SlideShare uma empresa Scribd logo
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
2.ª Dinastia
Dinastia de Avis
3.ª Dinastia
Dinastia Filipina
4.ª Dinastia
Dinastia Bragança
Os Reis de Portugal
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
2.ª Dinastia
Dinastia de Avis
3.ª Dinastia
Dinastia Filipina
4.ª Dinastia
Dinastia Bragança
Os Reis de Portugal
Os Reis de Portugal
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
D. Afonso
Henriques
D. Sancho I D. Afonso II D. Sancho II D. Afonso III
D. Dinis D. Afonso IV D. Pedro D. Fernando
Aos 13 anos, D. Afonso Henriques, ao ver que vários inimigos se
preparavam para atacar as terras de sua mãe, a infanta D.
Teresa, pegou numa espada e armou-se cavaleiro.
Os principais inimigos de D. Afonso Henriques eram os árabes
que queriam dominar toda a Península Ibérica. Mas o jovem não
se deixava intimidar e, na Batalha de Ourique em 1139 foi
aclamado Rei de Portugal, pelos seus soldados.
D. Afonso Henriques mereceu o cognome – o Conquistador –
pelas suas numerosas conquistas.
De 1139 a 1185 – D. Afonso Henriques – o Conquistador
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
D. Afonso
Henriques
A sua primeira batalha foi aos 13 anos contra os Mouros, na qual
se sagrou vitorioso e conquistou Silves.
Com a morte de D. Afonso Henriques, foi aclamado rei em 1185,
passando a intitular-se Rei de Portugal e do Algarve.
D. Sancho I desenvolveu o comércio e ficou conhecido como o
Povoador pelo seu enorme esforço em convidar estrangeiros
para ocuparem as terras a sul, concedendo-lhes alguns
privilégios.
De 1185 a 1211 – D. Sancho I – o Povoador
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
D. Sancho I
D. Afonso II foi atacado muito jovem, aos 14 anos, por uma grave
doença.
Apesar do seu papel inovador no governo de Portugal, teve
inúmeras discórdias com as suas irmãs, por se ter recusado a
cumprir o testamento do seu pai. Nessa altura coube ao Papa
intervir e atribuir as terras a D. Afonso II e os rendimentos às
infantas.
Ficou conhecido como o Gordo devido à sua forma física: tinha
corpo quase de gigante, tinha a testa alta, os olhos formosos e
castanhos, assim como a barba que era também muito
comprida.
De 1211 a 1223 – D. Afonso II – o Gordo
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
D. Afonso II
D. Sancho II herdou o trono de Portugal, aos 13 anos, por morte
de seu pai, Afonso II. Contudo, devido à lei portuguesa que não
considerava “maior” um jovem com a sua idade, um grupo de
homens da confiança de seu pai governaria Portugal.
Entretanto, aos 14 anos, após ter sido aclamado rei, D. Sancho II
foi à luta, mostrando-se digno herdeiro do trono. Foi num ritmo
notável que conquistou aos Mouros valiosas terras e defendeu
com garra muitos castelos.
O seu cognome – o Capelo – ficou a dever-se a uma promessa
feita pela sua mãe que, durante a sua infância o vestiu de frade
franciscano.
De 1223 a 1248 – D. Sancho II – o Capelo
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
D. Sancho II
Como D. Afonso III era o terceiro filho de D. Afonso II e de D.
Urraca, não poderia ser rei. Assim, aos 16 anos, partiu para
junto de sua tia, D. Branca, rainha de França, que o armou
cavaleiro. Permaneceu na corte francesa e em 1239 conheceu
D. Matilde, condessa de Bolonha, com quem veio a casar (daí lhe
veio o cognome o Bolonhês).
Entretanto, em Portugal houve um movimento contra D. Sancho
II e D. Afonso III, deixou as riquezas de Bolonha pela realeza que
sempre desejara. Foi aclamado rei em 1258, depois da morte de
D. Sancho II.
De 1248 a 1279 – D. Afonso III – o Bolonhês
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
D. Afonso III
D. Dinis foi aclamado rei aos 18 anos e desde logo demonstrou
as suas extraordinárias capacidades de governar e desenvolver
o país.
Foi um dos maiores poetas e trovadores portugueses.
No seu reinado, em 1290, fundou uma das primeiras
universidades do mundo, com o nome de Estudos Gerais.
Ficou conhecido como o Lavrador por ter mandando semear o
pinhal de Leiria.
De 1279 a 1325 – D. Dinis – o Lavrador
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
D. Dinis
Conta-se que D. Afonso IV ansioso por subir ao trono e ter
poder, organizou um exército para combater contra seu pai.
Essa batalha nunca chegou a acontecer porque a rainha santa,
D. Isabel pôs-se entre os exércitos.
Ficou conhecido por o Bravo pela sua inclinação para guerras e
para a impiedade.
De 1325 a 1357 – D. Afonso IV – o Bravo
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
D. Afonso IV
D. Pedro herdou de seu pai um reino rico e próspero e terá dito:
“Se o povo é rico também o rei é rico.” Foi este pensamento que
o guiou durante todo o reinado. Era o povo a classe que ele mais
protegia e onde ia buscar companhia e distração nas horas
tristes em que recordava a perda de Inês de Castro.
Ficou muito conhecido na história pelos seus amores.
O cognome o Cruel ficou a dever-se por ter mandado matar, de
forma cruel, os homens executores da morte de Inês de Castro.
O Justiceiro por existir uma outra imagem do rei que o descreve
como paciente e defensor dos camponeses pobres.
De 1357 a 1367 – D. Pedro – o Justiceiro/o Cruel
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
D. Pedro
D. Fernando ficou conhecido pelo cognome o Formoso por ter
boa aparência, braços fortes e corpo vistoso.
Para promover o desenvolvimento da agricultura promulgou e
Lei das Sesmarias que obrigava os vadios a trabalhar e os
proprietários a cultivar os campos, quem não cultivasse perdia o
direito às terras.
De 1367 a 1383 – D. Fernando – o Formoso
1.ª Dinastia
Dinastia Afonsina
D. Fernando

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
Jorge Almeida
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
cattonia
 
A historia de portugal
A historia de portugalA historia de portugal
A historia de portugal
gracindacasais
 
Formação reino--portugal.ppt_
 Formação reino--portugal.ppt_ Formação reino--portugal.ppt_
Formação reino--portugal.ppt_
Isa Alves
 
Dinastia filipina.
Dinastia filipina.Dinastia filipina.
Dinastia filipina.
Mariana Gil
 
1.ª dinastia
1.ª dinastia1.ª dinastia
1.ª dinastia
blog-eic
 
Biografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriquesBiografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriques
20014
 
A história de Portugal
A história de PortugalA história de Portugal
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
Anabela Sobral
 
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
patriciacanico
 
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricaOs primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
paulasalvador
 
3.ª dinastia
3.ª dinastia3.ª dinastia
3.ª dinastia
blog-eic
 
Friso cronológico
Friso cronológicoFriso cronológico
Friso cronológico
EB Foros de Amora
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
ana2643232
 
A formação do reino de portugal
A formação do reino de portugalA formação do reino de portugal
A formação do reino de portugal
cruchinho
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
Jorge Almeida
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
helder33701
 
formação de portugal
formação de portugalformação de portugal
formação de portugal
Carla Gonçalves
 
Condado portucalense
Condado portucalenseCondado portucalense
Condado portucalense
Luisa Jesus
 
D. Dinis
D. DinisD. Dinis
D. Dinis
mariamanel
 

Mais procurados (20)

D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
 
A historia de portugal
A historia de portugalA historia de portugal
A historia de portugal
 
Formação reino--portugal.ppt_
 Formação reino--portugal.ppt_ Formação reino--portugal.ppt_
Formação reino--portugal.ppt_
 
Dinastia filipina.
Dinastia filipina.Dinastia filipina.
Dinastia filipina.
 
1.ª dinastia
1.ª dinastia1.ª dinastia
1.ª dinastia
 
Biografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriquesBiografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriques
 
A história de Portugal
A história de PortugalA história de Portugal
A história de Portugal
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
 
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
 
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricaOs primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
 
3.ª dinastia
3.ª dinastia3.ª dinastia
3.ª dinastia
 
Friso cronológico
Friso cronológicoFriso cronológico
Friso cronológico
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
A formação do reino de portugal
A formação do reino de portugalA formação do reino de portugal
A formação do reino de portugal
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
 
formação de portugal
formação de portugalformação de portugal
formação de portugal
 
Condado portucalense
Condado portucalenseCondado portucalense
Condado portucalense
 
D. Dinis
D. DinisD. Dinis
D. Dinis
 

Semelhante a Reis de Portugal 1ª Dinastia

Dinastia afonsina
Dinastia afonsinaDinastia afonsina
Dinastia afonsina
Carmo Silva
 
1ª dinastia
1ª dinastia1ª dinastia
1ª dinastia
1ª dinastia1ª dinastia
Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugal
Hugo Ferreira
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
Carmo Silva
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
Carmo Silva
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
Carmo Silva
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
Carmo Silva
 
Dinastia afonsina
Dinastia afonsinaDinastia afonsina
Dinastia afonsina
Carmo Silva
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
Carmo Silva
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
Carmo Silva
 
Reis portugal
Reis portugalReis portugal
Reis portugal
putcheca
 
Reis de portugal
Reis de portugalReis de portugal
Reis de portugal
anptrinta
 
Reis de portugal
Reis de portugalReis de portugal
Reis de portugal
anptrinta
 
1 dinastia
1 dinastia1 dinastia
1 dinastia
cssacssa
 
Reis Portugal
Reis PortugalReis Portugal
HistóRia De Portugal
HistóRia De PortugalHistóRia De Portugal
HistóRia De Portugal
apresentacao2008
 
História de portugal2
História de portugal2História de portugal2
História de portugal2
EB Foros de Amora
 
Rei d sancho
Rei d sanchoRei d sancho
Rei d sancho
escolaeu4pt
 
Desafio 0 biografias (1)
Desafio 0  biografias (1)Desafio 0  biografias (1)
Desafio 0 biografias (1)
hugoseverino8a
 

Semelhante a Reis de Portugal 1ª Dinastia (20)

Dinastia afonsina
Dinastia afonsinaDinastia afonsina
Dinastia afonsina
 
1ª dinastia
1ª dinastia1ª dinastia
1ª dinastia
 
1ª dinastia
1ª dinastia1ª dinastia
1ª dinastia
 
Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugal
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
 
Dinastia afonsina
Dinastia afonsinaDinastia afonsina
Dinastia afonsina
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
 
Dinastias de portugal
Dinastias de portugalDinastias de portugal
Dinastias de portugal
 
Reis portugal
Reis portugalReis portugal
Reis portugal
 
Reis de portugal
Reis de portugalReis de portugal
Reis de portugal
 
Reis de portugal
Reis de portugalReis de portugal
Reis de portugal
 
1 dinastia
1 dinastia1 dinastia
1 dinastia
 
Reis Portugal
Reis PortugalReis Portugal
Reis Portugal
 
HistóRia De Portugal
HistóRia De PortugalHistóRia De Portugal
HistóRia De Portugal
 
História de portugal2
História de portugal2História de portugal2
História de portugal2
 
Rei d sancho
Rei d sanchoRei d sancho
Rei d sancho
 
Desafio 0 biografias (1)
Desafio 0  biografias (1)Desafio 0  biografias (1)
Desafio 0 biografias (1)
 

Mais de khistoria

A questão de Timor
A questão de TimorA questão de Timor
A questão de Timor
khistoria
 
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
khistoria
 
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.
khistoria
 
Ficha de autoavaliação de história
Ficha de autoavaliação de históriaFicha de autoavaliação de história
Ficha de autoavaliação de história
khistoria
 
Metas Curriculares de História 8º Ano
Metas Curriculares de História 8º AnoMetas Curriculares de História 8º Ano
Metas Curriculares de História 8º Ano
khistoria
 
Metas Curriculares de História 7º Ano
Metas Curriculares de História 7º AnoMetas Curriculares de História 7º Ano
Metas Curriculares de História 7º Ano
khistoria
 
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 3.º Ciclo do Ensino Básico...
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 3.º Ciclo do Ensino Básico...Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 3.º Ciclo do Ensino Básico...
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 3.º Ciclo do Ensino Básico...
khistoria
 
Metas Curriculares de História e Geografia de Portugal 5ºAno
Metas Curriculares de História e Geografia de Portugal 5ºAnoMetas Curriculares de História e Geografia de Portugal 5ºAno
Metas Curriculares de História e Geografia de Portugal 5ºAno
khistoria
 
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 2.º Ciclo do Ensino Básico...
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 2.º Ciclo do Ensino Básico...Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 2.º Ciclo do Ensino Básico...
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 2.º Ciclo do Ensino Básico...
khistoria
 

Mais de khistoria (9)

A questão de Timor
A questão de TimorA questão de Timor
A questão de Timor
 
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
 
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.
 
Ficha de autoavaliação de história
Ficha de autoavaliação de históriaFicha de autoavaliação de história
Ficha de autoavaliação de história
 
Metas Curriculares de História 8º Ano
Metas Curriculares de História 8º AnoMetas Curriculares de História 8º Ano
Metas Curriculares de História 8º Ano
 
Metas Curriculares de História 7º Ano
Metas Curriculares de História 7º AnoMetas Curriculares de História 7º Ano
Metas Curriculares de História 7º Ano
 
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 3.º Ciclo do Ensino Básico...
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 3.º Ciclo do Ensino Básico...Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 3.º Ciclo do Ensino Básico...
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 3.º Ciclo do Ensino Básico...
 
Metas Curriculares de História e Geografia de Portugal 5ºAno
Metas Curriculares de História e Geografia de Portugal 5ºAnoMetas Curriculares de História e Geografia de Portugal 5ºAno
Metas Curriculares de História e Geografia de Portugal 5ºAno
 
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 2.º Ciclo do Ensino Básico...
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 2.º Ciclo do Ensino Básico...Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 2.º Ciclo do Ensino Básico...
Capacidades transversais a desenvolver ao longo do 2.º Ciclo do Ensino Básico...
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 

Reis de Portugal 1ª Dinastia

  • 1.
  • 2. 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina 2.ª Dinastia Dinastia de Avis 3.ª Dinastia Dinastia Filipina 4.ª Dinastia Dinastia Bragança Os Reis de Portugal
  • 3. 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina 2.ª Dinastia Dinastia de Avis 3.ª Dinastia Dinastia Filipina 4.ª Dinastia Dinastia Bragança Os Reis de Portugal
  • 4. Os Reis de Portugal 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina
  • 5. 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina D. Afonso Henriques D. Sancho I D. Afonso II D. Sancho II D. Afonso III D. Dinis D. Afonso IV D. Pedro D. Fernando
  • 6. Aos 13 anos, D. Afonso Henriques, ao ver que vários inimigos se preparavam para atacar as terras de sua mãe, a infanta D. Teresa, pegou numa espada e armou-se cavaleiro. Os principais inimigos de D. Afonso Henriques eram os árabes que queriam dominar toda a Península Ibérica. Mas o jovem não se deixava intimidar e, na Batalha de Ourique em 1139 foi aclamado Rei de Portugal, pelos seus soldados. D. Afonso Henriques mereceu o cognome – o Conquistador – pelas suas numerosas conquistas. De 1139 a 1185 – D. Afonso Henriques – o Conquistador 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina D. Afonso Henriques
  • 7. A sua primeira batalha foi aos 13 anos contra os Mouros, na qual se sagrou vitorioso e conquistou Silves. Com a morte de D. Afonso Henriques, foi aclamado rei em 1185, passando a intitular-se Rei de Portugal e do Algarve. D. Sancho I desenvolveu o comércio e ficou conhecido como o Povoador pelo seu enorme esforço em convidar estrangeiros para ocuparem as terras a sul, concedendo-lhes alguns privilégios. De 1185 a 1211 – D. Sancho I – o Povoador 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina D. Sancho I
  • 8. D. Afonso II foi atacado muito jovem, aos 14 anos, por uma grave doença. Apesar do seu papel inovador no governo de Portugal, teve inúmeras discórdias com as suas irmãs, por se ter recusado a cumprir o testamento do seu pai. Nessa altura coube ao Papa intervir e atribuir as terras a D. Afonso II e os rendimentos às infantas. Ficou conhecido como o Gordo devido à sua forma física: tinha corpo quase de gigante, tinha a testa alta, os olhos formosos e castanhos, assim como a barba que era também muito comprida. De 1211 a 1223 – D. Afonso II – o Gordo 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina D. Afonso II
  • 9. D. Sancho II herdou o trono de Portugal, aos 13 anos, por morte de seu pai, Afonso II. Contudo, devido à lei portuguesa que não considerava “maior” um jovem com a sua idade, um grupo de homens da confiança de seu pai governaria Portugal. Entretanto, aos 14 anos, após ter sido aclamado rei, D. Sancho II foi à luta, mostrando-se digno herdeiro do trono. Foi num ritmo notável que conquistou aos Mouros valiosas terras e defendeu com garra muitos castelos. O seu cognome – o Capelo – ficou a dever-se a uma promessa feita pela sua mãe que, durante a sua infância o vestiu de frade franciscano. De 1223 a 1248 – D. Sancho II – o Capelo 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina D. Sancho II
  • 10. Como D. Afonso III era o terceiro filho de D. Afonso II e de D. Urraca, não poderia ser rei. Assim, aos 16 anos, partiu para junto de sua tia, D. Branca, rainha de França, que o armou cavaleiro. Permaneceu na corte francesa e em 1239 conheceu D. Matilde, condessa de Bolonha, com quem veio a casar (daí lhe veio o cognome o Bolonhês). Entretanto, em Portugal houve um movimento contra D. Sancho II e D. Afonso III, deixou as riquezas de Bolonha pela realeza que sempre desejara. Foi aclamado rei em 1258, depois da morte de D. Sancho II. De 1248 a 1279 – D. Afonso III – o Bolonhês 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina D. Afonso III
  • 11. D. Dinis foi aclamado rei aos 18 anos e desde logo demonstrou as suas extraordinárias capacidades de governar e desenvolver o país. Foi um dos maiores poetas e trovadores portugueses. No seu reinado, em 1290, fundou uma das primeiras universidades do mundo, com o nome de Estudos Gerais. Ficou conhecido como o Lavrador por ter mandando semear o pinhal de Leiria. De 1279 a 1325 – D. Dinis – o Lavrador 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina D. Dinis
  • 12. Conta-se que D. Afonso IV ansioso por subir ao trono e ter poder, organizou um exército para combater contra seu pai. Essa batalha nunca chegou a acontecer porque a rainha santa, D. Isabel pôs-se entre os exércitos. Ficou conhecido por o Bravo pela sua inclinação para guerras e para a impiedade. De 1325 a 1357 – D. Afonso IV – o Bravo 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina D. Afonso IV
  • 13. D. Pedro herdou de seu pai um reino rico e próspero e terá dito: “Se o povo é rico também o rei é rico.” Foi este pensamento que o guiou durante todo o reinado. Era o povo a classe que ele mais protegia e onde ia buscar companhia e distração nas horas tristes em que recordava a perda de Inês de Castro. Ficou muito conhecido na história pelos seus amores. O cognome o Cruel ficou a dever-se por ter mandado matar, de forma cruel, os homens executores da morte de Inês de Castro. O Justiceiro por existir uma outra imagem do rei que o descreve como paciente e defensor dos camponeses pobres. De 1357 a 1367 – D. Pedro – o Justiceiro/o Cruel 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina D. Pedro
  • 14. D. Fernando ficou conhecido pelo cognome o Formoso por ter boa aparência, braços fortes e corpo vistoso. Para promover o desenvolvimento da agricultura promulgou e Lei das Sesmarias que obrigava os vadios a trabalhar e os proprietários a cultivar os campos, quem não cultivasse perdia o direito às terras. De 1367 a 1383 – D. Fernando – o Formoso 1.ª Dinastia Dinastia Afonsina D. Fernando