SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
CCoonnhheecciimmeennttoo ssoobbrree ccâânncceerr ddee mmaammaa hheerreeddiittáárriioo,, eessccoollaarriiddaaddee ee 
rriissccoo ggeennééttiiccoo iinnddiivviidduuaall ddee mmuullhheerreess aatteennddiiddaass eemm uunniiddaaddeess 
bbáássiiccaass ddee ssaaúúddee ((UUBBSS)) ddee PPoorrttoo AAlleeggrree 
Schmidt AV¹; Giacomazzi J¹; Palmero EI2; Roth FL3; Kalakun L4; Caleffi M5; Ashton-Prolla P¹6; 
1Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre; 2 International Agency for Research on Cancer, Lyon - França; 3 
Programa de Pós Graduação em Ciências Médicas UFRGS, Porto Alegre; 4 Pós Graduação em Epidemiologia UFRGS, Porto 
Alegre; 5Hospital de Clínicas de Porto Alegre; 6Associação Hospitalar Moinhos de Vento, Porto Alegre. 
Contato: aishameriane.schmidt@ufrgs.br 
A 
METODOLOGIA 
Fluxograma de encaminhamento Questionário 
Q1: “A melhor época para realização do auto-exame 
das mamas é alguns dias antes da 
menstruação ?” 
Q2: “Se uma mulher faz mamografia todos os anos 
ela precisa fazer auto-exame mensal e exame anual 
das mamas com médico no posto de saúde ?” 
Q3: “Descobrir o CM no início aumenta a chance 
de sobreviver ao câncer de mama ?” 
As mulheres foram agrupadas quanto à presença ou ausência de critérios para síndromes de câncer de mama hereditário e 
quanto à escolaridade (<8, de 8 a 10 e >10 anos). O teste qui-quadrado foi utilizado para medir associação entre as variáveis. 
Apoio Financeiro: CNPq, FAPERGS, FIPE/HCPA, CAPES, Susan G. Komen for the Cure. 
IINNTTRROODDUUÇÇÃÃOO 
As formas mais eficazes para detecção precoce do 
câncer de mama (CM) são a realização de exame clínico 
com especialista e do exame mamográfico anual após os 40 
anos. A realização de auto-exame das mamas no 5° ou 6° 
dia após a menstruação é um adjunto a essas estratégias. A 
detecção precoce do CM está associada a menor 
mortalidade e depende da aderência das mulheres a 
condutas de rastreamento, o que por sua vez, pode ser 
influenciado pela escolaridade. 
OOBBJJEETTIIVVOO 
Medir o grau de associação entre o 
conhecimento sobre detecção precoce de CM com 
o grau de escolaridade e presença ou ausência de 
critérios para câncer de mama hereditário (CMH) 
em mulheres com história familiar de câncer de 
mama atendidas em UBS de Porto Alegre e 
encaminhadas para avaliação genética no Núcleo 
Mama Porto Alegre (NMPOA). 
Camey SA¹ 
RREESSUULLTTAADDOOSS 
18 UBSs 
NMPOA (pop. alvo 9218 mulheres) 
Aconselhamento genético (885 mulheres) 
*Questionário de conhecimento sobre CM (589 mulheres) 
A média geral de acertos foi 4,7 (DP=1,3). Não houve diferença estatisticamente significativa entre as médias do número 
de acertos de pacientes com e sem critérios para CMH (t=0,608; p=0,543) e de pacientes que associavam ou não o teste 
genético positivo com ocorrência de CM (t= 0,149; p=0,881). 
Comparando as médias do número de acertos por grau de escolaridade encontramos uma diferença estatisticamente 
significativa (F(2,553)=10,479; p<0,001), mostrando que mulheres com menos de 8 anos de estudo tiveram um número de 
acertos menor (M=4,5; DP=1,4) quando comparado às mulheres com 8 a 10 anos (M=4,8; DP=1,1) e às com 11 anos ou 
mais (M=5,0; DP=1,2). Também foi encontrada uma diferença estatisticamente significativa entre pacientes com ou sem 
conhecimento da existência de teste genético (t=-2,883; p=0,004). 
DDIISSCCUUSSSSÃÃOO 
Apesar de ter sido encontrada algumas diferenças estatisticamente significativas, do ponto de vista do número de acertos, 
as diferenças não foram relevantes uma vez que representam menos do que um acerto. A média geral de acertos indica um 
bom conhecimento sobre CMH, representando 78% de acerto entre as mulheres desta amostra.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servicoAplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
gisa_legal
 
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
gisa_legal
 
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
Ieda Noronha
 
Allan artigo 2010 pboci
Allan artigo 2010 pbociAllan artigo 2010 pboci
Allan artigo 2010 pboci
Allan Ulisses
 
Pé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básicaPé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básica
adrianomedico
 
Aspectos relacionados à preferência pela via de parto
Aspectos relacionados à preferência pela via de partoAspectos relacionados à preferência pela via de parto
Aspectos relacionados à preferência pela via de parto
adrianomedico
 

Mais procurados (20)

Informações equivocadas sobre CA de Mama
Informações equivocadas sobre CA de MamaInformações equivocadas sobre CA de Mama
Informações equivocadas sobre CA de Mama
 
Assistência de Enfermagem ao Portador de Microcefalia
Assistência de Enfermagem ao Portador de MicrocefaliaAssistência de Enfermagem ao Portador de Microcefalia
Assistência de Enfermagem ao Portador de Microcefalia
 
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servicoAplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
 
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Caso controle
Caso controleCaso controle
Caso controle
 
Caso Controle
Caso ControleCaso Controle
Caso Controle
 
Câncer do colo do útero
Câncer do colo do úteroCâncer do colo do útero
Câncer do colo do útero
 
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
 
15113 article-198471-1-10-20210516
15113 article-198471-1-10-2021051615113 article-198471-1-10-20210516
15113 article-198471-1-10-20210516
 
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
 
Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28
 
Allan artigo 2010 pboci
Allan artigo 2010 pbociAllan artigo 2010 pboci
Allan artigo 2010 pboci
 
Pé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básicaPé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básica
 
2017 65 14109 (1) cancer de pele 7
2017 65 14109 (1) cancer de pele 72017 65 14109 (1) cancer de pele 7
2017 65 14109 (1) cancer de pele 7
 
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do ÚteroDiretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
 
Cancer Colorretal - Prioridades e Desafios
Cancer Colorretal - Prioridades e DesafiosCancer Colorretal - Prioridades e Desafios
Cancer Colorretal - Prioridades e Desafios
 
Aspectos relacionados à preferência pela via de parto
Aspectos relacionados à preferência pela via de partoAspectos relacionados à preferência pela via de parto
Aspectos relacionados à preferência pela via de parto
 
Câncer de próstata
Câncer de próstataCâncer de próstata
Câncer de próstata
 
CâNcer De CabeçA E PescoçO VariáVeis De Resposta Ao Tratamento E BenefíCio D...
CâNcer De CabeçA E PescoçO  VariáVeis De Resposta Ao Tratamento E BenefíCio D...CâNcer De CabeçA E PescoçO  VariáVeis De Resposta Ao Tratamento E BenefíCio D...
CâNcer De CabeçA E PescoçO VariáVeis De Resposta Ao Tratamento E BenefíCio D...
 

Semelhante a Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turnerCuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Tayslane Rocha
 
Consensointegra
ConsensointegraConsensointegra
Consensointegra
evandrodig
 
Allan artigo 2009 rb cancerologia resumo dissert
Allan artigo 2009 rb cancerologia resumo dissertAllan artigo 2009 rb cancerologia resumo dissert
Allan artigo 2009 rb cancerologia resumo dissert
Allan Ulisses
 
Desafios para a implantação do primeiro programa de rastreamento cardite
Desafios para a implantação do primeiro programa de rastreamento carditeDesafios para a implantação do primeiro programa de rastreamento cardite
Desafios para a implantação do primeiro programa de rastreamento cardite
gisa_legal
 

Semelhante a Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (20)

ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdfANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
 
Aula screening abril2014
Aula screening abril2014Aula screening abril2014
Aula screening abril2014
 
H1N1.pdf
H1N1.pdfH1N1.pdf
H1N1.pdf
 
a_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdf
a_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdfa_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdf
a_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdf
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
Sb debate em saude
Sb debate em saudeSb debate em saude
Sb debate em saude
 
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turnerCuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
 
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
2012 necessidades de informação de candidatos ao transplante de fígado karina...
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
 
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
 
G1103015156
G1103015156G1103015156
G1103015156
 
Diretrizes SBU - Câncer de Próstata
Diretrizes SBU - Câncer de PróstataDiretrizes SBU - Câncer de Próstata
Diretrizes SBU - Câncer de Próstata
 
Consensointegra
ConsensointegraConsensointegra
Consensointegra
 
Allan artigo 2009 rb cancerologia resumo dissert
Allan artigo 2009 rb cancerologia resumo dissertAllan artigo 2009 rb cancerologia resumo dissert
Allan artigo 2009 rb cancerologia resumo dissert
 
Artigo1
Artigo1Artigo1
Artigo1
 
Desafios para a implantação do primeiro programa de rastreamento cardite
Desafios para a implantação do primeiro programa de rastreamento carditeDesafios para a implantação do primeiro programa de rastreamento cardite
Desafios para a implantação do primeiro programa de rastreamento cardite
 
Câncer: uma realidade brasileira
Câncer: uma realidade brasileiraCâncer: uma realidade brasileira
Câncer: uma realidade brasileira
 
Trocando ideias xx
Trocando ideias xxTrocando ideias xx
Trocando ideias xx
 

Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

  • 1. CCoonnhheecciimmeennttoo ssoobbrree ccâânncceerr ddee mmaammaa hheerreeddiittáárriioo,, eessccoollaarriiddaaddee ee rriissccoo ggeennééttiiccoo iinnddiivviidduuaall ddee mmuullhheerreess aatteennddiiddaass eemm uunniiddaaddeess bbáássiiccaass ddee ssaaúúddee ((UUBBSS)) ddee PPoorrttoo AAlleeggrree Schmidt AV¹; Giacomazzi J¹; Palmero EI2; Roth FL3; Kalakun L4; Caleffi M5; Ashton-Prolla P¹6; 1Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre; 2 International Agency for Research on Cancer, Lyon - França; 3 Programa de Pós Graduação em Ciências Médicas UFRGS, Porto Alegre; 4 Pós Graduação em Epidemiologia UFRGS, Porto Alegre; 5Hospital de Clínicas de Porto Alegre; 6Associação Hospitalar Moinhos de Vento, Porto Alegre. Contato: aishameriane.schmidt@ufrgs.br A METODOLOGIA Fluxograma de encaminhamento Questionário Q1: “A melhor época para realização do auto-exame das mamas é alguns dias antes da menstruação ?” Q2: “Se uma mulher faz mamografia todos os anos ela precisa fazer auto-exame mensal e exame anual das mamas com médico no posto de saúde ?” Q3: “Descobrir o CM no início aumenta a chance de sobreviver ao câncer de mama ?” As mulheres foram agrupadas quanto à presença ou ausência de critérios para síndromes de câncer de mama hereditário e quanto à escolaridade (<8, de 8 a 10 e >10 anos). O teste qui-quadrado foi utilizado para medir associação entre as variáveis. Apoio Financeiro: CNPq, FAPERGS, FIPE/HCPA, CAPES, Susan G. Komen for the Cure. IINNTTRROODDUUÇÇÃÃOO As formas mais eficazes para detecção precoce do câncer de mama (CM) são a realização de exame clínico com especialista e do exame mamográfico anual após os 40 anos. A realização de auto-exame das mamas no 5° ou 6° dia após a menstruação é um adjunto a essas estratégias. A detecção precoce do CM está associada a menor mortalidade e depende da aderência das mulheres a condutas de rastreamento, o que por sua vez, pode ser influenciado pela escolaridade. OOBBJJEETTIIVVOO Medir o grau de associação entre o conhecimento sobre detecção precoce de CM com o grau de escolaridade e presença ou ausência de critérios para câncer de mama hereditário (CMH) em mulheres com história familiar de câncer de mama atendidas em UBS de Porto Alegre e encaminhadas para avaliação genética no Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA). Camey SA¹ RREESSUULLTTAADDOOSS 18 UBSs NMPOA (pop. alvo 9218 mulheres) Aconselhamento genético (885 mulheres) *Questionário de conhecimento sobre CM (589 mulheres) A média geral de acertos foi 4,7 (DP=1,3). Não houve diferença estatisticamente significativa entre as médias do número de acertos de pacientes com e sem critérios para CMH (t=0,608; p=0,543) e de pacientes que associavam ou não o teste genético positivo com ocorrência de CM (t= 0,149; p=0,881). Comparando as médias do número de acertos por grau de escolaridade encontramos uma diferença estatisticamente significativa (F(2,553)=10,479; p<0,001), mostrando que mulheres com menos de 8 anos de estudo tiveram um número de acertos menor (M=4,5; DP=1,4) quando comparado às mulheres com 8 a 10 anos (M=4,8; DP=1,1) e às com 11 anos ou mais (M=5,0; DP=1,2). Também foi encontrada uma diferença estatisticamente significativa entre pacientes com ou sem conhecimento da existência de teste genético (t=-2,883; p=0,004). DDIISSCCUUSSSSÃÃOO Apesar de ter sido encontrada algumas diferenças estatisticamente significativas, do ponto de vista do número de acertos, as diferenças não foram relevantes uma vez que representam menos do que um acerto. A média geral de acertos indica um bom conhecimento sobre CMH, representando 78% de acerto entre as mulheres desta amostra.