SlideShare uma empresa Scribd logo
SUMÁRIO

05

Primeiras Palavras
Vivendo um novo tempo!

10
13

LIÇÕES
28	 O que é culto
32	 Cultuar é necessário
36	 Adoração extravagante, 1
40	 Adoração extravagante, 2
44	 Adoração sincera
48	 Deus: o principal
oficiante do culto
data

Palavras do redator
O que é adorar?

data

data

data

Educação Religiosa
A Sagrada Engenharia

17

data

data

20

Igreja
Unidade e solidariedade

52	 Estilos de culto
56	 Música na Bíblia, 1
60	 Música na Bíblia, 2
64	 Cristo: assunto
central no culto
data

data

23

Vida Cristã
Pecado Zero, Viva o lado
santificado da vida!

data

data

68	 Músicos ou Levitas?
72	 Viver para cultuar
76	 Adoração e Missão
data

27

Saúde Emocional
Do solidário ao solitário –
percurso amigo no viver de
irmão
Apresentação

data

data
Quero parabenizar o pastor José
Gomes da Silva (Igreja Batista de Ponte
Preta – Queimados – RJ), pelo excelente
comentário sobre o livro de “Neemias”,
em que o autor abordou com muita
propriedade a “Destruição de Jerusalém”,
pelos Babilônicos, dando início ao
cativeiro. A cidade foi totalmente arrasada,
os judeus sofreram muito. Quero ressaltar
a visão de Neemias na restauração dos
muros de Jerusalém em cinquenta e dois
dias, sofrendo oposição de Sambalate,
Tobias e outros, mas não recuou um só
instante. Quantos sofrimentos, quantas
vidas destroçadas, até a cultura do povo
foi prejudicada. Confesso que aprendi
muito nestas 13 lições em que o autor
abordou com muita profundidade,
extraindo de um “Resumo Histórico”
acontecimentos de um povo que foi
escolhido por Deus para ser o porta-voz
às nações, mas negligenciaram e foram
derrotados pelos opositores babilônicos.
Quero registrar também meus
cumprimentos aos autores das demais
matérias publicadas na revista e solicito
ao pastor Francisco Nicodemos Sanches
que escreva as 13 lições sobre o livro de
Jó, pelo qual tenho muita apreciação,
pelo seu conteúdo doutrinário profundo,
que certamente trará muita contribuição
às igrejas batistas.
Fica aqui registrada a minha
contribuição.
Cordialmente,
Ailton Marques
1ª IB Mesquita / RJ

Quero mas uma vez parabenizar a
revista Palavra e Vida, que já faz parte da
minha vida, pois todos os dias estudo as
lições e tenho aprendido muito. Quero
parabenizar o pastor Lécio Dornas pela
iniciativa de colocar o significado de
palavras não muito comuns no nosso
vocabulário diário. Falei sobre isso na
revista outubro/novembro/dezembro
2009, sobre a dificuldade de pessoas
entenderem as lições, por muitas delas
não terem acesso a dicionários, por isso
quando olhei a revista deste trimestre
fiquei muito feliz. A paz do Senhor para
todos.
 André Marcos Porto Nascimento
3ª IB de Macaé - RJ
Olá, queridos!
Graça e Paz!
As lições do 4º trimestre estão ótimas,
contextualizadas. Aliás, as lições do 2º e
3º estão se complementando. Parabéns!
Quero salientar a necessidade de
uma revisão detalhada, cuidadosa, com
relação aos vocábulos empregados nas
lições. Se estamos em uma “Escola”
precisamos ser práticos e facilitadores.
Gosto das palavras rebuscadas, mas
elas se encaixam melhor nos “halls”
das universidades e não nos bancos da
EBD. Deduz-se que, caso os professores
tenham alguma dificuldade, recorram
ao dicionário ou internet, mas, e aqueles
alunos que não têm acesso  estes? Sem
2
falar que pode interromper uma linha
de raciocínio enquanto se vai à busca de
ajuda.
Salomão, o mais sábio dos homens,
escreveu “teses” profundas, mas de
fácil assimilação. O que dizer de Jesus,
o Mestre dos mestres, a essência da
sabedoria, que usava as coisas simples
para ensinar grandes verdades. Até as
crianças estavam ao redor dele!
Faço questão de ler as “prédicas” dos
pastores José Maria de Souza e Marcos
Zumpichiatte, quanta profundidade
com tanta simplicidade! E as palavras
da Lucimery (tive a honra de conhecê-la
no Congresso de EBD em Austin (ela é
bênção pura!) falou exatamente o que
aconteceu comigo em 2010 quando eu
quis recusar ser diretora de EBD: Deus me
perguntou o que eu tinha nas mãos e me
fez lembrar o milagre que foi conquistar o
bacharelado. E quando as coisas ficaram
complicadas e resolvi parar, Deus me
levou até Eclesiastes 9.4,10. Por isso,
enquanto eu tiver o sopro da vida e a
graça de Deus, procurarei ajudar aqueles
que Deus me confiou. Glórias, honras,
adoração e louvor ao único que é digno
de receber: o Deus Todo-Poderoso! Um
forte abraço a todos.
Jaine P. S. Alexandrino
1ª IB em Piraí/RJ

Olá, Irmã Lucimery
Ontem recebi a revista do
trimestre e fiquei muito feliz em ler um
artigo seu.
Realmente Deus a abençoou com o
dom da escrita, porém mais que isso,
o discernimento que você tem, a visão
do todo. Irmã, me identifiquei muito.
Sou do tipo que utiliza todos os recursos
disponíveis... se não tem isso, uso
aquilo, e assim realizamos a obra.
Eu era membro de uma igreja maior,
mais cidade. Quando me transferi para Vila
Brasil em Itaboraí e apareci na EBD com
tiras de papel com tópicos previamente
escritos. Para minha surpresa a classe
amou, o diretor veio me parabenizar. Eu
pensei: Se aparecesse na outra igreja com
isso seria chamada de arcaica.
Fiz recentemente o estudo do
Manual na JCA utilizando um álbum
seriado, confeccionado por mim. Foi
um sucesso e serviu de exemplo no
treinamento de professores da EBD.
Obrigada por reforçar a ideia que o
que vier às nossas mãos precisa ser bemfeito com os recursos disponíveis.
Deus a abençoe constantemente,
como tem feito.
Fico aqui orando e aguardando sua
próxima palavra.
Beijão, Nilma Beltrão 

Escreva para nossa redação.

contato@batistafluminense.org.br
Mande suas sugestões, críticas e observações.

3
Primei

Vivendo
um novo
tempo!
“Então lhes contou esta
parábola: ‘Ninguém tira um
remendo de roupa nova e o
costura em roupa velha; se o fizer,
estragará a roupa nova, além do
que o remendo da nova não se
ajustará à velha. E ninguém põe
vinho novo em vasilha de couro
velha; se o fizer, o vinho novo
rebentará a vasilha, se derramará,
e a vasilha se estragará. Ao
contrário, vinho novo deve ser
posto em vasilha de couro nova.’”
Lucas 5.36-38

N

aturalmente que no Mundo
Antigo não havia vasilhames de
vidro e plástico, senão cantis
feitos de peles de animais e moringas
feitas de barro. O texto antes fala
do remendo novo que não deve ser
colocado em roupa velha, pois esta
não resistiria e acabaria se rompendo
causando desperdício de tempo e
recursos.

Dentro da cultura do seu tempo,
como lhe era de costume, Jesus usa
estas duas figuras: remendo novo em
roupa velha e vinho novo em odres
velhos, para falar de mudanças e
transformações.
De um modo geral podemos
afirmar que há um princípio claro
nessa parábola: realidades e situações
novas requerem estruturas novas
para serem vivenciadas. De um outro
ponto de vista, podemos afirmar que
se desejamos resultados diferentes
em um novo tempo, precisamos ter
ações ou atitudes diferentes, caso
contrário, como temos aprendido, é
insanidade.
Se você vai para uma atividade
nova, seja um esporte, um
trabalho, uma situação nova,
5
normalmente isso vai exigir de
você que aprenda habilidades
novas. Por exemplo, se você
vai entrar num relacionamento
novo no emprego, nos estudos,
na vizinhança, e até mesmo no
casamento e vida em família, isso
vai requerer de você a capacidade
de adquirir novas atitudes.
Se você deseja viver um novo
tempo, se as nossas igrejas
desejam experimentar um novo
tempo, ainda que entremos num
novo ano, isso não ocorre de
modo automático. Quantas e
quantas vezes vemos pessoas,
famílias, empresas, igrejas
entrarem num novo tempo (ano)
e não experimentarem nada novo.
Sem dúvida, um novo tempo vai
estar relacionado sempre a novas
atitudes.
Aplicando à vida pessoal, o que
poderia ser chamado de odres
velhos ou remendos velhos?
Velhas maneiras de pensar, hábitos
velhos, velhos modos de agir, de
falar, de responder. Aplicando à
vida da igreja, poderíamos falar de
estratégias que já deram certo e
hoje pela conjuntura atual já não
funcionam mais, ainda que no
passado tenham produzido bons
frutos, mas hoje já não produzem
mais.
Que tal diante de um novo ano,
fazermos uma revisão dos nossos
procedimentos, de nossos hábitos,
de nossas estratégias? Nós não
6

precisamos abrir mão de nossas
convicções, para nos abrirmos para
novas estratégias e metodologias.
Considerando esta possibilidade
quero desafiá-lo a, diante dos
novos problemas, reagir com
criatividade; diante das novas
pressões reagir com convicção e
diante das novas possibilidades,
reagir com coragem.
Em primeiro lugar, diante
dos novos problemas reaja
com criatividade. Se você tem
dúvidas, eu tenho certeza
que você enfrentará muitos
problemas em 2013 e vários deles
se apresentarão de forma que
você não estava acostumado a
enfrentar. Tenho aprendido que ser
inteligente é ter a capacidade de
estar aberto a novas ideias e até
mesmo a procurar por elas. Posso
afirmar, pela observação, que a
maioria das pessoas gasta mais
tempo e energia girando em volta
dos problemas do que tentando
resolvê-los com criatividade. Ser
criativo na busca de solução dos
velhos e novos problemas implica
você deliberadamente evitar
endurecer em suas opiniões.
Lembro-me muito bem quando
fazia os meus trabalhos de
seminário e com muito custo usava
a máquina de escrever, quando era
possível. Pode rir, mas sou desse
tempo. Algum tempo depois,
numa instituição, mesmo com a
chegada do computador, ainda era
proibido entregar os trabalhos de
pós-graduação digitados, tinham
que ser datilografados. Hoje, é
impossível se pensar num trabalho
de pós-graduação que não seja
preparado em um computador.
Diante dos novos problemas,
vamos reagir com criatividade.
Em segundo lugar, diante
das novas pressões, reaja
com convicção. Uma coisa é a
capacidade criativa para buscar
estratégias novas e outra coisa é
manter a nossa convicção diante
das pressões da vida. “Não se
amoldem ao padrão deste
mundo, mas transformemse pela renovação da sua
mente, para que sejam
capazes de experimentar e
comprovar a boa, agradável
e perfeita vontade de Deus”.
Romanos 12.2
O ensino do texto é que não se
pode permitir que o mundo molde
você, as suas convicções, mas ao
contrário você vai se deixar ser
moldado por Deus. Nada pode ser
mais valioso do que o conjunto de
crenças que temos conosco. De
acordo com o que cremos vamos
ser bem ou malsucedidos em
nossas vidas em todas as áreas. A
guerra não é uma coisa boa, mas
apenas para ilustrar, a guerra para
alguns é apenas uma tarefa que
se cumpre em nome de algum
país, enquanto para outros, é uma
questão de honra, de luta por um

ideal. O diferencial é o que se crê,
são os valores que se tem.
Pergunto eu: quais são os
valores em que você acredita
pessoalmente, como família? Quais
são os valores inegociáveis de sua
igreja? Um líder sem convicção
não vai a lugar algum com os seus
liderados. Pessoas sem convicção
não realizam grandes coisas.
Diria que uma frase que revela
convicção seria: Farei somente a
coisa certa não importando quais
sejam as consequências.
Daniel, o servo de Deus da
Bíblia, fez isso. Diante do manjar
do Rei, posicionou-se em não
comê-lo, correndo todos os riscos.
O resultado foi a bênção de Deus
sobre sua vida. Faça uma reflexão
pessoal, diante da oportunidade
de viver um novo ano, rever os
seus valores e suas convicções,
sendo eles coerentes com Deus e
com a sua Palavra, reafirme-os e
Deus abençoará você.
Em terceiro lugar, diante das
novas possibilidades, reaja com
coragem. Se um novo ano traz
consigo novas possibilidades isso
pode significar uma oportunidade
de crescimento. Quando uma
porta se abre, se temos a certeza
de que é de Deus para nós,
devemos reagir com fé, com
coragem. Eu creio que Deus
ao nos dar um novo tempo,
está nos dando também novas
possibilidades. Precisamos estar
7
com os olhos abertos para elas
e nos lançarmos para realizá-las,
ainda que isso signifique correr
algum risco. A bem da verdade,
você se lembra de algum ato de
fé na Bíblia que não tinha consigo
riscos iminentes?
Que tal identificar velhos e
maus hábitos e lutar contra eles
mudando para novos e bons hábitos
abençoados por Deus? Que tal
adotarmos uma disciplina específica
seja relacionada à vida espiritual,
física, familiar ou até mesmo
profissional, visando obtermos
resultados novos e duradouros? O
que você espera colher de forma
diferente do que você tem colhido até
aqui, requer que você semeie. Uma
colheita diferente na vida familiar,
financeira, física, espiritual, familiar,
profissional, requer uma semeadura
diferente e corajosa. Diz a Bíblia:
“Pois o que o homem semear, isso

8

também colherá” (Gálatas 6.7). Se
você deseja que sua vida material
cresça, que sua vida espiritual
cresça, que a sua igreja cresça, você
precisa estar aberto a assumir novos
compromissos com coragem e fé.
Vivendo um novo tempo:
diante de novos problemas ou
situações, use a sua criatividade
dada por Deus; diante das
pressões sejam elas quais forem,
aja com convicção e baseado
nos seus valores; diante das
novas possibilidades, mantenha a
coragem e a fé.
Aproveite a ocasião de um novo
ano, para que com ele você viva
de fato um novo tempo do agir de
Deus em sua vida, em sua história,
em sua liderança e na vida da sua
igreja.
José Maria de Souza
Pastor, diretor executivo da CBF
O que é
adorar?
“Mas a hora vem, e agora é, em
que os verdadeiros adoradores
adorarão o Pai em espírito e em
verdade; porque o Pai procura a
tais que assim o adorem.”
(João 4.23)
 
 Jesus afirma com autoridade que
o Pai procura adoradores que o
adorem em espírito e em verdade,
porque Deus sempre quis do homem
uma atitude de adoração verdadeira
e voluntária. Por isso nós, que hoje
nos levantamos como adoradores,
se queremos adorar ao Senhor
da maneira certa devemos antes
entender o verdadeiro significado da
adoração.
 
ADORAR: O dicionário Aurélio
define adoração como culto a
uma divindade; culto, reverência
e veneração. O mesmo dicionário
define o verbo adorar como render
culto a (divindade); reverenciar,
venerar (Dicionário Aurélio

Eletrônico). No original grego
encontramos a palavra proskuneo,
que tem como significado: prostrarse, vergar-se, obedecer, mostrar
reverência, homenagear, louvar,
adorar.
Na adoração a Deus não existe
uma fórmula exata de como
fazer ou um modelo de adoração
predefinido. A adoração é algo que
deve ser feito com espontaneidade,
voluntariedade, em espírito e em
verdade como o próprio Jesus
falou.
A mulher samaritana trouxe a
Jesus uma pergunta muito difícil
de ser respondida, pois qualquer
um que não fosse entendido diria
que o modelo certo de adoração
10
seria o da sua igreja. Aquela mulher
sendo samaritana sabia que os seus
pais adoravam nos montes, mas
ela também sabia que Jesus era
judeu e que os judeus adoravam
em Jerusalém, no Templo feito para
adoração. Porém Jesus conhece o
verdadeiro significado da adoração
e ao responder Ele nos dá uma lição,
uma grande lição.
Não existe lugar específico para
adorar a Deus. Os samaritanos
subiam os montes para adorar, mas
ao descer esqueciam todo o sentido
da reverência e o verdadeiro amor ao
Pai, enquanto que os judeus iam ao
Templo para adorar, faziam longas
viagens até Jerusalém no intuito de
adorarem a Deus, mas também não
conseguiam entender o verdadeiro
sentido da adoração. Jesus responde:
nem nos montes, nem em Jerusalém,
mas em espírito e em verdade.
O que será que Jesus quis dizer com
este “adorar em espírito e em
verdade”?  Adorar em espírito
e em verdade, implica buscar a
Deus de todo o nosso coração:
Deus nos garantiu que o acharíamos,
ao buscá-lo de todo o nosso coração
(Jr 29.12,13 – “Então vocês
clamarão a mim, virão orar a
mim, e eu os ouvirei. Vocês
me procurarão e me acharão
quando me procurarem de todo
o coração”).
O rei Davi entendeu muito bem
este fato e escreveu salmos lindos,
contando este fato:
11

Sl 111.1 “Aleluia! De todo
o coração renderei graças ao
Senhor, na companhia dos
justos e na assembleia”.
Sl 138.1,2 “Render-te-ei
graças, Senhor, de todo o
meu coração; na presença
dos poderosos te cantarei
louvores. Prostrar-me-ei para
o teu santo templo e louvarei
o teu nome, por causa da
tua misericórdia e da tua
verdade, pois magnificaste
acima de tudo o teu nome e a
tua palavra”.
Deus está à procura de
adoradores. Mas Ele não quer
“qualquer tipo” de adoradores
e sim os “verdadeiros
adoradores”. Como já vimos, o
verdadeiro adorador é aquele está
ansioso por desenvolver diariamente
com o Senhor um relacionamento
íntimo e de comunhão.
As lições deste trimestre irão
enfocar o tema “Adoração &
Adoradores – princípios bíblicos
para o culto cristão”, e foram
escritas por Elildes Junio
Macharete Fonseca, pastor titular
na Primeira Igreja Batista no Bairro
São João (São Pedro da Aldeia/RJ).
Desfrute destas lições que falam
de Adoração baseadas no Culto
Cristão.
Pr. Marcos Zumpichiatte Miranda
Diretor de Educação Religiosa
Redator da Revista
A Sagrada
Engenharia
"Estou convencido de que aquele
que começou boa obra em vocês vai
completá-la até o dia de Cristo Jesus.” 
Filipenses 1.6

N

a arquitetura ou na engenharia
a capacidade de elaboração
e avaliação dos projetos, da
observância e cumprimento das
normas técnicas e padrões de
qualidade são competências essenciais
para que um profissional alcance
excelência em seus empreendimentos.
Construir é – em linhas simples e gerais
– gerenciar etapas preestabelecidas
por um projeto sem deixar de
preencher as exigências dos órgãos
reguladores da construção civil, no
caso de um edifício, por exemplo.
No Brasil, quem dita tais critérios é
a Associação Brasileira de Normas
Técnicas (ABNT) e quem habilita e
fiscaliza o profissional da construção
é o Conselho Regional de Engenharia,
Arquitetura e Agronomia (CREA).
Sendo assim, aprendemos que toda

construção obedece a um padrão. E
essa lógica também opera em nosso
caminho de santificação. Deus está
realizando uma obra sublime em
nós e o seu referencial de perfeição
é a imagem de seu Filho Amado. A
esse processo chamo de A Sagrada
Engenharia. Vamos compreender um
pouco mais dessa transformação a
partir dos ensinos paulinos e da vida
de Jesus.

O Projeto do Pai
Logo no início de sua carta aos
Filipense, o apóstolo Paulo apresenta
sua convicção de que o Pai atua
13
contínua e diretamente na vida dos
que se sujeitam à sua autoridade. É no
coração de Deus que a transformação
da humanidade encontra sua origem.
O texto bíblico nos revela que Deus é
quem começa em nós uma boa obra.
Ele nos amou primeiro, veio ao nosso
encontro na pessoa histórica de Jesus
de Nazaré, nos salvou graciosamente
na morte e ressurreição do Cristo e
opera em nós e conosco a santificação
pela obra libertadora do Espírito. Na
jornada de nos fazer sua habitação,
Deus mesmo é quem efetua toda a
engenharia santificadora. Nas palavras
do Dr. Russel Shedd: “Se Deus já
começou a operar em você, cuidado!
Pois é muito difícil escapar de seus
braços insistentes e amorosos”.
O próprio Pai, na condição de
construtor da nossa espiritualidade,
tem um referencial em mente ao
trabalhar na vida de cada um de nós.
O paradigma de excelência de Deus
é Jesus, O Filho que lhe apraz e que
lhe honra a santidade. A finalidade do
projeto de Deus é construir a imagem
de Jesus em nós. O propósito de Obra
de Deus é que a semelhança com
Filho nos faça seus familiares. Jesus é
o protótipo da nova humanidade e a
Meta da obra redentora. O Irmão mais
velho da Casa ao qual o Pai quer que
seus filhos mais novos se assemelhem.
O exemplo de perfeição do Filho é a
norma que Deus usa para efetuar em
nós suas intervenções santificadoras
(Romanos 8.29). Outro texto bíblico
que relata este projeto de crescimento
14

e de transformação que tem Jesus
como padrão é o de Gálatas 4.19:
“Meus filhos, por quem sofro de novo
dores de parto, até que Cristo seja
formado em vó” (grifo do autor).
Quando Deus concluir sua obra, o que
se verá é uma nova família de pessoas
justificadas pelo Cristo e perfeitas
como Jesus, em tudo. Enquanto não
chega o "dia de Cristo", estamos em
obra!

Na prática o que é ser como Jesus?
É evidente que quando falamos
sobre semelhança com Cristo não
estamos nos referindo a questões
estéticas. Não se trata se uma
aparência de santidade. A semelhança
com Jesus ocorre quando o caráter
do Messias molda nosso caráter;
quando nascemos em Cristo e nos
identificamos com sua vida, valores,
visão e formas de atuação no mundo.
Ser como Jesus é encarnar uma
vida plena de sentido, abundante:
assumindo a mente santa e sábia do
Filho de Deus, a ética revolucionária
do Cristo, sua paixão constrangedora
pela Missão e suas atitudes
libertadoras, humildes e compassivas
em direção aos injustiçados, aos
inválidos, aos miseráveis e aos
oprimidos de seu tempo. Ser como
Jesus é viver em adoração voluntária
ao Pai e em obediência e serviço
incondicionais às suas palavras.
Esse processo de similaridade
acontece de forma natural e
espontânea, e não mecânica e
burocrática. É na relação com a
pessoa de Jesus e não num contato
filosófico com seus ensinos que nos
assemelhamos a Ele. A fé cristã não
é acúmulo sistemático de conteúdos
"sagrados", é, sim, nutrição afetiva
e relacionamento estreito com uma
pessoa real e amável – Jesus Cristo. Ele
é nosso padrão e nossa "norma" de
santidade, não porque regulamenta e
moraliza nosso comportamento por
meio de rígidos códigos de conduta
religiosa e prescrições morais,mas, sim
por SER um exemplo de ser humano,
um modelo de vida e de como se vive.
Ser discípulo de Jesus, portanto, é
acolher na consciência e no afeto sua
vida admirável – real e realizável. A
mera recepção fria e dogmática de suas
verdades não nos fará seus seguidores,
não nos fará seus imitadores, seus
familiares. Quanto mais nos rendemos à
sua escandalosa graça e nos sujeitamos
à operação renovadora da Palavra que
santifica, tanto mais semelhantes ao
Primogênito seremos.

Quem garante o sucesso
do projeto?
Ainda no texto de Paulo aos
Filipenses, o apóstolo nos ensina que
pertence a Deus o querer e o efetuar
(2.13) e na carta aos Tessalonicenses (1Ts
5.24) qualifica o Engenheiro responsável
pela boa obra como fiel. Qualquer obra
exige responsável técnico qualificado,
ainda mais a obra da santificação.
Logo, quem garante que a construção
do Cristo em nós será um sucesso é a
fidelidade que o engenheiro tem ao
amor que nutre pela sua criação. Por
fidelidade a Ele mesmo e à sua Palavra,
nos redimirá, por completo, observando
a mais linda expressão de santidade – a
vida do Filho. Deus não nos abandonará
inacabados. Ele não deixa suas obras
pela metade. Até o dia de Cristo
seremos como Cristo, para glória de
Deus-Pai.
Pr. Fellipe dos Anjos
Igreja Batista Maria Paula
Presidente da JUBERJ
dosanjosfellipe@gmail.com

15
Unidade e
solidariedade

A

solidariedade está conectada
a unidade, seja pessoal ou
coletiva. Vejamos os irmãos
primitivos. Como eles eram unidos
e solidários (Atos 2.42-47; 4.32-37)!
A solidariedade não tem segundas
intenções, pois está intimamente
ligada à unidade de pensamento
e de coração em Cristo, em
contraposição à esquizofrenia deste
mundo pós-moderno. Paulo ensina
esta verdade em Filipenses 2.1,2.
Brennan Manning citando Nouwen,
diz: “Conforto é o grande presente
humano que gera a comunidade.
Aqueles que se unem em uma
vulnerabilidade mútua ficam presos
uns aos outros por uma força nova
que os torna um só corpo”. Isto é
ser Igreja.
Ser bondosos e compassivos
uns para com os outros significa

17

o exercício da solidariedade.
Conheço um irmão que, ao sair
de casa de carro, viu uma senhora
pobre levando uma bolsa e um
móvel bem incômodos para serem
carregados. Ela passou por ele
carregando o móvel velho e parava
por causa do peso... Ele saiu com
o carro e passando por ela seguiu
em frente. Mais adiante, certo
do seu amor cristão, ele voltou,
emparelhou com ela, ofereceu
carona, colocando o móvel no
banco de trás, conduzindo-a
ao lar. O que ele fez? Agiu com
solidariedade.
Sejamos imitadores de Deus,
pois Ele é perfeitamente Solidário.
Como filhos amados, vivamos em
amor (Ef 5.1). A natureza de Deus
é amor (1 João 4.8). Andemos em
amor como Cristo nos amou e a
Si mesmo se entregou a Deus por
nós como oferta e sacrifício com
aroma suave (Ef 5.2). Olhemos
para a vida do Salvador nos
evangelhos e veremos o quanto
Ele realizou para cumprir toda a
vontade do Pai, fazendo sempre
o bem.
Precisamos de solidariedade
neste mundo voltado para si
mesmo. Há muitos solitários que
precisam de solidariedade. Jan
Vanier, catedrático, professor da
Universidade de Toronto, com
todo o conforto do primeiro
mundo, largou o seu trabalho,
movido por amor ao próximo,
e foi para os arredores de Paris,
onde alugou uma casa e adotou
dois jovens com paralisia cerebral.
Foi assim que começou as
comunidades L’Arche (A Arca) com
mais de 100 unidades ao redor do
mundo.
Nós precisamos parar de
olhar para o nosso umbigo,
centrado em nós mesmos, e
olharmos para os necessitados.
Exercermos a solidariedade.
Quando andamos em amor,
deixamos de olhar somente
para os nossos interesses e
nos importamos com o outro.

Há muita gente vivendo para
si mesma, inclusive em nossas
igrejas. Neste mundo pósmoderno, as pessoas estão
cada vez mais voltados para si
mesmas, para a satisfação do
‘deus do entretenimento’. O
solitário precisa do solidário.
A Igreja que vive a unidade
a partir do amor fraterno
ensinado por Jesus, se torna
uma Comunidade Solidária,
voltada para as necessidades mais
profundas das pessoas. Uma igreja
em que seus membros entram no
processo de cura pela prática da
diaconia, do serviço ao outro em
profundo amor. Reter é pecado,
mas doar-se é viver uma vida de
santificação, “sem a qual ninguém
verá o Senhor” (Hb 12.14).
Ser solidário a partir da nossa
unidade em Cristo é agir com
amor. Este amor intercede, se
importa, busca, cuida, persevera,
ensina, aprende, louva, cura e
caminha na dependência do
Pai. Sejamos solidários num
mundo cheio de gente solitária e
egocêntrica. Tenhamos as atitudes
e os atos de Jesus, vivendo para
a Glória de Deus, nosso Pai
sempre SOLIDÁRIO – Aquele que,
em Si mesmo, tem unidade e
solidariedade.
Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor.
IB Barra Mansa, 2ª.
pitzerjacob@gmail.com
18
Pecado
Zero, Viva
o lado
santificado
da vida!
Introdução
605 a.C - O cenário: escravidão,
opressão e imposição de uma
cultura sobre outra.
É assim que começa a história de
quatro rapazes que foram retirados
de suas famílias para viver dentro
do palácio do rei Nabucodonosor
com a missão de viver, aprender e
posteriormente disseminar a cultura
egípcia para todo o povo oprimido
de Judá. Daniel, Hananias, Misael
e Azarias não deviam ser muito
diferentes dos jovens da Barra da
Tijuca. Jovens fortes, com saúde,
inteligentes viviam próximo à

nobreza de israel e por isso foram
selecionados para aprender toda a
cultura babilônica.
Tudo, tudo que a cultura
babilônica ordenava fazer era
pra eles como se fosse uma
afronta, pois a cultura israelita
era completamente diferente do
cultura do governo dominante.
Mas escravos não têm escolhas e
esses jovens passam a conviver no
palácio sjueitos à sorte e a uma
cultura imposta, mas nada disso foi
suficiente para restrigir um poder
muito maior, o poder de Deus.
20
A história pode ser simples,
quatro rapazes que fazem uma
opção por não comer da refeição
do rei, mostrando o quanto
isso era saudável. Também
confirmam suas convicções a
respeito do que aprenderam
durante boa parte de sua vida.
O resultado não poderia ser
diferente: estes rapazes se
destacam em todos os sentidos,
passam a ser referência, tornamse funcionários do palácio e
muito bem quistos pelo rei.
Mas o que de fato posso
aprender com essa história? Por
que a decisão destes rapazes foi
fundamental para alcançar tantas
bênçãos num momento tão dificil
para seu povo? O que podemos
aplicar ao nosso contexto diário
e em que sentido a santidade se
aplica neste contexto?
A Primeria lição é a seguinte:
Você está enserido num mundo de
valores completamente diferentes
dos seus. O Fato: É preciso resistir.
(Daniel 1.1-4)
A segunda lição: A
tentação para que se quebrem
determinados valores pode
acontecer de qualquer forma
ou de qualquer jeito. O fato: é
preciso persistir. (Daniel 1.5)
Terceira lição: Mesmo inseridos
num “mundo” é possível vencer
as tentações. O fato: É preciso
ter sabedoria e disciplina. (Daniel
1.8-15)
21

Quarta lição: O mundo nos
considerar verdadeiros “estranhos”.
Deus sempre está ao nosso lado
nos protegendo. O fato: É preciso
reconhecer essa proteção. (Daniel
1.19)
Quinta lição: A vitória está ao
seu alcance. O fato: É preciso foco
na santificação. (Daniel 1.19-21)

Conclusão
Ser diferente num mundo tão
opressor como o de hoje é começo
para uma vida vitoriosa em todos
os sentidos. O segredo é antigo: se
seguirmos os ensinos deixados por
Deus na Bíblia, vamos alcançar uma
vida santa, sem ser monótona, e
vitoriosa. (Efésios 5.1-21)

Perguntas
1.	 É possível, assim como Daniel
e seus amigos, viver e vencer
em santidade em um mundo
pecaminoso?
2.	 Cite circunstâncias que se
igualam aos manjares do rei e
que podemos vencer com uma
vida santa.
3.	 Que tipo coisa precisamos
renunciar nos dias de hoje para
alcançarmos uma vida santa,
e por conseguinte a vitória tão
desejada?
Pr. Hugo Pereira Sampaio
Email: hpsampaio@hotmail.com
Do solidário
ao solitário
– percurso
amigo no viver
de irmão

J

esus ensinou que o resumo dos
mandamentos é o amor a Deus
e ao próximo (Mt 22.38,39). Isto
resume o Antigo e o Novo Testamento
nas relações humanas. A família é o
lugar ideal para ensinar, experimentar
e expressar esse amor de irmãos.
Infelizmente, desde Caim até os nossos
dias, muitos integrantes da família
têm desobedecido ao mandamento.
Em resumo: não é opcional; é cumprilo ou desobedecer-lhe, pois foi o
próprio Jesus que ensinou: “Um novo
mandamento vos dou, que vos ameis
uns aos outros; assim como eu vos
amo” (Jo 13.34). Salomão em todos
os seus livros exaltou a fidelidade de
irmão, referindo-se principalmente
à amizade em família: “Em todo
tempo ama o amigo...”; “há amigo
mais chegado do que um irmão” (Pv
23

17.17; 18.24) e em 27.10b, ensina:
“Mais vale o vizinho perto que o irmão
longe”. Este longe não é só distância
geográfica, mas psicológica, como
disposição para socorrer. Diria então:
“Nem todo irmão é amigo, mas todo
amigo é um irmão”. Neste texto serão
apresentadas três situações de angústia
vividas em família:

O solitário, até mesmo,
no seio da família.
O sintoma de uma doença de
relação, segundo a psicologia, é o
AUTISMO (um “certo prazer” de viver
isoladamente, como se não houvesse
pessoas a sua volta). A agitação e
a competição, mesmo em família,
têm produzido falta de prazer nas
trocas familiares. Com os problemas
no relacionamento, um familiar
pode escolher isolar-se e em alguns
casos tornar-se o “bode expiatório”,
como o culpado por todos os erros
ali cometidos. Com isso torna-se
excêntrico no comportamento,
afastando-se das trocas e assumindo
estilo diferenciado de viver socialmente.
Os outros membros do grupo e até
da família passam, também, a tratálo com certa indiferença. Esta pessoa
pode ser um filho, o pai ou a mãe, ou
até alguém do convívio estreito (sogra,
cunhado, etc.). Há outra doença na
família que surge, quase sempre, em
decorrência do citado acima:

Viciado: toda familia teve, tem ou
terá um.
O viciado é alguém que precisa
de estímulos externos, como álcool,
tabaco, maconha, crack, cocaína,
medicamentos como Frisiun, Lexotan,
Diazepan e outras formas de
estímulos. O viciado é um dependente
físico, social e/ou emocional que
se tornou-se o bode espiatório e
tomará, por sua fragilidade e pressão
do grupo, a culpa por todas as
questões dos atritos em família. Há
uma tendência, quase natural, de
envolver-se no alcoolismo e em drogas
ilícitas: praticamente toda família vive,
direta ou indiretamente os efeitos
dessas dependências. São chamadas
de codependentes seja em cuidados
exagerados de uns ou desprezo
de outros. Assim, todos na família
contribuíram para haver viciado(s).
O problema daquele pode ter fatores
físicos hereditários; ou os sociais,
definidos por “certa rejeição” vinda

do ventre pela não expectativa de
sua vinda; crises de relacionamento,
questões congênitas (incidentes
na gravidez) e mais o contexto
socioeconômico e cultural, como
a desnutrição coletiva e o medo
produzido pela violência social. Cada
ato na família que reforce a culpa em
alguém, como desejo de punição ao
errado, reafirma o bode expiatório. Os
problemas de relacionamento conjugal
são definidores de motivos para que se
“escolha” quem ocupará aquele lugar.
A saída para o viciado de qualquer
substância dependerá da consciência de
todos na família, como serão tratados.

Desemprego e falência econômica
Esvaziando o bolso e enchendo de
angústia a alma e o coração. As últimas
décadas de instabilidade econômica
no país, aliadas à tradição cultural de
competição fora e dentro da família,
têm feito muitos brasileiros perderem as
condições de vida e, conseqüentemente,
a paz no relacionamento familiar. O
índice de desemprego e o número de
empresas, grandes e pequenas, que
têm perdido a condição de produção,
e o fechamento, aliado à falta de novos
postos de emprego, faz com que
cerca de 50 milhões de pessoas vivam
situações de miséria. Naturalmente
que todas as famílias, atualmente,
têm desempregados, subempregados
ou pequenos empresários vivendo
situações de penúria econômica
financeira. Vale destacar que nem
24
só a falência e desemprego geram
angústia na família. Há um fator ético
que precisa ser considerado: o sucesso
econômico e social desproporcional
de um dos familiares. Quando um
familiar se destaca economicamente
pode gerar angústia em dois lados
diferentes da relação em família. O que
cresceu e, algumas vezes, desprezou
a família; até os pais, os que ficaram
pobres e desenvolveram inveja/ciúme
e até certa dependência exploratória
daquele que cresceu. Uma e outra
posição são posturas antiéticas; doenças
de personalidade que precisam de
tratamento. A melhor forma de corrigir
tais distorções é:

O solidário acolhendo o dependente/
carente
Levai a carga uns dos outros e assim
cumprireis a lei de Cristo (Gálatas
6.2). O desempregado, o falido, o
viciado são, ou se tornarão solitários.
Da mesma forma que este se torna o
bode expiatório. Haverá alguém que
se sustentará, equilibrado, naquela
família. Mesmo sendo uma carga
muito pesada sobre seus ombros. É
este (pais ou irmãos) que deverá liderar
um movimento de solidariedade para
reacender a comunhão em família. As
armas espirituais serão a busca de Deus
por intermédio da oração própria e de
amigos mais chegados que um irmão
(cumprindo o que diz Tiago 5-13 a 16).
A comunhão espiritual nas orações e
súplicas a Deus resultará em equilíbrio.
25

Outra arma, que também precisa ser
vista como Ação Social da igreja é
assumir o lugar profético em meio às
perversões sociais; considerando os
desmandos, injustiça e desonestidade
bastante ocultas até mesmo por líderes
evangélicos que, na vida política, têm
sido coparticipantes dessas questões.
Cada crente e cada igreja assumindo
a posição de João Batista, mesmo
correndo o risco de perder a cabeça,
mas até que tal aconteça manter-se de
cabeça erguida.

Conclusão
Sê fiel até (se preciso) a morte e darte-ei a coroa da vida (Apocalipse 2.10).
A igreja como instituição, ou cada
membro como cidadão do Reino neste
mundo, precisa ser um SOLIDÁRIO
EM BUSCA DO SOLITÁRIO; seja ele
dentro da família, na sarjeta ou até nos
palácios, proclamando o que o próprio
Jesus se autodenominou, reafirmando
o que o profeta Isaías afirmou: “O
Espírito do Senhor é sobre mim... para
dar liberdade aos cativos” (Lucas 4.18).
Se reconhecemos que também sobre
nós está o Espírito Santo, assumamos o
lugar de mensageiros de Deus, arautos
da justiça divina e se preciso for: Um
guerreiro como Davi. Entendendo,
assim, que a luta é contra o mal, por
meio das astutas ciladas do diabo (Ef
6.10 a 19).
Pr. Alfredo Neves Brum
E-mail pralfredobrum@hotmail.com
26
C

ulto é um assunto que envolve
diretamente todos os cristãos. É
a primeira prática em que somos
inseridos. Esta edição de Palavra &
Vida se dedica ao assunto, a partir
do tema “Adoração & Adoradores
– princípios bíblicos para o culto
cristão”.
Nossa proposta é analisar passagens
bíblicas que tratem de princípios
para o culto cristão, coletiva e
individualmente. A partir desses
textos selecionados, desenvolvemos
conceitos bíblicos, teológicos e

doutrinários, sempre com caráter
aplicativo.
Quanto às leituras diárias,
lançamos um prazeroso desafio:
ler todos os Salmos durante o
trimestre. Será uma rica experiência
devocional, investindo tempo na
meditação de grandes verdades
registradas num estilo poético.
Sem dúvida, lendo diariamente os
Salmos, nossas mentes e corações
serão tocados pela graça redentora
de Deus.
Bom estudo!

Quem escreveu?
Elildes Junio Macharete Fonseca é
casado com Thaís Caetano de Miranda
Fonseca, pastor titular na Primeira Igreja
Batista no Bairro São João (São Pedro
d’Aldeia/RJ) e doutorando em Teologia pela
PUC-Rio. Mestre e bacharel em Teologia
pelo Seminário do Sul e licenciado em
letras (português/grego) pela UFF. Foi
vice-presidente da Convenção Batista
Fluminense e presidente da Associação
Batista Gonçalense. É professor no
Seminário do Sul (licenciado), no Seminário
Teológico Ministerial Batista Litorâneo e no
Seminário Teológico Batista da Região dos
Lagos. Atualmente, é membro do Conselho
Deliberativo da Convenção Batista
Fluminense.
27
Data do Estudo

Licao 1
Texto Bíblico: Romanos 12.1

O que é culto

28
Introdução

O que não é culto

ela graça de Deus, estamos
iniciando uma abençoadora
caminhada, refletindo sobre
princípios para o culto cristão. Um
passo necessário é definir o que
entendemos por culto.
Há diversas definições de culto, que
competentes estudiosos registraram.
Selecionamos uma, de Nelson Kirst,
que diz que “culto é o encontro da
comunidade com Deus e liturgia é
o conjunto de elementos e formas
através dos quais se realiza esse
encontro” 1.
Essa definição nos ajuda a
compreender algo muito importante:
culto é a essência e liturgia, a
forma, os elementos.
Embora as formas de culto possam
ser variadas, a sua essência deve
permanecer inalterada. O culto de
anos atrás, quando as igrejas tinham
menos recursos – algumas utilizavam
lamparinas, inclusive – é o mesmo
de hoje, com vários instrumentos,
boletim, multimídia etc. O que mudou
de lá para cá? Os recursos, as formas,
ou seja, a liturgia, mas não a essência
que caracteriza um verdadeiro culto
cristão.
Se essa essência foi mudada,
alguma coisa está errada. Será preciso
rever o valor do culto e a importância
dos seus elementos.

Lamentavelmente, não basta
definir o que é culto, também se faz
necessário dizer o que não é culto.
Denise Frederico afirmou que “o
culto cristão não é um show, como se
vê na televisão, com um apresentador
famoso lá na frente, tentando ganhar
pontos no Ibope para a sua emissora.
Não é uma performance, com atrações
variadas, apresentações pessoais e
coletivas para abrilhantar e fazer a
plateia sair satisfeita por ter usado bem
seu tempo e seu dinheiro”2.
A pluralidade deste tempo tem
dominado as mentes. As pessoas
estão sendo “engolidas” pela febre
do imediato, do descartável e do
clientelismo. Essa visão de mercado, se
não houver cuidado, acaba chegando
aos membros da igreja. São aquelas
pessoas que se acham no direito de
serem clientes dos cultos das suas
igrejas, para usufruir bons produtos
“sacros”.
O pior de tudo acontece quando
a liderança acredita e transforma o
culto em show. Esquece-se de que
se deve agradar ao Senhor e passase a agradar aos “clientes”. Aí acaba
valendo tudo e, por conseguinte, “não
tem nada a ver”. Que desastre!

P

1  KIRST, Nelson. Nossa liturgia: das origens até
hoje. São Leopoldo: Sinodal, 2003, p. 11.

Culto é sacrifício vivo
O apóstolo Paulo exortou os
romanos – e a nós, também – a
2  FREDERICO, Denise. O Que é Liturgia? Rio de
Janeiro: MK, 2004, p. 13.

29
se apresentarem integralmente a
Deus, “como sacrifício vivo, santo e
agradável” (Romanos 12.1). Esse é o
culto espiritual!
Aqui, vale a pena destacar duas
nuances do culto: a individual e
a coletiva. Ao longo dos estudos,
faremos destaques desses dois
aspectos.
Prestamos culto a Deus na
individualidade. O culto pessoal não
tem intervalos, é contínuo, dura a vida
toda. Como servos do Senhor, todos
os nossos pensamentos e atitudes se
constituem em culto, ou seja, devem
glorificar a Deus.
É colocar o nosso corpo, a nossa
vida, por inteiro, à disposição de Deus.
É um oferecimento ininterrupto. É
como diz o hino 543 do Hinário Para
o Culto Cristão: “em palavras, ações e
atitudes refletirei sua luz”.
Refletindo Cristo, cultuamos
a Deus, exaltando a sua pessoa
e testemunhando os seus feitos
poderosos e inigualáveis.
Prestamos culto a Deus na
coletividade. Somos família de Deus,
integramos o corpo de Cristo. A
dimensão do culto é tanto individual
quanto coletiva.
A Bíblia é clara ao recomendar:
“não abandonemos a prática de nos
reunir, como é costume de alguns,
pelo contrário, animemo-nos uns aos
outros, quanto mais vedes que o Dia
se aproxima” (Hebreus 10.25). Deus
sempre externou o seu desejo de ver
o povo reunido para cultuá-lo: “deixa
30

o meu povo ir para que me cultue”
(Êxodo 7.16).
O culto litúrgico sempre reúne
pessoas. A própria palavra liturgia
significa “ação do povo”. É uma
resposta coletiva ao amor de Deus,
que nos faz próximos em Cristo Jesus.
O domingo é um dia muito
esperado por nós, pois nele a
comunidade de fé, a família espiritual
se ajunta para adorar a Deus.
Não devemos vir para o culto
coletivo com o rosto fechado, com
o semblante caído, como quem é
forçado a fazer algo indesejável. Não!
A vinda para o ajuntamento solene é
motivo de festa, de regozijo espiritual,
pois é o próprio Deus, o Rei dos reis, o
Criador, quem nos convida.
Servir a Deus e pertencer à sua
família é um privilégio que deve ser
valorizado ao extremo.

Pra que serve a liturgia
“A liturgia serve para moldar o culto
cristão, ou seja, ‘desenhar’ o culto”.3
Dela fazem parte todos os elementos
que são usados para se ordenar o
culto.
Denise Frederico diz que “fazer
liturgia é como projetar uma casa”4 e
sugere imaginar-se como um arquiteto
que vá desempenhar um projeto para
um cliente. Uma das necessidades
primeiras é conhecer bem o cliente.
Se a condição financeira for boa, o
3  FREDERICO, Denise. O Que é Liturgia?, p. 15.
4  FREDERICO, Denise. O Que é Liturgia?, p. 15.
Para pensar e agir
Cultuar a Deus é privilégio e
compromisso do cristão. Quando

cultuamos, reconhecemos quem Deus
é e quem somos.
Uma tendência daninha tem sido
difundida por alguns, ensinando
o erro de se exigir de Deus o
atendimento das vontades humanas.
É justamente o contrário. Deus é
o Senhor e nós nos adequamos
à sua vontade. Ele manda, nós
obedecemos.
Cultos que não celebram a Deus e
os seus feitos devem ser repensados.
É possível idolatria numa celebração
evangélica, basta tirar o foco de
Deus. Às vezes, pensamos que
idolatria só acontece diante de uma
imagem, mas a questão é muito
ampla. Quando os feitos humanos
roubam a cena dos feitos de Cristo, a
celebração é idólatra.
Por isso, a recomendação paulina
deve estar sempre viva em nossas
mentes, pois culto é “sacrifício vivo,
santo e agradável a Deus”. É para Ele
e por Ele que cultuamos.
Não gastemos tempo com questões
secundárias, mas aproveitemos
bem cada oportunidade de celebrar
a Deus, com vida santificada e
agradecida pela bênção da salvação.

Leituras Diárias

arquiteto poderá até projetar uma casa
grande, mas, se não for, será colocado
no papel o mínimo essencial. Logo,
assim como no processo de construção
de uma casa, na construção de uma
liturgia há coisas que poderão ser
descartadas e outras não.
Na igreja, no início, não havia uma
forma de culto, mas os cristãos foram
criando formas próprias de culto, ao
mesmo tempo em que frequentavam
o templo. A Bíblia era o único livro
litúrgico utilizado (parte do Antigo
Testamento e, mais tarde, o Novo
Testamento). Entre os primeiros
cristãos não havia regras litúrgicas
precisas. Apenas era mantida uma
tradição comum.
A busca da liturgia nas páginas
do Novo Testamento será pouco
produtiva, pois a igreja primitiva não
sacralizou uma liturgia. Entretanto,
nas páginas do Novo Testamento,
observa-se que a ênfase no culto não
está nos feitos dos homens, mas nos
feitos de Deus.
Esse assunto não agrada muito,
pois, como característica humana,
as pessoas querem ser invocadas e
aplaudidas. O culto não é para isso.
Nele são enfatizados os feitos de Deus.
Resumindo, liturgia é o somatório
de todos os elementos que constituem
a ordem do culto cristão.

Segunda
Terça
Quarta
Quinta
Sexta
Sábado
Domingo

Salmos 1 e 2
Salmos 3 e 4
Salmos 5 e 6
Salmo 7
Salmo 8
Salmo 9
Salmo 10

31
Data do Estudo

Licao 2
Texto bíblico: Salmo 100.2

Cultuar é necessário

Introdução

T

em crescido o número daqueles
que defendem que o culto
coletivo não é necessário. Eles
afirmam que o culto útil a Deus é
aquele que se traduz em serviço ao
próximo. É uma espécie de culto
“indireto”, ou seja, Deus é adorado
por intermédio do serviço prestado
aos outros.

32
Não há dúvidas de que a prática das
boas obras é uma ação da fé cristã
que glorifica a Deus, quando nascidas
na sinceridade do coração, mas não
é razão para apagar da “agenda” do
cristão o culto da comunidade de fé.
É um erro de interpretação bíblica tal
concepção! Uma coisa não pode ser
elevada em detrimento da outra.
O culto é necessário. Refletiremos
sobre quatro justificativas dessa
necessidade1.

1. O culto é necessário por ter sido
instituído por Jesus Cristo
Cristo não só instituiu mas também
ordenou o culto. Quando a igreja
celebra o culto, simplesmente obedece
à ordem de Jesus. Culto não é
invenção da igreja, mas odediência:
“Fazei isto em memória de mim”
(Lucas 22.19; 1Coríntios 11.24,25).
A igreja se reúne para reviver
a memória do sacrifício perfeito,
da entrega suficiente, da morte e
ressurreição do Salvador. Cultuar é
anunciar o sacrifício e a volta de Jesus,
envolvidos no memorial da ceia do
Senhor (1Coríntios 11.26).
Relembrar o sacrifício de Jesus na
cruz e o túmulo que ficou vazio faz da
nossa adoração uma demonstração
de gratidão, que gestos e palavras não
dão conta de expressar.
1  Para este estudo, tomamos emprestados
os tópicos das justificativas levantadas por VON
ALLMEN, J. J. O Culto Cristão: teologia e prática. São
Paulo: Aste, 2005, p. 109-114.

Um culto que não começa e
termina em Jesus está carente
de propósito, podendo até ser
transformado numa reunião social.
O chamado de Jesus ao culto
envolve a comunhão com o Pai e
entre os irmãos, ambas possíveis
pela mediação dele. Em Jesus, as
nossas individualidades e preferências
dão lugar à coletividade e ao bem
comum. O cristão que pensa que o
culto é para ser realizado do seu jeito
está muito enganado. Há outros que
se comportam como se estivessem
sozinhos no templo ou como se
Deus apenas olhasse para eles. Pobre
raciocínio. Quem não aprende a viver
em comunhão evidencia que não ouviu
o chamado de Jesus para o culto.

2. O culto é necessário porque é
suscitado pelo Espírito Santo
Negar a necessidade de culto é
contestar a ação do Espírito Santo na
vida do salvo (2Coríntios 1.22). É o
próprio Espírito que “dá testemunho
ao nosso espírito de que somos filhos
de Deus” (Romanos 8.16).
O culto é uma celebração de
gratidão daqueles que estão sendo
preparados por Deus, na garantia do
seu Espírito (2Coríntios 5.5).
A ação de graças daqueles que
foram alcançados pelos milagres
de Cristo, conforme registram os
evangelhos, são notáveis exemplos
da necessidade de culto suscitada
pelo Espírito Santo: o paralítico,
33
curado, voltou para a sua casa
gloricando a Deus (Lucas 5.25); a
mulher enferma, curado por Jesus
num sábado, se endireita e dá glória
a Deus (Lucas 13.13); o leproso, que
diferentemente dos outros nove,
compreendeu o significado da sua
cura, retonou “glorificando a Deus
em alta voz” (Lucas 17.15); o cego
de Jericó, curado, decide seguir a
Jesus, dando louvores a Deus (Lucas
18.43). Não só aqueles que foram
alvos das ações miraculosas de Jesus
foram movidos a render graças, mas
todos que alcançaram a salvação em
Cristo. A própria confissão de que
Jesus é o Senhor é pelo Espírito Santo
(1Coríntios 12.3).
Cultuando a Deus, rendemos
graças pelo seu perdão, que nos
restituiu a capacidade de adorar,
perdida por causa do pecado.
Aquele que tem a presença do Espírito
Santo de Deus na vida é movido a
cultuar.

3. O culto é necessário porque é um
dos meios de efetivação da história
da salvação
O fato de Jesus ter morrido de uma
vez por todas pela salvação do mundo
não significa que toda a humanidade
está salva automaticamente. Para que
o ser humano seja salvo é necessário
arrependimento dos pecados e
fé em Jesus Cristo como único e
suficiente Salvador. É assim que tem
34

prosseguimento a história da salvação.
O Espírito Santo nos convence do
pecado, da justiça e do juízo (João
16.8), passamos a fazer parte do
corpo de Cristo – a igreja – e nele
somos mantidos.
No culto, celebramos a Palavra
da salvação, relendo a narrativa
bíblica. O ser humano, criado por Deus
à sua imagem e semelhança, pecou e
foi separado de sua glória (Romanos
3.23). A recompensa do pecado é a
morte (Romanos 6.23). Deus mesmo
providenciou o meio de reconciliação
e o fez conhecido na sua encarnação
(João 1.14). Em Jesus, todos têm acesso
a Deus. Esse caminho de retorno é
celebrado no culto cristão e efetivado
por obra do Espírito Santo na vida do
pecador que se arrepende.
Portanto, afirmar que o culto
não é necessário ao salvo equivale
a desprezar a fonte da graça e a
esquecer as palavras de Jesus.

4. O culto é necessário porque
o reino de Deus ainda não se
manifestou em todo o seu poder
A igreja terrena é militante. Somente
no céu a igreja será triunfante.
Quando estivermos no céu, não
precisaremos congregar nos templos,
pois o santuário será o próprio Senhor
Deus, o Todo-Poderoso, e o Cordeiro
(Apocalipse 21.22). Enquanto na terra,
é necessário o ajuntamento do povo
de Deus para o culto.
Para pensar e agir
Cultuar é necessário, mas não como
quem “bate cartão” por obrigação
numa empresa, mas com voluntária
alegria (Salmo 100.2).
Li uma história narrada por um
pastor, como verídica, que dizia
o seguinte: “ao final do ano, um
irmão (daqueles “cheios de cargos”)
disse ao pastor que não assumiria
nenhum cargo ou ministério para o
ano seguinte, pois queria um tempo
de “descanso, sombra e água fresca”
(aspiração de quem está prestes a
se aposentar, mas de “impossível”

aplicação na igreja de Cristo). Mesmo
orientado pelo pastor, o irmão
manteve-se irredutível em sua decisão.
Poucos dias após, exatemente no dia
31 de dezembro, o dito irmão faleceu
(como qualquer mortal), mas o pastor
observou alguns fatos curiosos:
o irmão descansou exatamente
no último dia dos “compromissos
assumidos”; seu sepultamento
deu-se à sombra de uma frondosa
amendoeira, e, como só acontece
em casos especiais, num calor de 40
graus, ao término do sepultamento,
caiu uma pesada chuva (daquelas que,
nem correndo, dá tempo de não se
molhar) e regou abundantemente a
sepultura. Curioso, – deduziu o pastor
– o irmão teve seu pedido atendido
integralmente: descansou, foi
sepultado à sombra de uma frondosa
amendoeira e recebeu água fresca em
abundância”.
Não percamos tempo, abrindo
mão de participar do culto coletivo
por motivos infundados. Valorizemos
as oportunidades, priorizemos as
celebrações. Cultuar é necessário.
Façamos a nossa parte.

Leituras Diárias

O reino de Deus já está presente
entre nós, mas não em sua plenitude.
Os que se comportam como se
tudo na terra já fosse o reino de
Deus erram por não considerar a
dimensão escatológica da igreja no
mundo. Noutras palavras, este mundo
passará e a igreja, santa e purificada,
continuará viva na eternidade de
Deus.
O culto celebra a esperança
da volta de Jesus, reafirmando,
de contínuo, que não estamos
sozinhos na caminhada, mesmo
que enfrentemos lutas e privações, tão
naturais à realidade humana.
No céu, não precisaremos nos
ajuntar para o culto, porque sempre
estaremos juntos e em culto diante do
Cordeiro de Deus, gloricados por Ele,
definitivamente livres da presença do
pecado.

Segunda
Terça
Quarta
Quinta
Sexta
Sábado
Domingo

Salmos 11, 12 e 13
Salmos 14 e 15
Salmos 16 e 17
Salmo 18
Salmo 19
Salmos 20 e 21
Salmo 22

35
Data do Estudo

Licao 3
Texto Bíblico: Lucas 7.36-38

Adoração extravagante, 1

Introdução

E

stamos diante de um gesto de
adoração bastante incomum.
Os quatro evangelhos registram
o gesto extravagante de Maria ao
ungir os pés de Jesus. O fato de cada
evangelista ressaltar um aspecto
do episódio tem levado estudiosos
a pensar que houve dois casos da
unção. Eles podem estar certos,
embora as duas situações apresentem
pontos comuns.
Mateus mostra o evento dizendo
que ele se deu “estando Jesus em

36
Betânia, casa de Simão, o leproso”
(Mateus 26.6). Ressalta, também, que
o vaso de alabastro estava “cheio de
um bálsamo muito caro” (v.7).
Marcos também faz menção da casa
de Simão, mas destaca mais a bênção
que Jesus dirigiu à mulher. Lucas
apresenta um relato mais detalhado.
Informa que Simão era fariseu e que
a mulher era uma pecadora (Lucas
7.36,39), deixando a entender que era
uma prostituta.
João informa também que o
episódio ocorreu em Betânia, mas
ascrecenta que o banquete foi
realizado na presença de Jesus e de
Lázaro, a quem ressuscitara (João
12.1,2). O nome da mulher é citado
– Maria – e o efeito do perfume,
destacado: “e a casa se encheu com o
perfume do bálsamo” (João 12.3).
Somadas as informações dos quatro
evangelhos, temos diante de nós uma
“história na íntegra”. Cornwall, ao
analisar o episódio, assim sintetizou:
“um fundamentalista a quem Jesus
havia curado de lepra resolveu dar
uma festa para celebrar a ressurreição
de Lázaro. Era uma espécie de
comemoração pela volta dele. O relato
dá a entender que Lázaro estaria
sentado à cabeceira da mesa, no lugar
de honra, enquanto Jesus era apenas
um dos convidados” 1.
Os registros bíblicos deixam claro
que Jesus não foi alvo de nenhuma
das atenções geralmente dirigidas
1  CORNWALL, Judson. Adoração como Jesus
ensinou. Venda Nova: Betânia, 1995, p.124.

aos convidados. Era comum lavar os
pés dos convidados ilustres, ungir a
sua cabeça e saudarem com um beijo
(que no Oriente corresponde ao nosso
aperto de mão).
Lucas registra, inclusive, a
repreensão de Jesus: “E, voltando
para a mulher, disse a Simão: vês
esta mulher? Entrei em tua casa, e tu
não me deste água para os pés; mas
ela os molhou com suas lágrimas e
enxugou-os com seus cabelos. Não
me cumprimentaste com beijo; ela,
porém, não para de beijar-me os
pés, desde que entrei. Não colocaste
óleo sobre a minha cabeça; mas ela
derramou perfume sobre os meus
pés” (Lucas 7.44-46).

1. Lágrimas de arrependimento e
gratidão
a) contexto joanino
Considerando o relato do quarto
evangelho, ninguém poderia estar
mais feliz de ver Lázaro ressuscitado
e recebendo os seus amigos do que
Maria, sua irmã.
A morte do “homem da casa” era
um risco enorme para as mulheres.
Certamente, o padrão de vida cairia.
Seria muito difícil para Maria manter
propriedades e valores que partilhava
com seu irmão. A injustiça era grande
com as viúvas, mas também com as
solteiras que dependiam dos seus
falecidos irmãos.
O retorno de Lázaro à vida e,
consequentemente, à família, era
37
muito significativo. Era o retorno da
estabilidade no lar de Maria e Marta.
b) contexto sinótico
Mateus, Marcos e Lucas são
chamados evangelhos sinóticos,
por terem uma mesma forma de
apresentação. E o relato deles
evidencia que Jesus estava sendo
ignorado pelo anfitrião. O desprezo
foi tamanho que a honraria partiu
de uma mulher desprezada pela
sociedade.
A pecadora, com a desenvoltura de
uma mulher que conhece os homens
no que têm de pior, foi abrindo
caminho entre os presentes – alguns
certamente lhe opunham resistência
– e chegou até onde Jesus se
encontrava reclinado à mesa. Aos pés
de Jesus, chorou intensamente.
As lágrimas da mulher corriam pelos
pés de Jesus, molhando-os a ponto
de serem lavados. Lágrimas brotavam
como uma fonte.
Simão se lembrou da antiga
vida daquela mulher. Ela também,
podendo até estar diante de alguns
dos seus antigos clientes, talvez
tenha recodado a sua vida pregressa.
Certas recordações, em comparação
com a mudança operada pela graça
redentora de Jesus, tendem a levar às
lágrimas.
Vale destacar que ela chorou muito,
mas chorou diante de Jesus. Não
foram lágrimas de remorso, foram
lágrimas de gratidão, extravasando
emoções de amor.
38

Nós também, motivados por
orgulho, rebeldia e iniquidade, nos
mantivemos longe do amor do
Senhor, até que Deus nos mostrou tais
condições, chamando-as de pecado.
Pensando na mulher pecadora, suas
lágrimas podem ser denominadas,
também, de lágrimas de alívio, por ter
se arrependido dos seus pecados e
desfrutado do perdão de Jesus.
Nem sempre um choro
será de arrependimento, mas,
diante de Jesus, o ideal é que
nossas lágrimas demonstrem
arrependimento e gratidão.
Arrependimento porque
sabemos que somos pecadores
e gratidão porque a Bíblia nos
dá a certeza do perdão, que nos
coloca na condição de libertos da
condenação (Romanos 8.1).
Ver-se como alvo do amor de Deus
é algo tão maravilhoso que é difícil
conter as lágrimas. Ainda bem que
na presença de Jesus não precisamos
reprimir as lágrimas, mas podemos
extravasá-las, desde que sinceras.
Jesus valorizou as lágrimas daquela
mulher, pois Deus valoriza as lágrimas
dos seus adoradores: “Tu contas
minhas aflições; põe minhas lágrimas
no teu odre; não estão elas registradas
no teu livro?” (Salmo 56.8).
Deus tem o poder de ver o choro
de tal forma, discernindo-o como
demonstração de força, e não de
fraqueza. E chorar também não
é necessariamente evidência de
descontrole emocional.
Para pensar e agir
A próxima lição será a continuação
desta, mas não podemos concluir uma
reflexão sem alguns compromissos de
aplicação à vida. É essencial, diante da
Palavra de Deus, tomar decisões que
nos levem a imitar Cristo no dia a dia.
O fato de termos alcançado o
perdão de Jesus não nos leva, de
imediato, para o céu. A vida continua
neste mundo. Se estamos estudando
esta lição, é porque ainda estamos
peregrinando por aqui.
Vivemos neste mundo, sujeitos às
tentações e continuamos pecadores.
O que nos distingue daqueles que

ainda não tiveram um encontro com
Jesus, reconhecendo-o como Salvador
e Senhor, é que não temos mais
prazer no pecado. Quando pecamos,
logo nos arrependemos, porque nos
machuca entristecer a Deus.
Uma vez que continuamos
pecadores, o arrependimento
deve ser nosso companheiro na
jornada cristã. É muito difícil lidar
com alguém que não se arrepende
dos seus erros. De igual forma, é
muito difícil a caminhada cristã sem
o arrependimento, pois os frutos não
aparecerão.
Reconhecer nossos pecados e nos
arrepender deles é condição essencial
para uma adoração verdadeira.
Assim como o arrependimento,
a gratidão também deve ser
companheira inseparável do
cristão. Não somos ingratos, pelo
contrário, somos agradecidos por tudo
o que Jesus fez por nós.
“Arrependimento e gratidão” é
uma receita básica demonstrada nas
lágrimas da mulher pecadora na casa
de Simão. Colocando-a em prática,
comprovaremos a bênção de uma vida
em dia com Jesus.

Leituras Diárias

A Bíblia também registra que
Jesus chorou e, ainda mais, que tal
reação demostrou o seu amor por
Lázaro (João 11.35,36). Uma amizade
tão especial que as lágrimas foram
inevitáveis.
Assim como a mulher pecadora
chorou prostrada aos pés de Jesus,
não se importando com as pessoas
que estavam a sua volta, Jesus
também chorou diante do túmulo de
Lázaro, independentemente do que
poderiam dizer.
O exemplo de Jesus deve ser
seguido por nós. É apreciável ter
amigos e demonstrar o valor devotado
às amizades. O exemplo da pecadora
chorando aos pés de Jesus também
deve ser seguido por nós, pois Ele
merece toda a nossa demonstração de
arrependimento e gratidão.

Segunda
Terça
Quarta
Quinta
Sexta
Sábado
Domingo

Salmos 23 e 24
Salmos 25 e 26
Salmos 27 e 28
Salmos 29 e 30
Salmo 31 e 32
Salmos 33 e 34
Salmo 35

39
Data do Estudo

Licao 4
Texto Bíblico: Lucas 7.36-38

Adoração extravagante, 2

Introdução

A

lição de hoje é a continuação da
anterior. Releia o texto bíblico
que narra o evento-base da
reflexão que prosseguiremos.
Trazendo à memória o estudo
passado, estamos diante de um gesto

40
de adoração bastante incomum, e já
analisamos o primeiro aspecto dele:
as lágrimas intensamente vertidas
pela mulher chamada pecadora.
Aprendemos que foram lágrimas de
arrependimento e gratidão e firmamos
o compromisso de uma vida cristã
com essas virtudes.
Agora, veremos mais dois aspectos
dessa adoração extravagante, sempre
na perspectiva de relacionarmos
princípios bíblicos para o culto cristão.

2. Um ato de coragem
Na opinião das pessoas presentes
na casa de Simão, a atitude daquela
mulher foi de rebaixamento. Afinal,
ela se colocou aos pés de Jesus, em
adoração, chorou a ponto de molharlhe os pés, e os secou com os cabelos.
Para uma mulher judia, o cabelo
tinha grande significado. Era a sua
“arma de sedução”, cuidado e
guardado, por isso quase não era
exposto. Naquela época, nenhuma
mulher usava o cabelo solto em
público. Ela só o soltava dentro de
casa e na presença do marido.
Aquela mulher rompeu com
a opinião pública e, num ato de
coragem, usou os próprios cabelos
para secar os pés do Mestre.
Interessante que Simão logo a
chamou de “pecadora”, ao invés de
dizer “ela era pecadora”, porque Jesus
a libertara dessa condição.
É possível que os seus atos tenham
dado a Simão a impressão de

que talvez ela ainda não estivesse
totalmente liberta, que vinha apenas
se reprimindo. A incredulidade do
anfitrião o fazia julgá-la. Ele teve
olhares para a antiga vida da mulher,
mas não foi sensível para perceber a
sua nova vida, após o contato com
Jesus.
A coragem dela foi tamanha,
que demonstrou maturidade e
entendimento de que reputação é
simplesmente aquilo que os outros
pensam de nós. A essência do que
somos é o nosso caráter.
Por mais que o seu ato tenha
sido alvo de críticas, assim como
a aceitação de Jesus, no íntimo,
a mulher sabia que Ele em nada
comprometeu o seu caráter,
muito pelo contrário. Quando
expressamos amor a Jesus,
adorando-o sinceramente, o nosso
caráter é edificado.
Aquela mulher arriscou-se,
mas não deixou de render a sua
adoração a Jesus. Mais do que a
preocupação com o que “os outros
pensarão de mim”, o cristão precisa
se preocupar com “o que Jesus
pensará de mim”.
Realmente a adoração dessa mulher
foi extravangante, um legítimo ato de
coragem. Ela usou o melhor, pois o
frasco de óleo perfumado valia, pelo
menos, o salário de um ano de um
trabalhador. Possivelmente era toda
a sua riqueza, pois naquela época
era comum as pessoas investirem seu
dinheiro em ouro e especiarias. Não
41
eram usuais os depósitos bancários
como o fazemos hoje.
A verdade incontestável é que
aquela mulher ofereceu o seu melhor
a Jesus. Foi um ato tão corajoso e
singular que Jesus disse que “em
todo o mundo, onde quer que seja
pregado o evangelho, também o que
ela fez será contado em sua memória”
(Marcos 14.9).
É emocionante constatar que a
palavra de Jesus não se perdeu com
o passar dos anos. Nós, os seus
seguidores deste tempo, temos
contado este episódio e perpetuado a
memória daquela mulher.

3. Amor demonstrado em ação
Quando o fariseu viu o ato
extravangante de adoração, pensou
com ele mesmo que Jesus não
era profeta, porque, se o fosse,
saberia que aquela mulher era uma
pecadora, uma pessoa de conduta
reprovada.
Mas Jesus, numa demonstração do
seu poder, respondeu ao pensamento
de Simão, fazendo-lhe uma pergunta,
cuja resposta certamente o levou a
arrepender-se de ter duvidado da
divindade de Jesus.
Jesus exaltou as atitudes da
criticada mulher que deveriam ser
as atitudes de Simão, como anfitrião
(Lucas 7.44-47). A mulher tida
como repugnante pelo fariseu foi
exemplo de amor demonstrado
em ação. Simão se achava bom nas
42

palavras, mas Jesus lhe mostrou que
era falho nas ações.
Enquanto Simão recebeu a
repreensão, a mulher recebeu o
perdão: “Jesus disse à mulher: os teus
pecados estão perdoados (...). A tua
fé te salvou; vai em paz” (Lucas 7.48
e 50).
Nada do que fizermos poderá
se igualar à grandeza do amor
de Deus, resumida (e ampliada)
na morte de Jesus na cruz, para
propiciar o reencontro entre Criador
e criatura. Mas Deus espera que o
amemos, muito mais que palavras.
O culto aceitável é fruto do amor
verdadeiro.
Jesus disse: “Aquele que tem os
meus mandamentos e os guarda,
esse é o que me ama. E aquele que
me ama será amado por meu Pai, e
eu o amarei e me manifestarei a ele”
(João 14.21). E ainda: “Quem não me
ama não obedece às minhas palavras”
(João 14.24).
O amor é provado em ações. A
mulher pecadora provou o seu amor
em ações, assim como Deus fez: “Mas
Deus prova o seu amor para conosco
ao ter Cristo morrido por nós quando
ainda éramos pecadores” (Romanos
5.8).
O exemplo vem de cima, vem do
Deus eterno e perfeito. Ele nos amou
e provou, amplamente, o seu amor.
Ouvi, certa vez, de um grande
pregador, a seguinte ilustração:
“Havia na Índia um trem da meianoite, conhecido como ‘corujão’.
Para pensar e agir
Mexe conosco saber que um
episódio tão antigo ainda fala tão alto.
Isso nos ensina o valor da adoração.
Aquela mulher nos ensinou que para
adorar a Deus, verdadeiramente, é
preciso compromisso de vida.
Faz lembrar uma fábula muito
interessante: Certa vez, a galinha
procurou o porco e propõs que
oferecem um delicioso café da manhã
na floresta. O porco gostou da ideia e
começaram a fazer os prepartivos para
o cardápio da efeméride. Foi quando a
galinha sugeriu ao porco: já sei o que
podemos preparar! Bacon com ovos!
Eu dou os ovos e você o bacon.
A moral é obvia. A galinha daria algo
de si e o porco daria a própria vida. A
galinha, após o café, continuaria viva,
pondo outros ovos. Já o porco...
Cultuar é mais do que envolvimento,
é compromisso. Cultuar é celebrar
a Deus pela nova vida, pela vida
ressuscitada, pelo dom perfeito: “não
sou mais eu quem vive, mas é Cristo
quem vive em mim. E essa vida que
vivo agora no corpo, vivo pela fé no
Filho de Deus, que me amou e se
entregou por mim” (Gálatas 2.20).

Leituras Diárias

Numa dessas viagens da madrugada,
adentrou um passageiro falando alto,
dando gargalhadas, contando piadas,
e as pessoas pediam que falasse mais
baixo porque precisavam aproveitar
a viagem para descansar. Só que não
adiantava; quanto mais as pessoas
pediam que fizesse silêncio, mais
aquele homem as atormentava. Até
que alguém disse: moço, o senhor
sabe quem é essa pessoa à sua frente?
É Mahatma Gandhi, o libertador da
Índia. Diz a ilustração que o homem se
espantou e exclamou: é o Dr. Gandhi!
Logo abriu a sua bolsa, pegou o
seu violino e começou a tocar uma
belíssima música. Ao concluir, todos o
aplaudiram, menos Gandhi. O homem
perguntou: Dr. Gandhi, o senhor não
gostou da minha música? Gandhi
respondeu: não gostei, porque você
não sabe obedecer”.
A simples ilustração nos ajuda a
entender que sem obediência, sem
ação, o amor fica comprometido, pois
se resume a discurso, a oratória, a
falação.
A mulher da narrativa de Lucas
poderia entrar na casa de Simão
e fazer um impecável discurso
de amor a Jesus, mas não seria
tão contundente quanto a sua
ação silenciosa. O amor, princípio
fundamental no culto cristão, deve ir
além da letra das músicas e ganhar o
sentido real das Escrituras: “o amor
seja sem fingimento” (Romanos 12.9).

Segunda
Terça
Quarta
Quinta
Sexta
Sábado
Domingo

Salmos 36 e 37
Salmos 38 e 39
Salmos 40 e 41
Salmos 42 e 43
Salmos 44 e 45
Salmos 46 e 47
Salmos 48 e 49

43
Data do Estudo

Licao 5
Texto Bíblico: Mateus 15.21-28

Adoração sincera

Introdução

J

osué, sucessor de Moisés, pouco
antes de morrer, desafiou o povo
de Israel ao culto sincero: “Temei
o Senhor e cultuai-o com sinceridade
e com verdade. (...) Cultuai o Senhor”
(Josué 24.14). O termo sinceridade
aqui empregado significa “sem
mácula, não adulterado”.
Paulo, dirigindo-se aos filipenses,
registrou: “E peço isto em oração:
que o vosso amor aumente cada vez

44

mais no pleno conhecimento e em
todo entendimento, para que aproveis
as coisas superiores, a fim de serdes
sinceros e irrepreensíveis até o dia de
Cristo” (Filipenses 1.9,10). O apóstolo
utilizou o vocábulo grego significando,
ao pé da letra, “julgado à luz do sol”,
ou seja, examinado para se verificar
sua autenticidade.
Noutra passagem, Paulo disse:
“Porque não somos mercenários
da palavra de Deus, como tantos
outros; mas falamos em Cristo com
sinceridade, da parte de Deus e na sua
presença” (2Coríntios 5.17). O termo
empregado nesse verso quer dizer
“legítimo, genuíno”.
Cornwall apresentou uma
interessante informação, que “cai como
uma luva” para esclarecer o termo: “A
palavra ‘sincero’ provém do termo latino
sincerus, formado pela aglutinação
de dois outros: sin, “sem”, e caries,
“deterioração”. Portando, o significado
básico de ‘sincero’ é ‘sem deterioração’.
No passado, os negociantes
de metais preciosos costumavam
promover sua mercadoria afirmando
que ela era ‘sincera’, isto é, ‘sem cera
ou enchimento’. Era muito comum
os artífices desonestos encobrirem as
falhas de um produto aplicando-lhe
uma cera da mesma cor, que lhe dava
a aparência de acabamento perfeito.
Mas se alguém chegasse o artigo ao
fogo, a cera derreteria e escorreria, e
a falha seria exposta. Quando algum
negociante anunciava um produto
‘sincero’ queria dizer que ele não fora
retocado com cera” 1.
Deus requer de nós que lhe
prestemos um culto sincero, autêntico,
genuíno, não adulterado e sem
deterioração.

1. Interesse sincero
O interesse de adoração esboçado
por Herodes foi mentiroso: “Então
1  CORNWALL, Judson. Adoração como Jesus
ensinou. Venda Nova: Betânia, 1995, p.132.

Herodes chamou secretamente
os magos e procurou saber deles
com precisão quando a estrela
havia aparecido. E, enviando-os a
Belém, disse-lhes: ide e perguntai
cuidadosamente sobre o menino.
Quando o achardes, avisai-me, para
que eu também vá adorá-lo” (Mateus
2.7,8).
A boca de Herodes falou uma coisa,
mas a intenção dele era outra. É nítido
que ele não queria adorar Jesus, pelo
contrário, ele queria eliminar um
possível rival. Herodes disse “adorar”,
mas queria mesmo era “destruir”.
O desejo de adoração do rei
Herodes não passaria no teste da
sinceridade. Sua real intenção era
manipular circunstâncias.
Temos de nos cuidar para não
repetir o erro de Herodes, salvas as
devidas proporções. Não queremos
e nem podemos matar o “recémnascido Rei dos judeus”. A falta de
sinceridade, a mentira em nossa
adoração pode acontecer de
outras formas. O simples fato de
estar num culto por obrigação
caracteriza uma adoração falsa,
porque nada brotará do coração
e sim de um ritual mecânico. Uma
espécie de “culto de corpo presente e
mente e coração ausentes”.
O fato de o ajuntamento solene do
povo de Deus acontecer regularmente
não significa que será uma repetição
sem sentido, pois todo culto é uma
novidade. Cada celebração é uma
nova oportunidade de encontro, de
45
reflexão, de crescimento, e deve ser
vivida como se fosse a última, ou seja,
valorizada intensamente.
Pobre Herodes... ele podia enganar
a muitos, menos a Deus. Os magos
foram avisados em sonho para não
regressarem a Herodes e um anjo do
Senhor disse a José para fugir com o
menino e a mãe para o Egito (Mateus
2.12,13). Esse é o nosso Deus, digno
de adoração! Ninguém pode parar o
seu agir!
Um bom exercício espiritual é fazer
como Davi: “Sonda-me, ó Deus, e
conhece o meu coração; prova-me
e conhece os meus pensamentos; vê
se há em mim algum caminho mau e
guia-me pelo caminho eterno” (Salmo
139.23,24).

2. Disposição sincera
É curioso observar que muitos dos
que adoraram a Jesus nos evangelhos
não eram judeus. O primeiro emprego
do termo “adoração” no Novo
Testamento refere-se aos magos do
Oriente. O grande discurso de Jesus
sobre adoração foi dirigido à mulher
samaritana. Um chefe romano adorou
a Jesus pedindo que ressuscitasse
a sua filha. Gregos também vieram
adorá-lo. Um nobre de Cafarnaum foi
outro que o adorou.
A explicação joanina é convincente:
“Ele veio para o que era seu, mas os
seus não o receberam. Mas a todos
que o receberam, aos que creem no
seu nome, deu-lhes a prerrogativa de
46

se tornarem filhos de Deus; os quais
não nasceram do desejo da carne,
nem da vontade do homem, mas de
Deus” (João 1.11-13).
É claro que há também exemplos
de adoradores do povo de Jesus,
mas é interessante que o primeiro
mencionado por Mateus foi um
leproso (Mateus 8.2). João menciona
um cego (João 9.38). Os primeiros
a se prostrar foram os que mais
reconheciam suas carências e aflições.
O texto-base do nosso estudo
apresenta o episódio da mulher
cananeia. Mateus nos conta que
depois de um confronto com os
escribas e fariseus, “Jesus seguiu para
a região de Tiro e Sidom. Uma mulher
cananeia, vindo daquelas redondezas,
pôs-se a gritar: Senhor, Filho de Davi,
tem compaixão de mim! Minha filha
está horrivelmente endemoninhada”
(Mateus 15.21,22).
Diante de um pedido tão veemente,
é intrigante que Jesus nada respondeu
à mulher, identificada por Marcos
como sendo grega, de origem sirofenícia (Marcos 7.26). Ela persistiu, e
continuou seguindo Jesus, insistindo
no seu pedido.
Os discípulos se aproximaram e
rogaram a Jesus que mandasse a
mulher embora, porque estava aos
gritos atrás deles. Imagino que os
discípulos já estivessem irritados com
ela.
O apelo da cananeia apresentava
um argumento que não se aplicava
a ela. Sendo grega, ela não tinha
adoração, prostrando-se e adorando
com disposição correta, Jesus a
respondeu: “Mulher, grande é a
tua fé! Seja feito a ti como queres”
(Mateus 15.28).

Para pensar e agir
Aquele que deseja uma resposta
positiva de Jesus precisa ser sincero
na adoração. O ensinamento
é claro: “Deus é Espírito, e é
necessário que os que o adoram o
adorem no Espírito e em verdade”
(João 4.24).
A encarnação de Cristo, ou seja,
a sua vinda ao mundo tomando a
forma humana, nos possibilitou a
comunhão imediata com Deus. O
Filho, que é a perfeita manifestação
de Deus, colocou ao nosso alcance a
capacidade de adorá-lo em espírito e
em verdade.
Vale a pena parar e refletir: qual a
real motivação da nossa adoração?
Temos sido sinceros? Passamos no
teste da exposição à luz?
O desejo de Deus, explícito na
Palavra, é que sejamos achados fiéis e
verdadeiros adoradores.

Leituras Diárias

o direito de reivindicar o favor de
Jesus como Filho de Davi. Alguns
comentaristas sugerem que a
mulher estava alegando ser filha
de Israel, quando não o era, e que
possivelmente teria visto Jesus ser
assim chamado por outros, atendendo
seus pleitos. Logo, ela quis aproveitar
uma fórmula que deu certo com
outros.
É mais fácil ir até Jesus com
fórmulas prontas, mas Ele busca
pessoas que queiram segui-lo, que
queiram caminhar com Ele; isso
significa relacionamento.
Quem procura por Jesus com
um relacionamento inexistente,
certamente receberá o silêncio
como resposta, mesmo que utilizem
fórmulas corretas.
Um coração com disposição errada
não será respondido. Hebreus 10.22 é
uma boa dica: “Aproximemo-nos com
coração sincero, com a plena certeza
da fé, com o coração purificado da má
consciência e tendo o corpo lavado
com água limpa”. Adorador que não é
sincero merece o silêncio de Jesus.
Jesus foi categórico e esclarecedor
na sua resposta aos discípulos: “Eu fui
enviado somente às ovelhas perdidas
da casa de Israel” (Mateus 15.24).
Ele não estava sendo insensível, sua
ação foi para o bem daquela mulher,
retirando a sua máscara, levando-a
a um nível mais profundo de
relacionamento com Deus.
No instante em que aquela mulher
demonstrou sinceridade em sua

Segunda
Terça
Quarta
Quinta
Sexta
Sábado
Domingo

Salmos 50 e 51
Salmos 52 e 53
Salmos 54 e 55
Salmos 56 e 57
Salmos 58 e 59
Salmos 60 e 61
Salmos 62 e 63

47
Data do Estudo

Licao 6
Texto Bíblico: Mateus 18.20

Deus: o principal
oficiante do culto

Introdução

N

a lição 1, aprendemos um pouco
mais sobre o que é culto. Nela,
definimos alguns termos, como
culto (coletivo e individual) e liturgia.
Vale a pena rever esses conceitos
antes de prosseguir. Fica a dica.
Quando a igreja se reúne para
cultuar, todos se constituem em
oficiantes do culto. Essa tarefa não é
só do pastor ou do dirigente. O único
que assiste ao culto é Deus, pois é o
alvo exclusivo da adoração.

48

É sempre positivo relembrar que não
é correto dizer que vamos ao templo
assistir ao culto. Na verdade, vamos
ao templo prestar culto, participando,
ativamente dele.
Vamos ao teatro assistir a um
espetáculo, vamos ao estádio assistir
a uma partida de futebol, mas não
vamos ao templo assistir a um culto.
Há, porém, um cuidado que
temos de ter quando pensamos no
relacionamento entre Deus e o culto.
Embora o Senhor seja assistente, ele
também é o principal oficiante. Ele é
o recebedor da adoração, bem como
o propiciador da oportunidade de
adoração.

1. Participação de Deus no culto
De tanto sabermos que Deus
se faz presente na reunião do seu
povo (Mateus 18.20), temos tanto a
tendência de tomar a sua presença
como pressuposta, como evidente, que
na maior parte das vezes a omitimos
como presença oficiante do culto.
É a ordem de Deus que transforma
o ato de culto em algo mais do
que mero desejo ou anseio. É a sua
presença que faz dele algo mais do
que uma simples ilusão.
É a presença de Deus que nos
redime do perigo da vaidade, que nos
cura da cegueira espiritual. É o amor
de Deus que impede que o culto se
transforme num cerimonial mecânico
individualista. A liberdade de Deus
eleva o culto acima do nível de uma
espécie de chantagem espiritual.
Com isso, temos de aprender
que Deus é, ao mesmo tempo e
de forma perfeita, sujeito e objeto
do culto cristão. No culto, Deus
serve e é servido, ordena e recebe
a celebração, fala e escuta. Deus é
aquele a quem imploramos e que
concede o que pedimos.
O culto seria uma farsa
criminosa sem a presença de Deus,
seria uma grande mentira.
Von Allmen nos brinda com uma
profunda declaração: “É por meio

da fé que a igreja percebe que o
seu culto não é nem criminoso, nem
mentiroso, nem enganoso, porque
sabe que é Deus que a chama à
adoração, na qual Ele se dá à igreja e
a acolhe” 1.

2. Participação do pastor no culto
Vamos tratar da figura do pastor,
mas também se inclui aqui todo
aquele que participa como dirigente
do culto ou pregador, no caso de não
ser o pastor.
Logo de início, é importantíssimo
destacar que o culto não é do pastor,
mas da comunidade. Às vezes,
corremos o risco, pela habitualidade,
de pensar que a igreja ajuda o pastor
a celebrar o culto. É justamente o
contrário. O pastor é quem ajuda
a igreja a celebrar o culto, ele é
um facilitador da ação conjunta da
comunidade de fé.
Quando o pastor é elevado à
categoria de oficiante exclusivo
(solitário) do culto, nasce a tentação
de se achar “estrela”. São os
chamados “showmen”, aqueles
“pastores” que transformam o culto
em performances pessoais. Parece que
se eles não estiverem presentes, não
há culto. Eles são “os caras”. Se não
tomar cuidado, se colocam acima do
próprio Deus.
Devemos aprender com a discrição
de Jesus. Como Pastor Supremo,
1  VON ALLMEN, J. J. O Culto Cristão. São Paulo:
Aste, 2005, p.183.

49
Jesus levou os seus seguidores
a um relacionamento profundo
com o Pai. Jesus sabia que o povo do
Senhor deveria cultuar pela fé, noutras
palavras, deveria cultuar além do que
se pode ver.
O pastor ou dirigente de culto é
tão somente um servo, destacado
entre os outros servos, para auxiliar a
congregação no culto coletivo. Não
se adora pastor. Só Deus é digno de
adoração.
Diante de Jesus, pastor também
é ovelha. A igreja precisa entender
isso. Os pastores também precisam
de oração e cuidado. Nunca uma
igreja deve agir com o pastor como se
estivesse agindo com uma máquina.
Pastor se cansa, precisa de tempo e
tem o dever de ser adorador.

3. Participação da congregação no
culto
O cristão deve assimilar a graça de
poder celebrar culto a Deus como
um direito e um dever. Um direito
outorgado pela obra salvífica de Cristo
e um dever prazerosamente assumido
como resposta a esta mesma obra.
Alguns requisitos devem ser
atendidos por todos nós, quando
reunidos em culto:
SINCERIDADE. A congregação
deve ser íntegra na sua celebração.
Não vale de nada se reunir
corporalmente e mentalmente
permanecer distante. A adoração
deve ser sincera, noutras palavras,
50

a verdade deve imperar na mente e
no coração dos celebrantes. Vir ao
templo e ficar pensando maldades,
conversando sobre a vida alheia
(a popular fofoca) é uma atitude
repugnante perante Deus.
REVERÊNCIA. É triste celebrar
a Deus com uma congregação
indisciplinada. Ambiente leve,
informal e descontraído não significa
irreverência. O culto ao Senhor,
embora não seja formalista, não é
uma desordem ou confusão. Quando
lemos a Bíblia, por exemplo, lemos a
Palavra de Deus, logo, somos “boca
de Deus” ao proclamar a Palavra.
Isso não pode acontecer de qualquer
maneira. Devemos evitar o famoso
“levanta e sai” a todo instante no
culto. Ficamos duas horas assistindo
a um filme no cinema, por que não
podemos ficar o mesmo tempo (ou
menos, geralmente) em reverência no
culto? É uma questão de prioridade
e valorização. Parece que estamos
nos “acostumando” demais com a
presença de Deus a ponto de faltar
com o respeito. Deus é nosso amigo,
mas nunca deixará de ser nosso
Senhor. Volto a dizer que culto não
é uma ditadura, mas também não é
uma anarquia. Deus não é um ditador,
mas governa sobre nós, exigindo
“decência e ordem” (1Coríntios
14.40).
UNIDADE. No culto individual,
somos nós e Deus, mas, no culto
coletivo, que é o nosso caso aqui,
somos nós, os outros e Deus.
ter concluído o ensino médio, por
exemplo. Não somos reconhecidos
na celebração litúrgica pelos títulos
conquistados, embora tenham a sua
importância, mas sim pelo amor,
que é o vínculo especial. A igreja é
realmente algo sublime, pois nela
todos aprendem e ensinam. É uma
troca mútua, na mediação de Jesus.

Para pensar e agir
O culto cristão deve ser centrado
em Deus. Nossas celebrações precisam
ser cristocêntricas. É um perigo para
a fé apoiar-se em extremos, ou seja,
o culto será frio e vazio de sentido
se o adorador entender Deus como
alguém totalmente distante dele,
demasiadamente transcendente. Por
outro lado, o culto será irreverente e
desvalorizado se o adorador entender
Deus como alguém à sua altura,
uma pessoa como qualquer outra. O
ideal é o entendimento de que Deus
é sempre mais do que nós, embora
se faça nosso amigo próximo. É
intimidade respeitosa. É submissão
alegre. Enfim, é relacionamento
saudável.

Leituras Diárias

É uma experiência em grupo,
reunindo pessoas diferentes, mas
que devem nutrir um ideal comum.
Daí a necessidade de unidade na
celebração litúrgica. A conhecida
ilustração das batatas cai bem agora,
pois batatas dentro de uma mesma
sacola simbolizam união e batatas
cozidas, amassadas e feitas em purê
simbolizam unidade. As batatas
juntas na sacola se espalham se a
abrirmos, mas um purê de batatas
selará a unidade das batatas daquele
momento em diante. O culto é
comparado ao purê de batatas.
Fomos todos cozidos, amassados e
transformados em purê pelo Espírito
Santo de Deus. As preferências
individuais serão sempre secundárias
diante das coletivas.
HUMILDADE. Há muitos outros
requisitos, mas concluiremos nossa
lista com a humildade. Há um ditado
popular que afirma que “ninguém é
tão grande que não possa aprender,
nem tão pequeno que não possa
ensinar”. Uma verdade visível e
possível no culto por intermédio da
humildade exemplificada por Cristo.
Não devemos ficar “armados”,
bloqueando o aprendizado de coisas
novas, pelo contrário, devemos nos
submeter a Deus, humildemente,
rogando que Ele continue usando seus
servos para nos ensinar. Na igreja não
deve haver preferências e honrarias
por titularidades acadêmicas ou
eclesiásticas. Ninguém será preferido
por ser doutor e preterido por não

Segunda
Terça
Quarta
Quinta
Sexta
Sábado
Domingo

Salmos 64 e 65
Salmos 66 e 67
Salmo 68
Salmo 69
Salmos 70 e 71
Salmo 72
Salmo 73

51
Data do Estudo

Licao 7
Texto Bíblico: Efésios 5.19; Colossenses 3.16

Estilos de culto

Introdução

F

alar em estilos de culto coletivo
é falar em liturgia. Enquanto
batistas usamos pouco o termo
liturgia. Para alguns, liturgia é “coisa
de católico”. Para outros, liturgia traz
a ideia de algo formatado, quadrado,
limitado. Nossa caminhada pelas
lições anteriores nos permite entender
que, na verdade, liturgia não é nem
uma coisa nem outra. Liturgia é tão
somente a “parte visível” do culto, é
a nossa tradicional “ordem de culto”,
que contém os elementos de tudo o
que acontece numa celebração.

52
Uma vez que liturgia é algo
secundário em relação ao culto,
a variação de estilos litúrgicos em
si não é um problema. Problema
seria a variação do culto, porque
comprometeria a essência. Mas,
para facilitar o nosso entendimento,
utilizaremos o termo “culto”
entendendo-o, nesta lição, como
“liturgia”. Com a devida explicação,
passemos a refletir no tema de hoje:
estilos de culto.

1. Culto nas igrejas batistas
Diferentemente das lições
anteriores, começaremos esta com um
pouco da história do culto batista1.
Há, pelo menos, três teorias sobre
a origem dos batistas. Sem entrar
no mérito, pois o propósito aqui não
é este, uma dessas teorias afirma
que a denominação batista nasceu
na Inglaterra. Isso aconteceu por
intermédio do ex-anglicano John
Smyth, um pastor da ala separatista,
que estava sendo perseguido. Face à
perseguição, Smyth mudou-se para a
Holanda e desligou-se dos separatistas
ingleses.
Smyth era contrário aos manuais
litúrgicos, pois entendia que esses
livros eram obstáculos à adoração no
culto. O culto de Smyth era longo,
1  Denise Frederico, nossa irmã em Cristo e membro
de uma igreja batista da CBB, publicou algumas obras
interessantes sobre esse assunto, que foram úteis
durante as pesquisas de preparação das lições. Indico,
nesta ocasião, a leitura de FREDERICO, Denise. O que é
liturgia? Rio de Janeiro: MK, 2004.

centrado no sermão, mas dando
oportunidade para que os presentes
debatessem o assunto explicado
pelo pastor. Eram cultos parecidos
com o modelo atual de Escola Bíblica
Dominical.
O Pastor Smyth também não
permitia que fossem utilizados materiais
impressos. Para ele, o importante era
que a Palavra fosse pregada e que o
Espírito Santo tivesse liberdade para
orientar a ordem litúrgica.
Nos dias atuais, há várias tendências
de estilos de culto nas igrejas batistas.
Vejamos algumas2:
•	 A que segue uma estrutura de
culto baseada em Isaías 6.1-8,
transplantada pelos missionários
norte-americanos, que a ensinaram
nos seminários teológicos. Essa
liturgia seria “tradicional” ou
“erudita”, porque praticamente
só é usada nas igrejas onde há
ministros(as) de música ou pastores
que tenham sido alunos de
seminários da denominação.
•	 Existe uma liturgia que se pode
rotular como “temática”, uma vez
que nela são comemoradas datas
de interesse denominacional, tais
como: Dia de Missões Nacionais,
de Missões Mundiais, do Pastor, de
Educação Religiosa, além de outras
datas. Sendo assim, a ordem de
culto visa prestigiar cantos e leituras
que abordem o tema do dia.
2  Adaptação de FREDERICO, Denise. A música na
igreja evangélica brasileira. Rio de Janeiro: MK, 2007.
p.119.

53
•	 A liturgia que segue o tema do
sermão do pastor para aquele dia
e que pode ser denominada de
“liturgia homilética” 3.
•	 Existem igrejas que mantêm,
no culto dominicial da noite,
uma ordem de culto oriunda
dos metodistas “da fronteira”.
James White cita essa liturgia,
que ficou conhecida como
“liturgia sanduíche”. Ela consiste,
resumidamente, em música,
mensagem e música, sempre com
ênfase evangelística.
•	 Existe a “liturgia renovada”. Talvez
seja a que mais esteja se expandindo
dentro das igrejas batistas: é aquela
livre, espontânea, influenciada pelos
neopentecostais. Sua estrutura é
praticamente igual à das igrejas
carismáticas. Existem duas partes: a
primeira, com o chamado período
de louvor, em que inúmeros cânticos
são entoados, entremeados por
orações espontâneas feitas pela
equipe de cantores e instrumentistas
que lideram o momento. A segunda
parte consiste na exposição da
Palavra.
Ainda há aquelas igrejas que fazem
uma mistura de muitos dos tipos
descritos acima. Fica, então, difícil, dar
um nome para essa liturgia. Talvez o
nome mais apropriado seja “liturgia
livre”.
3  Homilética, numa explicação simples e direta, é a
arte de preparar e pregar sermões. Por isso, falar em
“liturgia homilética” significa dizer que a ordem de culto
(liturgia) será elaborada à luz do assunto da mensagem
(homilética).

54

2. Princípios para o culto
Diante de tantos estilos, não seria
sábio brigar por um ou mais deles. De
igual forma, não é o melhor caminho
buscar uma uniformidade. Creio que o
razoável é primar pelos princípios que
fazem de nós o que somos. Destacarei
dois elementos fundamentais para a
nossa reflexão:
MÚSICA. Esta é uma das questões
mais importantes quando se fala em
zelo pela liturgia, porque a música fica
mais facilmente gravada em nossas
mentes. A seleção das músicas para o
culto cristão deve ser muito bem feita,
passando um rigoroso “pente fino”.
Quando se fala em seleção de
músicas para o culto, deve-se
levar em conta a comunidade de
fé. Não devemos moldar a liturgia
esquecendo-nos das pessoas que
participam do culto. O teólogo Erik
Routley afirmou que a qualidade
básica para que uma música sirva
à liturgia é que ela seja acessível às
pessoas comuns. Ao usar o termo
comuns, ele se referiu à variedade de
pessoas que vão aos cultos: gente
de classes sociais diferentes, de
idades diversas, de culturas distintas.
Regra geral, as músicas que ficam
em nossa mente e que nos pegamos
cantarolando no dia a dia têm essas
características. Geralmente são
simples, com frases musicais curtas e
repetições que ajudam a gravá-las.
Pensando na música para o
culto, deve-se também pensar na
Para pensar e agir
Na maioria das vezes, mais
importante do que conhecer o
“porquê” de alguma coisa é saber o
“para que”.
Certa vez uma pessoa perguntou ao
pastor o que ele achava de orar com

a mão para cima. O pastor respondeu
que achava a mesma coisa de orar
com a mão para baixo.
Quando a igreja se prende às coisas
secundárias ela se perde no caminho.
Devemos nos focar no essencial, no
que faz o culto ser verdadeiramente
culto.
Há uma velha ilustração de uma
igreja que se dividiu em três por causa
de uma bobagem. Um professor da
EBD começou a pensar que, se Adão
não tinha nascido da barriga de uma
mulher, não teria cordão umbilical,
logo, não teria umbigo. Então ele
começou a defender a tese de que
Adão não tinha umbigo. Um grupo
concordou, outro grupo discorcou
efusivamente e outro ficou na dúvida,
esperando o grupo vencedor para se
unir a ele. Foi uma confusão, porque
havia aquele irmão que não falava
com o outro porque não cria no
umbigo de Adão.
É muito triste quando a igreja, que
tem tanta coisa para fazer por Cristo,
se prende a detalhes insignificantes,
como o umbigo de Adão. Fujamos
dessas mediocridades e avancemos na
qualidade litúrgica que Deus merece.

Leituras Diárias

sua teologia. Nossas crenças, como
batistas, precisam transparecer nas
músicas que cantamos. É muito triste
mentir, mesmo que seja cantando
com a congregação no culto. Cantar
o que não se crê, só porque está
“bonbando” na mídia, é incoerente.
DOUTRINA. O mau uso do
termo desgatou um pouco o valor
da doutrina em algumas igrejas. Há
pessoas que têm verdadeiro pavor
quando se fala em doutrina, pois
pensam logo em algo limitador da
adoração. Doutrina não é limitadora,
é norteadora. Toda igreja tem uma
doutrina, mesmo que assuma não
tê-la. Nós, batistas, temos nosso corpo
de doutrinas. São esses os ensinos
que devemos proclamar no culto:
ensinos de Cristo. Doutrina é a forma
como sistematizamos, no dia a dia da
comunidade de fé, o aprendizado dos
ensinamentos de Cristo, exarados na
Palavra.
Descuidar da doutrina é entregar
o culto coletivo aos devaneios dos
modismos. É possível um culto
vibrante, dinâmico, participativo e bem
doutrinado, pois doutrina está acima
de estilo de culto.

Segunda
Terça
Quarta
Quinta
Sexta
Sábado
Domingo

Salmos 74 e 75
Salmos 76 e 77
Salmo 78
Salmos 79 e 80
Salmos 81 e 82
Salmos 83 e 84
Salmo 85

55
Data do Estudo

Licao 8
Texto Bíblico: Êxodo 15.1-18

Música na Bíblia, 1

Introdução

A

música, embora tão admirada,
ainda tende a ser um assunto
controvertido no culto,
lamentavelmente. O problema não
está na preferência de determinado
estilo musical, mas na intolerância com
os outros estilos musicais.
Entre nós, batistas, a inclusão da
música no culto não foi um assunto
fácil. Benjamim Keach foi quem
introduziu o canto nas igrejas batistas
inglesas. Keach conseguiu, em 1673,
que a igreja em Horsleydown cantasse
um hino no fim da ceia, permitindo
que os contrários se retirassem antes
de ser cantado1.
Nesta e quaisquer outras questões,
a Bíblia é quem define, até porque

1  FREDERICO, Denise. Liturgia: das origens até os
batistas brasileiros. Porto Alegre: EST, 1994, p. 36.

56

nos é valioso demais o princípio da
autoridade da Bíblia como única regra
de fé e prática.
Por isso, vamos caminhar, de forma
bem resumida, pelas páginas bíblicas,
com a finalidade de extrair o que a
Palavra diz sobre a música na prática
coletiva de culto.

1. Música no Antigo Testamento
Os judeus tinham músicas para
diversas ocasiões. Quando o povo
passou pelo mar Vermelho, entoou
com Moisés o hino que lemos como
texto de referência nesta lição (Êxodo
15.1-18).
É um primitivo cântico religioso
lindíssimo, acompanhado de
instrumentos e de uma responsiva
antífona, dirigida por Miriã, irmã de
Moisés: “Cantai ao Senhor, porque
triunfou gloriosamente; lançou no mar
o cavalo e o seu cavaleiro” (v. 21).
Moisés, no fim do seu ministério,
podemos assim dizer, deixou um hino
para Israel (Deuteronômio 32.1-43),
introduzido no capítulo 31: “Então
Moisés proferiu todas as palavras
deste cântico, enquanto toda a
assembleia de Israel o ouvia” (v. 30).
Após o cântico, o verso 44 arremata:
“Então Moisés veio e proferiu todas
as palavras deste cântico na presença
do povo, ele e Oseias, filho de Num”.
Antes de morrer, Moisés deixou uma
música para o seu povo!
Davi é outro exemplo de líder que
dava à música um lugar de destaque.
Foi com música que ele levou a arca
do concerto para o tabernáculo.
“Davi ordenou que os chefes dos
levitas escolhessem alguns músicos,
dentre seus parentes, para tocarem
instrumentos musicais, com lira, harpas
e címbalos, e cantarem com alegria”
(1Crônicas 15.16). O verso 28 volta a
falar dessa ordem, agora cumprida:
“Assim, todo Israel levou a arca da
aliança do Senhor, com júbilo, ao som
de cornetas, trombetas e címbalos,
acompanhado de liras e harpas.”
Em 2 Crônicas 5, encontramos a
música sendo utilizada na dedicação
do Templo construído por Salomão.
Interessante, também, é o fato do
maior livro da Bíblia – Salmos – ser um
hinário2.
2  Indico como leitura sobre o assunto a obra
de McCommom, que foi muito útil na pesquisa:
MCCOMMON, Paul. A Música na Bíblia. Rio de Janeiro:
JUERP, 1995.

2. Louvor e Adoração no Antigo
Testamento
A expressão “louvor e adoração”
tem sido muito comum nas
celebrações para designar o
momento em que a congregação,
conduzida por uma equipe de
músicos, entoa cânticos avulsos.
O perigo está em confundir o
momento de cânticos espirituais
como único momento de louvor e
adoração no culto. Os cânticos são
uma das expressões possíveis de
louvor e adoração.
Philip Yancey afirmou que “adorar
a Deus hoje significa preencher aos
brados todo e qualquer silêncio”
e, ainda, falou sobre um autor
de várias canções que se disse
preocupado com a música de
adoração que está pondo o foco
nos músicos e não em Deus3. Temos
de fugir desse erro!
G. Wainwright disse que “o louvor
público é também testemunho diante
do mundo. Deve ter Deus como seu
propósito (...). Um hino cuja intenção
não seja o louvor a Deus de alguma
forma deveria ser considerado uma
idolatria”4.
O verdadeiro ambiente de
adoração, conforme a visão de
Isaías 6.1-8, é aquele que conduz
o adorador à consciência dos
3  YANCEY, Philip. Prostar-se e beijar. In: Revista
Enfoque Gospel, jul/95, p. 98.
4  Geoffrey Wainwright foi citado em FREDERICO,
Denise. A Música na Igreja Evangélica Brasileira. Rio de
Janeiro: MK, 2007, p. 43.

57
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13
P&v 1 t13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Missão 13 - Junho 2012
Missão 13 - Junho 2012Missão 13 - Junho 2012
Missão 13 - Junho 2012
Fabiano Brito
 
Subsídios das Lições Bíblicas EBD - 4º Trimestre de 2013
Subsídios das Lições Bíblicas EBD - 4º Trimestre de 2013Subsídios das Lições Bíblicas EBD - 4º Trimestre de 2013
Subsídios das Lições Bíblicas EBD - 4º Trimestre de 2013
Anderson Silva
 
Evangélico antônio tadeu ayres - como tornar o ensino eficaz cpad
Evangélico   antônio tadeu ayres - como tornar o ensino eficaz cpadEvangélico   antônio tadeu ayres - como tornar o ensino eficaz cpad
Evangélico antônio tadeu ayres - como tornar o ensino eficaz cpad
manoel ramos de oliveira
 
Células do bosque estudos
Células do bosque estudosCélulas do bosque estudos
Células do bosque estudos
Airton Nunes
 
Larry crabb chega de regras
Larry crabb   chega de regrasLarry crabb   chega de regras
Larry crabb chega de regras
roneydecarvalho
 
Sabedoria breve manual do usuário sammis reachers
Sabedoria breve manual do usuário   sammis reachersSabedoria breve manual do usuário   sammis reachers
Sabedoria breve manual do usuário sammis reachers
Evandro Santos
 
Trilogias douradas
Trilogias douradas Trilogias douradas
Trilogias douradas
ArnaldoLucio
 
Apostila curso discipulado
Apostila curso discipuladoApostila curso discipulado
Apostila curso discipulado
Pastora Neide Quadrangular
 
ISCA - SETEMBRO 2011
ISCA - SETEMBRO 2011ISCA - SETEMBRO 2011
ISCA - SETEMBRO 2011
teatinos
 
Recebendo a-melhor-parte- sermão
Recebendo a-melhor-parte- sermãoRecebendo a-melhor-parte- sermão
Recebendo a-melhor-parte- sermão
Davidson Da Costa Ramos
 
Boletim Jovem Março 2012
Boletim Jovem Março 2012Boletim Jovem Março 2012
Boletim Jovem Março 2012
willams
 
Informativo 4 tri_2011
Informativo 4 tri_2011Informativo 4 tri_2011
Informativo 4 tri_2011
iestrj
 
Ebenezer 04
Ebenezer 04Ebenezer 04
Ebenezer 04
Isaias Silva
 
De um preto velho
De um preto velhoDe um preto velho
De um preto velho
Hebert Silva
 
Estudo de pais 33
Estudo de pais 33Estudo de pais 33
Estudo de pais 33
Fatoze
 
Boletim PG - set/10 - n07
Boletim PG - set/10 - n07Boletim PG - set/10 - n07
Boletim PG - set/10 - n07
Igreja Batista Betel
 
Discipulado Avançado II - MDA COMEJE
Discipulado Avançado II - MDA COMEJEDiscipulado Avançado II - MDA COMEJE
Discipulado Avançado II - MDA COMEJE
Roberto Trindade
 
Caminho de perfeição santa teresa
Caminho de perfeição   santa teresaCaminho de perfeição   santa teresa
Caminho de perfeição santa teresa
Fhelipe Augusto Silva
 
Dinamica Do Perfume Jose Eduardo E Kleilma
Dinamica Do Perfume Jose Eduardo E KleilmaDinamica Do Perfume Jose Eduardo E Kleilma
Dinamica Do Perfume Jose Eduardo E Kleilma
DIALOGO CONJUGAL DE UBERLANDIA
 
Apocalipse 16 de dezembro de 2012
Apocalipse 16 de dezembro de 2012Apocalipse 16 de dezembro de 2012
Apocalipse 16 de dezembro de 2012
Paróquia Bom Pastor
 

Mais procurados (20)

Missão 13 - Junho 2012
Missão 13 - Junho 2012Missão 13 - Junho 2012
Missão 13 - Junho 2012
 
Subsídios das Lições Bíblicas EBD - 4º Trimestre de 2013
Subsídios das Lições Bíblicas EBD - 4º Trimestre de 2013Subsídios das Lições Bíblicas EBD - 4º Trimestre de 2013
Subsídios das Lições Bíblicas EBD - 4º Trimestre de 2013
 
Evangélico antônio tadeu ayres - como tornar o ensino eficaz cpad
Evangélico   antônio tadeu ayres - como tornar o ensino eficaz cpadEvangélico   antônio tadeu ayres - como tornar o ensino eficaz cpad
Evangélico antônio tadeu ayres - como tornar o ensino eficaz cpad
 
Células do bosque estudos
Células do bosque estudosCélulas do bosque estudos
Células do bosque estudos
 
Larry crabb chega de regras
Larry crabb   chega de regrasLarry crabb   chega de regras
Larry crabb chega de regras
 
Sabedoria breve manual do usuário sammis reachers
Sabedoria breve manual do usuário   sammis reachersSabedoria breve manual do usuário   sammis reachers
Sabedoria breve manual do usuário sammis reachers
 
Trilogias douradas
Trilogias douradas Trilogias douradas
Trilogias douradas
 
Apostila curso discipulado
Apostila curso discipuladoApostila curso discipulado
Apostila curso discipulado
 
ISCA - SETEMBRO 2011
ISCA - SETEMBRO 2011ISCA - SETEMBRO 2011
ISCA - SETEMBRO 2011
 
Recebendo a-melhor-parte- sermão
Recebendo a-melhor-parte- sermãoRecebendo a-melhor-parte- sermão
Recebendo a-melhor-parte- sermão
 
Boletim Jovem Março 2012
Boletim Jovem Março 2012Boletim Jovem Março 2012
Boletim Jovem Março 2012
 
Informativo 4 tri_2011
Informativo 4 tri_2011Informativo 4 tri_2011
Informativo 4 tri_2011
 
Ebenezer 04
Ebenezer 04Ebenezer 04
Ebenezer 04
 
De um preto velho
De um preto velhoDe um preto velho
De um preto velho
 
Estudo de pais 33
Estudo de pais 33Estudo de pais 33
Estudo de pais 33
 
Boletim PG - set/10 - n07
Boletim PG - set/10 - n07Boletim PG - set/10 - n07
Boletim PG - set/10 - n07
 
Discipulado Avançado II - MDA COMEJE
Discipulado Avançado II - MDA COMEJEDiscipulado Avançado II - MDA COMEJE
Discipulado Avançado II - MDA COMEJE
 
Caminho de perfeição santa teresa
Caminho de perfeição   santa teresaCaminho de perfeição   santa teresa
Caminho de perfeição santa teresa
 
Dinamica Do Perfume Jose Eduardo E Kleilma
Dinamica Do Perfume Jose Eduardo E KleilmaDinamica Do Perfume Jose Eduardo E Kleilma
Dinamica Do Perfume Jose Eduardo E Kleilma
 
Apocalipse 16 de dezembro de 2012
Apocalipse 16 de dezembro de 2012Apocalipse 16 de dezembro de 2012
Apocalipse 16 de dezembro de 2012
 

Destaque

Paginas Internet
Paginas InternetPaginas Internet
Paginas Internet
José Augusto Fiorin
 
Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02 Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02
Flavio Chaves
 
Jmv 10 maio_2015
Jmv 10 maio_2015Jmv 10 maio_2015
Jmv 10 maio_2015
Jornal Mais Vida
 
Receitas Juninas Arroz Doce Farofa Bolo De Milho
Receitas  Juninas  Arroz  Doce  Farofa  Bolo De  MilhoReceitas  Juninas  Arroz  Doce  Farofa  Bolo De  Milho
Receitas Juninas Arroz Doce Farofa Bolo De Milho
festa junina
 
Jornal o correio da mantiqueira nº 2
Jornal o correio da mantiqueira nº 2Jornal o correio da mantiqueira nº 2
Jornal o correio da mantiqueira nº 2
Ciclismo Naserra
 
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
Adilson Moreira
 
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vidaAssistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Nayara Dávilla
 
Plegable brucelosis ICA
Plegable brucelosis ICAPlegable brucelosis ICA
Plegable brucelosis ICA
razasbovinasdecolombia
 
Plegable tuberculosis ICA
Plegable tuberculosis ICAPlegable tuberculosis ICA
Plegable tuberculosis ICA
razasbovinasdecolombia
 
Quinta verti brasil
Quinta verti brasil Quinta verti brasil
Quinta verti brasil
Geraldo Souza
 
Razas de ganado del catalogo oficial de españa
Razas de ganado del catalogo oficial de españaRazas de ganado del catalogo oficial de españa
Razas de ganado del catalogo oficial de españa
razasbovinasdecolombia
 
Queso ovino
Queso ovinoQueso ovino
Cri leite zebu 2015
Cri leite zebu 2015Cri leite zebu 2015
Cri leite zebu 2015
razasbovinasdecolombia
 
Tuberculosis y paratuberculosis bovina
Tuberculosis y paratuberculosis bovinaTuberculosis y paratuberculosis bovina
Tuberculosis y paratuberculosis bovina
razasbovinasdecolombia
 
Planta piloto para la elaboración de queso y yogur
Planta piloto para la elaboración de queso y yogurPlanta piloto para la elaboración de queso y yogur
Planta piloto para la elaboración de queso y yogur
razasbovinasdecolombia
 
Tecnología para la elaboración de queso y yogurt
Tecnología para la elaboración de queso y yogurtTecnología para la elaboración de queso y yogurt
Tecnología para la elaboración de queso y yogurt
razasbovinasdecolombia
 
Relacion nutricion fertilidad en bovinos
Relacion  nutricion fertilidad en bovinosRelacion  nutricion fertilidad en bovinos
Relacion nutricion fertilidad en bovinos
razasbovinasdecolombia
 
Razas y mejoramiento genetico de bovinos de doble proposito
Razas y mejoramiento genetico de bovinos de doble propositoRazas y mejoramiento genetico de bovinos de doble proposito
Razas y mejoramiento genetico de bovinos de doble proposito
razasbovinasdecolombia
 

Destaque (18)

Paginas Internet
Paginas InternetPaginas Internet
Paginas Internet
 
Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02 Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02
 
Jmv 10 maio_2015
Jmv 10 maio_2015Jmv 10 maio_2015
Jmv 10 maio_2015
 
Receitas Juninas Arroz Doce Farofa Bolo De Milho
Receitas  Juninas  Arroz  Doce  Farofa  Bolo De  MilhoReceitas  Juninas  Arroz  Doce  Farofa  Bolo De  Milho
Receitas Juninas Arroz Doce Farofa Bolo De Milho
 
Jornal o correio da mantiqueira nº 2
Jornal o correio da mantiqueira nº 2Jornal o correio da mantiqueira nº 2
Jornal o correio da mantiqueira nº 2
 
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
 
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vidaAssistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
 
Plegable brucelosis ICA
Plegable brucelosis ICAPlegable brucelosis ICA
Plegable brucelosis ICA
 
Plegable tuberculosis ICA
Plegable tuberculosis ICAPlegable tuberculosis ICA
Plegable tuberculosis ICA
 
Quinta verti brasil
Quinta verti brasil Quinta verti brasil
Quinta verti brasil
 
Razas de ganado del catalogo oficial de españa
Razas de ganado del catalogo oficial de españaRazas de ganado del catalogo oficial de españa
Razas de ganado del catalogo oficial de españa
 
Queso ovino
Queso ovinoQueso ovino
Queso ovino
 
Cri leite zebu 2015
Cri leite zebu 2015Cri leite zebu 2015
Cri leite zebu 2015
 
Tuberculosis y paratuberculosis bovina
Tuberculosis y paratuberculosis bovinaTuberculosis y paratuberculosis bovina
Tuberculosis y paratuberculosis bovina
 
Planta piloto para la elaboración de queso y yogur
Planta piloto para la elaboración de queso y yogurPlanta piloto para la elaboración de queso y yogur
Planta piloto para la elaboración de queso y yogur
 
Tecnología para la elaboración de queso y yogurt
Tecnología para la elaboración de queso y yogurtTecnología para la elaboración de queso y yogurt
Tecnología para la elaboración de queso y yogurt
 
Relacion nutricion fertilidad en bovinos
Relacion  nutricion fertilidad en bovinosRelacion  nutricion fertilidad en bovinos
Relacion nutricion fertilidad en bovinos
 
Razas y mejoramiento genetico de bovinos de doble proposito
Razas y mejoramiento genetico de bovinos de doble propositoRazas y mejoramiento genetico de bovinos de doble proposito
Razas y mejoramiento genetico de bovinos de doble proposito
 

Semelhante a P&v 1 t13

dialogo alun 4t13 adolescente b atista
dialogo alun 4t13 adolescente b atistadialogo alun 4t13 adolescente b atista
dialogo alun 4t13 adolescente b atista
♥Marcinhatinelli♥
 
A arte perdida de fazer discípulos
A arte perdida de fazer discípulosA arte perdida de fazer discípulos
A arte perdida de fazer discípulos
jovensonossoalvo
 
Folder smj encontro dia 29 11 Família e juventude
Folder smj encontro dia 29 11 Família e juventudeFolder smj encontro dia 29 11 Família e juventude
Folder smj encontro dia 29 11 Família e juventude
Manoel Nerys de Almeida
 
COMO TORNAR O ENSINO EFICAZ - ANTÔNIO TADEU AYRES.pdf
COMO TORNAR O ENSINO EFICAZ - ANTÔNIO TADEU AYRES.pdfCOMO TORNAR O ENSINO EFICAZ - ANTÔNIO TADEU AYRES.pdf
COMO TORNAR O ENSINO EFICAZ - ANTÔNIO TADEU AYRES.pdf
DENISE DE ALMEIDA
 
Bimba kids teen - 09-02-2014 (1)
Bimba kids teen - 09-02-2014 (1)Bimba kids teen - 09-02-2014 (1)
Bimba kids teen - 09-02-2014 (1)
Regina Lissone
 
Cartilhas 3 e juv
Cartilhas 3 e juvCartilhas 3 e juv
Cartilhas 3 e juv
Alice Lirio
 
Quem é Esse Jesus
Quem é Esse JesusQuem é Esse Jesus
Quem é Esse Jesus
Sergio Cabral
 
Pensamentos Elevados #8: Santos! Jo 14.23
Pensamentos Elevados #8: Santos! Jo 14.23Pensamentos Elevados #8: Santos! Jo 14.23
Pensamentos Elevados #8: Santos! Jo 14.23
Andre Nascimento
 
Quero seguir-te - Pe. Marcos lvim
Quero seguir-te - Pe. Marcos lvimQuero seguir-te - Pe. Marcos lvim
Quero seguir-te - Pe. Marcos lvim
Manuel Pereira Gonçalves
 
A equipe de jesus.pdf
A equipe de jesus.pdfA equipe de jesus.pdf
A equipe de jesus.pdf
Geazi San
 
Apostila ensinoreligioso
Apostila ensinoreligiosoApostila ensinoreligioso
Apostila ensinoreligioso
Ronaldo Russou
 
Boletim Março 2012
Boletim Março 2012Boletim Março 2012
Boletim Março 2012
willams
 
Plano de ensino religião
Plano de ensino  religiãoPlano de ensino  religião
Plano de ensino religião
simonclark
 
01 principios-elementares2006
01 principios-elementares200601 principios-elementares2006
01 principios-elementares2006
Marcos Luiz DA Silva
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Débora Martins
 
Mc52-artefinal
Mc52-artefinalMc52-artefinal
Mc52-artefinal
Helen Fernandes
 
223839928 apostila-ensino-religioso (1)
223839928 apostila-ensino-religioso (1)223839928 apostila-ensino-religioso (1)
223839928 apostila-ensino-religioso (1)
educaedil
 
Claudio Zeus
Claudio ZeusClaudio Zeus
Claudio Zeus
RODRIGO ORION
 
Umbanda sem medo 3
Umbanda sem medo 3Umbanda sem medo 3
Umbanda sem medo 3
Cristiano1983delf
 
Boletim 323 - 17/02/13
Boletim 323 - 17/02/13Boletim 323 - 17/02/13
Boletim 323 - 17/02/13
stanaami
 

Semelhante a P&v 1 t13 (20)

dialogo alun 4t13 adolescente b atista
dialogo alun 4t13 adolescente b atistadialogo alun 4t13 adolescente b atista
dialogo alun 4t13 adolescente b atista
 
A arte perdida de fazer discípulos
A arte perdida de fazer discípulosA arte perdida de fazer discípulos
A arte perdida de fazer discípulos
 
Folder smj encontro dia 29 11 Família e juventude
Folder smj encontro dia 29 11 Família e juventudeFolder smj encontro dia 29 11 Família e juventude
Folder smj encontro dia 29 11 Família e juventude
 
COMO TORNAR O ENSINO EFICAZ - ANTÔNIO TADEU AYRES.pdf
COMO TORNAR O ENSINO EFICAZ - ANTÔNIO TADEU AYRES.pdfCOMO TORNAR O ENSINO EFICAZ - ANTÔNIO TADEU AYRES.pdf
COMO TORNAR O ENSINO EFICAZ - ANTÔNIO TADEU AYRES.pdf
 
Bimba kids teen - 09-02-2014 (1)
Bimba kids teen - 09-02-2014 (1)Bimba kids teen - 09-02-2014 (1)
Bimba kids teen - 09-02-2014 (1)
 
Cartilhas 3 e juv
Cartilhas 3 e juvCartilhas 3 e juv
Cartilhas 3 e juv
 
Quem é Esse Jesus
Quem é Esse JesusQuem é Esse Jesus
Quem é Esse Jesus
 
Pensamentos Elevados #8: Santos! Jo 14.23
Pensamentos Elevados #8: Santos! Jo 14.23Pensamentos Elevados #8: Santos! Jo 14.23
Pensamentos Elevados #8: Santos! Jo 14.23
 
Quero seguir-te - Pe. Marcos lvim
Quero seguir-te - Pe. Marcos lvimQuero seguir-te - Pe. Marcos lvim
Quero seguir-te - Pe. Marcos lvim
 
A equipe de jesus.pdf
A equipe de jesus.pdfA equipe de jesus.pdf
A equipe de jesus.pdf
 
Apostila ensinoreligioso
Apostila ensinoreligiosoApostila ensinoreligioso
Apostila ensinoreligioso
 
Boletim Março 2012
Boletim Março 2012Boletim Março 2012
Boletim Março 2012
 
Plano de ensino religião
Plano de ensino  religiãoPlano de ensino  religião
Plano de ensino religião
 
01 principios-elementares2006
01 principios-elementares200601 principios-elementares2006
01 principios-elementares2006
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Mc52-artefinal
Mc52-artefinalMc52-artefinal
Mc52-artefinal
 
223839928 apostila-ensino-religioso (1)
223839928 apostila-ensino-religioso (1)223839928 apostila-ensino-religioso (1)
223839928 apostila-ensino-religioso (1)
 
Claudio Zeus
Claudio ZeusClaudio Zeus
Claudio Zeus
 
Umbanda sem medo 3
Umbanda sem medo 3Umbanda sem medo 3
Umbanda sem medo 3
 
Boletim 323 - 17/02/13
Boletim 323 - 17/02/13Boletim 323 - 17/02/13
Boletim 323 - 17/02/13
 

Último

Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 

Último (10)

Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 

P&v 1 t13

  • 1. SUMÁRIO 05 Primeiras Palavras Vivendo um novo tempo! 10 13 LIÇÕES 28 O que é culto 32 Cultuar é necessário 36 Adoração extravagante, 1 40 Adoração extravagante, 2 44 Adoração sincera 48 Deus: o principal oficiante do culto data Palavras do redator O que é adorar? data data data Educação Religiosa A Sagrada Engenharia 17 data data 20 Igreja Unidade e solidariedade 52 Estilos de culto 56 Música na Bíblia, 1 60 Música na Bíblia, 2 64 Cristo: assunto central no culto data data 23 Vida Cristã Pecado Zero, Viva o lado santificado da vida! data data 68 Músicos ou Levitas? 72 Viver para cultuar 76 Adoração e Missão data 27 Saúde Emocional Do solidário ao solitário – percurso amigo no viver de irmão Apresentação data data
  • 2. Quero parabenizar o pastor José Gomes da Silva (Igreja Batista de Ponte Preta – Queimados – RJ), pelo excelente comentário sobre o livro de “Neemias”, em que o autor abordou com muita propriedade a “Destruição de Jerusalém”, pelos Babilônicos, dando início ao cativeiro. A cidade foi totalmente arrasada, os judeus sofreram muito. Quero ressaltar a visão de Neemias na restauração dos muros de Jerusalém em cinquenta e dois dias, sofrendo oposição de Sambalate, Tobias e outros, mas não recuou um só instante. Quantos sofrimentos, quantas vidas destroçadas, até a cultura do povo foi prejudicada. Confesso que aprendi muito nestas 13 lições em que o autor abordou com muita profundidade, extraindo de um “Resumo Histórico” acontecimentos de um povo que foi escolhido por Deus para ser o porta-voz às nações, mas negligenciaram e foram derrotados pelos opositores babilônicos. Quero registrar também meus cumprimentos aos autores das demais matérias publicadas na revista e solicito ao pastor Francisco Nicodemos Sanches que escreva as 13 lições sobre o livro de Jó, pelo qual tenho muita apreciação, pelo seu conteúdo doutrinário profundo, que certamente trará muita contribuição às igrejas batistas. Fica aqui registrada a minha contribuição. Cordialmente, Ailton Marques 1ª IB Mesquita / RJ Quero mas uma vez parabenizar a revista Palavra e Vida, que já faz parte da minha vida, pois todos os dias estudo as lições e tenho aprendido muito. Quero parabenizar o pastor Lécio Dornas pela iniciativa de colocar o significado de palavras não muito comuns no nosso vocabulário diário. Falei sobre isso na revista outubro/novembro/dezembro 2009, sobre a dificuldade de pessoas entenderem as lições, por muitas delas não terem acesso a dicionários, por isso quando olhei a revista deste trimestre fiquei muito feliz. A paz do Senhor para todos.  André Marcos Porto Nascimento 3ª IB de Macaé - RJ Olá, queridos! Graça e Paz! As lições do 4º trimestre estão ótimas, contextualizadas. Aliás, as lições do 2º e 3º estão se complementando. Parabéns! Quero salientar a necessidade de uma revisão detalhada, cuidadosa, com relação aos vocábulos empregados nas lições. Se estamos em uma “Escola” precisamos ser práticos e facilitadores. Gosto das palavras rebuscadas, mas elas se encaixam melhor nos “halls” das universidades e não nos bancos da EBD. Deduz-se que, caso os professores tenham alguma dificuldade, recorram ao dicionário ou internet, mas, e aqueles alunos que não têm acesso  estes? Sem 2
  • 3. falar que pode interromper uma linha de raciocínio enquanto se vai à busca de ajuda. Salomão, o mais sábio dos homens, escreveu “teses” profundas, mas de fácil assimilação. O que dizer de Jesus, o Mestre dos mestres, a essência da sabedoria, que usava as coisas simples para ensinar grandes verdades. Até as crianças estavam ao redor dele! Faço questão de ler as “prédicas” dos pastores José Maria de Souza e Marcos Zumpichiatte, quanta profundidade com tanta simplicidade! E as palavras da Lucimery (tive a honra de conhecê-la no Congresso de EBD em Austin (ela é bênção pura!) falou exatamente o que aconteceu comigo em 2010 quando eu quis recusar ser diretora de EBD: Deus me perguntou o que eu tinha nas mãos e me fez lembrar o milagre que foi conquistar o bacharelado. E quando as coisas ficaram complicadas e resolvi parar, Deus me levou até Eclesiastes 9.4,10. Por isso, enquanto eu tiver o sopro da vida e a graça de Deus, procurarei ajudar aqueles que Deus me confiou. Glórias, honras, adoração e louvor ao único que é digno de receber: o Deus Todo-Poderoso! Um forte abraço a todos. Jaine P. S. Alexandrino 1ª IB em Piraí/RJ Olá, Irmã Lucimery Ontem recebi a revista do trimestre e fiquei muito feliz em ler um artigo seu. Realmente Deus a abençoou com o dom da escrita, porém mais que isso, o discernimento que você tem, a visão do todo. Irmã, me identifiquei muito. Sou do tipo que utiliza todos os recursos disponíveis... se não tem isso, uso aquilo, e assim realizamos a obra. Eu era membro de uma igreja maior, mais cidade. Quando me transferi para Vila Brasil em Itaboraí e apareci na EBD com tiras de papel com tópicos previamente escritos. Para minha surpresa a classe amou, o diretor veio me parabenizar. Eu pensei: Se aparecesse na outra igreja com isso seria chamada de arcaica. Fiz recentemente o estudo do Manual na JCA utilizando um álbum seriado, confeccionado por mim. Foi um sucesso e serviu de exemplo no treinamento de professores da EBD. Obrigada por reforçar a ideia que o que vier às nossas mãos precisa ser bemfeito com os recursos disponíveis. Deus a abençoe constantemente, como tem feito. Fico aqui orando e aguardando sua próxima palavra. Beijão, Nilma Beltrão  Escreva para nossa redação. contato@batistafluminense.org.br Mande suas sugestões, críticas e observações. 3
  • 4.
  • 5. Primei Vivendo um novo tempo! “Então lhes contou esta parábola: ‘Ninguém tira um remendo de roupa nova e o costura em roupa velha; se o fizer, estragará a roupa nova, além do que o remendo da nova não se ajustará à velha. E ninguém põe vinho novo em vasilha de couro velha; se o fizer, o vinho novo rebentará a vasilha, se derramará, e a vasilha se estragará. Ao contrário, vinho novo deve ser posto em vasilha de couro nova.’” Lucas 5.36-38 N aturalmente que no Mundo Antigo não havia vasilhames de vidro e plástico, senão cantis feitos de peles de animais e moringas feitas de barro. O texto antes fala do remendo novo que não deve ser colocado em roupa velha, pois esta não resistiria e acabaria se rompendo causando desperdício de tempo e recursos. Dentro da cultura do seu tempo, como lhe era de costume, Jesus usa estas duas figuras: remendo novo em roupa velha e vinho novo em odres velhos, para falar de mudanças e transformações. De um modo geral podemos afirmar que há um princípio claro nessa parábola: realidades e situações novas requerem estruturas novas para serem vivenciadas. De um outro ponto de vista, podemos afirmar que se desejamos resultados diferentes em um novo tempo, precisamos ter ações ou atitudes diferentes, caso contrário, como temos aprendido, é insanidade. Se você vai para uma atividade nova, seja um esporte, um trabalho, uma situação nova, 5
  • 6. normalmente isso vai exigir de você que aprenda habilidades novas. Por exemplo, se você vai entrar num relacionamento novo no emprego, nos estudos, na vizinhança, e até mesmo no casamento e vida em família, isso vai requerer de você a capacidade de adquirir novas atitudes. Se você deseja viver um novo tempo, se as nossas igrejas desejam experimentar um novo tempo, ainda que entremos num novo ano, isso não ocorre de modo automático. Quantas e quantas vezes vemos pessoas, famílias, empresas, igrejas entrarem num novo tempo (ano) e não experimentarem nada novo. Sem dúvida, um novo tempo vai estar relacionado sempre a novas atitudes. Aplicando à vida pessoal, o que poderia ser chamado de odres velhos ou remendos velhos? Velhas maneiras de pensar, hábitos velhos, velhos modos de agir, de falar, de responder. Aplicando à vida da igreja, poderíamos falar de estratégias que já deram certo e hoje pela conjuntura atual já não funcionam mais, ainda que no passado tenham produzido bons frutos, mas hoje já não produzem mais. Que tal diante de um novo ano, fazermos uma revisão dos nossos procedimentos, de nossos hábitos, de nossas estratégias? Nós não 6 precisamos abrir mão de nossas convicções, para nos abrirmos para novas estratégias e metodologias. Considerando esta possibilidade quero desafiá-lo a, diante dos novos problemas, reagir com criatividade; diante das novas pressões reagir com convicção e diante das novas possibilidades, reagir com coragem. Em primeiro lugar, diante dos novos problemas reaja com criatividade. Se você tem dúvidas, eu tenho certeza que você enfrentará muitos problemas em 2013 e vários deles se apresentarão de forma que você não estava acostumado a enfrentar. Tenho aprendido que ser inteligente é ter a capacidade de estar aberto a novas ideias e até mesmo a procurar por elas. Posso afirmar, pela observação, que a maioria das pessoas gasta mais tempo e energia girando em volta dos problemas do que tentando resolvê-los com criatividade. Ser criativo na busca de solução dos velhos e novos problemas implica você deliberadamente evitar endurecer em suas opiniões. Lembro-me muito bem quando fazia os meus trabalhos de seminário e com muito custo usava a máquina de escrever, quando era possível. Pode rir, mas sou desse tempo. Algum tempo depois, numa instituição, mesmo com a chegada do computador, ainda era
  • 7. proibido entregar os trabalhos de pós-graduação digitados, tinham que ser datilografados. Hoje, é impossível se pensar num trabalho de pós-graduação que não seja preparado em um computador. Diante dos novos problemas, vamos reagir com criatividade. Em segundo lugar, diante das novas pressões, reaja com convicção. Uma coisa é a capacidade criativa para buscar estratégias novas e outra coisa é manter a nossa convicção diante das pressões da vida. “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformemse pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”. Romanos 12.2 O ensino do texto é que não se pode permitir que o mundo molde você, as suas convicções, mas ao contrário você vai se deixar ser moldado por Deus. Nada pode ser mais valioso do que o conjunto de crenças que temos conosco. De acordo com o que cremos vamos ser bem ou malsucedidos em nossas vidas em todas as áreas. A guerra não é uma coisa boa, mas apenas para ilustrar, a guerra para alguns é apenas uma tarefa que se cumpre em nome de algum país, enquanto para outros, é uma questão de honra, de luta por um ideal. O diferencial é o que se crê, são os valores que se tem. Pergunto eu: quais são os valores em que você acredita pessoalmente, como família? Quais são os valores inegociáveis de sua igreja? Um líder sem convicção não vai a lugar algum com os seus liderados. Pessoas sem convicção não realizam grandes coisas. Diria que uma frase que revela convicção seria: Farei somente a coisa certa não importando quais sejam as consequências. Daniel, o servo de Deus da Bíblia, fez isso. Diante do manjar do Rei, posicionou-se em não comê-lo, correndo todos os riscos. O resultado foi a bênção de Deus sobre sua vida. Faça uma reflexão pessoal, diante da oportunidade de viver um novo ano, rever os seus valores e suas convicções, sendo eles coerentes com Deus e com a sua Palavra, reafirme-os e Deus abençoará você. Em terceiro lugar, diante das novas possibilidades, reaja com coragem. Se um novo ano traz consigo novas possibilidades isso pode significar uma oportunidade de crescimento. Quando uma porta se abre, se temos a certeza de que é de Deus para nós, devemos reagir com fé, com coragem. Eu creio que Deus ao nos dar um novo tempo, está nos dando também novas possibilidades. Precisamos estar 7
  • 8. com os olhos abertos para elas e nos lançarmos para realizá-las, ainda que isso signifique correr algum risco. A bem da verdade, você se lembra de algum ato de fé na Bíblia que não tinha consigo riscos iminentes? Que tal identificar velhos e maus hábitos e lutar contra eles mudando para novos e bons hábitos abençoados por Deus? Que tal adotarmos uma disciplina específica seja relacionada à vida espiritual, física, familiar ou até mesmo profissional, visando obtermos resultados novos e duradouros? O que você espera colher de forma diferente do que você tem colhido até aqui, requer que você semeie. Uma colheita diferente na vida familiar, financeira, física, espiritual, familiar, profissional, requer uma semeadura diferente e corajosa. Diz a Bíblia: “Pois o que o homem semear, isso 8 também colherá” (Gálatas 6.7). Se você deseja que sua vida material cresça, que sua vida espiritual cresça, que a sua igreja cresça, você precisa estar aberto a assumir novos compromissos com coragem e fé. Vivendo um novo tempo: diante de novos problemas ou situações, use a sua criatividade dada por Deus; diante das pressões sejam elas quais forem, aja com convicção e baseado nos seus valores; diante das novas possibilidades, mantenha a coragem e a fé. Aproveite a ocasião de um novo ano, para que com ele você viva de fato um novo tempo do agir de Deus em sua vida, em sua história, em sua liderança e na vida da sua igreja. José Maria de Souza Pastor, diretor executivo da CBF
  • 9.
  • 10. O que é adorar? “Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem.” (João 4.23)    Jesus afirma com autoridade que o Pai procura adoradores que o adorem em espírito e em verdade, porque Deus sempre quis do homem uma atitude de adoração verdadeira e voluntária. Por isso nós, que hoje nos levantamos como adoradores, se queremos adorar ao Senhor da maneira certa devemos antes entender o verdadeiro significado da adoração.   ADORAR: O dicionário Aurélio define adoração como culto a uma divindade; culto, reverência e veneração. O mesmo dicionário define o verbo adorar como render culto a (divindade); reverenciar, venerar (Dicionário Aurélio Eletrônico). No original grego encontramos a palavra proskuneo, que tem como significado: prostrarse, vergar-se, obedecer, mostrar reverência, homenagear, louvar, adorar. Na adoração a Deus não existe uma fórmula exata de como fazer ou um modelo de adoração predefinido. A adoração é algo que deve ser feito com espontaneidade, voluntariedade, em espírito e em verdade como o próprio Jesus falou. A mulher samaritana trouxe a Jesus uma pergunta muito difícil de ser respondida, pois qualquer um que não fosse entendido diria que o modelo certo de adoração 10
  • 11. seria o da sua igreja. Aquela mulher sendo samaritana sabia que os seus pais adoravam nos montes, mas ela também sabia que Jesus era judeu e que os judeus adoravam em Jerusalém, no Templo feito para adoração. Porém Jesus conhece o verdadeiro significado da adoração e ao responder Ele nos dá uma lição, uma grande lição. Não existe lugar específico para adorar a Deus. Os samaritanos subiam os montes para adorar, mas ao descer esqueciam todo o sentido da reverência e o verdadeiro amor ao Pai, enquanto que os judeus iam ao Templo para adorar, faziam longas viagens até Jerusalém no intuito de adorarem a Deus, mas também não conseguiam entender o verdadeiro sentido da adoração. Jesus responde: nem nos montes, nem em Jerusalém, mas em espírito e em verdade. O que será que Jesus quis dizer com este “adorar em espírito e em verdade”?  Adorar em espírito e em verdade, implica buscar a Deus de todo o nosso coração: Deus nos garantiu que o acharíamos, ao buscá-lo de todo o nosso coração (Jr 29.12,13 – “Então vocês clamarão a mim, virão orar a mim, e eu os ouvirei. Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração”). O rei Davi entendeu muito bem este fato e escreveu salmos lindos, contando este fato: 11 Sl 111.1 “Aleluia! De todo o coração renderei graças ao Senhor, na companhia dos justos e na assembleia”. Sl 138.1,2 “Render-te-ei graças, Senhor, de todo o meu coração; na presença dos poderosos te cantarei louvores. Prostrar-me-ei para o teu santo templo e louvarei o teu nome, por causa da tua misericórdia e da tua verdade, pois magnificaste acima de tudo o teu nome e a tua palavra”. Deus está à procura de adoradores. Mas Ele não quer “qualquer tipo” de adoradores e sim os “verdadeiros adoradores”. Como já vimos, o verdadeiro adorador é aquele está ansioso por desenvolver diariamente com o Senhor um relacionamento íntimo e de comunhão. As lições deste trimestre irão enfocar o tema “Adoração & Adoradores – princípios bíblicos para o culto cristão”, e foram escritas por Elildes Junio Macharete Fonseca, pastor titular na Primeira Igreja Batista no Bairro São João (São Pedro da Aldeia/RJ). Desfrute destas lições que falam de Adoração baseadas no Culto Cristão. Pr. Marcos Zumpichiatte Miranda Diretor de Educação Religiosa Redator da Revista
  • 12.
  • 13. A Sagrada Engenharia "Estou convencido de que aquele que começou boa obra em vocês vai completá-la até o dia de Cristo Jesus.”  Filipenses 1.6 N a arquitetura ou na engenharia a capacidade de elaboração e avaliação dos projetos, da observância e cumprimento das normas técnicas e padrões de qualidade são competências essenciais para que um profissional alcance excelência em seus empreendimentos. Construir é – em linhas simples e gerais – gerenciar etapas preestabelecidas por um projeto sem deixar de preencher as exigências dos órgãos reguladores da construção civil, no caso de um edifício, por exemplo. No Brasil, quem dita tais critérios é a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e quem habilita e fiscaliza o profissional da construção é o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA). Sendo assim, aprendemos que toda construção obedece a um padrão. E essa lógica também opera em nosso caminho de santificação. Deus está realizando uma obra sublime em nós e o seu referencial de perfeição é a imagem de seu Filho Amado. A esse processo chamo de A Sagrada Engenharia. Vamos compreender um pouco mais dessa transformação a partir dos ensinos paulinos e da vida de Jesus. O Projeto do Pai Logo no início de sua carta aos Filipense, o apóstolo Paulo apresenta sua convicção de que o Pai atua 13
  • 14. contínua e diretamente na vida dos que se sujeitam à sua autoridade. É no coração de Deus que a transformação da humanidade encontra sua origem. O texto bíblico nos revela que Deus é quem começa em nós uma boa obra. Ele nos amou primeiro, veio ao nosso encontro na pessoa histórica de Jesus de Nazaré, nos salvou graciosamente na morte e ressurreição do Cristo e opera em nós e conosco a santificação pela obra libertadora do Espírito. Na jornada de nos fazer sua habitação, Deus mesmo é quem efetua toda a engenharia santificadora. Nas palavras do Dr. Russel Shedd: “Se Deus já começou a operar em você, cuidado! Pois é muito difícil escapar de seus braços insistentes e amorosos”. O próprio Pai, na condição de construtor da nossa espiritualidade, tem um referencial em mente ao trabalhar na vida de cada um de nós. O paradigma de excelência de Deus é Jesus, O Filho que lhe apraz e que lhe honra a santidade. A finalidade do projeto de Deus é construir a imagem de Jesus em nós. O propósito de Obra de Deus é que a semelhança com Filho nos faça seus familiares. Jesus é o protótipo da nova humanidade e a Meta da obra redentora. O Irmão mais velho da Casa ao qual o Pai quer que seus filhos mais novos se assemelhem. O exemplo de perfeição do Filho é a norma que Deus usa para efetuar em nós suas intervenções santificadoras (Romanos 8.29). Outro texto bíblico que relata este projeto de crescimento 14 e de transformação que tem Jesus como padrão é o de Gálatas 4.19: “Meus filhos, por quem sofro de novo dores de parto, até que Cristo seja formado em vó” (grifo do autor). Quando Deus concluir sua obra, o que se verá é uma nova família de pessoas justificadas pelo Cristo e perfeitas como Jesus, em tudo. Enquanto não chega o "dia de Cristo", estamos em obra! Na prática o que é ser como Jesus? É evidente que quando falamos sobre semelhança com Cristo não estamos nos referindo a questões estéticas. Não se trata se uma aparência de santidade. A semelhança com Jesus ocorre quando o caráter do Messias molda nosso caráter; quando nascemos em Cristo e nos identificamos com sua vida, valores, visão e formas de atuação no mundo. Ser como Jesus é encarnar uma vida plena de sentido, abundante: assumindo a mente santa e sábia do Filho de Deus, a ética revolucionária do Cristo, sua paixão constrangedora pela Missão e suas atitudes libertadoras, humildes e compassivas em direção aos injustiçados, aos inválidos, aos miseráveis e aos oprimidos de seu tempo. Ser como Jesus é viver em adoração voluntária ao Pai e em obediência e serviço incondicionais às suas palavras. Esse processo de similaridade acontece de forma natural e
  • 15. espontânea, e não mecânica e burocrática. É na relação com a pessoa de Jesus e não num contato filosófico com seus ensinos que nos assemelhamos a Ele. A fé cristã não é acúmulo sistemático de conteúdos "sagrados", é, sim, nutrição afetiva e relacionamento estreito com uma pessoa real e amável – Jesus Cristo. Ele é nosso padrão e nossa "norma" de santidade, não porque regulamenta e moraliza nosso comportamento por meio de rígidos códigos de conduta religiosa e prescrições morais,mas, sim por SER um exemplo de ser humano, um modelo de vida e de como se vive. Ser discípulo de Jesus, portanto, é acolher na consciência e no afeto sua vida admirável – real e realizável. A mera recepção fria e dogmática de suas verdades não nos fará seus seguidores, não nos fará seus imitadores, seus familiares. Quanto mais nos rendemos à sua escandalosa graça e nos sujeitamos à operação renovadora da Palavra que santifica, tanto mais semelhantes ao Primogênito seremos. Quem garante o sucesso do projeto? Ainda no texto de Paulo aos Filipenses, o apóstolo nos ensina que pertence a Deus o querer e o efetuar (2.13) e na carta aos Tessalonicenses (1Ts 5.24) qualifica o Engenheiro responsável pela boa obra como fiel. Qualquer obra exige responsável técnico qualificado, ainda mais a obra da santificação. Logo, quem garante que a construção do Cristo em nós será um sucesso é a fidelidade que o engenheiro tem ao amor que nutre pela sua criação. Por fidelidade a Ele mesmo e à sua Palavra, nos redimirá, por completo, observando a mais linda expressão de santidade – a vida do Filho. Deus não nos abandonará inacabados. Ele não deixa suas obras pela metade. Até o dia de Cristo seremos como Cristo, para glória de Deus-Pai. Pr. Fellipe dos Anjos Igreja Batista Maria Paula Presidente da JUBERJ dosanjosfellipe@gmail.com 15
  • 16.
  • 17. Unidade e solidariedade A solidariedade está conectada a unidade, seja pessoal ou coletiva. Vejamos os irmãos primitivos. Como eles eram unidos e solidários (Atos 2.42-47; 4.32-37)! A solidariedade não tem segundas intenções, pois está intimamente ligada à unidade de pensamento e de coração em Cristo, em contraposição à esquizofrenia deste mundo pós-moderno. Paulo ensina esta verdade em Filipenses 2.1,2. Brennan Manning citando Nouwen, diz: “Conforto é o grande presente humano que gera a comunidade. Aqueles que se unem em uma vulnerabilidade mútua ficam presos uns aos outros por uma força nova que os torna um só corpo”. Isto é ser Igreja. Ser bondosos e compassivos uns para com os outros significa 17 o exercício da solidariedade. Conheço um irmão que, ao sair de casa de carro, viu uma senhora pobre levando uma bolsa e um móvel bem incômodos para serem carregados. Ela passou por ele carregando o móvel velho e parava por causa do peso... Ele saiu com o carro e passando por ela seguiu em frente. Mais adiante, certo do seu amor cristão, ele voltou, emparelhou com ela, ofereceu carona, colocando o móvel no banco de trás, conduzindo-a ao lar. O que ele fez? Agiu com solidariedade.
  • 18. Sejamos imitadores de Deus, pois Ele é perfeitamente Solidário. Como filhos amados, vivamos em amor (Ef 5.1). A natureza de Deus é amor (1 João 4.8). Andemos em amor como Cristo nos amou e a Si mesmo se entregou a Deus por nós como oferta e sacrifício com aroma suave (Ef 5.2). Olhemos para a vida do Salvador nos evangelhos e veremos o quanto Ele realizou para cumprir toda a vontade do Pai, fazendo sempre o bem. Precisamos de solidariedade neste mundo voltado para si mesmo. Há muitos solitários que precisam de solidariedade. Jan Vanier, catedrático, professor da Universidade de Toronto, com todo o conforto do primeiro mundo, largou o seu trabalho, movido por amor ao próximo, e foi para os arredores de Paris, onde alugou uma casa e adotou dois jovens com paralisia cerebral. Foi assim que começou as comunidades L’Arche (A Arca) com mais de 100 unidades ao redor do mundo. Nós precisamos parar de olhar para o nosso umbigo, centrado em nós mesmos, e olharmos para os necessitados. Exercermos a solidariedade. Quando andamos em amor, deixamos de olhar somente para os nossos interesses e nos importamos com o outro. Há muita gente vivendo para si mesma, inclusive em nossas igrejas. Neste mundo pósmoderno, as pessoas estão cada vez mais voltados para si mesmas, para a satisfação do ‘deus do entretenimento’. O solitário precisa do solidário. A Igreja que vive a unidade a partir do amor fraterno ensinado por Jesus, se torna uma Comunidade Solidária, voltada para as necessidades mais profundas das pessoas. Uma igreja em que seus membros entram no processo de cura pela prática da diaconia, do serviço ao outro em profundo amor. Reter é pecado, mas doar-se é viver uma vida de santificação, “sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hb 12.14). Ser solidário a partir da nossa unidade em Cristo é agir com amor. Este amor intercede, se importa, busca, cuida, persevera, ensina, aprende, louva, cura e caminha na dependência do Pai. Sejamos solidários num mundo cheio de gente solitária e egocêntrica. Tenhamos as atitudes e os atos de Jesus, vivendo para a Glória de Deus, nosso Pai sempre SOLIDÁRIO – Aquele que, em Si mesmo, tem unidade e solidariedade. Oswaldo Luiz Gomes Jacob, pastor. IB Barra Mansa, 2ª. pitzerjacob@gmail.com 18
  • 19.
  • 20. Pecado Zero, Viva o lado santificado da vida! Introdução 605 a.C - O cenário: escravidão, opressão e imposição de uma cultura sobre outra. É assim que começa a história de quatro rapazes que foram retirados de suas famílias para viver dentro do palácio do rei Nabucodonosor com a missão de viver, aprender e posteriormente disseminar a cultura egípcia para todo o povo oprimido de Judá. Daniel, Hananias, Misael e Azarias não deviam ser muito diferentes dos jovens da Barra da Tijuca. Jovens fortes, com saúde, inteligentes viviam próximo à nobreza de israel e por isso foram selecionados para aprender toda a cultura babilônica. Tudo, tudo que a cultura babilônica ordenava fazer era pra eles como se fosse uma afronta, pois a cultura israelita era completamente diferente do cultura do governo dominante. Mas escravos não têm escolhas e esses jovens passam a conviver no palácio sjueitos à sorte e a uma cultura imposta, mas nada disso foi suficiente para restrigir um poder muito maior, o poder de Deus. 20
  • 21. A história pode ser simples, quatro rapazes que fazem uma opção por não comer da refeição do rei, mostrando o quanto isso era saudável. Também confirmam suas convicções a respeito do que aprenderam durante boa parte de sua vida. O resultado não poderia ser diferente: estes rapazes se destacam em todos os sentidos, passam a ser referência, tornamse funcionários do palácio e muito bem quistos pelo rei. Mas o que de fato posso aprender com essa história? Por que a decisão destes rapazes foi fundamental para alcançar tantas bênçãos num momento tão dificil para seu povo? O que podemos aplicar ao nosso contexto diário e em que sentido a santidade se aplica neste contexto? A Primeria lição é a seguinte: Você está enserido num mundo de valores completamente diferentes dos seus. O Fato: É preciso resistir. (Daniel 1.1-4) A segunda lição: A tentação para que se quebrem determinados valores pode acontecer de qualquer forma ou de qualquer jeito. O fato: é preciso persistir. (Daniel 1.5) Terceira lição: Mesmo inseridos num “mundo” é possível vencer as tentações. O fato: É preciso ter sabedoria e disciplina. (Daniel 1.8-15) 21 Quarta lição: O mundo nos considerar verdadeiros “estranhos”. Deus sempre está ao nosso lado nos protegendo. O fato: É preciso reconhecer essa proteção. (Daniel 1.19) Quinta lição: A vitória está ao seu alcance. O fato: É preciso foco na santificação. (Daniel 1.19-21) Conclusão Ser diferente num mundo tão opressor como o de hoje é começo para uma vida vitoriosa em todos os sentidos. O segredo é antigo: se seguirmos os ensinos deixados por Deus na Bíblia, vamos alcançar uma vida santa, sem ser monótona, e vitoriosa. (Efésios 5.1-21) Perguntas 1. É possível, assim como Daniel e seus amigos, viver e vencer em santidade em um mundo pecaminoso? 2. Cite circunstâncias que se igualam aos manjares do rei e que podemos vencer com uma vida santa. 3. Que tipo coisa precisamos renunciar nos dias de hoje para alcançarmos uma vida santa, e por conseguinte a vitória tão desejada? Pr. Hugo Pereira Sampaio Email: hpsampaio@hotmail.com
  • 22.
  • 23. Do solidário ao solitário – percurso amigo no viver de irmão J esus ensinou que o resumo dos mandamentos é o amor a Deus e ao próximo (Mt 22.38,39). Isto resume o Antigo e o Novo Testamento nas relações humanas. A família é o lugar ideal para ensinar, experimentar e expressar esse amor de irmãos. Infelizmente, desde Caim até os nossos dias, muitos integrantes da família têm desobedecido ao mandamento. Em resumo: não é opcional; é cumprilo ou desobedecer-lhe, pois foi o próprio Jesus que ensinou: “Um novo mandamento vos dou, que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amo” (Jo 13.34). Salomão em todos os seus livros exaltou a fidelidade de irmão, referindo-se principalmente à amizade em família: “Em todo tempo ama o amigo...”; “há amigo mais chegado do que um irmão” (Pv 23 17.17; 18.24) e em 27.10b, ensina: “Mais vale o vizinho perto que o irmão longe”. Este longe não é só distância geográfica, mas psicológica, como disposição para socorrer. Diria então: “Nem todo irmão é amigo, mas todo amigo é um irmão”. Neste texto serão apresentadas três situações de angústia vividas em família: O solitário, até mesmo, no seio da família. O sintoma de uma doença de relação, segundo a psicologia, é o AUTISMO (um “certo prazer” de viver isoladamente, como se não houvesse pessoas a sua volta). A agitação e a competição, mesmo em família, têm produzido falta de prazer nas trocas familiares. Com os problemas no relacionamento, um familiar pode escolher isolar-se e em alguns casos tornar-se o “bode expiatório”, como o culpado por todos os erros
  • 24. ali cometidos. Com isso torna-se excêntrico no comportamento, afastando-se das trocas e assumindo estilo diferenciado de viver socialmente. Os outros membros do grupo e até da família passam, também, a tratálo com certa indiferença. Esta pessoa pode ser um filho, o pai ou a mãe, ou até alguém do convívio estreito (sogra, cunhado, etc.). Há outra doença na família que surge, quase sempre, em decorrência do citado acima: Viciado: toda familia teve, tem ou terá um. O viciado é alguém que precisa de estímulos externos, como álcool, tabaco, maconha, crack, cocaína, medicamentos como Frisiun, Lexotan, Diazepan e outras formas de estímulos. O viciado é um dependente físico, social e/ou emocional que se tornou-se o bode espiatório e tomará, por sua fragilidade e pressão do grupo, a culpa por todas as questões dos atritos em família. Há uma tendência, quase natural, de envolver-se no alcoolismo e em drogas ilícitas: praticamente toda família vive, direta ou indiretamente os efeitos dessas dependências. São chamadas de codependentes seja em cuidados exagerados de uns ou desprezo de outros. Assim, todos na família contribuíram para haver viciado(s). O problema daquele pode ter fatores físicos hereditários; ou os sociais, definidos por “certa rejeição” vinda do ventre pela não expectativa de sua vinda; crises de relacionamento, questões congênitas (incidentes na gravidez) e mais o contexto socioeconômico e cultural, como a desnutrição coletiva e o medo produzido pela violência social. Cada ato na família que reforce a culpa em alguém, como desejo de punição ao errado, reafirma o bode expiatório. Os problemas de relacionamento conjugal são definidores de motivos para que se “escolha” quem ocupará aquele lugar. A saída para o viciado de qualquer substância dependerá da consciência de todos na família, como serão tratados. Desemprego e falência econômica Esvaziando o bolso e enchendo de angústia a alma e o coração. As últimas décadas de instabilidade econômica no país, aliadas à tradição cultural de competição fora e dentro da família, têm feito muitos brasileiros perderem as condições de vida e, conseqüentemente, a paz no relacionamento familiar. O índice de desemprego e o número de empresas, grandes e pequenas, que têm perdido a condição de produção, e o fechamento, aliado à falta de novos postos de emprego, faz com que cerca de 50 milhões de pessoas vivam situações de miséria. Naturalmente que todas as famílias, atualmente, têm desempregados, subempregados ou pequenos empresários vivendo situações de penúria econômica financeira. Vale destacar que nem 24
  • 25. só a falência e desemprego geram angústia na família. Há um fator ético que precisa ser considerado: o sucesso econômico e social desproporcional de um dos familiares. Quando um familiar se destaca economicamente pode gerar angústia em dois lados diferentes da relação em família. O que cresceu e, algumas vezes, desprezou a família; até os pais, os que ficaram pobres e desenvolveram inveja/ciúme e até certa dependência exploratória daquele que cresceu. Uma e outra posição são posturas antiéticas; doenças de personalidade que precisam de tratamento. A melhor forma de corrigir tais distorções é: O solidário acolhendo o dependente/ carente Levai a carga uns dos outros e assim cumprireis a lei de Cristo (Gálatas 6.2). O desempregado, o falido, o viciado são, ou se tornarão solitários. Da mesma forma que este se torna o bode expiatório. Haverá alguém que se sustentará, equilibrado, naquela família. Mesmo sendo uma carga muito pesada sobre seus ombros. É este (pais ou irmãos) que deverá liderar um movimento de solidariedade para reacender a comunhão em família. As armas espirituais serão a busca de Deus por intermédio da oração própria e de amigos mais chegados que um irmão (cumprindo o que diz Tiago 5-13 a 16). A comunhão espiritual nas orações e súplicas a Deus resultará em equilíbrio. 25 Outra arma, que também precisa ser vista como Ação Social da igreja é assumir o lugar profético em meio às perversões sociais; considerando os desmandos, injustiça e desonestidade bastante ocultas até mesmo por líderes evangélicos que, na vida política, têm sido coparticipantes dessas questões. Cada crente e cada igreja assumindo a posição de João Batista, mesmo correndo o risco de perder a cabeça, mas até que tal aconteça manter-se de cabeça erguida. Conclusão Sê fiel até (se preciso) a morte e darte-ei a coroa da vida (Apocalipse 2.10). A igreja como instituição, ou cada membro como cidadão do Reino neste mundo, precisa ser um SOLIDÁRIO EM BUSCA DO SOLITÁRIO; seja ele dentro da família, na sarjeta ou até nos palácios, proclamando o que o próprio Jesus se autodenominou, reafirmando o que o profeta Isaías afirmou: “O Espírito do Senhor é sobre mim... para dar liberdade aos cativos” (Lucas 4.18). Se reconhecemos que também sobre nós está o Espírito Santo, assumamos o lugar de mensageiros de Deus, arautos da justiça divina e se preciso for: Um guerreiro como Davi. Entendendo, assim, que a luta é contra o mal, por meio das astutas ciladas do diabo (Ef 6.10 a 19). Pr. Alfredo Neves Brum E-mail pralfredobrum@hotmail.com
  • 26. 26
  • 27. C ulto é um assunto que envolve diretamente todos os cristãos. É a primeira prática em que somos inseridos. Esta edição de Palavra & Vida se dedica ao assunto, a partir do tema “Adoração & Adoradores – princípios bíblicos para o culto cristão”. Nossa proposta é analisar passagens bíblicas que tratem de princípios para o culto cristão, coletiva e individualmente. A partir desses textos selecionados, desenvolvemos conceitos bíblicos, teológicos e doutrinários, sempre com caráter aplicativo. Quanto às leituras diárias, lançamos um prazeroso desafio: ler todos os Salmos durante o trimestre. Será uma rica experiência devocional, investindo tempo na meditação de grandes verdades registradas num estilo poético. Sem dúvida, lendo diariamente os Salmos, nossas mentes e corações serão tocados pela graça redentora de Deus. Bom estudo! Quem escreveu? Elildes Junio Macharete Fonseca é casado com Thaís Caetano de Miranda Fonseca, pastor titular na Primeira Igreja Batista no Bairro São João (São Pedro d’Aldeia/RJ) e doutorando em Teologia pela PUC-Rio. Mestre e bacharel em Teologia pelo Seminário do Sul e licenciado em letras (português/grego) pela UFF. Foi vice-presidente da Convenção Batista Fluminense e presidente da Associação Batista Gonçalense. É professor no Seminário do Sul (licenciado), no Seminário Teológico Ministerial Batista Litorâneo e no Seminário Teológico Batista da Região dos Lagos. Atualmente, é membro do Conselho Deliberativo da Convenção Batista Fluminense. 27
  • 28. Data do Estudo Licao 1 Texto Bíblico: Romanos 12.1 O que é culto 28
  • 29. Introdução O que não é culto ela graça de Deus, estamos iniciando uma abençoadora caminhada, refletindo sobre princípios para o culto cristão. Um passo necessário é definir o que entendemos por culto. Há diversas definições de culto, que competentes estudiosos registraram. Selecionamos uma, de Nelson Kirst, que diz que “culto é o encontro da comunidade com Deus e liturgia é o conjunto de elementos e formas através dos quais se realiza esse encontro” 1. Essa definição nos ajuda a compreender algo muito importante: culto é a essência e liturgia, a forma, os elementos. Embora as formas de culto possam ser variadas, a sua essência deve permanecer inalterada. O culto de anos atrás, quando as igrejas tinham menos recursos – algumas utilizavam lamparinas, inclusive – é o mesmo de hoje, com vários instrumentos, boletim, multimídia etc. O que mudou de lá para cá? Os recursos, as formas, ou seja, a liturgia, mas não a essência que caracteriza um verdadeiro culto cristão. Se essa essência foi mudada, alguma coisa está errada. Será preciso rever o valor do culto e a importância dos seus elementos. Lamentavelmente, não basta definir o que é culto, também se faz necessário dizer o que não é culto. Denise Frederico afirmou que “o culto cristão não é um show, como se vê na televisão, com um apresentador famoso lá na frente, tentando ganhar pontos no Ibope para a sua emissora. Não é uma performance, com atrações variadas, apresentações pessoais e coletivas para abrilhantar e fazer a plateia sair satisfeita por ter usado bem seu tempo e seu dinheiro”2. A pluralidade deste tempo tem dominado as mentes. As pessoas estão sendo “engolidas” pela febre do imediato, do descartável e do clientelismo. Essa visão de mercado, se não houver cuidado, acaba chegando aos membros da igreja. São aquelas pessoas que se acham no direito de serem clientes dos cultos das suas igrejas, para usufruir bons produtos “sacros”. O pior de tudo acontece quando a liderança acredita e transforma o culto em show. Esquece-se de que se deve agradar ao Senhor e passase a agradar aos “clientes”. Aí acaba valendo tudo e, por conseguinte, “não tem nada a ver”. Que desastre! P 1  KIRST, Nelson. Nossa liturgia: das origens até hoje. São Leopoldo: Sinodal, 2003, p. 11. Culto é sacrifício vivo O apóstolo Paulo exortou os romanos – e a nós, também – a 2  FREDERICO, Denise. O Que é Liturgia? Rio de Janeiro: MK, 2004, p. 13. 29
  • 30. se apresentarem integralmente a Deus, “como sacrifício vivo, santo e agradável” (Romanos 12.1). Esse é o culto espiritual! Aqui, vale a pena destacar duas nuances do culto: a individual e a coletiva. Ao longo dos estudos, faremos destaques desses dois aspectos. Prestamos culto a Deus na individualidade. O culto pessoal não tem intervalos, é contínuo, dura a vida toda. Como servos do Senhor, todos os nossos pensamentos e atitudes se constituem em culto, ou seja, devem glorificar a Deus. É colocar o nosso corpo, a nossa vida, por inteiro, à disposição de Deus. É um oferecimento ininterrupto. É como diz o hino 543 do Hinário Para o Culto Cristão: “em palavras, ações e atitudes refletirei sua luz”. Refletindo Cristo, cultuamos a Deus, exaltando a sua pessoa e testemunhando os seus feitos poderosos e inigualáveis. Prestamos culto a Deus na coletividade. Somos família de Deus, integramos o corpo de Cristo. A dimensão do culto é tanto individual quanto coletiva. A Bíblia é clara ao recomendar: “não abandonemos a prática de nos reunir, como é costume de alguns, pelo contrário, animemo-nos uns aos outros, quanto mais vedes que o Dia se aproxima” (Hebreus 10.25). Deus sempre externou o seu desejo de ver o povo reunido para cultuá-lo: “deixa 30 o meu povo ir para que me cultue” (Êxodo 7.16). O culto litúrgico sempre reúne pessoas. A própria palavra liturgia significa “ação do povo”. É uma resposta coletiva ao amor de Deus, que nos faz próximos em Cristo Jesus. O domingo é um dia muito esperado por nós, pois nele a comunidade de fé, a família espiritual se ajunta para adorar a Deus. Não devemos vir para o culto coletivo com o rosto fechado, com o semblante caído, como quem é forçado a fazer algo indesejável. Não! A vinda para o ajuntamento solene é motivo de festa, de regozijo espiritual, pois é o próprio Deus, o Rei dos reis, o Criador, quem nos convida. Servir a Deus e pertencer à sua família é um privilégio que deve ser valorizado ao extremo. Pra que serve a liturgia “A liturgia serve para moldar o culto cristão, ou seja, ‘desenhar’ o culto”.3 Dela fazem parte todos os elementos que são usados para se ordenar o culto. Denise Frederico diz que “fazer liturgia é como projetar uma casa”4 e sugere imaginar-se como um arquiteto que vá desempenhar um projeto para um cliente. Uma das necessidades primeiras é conhecer bem o cliente. Se a condição financeira for boa, o 3  FREDERICO, Denise. O Que é Liturgia?, p. 15. 4  FREDERICO, Denise. O Que é Liturgia?, p. 15.
  • 31. Para pensar e agir Cultuar a Deus é privilégio e compromisso do cristão. Quando cultuamos, reconhecemos quem Deus é e quem somos. Uma tendência daninha tem sido difundida por alguns, ensinando o erro de se exigir de Deus o atendimento das vontades humanas. É justamente o contrário. Deus é o Senhor e nós nos adequamos à sua vontade. Ele manda, nós obedecemos. Cultos que não celebram a Deus e os seus feitos devem ser repensados. É possível idolatria numa celebração evangélica, basta tirar o foco de Deus. Às vezes, pensamos que idolatria só acontece diante de uma imagem, mas a questão é muito ampla. Quando os feitos humanos roubam a cena dos feitos de Cristo, a celebração é idólatra. Por isso, a recomendação paulina deve estar sempre viva em nossas mentes, pois culto é “sacrifício vivo, santo e agradável a Deus”. É para Ele e por Ele que cultuamos. Não gastemos tempo com questões secundárias, mas aproveitemos bem cada oportunidade de celebrar a Deus, com vida santificada e agradecida pela bênção da salvação. Leituras Diárias arquiteto poderá até projetar uma casa grande, mas, se não for, será colocado no papel o mínimo essencial. Logo, assim como no processo de construção de uma casa, na construção de uma liturgia há coisas que poderão ser descartadas e outras não. Na igreja, no início, não havia uma forma de culto, mas os cristãos foram criando formas próprias de culto, ao mesmo tempo em que frequentavam o templo. A Bíblia era o único livro litúrgico utilizado (parte do Antigo Testamento e, mais tarde, o Novo Testamento). Entre os primeiros cristãos não havia regras litúrgicas precisas. Apenas era mantida uma tradição comum. A busca da liturgia nas páginas do Novo Testamento será pouco produtiva, pois a igreja primitiva não sacralizou uma liturgia. Entretanto, nas páginas do Novo Testamento, observa-se que a ênfase no culto não está nos feitos dos homens, mas nos feitos de Deus. Esse assunto não agrada muito, pois, como característica humana, as pessoas querem ser invocadas e aplaudidas. O culto não é para isso. Nele são enfatizados os feitos de Deus. Resumindo, liturgia é o somatório de todos os elementos que constituem a ordem do culto cristão. Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Salmos 1 e 2 Salmos 3 e 4 Salmos 5 e 6 Salmo 7 Salmo 8 Salmo 9 Salmo 10 31
  • 32. Data do Estudo Licao 2 Texto bíblico: Salmo 100.2 Cultuar é necessário Introdução T em crescido o número daqueles que defendem que o culto coletivo não é necessário. Eles afirmam que o culto útil a Deus é aquele que se traduz em serviço ao próximo. É uma espécie de culto “indireto”, ou seja, Deus é adorado por intermédio do serviço prestado aos outros. 32
  • 33. Não há dúvidas de que a prática das boas obras é uma ação da fé cristã que glorifica a Deus, quando nascidas na sinceridade do coração, mas não é razão para apagar da “agenda” do cristão o culto da comunidade de fé. É um erro de interpretação bíblica tal concepção! Uma coisa não pode ser elevada em detrimento da outra. O culto é necessário. Refletiremos sobre quatro justificativas dessa necessidade1. 1. O culto é necessário por ter sido instituído por Jesus Cristo Cristo não só instituiu mas também ordenou o culto. Quando a igreja celebra o culto, simplesmente obedece à ordem de Jesus. Culto não é invenção da igreja, mas odediência: “Fazei isto em memória de mim” (Lucas 22.19; 1Coríntios 11.24,25). A igreja se reúne para reviver a memória do sacrifício perfeito, da entrega suficiente, da morte e ressurreição do Salvador. Cultuar é anunciar o sacrifício e a volta de Jesus, envolvidos no memorial da ceia do Senhor (1Coríntios 11.26). Relembrar o sacrifício de Jesus na cruz e o túmulo que ficou vazio faz da nossa adoração uma demonstração de gratidão, que gestos e palavras não dão conta de expressar. 1  Para este estudo, tomamos emprestados os tópicos das justificativas levantadas por VON ALLMEN, J. J. O Culto Cristão: teologia e prática. São Paulo: Aste, 2005, p. 109-114. Um culto que não começa e termina em Jesus está carente de propósito, podendo até ser transformado numa reunião social. O chamado de Jesus ao culto envolve a comunhão com o Pai e entre os irmãos, ambas possíveis pela mediação dele. Em Jesus, as nossas individualidades e preferências dão lugar à coletividade e ao bem comum. O cristão que pensa que o culto é para ser realizado do seu jeito está muito enganado. Há outros que se comportam como se estivessem sozinhos no templo ou como se Deus apenas olhasse para eles. Pobre raciocínio. Quem não aprende a viver em comunhão evidencia que não ouviu o chamado de Jesus para o culto. 2. O culto é necessário porque é suscitado pelo Espírito Santo Negar a necessidade de culto é contestar a ação do Espírito Santo na vida do salvo (2Coríntios 1.22). É o próprio Espírito que “dá testemunho ao nosso espírito de que somos filhos de Deus” (Romanos 8.16). O culto é uma celebração de gratidão daqueles que estão sendo preparados por Deus, na garantia do seu Espírito (2Coríntios 5.5). A ação de graças daqueles que foram alcançados pelos milagres de Cristo, conforme registram os evangelhos, são notáveis exemplos da necessidade de culto suscitada pelo Espírito Santo: o paralítico, 33
  • 34. curado, voltou para a sua casa gloricando a Deus (Lucas 5.25); a mulher enferma, curado por Jesus num sábado, se endireita e dá glória a Deus (Lucas 13.13); o leproso, que diferentemente dos outros nove, compreendeu o significado da sua cura, retonou “glorificando a Deus em alta voz” (Lucas 17.15); o cego de Jericó, curado, decide seguir a Jesus, dando louvores a Deus (Lucas 18.43). Não só aqueles que foram alvos das ações miraculosas de Jesus foram movidos a render graças, mas todos que alcançaram a salvação em Cristo. A própria confissão de que Jesus é o Senhor é pelo Espírito Santo (1Coríntios 12.3). Cultuando a Deus, rendemos graças pelo seu perdão, que nos restituiu a capacidade de adorar, perdida por causa do pecado. Aquele que tem a presença do Espírito Santo de Deus na vida é movido a cultuar. 3. O culto é necessário porque é um dos meios de efetivação da história da salvação O fato de Jesus ter morrido de uma vez por todas pela salvação do mundo não significa que toda a humanidade está salva automaticamente. Para que o ser humano seja salvo é necessário arrependimento dos pecados e fé em Jesus Cristo como único e suficiente Salvador. É assim que tem 34 prosseguimento a história da salvação. O Espírito Santo nos convence do pecado, da justiça e do juízo (João 16.8), passamos a fazer parte do corpo de Cristo – a igreja – e nele somos mantidos. No culto, celebramos a Palavra da salvação, relendo a narrativa bíblica. O ser humano, criado por Deus à sua imagem e semelhança, pecou e foi separado de sua glória (Romanos 3.23). A recompensa do pecado é a morte (Romanos 6.23). Deus mesmo providenciou o meio de reconciliação e o fez conhecido na sua encarnação (João 1.14). Em Jesus, todos têm acesso a Deus. Esse caminho de retorno é celebrado no culto cristão e efetivado por obra do Espírito Santo na vida do pecador que se arrepende. Portanto, afirmar que o culto não é necessário ao salvo equivale a desprezar a fonte da graça e a esquecer as palavras de Jesus. 4. O culto é necessário porque o reino de Deus ainda não se manifestou em todo o seu poder A igreja terrena é militante. Somente no céu a igreja será triunfante. Quando estivermos no céu, não precisaremos congregar nos templos, pois o santuário será o próprio Senhor Deus, o Todo-Poderoso, e o Cordeiro (Apocalipse 21.22). Enquanto na terra, é necessário o ajuntamento do povo de Deus para o culto.
  • 35. Para pensar e agir Cultuar é necessário, mas não como quem “bate cartão” por obrigação numa empresa, mas com voluntária alegria (Salmo 100.2). Li uma história narrada por um pastor, como verídica, que dizia o seguinte: “ao final do ano, um irmão (daqueles “cheios de cargos”) disse ao pastor que não assumiria nenhum cargo ou ministério para o ano seguinte, pois queria um tempo de “descanso, sombra e água fresca” (aspiração de quem está prestes a se aposentar, mas de “impossível” aplicação na igreja de Cristo). Mesmo orientado pelo pastor, o irmão manteve-se irredutível em sua decisão. Poucos dias após, exatemente no dia 31 de dezembro, o dito irmão faleceu (como qualquer mortal), mas o pastor observou alguns fatos curiosos: o irmão descansou exatamente no último dia dos “compromissos assumidos”; seu sepultamento deu-se à sombra de uma frondosa amendoeira, e, como só acontece em casos especiais, num calor de 40 graus, ao término do sepultamento, caiu uma pesada chuva (daquelas que, nem correndo, dá tempo de não se molhar) e regou abundantemente a sepultura. Curioso, – deduziu o pastor – o irmão teve seu pedido atendido integralmente: descansou, foi sepultado à sombra de uma frondosa amendoeira e recebeu água fresca em abundância”. Não percamos tempo, abrindo mão de participar do culto coletivo por motivos infundados. Valorizemos as oportunidades, priorizemos as celebrações. Cultuar é necessário. Façamos a nossa parte. Leituras Diárias O reino de Deus já está presente entre nós, mas não em sua plenitude. Os que se comportam como se tudo na terra já fosse o reino de Deus erram por não considerar a dimensão escatológica da igreja no mundo. Noutras palavras, este mundo passará e a igreja, santa e purificada, continuará viva na eternidade de Deus. O culto celebra a esperança da volta de Jesus, reafirmando, de contínuo, que não estamos sozinhos na caminhada, mesmo que enfrentemos lutas e privações, tão naturais à realidade humana. No céu, não precisaremos nos ajuntar para o culto, porque sempre estaremos juntos e em culto diante do Cordeiro de Deus, gloricados por Ele, definitivamente livres da presença do pecado. Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Salmos 11, 12 e 13 Salmos 14 e 15 Salmos 16 e 17 Salmo 18 Salmo 19 Salmos 20 e 21 Salmo 22 35
  • 36. Data do Estudo Licao 3 Texto Bíblico: Lucas 7.36-38 Adoração extravagante, 1 Introdução E stamos diante de um gesto de adoração bastante incomum. Os quatro evangelhos registram o gesto extravagante de Maria ao ungir os pés de Jesus. O fato de cada evangelista ressaltar um aspecto do episódio tem levado estudiosos a pensar que houve dois casos da unção. Eles podem estar certos, embora as duas situações apresentem pontos comuns. Mateus mostra o evento dizendo que ele se deu “estando Jesus em 36
  • 37. Betânia, casa de Simão, o leproso” (Mateus 26.6). Ressalta, também, que o vaso de alabastro estava “cheio de um bálsamo muito caro” (v.7). Marcos também faz menção da casa de Simão, mas destaca mais a bênção que Jesus dirigiu à mulher. Lucas apresenta um relato mais detalhado. Informa que Simão era fariseu e que a mulher era uma pecadora (Lucas 7.36,39), deixando a entender que era uma prostituta. João informa também que o episódio ocorreu em Betânia, mas ascrecenta que o banquete foi realizado na presença de Jesus e de Lázaro, a quem ressuscitara (João 12.1,2). O nome da mulher é citado – Maria – e o efeito do perfume, destacado: “e a casa se encheu com o perfume do bálsamo” (João 12.3). Somadas as informações dos quatro evangelhos, temos diante de nós uma “história na íntegra”. Cornwall, ao analisar o episódio, assim sintetizou: “um fundamentalista a quem Jesus havia curado de lepra resolveu dar uma festa para celebrar a ressurreição de Lázaro. Era uma espécie de comemoração pela volta dele. O relato dá a entender que Lázaro estaria sentado à cabeceira da mesa, no lugar de honra, enquanto Jesus era apenas um dos convidados” 1. Os registros bíblicos deixam claro que Jesus não foi alvo de nenhuma das atenções geralmente dirigidas 1  CORNWALL, Judson. Adoração como Jesus ensinou. Venda Nova: Betânia, 1995, p.124. aos convidados. Era comum lavar os pés dos convidados ilustres, ungir a sua cabeça e saudarem com um beijo (que no Oriente corresponde ao nosso aperto de mão). Lucas registra, inclusive, a repreensão de Jesus: “E, voltando para a mulher, disse a Simão: vês esta mulher? Entrei em tua casa, e tu não me deste água para os pés; mas ela os molhou com suas lágrimas e enxugou-os com seus cabelos. Não me cumprimentaste com beijo; ela, porém, não para de beijar-me os pés, desde que entrei. Não colocaste óleo sobre a minha cabeça; mas ela derramou perfume sobre os meus pés” (Lucas 7.44-46). 1. Lágrimas de arrependimento e gratidão a) contexto joanino Considerando o relato do quarto evangelho, ninguém poderia estar mais feliz de ver Lázaro ressuscitado e recebendo os seus amigos do que Maria, sua irmã. A morte do “homem da casa” era um risco enorme para as mulheres. Certamente, o padrão de vida cairia. Seria muito difícil para Maria manter propriedades e valores que partilhava com seu irmão. A injustiça era grande com as viúvas, mas também com as solteiras que dependiam dos seus falecidos irmãos. O retorno de Lázaro à vida e, consequentemente, à família, era 37
  • 38. muito significativo. Era o retorno da estabilidade no lar de Maria e Marta. b) contexto sinótico Mateus, Marcos e Lucas são chamados evangelhos sinóticos, por terem uma mesma forma de apresentação. E o relato deles evidencia que Jesus estava sendo ignorado pelo anfitrião. O desprezo foi tamanho que a honraria partiu de uma mulher desprezada pela sociedade. A pecadora, com a desenvoltura de uma mulher que conhece os homens no que têm de pior, foi abrindo caminho entre os presentes – alguns certamente lhe opunham resistência – e chegou até onde Jesus se encontrava reclinado à mesa. Aos pés de Jesus, chorou intensamente. As lágrimas da mulher corriam pelos pés de Jesus, molhando-os a ponto de serem lavados. Lágrimas brotavam como uma fonte. Simão se lembrou da antiga vida daquela mulher. Ela também, podendo até estar diante de alguns dos seus antigos clientes, talvez tenha recodado a sua vida pregressa. Certas recordações, em comparação com a mudança operada pela graça redentora de Jesus, tendem a levar às lágrimas. Vale destacar que ela chorou muito, mas chorou diante de Jesus. Não foram lágrimas de remorso, foram lágrimas de gratidão, extravasando emoções de amor. 38 Nós também, motivados por orgulho, rebeldia e iniquidade, nos mantivemos longe do amor do Senhor, até que Deus nos mostrou tais condições, chamando-as de pecado. Pensando na mulher pecadora, suas lágrimas podem ser denominadas, também, de lágrimas de alívio, por ter se arrependido dos seus pecados e desfrutado do perdão de Jesus. Nem sempre um choro será de arrependimento, mas, diante de Jesus, o ideal é que nossas lágrimas demonstrem arrependimento e gratidão. Arrependimento porque sabemos que somos pecadores e gratidão porque a Bíblia nos dá a certeza do perdão, que nos coloca na condição de libertos da condenação (Romanos 8.1). Ver-se como alvo do amor de Deus é algo tão maravilhoso que é difícil conter as lágrimas. Ainda bem que na presença de Jesus não precisamos reprimir as lágrimas, mas podemos extravasá-las, desde que sinceras. Jesus valorizou as lágrimas daquela mulher, pois Deus valoriza as lágrimas dos seus adoradores: “Tu contas minhas aflições; põe minhas lágrimas no teu odre; não estão elas registradas no teu livro?” (Salmo 56.8). Deus tem o poder de ver o choro de tal forma, discernindo-o como demonstração de força, e não de fraqueza. E chorar também não é necessariamente evidência de descontrole emocional.
  • 39. Para pensar e agir A próxima lição será a continuação desta, mas não podemos concluir uma reflexão sem alguns compromissos de aplicação à vida. É essencial, diante da Palavra de Deus, tomar decisões que nos levem a imitar Cristo no dia a dia. O fato de termos alcançado o perdão de Jesus não nos leva, de imediato, para o céu. A vida continua neste mundo. Se estamos estudando esta lição, é porque ainda estamos peregrinando por aqui. Vivemos neste mundo, sujeitos às tentações e continuamos pecadores. O que nos distingue daqueles que ainda não tiveram um encontro com Jesus, reconhecendo-o como Salvador e Senhor, é que não temos mais prazer no pecado. Quando pecamos, logo nos arrependemos, porque nos machuca entristecer a Deus. Uma vez que continuamos pecadores, o arrependimento deve ser nosso companheiro na jornada cristã. É muito difícil lidar com alguém que não se arrepende dos seus erros. De igual forma, é muito difícil a caminhada cristã sem o arrependimento, pois os frutos não aparecerão. Reconhecer nossos pecados e nos arrepender deles é condição essencial para uma adoração verdadeira. Assim como o arrependimento, a gratidão também deve ser companheira inseparável do cristão. Não somos ingratos, pelo contrário, somos agradecidos por tudo o que Jesus fez por nós. “Arrependimento e gratidão” é uma receita básica demonstrada nas lágrimas da mulher pecadora na casa de Simão. Colocando-a em prática, comprovaremos a bênção de uma vida em dia com Jesus. Leituras Diárias A Bíblia também registra que Jesus chorou e, ainda mais, que tal reação demostrou o seu amor por Lázaro (João 11.35,36). Uma amizade tão especial que as lágrimas foram inevitáveis. Assim como a mulher pecadora chorou prostrada aos pés de Jesus, não se importando com as pessoas que estavam a sua volta, Jesus também chorou diante do túmulo de Lázaro, independentemente do que poderiam dizer. O exemplo de Jesus deve ser seguido por nós. É apreciável ter amigos e demonstrar o valor devotado às amizades. O exemplo da pecadora chorando aos pés de Jesus também deve ser seguido por nós, pois Ele merece toda a nossa demonstração de arrependimento e gratidão. Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Salmos 23 e 24 Salmos 25 e 26 Salmos 27 e 28 Salmos 29 e 30 Salmo 31 e 32 Salmos 33 e 34 Salmo 35 39
  • 40. Data do Estudo Licao 4 Texto Bíblico: Lucas 7.36-38 Adoração extravagante, 2 Introdução A lição de hoje é a continuação da anterior. Releia o texto bíblico que narra o evento-base da reflexão que prosseguiremos. Trazendo à memória o estudo passado, estamos diante de um gesto 40
  • 41. de adoração bastante incomum, e já analisamos o primeiro aspecto dele: as lágrimas intensamente vertidas pela mulher chamada pecadora. Aprendemos que foram lágrimas de arrependimento e gratidão e firmamos o compromisso de uma vida cristã com essas virtudes. Agora, veremos mais dois aspectos dessa adoração extravagante, sempre na perspectiva de relacionarmos princípios bíblicos para o culto cristão. 2. Um ato de coragem Na opinião das pessoas presentes na casa de Simão, a atitude daquela mulher foi de rebaixamento. Afinal, ela se colocou aos pés de Jesus, em adoração, chorou a ponto de molharlhe os pés, e os secou com os cabelos. Para uma mulher judia, o cabelo tinha grande significado. Era a sua “arma de sedução”, cuidado e guardado, por isso quase não era exposto. Naquela época, nenhuma mulher usava o cabelo solto em público. Ela só o soltava dentro de casa e na presença do marido. Aquela mulher rompeu com a opinião pública e, num ato de coragem, usou os próprios cabelos para secar os pés do Mestre. Interessante que Simão logo a chamou de “pecadora”, ao invés de dizer “ela era pecadora”, porque Jesus a libertara dessa condição. É possível que os seus atos tenham dado a Simão a impressão de que talvez ela ainda não estivesse totalmente liberta, que vinha apenas se reprimindo. A incredulidade do anfitrião o fazia julgá-la. Ele teve olhares para a antiga vida da mulher, mas não foi sensível para perceber a sua nova vida, após o contato com Jesus. A coragem dela foi tamanha, que demonstrou maturidade e entendimento de que reputação é simplesmente aquilo que os outros pensam de nós. A essência do que somos é o nosso caráter. Por mais que o seu ato tenha sido alvo de críticas, assim como a aceitação de Jesus, no íntimo, a mulher sabia que Ele em nada comprometeu o seu caráter, muito pelo contrário. Quando expressamos amor a Jesus, adorando-o sinceramente, o nosso caráter é edificado. Aquela mulher arriscou-se, mas não deixou de render a sua adoração a Jesus. Mais do que a preocupação com o que “os outros pensarão de mim”, o cristão precisa se preocupar com “o que Jesus pensará de mim”. Realmente a adoração dessa mulher foi extravangante, um legítimo ato de coragem. Ela usou o melhor, pois o frasco de óleo perfumado valia, pelo menos, o salário de um ano de um trabalhador. Possivelmente era toda a sua riqueza, pois naquela época era comum as pessoas investirem seu dinheiro em ouro e especiarias. Não 41
  • 42. eram usuais os depósitos bancários como o fazemos hoje. A verdade incontestável é que aquela mulher ofereceu o seu melhor a Jesus. Foi um ato tão corajoso e singular que Jesus disse que “em todo o mundo, onde quer que seja pregado o evangelho, também o que ela fez será contado em sua memória” (Marcos 14.9). É emocionante constatar que a palavra de Jesus não se perdeu com o passar dos anos. Nós, os seus seguidores deste tempo, temos contado este episódio e perpetuado a memória daquela mulher. 3. Amor demonstrado em ação Quando o fariseu viu o ato extravangante de adoração, pensou com ele mesmo que Jesus não era profeta, porque, se o fosse, saberia que aquela mulher era uma pecadora, uma pessoa de conduta reprovada. Mas Jesus, numa demonstração do seu poder, respondeu ao pensamento de Simão, fazendo-lhe uma pergunta, cuja resposta certamente o levou a arrepender-se de ter duvidado da divindade de Jesus. Jesus exaltou as atitudes da criticada mulher que deveriam ser as atitudes de Simão, como anfitrião (Lucas 7.44-47). A mulher tida como repugnante pelo fariseu foi exemplo de amor demonstrado em ação. Simão se achava bom nas 42 palavras, mas Jesus lhe mostrou que era falho nas ações. Enquanto Simão recebeu a repreensão, a mulher recebeu o perdão: “Jesus disse à mulher: os teus pecados estão perdoados (...). A tua fé te salvou; vai em paz” (Lucas 7.48 e 50). Nada do que fizermos poderá se igualar à grandeza do amor de Deus, resumida (e ampliada) na morte de Jesus na cruz, para propiciar o reencontro entre Criador e criatura. Mas Deus espera que o amemos, muito mais que palavras. O culto aceitável é fruto do amor verdadeiro. Jesus disse: “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama. E aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele” (João 14.21). E ainda: “Quem não me ama não obedece às minhas palavras” (João 14.24). O amor é provado em ações. A mulher pecadora provou o seu amor em ações, assim como Deus fez: “Mas Deus prova o seu amor para conosco ao ter Cristo morrido por nós quando ainda éramos pecadores” (Romanos 5.8). O exemplo vem de cima, vem do Deus eterno e perfeito. Ele nos amou e provou, amplamente, o seu amor. Ouvi, certa vez, de um grande pregador, a seguinte ilustração: “Havia na Índia um trem da meianoite, conhecido como ‘corujão’.
  • 43. Para pensar e agir Mexe conosco saber que um episódio tão antigo ainda fala tão alto. Isso nos ensina o valor da adoração. Aquela mulher nos ensinou que para adorar a Deus, verdadeiramente, é preciso compromisso de vida. Faz lembrar uma fábula muito interessante: Certa vez, a galinha procurou o porco e propõs que oferecem um delicioso café da manhã na floresta. O porco gostou da ideia e começaram a fazer os prepartivos para o cardápio da efeméride. Foi quando a galinha sugeriu ao porco: já sei o que podemos preparar! Bacon com ovos! Eu dou os ovos e você o bacon. A moral é obvia. A galinha daria algo de si e o porco daria a própria vida. A galinha, após o café, continuaria viva, pondo outros ovos. Já o porco... Cultuar é mais do que envolvimento, é compromisso. Cultuar é celebrar a Deus pela nova vida, pela vida ressuscitada, pelo dom perfeito: “não sou mais eu quem vive, mas é Cristo quem vive em mim. E essa vida que vivo agora no corpo, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim” (Gálatas 2.20). Leituras Diárias Numa dessas viagens da madrugada, adentrou um passageiro falando alto, dando gargalhadas, contando piadas, e as pessoas pediam que falasse mais baixo porque precisavam aproveitar a viagem para descansar. Só que não adiantava; quanto mais as pessoas pediam que fizesse silêncio, mais aquele homem as atormentava. Até que alguém disse: moço, o senhor sabe quem é essa pessoa à sua frente? É Mahatma Gandhi, o libertador da Índia. Diz a ilustração que o homem se espantou e exclamou: é o Dr. Gandhi! Logo abriu a sua bolsa, pegou o seu violino e começou a tocar uma belíssima música. Ao concluir, todos o aplaudiram, menos Gandhi. O homem perguntou: Dr. Gandhi, o senhor não gostou da minha música? Gandhi respondeu: não gostei, porque você não sabe obedecer”. A simples ilustração nos ajuda a entender que sem obediência, sem ação, o amor fica comprometido, pois se resume a discurso, a oratória, a falação. A mulher da narrativa de Lucas poderia entrar na casa de Simão e fazer um impecável discurso de amor a Jesus, mas não seria tão contundente quanto a sua ação silenciosa. O amor, princípio fundamental no culto cristão, deve ir além da letra das músicas e ganhar o sentido real das Escrituras: “o amor seja sem fingimento” (Romanos 12.9). Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Salmos 36 e 37 Salmos 38 e 39 Salmos 40 e 41 Salmos 42 e 43 Salmos 44 e 45 Salmos 46 e 47 Salmos 48 e 49 43
  • 44. Data do Estudo Licao 5 Texto Bíblico: Mateus 15.21-28 Adoração sincera Introdução J osué, sucessor de Moisés, pouco antes de morrer, desafiou o povo de Israel ao culto sincero: “Temei o Senhor e cultuai-o com sinceridade e com verdade. (...) Cultuai o Senhor” (Josué 24.14). O termo sinceridade aqui empregado significa “sem mácula, não adulterado”. Paulo, dirigindo-se aos filipenses, registrou: “E peço isto em oração: que o vosso amor aumente cada vez 44 mais no pleno conhecimento e em todo entendimento, para que aproveis as coisas superiores, a fim de serdes sinceros e irrepreensíveis até o dia de Cristo” (Filipenses 1.9,10). O apóstolo utilizou o vocábulo grego significando, ao pé da letra, “julgado à luz do sol”, ou seja, examinado para se verificar sua autenticidade. Noutra passagem, Paulo disse: “Porque não somos mercenários da palavra de Deus, como tantos
  • 45. outros; mas falamos em Cristo com sinceridade, da parte de Deus e na sua presença” (2Coríntios 5.17). O termo empregado nesse verso quer dizer “legítimo, genuíno”. Cornwall apresentou uma interessante informação, que “cai como uma luva” para esclarecer o termo: “A palavra ‘sincero’ provém do termo latino sincerus, formado pela aglutinação de dois outros: sin, “sem”, e caries, “deterioração”. Portando, o significado básico de ‘sincero’ é ‘sem deterioração’. No passado, os negociantes de metais preciosos costumavam promover sua mercadoria afirmando que ela era ‘sincera’, isto é, ‘sem cera ou enchimento’. Era muito comum os artífices desonestos encobrirem as falhas de um produto aplicando-lhe uma cera da mesma cor, que lhe dava a aparência de acabamento perfeito. Mas se alguém chegasse o artigo ao fogo, a cera derreteria e escorreria, e a falha seria exposta. Quando algum negociante anunciava um produto ‘sincero’ queria dizer que ele não fora retocado com cera” 1. Deus requer de nós que lhe prestemos um culto sincero, autêntico, genuíno, não adulterado e sem deterioração. 1. Interesse sincero O interesse de adoração esboçado por Herodes foi mentiroso: “Então 1  CORNWALL, Judson. Adoração como Jesus ensinou. Venda Nova: Betânia, 1995, p.132. Herodes chamou secretamente os magos e procurou saber deles com precisão quando a estrela havia aparecido. E, enviando-os a Belém, disse-lhes: ide e perguntai cuidadosamente sobre o menino. Quando o achardes, avisai-me, para que eu também vá adorá-lo” (Mateus 2.7,8). A boca de Herodes falou uma coisa, mas a intenção dele era outra. É nítido que ele não queria adorar Jesus, pelo contrário, ele queria eliminar um possível rival. Herodes disse “adorar”, mas queria mesmo era “destruir”. O desejo de adoração do rei Herodes não passaria no teste da sinceridade. Sua real intenção era manipular circunstâncias. Temos de nos cuidar para não repetir o erro de Herodes, salvas as devidas proporções. Não queremos e nem podemos matar o “recémnascido Rei dos judeus”. A falta de sinceridade, a mentira em nossa adoração pode acontecer de outras formas. O simples fato de estar num culto por obrigação caracteriza uma adoração falsa, porque nada brotará do coração e sim de um ritual mecânico. Uma espécie de “culto de corpo presente e mente e coração ausentes”. O fato de o ajuntamento solene do povo de Deus acontecer regularmente não significa que será uma repetição sem sentido, pois todo culto é uma novidade. Cada celebração é uma nova oportunidade de encontro, de 45
  • 46. reflexão, de crescimento, e deve ser vivida como se fosse a última, ou seja, valorizada intensamente. Pobre Herodes... ele podia enganar a muitos, menos a Deus. Os magos foram avisados em sonho para não regressarem a Herodes e um anjo do Senhor disse a José para fugir com o menino e a mãe para o Egito (Mateus 2.12,13). Esse é o nosso Deus, digno de adoração! Ninguém pode parar o seu agir! Um bom exercício espiritual é fazer como Davi: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno” (Salmo 139.23,24). 2. Disposição sincera É curioso observar que muitos dos que adoraram a Jesus nos evangelhos não eram judeus. O primeiro emprego do termo “adoração” no Novo Testamento refere-se aos magos do Oriente. O grande discurso de Jesus sobre adoração foi dirigido à mulher samaritana. Um chefe romano adorou a Jesus pedindo que ressuscitasse a sua filha. Gregos também vieram adorá-lo. Um nobre de Cafarnaum foi outro que o adorou. A explicação joanina é convincente: “Ele veio para o que era seu, mas os seus não o receberam. Mas a todos que o receberam, aos que creem no seu nome, deu-lhes a prerrogativa de 46 se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram do desejo da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” (João 1.11-13). É claro que há também exemplos de adoradores do povo de Jesus, mas é interessante que o primeiro mencionado por Mateus foi um leproso (Mateus 8.2). João menciona um cego (João 9.38). Os primeiros a se prostrar foram os que mais reconheciam suas carências e aflições. O texto-base do nosso estudo apresenta o episódio da mulher cananeia. Mateus nos conta que depois de um confronto com os escribas e fariseus, “Jesus seguiu para a região de Tiro e Sidom. Uma mulher cananeia, vindo daquelas redondezas, pôs-se a gritar: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de mim! Minha filha está horrivelmente endemoninhada” (Mateus 15.21,22). Diante de um pedido tão veemente, é intrigante que Jesus nada respondeu à mulher, identificada por Marcos como sendo grega, de origem sirofenícia (Marcos 7.26). Ela persistiu, e continuou seguindo Jesus, insistindo no seu pedido. Os discípulos se aproximaram e rogaram a Jesus que mandasse a mulher embora, porque estava aos gritos atrás deles. Imagino que os discípulos já estivessem irritados com ela. O apelo da cananeia apresentava um argumento que não se aplicava a ela. Sendo grega, ela não tinha
  • 47. adoração, prostrando-se e adorando com disposição correta, Jesus a respondeu: “Mulher, grande é a tua fé! Seja feito a ti como queres” (Mateus 15.28). Para pensar e agir Aquele que deseja uma resposta positiva de Jesus precisa ser sincero na adoração. O ensinamento é claro: “Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem no Espírito e em verdade” (João 4.24). A encarnação de Cristo, ou seja, a sua vinda ao mundo tomando a forma humana, nos possibilitou a comunhão imediata com Deus. O Filho, que é a perfeita manifestação de Deus, colocou ao nosso alcance a capacidade de adorá-lo em espírito e em verdade. Vale a pena parar e refletir: qual a real motivação da nossa adoração? Temos sido sinceros? Passamos no teste da exposição à luz? O desejo de Deus, explícito na Palavra, é que sejamos achados fiéis e verdadeiros adoradores. Leituras Diárias o direito de reivindicar o favor de Jesus como Filho de Davi. Alguns comentaristas sugerem que a mulher estava alegando ser filha de Israel, quando não o era, e que possivelmente teria visto Jesus ser assim chamado por outros, atendendo seus pleitos. Logo, ela quis aproveitar uma fórmula que deu certo com outros. É mais fácil ir até Jesus com fórmulas prontas, mas Ele busca pessoas que queiram segui-lo, que queiram caminhar com Ele; isso significa relacionamento. Quem procura por Jesus com um relacionamento inexistente, certamente receberá o silêncio como resposta, mesmo que utilizem fórmulas corretas. Um coração com disposição errada não será respondido. Hebreus 10.22 é uma boa dica: “Aproximemo-nos com coração sincero, com a plena certeza da fé, com o coração purificado da má consciência e tendo o corpo lavado com água limpa”. Adorador que não é sincero merece o silêncio de Jesus. Jesus foi categórico e esclarecedor na sua resposta aos discípulos: “Eu fui enviado somente às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mateus 15.24). Ele não estava sendo insensível, sua ação foi para o bem daquela mulher, retirando a sua máscara, levando-a a um nível mais profundo de relacionamento com Deus. No instante em que aquela mulher demonstrou sinceridade em sua Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Salmos 50 e 51 Salmos 52 e 53 Salmos 54 e 55 Salmos 56 e 57 Salmos 58 e 59 Salmos 60 e 61 Salmos 62 e 63 47
  • 48. Data do Estudo Licao 6 Texto Bíblico: Mateus 18.20 Deus: o principal oficiante do culto Introdução N a lição 1, aprendemos um pouco mais sobre o que é culto. Nela, definimos alguns termos, como culto (coletivo e individual) e liturgia. Vale a pena rever esses conceitos antes de prosseguir. Fica a dica. Quando a igreja se reúne para cultuar, todos se constituem em oficiantes do culto. Essa tarefa não é só do pastor ou do dirigente. O único que assiste ao culto é Deus, pois é o alvo exclusivo da adoração. 48 É sempre positivo relembrar que não é correto dizer que vamos ao templo assistir ao culto. Na verdade, vamos ao templo prestar culto, participando, ativamente dele. Vamos ao teatro assistir a um espetáculo, vamos ao estádio assistir a uma partida de futebol, mas não vamos ao templo assistir a um culto. Há, porém, um cuidado que temos de ter quando pensamos no relacionamento entre Deus e o culto. Embora o Senhor seja assistente, ele também é o principal oficiante. Ele é
  • 49. o recebedor da adoração, bem como o propiciador da oportunidade de adoração. 1. Participação de Deus no culto De tanto sabermos que Deus se faz presente na reunião do seu povo (Mateus 18.20), temos tanto a tendência de tomar a sua presença como pressuposta, como evidente, que na maior parte das vezes a omitimos como presença oficiante do culto. É a ordem de Deus que transforma o ato de culto em algo mais do que mero desejo ou anseio. É a sua presença que faz dele algo mais do que uma simples ilusão. É a presença de Deus que nos redime do perigo da vaidade, que nos cura da cegueira espiritual. É o amor de Deus que impede que o culto se transforme num cerimonial mecânico individualista. A liberdade de Deus eleva o culto acima do nível de uma espécie de chantagem espiritual. Com isso, temos de aprender que Deus é, ao mesmo tempo e de forma perfeita, sujeito e objeto do culto cristão. No culto, Deus serve e é servido, ordena e recebe a celebração, fala e escuta. Deus é aquele a quem imploramos e que concede o que pedimos. O culto seria uma farsa criminosa sem a presença de Deus, seria uma grande mentira. Von Allmen nos brinda com uma profunda declaração: “É por meio da fé que a igreja percebe que o seu culto não é nem criminoso, nem mentiroso, nem enganoso, porque sabe que é Deus que a chama à adoração, na qual Ele se dá à igreja e a acolhe” 1. 2. Participação do pastor no culto Vamos tratar da figura do pastor, mas também se inclui aqui todo aquele que participa como dirigente do culto ou pregador, no caso de não ser o pastor. Logo de início, é importantíssimo destacar que o culto não é do pastor, mas da comunidade. Às vezes, corremos o risco, pela habitualidade, de pensar que a igreja ajuda o pastor a celebrar o culto. É justamente o contrário. O pastor é quem ajuda a igreja a celebrar o culto, ele é um facilitador da ação conjunta da comunidade de fé. Quando o pastor é elevado à categoria de oficiante exclusivo (solitário) do culto, nasce a tentação de se achar “estrela”. São os chamados “showmen”, aqueles “pastores” que transformam o culto em performances pessoais. Parece que se eles não estiverem presentes, não há culto. Eles são “os caras”. Se não tomar cuidado, se colocam acima do próprio Deus. Devemos aprender com a discrição de Jesus. Como Pastor Supremo, 1  VON ALLMEN, J. J. O Culto Cristão. São Paulo: Aste, 2005, p.183. 49
  • 50. Jesus levou os seus seguidores a um relacionamento profundo com o Pai. Jesus sabia que o povo do Senhor deveria cultuar pela fé, noutras palavras, deveria cultuar além do que se pode ver. O pastor ou dirigente de culto é tão somente um servo, destacado entre os outros servos, para auxiliar a congregação no culto coletivo. Não se adora pastor. Só Deus é digno de adoração. Diante de Jesus, pastor também é ovelha. A igreja precisa entender isso. Os pastores também precisam de oração e cuidado. Nunca uma igreja deve agir com o pastor como se estivesse agindo com uma máquina. Pastor se cansa, precisa de tempo e tem o dever de ser adorador. 3. Participação da congregação no culto O cristão deve assimilar a graça de poder celebrar culto a Deus como um direito e um dever. Um direito outorgado pela obra salvífica de Cristo e um dever prazerosamente assumido como resposta a esta mesma obra. Alguns requisitos devem ser atendidos por todos nós, quando reunidos em culto: SINCERIDADE. A congregação deve ser íntegra na sua celebração. Não vale de nada se reunir corporalmente e mentalmente permanecer distante. A adoração deve ser sincera, noutras palavras, 50 a verdade deve imperar na mente e no coração dos celebrantes. Vir ao templo e ficar pensando maldades, conversando sobre a vida alheia (a popular fofoca) é uma atitude repugnante perante Deus. REVERÊNCIA. É triste celebrar a Deus com uma congregação indisciplinada. Ambiente leve, informal e descontraído não significa irreverência. O culto ao Senhor, embora não seja formalista, não é uma desordem ou confusão. Quando lemos a Bíblia, por exemplo, lemos a Palavra de Deus, logo, somos “boca de Deus” ao proclamar a Palavra. Isso não pode acontecer de qualquer maneira. Devemos evitar o famoso “levanta e sai” a todo instante no culto. Ficamos duas horas assistindo a um filme no cinema, por que não podemos ficar o mesmo tempo (ou menos, geralmente) em reverência no culto? É uma questão de prioridade e valorização. Parece que estamos nos “acostumando” demais com a presença de Deus a ponto de faltar com o respeito. Deus é nosso amigo, mas nunca deixará de ser nosso Senhor. Volto a dizer que culto não é uma ditadura, mas também não é uma anarquia. Deus não é um ditador, mas governa sobre nós, exigindo “decência e ordem” (1Coríntios 14.40). UNIDADE. No culto individual, somos nós e Deus, mas, no culto coletivo, que é o nosso caso aqui, somos nós, os outros e Deus.
  • 51. ter concluído o ensino médio, por exemplo. Não somos reconhecidos na celebração litúrgica pelos títulos conquistados, embora tenham a sua importância, mas sim pelo amor, que é o vínculo especial. A igreja é realmente algo sublime, pois nela todos aprendem e ensinam. É uma troca mútua, na mediação de Jesus. Para pensar e agir O culto cristão deve ser centrado em Deus. Nossas celebrações precisam ser cristocêntricas. É um perigo para a fé apoiar-se em extremos, ou seja, o culto será frio e vazio de sentido se o adorador entender Deus como alguém totalmente distante dele, demasiadamente transcendente. Por outro lado, o culto será irreverente e desvalorizado se o adorador entender Deus como alguém à sua altura, uma pessoa como qualquer outra. O ideal é o entendimento de que Deus é sempre mais do que nós, embora se faça nosso amigo próximo. É intimidade respeitosa. É submissão alegre. Enfim, é relacionamento saudável. Leituras Diárias É uma experiência em grupo, reunindo pessoas diferentes, mas que devem nutrir um ideal comum. Daí a necessidade de unidade na celebração litúrgica. A conhecida ilustração das batatas cai bem agora, pois batatas dentro de uma mesma sacola simbolizam união e batatas cozidas, amassadas e feitas em purê simbolizam unidade. As batatas juntas na sacola se espalham se a abrirmos, mas um purê de batatas selará a unidade das batatas daquele momento em diante. O culto é comparado ao purê de batatas. Fomos todos cozidos, amassados e transformados em purê pelo Espírito Santo de Deus. As preferências individuais serão sempre secundárias diante das coletivas. HUMILDADE. Há muitos outros requisitos, mas concluiremos nossa lista com a humildade. Há um ditado popular que afirma que “ninguém é tão grande que não possa aprender, nem tão pequeno que não possa ensinar”. Uma verdade visível e possível no culto por intermédio da humildade exemplificada por Cristo. Não devemos ficar “armados”, bloqueando o aprendizado de coisas novas, pelo contrário, devemos nos submeter a Deus, humildemente, rogando que Ele continue usando seus servos para nos ensinar. Na igreja não deve haver preferências e honrarias por titularidades acadêmicas ou eclesiásticas. Ninguém será preferido por ser doutor e preterido por não Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Salmos 64 e 65 Salmos 66 e 67 Salmo 68 Salmo 69 Salmos 70 e 71 Salmo 72 Salmo 73 51
  • 52. Data do Estudo Licao 7 Texto Bíblico: Efésios 5.19; Colossenses 3.16 Estilos de culto Introdução F alar em estilos de culto coletivo é falar em liturgia. Enquanto batistas usamos pouco o termo liturgia. Para alguns, liturgia é “coisa de católico”. Para outros, liturgia traz a ideia de algo formatado, quadrado, limitado. Nossa caminhada pelas lições anteriores nos permite entender que, na verdade, liturgia não é nem uma coisa nem outra. Liturgia é tão somente a “parte visível” do culto, é a nossa tradicional “ordem de culto”, que contém os elementos de tudo o que acontece numa celebração. 52
  • 53. Uma vez que liturgia é algo secundário em relação ao culto, a variação de estilos litúrgicos em si não é um problema. Problema seria a variação do culto, porque comprometeria a essência. Mas, para facilitar o nosso entendimento, utilizaremos o termo “culto” entendendo-o, nesta lição, como “liturgia”. Com a devida explicação, passemos a refletir no tema de hoje: estilos de culto. 1. Culto nas igrejas batistas Diferentemente das lições anteriores, começaremos esta com um pouco da história do culto batista1. Há, pelo menos, três teorias sobre a origem dos batistas. Sem entrar no mérito, pois o propósito aqui não é este, uma dessas teorias afirma que a denominação batista nasceu na Inglaterra. Isso aconteceu por intermédio do ex-anglicano John Smyth, um pastor da ala separatista, que estava sendo perseguido. Face à perseguição, Smyth mudou-se para a Holanda e desligou-se dos separatistas ingleses. Smyth era contrário aos manuais litúrgicos, pois entendia que esses livros eram obstáculos à adoração no culto. O culto de Smyth era longo, 1  Denise Frederico, nossa irmã em Cristo e membro de uma igreja batista da CBB, publicou algumas obras interessantes sobre esse assunto, que foram úteis durante as pesquisas de preparação das lições. Indico, nesta ocasião, a leitura de FREDERICO, Denise. O que é liturgia? Rio de Janeiro: MK, 2004. centrado no sermão, mas dando oportunidade para que os presentes debatessem o assunto explicado pelo pastor. Eram cultos parecidos com o modelo atual de Escola Bíblica Dominical. O Pastor Smyth também não permitia que fossem utilizados materiais impressos. Para ele, o importante era que a Palavra fosse pregada e que o Espírito Santo tivesse liberdade para orientar a ordem litúrgica. Nos dias atuais, há várias tendências de estilos de culto nas igrejas batistas. Vejamos algumas2: • A que segue uma estrutura de culto baseada em Isaías 6.1-8, transplantada pelos missionários norte-americanos, que a ensinaram nos seminários teológicos. Essa liturgia seria “tradicional” ou “erudita”, porque praticamente só é usada nas igrejas onde há ministros(as) de música ou pastores que tenham sido alunos de seminários da denominação. • Existe uma liturgia que se pode rotular como “temática”, uma vez que nela são comemoradas datas de interesse denominacional, tais como: Dia de Missões Nacionais, de Missões Mundiais, do Pastor, de Educação Religiosa, além de outras datas. Sendo assim, a ordem de culto visa prestigiar cantos e leituras que abordem o tema do dia. 2  Adaptação de FREDERICO, Denise. A música na igreja evangélica brasileira. Rio de Janeiro: MK, 2007. p.119. 53
  • 54. • A liturgia que segue o tema do sermão do pastor para aquele dia e que pode ser denominada de “liturgia homilética” 3. • Existem igrejas que mantêm, no culto dominicial da noite, uma ordem de culto oriunda dos metodistas “da fronteira”. James White cita essa liturgia, que ficou conhecida como “liturgia sanduíche”. Ela consiste, resumidamente, em música, mensagem e música, sempre com ênfase evangelística. • Existe a “liturgia renovada”. Talvez seja a que mais esteja se expandindo dentro das igrejas batistas: é aquela livre, espontânea, influenciada pelos neopentecostais. Sua estrutura é praticamente igual à das igrejas carismáticas. Existem duas partes: a primeira, com o chamado período de louvor, em que inúmeros cânticos são entoados, entremeados por orações espontâneas feitas pela equipe de cantores e instrumentistas que lideram o momento. A segunda parte consiste na exposição da Palavra. Ainda há aquelas igrejas que fazem uma mistura de muitos dos tipos descritos acima. Fica, então, difícil, dar um nome para essa liturgia. Talvez o nome mais apropriado seja “liturgia livre”. 3  Homilética, numa explicação simples e direta, é a arte de preparar e pregar sermões. Por isso, falar em “liturgia homilética” significa dizer que a ordem de culto (liturgia) será elaborada à luz do assunto da mensagem (homilética). 54 2. Princípios para o culto Diante de tantos estilos, não seria sábio brigar por um ou mais deles. De igual forma, não é o melhor caminho buscar uma uniformidade. Creio que o razoável é primar pelos princípios que fazem de nós o que somos. Destacarei dois elementos fundamentais para a nossa reflexão: MÚSICA. Esta é uma das questões mais importantes quando se fala em zelo pela liturgia, porque a música fica mais facilmente gravada em nossas mentes. A seleção das músicas para o culto cristão deve ser muito bem feita, passando um rigoroso “pente fino”. Quando se fala em seleção de músicas para o culto, deve-se levar em conta a comunidade de fé. Não devemos moldar a liturgia esquecendo-nos das pessoas que participam do culto. O teólogo Erik Routley afirmou que a qualidade básica para que uma música sirva à liturgia é que ela seja acessível às pessoas comuns. Ao usar o termo comuns, ele se referiu à variedade de pessoas que vão aos cultos: gente de classes sociais diferentes, de idades diversas, de culturas distintas. Regra geral, as músicas que ficam em nossa mente e que nos pegamos cantarolando no dia a dia têm essas características. Geralmente são simples, com frases musicais curtas e repetições que ajudam a gravá-las. Pensando na música para o culto, deve-se também pensar na
  • 55. Para pensar e agir Na maioria das vezes, mais importante do que conhecer o “porquê” de alguma coisa é saber o “para que”. Certa vez uma pessoa perguntou ao pastor o que ele achava de orar com a mão para cima. O pastor respondeu que achava a mesma coisa de orar com a mão para baixo. Quando a igreja se prende às coisas secundárias ela se perde no caminho. Devemos nos focar no essencial, no que faz o culto ser verdadeiramente culto. Há uma velha ilustração de uma igreja que se dividiu em três por causa de uma bobagem. Um professor da EBD começou a pensar que, se Adão não tinha nascido da barriga de uma mulher, não teria cordão umbilical, logo, não teria umbigo. Então ele começou a defender a tese de que Adão não tinha umbigo. Um grupo concordou, outro grupo discorcou efusivamente e outro ficou na dúvida, esperando o grupo vencedor para se unir a ele. Foi uma confusão, porque havia aquele irmão que não falava com o outro porque não cria no umbigo de Adão. É muito triste quando a igreja, que tem tanta coisa para fazer por Cristo, se prende a detalhes insignificantes, como o umbigo de Adão. Fujamos dessas mediocridades e avancemos na qualidade litúrgica que Deus merece. Leituras Diárias sua teologia. Nossas crenças, como batistas, precisam transparecer nas músicas que cantamos. É muito triste mentir, mesmo que seja cantando com a congregação no culto. Cantar o que não se crê, só porque está “bonbando” na mídia, é incoerente. DOUTRINA. O mau uso do termo desgatou um pouco o valor da doutrina em algumas igrejas. Há pessoas que têm verdadeiro pavor quando se fala em doutrina, pois pensam logo em algo limitador da adoração. Doutrina não é limitadora, é norteadora. Toda igreja tem uma doutrina, mesmo que assuma não tê-la. Nós, batistas, temos nosso corpo de doutrinas. São esses os ensinos que devemos proclamar no culto: ensinos de Cristo. Doutrina é a forma como sistematizamos, no dia a dia da comunidade de fé, o aprendizado dos ensinamentos de Cristo, exarados na Palavra. Descuidar da doutrina é entregar o culto coletivo aos devaneios dos modismos. É possível um culto vibrante, dinâmico, participativo e bem doutrinado, pois doutrina está acima de estilo de culto. Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Salmos 74 e 75 Salmos 76 e 77 Salmo 78 Salmos 79 e 80 Salmos 81 e 82 Salmos 83 e 84 Salmo 85 55
  • 56. Data do Estudo Licao 8 Texto Bíblico: Êxodo 15.1-18 Música na Bíblia, 1 Introdução A música, embora tão admirada, ainda tende a ser um assunto controvertido no culto, lamentavelmente. O problema não está na preferência de determinado estilo musical, mas na intolerância com os outros estilos musicais. Entre nós, batistas, a inclusão da música no culto não foi um assunto fácil. Benjamim Keach foi quem introduziu o canto nas igrejas batistas inglesas. Keach conseguiu, em 1673, que a igreja em Horsleydown cantasse um hino no fim da ceia, permitindo que os contrários se retirassem antes de ser cantado1. Nesta e quaisquer outras questões, a Bíblia é quem define, até porque 1  FREDERICO, Denise. Liturgia: das origens até os batistas brasileiros. Porto Alegre: EST, 1994, p. 36. 56 nos é valioso demais o princípio da autoridade da Bíblia como única regra de fé e prática. Por isso, vamos caminhar, de forma bem resumida, pelas páginas bíblicas, com a finalidade de extrair o que a Palavra diz sobre a música na prática coletiva de culto. 1. Música no Antigo Testamento Os judeus tinham músicas para diversas ocasiões. Quando o povo passou pelo mar Vermelho, entoou com Moisés o hino que lemos como texto de referência nesta lição (Êxodo 15.1-18). É um primitivo cântico religioso lindíssimo, acompanhado de instrumentos e de uma responsiva antífona, dirigida por Miriã, irmã de Moisés: “Cantai ao Senhor, porque
  • 57. triunfou gloriosamente; lançou no mar o cavalo e o seu cavaleiro” (v. 21). Moisés, no fim do seu ministério, podemos assim dizer, deixou um hino para Israel (Deuteronômio 32.1-43), introduzido no capítulo 31: “Então Moisés proferiu todas as palavras deste cântico, enquanto toda a assembleia de Israel o ouvia” (v. 30). Após o cântico, o verso 44 arremata: “Então Moisés veio e proferiu todas as palavras deste cântico na presença do povo, ele e Oseias, filho de Num”. Antes de morrer, Moisés deixou uma música para o seu povo! Davi é outro exemplo de líder que dava à música um lugar de destaque. Foi com música que ele levou a arca do concerto para o tabernáculo. “Davi ordenou que os chefes dos levitas escolhessem alguns músicos, dentre seus parentes, para tocarem instrumentos musicais, com lira, harpas e címbalos, e cantarem com alegria” (1Crônicas 15.16). O verso 28 volta a falar dessa ordem, agora cumprida: “Assim, todo Israel levou a arca da aliança do Senhor, com júbilo, ao som de cornetas, trombetas e címbalos, acompanhado de liras e harpas.” Em 2 Crônicas 5, encontramos a música sendo utilizada na dedicação do Templo construído por Salomão. Interessante, também, é o fato do maior livro da Bíblia – Salmos – ser um hinário2. 2  Indico como leitura sobre o assunto a obra de McCommom, que foi muito útil na pesquisa: MCCOMMON, Paul. A Música na Bíblia. Rio de Janeiro: JUERP, 1995. 2. Louvor e Adoração no Antigo Testamento A expressão “louvor e adoração” tem sido muito comum nas celebrações para designar o momento em que a congregação, conduzida por uma equipe de músicos, entoa cânticos avulsos. O perigo está em confundir o momento de cânticos espirituais como único momento de louvor e adoração no culto. Os cânticos são uma das expressões possíveis de louvor e adoração. Philip Yancey afirmou que “adorar a Deus hoje significa preencher aos brados todo e qualquer silêncio” e, ainda, falou sobre um autor de várias canções que se disse preocupado com a música de adoração que está pondo o foco nos músicos e não em Deus3. Temos de fugir desse erro! G. Wainwright disse que “o louvor público é também testemunho diante do mundo. Deve ter Deus como seu propósito (...). Um hino cuja intenção não seja o louvor a Deus de alguma forma deveria ser considerado uma idolatria”4. O verdadeiro ambiente de adoração, conforme a visão de Isaías 6.1-8, é aquele que conduz o adorador à consciência dos 3  YANCEY, Philip. Prostar-se e beijar. In: Revista Enfoque Gospel, jul/95, p. 98. 4  Geoffrey Wainwright foi citado em FREDERICO, Denise. A Música na Igreja Evangélica Brasileira. Rio de Janeiro: MK, 2007, p. 43. 57