SlideShare uma empresa Scribd logo
Quem dá prenda ao Pai Natal?
A avó estava a fazer os doces de Natal.
Tinha massa até aos cotovelos, farinha
no nariz, nos óculos e no cabelo;
apesar de tudo isto tinha também um
ar muito satisfeito.
Os tempos estão maus, o dinheiro não
chega para tudo, mas um docinho de
Natal leva à boca da família coisas que
o coração entende e até exige, mesmo
sem saber (era o que pensava a avó,
que tinha jeito para pensamentos
destes, coisas quase de poeta,
palavras bonitas, saborosas, de Natal).
A avó estava a fazer doces
de Natal e deu um salto,
assustada. Foi a massa ao
ar, duas gemas chocaram
numa taça, polvilhou-se
açúcar pela bancada da
cozinha…
As avós gostam de chamar filhas às
netas, como se as netas fossem duas
vezes suas filhas.
O que foi
minha filha?
Estava?
Não está?
Se esteve,
onde estará?
Avó! Estava um Pai Natal azul
sentado na nossa sala de estar!
A avó arregalou os olhos bem arregalados, como se tivesse visto,
ela também, um Pai Natal azul sentado na sala de estar. E balbuciou
(gaguejou, quero eu dizer)
(Já é difícil acreditar num Pai Natal,
quanto mais num Pai Natal azul.)
Um Pai Natal?
Azul?!
Existe, não existe?
Será que existe?
Será que existe?
Será que existe?
A verdade é que está acocorado, escondido, a tremer atrás de um sofá azul.
Quase nãos se nota, cor com cor, azul com azul, sombra com forma.
O Pai Natal não era azul. Estava vestido de azul forte, cor de mar à noite, cor
de céu à tarde. Cor de certos olhos que vêem o mundo com olhos azuis.
O Pai Natal tinha razões para estar
vestido de azul, para estar sentado
naquela sala de estar, para ter
fugido espavorido ao ver a
rapariguinha…
A rapariguinha que agora gaguejava, puxava a avó e que apontava:
A avó dizia, lá com os seus pensamentos e botões
Ali, ao pé do
pinheiro!!!
Eu até nem acho
que o Pai Natal seja
para a minha idade!
Isso é coisa para
meninos
pequenos!!!
Não é para a tua
idade? Ele é mais da
tua idade do que da
minha idade, avó!!!
O pinheiro! O Pai Natal azul
tinha vindo observar o
pinheiro. Aquele pinheiro
estava decorado com muita
imaginação: restos de fitas
de seda e de chita armados
em laçarotes e espalhados
como serpentinas, estrelas
feitas à mão, frutas
artificiais, coloridas,
penduradas com cordéis
pintados de dourado,
plantas secas com cores
fantásticas, uns berlindes de
vidro, até um pedaço de
qualquer coisa brilhante que
tinham encontrado numa
gaveta e ninguém sabia para
que servia.
Seria…
Do vestido da avó?
Da gravata do avô?
Do emprego da mãe?
Do clube do pai?
Dos sonhos do filho?
- Este ano – tinha dito o Pai Natal, para os seus botões e pensamentos – vou
decorar a minha casa com folhas delicadas de árvores espantosas, com
cristais de neve desses difíceis de ver nos flocos que caem do céu quando
está frio, vou encher as mesas de bagas coloridas e de vidros coloridos todos
os recantos. Este ano, eu também quero ter Natal.
Que coisa complicada!!!
Afinal, o que é ter Natal???
É ter mimos especiais?
Um beijinho ao deitar?
Um monte de prendas e
embrulhos?
Uns doces de saborear?
Paz no mundo?
Lojas cheias?
Carteiras vazias?
Férias na escola?
Família?
O Pai Natal não sabia.
O PAI NATAL … NUNCA TINHA TIDO NATAL!!!
E muito menos prenda de Natal!!!
A avó foi buscar, a correr, uma colher de pau,
voltou a correr com a colher de pau, deu a valer
com a colher de pau no toutiço do Pai Natal!
Gemeu o Pai Natal, a
esfregar o alto do seu
barrete azul de Pai Natal
azul.
Toma, intruso!!!
Como te atreves a entrar
na casa dos outros?
Mas eu sou o Pai
Natal !!!
Vim apenas deixar uma
prenda e ver como é que
vocês …
O Pai Natal fingiu que chorava de dor da pancada com a colher de
pau, mas estava mesmo a chorar de tristeza: afinal, quem dá
prenda ao Pai Natal?
Como é que
nós…?
Como é que vocês vivem
o Natal! Eu gostava tanto
de ter um Natal como o
vosso…
Prova-me
que és o Pai
Natal!
O Pai Natal tirou do bolso azul do seu fato de Pai Natal azul
uma carteira vermelha e mostrou fotografias:
Os duendes a trabalhar na
fábrica de brinquedos!
Aquela vez em que fiquei um
para de horas entalado numa
chaminé!
Uma voltinha de trenó, com as
renas, sobre a linha imaginária
do círculo polar ÁRTICO!
Vejam os ursos polares, que
espantados.
Uma voltinha de trenó pelo
Antárctico. Vejam os pinguins,
que admirados.
Um Natal em que levei por
engano uns cachecóis aos
meninos do Brasil, que
estavam a comemorar o Verão
e o Natal ao mesmo tempo…
O saco gigante onde transporto
os brinquedos.
E a minha foto quando ainda
não tinha barbas!
Não sei!
Até isso me aflige! Porque
hei-de usar estas barbas
enormes, se não se usa
barbas enormes?
Ai que giro!
Que belo
rapaz!
Disseram em
coro a avó e
a neta.
Dieta equilibrada para
uma vida bem tratada!
E esta barriga!!! Não
terei de fazer dieta?
Isto é um risco
enorme, ser obeso faz
muito mal à vida!
E para dar um toque
de moda à minha vida
monótona, resolvi
vestir-me de azul,
neste Natal…
Posso ter a cor que
quiser: cor-de-rosa, azul,
lilás, verde, anil,
amarelo, fúcsia,
beringela, cor-de-laranja,
magenta…
As coisas que tu dizes!!!
Nem pareces o Pai
Natal.
Isso quebra a
tradição.
- Mas o que mais me
entristece é nunca ter
tido Natal!!! Um Natal
como aquele que todos
os que festejam o Natal
costumam ter…
- E não festejas com os teus duendes?
- O Natal é uma festa para a família. E eu não sou da família deles. E alguns nem
festejam o Natal.
- Não?
- Não. O Pai Natal não visita crianças das religiões muçulmanas, hindu, judaica e
budista. Elas têm outras tradições.
- Tens mesmo um problema, Pai Natal!
- Um grande problema.
A avó olhou para as provas e concluiu:
- Apesar de estar vestido de azul, deves ser o Pai Natal.
- Pois sou!
- Vamos ajudar-te. Dar-te ideias. Formar-te! Uma boa educação traz sempre
bons frutos.
- Eu só quero ter uma prenda de Natal!!!
Sentaram-se no sofá azul,
os três a pensar. O Pai
Natal pensou tanto que se
cansou e, cansado,
adormeceu.
A avó disse baixinho:
- Eu acho que tenho uma
solução!
A neta sorriu, e respondeu,
baixinho:
- Deves estar a pensar
naquilo que eu estou a
pensar.
Quando o Pai Natal
acordasse veria um
grande convite à sua
frente, escrito numa
bela letra sobre uma
bela cartolina
decorada com belos
desenhos de Natal
feitos pela neta e pela
avó.
- O Pai Natal acordou.
Viu o convite. Pôs os
óculos para ler e leu e
emocionou-se muito!
- Fui convidado
para uma noite
de Natal em
família!!!
Desfez-se em mil
agradecimentos e
partiu…
Na noite de Natal, sentou-se à mesa com a avó, a neta e os restantes
elementos daquela família tão simpática. Deu prendas a todos e recebeu
prendas de todos eles:
Um livro sobre dietas alimentares.
Um estojo com pente, tesoura, lâmina e espuma de barbear.
Uma bicicleta de ginásio.
Um fato vermelho que afinal, dá
tanta graça ao Pai Natal.
E ele deu ainda a sua palavra de
honra que ia mudar de aspecto, ser
mais cuidadoso na forma de comer
e de vestir e de cuidar de si…
Quem dá prendas ao Pai Natal?
Damos nós, que acreditamos
nele…
P. B.
Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimi
Ana Alho
 
O Palhaco Tristoleto[1]
O Palhaco Tristoleto[1]O Palhaco Tristoleto[1]
O Palhaco Tristoleto[1]
Adelaide Oliveira
 
Os 3 bonecos de neve
Os 3 bonecos de neveOs 3 bonecos de neve
Os 3 bonecos de neve
Maria Das Dores Oliveira
 
A Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboA Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr Lobo
Luzia Couto
 
O palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoletoO palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoleto
Silvares
 
O Sebastião e o seu nariz - pré mourão
O Sebastião e o seu nariz - pré mourãoO Sebastião e o seu nariz - pré mourão
O Sebastião e o seu nariz - pré mourão
Saudade Roxo
 
Uma Arvore De Natal Muito Especial
Uma Arvore De Natal Muito EspecialUma Arvore De Natal Muito Especial
Uma Arvore De Natal Muito Especial
A. E. Júlio Brandão
 
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
Susana Pinhal
 
O natal das bruxas
O natal das bruxasO natal das bruxas
O natal das bruxas
Fatimapedro
 
Um sonho de neve
Um sonho de neveUm sonho de neve
Um sonho de neve
lenatubal
 
Quando a mãe grita...
Quando a mãe grita...Quando a mãe grita...
Quando a mãe grita...
Patricia Carvalho
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
Virgínia Ferreira
 
A velhinha que comeu os símbolos do natal
A velhinha que comeu os símbolos do natalA velhinha que comeu os símbolos do natal
A velhinha que comeu os símbolos do natal
Maria Sousa
 
Natal, história
Natal, históriaNatal, história
Natal, história
Paula Morgado
 
O outono
O outonoO outono
O polvo coceguinhas
O polvo coceguinhasO polvo coceguinhas
O polvo coceguinhas
Virgínia Ferreira
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
Maria Ferreira
 
Maria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendesMaria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendes
zemeira
 
Um bocadinho inverno
Um bocadinho invernoUm bocadinho inverno
Um bocadinho inverno
Li Tagarelinhas
 

Mais procurados (20)

Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimi
 
O Palhaco Tristoleto[1]
O Palhaco Tristoleto[1]O Palhaco Tristoleto[1]
O Palhaco Tristoleto[1]
 
Os 3 bonecos de neve
Os 3 bonecos de neveOs 3 bonecos de neve
Os 3 bonecos de neve
 
A Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboA Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr Lobo
 
O palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoletoO palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoleto
 
O Sebastião e o seu nariz - pré mourão
O Sebastião e o seu nariz - pré mourãoO Sebastião e o seu nariz - pré mourão
O Sebastião e o seu nariz - pré mourão
 
Uma Arvore De Natal Muito Especial
Uma Arvore De Natal Muito EspecialUma Arvore De Natal Muito Especial
Uma Arvore De Natal Muito Especial
 
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
 
O natal das bruxas
O natal das bruxasO natal das bruxas
O natal das bruxas
 
Um sonho de neve
Um sonho de neveUm sonho de neve
Um sonho de neve
 
Quando a mãe grita...
Quando a mãe grita...Quando a mãe grita...
Quando a mãe grita...
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
 
A velhinha que comeu os símbolos do natal
A velhinha que comeu os símbolos do natalA velhinha que comeu os símbolos do natal
A velhinha que comeu os símbolos do natal
 
Natal, história
Natal, históriaNatal, história
Natal, história
 
O outono
O outonoO outono
O outono
 
O polvo coceguinhas
O polvo coceguinhasO polvo coceguinhas
O polvo coceguinhas
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
 
Maria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendesMaria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendes
 
Um bocadinho inverno
Um bocadinho invernoUm bocadinho inverno
Um bocadinho inverno
 
O coelho branco
O coelho brancoO coelho branco
O coelho branco
 

Semelhante a Quem da prenda ao pai natal

Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02aQuemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
Anabela Barreira
 
1 131107062810-phpapp01a
1 131107062810-phpapp01a1 131107062810-phpapp01a
1 131107062810-phpapp01a
Anabela Barreira
 
Poesias
PoesiasPoesias
Poesias
Professora
 
Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]
sorrisinhu
 
Interpretacao de-texto-natal portugues
Interpretacao de-texto-natal portuguesInterpretacao de-texto-natal portugues
Interpretacao de-texto-natal portugues
Atividades Diversas Cláudia
 
O sapatinho na janela
O sapatinho na janelaO sapatinho na janela
O sapatinho na janela
Maria Aparecida Roque-Kottkamp
 
O pai natal verde
O  pai natal verdeO  pai natal verde
O pai natal verde
Constantino Alves
 
Composições do 5º F
Composições do 5º FComposições do 5º F
Composições do 5º F
Cristina Sousa
 
O Espírito Natalino - Beth Martins
O Espírito Natalino -  Beth MartinsO Espírito Natalino -  Beth Martins
O Espírito Natalino - Beth Martins
Irene Aguiar
 
22275686 interpretacao-de-texto-natal
22275686 interpretacao-de-texto-natal22275686 interpretacao-de-texto-natal
22275686 interpretacao-de-texto-natal
Atividades Diversas Cláudia
 
Feliz Natal
Feliz NatalFeliz Natal
Feliz Natal
bilibiowebsite
 
Feliz Natal 1197389316121379 4
Feliz Natal 1197389316121379 4Feliz Natal 1197389316121379 4
Feliz Natal 1197389316121379 4
leljab
 
Um natal Diferente (texo PT)
Um natal Diferente (texo PT)Um natal Diferente (texo PT)
Um natal Diferente (texo PT)
GabrielaLeite1997
 
Uma história de natal
Uma história de natalUma história de natal
Uma história de natal
becresforte
 
A história do pai natal
A história do pai natalA história do pai natal
A história do pai natal
Ana Teresa
 
A lenda-dos-ovos-de-pascoa[1]
A lenda-dos-ovos-de-pascoa[1]A lenda-dos-ovos-de-pascoa[1]
A lenda-dos-ovos-de-pascoa[1]
Alice Maia
 
A lenda dos ovos de Páscoa
A lenda dos ovos de PáscoaA lenda dos ovos de Páscoa
A lenda dos ovos de Páscoa
turmat2avenida
 
A estrela dourada
A estrela douradaA estrela dourada
A estrela dourada
Mensagens Virtuais
 
Um Natal da minha infancia
Um Natal da minha infanciaUm Natal da minha infancia
Um Natal da minha infancia
Mensagens Virtuais
 
A lenda-dos-ovos-de-Páscoa
A lenda-dos-ovos-de-PáscoaA lenda-dos-ovos-de-Páscoa
A lenda-dos-ovos-de-Páscoa
anapaulacarrasqueira1
 

Semelhante a Quem da prenda ao pai natal (20)

Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02aQuemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
 
1 131107062810-phpapp01a
1 131107062810-phpapp01a1 131107062810-phpapp01a
1 131107062810-phpapp01a
 
Poesias
PoesiasPoesias
Poesias
 
Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]
 
Interpretacao de-texto-natal portugues
Interpretacao de-texto-natal portuguesInterpretacao de-texto-natal portugues
Interpretacao de-texto-natal portugues
 
O sapatinho na janela
O sapatinho na janelaO sapatinho na janela
O sapatinho na janela
 
O pai natal verde
O  pai natal verdeO  pai natal verde
O pai natal verde
 
Composições do 5º F
Composições do 5º FComposições do 5º F
Composições do 5º F
 
O Espírito Natalino - Beth Martins
O Espírito Natalino -  Beth MartinsO Espírito Natalino -  Beth Martins
O Espírito Natalino - Beth Martins
 
22275686 interpretacao-de-texto-natal
22275686 interpretacao-de-texto-natal22275686 interpretacao-de-texto-natal
22275686 interpretacao-de-texto-natal
 
Feliz Natal
Feliz NatalFeliz Natal
Feliz Natal
 
Feliz Natal 1197389316121379 4
Feliz Natal 1197389316121379 4Feliz Natal 1197389316121379 4
Feliz Natal 1197389316121379 4
 
Um natal Diferente (texo PT)
Um natal Diferente (texo PT)Um natal Diferente (texo PT)
Um natal Diferente (texo PT)
 
Uma história de natal
Uma história de natalUma história de natal
Uma história de natal
 
A história do pai natal
A história do pai natalA história do pai natal
A história do pai natal
 
A lenda-dos-ovos-de-pascoa[1]
A lenda-dos-ovos-de-pascoa[1]A lenda-dos-ovos-de-pascoa[1]
A lenda-dos-ovos-de-pascoa[1]
 
A lenda dos ovos de Páscoa
A lenda dos ovos de PáscoaA lenda dos ovos de Páscoa
A lenda dos ovos de Páscoa
 
A estrela dourada
A estrela douradaA estrela dourada
A estrela dourada
 
Um Natal da minha infancia
Um Natal da minha infanciaUm Natal da minha infancia
Um Natal da minha infancia
 
A lenda-dos-ovos-de-Páscoa
A lenda-dos-ovos-de-PáscoaA lenda-dos-ovos-de-Páscoa
A lenda-dos-ovos-de-Páscoa
 

Mais de Marcio Flores

Viviana a rainha do pijama
Viviana a rainha do pijamaViviana a rainha do pijama
Viviana a rainha do pijama
Marcio Flores
 
Uma estranha dor barriga
Uma estranha dor barrigaUma estranha dor barriga
Uma estranha dor barriga
Marcio Flores
 
Uma aventura no outono
Uma aventura no outonoUma aventura no outono
Uma aventura no outono
Marcio Flores
 
Quem soltou o pum
Quem soltou o pumQuem soltou o pum
Quem soltou o pum
Marcio Flores
 
Quem procura, acha
Quem procura, achaQuem procura, acha
Quem procura, acha
Marcio Flores
 
Quando me sinto... zangado
Quando me sinto... zangadoQuando me sinto... zangado
Quando me sinto... zangado
Marcio Flores
 
Princesa espertalhona
Princesa espertalhonaPrincesa espertalhona
Princesa espertalhona
Marcio Flores
 
Poemas mentira verdade conto de luisa ducla soares
Poemas mentira verdade   conto de luisa ducla soaresPoemas mentira verdade   conto de luisa ducla soares
Poemas mentira verdade conto de luisa ducla soares
Marcio Flores
 
Pe de pai
Pe de paiPe de pai
Pe de pai
Marcio Flores
 
O grande-livro-das-emocoes
O grande-livro-das-emocoesO grande-livro-das-emocoes
O grande-livro-das-emocoes
Marcio Flores
 
O polvo coceguinhas
O polvo coceguinhasO polvo coceguinhas
O polvo coceguinhas
Marcio Flores
 
O peixinho e o gato
O peixinho e o gatoO peixinho e o gato
O peixinho e o gato
Marcio Flores
 
O pai galinha e o seu pintainho
O pai galinha e o seu pintainhoO pai galinha e o seu pintainho
O pai galinha e o seu pintainho
Marcio Flores
 
O nabo gigante
O nabo giganteO nabo gigante
O nabo gigante
Marcio Flores
 
O meu primeiro livro
O meu primeiro livroO meu primeiro livro
O meu primeiro livro
Marcio Flores
 
O meu pai (anthony browne)
O meu pai (anthony browne)O meu pai (anthony browne)
O meu pai (anthony browne)
Marcio Flores
 
O livro que queria ser brinquedo
O livro que queria ser brinquedoO livro que queria ser brinquedo
O livro que queria ser brinquedo
Marcio Flores
 
O galo tiao e a vaca malhada
O galo tiao e a vaca malhadaO galo tiao e a vaca malhada
O galo tiao e a vaca malhada
Marcio Flores
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
Marcio Flores
 
O elefante cor de-rosa
O elefante cor de-rosaO elefante cor de-rosa
O elefante cor de-rosa
Marcio Flores
 

Mais de Marcio Flores (20)

Viviana a rainha do pijama
Viviana a rainha do pijamaViviana a rainha do pijama
Viviana a rainha do pijama
 
Uma estranha dor barriga
Uma estranha dor barrigaUma estranha dor barriga
Uma estranha dor barriga
 
Uma aventura no outono
Uma aventura no outonoUma aventura no outono
Uma aventura no outono
 
Quem soltou o pum
Quem soltou o pumQuem soltou o pum
Quem soltou o pum
 
Quem procura, acha
Quem procura, achaQuem procura, acha
Quem procura, acha
 
Quando me sinto... zangado
Quando me sinto... zangadoQuando me sinto... zangado
Quando me sinto... zangado
 
Princesa espertalhona
Princesa espertalhonaPrincesa espertalhona
Princesa espertalhona
 
Poemas mentira verdade conto de luisa ducla soares
Poemas mentira verdade   conto de luisa ducla soaresPoemas mentira verdade   conto de luisa ducla soares
Poemas mentira verdade conto de luisa ducla soares
 
Pe de pai
Pe de paiPe de pai
Pe de pai
 
O grande-livro-das-emocoes
O grande-livro-das-emocoesO grande-livro-das-emocoes
O grande-livro-das-emocoes
 
O polvo coceguinhas
O polvo coceguinhasO polvo coceguinhas
O polvo coceguinhas
 
O peixinho e o gato
O peixinho e o gatoO peixinho e o gato
O peixinho e o gato
 
O pai galinha e o seu pintainho
O pai galinha e o seu pintainhoO pai galinha e o seu pintainho
O pai galinha e o seu pintainho
 
O nabo gigante
O nabo giganteO nabo gigante
O nabo gigante
 
O meu primeiro livro
O meu primeiro livroO meu primeiro livro
O meu primeiro livro
 
O meu pai (anthony browne)
O meu pai (anthony browne)O meu pai (anthony browne)
O meu pai (anthony browne)
 
O livro que queria ser brinquedo
O livro que queria ser brinquedoO livro que queria ser brinquedo
O livro que queria ser brinquedo
 
O galo tiao e a vaca malhada
O galo tiao e a vaca malhadaO galo tiao e a vaca malhada
O galo tiao e a vaca malhada
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
 
O elefante cor de-rosa
O elefante cor de-rosaO elefante cor de-rosa
O elefante cor de-rosa
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 

Quem da prenda ao pai natal

  • 1. Quem dá prenda ao Pai Natal?
  • 2.
  • 3.
  • 4. A avó estava a fazer os doces de Natal. Tinha massa até aos cotovelos, farinha no nariz, nos óculos e no cabelo; apesar de tudo isto tinha também um ar muito satisfeito. Os tempos estão maus, o dinheiro não chega para tudo, mas um docinho de Natal leva à boca da família coisas que o coração entende e até exige, mesmo sem saber (era o que pensava a avó, que tinha jeito para pensamentos destes, coisas quase de poeta, palavras bonitas, saborosas, de Natal).
  • 5. A avó estava a fazer doces de Natal e deu um salto, assustada. Foi a massa ao ar, duas gemas chocaram numa taça, polvilhou-se açúcar pela bancada da cozinha… As avós gostam de chamar filhas às netas, como se as netas fossem duas vezes suas filhas. O que foi minha filha?
  • 6. Estava? Não está? Se esteve, onde estará? Avó! Estava um Pai Natal azul sentado na nossa sala de estar!
  • 7. A avó arregalou os olhos bem arregalados, como se tivesse visto, ela também, um Pai Natal azul sentado na sala de estar. E balbuciou (gaguejou, quero eu dizer) (Já é difícil acreditar num Pai Natal, quanto mais num Pai Natal azul.) Um Pai Natal? Azul?!
  • 8. Existe, não existe? Será que existe? Será que existe? Será que existe?
  • 9. A verdade é que está acocorado, escondido, a tremer atrás de um sofá azul. Quase nãos se nota, cor com cor, azul com azul, sombra com forma. O Pai Natal não era azul. Estava vestido de azul forte, cor de mar à noite, cor de céu à tarde. Cor de certos olhos que vêem o mundo com olhos azuis. O Pai Natal tinha razões para estar vestido de azul, para estar sentado naquela sala de estar, para ter fugido espavorido ao ver a rapariguinha…
  • 10. A rapariguinha que agora gaguejava, puxava a avó e que apontava: A avó dizia, lá com os seus pensamentos e botões Ali, ao pé do pinheiro!!! Eu até nem acho que o Pai Natal seja para a minha idade! Isso é coisa para meninos pequenos!!!
  • 11. Não é para a tua idade? Ele é mais da tua idade do que da minha idade, avó!!!
  • 12. O pinheiro! O Pai Natal azul tinha vindo observar o pinheiro. Aquele pinheiro estava decorado com muita imaginação: restos de fitas de seda e de chita armados em laçarotes e espalhados como serpentinas, estrelas feitas à mão, frutas artificiais, coloridas, penduradas com cordéis pintados de dourado, plantas secas com cores fantásticas, uns berlindes de vidro, até um pedaço de qualquer coisa brilhante que tinham encontrado numa gaveta e ninguém sabia para que servia.
  • 13. Seria… Do vestido da avó? Da gravata do avô? Do emprego da mãe? Do clube do pai? Dos sonhos do filho?
  • 14. - Este ano – tinha dito o Pai Natal, para os seus botões e pensamentos – vou decorar a minha casa com folhas delicadas de árvores espantosas, com cristais de neve desses difíceis de ver nos flocos que caem do céu quando está frio, vou encher as mesas de bagas coloridas e de vidros coloridos todos os recantos. Este ano, eu também quero ter Natal.
  • 15. Que coisa complicada!!! Afinal, o que é ter Natal??? É ter mimos especiais? Um beijinho ao deitar? Um monte de prendas e embrulhos? Uns doces de saborear? Paz no mundo? Lojas cheias? Carteiras vazias? Férias na escola? Família?
  • 16. O Pai Natal não sabia. O PAI NATAL … NUNCA TINHA TIDO NATAL!!! E muito menos prenda de Natal!!!
  • 17. A avó foi buscar, a correr, uma colher de pau, voltou a correr com a colher de pau, deu a valer com a colher de pau no toutiço do Pai Natal! Gemeu o Pai Natal, a esfregar o alto do seu barrete azul de Pai Natal azul. Toma, intruso!!! Como te atreves a entrar na casa dos outros? Mas eu sou o Pai Natal !!! Vim apenas deixar uma prenda e ver como é que vocês …
  • 18. O Pai Natal fingiu que chorava de dor da pancada com a colher de pau, mas estava mesmo a chorar de tristeza: afinal, quem dá prenda ao Pai Natal? Como é que nós…? Como é que vocês vivem o Natal! Eu gostava tanto de ter um Natal como o vosso… Prova-me que és o Pai Natal!
  • 19. O Pai Natal tirou do bolso azul do seu fato de Pai Natal azul uma carteira vermelha e mostrou fotografias:
  • 20. Os duendes a trabalhar na fábrica de brinquedos! Aquela vez em que fiquei um para de horas entalado numa chaminé! Uma voltinha de trenó, com as renas, sobre a linha imaginária do círculo polar ÁRTICO! Vejam os ursos polares, que espantados. Uma voltinha de trenó pelo Antárctico. Vejam os pinguins, que admirados. Um Natal em que levei por engano uns cachecóis aos meninos do Brasil, que estavam a comemorar o Verão e o Natal ao mesmo tempo… O saco gigante onde transporto os brinquedos. E a minha foto quando ainda não tinha barbas!
  • 21. Não sei! Até isso me aflige! Porque hei-de usar estas barbas enormes, se não se usa barbas enormes? Ai que giro! Que belo rapaz! Disseram em coro a avó e a neta.
  • 22. Dieta equilibrada para uma vida bem tratada! E esta barriga!!! Não terei de fazer dieta? Isto é um risco enorme, ser obeso faz muito mal à vida!
  • 23. E para dar um toque de moda à minha vida monótona, resolvi vestir-me de azul, neste Natal…
  • 24. Posso ter a cor que quiser: cor-de-rosa, azul, lilás, verde, anil, amarelo, fúcsia, beringela, cor-de-laranja, magenta… As coisas que tu dizes!!! Nem pareces o Pai Natal. Isso quebra a tradição.
  • 25. - Mas o que mais me entristece é nunca ter tido Natal!!! Um Natal como aquele que todos os que festejam o Natal costumam ter…
  • 26. - E não festejas com os teus duendes? - O Natal é uma festa para a família. E eu não sou da família deles. E alguns nem festejam o Natal. - Não? - Não. O Pai Natal não visita crianças das religiões muçulmanas, hindu, judaica e budista. Elas têm outras tradições. - Tens mesmo um problema, Pai Natal! - Um grande problema. A avó olhou para as provas e concluiu: - Apesar de estar vestido de azul, deves ser o Pai Natal. - Pois sou! - Vamos ajudar-te. Dar-te ideias. Formar-te! Uma boa educação traz sempre bons frutos. - Eu só quero ter uma prenda de Natal!!!
  • 27. Sentaram-se no sofá azul, os três a pensar. O Pai Natal pensou tanto que se cansou e, cansado, adormeceu. A avó disse baixinho: - Eu acho que tenho uma solução! A neta sorriu, e respondeu, baixinho: - Deves estar a pensar naquilo que eu estou a pensar.
  • 28. Quando o Pai Natal acordasse veria um grande convite à sua frente, escrito numa bela letra sobre uma bela cartolina decorada com belos desenhos de Natal feitos pela neta e pela avó.
  • 29. - O Pai Natal acordou. Viu o convite. Pôs os óculos para ler e leu e emocionou-se muito! - Fui convidado para uma noite de Natal em família!!! Desfez-se em mil agradecimentos e partiu…
  • 30. Na noite de Natal, sentou-se à mesa com a avó, a neta e os restantes elementos daquela família tão simpática. Deu prendas a todos e recebeu prendas de todos eles: Um livro sobre dietas alimentares. Um estojo com pente, tesoura, lâmina e espuma de barbear. Uma bicicleta de ginásio.
  • 31. Um fato vermelho que afinal, dá tanta graça ao Pai Natal. E ele deu ainda a sua palavra de honra que ia mudar de aspecto, ser mais cuidadoso na forma de comer e de vestir e de cuidar de si…
  • 32. Quem dá prendas ao Pai Natal? Damos nós, que acreditamos nele…
  • 33.
  • 34. P. B. Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio