SlideShare uma empresa Scribd logo
Pressupostos 
Pedagógicos 
para 
um 
Modelo 
Instrucional 
EAD 
Patricia 
Mourthé 
de 
Oliveira 
Belo 
Horizonte, 
2011
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
Pressupostos 
Pedagógicos 
para 
um 
Modelo 
Instrucional 
"Educar não é encher um balde, mas acender uma chama" William 
Butler 
Yeats 
Conteúdo 
Introdução ......................................................................................................................... 3 
Competências Críticas do Trabalhador no Séc. XXI ........................................................... 4 
Proposta: o Modelo Instrucional para EaD ......................................................................... 7 
Análise das Oportunidades de Aprendizagem ................................................................ 7 
Objetivos Educacionais, a Avaliação do Aprendizado e das Estratégias Instrucionais ..... 9 
Alinhando o Conteúdo com os Objetivos de Aprendizagem ...................................... 9 
Estratégias do Design Instrucional ................................................................................ 10 
Particularidades da Instrução Utilizando Computadores ........................................... 10 
Estratégias Instrucionais ............................................................................................ 11 
Bibliografia ...................................................................................................................... 14 
Referências Online (2011) ........................................................................................... 15 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 2 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
Introdução 
Um sistema de aprendizado é composto por vários componentes e atores, entre eles o 
aluno, o professor, o conteúdo, o ambiente de aprendizagem (presencial ou virtual), as 
condições para a aprendizagem (sistemas presenciais ou á distância, regras acadêmicas, 
padrões nacionais de ensino/aprendizado, etc.), e as ferramentas disponíveis no auxílio á 
aprendizagem. No entanto, a qualidade da aprendizagem pode variar mesmo se muitos 
destes componentes e atores estejam presentes, seja em escolas do ensino fundamental e 
médio, universidades, cursos á distância, etc. 
São muitos os fatores que determinam a qualidade do ensino. A combinação de fatores 
como a visão ou objetivos do processo educativo, a formação dos professores, os modos 
de trabalhar conteúdos, as ferramentas disponíveis para o aprendizado, vão produzir 
práticas educativas bem diferentes e consequentemente, colocar pessoas capazes de 
atender as demandas do mercado de trabalho. [dar exemplos tipos de escola; escolas de 
arte, produzir coisas] 
No caso de sistemas de educação á distância usando da Internet como meio distributivo, o 
papel do aluno e os modos de se trabalhar conteúdos passam a ser muito mais relevantes 
para se obter resultados de aprendizado qualitativos pelo simples fato deste meio não mais 
estar centrado na figura constante do professor como o mediador da instrução. 
Neste contexto, este documento tem como objetivo primeiro o de apresentar critérios para 
a adoção de estratégias instrucionais no desenvolvimento de disciplinas ensinadas á 
distância. Devido a limitações de tempo, está fora do escopo do documento rever e 
discutir a literatura corrente no assunto. No entanto, serão fornecidas referências para a 
pesquisa continuada dos temas apresentados. 
Espera-se que a informação aqui apresentada ajude equipes pedagógicas no 
desenvolvimento de visão pedagógica para onde atuam e no design instrucional das 
disciplinas ofertadas á distância. 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 3 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
Competências 
Críticas 
do 
Trabalhador 
no 
Séc. 
XXI 
Para pensarmos qual o papel do aluno-cidadão e futuro trabalhador na sociedade 
contemporânea é necessário entendermos o presente contexto histórico-econômico. O 
advento da sociedade da informação e conhecimento com a implosão das tecnologias da 
informação e comunicação (TIC), a partir da metade do século XX, instituiu o paradigma 
da economia mundial baseada no conhecimento. 
A economia baseada no conhecimento requer competências humanas diferentes das 
exigidas pela economia industrial ou agrária. A educação, entendida como o meio de 
preparar os indivíduos para a vida adulta e produtiva, passa a ter uma nova 
responsabilidade social que é a de preparar os indivíduos para lidar com a crescente 
complexidade do mundo e as novas demandas da economia do conhecimento. 
Considerando os novos desafios da economia mundial, O Instituto do Banco Mundial 
(ICM) tem publicado como parte do Programa ‘Conhecimento para o Desenvolvimento’ 
(K4D) o relatório Medindo o Conhecimento nas Economias Mundiais. A premissa deste 
trabalho é de que “a aplicação do conhecimento––manifestada economicamente como 
empreendedorismo e inovação, pesquisa e desenvolvimento, e produção de software e 
produtos––é uma das peças chaves para o crescimento da economia global (WORLD 
BANK INSTITUTE. Measuring Knowledge in the World’s Economies. 2009, p. 1. Tradução 
nossa).” O relatório compara 146 países a partir de indicadores econômicos (KEI) fundados 
nos quatro pilares da economia do conhecimento, a saber: 
1. Regime econômico e institucional 
2. Educação e habilidades 
3. Infraestrutura da comunicação e informação 
4. Sistema de inovação 
Veja a seguir os gráficos mostrando o posicionamento do Brasil em relação ás economias 
mundiais do G7 (WORLD BANK INSTITUTE. Knowledge Assessment Methodology - 
KAM): 
Brasil 
G7: 
Alemanha, 
Canada, 
Estados 
Unidos, 
França, 
Itália, 
Japão, 
Reino 
Unido. 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 4 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
Podemos ver que o Brasil tem um longo caminho a percorrer se quiser equipar sua 
economia e população para responder positivamente aos desafios das próximas décadas e 
assim, desempenhar uma influência mundial duradoura. 
Dentro deste contexto, seria importante entendermos: 
Quais 
seriam 
as 
demandas 
críticas 
do 
trabalhador 
na 
economia 
do 
conhecimento? 
Segundo o relatório The Ill-Prepared U.S.Workforce (2009), patrocinado pelas 
organizações Norte Americanas The Conference Board, Corporate Voices for working 
Families, American Society for Training and Development, e a Society for human resource 
Management as seguintes competências estão em alta demanda pelos empregadores dos 
Estados Unidos da América: 
Competências Críticas para a Economia Mundial do Século XXI Demanda em % 
Pensamento crítico e resolução de problemas 92% 
Ética e responsabilidade social 71% 
Profissionalismo e ética no trabalho 70% 
Criatividade e inovação 69% 
Aprendizagem continuada ao longo da vida e auto-direcionamento 64% 
Nota 1: Tabela traduzida pela autora 
Nota 2: Estes dados podem também ser encontrados no relatório “Up to the Challenge: The Role of Career 
and Technical Education and 21st Century Skills in College and Career Readiness, 2010,” patrocinado pelas 
entidades Norte Americanas Association for Career and Technical Education (ACTE), o National Association 
of State Directors of Career Technical Education Consortium (NASDCTEc) e o Partnership for 21st Century 
Skills. 
Já o relatório para a UNESCO da Comissão sobre a Educação para o Século XXI, 
coordenada por Jacques Delors (1999) , recomenda a educação contemporânea se basear 
em quatro pilares básicos, ou competências, resumidas a seguir: 
Aprender a aprender e conhecer. Adquirir os instrumentos da compreensão 
• Exercício da memória: conceitos a serem compreendidos e internalizados 
• Saber pesquisar e relacionar a informação 
• Movimento contínuo da indução á dedução e vice-versa 
Aprender a fazer. Agir sobre o meio envolvente 
• Domínio da técnica associada ao fazer 
• Aplicar a teoria na prática 
Aprender a viver juntos. Participar e cooperar com os outros nas atividades humanas 
• Trabalhos cooperativos> objetivo comum e coletivo 
Aprender a ser. Ser e integrar as aprendizagens anteriores 
• Conhecer a si próprio, e assim, aos outros 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 5 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
• Desenvolver o próprio potencial 
No Brasil, o educador José Moran (2011) discute a necessidade de mudanças na educação 
Brasileira contemporânea para que esta atenda ás novas demandas da economia do 
conhecimento, sugerindo que: 
• O ensino superior presencial precisa de mudar o foco da transmissão de 
informação, no modelo de prover o conteúdo, para o de estimular o aluno a 
pesquisar e a realizar atividades desafiadoras. Diz: “O modelo de passar conteúdo 
e cobrar sua devolução é insuficiente.” 
• O processo de aprendizagem não se restringe a oferecer “tudo pronto” pois 
“aprender exige envolver-se, pesquisar, ir atrás, produzir novas sínteses fruto de 
descobertas.” Contextualizando sua posição diz: “Com tanta informação 
disponível, o importante para o educador é encontrar a ponte motivadora para que 
o aluno desperte e saia do estado passivo, de espectador. Aprender hoje é buscar, 
comparar, pesquisar, produzir, comunicar.” 
Podemos assim formular o desafio da educação contemporânea, e em particular a 
Brasileira, como o de preparar indivíduos competentes para atuar efetivamente na 
sociedade da Informação e do conhecimento. Esse desafio, por sua vez, implica em rever 
as práticas pedagógicas correntes no sentido destas focarem no desenvolvimento de 
competências críticas nos alunos e serem baseadas (ou inspiradas) a partir dos pilares 
básicos da educação expostos acima. 
Neste contexto, o desafio é o de adequar o modelo pedagógico usado da educação á 
distância para desenvolver nos alunos estas competências críticas, resumidas abaixo: 
• Resolução de problemas e tomada de decisões 
• O autoconhecimento, a autoestima, a autodisciplina, a responsabilidade e éticas 
social e profissional 
• Pesquisa, análise, comparação, organização, síntese, conclusão 
• Comunicação interpessoal assertiva, colaboração e negociação seja pessoalmente 
e/ou utilizando de tecnologias da informação 
• Pensamento divergente, criatividade e inovação 
• Educação continuada e flexibilidade na adaptação ás situações novas 
Tendo como meta desenvolver tais competências, como estruturar (ou arquitetar) um 
modelo pedagógico para ensino presencial e á distância? E como planejar disciplinas EaD 
a partir deste modelo? 
A seguir, apresento uma proposta instrucional para o ensino á distância como resposta a 
este desafio. 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 6 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
Proposta: 
o 
Modelo 
Instrucional 
para 
EaD 
"Educar não é encher um balde, mas acender uma chama" William Butler Yeats 
A proposta apresentada a seguir foi adaptada do modelo instrucional clássico conhecido 
como Modelo ADDIE. O termo ADDIE, original em Inglês, representa o acrônimo das 
fases adotadas no desenvolvimento de materiais e sistemas de aprendizagem (traduzidos 
para o Português a seguir): 
• Analysis | Análise 
• Design | Desenho 
• Development | Desenvolvimento 
• Implementation | Implementação 
• Evaluation | Avaliação 
A construção de qualquer modelo pedagógico, aqui também entendido como a 
arquitetura instrucional de um sistema de aprendizagem, é um processo artesanal. Uma 
das premissas deste modelo á a de que a instrução só é eficaz se for baseada no 
entendimento das oportunidades e desafios da situação de aprendizagem, daí a 
necessidade de iniciar o processo com a análise da situação de aprendizagem, que inclui 
a análise das necessidades e oportunidades de aprendizagem, a análise da audiência 
(alunos), e a análise do conteúdo. 
A fase de análise nos fornece informações e dados que vão direcionar o design da 
instrução, quando definiremos os objetivos pedagógicos e a avaliação da aprendizagem, e 
elegeremos as estratégias instrucionais mais adequadas para o aprendizado almejado. 
O objetivo deste documento é o discutir possíveis estratégias instrucionais adotadas no 
design instrucional. Por isso, só abordará em detalhe alguns aspectos do Modelo ADDIE. 
ANÁLISE 
DAS 
OPORTUNIDADES 
DE 
APRENDIZAGEM 
Na fase de análise esperamos obter respostas para as seguintes questões: 
Qual são as necessidades, oportunidades e desafios da aprendizagem? 
Por exemplo, para cada disciplina: 
• Quais competências os alunos precisam aprender para serem bem sucedidos em 
suas vidas profissionais? 
• Quais são as oportunidades destes desenvolverem competências críticas (conforme 
trabalhado neste documento)? 
• O que os alunos esperam, quais seriam as expectativas destes após passar pelo 
processo de aprendizado? 
• Quais são as exigências e normas acadêmicas? 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 7 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
Qual é a audiência, ou quem são os alunos*? 
Por exemplo, o que sabemos sobre: 
• Informação demográfica 
• Nível educacional 
• Conhecimento técnico das tecnologias de informação e comunicação 
• Disponibilidade de tempo semanal para estudo 
• Preferências de aprendizado e hábitos de estudo 
• Habilidades cognitivas e metacognitivas (saber como aprender) 
• Conhecimentos prévios sobre o conteúdo a ser estudado? 
Qual é o conteúdo? 
Por exemplo, para cada disciplina: 
• Qual é o mapa conceitual a ser estudado? E quais as relações de dependência 
conceitual entre os conceitos chave do conteúdo? 
• Quais as tarefas envolvidas na aprendizagem do conteúdo? 
• Qual a relevância, para a vida real, do conteúdo a ser aprendido? 
• Como o conteúdo ajudará os alunos a resolver problemas reais da profissão e 
situações de trabalho? 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 8 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
OBJETIVOS 
EDUCACIONAIS, 
A 
AVALIAÇÃO 
DO 
APRENDIZADO 
E 
DAS 
ESTRATÉGIAS 
INSTRUCIONAIS 
Uma das estratégias em design instrucional é iniciar toda lição (ou unidade de 
aprendizagem) definindo os objetivos educacionais esperados após o aluno completar a 
unidade de aprendizagem. Em seguida, escreve-se os testes ou avaliações do aprendizado, 
já que estes devem estar alinhados com cada um dos objetivos delineados e resultados 
esperados após o aprendizado (Filatro, 2008). Assim que os objetivos e testes da 
aprendizagem estejam alinhados, inicia-se o desenvolvimento do conteúdo da disciplina 
propriamente dita (ou unidade de aprendizado). 
Na construção dos objetivos de aprendizagem recomenda-se seguir a taxonomia de 
Bloom. Este organiza os níveis do aprendizado cognitivo segundo as funções de 
pensamento crítico exercitadas e avaliadas durante o aprendizado (que vão do nível 
básico da memorização simples do conteúdo ao mais elevado, o do julgamento 
avaliativo): 1. memorização, 2. compreensão, 3. aplicação, 4. análise, 5. síntese/criação, 
6. avaliação (Filatro, 2008). 
Além da avaliação da aprendizagem ocorrida, este alinhamento geral dos objetivos 
educacionais com a avaliação do aluno e o conteúdo selecionado é essencial para poder 
validar as estratégias instrucionais adotadas no design da disciplina (ou sistema de 
aprendizagem). A vantagem deste modelo é possibilitar correções e ajustes ágeis no 
material instrucional e assim garantir a aprendizagem do aluno. 
Alinhando 
o 
Conteúdo 
com 
os 
Objetivos 
de 
Aprendizagem 
Para mapear o conteúdo e alinhá-lo com os objetivos de aprendizagem use as 
condicionais “se” e “então” do modelo sugerido por Clark em “An Instructional Design 
Model:” 
Objetivo: 
Se nós professores esperamos que os alunos produzam [resultado] __________________, 
então, os alunos precisarão realizar ____________________________________[tarefas]. 
Se queremos que eles realizem o que foi definido acima, então, os alunos precisam 
desenvolver as seguintes habilidades ___________________________________________. 
Se almejamos que aprendam estas habilidades, então os alunos precisam aprender 
sobre ________________________________ (conhecimento) e a usar as ferramentas 
____________________________________ (de trabalho/atividade). 
E na adoção de parâmetros para a avaliação do aprendizagem do aluno e da unidade de 
conteudo do disciplina/curso, etc., recomendo: 
Atividades da aprendizagem (realizada durante ou após o evento de aprendizado) 
• Auto-avaliação pelo aluno: Pré- e pós-avaliação. Implementar a pré- e pós-avaliação 
dos conceitos principais trabalhados na disciplina. 
o Objetivos: auxiliar o aluno a avaliar o próprio aprendizado, melhorando sua 
autoestima e desenvolvendo sua auto-avaliação (metacognição). 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 9 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
• Avaliação das atividades realizadas em grupo e/ou colega de grupo (no caso de 
trabalhos cooperativos) 
o Objetivos: desenvolver a colaboração em atividades cooperativas e grupais; a 
habilidade de julgamento do próprio empenho e do empenho do colega, e a 
auto-responsabilidade no processo de aprendizagem; 
• Avaliação presencial 
o Objetivos: desenvolver a habilidade de julgamento do próprio empenho; dos 
desempenhos do professor/tutor, da unidade/conteúdo, do centro universitário. 
o Avaliação online (questionários, atividades diversas) 
o Objetivos: desenvolver a habilidade de julgamento do próprio empenho; dos 
desempenhos do professor/tutor, da unidade/conteúdo, do centro universitário. 
Avaliação da eficácia do curso 
• Quais conteúdos ou estratégias não foram efetivas? Em que não foram efetivas? Como 
poderiam ser efetivas? 
• Quais os motivos do sucesso ou fracasso do aluno? 
• Como desenvolver uma disciplina capaz de ser ajustada flexivelmente semestralmente, 
caso necessário? 
• Como o aluno avalia a experiência de aprendizagem? 
ESTRATÉGIAS 
DO 
DESIGN 
INSTRUCIONAL 
Parte fundamental do design instrucional é a adoção de estratégias instrucionais na 
modelagem da experiência de aprendizagem. Estratégias instrucionais são fundadas em 
teorias de aprendizagem e devem ser escolhidas de acordo com as metas e os objetivos de 
aprendizagem definidos durante a fase de análise. Por fim, a avaliação da aprendizagem 
(conteúdos e competências a serem testadas) é também planejada nesta fase, que por sua 
vez tem que estar alinhada com os objetivos de aprendizado. 
Particularidades 
da 
Instrução 
Utilizando 
Computadores 
Pesquisas em tecnologias emergentes examinam fatores instrucionais chave que podem 
tornar a instrução baseada em computadores enriquecedora ou empobrecedora (Hannafin, 
Hannafin, Hooper, Rieber & Kini, 1996). Aqui vamos discutir sobre os fatores de controle 
do aprendiz (ou aluno), orientação, prática com feedback, e sequencia da instrução. 
Estudos mostram que os alunos perdem a motivação com um programa quando sentem-se 
com pouco ou nenhum controle sobre o mesmo (Hannafin et al., 1996; Malone & Lepper, 
1987). Lições construídas usando instrução programada reproduz o modelo de transmissão 
do conhecimento, cujo modelo pedagógico parte dos pressupostos de que os alunos são 
meros recipientes da informação e de que aprendem a partir da mídia utilizada (a mídia 
ou programa regularia o aprendizado) e não com a media (a mídia ou programa é usado 
como ferramenta de suporte para o aprendizado) (Hannafin et al., 1996). 
Por outro lado, o uso de um ambiente completamente aberto, no qual os alunos usam da 
exploração para aprender, talvez os previna na retenção e criação de um modelo mental 
(ou mapa conceitual) do conteúdo. Isso ocorre porque os alunos precisam de orientação 
enquanto interagem com o conteúdo. 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 10 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
O exercício com feedback do conteúdo recentemente aprendido ajuda os alunos a 
verificar e elaborar a compreensão do mesmo. No entanto vemos que alguns lições são 
formatadas sem prática e exercícios ou sem exercício com feedback. Assim, tratam o 
aprendiz como meros leitores de conteúdo, que perdem a oportunidade de interagir com o 
conteúdo e rever se compreenderam o material (validar o aprendizado). 
A informação deve ser organizada em tamanho ideal para não sobrecarregar a memória de 
trabalho do aluno. É necessário transformar o conteúdo em pequenos módulos 
significativos para serem processados adequadamente pelos alunos. Lições muito longas 
apresentadas em sequencia linear podem frustrar os alunos no esforço de aprenderem o 
conteúdo. 
Telg (2009) lembra que as tecnologias de EaD via Internet são predominantemente visuais 
e que deve-se cobrir 2/3 do conteúdo normalmente abordado presencialmente. Ao 
concentrar no que é realmente importante e selecionar o essencial, pode-se apresentar o 
conteúdo essencial centrado no aluno e o complementar em formatos diversos, de modo a 
forjar o aluno a pesquisá-los quando necessário. 
Concluindo, ao adotar os fatores chaves de controle do aluno, orientação, prática com 
feedback, e sequencia da instrução no planejamento da instrução, o design instrucional 
contemporâneo pode aumentar a qualidade da experiência educacional, mas é importante 
salientar que esta qualidade está intrinsicamente dependente da forma como estes fatores 
interagem uns com os outros. 
Estratégias 
Instrucionais 
Recapitulando o que foi falado anteriormente sobre as competências críticas esperadas dos 
profissionais da sociedade do conhecimento: 
• Resolução de problemas e tomada de decisões 
• O autoconhecimento, a autoestima, a autodisciplina, a responsabilidade e éticas 
social e profissional 
• Pesquisa, análise, comparação, organização, síntese, conclusão 
• Comunicação interpessoal assertiva, colaboração e negociação seja pessoalmente 
e/ou utilizando de tecnologias da informação 
• Pensamento divergente, criatividade e inovação 
• Educação continuada e flexibilidade na adaptação ás situações novas 
Quais estratégias instrucionais podem favorecer o desenvolvimento destas competências 
críticas? 
Promovendo 
Motivação 
e 
Autoestima 
Um dos maiores desafios em toda situação de aprendizagem é o de engajar e motivar os 
alunos a serem ativos no processo da própria aprendizagem. 
Para responder a este desafio, John Keller desenvolveu o Modelo ARCS de Motivação do 
Aluno. De acordo com Keller, motivação “refere-se à grandeza e direção do 
comportamento... refere-se às escolhas que as pessoas fazem quanto às experiências e 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 11 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
objetivos que abordarão ou evitarão, e ao nível de esforço que para isso utilizarão” 
(tradução nossa). 
Desta forma, motivação para a aprendizagem é um estado interno da pessoa humana que 
explica o que estes estão dispostos a fazer, não do que são capazes. A motivação é, por 
isso, um aspecto chave a considerar no desenho das atividades de aprendizagem. 
O modelo ARCS é um acrónimo que identifica quatro categorias de estratégias essenciais 
para a promoção da motivação dos alunos na aprendizagem: Atenção, Relevância, 
Confiança e Satisfação (Attention, Relevance, Confidence and Satisfaction). 
O objetivo primeiro do modelo é o de promover a motivação dos alunos, modelo válido 
tanto para a instrução presencial quanto á distância. O método consiste na aplicação de 
quatro estratégias no design da instrução: 
• Método 1. Atenção. Ganhar e manter o interesse dos alunos durante a 
aprendizagem. 
Exemplo: O uso de casos concretos de cenários de uso, a apresentação de desafios 
e problemas a serem resolvidos pelos alunos, chamam a atenção do aluno. 
• Método 2. Relevância. Produzir conteúdos de aprendizagem relevantes. 
Exemplo: A relevância diz respeito a exemplificar o ‘para que’ do aprendizado, ou 
seja, levar o aluno a perceber a importância do aprendizado em sua vida. 
Geralmente a relevância é enfatizada no alinhamento dos objetivos da instrução 
(do gerais, da disciplina, aos específicos das unidades de ensino) com a avaliação 
do aprendizado. 
• Método 3. Confiança. Construir nos alunos uma expectativa positiva quanto ao 
sucesso na aprendizagem. 
Exemplo: Ao apresentar o conteúdo, estruture as atividades de aprendizagem de 
modo que o aluno sinta que a instrução foi especialmente preparada para suas 
necessidades de aprendizado (considere o perfil do aluno, suas preferencias de 
estudo e conhecimentos prévios sobre o conteúdo) e possa comparar e avaliar a 
evolução de seu aprendizado através da avanço pelo material. 
• Método 4. Satisfação. Atribuir recompensas intrínsecas ou extrínsecas ao esforço 
desenvolvido pelo aluno na aprendizagem. 
Exemplo: Use de jogos e atividades com pontuações e desafios etc. Exercícios com 
comentários pelo tutor, ou feedback programado ajudam o aluno a reconhecer o 
avanço do próprio aprendizado. 
O 
Método 
da 
Descoberta 
Guiada 
Segundo Clark (1998), o objetivo principal da arquitetura instrucional denominada 
descoberta guiada é o de “ajudar os alunos a construir modelos mentais semelhantes aos 
dos especialistas.” Nesta arquitetura, a instrução é apresentada como um problema 
baseado em situações reais e comuns aos alunos, e a ser resolvidas por eles. Assim, os 
alunos propõem soluções á situação problema usando ferramentas de suporte disponíveis 
durante a instrução no momento do aprendizado (Clark, 1998; Gordon, 1994). Devido ao 
fato de os problemas serem intimamente relacionados á vida dos alunos, esta estratégia é 
tida como altamente motivacional, demonstrando uma alta transferência (aplicação) do 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 12 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
conhecimento estudado ás suas vidas pessoais e profissionais e consequentemente, 
gerando alta retenção do conhecimento (Clark, 1998). 
Uma forma de apresentação de problemas é o uso de cenários (representações simuladas) 
sobre o tema em questão. Existem dois propósitos ao se apresentar um cenário-problema 
ao aluno: 
1. Ao serem expostos ao cenário-problema, os alunos já estão de fato acessando ou 
relembrando um conhecimento prévio sobre o assunto. Estimular a recordação de 
um conteúdo prévio é uma das pré-condições para a aprendizagem segundo 
Gagné (1994). Além disso, o pensamento de ordem superior ou pensamento critico 
e criativo (por exemplo, a análise, síntese, e avaliação) depende do entendimento 
prévio de fatos e conceitos como condição para reter novos conceitos ou 
princípios. Portanto, a prática pedagógica de recordar conhecimentos prévios é um 
dos aspectos importantes da instrução pois os alunos precisam conectar e 
relacionar a nova informação com a antiga para fixar aquela na memória de longo 
prazo (Clark, 1998; Ritchie  Karge, 1996). 
2. O uso de exemplos propiciam aos alunos a oportunidade de construir modelos 
mentais da situação de aprendizagem. Um modelo mental aqui é entendido como 
“uma estrutura putativa contendo algum conhecimento sobre o mundo” (Winn  
Snyder, 1996). 
A 
Fidelidade 
na 
Instrução 
Na escolha do cenário-problema, deve-se ainda considerar o grau de conhecimento 
prévio do aluno sobre o assunto já que alunos novatos aprendem de modo diferente de 
alunos avançados. Por exemplo, estaria o aluno familiarizado ou não com a área do 
conhecimento apresentado (seria esta uma disciplina introdutória ou avançada)? 
Alunos novatos começam a estudar novos domínios do conhecimento a partir de fatos e 
princípios objetivos, normalmente apresentados fora de contexto de uso (Winn  Snyder, 
1996). Por exemplo, eles precisam aprender princípios de direção de automóveis antes de 
dirigirem realmente. Ou seja, eles devem entender os princípios antes de os aplicarem em 
situações reais de tráfego, quando já precisam aplicar estes princípios. Esta estratégia 
instrucional é denominada por Alessi (1988) de “fidelidade na instrução.” Segundo Alessi, 
“fidelidade se refere ao grau de proximidade ou imitação da simulação para com a 
realidade imitada” (Alessi, 1988, p. 40). Desse modo, Alessi afirma que novatos aprendem 
melhor usando-se instruções de baixa-fidelidade. 
Embutindo 
a 
Pesquisa 
e 
o 
Pensamento 
Crítico 
no 
Design 
da 
Instrução 
Estratégias para o exercício do pensamento crítico e atividades de pesquisa são geralmente 
incorporadas na arquitetura do sistema de aprendizagem durante o design do conteúdo, a 
criação do mapa conceitual da disciplina, e a definição do layout da página das unidades 
de aprendizagem e mesmo do ambiente de aprendizagem. Nesta fase deve-se estruturar as 
lições, ou unidades de aprendizagem, para propiciarem a navegação através do conteúdo 
e fácil apreensão deste, assim como o exercício pelo aluno das funções cognitivas de 
pesquisa, análise, indexação e processamento da informação apresentada. 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 13 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
Bibliografia 
ALESSI, Steve M. “Fidelity in the design of instructional simulations” em Journal of 
Computer-Cased Instruction, n. 15(2), p. 40-47. 1988. 
CLARK, Donald. An Instructional Design Model. Disponível em: 
nwlink.com/~donclark/hrd/learning/id/id_model.html. Acesso em: 16 Agosto, 
2011. 
CLARK, Ruth. Building expertise. Cognitive methods for training and performance 
improvement. Washington, DC: International Society for Performance 
Improvement, 1998. 
DELORS, Jacques. “Os Quatro Pilares da Educação.” Em Educação: Um Tesouro a 
Descobrir. São Paulo, SP: UNESCO, MEC, Cortez Editora, 1999. Disponível em: 
4pilares.net/text-cont/delors-pilares.htm. Acesso em: 16 Agosto, 2011. 
FILATRO, Andrea. Design Instrucional na Prática. São Paulo, SP: Pearson Education do 
Brasil, 2008. 
GAGNE, Robert M. Essentials of Learning for Instruction. Hinsdale, IL: The Dryden Press, 
1974. 
GORDON, Sallie E. Systematic training program design: Maximizing effectiveness and 
minimizing liability. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, Inc, 1994. 
HANNAFIN, Michael. J., HANNAFIN, Kathleen. M., HOOPER, Simon R., RIEBER, Lloyd 
P.,  KINI, Asit S. “Research on and research with emerging technologies.” Em 
Jonassen, D. H. (Ed.), Handbook of research for educational communications and 
technology, p. 378-402. New York: Simon  Schuster Macmillan, 1996. 
KELLER, John. Modelo ARCS de Motivação. Disponível em: 
www.arcsmodel.com/home.htm (Inglês); www.learning-theories.com/kellers-arcs- 
model-of-motivational-design.html (Inglês); yamilexdelvalle.blogspot.com 
(Espanhol) 
MALONE, Thomas. W.,  LEPPER, Mark R. “Making learning fun: A taxonomy of intrinsic 
motivations for learning.” Em R. E. Snow  M. J. Farr (Eds.). Aptitude, learning and 
instruction. Volume 3: Cognitive and affective process analysis. Hillsdale, NJ: 
Lawrence Erlbaum, 1987. 
MORAN, José M. Mudanças necessárias na educação presencial, 2011. Disponível em: 
www.eca.usp.br/prof/moran/presencial.html. Acesso em: 16 Agosto, 2011. 
RITCHIE, Donn. C.  KARGE, Belinda D. “Making Information Memorable: Enhance 
Knowledge Retention and Recall Through the Elaboration Process.” Preventing 
School Failure, n. 41, p. 28-33, 1996. 
THE PARTNERSHIP FOR 21ST CENTURY SKILLS. The Role of Career and Technical 
Education and 21st Century Skills in College and Career Readiness, 2010. 
Disponível em: www.p21.org/documents/CTE_Oct2010.pdf. Acesso em: 16 
Agosto, 2011. 
TELG, Ricky W. Instructional Methods for Distance Education. 1999, revisado em 2009. 
Disponível em: edis.ifas.ufl.edu/wc026. Acesso em: 16 Agosto, 2011. 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 14 de 15
Proposta: Modelo Instrucional EAD 
WINN, William.  SNYDER, Daniel. “Cognitive perspectives in psychology.” In Jonassen, 
D. H. (Ed.), Handbook of research for educational communications and technology 
(pp. 112-142). New York: Simon  Schuster Macmillan, 1996. 
WORLD BANK INSTITUTE. Knowledge Assessment Methodology (KAM). Disponível em: 
www.worldbank.org e info.worldbank.org/etools/kam2/KAM_page2.asp. 
Acesso em: 16 Agosto, 2011. 
WORLD BANK INSTITUTE. Measuring Knowledge in the World’s Economies. 2009. 
Disponível em: 
siteresources.worldbank.org/INTUNIKAM/Resources/KAMbooklet.pdf. Acesso 
em: 16 Agosto, 2011. 
REFERÊNCIAS 
ONLINE 
(2011) 
Ambientes de Aprendizagem por Dr. Roger Schank. Disponível em: 
www.engines4ed.org/index.cfm 
Exemplo de Mapa Conceitual: Visual Thesaurus. Disponível em: 
www.visualthesaurus.com/trialover (Inglês) 
Modelos Pedagógicos de Ensino A Distância. Disponível em: 
www.prof2000.pt/users/amtazevedo/af24/trab3.htm (Português) 
Método da Descoberta Guiada. Disponível em: 
wik.ed.uiuc.edu/index.php/Discovery_method (Inglês) 
Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 15 de 15

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reflexões sobre inovação, currículo, e alternativas para a organização curric...
Reflexões sobre inovação, currículo, e alternativas para a organização curric...Reflexões sobre inovação, currículo, e alternativas para a organização curric...
Reflexões sobre inovação, currículo, e alternativas para a organização curric...
Martha Prata-Linhares
 
Final pré corrigido por indu1
Final pré corrigido por indu1Final pré corrigido por indu1
Final pré corrigido por indu1
Regina Trilho O Xavier
 
Neotecnicismo uff
Neotecnicismo uffNeotecnicismo uff
Neotecnicismo uff
carolgouvea
 
Futura trends tec_apliccorp_stavros_09-05-2011
Futura trends tec_apliccorp_stavros_09-05-2011Futura trends tec_apliccorp_stavros_09-05-2011
Futura trends tec_apliccorp_stavros_09-05-2011
voandrade
 
Mudi empreendorismo no servico publico
Mudi empreendorismo no servico publicoMudi empreendorismo no servico publico
Mudi empreendorismo no servico publico
UEM
 
Vocação e Escolha da Profissão: Aplicativo de Orientacão Profissional
Vocação e Escolha da Profissão: Aplicativo de Orientacão ProfissionalVocação e Escolha da Profissão: Aplicativo de Orientacão Profissional
Vocação e Escolha da Profissão: Aplicativo de Orientacão Profissional
KuauSonho
 
Apostila da parte pedagógica
Apostila da parte pedagógicaApostila da parte pedagógica
Apostila da parte pedagógica
Armazém Do Educador
 
Livro branco educação e formação 1995
Livro branco educação e formação 1995Livro branco educação e formação 1995
Livro branco educação e formação 1995
eadl
 
Apostila peb-ii-site
Apostila peb-ii-siteApostila peb-ii-site
Apostila peb-ii-site
afermartins
 
Cadernodeinovacao4
Cadernodeinovacao4Cadernodeinovacao4
Cadernodeinovacao4
Luiz Lunkes
 
Centralidade da Educação Face aos Desafios do Futuro
Centralidade da Educação Face aos Desafios do FuturoCentralidade da Educação Face aos Desafios do Futuro
Centralidade da Educação Face aos Desafios do Futuro
Antonio Dias de Figueiredo
 
Educação profissional e competências
Educação profissional e competênciasEducação profissional e competências
Educação profissional e competências
Elaine Andreatta
 
Novos Modelos de Cursos EAD
Novos Modelos de Cursos EADNovos Modelos de Cursos EAD
Novos Modelos de Cursos EAD
ANHANGUERA EDUCACIONAL
 
A educação para o século xxi e a formação do
A educação para o século xxi e a formação doA educação para o século xxi e a formação do
A educação para o século xxi e a formação do
Marcio Pinto da Silva
 
Priscila cipolini
Priscila cipoliniPriscila cipolini
Priscila cipolini
Carlos Elson Cunha
 
Educacao e compromisso
Educacao e compromissoEducacao e compromisso
Educacao e compromisso
Maria Cristina Bortolozo
 

Mais procurados (16)

Reflexões sobre inovação, currículo, e alternativas para a organização curric...
Reflexões sobre inovação, currículo, e alternativas para a organização curric...Reflexões sobre inovação, currículo, e alternativas para a organização curric...
Reflexões sobre inovação, currículo, e alternativas para a organização curric...
 
Final pré corrigido por indu1
Final pré corrigido por indu1Final pré corrigido por indu1
Final pré corrigido por indu1
 
Neotecnicismo uff
Neotecnicismo uffNeotecnicismo uff
Neotecnicismo uff
 
Futura trends tec_apliccorp_stavros_09-05-2011
Futura trends tec_apliccorp_stavros_09-05-2011Futura trends tec_apliccorp_stavros_09-05-2011
Futura trends tec_apliccorp_stavros_09-05-2011
 
Mudi empreendorismo no servico publico
Mudi empreendorismo no servico publicoMudi empreendorismo no servico publico
Mudi empreendorismo no servico publico
 
Vocação e Escolha da Profissão: Aplicativo de Orientacão Profissional
Vocação e Escolha da Profissão: Aplicativo de Orientacão ProfissionalVocação e Escolha da Profissão: Aplicativo de Orientacão Profissional
Vocação e Escolha da Profissão: Aplicativo de Orientacão Profissional
 
Apostila da parte pedagógica
Apostila da parte pedagógicaApostila da parte pedagógica
Apostila da parte pedagógica
 
Livro branco educação e formação 1995
Livro branco educação e formação 1995Livro branco educação e formação 1995
Livro branco educação e formação 1995
 
Apostila peb-ii-site
Apostila peb-ii-siteApostila peb-ii-site
Apostila peb-ii-site
 
Cadernodeinovacao4
Cadernodeinovacao4Cadernodeinovacao4
Cadernodeinovacao4
 
Centralidade da Educação Face aos Desafios do Futuro
Centralidade da Educação Face aos Desafios do FuturoCentralidade da Educação Face aos Desafios do Futuro
Centralidade da Educação Face aos Desafios do Futuro
 
Educação profissional e competências
Educação profissional e competênciasEducação profissional e competências
Educação profissional e competências
 
Novos Modelos de Cursos EAD
Novos Modelos de Cursos EADNovos Modelos de Cursos EAD
Novos Modelos de Cursos EAD
 
A educação para o século xxi e a formação do
A educação para o século xxi e a formação doA educação para o século xxi e a formação do
A educação para o século xxi e a formação do
 
Priscila cipolini
Priscila cipoliniPriscila cipolini
Priscila cipolini
 
Educacao e compromisso
Educacao e compromissoEducacao e compromisso
Educacao e compromisso
 

Semelhante a Pressupostos Pedagógicos para um Modelo Instrucional EAD

Workshop parte I
Workshop parte IWorkshop parte I
Workshop parte I
esperancasantos
 
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...
cidacandine
 
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e Michelle.doc
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e    Michelle.docPlano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e    Michelle.doc
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e Michelle.doc
micsquize
 
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima décadaDesafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Luciano Sathler
 
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima décadaDesafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Luciano Sathler
 
Workshop parte II
Workshop parte IIWorkshop parte II
Workshop parte II
esperancasantos
 
Firjan
FirjanFirjan
Problemática
ProblemáticaProblemática
Problemática
paulatrigo
 
Adeptt training model final version pt
Adeptt training model final version ptAdeptt training model final version pt
Adeptt training model final version pt
Portugal Entrepreneurship Education Platform (PEEP)
 
Projeto de Inclusão do Jovem no Mundo do Trabalho.
Projeto de Inclusão do Jovem  no Mundo do Trabalho.Projeto de Inclusão do Jovem  no Mundo do Trabalho.
Projeto de Inclusão do Jovem no Mundo do Trabalho.
Siouxiesiouxie
 
Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13
Siouxiesiouxie
 
Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13
Siouxiesiouxie
 
Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13
Siouxiesiouxie
 
Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13
Siouxiesiouxie
 
Firjan
FirjanFirjan
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação Corporativa
Carlos Alves
 
18-CERTIFICADO C.pdf
18-CERTIFICADO C.pdf18-CERTIFICADO C.pdf
18-CERTIFICADO C.pdf
SheizeMorais
 
Equipe Emerson Azevedo Marcio
Equipe Emerson Azevedo MarcioEquipe Emerson Azevedo Marcio
Equipe Emerson Azevedo Marcio
EMAAULAS
 
Uso de rea nas universidades corporativas do serpro caixa e correios oportu...
Uso de rea nas universidades corporativas do serpro caixa e correios   oportu...Uso de rea nas universidades corporativas do serpro caixa e correios   oportu...
Uso de rea nas universidades corporativas do serpro caixa e correios oportu...
Denise Paulsen
 
EDU670_1_1 - TEMA 01 - Sociedade da informação e do conhecimento e a educação...
EDU670_1_1 - TEMA 01 - Sociedade da informação e do conhecimento e a educação...EDU670_1_1 - TEMA 01 - Sociedade da informação e do conhecimento e a educação...
EDU670_1_1 - TEMA 01 - Sociedade da informação e do conhecimento e a educação...
ssusere9b125
 

Semelhante a Pressupostos Pedagógicos para um Modelo Instrucional EAD (20)

Workshop parte I
Workshop parte IWorkshop parte I
Workshop parte I
 
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...
AS REFORMAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCA...
 
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e Michelle.doc
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e    Michelle.docPlano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e    Michelle.doc
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e Michelle.doc
 
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima décadaDesafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
 
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima décadaDesafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
 
Workshop parte II
Workshop parte IIWorkshop parte II
Workshop parte II
 
Firjan
FirjanFirjan
Firjan
 
Problemática
ProblemáticaProblemática
Problemática
 
Adeptt training model final version pt
Adeptt training model final version ptAdeptt training model final version pt
Adeptt training model final version pt
 
Projeto de Inclusão do Jovem no Mundo do Trabalho.
Projeto de Inclusão do Jovem  no Mundo do Trabalho.Projeto de Inclusão do Jovem  no Mundo do Trabalho.
Projeto de Inclusão do Jovem no Mundo do Trabalho.
 
Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13
 
Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13
 
Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13
 
Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13Projeto silvano. versao 13
Projeto silvano. versao 13
 
Firjan
FirjanFirjan
Firjan
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação Corporativa
 
18-CERTIFICADO C.pdf
18-CERTIFICADO C.pdf18-CERTIFICADO C.pdf
18-CERTIFICADO C.pdf
 
Equipe Emerson Azevedo Marcio
Equipe Emerson Azevedo MarcioEquipe Emerson Azevedo Marcio
Equipe Emerson Azevedo Marcio
 
Uso de rea nas universidades corporativas do serpro caixa e correios oportu...
Uso de rea nas universidades corporativas do serpro caixa e correios   oportu...Uso de rea nas universidades corporativas do serpro caixa e correios   oportu...
Uso de rea nas universidades corporativas do serpro caixa e correios oportu...
 
EDU670_1_1 - TEMA 01 - Sociedade da informação e do conhecimento e a educação...
EDU670_1_1 - TEMA 01 - Sociedade da informação e do conhecimento e a educação...EDU670_1_1 - TEMA 01 - Sociedade da informação e do conhecimento e a educação...
EDU670_1_1 - TEMA 01 - Sociedade da informação e do conhecimento e a educação...
 

Último

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 

Último (20)

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 

Pressupostos Pedagógicos para um Modelo Instrucional EAD

  • 1. Pressupostos Pedagógicos para um Modelo Instrucional EAD Patricia Mourthé de Oliveira Belo Horizonte, 2011
  • 2. Proposta: Modelo Instrucional EAD Pressupostos Pedagógicos para um Modelo Instrucional "Educar não é encher um balde, mas acender uma chama" William Butler Yeats Conteúdo Introdução ......................................................................................................................... 3 Competências Críticas do Trabalhador no Séc. XXI ........................................................... 4 Proposta: o Modelo Instrucional para EaD ......................................................................... 7 Análise das Oportunidades de Aprendizagem ................................................................ 7 Objetivos Educacionais, a Avaliação do Aprendizado e das Estratégias Instrucionais ..... 9 Alinhando o Conteúdo com os Objetivos de Aprendizagem ...................................... 9 Estratégias do Design Instrucional ................................................................................ 10 Particularidades da Instrução Utilizando Computadores ........................................... 10 Estratégias Instrucionais ............................................................................................ 11 Bibliografia ...................................................................................................................... 14 Referências Online (2011) ........................................................................................... 15 Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 2 de 15
  • 3. Proposta: Modelo Instrucional EAD Introdução Um sistema de aprendizado é composto por vários componentes e atores, entre eles o aluno, o professor, o conteúdo, o ambiente de aprendizagem (presencial ou virtual), as condições para a aprendizagem (sistemas presenciais ou á distância, regras acadêmicas, padrões nacionais de ensino/aprendizado, etc.), e as ferramentas disponíveis no auxílio á aprendizagem. No entanto, a qualidade da aprendizagem pode variar mesmo se muitos destes componentes e atores estejam presentes, seja em escolas do ensino fundamental e médio, universidades, cursos á distância, etc. São muitos os fatores que determinam a qualidade do ensino. A combinação de fatores como a visão ou objetivos do processo educativo, a formação dos professores, os modos de trabalhar conteúdos, as ferramentas disponíveis para o aprendizado, vão produzir práticas educativas bem diferentes e consequentemente, colocar pessoas capazes de atender as demandas do mercado de trabalho. [dar exemplos tipos de escola; escolas de arte, produzir coisas] No caso de sistemas de educação á distância usando da Internet como meio distributivo, o papel do aluno e os modos de se trabalhar conteúdos passam a ser muito mais relevantes para se obter resultados de aprendizado qualitativos pelo simples fato deste meio não mais estar centrado na figura constante do professor como o mediador da instrução. Neste contexto, este documento tem como objetivo primeiro o de apresentar critérios para a adoção de estratégias instrucionais no desenvolvimento de disciplinas ensinadas á distância. Devido a limitações de tempo, está fora do escopo do documento rever e discutir a literatura corrente no assunto. No entanto, serão fornecidas referências para a pesquisa continuada dos temas apresentados. Espera-se que a informação aqui apresentada ajude equipes pedagógicas no desenvolvimento de visão pedagógica para onde atuam e no design instrucional das disciplinas ofertadas á distância. Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 3 de 15
  • 4. Proposta: Modelo Instrucional EAD Competências Críticas do Trabalhador no Séc. XXI Para pensarmos qual o papel do aluno-cidadão e futuro trabalhador na sociedade contemporânea é necessário entendermos o presente contexto histórico-econômico. O advento da sociedade da informação e conhecimento com a implosão das tecnologias da informação e comunicação (TIC), a partir da metade do século XX, instituiu o paradigma da economia mundial baseada no conhecimento. A economia baseada no conhecimento requer competências humanas diferentes das exigidas pela economia industrial ou agrária. A educação, entendida como o meio de preparar os indivíduos para a vida adulta e produtiva, passa a ter uma nova responsabilidade social que é a de preparar os indivíduos para lidar com a crescente complexidade do mundo e as novas demandas da economia do conhecimento. Considerando os novos desafios da economia mundial, O Instituto do Banco Mundial (ICM) tem publicado como parte do Programa ‘Conhecimento para o Desenvolvimento’ (K4D) o relatório Medindo o Conhecimento nas Economias Mundiais. A premissa deste trabalho é de que “a aplicação do conhecimento––manifestada economicamente como empreendedorismo e inovação, pesquisa e desenvolvimento, e produção de software e produtos––é uma das peças chaves para o crescimento da economia global (WORLD BANK INSTITUTE. Measuring Knowledge in the World’s Economies. 2009, p. 1. Tradução nossa).” O relatório compara 146 países a partir de indicadores econômicos (KEI) fundados nos quatro pilares da economia do conhecimento, a saber: 1. Regime econômico e institucional 2. Educação e habilidades 3. Infraestrutura da comunicação e informação 4. Sistema de inovação Veja a seguir os gráficos mostrando o posicionamento do Brasil em relação ás economias mundiais do G7 (WORLD BANK INSTITUTE. Knowledge Assessment Methodology - KAM): Brasil G7: Alemanha, Canada, Estados Unidos, França, Itália, Japão, Reino Unido. Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 4 de 15
  • 5. Proposta: Modelo Instrucional EAD Podemos ver que o Brasil tem um longo caminho a percorrer se quiser equipar sua economia e população para responder positivamente aos desafios das próximas décadas e assim, desempenhar uma influência mundial duradoura. Dentro deste contexto, seria importante entendermos: Quais seriam as demandas críticas do trabalhador na economia do conhecimento? Segundo o relatório The Ill-Prepared U.S.Workforce (2009), patrocinado pelas organizações Norte Americanas The Conference Board, Corporate Voices for working Families, American Society for Training and Development, e a Society for human resource Management as seguintes competências estão em alta demanda pelos empregadores dos Estados Unidos da América: Competências Críticas para a Economia Mundial do Século XXI Demanda em % Pensamento crítico e resolução de problemas 92% Ética e responsabilidade social 71% Profissionalismo e ética no trabalho 70% Criatividade e inovação 69% Aprendizagem continuada ao longo da vida e auto-direcionamento 64% Nota 1: Tabela traduzida pela autora Nota 2: Estes dados podem também ser encontrados no relatório “Up to the Challenge: The Role of Career and Technical Education and 21st Century Skills in College and Career Readiness, 2010,” patrocinado pelas entidades Norte Americanas Association for Career and Technical Education (ACTE), o National Association of State Directors of Career Technical Education Consortium (NASDCTEc) e o Partnership for 21st Century Skills. Já o relatório para a UNESCO da Comissão sobre a Educação para o Século XXI, coordenada por Jacques Delors (1999) , recomenda a educação contemporânea se basear em quatro pilares básicos, ou competências, resumidas a seguir: Aprender a aprender e conhecer. Adquirir os instrumentos da compreensão • Exercício da memória: conceitos a serem compreendidos e internalizados • Saber pesquisar e relacionar a informação • Movimento contínuo da indução á dedução e vice-versa Aprender a fazer. Agir sobre o meio envolvente • Domínio da técnica associada ao fazer • Aplicar a teoria na prática Aprender a viver juntos. Participar e cooperar com os outros nas atividades humanas • Trabalhos cooperativos> objetivo comum e coletivo Aprender a ser. Ser e integrar as aprendizagens anteriores • Conhecer a si próprio, e assim, aos outros Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 5 de 15
  • 6. Proposta: Modelo Instrucional EAD • Desenvolver o próprio potencial No Brasil, o educador José Moran (2011) discute a necessidade de mudanças na educação Brasileira contemporânea para que esta atenda ás novas demandas da economia do conhecimento, sugerindo que: • O ensino superior presencial precisa de mudar o foco da transmissão de informação, no modelo de prover o conteúdo, para o de estimular o aluno a pesquisar e a realizar atividades desafiadoras. Diz: “O modelo de passar conteúdo e cobrar sua devolução é insuficiente.” • O processo de aprendizagem não se restringe a oferecer “tudo pronto” pois “aprender exige envolver-se, pesquisar, ir atrás, produzir novas sínteses fruto de descobertas.” Contextualizando sua posição diz: “Com tanta informação disponível, o importante para o educador é encontrar a ponte motivadora para que o aluno desperte e saia do estado passivo, de espectador. Aprender hoje é buscar, comparar, pesquisar, produzir, comunicar.” Podemos assim formular o desafio da educação contemporânea, e em particular a Brasileira, como o de preparar indivíduos competentes para atuar efetivamente na sociedade da Informação e do conhecimento. Esse desafio, por sua vez, implica em rever as práticas pedagógicas correntes no sentido destas focarem no desenvolvimento de competências críticas nos alunos e serem baseadas (ou inspiradas) a partir dos pilares básicos da educação expostos acima. Neste contexto, o desafio é o de adequar o modelo pedagógico usado da educação á distância para desenvolver nos alunos estas competências críticas, resumidas abaixo: • Resolução de problemas e tomada de decisões • O autoconhecimento, a autoestima, a autodisciplina, a responsabilidade e éticas social e profissional • Pesquisa, análise, comparação, organização, síntese, conclusão • Comunicação interpessoal assertiva, colaboração e negociação seja pessoalmente e/ou utilizando de tecnologias da informação • Pensamento divergente, criatividade e inovação • Educação continuada e flexibilidade na adaptação ás situações novas Tendo como meta desenvolver tais competências, como estruturar (ou arquitetar) um modelo pedagógico para ensino presencial e á distância? E como planejar disciplinas EaD a partir deste modelo? A seguir, apresento uma proposta instrucional para o ensino á distância como resposta a este desafio. Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 6 de 15
  • 7. Proposta: Modelo Instrucional EAD Proposta: o Modelo Instrucional para EaD "Educar não é encher um balde, mas acender uma chama" William Butler Yeats A proposta apresentada a seguir foi adaptada do modelo instrucional clássico conhecido como Modelo ADDIE. O termo ADDIE, original em Inglês, representa o acrônimo das fases adotadas no desenvolvimento de materiais e sistemas de aprendizagem (traduzidos para o Português a seguir): • Analysis | Análise • Design | Desenho • Development | Desenvolvimento • Implementation | Implementação • Evaluation | Avaliação A construção de qualquer modelo pedagógico, aqui também entendido como a arquitetura instrucional de um sistema de aprendizagem, é um processo artesanal. Uma das premissas deste modelo á a de que a instrução só é eficaz se for baseada no entendimento das oportunidades e desafios da situação de aprendizagem, daí a necessidade de iniciar o processo com a análise da situação de aprendizagem, que inclui a análise das necessidades e oportunidades de aprendizagem, a análise da audiência (alunos), e a análise do conteúdo. A fase de análise nos fornece informações e dados que vão direcionar o design da instrução, quando definiremos os objetivos pedagógicos e a avaliação da aprendizagem, e elegeremos as estratégias instrucionais mais adequadas para o aprendizado almejado. O objetivo deste documento é o discutir possíveis estratégias instrucionais adotadas no design instrucional. Por isso, só abordará em detalhe alguns aspectos do Modelo ADDIE. ANÁLISE DAS OPORTUNIDADES DE APRENDIZAGEM Na fase de análise esperamos obter respostas para as seguintes questões: Qual são as necessidades, oportunidades e desafios da aprendizagem? Por exemplo, para cada disciplina: • Quais competências os alunos precisam aprender para serem bem sucedidos em suas vidas profissionais? • Quais são as oportunidades destes desenvolverem competências críticas (conforme trabalhado neste documento)? • O que os alunos esperam, quais seriam as expectativas destes após passar pelo processo de aprendizado? • Quais são as exigências e normas acadêmicas? Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 7 de 15
  • 8. Proposta: Modelo Instrucional EAD Qual é a audiência, ou quem são os alunos*? Por exemplo, o que sabemos sobre: • Informação demográfica • Nível educacional • Conhecimento técnico das tecnologias de informação e comunicação • Disponibilidade de tempo semanal para estudo • Preferências de aprendizado e hábitos de estudo • Habilidades cognitivas e metacognitivas (saber como aprender) • Conhecimentos prévios sobre o conteúdo a ser estudado? Qual é o conteúdo? Por exemplo, para cada disciplina: • Qual é o mapa conceitual a ser estudado? E quais as relações de dependência conceitual entre os conceitos chave do conteúdo? • Quais as tarefas envolvidas na aprendizagem do conteúdo? • Qual a relevância, para a vida real, do conteúdo a ser aprendido? • Como o conteúdo ajudará os alunos a resolver problemas reais da profissão e situações de trabalho? Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 8 de 15
  • 9. Proposta: Modelo Instrucional EAD OBJETIVOS EDUCACIONAIS, A AVALIAÇÃO DO APRENDIZADO E DAS ESTRATÉGIAS INSTRUCIONAIS Uma das estratégias em design instrucional é iniciar toda lição (ou unidade de aprendizagem) definindo os objetivos educacionais esperados após o aluno completar a unidade de aprendizagem. Em seguida, escreve-se os testes ou avaliações do aprendizado, já que estes devem estar alinhados com cada um dos objetivos delineados e resultados esperados após o aprendizado (Filatro, 2008). Assim que os objetivos e testes da aprendizagem estejam alinhados, inicia-se o desenvolvimento do conteúdo da disciplina propriamente dita (ou unidade de aprendizado). Na construção dos objetivos de aprendizagem recomenda-se seguir a taxonomia de Bloom. Este organiza os níveis do aprendizado cognitivo segundo as funções de pensamento crítico exercitadas e avaliadas durante o aprendizado (que vão do nível básico da memorização simples do conteúdo ao mais elevado, o do julgamento avaliativo): 1. memorização, 2. compreensão, 3. aplicação, 4. análise, 5. síntese/criação, 6. avaliação (Filatro, 2008). Além da avaliação da aprendizagem ocorrida, este alinhamento geral dos objetivos educacionais com a avaliação do aluno e o conteúdo selecionado é essencial para poder validar as estratégias instrucionais adotadas no design da disciplina (ou sistema de aprendizagem). A vantagem deste modelo é possibilitar correções e ajustes ágeis no material instrucional e assim garantir a aprendizagem do aluno. Alinhando o Conteúdo com os Objetivos de Aprendizagem Para mapear o conteúdo e alinhá-lo com os objetivos de aprendizagem use as condicionais “se” e “então” do modelo sugerido por Clark em “An Instructional Design Model:” Objetivo: Se nós professores esperamos que os alunos produzam [resultado] __________________, então, os alunos precisarão realizar ____________________________________[tarefas]. Se queremos que eles realizem o que foi definido acima, então, os alunos precisam desenvolver as seguintes habilidades ___________________________________________. Se almejamos que aprendam estas habilidades, então os alunos precisam aprender sobre ________________________________ (conhecimento) e a usar as ferramentas ____________________________________ (de trabalho/atividade). E na adoção de parâmetros para a avaliação do aprendizagem do aluno e da unidade de conteudo do disciplina/curso, etc., recomendo: Atividades da aprendizagem (realizada durante ou após o evento de aprendizado) • Auto-avaliação pelo aluno: Pré- e pós-avaliação. Implementar a pré- e pós-avaliação dos conceitos principais trabalhados na disciplina. o Objetivos: auxiliar o aluno a avaliar o próprio aprendizado, melhorando sua autoestima e desenvolvendo sua auto-avaliação (metacognição). Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 9 de 15
  • 10. Proposta: Modelo Instrucional EAD • Avaliação das atividades realizadas em grupo e/ou colega de grupo (no caso de trabalhos cooperativos) o Objetivos: desenvolver a colaboração em atividades cooperativas e grupais; a habilidade de julgamento do próprio empenho e do empenho do colega, e a auto-responsabilidade no processo de aprendizagem; • Avaliação presencial o Objetivos: desenvolver a habilidade de julgamento do próprio empenho; dos desempenhos do professor/tutor, da unidade/conteúdo, do centro universitário. o Avaliação online (questionários, atividades diversas) o Objetivos: desenvolver a habilidade de julgamento do próprio empenho; dos desempenhos do professor/tutor, da unidade/conteúdo, do centro universitário. Avaliação da eficácia do curso • Quais conteúdos ou estratégias não foram efetivas? Em que não foram efetivas? Como poderiam ser efetivas? • Quais os motivos do sucesso ou fracasso do aluno? • Como desenvolver uma disciplina capaz de ser ajustada flexivelmente semestralmente, caso necessário? • Como o aluno avalia a experiência de aprendizagem? ESTRATÉGIAS DO DESIGN INSTRUCIONAL Parte fundamental do design instrucional é a adoção de estratégias instrucionais na modelagem da experiência de aprendizagem. Estratégias instrucionais são fundadas em teorias de aprendizagem e devem ser escolhidas de acordo com as metas e os objetivos de aprendizagem definidos durante a fase de análise. Por fim, a avaliação da aprendizagem (conteúdos e competências a serem testadas) é também planejada nesta fase, que por sua vez tem que estar alinhada com os objetivos de aprendizado. Particularidades da Instrução Utilizando Computadores Pesquisas em tecnologias emergentes examinam fatores instrucionais chave que podem tornar a instrução baseada em computadores enriquecedora ou empobrecedora (Hannafin, Hannafin, Hooper, Rieber & Kini, 1996). Aqui vamos discutir sobre os fatores de controle do aprendiz (ou aluno), orientação, prática com feedback, e sequencia da instrução. Estudos mostram que os alunos perdem a motivação com um programa quando sentem-se com pouco ou nenhum controle sobre o mesmo (Hannafin et al., 1996; Malone & Lepper, 1987). Lições construídas usando instrução programada reproduz o modelo de transmissão do conhecimento, cujo modelo pedagógico parte dos pressupostos de que os alunos são meros recipientes da informação e de que aprendem a partir da mídia utilizada (a mídia ou programa regularia o aprendizado) e não com a media (a mídia ou programa é usado como ferramenta de suporte para o aprendizado) (Hannafin et al., 1996). Por outro lado, o uso de um ambiente completamente aberto, no qual os alunos usam da exploração para aprender, talvez os previna na retenção e criação de um modelo mental (ou mapa conceitual) do conteúdo. Isso ocorre porque os alunos precisam de orientação enquanto interagem com o conteúdo. Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 10 de 15
  • 11. Proposta: Modelo Instrucional EAD O exercício com feedback do conteúdo recentemente aprendido ajuda os alunos a verificar e elaborar a compreensão do mesmo. No entanto vemos que alguns lições são formatadas sem prática e exercícios ou sem exercício com feedback. Assim, tratam o aprendiz como meros leitores de conteúdo, que perdem a oportunidade de interagir com o conteúdo e rever se compreenderam o material (validar o aprendizado). A informação deve ser organizada em tamanho ideal para não sobrecarregar a memória de trabalho do aluno. É necessário transformar o conteúdo em pequenos módulos significativos para serem processados adequadamente pelos alunos. Lições muito longas apresentadas em sequencia linear podem frustrar os alunos no esforço de aprenderem o conteúdo. Telg (2009) lembra que as tecnologias de EaD via Internet são predominantemente visuais e que deve-se cobrir 2/3 do conteúdo normalmente abordado presencialmente. Ao concentrar no que é realmente importante e selecionar o essencial, pode-se apresentar o conteúdo essencial centrado no aluno e o complementar em formatos diversos, de modo a forjar o aluno a pesquisá-los quando necessário. Concluindo, ao adotar os fatores chaves de controle do aluno, orientação, prática com feedback, e sequencia da instrução no planejamento da instrução, o design instrucional contemporâneo pode aumentar a qualidade da experiência educacional, mas é importante salientar que esta qualidade está intrinsicamente dependente da forma como estes fatores interagem uns com os outros. Estratégias Instrucionais Recapitulando o que foi falado anteriormente sobre as competências críticas esperadas dos profissionais da sociedade do conhecimento: • Resolução de problemas e tomada de decisões • O autoconhecimento, a autoestima, a autodisciplina, a responsabilidade e éticas social e profissional • Pesquisa, análise, comparação, organização, síntese, conclusão • Comunicação interpessoal assertiva, colaboração e negociação seja pessoalmente e/ou utilizando de tecnologias da informação • Pensamento divergente, criatividade e inovação • Educação continuada e flexibilidade na adaptação ás situações novas Quais estratégias instrucionais podem favorecer o desenvolvimento destas competências críticas? Promovendo Motivação e Autoestima Um dos maiores desafios em toda situação de aprendizagem é o de engajar e motivar os alunos a serem ativos no processo da própria aprendizagem. Para responder a este desafio, John Keller desenvolveu o Modelo ARCS de Motivação do Aluno. De acordo com Keller, motivação “refere-se à grandeza e direção do comportamento... refere-se às escolhas que as pessoas fazem quanto às experiências e Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 11 de 15
  • 12. Proposta: Modelo Instrucional EAD objetivos que abordarão ou evitarão, e ao nível de esforço que para isso utilizarão” (tradução nossa). Desta forma, motivação para a aprendizagem é um estado interno da pessoa humana que explica o que estes estão dispostos a fazer, não do que são capazes. A motivação é, por isso, um aspecto chave a considerar no desenho das atividades de aprendizagem. O modelo ARCS é um acrónimo que identifica quatro categorias de estratégias essenciais para a promoção da motivação dos alunos na aprendizagem: Atenção, Relevância, Confiança e Satisfação (Attention, Relevance, Confidence and Satisfaction). O objetivo primeiro do modelo é o de promover a motivação dos alunos, modelo válido tanto para a instrução presencial quanto á distância. O método consiste na aplicação de quatro estratégias no design da instrução: • Método 1. Atenção. Ganhar e manter o interesse dos alunos durante a aprendizagem. Exemplo: O uso de casos concretos de cenários de uso, a apresentação de desafios e problemas a serem resolvidos pelos alunos, chamam a atenção do aluno. • Método 2. Relevância. Produzir conteúdos de aprendizagem relevantes. Exemplo: A relevância diz respeito a exemplificar o ‘para que’ do aprendizado, ou seja, levar o aluno a perceber a importância do aprendizado em sua vida. Geralmente a relevância é enfatizada no alinhamento dos objetivos da instrução (do gerais, da disciplina, aos específicos das unidades de ensino) com a avaliação do aprendizado. • Método 3. Confiança. Construir nos alunos uma expectativa positiva quanto ao sucesso na aprendizagem. Exemplo: Ao apresentar o conteúdo, estruture as atividades de aprendizagem de modo que o aluno sinta que a instrução foi especialmente preparada para suas necessidades de aprendizado (considere o perfil do aluno, suas preferencias de estudo e conhecimentos prévios sobre o conteúdo) e possa comparar e avaliar a evolução de seu aprendizado através da avanço pelo material. • Método 4. Satisfação. Atribuir recompensas intrínsecas ou extrínsecas ao esforço desenvolvido pelo aluno na aprendizagem. Exemplo: Use de jogos e atividades com pontuações e desafios etc. Exercícios com comentários pelo tutor, ou feedback programado ajudam o aluno a reconhecer o avanço do próprio aprendizado. O Método da Descoberta Guiada Segundo Clark (1998), o objetivo principal da arquitetura instrucional denominada descoberta guiada é o de “ajudar os alunos a construir modelos mentais semelhantes aos dos especialistas.” Nesta arquitetura, a instrução é apresentada como um problema baseado em situações reais e comuns aos alunos, e a ser resolvidas por eles. Assim, os alunos propõem soluções á situação problema usando ferramentas de suporte disponíveis durante a instrução no momento do aprendizado (Clark, 1998; Gordon, 1994). Devido ao fato de os problemas serem intimamente relacionados á vida dos alunos, esta estratégia é tida como altamente motivacional, demonstrando uma alta transferência (aplicação) do Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 12 de 15
  • 13. Proposta: Modelo Instrucional EAD conhecimento estudado ás suas vidas pessoais e profissionais e consequentemente, gerando alta retenção do conhecimento (Clark, 1998). Uma forma de apresentação de problemas é o uso de cenários (representações simuladas) sobre o tema em questão. Existem dois propósitos ao se apresentar um cenário-problema ao aluno: 1. Ao serem expostos ao cenário-problema, os alunos já estão de fato acessando ou relembrando um conhecimento prévio sobre o assunto. Estimular a recordação de um conteúdo prévio é uma das pré-condições para a aprendizagem segundo Gagné (1994). Além disso, o pensamento de ordem superior ou pensamento critico e criativo (por exemplo, a análise, síntese, e avaliação) depende do entendimento prévio de fatos e conceitos como condição para reter novos conceitos ou princípios. Portanto, a prática pedagógica de recordar conhecimentos prévios é um dos aspectos importantes da instrução pois os alunos precisam conectar e relacionar a nova informação com a antiga para fixar aquela na memória de longo prazo (Clark, 1998; Ritchie Karge, 1996). 2. O uso de exemplos propiciam aos alunos a oportunidade de construir modelos mentais da situação de aprendizagem. Um modelo mental aqui é entendido como “uma estrutura putativa contendo algum conhecimento sobre o mundo” (Winn Snyder, 1996). A Fidelidade na Instrução Na escolha do cenário-problema, deve-se ainda considerar o grau de conhecimento prévio do aluno sobre o assunto já que alunos novatos aprendem de modo diferente de alunos avançados. Por exemplo, estaria o aluno familiarizado ou não com a área do conhecimento apresentado (seria esta uma disciplina introdutória ou avançada)? Alunos novatos começam a estudar novos domínios do conhecimento a partir de fatos e princípios objetivos, normalmente apresentados fora de contexto de uso (Winn Snyder, 1996). Por exemplo, eles precisam aprender princípios de direção de automóveis antes de dirigirem realmente. Ou seja, eles devem entender os princípios antes de os aplicarem em situações reais de tráfego, quando já precisam aplicar estes princípios. Esta estratégia instrucional é denominada por Alessi (1988) de “fidelidade na instrução.” Segundo Alessi, “fidelidade se refere ao grau de proximidade ou imitação da simulação para com a realidade imitada” (Alessi, 1988, p. 40). Desse modo, Alessi afirma que novatos aprendem melhor usando-se instruções de baixa-fidelidade. Embutindo a Pesquisa e o Pensamento Crítico no Design da Instrução Estratégias para o exercício do pensamento crítico e atividades de pesquisa são geralmente incorporadas na arquitetura do sistema de aprendizagem durante o design do conteúdo, a criação do mapa conceitual da disciplina, e a definição do layout da página das unidades de aprendizagem e mesmo do ambiente de aprendizagem. Nesta fase deve-se estruturar as lições, ou unidades de aprendizagem, para propiciarem a navegação através do conteúdo e fácil apreensão deste, assim como o exercício pelo aluno das funções cognitivas de pesquisa, análise, indexação e processamento da informação apresentada. Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 13 de 15
  • 14. Proposta: Modelo Instrucional EAD Bibliografia ALESSI, Steve M. “Fidelity in the design of instructional simulations” em Journal of Computer-Cased Instruction, n. 15(2), p. 40-47. 1988. CLARK, Donald. An Instructional Design Model. Disponível em: nwlink.com/~donclark/hrd/learning/id/id_model.html. Acesso em: 16 Agosto, 2011. CLARK, Ruth. Building expertise. Cognitive methods for training and performance improvement. Washington, DC: International Society for Performance Improvement, 1998. DELORS, Jacques. “Os Quatro Pilares da Educação.” Em Educação: Um Tesouro a Descobrir. São Paulo, SP: UNESCO, MEC, Cortez Editora, 1999. Disponível em: 4pilares.net/text-cont/delors-pilares.htm. Acesso em: 16 Agosto, 2011. FILATRO, Andrea. Design Instrucional na Prática. São Paulo, SP: Pearson Education do Brasil, 2008. GAGNE, Robert M. Essentials of Learning for Instruction. Hinsdale, IL: The Dryden Press, 1974. GORDON, Sallie E. Systematic training program design: Maximizing effectiveness and minimizing liability. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, Inc, 1994. HANNAFIN, Michael. J., HANNAFIN, Kathleen. M., HOOPER, Simon R., RIEBER, Lloyd P., KINI, Asit S. “Research on and research with emerging technologies.” Em Jonassen, D. H. (Ed.), Handbook of research for educational communications and technology, p. 378-402. New York: Simon Schuster Macmillan, 1996. KELLER, John. Modelo ARCS de Motivação. Disponível em: www.arcsmodel.com/home.htm (Inglês); www.learning-theories.com/kellers-arcs- model-of-motivational-design.html (Inglês); yamilexdelvalle.blogspot.com (Espanhol) MALONE, Thomas. W., LEPPER, Mark R. “Making learning fun: A taxonomy of intrinsic motivations for learning.” Em R. E. Snow M. J. Farr (Eds.). Aptitude, learning and instruction. Volume 3: Cognitive and affective process analysis. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum, 1987. MORAN, José M. Mudanças necessárias na educação presencial, 2011. Disponível em: www.eca.usp.br/prof/moran/presencial.html. Acesso em: 16 Agosto, 2011. RITCHIE, Donn. C. KARGE, Belinda D. “Making Information Memorable: Enhance Knowledge Retention and Recall Through the Elaboration Process.” Preventing School Failure, n. 41, p. 28-33, 1996. THE PARTNERSHIP FOR 21ST CENTURY SKILLS. The Role of Career and Technical Education and 21st Century Skills in College and Career Readiness, 2010. Disponível em: www.p21.org/documents/CTE_Oct2010.pdf. Acesso em: 16 Agosto, 2011. TELG, Ricky W. Instructional Methods for Distance Education. 1999, revisado em 2009. Disponível em: edis.ifas.ufl.edu/wc026. Acesso em: 16 Agosto, 2011. Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 14 de 15
  • 15. Proposta: Modelo Instrucional EAD WINN, William. SNYDER, Daniel. “Cognitive perspectives in psychology.” In Jonassen, D. H. (Ed.), Handbook of research for educational communications and technology (pp. 112-142). New York: Simon Schuster Macmillan, 1996. WORLD BANK INSTITUTE. Knowledge Assessment Methodology (KAM). Disponível em: www.worldbank.org e info.worldbank.org/etools/kam2/KAM_page2.asp. Acesso em: 16 Agosto, 2011. WORLD BANK INSTITUTE. Measuring Knowledge in the World’s Economies. 2009. Disponível em: siteresources.worldbank.org/INTUNIKAM/Resources/KAMbooklet.pdf. Acesso em: 16 Agosto, 2011. REFERÊNCIAS ONLINE (2011) Ambientes de Aprendizagem por Dr. Roger Schank. Disponível em: www.engines4ed.org/index.cfm Exemplo de Mapa Conceitual: Visual Thesaurus. Disponível em: www.visualthesaurus.com/trialover (Inglês) Modelos Pedagógicos de Ensino A Distância. Disponível em: www.prof2000.pt/users/amtazevedo/af24/trab3.htm (Português) Método da Descoberta Guiada. Disponível em: wik.ed.uiuc.edu/index.php/Discovery_method (Inglês) Patricia Mourthé de Oliveira 2011 Página 15 de 15