SlideShare uma empresa Scribd logo
Seminários em Biodiversidade
Apresentação do Pré Projeto
Introdução
 Dentro do Reino Animallia, a classe insecta é a mais abundante,
essa diversidade ocorre pela presença de um exoesqueleto
quitinoso, a maioria serem alados, ao ciclo de vida, ao pequeno
porte e por fim a grande elasticidade genética (adaptação).
 “A comunidade de macroinvertebrados bentônicos tem sido
reconhecida em vários estudos como o grupo mais indicado para
avaliação da qualidade de águas doces.” (Thorne & Williams, 1997;
Buss et al., 2002; Silveira et al., 2005)
 Antes só eram feitas análises físico-químicas, porém devido ao alto
custo e ser uma análise instantânea, hoje se faz uma integração com
indicadoresbiológicos.
Introdução
 A diversidade dos habitats aquáticosjunto com a avaliação do
recursos tróficos disponíveis e levantamento de macroinvertebrados
bentônicos, constituiuma base para o entendimento do
funcionamento do ecossistema aquático bem como para sua
conservação.
 Ou seja, a avaliação da diversidade junto com o caráter ecológico
do ambiente nos permite ter uma noção de impactos ambientais em
ecossistemas aquáticos.
Como ???
Introdução
 Neste caso vamos estar dando ênfase aos insetos para fazer a análise
de um rio e identificarmos a qualidadeda água.
 Podemos encontrarem nossa coletainsetos imaturos da ordens:
Megaloptera, Diptera, Ephemeroptera , Odonata , Coleoptera,
Hemiptera, Lepidoptera, Trichopterae Plecoptera
 Porém outrosmacroinvertebradostambém podemindicar qualidade
da água, como: Oligoquetas , Gastrópodes, Ácaros e Hirudinos.
Projeto seminarios
Problema e Hipótese
 Os impactos ambientais decorrentes de ações antrópicas
ocorrem em qualquer ecossistema (aquático ou terrestre),
desta feita torna-se necessário periódicos monitoramentos
do referidos ambientes. Assim, a proposta seria a de
averiguação quanto a qualidade da água de um
ecossistema aquático;
 A utilização de macroinvertebrados (embasando-se na
diversidade de indivíduos) para biomonitoramento seria
realmente viável como determinante da qualidade da
água de um ecossistema ?
Caso identificado o problema seria passível de reversão?
Justificativa
 É notório o aumento gradativo dos problemas ambientais ,
comprometendo assim os ecossistemas aquáticos como um
todo. Sabendo-se que estes ecossistemas são tão necessários
e importantes para a qualidade de vida do planeta, e de seu
bom estado de conservação dependente sua ampla
distribuição para a população, então utilizar-se de meios
determinantes para a análise da qualidade da água disponível,
é de fundamental importância, visando assim, futuras ações
de conservação e manutenção que se façam necessárias.
 Desta feita, o referido trabalho será executado a partir da
coleta e observação de macroinvertebrados bentônicos com
ênfase em insetos, com fins de averiguar
Objetivos
Geral
 Analisar a qualidadeda água do Rio Pirangi através de
macroinvertebradosbentônicos.
Específicos
 Identificar os táxons coletadosa nível de ordem e família;
 Utilizar índices para obteros resultadosda qualidadeda água;
 Comparar material coletadoem ambos os rios Jundiai e Pitimbú.
Fonte:
antenasdoconhecimento.blogspot.com
Fonte:
antenasdoconhecimento.blogspot.com
Metodologia
 Local de estudo: Coordenadas;
 Coleta -
apresentar material coletado (e devidamente etiquetado) retirado das
margens e do centro do rio:
Etiquetas:
* Local,
* Nome do coletor,
* Data ,
* Informações sobre o local , habitat, etc.
 Triagem identificação a nível de ordem e família (chaves de
identificação);
 Apresentar o material utilizado para coleta:
Súber , Fast share, draga e outros;
 Métodos de avaliação:
 Protocolo de avaliação ;
 Índice de Chandler e Beak;
 Comparação de resultados com outro rio;
Armadilhas:
 Súrber
 Fast Share
 Draga
Metodologia
Fonte:
Cesumar.br.dcl/ciências
Fonte:
Renctas.com.br
Fonte:
Ufrrj.com.br
 BUZZI, ZUNDIR JOSÉ – Entomologia Didática. 5ª ed, Ed. Ufpr,
Curitiba/PR, 2010.
 BAPTISTA, D. F.; SILVEIRA, M. P.; NESSIMIAN, J. L.; BUSS, D.
F.; EGLER, M. Perspectivas do uso do biomonitoramentopara
avaliação da saúde ambiental de ecossistemas aquáticos. In:
WORKSHOP “ÁGUA, MEIO AMBIENTE E RECURSOS
HÍDRICOS”, 2000, Rio de Janeiro.
 SILVEIRA et al, Avaliação biológica da qualidadeda água em duas
microbacias do Rio Mogi Guaçu (SP) e sua relação com os impactos
agrícolas, EMBRAPAMeio Ambiente, 2006,
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bioindicadores de qualidade ambiental v
Bioindicadores de qualidade ambiental vBioindicadores de qualidade ambiental v
Bioindicadores de qualidade ambiental v
Filgueira Nogueira
 
Fitobentos diatomaceas manual
Fitobentos diatomaceas manualFitobentos diatomaceas manual
Fitobentos diatomaceas manual
Raquel Cruz Bances
 
Limnologia oficial (3)
Limnologia  oficial (3)Limnologia  oficial (3)
Limnologia oficial (3)
Francisco Wanderson
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
ocestuarios
 
Artigo bioterra v17_n2_07
Artigo bioterra v17_n2_07Artigo bioterra v17_n2_07
Artigo bioterra v17_n2_07
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Informativo insp 13
Informativo insp   13Informativo insp   13
Informativo insp 13
Douglas Siqueira
 
Slide juliany 1
Slide juliany 1Slide juliany 1
Limnologia basicaaplicadacursoutfpr
Limnologia basicaaplicadacursoutfprLimnologia basicaaplicadacursoutfpr
Limnologia basicaaplicadacursoutfpr
bpecanha
 
Texto base
Texto baseTexto base
Texto base
josihy
 
Recomendações finais
Recomendações finaisRecomendações finais
Recomendações finais
Projeto Golfinho Rotador
 
Apresentaçãogeoqumica
ApresentaçãogeoqumicaApresentaçãogeoqumica
Apresentaçãogeoqumica
Guilherme Ferreira
 
Impressão de notícia
Impressão de notíciaImpressão de notícia
Impressão de notícia
Da Silva Meyre
 
Planificação lectiva cn 5
Planificação lectiva cn 5Planificação lectiva cn 5
Planificação lectiva cn 5
Pedro Tonyzinho
 
Visita de Estudo
Visita de EstudoVisita de Estudo
Visita de Estudo
filomena mamede
 
17/03 - Tarde - Mesa 2 - Plinio Barbosa de Camargo
17/03 - Tarde - Mesa 2 - Plinio Barbosa de Camargo17/03 - Tarde - Mesa 2 - Plinio Barbosa de Camargo
17/03 - Tarde - Mesa 2 - Plinio Barbosa de Camargo
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce
 
Analise ecocomunidades
Analise ecocomunidadesAnalise ecocomunidades
Analise ecocomunidades
Érique Castro
 
Artigo bioterra v17_n2_01
Artigo bioterra v17_n2_01Artigo bioterra v17_n2_01
Artigo bioterra v17_n2_01
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
B14 exercício de quimiossíntese
B14   exercício de quimiossínteseB14   exercício de quimiossíntese
B14 exercício de quimiossíntese
Nuno Correia
 
O projecto aquariofilia
O projecto aquariofiliaO projecto aquariofilia
O projecto aquariofilia
ruigmm
 
Aula 04
Aula 04Aula 04

Mais procurados (20)

Bioindicadores de qualidade ambiental v
Bioindicadores de qualidade ambiental vBioindicadores de qualidade ambiental v
Bioindicadores de qualidade ambiental v
 
Fitobentos diatomaceas manual
Fitobentos diatomaceas manualFitobentos diatomaceas manual
Fitobentos diatomaceas manual
 
Limnologia oficial (3)
Limnologia  oficial (3)Limnologia  oficial (3)
Limnologia oficial (3)
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Artigo bioterra v17_n2_07
Artigo bioterra v17_n2_07Artigo bioterra v17_n2_07
Artigo bioterra v17_n2_07
 
Informativo insp 13
Informativo insp   13Informativo insp   13
Informativo insp 13
 
Slide juliany 1
Slide juliany 1Slide juliany 1
Slide juliany 1
 
Limnologia basicaaplicadacursoutfpr
Limnologia basicaaplicadacursoutfprLimnologia basicaaplicadacursoutfpr
Limnologia basicaaplicadacursoutfpr
 
Texto base
Texto baseTexto base
Texto base
 
Recomendações finais
Recomendações finaisRecomendações finais
Recomendações finais
 
Apresentaçãogeoqumica
ApresentaçãogeoqumicaApresentaçãogeoqumica
Apresentaçãogeoqumica
 
Impressão de notícia
Impressão de notíciaImpressão de notícia
Impressão de notícia
 
Planificação lectiva cn 5
Planificação lectiva cn 5Planificação lectiva cn 5
Planificação lectiva cn 5
 
Visita de Estudo
Visita de EstudoVisita de Estudo
Visita de Estudo
 
17/03 - Tarde - Mesa 2 - Plinio Barbosa de Camargo
17/03 - Tarde - Mesa 2 - Plinio Barbosa de Camargo17/03 - Tarde - Mesa 2 - Plinio Barbosa de Camargo
17/03 - Tarde - Mesa 2 - Plinio Barbosa de Camargo
 
Analise ecocomunidades
Analise ecocomunidadesAnalise ecocomunidades
Analise ecocomunidades
 
Artigo bioterra v17_n2_01
Artigo bioterra v17_n2_01Artigo bioterra v17_n2_01
Artigo bioterra v17_n2_01
 
B14 exercício de quimiossíntese
B14   exercício de quimiossínteseB14   exercício de quimiossíntese
B14 exercício de quimiossíntese
 
O projecto aquariofilia
O projecto aquariofiliaO projecto aquariofilia
O projecto aquariofilia
 
Aula 04
Aula 04Aula 04
Aula 04
 

Semelhante a Projeto seminarios

34 1 29-38
34 1 29-3834 1 29-38
34 1 29-38
Dioni Bonini
 
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Samuel J. Tacuana
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Cinzas
CinzasCinzas
A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO ...
A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO ...A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO ...
A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO ...
cefaprodematupa
 
Macroinvertebrados de água doce
Macroinvertebrados de água doceMacroinvertebrados de água doce
Macroinvertebrados de água doce
Tatiana Santos
 
Artigo bioterra v21_n1_06
Artigo bioterra v21_n1_06Artigo bioterra v21_n1_06
Artigo bioterra v21_n1_06
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Paleoenvironmental interpretations of Middle Pleistocene from benthic foramin...
Paleoenvironmental interpretations of Middle Pleistocene from benthic foramin...Paleoenvironmental interpretations of Middle Pleistocene from benthic foramin...
Paleoenvironmental interpretations of Middle Pleistocene from benthic foramin...
Micael Luã Bergamaschi
 
Phytoplankton
PhytoplanktonPhytoplankton
Phytoplankton
Andressa Ribeiro
 
Vazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde MedeirosVazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
CBH Rio das Velhas
 
IlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoaIlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoa
IFRR
 
Patricia di sessa
Patricia di sessaPatricia di sessa
Patricia di sessa
Carlos Elson Cunha
 
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
Gabriella Ribeiro
 
Ecologia de riachos seminario edicao
Ecologia de riachos seminario edicaoEcologia de riachos seminario edicao
Ecologia de riachos seminario edicao
Limnos Ufsc
 
Ecologia- Enem compacto
Ecologia- Enem compactoEcologia- Enem compacto
Ecologia- Enem compacto
emanuel
 
Carolina santos
Carolina santosCarolina santos
Carolina santos
Carlos Elson Cunha
 
25 (5)
25 (5)25 (5)
Mayra di matteo
Mayra di matteoMayra di matteo
Mayra di matteo
Carlos Elson Cunha
 
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...
Sebastian Krieger
 
Modelagem ecológica como ferramenta para auxiliar corposde água.
Modelagem ecológica como ferramenta para auxiliar corposde água.Modelagem ecológica como ferramenta para auxiliar corposde água.
Modelagem ecológica como ferramenta para auxiliar corposde água.
henochcutalahcbemleg
 

Semelhante a Projeto seminarios (20)

34 1 29-38
34 1 29-3834 1 29-38
34 1 29-38
 
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Cinzas
CinzasCinzas
Cinzas
 
A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO ...
A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO ...A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO ...
A UTILIZAÇÃO DOS MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS COMO FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO ...
 
Macroinvertebrados de água doce
Macroinvertebrados de água doceMacroinvertebrados de água doce
Macroinvertebrados de água doce
 
Artigo bioterra v21_n1_06
Artigo bioterra v21_n1_06Artigo bioterra v21_n1_06
Artigo bioterra v21_n1_06
 
Paleoenvironmental interpretations of Middle Pleistocene from benthic foramin...
Paleoenvironmental interpretations of Middle Pleistocene from benthic foramin...Paleoenvironmental interpretations of Middle Pleistocene from benthic foramin...
Paleoenvironmental interpretations of Middle Pleistocene from benthic foramin...
 
Phytoplankton
PhytoplanktonPhytoplankton
Phytoplankton
 
Vazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde MedeirosVazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
 
IlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoaIlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoa
 
Patricia di sessa
Patricia di sessaPatricia di sessa
Patricia di sessa
 
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
 
Ecologia de riachos seminario edicao
Ecologia de riachos seminario edicaoEcologia de riachos seminario edicao
Ecologia de riachos seminario edicao
 
Ecologia- Enem compacto
Ecologia- Enem compactoEcologia- Enem compacto
Ecologia- Enem compacto
 
Carolina santos
Carolina santosCarolina santos
Carolina santos
 
25 (5)
25 (5)25 (5)
25 (5)
 
Mayra di matteo
Mayra di matteoMayra di matteo
Mayra di matteo
 
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...
 
Modelagem ecológica como ferramenta para auxiliar corposde água.
Modelagem ecológica como ferramenta para auxiliar corposde água.Modelagem ecológica como ferramenta para auxiliar corposde água.
Modelagem ecológica como ferramenta para auxiliar corposde água.
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 

Projeto seminarios

  • 2. Introdução  Dentro do Reino Animallia, a classe insecta é a mais abundante, essa diversidade ocorre pela presença de um exoesqueleto quitinoso, a maioria serem alados, ao ciclo de vida, ao pequeno porte e por fim a grande elasticidade genética (adaptação).  “A comunidade de macroinvertebrados bentônicos tem sido reconhecida em vários estudos como o grupo mais indicado para avaliação da qualidade de águas doces.” (Thorne & Williams, 1997; Buss et al., 2002; Silveira et al., 2005)  Antes só eram feitas análises físico-químicas, porém devido ao alto custo e ser uma análise instantânea, hoje se faz uma integração com indicadoresbiológicos.
  • 3. Introdução  A diversidade dos habitats aquáticosjunto com a avaliação do recursos tróficos disponíveis e levantamento de macroinvertebrados bentônicos, constituiuma base para o entendimento do funcionamento do ecossistema aquático bem como para sua conservação.  Ou seja, a avaliação da diversidade junto com o caráter ecológico do ambiente nos permite ter uma noção de impactos ambientais em ecossistemas aquáticos. Como ???
  • 4. Introdução  Neste caso vamos estar dando ênfase aos insetos para fazer a análise de um rio e identificarmos a qualidadeda água.  Podemos encontrarem nossa coletainsetos imaturos da ordens: Megaloptera, Diptera, Ephemeroptera , Odonata , Coleoptera, Hemiptera, Lepidoptera, Trichopterae Plecoptera  Porém outrosmacroinvertebradostambém podemindicar qualidade da água, como: Oligoquetas , Gastrópodes, Ácaros e Hirudinos.
  • 6. Problema e Hipótese  Os impactos ambientais decorrentes de ações antrópicas ocorrem em qualquer ecossistema (aquático ou terrestre), desta feita torna-se necessário periódicos monitoramentos do referidos ambientes. Assim, a proposta seria a de averiguação quanto a qualidade da água de um ecossistema aquático;  A utilização de macroinvertebrados (embasando-se na diversidade de indivíduos) para biomonitoramento seria realmente viável como determinante da qualidade da água de um ecossistema ? Caso identificado o problema seria passível de reversão?
  • 7. Justificativa  É notório o aumento gradativo dos problemas ambientais , comprometendo assim os ecossistemas aquáticos como um todo. Sabendo-se que estes ecossistemas são tão necessários e importantes para a qualidade de vida do planeta, e de seu bom estado de conservação dependente sua ampla distribuição para a população, então utilizar-se de meios determinantes para a análise da qualidade da água disponível, é de fundamental importância, visando assim, futuras ações de conservação e manutenção que se façam necessárias.  Desta feita, o referido trabalho será executado a partir da coleta e observação de macroinvertebrados bentônicos com ênfase em insetos, com fins de averiguar
  • 8. Objetivos Geral  Analisar a qualidadeda água do Rio Pirangi através de macroinvertebradosbentônicos. Específicos  Identificar os táxons coletadosa nível de ordem e família;  Utilizar índices para obteros resultadosda qualidadeda água;  Comparar material coletadoem ambos os rios Jundiai e Pitimbú. Fonte: antenasdoconhecimento.blogspot.com Fonte: antenasdoconhecimento.blogspot.com
  • 9. Metodologia  Local de estudo: Coordenadas;  Coleta - apresentar material coletado (e devidamente etiquetado) retirado das margens e do centro do rio: Etiquetas: * Local, * Nome do coletor, * Data , * Informações sobre o local , habitat, etc.  Triagem identificação a nível de ordem e família (chaves de identificação);  Apresentar o material utilizado para coleta: Súber , Fast share, draga e outros;  Métodos de avaliação:  Protocolo de avaliação ;  Índice de Chandler e Beak;  Comparação de resultados com outro rio;
  • 10. Armadilhas:  Súrber  Fast Share  Draga Metodologia Fonte: Cesumar.br.dcl/ciências Fonte: Renctas.com.br Fonte: Ufrrj.com.br
  • 11.  BUZZI, ZUNDIR JOSÉ – Entomologia Didática. 5ª ed, Ed. Ufpr, Curitiba/PR, 2010.  BAPTISTA, D. F.; SILVEIRA, M. P.; NESSIMIAN, J. L.; BUSS, D. F.; EGLER, M. Perspectivas do uso do biomonitoramentopara avaliação da saúde ambiental de ecossistemas aquáticos. In: WORKSHOP “ÁGUA, MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS”, 2000, Rio de Janeiro.  SILVEIRA et al, Avaliação biológica da qualidadeda água em duas microbacias do Rio Mogi Guaçu (SP) e sua relação com os impactos agrícolas, EMBRAPAMeio Ambiente, 2006, Referências