SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistemas Adesivos
Luciana Onety Ramalho
Sistemas Adesivos
O que é adesão ?
• É a força que mantém juntas duas substâncias ou
substratos, com diferentes composições, desde
que suas moléculas estejam em íntimo contato.
(Reis, Loguercio, 2009)
Tipos de Adesão
Nenhum
Molhamento
Molhamento
Parcial
Molhamento
Perfeito
o Adesão Química
• Iônica;
• Covalente;
• Metálica
o Adesão Física
• Ponte de Hidrogênio;
• Força de Van der Walls
o Adesão Mecânica
• Embricação Micromecânica
ü Penetração de um material por outro
diferente.
Interações Adesivas
Boa
Adesão
Molhamento
Viscosidade
Rugosidade
superficial
Molhamento
• É a capacidade que o líquido (adesivo) apresenta de recobrir totalmente o
substrato (dente), sem incorporar bolhas de ar entre eles.
Nenhum
Molhamento
Molhamento
Parcial
Molhamento
Perfeito
(Baratieri et al., 2011)
Molhamento - Energia e Tensão de superfície
Energia superficial: Capacidade da superfície de um sólido de reagir, ser molhada e
impregnada por um líquido.
Tensão superficial: Capacidade de um líquido de resistir a interação com substrato
(Baratieri et al., 2011)
Molhamento - Ângulo de Contato
• É o potencial de molhamento de uma substância na superfície de outra.
ü Quanto menor o ângulo de contato, maior é o molhamento, ou seja, maior adesão.
Substrato
Líquido
Substrato
Líquido
(Baratieri et al., 2011)
Viscosidade
• O adesivo é efetivo quando além de estar em íntimo contato com o
substrato, ele se espalha fácil e rapidamente sobre o substrato.
Maior
viscosidade
Média
viscosidade
Baixa
viscosidade
(Baratieri et al., 2011)
Rugosidade superficial
• Amplia o potencial para adesão.
• Presença de mais sítios para reter o aderente que penetrou.
(Baratieri et al., 2011)
Substrato
Líquido
Substratos Dentários
Esmalte
o 97% Inorgânico (Cristais de Hidroxiapatita)
o 2% Água
o 1% Orgânico
Esmalte
Inorgânico Orgânico Água
v Propriedades Físicas:
ü Alta densidade e dureza;
ü Alto módulo de elasticidade;
ü Baixa resistência à tração;
ü Alta fragilidade
Dentina
o 70% Inorgânico (Cristais de Hidroxiapatita)
o 10% Água
o 20% Orgânico (85% de Colágeno tipo I)
Dentina
Inorgânico Orgânico Água
Constituição da Dentina
v Túbulos Dentinários
§ Alojam os prolongamentos odontoblásticos;
§ São preenchidos pelo fluido dentinário;
§ Presentes em maior quantidade e espessura
próximo à polpa e menor próximo à junção
amelodentinária
v Prolongamentos Odontoblásticos
Túbulo Dentinário
http://143.107.206.201/restauradora/
dentistica/temas/adesivos/adesivos.h
tm
Constituição da Dentina
v Dentina Peritubular
§ Forma a parede dos túbulos dentinários;
§ Hipermineralizada (parcialmente desprovida
de fibrilas colágenas);
v Dentina Intertubular
§ Constitui maior parte do volume de dentina;
§ Localizada entre as colunas de dentina
peritubular;
§ Composta de fibrilas de colágeno (dispostas
perpendicular aos túbulos)
Dentina Peritubular
Dentina Intertubular
http://143.107.206.201/restauradora/dentistica/temas/adesivos/a
desivos.htm
Smear Layer (Lama Dentinária)
§ Camada de esfregaço (microdetritos) – Formada durante os procedimentos de corte
sobre a dentina;
§ Resultante dos remanescentes do substrato seccionado, sangue, saliva, bactérias;
§ Estão ligadas a dentina intertubular (SMEAR ON) e penetram nos túbulos dentinários
(SMEAR PLUGS);
§ Reduz a permeabilidade dentinária
Smear Layer
http://143.107.206.201/restaur
adora/dentistica/temas/adesiv
os/adesivos.htm
Sistemas Adesivos
Composição
1. Condicionador (Ácido)
2. Primer (Resina Hidrofílica + Solvente)
3. Adesivo (Resina Hidrofóbica)
1. Condicionamento Ácido
§ Prepara a superfície do esmalte e da dentina para receber o sistema adesivo;
§ Remove aproximadamente 10 µm de superfície de esmalte – Aumentando a energia
de superfície;
§ Cria microporos (média de 20 µm de profundidade) através do processo
desmineralização – Aumentando a área de superficie
Por que fazer o condicionamento ácido ??
(Reis, Loguercio, 2009)
1. Condicionamento Ácido
o Ácido Clorídrico
• Provoca dissolução não
seletiva do esmalte –
não cria retenções.
(Gwinnett, 1971)
o Ácido Maléico 10%
• Cria padrões menos
retentivos – menor
resistência de união.
(Triolo et al., 1993;
Ortega et al., 1997)
o Ácido Fosfórico
• Ágil – porosidade
adequada em tempo
clínico reduzido.
(Carvalho et al., 1998)
(Reis, Loguercio, 2009)
1. Condicionamento Ácido
Concentração de Ácido
Fosfórico
Entre 30% e 50%
Inferior a 30%
Acima de 50%
1. Condicionamento Ácido
Apresentação do Ácido
Fosfórico
Gel
3,5% de
Dióxido de
Silício
Semigel
Hidroxicelulose
ü Os espessantes são utilizados para delimiter melhor a área a ser condicionada.
1. Condicionamento Ácido
15s (dentina) e 30s (esmalte) de
Condicionamento
+
Lavagem pelo dobro do tempo
ü Após o condicionamento ácido, a superfície do esmalte fica porosa e deixa de refletir a luz em sentido
único – Aparência branco-opaca na superfície.
1. Condicionamento Ácido
v Após a lavagem abundante para remoção do ácido, o elemento dental deve ser
secado com bolinhas de papel absorvente.
ü NÃO SECAR COM JATOS DE AR EM EXAGERO!
Manter a
umidade
(sem
excesso de
água)
Evitar
colapso
das fibrilas
colágenas
Dentina
permeável
para
receber
monômero
Melhor
resistência
de união
1. Condicionamento Ácido
ESMALTE DENTINA
Desmineralização Remoção da Smear Layer
Remoção do Conteúdo Mineral
Exposição dos Túbulos Dentinários
Exposição das Fibrilas Colágenas
Aumento da Pressão Intrapulpar e
Permeabilidade da Dentina
1. Condicionamento Ácido
O que influencia no condicionamento ácido ??
ü Tipo de ácido utilizado;
ü Concentração do ácido;
ü Tempo de aplicação;
ü Tempo de lavagem;
ü Esmalte aprismático;
ü Dentes de pacientes idosos;
ü Esmalte fluoretado;
ü Ausência de biselamento
(Reis, Loguercio, 2009)
2. Primer
v Solução hidrofílica compatível com dentina úmida e que possui solventes em
sua composição
(Reis, Loguercio, 2009)
Deslocam o fluido;
Penetram nos microporos do
tecido;
Participam da evaporação de
água;
Deixam os monômeros hidrofílicos em
contato com as fibrilas colágenas.
v Infiltração de monômero resinoso
pela camada superficial de dentina
previamente desmineralizada e
posterior polimerização.
(Arrais, Ginannini, 2002)
2. PRIMER
Adesivo
Água
Mais efetivo em
substrato seco
Evaporação lenta
Álcool
Menos efetivo em
substrato seco
Evaporação
rápida
Acetona
Menos efetivo em
substrato seco
Evaporação
rápida
2. Primer
Primer
30s de aplicação
+
Evaporação dos solventes com leves
jatos de ar
ü A aplicação do primer não é necessária caso o procedimento adesivo seja realizado apenas em
esmalte, entretanto, é de extrema importância quando envolve a dentina.
ü A água e o solvente remanescentes na camada adesiva, reduzem as propriedades mecânicas do
polímero.
(Reis, 2009)
3. Adesivo
v É uma resina fluida fotopolimerizável, cuja função é molhar os substratos,
atuando como um agente intermediário entre a estrutura dental e os materiais
restauradores.
v Parte hidrofóbica, compatível com a resina composta.
Monômero
Hidrofóbico
(Reis, Loguercio, 2009)
3. Adesivo (Bond)
Dentina
Preenche os espaços
da rede de fibrilas
colágenas expostas
Penetra em alguns
túbulos dentinários
(forma as tags de
resina)
Polimerizado
Esmalte
Preenche as
irregularidades e
microporosidades
criadas pelo
condicionamento ácido
Polimerizado
3. Adesivo (Bond)
(Ramos et al., 2016)
Resina Composta
Adesivo
Camada Híbrida
Tags de Resina
3. Adesivo (Bond)
Adesivo
10s de aplicação do adesivo
(esfregando sobre o substrato)
ü O adesivo deve ser “esfregado” na superfície do dente para facilitar a penetração dos monômeros.
ü CUIDADO: A aplicação de jatos de ar para retirar adesivo em excesso pode incorporar oxigênio na
camada adesiva – INIBE A POLIMERIZAÇÃO
Classificação
Sistemas Adesivos
Classificação
1. Sistema Adesivo Convencional
2. Sistema Adesivo Autocondicionante
Classificação
Adesivos Convencionais Adesivos Autocondicionantes
3 Passos
2 Passos
2 Passos
1 Passo
Ácido + Primer + Adesivo
Ácido + Primer /Adesivo
Ácido/Primer + Adesivo
Ácido/Primer /Adesivo
Adesivos Convencionais
3 Passos Ácido + Primer + Adesivo
ü Considerados o padrão ouro dos Adesivos Convencionais.
ü Melhor resistência de união.
Adesivos Convencionais
2 Passos Ácido + Primer /Adesivo
Adesivos Autocondicionantes
2 Passos Ácido/Primer + Adesivo
ü Considerados o padrão ouro dos Adesivos Autocondicionantes;
ü Melhor resistência de união;
ü Aplicar previamente o Ácido Fosfórico em ESMALTE.
Adesivos Autocondicionantes
1 Passo Ácido/Primer /Adesivo
ü Aplicar previamente o Ácido Fosfórico em ESMALTE.
Referências
• Texto do professor Fernando Mandarino, intitulado Sistemas Adesivos, disponível na
url:http://143.107.206.201/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm
• BARATIERI et al. Odontologia Restauradora: Fundamentos & Técnicas. 1° edição. São Paulo: Livraria Santos
Editora, 2011.
• REIS, A.; LOGUERCIO, A.D. Materiais Dentários Diretos: dos Fundamentos á Aplicação Clínica. 1° edição. São
Paulo: Livraria Santos Editora, 2009.
• ARRAIS, César Augusto Galvão; GIANNINI, Marcelo. Morphology and thickness of the diffusion of resin
through demineralized or unconditioned dentinal matrix. Pesqui. Odontol. Bras., São Paulo , v. 16, n. 2, p.
115-120, 2002.
Sistemas Adesivos (1).pdf
Sistemas Adesivos (1).pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
profguilhermeterra
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
Oyara Mello
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
Rayssa Mendonça
 
Materiais dentários
Materiais dentáriosMateriais dentários
Materiais dentários
Jonathan Cardoso Gomes Rodrigues
 
Selantes odontopediatria
Selantes odontopediatriaSelantes odontopediatria
Selantes odontopediatria
Gabriella Lourenço
 
Moldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMoldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcional
Marlus Pedrosa
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
profguilhermeterra
 
Cariologia
CariologiaCariologia
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
profguilhermeterra
 
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para OdontologiaDescubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
André Milioli Martins
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
Dr.João Calais.:
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
profguilhermeterra
 
Odontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localOdontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia local
Italo Gabriel
 
Cirurgia Odontológica - apostila
Cirurgia Odontológica - apostilaCirurgia Odontológica - apostila
Cirurgia Odontológica - apostila
Jonathan Cardoso Gomes Rodrigues
 
Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)
Jonathan Cardoso Gomes Rodrigues
 
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Guilherme Terra
 
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NFCimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Fabio Robles
 
Dentística
DentísticaDentística
Dentística
Dr.João Calais.:
 
Sistemas Adesivos.pdf
Sistemas Adesivos.pdfSistemas Adesivos.pdf
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostas
profguilhermeterra
 

Mais procurados (20)

Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Materiais dentários
Materiais dentáriosMateriais dentários
Materiais dentários
 
Selantes odontopediatria
Selantes odontopediatriaSelantes odontopediatria
Selantes odontopediatria
 
Moldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMoldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcional
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
 
Cariologia
CariologiaCariologia
Cariologia
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
 
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para OdontologiaDescubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 
Odontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localOdontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia local
 
Cirurgia Odontológica - apostila
Cirurgia Odontológica - apostilaCirurgia Odontológica - apostila
Cirurgia Odontológica - apostila
 
Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)
 
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
 
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NFCimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
 
Dentística
DentísticaDentística
Dentística
 
Sistemas Adesivos.pdf
Sistemas Adesivos.pdfSistemas Adesivos.pdf
Sistemas Adesivos.pdf
 
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostas
 

Semelhante a Sistemas Adesivos (1).pdf

Resinas compostas
Resinas compostasResinas compostas
Resinas compostas
Regis Valentim
 
Base treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third novemberBase treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third november
Carlos Soares
 
Resina composta anteriores
Resina composta   anterioresResina composta   anteriores
Resina composta anteriores
Dr.João Calais.:
 
Histologia Oral
Histologia Oral Histologia Oral
Histologia Oral
MarianaKurodaPazGona
 
SEMINARIO DENTISTICA.pptx
SEMINARIO DENTISTICA.pptxSEMINARIO DENTISTICA.pptx
SEMINARIO DENTISTICA.pptx
Júlio Braga
 
Resin composite - Restauração Classe IV - Resina Composta
Resin composite - Restauração Classe IV - Resina CompostaResin composite - Restauração Classe IV - Resina Composta
Resin composite - Restauração Classe IV - Resina Composta
Eduardo Souza-Junior
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Guilherme Terra
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
Rayssa Mendonça
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Guilherme Terra
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Rayssa Mendonça
 
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptx
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptxMateriais Odontológicos aula 03.09.pptx
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptx
AnnaFlaviaDantas
 
Facetas laminadas
Facetas laminadasFacetas laminadas
Facetas laminadas
Marcos Gomes
 
Seminário da disciplina de prótese- PRONTO 1.pptx
Seminário da disciplina de prótese- PRONTO 1.pptxSeminário da disciplina de prótese- PRONTO 1.pptx
Seminário da disciplina de prótese- PRONTO 1.pptx
AnaAliceZequimAna
 
Preparo
PreparoPreparo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
Valdemir Junior
 
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamenteAbordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
DidaticaMPCO
 
Prótese fixa adesiva 2
Prótese fixa adesiva 2Prótese fixa adesiva 2
Prótese fixa adesiva 2
Rhuan
 
aula 3 implantodontia cicatrização óssea e ósseointegração
aula 3 implantodontia cicatrização óssea e ósseointegraçãoaula 3 implantodontia cicatrização óssea e ósseointegração
aula 3 implantodontia cicatrização óssea e ósseointegração
AmandaMelo709531
 
Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)
Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)
Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)
Marcos Paulo Hutchison
 
Restaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasRestaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostas
profguilhermeterra
 

Semelhante a Sistemas Adesivos (1).pdf (20)

Resinas compostas
Resinas compostasResinas compostas
Resinas compostas
 
Base treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third novemberBase treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third november
 
Resina composta anteriores
Resina composta   anterioresResina composta   anteriores
Resina composta anteriores
 
Histologia Oral
Histologia Oral Histologia Oral
Histologia Oral
 
SEMINARIO DENTISTICA.pptx
SEMINARIO DENTISTICA.pptxSEMINARIO DENTISTICA.pptx
SEMINARIO DENTISTICA.pptx
 
Resin composite - Restauração Classe IV - Resina Composta
Resin composite - Restauração Classe IV - Resina CompostaResin composite - Restauração Classe IV - Resina Composta
Resin composite - Restauração Classe IV - Resina Composta
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
 
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptx
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptxMateriais Odontológicos aula 03.09.pptx
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptx
 
Facetas laminadas
Facetas laminadasFacetas laminadas
Facetas laminadas
 
Seminário da disciplina de prótese- PRONTO 1.pptx
Seminário da disciplina de prótese- PRONTO 1.pptxSeminário da disciplina de prótese- PRONTO 1.pptx
Seminário da disciplina de prótese- PRONTO 1.pptx
 
Preparo
PreparoPreparo
Preparo
 
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
 
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamenteAbordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
 
Prótese fixa adesiva 2
Prótese fixa adesiva 2Prótese fixa adesiva 2
Prótese fixa adesiva 2
 
aula 3 implantodontia cicatrização óssea e ósseointegração
aula 3 implantodontia cicatrização óssea e ósseointegraçãoaula 3 implantodontia cicatrização óssea e ósseointegração
aula 3 implantodontia cicatrização óssea e ósseointegração
 
Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)
Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)
Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)
 
Restaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasRestaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostas
 

Último

Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 

Último (7)

Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 

Sistemas Adesivos (1).pdf

  • 3.
  • 4. O que é adesão ? • É a força que mantém juntas duas substâncias ou substratos, com diferentes composições, desde que suas moléculas estejam em íntimo contato. (Reis, Loguercio, 2009)
  • 5. Tipos de Adesão Nenhum Molhamento Molhamento Parcial Molhamento Perfeito o Adesão Química • Iônica; • Covalente; • Metálica o Adesão Física • Ponte de Hidrogênio; • Força de Van der Walls o Adesão Mecânica • Embricação Micromecânica ü Penetração de um material por outro diferente.
  • 7. Molhamento • É a capacidade que o líquido (adesivo) apresenta de recobrir totalmente o substrato (dente), sem incorporar bolhas de ar entre eles. Nenhum Molhamento Molhamento Parcial Molhamento Perfeito (Baratieri et al., 2011)
  • 8. Molhamento - Energia e Tensão de superfície Energia superficial: Capacidade da superfície de um sólido de reagir, ser molhada e impregnada por um líquido. Tensão superficial: Capacidade de um líquido de resistir a interação com substrato (Baratieri et al., 2011)
  • 9. Molhamento - Ângulo de Contato • É o potencial de molhamento de uma substância na superfície de outra. ü Quanto menor o ângulo de contato, maior é o molhamento, ou seja, maior adesão. Substrato Líquido Substrato Líquido (Baratieri et al., 2011)
  • 10. Viscosidade • O adesivo é efetivo quando além de estar em íntimo contato com o substrato, ele se espalha fácil e rapidamente sobre o substrato. Maior viscosidade Média viscosidade Baixa viscosidade (Baratieri et al., 2011)
  • 11. Rugosidade superficial • Amplia o potencial para adesão. • Presença de mais sítios para reter o aderente que penetrou. (Baratieri et al., 2011) Substrato Líquido
  • 13. Esmalte o 97% Inorgânico (Cristais de Hidroxiapatita) o 2% Água o 1% Orgânico Esmalte Inorgânico Orgânico Água v Propriedades Físicas: ü Alta densidade e dureza; ü Alto módulo de elasticidade; ü Baixa resistência à tração; ü Alta fragilidade
  • 14. Dentina o 70% Inorgânico (Cristais de Hidroxiapatita) o 10% Água o 20% Orgânico (85% de Colágeno tipo I) Dentina Inorgânico Orgânico Água
  • 15. Constituição da Dentina v Túbulos Dentinários § Alojam os prolongamentos odontoblásticos; § São preenchidos pelo fluido dentinário; § Presentes em maior quantidade e espessura próximo à polpa e menor próximo à junção amelodentinária v Prolongamentos Odontoblásticos Túbulo Dentinário http://143.107.206.201/restauradora/ dentistica/temas/adesivos/adesivos.h tm
  • 16. Constituição da Dentina v Dentina Peritubular § Forma a parede dos túbulos dentinários; § Hipermineralizada (parcialmente desprovida de fibrilas colágenas); v Dentina Intertubular § Constitui maior parte do volume de dentina; § Localizada entre as colunas de dentina peritubular; § Composta de fibrilas de colágeno (dispostas perpendicular aos túbulos) Dentina Peritubular Dentina Intertubular http://143.107.206.201/restauradora/dentistica/temas/adesivos/a desivos.htm
  • 17. Smear Layer (Lama Dentinária) § Camada de esfregaço (microdetritos) – Formada durante os procedimentos de corte sobre a dentina; § Resultante dos remanescentes do substrato seccionado, sangue, saliva, bactérias; § Estão ligadas a dentina intertubular (SMEAR ON) e penetram nos túbulos dentinários (SMEAR PLUGS); § Reduz a permeabilidade dentinária Smear Layer http://143.107.206.201/restaur adora/dentistica/temas/adesiv os/adesivos.htm
  • 19. Composição 1. Condicionador (Ácido) 2. Primer (Resina Hidrofílica + Solvente) 3. Adesivo (Resina Hidrofóbica)
  • 20. 1. Condicionamento Ácido § Prepara a superfície do esmalte e da dentina para receber o sistema adesivo; § Remove aproximadamente 10 µm de superfície de esmalte – Aumentando a energia de superfície; § Cria microporos (média de 20 µm de profundidade) através do processo desmineralização – Aumentando a área de superficie Por que fazer o condicionamento ácido ?? (Reis, Loguercio, 2009)
  • 21. 1. Condicionamento Ácido o Ácido Clorídrico • Provoca dissolução não seletiva do esmalte – não cria retenções. (Gwinnett, 1971) o Ácido Maléico 10% • Cria padrões menos retentivos – menor resistência de união. (Triolo et al., 1993; Ortega et al., 1997) o Ácido Fosfórico • Ágil – porosidade adequada em tempo clínico reduzido. (Carvalho et al., 1998) (Reis, Loguercio, 2009)
  • 22. 1. Condicionamento Ácido Concentração de Ácido Fosfórico Entre 30% e 50% Inferior a 30% Acima de 50%
  • 23. 1. Condicionamento Ácido Apresentação do Ácido Fosfórico Gel 3,5% de Dióxido de Silício Semigel Hidroxicelulose ü Os espessantes são utilizados para delimiter melhor a área a ser condicionada.
  • 24. 1. Condicionamento Ácido 15s (dentina) e 30s (esmalte) de Condicionamento + Lavagem pelo dobro do tempo ü Após o condicionamento ácido, a superfície do esmalte fica porosa e deixa de refletir a luz em sentido único – Aparência branco-opaca na superfície.
  • 25. 1. Condicionamento Ácido v Após a lavagem abundante para remoção do ácido, o elemento dental deve ser secado com bolinhas de papel absorvente. ü NÃO SECAR COM JATOS DE AR EM EXAGERO! Manter a umidade (sem excesso de água) Evitar colapso das fibrilas colágenas Dentina permeável para receber monômero Melhor resistência de união
  • 26. 1. Condicionamento Ácido ESMALTE DENTINA Desmineralização Remoção da Smear Layer Remoção do Conteúdo Mineral Exposição dos Túbulos Dentinários Exposição das Fibrilas Colágenas Aumento da Pressão Intrapulpar e Permeabilidade da Dentina
  • 27. 1. Condicionamento Ácido O que influencia no condicionamento ácido ?? ü Tipo de ácido utilizado; ü Concentração do ácido; ü Tempo de aplicação; ü Tempo de lavagem; ü Esmalte aprismático; ü Dentes de pacientes idosos; ü Esmalte fluoretado; ü Ausência de biselamento (Reis, Loguercio, 2009)
  • 28. 2. Primer v Solução hidrofílica compatível com dentina úmida e que possui solventes em sua composição (Reis, Loguercio, 2009) Deslocam o fluido; Penetram nos microporos do tecido; Participam da evaporação de água; Deixam os monômeros hidrofílicos em contato com as fibrilas colágenas.
  • 29. v Infiltração de monômero resinoso pela camada superficial de dentina previamente desmineralizada e posterior polimerização. (Arrais, Ginannini, 2002)
  • 30. 2. PRIMER Adesivo Água Mais efetivo em substrato seco Evaporação lenta Álcool Menos efetivo em substrato seco Evaporação rápida Acetona Menos efetivo em substrato seco Evaporação rápida
  • 31. 2. Primer Primer 30s de aplicação + Evaporação dos solventes com leves jatos de ar ü A aplicação do primer não é necessária caso o procedimento adesivo seja realizado apenas em esmalte, entretanto, é de extrema importância quando envolve a dentina. ü A água e o solvente remanescentes na camada adesiva, reduzem as propriedades mecânicas do polímero. (Reis, 2009)
  • 32. 3. Adesivo v É uma resina fluida fotopolimerizável, cuja função é molhar os substratos, atuando como um agente intermediário entre a estrutura dental e os materiais restauradores. v Parte hidrofóbica, compatível com a resina composta. Monômero Hidrofóbico (Reis, Loguercio, 2009)
  • 33. 3. Adesivo (Bond) Dentina Preenche os espaços da rede de fibrilas colágenas expostas Penetra em alguns túbulos dentinários (forma as tags de resina) Polimerizado Esmalte Preenche as irregularidades e microporosidades criadas pelo condicionamento ácido Polimerizado
  • 34. 3. Adesivo (Bond) (Ramos et al., 2016) Resina Composta Adesivo Camada Híbrida Tags de Resina
  • 35. 3. Adesivo (Bond) Adesivo 10s de aplicação do adesivo (esfregando sobre o substrato) ü O adesivo deve ser “esfregado” na superfície do dente para facilitar a penetração dos monômeros. ü CUIDADO: A aplicação de jatos de ar para retirar adesivo em excesso pode incorporar oxigênio na camada adesiva – INIBE A POLIMERIZAÇÃO
  • 37. Classificação 1. Sistema Adesivo Convencional 2. Sistema Adesivo Autocondicionante
  • 38. Classificação Adesivos Convencionais Adesivos Autocondicionantes 3 Passos 2 Passos 2 Passos 1 Passo Ácido + Primer + Adesivo Ácido + Primer /Adesivo Ácido/Primer + Adesivo Ácido/Primer /Adesivo
  • 39. Adesivos Convencionais 3 Passos Ácido + Primer + Adesivo ü Considerados o padrão ouro dos Adesivos Convencionais. ü Melhor resistência de união.
  • 40. Adesivos Convencionais 2 Passos Ácido + Primer /Adesivo
  • 41. Adesivos Autocondicionantes 2 Passos Ácido/Primer + Adesivo ü Considerados o padrão ouro dos Adesivos Autocondicionantes; ü Melhor resistência de união; ü Aplicar previamente o Ácido Fosfórico em ESMALTE.
  • 42. Adesivos Autocondicionantes 1 Passo Ácido/Primer /Adesivo ü Aplicar previamente o Ácido Fosfórico em ESMALTE.
  • 43.
  • 44. Referências • Texto do professor Fernando Mandarino, intitulado Sistemas Adesivos, disponível na url:http://143.107.206.201/restauradora/dentistica/temas/adesivos/adesivos.htm • BARATIERI et al. Odontologia Restauradora: Fundamentos & Técnicas. 1° edição. São Paulo: Livraria Santos Editora, 2011. • REIS, A.; LOGUERCIO, A.D. Materiais Dentários Diretos: dos Fundamentos á Aplicação Clínica. 1° edição. São Paulo: Livraria Santos Editora, 2009. • ARRAIS, César Augusto Galvão; GIANNINI, Marcelo. Morphology and thickness of the diffusion of resin through demineralized or unconditioned dentinal matrix. Pesqui. Odontol. Bras., São Paulo , v. 16, n. 2, p. 115-120, 2002.