SlideShare uma empresa Scribd logo
Nossa igreja entende que as
células são os apriscos onde
as ovelhas são apascentadas
e treinadas para gerarem
mais ovelhas.
Nossa igreja entende que o
discipulado no nível pessoal,
um a um, é a maneira mais
rápida para desenvolver
líderes espirituais que podem
multiplicar outros discípulos.
O que ouviste de mim,
diante de muitas
testemunhas, transmite a
homens fiéis e aptos para
também ensinarem a outros
(2ª. Timóteo 2.2).
“Quando uma igreja se satisfaz
com os membros que tem e
aqueles que espontaneamente
se apresentam, não se
interessando em alcançar as
multidões, ela deixa de cumprir
integralmente a sua missão
como igreja” Cathryn Smith.
O livro de Atos mostra
princípios colocados em
prática pela igreja primitiva.
Esses mesmos princípios
precisam ser vivenciados por
nós hoje.
Os primeiros cristãos
tornaram a Grande Comissão
uma realidade e a
multiplicação de discípulos e
igrejas um projeto de vida. E
nós, o que faremos?
Nossa igreja também
experimentará uma grande
multiplicação na medida que
nos dispormos a obedecer a
Palavra de Deus e formos
cheios do Espírito Santo.
Nossa igreja também
experimentará uma grande
multiplicação na medida que
nos dispormos a obedecer a
Palavra de Deus e formos
cheios do Espírito Santo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A instituição do discipulado
A instituição do discipuladoA instituição do discipulado
A instituição do discipulado
ultimosdias
 
Seminário de capacitação para líderes de grupos de comunhão - Primeiro encontro
Seminário de capacitação para líderes de grupos de comunhão - Primeiro encontroSeminário de capacitação para líderes de grupos de comunhão - Primeiro encontro
Seminário de capacitação para líderes de grupos de comunhão - Primeiro encontro
Arildo Gomes
 
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10   Discipulado, a missão educadora da igrejaLição 10   Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
Wander Sousa
 
A IMPORTANCIA DA CELUVA E DICIPULADO
A IMPORTANCIA DA CELUVA E DICIPULADOA IMPORTANCIA DA CELUVA E DICIPULADO
A IMPORTANCIA DA CELUVA E DICIPULADO
PR MARCIO
 
Prepare se para o extraordinário!
Prepare se para o extraordinário!Prepare se para o extraordinário!
Prepare se para o extraordinário!
Sidinei Kauer
 
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
Joary Jossué Carlesso
 
8 Passos - Introdução
8 Passos - Introdução8 Passos - Introdução
8 Passos - Introdução
Pablo Ramada
 
Porta Fidei e o MCC
Porta Fidei e o MCCPorta Fidei e o MCC
Bases práticas da estrutura do MDA
Bases práticas da estrutura do MDABases práticas da estrutura do MDA
Bases práticas da estrutura do MDA
Sidinei Kauer
 
Tome a sua cruz
Tome a sua cruzTome a sua cruz
Tome a sua cruz
pr_afsalbergaria
 
Discipulado lição-01
Discipulado lição-01Discipulado lição-01
Discipulado lição-01
Deonice E Orlando Sazonov
 
Encontro com Catequistas
Encontro com CatequistasEncontro com Catequistas
Encontro com Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
8 mariologia-1-culto-e-devoc3a7c3a3o1
8 mariologia-1-culto-e-devoc3a7c3a3o18 mariologia-1-culto-e-devoc3a7c3a3o1
8 mariologia-1-culto-e-devoc3a7c3a3o1
Raimundo Santana
 
Palestra encontro de catequistas 2015
Palestra encontro de catequistas 2015Palestra encontro de catequistas 2015
Palestra encontro de catequistas 2015
Catequista Verinha
 
Sociedade Pós- Cristã
Sociedade Pós- CristãSociedade Pós- Cristã
Sociedade Pós- Cristã
Pastor Robson Colaço
 

Mais procurados (15)

A instituição do discipulado
A instituição do discipuladoA instituição do discipulado
A instituição do discipulado
 
Seminário de capacitação para líderes de grupos de comunhão - Primeiro encontro
Seminário de capacitação para líderes de grupos de comunhão - Primeiro encontroSeminário de capacitação para líderes de grupos de comunhão - Primeiro encontro
Seminário de capacitação para líderes de grupos de comunhão - Primeiro encontro
 
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10   Discipulado, a missão educadora da igrejaLição 10   Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
 
A IMPORTANCIA DA CELUVA E DICIPULADO
A IMPORTANCIA DA CELUVA E DICIPULADOA IMPORTANCIA DA CELUVA E DICIPULADO
A IMPORTANCIA DA CELUVA E DICIPULADO
 
Prepare se para o extraordinário!
Prepare se para o extraordinário!Prepare se para o extraordinário!
Prepare se para o extraordinário!
 
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
Conduzindo pessoas ao discipulado (integração)
 
8 Passos - Introdução
8 Passos - Introdução8 Passos - Introdução
8 Passos - Introdução
 
Porta Fidei e o MCC
Porta Fidei e o MCCPorta Fidei e o MCC
Porta Fidei e o MCC
 
Bases práticas da estrutura do MDA
Bases práticas da estrutura do MDABases práticas da estrutura do MDA
Bases práticas da estrutura do MDA
 
Tome a sua cruz
Tome a sua cruzTome a sua cruz
Tome a sua cruz
 
Discipulado lição-01
Discipulado lição-01Discipulado lição-01
Discipulado lição-01
 
Encontro com Catequistas
Encontro com CatequistasEncontro com Catequistas
Encontro com Catequistas
 
8 mariologia-1-culto-e-devoc3a7c3a3o1
8 mariologia-1-culto-e-devoc3a7c3a3o18 mariologia-1-culto-e-devoc3a7c3a3o1
8 mariologia-1-culto-e-devoc3a7c3a3o1
 
Palestra encontro de catequistas 2015
Palestra encontro de catequistas 2015Palestra encontro de catequistas 2015
Palestra encontro de catequistas 2015
 
Sociedade Pós- Cristã
Sociedade Pós- CristãSociedade Pós- Cristã
Sociedade Pós- Cristã
 

Semelhante a Princípios da igreja em células - A

Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Robson Rocha
 
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptxLição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
EdinaldoVieiradeSous
 
O sacerdócio de todos os crentes
O sacerdócio de todos os crentesO sacerdócio de todos os crentes
O sacerdócio de todos os crentes
Brasilia2013
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
Alice Costa
 
4ª Aula para Formação de Discipuladores
4ª Aula para Formação de Discipuladores4ª Aula para Formação de Discipuladores
4ª Aula para Formação de Discipuladores
IBC de Jacarepaguá
 
Ecclesiam Suam
Ecclesiam SuamEcclesiam Suam
Ecclesiam Suam
Carlinhos Pregador
 
Ecovida set-out 2108
Ecovida   set-out 2108Ecovida   set-out 2108
Ecovida set-out 2108
Lada vitorino
 
Lição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igrejaLição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igreja
Marina de Morais
 
Cepad 4
Cepad 4Cepad 4
Cepad 4
marciothd
 
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
Pastor Eldo
 
Aula 4 - Seminário sobre a Igreja
Aula 4 - Seminário sobre a IgrejaAula 4 - Seminário sobre a Igreja
Aula 4 - Seminário sobre a Igreja
IBC de Jacarepaguá
 
plantação de igrejas.ppt
plantação de igrejas.pptplantação de igrejas.ppt
plantação de igrejas.ppt
AlexArajo27
 
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃLIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
Igreja Evangélica Assembleia de Deus
 
igreja-161123235227 (1).pdf
igreja-161123235227 (1).pdfigreja-161123235227 (1).pdf
igreja-161123235227 (1).pdf
Tiago Silva
 
Um visão bíblica da Igreja
Um visão bíblica da IgrejaUm visão bíblica da Igreja
Um visão bíblica da Igreja
Viva a Igreja
 
Decreto Apostolicam Actuositatem
Decreto Apostolicam ActuositatemDecreto Apostolicam Actuositatem
Decreto Apostolicam Actuositatem
José Vieira Dos Santos
 
I Formação Para Novas Comunidades
I Formação Para Novas ComunidadesI Formação Para Novas Comunidades
I Formação Para Novas Comunidades
tomdeamor
 
I FormaçãO Para Novas Comunidades
I FormaçãO Para Novas ComunidadesI FormaçãO Para Novas Comunidades
I FormaçãO Para Novas Comunidades
identica
 
G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
Carlos Alberto Monteiro
 
Beume maio15
Beume maio15Beume maio15
Beume maio15
Ume Maria
 

Semelhante a Princípios da igreja em células - A (20)

Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
 
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptxLição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
Lição 03 - A Natureza da Igreja (1).pptx
 
O sacerdócio de todos os crentes
O sacerdócio de todos os crentesO sacerdócio de todos os crentes
O sacerdócio de todos os crentes
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
 
4ª Aula para Formação de Discipuladores
4ª Aula para Formação de Discipuladores4ª Aula para Formação de Discipuladores
4ª Aula para Formação de Discipuladores
 
Ecclesiam Suam
Ecclesiam SuamEcclesiam Suam
Ecclesiam Suam
 
Ecovida set-out 2108
Ecovida   set-out 2108Ecovida   set-out 2108
Ecovida set-out 2108
 
Lição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igrejaLição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igreja
 
Cepad 4
Cepad 4Cepad 4
Cepad 4
 
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
 
Aula 4 - Seminário sobre a Igreja
Aula 4 - Seminário sobre a IgrejaAula 4 - Seminário sobre a Igreja
Aula 4 - Seminário sobre a Igreja
 
plantação de igrejas.ppt
plantação de igrejas.pptplantação de igrejas.ppt
plantação de igrejas.ppt
 
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃLIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
 
igreja-161123235227 (1).pdf
igreja-161123235227 (1).pdfigreja-161123235227 (1).pdf
igreja-161123235227 (1).pdf
 
Um visão bíblica da Igreja
Um visão bíblica da IgrejaUm visão bíblica da Igreja
Um visão bíblica da Igreja
 
Decreto Apostolicam Actuositatem
Decreto Apostolicam ActuositatemDecreto Apostolicam Actuositatem
Decreto Apostolicam Actuositatem
 
I Formação Para Novas Comunidades
I Formação Para Novas ComunidadesI Formação Para Novas Comunidades
I Formação Para Novas Comunidades
 
I FormaçãO Para Novas Comunidades
I FormaçãO Para Novas ComunidadesI FormaçãO Para Novas Comunidades
I FormaçãO Para Novas Comunidades
 
G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
 
Beume maio15
Beume maio15Beume maio15
Beume maio15
 

Mais de Flavio Brim

Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016
Flavio Brim
 
A parábola do semeador - roteiro da célula
A parábola do semeador - roteiro da célulaA parábola do semeador - roteiro da célula
A parábola do semeador - roteiro da célula
Flavio Brim
 
20160821 a parábola do semeador
20160821 a parábola do semeador20160821 a parábola do semeador
20160821 a parábola do semeador
Flavio Brim
 
20160815 uma igrejaacolhedora (2)
20160815 uma igrejaacolhedora (2)20160815 uma igrejaacolhedora (2)
20160815 uma igrejaacolhedora (2)
Flavio Brim
 
20160815 uma igrejaacolhedora
20160815 uma igrejaacolhedora20160815 uma igrejaacolhedora
20160815 uma igrejaacolhedora
Flavio Brim
 
O manual de instrução de deus para o casamento
O manual de instrução de deus para o casamentoO manual de instrução de deus para o casamento
O manual de instrução de deus para o casamento
Flavio Brim
 
Uma igreja acolhedora
Uma igreja acolhedoraUma igreja acolhedora
Uma igreja acolhedora
Flavio Brim
 
Programações
ProgramaçõesProgramações
Programações
Flavio Brim
 
Cristãos acolhedores
Cristãos acolhedoresCristãos acolhedores
Cristãos acolhedores
Flavio Brim
 
Jornada discipulado shalom
Jornada discipulado shalomJornada discipulado shalom
Jornada discipulado shalom
Flavio Brim
 
20160710 Roteiro para as células - Os amigos que se importaram 2
20160710 Roteiro para as células - Os amigos que se importaram 220160710 Roteiro para as células - Os amigos que se importaram 2
20160710 Roteiro para as células - Os amigos que se importaram 2
Flavio Brim
 
20160710 msg-osamigosqueseimportaram
20160710 msg-osamigosqueseimportaram20160710 msg-osamigosqueseimportaram
20160710 msg-osamigosqueseimportaram
Flavio Brim
 
Uma igreja exemplo
Uma igreja exemploUma igreja exemplo
Uma igreja exemplo
Flavio Brim
 
Caderno 1 VIVER - Lição 5
Caderno 1 VIVER - Lição 5 Caderno 1 VIVER - Lição 5
Caderno 1 VIVER - Lição 5
Flavio Brim
 
7 dias de oração pela salvação de 5 amigos
7 dias de oração pela salvação de 5 amigos7 dias de oração pela salvação de 5 amigos
7 dias de oração pela salvação de 5 amigos
Flavio Brim
 
Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28
Flavio Brim
 
Campanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomCampanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalom
Flavio Brim
 
Campanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomCampanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalom
Flavio Brim
 
Roteiro para células 19 à 25 de junho 2016
Roteiro para células   19 à 25 de junho 2016Roteiro para células   19 à 25 de junho 2016
Roteiro para células 19 à 25 de junho 2016
Flavio Brim
 
Características de uma igreja baseada em estruturas e programas
Características de uma igreja baseada em estruturas e programasCaracterísticas de uma igreja baseada em estruturas e programas
Características de uma igreja baseada em estruturas e programas
Flavio Brim
 

Mais de Flavio Brim (20)

Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016
 
A parábola do semeador - roteiro da célula
A parábola do semeador - roteiro da célulaA parábola do semeador - roteiro da célula
A parábola do semeador - roteiro da célula
 
20160821 a parábola do semeador
20160821 a parábola do semeador20160821 a parábola do semeador
20160821 a parábola do semeador
 
20160815 uma igrejaacolhedora (2)
20160815 uma igrejaacolhedora (2)20160815 uma igrejaacolhedora (2)
20160815 uma igrejaacolhedora (2)
 
20160815 uma igrejaacolhedora
20160815 uma igrejaacolhedora20160815 uma igrejaacolhedora
20160815 uma igrejaacolhedora
 
O manual de instrução de deus para o casamento
O manual de instrução de deus para o casamentoO manual de instrução de deus para o casamento
O manual de instrução de deus para o casamento
 
Uma igreja acolhedora
Uma igreja acolhedoraUma igreja acolhedora
Uma igreja acolhedora
 
Programações
ProgramaçõesProgramações
Programações
 
Cristãos acolhedores
Cristãos acolhedoresCristãos acolhedores
Cristãos acolhedores
 
Jornada discipulado shalom
Jornada discipulado shalomJornada discipulado shalom
Jornada discipulado shalom
 
20160710 Roteiro para as células - Os amigos que se importaram 2
20160710 Roteiro para as células - Os amigos que se importaram 220160710 Roteiro para as células - Os amigos que se importaram 2
20160710 Roteiro para as células - Os amigos que se importaram 2
 
20160710 msg-osamigosqueseimportaram
20160710 msg-osamigosqueseimportaram20160710 msg-osamigosqueseimportaram
20160710 msg-osamigosqueseimportaram
 
Uma igreja exemplo
Uma igreja exemploUma igreja exemplo
Uma igreja exemplo
 
Caderno 1 VIVER - Lição 5
Caderno 1 VIVER - Lição 5 Caderno 1 VIVER - Lição 5
Caderno 1 VIVER - Lição 5
 
7 dias de oração pela salvação de 5 amigos
7 dias de oração pela salvação de 5 amigos7 dias de oração pela salvação de 5 amigos
7 dias de oração pela salvação de 5 amigos
 
Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28
 
Campanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomCampanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalom
 
Campanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomCampanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalom
 
Roteiro para células 19 à 25 de junho 2016
Roteiro para células   19 à 25 de junho 2016Roteiro para células   19 à 25 de junho 2016
Roteiro para células 19 à 25 de junho 2016
 
Características de uma igreja baseada em estruturas e programas
Características de uma igreja baseada em estruturas e programasCaracterísticas de uma igreja baseada em estruturas e programas
Características de uma igreja baseada em estruturas e programas
 

Último

Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 

Princípios da igreja em células - A

  • 1. Nossa igreja entende que as células são os apriscos onde as ovelhas são apascentadas e treinadas para gerarem mais ovelhas.
  • 2. Nossa igreja entende que o discipulado no nível pessoal, um a um, é a maneira mais rápida para desenvolver líderes espirituais que podem multiplicar outros discípulos.
  • 3. O que ouviste de mim, diante de muitas testemunhas, transmite a homens fiéis e aptos para também ensinarem a outros (2ª. Timóteo 2.2).
  • 4. “Quando uma igreja se satisfaz com os membros que tem e aqueles que espontaneamente se apresentam, não se interessando em alcançar as multidões, ela deixa de cumprir integralmente a sua missão como igreja” Cathryn Smith.
  • 5. O livro de Atos mostra princípios colocados em prática pela igreja primitiva. Esses mesmos princípios precisam ser vivenciados por nós hoje.
  • 6. Os primeiros cristãos tornaram a Grande Comissão uma realidade e a multiplicação de discípulos e igrejas um projeto de vida. E nós, o que faremos?
  • 7. Nossa igreja também experimentará uma grande multiplicação na medida que nos dispormos a obedecer a Palavra de Deus e formos cheios do Espírito Santo.
  • 8. Nossa igreja também experimentará uma grande multiplicação na medida que nos dispormos a obedecer a Palavra de Deus e formos cheios do Espírito Santo.