SlideShare uma empresa Scribd logo
43
QUALITÁ SOCIOAMBIENTAL
Ano 2 N5
da expressão urbana
a ETERNAFEBRE
reportagem de adriane baldini
fotos de adriane baldini e marcelo acra
Cultura urbana
expressão surgiu da mesma forma que a pichação.
Segundo ele, antigamente, os suburbanos vinham
até o centro da cidade para escreverem suas
revoltas, medos e anseios, mas que foi e ainda é
considerada como vandalismo. “É também rela-
cionado, indiretamente ao “dane-se”; sinônimo de
atitude,de deixar sempre a marca pessoal”,relata.
Explicando: o pichador faz parte de um grupo de
amigos,que tem uma outra rival.Quanto mais eles
picharem o centro da cidade para deixarem suas
marcas, é melhor. Para o menor N.S., de 17 anos,
morador da grande capital de São Paulo na zona
sul, diz que “muitas pessoas pensam que sou um
criminoso. Me sinto um bandido maltratado pela
população. Mas o que quero é só dizer que estive
ali, que passei e sei o que está acontecendo no
local”, diz o menor, que confessa, quando ques-
tionado se todos entenderão o que ele escreveu:
“Escrevo somente para eles, meus “manos”. Sei
que só eles e outras gangs contrárias que também
picham é que vão entender”complementa,dizendo
que já viu muita gente morrer por um membro de
uma gang rival pichar em cima das letras da turma
dele.“É como se houvesse uma invasão dos locais
onde sempre estão,coisas típicas de adolescente”,
diz a psicóloga Daniele Barbieri, especializada em
psicoterapia pessoal e infanto-juvenil.“Por serem
A foto acima é a parte
superior de um prédio
desocupado na Rua XV,
famosa por ser um dos
locais preferidos dos
turistas, em Curitiba.
Ao analisar bem a foto,
além de se entender
muito pouco os apelidos
escritos pela gang,
muitos se arriscaram
para pichar em lugares
de dificil acesso.
Na outra página estão
os stickers, coladas
em diversos lugares do
centro da cidade, para
análise pessoal dos
transeúntes.
O tamanho dos
desenhos podem variar
entre 5cmX5cm até o
tamanho de uma folha
A3.
cada nascer do sol, milhares de pessoas ini-
ciam a clássica rotina de um novo dia.Muitos
se arrumam com a melhor gravata que tem,
preocupados para procurar um bom emprego.
Aqueles que já possuem, se apressam para não se
atrasarem, correndo ofegantes para parar a porta
do elevador dos velhos edifícios comerciais, que
geralmente estão no centro da cidade. Perdidos
em seus próprios pensamentos, a maior parte
dos cidadãos que pelas ruas caminham apressa-
dos, não percebem cartazes, pinturas, pichações e
outras formas de expressões urbanas.Esta cena é
comum em todos os lugares do mundo.Enquanto
você passou despercebido por um adolescente
que estava de costas para uma parede qualquer,
naquele momento, ele colou um “sticker” - dese-
nho considerado uma nova forma de expressão e
que com certeza,pode estimular – e muito – a sua
curiosidade.É nada menos do que o movimento de
um mundo paralelo ao dos adultos,sem correrias,
alienação das preocupações de contas a pagar e
apenas a adrenalina na cabeça – a simples forma de
querer ser se comunicar e ser entendido.
TEMPOS ATRÁS	
	 O publicitário curitibano Marcelo Acra,
estudioso de artes visuais, destaca que essa nova
A
jovens,eles têm sede de grandes mudanças – força
encontrada somente nos adolescentes – de querer
criticar,mudar tudo o que veio das gerações ante-
riores e transformar em melhor,mas que,ainda não
conhecem a amplitude das conseqüências” ressalta.
DESTREZAS DO CENTRO
	 Independente das tantas outras diversas
formas de expressões existentes, ainda há muita
resistência, principalmente por parte dos mais
velhos e comerciantes, a olhar com bons olhos
esta cultura adolescente. Para Estela Rohde, re-
presentante da Associação dos Condomínios Ga-
rantidos do Brasil - empresa que faz cobranças de
condomínios na capital do Paraná - muitos prédios
perdem valor comercial. “Ninguém gosta de ver
nada sujo. Isso torna o local muito empobrecido,
perigoso até.Você não vai investir em um lugar
que está pichado. A primeira coisa que se pensa
é:“Se eu pintar, eles vão pichar de novo”. E com
isso, os mercados de imóveis, aluguéis, cobrança e
comércio perdem”.
A REVOLUÇÃO DAS ETIQUETAS
	 O publicitário Marcelo Acra volta a de-
fender a arte urbana:“Nem tudo também é ruim.
Existem muitos pichadores que se profissionalizam
e investem no grafitti, uma forma de arte com o
spray, mas que tem o consentimento do dono do
muro e é preciso uma aparelhagem específica,além
do talento”. O grafitti é considerado um desenho
muito bem mais trabalhado e nele se apresenta
outras técnicas de pintura,como o rolo e tinta lá-
tex – onde muitos poucos conseguem migrar para
esta técnica.E Marcelo não está errado.Muitos que
pelos muros passam, não entendem a mensagem
que o grafitti ou a pichação quer passar, então, o
adolescente deixa este interesse de lado – até
porque surgem outros, como a responsabilidade
social do trabalho, por exemplo – e ele deixou de
se expressar para a sociedade, se adaptando a ela.
	 Mas, como adolescentes ainda existem e
novas tendências sempre surgem com uma velo-
cidade muito mais rápida do que antigamente, eis
que surge o “sticker”. Considerado como um dos
precursores da técnica, no início dos anos 90, o
norte-americano Shepard Fairey criou uma imagem
em preto-e-branco do campeão de luta-livreAndre
the Giant,com a inscrição“Obey Giant” (obedeça
ao gigante).A imagem foi vista em 1995 em quase
todos os EUA e grandes centros da Europa,e claro,
no Brasil. Considerada por muitos uma técnica
pós-grafite, o sticker é um adesivo que traz dese-
nhos ou mensagens subliminares.“Não é só uma
forma de expressão visual,é um pouco intelectual
também, pois o desenho semioticamente quer te
dizer alguma coisa, é algo meio psicológico. No
desenho pode estar inserido ou uma palavra ou
frase que pode fazer você divagar.
Pier, onde você conheceu essa forma de expressão?
Conheci vendo esse tipo de arte nas ruas.Via lambes na zona leste daqui de São Paulo.
Aí comecei a me interessar mais e a conhecer mais esse tipo de intervenção; arte.
Como você conheceu a técnica?
Meus stickers são feitos graficamente. Uso Photoshop, Corel Draw, etc, pra criar
os desenhos.Eu gostaria de ter técnica com as mãos,mas infelizmente não consigo.
Depois, ou eu imprimo e xeroco, ou mando fazer uma tela de serigrafia (silk) ou
faço stencil.Não lembro exatamente como conheci essas coisas.Foi na rua mesmo,
vendo trabalhos de outras pessoas. E indo atrás pra conhecer.
O teu sticker, ao que me parece, é o rosto de Karl Marx. Estou correta?
Não é o rosto de Karl Marx, apesar de parecer. Muitos já me perguntaram se é o
rosto de Bakunin, um revolucionário.Também não é, é o rosto de um velho qual-
quer. (...) Teve uma época que eu comecei a reparar em como as pessoas olham
pra idosos, nos transportes coletivos, nas ruas, em todo lugar por onde eu passava.
Eu percebi que muitas vezes as pessoas encenam respeito, mas no fundo, o que
realmente sentem é menosprezo. Eu criei a imagem do velho. E comecei a colar,
mas quando comecei isso,já sabia que stickers existiam.Eu quero fazer com que as
pessoas pensem e reparem na cidade, em meros detalhes que podem ser simples,
mas que podem fazer muita diferença.
Então a interpretação de cada um é livre?
Depende. Os motivos são unânimes, do ponto de vista dos stickers. Mas a inter-
pretação varia, e muito.As pessoas que vêem a arte acabam se perguntando: por
que alguém faz isso? Cola esse desenho por aí? Qual será o objetivo dele com isso?
Eu gosto disso. De fazer mentes trabalharem para alguma coisa que sai da rotina,
alguma coisa alternativa e que possa ter algum sentindo que pode parecer simples,
mas que no fundo tem um significado e uma tese interessante.
Como você interpreta o seu?
“Um velho. O que é o velho? Olhe pro velho. Imagine-se sendo velho.
Vivendo o velho. No corpo dele. Com sua alma e sua essência. Imagine
um dia sendo um velho.Barbudo,sujo e mundrungo.Como você se sente
sendo menosprezado, ignorado, muitas vezes desrespeitado?Talvez não
seja fácil ser um velho. Pelo lado social. O que você deve fazer? Ame um
velho.” (...)Você poderia publicar uma frase junto? É simples.
Claro. O que?
Que eu amo minha namorada Maristela. Só isso. (Risos)
Pier Ricardo, morador da Periferia da capital de São Paulo, 18 anos, estudante.
Seu sticker está na abertura desta matéria, do qual ainda
o cola em diversos lugares por onde passa.
eu, STICKER É uma cultura para incentivar você a descobrir
o que ele pensa” diz Marcelo. Essa técnica
ganhou adeptos principalmente depois da
popularização da internet, que permite que
muitos troquem imagens com pessoas de todo
o mundo. Também com outras variações, a
mesma idéia de expressão pode ser vista pelo
o stencil (pinturas na parede feitas por meio
de molduras vazadas – muitos usam chapas de
raio-x) e lambe-lambe (imagens impressas em
folhas,geralmente em tamanhosA4 eA3 e são
coladas com pincéis, da mesma forma que os
outdoors - e em qualquer lugar). Só no site
de discussões Orkut,existem (até a publicação
desta revista) o mínimo de 200 fóruns sobre
as técnicas. Dentre os mais populares estão
“Eu colo stickers!!!!”, com 1.611 membros,
“STENCIL”,com 2.852 membros e“Pichações
VS Grafitti”, com 981 membros.
PENSO, PORTANTO EXISTO
	 O estudante Pier Riccardo, 18 anos,
também morador da periferia de São Paulo
– capital, é um adepto da técnica:“Eu colo os
desenhos para quem quer olhar, ver. Poucas
pessoas reparam.Geralmente são as que se
interessam por arte,seja qual for o tipo dela”,
diz o adolescente (confira a entrevista na pró-
xima página). Mas, a psicóloga Daniele explica
o motivo pelo qual você,leitor,ainda pode não
ter visto um na rua. “Eles colam em lugares
estratégicos, como topos de muros altos ou
então quase escondidos, pois, de certa forma,
por melhores artistas que se considerem,não
gostam de críticas. Caso isso aconteça, para
eles que ainda não conhecem os dissabores do
mundo,é muito mais dolorido.Então,preferem
receber apenas elogios ou comparações de
quem também conhece a técnica, que sabem
onde estão os lugares que colam.É uma forma
de não receber a crítica o tempo todo” explica.
	 De certa forma, para os que vêem
como forma negativa estas ou outra qual-
quer forma de expressão urbana, sente-se
incomodado. “Sente-se por ser uma crítica.
Ninguém se incomoda com telas de flores,
por exemplo. Frases pichadas incentivam o
pensamento, expressam que algo está errado,
é proposto outros valores diferentes daqueles
que já estão impostos”, diz Daniele. Para ela,
é um erro não enxergar grandes revoluções,
como a que ocorreu na Semana de Arte de
1922 – e que a história comprova que houve
grandes estratégias para que fosse abafada.
“Quando se inibe a expressão,a criatividade e
a arte,infelizmente não existem outras formas
de mudanças além do vandalismo, violência
e guerras. Quando se investe na educação e
criatividade, é o contrário” complementa.
PICHAÇÃO
Uma das formas mais tradicionais de protesto
dos jovens nos grandes centros urbanos ainda é através
da pichação com a lata de spray. Como nela se encontra
apenas palavras com letras estilizadas,somente quem picha
é que entende. É possível também fazer a pichação com
estreitos rolos de tinta.
Throw-up
Usado como um laborató-
rio para o grafitti, o throu-up
significa “chegar no muro e
vomitar rapidinho suas letras”,
segundo o publicitário Marcelo
Acra. Desenhados com um
rolo estreito de tinta, muitos
raramente optam pelo acaba-
mento com spray; é também
uma forma estilizada de mar-
car território.
As variações
Grafitti
Os poucos que tem o talento
reconhecido,migram para o grafitti -
o que exige mais tempo para se fazer
grandes desenhos, com excelente
acabamento (e entendimento). Os
temas podem ser escolhidos pelos
proprietarios dos muros, que geral-
mente optam por imagens suaves.
Stêncil
Decalcados em lâminas de raio-x (ou qualquer
outro material flexível e resistente),as formas são
as mais variadas possíveis. Muitos personagens
históricos são evidentes, assim como desenhos
próprios com mensagens subliminares. Para você
que não encontrou nenhum na rua ainda,qual seria
sua interpretação,por exemplo,ao deparar-se com
a personagem do filme francês,Amelie Poulain ou
Ghandi?
Fontes de Pesquisa:
http://www.fotolog.net/pierconverge, http://www.choquecultural.com.br, http://www.stencilbrasil.com.br
http://www.stencilrevolution.com, http://www.streetstickers.co.uk, http://www.obeygiant.com
Associação dos Condomínios Garantidos do Brasil - http://www.acgb.com.br - (41) 3223-7708
Já para Píer,o garoto que cola stickers,questiona:“Acho que a questão
aqui seria:O que é vandalismo?A rua é de todos.Claro,dentro do seu
limite. Muitas pessoas podem achar que isso é vandalismo, talvez, e
em algumas circunstâncias, realmente seja. Eu não me importo muito
com isso. Sendo vandalismo ou não, nunca deixará de ser uma forma
de expressão”.
EDUCAR DESDE PEQUENOS
	 Para inibir a pichação,Estela Rohde,daAssociação dos Condo-
mínios Garantidos do Brasil,ministra palestras educativas da campanha
“Despiche sua Cidade” em escolas de Ensino Fundamental.Lançado em
2000,um total de 48 mil jovens já participaram do incentivo da não-pi-
chação até hoje.“Mas ainda precisamos de mais voluntários fazendo a
mesma ação,que abracem também esta causa em todo país.O que não
pode é parar”.Durante a palestra,são distribuídos folders e pequenos
livros de bolso,onde um deles chama-se“O pesadelo de Guto”.Nele,
o pequeno personagem Guto está andando pelas ruas quando vê ga-
rotos pichando um muro, mas não toma nenhuma atitude.Ao dormir,
sonha que está fazendo a mesma coisa e acaba preso. Quando se vê
entre as grades,reflete na vergonha que os pais sentirão dele e chora.
Ao acordar nervoso e constatar que era um sonho, decide que, cada
vez que ver um ato de vandalismo, denunciará à polícia, um bom ato
de cidadania que deve ser seguido pelos leitores infantis.Também na
campanha,os alunos ajudam a pintar os muros externos pichados com
cal – doação de grandes empresas desse setor,que também incentivam
uma cidade mais limpa.“Para criar uma conscientização, não adianta
fazer somente a limpeza e a pintura do lugar. É preciso antes de tudo
identificar os problemas sociais e investir na educação”, completa
Estela.
	 E como a sociedade pode ajudar nisso? Não sendo apenas
assistencialista,mas investir no futuro de jovens e crianças - descobrir
o que eles têm de melhor, o que poderá ser o sustento deles quando
adultos.A sociedade ainda tem a dificuldade de ver a arte como um
trabalho, e sim como apenas mérito.“Se existisse um museu de Arte
Contemporânea para qualquer adolescente se expor,o caminho seria
diferente. Claro que não seriam grandes artistas, mas de uma forma
ou outra, estaria lá sua forma de expressão”, complementa Daniele.
	 Mas como tudo depende de decisões de altas sociedades
e comunidades que julgam que a atenção para este assunto não é
importante, os stickers, stencil, grafitti e pichações serão parte de
uma rotina diária que não tem fim, e que acabará por ocupar cada
vez mais ruas e galerias das quais você leitor, também passa.“Cabeça
vazia é oficina do diabo.Tudo é uma questão de interesse”, finaliza o
publicitário Marcelo.
Com excelente criatividade, é através de desenhos como estes que os
stickers compôem parte do atual cenário urbano. Mas, como estão no centro
da cidade, a maioria não permanece mais do que cinco dias colados; são
arrancados por funcionários de limpeza das prefeituras ou de entidades que
prezam pela limpeza da região central. Muitos também desbotam, perdem a
durabilidade da cola provocadas pelas ações do tempo ou então, novamente
caem no anonimato quando um cartaz de banda ou político é colado por cima.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
SAMANT KUMAR
 
JPASA
JPASAJPASA
Trabalho 3ª-série-4ºbimestre
Trabalho 3ª-série-4ºbimestreTrabalho 3ª-série-4ºbimestre
Trabalho 3ª-série-4ºbimestre
antoniofvieira
 
244.Gregory.SignagePlan
244.Gregory.SignagePlan244.Gregory.SignagePlan
244.Gregory.SignagePlanCarl Schembri
 
Ingenierías en colombia y el mundo….
 Ingenierías en colombia y el mundo…. Ingenierías en colombia y el mundo….
Ingenierías en colombia y el mundo….
Andres Aparicioo
 
Точность прогноза в В2В продажах.
Точность прогноза в В2В продажах.Точность прогноза в В2В продажах.
Точность прогноза в В2В продажах.
Yevgen Lopatin
 
Np13 concepción viviente, nueva presidenta de ecm (1)
Np13 concepción viviente, nueva presidenta de ecm (1)Np13 concepción viviente, nueva presidenta de ecm (1)
Np13 concepción viviente, nueva presidenta de ecm (1)
Cristina Orientacion
 
Diapositivas del día de la tierra
Diapositivas del día de la tierraDiapositivas del día de la tierra
Diapositivas del día de la tierra
USERHACKER
 
Hamlin_Kevin_FIMSPoster_Final
Hamlin_Kevin_FIMSPoster_FinalHamlin_Kevin_FIMSPoster_Final
Hamlin_Kevin_FIMSPoster_Final
stiydis
 
Commercial water features and commercial water displays company Nebraska 816-...
Commercial water features and commercial water displays company Nebraska 816-...Commercial water features and commercial water displays company Nebraska 816-...
Commercial water features and commercial water displays company Nebraska 816-...
UMKC MASONRY / LANDSCAPE / FOUNTAINS COMPANY
 
3
33
HISTORIC FOUNTAIN RESTORATION COMPANY DES MOINES IA
HISTORIC FOUNTAIN RESTORATION COMPANY DES MOINES IAHISTORIC FOUNTAIN RESTORATION COMPANY DES MOINES IA
HISTORIC FOUNTAIN RESTORATION COMPANY DES MOINES IA
UMKC MASONRY / LANDSCAPE / FOUNTAINS COMPANY
 
ISApaperIEC61508_AMN_Final
ISApaperIEC61508_AMN_FinalISApaperIEC61508_AMN_Final
ISApaperIEC61508_AMN_Final
Andy Nack
 
Boya
BoyaBoya
Boya
luisc1001
 

Destaque (16)

Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
 
JPASA
JPASAJPASA
JPASA
 
Trabalho 3ª-série-4ºbimestre
Trabalho 3ª-série-4ºbimestreTrabalho 3ª-série-4ºbimestre
Trabalho 3ª-série-4ºbimestre
 
244.Gregory.SignagePlan
244.Gregory.SignagePlan244.Gregory.SignagePlan
244.Gregory.SignagePlan
 
Riproduzionespgna
RiproduzionespgnaRiproduzionespgna
Riproduzionespgna
 
Ingenierías en colombia y el mundo….
 Ingenierías en colombia y el mundo…. Ingenierías en colombia y el mundo….
Ingenierías en colombia y el mundo….
 
Точность прогноза в В2В продажах.
Точность прогноза в В2В продажах.Точность прогноза в В2В продажах.
Точность прогноза в В2В продажах.
 
Np13 concepción viviente, nueva presidenta de ecm (1)
Np13 concepción viviente, nueva presidenta de ecm (1)Np13 concepción viviente, nueva presidenta de ecm (1)
Np13 concepción viviente, nueva presidenta de ecm (1)
 
Diapositivas del día de la tierra
Diapositivas del día de la tierraDiapositivas del día de la tierra
Diapositivas del día de la tierra
 
Hamlin_Kevin_FIMSPoster_Final
Hamlin_Kevin_FIMSPoster_FinalHamlin_Kevin_FIMSPoster_Final
Hamlin_Kevin_FIMSPoster_Final
 
aiesec
aiesecaiesec
aiesec
 
Commercial water features and commercial water displays company Nebraska 816-...
Commercial water features and commercial water displays company Nebraska 816-...Commercial water features and commercial water displays company Nebraska 816-...
Commercial water features and commercial water displays company Nebraska 816-...
 
3
33
3
 
HISTORIC FOUNTAIN RESTORATION COMPANY DES MOINES IA
HISTORIC FOUNTAIN RESTORATION COMPANY DES MOINES IAHISTORIC FOUNTAIN RESTORATION COMPANY DES MOINES IA
HISTORIC FOUNTAIN RESTORATION COMPANY DES MOINES IA
 
ISApaperIEC61508_AMN_Final
ISApaperIEC61508_AMN_FinalISApaperIEC61508_AMN_Final
ISApaperIEC61508_AMN_Final
 
Boya
BoyaBoya
Boya
 

Semelhante a RQS 2006 - Expressões Urbanas - Especial

Cores na Cidade Cinza - Elana Souza Borri
Cores na Cidade Cinza - Elana Souza BorriCores na Cidade Cinza - Elana Souza Borri
Cores na Cidade Cinza - Elana Souza Borri
Elana Souza Borri
 
Grafite etnografismo
Grafite etnografismoGrafite etnografismo
Grafite etnografismo
Nancihorta
 
Cromo sapiens
Cromo sapiensCromo sapiens
Cromo sapiens
pileggisa
 
Entrevista Santiago Ribeiro
Entrevista Santiago RibeiroEntrevista Santiago Ribeiro
Entrevista Santiago Ribeiro
Rita Mira Marques
 
Fansign03 isbn
Fansign03 isbnFansign03 isbn
Fansign03 isbn
Ariane Almeida
 
Tribos urbanas: pichadores - trabalho de sociologia
Tribos urbanas: pichadores - trabalho de sociologiaTribos urbanas: pichadores - trabalho de sociologia
Tribos urbanas: pichadores - trabalho de sociologia
EstefanyDosSantos
 
Bastidores de uma agência de propaganda livro
Bastidores de uma agência de propaganda livroBastidores de uma agência de propaganda livro
Bastidores de uma agência de propaganda livro
jambro100
 
Graffiti
GraffitiGraffiti
Apresentação da Criação
Apresentação da CriaçãoApresentação da Criação
Apresentação da Criação
Doisnovemeia Publicidade
 
Grafite slides aula oitavas série
Grafite  slides aula oitavas sérieGrafite  slides aula oitavas série
Grafite slides aula oitavas série
cleorosa89
 
PichaçãO X Grafite 1 Jacarei Sp
PichaçãO X Grafite 1 Jacarei SpPichaçãO X Grafite 1 Jacarei Sp
PichaçãO X Grafite 1 Jacarei Sp
EducaRede Brasil
 
Artes Visuais - Trabalho Oficina de Produção de Eventos 2014 - Ação da Cidada...
Artes Visuais - Trabalho Oficina de Produção de Eventos 2014 - Ação da Cidada...Artes Visuais - Trabalho Oficina de Produção de Eventos 2014 - Ação da Cidada...
Artes Visuais - Trabalho Oficina de Produção de Eventos 2014 - Ação da Cidada...
José Roberto Freitas
 
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidadesArtes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
Luara Schamó
 
lambe-lambe-cidadegrafica-nossotrampo
lambe-lambe-cidadegrafica-nossotrampolambe-lambe-cidadegrafica-nossotrampo
lambe-lambe-cidadegrafica-nossotrampo
folia dos reis
 
Por que é fácil odiar Romero Britto
Por que é fácil odiar Romero BrittoPor que é fácil odiar Romero Britto
Por que é fácil odiar Romero Britto
Adriana Guimarães Manaro
 
Microrroteiros da cidade apresentacao
Microrroteiros da cidade  apresentacaoMicrorroteiros da cidade  apresentacao
Microrroteiros da cidade apresentacao
Laura Guimarães
 
Arte, design, artesanato e Aloisio Magalhães
Arte, design, artesanato e Aloisio MagalhãesArte, design, artesanato e Aloisio Magalhães
Arte, design, artesanato e Aloisio Magalhães
+ Aloisio Magalhães
 
Pílulas do dia seguinte - Doses de criatividade para colocar em prática a par...
Pílulas do dia seguinte - Doses de criatividade para colocar em prática a par...Pílulas do dia seguinte - Doses de criatividade para colocar em prática a par...
Pílulas do dia seguinte - Doses de criatividade para colocar em prática a par...
Diego Motta
 
Diz Jornal 147
Diz Jornal 147 Diz Jornal 147
Diz Jornal 147
dizjornal jornal
 
Lado2
Lado2Lado2

Semelhante a RQS 2006 - Expressões Urbanas - Especial (20)

Cores na Cidade Cinza - Elana Souza Borri
Cores na Cidade Cinza - Elana Souza BorriCores na Cidade Cinza - Elana Souza Borri
Cores na Cidade Cinza - Elana Souza Borri
 
Grafite etnografismo
Grafite etnografismoGrafite etnografismo
Grafite etnografismo
 
Cromo sapiens
Cromo sapiensCromo sapiens
Cromo sapiens
 
Entrevista Santiago Ribeiro
Entrevista Santiago RibeiroEntrevista Santiago Ribeiro
Entrevista Santiago Ribeiro
 
Fansign03 isbn
Fansign03 isbnFansign03 isbn
Fansign03 isbn
 
Tribos urbanas: pichadores - trabalho de sociologia
Tribos urbanas: pichadores - trabalho de sociologiaTribos urbanas: pichadores - trabalho de sociologia
Tribos urbanas: pichadores - trabalho de sociologia
 
Bastidores de uma agência de propaganda livro
Bastidores de uma agência de propaganda livroBastidores de uma agência de propaganda livro
Bastidores de uma agência de propaganda livro
 
Graffiti
GraffitiGraffiti
Graffiti
 
Apresentação da Criação
Apresentação da CriaçãoApresentação da Criação
Apresentação da Criação
 
Grafite slides aula oitavas série
Grafite  slides aula oitavas sérieGrafite  slides aula oitavas série
Grafite slides aula oitavas série
 
PichaçãO X Grafite 1 Jacarei Sp
PichaçãO X Grafite 1 Jacarei SpPichaçãO X Grafite 1 Jacarei Sp
PichaçãO X Grafite 1 Jacarei Sp
 
Artes Visuais - Trabalho Oficina de Produção de Eventos 2014 - Ação da Cidada...
Artes Visuais - Trabalho Oficina de Produção de Eventos 2014 - Ação da Cidada...Artes Visuais - Trabalho Oficina de Produção de Eventos 2014 - Ação da Cidada...
Artes Visuais - Trabalho Oficina de Produção de Eventos 2014 - Ação da Cidada...
 
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidadesArtes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
Artes ficções urbanas estratégias para a ocupação das cidades
 
lambe-lambe-cidadegrafica-nossotrampo
lambe-lambe-cidadegrafica-nossotrampolambe-lambe-cidadegrafica-nossotrampo
lambe-lambe-cidadegrafica-nossotrampo
 
Por que é fácil odiar Romero Britto
Por que é fácil odiar Romero BrittoPor que é fácil odiar Romero Britto
Por que é fácil odiar Romero Britto
 
Microrroteiros da cidade apresentacao
Microrroteiros da cidade  apresentacaoMicrorroteiros da cidade  apresentacao
Microrroteiros da cidade apresentacao
 
Arte, design, artesanato e Aloisio Magalhães
Arte, design, artesanato e Aloisio MagalhãesArte, design, artesanato e Aloisio Magalhães
Arte, design, artesanato e Aloisio Magalhães
 
Pílulas do dia seguinte - Doses de criatividade para colocar em prática a par...
Pílulas do dia seguinte - Doses de criatividade para colocar em prática a par...Pílulas do dia seguinte - Doses de criatividade para colocar em prática a par...
Pílulas do dia seguinte - Doses de criatividade para colocar em prática a par...
 
Diz Jornal 147
Diz Jornal 147 Diz Jornal 147
Diz Jornal 147
 
Lado2
Lado2Lado2
Lado2
 

Mais de Adri Baldini

RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 AnosRD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
Adri Baldini
 
RD 2014 - Receitas Alemãs na Versão Brasileira
RD 2014 - Receitas Alemãs na Versão BrasileiraRD 2014 - Receitas Alemãs na Versão Brasileira
RD 2014 - Receitas Alemãs na Versão Brasileira
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - EspecialRQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das PeçasRQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - EspecialRQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
RQS 2006 - Entrevista com Zilda ArnsRQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
RQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo CaminhoRQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
Adri Baldini
 
RD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de InvernoRD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de Inverno
Adri Baldini
 
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em AscensãoRD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite SchneiderRQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
Adri Baldini
 

Mais de Adri Baldini (11)

RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 AnosRD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
 
RD 2014 - Receitas Alemãs na Versão Brasileira
RD 2014 - Receitas Alemãs na Versão BrasileiraRD 2014 - Receitas Alemãs na Versão Brasileira
RD 2014 - Receitas Alemãs na Versão Brasileira
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
 
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - EspecialRQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
 
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das PeçasRQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
 
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - EspecialRQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
 
RQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
RQS 2006 - Entrevista com Zilda ArnsRQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
RQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
 
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo CaminhoRQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
 
RD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de InvernoRD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de Inverno
 
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em AscensãoRD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
 
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite SchneiderRQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
 

RQS 2006 - Expressões Urbanas - Especial

  • 1. 43 QUALITÁ SOCIOAMBIENTAL Ano 2 N5 da expressão urbana a ETERNAFEBRE reportagem de adriane baldini fotos de adriane baldini e marcelo acra Cultura urbana
  • 2. expressão surgiu da mesma forma que a pichação. Segundo ele, antigamente, os suburbanos vinham até o centro da cidade para escreverem suas revoltas, medos e anseios, mas que foi e ainda é considerada como vandalismo. “É também rela- cionado, indiretamente ao “dane-se”; sinônimo de atitude,de deixar sempre a marca pessoal”,relata. Explicando: o pichador faz parte de um grupo de amigos,que tem uma outra rival.Quanto mais eles picharem o centro da cidade para deixarem suas marcas, é melhor. Para o menor N.S., de 17 anos, morador da grande capital de São Paulo na zona sul, diz que “muitas pessoas pensam que sou um criminoso. Me sinto um bandido maltratado pela população. Mas o que quero é só dizer que estive ali, que passei e sei o que está acontecendo no local”, diz o menor, que confessa, quando ques- tionado se todos entenderão o que ele escreveu: “Escrevo somente para eles, meus “manos”. Sei que só eles e outras gangs contrárias que também picham é que vão entender”complementa,dizendo que já viu muita gente morrer por um membro de uma gang rival pichar em cima das letras da turma dele.“É como se houvesse uma invasão dos locais onde sempre estão,coisas típicas de adolescente”, diz a psicóloga Daniele Barbieri, especializada em psicoterapia pessoal e infanto-juvenil.“Por serem A foto acima é a parte superior de um prédio desocupado na Rua XV, famosa por ser um dos locais preferidos dos turistas, em Curitiba. Ao analisar bem a foto, além de se entender muito pouco os apelidos escritos pela gang, muitos se arriscaram para pichar em lugares de dificil acesso. Na outra página estão os stickers, coladas em diversos lugares do centro da cidade, para análise pessoal dos transeúntes. O tamanho dos desenhos podem variar entre 5cmX5cm até o tamanho de uma folha A3. cada nascer do sol, milhares de pessoas ini- ciam a clássica rotina de um novo dia.Muitos se arrumam com a melhor gravata que tem, preocupados para procurar um bom emprego. Aqueles que já possuem, se apressam para não se atrasarem, correndo ofegantes para parar a porta do elevador dos velhos edifícios comerciais, que geralmente estão no centro da cidade. Perdidos em seus próprios pensamentos, a maior parte dos cidadãos que pelas ruas caminham apressa- dos, não percebem cartazes, pinturas, pichações e outras formas de expressões urbanas.Esta cena é comum em todos os lugares do mundo.Enquanto você passou despercebido por um adolescente que estava de costas para uma parede qualquer, naquele momento, ele colou um “sticker” - dese- nho considerado uma nova forma de expressão e que com certeza,pode estimular – e muito – a sua curiosidade.É nada menos do que o movimento de um mundo paralelo ao dos adultos,sem correrias, alienação das preocupações de contas a pagar e apenas a adrenalina na cabeça – a simples forma de querer ser se comunicar e ser entendido. TEMPOS ATRÁS O publicitário curitibano Marcelo Acra, estudioso de artes visuais, destaca que essa nova A
  • 3. jovens,eles têm sede de grandes mudanças – força encontrada somente nos adolescentes – de querer criticar,mudar tudo o que veio das gerações ante- riores e transformar em melhor,mas que,ainda não conhecem a amplitude das conseqüências” ressalta. DESTREZAS DO CENTRO Independente das tantas outras diversas formas de expressões existentes, ainda há muita resistência, principalmente por parte dos mais velhos e comerciantes, a olhar com bons olhos esta cultura adolescente. Para Estela Rohde, re- presentante da Associação dos Condomínios Ga- rantidos do Brasil - empresa que faz cobranças de condomínios na capital do Paraná - muitos prédios perdem valor comercial. “Ninguém gosta de ver nada sujo. Isso torna o local muito empobrecido, perigoso até.Você não vai investir em um lugar que está pichado. A primeira coisa que se pensa é:“Se eu pintar, eles vão pichar de novo”. E com isso, os mercados de imóveis, aluguéis, cobrança e comércio perdem”. A REVOLUÇÃO DAS ETIQUETAS O publicitário Marcelo Acra volta a de- fender a arte urbana:“Nem tudo também é ruim. Existem muitos pichadores que se profissionalizam e investem no grafitti, uma forma de arte com o spray, mas que tem o consentimento do dono do muro e é preciso uma aparelhagem específica,além do talento”. O grafitti é considerado um desenho muito bem mais trabalhado e nele se apresenta outras técnicas de pintura,como o rolo e tinta lá- tex – onde muitos poucos conseguem migrar para esta técnica.E Marcelo não está errado.Muitos que pelos muros passam, não entendem a mensagem que o grafitti ou a pichação quer passar, então, o adolescente deixa este interesse de lado – até porque surgem outros, como a responsabilidade social do trabalho, por exemplo – e ele deixou de se expressar para a sociedade, se adaptando a ela. Mas, como adolescentes ainda existem e novas tendências sempre surgem com uma velo- cidade muito mais rápida do que antigamente, eis que surge o “sticker”. Considerado como um dos precursores da técnica, no início dos anos 90, o norte-americano Shepard Fairey criou uma imagem em preto-e-branco do campeão de luta-livreAndre the Giant,com a inscrição“Obey Giant” (obedeça ao gigante).A imagem foi vista em 1995 em quase todos os EUA e grandes centros da Europa,e claro, no Brasil. Considerada por muitos uma técnica pós-grafite, o sticker é um adesivo que traz dese- nhos ou mensagens subliminares.“Não é só uma forma de expressão visual,é um pouco intelectual também, pois o desenho semioticamente quer te dizer alguma coisa, é algo meio psicológico. No desenho pode estar inserido ou uma palavra ou frase que pode fazer você divagar.
  • 4. Pier, onde você conheceu essa forma de expressão? Conheci vendo esse tipo de arte nas ruas.Via lambes na zona leste daqui de São Paulo. Aí comecei a me interessar mais e a conhecer mais esse tipo de intervenção; arte. Como você conheceu a técnica? Meus stickers são feitos graficamente. Uso Photoshop, Corel Draw, etc, pra criar os desenhos.Eu gostaria de ter técnica com as mãos,mas infelizmente não consigo. Depois, ou eu imprimo e xeroco, ou mando fazer uma tela de serigrafia (silk) ou faço stencil.Não lembro exatamente como conheci essas coisas.Foi na rua mesmo, vendo trabalhos de outras pessoas. E indo atrás pra conhecer. O teu sticker, ao que me parece, é o rosto de Karl Marx. Estou correta? Não é o rosto de Karl Marx, apesar de parecer. Muitos já me perguntaram se é o rosto de Bakunin, um revolucionário.Também não é, é o rosto de um velho qual- quer. (...) Teve uma época que eu comecei a reparar em como as pessoas olham pra idosos, nos transportes coletivos, nas ruas, em todo lugar por onde eu passava. Eu percebi que muitas vezes as pessoas encenam respeito, mas no fundo, o que realmente sentem é menosprezo. Eu criei a imagem do velho. E comecei a colar, mas quando comecei isso,já sabia que stickers existiam.Eu quero fazer com que as pessoas pensem e reparem na cidade, em meros detalhes que podem ser simples, mas que podem fazer muita diferença. Então a interpretação de cada um é livre? Depende. Os motivos são unânimes, do ponto de vista dos stickers. Mas a inter- pretação varia, e muito.As pessoas que vêem a arte acabam se perguntando: por que alguém faz isso? Cola esse desenho por aí? Qual será o objetivo dele com isso? Eu gosto disso. De fazer mentes trabalharem para alguma coisa que sai da rotina, alguma coisa alternativa e que possa ter algum sentindo que pode parecer simples, mas que no fundo tem um significado e uma tese interessante. Como você interpreta o seu? “Um velho. O que é o velho? Olhe pro velho. Imagine-se sendo velho. Vivendo o velho. No corpo dele. Com sua alma e sua essência. Imagine um dia sendo um velho.Barbudo,sujo e mundrungo.Como você se sente sendo menosprezado, ignorado, muitas vezes desrespeitado?Talvez não seja fácil ser um velho. Pelo lado social. O que você deve fazer? Ame um velho.” (...)Você poderia publicar uma frase junto? É simples. Claro. O que? Que eu amo minha namorada Maristela. Só isso. (Risos) Pier Ricardo, morador da Periferia da capital de São Paulo, 18 anos, estudante. Seu sticker está na abertura desta matéria, do qual ainda o cola em diversos lugares por onde passa. eu, STICKER É uma cultura para incentivar você a descobrir o que ele pensa” diz Marcelo. Essa técnica ganhou adeptos principalmente depois da popularização da internet, que permite que muitos troquem imagens com pessoas de todo o mundo. Também com outras variações, a mesma idéia de expressão pode ser vista pelo o stencil (pinturas na parede feitas por meio de molduras vazadas – muitos usam chapas de raio-x) e lambe-lambe (imagens impressas em folhas,geralmente em tamanhosA4 eA3 e são coladas com pincéis, da mesma forma que os outdoors - e em qualquer lugar). Só no site de discussões Orkut,existem (até a publicação desta revista) o mínimo de 200 fóruns sobre as técnicas. Dentre os mais populares estão “Eu colo stickers!!!!”, com 1.611 membros, “STENCIL”,com 2.852 membros e“Pichações VS Grafitti”, com 981 membros. PENSO, PORTANTO EXISTO O estudante Pier Riccardo, 18 anos, também morador da periferia de São Paulo – capital, é um adepto da técnica:“Eu colo os desenhos para quem quer olhar, ver. Poucas pessoas reparam.Geralmente são as que se interessam por arte,seja qual for o tipo dela”, diz o adolescente (confira a entrevista na pró- xima página). Mas, a psicóloga Daniele explica o motivo pelo qual você,leitor,ainda pode não ter visto um na rua. “Eles colam em lugares estratégicos, como topos de muros altos ou então quase escondidos, pois, de certa forma, por melhores artistas que se considerem,não gostam de críticas. Caso isso aconteça, para eles que ainda não conhecem os dissabores do mundo,é muito mais dolorido.Então,preferem receber apenas elogios ou comparações de quem também conhece a técnica, que sabem onde estão os lugares que colam.É uma forma de não receber a crítica o tempo todo” explica. De certa forma, para os que vêem como forma negativa estas ou outra qual- quer forma de expressão urbana, sente-se incomodado. “Sente-se por ser uma crítica. Ninguém se incomoda com telas de flores, por exemplo. Frases pichadas incentivam o pensamento, expressam que algo está errado, é proposto outros valores diferentes daqueles que já estão impostos”, diz Daniele. Para ela, é um erro não enxergar grandes revoluções, como a que ocorreu na Semana de Arte de 1922 – e que a história comprova que houve grandes estratégias para que fosse abafada. “Quando se inibe a expressão,a criatividade e a arte,infelizmente não existem outras formas de mudanças além do vandalismo, violência e guerras. Quando se investe na educação e criatividade, é o contrário” complementa.
  • 5. PICHAÇÃO Uma das formas mais tradicionais de protesto dos jovens nos grandes centros urbanos ainda é através da pichação com a lata de spray. Como nela se encontra apenas palavras com letras estilizadas,somente quem picha é que entende. É possível também fazer a pichação com estreitos rolos de tinta. Throw-up Usado como um laborató- rio para o grafitti, o throu-up significa “chegar no muro e vomitar rapidinho suas letras”, segundo o publicitário Marcelo Acra. Desenhados com um rolo estreito de tinta, muitos raramente optam pelo acaba- mento com spray; é também uma forma estilizada de mar- car território. As variações Grafitti Os poucos que tem o talento reconhecido,migram para o grafitti - o que exige mais tempo para se fazer grandes desenhos, com excelente acabamento (e entendimento). Os temas podem ser escolhidos pelos proprietarios dos muros, que geral- mente optam por imagens suaves. Stêncil Decalcados em lâminas de raio-x (ou qualquer outro material flexível e resistente),as formas são as mais variadas possíveis. Muitos personagens históricos são evidentes, assim como desenhos próprios com mensagens subliminares. Para você que não encontrou nenhum na rua ainda,qual seria sua interpretação,por exemplo,ao deparar-se com a personagem do filme francês,Amelie Poulain ou Ghandi?
  • 6. Fontes de Pesquisa: http://www.fotolog.net/pierconverge, http://www.choquecultural.com.br, http://www.stencilbrasil.com.br http://www.stencilrevolution.com, http://www.streetstickers.co.uk, http://www.obeygiant.com Associação dos Condomínios Garantidos do Brasil - http://www.acgb.com.br - (41) 3223-7708 Já para Píer,o garoto que cola stickers,questiona:“Acho que a questão aqui seria:O que é vandalismo?A rua é de todos.Claro,dentro do seu limite. Muitas pessoas podem achar que isso é vandalismo, talvez, e em algumas circunstâncias, realmente seja. Eu não me importo muito com isso. Sendo vandalismo ou não, nunca deixará de ser uma forma de expressão”. EDUCAR DESDE PEQUENOS Para inibir a pichação,Estela Rohde,daAssociação dos Condo- mínios Garantidos do Brasil,ministra palestras educativas da campanha “Despiche sua Cidade” em escolas de Ensino Fundamental.Lançado em 2000,um total de 48 mil jovens já participaram do incentivo da não-pi- chação até hoje.“Mas ainda precisamos de mais voluntários fazendo a mesma ação,que abracem também esta causa em todo país.O que não pode é parar”.Durante a palestra,são distribuídos folders e pequenos livros de bolso,onde um deles chama-se“O pesadelo de Guto”.Nele, o pequeno personagem Guto está andando pelas ruas quando vê ga- rotos pichando um muro, mas não toma nenhuma atitude.Ao dormir, sonha que está fazendo a mesma coisa e acaba preso. Quando se vê entre as grades,reflete na vergonha que os pais sentirão dele e chora. Ao acordar nervoso e constatar que era um sonho, decide que, cada vez que ver um ato de vandalismo, denunciará à polícia, um bom ato de cidadania que deve ser seguido pelos leitores infantis.Também na campanha,os alunos ajudam a pintar os muros externos pichados com cal – doação de grandes empresas desse setor,que também incentivam uma cidade mais limpa.“Para criar uma conscientização, não adianta fazer somente a limpeza e a pintura do lugar. É preciso antes de tudo identificar os problemas sociais e investir na educação”, completa Estela. E como a sociedade pode ajudar nisso? Não sendo apenas assistencialista,mas investir no futuro de jovens e crianças - descobrir o que eles têm de melhor, o que poderá ser o sustento deles quando adultos.A sociedade ainda tem a dificuldade de ver a arte como um trabalho, e sim como apenas mérito.“Se existisse um museu de Arte Contemporânea para qualquer adolescente se expor,o caminho seria diferente. Claro que não seriam grandes artistas, mas de uma forma ou outra, estaria lá sua forma de expressão”, complementa Daniele. Mas como tudo depende de decisões de altas sociedades e comunidades que julgam que a atenção para este assunto não é importante, os stickers, stencil, grafitti e pichações serão parte de uma rotina diária que não tem fim, e que acabará por ocupar cada vez mais ruas e galerias das quais você leitor, também passa.“Cabeça vazia é oficina do diabo.Tudo é uma questão de interesse”, finaliza o publicitário Marcelo. Com excelente criatividade, é através de desenhos como estes que os stickers compôem parte do atual cenário urbano. Mas, como estão no centro da cidade, a maioria não permanece mais do que cinco dias colados; são arrancados por funcionários de limpeza das prefeituras ou de entidades que prezam pela limpeza da região central. Muitos também desbotam, perdem a durabilidade da cola provocadas pelas ações do tempo ou então, novamente caem no anonimato quando um cartaz de banda ou político é colado por cima.