SlideShare uma empresa Scribd logo
O REINO PROTOCTISTA PROFª. LUCI FREITAS
RECORDANDO PROFª. LUCI FREITAS OS CINCO REINOS REINO MONERA Inclui organismos procariontes, unicelulares,  autótrofos (algumas bactérias e cianobactérias)  ou  heterótrofos (demais bactérias). REINO PROTOCTISTA Inclui organismos eucariontes,  unicelulares (algumas algas e protozoários)  ou  pluricelulares (demais algas),   heterótrofos (protozoários)  ou  autótrofos (todas as algas). REINO FUNGI Inclui organismos eucariontes,  unicelulares (leveduras)  ou  pluricelulares (cogumelos),  heterótrofos por absorção. REINO PLANTAE Inclui organismos eucariontes, pluricelulares, autótrofos. REINO ANIMALIA Inclui organismos eucariontes, pluricelulares, heterótrofos por ingestão  .
PROTOCTISTA PROFª. LUCI FREITAS
2 - ALGAS: EUCARIONTES, UNICELULARES OU PLURICELULARES,  AUTÓTROFAS (com clorofila e outros pigmentos). REINO PROTOCTISTA 1 - PROTOZOÁRIOS: EUCARIONTES, UNICELULARES, HETERÓTROFOS. PROFª. LUCI FREITAS
1 - PROTOZOÁRIOS: Os protozoários são unicelulares, heterótrofos. Vivem isolados ou em colônias. Podem ser de vida livre, parasitas ou mutualísticos. São classificados em quatro grupos de acordo com a ausência ou presença e tipo de estrutura de locomoção que possuem:  a) Locomoção por meio de  flagelos = GRUPO FLAGELADOS. Ex: tripanossomo. b) Locomoção por meio de  pseudópodes = GRUPO SARCODÍNEOS  (também chamados Rizópodes). Ex: amebas. c) Locomoção por meio de  cílios = GRUPO CILIADOS. Ex: paramécio. d)  Sem estruturas de locomoção = GRUPO ESPOROZOÁRIOS  (Movimento apenas por flexões ou deslizamento da célula). Todos os representantes deste grupo são parasitas. Ex: plasmódio. Observação : As estruturas de locomoção (pseudópodes, cílios e flagelos) também são utilizadas na captura de alimento. PROFª. LUCI FREITAS
SARCODÍNEOS – apresentam pseudópodes PROFª. LUCI FREITAS PSEUDÓPODES Prolongamentos da membrana acompanhado do citoplasma  (falsos pés). Muitos sarcodíneos possuem vida livre como  Amoeba proteus  . Outros são comensais (vivem dentro do corpo de animais alimentando-se de restos) como  Entamoeba coli e Entamoeba gingivalis.
PROFª. LUCI FREITAS FAGOCITOSE FAGOCITOSE Processo através do qual certas células englobam partículas utilizando seus pseudópodes.
SARCODÍNEO PARASITA :  Entamoeba histolytica Doença: DISENTERIA AMEBIANA OU AMEBÍASE Adquirida através de água ou alimentos contaminados com cistos da ameba eliminados nas fezes humanas. Causa ulcerações intestinais, diarréia com sangue, inflamação no intestino, enfraquecimento geral. PROFª. LUCI FREITAS As jovens amebas invadem a parede do intestino e começam a se alimentar de células e sangue. Além disso, elas começam a se multiplicar e a inflamar a parede do intestino.  Com o tempo tal inflamação se rompe, liberando sangue junto com novas amebas. Algumas delas formam novos cistos que sairão com as fezes, contaminando a água e os alimentos.  Ao ingerir água ou alimentos contaminados com cistos (formas de resistência) de amebas, os cistos chegam ao intestino do hospedeiro e se abrem, liberando jovens amebas.
PROFª. LUCI FREITAS FLAGELADOS: Apresentam um ou mais flagelos Protozoários do gênero  Trichonympha  vivem em mutualismo no intestino de cupins. Digerem a celulose cedendo seus produtos aos cupins, em troca de abrigo e alimento. Graças a estes protozoários os cupins conseguem se alimentar de madeira.
FLAGELADOS PARASITAS 1 –  Trichomonas vaginallis Doença: TRICOMONÍASE (DST) Adquirida através de contato sexual, água, toalhas e objetos úmidos contaminados. Na mulher causa corrimento amarelo esverdeado, com mau cheiro, dor no ato sexual, ardência, dificuldade para urinar e coceira nos órgãos genitais.  Os homens normalmente não têm sintomas e não sabem que estão infectados, mas podem ter desconforto e comichão no pênis, raramente corrimento e raramente dor ou ardor ao urinar.  PROFª. LUCI FREITAS
FLAGELADOS PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS Ciclo do   Trichomonas vaginallis
2 –   Trypanosoma cruzi DOENÇA DE CHAGAS  Adquirida através da contaminação pelas fezes do inseto (percevejo) conhecido como barbeiro (gênero  Triatoma ). Os protozoários presentes nas fezes penetram através da lesão causada pela picada do inseto quando este suga o sangue. Causa miocardite e insuficiência cardíaca devido à lesões do músculo do coração (miocárdio). FLAGELADOS PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS
PROFª. LUCI FREITAS Modo de contaminação do homem   Orifício por onde o percevejo suga o sangue. 2. Intestino do percevejo contendo os tripanossomos que saem com as fezes do barbeiro. 3. Fezes do barbeiro contendo tripanossomos que penetram no corpo através da lesão causada pela picada. 4. Através da corrente sanguínea os tripanossomos atingem os órgãos onde se instalam. 5. O órgão preferencial do tripanossomo é o coração. Eles se instalam dentro das células cardíacas. 6. Pele . FLAGELADOS PARASITAS
PROFª. LUCI FREITAS Modo de contaminação do homem   Os barbeiros são insetos hematófagos.Vivem em casas de palha ou de barro. Saem de seu esconderijo para se alimentar de sangue, com isso transmitem os protozoários ao homem. Os protozoários vivem no tubo digestivo desses insetos.
3 –   Giárdia lamblia  Doença: GIARDÍASE Adquirida através de água ou alimentos contaminados com cistos da giardia eliminados nas fezes humanas. Causa colite com dores intestinais e diarréia. FLAGELADOS PARASITAS Ciclo da  Giardia lamblia PROFª. LUCI FREITAS
FLAGELADOS PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS 4 –   Leishmania brasiliensis Doença: LEISHMANIOSE TEGUMENTAR ou ÚLCERA DE BAURÚ Adquirida através da picada do mosquito palha ou birigui (gênero  Phlebotomus) Causa ulcerações no rosto, braços, pernas com necrose de tecidos conjuntivos
FLAGELADOS PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS Feridas causadas pela  Leishmania
PROFª. LUCI FREITAS CILIADOS: APRESENTAM CÍLIOS Muitos protozoários apresentam orgânulos especializados em determinadas funções, daí serem, funcionalmente, semelhantes aos órgãos. Suas células, no entanto, podem ser consideradas “pouco especializadas”, já que realizam sozinhas todas as funções vitais dos organismos mais complexos, como locomoção, obtenção do alimento, digestão, excreção, reprodução.
PROFª. LUCI FREITAS CILIADOS: APRESENTAM CÍLIOS Nas espécies de vida livre há formação de vacúolos digestivos. As partículas alimentares penetram por uma abertura pré-existente na membrana, o citóstoma. Já no interior da célula ocorre a digestão e os resíduos sólidos não digeridos são expelidos num ponto determinado da membrana, o citopígio ou citoprocto. Os produtos solúveis de excreção podem ser eliminados em toda a superfície da célula. Em protozoários de água doce há um vacúolo contrátil que recolhe o excesso de água absorvido pela célula, expulsando-a de tempos em tempos por uma contração brusca. O vacúolo é, portanto, osmorregulador.
PROFª. LUCI FREITAS CILIADOS PARASITAS Balantidium coli Doença: BALANTIDÍASE ou BALANTIDIOSE. Adquirida através da ingestão de água ou alimentos contaminados com os cistos do protozoário eliminados nas fezes humanas. Causa diarréia, febre, anorexia, cólicas abdominais, cefaléia, fraqueza. Balantídio Ciclo do balantídio no corpo humano
PROFª. LUCI FREITAS ESPOROZOÁRIOS NÃO APRESENTAM ESTRUTURAS DE LOCOMOÇÃO. TODOS SÃO PARASITAS 1 -  Plasmodium vivax Doença: MALÁRIA Adquirida através da picada do mosquito-prego (gênero  Anopheles ). Causa febres cíclicas, anemia, lesões no baço, fígado e medula óssea. A malária pode ser causada por três espécies de plasmódio:  Plasmodium vivax, Plasmodium falciparum  e  Plasmodium malariae   PROFª. LUCI FREITAS Anófeles, ao picar, injeta o plasmódio   hemácias liberando plasmódios
ESPOROZOÁRIOS NÃO APRESENTAM ESTRUTURAS DE LOCOMOÇÃO. TODOS SÃO PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS DISTRIBUIÇÃO DA MALÁRIA NO MUNDO
ESPOROZOÁRIOS NÃO APRESENTAM ESTRUTURAS DE LOCOMOÇÃO. TODOS SÃO PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS 2 –  Toxoplasma gondii Doença: TOXOPLASMOSE (congênita ou adquirida). Adquirida através da água contaminada com cistos do protozoário que foram eliminados nas fezes de animais, como o gato, por exemplo. Ingestão de carne crua ou sem cozimento devido (porco ou boi) contaminada com cistos. Causa alteração no volume craniano, calcificações cerebrais, retardamento mental. Na transmissão transplacentária, o feto poderá apresentar lesão cerebral, deformidades físicas e convulsões. Toxoplasma
ESPOROZOÁRIOS NÃO APRESENTAM ESTRUTURAS DE LOCOMOÇÃO. TODOS SÃO PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS Ciclo do toxoplasma   Ciclo do toxoplasma incluindo o ser humano
REPRODUÇÃO DOS PROTOZOÁRIOS 2 – REPRODUÇÃO SEXUADA: por conjugação 1 – ASSEXUADA: por bipartição ou cissiparidade PROFª. LUCI FREITAS
PROFª. LUCI FREITAS OUTROS PROTOZOÁRIOS   Vorticella  protozoário ciliado pedunculado  com algas vivendo mutualisticamente em seu interior Stentor  protozoário ciliado pedunculado Carapaças de radiolários e heliozoários Carapaças de foraminíferos
ALGAS Todas as algas são eucariontes e  autótrofas,  podendo ser  unicelulares ou pluricelulares.  Todas as algas possuem  clorofila , além de outros pigmentos. A clorofila está sempre dentro de  cloroplastos. As algas unicelulares podem viver isoladas ou em colônias filamentosas. Nas algas pluricelulares as células se unem para formar uma estrutura sem diferenciação em tecidos. Esta estrutura é chamada TALO. São classificadas de acordo com a sua coloração, que é dada em função do pigmento predominante. ALGAS UNICELULARES Juntamente com as cianobactérias (reino Monera) respondem por 90% do gás oxigênio existente na atmosfera terrestre. Fazem parte do  fitoplâncton. São classificadas em: 1 – EUGLENOPHYTAS 2 – BACILLARIOPHYTAS 3 – DINOPHYITAS PROFª. LUCI FREITAS
PROFª. LUCI FREITAS ALGAS 1 – EUGLENOPHYTAS: pigmento predominante clorofila. Possuem flagelo. Os principais representantes são as euglenas. OBSERVAÇÃO: Quando mantidos no escuro apresentam regressão dos cloroplastos, perdem a cor e tornam-se heterótrofos. Transferidos para locais iluminados, os cloroplastos se desenvolvem e voltam a fazer a fotossíntese.
PROFª. LUCI FREITAS ALGAS 2 – BACILLARIOPHYTAS:  Além da clorofila  possuem   caroteno e outros pigmentos que lhes conferem a cor dourada característica. A carapaça é impregnada de sílica. Os depósitos dessas carapaças silicosas, no fundo dos mares, formam uma terra muito fina chamada “terra de diatomáceas” ou “diatomito”, utilizada como abrasivo nos polidores de metais e em pastas de dente. Os principais representantes são as diatomáceas. diatomácea   carapaças silicosas de diatomáceas
ALGAS PROFª. LUCI FREITAS 3 – DINOPHYITAS:  Além da clorofila  possuem pigmentos que lhes dão a cor amarelo-pardo ou amarelo-esverdeado. São biflageladas. O batimento desses flagelos provoca no organismo um movimento de pião. Os principais representantes são os dinoflagelados. Gêneros  Ceratium e Goniaulax
ALGAS PROFª. LUCI FREITAS O aumento excessivo da população de alguns dinoflagelados  (gênero  Gonyaulax ),  provoca o desequilíbrio ecológico conhecido como  maré-vermelha.   Estas algas secretam substâncias tóxicas. A água, nos locais em que há excesso desses dinoflagelados adquire, comumente,  coloração vermelha ou marrom  e se torna imprópria para o consumo humano e também para outros organismos, como peixes e moluscos. Ingeridas pelo homem essas toxinas se acumulam no seu organismo, atuando como neurotoxinas, afetando o seu sistema nervoso. Alguns dinoflagelados têm a característica de serem  bioluminescentes (gênero  Noctiluca ),  isto é, conseguem transformar energia química em luz, parecendo minúsculas "gotas de geléia transparente"  no mar, sendo responsáveis pela luminosidade observada nas ondas do mar ou na areia da praia à noite. É heterótrofo. Maré Vermelha   Noctiluca
ALGAS PROFª. LUCI FREITAS ALGAS PLURICELULARES   Muitas possuem estruturas semelhantes a folhas e caules, mas  não  estão classificadas no reino Plantae porque  suas células não formam tecidos  com funções especializadas. Suas paredes celulares possuem  celulose  e sua substância de reserva é o  amido . Tais características aproximam as clorófitas dos vegetais terrestres, sendo sustentada a hipótese da evolução das plantas a partir das algas verdes. São classificadas em: 1 – CHLOROPHYTAS 2 – PHAEOPHYTAS 3 – RHODOPHYTAS
ALGAS ALGAS PLURICELULARES   PROFª. LUCI FREITAS 1 – CHLOROPHYTAS: são as algas verdes. Seu pigmento é a  clorofila.  Observação: existem Chlorophytas unicelulares e coloniais. Ulva lactuca   Caulerpa racemosa   Spirogyra   Caulerpa sertularioides   Halimeda taenicola   Volvox   Acetabularia
ALGAS ALGAS PLURICELULARES   PROFª. LUCI FREITAS 2 – PHAEOPHYTAS: são as algas pardas. Possuem,  além da clorofila , o pigmento xantofila (pardo). As algas pardas fornecem matéria prima para a  indústria alimentícia e  farmacêutica (estabilizadores de cremes dentais e sorvetes). Kelps: são imensas florestas aquáticas formadas por algas pardas gigantes. Nesses locais a biodiversidade de animais é enorme.  Laminaria   Microdictyon umbilicatum Sargassum Fucus
ALGAS ALGAS PLURICELULARES   PROFª. LUCI FREITAS 3 – RHODOPHYTAS: são as algas vermelhas. Possuem,  além da clorofila , o pigmento caroteno (vermelho).   As algas vermelhas possuem em suas células substâncias de interesse comercial, como o ágar e a carragenina,  que são utilizadas nas indústrias farmacêutica, cosmética e alimentícia. O ágar também é utilizado como meio de cultura para bactérias. Gelidium   Sporolithon episoredion   Galaxaura filamentosa   Cryptonemia umbraticola   Porphyra   Sushi (iguaria da culinária japonesa)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)
Nome Sobrenome
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
Bio
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Fabiano Reis
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
OS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOSOS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOS
Nayana Maia
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
André Oliver
 
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoSeleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
Kamila Joyce
 
7 ano invertebrados
7 ano invertebrados7 ano invertebrados
7 ano invertebrados
crisbassanimedeiros
 
Zoologia: Platelmintos
Zoologia: PlatelmintosZoologia: Platelmintos
Zoologia: Platelmintos
Guilherme Orlandi Goulart
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
Patricia Guimaraes
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Roberto Bagatini
 
Características gerais dos animais
Características gerais dos animaisCaracterísticas gerais dos animais
Características gerais dos animais
Eldon Clayton
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
Jocimar Araujo
 
Aula reino protoctista
Aula reino protoctistaAula reino protoctista
Aula reino protoctista
Plínio Gonçalves
 
Nematódeos
NematódeosNematódeos
Nematódeos
Roberta Almeida
 
Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)
Bio
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino MoneraSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
Turma Olímpica
 

Mais procurados (20)

Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Reino Animal
 
Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
OS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOSOS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOS
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoSeleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
 
7 ano invertebrados
7 ano invertebrados7 ano invertebrados
7 ano invertebrados
 
Zoologia: Platelmintos
Zoologia: PlatelmintosZoologia: Platelmintos
Zoologia: Platelmintos
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Características gerais dos animais
Características gerais dos animaisCaracterísticas gerais dos animais
Características gerais dos animais
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
 
Aula reino protoctista
Aula reino protoctistaAula reino protoctista
Aula reino protoctista
 
Nematódeos
NematódeosNematódeos
Nematódeos
 
Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino MoneraSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
 

Destaque

Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
tiago.ufc
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Bio Sem Limites
 
Reino Protista 7 ano
Reino Protista 7 anoReino Protista 7 ano
Reino Protista 7 ano
UFMS
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
profatatiana
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Wendy Vc
 
II.3 Reino Protoctista
II.3 Reino ProtoctistaII.3 Reino Protoctista
II.3 Reino Protoctista
Rebeca Vale
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Werner Mendoza Blanco
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Karina Ruiz
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
Suzany Gavazza Lopes
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
Verónica Rosso
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Helder Pires
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
profe28web
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
guestbd9a9c
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
Nati2011Ferrazza
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
thaysribeiro
 
II.2 Reino Morena
II.2 Reino MorenaII.2 Reino Morena
II.2 Reino Morena
Rebeca Vale
 
Reino protista algas
Reino protista algasReino protista algas
Reino protista algas
Iuri Fretta Wiggers
 
Trabajo Del Reino Protista
Trabajo Del Reino ProtistaTrabajo Del Reino Protista
Trabajo Del Reino Protista
dario ibarra
 
Ciências - Reino Protista
Ciências - Reino ProtistaCiências - Reino Protista
Ciências - Reino Protista
CAvancar
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
oly
 

Destaque (20)

Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino Protista 7 ano
Reino Protista 7 anoReino Protista 7 ano
Reino Protista 7 ano
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
II.3 Reino Protoctista
II.3 Reino ProtoctistaII.3 Reino Protoctista
II.3 Reino Protoctista
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
 
II.2 Reino Morena
II.2 Reino MorenaII.2 Reino Morena
II.2 Reino Morena
 
Reino protista algas
Reino protista algasReino protista algas
Reino protista algas
 
Trabajo Del Reino Protista
Trabajo Del Reino ProtistaTrabajo Del Reino Protista
Trabajo Del Reino Protista
 
Ciências - Reino Protista
Ciências - Reino ProtistaCiências - Reino Protista
Ciências - Reino Protista
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 

Semelhante a Reino Protoctista

Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
Ernesto Silva
 
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.GravA.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
Albano Novaes
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
Marta810319
 
Reino protista novo
Reino protista  novoReino protista  novo
Reino protista novo
paula aragao
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Turma Olímpica
 
ESTUDO DOS PROTOZOARIOS 1º ANO.pptx
ESTUDO DOS PROTOZOARIOS  1º ANO.pptxESTUDO DOS PROTOZOARIOS  1º ANO.pptx
ESTUDO DOS PROTOZOARIOS 1º ANO.pptx
Moisslindo2
 
Aula 1 reino protista
Aula 1  reino protistaAula 1  reino protista
Aula 1 reino protista
Neila
 
Reino protista I
Reino protista IReino protista I
Reino protista I
Alexandre Correia
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
aulasdotubao
 
Reino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e MoneraReino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e Monera
Paulocosta510
 
Marcelo Brilhante Reino Protista
Marcelo Brilhante   Reino ProtistaMarcelo Brilhante   Reino Protista
Marcelo Brilhante Reino Protista
espacoaberto
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Carla Brígida
 
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
antonimelo
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ProfDeboraCursinho
 
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
Zoo 1    de poríferos a nematelmintosZoo 1    de poríferos a nematelmintos
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
aulasdotubao
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
Marcos Santos
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
MLGGS
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
Guilherme Orlandi Goulart
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Flávio Booz
 

Semelhante a Reino Protoctista (20)

Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
 
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.GravA.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Reino protista novo
Reino protista  novoReino protista  novo
Reino protista novo
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
 
ESTUDO DOS PROTOZOARIOS 1º ANO.pptx
ESTUDO DOS PROTOZOARIOS  1º ANO.pptxESTUDO DOS PROTOZOARIOS  1º ANO.pptx
ESTUDO DOS PROTOZOARIOS 1º ANO.pptx
 
Aula 1 reino protista
Aula 1  reino protistaAula 1  reino protista
Aula 1 reino protista
 
Reino protista I
Reino protista IReino protista I
Reino protista I
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Reino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e MoneraReino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e Monera
 
Marcelo Brilhante Reino Protista
Marcelo Brilhante   Reino ProtistaMarcelo Brilhante   Reino Protista
Marcelo Brilhante Reino Protista
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
 
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
Zoo 1    de poríferos a nematelmintosZoo 1    de poríferos a nematelmintos
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 

Mais de infoeducp2

Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
infoeducp2
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
infoeducp2
 
1+ + Fotos Historicas
1+ + Fotos Historicas1+ + Fotos Historicas
1+ + Fotos Historicas
infoeducp2
 
Barroco 8º Ano
Barroco   8º AnoBarroco   8º Ano
Barroco 8º Ano
infoeducp2
 
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
infoeducp2
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
infoeducp2
 
Formação da música brasileira: fase colonial
Formação da música brasileira: fase colonialFormação da música brasileira: fase colonial
Formação da música brasileira: fase colonial
infoeducp2
 
Circunferências
CircunferênciasCircunferências
Circunferências
infoeducp2
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
infoeducp2
 
Old Rio Photos
Old Rio PhotosOld Rio Photos
Old Rio Photos
infoeducp2
 

Mais de infoeducp2 (10)

Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
1+ + Fotos Historicas
1+ + Fotos Historicas1+ + Fotos Historicas
1+ + Fotos Historicas
 
Barroco 8º Ano
Barroco   8º AnoBarroco   8º Ano
Barroco 8º Ano
 
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Formação da música brasileira: fase colonial
Formação da música brasileira: fase colonialFormação da música brasileira: fase colonial
Formação da música brasileira: fase colonial
 
Circunferências
CircunferênciasCircunferências
Circunferências
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Old Rio Photos
Old Rio PhotosOld Rio Photos
Old Rio Photos
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 

Reino Protoctista

  • 1. O REINO PROTOCTISTA PROFª. LUCI FREITAS
  • 2. RECORDANDO PROFª. LUCI FREITAS OS CINCO REINOS REINO MONERA Inclui organismos procariontes, unicelulares, autótrofos (algumas bactérias e cianobactérias) ou heterótrofos (demais bactérias). REINO PROTOCTISTA Inclui organismos eucariontes, unicelulares (algumas algas e protozoários) ou pluricelulares (demais algas), heterótrofos (protozoários) ou autótrofos (todas as algas). REINO FUNGI Inclui organismos eucariontes, unicelulares (leveduras) ou pluricelulares (cogumelos), heterótrofos por absorção. REINO PLANTAE Inclui organismos eucariontes, pluricelulares, autótrofos. REINO ANIMALIA Inclui organismos eucariontes, pluricelulares, heterótrofos por ingestão .
  • 4. 2 - ALGAS: EUCARIONTES, UNICELULARES OU PLURICELULARES, AUTÓTROFAS (com clorofila e outros pigmentos). REINO PROTOCTISTA 1 - PROTOZOÁRIOS: EUCARIONTES, UNICELULARES, HETERÓTROFOS. PROFª. LUCI FREITAS
  • 5. 1 - PROTOZOÁRIOS: Os protozoários são unicelulares, heterótrofos. Vivem isolados ou em colônias. Podem ser de vida livre, parasitas ou mutualísticos. São classificados em quatro grupos de acordo com a ausência ou presença e tipo de estrutura de locomoção que possuem: a) Locomoção por meio de flagelos = GRUPO FLAGELADOS. Ex: tripanossomo. b) Locomoção por meio de pseudópodes = GRUPO SARCODÍNEOS (também chamados Rizópodes). Ex: amebas. c) Locomoção por meio de cílios = GRUPO CILIADOS. Ex: paramécio. d) Sem estruturas de locomoção = GRUPO ESPOROZOÁRIOS (Movimento apenas por flexões ou deslizamento da célula). Todos os representantes deste grupo são parasitas. Ex: plasmódio. Observação : As estruturas de locomoção (pseudópodes, cílios e flagelos) também são utilizadas na captura de alimento. PROFª. LUCI FREITAS
  • 6. SARCODÍNEOS – apresentam pseudópodes PROFª. LUCI FREITAS PSEUDÓPODES Prolongamentos da membrana acompanhado do citoplasma (falsos pés). Muitos sarcodíneos possuem vida livre como Amoeba proteus . Outros são comensais (vivem dentro do corpo de animais alimentando-se de restos) como Entamoeba coli e Entamoeba gingivalis.
  • 7. PROFª. LUCI FREITAS FAGOCITOSE FAGOCITOSE Processo através do qual certas células englobam partículas utilizando seus pseudópodes.
  • 8. SARCODÍNEO PARASITA : Entamoeba histolytica Doença: DISENTERIA AMEBIANA OU AMEBÍASE Adquirida através de água ou alimentos contaminados com cistos da ameba eliminados nas fezes humanas. Causa ulcerações intestinais, diarréia com sangue, inflamação no intestino, enfraquecimento geral. PROFª. LUCI FREITAS As jovens amebas invadem a parede do intestino e começam a se alimentar de células e sangue. Além disso, elas começam a se multiplicar e a inflamar a parede do intestino. Com o tempo tal inflamação se rompe, liberando sangue junto com novas amebas. Algumas delas formam novos cistos que sairão com as fezes, contaminando a água e os alimentos. Ao ingerir água ou alimentos contaminados com cistos (formas de resistência) de amebas, os cistos chegam ao intestino do hospedeiro e se abrem, liberando jovens amebas.
  • 9. PROFª. LUCI FREITAS FLAGELADOS: Apresentam um ou mais flagelos Protozoários do gênero Trichonympha vivem em mutualismo no intestino de cupins. Digerem a celulose cedendo seus produtos aos cupins, em troca de abrigo e alimento. Graças a estes protozoários os cupins conseguem se alimentar de madeira.
  • 10. FLAGELADOS PARASITAS 1 – Trichomonas vaginallis Doença: TRICOMONÍASE (DST) Adquirida através de contato sexual, água, toalhas e objetos úmidos contaminados. Na mulher causa corrimento amarelo esverdeado, com mau cheiro, dor no ato sexual, ardência, dificuldade para urinar e coceira nos órgãos genitais. Os homens normalmente não têm sintomas e não sabem que estão infectados, mas podem ter desconforto e comichão no pênis, raramente corrimento e raramente dor ou ardor ao urinar. PROFª. LUCI FREITAS
  • 11. FLAGELADOS PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS Ciclo do Trichomonas vaginallis
  • 12. 2 – Trypanosoma cruzi DOENÇA DE CHAGAS Adquirida através da contaminação pelas fezes do inseto (percevejo) conhecido como barbeiro (gênero Triatoma ). Os protozoários presentes nas fezes penetram através da lesão causada pela picada do inseto quando este suga o sangue. Causa miocardite e insuficiência cardíaca devido à lesões do músculo do coração (miocárdio). FLAGELADOS PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS
  • 13. PROFª. LUCI FREITAS Modo de contaminação do homem Orifício por onde o percevejo suga o sangue. 2. Intestino do percevejo contendo os tripanossomos que saem com as fezes do barbeiro. 3. Fezes do barbeiro contendo tripanossomos que penetram no corpo através da lesão causada pela picada. 4. Através da corrente sanguínea os tripanossomos atingem os órgãos onde se instalam. 5. O órgão preferencial do tripanossomo é o coração. Eles se instalam dentro das células cardíacas. 6. Pele . FLAGELADOS PARASITAS
  • 14. PROFª. LUCI FREITAS Modo de contaminação do homem Os barbeiros são insetos hematófagos.Vivem em casas de palha ou de barro. Saem de seu esconderijo para se alimentar de sangue, com isso transmitem os protozoários ao homem. Os protozoários vivem no tubo digestivo desses insetos.
  • 15. 3 – Giárdia lamblia Doença: GIARDÍASE Adquirida através de água ou alimentos contaminados com cistos da giardia eliminados nas fezes humanas. Causa colite com dores intestinais e diarréia. FLAGELADOS PARASITAS Ciclo da Giardia lamblia PROFª. LUCI FREITAS
  • 16. FLAGELADOS PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS 4 – Leishmania brasiliensis Doença: LEISHMANIOSE TEGUMENTAR ou ÚLCERA DE BAURÚ Adquirida através da picada do mosquito palha ou birigui (gênero Phlebotomus) Causa ulcerações no rosto, braços, pernas com necrose de tecidos conjuntivos
  • 17. FLAGELADOS PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS Feridas causadas pela Leishmania
  • 18. PROFª. LUCI FREITAS CILIADOS: APRESENTAM CÍLIOS Muitos protozoários apresentam orgânulos especializados em determinadas funções, daí serem, funcionalmente, semelhantes aos órgãos. Suas células, no entanto, podem ser consideradas “pouco especializadas”, já que realizam sozinhas todas as funções vitais dos organismos mais complexos, como locomoção, obtenção do alimento, digestão, excreção, reprodução.
  • 19. PROFª. LUCI FREITAS CILIADOS: APRESENTAM CÍLIOS Nas espécies de vida livre há formação de vacúolos digestivos. As partículas alimentares penetram por uma abertura pré-existente na membrana, o citóstoma. Já no interior da célula ocorre a digestão e os resíduos sólidos não digeridos são expelidos num ponto determinado da membrana, o citopígio ou citoprocto. Os produtos solúveis de excreção podem ser eliminados em toda a superfície da célula. Em protozoários de água doce há um vacúolo contrátil que recolhe o excesso de água absorvido pela célula, expulsando-a de tempos em tempos por uma contração brusca. O vacúolo é, portanto, osmorregulador.
  • 20. PROFª. LUCI FREITAS CILIADOS PARASITAS Balantidium coli Doença: BALANTIDÍASE ou BALANTIDIOSE. Adquirida através da ingestão de água ou alimentos contaminados com os cistos do protozoário eliminados nas fezes humanas. Causa diarréia, febre, anorexia, cólicas abdominais, cefaléia, fraqueza. Balantídio Ciclo do balantídio no corpo humano
  • 21. PROFª. LUCI FREITAS ESPOROZOÁRIOS NÃO APRESENTAM ESTRUTURAS DE LOCOMOÇÃO. TODOS SÃO PARASITAS 1 - Plasmodium vivax Doença: MALÁRIA Adquirida através da picada do mosquito-prego (gênero Anopheles ). Causa febres cíclicas, anemia, lesões no baço, fígado e medula óssea. A malária pode ser causada por três espécies de plasmódio: Plasmodium vivax, Plasmodium falciparum e Plasmodium malariae PROFª. LUCI FREITAS Anófeles, ao picar, injeta o plasmódio hemácias liberando plasmódios
  • 22. ESPOROZOÁRIOS NÃO APRESENTAM ESTRUTURAS DE LOCOMOÇÃO. TODOS SÃO PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS DISTRIBUIÇÃO DA MALÁRIA NO MUNDO
  • 23. ESPOROZOÁRIOS NÃO APRESENTAM ESTRUTURAS DE LOCOMOÇÃO. TODOS SÃO PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS 2 – Toxoplasma gondii Doença: TOXOPLASMOSE (congênita ou adquirida). Adquirida através da água contaminada com cistos do protozoário que foram eliminados nas fezes de animais, como o gato, por exemplo. Ingestão de carne crua ou sem cozimento devido (porco ou boi) contaminada com cistos. Causa alteração no volume craniano, calcificações cerebrais, retardamento mental. Na transmissão transplacentária, o feto poderá apresentar lesão cerebral, deformidades físicas e convulsões. Toxoplasma
  • 24. ESPOROZOÁRIOS NÃO APRESENTAM ESTRUTURAS DE LOCOMOÇÃO. TODOS SÃO PARASITAS PROFª. LUCI FREITAS Ciclo do toxoplasma Ciclo do toxoplasma incluindo o ser humano
  • 25. REPRODUÇÃO DOS PROTOZOÁRIOS 2 – REPRODUÇÃO SEXUADA: por conjugação 1 – ASSEXUADA: por bipartição ou cissiparidade PROFª. LUCI FREITAS
  • 26. PROFª. LUCI FREITAS OUTROS PROTOZOÁRIOS Vorticella protozoário ciliado pedunculado com algas vivendo mutualisticamente em seu interior Stentor protozoário ciliado pedunculado Carapaças de radiolários e heliozoários Carapaças de foraminíferos
  • 27. ALGAS Todas as algas são eucariontes e autótrofas, podendo ser unicelulares ou pluricelulares. Todas as algas possuem clorofila , além de outros pigmentos. A clorofila está sempre dentro de cloroplastos. As algas unicelulares podem viver isoladas ou em colônias filamentosas. Nas algas pluricelulares as células se unem para formar uma estrutura sem diferenciação em tecidos. Esta estrutura é chamada TALO. São classificadas de acordo com a sua coloração, que é dada em função do pigmento predominante. ALGAS UNICELULARES Juntamente com as cianobactérias (reino Monera) respondem por 90% do gás oxigênio existente na atmosfera terrestre. Fazem parte do fitoplâncton. São classificadas em: 1 – EUGLENOPHYTAS 2 – BACILLARIOPHYTAS 3 – DINOPHYITAS PROFª. LUCI FREITAS
  • 28. PROFª. LUCI FREITAS ALGAS 1 – EUGLENOPHYTAS: pigmento predominante clorofila. Possuem flagelo. Os principais representantes são as euglenas. OBSERVAÇÃO: Quando mantidos no escuro apresentam regressão dos cloroplastos, perdem a cor e tornam-se heterótrofos. Transferidos para locais iluminados, os cloroplastos se desenvolvem e voltam a fazer a fotossíntese.
  • 29. PROFª. LUCI FREITAS ALGAS 2 – BACILLARIOPHYTAS: Além da clorofila possuem caroteno e outros pigmentos que lhes conferem a cor dourada característica. A carapaça é impregnada de sílica. Os depósitos dessas carapaças silicosas, no fundo dos mares, formam uma terra muito fina chamada “terra de diatomáceas” ou “diatomito”, utilizada como abrasivo nos polidores de metais e em pastas de dente. Os principais representantes são as diatomáceas. diatomácea carapaças silicosas de diatomáceas
  • 30. ALGAS PROFª. LUCI FREITAS 3 – DINOPHYITAS: Além da clorofila possuem pigmentos que lhes dão a cor amarelo-pardo ou amarelo-esverdeado. São biflageladas. O batimento desses flagelos provoca no organismo um movimento de pião. Os principais representantes são os dinoflagelados. Gêneros Ceratium e Goniaulax
  • 31. ALGAS PROFª. LUCI FREITAS O aumento excessivo da população de alguns dinoflagelados (gênero Gonyaulax ), provoca o desequilíbrio ecológico conhecido como maré-vermelha. Estas algas secretam substâncias tóxicas. A água, nos locais em que há excesso desses dinoflagelados adquire, comumente, coloração vermelha ou marrom e se torna imprópria para o consumo humano e também para outros organismos, como peixes e moluscos. Ingeridas pelo homem essas toxinas se acumulam no seu organismo, atuando como neurotoxinas, afetando o seu sistema nervoso. Alguns dinoflagelados têm a característica de serem bioluminescentes (gênero Noctiluca ), isto é, conseguem transformar energia química em luz, parecendo minúsculas "gotas de geléia transparente" no mar, sendo responsáveis pela luminosidade observada nas ondas do mar ou na areia da praia à noite. É heterótrofo. Maré Vermelha Noctiluca
  • 32. ALGAS PROFª. LUCI FREITAS ALGAS PLURICELULARES Muitas possuem estruturas semelhantes a folhas e caules, mas não estão classificadas no reino Plantae porque suas células não formam tecidos com funções especializadas. Suas paredes celulares possuem celulose e sua substância de reserva é o amido . Tais características aproximam as clorófitas dos vegetais terrestres, sendo sustentada a hipótese da evolução das plantas a partir das algas verdes. São classificadas em: 1 – CHLOROPHYTAS 2 – PHAEOPHYTAS 3 – RHODOPHYTAS
  • 33. ALGAS ALGAS PLURICELULARES PROFª. LUCI FREITAS 1 – CHLOROPHYTAS: são as algas verdes. Seu pigmento é a clorofila. Observação: existem Chlorophytas unicelulares e coloniais. Ulva lactuca Caulerpa racemosa Spirogyra Caulerpa sertularioides Halimeda taenicola Volvox Acetabularia
  • 34. ALGAS ALGAS PLURICELULARES PROFª. LUCI FREITAS 2 – PHAEOPHYTAS: são as algas pardas. Possuem, além da clorofila , o pigmento xantofila (pardo). As algas pardas fornecem matéria prima para a indústria alimentícia e farmacêutica (estabilizadores de cremes dentais e sorvetes). Kelps: são imensas florestas aquáticas formadas por algas pardas gigantes. Nesses locais a biodiversidade de animais é enorme. Laminaria Microdictyon umbilicatum Sargassum Fucus
  • 35. ALGAS ALGAS PLURICELULARES PROFª. LUCI FREITAS 3 – RHODOPHYTAS: são as algas vermelhas. Possuem, além da clorofila , o pigmento caroteno (vermelho). As algas vermelhas possuem em suas células substâncias de interesse comercial, como o ágar e a carragenina, que são utilizadas nas indústrias farmacêutica, cosmética e alimentícia. O ágar também é utilizado como meio de cultura para bactérias. Gelidium Sporolithon episoredion Galaxaura filamentosa Cryptonemia umbraticola Porphyra Sushi (iguaria da culinária japonesa)