SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSTITUTO DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS
DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA
CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA
Produção científica e publicação na graduação
Público- Alvo: Discentes de Graduação em Filosofia, Mestrandos PROF-FILO e
Professores da Educação Básica
Prof. Dr. Pedro Rodolfo Fernandes da Silva
Prof. Dr. Aldair Oliveira de Andrade
Produção Científica e Publicação
 Ciência: processo de produção do conhecimento com base em ideias, que
confronta o que poderia ser feito com o que de fato é realizado, visando
soluções (JACOB, 1997). A ciência é, provavelmente, a principal
realização e/ou conquista do século XX, sobretudo no que se refere ao
seu crescimento e desenvolvimento.
 A ciência é simultaneamente um saber teórico (explica o real) e
um poder prático (maneja o real pela técnica). A ciência apreende
seus objetos como fenômenos – ela se atém a essa
fenomenalidade. Busca estabelecer relações de causa e efeito
entre os fenômenos (SEVERINO, 2013).
 No Brasil, o desenvolvimento da produção científica se deu em razão dos
serviços e produtos derivados da produção do conhecimento que
permitiram que o país crescesse e se tornasse membro integrante e
competitivo no mundo da produção científica mundial.
O que é artigo científico?
 “[...] parte de uma publicação, com autoria declarada, que
apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e
resultados nas diversas áreas do conhecimento” (NBR 6022:2018)
 “Artigo científico é um trabalho acadêmico que apresenta
resultados sucintos de uma pesquisa realizada de acordo com
o método científico aceito por uma comunidade de pesquisadores.
Por esse motivo, considera-se científico o artigo que foi submetido
a exame por outros cientistas, que verificam as informações, os
métodos e a precisão lógico-metodológica das conclusões ou
resultados obtidos” (www.ufrgs.br/blogdabc/tudo-que-você-precisa-saber-para-escrever-e-publica-
artigos-científicos).
 Resultado, produto da ciência. Comunicação do conhecimento.
 Elementos constitutivos do artigo científico – NBR 6022:2018.
 Erros comuns:
– Repetição da introdução.
– Repetição dos resultados.
– Discussão não baseada nos propósitos do estudo.
– Não esclarecer as implicações teóricas e práticas dos resultados.
– Discussão não baseada nos resultados.
– Hipóteses não discutidas explicitamente.
– Especulações não fundamentadas.
– Recomendações não baseadas nos resultados.
 (www.ufrgs.br/blogdabc/tudo-que-você-precisa-saber-para-escrever-e-publica-artigos-científicos).
Principais critérios utilizados na avaliação de artigos científicos
Relevância (enquadramento do artigo): o artigo produzido se enquadra no escopo da
publicação? É importante uma pesquisa prévia de quais eventos e publicações
melhor se ajustam ao seu artigo produzido.
Originalidade – no geral os avaliadores são pessoas experientes que já possuem um
vasto conhecimento na área para detectar se um trabalho produzido é original ou é
apenas a junção de fragmentos de outros textos.
Mérito técnico-científico – atentar para a clareza da metodologia científica aplicada
e os resultados obtidos que sejam relevantes para a área de pesquisa.
Apresentação (conteúdo com forma) – atentar para as normas e modelos
estabelecidos pelo evento ou publicação. Desrespeitar as regras e formatos em
muitos casos pode resultar na reprovação do artigo
(www.ufrgs.br/blogdabc/tudo-que-você-precisa-saber-para-escrever-e-publica-artigos-científicos).
Organização e legibilidade: uma boa escrita, comunicação e utilização
de boas práticas e normas da área de pesquisa é essencial para que os
avaliadores possam entender de forma clara o trabalho.
Referências: sempre que forem utilizadas referências para
comparativos e direcionamento da pesquisa é obrigatório realizar a
citação e ao final organizar a lista de referências utilizadas.
Além desses, cada periódico poderá ter seus próprios critérios
específicos de avaliação, que no geral são discriminados na chamada
para submissão. Estudar esses critérios é a melhor forma de aumentar
as chances de publicação do artigo.
(www.ufrgs.br/blogdabc/tudo-que-você-precisa-saber-para-escrever-e-publica-artigos-científicos).
 Publicação periódica técnica e/ou científica: publicação em
qualquer tipo de suporte, editada em unidades sucessivas, com
designações numéricas e/ou cronológicas e destinada a ser
continuada indefinidamente (NBR 6022:2018).
 Qual a função da publicação científica?
 Atender ao ‘produtivismo’?
 A publicação é a finalização da pesquisa, é a contribuição social
do autor, e é por meio dela que poderá ser “contada a história”
daquele estudo e seus respectivos achados (TRZESNIAK, 2009).
 A escolha do periódico faz parte do processo de ‘contar a
história’, pois se elege o público com o qual se deseja
compartilhar e para o qual os dados serão úteis (BARATA, 2015).
 O crescimento das publicações no Brasil decorre de
uma intensa pressão para publicar, uma vez que o
maior peso nas decisões sobre a avaliação dos
programas de pós-graduação é a produção científica
dos docentes. Ainda, progressão na carreira
universitária e nos institutos de pesquisa tem como
base a produção científica, o que influencia a
quantidade de pesquisadores ativos (FREITAS, 1998).
 Apesar do crescimento da produção científica no Brasil,
ela ainda é pequena quando comparada à expansão do
ensino.
 A literatura científica nos países desenvolvidos vem
registrando um crescimento significativo não observado no
Brasil.
 Apesar de a produção científica nacional, de uma forma
geral, apresentar um aumento de aproximadamente 10%
ao ano, ainda há uma carência quando comparado a
países considerados desenvolvidos.
 O Brasil ocupa a 13ª posição no ranking das publicações
científicas do mundo.
 Entre 2000 e 2005 houve um aumento de 33% na citação de periódicos
científicos no Brasil, porém esse número estaria aquém do esperado
se comparado ao cenário das publicações científicas no exterior.
 Desde o seu surgimento, as revistas ou periódicos científicos
constituem importantes canais de comunicação formal da ciência.
 Como destacam Suehiro e Rueda (2009), esse tipo de publicação teve
início no século XVII, na Europa, com a criação das sociedades e
academias científicas.
 A produção científica no Brasil tem sido veiculada,
predominantemente, em anais de congressos e revistas científicas.
 A existência de um número muito pequeno de pesquisadores
publicando sistematicamente.
 A produção e publicação estão concentrados em um grupo reduzido
de instituições localizadas nas regiões Sul e Sudeste.
Tabela 1: Produção Científica – Países selecionados e São Paulo – 2008 a 2010
País Total de Artigos % do Total
Brasil 94.622 55,6
São Paulo 43.535 25,5
México 28.233 16,6
Argentina 21.773 12,8
Chile 14.373 8,4
Colômbia 7.254 4,2
Venezuela 4.032 2,4
TOTAL (DOS PAÍSES) 170.287 100
FAPESP. Pesquisadores no Brasil publicam 56% dos artigos científicos originados na América Latina. Boletim nº 3, Novembro 2011.
O Amazonas aparece na 16ª posição.
https://portal.if.usp.br/ifusp/pt-br/not%C3%ADcia/panorama-da-produ%C3%A7%C3%A3o-cient%C3%ADfica-do-brasil-2011-2016
Qual é o impacto da pesquisa brasileira?
O número de citações que uma publicação de pesquisa (paper) recebe reflete o impacto que teve em pesquisas posteriores.
As publicações científicas citam documentos anteriores para validar uma contribuição intelectual. Portanto, pode-se dizer
que uma publicação (ou uma coleção de publicações) com uma contagem de citações mais elevada teve um impacto maior
no campo de conhecimento ao qual se relacionou. No entanto, as taxas de citação também dependem da área de pesquisa
e da idade de uma publicação científica (os documentos mais antigos tiveram mais tempo para obter citações em
comparação com os mais recentes). Para explicar esses fatores, a contagem de citações de publicações
foi normalizada em relação à média mundial de citações esperada para o campo de conhecimento e o ano de publicação.
O impacto da citação do Brasil historicamente foi abaixo da média mundial, mas aumentou mais de 15% em relação aos
últimos seis anos
[1] Fonte dos dados: InCites – Clarivate Analytics Web of Science (2011-2016)
Ainda de acordo com o Relatório, o impacto do Brasil na produção científica mundial aumentou ano-a-ano de 0,73 em 2011 para 0,86 em 2016, um aumento de 18%.
Caso essa tendência atual seja mantida, em 2021, o Brasil atingirá a média global de 1,0. Hoje, o Brasil produz alguns artigos altamente citados e alcançou boas
taxas de citações entre os 1% dos artigos mais citados no mundo (aqueles com um impacto médio de citação maior ou igual a 4,0).
https://portal.if.usp.br/ifusp/pt-br/not%C3%ADcia/panorama-da-produ%C3%A7%C3%A3o-cient%C3%ADfica-do-brasil-2011-2016
Brasil é o país com mais publicação científica em acesso aberto
Relatório internacional mostra que 75% dos artigos em periódicos nacionais estão disponíveis
gratuitamente, em grande parte graças à biblioteca SciELO
Em 13º lugar entre os países que mais produzem artigos científicos no mundo, o Brasil tem a maior
porcentagem disponível gratuitamente e sem entraves via internet – o chamado acesso aberto. Os dados
estão em relatório publicado este mês pela Science-Metrix, uma empresa norte-americana dedicada a
avaliar atividades ligadas a ciência e tecnologia.
Dos artigos publicados em periódicos brasileiros, 74% têm acesso aberto. O fenômeno se deve em grande
parte à biblioteca virtual SciELO (sigla de Scientific Electronic Library Online), que reúne 283 periódicos brasileiros e
por volta de mil de outros países.
https://revistapesquisa.fapesp.br/brasil-e-o-pais-com-mais-publicacao-cientifica-em-acesso-aberto/
 Referências
 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 6022:2018: Informação e documentação -Artigo em publicação periódica
técnica e/ou científica –Apresentação. ABNT: Rio de Janeiro, 2018.
 BARATA, G. (2015). Em revisão: o impacto da produção científica brasileira para o Brasil. Ciência e Cultura, 67(4), 06-08.
 FREITAS, M. H. A. (1998). Avaliação da produção científica: Considerações sobre alguns critérios. Psicologia Escolar e
 Educacional, 2(3), 211-228.
 GUEDES, M.C. (2011). Equívocos na publicação científica: algumas considerações. Psicologia USP, 22(2), 387-398.
 JACOB, F. La souris, la mouche et l’homme. Paris: Odile Jacob, 1997.
 JACOBSEN, Priscila. Tudo que você precisa saber para escrever e publicar artigos científicos. Disponível em:
https://www.ufrgs.br/blogdabc/tudo-que-voce-precisa-saber-para-escrever-e-publicar-artigos-cientificos/
 SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. [livro eletrônico – e - PUB]. 1ª ed. São Paulo: Cortez, 2013.
 SISTEBIB UFAM. Como Construir um Artigo Cientifico. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=lHwU1KWCBT4 Acesso em
10/09/2020.
 SUEHIRO, A. C. B., & RUEDA, F. J. M. Revista Avaliação Psicológica: Um estudo da produção científica de 2002 a
 2007. Revista Avaliação Psicológica, 2009, 8 (1), 131-139.
 TRZESNIAK, P. (2009): A estrutura editorial de um periódico científico. In: A. A. Z. P. Sabadini, M. I. C. Sampaio, & S. H. Koller (Orgs.) Publicar
em psicologia: um enfoque para a revista científica (pp. 87-102). São Paulo: Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia;
Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Publicação de Artigos em Revistas Indexadas.ppt

028 033 entrevista-bruce-199
028 033 entrevista-bruce-199028 033 entrevista-bruce-199
028 033 entrevista-bruce-199
krirocha
 
Ciencia_aberta_editores_cientificos_Ebook.pdf
Ciencia_aberta_editores_cientificos_Ebook.pdfCiencia_aberta_editores_cientificos_Ebook.pdf
Ciencia_aberta_editores_cientificos_Ebook.pdf
RaphaelAndrade55
 
A Produção Discente: atual conjuntura do Curso de Biblioteconomia da Universi...
A Produção Discente: atual conjuntura do Curso de Biblioteconomia da Universi...A Produção Discente: atual conjuntura do Curso de Biblioteconomia da Universi...
A Produção Discente: atual conjuntura do Curso de Biblioteconomia da Universi...
Zayr Silva
 
Revista Científica - Capital Científico - v7n1
Revista Científica  - Capital Científico - v7n1Revista Científica  - Capital Científico - v7n1
Revista Científica - Capital Científico - v7n1
Lucas Casarini
 
Artigo (seminário sandra)
Artigo (seminário sandra)Artigo (seminário sandra)
Artigo (seminário sandra)
Nathália Cassiano
 
Gestão editorial de periódicos – estado atual, impasses, desafios e perspectivas
Gestão editorial de periódicos – estado atual, impasses, desafios e perspectivasGestão editorial de periódicos – estado atual, impasses, desafios e perspectivas
Gestão editorial de periódicos – estado atual, impasses, desafios e perspectivas
SciELO - Scientific Electronic Library Online
 
Prestação de Contas - NISP - 2014/2015
Prestação de Contas - NISP - 2014/2015Prestação de Contas - NISP - 2014/2015
Prestação de Contas - NISP - 2014/2015
Daniel Pinheiro
 
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
VI EBBC - Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria
 
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
VI EBBC - Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria
 
Artigo museu_théo_brandao_ufal-enebd-2010
Artigo  museu_théo_brandao_ufal-enebd-2010Artigo  museu_théo_brandao_ufal-enebd-2010
Artigo museu_théo_brandao_ufal-enebd-2010
Zayr Silva
 
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Juliana Gulka
 
Ic 2015 book
Ic 2015   bookIc 2015   book
Ic 2015 book
gisa_legal
 
Produção Discente UFAL - ENEBD 2010
Produção Discente UFAL - ENEBD 2010Produção Discente UFAL - ENEBD 2010
Produção Discente UFAL - ENEBD 2010
Zayr Silva
 
Aula 1 - O que é Ciência - Material digital
Aula 1 - O que é Ciência - Material digitalAula 1 - O que é Ciência - Material digital
Aula 1 - O que é Ciência - Material digital
ferrarimfv
 
Rac saúde.2021 v2n2_1-3 (pt)
Rac saúde.2021 v2n2_1-3 (pt)Rac saúde.2021 v2n2_1-3 (pt)
Rac saúde.2021 v2n2_1-3 (pt)
Revista Angolana de Ciências da Saúde
 
The challenges of scientific publication in the health field in Angola
The challenges of scientific publication in the health field in Angola The challenges of scientific publication in the health field in Angola
The challenges of scientific publication in the health field in Angola
Revista Angolana de Ciências da Saúde
 
Elementos introdutórios para uma análise bibliométrica da produção científica...
Elementos introdutórios para uma análise bibliométrica da produção científica...Elementos introdutórios para uma análise bibliométrica da produção científica...
Elementos introdutórios para uma análise bibliométrica da produção científica...
VI EBBC - Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria
 
Fluxo de citações inter-nacional: fontes de informação para avaliação de impa...
Fluxo de citações inter-nacional: fontes de informação para avaliação de impa...Fluxo de citações inter-nacional: fontes de informação para avaliação de impa...
Fluxo de citações inter-nacional: fontes de informação para avaliação de impa...
VI EBBC - Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria
 
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
Leticia Strehl
 
Gefopi na prática da indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Gefopi na prática da indissociabilidade ensino, pesquisa e extensãoGefopi na prática da indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Gefopi na prática da indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Andréa Kochhann
 

Semelhante a Publicação de Artigos em Revistas Indexadas.ppt (20)

028 033 entrevista-bruce-199
028 033 entrevista-bruce-199028 033 entrevista-bruce-199
028 033 entrevista-bruce-199
 
Ciencia_aberta_editores_cientificos_Ebook.pdf
Ciencia_aberta_editores_cientificos_Ebook.pdfCiencia_aberta_editores_cientificos_Ebook.pdf
Ciencia_aberta_editores_cientificos_Ebook.pdf
 
A Produção Discente: atual conjuntura do Curso de Biblioteconomia da Universi...
A Produção Discente: atual conjuntura do Curso de Biblioteconomia da Universi...A Produção Discente: atual conjuntura do Curso de Biblioteconomia da Universi...
A Produção Discente: atual conjuntura do Curso de Biblioteconomia da Universi...
 
Revista Científica - Capital Científico - v7n1
Revista Científica  - Capital Científico - v7n1Revista Científica  - Capital Científico - v7n1
Revista Científica - Capital Científico - v7n1
 
Artigo (seminário sandra)
Artigo (seminário sandra)Artigo (seminário sandra)
Artigo (seminário sandra)
 
Gestão editorial de periódicos – estado atual, impasses, desafios e perspectivas
Gestão editorial de periódicos – estado atual, impasses, desafios e perspectivasGestão editorial de periódicos – estado atual, impasses, desafios e perspectivas
Gestão editorial de periódicos – estado atual, impasses, desafios e perspectivas
 
Prestação de Contas - NISP - 2014/2015
Prestação de Contas - NISP - 2014/2015Prestação de Contas - NISP - 2014/2015
Prestação de Contas - NISP - 2014/2015
 
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
 
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
ANÁLISE DOS ESTUDOS BRASILEIROS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E BIBLIOMÉTRICOS: de 2...
 
Artigo museu_théo_brandao_ufal-enebd-2010
Artigo  museu_théo_brandao_ufal-enebd-2010Artigo  museu_théo_brandao_ufal-enebd-2010
Artigo museu_théo_brandao_ufal-enebd-2010
 
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
 
Ic 2015 book
Ic 2015   bookIc 2015   book
Ic 2015 book
 
Produção Discente UFAL - ENEBD 2010
Produção Discente UFAL - ENEBD 2010Produção Discente UFAL - ENEBD 2010
Produção Discente UFAL - ENEBD 2010
 
Aula 1 - O que é Ciência - Material digital
Aula 1 - O que é Ciência - Material digitalAula 1 - O que é Ciência - Material digital
Aula 1 - O que é Ciência - Material digital
 
Rac saúde.2021 v2n2_1-3 (pt)
Rac saúde.2021 v2n2_1-3 (pt)Rac saúde.2021 v2n2_1-3 (pt)
Rac saúde.2021 v2n2_1-3 (pt)
 
The challenges of scientific publication in the health field in Angola
The challenges of scientific publication in the health field in Angola The challenges of scientific publication in the health field in Angola
The challenges of scientific publication in the health field in Angola
 
Elementos introdutórios para uma análise bibliométrica da produção científica...
Elementos introdutórios para uma análise bibliométrica da produção científica...Elementos introdutórios para uma análise bibliométrica da produção científica...
Elementos introdutórios para uma análise bibliométrica da produção científica...
 
Fluxo de citações inter-nacional: fontes de informação para avaliação de impa...
Fluxo de citações inter-nacional: fontes de informação para avaliação de impa...Fluxo de citações inter-nacional: fontes de informação para avaliação de impa...
Fluxo de citações inter-nacional: fontes de informação para avaliação de impa...
 
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
 
Gefopi na prática da indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Gefopi na prática da indissociabilidade ensino, pesquisa e extensãoGefopi na prática da indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
Gefopi na prática da indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão
 

Último

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 

Último (20)

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 

Publicação de Artigos em Revistas Indexadas.ppt

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA Produção científica e publicação na graduação Público- Alvo: Discentes de Graduação em Filosofia, Mestrandos PROF-FILO e Professores da Educação Básica Prof. Dr. Pedro Rodolfo Fernandes da Silva Prof. Dr. Aldair Oliveira de Andrade
  • 2. Produção Científica e Publicação  Ciência: processo de produção do conhecimento com base em ideias, que confronta o que poderia ser feito com o que de fato é realizado, visando soluções (JACOB, 1997). A ciência é, provavelmente, a principal realização e/ou conquista do século XX, sobretudo no que se refere ao seu crescimento e desenvolvimento.  A ciência é simultaneamente um saber teórico (explica o real) e um poder prático (maneja o real pela técnica). A ciência apreende seus objetos como fenômenos – ela se atém a essa fenomenalidade. Busca estabelecer relações de causa e efeito entre os fenômenos (SEVERINO, 2013).  No Brasil, o desenvolvimento da produção científica se deu em razão dos serviços e produtos derivados da produção do conhecimento que permitiram que o país crescesse e se tornasse membro integrante e competitivo no mundo da produção científica mundial.
  • 3. O que é artigo científico?  “[...] parte de uma publicação, com autoria declarada, que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento” (NBR 6022:2018)  “Artigo científico é um trabalho acadêmico que apresenta resultados sucintos de uma pesquisa realizada de acordo com o método científico aceito por uma comunidade de pesquisadores. Por esse motivo, considera-se científico o artigo que foi submetido a exame por outros cientistas, que verificam as informações, os métodos e a precisão lógico-metodológica das conclusões ou resultados obtidos” (www.ufrgs.br/blogdabc/tudo-que-você-precisa-saber-para-escrever-e-publica- artigos-científicos).  Resultado, produto da ciência. Comunicação do conhecimento.  Elementos constitutivos do artigo científico – NBR 6022:2018.
  • 4.  Erros comuns: – Repetição da introdução. – Repetição dos resultados. – Discussão não baseada nos propósitos do estudo. – Não esclarecer as implicações teóricas e práticas dos resultados. – Discussão não baseada nos resultados. – Hipóteses não discutidas explicitamente. – Especulações não fundamentadas. – Recomendações não baseadas nos resultados.  (www.ufrgs.br/blogdabc/tudo-que-você-precisa-saber-para-escrever-e-publica-artigos-científicos).
  • 5. Principais critérios utilizados na avaliação de artigos científicos Relevância (enquadramento do artigo): o artigo produzido se enquadra no escopo da publicação? É importante uma pesquisa prévia de quais eventos e publicações melhor se ajustam ao seu artigo produzido. Originalidade – no geral os avaliadores são pessoas experientes que já possuem um vasto conhecimento na área para detectar se um trabalho produzido é original ou é apenas a junção de fragmentos de outros textos. Mérito técnico-científico – atentar para a clareza da metodologia científica aplicada e os resultados obtidos que sejam relevantes para a área de pesquisa. Apresentação (conteúdo com forma) – atentar para as normas e modelos estabelecidos pelo evento ou publicação. Desrespeitar as regras e formatos em muitos casos pode resultar na reprovação do artigo (www.ufrgs.br/blogdabc/tudo-que-você-precisa-saber-para-escrever-e-publica-artigos-científicos).
  • 6. Organização e legibilidade: uma boa escrita, comunicação e utilização de boas práticas e normas da área de pesquisa é essencial para que os avaliadores possam entender de forma clara o trabalho. Referências: sempre que forem utilizadas referências para comparativos e direcionamento da pesquisa é obrigatório realizar a citação e ao final organizar a lista de referências utilizadas. Além desses, cada periódico poderá ter seus próprios critérios específicos de avaliação, que no geral são discriminados na chamada para submissão. Estudar esses critérios é a melhor forma de aumentar as chances de publicação do artigo. (www.ufrgs.br/blogdabc/tudo-que-você-precisa-saber-para-escrever-e-publica-artigos-científicos).
  • 7.  Publicação periódica técnica e/ou científica: publicação em qualquer tipo de suporte, editada em unidades sucessivas, com designações numéricas e/ou cronológicas e destinada a ser continuada indefinidamente (NBR 6022:2018).  Qual a função da publicação científica?  Atender ao ‘produtivismo’?  A publicação é a finalização da pesquisa, é a contribuição social do autor, e é por meio dela que poderá ser “contada a história” daquele estudo e seus respectivos achados (TRZESNIAK, 2009).  A escolha do periódico faz parte do processo de ‘contar a história’, pois se elege o público com o qual se deseja compartilhar e para o qual os dados serão úteis (BARATA, 2015).
  • 8.  O crescimento das publicações no Brasil decorre de uma intensa pressão para publicar, uma vez que o maior peso nas decisões sobre a avaliação dos programas de pós-graduação é a produção científica dos docentes. Ainda, progressão na carreira universitária e nos institutos de pesquisa tem como base a produção científica, o que influencia a quantidade de pesquisadores ativos (FREITAS, 1998).
  • 9.  Apesar do crescimento da produção científica no Brasil, ela ainda é pequena quando comparada à expansão do ensino.  A literatura científica nos países desenvolvidos vem registrando um crescimento significativo não observado no Brasil.  Apesar de a produção científica nacional, de uma forma geral, apresentar um aumento de aproximadamente 10% ao ano, ainda há uma carência quando comparado a países considerados desenvolvidos.  O Brasil ocupa a 13ª posição no ranking das publicações científicas do mundo.
  • 10.  Entre 2000 e 2005 houve um aumento de 33% na citação de periódicos científicos no Brasil, porém esse número estaria aquém do esperado se comparado ao cenário das publicações científicas no exterior.  Desde o seu surgimento, as revistas ou periódicos científicos constituem importantes canais de comunicação formal da ciência.  Como destacam Suehiro e Rueda (2009), esse tipo de publicação teve início no século XVII, na Europa, com a criação das sociedades e academias científicas.  A produção científica no Brasil tem sido veiculada, predominantemente, em anais de congressos e revistas científicas.  A existência de um número muito pequeno de pesquisadores publicando sistematicamente.  A produção e publicação estão concentrados em um grupo reduzido de instituições localizadas nas regiões Sul e Sudeste.
  • 11. Tabela 1: Produção Científica – Países selecionados e São Paulo – 2008 a 2010 País Total de Artigos % do Total Brasil 94.622 55,6 São Paulo 43.535 25,5 México 28.233 16,6 Argentina 21.773 12,8 Chile 14.373 8,4 Colômbia 7.254 4,2 Venezuela 4.032 2,4 TOTAL (DOS PAÍSES) 170.287 100 FAPESP. Pesquisadores no Brasil publicam 56% dos artigos científicos originados na América Latina. Boletim nº 3, Novembro 2011.
  • 12. O Amazonas aparece na 16ª posição. https://portal.if.usp.br/ifusp/pt-br/not%C3%ADcia/panorama-da-produ%C3%A7%C3%A3o-cient%C3%ADfica-do-brasil-2011-2016
  • 13. Qual é o impacto da pesquisa brasileira? O número de citações que uma publicação de pesquisa (paper) recebe reflete o impacto que teve em pesquisas posteriores. As publicações científicas citam documentos anteriores para validar uma contribuição intelectual. Portanto, pode-se dizer que uma publicação (ou uma coleção de publicações) com uma contagem de citações mais elevada teve um impacto maior no campo de conhecimento ao qual se relacionou. No entanto, as taxas de citação também dependem da área de pesquisa e da idade de uma publicação científica (os documentos mais antigos tiveram mais tempo para obter citações em comparação com os mais recentes). Para explicar esses fatores, a contagem de citações de publicações foi normalizada em relação à média mundial de citações esperada para o campo de conhecimento e o ano de publicação. O impacto da citação do Brasil historicamente foi abaixo da média mundial, mas aumentou mais de 15% em relação aos últimos seis anos [1] Fonte dos dados: InCites – Clarivate Analytics Web of Science (2011-2016) Ainda de acordo com o Relatório, o impacto do Brasil na produção científica mundial aumentou ano-a-ano de 0,73 em 2011 para 0,86 em 2016, um aumento de 18%. Caso essa tendência atual seja mantida, em 2021, o Brasil atingirá a média global de 1,0. Hoje, o Brasil produz alguns artigos altamente citados e alcançou boas taxas de citações entre os 1% dos artigos mais citados no mundo (aqueles com um impacto médio de citação maior ou igual a 4,0). https://portal.if.usp.br/ifusp/pt-br/not%C3%ADcia/panorama-da-produ%C3%A7%C3%A3o-cient%C3%ADfica-do-brasil-2011-2016
  • 14. Brasil é o país com mais publicação científica em acesso aberto Relatório internacional mostra que 75% dos artigos em periódicos nacionais estão disponíveis gratuitamente, em grande parte graças à biblioteca SciELO Em 13º lugar entre os países que mais produzem artigos científicos no mundo, o Brasil tem a maior porcentagem disponível gratuitamente e sem entraves via internet – o chamado acesso aberto. Os dados estão em relatório publicado este mês pela Science-Metrix, uma empresa norte-americana dedicada a avaliar atividades ligadas a ciência e tecnologia. Dos artigos publicados em periódicos brasileiros, 74% têm acesso aberto. O fenômeno se deve em grande parte à biblioteca virtual SciELO (sigla de Scientific Electronic Library Online), que reúne 283 periódicos brasileiros e por volta de mil de outros países. https://revistapesquisa.fapesp.br/brasil-e-o-pais-com-mais-publicacao-cientifica-em-acesso-aberto/
  • 15.  Referências  ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 6022:2018: Informação e documentação -Artigo em publicação periódica técnica e/ou científica –Apresentação. ABNT: Rio de Janeiro, 2018.  BARATA, G. (2015). Em revisão: o impacto da produção científica brasileira para o Brasil. Ciência e Cultura, 67(4), 06-08.  FREITAS, M. H. A. (1998). Avaliação da produção científica: Considerações sobre alguns critérios. Psicologia Escolar e  Educacional, 2(3), 211-228.  GUEDES, M.C. (2011). Equívocos na publicação científica: algumas considerações. Psicologia USP, 22(2), 387-398.  JACOB, F. La souris, la mouche et l’homme. Paris: Odile Jacob, 1997.  JACOBSEN, Priscila. Tudo que você precisa saber para escrever e publicar artigos científicos. Disponível em: https://www.ufrgs.br/blogdabc/tudo-que-voce-precisa-saber-para-escrever-e-publicar-artigos-cientificos/  SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. [livro eletrônico – e - PUB]. 1ª ed. São Paulo: Cortez, 2013.  SISTEBIB UFAM. Como Construir um Artigo Cientifico. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=lHwU1KWCBT4 Acesso em 10/09/2020.  SUEHIRO, A. C. B., & RUEDA, F. J. M. Revista Avaliação Psicológica: Um estudo da produção científica de 2002 a  2007. Revista Avaliação Psicológica, 2009, 8 (1), 131-139.  TRZESNIAK, P. (2009): A estrutura editorial de um periódico científico. In: A. A. Z. P. Sabadini, M. I. C. Sampaio, & S. H. Koller (Orgs.) Publicar em psicologia: um enfoque para a revista científica (pp. 87-102). São Paulo: Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia; Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.