SlideShare uma empresa Scribd logo
Relig mund aula 2
O SACRO E O PROFANO
• Os religiosos orientais criam na existência de vários deuses;
os judeus, maometanos e cristãos acreditam que há apenas uma
divindade, um ser impassível de ser sentido pelos sensores
humanos e que é capaz de provocar acontecimentos
improváveis/impossíveis que podem favorecer ou prejudicar os
homens.
• Para grande parte das religiões, as coisas e as ações se
dividem entre sacras e profanas.
• Sacro é aquilo que mantém uma ligação/relação com o(s)
deus(es).
• Frequentemente está relacionado ao conceito de moralidade.
• Profano é aquilo que não mantém nenhuma ligação com o(s)
deus(es).
• Já o verbo "profanar" (tornar algo profano) é sempre tido como
uma ação má pelos religiosos.
AS TRÊS CARACTERÍSTICAS COMUNS
• As religiões possuem grandes narrativas, que
explicam o começo do mundo ou que legitimam a
sua existência.
• O exemplo mais conhecido é talvez a narrativa do
Gênesis na tradição judaica e cristã.
• Quanto à legitimação da existência e da
validade de um sistema religioso, este costuma
apelar a uma revelação ou à obtenção de uma
sabedoria por parte de um fundador, como sucede
no budismo, onde o Buda alcançou a iluminação
enquanto meditava debaixo de uma figueira ou no
Islão, em que Muhammad recebeu a revelação do
Corão de Deus.
• As religiões tendem igualmente a sacralizar determinados
locais.
• Os motivos para essa sacralização são variados, podendo
estar relacionados com determinado evento na história da
religião (por exemplo, a importância do Muro das
Lamentações no judaísmo) ou porque a esses locais são
associados a acontecimentos miraculosos (santuários
católicos de Fátima ou de Lourdes) ou porque são marcos de
eventos religiosos relacionados à mitologia da própria
religião (monumentos megalíticos, como Stonehenge, no caso
das religiões pagãs).
• Na antiga religião grega, os templos não eram locais para a
prática religiosa, mas sim locais onde se acreditava que
habitava a divindade, sendo por isso sagrados.
• As religiões estabelecem que certos períodos temporais
são especiais e dedicados a uma interação com o divino.
• Esses períodos podem ser anuais, mensais, semanais ou
podem mesmo se desenrolar ao longo de um dia.
• Algumas religiões consideram que certos dias da semana
são sagrados (Shabat no judaísmo ou o Domingo no
cristianismo), outras marcam esses dias sagrados de
acordo com fenômenos da natureza, como as fases da lua,
na religião Wicca, em que todo primeiro dia de lua cheia
esbat é considerado sagrado.
• As religiões propõem festas ou períodos de jejum e
meditação que se desenvolvem ao longo do ano.
Classificação das religiões
Classificação geográfica
Esta classificação procura agrupar as religiões com
base em critérios geográficos, como a concentração
numa determinada região ou o fato de certas
religiões terem nascido na mesma região do mundo:
Religiões do Oriente Médio: judaísmo,
cristianismo, islamismo, zoroastrismo, fé bahá'í;
Religiões do Extremo Oriente: confucionismo,
taoísmo, budismo e xintoísmo;
Religiões da Índia: hinduísmo, jainismo, budismo
e siquismo;
Religiões africanas: religiões dos povos tribais da
África Negra;
Religiões da Oceania: religiões dos povos das
ilhas do Pacífico, da Austrália e da Nova Zelândia;
Religiões da Antiga Grécia e Roma.
NÚMERO DE ADEPTOS POR RELIGIÃO
(Segundo Gordon Conwell Theological Seminary)
Cristianismo: 2.100.000.000
Islão: 1.300.000.000
Hinduísmo: 970.000.000
Sem religião: 769.000.000
Religiões tradicionais chinesas: 405.000.000
Protestantismo: 375.000.000
Cristianismo Ortodoxo: 220.000.000
Anglicanismo: 80.000.000
Cristãos independentes: 430.000.000
Budismo: 379.000.000
Sikhismo: 25.000.000
Judaísmo: 15.000.000
Religiões tradicionais africanas: 100.000.000
Novas religiões: 108.000.000
CARACTERÍSTICAS DAS RELIGIÕES
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
HINDUÍSMO
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
O Hinduísmo foi dividido em fases para melhor
apresentar sua história: Hinduísmo Védico, Hinduísmo
Bramânico e Hinduísmo Híbrido. Na primeira fase,
chamada de Hinduísmo Védico, cultuava-se deuses tribais
como Dyaus (deus do céu, deus supremo) que gerou outros
deuses. Na segunda fase, a partir de adaptações de
outras religiões, surgiu o Hinduísmo Bramânico que
cultuava a trindade composta por Brahma (divindade da
alma universal), Vishnu (divindade preservadora) e
Shiva (divindade destruidora). Na terceira fase
percebem-se diferentes adaptações influenciadas por
religiões a partir do cristianismo, islamismo e outras.
Relig mund aula 2
A casta mais pura, formada pelos líderes
espirituais, ou seja, SACERDOTES
Políticos e guerreiros
Comerciantes, Artesãos,
mercadores e camponeses
Trabalhadores menos
qualificados e servos
Brâmanes
Xátrias
Vaícias
Sudras
Párias (Dhalits) – os sem casta, os impuros, que só trabalhavam com lixo
Pirâmide Social - HINDU
Relig mund aula 2
Em termos de culto, a vaca é mais "pura" do que o
brâmane. Assim, a pessoa que toca uma vaca está
ritualmente limpa. Todos os produtos derivados da vaca
(como o leite e a manteiga) são utilizados em diversas
cerimônias de purificação. Até mesmo o excremento e a
urina da vaca são tão sagrados que podem ser usados
como agentes de purificação.
Um hinduísta acredita que, depois da morte de um indivíduo,
sua alma renasce numa nova criatura vivente. Pode renascer
numa casta mais alta ou mais baixa, ou pode passar a habitar
um animal.
Há uma ordem inexorável nesse ciclo que vai de uma
existência a outra. O impulso por trás dela, ou que a mantém
sempre em movimento, é o karma do homem, palavra sânscrita
que significa "ato". Porém, nesse caso, ato se refere a
pensamentos, palavras e sentimentos, não apenas a ações físicas.
O hinduísmo não reconhece nenhum "destino cego" nem divina
providência. A responsabilidade pela vida do hinduísta no dia de
hoje — e por sua próxima encarnação — será sempre dele. O
homem colhe aquilo que semeou. Os resultados das ações — ou
frutos de uma vida — derivam dessas ações automaticamente.
Poderíamos dizer que a transmigração está sujeita à lei da causa e
efeito. Em outras palavras, o que a pessoa experimenta nesta vida
em termos de riqueza ou pobreza, alegria ou tristeza, saúde ou
doença, é resultado de suas ações numa vida anterior. É desse
modo que os hinduístas explicam as diferenças entre as pessoas.
TRÊS VIAS DE SALVAÇÃO
Durante o período védico, a doutrina do carma e a da reencarnação
eram vistas como algo positivo. Por meio dos sacrifícios e das boas
ações, o indivíduo podia garantir que iria viver várias vidas. Mais
tarde, o hinduísmo passou a considerar esse ciclo como algo
negativo, como um círculo vicioso a ser quebrado. O hinduísmo
não possui uma doutrina clara e não ambígua sobre a salvação que
explique de que modo o homem pode escapar do interminável e
cansativo ciclo das reencarnações. Dentro do hinduísmo há uma
grande quantidade de movimentos e seitas com visões divergentes.
Apesar disso, é possível distinguir três caminhos diferentes para a graça,
que exerceram papel relevante na história da Índia. E continuam
prevalecendo no hinduísmo moderno.
São as Vias do sacrifício, do conhecimento e da devoção.
É importante não pensar que essas vias sejam movimentos religiosos
organizados. Trata-se, na verdade, de três tendências principais dentro do
hinduísmo. O caminho escolhido pode depender do indivíduo. Mas um
hinduísta também pode se inspirar nessas três vias.
O Hinduísmo é tão vasto em conteúdo que possui centenas de
conceitos importantes, tais como Brahman, Madhava, Atma,
Samsara, Karma e Moksha:
Brahman – significa imensidão, vastidão ilimitada. É a substância
de todo o universo, e este é multifário e existente. Brahman não
apenas existe, mas É. O multifário é existência, Brahman é Uno. É
o Ser. É a Essência, que se expressa como existência. Existência é
aquilo que está fora (ex) d’Aquilo que É – a Essência, Brahman.
Brahma, que é o Criador do Universo, apenas é uma existência,
como que uma ilusão sobre a face do Real. A letra “n”, no final, faz
enorme diferença.
Madhava – Deus, é o Ser universal em que tudo Nele vive. Deus
encontra-se no interior e exterior de todos os seres e está ao
mesmo tempo próximo e distante. Em Sua sutileza extrema é
imperceptível, preenchendo e envolvendo todo o universo. Deus
é o Ser supremo e onisciente, eterno e soberano. Deus sustém o
universo. Sua forma é inconcebível, pois, sendo infinito, possui
forma como também não a possui. Deus é fulgurante como o
sol que brilha sobre as trevas.
Atma – é o ser que somos, Deus em nós. Paramatma é o Ser
Supremo, o Pai de Cristo.
Samsara – é aquilo que incessantemente se transforma,
isto é, o universo. O que não muda é Brahman, a
realidade. Samsara é uma “sobreimposição” Àquilo que
sempre É (Brahman). Samsara é o mundo cambiante,
palco dos nascimentos e mortes; a roda das
reencarnações, também na terminologia budista.
Samsara é o mundo instável, onde reinam o surgir e o
sumir, o nascer e o morrer. É o nome que se atribui à
roda sempre girante das reencarnações impostas.
Trimurthi
Krishna emana de Sua personalidade três formas pessoais, que são
também princípios cósmicos e aspectos do mesmo ser primordial:
1- o mantenedor, 2 - o criador, 3 - o transformador.
O mantenedor ou preservador dos Universos visíveis e invisíveis é
denominado Sri Vishnu. O criador do Universo material é
denominado Sri Brahma e o transformador do universo material é
denominado Sri Shiva. Este último também é conhecido como o
deus destruidor, ao mesmo tempo que é considerado o devoto mais
puro de Krishna. Para os vários universos existem Senhores Brahmas
diferentes. Para os Vaishnavas o centro da trimurthi ( divina trindade
indiana), cuja unidade é Krishna, é Sri Vishnu.
Trimurthi
Algumas religiões surgiram na Índia em decorrência da
trimurthi, entre as quais: o Brahmanismo, o Shivaísmo e o
Vaishnavismo, segundo a importância atribuída aos vários
aspectos da Trimurthi. Atualmente podemos citar alguns
movimentos religiosos importantes: Brahma Kumaris,
Sociedade Satya Sai Baba ( Satya Sai Baba é considerado
uma encarnação de Shiva ) e a ISKON, Sociedade
Internacional para a Consciência de Krishna ( Movimento
Hare Krishna).
Avatar é a encarnação de Deus, o qual desce à forma
humana a fim de restaurar a justiça ( o Sanathana
Dharma, ou Lei Eterna). Os avatares podem ser
classificados segundo critérios estabelecidos pela
sabedoria sagrada. Entre as centenas de nomes de
Deus aceitas pela tradição indiana, o nome Krishna é o
mais reverenciado. Krishna é considerado o próprio
Deus absoluto personificado, não havendo diferença
entre Krishna e o seu nome.
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
BUDISMO
A história do budismo desenvolve-se desde século VI a.C,
começando com o nascimento de Siddharta Ghautama. Durante
este período, esta religião evoluiu à medida que
encontrou diferentes países e culturas, acrescentando ao
fundo indiano inicial elementos culturais oriundos da
cultura helênica, bem como da Ásia Central, do Sudeste
asiático e Extremo Oriente. No processo, o budismo
alcançou uma expansão territorial considerável ao ponto
de influenciar de uma forma ou de outra, quase todo o
continente asiático. A história do budismo caracteriza-se
também pelo desenvolvimento de vários movimentos e
cismas, entre os quais se encontram as tradições
Theravada, Mahayana e Vajrayana.
O fundador do Budismo neste mundo foi Siddharta
Ghautama ou Buda, que viveu e ensinou no norte da
Índia há cerca de 2.500 anos (entre 563-83 a.C.).
Desde então, milhões de pessoas ao redor do mundo têm
seguido o caminho espiritual que ele revelou.
Na crença budista, a existência terrestre de
Siddharta foi a última etapa de uma série de
sucessivos renascimentos, isto é, a vida deste
representa o fim do caminho em direção à
libertação do Samsara.
O termo “Buda” significa “o iluminado”; aquele que se
desperta a ele próprio e que proporciona o despertar
dos outros. O Budismo também se assume como uma
doutrina moral, considerando a bondade e a compaixão
qualidades essenciais à Iluminação. A primeira
qualidade leva à paz, a segunda combate a miséria.
Como é sabido, Buda pregava a igualdade de todas as
castas ante a religião, pregava a transmigração,
a caridade, a renúncia a todas as paixões,
o aniquilamento de todos os desejos para se poder
chegar a tranquilidade absoluta – .
As Três Leis Fundamentais
(Três Marcas da Existência)
A primeira lei é o ponto de partida para todo o sistema
religioso budista - a “impermanência” (anitya), que nos
revela que no mundo material nada permanece, tudo está
em movimento. As coisas podem dar a impressão de o
serem, contudo isso não passa de uma ilusão.
A segunda lei é a ”insatisfação” (duhkha), ou seja, a
dor, que é consequência da primeira. Para o
pensamento budista, tudo o que não fosse permanente
gerava insatisfação.
A terceira lei é a ideia de ”inexistência de
alma” (anatman). Segundo o budismo, os seres humanos
não têm alma (atman) permanente. Para este, o ser
humano era um ser desigual, constituído por uma nuvem
de componentes físicos e mentais em permanente
mudança.
As Quatro Nobres Verdades
e o Caminho Óctuplo.
Este despertar não é possível sem antes
desarraigar a ignorância, fonte de todo
sofrimento. Logo após ter alcançado a
iluminação, Buda aconselhou à
compreender as Quatro Nobres Verdades,
caminhar pelo Nobre Caminho Óctuplo e
completar a prática das Seis Perfeições
(paramitas).
As Quatro Nobres Verdades
1.A primeira considerava a vida na sua
essência, insatisfatória.
2.A segunda corresponde à ideia de que essa insatisfação
deriva das ânsias (trsna), ou seja desejos, que
assolavam o ser humano e da sua ignorância(avidya).
3.A terceira era que este não tinha de ser o destino de
todos os homens e que haveria uma forma de fugir à
escravatura deste mundo insatisfatório.
4.A quarta nobre verdade determinava o caminho de fuga à
escravidão do mundo, ou seja, as Oito Vias Sagradas.
Relig mund aula 2
Nobre Caminho Óctuplo.
ÉTICA
3 - Reta Palavra
4 - Reta Ação
5 - Retos Meios de Vida
6 - Reto Esforço
7 - Reta Atenção
8 - Reta
Concentração
1 - Reto Entendimento
2 - Reto Pensamento
SABEDORIA
DISCIPLINA
Últimas palavras de Buda:
"Ó, monges! Estas são minhas últimas palavras.
Tudo o que foi criado está sujeito à decadência
e à morte. Nada é permanente. Trabalhem muito
pela própria salvação com atenção plena, esforço
e disciplina".
Relig mund aula 2
Confucionismo
• Filosofia originada dos
ensinamentos de Confúcio,
formulados no século V a.C.
Introduziu um conjunto de
regras éticas que pregam o
respeito aos idosos, à
família e à pátria.
• Valoriza o ensino e defende
a presença de sábios e
intelectuais no poder. As
idéias de Confúcio ainda
são utilizadas pelas elites
chinesas para se manterem
no poder há milhares de
anos.
Confúcio viveu numa época em que a China se
encontrava dividida em estados feudais que
lutavam pela supremacia do poder, estas
guerras eram seguidas de execuções em
massa, soldados eram pagos para trazer as
cabeças dos seus inimigos. Populações
inteiras eram dizimadas através da
decapitação de mulheres, crianças e velhos,
o numero de mortes era assustador.
A longa e complexa história política do povo
provocou a desunião e diversidade, que estavam
refletidas nas características sociais e
culturais da Dinastia Chou. A renascença social e
moral advogada por Confúcio não tinha aprovação
universal, principalmente nos círculos de poder,
e seu ardente desejo era um posto governamental.
Confucionismo não é o termo original dessa corrente
de pensamento, mas sim a palavra chinesa “Jucia”.
Esta palavra definia os adeptos do confucionismo. A
palavra “Confucionismo” foi conferida pelos
missionários católicos que visitavam a China.
Confúcio chegou a alcançar o cargo de governador do
Estado de Lu, mas viveu a maior parte de sua vida
pregando aos seus discípulos.
Regressou a sua terra natal quando tinha 68 anos,
onde continuou a dedicar-se ao ensino de um grupo
de discípulos. A escola privada, fundada por
Confúcio, cresceu a ponto de ter 3.000 alunos,
dos quais setenta e dois eram os seus discípulos
mais eruditos. Ele tentou transformá-los em Jens,
seres humanos perfeitos que praticassem o
exercício do amor e da bondade.
Segundo seus ensinamentos, a sociedade humana deve
ser regida por um movimento educativo, o qual parte
de cima, e equivale ao amor paterno, e por outro de
reverência, que parte de baixo, como a obediência
de um filho. O Confucionismo considera o homem bom
e possuidor do livre arbítrio, sendo a virtude sua
recompensa. O único sacrilégio é desobedecer à
regra da piedade.
Não existe Deus criador do mundo, nem deuses menores.
Não existe uma hierarquia sacerdotal. Apesar de não
existir um deus criador, o conceito de Tao, muito
presente na filosofia indiana, aparece muito no
Confucionismo. Tao é uma palavra difícil de definir ou
traduzir, mas pode ser entendida como a harmonia de toda
a existência, seu equilíbrio e expressão. O caminho do
Confucionismo está fundamentado na busca do Tao. Para
tanto, é preciso situar a consciência além do mundo da
dualidade, representada na filosofia chinesa como o yin
e yang.
Se considerarmos a religião apenas como
uma Igreja hierarquicamente constituída
com seu clero e sua estrutura jurídica,
o confucionismo não é uma religião;
mas, se voltarmos nossa atenção às
crenças em entidades sobrenaturais e em
espíritos, então sim o confucionismo
pode e deve ser reconhecido como uma
autêntica religião.
T`ien, o Deus do Céu, não é criador, porém, vigia o
cumprimento das exigências morais por parte dos homens
e as correspondentes leis da natureza; também reparte
prêmios e castigos. Ao lado do Deus do Céu encontra-se
a Deusa da Terra e, a união dos mesmos se converteu
nos progenitores simbólicos do Imperador.
Sendo o Imperador considerado descendente do Deus do
Céu, é ele que devia ofertar-lhe os sacrifícios.
Igualmente os Senhores Feudais que identificavam aos
deuses da natureza (o deus do solo e o deus do grão)
como sendo seus próprios antepassados, ofertavam
sacrifícios a estes deuses inferiores.
Grandes Frases de Confúcio
• Confúcio nos ensina também que “Se o povo for
conduzido apenas por meio de leis e decretos
impessoais e se forem trazidos à ordem apenas
por meio de punições, ele apenas procurará
evitar a dor das punições, evitando a
transgressão por medo da dor. Mas se ele for
conduzido pela virtude e trazido à ordem pelo
exemplo e pelos ritos em comum, ele terá o
sentimento de pertencer a uma coletividade e o
sentimento de vergonha quando agir contrario a
ela e, assim, bem se comportará de livre e
espontânea vontade”.
"Aquele que for realmente bom nunca poderá estar
infeliz“
"Aquele que for realmente sábio nunca poderá
estar confuso"
"O sábio não se aflige por não ser conhecido dos
homens; ele se aflige por não conhecê-los.“
“Não faça aos outros o que não queres que façam
com você”.
• Escolha um trabalho que você ame e não terás
que trabalhar um único dia em sua vida.
• O homem de bem exige tudo de si próprio; o
homem medíocre espera tudo dos outros.
• É mais fácil vencer um hábito hoje do que
amanhã.
• O homem superior age antes de falar e depois
fala de acordo com suas ações.
• Aquele que mais estima o ouro do que a
virtude, há de perder a ambos.
• O homem se distingue dos outros seres pelo seu
sentido de justiça.
• O silêncio é um amigo que nunca trai.
• O caminho da verdade é largo e fácil de
descobrir. O mal está em que os homens não o
procuram.
• A melhor maneira de ser feliz é contribuir para
a felicidade dos outros.
• Não são as más ervas que sufocam o grão. É a
negligência do cultivador.
• Ser ofendido não tem importância nenhuma, a não ser
que a gente continue a lembrar disso.
• Até que o sol brilhe, acendamos uma vela na
escuridão.
• Se tiverdes acesso à fama, comporta-te como se
estivesses a receber um hóspede; se estiverdes no
governo de um povo, comporta-te como se estivesses
pronto a oferecer um grande sacrifício.
• Para onde quer que fores, vai todo, leva junto teu
coração.
• Não te suponhas tão grande ao ponto de pensares ver
os outros menores que ti.
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
O Taoismo, também chamado Daoismo e Tauismo, é uma
tradição filosófica e religiosa, originária da
China, que enfatiza a vida em harmonia com o Tao
(romanizado atualmente como "Dao"). O termo chinês
"Tao" significa "caminho", "via" ou "princípio", e
também pode ser encontrado em outras filosofias e
religiões chinesas. No taoísmo, especificamente, o
termo designa a fonte, a dinâmica e a força motriz
por trás de tudo que existe.
• Baseia-se num livro chamado Tao Te Chiang, atribuído
ao filósofo Lao-tsé, que viveu no século VI a.C.
Segundo ele, o tao é a base da qual todas as coisas
são criadas. O mundo é dinâmico e cíclico, com
contradições que se completam: o Yin e o Yang, ou
seja, o preto e o branco, o homem e a mulher, o
complexo e o simples, o salgado e o doce, o
introvertido e o extrovertido.
• Segundo o taoísmo, a vida é a busca combinada da
harmonia entre o Yin e o Yang, isto é, a busca do
equilíbrio, mesmo que um dos dois lados se sobreponha
ao outro momentaneamente.
• Uma das religiões mais importantes da China,
divide com o budismo e o confucionismo as
preferências dos chineses que praticam uma mistura
das três religiões.
• Mais do que uma religião, o taoísmo é uma
filosofia que busca a integração do indivíduo à
ordem universal pela compreensão da essência do
Universo.
• A Acupuntura é um bom exemplo da utilização do
taoísmo no cotidiano da população, pois parte do
princípio de que o corpo e o espírito estão em
equilíbrio, representando o Yin e o Yang. Se o
corpo adoece é porque o espírito sofre.
As escolas taoistas tradicionalmente reverenciam
Lao Zi e os "imortais" ou "ancestrais" e possuem
diversos rituais de adivinhação e exorcismo, além
de práticas que visam a atingir o êxtase e obter
maior longevidade ou mesmo a imortalidade.
As tradições e éticas taoistas variam de acordo com
a escola, porém, no geral, enfatizam a serenidade,
a não ação (wu-wei), o vazio, a moderação dos
desejos, a simplicidade, a espontaneidade,
a contemplação da natureza e os Três Tesouros:
compaixão, moderação e humildade.
A alquimia chinesa (especialmente neidan),
a astrologia chinesa, o zen-budismo,
diversas artes marciais, a medicina
tradicional chinesa, o feng shui e diversos
estilos de Qi gong têm suas histórias
entrelaçadas com a do taoismo. Além da
China em si, o taoismo teve grande
influência nas sociedades do leste da Ásia.
Representação do "Tao", o conceito
fundamental do taoísmo, na escrita
chinesa
Lao-Tsé, o mítico fundador do taoísmo
Xintoísmo era a religião primitiva do Japão antes da
vinda do budismo, que é atualmente a principal religião
do Japão. É uma religião muito simples. Existe apenas um
mandamento: a necessidade de ser fiel a seus ancestrais.
Seus primeiros aspectos foram naturalistas, que incluíam
espiritismo, totemismo, adoração da natureza, e uma
espécie de rude monoteísmo. Precocemente o japonês
adorava o sol, o trovão, a terra, os vulcões, os tigres,
serpentes, árvores, arbustos, trepadeiras, etc, e até
mesmo pedras. A etapa posterior é mais intelectual e
eticamente orientada.
xintoismo
As origens mais antigas do xintoísmo são desconhecidas,
mas acredita-se que o que hoje é conhecido como
xintoísmo começou a se formar provavelmente no
período Jomon, entre -982 AC. Acredita-se que após as
primeiras migrações do que viria a ser o povo japonês
(também existem muitas dúvidas quanto a origem do povo
japonês), as pessoas se estabeleceram em
pequenas tribos, isoladas umas das outras, e cada qual
possuía suas próprias divindades e ritos.
O deus principal é Amaterasu, o Deus Sol, de quem a
Família Imperial do Japão tem suas raízes.
Xintoísmo (em japonês: 神道, transl. Shintō) é o nome
dado à espiritualidade tradicional do Japão e
dos japoneses, considerado também uma religião pelos
estudiosos ocidentais. A palavra Shinto ("Caminho dos
deuses") foi adotada do chinês escrito (神道),através
da combinação de dois kanji: "shin" (神?), que
significa "deuses" ou "espíritos" (originalmente da
palavra chinesa shen); e "tō" (道?), ou "do", que
significa "estudo" ou "caminho filosófico"
(originalmente da palavra chinesa tao).
O xintoísmo caracteriza-se pelo culto à natureza,
aos ancestrais,e pelo seu politeísmo, com uma forte
ênfase na pureza espiritual, e que tem como uma de suas
práticas honrar e celebrar a existência de Kami (神?),
que pode ser definido como "espírito", "essência" ou
"divindades", e é associado com múltiplos formatos
compreendidos pelos fieis; em alguns casos apresentam
uma forma humana, em outros animística, e em outros é
associado com forças mais abstratas, "naturais", do
mundo
(montanhas, rios, relâmpago, vento, ondas, árvores,
rochas).
Não possui livros sagrados como a Bíblia, Alcorão.
Há um conj. de textos sobre ensinamentos da religião –
Shinten – corresponde a escrituras sagradas.
Kojiki – considerado o texto sagrado mais antigo,
composto por três volumes.
Kogo-shui: compilação das tradições do clã.
O sacerdote xintoísta é designado pelo termo shinshoku
ou kannushi.
Os espíritos dos antepassados também são considerados
deuses tutelares da família ou do país, motivo pelo qual
os ritos fúnebres possuem grande relevo.
Não é uma religião confessional.
Influenciou fortemente todas as religiões do Japão.
ZOROASTRISMO
O Faravahar (ou Ferohar),
representação da alma humana antes
do nascimento e depois da morte, é
um dos símbolos do zoroastrismo.
O zoroastrismo, masdaísmo, masdeísmo ou parsismo é uma
religião fundada na antiga Pérsia pelo profeta
Zaratustra, a quem os gregos chamavam de Zoroastro. É
considerada como a primeira manifestação de um
monoteísmo ético. De acordo com historiadores da
religião, algumas das suas concepções religiosas, como a
crença no paraíso, na ressurreição, no juízo final e na
vinda de um messias, viriam a influenciar o judaísmo, o
cristianismo e o islamismo.
Tem seus fundamentos fixados no Avesta e admite a
existência de duas divindades (dualismo), as quais
representam o Bem (Aúra-Masda) e o Mal (Arimã). Da luta
entre essas divindades, sairia vencedora a divindade do
Bem, Aúra-Masda.
Zoroastro viveu na Ásia Central, num território que
compreendia o que é hoje a parte oriental do Irã e a
região ocidental do Afeganistão. Não existe um consenso
em torno do período em que viveu; os acadêmicos têm
situado a sua vida entre 1750 e 1000 a.C. Sobre a sua
vida, existem poucos dados precisos, sendo as lacunas
preenchidas por lendas.
De acordo com os relatos tradicionais zoroastrianos,
Zoroastro viveu no século VI a.C., pertencendo ao clã
Spitama, sendo filho de Pourushaspa e de Dugdhova. Era
o sacerdote do culto dedicado a um determinado ahura.
Foi casado duas vezes e teve vários filhos. Faleceu aos
setenta e sete anos assassinado por um sacerdote.
A religião do Irã antes do surgimento do zoroastrismo
apresentava semelhanças com a da Índia védica, dado que as
populações que habitavam estes espaços descendiam de um
mesmo povo, os arianos (ou indo-iranianos). Era uma
religião politeísta, na qual o sacrifício dos animais e o
consumo de uma bebida chamada haoma (em sânscrito: soma)
desempenhavam um importante papel.
Os seres divinos enquadravam-se em duas classes, ambas de
características positivas: os ahuras (em sânscrito:
asuras; "senhores") e os daivas (em sânscrito: deivas;
"deuses").
Aos trinta anos, enquanto participava num ritual de
purificação num rio, Zaratustra viu um ser de luz que se
apresentou como sendo Vohu Manah ("Bom Pensamento") e que o
conduziu até à presença de Ahura Mazda(Deus) e de outros
cinco seres luminosos, os Amesha Spentas, sendo este o
primeiro de uma série de encontros com Ahura Mazda, que lhe
revelou a sua mensagem. As autoridades civis e religiosas
opunham-se às doutrinas de Zoroastro. Após doze anos de
pregação, Zoroastro abandonou a sua região natal e fixou-se
na corte do rei Vishtaspa na Báctria (região que se encontra
no atual Afeganistão). Este rei e sua esposa, a rainha
Hutosa, converteram-se à doutrina de Zoroastro e o
zoroastrismo foi declarado como religião oficial do reino.
Os zoroastrianos dividem-se entre o dualismo ético ou o
dualismo cosmológico, existindo também outros que aceitam
os dois conceitos. Alguns acreditam que Ahura Mazda tem um
inimigo chamado Angra Mainyu (ou Ahriman), responsável pela
doença, pelos desastres naturais, pela morte e por tudo
quanto é negativo. Angra Mainyu não deve ser visto como um
deus; ele é, antes, uma energia negativa que se opõe à
energia positiva de Ahura Mazda, tentando destruir tudo o
que de bom foi feito por ele (a energia positiva de Deus é
chamada de Spenta Mainyu). No final, Angra Mainyu será
destruído e o bem triunfará.
Muitos zoroastrianos encaram o dualismo no plano
interno de cada pessoa, como a escolha que cada
um deve fazer entre o bem e o mal, entre uma
mentalidade progressista e uma mentalidade
retardatária.
Os zoroastrianos acreditam que Zoroastro é um
profeta de Deus, mas não é alvo de particular
veneração. Eles acreditam que, através dos seus
ensinamentos, os seres humanos podem aproximar-
se de Deus e da ordem natural marcada pelo bem e
justiça (asha).
Os masdeístas não representam seus deuses em esculturas e têm
templos. Deixaram traços nas principais religiões mundiais como
o judaísmo, cristianismo e islamismo através das seguintes
crenças:
 Imortalidade da alma
 Vinda de um Messias
 Ressurreição dos mortos
 Juízo final
A doutrina de Zaratustra foi espalhada oralmente e suas reformas
não podem ser entendidas fora de seu contexto social. O
indivíduo pode receber recompensas divinas se lutar contra o mal
em seu cotidiano, como pode também ser punido após a morte caso
escolha o lado do mal. Os mortos são considerados impuros, então
não são enterrados, pois consideram a terra, o fogo e a água
sagrados, eles os deixam em torres para serem devorados por aves
de rapina.
Templo de fogo na cidade iraniana de Yazd
Os templos religiosos do zoroastrismo, onde se
desenrolam as cerimônias e se celebram os festivais
próprios da religião, são conhecidos como templos de
fogo.
Estes edifícios possuem duas partes principais. A
mais importante é a câmara onde se conserva o fogo
sagrado, que arde numa pira metálica colocada sobre
uma plataforma de pedra. Os sacerdotes
zoroastrianos visitam o fogo cinco vezes por dia e
procuram mantê-lo aceso, fazendo oferendas
de sândalo purificado. Recitam também orações
perante o fogo com a boca tapada por um tecido, de
modo a não contaminarem o fogo. Este respeito pelo
fogo sagrado levou a que os zoroastrianos fossem
chamados de "adoradores de fogo", o que constitui
um erro, na medida em que o fogo não é adorado
em si, mas como um símbolo da sabedoria e luz
divina de Ahura Mazda. Os templos de fogo mais
importantes do Irão e da Índia mantêm uma chama
de fogo sagrado a arder perpetuamente.
A Fé Bahá’í é uma religião monoteísta fundada por
Bahá'u'lláh, um nobre persa que viveu no século XIX. Os
seus ensinamentos afirmam que existe um único Deus e que
todas as grandes religiões mundiais têm a mesma origem
divina. Os fundadores das grandes religiões mundiais
trouxeram ensinamentos adequados às necessidades e
maturidade de diversos povos, em diferentes momentos da
sua história. Entre estes Mensageiros - designados como
"Manifestantes de Deus" - encontram-se Krishna, Buda,
Abraão, Moisés, Zoroastro, Cristo, Maomé, e mais
recentemente o Báb e Bahá'u'lláh.
BAHÁ´Í
Os seguidores da religião Bahá’í são conhecidos como
"Bahá’ís". Esta palavra deriva do árabe "Bahá", que
significa "glória" ou "esplendor".
As três figuras centrais da fé Bahá’í são: Báb
(1819-1850), Bahá’u’ lláh (1817-1892), e Abdu’l-Bahá
(1844-1921). As escrituras foram escritas por estes
três profetas. São escritos únicos, dado que, pela
primeira vez, escrituras sagradas de uma religião
chegam aos nossos dias escritas pelo punho e letra
do seu fundador ou assinadas por ele.
DEUS
As Escrituras Bahá'ís mencionam diversos atributos de Deus:
Único, Inacessível, Omnisciente, Omnipotente, Imperecível,
Todo-Geneoso, etc. Deus e a criação são considerados eternos,
sem princípio nem fim. Apesar de ser inacessível, Deus tem
consciência da Sua criação, transmitindo-lhe a Sua vontade e
propósito através dos Seus Manifestantes.
Os ensinamentos Bahá'ís declaram que Deus é demasiado grande
para que os seres humanos O possam compreender, ou obter dele
uma mensagem correta e completa. Desta forma, considera-se
que a única forma para conhecer Deus é através dos Seus
Mensageiros.
A RELIGIÃO
O conceito Bahá’í de Revelação Progressiva baseia-se na
aceitação da validade da maioria das grandes religiões
mundiais, cujos fundadores são considerados Mensageiros de
Deus. Ao longo da história da humanidade, têm surgido
diversos Manifestantes de Deus, que fundaram religiões com
leis e ensinamentos adequados à maturidade e necessidades
de diferentes povos.
Nessas religiões encontramos princípios e valores que
são comuns (exemplo: o amor ao próximo, o respeito pelos
pais) e que nunca são alterados; também encontramos
ensinamentos de carácter social específicos (exemplo:
restrições alimentares ou o divórcio) que podem não
existir noutras religiões ou vir a ser revogados por
outro Manifestante de Deus. Os Bahá'ís consideram que o
processo de revelação progressiva não terá fim,
considerando que Bahá'u'lláh não é o último dos
Manifestantes, mas apenas o mais recente.
O SER HUMANO
As Escrituras Baha’is consideram que o ser humano possui uma
alma racional, e que isso lhe confere a capacidade única de
reconhecer o seu Criador e compreender a relação da
humanidade com Deus. Considera-se que todos os seres humanos
têm o Dever de reconhecer Deus através dos Seus
Manifestantes, e obedecer aos seus ensinamentos. Através do
reconhecimento e obediência aos Manifestantes de Deus,
serviço à humanidade e oração regular, o indivíduo consegue
desenvolver as suas potencialidades espirituais.
Quando uma pessoa morre, a alma entra num novo
mundo onde o desenvolvimento espiritual
conseguido durante a existência no mundo material
se torna a base dessa nova etapa da sua
existência. O ensinamento principal de
Bahá'u'lláh pode resumir-se na frase "A terra é
um só país e a humanidade os seus cidadãos“. Na
verdade, chegou o momento de unificação da grande
família humana e construção de uma sociedade
global. Segundo Bahá'u'lláh, preconceitos
raciais, sociais, religiosos e nacionalistas
devem ser postos de lado de forma a conseguirmos
transformar-nos numa civilização global.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Camila 21mp filosofia medieval
Camila 21mp filosofia medievalCamila 21mp filosofia medieval
Camila 21mp filosofia medieval
Alexandre Misturini
 
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e EmpirismoIntrodução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
Diego Sampaio
 
Pensamentos filosóficos medieval
Pensamentos filosóficos  medieval Pensamentos filosóficos  medieval
Pensamentos filosóficos medieval
Clínica Evolução vida
 
Aula 05 filosofia início da era cristã e patrística
Aula 05   filosofia início da era cristã e patrísticaAula 05   filosofia início da era cristã e patrística
Aula 05 filosofia início da era cristã e patrística
Elizeu Nascimento Silva
 
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média
Já Entendi
 
Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
Silas Bruno Mps
 
Patristica e escolastica
Patristica e escolasticaPatristica e escolastica
Patristica e escolastica
Over Lane
 
Filosofia medieval2 renata 21 m
Filosofia medieval2 renata 21 mFilosofia medieval2 renata 21 m
Filosofia medieval2 renata 21 m
Alexandre Misturini
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Alexandre Misturini
 
Trabalho de filosofia religiões
Trabalho de filosofia religiõesTrabalho de filosofia religiões
Trabalho de filosofia religiões
Liliane Ennes
 
História da teologia
História da teologiaHistória da teologia
História da teologia
ugleybson
 
1ª série filosofia medieval-
1ª série   filosofia medieval-1ª série   filosofia medieval-
1ª série filosofia medieval-
Jorge Marcos Oliveira
 
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
Helena Serrão
 
Novos movimentos religiosos de cariz esotérico ocultista
Novos movimentos religiosos de cariz esotérico ocultistaNovos movimentos religiosos de cariz esotérico ocultista
Novos movimentos religiosos de cariz esotérico ocultista
Patrícia Gomes
 
Cap 7 Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7   Entre a Patrística e a EscolásticaCap 7   Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7 Entre a Patrística e a Escolástica
José Ferreira Júnior
 
Religioes
ReligioesReligioes
Religioes
Rogerio Vianna
 
Filosofia medieval 01 pimel 24
Filosofia medieval 01 pimel 24Filosofia medieval 01 pimel 24
Filosofia medieval 01 pimel 24
Alexandre Misturini
 
Religiao
ReligiaoReligiao
Religiao
Claudio Roberto
 
Sociologia - Religião
Sociologia - ReligiãoSociologia - Religião
Sociologia - Religião
Paulo Alexandre
 
Santo Agostinho e a Patrística
Santo Agostinho e a PatrísticaSanto Agostinho e a Patrística
Santo Agostinho e a Patrística
Leandrocesarcn
 

Mais procurados (20)

Camila 21mp filosofia medieval
Camila 21mp filosofia medievalCamila 21mp filosofia medieval
Camila 21mp filosofia medieval
 
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e EmpirismoIntrodução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
 
Pensamentos filosóficos medieval
Pensamentos filosóficos  medieval Pensamentos filosóficos  medieval
Pensamentos filosóficos medieval
 
Aula 05 filosofia início da era cristã e patrística
Aula 05   filosofia início da era cristã e patrísticaAula 05   filosofia início da era cristã e patrística
Aula 05 filosofia início da era cristã e patrística
 
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média
 
Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
 
Patristica e escolastica
Patristica e escolasticaPatristica e escolastica
Patristica e escolastica
 
Filosofia medieval2 renata 21 m
Filosofia medieval2 renata 21 mFilosofia medieval2 renata 21 m
Filosofia medieval2 renata 21 m
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Trabalho de filosofia religiões
Trabalho de filosofia religiõesTrabalho de filosofia religiões
Trabalho de filosofia religiões
 
História da teologia
História da teologiaHistória da teologia
História da teologia
 
1ª série filosofia medieval-
1ª série   filosofia medieval-1ª série   filosofia medieval-
1ª série filosofia medieval-
 
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça...
 
Novos movimentos religiosos de cariz esotérico ocultista
Novos movimentos religiosos de cariz esotérico ocultistaNovos movimentos religiosos de cariz esotérico ocultista
Novos movimentos religiosos de cariz esotérico ocultista
 
Cap 7 Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7   Entre a Patrística e a EscolásticaCap 7   Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7 Entre a Patrística e a Escolástica
 
Religioes
ReligioesReligioes
Religioes
 
Filosofia medieval 01 pimel 24
Filosofia medieval 01 pimel 24Filosofia medieval 01 pimel 24
Filosofia medieval 01 pimel 24
 
Religiao
ReligiaoReligiao
Religiao
 
Sociologia - Religião
Sociologia - ReligiãoSociologia - Religião
Sociologia - Religião
 
Santo Agostinho e a Patrística
Santo Agostinho e a PatrísticaSanto Agostinho e a Patrística
Santo Agostinho e a Patrística
 

Destaque

Presentación de materia Comunicación y Medios
Presentación  de materia Comunicación y MediosPresentación  de materia Comunicación y Medios
Presentación de materia Comunicación y Medios
Emilia Di Liscia
 
Evolucion de la comunicacion
Evolucion de la comunicacionEvolucion de la comunicacion
Evolucion de la comunicacion
Juan Jimenez Dominguez
 
Primeros Medios de Comunicación [Datos Históricos]
Primeros Medios de Comunicación  [Datos Históricos]Primeros Medios de Comunicación  [Datos Históricos]
Primeros Medios de Comunicación [Datos Históricos]
Carlos Juan Concepcion
 
La Imprenta, el telégrafo y el teléfono
La Imprenta, el telégrafo y el teléfono La Imprenta, el telégrafo y el teléfono
La Imprenta, el telégrafo y el teléfono
Jorge Sanchez
 
La comunicación en el hombre a travez de la historia
La comunicación en el hombre a travez de la historiaLa comunicación en el hombre a travez de la historia
La comunicación en el hombre a travez de la historia
lisseth1823
 
PRIMERAS FORMAS DE COMUNICACIÓN
PRIMERAS FORMAS DE COMUNICACIÓNPRIMERAS FORMAS DE COMUNICACIÓN
PRIMERAS FORMAS DE COMUNICACIÓN
gabrielajaramillo
 
Historia de la comunicacion diapositivas
Historia de la comunicacion diapositivasHistoria de la comunicacion diapositivas
Historia de la comunicacion diapositivas
magaalo
 
''MEDIOS DE COMUNICACION''.
''MEDIOS DE COMUNICACION''.''MEDIOS DE COMUNICACION''.
''MEDIOS DE COMUNICACION''.
informatica02
 
Línea del tiempo comunicación
Línea del tiempo comunicaciónLínea del tiempo comunicación
Línea del tiempo comunicación
jonnparis
 

Destaque (9)

Presentación de materia Comunicación y Medios
Presentación  de materia Comunicación y MediosPresentación  de materia Comunicación y Medios
Presentación de materia Comunicación y Medios
 
Evolucion de la comunicacion
Evolucion de la comunicacionEvolucion de la comunicacion
Evolucion de la comunicacion
 
Primeros Medios de Comunicación [Datos Históricos]
Primeros Medios de Comunicación  [Datos Históricos]Primeros Medios de Comunicación  [Datos Históricos]
Primeros Medios de Comunicación [Datos Históricos]
 
La Imprenta, el telégrafo y el teléfono
La Imprenta, el telégrafo y el teléfono La Imprenta, el telégrafo y el teléfono
La Imprenta, el telégrafo y el teléfono
 
La comunicación en el hombre a travez de la historia
La comunicación en el hombre a travez de la historiaLa comunicación en el hombre a travez de la historia
La comunicación en el hombre a travez de la historia
 
PRIMERAS FORMAS DE COMUNICACIÓN
PRIMERAS FORMAS DE COMUNICACIÓNPRIMERAS FORMAS DE COMUNICACIÓN
PRIMERAS FORMAS DE COMUNICACIÓN
 
Historia de la comunicacion diapositivas
Historia de la comunicacion diapositivasHistoria de la comunicacion diapositivas
Historia de la comunicacion diapositivas
 
''MEDIOS DE COMUNICACION''.
''MEDIOS DE COMUNICACION''.''MEDIOS DE COMUNICACION''.
''MEDIOS DE COMUNICACION''.
 
Línea del tiempo comunicación
Línea del tiempo comunicaciónLínea del tiempo comunicación
Línea del tiempo comunicación
 

Semelhante a Relig mund aula 2

Religião e a ciência universal
Religião e a ciência universalReligião e a ciência universal
Religião e a ciência universal
Jesh Wah-DE
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidade  Religioes da humanidade
Religioes da humanidade
Paulo Henrique
 
Lei de adoracao e espiritualide
Lei de adoracao e espiritualideLei de adoracao e espiritualide
Lei de adoracao e espiritualide
Claudio Macedo
 
Religiões da humanidade
Religiões da humanidadeReligiões da humanidade
Religiões da humanidade
Over Lane
 
Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.
Over Lane
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidadeReligioes da humanidade
Religioes da humanidade
Over Lane
 
Apostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiososApostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiosos
Ederaldo Rodrigues
 
Hinduismo resumo
Hinduismo resumoHinduismo resumo
Hinduismo resumo
Williams Ferreira
 
Religião,sistemade crenças,feitiçaria e magiA
Religião,sistemade crenças,feitiçaria e magiAReligião,sistemade crenças,feitiçaria e magiA
Religião,sistemade crenças,feitiçaria e magiA
JeisonBR
 
Uma História de Múltiplas Tradições Religiosas
Uma História de Múltiplas Tradições ReligiosasUma História de Múltiplas Tradições Religiosas
Uma História de Múltiplas Tradições Religiosas
psicologiaisecensa
 
A Origem Das Religiões
A Origem Das ReligiõesA Origem Das Religiões
A Origem Das Religiões
Alexandre Ernest
 
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiões
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiõesCap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiões
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiões
Joao Balbi
 
Algumas formas de religião.
Algumas formas de religião.Algumas formas de religião.
Algumas formas de religião.
Nicole Gouveia
 
Algumas Religiões.8 Série
Algumas Religiões.8 SérieAlgumas Religiões.8 Série
Algumas Religiões.8 Série
nicollegouveia
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
PIBJA
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
Luiz Costa Junior
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
infoAndreia
 
Hinduismo
HinduismoHinduismo
Hinduismo
infoAndreia
 
HinduíSmo Madalena E Rute
HinduíSmo  Madalena E  RuteHinduíSmo  Madalena E  Rute
HinduíSmo Madalena E Rute
elvira.sequeira
 
As grandes religiões do mundo
As grandes religiões do mundoAs grandes religiões do mundo
As grandes religiões do mundo
Zaara Miranda
 

Semelhante a Relig mund aula 2 (20)

Religião e a ciência universal
Religião e a ciência universalReligião e a ciência universal
Religião e a ciência universal
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidade  Religioes da humanidade
Religioes da humanidade
 
Lei de adoracao e espiritualide
Lei de adoracao e espiritualideLei de adoracao e espiritualide
Lei de adoracao e espiritualide
 
Religiões da humanidade
Religiões da humanidadeReligiões da humanidade
Religiões da humanidade
 
Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidadeReligioes da humanidade
Religioes da humanidade
 
Apostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiososApostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiosos
 
Hinduismo resumo
Hinduismo resumoHinduismo resumo
Hinduismo resumo
 
Religião,sistemade crenças,feitiçaria e magiA
Religião,sistemade crenças,feitiçaria e magiAReligião,sistemade crenças,feitiçaria e magiA
Religião,sistemade crenças,feitiçaria e magiA
 
Uma História de Múltiplas Tradições Religiosas
Uma História de Múltiplas Tradições ReligiosasUma História de Múltiplas Tradições Religiosas
Uma História de Múltiplas Tradições Religiosas
 
A Origem Das Religiões
A Origem Das ReligiõesA Origem Das Religiões
A Origem Das Religiões
 
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiões
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiõesCap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiões
Cap 20 origem, conceitos e caracteristicas das religiões
 
Algumas formas de religião.
Algumas formas de religião.Algumas formas de religião.
Algumas formas de religião.
 
Algumas Religiões.8 Série
Algumas Religiões.8 SérieAlgumas Religiões.8 Série
Algumas Religiões.8 Série
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Hinduismo
HinduismoHinduismo
Hinduismo
 
HinduíSmo Madalena E Rute
HinduíSmo  Madalena E  RuteHinduíSmo  Madalena E  Rute
HinduíSmo Madalena E Rute
 
As grandes religiões do mundo
As grandes religiões do mundoAs grandes religiões do mundo
As grandes religiões do mundo
 

Último

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 

Último (14)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 

Relig mund aula 2

  • 2. O SACRO E O PROFANO • Os religiosos orientais criam na existência de vários deuses; os judeus, maometanos e cristãos acreditam que há apenas uma divindade, um ser impassível de ser sentido pelos sensores humanos e que é capaz de provocar acontecimentos improváveis/impossíveis que podem favorecer ou prejudicar os homens. • Para grande parte das religiões, as coisas e as ações se dividem entre sacras e profanas. • Sacro é aquilo que mantém uma ligação/relação com o(s) deus(es). • Frequentemente está relacionado ao conceito de moralidade. • Profano é aquilo que não mantém nenhuma ligação com o(s) deus(es). • Já o verbo "profanar" (tornar algo profano) é sempre tido como uma ação má pelos religiosos.
  • 4. • As religiões possuem grandes narrativas, que explicam o começo do mundo ou que legitimam a sua existência. • O exemplo mais conhecido é talvez a narrativa do Gênesis na tradição judaica e cristã. • Quanto à legitimação da existência e da validade de um sistema religioso, este costuma apelar a uma revelação ou à obtenção de uma sabedoria por parte de um fundador, como sucede no budismo, onde o Buda alcançou a iluminação enquanto meditava debaixo de uma figueira ou no Islão, em que Muhammad recebeu a revelação do Corão de Deus.
  • 5. • As religiões tendem igualmente a sacralizar determinados locais. • Os motivos para essa sacralização são variados, podendo estar relacionados com determinado evento na história da religião (por exemplo, a importância do Muro das Lamentações no judaísmo) ou porque a esses locais são associados a acontecimentos miraculosos (santuários católicos de Fátima ou de Lourdes) ou porque são marcos de eventos religiosos relacionados à mitologia da própria religião (monumentos megalíticos, como Stonehenge, no caso das religiões pagãs). • Na antiga religião grega, os templos não eram locais para a prática religiosa, mas sim locais onde se acreditava que habitava a divindade, sendo por isso sagrados.
  • 6. • As religiões estabelecem que certos períodos temporais são especiais e dedicados a uma interação com o divino. • Esses períodos podem ser anuais, mensais, semanais ou podem mesmo se desenrolar ao longo de um dia. • Algumas religiões consideram que certos dias da semana são sagrados (Shabat no judaísmo ou o Domingo no cristianismo), outras marcam esses dias sagrados de acordo com fenômenos da natureza, como as fases da lua, na religião Wicca, em que todo primeiro dia de lua cheia esbat é considerado sagrado. • As religiões propõem festas ou períodos de jejum e meditação que se desenvolvem ao longo do ano.
  • 8. Esta classificação procura agrupar as religiões com base em critérios geográficos, como a concentração numa determinada região ou o fato de certas religiões terem nascido na mesma região do mundo: Religiões do Oriente Médio: judaísmo, cristianismo, islamismo, zoroastrismo, fé bahá'í; Religiões do Extremo Oriente: confucionismo, taoísmo, budismo e xintoísmo; Religiões da Índia: hinduísmo, jainismo, budismo e siquismo; Religiões africanas: religiões dos povos tribais da África Negra; Religiões da Oceania: religiões dos povos das ilhas do Pacífico, da Austrália e da Nova Zelândia; Religiões da Antiga Grécia e Roma.
  • 9. NÚMERO DE ADEPTOS POR RELIGIÃO (Segundo Gordon Conwell Theological Seminary) Cristianismo: 2.100.000.000 Islão: 1.300.000.000 Hinduísmo: 970.000.000 Sem religião: 769.000.000 Religiões tradicionais chinesas: 405.000.000 Protestantismo: 375.000.000 Cristianismo Ortodoxo: 220.000.000 Anglicanismo: 80.000.000 Cristãos independentes: 430.000.000 Budismo: 379.000.000 Sikhismo: 25.000.000 Judaísmo: 15.000.000 Religiões tradicionais africanas: 100.000.000 Novas religiões: 108.000.000
  • 16. O Hinduísmo foi dividido em fases para melhor apresentar sua história: Hinduísmo Védico, Hinduísmo Bramânico e Hinduísmo Híbrido. Na primeira fase, chamada de Hinduísmo Védico, cultuava-se deuses tribais como Dyaus (deus do céu, deus supremo) que gerou outros deuses. Na segunda fase, a partir de adaptações de outras religiões, surgiu o Hinduísmo Bramânico que cultuava a trindade composta por Brahma (divindade da alma universal), Vishnu (divindade preservadora) e Shiva (divindade destruidora). Na terceira fase percebem-se diferentes adaptações influenciadas por religiões a partir do cristianismo, islamismo e outras.
  • 18. A casta mais pura, formada pelos líderes espirituais, ou seja, SACERDOTES Políticos e guerreiros Comerciantes, Artesãos, mercadores e camponeses Trabalhadores menos qualificados e servos Brâmanes Xátrias Vaícias Sudras Párias (Dhalits) – os sem casta, os impuros, que só trabalhavam com lixo Pirâmide Social - HINDU
  • 20. Em termos de culto, a vaca é mais "pura" do que o brâmane. Assim, a pessoa que toca uma vaca está ritualmente limpa. Todos os produtos derivados da vaca (como o leite e a manteiga) são utilizados em diversas cerimônias de purificação. Até mesmo o excremento e a urina da vaca são tão sagrados que podem ser usados como agentes de purificação.
  • 21. Um hinduísta acredita que, depois da morte de um indivíduo, sua alma renasce numa nova criatura vivente. Pode renascer numa casta mais alta ou mais baixa, ou pode passar a habitar um animal. Há uma ordem inexorável nesse ciclo que vai de uma existência a outra. O impulso por trás dela, ou que a mantém sempre em movimento, é o karma do homem, palavra sânscrita que significa "ato". Porém, nesse caso, ato se refere a pensamentos, palavras e sentimentos, não apenas a ações físicas.
  • 22. O hinduísmo não reconhece nenhum "destino cego" nem divina providência. A responsabilidade pela vida do hinduísta no dia de hoje — e por sua próxima encarnação — será sempre dele. O homem colhe aquilo que semeou. Os resultados das ações — ou frutos de uma vida — derivam dessas ações automaticamente. Poderíamos dizer que a transmigração está sujeita à lei da causa e efeito. Em outras palavras, o que a pessoa experimenta nesta vida em termos de riqueza ou pobreza, alegria ou tristeza, saúde ou doença, é resultado de suas ações numa vida anterior. É desse modo que os hinduístas explicam as diferenças entre as pessoas.
  • 23. TRÊS VIAS DE SALVAÇÃO Durante o período védico, a doutrina do carma e a da reencarnação eram vistas como algo positivo. Por meio dos sacrifícios e das boas ações, o indivíduo podia garantir que iria viver várias vidas. Mais tarde, o hinduísmo passou a considerar esse ciclo como algo negativo, como um círculo vicioso a ser quebrado. O hinduísmo não possui uma doutrina clara e não ambígua sobre a salvação que explique de que modo o homem pode escapar do interminável e cansativo ciclo das reencarnações. Dentro do hinduísmo há uma grande quantidade de movimentos e seitas com visões divergentes.
  • 24. Apesar disso, é possível distinguir três caminhos diferentes para a graça, que exerceram papel relevante na história da Índia. E continuam prevalecendo no hinduísmo moderno. São as Vias do sacrifício, do conhecimento e da devoção. É importante não pensar que essas vias sejam movimentos religiosos organizados. Trata-se, na verdade, de três tendências principais dentro do hinduísmo. O caminho escolhido pode depender do indivíduo. Mas um hinduísta também pode se inspirar nessas três vias.
  • 25. O Hinduísmo é tão vasto em conteúdo que possui centenas de conceitos importantes, tais como Brahman, Madhava, Atma, Samsara, Karma e Moksha: Brahman – significa imensidão, vastidão ilimitada. É a substância de todo o universo, e este é multifário e existente. Brahman não apenas existe, mas É. O multifário é existência, Brahman é Uno. É o Ser. É a Essência, que se expressa como existência. Existência é aquilo que está fora (ex) d’Aquilo que É – a Essência, Brahman. Brahma, que é o Criador do Universo, apenas é uma existência, como que uma ilusão sobre a face do Real. A letra “n”, no final, faz enorme diferença.
  • 26. Madhava – Deus, é o Ser universal em que tudo Nele vive. Deus encontra-se no interior e exterior de todos os seres e está ao mesmo tempo próximo e distante. Em Sua sutileza extrema é imperceptível, preenchendo e envolvendo todo o universo. Deus é o Ser supremo e onisciente, eterno e soberano. Deus sustém o universo. Sua forma é inconcebível, pois, sendo infinito, possui forma como também não a possui. Deus é fulgurante como o sol que brilha sobre as trevas. Atma – é o ser que somos, Deus em nós. Paramatma é o Ser Supremo, o Pai de Cristo.
  • 27. Samsara – é aquilo que incessantemente se transforma, isto é, o universo. O que não muda é Brahman, a realidade. Samsara é uma “sobreimposição” Àquilo que sempre É (Brahman). Samsara é o mundo cambiante, palco dos nascimentos e mortes; a roda das reencarnações, também na terminologia budista. Samsara é o mundo instável, onde reinam o surgir e o sumir, o nascer e o morrer. É o nome que se atribui à roda sempre girante das reencarnações impostas.
  • 28. Trimurthi Krishna emana de Sua personalidade três formas pessoais, que são também princípios cósmicos e aspectos do mesmo ser primordial: 1- o mantenedor, 2 - o criador, 3 - o transformador. O mantenedor ou preservador dos Universos visíveis e invisíveis é denominado Sri Vishnu. O criador do Universo material é denominado Sri Brahma e o transformador do universo material é denominado Sri Shiva. Este último também é conhecido como o deus destruidor, ao mesmo tempo que é considerado o devoto mais puro de Krishna. Para os vários universos existem Senhores Brahmas diferentes. Para os Vaishnavas o centro da trimurthi ( divina trindade indiana), cuja unidade é Krishna, é Sri Vishnu.
  • 30. Algumas religiões surgiram na Índia em decorrência da trimurthi, entre as quais: o Brahmanismo, o Shivaísmo e o Vaishnavismo, segundo a importância atribuída aos vários aspectos da Trimurthi. Atualmente podemos citar alguns movimentos religiosos importantes: Brahma Kumaris, Sociedade Satya Sai Baba ( Satya Sai Baba é considerado uma encarnação de Shiva ) e a ISKON, Sociedade Internacional para a Consciência de Krishna ( Movimento Hare Krishna).
  • 31. Avatar é a encarnação de Deus, o qual desce à forma humana a fim de restaurar a justiça ( o Sanathana Dharma, ou Lei Eterna). Os avatares podem ser classificados segundo critérios estabelecidos pela sabedoria sagrada. Entre as centenas de nomes de Deus aceitas pela tradição indiana, o nome Krishna é o mais reverenciado. Krishna é considerado o próprio Deus absoluto personificado, não havendo diferença entre Krishna e o seu nome.
  • 41. A história do budismo desenvolve-se desde século VI a.C, começando com o nascimento de Siddharta Ghautama. Durante este período, esta religião evoluiu à medida que encontrou diferentes países e culturas, acrescentando ao fundo indiano inicial elementos culturais oriundos da cultura helênica, bem como da Ásia Central, do Sudeste asiático e Extremo Oriente. No processo, o budismo alcançou uma expansão territorial considerável ao ponto de influenciar de uma forma ou de outra, quase todo o continente asiático. A história do budismo caracteriza-se também pelo desenvolvimento de vários movimentos e cismas, entre os quais se encontram as tradições Theravada, Mahayana e Vajrayana.
  • 42. O fundador do Budismo neste mundo foi Siddharta Ghautama ou Buda, que viveu e ensinou no norte da Índia há cerca de 2.500 anos (entre 563-83 a.C.). Desde então, milhões de pessoas ao redor do mundo têm seguido o caminho espiritual que ele revelou. Na crença budista, a existência terrestre de Siddharta foi a última etapa de uma série de sucessivos renascimentos, isto é, a vida deste representa o fim do caminho em direção à libertação do Samsara.
  • 43. O termo “Buda” significa “o iluminado”; aquele que se desperta a ele próprio e que proporciona o despertar dos outros. O Budismo também se assume como uma doutrina moral, considerando a bondade e a compaixão qualidades essenciais à Iluminação. A primeira qualidade leva à paz, a segunda combate a miséria. Como é sabido, Buda pregava a igualdade de todas as castas ante a religião, pregava a transmigração, a caridade, a renúncia a todas as paixões, o aniquilamento de todos os desejos para se poder chegar a tranquilidade absoluta – .
  • 44. As Três Leis Fundamentais (Três Marcas da Existência) A primeira lei é o ponto de partida para todo o sistema religioso budista - a “impermanência” (anitya), que nos revela que no mundo material nada permanece, tudo está em movimento. As coisas podem dar a impressão de o serem, contudo isso não passa de uma ilusão.
  • 45. A segunda lei é a ”insatisfação” (duhkha), ou seja, a dor, que é consequência da primeira. Para o pensamento budista, tudo o que não fosse permanente gerava insatisfação. A terceira lei é a ideia de ”inexistência de alma” (anatman). Segundo o budismo, os seres humanos não têm alma (atman) permanente. Para este, o ser humano era um ser desigual, constituído por uma nuvem de componentes físicos e mentais em permanente mudança.
  • 46. As Quatro Nobres Verdades e o Caminho Óctuplo. Este despertar não é possível sem antes desarraigar a ignorância, fonte de todo sofrimento. Logo após ter alcançado a iluminação, Buda aconselhou à compreender as Quatro Nobres Verdades, caminhar pelo Nobre Caminho Óctuplo e completar a prática das Seis Perfeições (paramitas).
  • 47. As Quatro Nobres Verdades 1.A primeira considerava a vida na sua essência, insatisfatória. 2.A segunda corresponde à ideia de que essa insatisfação deriva das ânsias (trsna), ou seja desejos, que assolavam o ser humano e da sua ignorância(avidya). 3.A terceira era que este não tinha de ser o destino de todos os homens e que haveria uma forma de fugir à escravatura deste mundo insatisfatório. 4.A quarta nobre verdade determinava o caminho de fuga à escravidão do mundo, ou seja, as Oito Vias Sagradas.
  • 49. Nobre Caminho Óctuplo. ÉTICA 3 - Reta Palavra 4 - Reta Ação 5 - Retos Meios de Vida 6 - Reto Esforço 7 - Reta Atenção 8 - Reta Concentração 1 - Reto Entendimento 2 - Reto Pensamento SABEDORIA DISCIPLINA
  • 50. Últimas palavras de Buda: "Ó, monges! Estas são minhas últimas palavras. Tudo o que foi criado está sujeito à decadência e à morte. Nada é permanente. Trabalhem muito pela própria salvação com atenção plena, esforço e disciplina".
  • 53. • Filosofia originada dos ensinamentos de Confúcio, formulados no século V a.C. Introduziu um conjunto de regras éticas que pregam o respeito aos idosos, à família e à pátria. • Valoriza o ensino e defende a presença de sábios e intelectuais no poder. As idéias de Confúcio ainda são utilizadas pelas elites chinesas para se manterem no poder há milhares de anos.
  • 54. Confúcio viveu numa época em que a China se encontrava dividida em estados feudais que lutavam pela supremacia do poder, estas guerras eram seguidas de execuções em massa, soldados eram pagos para trazer as cabeças dos seus inimigos. Populações inteiras eram dizimadas através da decapitação de mulheres, crianças e velhos, o numero de mortes era assustador.
  • 55. A longa e complexa história política do povo provocou a desunião e diversidade, que estavam refletidas nas características sociais e culturais da Dinastia Chou. A renascença social e moral advogada por Confúcio não tinha aprovação universal, principalmente nos círculos de poder, e seu ardente desejo era um posto governamental.
  • 56. Confucionismo não é o termo original dessa corrente de pensamento, mas sim a palavra chinesa “Jucia”. Esta palavra definia os adeptos do confucionismo. A palavra “Confucionismo” foi conferida pelos missionários católicos que visitavam a China. Confúcio chegou a alcançar o cargo de governador do Estado de Lu, mas viveu a maior parte de sua vida pregando aos seus discípulos.
  • 57. Regressou a sua terra natal quando tinha 68 anos, onde continuou a dedicar-se ao ensino de um grupo de discípulos. A escola privada, fundada por Confúcio, cresceu a ponto de ter 3.000 alunos, dos quais setenta e dois eram os seus discípulos mais eruditos. Ele tentou transformá-los em Jens, seres humanos perfeitos que praticassem o exercício do amor e da bondade.
  • 58. Segundo seus ensinamentos, a sociedade humana deve ser regida por um movimento educativo, o qual parte de cima, e equivale ao amor paterno, e por outro de reverência, que parte de baixo, como a obediência de um filho. O Confucionismo considera o homem bom e possuidor do livre arbítrio, sendo a virtude sua recompensa. O único sacrilégio é desobedecer à regra da piedade.
  • 59. Não existe Deus criador do mundo, nem deuses menores. Não existe uma hierarquia sacerdotal. Apesar de não existir um deus criador, o conceito de Tao, muito presente na filosofia indiana, aparece muito no Confucionismo. Tao é uma palavra difícil de definir ou traduzir, mas pode ser entendida como a harmonia de toda a existência, seu equilíbrio e expressão. O caminho do Confucionismo está fundamentado na busca do Tao. Para tanto, é preciso situar a consciência além do mundo da dualidade, representada na filosofia chinesa como o yin e yang.
  • 60. Se considerarmos a religião apenas como uma Igreja hierarquicamente constituída com seu clero e sua estrutura jurídica, o confucionismo não é uma religião; mas, se voltarmos nossa atenção às crenças em entidades sobrenaturais e em espíritos, então sim o confucionismo pode e deve ser reconhecido como uma autêntica religião.
  • 61. T`ien, o Deus do Céu, não é criador, porém, vigia o cumprimento das exigências morais por parte dos homens e as correspondentes leis da natureza; também reparte prêmios e castigos. Ao lado do Deus do Céu encontra-se a Deusa da Terra e, a união dos mesmos se converteu nos progenitores simbólicos do Imperador. Sendo o Imperador considerado descendente do Deus do Céu, é ele que devia ofertar-lhe os sacrifícios. Igualmente os Senhores Feudais que identificavam aos deuses da natureza (o deus do solo e o deus do grão) como sendo seus próprios antepassados, ofertavam sacrifícios a estes deuses inferiores.
  • 62. Grandes Frases de Confúcio • Confúcio nos ensina também que “Se o povo for conduzido apenas por meio de leis e decretos impessoais e se forem trazidos à ordem apenas por meio de punições, ele apenas procurará evitar a dor das punições, evitando a transgressão por medo da dor. Mas se ele for conduzido pela virtude e trazido à ordem pelo exemplo e pelos ritos em comum, ele terá o sentimento de pertencer a uma coletividade e o sentimento de vergonha quando agir contrario a ela e, assim, bem se comportará de livre e espontânea vontade”.
  • 63. "Aquele que for realmente bom nunca poderá estar infeliz“ "Aquele que for realmente sábio nunca poderá estar confuso" "O sábio não se aflige por não ser conhecido dos homens; ele se aflige por não conhecê-los.“ “Não faça aos outros o que não queres que façam com você”.
  • 64. • Escolha um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um único dia em sua vida. • O homem de bem exige tudo de si próprio; o homem medíocre espera tudo dos outros. • É mais fácil vencer um hábito hoje do que amanhã. • O homem superior age antes de falar e depois fala de acordo com suas ações. • Aquele que mais estima o ouro do que a virtude, há de perder a ambos.
  • 65. • O homem se distingue dos outros seres pelo seu sentido de justiça. • O silêncio é um amigo que nunca trai. • O caminho da verdade é largo e fácil de descobrir. O mal está em que os homens não o procuram. • A melhor maneira de ser feliz é contribuir para a felicidade dos outros. • Não são as más ervas que sufocam o grão. É a negligência do cultivador.
  • 66. • Ser ofendido não tem importância nenhuma, a não ser que a gente continue a lembrar disso. • Até que o sol brilhe, acendamos uma vela na escuridão. • Se tiverdes acesso à fama, comporta-te como se estivesses a receber um hóspede; se estiverdes no governo de um povo, comporta-te como se estivesses pronto a oferecer um grande sacrifício. • Para onde quer que fores, vai todo, leva junto teu coração. • Não te suponhas tão grande ao ponto de pensares ver os outros menores que ti.
  • 69. O Taoismo, também chamado Daoismo e Tauismo, é uma tradição filosófica e religiosa, originária da China, que enfatiza a vida em harmonia com o Tao (romanizado atualmente como "Dao"). O termo chinês "Tao" significa "caminho", "via" ou "princípio", e também pode ser encontrado em outras filosofias e religiões chinesas. No taoísmo, especificamente, o termo designa a fonte, a dinâmica e a força motriz por trás de tudo que existe.
  • 70. • Baseia-se num livro chamado Tao Te Chiang, atribuído ao filósofo Lao-tsé, que viveu no século VI a.C. Segundo ele, o tao é a base da qual todas as coisas são criadas. O mundo é dinâmico e cíclico, com contradições que se completam: o Yin e o Yang, ou seja, o preto e o branco, o homem e a mulher, o complexo e o simples, o salgado e o doce, o introvertido e o extrovertido. • Segundo o taoísmo, a vida é a busca combinada da harmonia entre o Yin e o Yang, isto é, a busca do equilíbrio, mesmo que um dos dois lados se sobreponha ao outro momentaneamente.
  • 71. • Uma das religiões mais importantes da China, divide com o budismo e o confucionismo as preferências dos chineses que praticam uma mistura das três religiões. • Mais do que uma religião, o taoísmo é uma filosofia que busca a integração do indivíduo à ordem universal pela compreensão da essência do Universo. • A Acupuntura é um bom exemplo da utilização do taoísmo no cotidiano da população, pois parte do princípio de que o corpo e o espírito estão em equilíbrio, representando o Yin e o Yang. Se o corpo adoece é porque o espírito sofre.
  • 72. As escolas taoistas tradicionalmente reverenciam Lao Zi e os "imortais" ou "ancestrais" e possuem diversos rituais de adivinhação e exorcismo, além de práticas que visam a atingir o êxtase e obter maior longevidade ou mesmo a imortalidade. As tradições e éticas taoistas variam de acordo com a escola, porém, no geral, enfatizam a serenidade, a não ação (wu-wei), o vazio, a moderação dos desejos, a simplicidade, a espontaneidade, a contemplação da natureza e os Três Tesouros: compaixão, moderação e humildade.
  • 73. A alquimia chinesa (especialmente neidan), a astrologia chinesa, o zen-budismo, diversas artes marciais, a medicina tradicional chinesa, o feng shui e diversos estilos de Qi gong têm suas histórias entrelaçadas com a do taoismo. Além da China em si, o taoismo teve grande influência nas sociedades do leste da Ásia.
  • 74. Representação do "Tao", o conceito fundamental do taoísmo, na escrita chinesa Lao-Tsé, o mítico fundador do taoísmo
  • 75. Xintoísmo era a religião primitiva do Japão antes da vinda do budismo, que é atualmente a principal religião do Japão. É uma religião muito simples. Existe apenas um mandamento: a necessidade de ser fiel a seus ancestrais. Seus primeiros aspectos foram naturalistas, que incluíam espiritismo, totemismo, adoração da natureza, e uma espécie de rude monoteísmo. Precocemente o japonês adorava o sol, o trovão, a terra, os vulcões, os tigres, serpentes, árvores, arbustos, trepadeiras, etc, e até mesmo pedras. A etapa posterior é mais intelectual e eticamente orientada. xintoismo
  • 76. As origens mais antigas do xintoísmo são desconhecidas, mas acredita-se que o que hoje é conhecido como xintoísmo começou a se formar provavelmente no período Jomon, entre -982 AC. Acredita-se que após as primeiras migrações do que viria a ser o povo japonês (também existem muitas dúvidas quanto a origem do povo japonês), as pessoas se estabeleceram em pequenas tribos, isoladas umas das outras, e cada qual possuía suas próprias divindades e ritos. O deus principal é Amaterasu, o Deus Sol, de quem a Família Imperial do Japão tem suas raízes.
  • 77. Xintoísmo (em japonês: 神道, transl. Shintō) é o nome dado à espiritualidade tradicional do Japão e dos japoneses, considerado também uma religião pelos estudiosos ocidentais. A palavra Shinto ("Caminho dos deuses") foi adotada do chinês escrito (神道),através da combinação de dois kanji: "shin" (神?), que significa "deuses" ou "espíritos" (originalmente da palavra chinesa shen); e "tō" (道?), ou "do", que significa "estudo" ou "caminho filosófico" (originalmente da palavra chinesa tao).
  • 78. O xintoísmo caracteriza-se pelo culto à natureza, aos ancestrais,e pelo seu politeísmo, com uma forte ênfase na pureza espiritual, e que tem como uma de suas práticas honrar e celebrar a existência de Kami (神?), que pode ser definido como "espírito", "essência" ou "divindades", e é associado com múltiplos formatos compreendidos pelos fieis; em alguns casos apresentam uma forma humana, em outros animística, e em outros é associado com forças mais abstratas, "naturais", do mundo (montanhas, rios, relâmpago, vento, ondas, árvores, rochas).
  • 79. Não possui livros sagrados como a Bíblia, Alcorão. Há um conj. de textos sobre ensinamentos da religião – Shinten – corresponde a escrituras sagradas. Kojiki – considerado o texto sagrado mais antigo, composto por três volumes. Kogo-shui: compilação das tradições do clã. O sacerdote xintoísta é designado pelo termo shinshoku ou kannushi. Os espíritos dos antepassados também são considerados deuses tutelares da família ou do país, motivo pelo qual os ritos fúnebres possuem grande relevo. Não é uma religião confessional. Influenciou fortemente todas as religiões do Japão.
  • 80. ZOROASTRISMO O Faravahar (ou Ferohar), representação da alma humana antes do nascimento e depois da morte, é um dos símbolos do zoroastrismo.
  • 81. O zoroastrismo, masdaísmo, masdeísmo ou parsismo é uma religião fundada na antiga Pérsia pelo profeta Zaratustra, a quem os gregos chamavam de Zoroastro. É considerada como a primeira manifestação de um monoteísmo ético. De acordo com historiadores da religião, algumas das suas concepções religiosas, como a crença no paraíso, na ressurreição, no juízo final e na vinda de um messias, viriam a influenciar o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. Tem seus fundamentos fixados no Avesta e admite a existência de duas divindades (dualismo), as quais representam o Bem (Aúra-Masda) e o Mal (Arimã). Da luta entre essas divindades, sairia vencedora a divindade do Bem, Aúra-Masda.
  • 82. Zoroastro viveu na Ásia Central, num território que compreendia o que é hoje a parte oriental do Irã e a região ocidental do Afeganistão. Não existe um consenso em torno do período em que viveu; os acadêmicos têm situado a sua vida entre 1750 e 1000 a.C. Sobre a sua vida, existem poucos dados precisos, sendo as lacunas preenchidas por lendas. De acordo com os relatos tradicionais zoroastrianos, Zoroastro viveu no século VI a.C., pertencendo ao clã Spitama, sendo filho de Pourushaspa e de Dugdhova. Era o sacerdote do culto dedicado a um determinado ahura. Foi casado duas vezes e teve vários filhos. Faleceu aos setenta e sete anos assassinado por um sacerdote.
  • 83. A religião do Irã antes do surgimento do zoroastrismo apresentava semelhanças com a da Índia védica, dado que as populações que habitavam estes espaços descendiam de um mesmo povo, os arianos (ou indo-iranianos). Era uma religião politeísta, na qual o sacrifício dos animais e o consumo de uma bebida chamada haoma (em sânscrito: soma) desempenhavam um importante papel. Os seres divinos enquadravam-se em duas classes, ambas de características positivas: os ahuras (em sânscrito: asuras; "senhores") e os daivas (em sânscrito: deivas; "deuses").
  • 84. Aos trinta anos, enquanto participava num ritual de purificação num rio, Zaratustra viu um ser de luz que se apresentou como sendo Vohu Manah ("Bom Pensamento") e que o conduziu até à presença de Ahura Mazda(Deus) e de outros cinco seres luminosos, os Amesha Spentas, sendo este o primeiro de uma série de encontros com Ahura Mazda, que lhe revelou a sua mensagem. As autoridades civis e religiosas opunham-se às doutrinas de Zoroastro. Após doze anos de pregação, Zoroastro abandonou a sua região natal e fixou-se na corte do rei Vishtaspa na Báctria (região que se encontra no atual Afeganistão). Este rei e sua esposa, a rainha Hutosa, converteram-se à doutrina de Zoroastro e o zoroastrismo foi declarado como religião oficial do reino.
  • 85. Os zoroastrianos dividem-se entre o dualismo ético ou o dualismo cosmológico, existindo também outros que aceitam os dois conceitos. Alguns acreditam que Ahura Mazda tem um inimigo chamado Angra Mainyu (ou Ahriman), responsável pela doença, pelos desastres naturais, pela morte e por tudo quanto é negativo. Angra Mainyu não deve ser visto como um deus; ele é, antes, uma energia negativa que se opõe à energia positiva de Ahura Mazda, tentando destruir tudo o que de bom foi feito por ele (a energia positiva de Deus é chamada de Spenta Mainyu). No final, Angra Mainyu será destruído e o bem triunfará.
  • 86. Muitos zoroastrianos encaram o dualismo no plano interno de cada pessoa, como a escolha que cada um deve fazer entre o bem e o mal, entre uma mentalidade progressista e uma mentalidade retardatária. Os zoroastrianos acreditam que Zoroastro é um profeta de Deus, mas não é alvo de particular veneração. Eles acreditam que, através dos seus ensinamentos, os seres humanos podem aproximar- se de Deus e da ordem natural marcada pelo bem e justiça (asha).
  • 87. Os masdeístas não representam seus deuses em esculturas e têm templos. Deixaram traços nas principais religiões mundiais como o judaísmo, cristianismo e islamismo através das seguintes crenças:  Imortalidade da alma  Vinda de um Messias  Ressurreição dos mortos  Juízo final A doutrina de Zaratustra foi espalhada oralmente e suas reformas não podem ser entendidas fora de seu contexto social. O indivíduo pode receber recompensas divinas se lutar contra o mal em seu cotidiano, como pode também ser punido após a morte caso escolha o lado do mal. Os mortos são considerados impuros, então não são enterrados, pois consideram a terra, o fogo e a água sagrados, eles os deixam em torres para serem devorados por aves de rapina.
  • 88. Templo de fogo na cidade iraniana de Yazd Os templos religiosos do zoroastrismo, onde se desenrolam as cerimônias e se celebram os festivais próprios da religião, são conhecidos como templos de fogo. Estes edifícios possuem duas partes principais. A mais importante é a câmara onde se conserva o fogo sagrado, que arde numa pira metálica colocada sobre uma plataforma de pedra. Os sacerdotes zoroastrianos visitam o fogo cinco vezes por dia e procuram mantê-lo aceso, fazendo oferendas de sândalo purificado. Recitam também orações perante o fogo com a boca tapada por um tecido, de modo a não contaminarem o fogo. Este respeito pelo fogo sagrado levou a que os zoroastrianos fossem chamados de "adoradores de fogo", o que constitui um erro, na medida em que o fogo não é adorado em si, mas como um símbolo da sabedoria e luz divina de Ahura Mazda. Os templos de fogo mais importantes do Irão e da Índia mantêm uma chama de fogo sagrado a arder perpetuamente.
  • 89. A Fé Bahá’í é uma religião monoteísta fundada por Bahá'u'lláh, um nobre persa que viveu no século XIX. Os seus ensinamentos afirmam que existe um único Deus e que todas as grandes religiões mundiais têm a mesma origem divina. Os fundadores das grandes religiões mundiais trouxeram ensinamentos adequados às necessidades e maturidade de diversos povos, em diferentes momentos da sua história. Entre estes Mensageiros - designados como "Manifestantes de Deus" - encontram-se Krishna, Buda, Abraão, Moisés, Zoroastro, Cristo, Maomé, e mais recentemente o Báb e Bahá'u'lláh. BAHÁ´Í
  • 90. Os seguidores da religião Bahá’í são conhecidos como "Bahá’ís". Esta palavra deriva do árabe "Bahá", que significa "glória" ou "esplendor". As três figuras centrais da fé Bahá’í são: Báb (1819-1850), Bahá’u’ lláh (1817-1892), e Abdu’l-Bahá (1844-1921). As escrituras foram escritas por estes três profetas. São escritos únicos, dado que, pela primeira vez, escrituras sagradas de uma religião chegam aos nossos dias escritas pelo punho e letra do seu fundador ou assinadas por ele.
  • 91. DEUS As Escrituras Bahá'ís mencionam diversos atributos de Deus: Único, Inacessível, Omnisciente, Omnipotente, Imperecível, Todo-Geneoso, etc. Deus e a criação são considerados eternos, sem princípio nem fim. Apesar de ser inacessível, Deus tem consciência da Sua criação, transmitindo-lhe a Sua vontade e propósito através dos Seus Manifestantes. Os ensinamentos Bahá'ís declaram que Deus é demasiado grande para que os seres humanos O possam compreender, ou obter dele uma mensagem correta e completa. Desta forma, considera-se que a única forma para conhecer Deus é através dos Seus Mensageiros.
  • 92. A RELIGIÃO O conceito Bahá’í de Revelação Progressiva baseia-se na aceitação da validade da maioria das grandes religiões mundiais, cujos fundadores são considerados Mensageiros de Deus. Ao longo da história da humanidade, têm surgido diversos Manifestantes de Deus, que fundaram religiões com leis e ensinamentos adequados à maturidade e necessidades de diferentes povos.
  • 93. Nessas religiões encontramos princípios e valores que são comuns (exemplo: o amor ao próximo, o respeito pelos pais) e que nunca são alterados; também encontramos ensinamentos de carácter social específicos (exemplo: restrições alimentares ou o divórcio) que podem não existir noutras religiões ou vir a ser revogados por outro Manifestante de Deus. Os Bahá'ís consideram que o processo de revelação progressiva não terá fim, considerando que Bahá'u'lláh não é o último dos Manifestantes, mas apenas o mais recente.
  • 94. O SER HUMANO As Escrituras Baha’is consideram que o ser humano possui uma alma racional, e que isso lhe confere a capacidade única de reconhecer o seu Criador e compreender a relação da humanidade com Deus. Considera-se que todos os seres humanos têm o Dever de reconhecer Deus através dos Seus Manifestantes, e obedecer aos seus ensinamentos. Através do reconhecimento e obediência aos Manifestantes de Deus, serviço à humanidade e oração regular, o indivíduo consegue desenvolver as suas potencialidades espirituais.
  • 95. Quando uma pessoa morre, a alma entra num novo mundo onde o desenvolvimento espiritual conseguido durante a existência no mundo material se torna a base dessa nova etapa da sua existência. O ensinamento principal de Bahá'u'lláh pode resumir-se na frase "A terra é um só país e a humanidade os seus cidadãos“. Na verdade, chegou o momento de unificação da grande família humana e construção de uma sociedade global. Segundo Bahá'u'lláh, preconceitos raciais, sociais, religiosos e nacionalistas devem ser postos de lado de forma a conseguirmos transformar-nos numa civilização global.