SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
A
1
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre; 2
International Agency for Research on Cancer, Lyon - França; 3
Programa de Pós Graduação em Ciências Médicas UFRGS, Porto Alegre; 4
Pós Graduação em Epidemiologia UFRGS, Porto
Alegre; 5
Hospital de Clínicas de Porto Alegre; 6
Associação Hospitalar Moinhos de Vento, Porto Alegre.
Apoio Financeiro: Susan G. Komen for the Cure, CNPq, CAPES, FAPERGS, FIPE/HCPA.
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
De todos casos de câncer de mama (CM), 5-10% são hereditários e
têm como características a transmissão para os descendentes, idade
jovem ao diagnóstico e múltiplos casos entre os familiares. Ter
conhecimento acerca dessas características pode ser um facilitador na
busca destas mulheres por estratégias de prevenção do câncer.
OBJETIVOSOBJETIVOS
Comparar as médias do número de acertos das respostas de mulheres
a um questionário de conhecimento sobre câncer de mama hereditário
(CMH) para verificar se há associação com escolaridade e com o risco
genético individual.
Schmidt AV¹; Giacomazzi J¹; Palmero EI2
; Roth FL3
; Kalakun L4
; Caleffi M5
; Ashton-Prolla P¹6
; Camey SA¹
DISCUSSÃODISCUSSÃO
Apesar de terem sido encontradas algumas diferenças estatisticamente significativas, do ponto de vista prático, as diferenças representam menos do que
uma questão. A média geral de acertos indica um bom conhecimento sobre CMH, representando 78% de acertos nas questões apresentadas.
Conhecimento sobre câncer de mama hereditário, escolaridade eConhecimento sobre câncer de mama hereditário, escolaridade e
risco genético individual de mulheres atendidas em unidades básicasrisco genético individual de mulheres atendidas em unidades básicas
de saúde (UBS) de Porto Alegrede saúde (UBS) de Porto Alegre
Contato: aishameriane.schmidt@ufrgs.br
Q1. Mulheres que nascem com um risco de ter câncer de mama por algum
problema genético, vão ter câncer de mama com certeza?
Q2. Mulheres que nascem com um risco de ter câncer de mama por um
problema genético, vão ter esse câncer mais cedo do que outras mulheres?
Q3. Mulheres que têm um risco de desenvolver câncer de mama por um
problema genético, têm também risco de ter outros tipos de câncer?
Q4. Mulheres que têm um risco de desenvolver câncer de mama por um
problema genético, podem ter outros familiares com o mesmo risco?
Q5. Mulheres que têm um risco de desenvolver câncer de mama por um
problema genético, podem passar esse problema aos seus filhos e filhas?
Q6. Esse problema pode ser herdado tanto do seu pai quanto da sua mãe?
Q7. A maioria dos casos de câncer de mama são causados por uma
tendência genética?
Tabela 1 – Questões sobre CMHParticipantes do estudo: A amostra é composta de mulheres
atendidas em 18 UBS, com idade acima de 15 anos e cadastradas na
Coorte Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) (n=9234). Destas, 885
fizeram aconselhamento genético com geneticista do NMPOA, das
quais 589 responderam a um questionário com 19 questões de
conhecimento sobre CM.
Variáveis em estudo: Para o presente trabalho, foi calculado o número
de acertos em 7 questões específicas sobre CMH.
Critérios para CMH (risco baixo + moderado e risco alto)
Escolaridade (<8 anos de estudo; ente 8 e 10 anos de estudo e mais
de 10 anos de estudo)
Conhecimento da existência de teste genético
Associar o teste genético positivo com desenvolvimento da doença
Análise estatística: Foram utilizados teste t e ANOVA para amostras
independentes para comparação das médias do número de acertos
entre os grupos.
METODOLOGIAMETODOLOGIA
RESULTADOSRESULTADOS
A média geral de acertos foi 4.7 (DP=1.3). Não houve diferença
estatisticamente significativa entre as médias do número de acertos
de pacientes com e sem critérios para CMH (t=0.608; p=0.543) e de
pacientes que associavam ou não o teste genético positivo com
ocorrência de CM (t= -0.149; p=0.881).
Comparando as médias do número de acertos por grau de
escolaridade encontramos uma diferença estatisticamente
significativa (F(15.65)=9,392; p<0,001), mostrando que mulheres
com menos de 8 anos de estudo tiveram um número de acertos
menor (M=4.5; DP=1.4) quando comparado às mulheres com 8 a 10
anos (M=4.8; DP=1.1) e às com 11 anos ou mais (M=5.0; DP=1.2).
Também foi encontrada uma diferença estatisticamente significativa
entre pacientes com ou sem conhecimento da existência de teste
genético (t=-2.883; p=0.004).
Pôster número
706

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
gisa_legal
 
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servicoAplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
gisa_legal
 
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
Ieda Noronha
 
Pé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básicaPé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básica
adrianomedico
 

Mais procurados (10)

O enfermeiro como mediador do processo da mulher.
O enfermeiro como mediador do processo da mulher.O enfermeiro como mediador do processo da mulher.
O enfermeiro como mediador do processo da mulher.
 
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
 
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servicoAplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
 
2017 65 14109 (1) cancer de pele 7
2017 65 14109 (1) cancer de pele 72017 65 14109 (1) cancer de pele 7
2017 65 14109 (1) cancer de pele 7
 
Tcc a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primária
Tcc   a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primáriaTcc   a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primária
Tcc a atuação do enfermeiro na prevenção do câncer de mama na atenção primária
 
Assistência de Enfermagem ao Portador de Microcefalia
Assistência de Enfermagem ao Portador de MicrocefaliaAssistência de Enfermagem ao Portador de Microcefalia
Assistência de Enfermagem ao Portador de Microcefalia
 
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
 
Câncer do colo do útero
Câncer do colo do úteroCâncer do colo do útero
Câncer do colo do útero
 
Caso controle
Caso controleCaso controle
Caso controle
 
Pé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básicaPé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básica
 

Semelhante a Conhecimento sobre CA de mama hereditário

2 vacina como_ferramenta_preventiva
2 vacina como_ferramenta_preventiva2 vacina como_ferramenta_preventiva
2 vacina como_ferramenta_preventiva
Jnq Braga
 
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdfCartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
maxion03
 
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turnerCuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Tayslane Rocha
 
Prevalência de cc ao nascimento
Prevalência de cc ao nascimentoPrevalência de cc ao nascimento
Prevalência de cc ao nascimento
gisa_legal
 
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento 2008
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento   2008Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento   2008
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento 2008
gisa_legal
 

Semelhante a Conhecimento sobre CA de mama hereditário (20)

Cancer
CancerCancer
Cancer
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
Debate em Saúde: A mamografia na prevenção do câncer de mama: qual a idade id...
 
Sb debate em saude
Sb debate em saudeSb debate em saude
Sb debate em saude
 
2 vacina como_ferramenta_preventiva
2 vacina como_ferramenta_preventiva2 vacina como_ferramenta_preventiva
2 vacina como_ferramenta_preventiva
 
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdfCartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
Cartilha_câncer_de_mama_2023_8_ed.pdf
 
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turnerCuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
 
Manejo das pacientes com alto risco para câncer de mama
Manejo das pacientes com alto risco para câncer de mamaManejo das pacientes com alto risco para câncer de mama
Manejo das pacientes com alto risco para câncer de mama
 
cartilha_cancer_de_mama_2022.pdf
cartilha_cancer_de_mama_2022.pdfcartilha_cancer_de_mama_2022.pdf
cartilha_cancer_de_mama_2022.pdf
 
51 Artigo6
51 Artigo651 Artigo6
51 Artigo6
 
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
 
Prevalência de cc ao nascimento
Prevalência de cc ao nascimentoPrevalência de cc ao nascimento
Prevalência de cc ao nascimento
 
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento 2008
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento   2008Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento   2008
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento 2008
 
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamento
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamentoCâncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamento
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamento
 
Cristina Netto e Patricia Prolla
Cristina Netto e  Patricia Prolla Cristina Netto e  Patricia Prolla
Cristina Netto e Patricia Prolla
 
Tratamento contra papiloma hpv genital feminino
Tratamento contra  papiloma hpv genital femininoTratamento contra  papiloma hpv genital feminino
Tratamento contra papiloma hpv genital feminino
 
outubro-rosa-sugestao
outubro-rosa-sugestaooutubro-rosa-sugestao
outubro-rosa-sugestao
 
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
Síntese de Evidências para Politicas de Saúde - Mortalidade Materna no Estado...
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptx
 
Trocando ideias xx
Trocando ideias xxTrocando ideias xx
Trocando ideias xx
 

Conhecimento sobre CA de mama hereditário

  • 1. A 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre; 2 International Agency for Research on Cancer, Lyon - França; 3 Programa de Pós Graduação em Ciências Médicas UFRGS, Porto Alegre; 4 Pós Graduação em Epidemiologia UFRGS, Porto Alegre; 5 Hospital de Clínicas de Porto Alegre; 6 Associação Hospitalar Moinhos de Vento, Porto Alegre. Apoio Financeiro: Susan G. Komen for the Cure, CNPq, CAPES, FAPERGS, FIPE/HCPA. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO De todos casos de câncer de mama (CM), 5-10% são hereditários e têm como características a transmissão para os descendentes, idade jovem ao diagnóstico e múltiplos casos entre os familiares. Ter conhecimento acerca dessas características pode ser um facilitador na busca destas mulheres por estratégias de prevenção do câncer. OBJETIVOSOBJETIVOS Comparar as médias do número de acertos das respostas de mulheres a um questionário de conhecimento sobre câncer de mama hereditário (CMH) para verificar se há associação com escolaridade e com o risco genético individual. Schmidt AV¹; Giacomazzi J¹; Palmero EI2 ; Roth FL3 ; Kalakun L4 ; Caleffi M5 ; Ashton-Prolla P¹6 ; Camey SA¹ DISCUSSÃODISCUSSÃO Apesar de terem sido encontradas algumas diferenças estatisticamente significativas, do ponto de vista prático, as diferenças representam menos do que uma questão. A média geral de acertos indica um bom conhecimento sobre CMH, representando 78% de acertos nas questões apresentadas. Conhecimento sobre câncer de mama hereditário, escolaridade eConhecimento sobre câncer de mama hereditário, escolaridade e risco genético individual de mulheres atendidas em unidades básicasrisco genético individual de mulheres atendidas em unidades básicas de saúde (UBS) de Porto Alegrede saúde (UBS) de Porto Alegre Contato: aishameriane.schmidt@ufrgs.br Q1. Mulheres que nascem com um risco de ter câncer de mama por algum problema genético, vão ter câncer de mama com certeza? Q2. Mulheres que nascem com um risco de ter câncer de mama por um problema genético, vão ter esse câncer mais cedo do que outras mulheres? Q3. Mulheres que têm um risco de desenvolver câncer de mama por um problema genético, têm também risco de ter outros tipos de câncer? Q4. Mulheres que têm um risco de desenvolver câncer de mama por um problema genético, podem ter outros familiares com o mesmo risco? Q5. Mulheres que têm um risco de desenvolver câncer de mama por um problema genético, podem passar esse problema aos seus filhos e filhas? Q6. Esse problema pode ser herdado tanto do seu pai quanto da sua mãe? Q7. A maioria dos casos de câncer de mama são causados por uma tendência genética? Tabela 1 – Questões sobre CMHParticipantes do estudo: A amostra é composta de mulheres atendidas em 18 UBS, com idade acima de 15 anos e cadastradas na Coorte Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) (n=9234). Destas, 885 fizeram aconselhamento genético com geneticista do NMPOA, das quais 589 responderam a um questionário com 19 questões de conhecimento sobre CM. Variáveis em estudo: Para o presente trabalho, foi calculado o número de acertos em 7 questões específicas sobre CMH. Critérios para CMH (risco baixo + moderado e risco alto) Escolaridade (<8 anos de estudo; ente 8 e 10 anos de estudo e mais de 10 anos de estudo) Conhecimento da existência de teste genético Associar o teste genético positivo com desenvolvimento da doença Análise estatística: Foram utilizados teste t e ANOVA para amostras independentes para comparação das médias do número de acertos entre os grupos. METODOLOGIAMETODOLOGIA RESULTADOSRESULTADOS A média geral de acertos foi 4.7 (DP=1.3). Não houve diferença estatisticamente significativa entre as médias do número de acertos de pacientes com e sem critérios para CMH (t=0.608; p=0.543) e de pacientes que associavam ou não o teste genético positivo com ocorrência de CM (t= -0.149; p=0.881). Comparando as médias do número de acertos por grau de escolaridade encontramos uma diferença estatisticamente significativa (F(15.65)=9,392; p<0,001), mostrando que mulheres com menos de 8 anos de estudo tiveram um número de acertos menor (M=4.5; DP=1.4) quando comparado às mulheres com 8 a 10 anos (M=4.8; DP=1.1) e às com 11 anos ou mais (M=5.0; DP=1.2). Também foi encontrada uma diferença estatisticamente significativa entre pacientes com ou sem conhecimento da existência de teste genético (t=-2.883; p=0.004). Pôster número 706