ApresentaçãO Rochas Testemunhos Da Actividade Da Terra (Rochas)

13.090 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.090
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
326
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
891
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ApresentaçãO Rochas Testemunhos Da Actividade Da Terra (Rochas)

  1. 1. ROCHAS – TESTEMUNHOS DA ACTIVIDADE DA TERRA Sétimo ano - Ciências Naturais
  2. 2. O que são rochas magmáticas? 2 As rochas magmáticas formam-se quando o magma em fusão arrefece e consolida. Nuno Correia 2008/09
  3. 3. 3 Nuno Correia 2008/09
  4. 4. 4 A textura das rochas magmáticas está relacionada com a velocidade de arrefecimento do magma. Um arrefecimento lento, no interior da crosta, é favorável ao crescimento dos cristais, conferindo às rochas uma textura granular - rochas magmáticas plutónicas ou intrusivas Nuno Correia 2008/09
  5. 5. 5 Um arrefecimento lento, no interior da crosta, é favorável ao crescimento dos cristais, conferindo às rochas uma textura granular - rochas magmáticas plutónicas e-geo.ineti.pt/.../amostras_rochas.aspx?ID=1 ou intrusivas Nuno Correia 2008/09
  6. 6. 6 O arrefecimento rápido, à superfície, dá origem a uma textura finamente granular ou vítrea, característica das rochas magmáticas vulcânicas ou extrusivas. Obsidiana ou vidro vulcânico Nuno Correia 2008/09
  7. 7. 7 Os granitos são rochas magmáticas plutónicas de textura granular. São constituídos por vários minerais cristalizados, visíveis à vista desarmada, principalmente quartzo, feldspato e micas. Nuno Correia 2008/09
  8. 8. 8 Os basaltos são rochas magmáticas vulcânicas, geralmente com textura finamente granular. São constituídos por uma massa negra compacta, onde podem observar-se Basalto com flúor-apofilita verde - Pedreira da Prefeitura, cristais de piroxenas e Morro Reuter/RS/Brasil olivina. Nuno Correia 2008/09
  9. 9. Rochas Sedimentares 9 Nuno Correia 2008/09
  10. 10. Rochas Sedimentares Detríticas 10 As rochas sedimentares detríticas têm origem na acumulação de sedimentos. Os sedimentos são produtos resultantes da desagregação das rochas preexistentes por alteração e erosão. Nuno Correia 2008/09
  11. 11. Nuno Correia 2008/09 11
  12. 12. Areias e Balastros 12 Nuno Correia 2008/09
  13. 13. Arenitos 13 Arenitos na Praia da Falésia, Albufeira (Pt) Nuno Correia 2008/09
  14. 14. Arenito 14 Nuno Correia 2008/09
  15. 15. Conglomerados 15 Nuno Correia 2008/09
  16. 16. Como se formam? 16 As rochas sedimentares resultam de um longo processo de transformações que se inicia com a alteração e termina com a diagénese - processo de compactação dos sedimentos, cimentação e, por vezes, aparecimento de novos minerais. Nuno Correia 2008/09
  17. 17. Nuno Correia 2008/09 17
  18. 18. O que são rochas sedimentares quimiogénicas e biogénicas? 18 As rochas sedimentares quimiogénicas formam-se em ambiente aquático e resultam da precipitação de sedimentos químicos dissolvidos numa solução aquosa. São exemplos destas rochas o sal-gema e os calcários quimiogénicos. Nuno Correia 2008/09
  19. 19. Calcários biogénicos 19 Corais fósseis Nuno Correia 2008/09
  20. 20. 20 As rochas sedimentares biogénicas têm origem na acumulação de organismos após a sua morte ou de detritos da sua actividade. São exemplos destas rochas os calcários conquíferos e recifais e os carvões.  Os calcários conquíferos têm origem na transformação, em ambiente marinho, de esqueletos e conchas. Os calcários recifais resultam dos recifes de coral. Nuno Correia 2008/09
  21. 21. 21
  22. 22. As rochas sedimentares quimiogénicas 22 As rochas sedimentares quimiogénicas formam-se em ambiente aquático e resultam da precipitação de sedimentos químicos dissolvidos numa solução aquosa. São exemplos destas rochas o sal-gema e os calcários quimiogénicos Nuno Correia 2008/09
  23. 23. Calcários Quimiogénicos 23 Os calcários são rochas sedimentares formadas essencialmente por calcite - mineral de carbonato de cálcio. Os calcários quimiogénicos resultam da precipitação do carbonato de cálcio em Águas ricas em Carbonato de Cálcio, precipitam. Turquia. ambiente aquático. Nuno Correia 2008/09
  24. 24. 24 Nuno Correia 2008/09
  25. 25. Sal Gema 25 O sal-gema é uma rocha sedimentar pouco dura e brilhante, formada essencialmente por halite - mineral de cloreto de sódio. Formou-se por precipitação dos sais durante a evaporação da água do mar, como acontece nas Mina de Sal – gema salinas, originando depósitos (Loulé,pt) de cristais de halite. Nuno Correia 2008/09
  26. 26. Nuno Correia 2008/09 26
  27. 27. Rochas Metamórficas 27 Nuno Correia 2008/09
  28. 28. 28 Quando as rochas são sujeitas a um aumento de pressão e temperatura, sofrem transformações na sua mineralogia e textura e dão origem a rochas metamórficas. Nuno Correia 2008/09
  29. 29. 29 Estas transformações ocorrem no estado sólido, devido a vários factores que actuam ao longo do tempo geológico. Nuno Correia 2008/09
  30. 30. 30 O calor favorece as reacções químicas e a recristalização. Nuno Correia 2008/09
  31. 31. 31 A pressão, resultante do peso dos sedimentos e/ou de forças tectónicas, facilita a dissolução, recristalização e alinhamento dos minerais. Nuno Correia 2008/09
  32. 32. 32 Os fluidos de circulação, como a água, também podem modificar profundamente a constituição mineralógica das rochas encaixantes. Nuno Correia 2008/09
  33. 33. Arrefecimento da Terra 33 Nuno Correia 2008/09
  34. 34. Xistos e Gnaisses 34 Os xistos e os gnaisses são rochas metamórficas que resultaram de metamorfismo regional sobre rochas sedimentares ou magmáticas. Estas rochas têm aspecto nitidamente cristalino. Os xistos têm uma foliação bem evidente e os gnaisses apresentam os minerais claramente orientados em bandas paralelas. Nuno Correia 2008/09
  35. 35. Xisto 35 Nuno Correia 2008/09
  36. 36. Gnaisse 36 Nuno Correia 2008/09
  37. 37. 37 Nuno Correia 2008/09
  38. 38. 38 Os mármores e as corneanas são rochas metamórficas que resultaram do metamorfismo de contacto. Nuno Correia 2008/09

×