SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
INSTITUDO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA
DEPARTAMENTO DE RECUSOS MINERAIS
CURSO DE GRADUACAO GEOLOGIA
DOCENTES: PAULO CESAR CORREA DA COSTA E RICARDO K. WESCA

Relatório de campo da disciplina
Elementos de petrologia e mineralogia

DISCENTES:
CLARA BRUNA PEREIRA SOUZA
THAIS WELLMANN PRATA SILVA

CUIABA, MT
ABRIL, 2013
SUMÁRIO

1.
2.
3.
4.
5.

INTRODUCÃO.....................................................................................................03
CONTEXTO GEOLOGICO..................................................................................04
CONTEXTO GEOLOGICO LOCAL....................................................................05
CONCLUSÃO.......................................................................................................07
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS....................................................................07

2
1. INTRODUCÃO
Foram realizados entre os dias 4, 5 e 6 de abril um trabalho de campo sob a orientação dos
professores doutores Ricardo K. Weska e Paulo Cesar Correa da Costa. Analisaram-se cinco pontos
na região sudeste de Mato Grosso. Que abrangeu ascidades de Cuiabá, Campo Verde e Chapada
dos Guimaraes. Onde foi possível observar as formações cachoeirinha, paredão grande, formações
terciárias e quaternárias e granito São Vicente. Pertencentes, respectivamente, ao grupo Parecis
(primeiro e segundo item) e Grupo Cuiabá.
Foi possível observar também efeitos de eventos climatológicos e tectônicos, além de
sequencias vulcosedimentares, falhas e fases de cristalização fases de cristalização do magma:
Magmática, Pegmatitica, Pneumatólítica e Hidrotermal.
O objetivo deste relatório é identificar elementos de geológicos como minerais, rochas,
estruturas de dobras e falhamentos caracterizando assim as feições dos afloramentos visitados
através dos conhecimentos adquiridos em sala de aula. E assim, poder narrar os processos
evolutivos oriundos da região,que fica a aproximadamente 70 km de Cuiabá, pegando a via de
acesso BR070 conforme figura 1.

(Figura 1) – Mapa de localização dos pontos estudados. Via de acesso: BR 070.

3
(Figura 2) – Mapa Geológico

2. CONTEXTO GEOLOGICO
Os pontos visitados abrangem os grupos Cuiabá e o batólito São Vicente. Segundo
BARROS, A. M. (1982) o Grupo Cuiabá constitui uma sequência de rochas sedimentares que
sofreram metamorvfismo, devido ao choque entre as placas tectônicas. A colisão entre estas massas
continentais originou as deformações e dobramentos do grupo que devido a sua diversidade
litológica, é subdividido em 8 subunidades. O Grupo Cuiabá (Neoproterozóico), anteriormente
proposto como Série Cuiabá, integra a Faixa Paraguai apresentando metamorfismo de baixo grau.
Predominantemente filitos intercalados com quartzitos. É constituído por metassedimentos
dobrados. Possivelmente depositados entre 670-630 Ma, no período glacial Varangiano. E diante
da diversidade litológica da área o Grupo foi subdividido em sete subunidades litoestratigráficas.
O Batólito de São Vicente é resultado da intrusão magmática sobre as rochas do Grupo
Cuiabá, que apresenta relevo escarpado e vegetação densa. Litologicamente a área apresenta rochas
do Grupo Cuiabá onde há predominância dequartiztos e grauvacas que foram intrudidas por um
batólito granítico denominado Granito São Vicente .Estratigraficamente, é composto por filitos e
sobrepostos a eles quartiztosmetaconglomerados que se metamorfizam formando
metagrauvacas(MATOS,et al. 1993).
A intensidade do metamorfismo sofrido pelas rochas encaixantes do Grupo Cuiabá fica
claro pelas variações da cristalinidade observadasnos planos de clivagem e a espessura dos grãos.
Sendo que os minerais de grãos mais finos recristalizaram-se mais rapidamente, pois estavam mais
próximos do corpo intrusivo e os de grãos mais grossos, mais lentamente, pois estavam mais
distantes. Este metamorfismo é marcado pelo desenvolvimento de minerais filitosos (argilosos) nos
planos é umaclivagem de plano axial associada às dobras. A presença dessesfraturamentos no
Granito São Vicente indica que o mesmo ocorreu após o resfriamento das rochas do Grupo Cuiabá
e do granito (ALVARENGA &TROMPETTE, 1993).
4
3. CONTEXTO GEOLOGICO LOCAL
Nos pontos visitados, descritos abaixo, foi possível identificar o metamorfismo na rocha do
Grupo Cuiabá causado pela suíte intrusiva São Vicente oriunda do contato da intrusão do batólito
do São Vicente com Grupo Cuiabá.
3.1 - EMP 5.1 -Latitude 15° 45’ 24,3’’ sul - Longitude 55° 27’ 24,06’’ leste.
No primeiro local a 2km do contato da intrusão, que está próximo a uma estrada de terra,
encontramos as rochas encaixantes com o metamorfismo causada pela intrusão do Batólito nas
rochas encaixantes do Grupo Cuiabá,Filitoscortados por veios de quartzo, ambos bastante
alterados. Que apresentam clivagem ardosiana,foliação e dobras sinclinais, evidenciando que a
intrusão foi forçada (Figuras 3 e 4).Observam-se rochas bastante alteradas aflorando na superfície
devido uma erosão caracterizada como ravina. Caracterizas como Hornfels, as quais se originaram
próximos ao ambiente de contato do batólito de São Vicente.
3.2 - EMP 5.2 – Latitude 15º 46' 21,24''S - Longitude 55º 29' 28,8' L
No segundo ponto, próximo ao riacho que corta o contato abruptoentre o granito São Vicente e
o Grupo Cuiabá (Figura 5).De um lado do afloramento é possível visualizar o granito São Vicente
com rochas que se formaram no estágio pneumatolitico com minerais grandes (figura 6),e mais a
frente encontramos o metamorfismo de contato,as rochas do grupo Cuiabá são encontradas com
alto grau de metamorfismo devido a altas temperaturas e baixa pressão, com coloração escura
próxima ao contato. Granulometricamente apresenta mineralizações de medias a grossas, formando
minerais que são responsáveis pela coloração escura das rochas; sofrem mudanças físico-químicas
e a recristalização formando rochasHornfels. Próximo ao contato encontra-se a hornblenda(Figura
7), com uma coloração mais escura dada pela alta temperatura; conforme a distância a temperatura
diminui e essa rocha adquire uma coloração mais clara e aparece com minerais de tamanho maiores
(figura 8).

5
(Figura 3)

(Figura 5)

(Figura 7)

(Figura 4)

(Figura 6)

(Figura 8)

(Fig. 3 e 4) – Rochas do Grupo Cuiabá que sofreram metamorfismo, Filitos com clivagem
ardosiana, foliação e dobras sinclinais; (Fig. 5) – Local onde encontramos o contato do
Batólito São Vicente com o Grupo Cuiabá; (Fig. 6) – Granito São Vicente que se formou
no estágio pneumatolitico; (Fig. 7) Hornblenda, rocha próximo ao contato; (Fig. 8) Rocha
mais distante do contato, que apresenta minerais maiores.

6
4. CONCLUSÃO
Nesta viagem tivemos a oportunidade de ver de perto o que foi estudado em sala, vimos
arenitos conglomeraticos de clastos suportados depositados em ambiente fluvial; um derrame
basáltico, na formação Cachoeirinha; também na formação Cachoeirinha vimos as rochas terciárias
e quartanárias e o esclarecimento sobre o termo TQDL, nesse mesmo ponto vimos um mini leque
aluvial; podemos conhecer o local onde ocorreu a intrusão do Batólito São Vicente, e ver os
estágios de cristalização (Magmático, pegmatítico, pneumatolítico e hidrotermal); e no último
ponto, ver de perto o metamorfismo de contato causado pela intrusão forçada do batólito, aonde
vimos Hornfels que são rochas relacionadas ao metamorfismo de contato das rochas magmáticas
nas rochas sedimentares. Assim atingimos nosso objetivo de realizar em campo o que tínhamos
estudado em teoria.

5. REFERÊNCIAS BIBIOGRAFICAS
BARROS, A. M. (1982) In Brasil – DNPM. Projeto RADAM BRASIL, Folha SD-21-Cuiabá.
Goiânia (Levantamento de Recursos Naturais).
MATOS, J. B., RUIZ, A. S. & OLIVEIRA,N. M. - 1993 – A petrografia e a geologia estrutural
das rochas ocorrentes nos arredores de Bom Jardim MT. SOCIEDADE BRASILEIRA DE
GEOLOGIA, Boletim 16, paginas 67 a 78.
CARLOS J.S. ALVARENGA & ROLAND TROMPETTE, 1993 – Evolução tectônica brasiliana
da faixa Paraguai: A estruturação da região de Cuiabá. Revista Brasileira de Geociências,
volume 23 e pag. 18 a 30.

7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rochas
RochasRochas
Rochas
Clara Silva
 
Ciclo rochas magmaticas
Ciclo rochas magmaticasCiclo rochas magmaticas
Tipos de rochas rochas magmáticas
Tipos de rochas   rochas magmáticasTipos de rochas   rochas magmáticas
Tipos de rochas rochas magmáticas
Bárbara Pereira
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
Tânia Reis
 
Rochas metamórficas e ciclo das rochas
Rochas metamórficas e ciclo das rochasRochas metamórficas e ciclo das rochas
Rochas metamórficas e ciclo das rochas
s1lv1alouro
 
Paisagensgeolgicas
PaisagensgeolgicasPaisagensgeolgicas
Paisagensgeolgicas
Ana Conceição
 
Geologia da nossa região
Geologia da nossa regiãoGeologia da nossa região
Geologia da nossa região
littledoll6
 
TIPOS DE ROCHAS
 TIPOS DE ROCHAS TIPOS DE ROCHAS
TIPOS DE ROCHAS
Andrea Lemos
 
Rochas e o ciclo geológico
Rochas e o ciclo geológicoRochas e o ciclo geológico
Rochas e o ciclo geológico
anabela
 
Ciclo Das Rochas
Ciclo Das RochasCiclo Das Rochas
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
karolpoa
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Hugo Martins
 
Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficas
Arminda Malho
 
Paisagens geologicas
Paisagens geologicasPaisagens geologicas
Paisagens geologicas
N C
 
ApresentaçãO Rochas Testemunhos Da Actividade Da Terra
ApresentaçãO   Rochas Testemunhos Da Actividade Da TerraApresentaçãO   Rochas Testemunhos Da Actividade Da Terra
ApresentaçãO Rochas Testemunhos Da Actividade Da Terra
guesteae9b1
 
Ciências – 1º teste
Ciências – 1º testeCiências – 1º teste
Ciências – 1º teste
Mafalda Alves
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
littledoll6
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
Tânia Reis
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
N C
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
Tânia Reis
 

Mais procurados (20)

Rochas
RochasRochas
Rochas
 
Ciclo rochas magmaticas
Ciclo rochas magmaticasCiclo rochas magmaticas
Ciclo rochas magmaticas
 
Tipos de rochas rochas magmáticas
Tipos de rochas   rochas magmáticasTipos de rochas   rochas magmáticas
Tipos de rochas rochas magmáticas
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
 
Rochas metamórficas e ciclo das rochas
Rochas metamórficas e ciclo das rochasRochas metamórficas e ciclo das rochas
Rochas metamórficas e ciclo das rochas
 
Paisagensgeolgicas
PaisagensgeolgicasPaisagensgeolgicas
Paisagensgeolgicas
 
Geologia da nossa região
Geologia da nossa regiãoGeologia da nossa região
Geologia da nossa região
 
TIPOS DE ROCHAS
 TIPOS DE ROCHAS TIPOS DE ROCHAS
TIPOS DE ROCHAS
 
Rochas e o ciclo geológico
Rochas e o ciclo geológicoRochas e o ciclo geológico
Rochas e o ciclo geológico
 
Ciclo Das Rochas
Ciclo Das RochasCiclo Das Rochas
Ciclo Das Rochas
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
 
Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficas
 
Paisagens geologicas
Paisagens geologicasPaisagens geologicas
Paisagens geologicas
 
ApresentaçãO Rochas Testemunhos Da Actividade Da Terra
ApresentaçãO   Rochas Testemunhos Da Actividade Da TerraApresentaçãO   Rochas Testemunhos Da Actividade Da Terra
ApresentaçãO Rochas Testemunhos Da Actividade Da Terra
 
Ciências – 1º teste
Ciências – 1º testeCiências – 1º teste
Ciências – 1º teste
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
 

Destaque

Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
Muriel Pinto
 
Petrologia de rochas igneas e metamorficas
Petrologia de rochas igneas e metamorficasPetrologia de rochas igneas e metamorficas
Petrologia de rochas igneas e metamorficas
Ernesto Alberto Guilengue
 
Slides-
Slides-Slides-
Slides-
roecaiomunhoz
 
Definicion breve de petrologia
Definicion breve de petrologiaDefinicion breve de petrologia
Definicion breve de petrologia
Santiago Benavides
 
RelatóRio De Campo [Geologia]
RelatóRio De Campo [Geologia]RelatóRio De Campo [Geologia]
RelatóRio De Campo [Geologia]
Darilson
 
Geoquímica Aula 1
Geoquímica   Aula 1Geoquímica   Aula 1
Geoquímica Aula 1
marciotecsoma
 
Tema II - Geo História da Terra
Tema II - Geo História da TerraTema II - Geo História da Terra
Tema II - Geo História da Terra
Isabel Henriques
 
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia  2011- 2º semestreApostila completa mineralogia  2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
UNIVERSIDADE GUARULHOS
 
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
Hugo Martins
 
A geografia e a compreensão do mundo
A geografia e a compreensão do mundoA geografia e a compreensão do mundo
A geografia e a compreensão do mundo
Portal do Vestibulando
 
Introdução A Geografia
Introdução A GeografiaIntrodução A Geografia
Introdução A Geografia
Luciano Pessanha
 

Destaque (11)

Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
 
Petrologia de rochas igneas e metamorficas
Petrologia de rochas igneas e metamorficasPetrologia de rochas igneas e metamorficas
Petrologia de rochas igneas e metamorficas
 
Slides-
Slides-Slides-
Slides-
 
Definicion breve de petrologia
Definicion breve de petrologiaDefinicion breve de petrologia
Definicion breve de petrologia
 
RelatóRio De Campo [Geologia]
RelatóRio De Campo [Geologia]RelatóRio De Campo [Geologia]
RelatóRio De Campo [Geologia]
 
Geoquímica Aula 1
Geoquímica   Aula 1Geoquímica   Aula 1
Geoquímica Aula 1
 
Tema II - Geo História da Terra
Tema II - Geo História da TerraTema II - Geo História da Terra
Tema II - Geo História da Terra
 
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia  2011- 2º semestreApostila completa mineralogia  2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
 
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
 
A geografia e a compreensão do mundo
A geografia e a compreensão do mundoA geografia e a compreensão do mundo
A geografia e a compreensão do mundo
 
Introdução A Geografia
Introdução A GeografiaIntrodução A Geografia
Introdução A Geografia
 

Semelhante a Relatorio - Elementos de petrologia e mineralogia

Cráton são francisco 2011
Cráton são francisco 2011Cráton são francisco 2011
Cráton são francisco 2011
Cláudia Passarelli
 
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010
ProfMario De Mori
 
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010
ProfMario De Mori
 
A medida do tempo e a história da terra
A medida do tempo e a história da terraA medida do tempo e a história da terra
A medida do tempo e a história da terra
Claudia Martins
 
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Mariliaformações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
Clara Souza
 
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
ProfMario De Mori
 
Bg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_ccBg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_cc
José Luís Alves
 
RELATÓRIO GEOLÓGICO DE GRADUAÇÃO REGIÃO DO BAIRRO DOM JOAQUIM-BRUSQUE,SC
RELATÓRIO GEOLÓGICO DE GRADUAÇÃO REGIÃO DO BAIRRO DOM JOAQUIM-BRUSQUE,SCRELATÓRIO GEOLÓGICO DE GRADUAÇÃO REGIÃO DO BAIRRO DOM JOAQUIM-BRUSQUE,SC
RELATÓRIO GEOLÓGICO DE GRADUAÇÃO REGIÃO DO BAIRRO DOM JOAQUIM-BRUSQUE,SC
Roberto Cambruzzi
 
Aula1 - Megaestruturas
Aula1 - MegaestruturasAula1 - Megaestruturas
Aula1 - Megaestruturas
Leonardo Felipe
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
drikalima
 
01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx
Teresa Cardoso
 
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
ssuser371e961
 
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
Ap 2   rochas, arquivos da h  da terraAp 2   rochas, arquivos da h  da terra
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
essg
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Cidinhoveronese
 
O principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochasO principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochas
Cidinhoveronese
 
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
Ap 2   rochas, arquivos da h  da terraAp 2   rochas, arquivos da h  da terra
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
essg
 
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdfDatação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
CarinaAmorim10
 
relatório final-ricardo final-definitivo 2
relatório final-ricardo final-definitivo 2relatório final-ricardo final-definitivo 2
relatório final-ricardo final-definitivo 2
Ricardo Fasolo
 
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
Eduardo Mendes
 
Poster Semana Ciencia I - UFAM
Poster Semana Ciencia I - UFAMPoster Semana Ciencia I - UFAM
Poster Semana Ciencia I - UFAM
Astrid Siachoque
 

Semelhante a Relatorio - Elementos de petrologia e mineralogia (20)

Cráton são francisco 2011
Cráton são francisco 2011Cráton são francisco 2011
Cráton são francisco 2011
 
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010
 
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010
 
A medida do tempo e a história da terra
A medida do tempo e a história da terraA medida do tempo e a história da terra
A medida do tempo e a história da terra
 
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Mariliaformações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
 
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
 
Bg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_ccBg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_cc
 
RELATÓRIO GEOLÓGICO DE GRADUAÇÃO REGIÃO DO BAIRRO DOM JOAQUIM-BRUSQUE,SC
RELATÓRIO GEOLÓGICO DE GRADUAÇÃO REGIÃO DO BAIRRO DOM JOAQUIM-BRUSQUE,SCRELATÓRIO GEOLÓGICO DE GRADUAÇÃO REGIÃO DO BAIRRO DOM JOAQUIM-BRUSQUE,SC
RELATÓRIO GEOLÓGICO DE GRADUAÇÃO REGIÃO DO BAIRRO DOM JOAQUIM-BRUSQUE,SC
 
Aula1 - Megaestruturas
Aula1 - MegaestruturasAula1 - Megaestruturas
Aula1 - Megaestruturas
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx
 
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
Geologia, património geológico-mineiro e biodiversidade na região compreendid...
 
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
Ap 2   rochas, arquivos da h  da terraAp 2   rochas, arquivos da h  da terra
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
O principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochasO principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochas
 
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
Ap 2   rochas, arquivos da h  da terraAp 2   rochas, arquivos da h  da terra
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
 
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdfDatação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
 
relatório final-ricardo final-definitivo 2
relatório final-ricardo final-definitivo 2relatório final-ricardo final-definitivo 2
relatório final-ricardo final-definitivo 2
 
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
Aula estrutura da terra e placas tectônicas - 1série 3 bimestre - geografia f...
 
Poster Semana Ciencia I - UFAM
Poster Semana Ciencia I - UFAMPoster Semana Ciencia I - UFAM
Poster Semana Ciencia I - UFAM
 

Último

Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
marcos oliveira
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
dataprovider
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
MarcoAurlioResende
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 

Último (20)

Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 

Relatorio - Elementos de petrologia e mineralogia

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUDO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA DEPARTAMENTO DE RECUSOS MINERAIS CURSO DE GRADUACAO GEOLOGIA DOCENTES: PAULO CESAR CORREA DA COSTA E RICARDO K. WESCA Relatório de campo da disciplina Elementos de petrologia e mineralogia DISCENTES: CLARA BRUNA PEREIRA SOUZA THAIS WELLMANN PRATA SILVA CUIABA, MT ABRIL, 2013
  • 2. SUMÁRIO 1. 2. 3. 4. 5. INTRODUCÃO.....................................................................................................03 CONTEXTO GEOLOGICO..................................................................................04 CONTEXTO GEOLOGICO LOCAL....................................................................05 CONCLUSÃO.......................................................................................................07 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS....................................................................07 2
  • 3. 1. INTRODUCÃO Foram realizados entre os dias 4, 5 e 6 de abril um trabalho de campo sob a orientação dos professores doutores Ricardo K. Weska e Paulo Cesar Correa da Costa. Analisaram-se cinco pontos na região sudeste de Mato Grosso. Que abrangeu ascidades de Cuiabá, Campo Verde e Chapada dos Guimaraes. Onde foi possível observar as formações cachoeirinha, paredão grande, formações terciárias e quaternárias e granito São Vicente. Pertencentes, respectivamente, ao grupo Parecis (primeiro e segundo item) e Grupo Cuiabá. Foi possível observar também efeitos de eventos climatológicos e tectônicos, além de sequencias vulcosedimentares, falhas e fases de cristalização fases de cristalização do magma: Magmática, Pegmatitica, Pneumatólítica e Hidrotermal. O objetivo deste relatório é identificar elementos de geológicos como minerais, rochas, estruturas de dobras e falhamentos caracterizando assim as feições dos afloramentos visitados através dos conhecimentos adquiridos em sala de aula. E assim, poder narrar os processos evolutivos oriundos da região,que fica a aproximadamente 70 km de Cuiabá, pegando a via de acesso BR070 conforme figura 1. (Figura 1) – Mapa de localização dos pontos estudados. Via de acesso: BR 070. 3
  • 4. (Figura 2) – Mapa Geológico 2. CONTEXTO GEOLOGICO Os pontos visitados abrangem os grupos Cuiabá e o batólito São Vicente. Segundo BARROS, A. M. (1982) o Grupo Cuiabá constitui uma sequência de rochas sedimentares que sofreram metamorvfismo, devido ao choque entre as placas tectônicas. A colisão entre estas massas continentais originou as deformações e dobramentos do grupo que devido a sua diversidade litológica, é subdividido em 8 subunidades. O Grupo Cuiabá (Neoproterozóico), anteriormente proposto como Série Cuiabá, integra a Faixa Paraguai apresentando metamorfismo de baixo grau. Predominantemente filitos intercalados com quartzitos. É constituído por metassedimentos dobrados. Possivelmente depositados entre 670-630 Ma, no período glacial Varangiano. E diante da diversidade litológica da área o Grupo foi subdividido em sete subunidades litoestratigráficas. O Batólito de São Vicente é resultado da intrusão magmática sobre as rochas do Grupo Cuiabá, que apresenta relevo escarpado e vegetação densa. Litologicamente a área apresenta rochas do Grupo Cuiabá onde há predominância dequartiztos e grauvacas que foram intrudidas por um batólito granítico denominado Granito São Vicente .Estratigraficamente, é composto por filitos e sobrepostos a eles quartiztosmetaconglomerados que se metamorfizam formando metagrauvacas(MATOS,et al. 1993). A intensidade do metamorfismo sofrido pelas rochas encaixantes do Grupo Cuiabá fica claro pelas variações da cristalinidade observadasnos planos de clivagem e a espessura dos grãos. Sendo que os minerais de grãos mais finos recristalizaram-se mais rapidamente, pois estavam mais próximos do corpo intrusivo e os de grãos mais grossos, mais lentamente, pois estavam mais distantes. Este metamorfismo é marcado pelo desenvolvimento de minerais filitosos (argilosos) nos planos é umaclivagem de plano axial associada às dobras. A presença dessesfraturamentos no Granito São Vicente indica que o mesmo ocorreu após o resfriamento das rochas do Grupo Cuiabá e do granito (ALVARENGA &TROMPETTE, 1993). 4
  • 5. 3. CONTEXTO GEOLOGICO LOCAL Nos pontos visitados, descritos abaixo, foi possível identificar o metamorfismo na rocha do Grupo Cuiabá causado pela suíte intrusiva São Vicente oriunda do contato da intrusão do batólito do São Vicente com Grupo Cuiabá. 3.1 - EMP 5.1 -Latitude 15° 45’ 24,3’’ sul - Longitude 55° 27’ 24,06’’ leste. No primeiro local a 2km do contato da intrusão, que está próximo a uma estrada de terra, encontramos as rochas encaixantes com o metamorfismo causada pela intrusão do Batólito nas rochas encaixantes do Grupo Cuiabá,Filitoscortados por veios de quartzo, ambos bastante alterados. Que apresentam clivagem ardosiana,foliação e dobras sinclinais, evidenciando que a intrusão foi forçada (Figuras 3 e 4).Observam-se rochas bastante alteradas aflorando na superfície devido uma erosão caracterizada como ravina. Caracterizas como Hornfels, as quais se originaram próximos ao ambiente de contato do batólito de São Vicente. 3.2 - EMP 5.2 – Latitude 15º 46' 21,24''S - Longitude 55º 29' 28,8' L No segundo ponto, próximo ao riacho que corta o contato abruptoentre o granito São Vicente e o Grupo Cuiabá (Figura 5).De um lado do afloramento é possível visualizar o granito São Vicente com rochas que se formaram no estágio pneumatolitico com minerais grandes (figura 6),e mais a frente encontramos o metamorfismo de contato,as rochas do grupo Cuiabá são encontradas com alto grau de metamorfismo devido a altas temperaturas e baixa pressão, com coloração escura próxima ao contato. Granulometricamente apresenta mineralizações de medias a grossas, formando minerais que são responsáveis pela coloração escura das rochas; sofrem mudanças físico-químicas e a recristalização formando rochasHornfels. Próximo ao contato encontra-se a hornblenda(Figura 7), com uma coloração mais escura dada pela alta temperatura; conforme a distância a temperatura diminui e essa rocha adquire uma coloração mais clara e aparece com minerais de tamanho maiores (figura 8). 5
  • 6. (Figura 3) (Figura 5) (Figura 7) (Figura 4) (Figura 6) (Figura 8) (Fig. 3 e 4) – Rochas do Grupo Cuiabá que sofreram metamorfismo, Filitos com clivagem ardosiana, foliação e dobras sinclinais; (Fig. 5) – Local onde encontramos o contato do Batólito São Vicente com o Grupo Cuiabá; (Fig. 6) – Granito São Vicente que se formou no estágio pneumatolitico; (Fig. 7) Hornblenda, rocha próximo ao contato; (Fig. 8) Rocha mais distante do contato, que apresenta minerais maiores. 6
  • 7. 4. CONCLUSÃO Nesta viagem tivemos a oportunidade de ver de perto o que foi estudado em sala, vimos arenitos conglomeraticos de clastos suportados depositados em ambiente fluvial; um derrame basáltico, na formação Cachoeirinha; também na formação Cachoeirinha vimos as rochas terciárias e quartanárias e o esclarecimento sobre o termo TQDL, nesse mesmo ponto vimos um mini leque aluvial; podemos conhecer o local onde ocorreu a intrusão do Batólito São Vicente, e ver os estágios de cristalização (Magmático, pegmatítico, pneumatolítico e hidrotermal); e no último ponto, ver de perto o metamorfismo de contato causado pela intrusão forçada do batólito, aonde vimos Hornfels que são rochas relacionadas ao metamorfismo de contato das rochas magmáticas nas rochas sedimentares. Assim atingimos nosso objetivo de realizar em campo o que tínhamos estudado em teoria. 5. REFERÊNCIAS BIBIOGRAFICAS BARROS, A. M. (1982) In Brasil – DNPM. Projeto RADAM BRASIL, Folha SD-21-Cuiabá. Goiânia (Levantamento de Recursos Naturais). MATOS, J. B., RUIZ, A. S. & OLIVEIRA,N. M. - 1993 – A petrografia e a geologia estrutural das rochas ocorrentes nos arredores de Bom Jardim MT. SOCIEDADE BRASILEIRA DE GEOLOGIA, Boletim 16, paginas 67 a 78. CARLOS J.S. ALVARENGA & ROLAND TROMPETTE, 1993 – Evolução tectônica brasiliana da faixa Paraguai: A estruturação da região de Cuiabá. Revista Brasileira de Geociências, volume 23 e pag. 18 a 30. 7