SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyui
opasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfgh
jklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcv
bnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwe
rtyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas
dfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklç
zxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm
qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyui
opasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfgh
jklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcv
bnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwe
rtyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas
dfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklç
zxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm
rtyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas
dfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklç
zxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm
RMS Titanic
A História
10-01-2012
RMS Titanic
Página 1
Introdução Página 2
O que é o RMS Titanic? Página 3
Construção Página 4
Recursos Página 5
História do Navio Páginas 6, 7 e 8
Curiosidades Página 9
Conclusão Página 10
Bibliografia Página 11
Índice
RMS Titanic
Página 2
Na disciplina de Estudo Acompanhado foi-nos
proposto abordar um tema: o Titanic.
Ao longo das nossas pesquisas, desvendámos
mistérios e descobrimos o que é realmente o Titanic,
como e quem o construiu, o grande desastre e, por fim,
algumas curiosidades.
Para nós, este trabalho revelou-se de grande
importância, pois ficámos a saber um pouco mais da
sua história e de como toda a tragédia decorreu.
Introdução
RMS Titanic
Página 3
O RMS (Royal Mail Ship – Navio do Correio Real)
Titanic foi um navio transatlântico (um navio que transporta
passageiros através do oceano) construído em Belfast, na
Irlanda do Norte. Até ao seu lançamento, em 1912, ele foi o
maior navio de passageiros do mundo.
O Titanic provinha de algumas das mais avançadas
tecnologias da época e foi popularmente referenciado como
"inafundável". Foi um grande choque para muitos, o facto de
que, apesar dessas tecnologias avançadas e da experiente
tripulação, o Titanic não só se tenha afundado, como causado
grande perda de vidas humanas.
O entusiasmo dos meios de comunicação social sobre as
vítimas famosas do Titanic, as lendas sobre o que aconteceu a
bordo do navio e a descoberta do local do naufrágio em 1985
por uma equipa liderada pelo Dr. Robert Ballard, fizeram com
que a história do Titanic ficasse célebre desde então.
Navio transatlântico - Titanic
O que é o RMS Titanic?
RMS Titanic
Página 4
O Titanic foi construído pela empresa Harland and
Wolff em Belfast, na Irlanda, destinado a competir com os
navios Lusitânia e Mauritânia da empresa rival Cunard Line.
O Titanic destinava-se a ser dos maiores e mais luxuosos
navios.
A construção do RMS Titanic começou em 31 de março
de 1909. O Titanic foi lançado ao mar no dia 31 de maio de
1911 e foi concluído em 31 de março do ano seguinte. O seu
comprimento total era de aproximadamente 269,10 m, a sua
largura era de 28 m e de altura tinha 18 metros.
O Titanic estava equipado com motores a vapor. Havia
29 caldeiras alimentadas por 159 fornos de carvão que
tornaram possível a velocidade máxima de 23 nós que
corresponde a 43 km/h. Apenas três das quatro chaminés de
19 metros de altura funcionavam; a quarta foi adicionada para
dar ao navio uma aparência mais impressionante.
O navio podia transportar um total de 3.547 pessoas,
entre passageiros e tripulação.
Construção do Titanic
Construção
RMS Titanic
Página 5
O Titanic superou todos os seus rivais em termos de luxo e
sumptuosidade.
A secção mais importante era constituída por uma piscina,
um ginásio, uma quadra de squash, banhos turcos (banhos a
vapor) e o Café Verandah. As salas foram enfeitadas com painéis
de madeira esculpidos, móveis caros e outras decorações. Havia
também bibliotecas e cabeleireiros.
O Titanic integrou recursos tecnológicos avançados para a
época. Tinha três elevadores, dois na secção primária e um na
secção secundária. Ele também tinha duas estações de rádio
Marconi que eram dirigidas por dois operadores que trabalhavam
em turnos, permitindo contacto constante e transmissão de muitas
mensagens aos passageiros.
Para a sua viagem inaugural, o Titanic carregava um total de
20 botes salva-vidas de três tipos diferentes:
o Botes 1 e 2: embarcações (veleiros) de madeira de emergência -
capacidade para 40 pessoas.
o Botes 3 a 16: botes de madeira - capacidade para 65 pessoas.
o Botes A, B, C e D: botes "desmontáveis" - capacidade para 47
pessoas.
O Titanic foi ainda equipado com cinco bombas de lastro,
usadas para equilibrar o navio.
A academia de ginástica do Titanic
Recursos
RMS Titanic
Página 6
História do Navio
Numa quarta-feira, dia 10 de abril de 1912, o navio iniciou a
sua viagem inaugural, em Southampton, na Inglaterra, com
destino à cidade de Nova York, nos Estados Unidos, com o
Capitão Edward J. Smith no comando.
Depois de atravessar o Canal da Mancha, o Titanic parou
em Cherbourg, França, para receber mais passageiros e parou
novamente no dia seguinte em Queenstown (hoje conhecida
como Cobh), na Irlanda. Quando finalmente partiu para Nova
Iorque, havia 2.240 pessoas a bordo.
Na viagem inaugural do Titanic, algumas das mais
importantes pessoas da época estavam a viajar na primeira classe
(secção do navio mais importante).
Ao anoitecer de domingo, dia 14 de abril, a temperatura
tinha arrefecido e o oceano estava calmo. A Lua não era visível
(estando dois dias antes da Lua Nova) e o céu estava limpo. O
Capitão Smith, em resposta aos avisos de icebergs recebidos pela
rádio nos dias anteriores, traçou um novo percurso que levava o
navio um pouco mais a sul. Às 13:45 daquele dia, uma mensagem
avisou que grandes icebergs estavam no caminho do Titanic.
Capitão Edward J. Smith, Viagem inaugural do Titanic
oficial comandante do Titanic
RMS Titanic
Página 7
Às 23h40, os guardas avistaram um iceberg em frente do
navio. Um deles, imediatamente, tocou o sino de alerta três vezes
e, 47 segundos após o avistamento do iceberg, houve o choque. O
iceberg "arranhou" o lado estibordo (direito) do navio. Vinte
minutos após a colisão, a proa já começava a inclinar e pouco
depois da meia-noite de 15 de abril, foi ordenado que os botes
fossem preparados para lançamento e que sinais de socorro
começassem a ser enviados.
À 0h05, o Comandante Smith solicitou que os passageiros
fossem acordados e que se dirigissem onde se encontravam os
botes salva-vidas para saírem do navio. Sabiam que o número de
botes era suficiente para apenas pouco mais de metade das
pessoas a bordo e por isso pediu para não haver pânico. Os
empregados começaram a passar de cabine em cabine, acordando
os passageiros, pedindo para colocarem os coletes salva-vidas e se
deslocassem para perto dos botes. Enquanto isso, os outros
passageiros permaneciam trancados no grande salão da terceira
classe junto à popa (parte de trás do navio). Muitos passageiros
revoltaram-se, e alguns aventuraram-se pelos labirintos de
corredores no interior do navio para tentar encontrar outra saída.
Alguns conseguiram escapar com vida, mas muitos deles
acabaram afogados dentro do Titanic. A saída das pessoas tinha
sido feita de acordo com as classes sociais a que os passageiros
pertenciam.
Iceberg Afundamento do Titanic
RMS Titanic
Página 8
À 0h31, os botes começam a ser preenchidos,
primeiramente, com mulheres e crianças. Entretanto, a estibordo
do navio o Primeiro-oficial Murdock permitia a entrada de
homens solteiros e casais nos botes, após a entrada de mulheres e
crianças, e fazia os botes descer completamente cheios. Por isso,
muitos homens que se salvaram devem a sua vida a esse oficial.
A fim de evitar o pânico, o capitão implorou que a orquestra
de bordo viesse tocar junto aos botes para acalmar os passageiros.
À 1h25, a inclinação do navio transatlântico ficou maior.
Ordens são dadas para que os botes desçam mais cheios.
Enquanto nos primeiros botes tinha que se implorar para que as
pessoas entrassem, fazendo muitos deles descer praticamente
vazios, nos últimos o alvoroço era bem visível.
Às 2h05 é baixado o último bote salva-vidas, o
“desmontável” D, com 44 pessoas.
Na primeira chaminé, os cabos de sustentação, não
aguentando mais a pressão sobre eles, rebentam, e a chaminé
desliza para a água, “esmagando” dezenas de pessoas no barco e
na água, incluindo o homem mais rico do navio. O mesmo
acontece com a segunda chaminé.
Quando a inclinação chega ao 43º, a terceira chaminé sofre
um rompimento, dividindo o barco em dois. A proa afunda-se,
arrasta a popa, deixando-a na vertical; segundos depois, a proa
solta-se da popa e mergulha para as profundezas. Após estar
emersa durante dois minutos, a popa começa a descer, levando
consigo dezenas de passageiros.
Às 2h20, o navio submerge-se pelas profundezas do oceano.
Apenas 706 pessoas sobreviveram ao naufrágio, 700 através
dos botes e 6 foram salvas no oceano ainda com vida.
RMS Titanic
Página 9
Curiosidades
 Catorze anos antes da trágica viagem, um escritor escreveu um
livro dramático intitulado “Futilidade”, que narrava a história de
um navio de nome Titan, considerado indestrutível, que numa
noite fria de abril - tal e qual como foi com o Titanic - choca com
um iceberg e afunda-se. O mais assombroso é que tanto o número
de mortes referido na história, como a capacidade do navio
fictício, e a maioria das características técnicas do Titan eram
exatamente iguais às do Titanic. Para muitos, não passou de uma
estranha e arrepiante coincidência e, para outros, terá sido
um pressentimento.
 Ao ter sido visto o iceberg, o 1º Oficial ordenou a troca dos
motores do navio. Se tivessem, simplesmente, virado o leme, à
velocidade que iam, o Titanic teria sido desviado do iceberg,
conseguindo contorná-lo e assim evitar a colisão. Seria apenas
necessário corrigir depois a direção que o Titanic tomaria.
 Na altura da colisão, a tripulação do Titanic pareceu ter avistado
luzes no céu e no mar que, seriam do navio SS Californian. O
Titanic lançou fogos de artifício para pedir ajuda e o outro navio
pareceu aproximar-se. Porém, as luzes desapareceram de repente;
pensa-se que o Californian se recusou a ajudar o Titanic.
 O Memorial das Mulheres do Titanic é
um monumento de granito no sudoeste de Washington D.C. que
homenageia as mulheres sobreviventes do acidente no RMS
Titanic, que foram salvas graças à colaboração da tripulação.
RMS Titanic
Página 10
Conclusão
Após a elaboração deste trabalho, podemos
concluir que foi feito com bastante empenho e
motivação.
Tratou-se de um tema em que adquirimos
conhecimentos fundamentais sobre um dos mais
luxuosos e sumptuosos navios transatlânticos do
mundo.
A sua trágica e dramática história fascinou-nos e
levou-nos ainda a refletir como aquele acidente se
tornou memorável para toda a Humanidade.
RMS Titanic
Página 11
Bibliografia
 http://pt.wikipedia.org/wiki/RMS_ Titanic
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Memorial_das_Mulher
es_do_Titanic
 http://www.naufragios.com.br/titanic.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousananasimao
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesAnaGomes40
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVISara Leonardo
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoClaudia Ribeiro
 
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoericahomemmelo
 
Património cultural patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...
Património cultural   patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...Património cultural   patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...
Património cultural patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...Artur Filipe dos Santos
 
Romeu e julieta
Romeu e julietaRomeu e julieta
Romeu e julietaMary Veras
 
Capítulo XV - MC
Capítulo XV - MCCapítulo XV - MC
Capítulo XV - MC12anogolega
 
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptxA dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptxCecliaGomes25
 
Capitães de abril
Capitães de abrilCapitães de abril
Capitães de abrilberenvaz
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerHelena Coutinho
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millFilazambuja
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
 
Património cultural patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...
Património cultural   patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...Património cultural   patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...
Património cultural patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...
 
Romeu e julieta
Romeu e julietaRomeu e julieta
Romeu e julieta
 
Capítulo XV - MC
Capítulo XV - MCCapítulo XV - MC
Capítulo XV - MC
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
 
Maias - capitulo 3
Maias - capitulo 3Maias - capitulo 3
Maias - capitulo 3
 
Ria formosa
Ria formosaRia formosa
Ria formosa
 
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptxA dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
A dimensão trágica em _Frei Luís de Sousa_.pptx
 
Capitães de abril
Capitães de abrilCapitães de abril
Capitães de abril
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 

Destaque

Apresentação do seminário de história
Apresentação do seminário de históriaApresentação do seminário de história
Apresentação do seminário de históriacontemporaniotempo
 
Material failure of titanic ship.
Material failure of titanic ship.Material failure of titanic ship.
Material failure of titanic ship.ravi bhivra
 
TITANIC'S ETHICAL CASE STUDY
TITANIC'S ETHICAL CASE STUDYTITANIC'S ETHICAL CASE STUDY
TITANIC'S ETHICAL CASE STUDYWajahat Sheikh
 
Capitalismo Financeiro
Capitalismo FinanceiroCapitalismo Financeiro
Capitalismo FinanceiroIvanilson Lima
 
Titanic presentation main
Titanic presentation mainTitanic presentation main
Titanic presentation mainBadapple96
 

Destaque (10)

TITANIC
TITANICTITANIC
TITANIC
 
Apresentação do seminário de história
Apresentação do seminário de históriaApresentação do seminário de história
Apresentação do seminário de história
 
Rms Titanic
Rms TitanicRms Titanic
Rms Titanic
 
RMS Titanic
RMS TitanicRMS Titanic
RMS Titanic
 
Titanic. copia
Titanic.   copiaTitanic.   copia
Titanic. copia
 
Titanic
TitanicTitanic
Titanic
 
Material failure of titanic ship.
Material failure of titanic ship.Material failure of titanic ship.
Material failure of titanic ship.
 
TITANIC'S ETHICAL CASE STUDY
TITANIC'S ETHICAL CASE STUDYTITANIC'S ETHICAL CASE STUDY
TITANIC'S ETHICAL CASE STUDY
 
Capitalismo Financeiro
Capitalismo FinanceiroCapitalismo Financeiro
Capitalismo Financeiro
 
Titanic presentation main
Titanic presentation mainTitanic presentation main
Titanic presentation main
 

Semelhante a História do Naufrágio do Titanic em

SOBREVIVÊNCIA EM ALTO MAR- salvatagem e naufrágios.pdf
SOBREVIVÊNCIA EM ALTO MAR- salvatagem e naufrágios.pdfSOBREVIVÊNCIA EM ALTO MAR- salvatagem e naufrágios.pdf
SOBREVIVÊNCIA EM ALTO MAR- salvatagem e naufrágios.pdfsampagamerbr
 
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte2
Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte2Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte2
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte2Ariovaldo Cunha
 
O ultimo heroi do titanic moody adams
O ultimo heroi do titanic   moody adamsO ultimo heroi do titanic   moody adams
O ultimo heroi do titanic moody adamspauloweimann
 
Fragata de D. Fernando II
Fragata de D. Fernando IIFragata de D. Fernando II
Fragata de D. Fernando IIIrene Aguiar
 
Fragata D. fernando II
Fragata D. fernando IIFragata D. fernando II
Fragata D. fernando IILeunam Max
 
Da Alemanha +á Col+¦nia Dona Francisca.ppt
Da Alemanha +á Col+¦nia Dona Francisca.pptDa Alemanha +á Col+¦nia Dona Francisca.ppt
Da Alemanha +á Col+¦nia Dona Francisca.pptRicardo603357
 
A história do bondinho do Pão de Açúcar - Rio de Janeiro
A história do bondinho do Pão de Açúcar - Rio de JaneiroA história do bondinho do Pão de Açúcar - Rio de Janeiro
A história do bondinho do Pão de Açúcar - Rio de JaneiroOracy Filho
 
A história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarA história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarPhellipecd
 
A história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarA história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarPhellipecd
 
Rio de janeiro antigo bondinho do pão de açúcar
Rio de janeiro antigo   bondinho do pão de açúcarRio de janeiro antigo   bondinho do pão de açúcar
Rio de janeiro antigo bondinho do pão de açúcarIvan Gondim
 
A história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarA história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcaraipaf
 
Navio Carl Hoepcke
Navio Carl HoepckeNavio Carl Hoepcke
Navio Carl HoepckeClaus Jensen
 
Titanic comoseconstriumalenda-111022174250-phpapp02
Titanic comoseconstriumalenda-111022174250-phpapp02Titanic comoseconstriumalenda-111022174250-phpapp02
Titanic comoseconstriumalenda-111022174250-phpapp02Aldo Cioffi
 
Tipos de Embarcação
Tipos de EmbarcaçãoTipos de Embarcação
Tipos de EmbarcaçãoAndrade
 
Titanic - Como se constrói uma lenda
Titanic - Como se constrói uma lendaTitanic - Como se constrói uma lenda
Titanic - Como se constrói uma lendaBruno Dinardi
 
Download e-book-julio-verne-a-ilha-misteriosa-1-www.download.e-book.net
Download e-book-julio-verne-a-ilha-misteriosa-1-www.download.e-book.netDownload e-book-julio-verne-a-ilha-misteriosa-1-www.download.e-book.net
Download e-book-julio-verne-a-ilha-misteriosa-1-www.download.e-book.netAthenas Newcity
 
A história do_bondinho_do_pão_de _açúcar
A história do_bondinho_do_pão_de _açúcarA história do_bondinho_do_pão_de _açúcar
A história do_bondinho_do_pão_de _açúcarAriana Martins
 
A história do bondinho do pão de (3)
A história do bondinho do pão de   (3)A história do bondinho do pão de   (3)
A história do bondinho do pão de (3)Sylvia Lenz
 

Semelhante a História do Naufrágio do Titanic em (20)

SOBREVIVÊNCIA EM ALTO MAR- salvatagem e naufrágios.pdf
SOBREVIVÊNCIA EM ALTO MAR- salvatagem e naufrágios.pdfSOBREVIVÊNCIA EM ALTO MAR- salvatagem e naufrágios.pdf
SOBREVIVÊNCIA EM ALTO MAR- salvatagem e naufrágios.pdf
 
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte2
Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte2Charles berlitz   o triângulo das bermudas-parte2
Charles berlitz o triângulo das bermudas-parte2
 
O ultimo heroi do titanic moody adams
O ultimo heroi do titanic   moody adamsO ultimo heroi do titanic   moody adams
O ultimo heroi do titanic moody adams
 
Fragata d. fernando ii
Fragata d. fernando iiFragata d. fernando ii
Fragata d. fernando ii
 
Fragata de D. Fernando II
Fragata de D. Fernando IIFragata de D. Fernando II
Fragata de D. Fernando II
 
Fragata D. fernando II
Fragata D. fernando IIFragata D. fernando II
Fragata D. fernando II
 
Da Alemanha +á Col+¦nia Dona Francisca.ppt
Da Alemanha +á Col+¦nia Dona Francisca.pptDa Alemanha +á Col+¦nia Dona Francisca.ppt
Da Alemanha +á Col+¦nia Dona Francisca.ppt
 
A história do bondinho do Pão de Açúcar - Rio de Janeiro
A história do bondinho do Pão de Açúcar - Rio de JaneiroA história do bondinho do Pão de Açúcar - Rio de Janeiro
A história do bondinho do Pão de Açúcar - Rio de Janeiro
 
A história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarA história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcar
 
A história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarA história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcar
 
Rio de janeiro antigo bondinho do pão de açúcar
Rio de janeiro antigo   bondinho do pão de açúcarRio de janeiro antigo   bondinho do pão de açúcar
Rio de janeiro antigo bondinho do pão de açúcar
 
A história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarA história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcar
 
Navio Carl Hoepcke
Navio Carl HoepckeNavio Carl Hoepcke
Navio Carl Hoepcke
 
Návio Carl Hopcke
Návio Carl HopckeNávio Carl Hopcke
Návio Carl Hopcke
 
Titanic comoseconstriumalenda-111022174250-phpapp02
Titanic comoseconstriumalenda-111022174250-phpapp02Titanic comoseconstriumalenda-111022174250-phpapp02
Titanic comoseconstriumalenda-111022174250-phpapp02
 
Tipos de Embarcação
Tipos de EmbarcaçãoTipos de Embarcação
Tipos de Embarcação
 
Titanic - Como se constrói uma lenda
Titanic - Como se constrói uma lendaTitanic - Como se constrói uma lenda
Titanic - Como se constrói uma lenda
 
Download e-book-julio-verne-a-ilha-misteriosa-1-www.download.e-book.net
Download e-book-julio-verne-a-ilha-misteriosa-1-www.download.e-book.netDownload e-book-julio-verne-a-ilha-misteriosa-1-www.download.e-book.net
Download e-book-julio-verne-a-ilha-misteriosa-1-www.download.e-book.net
 
A história do_bondinho_do_pão_de _açúcar
A história do_bondinho_do_pão_de _açúcarA história do_bondinho_do_pão_de _açúcar
A história do_bondinho_do_pão_de _açúcar
 
A história do bondinho do pão de (3)
A história do bondinho do pão de   (3)A história do bondinho do pão de   (3)
A história do bondinho do pão de (3)
 

Mais de PAFB

O planeta cilíndrico
O planeta cilíndricoO planeta cilíndrico
O planeta cilíndricoPAFB
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-pointPAFB
 
Ficha de leitura 13
Ficha de leitura 13Ficha de leitura 13
Ficha de leitura 13PAFB
 
Ficha de leitura 12
Ficha de leitura 12Ficha de leitura 12
Ficha de leitura 12PAFB
 
Ficha de leitura 6
Ficha de leitura 6Ficha de leitura 6
Ficha de leitura 6PAFB
 
Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1PAFB
 
Revolução dos cravos
Revolução dos cravosRevolução dos cravos
Revolução dos cravosPAFB
 
Valores humanos justiça
Valores humanos   justiçaValores humanos   justiça
Valores humanos justiçaPAFB
 
Valores humanos ética
Valores humanos   éticaValores humanos   ética
Valores humanos éticaPAFB
 
Valores humanos disciplina
Valores humanos   disciplinaValores humanos   disciplina
Valores humanos disciplinaPAFB
 
Valores humanos
Valores humanosValores humanos
Valores humanosPAFB
 
Valores humanos paz
Valores humanos   pazValores humanos   paz
Valores humanos pazPAFB
 
O peixe azul
O peixe azulO peixe azul
O peixe azulPAFB
 
Ficha de leitura 9
Ficha de leitura 9Ficha de leitura 9
Ficha de leitura 9PAFB
 
Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8PAFB
 
Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7PAFB
 
Ficha de leitura 5
Ficha de leitura 5Ficha de leitura 5
Ficha de leitura 5PAFB
 
Ficha de leitura 3
Ficha de leitura 3Ficha de leitura 3
Ficha de leitura 3PAFB
 
Ficha de leitura 4
Ficha de leitura 4Ficha de leitura 4
Ficha de leitura 4PAFB
 
Ficha de leitura 2
Ficha de leitura 2Ficha de leitura 2
Ficha de leitura 2PAFB
 

Mais de PAFB (20)

O planeta cilíndrico
O planeta cilíndricoO planeta cilíndrico
O planeta cilíndrico
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
 
Ficha de leitura 13
Ficha de leitura 13Ficha de leitura 13
Ficha de leitura 13
 
Ficha de leitura 12
Ficha de leitura 12Ficha de leitura 12
Ficha de leitura 12
 
Ficha de leitura 6
Ficha de leitura 6Ficha de leitura 6
Ficha de leitura 6
 
Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1
 
Revolução dos cravos
Revolução dos cravosRevolução dos cravos
Revolução dos cravos
 
Valores humanos justiça
Valores humanos   justiçaValores humanos   justiça
Valores humanos justiça
 
Valores humanos ética
Valores humanos   éticaValores humanos   ética
Valores humanos ética
 
Valores humanos disciplina
Valores humanos   disciplinaValores humanos   disciplina
Valores humanos disciplina
 
Valores humanos
Valores humanosValores humanos
Valores humanos
 
Valores humanos paz
Valores humanos   pazValores humanos   paz
Valores humanos paz
 
O peixe azul
O peixe azulO peixe azul
O peixe azul
 
Ficha de leitura 9
Ficha de leitura 9Ficha de leitura 9
Ficha de leitura 9
 
Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8
 
Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7
 
Ficha de leitura 5
Ficha de leitura 5Ficha de leitura 5
Ficha de leitura 5
 
Ficha de leitura 3
Ficha de leitura 3Ficha de leitura 3
Ficha de leitura 3
 
Ficha de leitura 4
Ficha de leitura 4Ficha de leitura 4
Ficha de leitura 4
 
Ficha de leitura 2
Ficha de leitura 2Ficha de leitura 2
Ficha de leitura 2
 

História do Naufrágio do Titanic em

  • 2. RMS Titanic Página 1 Introdução Página 2 O que é o RMS Titanic? Página 3 Construção Página 4 Recursos Página 5 História do Navio Páginas 6, 7 e 8 Curiosidades Página 9 Conclusão Página 10 Bibliografia Página 11 Índice
  • 3. RMS Titanic Página 2 Na disciplina de Estudo Acompanhado foi-nos proposto abordar um tema: o Titanic. Ao longo das nossas pesquisas, desvendámos mistérios e descobrimos o que é realmente o Titanic, como e quem o construiu, o grande desastre e, por fim, algumas curiosidades. Para nós, este trabalho revelou-se de grande importância, pois ficámos a saber um pouco mais da sua história e de como toda a tragédia decorreu. Introdução
  • 4. RMS Titanic Página 3 O RMS (Royal Mail Ship – Navio do Correio Real) Titanic foi um navio transatlântico (um navio que transporta passageiros através do oceano) construído em Belfast, na Irlanda do Norte. Até ao seu lançamento, em 1912, ele foi o maior navio de passageiros do mundo. O Titanic provinha de algumas das mais avançadas tecnologias da época e foi popularmente referenciado como "inafundável". Foi um grande choque para muitos, o facto de que, apesar dessas tecnologias avançadas e da experiente tripulação, o Titanic não só se tenha afundado, como causado grande perda de vidas humanas. O entusiasmo dos meios de comunicação social sobre as vítimas famosas do Titanic, as lendas sobre o que aconteceu a bordo do navio e a descoberta do local do naufrágio em 1985 por uma equipa liderada pelo Dr. Robert Ballard, fizeram com que a história do Titanic ficasse célebre desde então. Navio transatlântico - Titanic O que é o RMS Titanic?
  • 5. RMS Titanic Página 4 O Titanic foi construído pela empresa Harland and Wolff em Belfast, na Irlanda, destinado a competir com os navios Lusitânia e Mauritânia da empresa rival Cunard Line. O Titanic destinava-se a ser dos maiores e mais luxuosos navios. A construção do RMS Titanic começou em 31 de março de 1909. O Titanic foi lançado ao mar no dia 31 de maio de 1911 e foi concluído em 31 de março do ano seguinte. O seu comprimento total era de aproximadamente 269,10 m, a sua largura era de 28 m e de altura tinha 18 metros. O Titanic estava equipado com motores a vapor. Havia 29 caldeiras alimentadas por 159 fornos de carvão que tornaram possível a velocidade máxima de 23 nós que corresponde a 43 km/h. Apenas três das quatro chaminés de 19 metros de altura funcionavam; a quarta foi adicionada para dar ao navio uma aparência mais impressionante. O navio podia transportar um total de 3.547 pessoas, entre passageiros e tripulação. Construção do Titanic Construção
  • 6. RMS Titanic Página 5 O Titanic superou todos os seus rivais em termos de luxo e sumptuosidade. A secção mais importante era constituída por uma piscina, um ginásio, uma quadra de squash, banhos turcos (banhos a vapor) e o Café Verandah. As salas foram enfeitadas com painéis de madeira esculpidos, móveis caros e outras decorações. Havia também bibliotecas e cabeleireiros. O Titanic integrou recursos tecnológicos avançados para a época. Tinha três elevadores, dois na secção primária e um na secção secundária. Ele também tinha duas estações de rádio Marconi que eram dirigidas por dois operadores que trabalhavam em turnos, permitindo contacto constante e transmissão de muitas mensagens aos passageiros. Para a sua viagem inaugural, o Titanic carregava um total de 20 botes salva-vidas de três tipos diferentes: o Botes 1 e 2: embarcações (veleiros) de madeira de emergência - capacidade para 40 pessoas. o Botes 3 a 16: botes de madeira - capacidade para 65 pessoas. o Botes A, B, C e D: botes "desmontáveis" - capacidade para 47 pessoas. O Titanic foi ainda equipado com cinco bombas de lastro, usadas para equilibrar o navio. A academia de ginástica do Titanic Recursos
  • 7. RMS Titanic Página 6 História do Navio Numa quarta-feira, dia 10 de abril de 1912, o navio iniciou a sua viagem inaugural, em Southampton, na Inglaterra, com destino à cidade de Nova York, nos Estados Unidos, com o Capitão Edward J. Smith no comando. Depois de atravessar o Canal da Mancha, o Titanic parou em Cherbourg, França, para receber mais passageiros e parou novamente no dia seguinte em Queenstown (hoje conhecida como Cobh), na Irlanda. Quando finalmente partiu para Nova Iorque, havia 2.240 pessoas a bordo. Na viagem inaugural do Titanic, algumas das mais importantes pessoas da época estavam a viajar na primeira classe (secção do navio mais importante). Ao anoitecer de domingo, dia 14 de abril, a temperatura tinha arrefecido e o oceano estava calmo. A Lua não era visível (estando dois dias antes da Lua Nova) e o céu estava limpo. O Capitão Smith, em resposta aos avisos de icebergs recebidos pela rádio nos dias anteriores, traçou um novo percurso que levava o navio um pouco mais a sul. Às 13:45 daquele dia, uma mensagem avisou que grandes icebergs estavam no caminho do Titanic. Capitão Edward J. Smith, Viagem inaugural do Titanic oficial comandante do Titanic
  • 8. RMS Titanic Página 7 Às 23h40, os guardas avistaram um iceberg em frente do navio. Um deles, imediatamente, tocou o sino de alerta três vezes e, 47 segundos após o avistamento do iceberg, houve o choque. O iceberg "arranhou" o lado estibordo (direito) do navio. Vinte minutos após a colisão, a proa já começava a inclinar e pouco depois da meia-noite de 15 de abril, foi ordenado que os botes fossem preparados para lançamento e que sinais de socorro começassem a ser enviados. À 0h05, o Comandante Smith solicitou que os passageiros fossem acordados e que se dirigissem onde se encontravam os botes salva-vidas para saírem do navio. Sabiam que o número de botes era suficiente para apenas pouco mais de metade das pessoas a bordo e por isso pediu para não haver pânico. Os empregados começaram a passar de cabine em cabine, acordando os passageiros, pedindo para colocarem os coletes salva-vidas e se deslocassem para perto dos botes. Enquanto isso, os outros passageiros permaneciam trancados no grande salão da terceira classe junto à popa (parte de trás do navio). Muitos passageiros revoltaram-se, e alguns aventuraram-se pelos labirintos de corredores no interior do navio para tentar encontrar outra saída. Alguns conseguiram escapar com vida, mas muitos deles acabaram afogados dentro do Titanic. A saída das pessoas tinha sido feita de acordo com as classes sociais a que os passageiros pertenciam. Iceberg Afundamento do Titanic
  • 9. RMS Titanic Página 8 À 0h31, os botes começam a ser preenchidos, primeiramente, com mulheres e crianças. Entretanto, a estibordo do navio o Primeiro-oficial Murdock permitia a entrada de homens solteiros e casais nos botes, após a entrada de mulheres e crianças, e fazia os botes descer completamente cheios. Por isso, muitos homens que se salvaram devem a sua vida a esse oficial. A fim de evitar o pânico, o capitão implorou que a orquestra de bordo viesse tocar junto aos botes para acalmar os passageiros. À 1h25, a inclinação do navio transatlântico ficou maior. Ordens são dadas para que os botes desçam mais cheios. Enquanto nos primeiros botes tinha que se implorar para que as pessoas entrassem, fazendo muitos deles descer praticamente vazios, nos últimos o alvoroço era bem visível. Às 2h05 é baixado o último bote salva-vidas, o “desmontável” D, com 44 pessoas. Na primeira chaminé, os cabos de sustentação, não aguentando mais a pressão sobre eles, rebentam, e a chaminé desliza para a água, “esmagando” dezenas de pessoas no barco e na água, incluindo o homem mais rico do navio. O mesmo acontece com a segunda chaminé. Quando a inclinação chega ao 43º, a terceira chaminé sofre um rompimento, dividindo o barco em dois. A proa afunda-se, arrasta a popa, deixando-a na vertical; segundos depois, a proa solta-se da popa e mergulha para as profundezas. Após estar emersa durante dois minutos, a popa começa a descer, levando consigo dezenas de passageiros. Às 2h20, o navio submerge-se pelas profundezas do oceano. Apenas 706 pessoas sobreviveram ao naufrágio, 700 através dos botes e 6 foram salvas no oceano ainda com vida.
  • 10. RMS Titanic Página 9 Curiosidades  Catorze anos antes da trágica viagem, um escritor escreveu um livro dramático intitulado “Futilidade”, que narrava a história de um navio de nome Titan, considerado indestrutível, que numa noite fria de abril - tal e qual como foi com o Titanic - choca com um iceberg e afunda-se. O mais assombroso é que tanto o número de mortes referido na história, como a capacidade do navio fictício, e a maioria das características técnicas do Titan eram exatamente iguais às do Titanic. Para muitos, não passou de uma estranha e arrepiante coincidência e, para outros, terá sido um pressentimento.  Ao ter sido visto o iceberg, o 1º Oficial ordenou a troca dos motores do navio. Se tivessem, simplesmente, virado o leme, à velocidade que iam, o Titanic teria sido desviado do iceberg, conseguindo contorná-lo e assim evitar a colisão. Seria apenas necessário corrigir depois a direção que o Titanic tomaria.  Na altura da colisão, a tripulação do Titanic pareceu ter avistado luzes no céu e no mar que, seriam do navio SS Californian. O Titanic lançou fogos de artifício para pedir ajuda e o outro navio pareceu aproximar-se. Porém, as luzes desapareceram de repente; pensa-se que o Californian se recusou a ajudar o Titanic.  O Memorial das Mulheres do Titanic é um monumento de granito no sudoeste de Washington D.C. que homenageia as mulheres sobreviventes do acidente no RMS Titanic, que foram salvas graças à colaboração da tripulação.
  • 11. RMS Titanic Página 10 Conclusão Após a elaboração deste trabalho, podemos concluir que foi feito com bastante empenho e motivação. Tratou-se de um tema em que adquirimos conhecimentos fundamentais sobre um dos mais luxuosos e sumptuosos navios transatlânticos do mundo. A sua trágica e dramática história fascinou-nos e levou-nos ainda a refletir como aquele acidente se tornou memorável para toda a Humanidade.
  • 12. RMS Titanic Página 11 Bibliografia  http://pt.wikipedia.org/wiki/RMS_ Titanic  http://pt.wikipedia.org/wiki/Memorial_das_Mulher es_do_Titanic  http://www.naufragios.com.br/titanic.htm