SlideShare uma empresa Scribd logo
O que é Guerra Fria
Guerra Fria é a designação de um período histórico
de disputas entre os Estados Unidos e a União Soviética,
compreendendo o período entre o final da Segunda
Guerra Mundial, em 1945, e a extinção da União
Soviética em 1991. Durante a Segunda Guerra Mundial,
os Estados Unidos e a União Soviética foram aliados na
luta contra a Alemanha. Logo após o inimigo ser
derrotado, os antigos aliados se transformaram em
adversários.
A Guerra Fria foi um conflito de ordem política,
militar, tecnológica, econômica, social e ideológica entre
as duas nações. A guerra é chamada de fria porque não
houve uma guerra ou conflitos diretos entre as duas
superpotências, dada a inviabilidade da vitória em uma
batalha nuclear. A corrida armamentista pela construção
de um grande arsenal de armas nucleares foi um dos
maiores objetivos durante a primeira metade da Guerra
Fria.
A rivalidade entre as duas nações tinha origem na
incompatibilidade entre as ideologias defendidas por
elas, uma vez que cada uma possuía um sistema
político distinto e organizava sua economia de modo
diferente da outra. Os Estados Unidos defendiam o
capitalismo, a democracia, princípios como a defesa da
propriedade privada e a livre iniciativa, enquanto a
União Soviética defendia o socialismo e princípios como
o fim da propriedade privada, a igualdade econômica e
um Estado forte capaz de garantir as necessidades
básicas de todos os cidadãos.
Dada a impossibilidade da resolução do confronto
pela via tradicional da guerra aberta e direta, as duas
nações passaram a disputar poder de influência política,
econômica e ideológica em todo o mundo. A Guerra Fria
terminou, por completo, com a ruína do mundo
socialista, uma vez que a URSS estava destruída
economicamente devido aos gastos com armamentos e
com a queda do Muro de Berlim em 1989.
A MARVEL COMICS
Marvel Comics, apelidada de House of Ideas
("Casa das Idéias"), é uma editora estadounidense de
banda desenhada ou história em quadrinhos
pertencente à Walt Disney Company que a comprou em
2009, por 4 bilhões de dólares. Desde então, passou a
se chamar Marvel Entertainment.
Com sede na 387 Park Avenue South, em Nova
Iorque, é uma das mais importantes editoras do gênero
no mundo, líder em vendas e em número de fãs no
segmento de super-heróis, tendo criado muitos dos
mais importantes e mais populares super-heróis, anti-
heróis e vilões das histórias em quadrinhos. Entre as
revistas mais famosas da Marvel, encontram-se o
Quarteto Fantástico, Homem-Aranha, O Incrível Hulk,
Capitão América, O Justiceiro, Os Vingadores,
Demolidor, Thor, Homem de Ferro, Surfista Prateado, os
X-Men, "Wolverine", Blade: O Caçador de Vampiros,
Motoqueiro Fantasma, "Doutor Estranho", "Namor - O
Príncipe Submarino", entre muitos outros.
A partir da década de 1960, tornou-se
uma das maiores empresas
estadunidenses neste ramo e a líder
isolada em vendas e número de fãs, ao
lado da DC Comics - sua principal
concorrente (primeira colocada em
vendas e primeira a surgir no ramo,
deixando a marvel em segundo lugar) -
e da Image Comics (terceira colocada).
O catálogo da Marvel, possui 5,000
personagens.
STAN LEE
Além de sua veia criativa,
desenvolvida ao longo de vários anos
de trabalho na indústria - onde, mesmo
sendo parente do proprietário da
Timely Comics, Martin Goodman,
iniciou quase que como um garoto de
recados.
Stan Lee destacou-se por ter uma
aguçada visão de mercado e uma
sensibilidade muito grande em relação
àquilo que poderia agradar os leitores
de quadrinhos, cujas demandas de
entretenimento e evasão ele buscava
satisfazer.
COM UM GRANDE PODER, VEM UMA
GRANDE RESPONSABILIDADE!
Homem Aranha
No início da década de 1960, Stan Lee
começou a propor uma série de personagens
que exploravam um dos arquétipos mais
recorrentes da cultura pop norte-americana, o
do herói que consegue ser bem sucedido,
apesar de ter todos os elementos contra si.
Sua proposição super-heroística
mesclava ironia e características anti-
heróicas, à época pouco comuns aos
personagens das revistas de histórias em
quadrinhos.
Marcou época trazendo heróis que
conviviam com problemas ou dificuldades que
também poderiam afetar o leitor comum,
como a incompreensão dos semelhantes,
dificuldades econômicas, conflitos com
autoridades policiais e crises de consciência.
Do seu surgimento até os dias de hoje,
as HQs estão ligadas as transformações
sociais que modificaram o mundo moderno.
Ou seja, os acontecimentos históricos
que mudaram o nosso mundo, refletiram de
alguma forma no mundo dos quadrinhos.
Sendo assim, devemos analisar essas
mídias levando em consideração o contexto
político e social na qual elas se inserem.
“Os quadrinhos são menos simples do que
aparentam: questionar o seu espaço
criativo exige do crítico um sólido
conhecimento dos mais diversos problemas
sociais, culturais, e artísticos.” (CIRNE:
1975, p.12)
“O artista de histórias em quadrinhos
trabalha com as informações sobre a
história e o cotidiano, transformando-as
em ficção. Sua busca é a difícil tarefa de
entreter e informar, sendo ele um
formador de opinião, servindo aos poderes
sociais. Junto com a narrativa dos fatos
surge a ficção histórica, na qual o autor
mescla toda a carga de informação que
recebe com seus parâmetros de
subjetividade e abstração, construindo,
assim, uma nova visão para essas
informações.” (BARBOSA, 2009, p. 104.)
Os super-heróis dos quadrinhos
refletem algo que está no intimo dos
indivíduos numa sociedade, que impõe os
limites. No entanto esse tipo de sentimento
não atinge somente os leitores das
histórias em quadrinhos, para que esse
efeito seja expressado nos indivíduos, mais
alguém necessita ter a mesma percepção,
que é o autor das revistas:
“de qualquer forma, tanto os produtores
quanto os consumidores da superaventura
manifestam o desejo inconsciente de
liberdade em resposta ao mundo
burocrático e mercantil fundamentado na
repressão.” (VIANA, 2005, p. 63).
O HOMEM DE FERRO
Criado em 1963 por Stan Lee e Jack Kirby, o Homem de Ferro
surge em pleno auge da Guerra Fria, e tem suas origens e
histórias iniciais totalmente moldadas pela disputa ideológica
que dividiu o mundo entre os blocos capitalista e socialista no
período de 1945-1991. Podemos dizer então que o herói
serviu como instrumento de propaganda dos EUA no período,
combatendo vilões que muitas vezes eram originados na
URSS.
A gênese do Homem de Ferro está
situada em um ambiente de confronto
característico da Guerra Fria: o Vietnã. Na
época, os Estados Unidos alimentavam os
conflitos neste país com homens e
armamentos, mas não se encontravam
ainda abertamente envolvidos.
É no fornecimento de armamentos
que atua o bilionário Tony Stark. Após O
uso de uma arma projetada por sua
fábrica, é vítima de um acidente que aloja
estilhaços de bomba em seu coração,
gerando uma situação de constante
ameaça.
Encontrado pelos vietnamitas, Stark é
aprisionado e forçado a desenvolver uma
arma para eles, contando para isso com a
ajuda de um velho cientista. Enganando
seus carcereiros, Stark desenvolve uma
armadura de ferro à base de transistores,
que lhe possibilita manter seu coração
batendo normalmente e representa uma
arma inigualável. Derrotado o inimigo, ele
retorna ao seu país e inicia sua carreira
como super-herói. (Nota: Parecido com a
origem apresentada no cinema, porém em
outra parte do mundo e em diferente
contexto histórico).
Desde seu início, o Homem de Ferro foi uma
personagem marcada pela contradição. Tratava-se de
um bilionário e fabricante de armas, alguém não
apenas indiretamente responsável pela morte de
milhões de pessoas, mas que também se beneficia
pessoalmente disso. Constituía, assim, alguém que
dificilmente poderia ser considerado um herói pela
maioria dos leitores. Infelizmente, o aspecto político
foi o elemento mais forte nas primeiras aventuras do
Homem de Ferro. Invariavelmente, seus maiores
adversários vincularam-se à divisão entre
capitalismo e socialismo. Assim, vilões como o
Mandarim, o Dínamo Escarlate, Bárbaro Vermelho,
Homem de Titânio e outros são carregados de teor
ideológico, deixando evidentes as tendências
políticas do protagonista.
Não faltam, inclusive, veladas
referências à realidade dos países sob a
égide da doutrina socialista, cujos
mandatários são freqüentemente
tratados por denominações como
terroristas ou tiranos. Esse maniqueísmo
do herói só seria suavizado no final dos
anos sessenta, quando crescia entre o
povo estadunidense a rejeição à
participação do país na Guerra do Vietnã.
Nesse período, Tony Stark tornou-se
pacifista e negou-se a continuar
inventando armamentos, entrando em
uma nova fase de sua vida."
O INCRÍVEL HULK
O personagem de Hulk surge de
uma exposição a raios gama a
qual o cientista Bruce Banner
ficou exposto, durante a
explosão de uma bomba
atômica. Essa bomba explodiu
no deserto do Novo México,
onde os EUA testaram, pela
primeira vez, a bomba nuclear.
O Incrível Hulk era um monstro
criado pelo horror atômico da
guerra fria. No entanto, a partir
do momento em que ele se
mostra complacente e piedoso
com as vítimas (mesmo
transformado), ele carrega a
mensagem subliminar: as armas
nucleares podem, se bem
utilizadas, servir para a
proteção e para o bem da
humanidade.
CAPITÃO AMÉRICA
O Capitão América
surgiu no contexto da 2ª
Guerra Mundial para lutar
contra os nazistas. Sua
representação é a da liderança
dos EUA nos diferentes
segmentos que exigem uma
postura mais ativa contra os
supostos inimigos.
A questão da energia
radioativa está presente na
maioria das histórias dos
super-heróis, sendo ela o que
os transforma, de simples
seres humanos a grandes
heróis, enfocando o poder que
o indivíduo pode adquirir ao
ser possuidor desse tipo de
energia.
QUARTETO FANTÁSTICO
Em 12 de Abril de 1961, o
cosmonauta soviético Yuri
Gagarin tornou-se o primeiro
ser humano a alcançar o
espaço. A notícia pegou de
surpresa os Estados Unidos e
acirrou os piores temores de
seus habitantes. Era o auge
da Guerra Fria. O duro golpe
faz o então presidente John
Kennedy jurar que os norte-
americanos chegariam à Lua
antes do fim da década,
derrotando a União Soviética
naquela que viria a ser a
Corrida Espacial.
Você deve estar se perguntando: o que isso tem a ver
com o Quarteto Fantástico? Bom, a nova cria da Marvel foi a
resposta direta dos quadrinhos ao apelo do dirigente da
nação. Eles personificavam a nova era espacial, na qual
seus heróis estavam dispostos a arriscar tudo, até mesmo a
própria vida, para estar a um passo adiante da ameaça
vermelha.
A história mostrava um grupo de 4 astronautas que,
após um acidente com a aeronave, adquire super-poderes.
Essa tal humanização dos heróis e a fuga dos clichês
padrões podem muito bem serem analisadas em cada
personagem. Reed Richards era um cientista que preferia
usar seu intelecto a seus punhos elásticos. O adolescente
Johnny, o novo Tocha Humana, era um herói por si só ? e
mulherengo - e não um companheiro de aventuras, papel
até então reservado aos jovens nas HQs. Sua irmã, Sue,
podia se tornar invisível e projetar campos de força, mas
representava a figura maternal do grupo. Já Ben Grimm, o
rochoso Coisa, era dotado de enorme força, mas sua
aparência aterradora ocultava a amargura de um ser
desfigurado, afastando-o da imagem de super-herói.
Além de vilões insossos
perdidos no tempo, Thor
também trabalha junto
com o exército americano.
Logo na primeira história
(“Os homens de pedra de
sarturno”), uma ilusão
provocada pelos tais
“homens de pedra” chama
atenção pelo seu caráter
subliminar: um dragão
vermelho que aterroriza o
povo norteamericano.
O PODEROSO THOR
Nas histórias subsequentes, vemos que
as alusões ao mundo comunista deixam
de ser subliminares. Em “O poderoso
Thor x o executor”, Thor deve lançar-se
contra uma ameaça militar controlada
por um tirano ensandecido por aspiração
de domínio global chamado “executor”.
Ele e seus comparsas possuem traços
alatinados, com cicatrizes de guerra
deformativas, usam boinas e seus caças
ostentam a foice e o martelo. São rudes,
pavorosos, e suas ações sugerem tortura
e estupro. Lee não avança no conteudo
político deste conjunto de signos.
Nada sobre o mundo do socialismo é revelado. O
executor é um vilão genérico e cruel como um Esqueleto
de He-Man ou um Munn-ha de Thundercats. É o mal pelo
mal, sem arestas ideológicas. Mas usa boina como
guerrilheiros cubanos, chama-se “executor” e, em quadro
emblemático, manda para o paredão de fuzilamento um
soldado que falhou em uma missão. Esta associação à
cultura militar e a uma demonização dos inimigos dos
Estados Unidos nos anos 60 se encontra, ainda neste
mesmo volume, em várias outras histórias.
Em “Prisioneiro dos vermelhos”, Thor precisa ir à
União Soviética à procura de cientistas americanos,
supostos desertores. Lá ele os encontra capturados pelos
grotescos soviéticos, que os obrigam a desenvolver
tecnologia sob regime de escravidão. Esta história, escrita
no auge da guerra fria, distorce tema controverso do
passado norteamericano: o dos cientistas americanos que
efetivamente fugiram por se filiarem ao partido
comunista. A história de Thor descarta essa possibilidade
e os coloca como vítimas de uma tola conspiração.
X MEN
Em 10 de setembro de 1963, há exatos
50 anos era lançado nos Estados Unidos
o primeiro número da revista em
quadrinhos X-Men, pela editora Marvel,
dando início à saga dos mutantes que se
tornaram os personagens mais
populares do gênero de super-heróis
nas décadas de 1980 e 1990. Na mesma
época, os Estados Unidos se
encontravam em meio aos protestos dos
movimentos pelos direitos civis e na
luta contra a segregação racial. Treze
dias antes do lançamento da revista, o
pastor e ativista social negro Martin
Luther King havia proferido o histórico
discurso “I Have a Dream” (Eu tenho
um sonho), em que pregava um país
onde todos os cidadãos, independente
de raça ou origem, pudessem conviver
pacificamente nas mesmas condições.
E essa temática racial estava evidente
em X-Men, um grupo de jovens que
possuíam dons únicos e especiais mas
que, ao contrário dos demais super seres
do universo Marvel, não adquiririam seus
poderes através de um acidente –
simplesmente nasceram com eles,
através de mutações. Por essa razão,
essas pessoas chamadas de mutantes
sofriam forte discriminação, eram
vítimas de perseguições mortais e
precisavam viver escondidos caso suas
habilidades fossem reveladas.
O gibi nº1 começa quando um poderoso telepata
mutante chamado Charles Xavier recruta jovens para
treiná-los a usarem seus poderes na luta por seu grande
“sonho”: um mundo onde os mutantes pudessem viver
pacificamente em coabitação harmoniosa com os
humanos.
A inspiração de Xavier em Luther King é clara e
proposital – assim como o antagonista, Magneto, um
judeu que viveu os horrores do campo de concentração
nazista de Auschwitz antes de descobrir seu controle
sobre o magnetismo – tinha sido inspirado em parte por
Malcom X, outro importante ativista negro, criticado por
possuir um discurso mais radical e menos pacifista do
que King, e que para seus detratores, promovia o
racismo – Magneto optou por lutar por um mundo onde
os mutantes tivessem a supremacia nem que, para isso,
os humanos fossem sacrificados (nos cinemas, o
personagem interpretado por Ian McKellen chegou a
parafrasear Malcom X com uma frase muito usada nos
discursos do ativistas: atingir seu objetivo“por todos os
meios necessários”).
Na história, Magneto tomou uma base
soviética de mísseis em um país fictício e Xavier
enviou seus cinco alunos, a equipe original dos X-
Men, para combatê-lo. A muito custo, Esses cinco
jovens, todos norte-americanos (Scott Summers,
o Ciclope; Hank McCoy, o Fera; Warren
Wortington III, o Anjo; Robert Drake, o Homem
de Gelo; e Jean Grey, a Garota Marvel) venceram.
Mas não sem antes perceberem que, não importa
o quanto praticassem o “bem”, sempre seriam
temidos e odiados por aqueles que eles juraram
proteger. No universo Marvel, os mutantes
sempre são vistos como aberrações pela maioria
da população norte-americana, e são
constantemente alvos de grupos de extermínio
comandados por humanos com o objetivo de
“purificação genética”.
Mais do que as histórias simples e até
ingênuas do início, outras das chaves para o
sucesso dos X-Men é a concepção do super-herói
mutante. Nos anos 1960, em plena Guerra Fria, o
risco de uma guerra nuclear era real e
atemorizava a população. E os X-Men, “filhos do
átomo”, foram fruto de uma geração passada
exposta a maiores níveis de radiação, o que teria
provocado as mutações.
Ao longo das décadas, as histórias sobre o
conflito entre humanos e mutantes serviu como
metáfora para a luta das minorias,
especialmente nos Estados Unidos. Além do
racismo, as histórias abordaram temas como
antissemitismo, minorias, diversidade sexual,
fanatismo religioso e até mesmo o macarthismo
e o anticomunismo.
Por outro lado, há correntes de
pensadores que interpretam as
iniciativas de Xavier como um ato
conservador e antirrevolucionário,
para frear as mudanças que
Magneto implementaria na
sociedade branca e capitalista. Mas
atualmente "X-Men" trata-se, acima
de tudo, de um empreendimento
editorial muito bem sucedido e com
fins puramente comerciais.
WATCHMEN
Série de história em quadrinhos
escrita por Alan Moore e ilustrada por
Dave Gibbons, Watchmen foi publicada
originalmente em doze edições mensais
pela editora estadunidense DC Comics
entre 1986 e 1987.
Watchmen é considerada um marco
importante na evolução dos quadrinhos
nos EUA: introduziu abordagens e
linguagens antes ligadas apenas aos
quadrinhos ditos alternativos, além de
lidar com temática de orientação mais
madura e menos superficial, quando
comparada às histórias em quadrinhos
comerciais publicadas naquele país.
Watchmen retrata os super-heróis como
indivíduos verossímeis, que enfrentam
problemas éticos e psicológicos, lutando
contra neuroses e defeitos, e procurando
evitar os arquétipos e super-poderes
tipicamente encontrados nas figuras
tradicionais do gênero. Podemos perceber o
contexto no qual Watchmen foi elaborada a
partir da fala do autor Alan Moore:
“Watchmen também surgiu do sombrio
cenário dos anos de 1980, quando a Guerra
Fria alcançava o ponto mais quente em 20 ou
30 anos, e quando a destruição nuclear
parecia, repentinamente, uma possibilidade
muito real.
DR. MANHATTAN
Alterego de Jonathan Osterman. Trancado
acidentalmente em uma câmara de testes durante um
experimento de física nuclear, Jon Osterman é
completamente desintegrado. Ao invés de morrer,
Osterman ganha vastos poderes, o primeiro dos quais o
da restituição de seu próprio corpo. Entre seus outros
poderes estão força super-humana, telecinese, a
habilidade de se teleportar para distâncias
interplanetárias e até mesmo intergaláticas, a
manipulação da matéria em nível subatômico,uma quase
completaclarividência.
Apelidado de "Doutor Manhattan"(uma alusão ao projeto
manhattan) pelo governo dos EUA, que o apresentou
como um super-herói à população, Osterman se torna
cada vez mais alheio à assuntos humanos.
Com o tempo, é incapaz de interagir com outras
pessoas, especialmente sua amada Laurie, a segunda Silk
Spectre. Assim como nos quadrinhos, o personagem exibe
nu frontal em boa parte de suas cenas. Mesmo com
efeitos para mudar a aparência do ator, seu pênis não foi
retirado no computador, sendo o primeiro super-herói a
ficar completamente nu no cinema.
O Dr. Manhattan pode vencer facilmente qualquer
herói ou vilão de todos os universos, ele pode perder
apenas se for manipulado psicologicamente, mas ele tem
inteligência suprema, sendo assim é quase impossível ser
vencido.
RORSCHACH
Walter Joseph Kovacs era filho de Sylvia Kovacs, uma prostituta, e de um
homem conhecido pelo apelido de "Charlie". Sua mãe era abusiva e não cuidava
dele. Com 10 anos de idade, ele briga com alguns provocadores, durante a qual
parcialmente cego de raiva, queima um deles com um cigarro aceso e depois
arranca a orelha fora de um outro. Logo depois, o Serviço para Crianças
investiga sua vida em sua casa, e o coloca em um orfanato, onde ele demonstra
talento para a educação religiosa e linguística.
Depois de terminar a escola, Kovacs consegue emprego como um arrumador de
vestuários em uma loja de vestidos, onde ele adquire um tecido que mais tarde
usaria como o vigilante Rorschach. O tecido, um material novo, criado pelo Dr.
Manhattan, continha líquidos sensíveis ao calor entre as camadas de látex,
criando assim uma coloração preto-e-branco que mudava de forma
constantemente. Kovacs recuperou o material de um vestido que havia sido
rejeitado por uma jovem com um nome italiano; Kitty Genovese. Dois anos
depois, Kitty Genovese foi assassinada e estuprada, e quando Kovacs percebeu
a apatia de seus vizinhos, ele sentiu nojo não só do crime, mas do egoísmo
inerente a todas as pessoas. Inspirado pelo destino de Genovese (ele disse mais
tarde ao seu psiquiatra na prisão que uma mulher o mandou se vestir, Kitty
Genovese. Tinha certeza de que esse era o nome da mulher), ele fez uma
máscara do tecido do vestido e começou a combater o crime como o vigilante
Rorschach.
Como a maioria dos personagens de Watchmen, Rorschach não possui super
poderes, movido apenas por sua sede de justiça e suas habilidades técnicas.
Rorschach usa qualquer e todo o tipo de armas que estão disponíveis no
momento, tais como a pimenta, equipamento oficial da polícia, bem como a
utilização de um spray de cabelo em combinação com um fósforo para atear fogo
a outros policiais durante um confronto na casa de Moloch. Durante a série ele
usa gordura de cozinha, uma sanita, um cigarro, um garfo e sua jaqueta como
armas. Ele possui uma arma que atira um arpão numa roldana de corda bem
resistente, que ele usa para escalar edifícios (utilizando-o inclusive como uma
arma improvisada contra um policial). Rorschach é bem versado em combates,
lutas de rua, ginástica e boxe. No decorrer da série, ele mostra a capacidade de
vencer vários assaltantes armados com pouca dificuldade. Rorschach também é
relativamente indiferente à dor e ao desconforto físico, mostrado quando ele
percorre a Antártida usando apenas cachecol e sobretudo. Devido a seu tempo
nos centros de detenção juvenil e em orfanatos, é visto como uma pessoa tão
versada em crimes da rua quanto qualquer criminoso. Rorschach também
demonstra a capacidade de entrar em uma grande variedade de edifícios
fechados e casas, sugerindo a perícia de um mestre dos ladrões. Ele também
mostra ser extremamente forte. Apesar de sua instabilidade mental, Rorschach foi
descrito como "taticamente brilhante e imprevisível" por Coruja II, e possui
habilidades de detetive surpreendentemente boas. Durante sua infância ele foi
descrito como brilhante.
Watchmen usou os clichês do formato
super-herói para provar e discutir as noções de
poder e responsabilidades num mundo cada vez
mais complexo. Nós tratamos a estes
personagens super humanos verdadeiramente
ridículos mais como humanos que como super.
Os usamos como símbolos de diferentes classes
de seres humanos comuns, em lugar de
diferentes superseres.
Penso que existiam algumas coisas em
Watchmen que sintonizavam bem com esses
tempos ainda que pra mim talvez o mais
importante fosse a narrativa, onde o mundo que
apresentávamos não tinha coerência, em
termos de causa e efeito.
Ao contrário, era visto como um
simultâneo e massivamente complexo com
conexões feitas a partir de coincidências,
sincronia. E creio que foi esta visão de mundo,
de qualquer maneira, que repercutiu junto ao
público que se deu conta de que sua visão
prévia de mundo não se adequava às
complexidades deste sombrio e aterrorizante
novo mundo em que estávamos entrando.
Penso que Watchmen tinha algo a
oferecer, abrindo novas possibilidades para as
maneiras de percebermos o ambiente que nos
rodeia e as interações e relações das pessoas
com ele.” (MOORE, 2003.)
Apesar de a Guerra Fria ser um dos
panos de fundo de destaque em Watchmen, a
HQ também busca retratar a relação do
cotidianos nas ruas de Nova York, que durante
a década de 1980 se caracterizava por um
grande índice de violência por conta dos
surgimento das gangs e também pelo
surgimento da chamada “epidemia do crack”
entre 1984 e 1990.
Os heróis de Watchmen foram aclamados
pela população insegura que via nos vigilantes
mascarados uma saída para o combate a
violência nas ruas, mas a partir do momento
em que os mesmos se tornam decadentes eles
passam a ser vistos com maus olhos pela
sociedade.
O COMEDIANTE
O comediante teria sido um assassino de aluguel
que o governo contratava para não sujar as mãos com
mortes. Por exemplo: há quem diga que no universo
Watchmen, ele quem matou Kennedy, Mussolini, Hitler e
Super Homem... Na verdade apenas um maluco que
fingia ser super-homem. O comediante então adotou o
seu nome, se juntou ao grupo Minutemen o predecessor
fracassado do Watchmen e viu o grupo ruir. No entanto, o
governo não notava que havia transformado Eddie (esse
era o nome do comediante) em um sociopata violento.
Eddie não sabe o significado da palavra "primeira
impressão" e acaba mostrando que é apenas um palhaço
que não sabe fazer piadas, e que talvez tenha virado
assassino de aluguel do governo por que ninguém ria de
suas piadas.
A HQ consegue abarcar os reflexos de
um mundo em constante conflito, entretanto
é importante perceber que a história gira
em torno da saga de heróis mascarados que
tentam desvendar o mistério da morte de
outros heróis.
Em sua ambientação Alan Moore e
Dave Gibbons conseguem retratar uma
sociedade da década de 1980 que reflete
sentimentos coletivos a partir da carga de
influência da corrida armamentista, como, o
medo da Guerra Fria e suas consequências,
o sentimento anti-comunista e o medo da
violência urbana nas ruas das grandes
cidades nos Estados Unidos.
Sendo assim, Watchmen
deixa de ser somente um
produto da cultura de
massa, e passa a buscar não
somente o entretenimento,
mas também, a reflexão
sobre o homem e o tempo.
Até uma inocente HQ é
influenciada pelo contexto em que
é escrita servindo como uma boa
fonte de informações sobre o
comportamento e as idéias de
determinada época. Fiquem de
olho naqueles gibis antigos que lá
podem estar dicas valiosas sobre
as transformações promovidas
pelos acontecimentos e os
reflexos na sociedade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ditaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - ResumoDitaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - Resumo
Alinnie Moreira
 
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
Tissiane Gomes
 
O golpe de 1964
O golpe de 1964O golpe de 1964
O golpe de 1964
Edenilson Morais
 
3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria
Daniel Alves Bronstrup
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
Portal do Vestibulando
 
9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundial9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundial
Janaína Bindá
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)
Edenilson Morais
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
Daniel Alves Bronstrup
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Janaína Tavares
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Valéria Shoujofan
 
O Governo Dutra (1946-1950)
O Governo Dutra (1946-1950)O Governo Dutra (1946-1950)
O Governo Dutra (1946-1950)
Edenilson Morais
 
Anos dourados
Anos douradosAnos dourados
Anos dourados
Ramiro Bicca
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
Janio quadros e joão goulart
Janio quadros e joão goulartJanio quadros e joão goulart
Janio quadros e joão goulart
harlissoncarvalho
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Portal do Vestibulando
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
Kéliton Ferreira
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
Daniel Alves Bronstrup
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
Edenilson Morais
 
Exercicio revolução russa
Exercicio revolução russaExercicio revolução russa
Exercicio revolução russa
Atividades Diversas Cláudia
 

Mais procurados (20)

Ditaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - ResumoDitaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - Resumo
 
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
 
O golpe de 1964
O golpe de 1964O golpe de 1964
O golpe de 1964
 
3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundial9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundial
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
 
O Governo Dutra (1946-1950)
O Governo Dutra (1946-1950)O Governo Dutra (1946-1950)
O Governo Dutra (1946-1950)
 
Anos dourados
Anos douradosAnos dourados
Anos dourados
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Janio quadros e joão goulart
Janio quadros e joão goulartJanio quadros e joão goulart
Janio quadros e joão goulart
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
 
Exercicio revolução russa
Exercicio revolução russaExercicio revolução russa
Exercicio revolução russa
 

Destaque

Redemocratização e neoliberalismo
Redemocratização e  neoliberalismoRedemocratização e  neoliberalismo
Redemocratização e neoliberalismo
dinicmax
 
A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
História em Ação
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Capitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - GeografiaCapitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - Geografia
Raquel Stephanny
 
O mundo dividido pela Guerra Fria
O mundo dividido pela Guerra FriaO mundo dividido pela Guerra Fria
O mundo dividido pela Guerra Fria
Profª Bruna Morrana
 
Guerra fria em quadrinhos
Guerra fria em quadrinhosGuerra fria em quadrinhos
Guerra fria em quadrinhos
Marcelo Araujo
 
Guerra fria professor edu gonzaga 2012
Guerra fria professor edu gonzaga 2012Guerra fria professor edu gonzaga 2012
Guerra fria professor edu gonzaga 2012
Edu Gonzaga
 
Conflitos mundiais.
Conflitos mundiais.Conflitos mundiais.
Conflitos mundiais.
Douglas Gregorio
 
Geografia dos Conflitos
Geografia dos ConflitosGeografia dos Conflitos
Geografia dos Conflitos
Rogerio Silveira
 
Animação e ideologia na Guerra Fria
Animação e ideologia na Guerra FriaAnimação e ideologia na Guerra Fria
Animação e ideologia na Guerra Fria
Denis Gasco
 
Aula 1 - "A Era dos Extremos" (atualizada)
Aula 1  -  "A Era dos Extremos" (atualizada)Aula 1  -  "A Era dos Extremos" (atualizada)
Aula 1 - "A Era dos Extremos" (atualizada)
profnelton
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
Diego Sobreira
 
A era dos extremos
A era dos extremosA era dos extremos
A era dos extremos
Jorge Miklos
 
O MUNDO DIVIDIDO ENTRE PAÍSES SOCIALISTS E CAPITALISTAS
O MUNDO DIVIDIDO ENTRE PAÍSES SOCIALISTS E CAPITALISTASO MUNDO DIVIDIDO ENTRE PAÍSES SOCIALISTS E CAPITALISTAS
O MUNDO DIVIDIDO ENTRE PAÍSES SOCIALISTS E CAPITALISTAS
DANUBIA ZANOTELLI
 
Pós guerra e impactos da guerra fria
Pós guerra e impactos da guerra friaPós guerra e impactos da guerra fria
Pós guerra e impactos da guerra fria
carlosbidu
 
Mundo PóS Guerra
Mundo PóS GuerraMundo PóS Guerra
Mundo PóS Guerra
Lucileida Castro
 
Guerra fria (1945-1991)
Guerra fria (1945-1991)Guerra fria (1945-1991)
Guerra fria (1945-1991)
Larissa Silva
 
O mundo pos guerra fria
O mundo pos guerra friaO mundo pos guerra fria
O mundo pos guerra fria
Isabel Aguiar
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
Fábio Cruz
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
rsaloes
 

Destaque (20)

Redemocratização e neoliberalismo
Redemocratização e  neoliberalismoRedemocratização e  neoliberalismo
Redemocratização e neoliberalismo
 
A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Capitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - GeografiaCapitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - Geografia
 
O mundo dividido pela Guerra Fria
O mundo dividido pela Guerra FriaO mundo dividido pela Guerra Fria
O mundo dividido pela Guerra Fria
 
Guerra fria em quadrinhos
Guerra fria em quadrinhosGuerra fria em quadrinhos
Guerra fria em quadrinhos
 
Guerra fria professor edu gonzaga 2012
Guerra fria professor edu gonzaga 2012Guerra fria professor edu gonzaga 2012
Guerra fria professor edu gonzaga 2012
 
Conflitos mundiais.
Conflitos mundiais.Conflitos mundiais.
Conflitos mundiais.
 
Geografia dos Conflitos
Geografia dos ConflitosGeografia dos Conflitos
Geografia dos Conflitos
 
Animação e ideologia na Guerra Fria
Animação e ideologia na Guerra FriaAnimação e ideologia na Guerra Fria
Animação e ideologia na Guerra Fria
 
Aula 1 - "A Era dos Extremos" (atualizada)
Aula 1  -  "A Era dos Extremos" (atualizada)Aula 1  -  "A Era dos Extremos" (atualizada)
Aula 1 - "A Era dos Extremos" (atualizada)
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
 
A era dos extremos
A era dos extremosA era dos extremos
A era dos extremos
 
O MUNDO DIVIDIDO ENTRE PAÍSES SOCIALISTS E CAPITALISTAS
O MUNDO DIVIDIDO ENTRE PAÍSES SOCIALISTS E CAPITALISTASO MUNDO DIVIDIDO ENTRE PAÍSES SOCIALISTS E CAPITALISTAS
O MUNDO DIVIDIDO ENTRE PAÍSES SOCIALISTS E CAPITALISTAS
 
Pós guerra e impactos da guerra fria
Pós guerra e impactos da guerra friaPós guerra e impactos da guerra fria
Pós guerra e impactos da guerra fria
 
Mundo PóS Guerra
Mundo PóS GuerraMundo PóS Guerra
Mundo PóS Guerra
 
Guerra fria (1945-1991)
Guerra fria (1945-1991)Guerra fria (1945-1991)
Guerra fria (1945-1991)
 
O mundo pos guerra fria
O mundo pos guerra friaO mundo pos guerra fria
O mundo pos guerra fria
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 

Semelhante a Quadrinhos e Guerra Fria

A sociopolítica mundial e os quadrinhos
A sociopolítica mundial e os quadrinhosA sociopolítica mundial e os quadrinhos
A sociopolítica mundial e os quadrinhos
Marcia Benaduce
 
A guerra fria e era Vargas
A guerra fria e era VargasA guerra fria e era Vargas
A guerra fria e era Vargas
Brenda Pimentel
 
A Guerra Fria e a Era Vargas
A Guerra Fria e a Era VargasA Guerra Fria e a Era Vargas
A Guerra Fria e a Era Vargas
João Oliveira
 
Boletim Informativo
Boletim InformativoBoletim Informativo
Boletim Informativo
Ronyone Araújo
 
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaIdeologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
jasonrplima
 
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaJason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
jasonrplima
 
A Guerra Fria e a Cultura dos Super Heroes
A Guerra Fria e a Cultura dos Super HeroesA Guerra Fria e a Cultura dos Super Heroes
A Guerra Fria e a Cultura dos Super Heroes
Fabricio Bazé
 
Pontes; fernando cesar mistérios do lago do amor
Pontes; fernando cesar   mistérios do lago do amorPontes; fernando cesar   mistérios do lago do amor
Pontes; fernando cesar mistérios do lago do amor
Acervo_DAC
 
Debatendo as origens da guerra fria 2
Debatendo as origens da guerra fria 2Debatendo as origens da guerra fria 2
Debatendo as origens da guerra fria 2
GuilhermeRamos
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
Julio Sosa
 
Revista Outras Ideias - As HQs como instrumento de liberdade
Revista Outras Ideias - As HQs como instrumento de liberdadeRevista Outras Ideias - As HQs como instrumento de liberdade
Revista Outras Ideias - As HQs como instrumento de liberdade
Maurício Martins
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
Jean Carlos Nunes Paixão
 
Q14
Q14Q14
Q14
Q14Q14
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Valeria Kosicki
 
Filmes Sobre A Liberdade
Filmes Sobre A LiberdadeFilmes Sobre A Liberdade
Filmes Sobre A Liberdade
Romualdo Leite
 
Super heroes
Super heroesSuper heroes
Super heroes
Telma Lenita Zen
 
Nova ordem mundial
Nova ordem mundialNova ordem mundial
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
Vítor Santos
 
LIVRO 1ª ANO-Contexto Histórico.Livro de
LIVRO 1ª ANO-Contexto Histórico.Livro deLIVRO 1ª ANO-Contexto Histórico.Livro de
LIVRO 1ª ANO-Contexto Histórico.Livro de
CarolineFrancielle
 

Semelhante a Quadrinhos e Guerra Fria (20)

A sociopolítica mundial e os quadrinhos
A sociopolítica mundial e os quadrinhosA sociopolítica mundial e os quadrinhos
A sociopolítica mundial e os quadrinhos
 
A guerra fria e era Vargas
A guerra fria e era VargasA guerra fria e era Vargas
A guerra fria e era Vargas
 
A Guerra Fria e a Era Vargas
A Guerra Fria e a Era VargasA Guerra Fria e a Era Vargas
A Guerra Fria e a Era Vargas
 
Boletim Informativo
Boletim InformativoBoletim Informativo
Boletim Informativo
 
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaIdeologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
 
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaJason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
 
A Guerra Fria e a Cultura dos Super Heroes
A Guerra Fria e a Cultura dos Super HeroesA Guerra Fria e a Cultura dos Super Heroes
A Guerra Fria e a Cultura dos Super Heroes
 
Pontes; fernando cesar mistérios do lago do amor
Pontes; fernando cesar   mistérios do lago do amorPontes; fernando cesar   mistérios do lago do amor
Pontes; fernando cesar mistérios do lago do amor
 
Debatendo as origens da guerra fria 2
Debatendo as origens da guerra fria 2Debatendo as origens da guerra fria 2
Debatendo as origens da guerra fria 2
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 
Revista Outras Ideias - As HQs como instrumento de liberdade
Revista Outras Ideias - As HQs como instrumento de liberdadeRevista Outras Ideias - As HQs como instrumento de liberdade
Revista Outras Ideias - As HQs como instrumento de liberdade
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Q14
Q14Q14
Q14
 
Q14
Q14Q14
Q14
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Filmes Sobre A Liberdade
Filmes Sobre A LiberdadeFilmes Sobre A Liberdade
Filmes Sobre A Liberdade
 
Super heroes
Super heroesSuper heroes
Super heroes
 
Nova ordem mundial
Nova ordem mundialNova ordem mundial
Nova ordem mundial
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
 
LIVRO 1ª ANO-Contexto Histórico.Livro de
LIVRO 1ª ANO-Contexto Histórico.Livro deLIVRO 1ª ANO-Contexto Histórico.Livro de
LIVRO 1ª ANO-Contexto Histórico.Livro de
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 

Quadrinhos e Guerra Fria

  • 1.
  • 2.
  • 3. O que é Guerra Fria Guerra Fria é a designação de um período histórico de disputas entre os Estados Unidos e a União Soviética, compreendendo o período entre o final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, e a extinção da União Soviética em 1991. Durante a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos e a União Soviética foram aliados na luta contra a Alemanha. Logo após o inimigo ser derrotado, os antigos aliados se transformaram em adversários. A Guerra Fria foi um conflito de ordem política, militar, tecnológica, econômica, social e ideológica entre as duas nações. A guerra é chamada de fria porque não houve uma guerra ou conflitos diretos entre as duas superpotências, dada a inviabilidade da vitória em uma batalha nuclear. A corrida armamentista pela construção de um grande arsenal de armas nucleares foi um dos maiores objetivos durante a primeira metade da Guerra Fria.
  • 4.
  • 5. A rivalidade entre as duas nações tinha origem na incompatibilidade entre as ideologias defendidas por elas, uma vez que cada uma possuía um sistema político distinto e organizava sua economia de modo diferente da outra. Os Estados Unidos defendiam o capitalismo, a democracia, princípios como a defesa da propriedade privada e a livre iniciativa, enquanto a União Soviética defendia o socialismo e princípios como o fim da propriedade privada, a igualdade econômica e um Estado forte capaz de garantir as necessidades básicas de todos os cidadãos. Dada a impossibilidade da resolução do confronto pela via tradicional da guerra aberta e direta, as duas nações passaram a disputar poder de influência política, econômica e ideológica em todo o mundo. A Guerra Fria terminou, por completo, com a ruína do mundo socialista, uma vez que a URSS estava destruída economicamente devido aos gastos com armamentos e com a queda do Muro de Berlim em 1989.
  • 6.
  • 7. A MARVEL COMICS Marvel Comics, apelidada de House of Ideas ("Casa das Idéias"), é uma editora estadounidense de banda desenhada ou história em quadrinhos pertencente à Walt Disney Company que a comprou em 2009, por 4 bilhões de dólares. Desde então, passou a se chamar Marvel Entertainment. Com sede na 387 Park Avenue South, em Nova Iorque, é uma das mais importantes editoras do gênero no mundo, líder em vendas e em número de fãs no segmento de super-heróis, tendo criado muitos dos mais importantes e mais populares super-heróis, anti- heróis e vilões das histórias em quadrinhos. Entre as revistas mais famosas da Marvel, encontram-se o Quarteto Fantástico, Homem-Aranha, O Incrível Hulk, Capitão América, O Justiceiro, Os Vingadores, Demolidor, Thor, Homem de Ferro, Surfista Prateado, os X-Men, "Wolverine", Blade: O Caçador de Vampiros, Motoqueiro Fantasma, "Doutor Estranho", "Namor - O Príncipe Submarino", entre muitos outros.
  • 8. A partir da década de 1960, tornou-se uma das maiores empresas estadunidenses neste ramo e a líder isolada em vendas e número de fãs, ao lado da DC Comics - sua principal concorrente (primeira colocada em vendas e primeira a surgir no ramo, deixando a marvel em segundo lugar) - e da Image Comics (terceira colocada). O catálogo da Marvel, possui 5,000 personagens.
  • 9. STAN LEE Além de sua veia criativa, desenvolvida ao longo de vários anos de trabalho na indústria - onde, mesmo sendo parente do proprietário da Timely Comics, Martin Goodman, iniciou quase que como um garoto de recados. Stan Lee destacou-se por ter uma aguçada visão de mercado e uma sensibilidade muito grande em relação àquilo que poderia agradar os leitores de quadrinhos, cujas demandas de entretenimento e evasão ele buscava satisfazer.
  • 10. COM UM GRANDE PODER, VEM UMA GRANDE RESPONSABILIDADE! Homem Aranha
  • 11. No início da década de 1960, Stan Lee começou a propor uma série de personagens que exploravam um dos arquétipos mais recorrentes da cultura pop norte-americana, o do herói que consegue ser bem sucedido, apesar de ter todos os elementos contra si. Sua proposição super-heroística mesclava ironia e características anti- heróicas, à época pouco comuns aos personagens das revistas de histórias em quadrinhos. Marcou época trazendo heróis que conviviam com problemas ou dificuldades que também poderiam afetar o leitor comum, como a incompreensão dos semelhantes, dificuldades econômicas, conflitos com autoridades policiais e crises de consciência.
  • 12.
  • 13. Do seu surgimento até os dias de hoje, as HQs estão ligadas as transformações sociais que modificaram o mundo moderno. Ou seja, os acontecimentos históricos que mudaram o nosso mundo, refletiram de alguma forma no mundo dos quadrinhos. Sendo assim, devemos analisar essas mídias levando em consideração o contexto político e social na qual elas se inserem. “Os quadrinhos são menos simples do que aparentam: questionar o seu espaço criativo exige do crítico um sólido conhecimento dos mais diversos problemas sociais, culturais, e artísticos.” (CIRNE: 1975, p.12)
  • 14.
  • 15. “O artista de histórias em quadrinhos trabalha com as informações sobre a história e o cotidiano, transformando-as em ficção. Sua busca é a difícil tarefa de entreter e informar, sendo ele um formador de opinião, servindo aos poderes sociais. Junto com a narrativa dos fatos surge a ficção histórica, na qual o autor mescla toda a carga de informação que recebe com seus parâmetros de subjetividade e abstração, construindo, assim, uma nova visão para essas informações.” (BARBOSA, 2009, p. 104.)
  • 16.
  • 17. Os super-heróis dos quadrinhos refletem algo que está no intimo dos indivíduos numa sociedade, que impõe os limites. No entanto esse tipo de sentimento não atinge somente os leitores das histórias em quadrinhos, para que esse efeito seja expressado nos indivíduos, mais alguém necessita ter a mesma percepção, que é o autor das revistas: “de qualquer forma, tanto os produtores quanto os consumidores da superaventura manifestam o desejo inconsciente de liberdade em resposta ao mundo burocrático e mercantil fundamentado na repressão.” (VIANA, 2005, p. 63).
  • 18. O HOMEM DE FERRO Criado em 1963 por Stan Lee e Jack Kirby, o Homem de Ferro surge em pleno auge da Guerra Fria, e tem suas origens e histórias iniciais totalmente moldadas pela disputa ideológica que dividiu o mundo entre os blocos capitalista e socialista no período de 1945-1991. Podemos dizer então que o herói serviu como instrumento de propaganda dos EUA no período, combatendo vilões que muitas vezes eram originados na URSS.
  • 19. A gênese do Homem de Ferro está situada em um ambiente de confronto característico da Guerra Fria: o Vietnã. Na época, os Estados Unidos alimentavam os conflitos neste país com homens e armamentos, mas não se encontravam ainda abertamente envolvidos. É no fornecimento de armamentos que atua o bilionário Tony Stark. Após O uso de uma arma projetada por sua fábrica, é vítima de um acidente que aloja estilhaços de bomba em seu coração, gerando uma situação de constante ameaça.
  • 20. Encontrado pelos vietnamitas, Stark é aprisionado e forçado a desenvolver uma arma para eles, contando para isso com a ajuda de um velho cientista. Enganando seus carcereiros, Stark desenvolve uma armadura de ferro à base de transistores, que lhe possibilita manter seu coração batendo normalmente e representa uma arma inigualável. Derrotado o inimigo, ele retorna ao seu país e inicia sua carreira como super-herói. (Nota: Parecido com a origem apresentada no cinema, porém em outra parte do mundo e em diferente contexto histórico).
  • 21. Desde seu início, o Homem de Ferro foi uma personagem marcada pela contradição. Tratava-se de um bilionário e fabricante de armas, alguém não apenas indiretamente responsável pela morte de milhões de pessoas, mas que também se beneficia pessoalmente disso. Constituía, assim, alguém que dificilmente poderia ser considerado um herói pela maioria dos leitores. Infelizmente, o aspecto político foi o elemento mais forte nas primeiras aventuras do Homem de Ferro. Invariavelmente, seus maiores adversários vincularam-se à divisão entre capitalismo e socialismo. Assim, vilões como o Mandarim, o Dínamo Escarlate, Bárbaro Vermelho, Homem de Titânio e outros são carregados de teor ideológico, deixando evidentes as tendências políticas do protagonista.
  • 22. Não faltam, inclusive, veladas referências à realidade dos países sob a égide da doutrina socialista, cujos mandatários são freqüentemente tratados por denominações como terroristas ou tiranos. Esse maniqueísmo do herói só seria suavizado no final dos anos sessenta, quando crescia entre o povo estadunidense a rejeição à participação do país na Guerra do Vietnã. Nesse período, Tony Stark tornou-se pacifista e negou-se a continuar inventando armamentos, entrando em uma nova fase de sua vida."
  • 23. O INCRÍVEL HULK O personagem de Hulk surge de uma exposição a raios gama a qual o cientista Bruce Banner ficou exposto, durante a explosão de uma bomba atômica. Essa bomba explodiu no deserto do Novo México, onde os EUA testaram, pela primeira vez, a bomba nuclear. O Incrível Hulk era um monstro criado pelo horror atômico da guerra fria. No entanto, a partir do momento em que ele se mostra complacente e piedoso com as vítimas (mesmo transformado), ele carrega a mensagem subliminar: as armas nucleares podem, se bem utilizadas, servir para a proteção e para o bem da humanidade.
  • 24. CAPITÃO AMÉRICA O Capitão América surgiu no contexto da 2ª Guerra Mundial para lutar contra os nazistas. Sua representação é a da liderança dos EUA nos diferentes segmentos que exigem uma postura mais ativa contra os supostos inimigos. A questão da energia radioativa está presente na maioria das histórias dos super-heróis, sendo ela o que os transforma, de simples seres humanos a grandes heróis, enfocando o poder que o indivíduo pode adquirir ao ser possuidor desse tipo de energia.
  • 25. QUARTETO FANTÁSTICO Em 12 de Abril de 1961, o cosmonauta soviético Yuri Gagarin tornou-se o primeiro ser humano a alcançar o espaço. A notícia pegou de surpresa os Estados Unidos e acirrou os piores temores de seus habitantes. Era o auge da Guerra Fria. O duro golpe faz o então presidente John Kennedy jurar que os norte- americanos chegariam à Lua antes do fim da década, derrotando a União Soviética naquela que viria a ser a Corrida Espacial.
  • 26. Você deve estar se perguntando: o que isso tem a ver com o Quarteto Fantástico? Bom, a nova cria da Marvel foi a resposta direta dos quadrinhos ao apelo do dirigente da nação. Eles personificavam a nova era espacial, na qual seus heróis estavam dispostos a arriscar tudo, até mesmo a própria vida, para estar a um passo adiante da ameaça vermelha. A história mostrava um grupo de 4 astronautas que, após um acidente com a aeronave, adquire super-poderes. Essa tal humanização dos heróis e a fuga dos clichês padrões podem muito bem serem analisadas em cada personagem. Reed Richards era um cientista que preferia usar seu intelecto a seus punhos elásticos. O adolescente Johnny, o novo Tocha Humana, era um herói por si só ? e mulherengo - e não um companheiro de aventuras, papel até então reservado aos jovens nas HQs. Sua irmã, Sue, podia se tornar invisível e projetar campos de força, mas representava a figura maternal do grupo. Já Ben Grimm, o rochoso Coisa, era dotado de enorme força, mas sua aparência aterradora ocultava a amargura de um ser desfigurado, afastando-o da imagem de super-herói.
  • 27. Além de vilões insossos perdidos no tempo, Thor também trabalha junto com o exército americano. Logo na primeira história (“Os homens de pedra de sarturno”), uma ilusão provocada pelos tais “homens de pedra” chama atenção pelo seu caráter subliminar: um dragão vermelho que aterroriza o povo norteamericano. O PODEROSO THOR
  • 28. Nas histórias subsequentes, vemos que as alusões ao mundo comunista deixam de ser subliminares. Em “O poderoso Thor x o executor”, Thor deve lançar-se contra uma ameaça militar controlada por um tirano ensandecido por aspiração de domínio global chamado “executor”. Ele e seus comparsas possuem traços alatinados, com cicatrizes de guerra deformativas, usam boinas e seus caças ostentam a foice e o martelo. São rudes, pavorosos, e suas ações sugerem tortura e estupro. Lee não avança no conteudo político deste conjunto de signos.
  • 29. Nada sobre o mundo do socialismo é revelado. O executor é um vilão genérico e cruel como um Esqueleto de He-Man ou um Munn-ha de Thundercats. É o mal pelo mal, sem arestas ideológicas. Mas usa boina como guerrilheiros cubanos, chama-se “executor” e, em quadro emblemático, manda para o paredão de fuzilamento um soldado que falhou em uma missão. Esta associação à cultura militar e a uma demonização dos inimigos dos Estados Unidos nos anos 60 se encontra, ainda neste mesmo volume, em várias outras histórias. Em “Prisioneiro dos vermelhos”, Thor precisa ir à União Soviética à procura de cientistas americanos, supostos desertores. Lá ele os encontra capturados pelos grotescos soviéticos, que os obrigam a desenvolver tecnologia sob regime de escravidão. Esta história, escrita no auge da guerra fria, distorce tema controverso do passado norteamericano: o dos cientistas americanos que efetivamente fugiram por se filiarem ao partido comunista. A história de Thor descarta essa possibilidade e os coloca como vítimas de uma tola conspiração.
  • 30. X MEN Em 10 de setembro de 1963, há exatos 50 anos era lançado nos Estados Unidos o primeiro número da revista em quadrinhos X-Men, pela editora Marvel, dando início à saga dos mutantes que se tornaram os personagens mais populares do gênero de super-heróis nas décadas de 1980 e 1990. Na mesma época, os Estados Unidos se encontravam em meio aos protestos dos movimentos pelos direitos civis e na luta contra a segregação racial. Treze dias antes do lançamento da revista, o pastor e ativista social negro Martin Luther King havia proferido o histórico discurso “I Have a Dream” (Eu tenho um sonho), em que pregava um país onde todos os cidadãos, independente de raça ou origem, pudessem conviver pacificamente nas mesmas condições.
  • 31. E essa temática racial estava evidente em X-Men, um grupo de jovens que possuíam dons únicos e especiais mas que, ao contrário dos demais super seres do universo Marvel, não adquiririam seus poderes através de um acidente – simplesmente nasceram com eles, através de mutações. Por essa razão, essas pessoas chamadas de mutantes sofriam forte discriminação, eram vítimas de perseguições mortais e precisavam viver escondidos caso suas habilidades fossem reveladas.
  • 32. O gibi nº1 começa quando um poderoso telepata mutante chamado Charles Xavier recruta jovens para treiná-los a usarem seus poderes na luta por seu grande “sonho”: um mundo onde os mutantes pudessem viver pacificamente em coabitação harmoniosa com os humanos. A inspiração de Xavier em Luther King é clara e proposital – assim como o antagonista, Magneto, um judeu que viveu os horrores do campo de concentração nazista de Auschwitz antes de descobrir seu controle sobre o magnetismo – tinha sido inspirado em parte por Malcom X, outro importante ativista negro, criticado por possuir um discurso mais radical e menos pacifista do que King, e que para seus detratores, promovia o racismo – Magneto optou por lutar por um mundo onde os mutantes tivessem a supremacia nem que, para isso, os humanos fossem sacrificados (nos cinemas, o personagem interpretado por Ian McKellen chegou a parafrasear Malcom X com uma frase muito usada nos discursos do ativistas: atingir seu objetivo“por todos os meios necessários”).
  • 33. Na história, Magneto tomou uma base soviética de mísseis em um país fictício e Xavier enviou seus cinco alunos, a equipe original dos X- Men, para combatê-lo. A muito custo, Esses cinco jovens, todos norte-americanos (Scott Summers, o Ciclope; Hank McCoy, o Fera; Warren Wortington III, o Anjo; Robert Drake, o Homem de Gelo; e Jean Grey, a Garota Marvel) venceram. Mas não sem antes perceberem que, não importa o quanto praticassem o “bem”, sempre seriam temidos e odiados por aqueles que eles juraram proteger. No universo Marvel, os mutantes sempre são vistos como aberrações pela maioria da população norte-americana, e são constantemente alvos de grupos de extermínio comandados por humanos com o objetivo de “purificação genética”.
  • 34. Mais do que as histórias simples e até ingênuas do início, outras das chaves para o sucesso dos X-Men é a concepção do super-herói mutante. Nos anos 1960, em plena Guerra Fria, o risco de uma guerra nuclear era real e atemorizava a população. E os X-Men, “filhos do átomo”, foram fruto de uma geração passada exposta a maiores níveis de radiação, o que teria provocado as mutações. Ao longo das décadas, as histórias sobre o conflito entre humanos e mutantes serviu como metáfora para a luta das minorias, especialmente nos Estados Unidos. Além do racismo, as histórias abordaram temas como antissemitismo, minorias, diversidade sexual, fanatismo religioso e até mesmo o macarthismo e o anticomunismo.
  • 35. Por outro lado, há correntes de pensadores que interpretam as iniciativas de Xavier como um ato conservador e antirrevolucionário, para frear as mudanças que Magneto implementaria na sociedade branca e capitalista. Mas atualmente "X-Men" trata-se, acima de tudo, de um empreendimento editorial muito bem sucedido e com fins puramente comerciais.
  • 37. Série de história em quadrinhos escrita por Alan Moore e ilustrada por Dave Gibbons, Watchmen foi publicada originalmente em doze edições mensais pela editora estadunidense DC Comics entre 1986 e 1987. Watchmen é considerada um marco importante na evolução dos quadrinhos nos EUA: introduziu abordagens e linguagens antes ligadas apenas aos quadrinhos ditos alternativos, além de lidar com temática de orientação mais madura e menos superficial, quando comparada às histórias em quadrinhos comerciais publicadas naquele país.
  • 38. Watchmen retrata os super-heróis como indivíduos verossímeis, que enfrentam problemas éticos e psicológicos, lutando contra neuroses e defeitos, e procurando evitar os arquétipos e super-poderes tipicamente encontrados nas figuras tradicionais do gênero. Podemos perceber o contexto no qual Watchmen foi elaborada a partir da fala do autor Alan Moore: “Watchmen também surgiu do sombrio cenário dos anos de 1980, quando a Guerra Fria alcançava o ponto mais quente em 20 ou 30 anos, e quando a destruição nuclear parecia, repentinamente, uma possibilidade muito real.
  • 40.
  • 41. Alterego de Jonathan Osterman. Trancado acidentalmente em uma câmara de testes durante um experimento de física nuclear, Jon Osterman é completamente desintegrado. Ao invés de morrer, Osterman ganha vastos poderes, o primeiro dos quais o da restituição de seu próprio corpo. Entre seus outros poderes estão força super-humana, telecinese, a habilidade de se teleportar para distâncias interplanetárias e até mesmo intergaláticas, a manipulação da matéria em nível subatômico,uma quase completaclarividência. Apelidado de "Doutor Manhattan"(uma alusão ao projeto manhattan) pelo governo dos EUA, que o apresentou como um super-herói à população, Osterman se torna cada vez mais alheio à assuntos humanos.
  • 42. Com o tempo, é incapaz de interagir com outras pessoas, especialmente sua amada Laurie, a segunda Silk Spectre. Assim como nos quadrinhos, o personagem exibe nu frontal em boa parte de suas cenas. Mesmo com efeitos para mudar a aparência do ator, seu pênis não foi retirado no computador, sendo o primeiro super-herói a ficar completamente nu no cinema. O Dr. Manhattan pode vencer facilmente qualquer herói ou vilão de todos os universos, ele pode perder apenas se for manipulado psicologicamente, mas ele tem inteligência suprema, sendo assim é quase impossível ser vencido.
  • 43.
  • 45. Walter Joseph Kovacs era filho de Sylvia Kovacs, uma prostituta, e de um homem conhecido pelo apelido de "Charlie". Sua mãe era abusiva e não cuidava dele. Com 10 anos de idade, ele briga com alguns provocadores, durante a qual parcialmente cego de raiva, queima um deles com um cigarro aceso e depois arranca a orelha fora de um outro. Logo depois, o Serviço para Crianças investiga sua vida em sua casa, e o coloca em um orfanato, onde ele demonstra talento para a educação religiosa e linguística. Depois de terminar a escola, Kovacs consegue emprego como um arrumador de vestuários em uma loja de vestidos, onde ele adquire um tecido que mais tarde usaria como o vigilante Rorschach. O tecido, um material novo, criado pelo Dr. Manhattan, continha líquidos sensíveis ao calor entre as camadas de látex, criando assim uma coloração preto-e-branco que mudava de forma constantemente. Kovacs recuperou o material de um vestido que havia sido rejeitado por uma jovem com um nome italiano; Kitty Genovese. Dois anos depois, Kitty Genovese foi assassinada e estuprada, e quando Kovacs percebeu a apatia de seus vizinhos, ele sentiu nojo não só do crime, mas do egoísmo inerente a todas as pessoas. Inspirado pelo destino de Genovese (ele disse mais tarde ao seu psiquiatra na prisão que uma mulher o mandou se vestir, Kitty Genovese. Tinha certeza de que esse era o nome da mulher), ele fez uma máscara do tecido do vestido e começou a combater o crime como o vigilante Rorschach.
  • 46.
  • 47. Como a maioria dos personagens de Watchmen, Rorschach não possui super poderes, movido apenas por sua sede de justiça e suas habilidades técnicas. Rorschach usa qualquer e todo o tipo de armas que estão disponíveis no momento, tais como a pimenta, equipamento oficial da polícia, bem como a utilização de um spray de cabelo em combinação com um fósforo para atear fogo a outros policiais durante um confronto na casa de Moloch. Durante a série ele usa gordura de cozinha, uma sanita, um cigarro, um garfo e sua jaqueta como armas. Ele possui uma arma que atira um arpão numa roldana de corda bem resistente, que ele usa para escalar edifícios (utilizando-o inclusive como uma arma improvisada contra um policial). Rorschach é bem versado em combates, lutas de rua, ginástica e boxe. No decorrer da série, ele mostra a capacidade de vencer vários assaltantes armados com pouca dificuldade. Rorschach também é relativamente indiferente à dor e ao desconforto físico, mostrado quando ele percorre a Antártida usando apenas cachecol e sobretudo. Devido a seu tempo nos centros de detenção juvenil e em orfanatos, é visto como uma pessoa tão versada em crimes da rua quanto qualquer criminoso. Rorschach também demonstra a capacidade de entrar em uma grande variedade de edifícios fechados e casas, sugerindo a perícia de um mestre dos ladrões. Ele também mostra ser extremamente forte. Apesar de sua instabilidade mental, Rorschach foi descrito como "taticamente brilhante e imprevisível" por Coruja II, e possui habilidades de detetive surpreendentemente boas. Durante sua infância ele foi descrito como brilhante.
  • 48.
  • 49. Watchmen usou os clichês do formato super-herói para provar e discutir as noções de poder e responsabilidades num mundo cada vez mais complexo. Nós tratamos a estes personagens super humanos verdadeiramente ridículos mais como humanos que como super. Os usamos como símbolos de diferentes classes de seres humanos comuns, em lugar de diferentes superseres. Penso que existiam algumas coisas em Watchmen que sintonizavam bem com esses tempos ainda que pra mim talvez o mais importante fosse a narrativa, onde o mundo que apresentávamos não tinha coerência, em termos de causa e efeito.
  • 50. Ao contrário, era visto como um simultâneo e massivamente complexo com conexões feitas a partir de coincidências, sincronia. E creio que foi esta visão de mundo, de qualquer maneira, que repercutiu junto ao público que se deu conta de que sua visão prévia de mundo não se adequava às complexidades deste sombrio e aterrorizante novo mundo em que estávamos entrando. Penso que Watchmen tinha algo a oferecer, abrindo novas possibilidades para as maneiras de percebermos o ambiente que nos rodeia e as interações e relações das pessoas com ele.” (MOORE, 2003.)
  • 51. Apesar de a Guerra Fria ser um dos panos de fundo de destaque em Watchmen, a HQ também busca retratar a relação do cotidianos nas ruas de Nova York, que durante a década de 1980 se caracterizava por um grande índice de violência por conta dos surgimento das gangs e também pelo surgimento da chamada “epidemia do crack” entre 1984 e 1990. Os heróis de Watchmen foram aclamados pela população insegura que via nos vigilantes mascarados uma saída para o combate a violência nas ruas, mas a partir do momento em que os mesmos se tornam decadentes eles passam a ser vistos com maus olhos pela sociedade.
  • 53. O comediante teria sido um assassino de aluguel que o governo contratava para não sujar as mãos com mortes. Por exemplo: há quem diga que no universo Watchmen, ele quem matou Kennedy, Mussolini, Hitler e Super Homem... Na verdade apenas um maluco que fingia ser super-homem. O comediante então adotou o seu nome, se juntou ao grupo Minutemen o predecessor fracassado do Watchmen e viu o grupo ruir. No entanto, o governo não notava que havia transformado Eddie (esse era o nome do comediante) em um sociopata violento. Eddie não sabe o significado da palavra "primeira impressão" e acaba mostrando que é apenas um palhaço que não sabe fazer piadas, e que talvez tenha virado assassino de aluguel do governo por que ninguém ria de suas piadas.
  • 54. A HQ consegue abarcar os reflexos de um mundo em constante conflito, entretanto é importante perceber que a história gira em torno da saga de heróis mascarados que tentam desvendar o mistério da morte de outros heróis. Em sua ambientação Alan Moore e Dave Gibbons conseguem retratar uma sociedade da década de 1980 que reflete sentimentos coletivos a partir da carga de influência da corrida armamentista, como, o medo da Guerra Fria e suas consequências, o sentimento anti-comunista e o medo da violência urbana nas ruas das grandes cidades nos Estados Unidos.
  • 55. Sendo assim, Watchmen deixa de ser somente um produto da cultura de massa, e passa a buscar não somente o entretenimento, mas também, a reflexão sobre o homem e o tempo.
  • 56. Até uma inocente HQ é influenciada pelo contexto em que é escrita servindo como uma boa fonte de informações sobre o comportamento e as idéias de determinada época. Fiquem de olho naqueles gibis antigos que lá podem estar dicas valiosas sobre as transformações promovidas pelos acontecimentos e os reflexos na sociedade.