPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/FUB) Em re- lação ao uso da Internet e seus recursos, julgue os itens a seguir. 47. Manter a cópia de arquivos em um pendrive é uma for- ma de garantir a segurança dos dados, uma vez que essa medida também garante a segurança do ambien- te e das configurações do usuário. 48. Certificado digital de email é uma forma de garantir que a mensagem enviada possui, em anexo, a assina- tura gráfica do emissor da mensagem.
  • 8. 7 SIMULADO 49. A fim de evitar a infecção de um computador por vírus, deve-se primeiramente instalar uma versão atualizada de um antivírus, e somente depois abrir os arquivos suspeitos anexados a emails. (CESPE/ CONHECIMENTOS BÁSICOS/ ENAP) A fi- gura acima ilustra uma janela do Word 2010 em um computador com o sistema operacional Windows 7, na qual foi aberto o documento Dicas do Word 2010. Com relação a essa figura e ao programa Word 2010, julgue os próximos itens. 50. O Word 2010 tem vários modos de exibição, e o do- cumento em questão está aberto no modo de exibição Layout de Impressão. 51. Na situação mostrada, se o documento denominado Dicas do Word 2010 tiver sido o único aberto no pro- grama Word, ao se clicar no botão , no canto superior direito da janela, esse documento será fecha- do e o Word permanecerá aberto. (CESPE/CONHECIMENTOS BÁSICOS/ENAP) A figura acima ilustra uma pasta de trabalho aberta em uma ja- nela do programa Excel 2010, em um computador com o sistema operacional Windows 7. A respeito dessa fi- gura e do Excel 2010, julgue os itens que se seguem. 52. O resultado apresentado na célula G3 pode ter sido obtido mediante a execução da seguinte sequência de operações: selecionar a célula G3; digitar a fór- mula =SE(E3$E$12;$G$11;SE(E3$E$13;$G$12; $G$13)); pressionar a tecla ENTER. 53. Os valores contidos nas células de E3 a E8 podem ter sido obtidos mediante a execução do seguinte proce- dimento: clicar na célula E3; digitar =MÉDIA(B3:D3); teclar ENTER; clicar na célula E3; arrastar o canto in- ferior direito da célula E3 até a célula E8. (CESPE/TÉCNICO DE CONTROLE EXTERNO/TCU) A respeito dos sistemas operacionais Linux e Windo- ws, do Microsoft PowerPoint 2013 e de redes de com- putadores, julgue os itens a seguir. 54. O modo avião do Windows 8.1 é um recurso que torna as comunicações do tipo sem fio inativas durante um período preestabelecido, com exceção da comunica- ção bluetooth. 55. Para que o Modo de Exibição do Apresentador do Po- werPoint 2013 seja utilizado, é necessário o uso de, no mínimo, dois monitores: um para que o apresentador tenha a visão do slide atual e outro para que ele visua- lize o próximo slide a ser mostrado ao público. 56. Mesmo que seja uma rede privada de determinado ór- gão ou empresa destinada a compartilhar informações confidenciais, uma intranet poderá ser acessada por um computador remoto localizado na rede mundial de computadores, a Internet. 57. O firewall é capaz de proteger o computador tanto de ataques de crackers quanto de ataques de vírus. G A B A R I T O 38. E 39. C 40. C 41. C 42. E 43. C 44. C 45. C 46. E 47. E 48. E 49. E 50. C 51. E 52. C 53. C 54. E 55. E 56. C 57. C
  • 9. 8 BRUNOPILASTRESIMULADO NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL 58. (CESPE/ STJ/ 2015) A dimensão substancial da li- berdade de expressão guarda relação íntima com o pluralismo político na medida em que abarca, antes, a formação da própria opinião como pressuposto para sua posterior manifestação. 59. (CESPE /STJ/ 2015) Ações afirmativas são mecanis- mos que visam viabilizar uma isonomia material em detrimento de uma isonomia formal por meio do in- cremento de oportunidades para determinados seg- mentos. 60. (CESPE/ STJ/ 2015) Para fins do direito à inviolabilida- de do domicílio, o conceito de casa não abrange locais nos quais são exercidas atividades de índole profissio- nal, como consultórios e escritórios. 61. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) A defesa, em espaços públicos, da legalização das drogas foi considerada pelo STF como manifesta- ção pública compatível com o direito à liberdade de pensamento. 62. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) O di- reito de reunião constitui instrumento viabilizador do exercício da liberdade de expressão e propicia a ativa participação da sociedade civil mediante exposição de ideias, opiniões, propostas, críticas e reinvindicações. 63. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) A prote- ção do direito de imagem do indivíduo é autônoma em relação à sua honra. 64. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) As en- tidades associativas, se expressamente autorizadas, possuem legitimidade para representar seus filiados na esfera judicial. 65. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) Na hipótese de iminente perigo, o poder público com- petente poderá requisitar o uso de propriedade par- ticular, estando assegurada ao proprietário a possi- bilidade de ser indenizado em caso de dano ao seu patrimônio. 66. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ /2015) Como regra, não se admite a privação de liberdade de loco- moção em razão de dívidas. 67. (CESPE/ TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR/ MPOG/ 2015) De acordo com a CF, e com base no direito à escusa de consciência, o indivíduo pode se recusar a praticar atos que conflitem com suas convicções reli- giosas, políticas ou filosóficas, sem que essa recusa implique restrições a seus direitos. 68. (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) Si- tuação hipotética: Servidor público, ocupante de cargo efetivo na esfera federal, recebia vantagem decorrente do desempenho de função comissiona- da por um período de dez anos. O servidor, após ter sido regularmente exonerado do cargo efetivo anterior, assumiu, também na esfera federal, novo cargo público efetivo. Assertiva: Nessa situação, o servidor poderá continuar recebendo a vantagem referente ao cargo anterior, de acordo com o princí- pio do direito adquirido. 69. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ STJ/ 2015) Os ser- vidores públicos gozam de todos os direitos sociais previstos no texto constitucional para os trabalhadores da iniciativa privada. 70. (CESPE/ MEC/ 2015) A respeito da organização po- lítico-administrativa do Estado brasileiro, da adminis- tração pública e dos servidores públicos, julgue o se- guinte item. Situação hipotética: João, ocupante de cargo efetivo em uma instituição federal de ensino superior, foi eleito prefeito de município situado no estado de Goiás, em localidade próxima àquela em que exerce suas atribui- ções. Assertiva: Nessa situação, ao assumir o manda- to, João deverá afastar-se do cargo federal, ainda que haja compatibilidade de horários, podendo optar entre a remuneração do cargo efetivo e a do cargo eletivo. 71. (CESPE/ ANALISTA TÉCNICO ADMINISTRATIVO/ MPOG/ 2015) O texto constitucional é silente em rela- ção ao direito de greve dos servidores públicos. 72. (CESPE/ FUB/ 2015) Destinam-se apenas às atribui- ções de direção, chefia e assessoramento as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servido- res ocupantes de cargo efetivo bem como os cargos em comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira, nos casos, nas condições e nos percentuais mínimos previstos em lei. 73. (CESPE/ FUB/ 2015) De acordo com a CF, os servi- dores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público adquirem a estabilidade após dois anos de efetivo exercício. 74. (CESPE/ AUDITOR/ FUB/ 2015) A contratação feita por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público é forma de admissão de pessoal que tem vínculo funcional com a administração pública de caráter jurídico admi- nistrativo. 75. (CESPE/ DIPLOMATA/ INSTITUTO RIO BRANCO/ 2015) A regra da responsabilidade civil objetiva aplica- -se indistintamente à administração direta e às entida- des que compõem a administração indireta da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.
  • 10. 9 SIMULADO 76. (CESPE/ AUDITOR GOVERNAMENTAL/ CGE-PI/ 2015) Os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis apenas a brasileiros natos e naturalizados que preencham os requisitos estabelecidos em lei. 77. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ TRE-GO/ 2015) O ato de improbidade administrativa praticado por servi- dor público, quando apurado e reconhecido mediante devido processo administrativo, resulta na cassação dos direitos políticos. G A B A R I T O 58. C 59. C 60. E 61. C 62. C 63. C 64. C 65. C 66. C 67. C 68. E 69. E 70. C 71. E 72. C 73. E 74. C 75. E 76. E 77. E DIREITO ADMINISTRATIVO 78. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS- TRATIVA/ STJ/ 2015) O atributo da tipicidade do ato administrativo impede que a administração pratique atos sem previsão legal. 79. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS- TRATIVA/ STJ/ 2015) O prazo para anulação dos atos administrativos é de cinco anos, independentemente da boa-fé do administrado que se tenha beneficiado com tais atos. 80. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS- TRATIVA/ STJ/ 2015) O órgão público não pode dele- gar sua competência para a edição de atos normativos. 81. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS- TRATIVA/ STJ/ 2015) Admite-se, em caráter excepcio- nal, a avocação definitiva de competência atribuída a órgão hierarquicamente inferior. 82. (CESPE/ ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO/ ANTAQ/ 2014) A lei permite que órgão administrativo e seu ti- tular deleguem parte de sua competência a órgão não hierarquicamente subordinado. 83. (CESPE/ TÉCNICO FEDERAL DE CONTROLE EXTER- NO/ TCU/ 2015) Agirá de acordo com a lei o servidor pú- blico federal que, ao verificar a ilegalidade de ato admi- nistrativo em seu ambiente de trabalho, revogue tal ato, para não prejudicar administrados, que sofreriam efeitos danosos em consequência da aplicação desse ato. 84. (CESPE/ TÉCNICO FEDERAL DE CONTROLE EX- TERNO/ TCU/ 2015) Conforme a teoria dos motivos determinantes, a validade do ato administrativo vincu- la-se aos motivos que o determinaram, sendo, portan- to, nulo o ato administrativo cujo motivo estiver disso- ciado da situação de direito ou de fato que determinou ou autorizou a sua realização. 85. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS- TRATIVA/ STJ/ 2015) O poder de polícia dispõe de certa discricionariedade, haja vista o poder público ter liberda- de para escolher, por exemplo, quais atividades devem ser fiscalizadas para que se proteja o interesse público. 86. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS- TRATIVA/ STJ/ 2015) O desvio de finalidade é uma espécie de abuso de poder em que o agente público, apesar de agir dentro dos limites de sua competência, pratica determinado ato com objetivo diverso daquele pautado pelo interesse público. 87. (CESPE/ AUDITOR FEDERAL DO CONTROLE EX- TERNO/ TCU/ 2015) O Poder Executivo pode, me- diante decreto autônomo, criar e extinguir cargos e órgãos da administração pública, desde que dessa medida não resulte aumento de despesa. 88. (CESPE/ TÉCNICO ADMINISTRATIVO/ ANATEL/ 2014) De acordo com o princípio da presunção de constitucionalidade, o Estado não pode ser responsa- bilizado por danos oriundos de lei posteriormente de- clarada inconstitucional. 89. (CESPE/ TÉCNICO JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS- TRATIVA/ STJ/ 2015) A responsabilidade objetiva do Estado por danos causados a terceiros tem sustenta- ção na teoria da culpa administrativa. 90. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS- TRATIVA/ STJ/ 2015) Situação hipotética: Um policial militar, durante período de folga, em sua residência, se desentendeu com seu vizinho, desferindo-lhe um tiro com arma pertencente à corporação. Assertiva: Nessa situação, não haverá responsabilidade civil do Estado, pois o dano foi causado por policial fora de suas atri- buições públicas. 91. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: JUDICIÁ- RIA/ TJDFT/ 2013) No que se refere ao exercício do poder de polícia, denomina-se exigibilidade a prerro- gativa da administração de praticar atos e colocá-los em imediata execução, sem depender de prévia mani- festação judicial.
  • 11. 10 BRUNOPILASTRESIMULADO Em relação ao direito administrativo, julgue os itens a seguir: 92. (CESPE/ANALISTAJUDICIÁRIO/ OFICIALDE JUSTIÇA/ TJDFT/ 2013) A atribuição conferida a autoridades ad- ministrativas com o objetivo de apurar e punir faltas funcionais, ou seja, condutas contrárias à realização normal das atividades do órgão e irregularidades de diversos tipos traduz-se, especificamente, no chama- do poder hierárquico. 93. (CESPE/ TÉCNICO JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS- TRATIVA/ STJ/ 2015) O decreto é ato administrativo que pode ser praticado tanto pelo chefe do Poder Executivo quanto pelos presidentes dos tribunais su- periores. 94. (CESPE/ TÉCNICO JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS- TRATIVA/ STJ/ 2015) Em seu sentido subjetivo, a ad- ministração pública restringe-se ao conjunto de órgãos e agentes públicos do Poder Executivo que exercem a função administrativa. Julgue os itens seguintes, acerca do direito administrativo e da prática dos atos administrativos. 95. (CESPE/ TÉCNICO JUDICIÁRIO/ ÁREA: ADMINIS- TRATIVA/ STJ/ 2015) A Presidência da República inte- gra a administração pública federal direta. 96. (CESPE/ ANALISTA ADMINISTRATIVO/ ANTAQ/ 2014) Embora as autarquias não estejam hierarqui- camente subordinadas à administração pública direta, seus bens são impenhoráveis e seus servidores estão sujeitos à vedação de acumulação de cargos e fun- ções públicas. 97. (CESPE/ ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO/ ANTAQ/ 2014) Os órgãos administrativos são pessoas jurídicas de direito público que compõem tanto a administração pública direta quanto a indireta. 98. (CESPE/ TÉCNICO ADMINISTRATIVO/ ANTAQ/ 2014) A distribuição de competências entre os órgãos de uma mesma pessoa jurídica denomina-se desconcentração, podendo ocorrer em razão da matéria, da hierarquia ou por critério territorial. 99. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: JUDICIÁ- RIA/ TJDFT/ 2013) As sociedades de economia mista podem revestir-se de qualquer das formas em direito admitidas, a critério do poder público, que procede à sua criação. 100. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: JUDICIÁ- RIA/ TJDFT/ 2013) Nos litígios comuns, as causas que digam respeito às autarquias federais, sejam estas au- toras, rés, assistentes ou oponentes, são processadas e julgadas na justiça federal. 101. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO/ ÁREA: JUDICIÁ- RIA/ TJDFT/ 2013) Pessoas jurídicas de direito priva- do integrantes da administração indireta, as empresas públicas são criadas por autorização legal para que o governo exerça atividades de caráter econômico ou preste serviços públicos. 102. (CESPE/ TÉCNICO FEDERAL DE CONTROLE EX- TERNO/ TCU/ 2015) 31 Se for imprescindível à se- gurança da sociedade e do Estado, será permitido o sigilo dos atos administrativos. G A B A R I T O 78. C 79. E 80. C 81. E 82. C 83. E 84. C 85. C 86. C 87. E 88. E 89. E 90. C 91. E 92. E 93. E 94. E 95. C 96. C 97. C 98. C 99. E 100. C 101. C 102. C DIREITO PREVIDENCIÁRIO 103. (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) As diretrizes que fundamentam a organização da as- sistência social são a descentralização político- -administrativa para os estados, o Distrito Federal e os municípios, e comando único em cada esfera de governo; a participação da população, mediante organizações representativas, na formulação das po- líticas e no controle das ações; e a prevalência da responsabilidade do Estado na condução da política de assistência social. 104. (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) De acor- do com a CF, a gestão administrativa da seguridade social deve ser tripartite, ou seja, formada por trabalha- dores, empregadores e governo. 
  • 12. 11 SIMULADO 105. (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) Con- forme a jurisprudência do STF, a irredutibilidade do valor dos benefícios é garantida constitucionalmente, seja para assegurar o valor nominal, seja para asse- gurar o valor real dos benefícios, independentemen- te dos critérios de reajuste fixados pelo legislador ordinário. 106. (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) Con- forme entendimento do STJ, síndico de condomínio que receber remuneração pelo exercício dessa ativi- dade será enquadrado como contribuinte individual do RGPS, ao passo que o síndico isento da taxa condo- minial, por não ser remunerado diretamente, não será considerado contribuinte do RGPS. 107. (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) Situ- ação hipotética: Howard, cidadão norte-americano, domiciliado no Brasil, foi aqui contratado pela empresa brasileira X, para trabalhar, por tempo indeterminado, em sua filial situada no Canadá. A maior parte do ca- pital votante dessa filial canadense é da empresa X, constituída sob as leis brasileiras e com sede e ad- ministração no Brasil. Assertiva: Nessa situação, Howard deverá estar, necessariamente, vinculado ao RGPS como segurado empregado. 108. (CESPE/ ADVOGADO DA UNIÃO/ AGU/ 2015) Con- forme entendimento do STF, não há incidência de contribuição previdenciária nos benefícios do RGPS, incluído o salário-maternidade. 109. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO – SERVIÇO SO- CIAL/ STJ/ 2015) No contexto brasileiro de adesão às medidas neoliberais, ocorre um processo de res- trição aos direitos sociais e privatização de serviços públicos essenciais. Como consequência dessa re- alidade, os direitos da seguridade social passaram a orientar-se pela seletividade e pela privatização, ao mesmo tempo em que ocorreu a ampliação dos programas assistenciais. 110. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO – SERVIÇO SOCIAL/ STJ/ 2015) Conforme a Lei Orgânica de Seguridade Social, a seguridade social possui, entre seus prin- cípios e diretrizes, a irredutibilidade do valor dos be- nefícios, e, como forma de garantir esse preceito, o seu financiamento deve ser realizado por duas fon- tes — receitas da União e contribuições sociais das empresas empregadoras. 111. (CESPE/ ANALISTA JUDICIÁRIO – SERVIÇO SO- CIAL/ STJ/ 2015) A Lei Orgânica da Previdência So- cial tem por fim assegurar os meios indispensáveis de manutenção, exclusivamente, aos seus benefici- ários que possuam vínculo empregatício, em razão de idade avançada, incapacidade, tempo de servi- ço, prisão ou morte daqueles de quem dependam economicamente.  112. (CESPE/ CONTADOR/ MPOG/ 2015) O síndico de condomínio ou o administrador que tenha sido eleito em janeiro de 2015 para exercer atividade de admi- nistração condominial e que receba remuneração está amparado na lei para se inscrever como contribuinte facultativo da previdência social. 113. (CESPE/ CONTADOR/ MPOG/ 2015) Um aposenta- do por regime de previdência social dos militares que venha a exercer atividade remunerada abrangida pelo Regime Geral da Previdência Social deve ser considerado segurado obrigatório em relação a essa atividade. 114. (CESPE/ CONTADOR/ MPOG/ 2015) Um contribuinte individual que contrata segurados para a prestação de serviços se equipara a uma empresa para fins de cum- primento de obrigações previdenciárias. 115. (CESPE/ CONTADOR/ MPOG/ 2015) Ressalvada a pessoa com deficiência, em relação à qual inexiste li- mite máximo de idade, o aprendiz, maior de quatorze e menor de vinte e quatro anos de idade, deve contribuir na qualidade de segurado facultativo. 116. (CESPE/ AUDITOR GOVERNAMENTAL/ CGE-PI/ 2015) A dependência econômica do irmão menor de vinte e um anos de idade na condição de dependente do segurado é presumida para fins de obtenção de be- nefício previdenciário. 117. (CESPE/ ENFERMEIRO DO TRABALHO/ FUB/ 2015) Os beneficiários de aposentadoria por invalidez do Regi- me Geral de Previdência Social devem se submeter a pe- rícia médica anualmente, qualquer que seja a sua idade. 118. (CESPE/ ENFERMEIRO DO TRABALHO/ FUB/ 2015) A todos os indivíduos que tenham exercido exclusiva- mente a função de magistério, em qualquer nível de ensino, e iniciado a carreira profissional em 2001, é garantida a redução em cinco anos dos requisitos de idade e de tempo de contribuição para fins de aposen- tadoria voluntária. 119. (CESPE/ DEFENSOR PÚBLICO FEDERAL DE SE- GUNDA CATEGORIA/ DPU/ 2015) Conforme en- tendimento do STF, o direito à aposentadoria espe- cial pressupõe a efetiva exposição do trabalhador a agente nocivo à sua saúde, de modo que, se o equipamento de proteção individual for realmente capaz de neutralizar a nocividade, não haverá res- paldo à concessão constitucional de aposentadoria especial. 120. (CESPE/ DEFENSOR PÚBLICO FEDERAL DE SE- GUNDA CATEGORIA/ DPU/ 2015) O salário-mater- nidade pago à segurada empregada, à segurada do- méstica e à segurada avulsa, o auxílio-reclusão e o salário-família prescindem de carência.
  • 13. 12 BRUNOPILASTRESIMULADO G A B A R I T O 103. C 104. E 105. E 106. E 107. C 108. E 109. C 110. E 111. E 112. E 113. C 114. C 115. E 116. E 117. E 118. E 119. C 120. C RACIOCÍNIO LÓGICO Mariana é uma estudante que tem grande apreço pela matemática, apesar de achar essa uma área muito difícil. Sempre que tem tempo suficiente para estudar, Mariana é aprovada nas disciplinas de mate- mática que cursa na faculdade. Neste semestre, Ma- riana está cursando a disciplina chamada Introdução à Matemática Aplicada. No entanto, ela não tem tem- po suficiente para estudar e não será aprovada nes- sa disciplina. A partir das informações apresentadas nessa situação hipotética, julgue os itens a seguir, acerca das estruturas lógicas. 121. (CESPE/STJ-2015) Considerando-se as seguintes proposições: p: “Se Mariana aprende o conteúdo de Cálculo 1, então ela aprende o conteúdo de Química Geral”; q: “Se Mariana aprende o conteúdo de Quími- ca Geral, então ela é aprovada em Química Geral”; c: “Mariana foi aprovada em Química Geral”, é correto afirmar que o argumento formado pelas premissas p e q e pela conclusão c é um argumento válido. A partir dos argumentos apresentados pelo personagem Calvin na tirinha acima mostrada, julgue os seguintes itens. 122. (CESPE/MPENAP-2015) Considere que o argumento enunciado por Calvin na tirinha seja representado na forma: “P: se for ignorante, serei feliz; Q: se assistir à aula, não serei ignorante; R: serei feliz; S: logo, não assistirei à aula”, em que P, Q e R sejam as premissas e S seja a conclusão. É correto afirmar que essa repre- sentação constitui um argumento válido. 123. (CESPE/MEC TEMPORÁRIO-2015) O texto “Penso, logo existo” apresenta um argumento válido. 124. (CESPE/MEC TEMPORÁRIO 2015) O texto “O homem inteligente nunca recebe penalidades, pois somente o homem que erra recebe penalidades e o homem inteli- gente jamais erra” apresenta um argumento válido. Julgue os itens a seguir com base nas características do raciocínio analítico e na estrutura da argumentação: 125. (CESPE/TCU/AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE EXTERNO/2015) A pergunta complexa: “Você deixou de roubar dinheiro de seus pais?” se baseia na pressu- posição de que o interlocutor a quem essa pergunta se dirige não rouba mais dinheiro de seus pais. 126. (CESPE/TCU/AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE EXTERNO/2015) A seguinte situação é um exemplo de apelo popular: “Dentro do metrô, um rapaz começa a pe- dir ajuda aos demais passageiros para pagar sua passa- gem de volta para casa. Sua justificativa para essa atitu- de é o fato de ter sido assaltado e não ter um centavo”. 127. (CESPE/TCU/AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE EXTERNO/2015) Adotando-se o processo de inferên- cias do tipo indutiva, usado em ciências experimentais, parte-se do particular para o geral, ou seja, a partir da observação de casos particulares, chega-se a uma conclusão que os transcende. Em determinado estabelecimento penitenciário, todos os detentos considerados perigosos são revistados diariamente, e todos os detentos que cometeram cri- mes utilizando armas são considerados perigosos.
  • 14. 13 SIMULADO Representando as proposições por meio de seus dia- gramas lógicos, temos: DP: detentos perigosos RD: revistados diariamente CA: cometem crimes com armas Com base nessa informação, julgue as questões 128 a 130. 128. (CESPE/DEPEN/2013) Se um detento cometeu um assalto à mão armada, então ele é revistado diaria- mente. 129. (CESPE/DEPEN/2013) Somente os detentos perigo- sos serão revistados diariamente. 130. (CESPE/DEPEN/2013) A negação da proposição “To- dos os detentos considerados perigosos são revista- dos diariamente” é equivalente à proposição “Nenhum detento perigoso é revistado diariamente”. G A B A R I T O 121. E 122. E 123. E 124. C 125. E 126. E 127. C 128. C 129. E 130. E