SlideShare uma empresa Scribd logo
PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A
©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 1
ESCOLA: ___________________________________________________ DATA: ____/ ____/ 20__
NOME: ______________________________________________________ Nº ____ TURMA: ____
GRUPO I – ORALIDADE
Para responderes à questão que se segue, vais ouvir uma pequena
reportagem sobre a Associação de Solidariedade Social de Lafões (ASSOL)
(https://www.youtube.com/watch?v=kd3AviueC5c).
Antes de iniciares a audição, lê a questão. Em seguida, ouve-a atentamente
duas vezes e responde ao que é pedido.
1. Classifica as afirmações como verdadeiras (V) ou falsas (F), de acordo com o texto
que ouviste.
Afirmações V F
a) A ASSOL apoia pessoas com doença mental incapacitante.
b) O projeto selecionado para a candidatura tinha como objetivo
ajudar as famílias das pessoas que pertencem ao grupo de
danças Fúnika.
c) O grupo de bombos fica sediado em São Pedro do Sul.
d) O objetivo do projeto é adquirir novos trajes e novos
instrumentos para os dois grupos.
e) Os principais beneficiários deste projeto são pessoas com
deficiência que pertencem ao grupo de dança FÚNIKA e ao
grupo de bombos.
f) Quem também beneficia com estes grupos é a direção dos
mesmos.
1.1. Seleciona uma das afirmações que consideraste falsa e corrige-a.
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A
©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 2
GRUPO II – LEITURA E EDUCAÇÃO LITERÁRIA
Texto A
Lê, atentamente, o texto seguinte.
5
10
15
20
25
30
35
Os melhores amigos da solidariedade
Duas escolas da Maia venceram a primeira edição do prémio “A Escola dos Nossos Heróis”.
Descobre o que fizeram estes heróis.
Logo que o som da campainha anuncia o intervalo, começa a animação na Escola EB1/JI
do Lidador, na Maia. A sala reservada aos alunos com deficiência não é exceção. Num ápice,
aparecem colegas de várias turmas. “Podemos ir brincar com eles lá para fora?”, pergunta Ana
Morgado, 6 anos, às professoras e terapeutas que acompanham os seis estudantes que
precisam de apoio especial devido a problemas de saúde graves, como paralisia cerebral,
cegueira ou incapacidade motora, ou seja, os alunos que estão na Unidade de Apoio
Especializado à Multideficiência (UAEM).
Grupos de dois e três alunos conduzem os três colegas que usam cadeiras de rodas para o
recreio, enquanto outros amparam, de mãos dadas, aqueles que têm maior dificuldade em
caminhar.
Esta cena repetiu-se muitas vezes no último ano, por causa da iniciativa “Todos Amigos”,
criada com o objetivo de aumentar o convívio com os alunos da UAEM. Primeiro, houve
sessões de sensibilização nas turmas sobre a importância de incluir todos os alunos da escola
nas brincadeiras e atividades. Diariamente, um grupo de três ou quatro estudantes era
nomeado para brincar com os alunos da UAEM durante o intervalo da manhã. Não tardou até
haver corridas de estafetas na escola, com alguns meninos a pé e outros de cadeira de rodas,
sempre sob o olhar das técnicas, que ajudaram a adaptar as brincadeiras. Por exemplo, em
alguns jogos passaram a usar uma bola com guizos para que João Anjos, 12 anos, invisual,
também pudesse participar. Rita Almeida, 7 anos, aproveita para passar uma mensagem: “Os
nossos amigos com deficiência são como nós.” Xavier Costa, 8 anos, aprendeu outra lição
importante: “Não devemos julgar as pessoas pelo aspeto. Os sentimentos é que interessam.”
Apesar de não ser fácil comunicarem, entendem-se por gestos.
Noutra escola da Maia, a EB1 de Moutidos, a azáfama também era grande, no dia em que a
equipa de reportagem da Visão a visitou. Estava prestes a acontecer o último gesto solidário do
ano: a entrega de donativos à Ataca, uma associação que apoia crianças moçambicanas órfãs.
Esta foi apenas uma das missões da associação Ajudadores de Moutidos, fundada pelos
próprios alunos e que ganhou o prémio Projeto Solidário da “Escola dos Nossos Heróis”.
Uma aluna tinha lido um apelo num café a pedir donativos para pagar os tratamentos de um
menino que não conseguia andar, outro aluno havia reparado que existia cada vez mais sem-
-abrigo e outro nem queria acreditar quando viu uma pessoa a procurar comida no lixo.
Perceberam que a escola estava em sintonia: era preciso agir. Foi assim que surgiu a ideia de
criarem a associação Ajudadores de Moutidos.
Toda a gente colaborou na formação da associação.
Visão júnior online, 10 de outubro de 2015 (acedido em outubro de 2021; texto adaptado e com supressões)
PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A
©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 3
1. Assinala com X, de 1.1. a 1.5., a opção que completa corretamente cada frase,
de acordo com o sentido do texto.
1.1. A iniciativa “Todos amigos” tem como objetivo
A. fomentar a amizade entre os habitantes da Maia.
B. promover o convívio com os alunos da UAEM.
C. incentivar os alunos da escola a serem amigos.
D. distinguir os alunos da UAEM.
1.2. Para garantir o envolvimento de todos nesta iniciativa
A. desenvolveram-se brincadeiras só para os alunos com incapacidades.
B. passaram-se a usar bolas com guizos para invisuais.
C. fizeram-se sessões de sensibilização nas turmas.
D. destacaram-se terapeutas e professores especializados para acompanhar os
alunos.
1.3. Segundo os testemunhos de alguns alunos em relação aos colegas com
deficiência, podemos concluir que
A. tal como nós, também valorizam os sentimentos.
B. o aspeto é valorizável.
C. são pessoas aparentemente simpáticas.
D. o mais importante são os sentimentos.
1.4. No dia em que a equipa da Visão visitou uma escola da Maia, havia uma grande
agitação porque
A. nunca tinham recebido, na escola, uma equipa de uma revista.
B. iam fundar a associação Ajudadores de Moutidos.
C. estava iminente a entrega de donativos à Ataca.
D. iam receber o prémio Projeto Solidário da “Escola dos Nossos Heróis”.
1.5. A ideia de criarem a associação Ajudadores de Moutidos partiu de uma
A. necessidade de agir.
B. sintonia com outras escolas.
C. campanha de pedido de donativos.
D. constatação quanto ao elevado número de sem-abrigo.
PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A
©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 4
Texto B
Lê, atentamente, o texto seguinte. Se necessário, consulta o vocabulário.
5
10
15
20
25
30
35
Filémon e Báucis
Um dia o rei dos deuses, que se chamava Zeus (ou Júpiter) falou a outro deus, que se
chamava Hermes (ou Mercúrio), e disse-lhe assim:
– Vamos lá abaixo onde vivem os homens, a ver como eles se estão comportando.
Depois, tanto Júpiter como Mercúrio vestiram túnicas e capas velhas, despediram-se da
deusa Palas (ou Minerva), filha de Júpiter, e desceram num instante à cidade que queriam
visitar, e que ficava numa terra chamada a Frígia.
Como vinham assim tão mal vestidos, todos os tomaram por uns pobretões.
Ora, as pessoas da terra eram gente má, e não pensaram em os receber com bondade.
Pelo contrário. Quando Júpiter e Mercúrio passavam na rua, os rapazinhos, que eram
malcriados, troçavam deles; os cães perseguiam-nos, sem que os donos lhes fizessem
sinal para se aquietarem1
.
Foram assim caminhando até que saíram da cidade. E, tendo saído, viram à esquerda
da estrada uma casita pobre.
Era já pela tardinha. O velho e a velha que lá moravam tinham acabado o seu trabalho,
comido a sua ceia, e estavam ali sentados num banco, à porta da sua casa. Banco muito
tosco2
, casa muito simples: pois que Filémon e Báucis, os donos dela, eram tão
pobrezinhos quanto Júpiter e Mercúrio pareciam ser.
Mas não eram maus, como a gente da cidade. Bem pelo contrário. Por isso, quando os
dois deuses se aproximaram da cancela, Filémon e Báucis levantaram-se, e vieram dizer-
-lhes com muita bondade:
– Entrem, amigos, entrem. Entrem e descansem, se estão cansados da sua viagem!
Júpiter e Mercúrio, ao ouvir isto, olharam um para o outro, sorriram, foram atrás de
Filémon e Báucis, e sentaram-se no mesmo banco.
– Tenho muita pena – disse a velha Báucis – de não haver cá em casa boa comida para
lhes dar. Mas alguma coisa se arranjará.
Enquanto Filémon, cá fora, conversava com os dois deuses, supondo-os uns homens
como outros quaisquer, e lhes oferecia água para se lavarem, Báucis lá dentro preparava a
ceia. E, apesar de supor que os dois hóspedes eram uns simples pobretões, tratou de tudo
com tanto cuidado como se soubesse que eles eram deuses.
Quando a ceia estava pronta, chamou os hóspedes.
Báucis, coitadinha, estava com medo de que o leite não chegasse, porque os dois
deuses tinham muita sede. E quando Mercúrio pediu leite pela terceira vez, não teve
remédio senão dizer-lhe:
– Tenho muita pena, mas acabou-se. Agora é que não sei que se há de fazer…
Mercúrio piscou o olho para Júpiter, e sorriu, sem que Báucis desse por tal; e tornou a
pedir:
– Ora experimente. Experimente sempre deitar no meu copo, que talvez ainda haja uma
gotinha, lá no fundo da leiteira…
PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A
©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 5
2. Ordena os momentos do conto, de 1 a 7, de acordo com a ordem com que aparecem no
texto.
A. Mercúrio pede mais leite e Báucis apercebe-se que este já acabou.
B. À saída da cidade, os deuses encontram um casebre onde vivem dois
pobrezinhos que os recebem bem.
C. Filémon e Báucis percebem que estão perante dois deuses.
D. Os deuses são maltratados pela gente da cidade.
E. Báucis, apesar de pobre, prepara uma ceia para os hóspedes.
F. Zeus e Hermes descem à terra vestidos de mendigos.
G. Mercúrio insiste com o pedido e os deuses fazem um milagre.
3. Classifica o narrador deste texto, quanto à presença.
_________________________________________________________________________________
3.1. Justifica a tua resposta com elementos textuais.
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
4. Transcreve do texto uma passagem que refira o motivo pelo qual os deuses foram
maltratados na cidade.
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
40
45
Para mostrar que na verdade se tinha acabado todo o leite, Báucis pegou na leiteira, e
inclinou-a completamente sobre o copo de Mercúrio. E qual não foi o seu espanto quando o
leite saiu dela, e em tal quantidade que encheu todo o copo, e ainda se entornou pelo chão
da casa!
Atrapalhada, pôs-se a olhar com os olhos muito abertos, e ficou algum tempo sem dizer
palavra, até que exclamou:
– Filémon, Filémon, que é isto? São deuses com certeza, Filémon! Estão deuses em
nossa casa!
– Não se assustem, amigos – disse-lhes Júpiter com voz doce. – É verdade que somos
deuses. Mas pessoas como vocês, que não fizeram mal nenhum, não devem ter medo da
presença dos deuses.
António Sérgio, Contos Gregos, Porto, Porto Editora, 2015, pp. 7-16 (texto com supressões)
Vocabulário
1
aquietarem – apaziguarem, acalmarem; 2
tosco – rústico, mal acabado.
PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A
©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 6
5. “Mas não eram maus, como a gente da cidade.” (linha 18).
5.1. Identifica o recurso expressivo presente no excerto e comenta a sua expressividade.
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
6. Refere o motivo pelo qual Báucis se lamenta à chegada dos viajantes.
_________________________________________________________________________________
7. Compara a atitude das pessoas da cidade com a de Filémon e Báucis.
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
7.1. Apresenta a tua opinião em relação às atitudes que apontaste, justificando-a.
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
8. Refere a forma como, depois de se darem a conhecer, os deuses decidem
recompensar Filémon e Báucis.
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
9. Identifica o tema central deste conto.
_________________________________________________________________________________
10. Menciona duas características que te permitam classificar este texto como sendo
um conto.
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A
©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 7
GRUPO III – GRAMÁTICA
1. Completa as frases com os verbos apresentados entre parênteses nos tempos
e modos indicados.
a) Quando Zeus e Hermes ____________ (voltar – futuro do conjuntivo) a Frígia, as
pessoas ____________ (ir – futuro do indicativo) recebê-los melhor.
b) Se Filémon e Báucis não ____________ (ser – pretérito imperfeito do conjuntivo)
anfitriões, os deuses ____________ (ficar – condicional) com uma péssima
impressão daquele povo.
c) Espero que os deuses ____________ (reconhecer – presente do conjuntivo) sempre
as almas boas.
2. Identifica a forma verbal não finita presente em cada frase e classifica-a.
a) Quando decidiram visitar a Frígia, não imaginavam o que os esperava.
_______________________________________________________________________________
b) O leite foi acabando, à medida que os deuses o bebiam.
_______________________________________________________________________________
3. Associa os elementos sublinhados nas frases da coluna A à respetiva função
sintática na coluna B.
Coluna A Coluna B
A. Zeus observava todos os humanos.
B. Os populares maltrataram os deuses.
C. Báucis e Filémon acolheram os viajantes.
D. Báucis, traz o leite!
E. Todos lhes queriam fazer mal.
1. Sujeito
2. Predicado
3. Complemento direto
4. Complemento indireto
5. Vocativo
A. _____ B. _____ C. _____ D. _____ E. _____
4. Atenta na seguinte passagem do conto “Filémon e Báucis”.
4.1. Transcreve da passagem:
a) um nome comum – ___________
b) um nome próprio – _____________
c) um adjetivo qualificativo – __________
d) um determinante possessivo – _________
e) um verbo principal – ___________________
f) uma preposição contraída – ____________
“O velho e a velha que lá moravam tinham acabado o seu trabalho, comido a sua ceia, e
estavam ali sentados num banco, à porta da sua casa. Banco muito tosco, casa muito
simples, pois que Filémon e Báucis (…)” (linhas 14-16)
PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A
©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 8
GRUPO IV – ESCRITA
Os textos A e B do Grupo II têm como tema central a solidariedade. Uma forma de
se ser solidário é acolher pessoas na nossa casa. O povo grego valorizava muito a
hospitalidade. Segundo ele, todos tinham o dever de acolher os estrangeiros, os
viajantes e os necessitados. Hoje em dia, os gregos continuam a ser um povo que
segue a rigor este preceito. É comum, por exemplo, acolherem em sua casa os
refugiados que chegam ao seu território.
Escreve um texto narrativo, no qual relates ou imagines uma situação em que
tenhas tido um gesto verdadeiramente solidário para com alguém necessitado.
O teu texto, com um mínimo de 100 e um máximo de 140 palavras, deve incluir:
• uma introdução, o seu desenvolvimento e uma conclusão;
• no mínimo três parágrafos;
• um título adequado.
No final, faz a revisão do teu texto, verificando se:
• respeitaste o tema proposto e o género indicado;
• as partes estão devidamente ordenadas;
• há repetições que possam ser evitadas;
• usaste corretamente a pontuação.
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final

Nspluginviewer5ci ppa
Nspluginviewer5ci ppaNspluginviewer5ci ppa
Nspluginviewer5ci ppa
madeoliveira
 
4ª edição maio 2011
4ª edição   maio 20114ª edição   maio 2011
4ª edição maio 2011
madeoliveira
 
Boletim be 11 janeiro 21
Boletim be 11   janeiro 21Boletim be 11   janeiro 21
Boletim be 11 janeiro 21
Clara Mata
 
Boletim CADI - Valença. III trimestre 2016
Boletim CADI - Valença. III trimestre 2016Boletim CADI - Valença. III trimestre 2016
Boletim CADI - Valença. III trimestre 2016
CADI BRASIL
 
Monografia Cássia Pedagogia 2012
Monografia Cássia Pedagogia 2012Monografia Cássia Pedagogia 2012
Monografia Cássia Pedagogia 2012
Biblioteca Campus VII
 
Boletim 2 - O Dinis
Boletim 2 - O DinisBoletim 2 - O Dinis
Boletim 2 - O Dinis
Caia Évora
 
Jornal Notícia da Escola
Jornal Notícia da EscolaJornal Notícia da Escola
Jornal Notícia da Escola
belaflormar
 
DeClara 20 fevereiro 2019
DeClara 20 fevereiro 2019DeClara 20 fevereiro 2019
DeClara 20 fevereiro 2019
IsabelPereira2010
 
Monografia Merielen Pedagogia 2009
Monografia Merielen Pedagogia 2009Monografia Merielen Pedagogia 2009
Monografia Merielen Pedagogia 2009
Biblioteca Campus VII
 
Boletim
BoletimBoletim
Jornal lucelia
Jornal luceliaJornal lucelia
Jornal lucelia
EMEF JOÃO DA SILVA
 
Jornal do Dora
Jornal do DoraJornal do Dora
Jornal do Dora
flasossai
 
Cópia de faladora correto
Cópia de faladora corretoCópia de faladora correto
Cópia de faladora correto
Carla Abreu
 
O trovador 1ª ediçao 2014 - agrupamento D.Dinis - ODIVELAS 2014
O trovador 1ª ediçao 2014 -    agrupamento D.Dinis - ODIVELAS 2014O trovador 1ª ediçao 2014 -    agrupamento D.Dinis - ODIVELAS 2014
O trovador 1ª ediçao 2014 - agrupamento D.Dinis - ODIVELAS 2014
AMG Sobrenome
 
Junho 2011
Junho 2011Junho 2011
Junho 2011
Nenivea de Moura
 
Relatório final
Relatório finalRelatório final
Relatório final
oseascbatista
 
Jornal da escola 4
Jornal da escola 4Jornal da escola 4
Jornal da escola 4
Francisco Das Chagas Azevedo
 
Livro final 8ºC
Livro final 8ºCLivro final 8ºC
Livro final 8ºC
IsabelPereira2010
 
Actividades do 2º período
Actividades do 2º períodoActividades do 2º período
Actividades do 2º período
pief2
 
Actividades do 2º período
Actividades do 2º períodoActividades do 2º período
Actividades do 2º período
olhopief
 

Semelhante a PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final (20)

Nspluginviewer5ci ppa
Nspluginviewer5ci ppaNspluginviewer5ci ppa
Nspluginviewer5ci ppa
 
4ª edição maio 2011
4ª edição   maio 20114ª edição   maio 2011
4ª edição maio 2011
 
Boletim be 11 janeiro 21
Boletim be 11   janeiro 21Boletim be 11   janeiro 21
Boletim be 11 janeiro 21
 
Boletim CADI - Valença. III trimestre 2016
Boletim CADI - Valença. III trimestre 2016Boletim CADI - Valença. III trimestre 2016
Boletim CADI - Valença. III trimestre 2016
 
Monografia Cássia Pedagogia 2012
Monografia Cássia Pedagogia 2012Monografia Cássia Pedagogia 2012
Monografia Cássia Pedagogia 2012
 
Boletim 2 - O Dinis
Boletim 2 - O DinisBoletim 2 - O Dinis
Boletim 2 - O Dinis
 
Jornal Notícia da Escola
Jornal Notícia da EscolaJornal Notícia da Escola
Jornal Notícia da Escola
 
DeClara 20 fevereiro 2019
DeClara 20 fevereiro 2019DeClara 20 fevereiro 2019
DeClara 20 fevereiro 2019
 
Monografia Merielen Pedagogia 2009
Monografia Merielen Pedagogia 2009Monografia Merielen Pedagogia 2009
Monografia Merielen Pedagogia 2009
 
Boletim
BoletimBoletim
Boletim
 
Jornal lucelia
Jornal luceliaJornal lucelia
Jornal lucelia
 
Jornal do Dora
Jornal do DoraJornal do Dora
Jornal do Dora
 
Cópia de faladora correto
Cópia de faladora corretoCópia de faladora correto
Cópia de faladora correto
 
O trovador 1ª ediçao 2014 - agrupamento D.Dinis - ODIVELAS 2014
O trovador 1ª ediçao 2014 -    agrupamento D.Dinis - ODIVELAS 2014O trovador 1ª ediçao 2014 -    agrupamento D.Dinis - ODIVELAS 2014
O trovador 1ª ediçao 2014 - agrupamento D.Dinis - ODIVELAS 2014
 
Junho 2011
Junho 2011Junho 2011
Junho 2011
 
Relatório final
Relatório finalRelatório final
Relatório final
 
Jornal da escola 4
Jornal da escola 4Jornal da escola 4
Jornal da escola 4
 
Livro final 8ºC
Livro final 8ºCLivro final 8ºC
Livro final 8ºC
 
Actividades do 2º período
Actividades do 2º períodoActividades do 2º período
Actividades do 2º período
 
Actividades do 2º período
Actividades do 2º períodoActividades do 2º período
Actividades do 2º período
 

Último

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final

  • 1. PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A ©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 1 ESCOLA: ___________________________________________________ DATA: ____/ ____/ 20__ NOME: ______________________________________________________ Nº ____ TURMA: ____ GRUPO I – ORALIDADE Para responderes à questão que se segue, vais ouvir uma pequena reportagem sobre a Associação de Solidariedade Social de Lafões (ASSOL) (https://www.youtube.com/watch?v=kd3AviueC5c). Antes de iniciares a audição, lê a questão. Em seguida, ouve-a atentamente duas vezes e responde ao que é pedido. 1. Classifica as afirmações como verdadeiras (V) ou falsas (F), de acordo com o texto que ouviste. Afirmações V F a) A ASSOL apoia pessoas com doença mental incapacitante. b) O projeto selecionado para a candidatura tinha como objetivo ajudar as famílias das pessoas que pertencem ao grupo de danças Fúnika. c) O grupo de bombos fica sediado em São Pedro do Sul. d) O objetivo do projeto é adquirir novos trajes e novos instrumentos para os dois grupos. e) Os principais beneficiários deste projeto são pessoas com deficiência que pertencem ao grupo de dança FÚNIKA e ao grupo de bombos. f) Quem também beneficia com estes grupos é a direção dos mesmos. 1.1. Seleciona uma das afirmações que consideraste falsa e corrige-a. _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________
  • 2. PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A ©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 2 GRUPO II – LEITURA E EDUCAÇÃO LITERÁRIA Texto A Lê, atentamente, o texto seguinte. 5 10 15 20 25 30 35 Os melhores amigos da solidariedade Duas escolas da Maia venceram a primeira edição do prémio “A Escola dos Nossos Heróis”. Descobre o que fizeram estes heróis. Logo que o som da campainha anuncia o intervalo, começa a animação na Escola EB1/JI do Lidador, na Maia. A sala reservada aos alunos com deficiência não é exceção. Num ápice, aparecem colegas de várias turmas. “Podemos ir brincar com eles lá para fora?”, pergunta Ana Morgado, 6 anos, às professoras e terapeutas que acompanham os seis estudantes que precisam de apoio especial devido a problemas de saúde graves, como paralisia cerebral, cegueira ou incapacidade motora, ou seja, os alunos que estão na Unidade de Apoio Especializado à Multideficiência (UAEM). Grupos de dois e três alunos conduzem os três colegas que usam cadeiras de rodas para o recreio, enquanto outros amparam, de mãos dadas, aqueles que têm maior dificuldade em caminhar. Esta cena repetiu-se muitas vezes no último ano, por causa da iniciativa “Todos Amigos”, criada com o objetivo de aumentar o convívio com os alunos da UAEM. Primeiro, houve sessões de sensibilização nas turmas sobre a importância de incluir todos os alunos da escola nas brincadeiras e atividades. Diariamente, um grupo de três ou quatro estudantes era nomeado para brincar com os alunos da UAEM durante o intervalo da manhã. Não tardou até haver corridas de estafetas na escola, com alguns meninos a pé e outros de cadeira de rodas, sempre sob o olhar das técnicas, que ajudaram a adaptar as brincadeiras. Por exemplo, em alguns jogos passaram a usar uma bola com guizos para que João Anjos, 12 anos, invisual, também pudesse participar. Rita Almeida, 7 anos, aproveita para passar uma mensagem: “Os nossos amigos com deficiência são como nós.” Xavier Costa, 8 anos, aprendeu outra lição importante: “Não devemos julgar as pessoas pelo aspeto. Os sentimentos é que interessam.” Apesar de não ser fácil comunicarem, entendem-se por gestos. Noutra escola da Maia, a EB1 de Moutidos, a azáfama também era grande, no dia em que a equipa de reportagem da Visão a visitou. Estava prestes a acontecer o último gesto solidário do ano: a entrega de donativos à Ataca, uma associação que apoia crianças moçambicanas órfãs. Esta foi apenas uma das missões da associação Ajudadores de Moutidos, fundada pelos próprios alunos e que ganhou o prémio Projeto Solidário da “Escola dos Nossos Heróis”. Uma aluna tinha lido um apelo num café a pedir donativos para pagar os tratamentos de um menino que não conseguia andar, outro aluno havia reparado que existia cada vez mais sem- -abrigo e outro nem queria acreditar quando viu uma pessoa a procurar comida no lixo. Perceberam que a escola estava em sintonia: era preciso agir. Foi assim que surgiu a ideia de criarem a associação Ajudadores de Moutidos. Toda a gente colaborou na formação da associação. Visão júnior online, 10 de outubro de 2015 (acedido em outubro de 2021; texto adaptado e com supressões)
  • 3. PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A ©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 3 1. Assinala com X, de 1.1. a 1.5., a opção que completa corretamente cada frase, de acordo com o sentido do texto. 1.1. A iniciativa “Todos amigos” tem como objetivo A. fomentar a amizade entre os habitantes da Maia. B. promover o convívio com os alunos da UAEM. C. incentivar os alunos da escola a serem amigos. D. distinguir os alunos da UAEM. 1.2. Para garantir o envolvimento de todos nesta iniciativa A. desenvolveram-se brincadeiras só para os alunos com incapacidades. B. passaram-se a usar bolas com guizos para invisuais. C. fizeram-se sessões de sensibilização nas turmas. D. destacaram-se terapeutas e professores especializados para acompanhar os alunos. 1.3. Segundo os testemunhos de alguns alunos em relação aos colegas com deficiência, podemos concluir que A. tal como nós, também valorizam os sentimentos. B. o aspeto é valorizável. C. são pessoas aparentemente simpáticas. D. o mais importante são os sentimentos. 1.4. No dia em que a equipa da Visão visitou uma escola da Maia, havia uma grande agitação porque A. nunca tinham recebido, na escola, uma equipa de uma revista. B. iam fundar a associação Ajudadores de Moutidos. C. estava iminente a entrega de donativos à Ataca. D. iam receber o prémio Projeto Solidário da “Escola dos Nossos Heróis”. 1.5. A ideia de criarem a associação Ajudadores de Moutidos partiu de uma A. necessidade de agir. B. sintonia com outras escolas. C. campanha de pedido de donativos. D. constatação quanto ao elevado número de sem-abrigo.
  • 4. PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A ©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 4 Texto B Lê, atentamente, o texto seguinte. Se necessário, consulta o vocabulário. 5 10 15 20 25 30 35 Filémon e Báucis Um dia o rei dos deuses, que se chamava Zeus (ou Júpiter) falou a outro deus, que se chamava Hermes (ou Mercúrio), e disse-lhe assim: – Vamos lá abaixo onde vivem os homens, a ver como eles se estão comportando. Depois, tanto Júpiter como Mercúrio vestiram túnicas e capas velhas, despediram-se da deusa Palas (ou Minerva), filha de Júpiter, e desceram num instante à cidade que queriam visitar, e que ficava numa terra chamada a Frígia. Como vinham assim tão mal vestidos, todos os tomaram por uns pobretões. Ora, as pessoas da terra eram gente má, e não pensaram em os receber com bondade. Pelo contrário. Quando Júpiter e Mercúrio passavam na rua, os rapazinhos, que eram malcriados, troçavam deles; os cães perseguiam-nos, sem que os donos lhes fizessem sinal para se aquietarem1 . Foram assim caminhando até que saíram da cidade. E, tendo saído, viram à esquerda da estrada uma casita pobre. Era já pela tardinha. O velho e a velha que lá moravam tinham acabado o seu trabalho, comido a sua ceia, e estavam ali sentados num banco, à porta da sua casa. Banco muito tosco2 , casa muito simples: pois que Filémon e Báucis, os donos dela, eram tão pobrezinhos quanto Júpiter e Mercúrio pareciam ser. Mas não eram maus, como a gente da cidade. Bem pelo contrário. Por isso, quando os dois deuses se aproximaram da cancela, Filémon e Báucis levantaram-se, e vieram dizer- -lhes com muita bondade: – Entrem, amigos, entrem. Entrem e descansem, se estão cansados da sua viagem! Júpiter e Mercúrio, ao ouvir isto, olharam um para o outro, sorriram, foram atrás de Filémon e Báucis, e sentaram-se no mesmo banco. – Tenho muita pena – disse a velha Báucis – de não haver cá em casa boa comida para lhes dar. Mas alguma coisa se arranjará. Enquanto Filémon, cá fora, conversava com os dois deuses, supondo-os uns homens como outros quaisquer, e lhes oferecia água para se lavarem, Báucis lá dentro preparava a ceia. E, apesar de supor que os dois hóspedes eram uns simples pobretões, tratou de tudo com tanto cuidado como se soubesse que eles eram deuses. Quando a ceia estava pronta, chamou os hóspedes. Báucis, coitadinha, estava com medo de que o leite não chegasse, porque os dois deuses tinham muita sede. E quando Mercúrio pediu leite pela terceira vez, não teve remédio senão dizer-lhe: – Tenho muita pena, mas acabou-se. Agora é que não sei que se há de fazer… Mercúrio piscou o olho para Júpiter, e sorriu, sem que Báucis desse por tal; e tornou a pedir: – Ora experimente. Experimente sempre deitar no meu copo, que talvez ainda haja uma gotinha, lá no fundo da leiteira…
  • 5. PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A ©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 5 2. Ordena os momentos do conto, de 1 a 7, de acordo com a ordem com que aparecem no texto. A. Mercúrio pede mais leite e Báucis apercebe-se que este já acabou. B. À saída da cidade, os deuses encontram um casebre onde vivem dois pobrezinhos que os recebem bem. C. Filémon e Báucis percebem que estão perante dois deuses. D. Os deuses são maltratados pela gente da cidade. E. Báucis, apesar de pobre, prepara uma ceia para os hóspedes. F. Zeus e Hermes descem à terra vestidos de mendigos. G. Mercúrio insiste com o pedido e os deuses fazem um milagre. 3. Classifica o narrador deste texto, quanto à presença. _________________________________________________________________________________ 3.1. Justifica a tua resposta com elementos textuais. _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ 4. Transcreve do texto uma passagem que refira o motivo pelo qual os deuses foram maltratados na cidade. _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ 40 45 Para mostrar que na verdade se tinha acabado todo o leite, Báucis pegou na leiteira, e inclinou-a completamente sobre o copo de Mercúrio. E qual não foi o seu espanto quando o leite saiu dela, e em tal quantidade que encheu todo o copo, e ainda se entornou pelo chão da casa! Atrapalhada, pôs-se a olhar com os olhos muito abertos, e ficou algum tempo sem dizer palavra, até que exclamou: – Filémon, Filémon, que é isto? São deuses com certeza, Filémon! Estão deuses em nossa casa! – Não se assustem, amigos – disse-lhes Júpiter com voz doce. – É verdade que somos deuses. Mas pessoas como vocês, que não fizeram mal nenhum, não devem ter medo da presença dos deuses. António Sérgio, Contos Gregos, Porto, Porto Editora, 2015, pp. 7-16 (texto com supressões) Vocabulário 1 aquietarem – apaziguarem, acalmarem; 2 tosco – rústico, mal acabado.
  • 6. PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A ©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 6 5. “Mas não eram maus, como a gente da cidade.” (linha 18). 5.1. Identifica o recurso expressivo presente no excerto e comenta a sua expressividade. _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ 6. Refere o motivo pelo qual Báucis se lamenta à chegada dos viajantes. _________________________________________________________________________________ 7. Compara a atitude das pessoas da cidade com a de Filémon e Báucis. _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ 7.1. Apresenta a tua opinião em relação às atitudes que apontaste, justificando-a. _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ 8. Refere a forma como, depois de se darem a conhecer, os deuses decidem recompensar Filémon e Báucis. _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ 9. Identifica o tema central deste conto. _________________________________________________________________________________ 10. Menciona duas características que te permitam classificar este texto como sendo um conto. _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________
  • 7. PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A ©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 7 GRUPO III – GRAMÁTICA 1. Completa as frases com os verbos apresentados entre parênteses nos tempos e modos indicados. a) Quando Zeus e Hermes ____________ (voltar – futuro do conjuntivo) a Frígia, as pessoas ____________ (ir – futuro do indicativo) recebê-los melhor. b) Se Filémon e Báucis não ____________ (ser – pretérito imperfeito do conjuntivo) anfitriões, os deuses ____________ (ficar – condicional) com uma péssima impressão daquele povo. c) Espero que os deuses ____________ (reconhecer – presente do conjuntivo) sempre as almas boas. 2. Identifica a forma verbal não finita presente em cada frase e classifica-a. a) Quando decidiram visitar a Frígia, não imaginavam o que os esperava. _______________________________________________________________________________ b) O leite foi acabando, à medida que os deuses o bebiam. _______________________________________________________________________________ 3. Associa os elementos sublinhados nas frases da coluna A à respetiva função sintática na coluna B. Coluna A Coluna B A. Zeus observava todos os humanos. B. Os populares maltrataram os deuses. C. Báucis e Filémon acolheram os viajantes. D. Báucis, traz o leite! E. Todos lhes queriam fazer mal. 1. Sujeito 2. Predicado 3. Complemento direto 4. Complemento indireto 5. Vocativo A. _____ B. _____ C. _____ D. _____ E. _____ 4. Atenta na seguinte passagem do conto “Filémon e Báucis”. 4.1. Transcreve da passagem: a) um nome comum – ___________ b) um nome próprio – _____________ c) um adjetivo qualificativo – __________ d) um determinante possessivo – _________ e) um verbo principal – ___________________ f) uma preposição contraída – ____________ “O velho e a velha que lá moravam tinham acabado o seu trabalho, comido a sua ceia, e estavam ali sentados num banco, à porta da sua casa. Banco muito tosco, casa muito simples, pois que Filémon e Báucis (…)” (linhas 14-16)
  • 8. PALAVRA PUXA PALAVRA 6 – TESTE DE AVALIAÇÃO Nº 2 A ©Edições ASA | 2021 | Ema Sá Barros, Joana Faria, Raquel Matos, Silvina Fidalgo Página 8 GRUPO IV – ESCRITA Os textos A e B do Grupo II têm como tema central a solidariedade. Uma forma de se ser solidário é acolher pessoas na nossa casa. O povo grego valorizava muito a hospitalidade. Segundo ele, todos tinham o dever de acolher os estrangeiros, os viajantes e os necessitados. Hoje em dia, os gregos continuam a ser um povo que segue a rigor este preceito. É comum, por exemplo, acolherem em sua casa os refugiados que chegam ao seu território. Escreve um texto narrativo, no qual relates ou imagines uma situação em que tenhas tido um gesto verdadeiramente solidário para com alguém necessitado. O teu texto, com um mínimo de 100 e um máximo de 140 palavras, deve incluir: • uma introdução, o seu desenvolvimento e uma conclusão; • no mínimo três parágrafos; • um título adequado. No final, faz a revisão do teu texto, verificando se: • respeitaste o tema proposto e o género indicado; • as partes estão devidamente ordenadas; • há repetições que possam ser evitadas; • usaste corretamente a pontuação. _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________