SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTIGO ORIGINAL



     Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma
             clínica de cirurgia plástica no sul do Brasil

       Outpatient service profile in a plastic surgery clinic in Southern Brazil

                                              Everton Fernando Alves1


                                                           RESUMO

Objetivo: Descrever o perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia plástica no sul do
Brasil.
Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo descritivo, exploratório e de caráter quantitativo com o intuito de analisar
a totalidade de atendimentos ambulatoriais (consultas e cirurgias) realizadas em uma clínica privada de cirurgia plástica
no período de 01 de janeiro a 31 de dezembro de 2010.
Resultados: Observou-se que, das 671 (60,5%) consultas novas, apenas 205 (18,5%) cirurgias foram realizadas.
Março foi o mês com mais consultas (10%) e cirurgias (11,7%). Do total de consultas novas, as reparadoras foram
predominantes em 55,6% dos casos seguidos das estéticas com 33,7%. A média etária foi de 37 anos e com
predomínio de mulheres. A idade variou de 8 meses a 89 anos. Os pacientes casados representaram a maioria das
cirurgias (49,8%); houve predomínio de pacientes na fase adulta (31 a 59 anos) com 316 pacientes (47,1%). A Unimed
foi o convênio mais atendido (49,3%) nas consultas; os procedimentos cirúrgicos mais frequentes foram as exéreses
e/ou raspagem de afecções de pele e anexos 70 (33,1%), seguido das mastoplastias (mastoplastia de aumento,
mamopexia, ginecomastia).
Conclusão: Apesar da maioria dos atendimentos cirúrgicos terem sido exéreses de deformidades congênitas e/ou
adquiridas, o resultado não se distancia da realidade encontrada no restante do Brasil, com predomínio de mulheres e
grande número de implantes mamários. A clínica em estudo é uma instituição que apresenta condições para a
viabilização de atendimentos ambulatoriais, considerando-se as inúmeras vantagens proporcionadas por este método.

Palavras-chave: cirurgia plástica; cirurgia ambulatorial; cirurgia estética; procedimentos cirúrgicos.
   __________________________________________________________________________________________

                                                         ABSTRACT
Objective: To describe the outpatient service profile in a plastic surgery clinic in southern Brazil.
Materials and Methods: It was conducted a descriptive, exploratory and quantitative study in order to analyze the total
outpatient service (consultations and surgeries) performed in a private plastic surgery clinic in the period from January
1th to December 31th of 2010.
Results: It was observed that from 671 (60,5%) new consultations, only 205 (18,5%) surgeries were performed. March
was the month with the highest number of consultations (10%) and surgeries (11,7%). Of the total of new consultations,
the reparative ones were prevalent in 55,6% of the cases, followed by the esthetic with 33,7%. The average age was 37
years and the women were predominant. The ages ranged from 8 months to 89 years. The married patients represented
the majority of surgeries (49,8%)and there was a predominance of adult patients (31-59 years) with 316 patients
(47,1%). Unimed was the health insurance plan more used (49,3%) in the consultations; the most frequent surgical
procedures were excisions and/or scraping of skin disorders and attachment 70 (33,1%), followed by mammoplasty
(augmentation mammoplasty, mastopexy, gynecomastia).
Conclusion: Although most of the surgical service were exeresis of congenital deformities and/or acquired, the result is
not far from the reality found in the rest of Brazil, with a predominance of women and large number of breast implants.
The studied clinic is an institution that provides conditions for the feasibility of outpatient care, considering the numerous
advantages offered by this method.

Keywords: plastic surgery; ambulatory surgery; esthetic surgery; surgical procedures.


¹Enfermeiro. Especialista em Saúde do Trabalhador pela Universidade Estadual do Norte do Paraná.



________________________________________________________________________________________________
Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010                   45
Perfil dos atendimentos ambulatoriais...                                                                                     Alves EF

INTRODUÇÃO

  Nos últimos anos houve um aumento em massa na                            os pacientes quanto para o profissional que as realizam
procura por cirurgias plásticas, tanto em procedimentos                    como    custo-benefício,   segurança    e   qualidade   do
estéticos quanto reparadores. Segundo dados da                             serviço. É uma experiência na prática cirúrgica com
Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), a                        tendência de amplo crescimento porque não depende
média é de 629 mil cirurgias/ ano, tornando o Brasil o                     de novas tecnologias para sua implantação, mas,
terceiro país do mundo em número de cirurgias                              apenas, transformações e adaptações por parte dos
                                                          1,2
plásticas, atrás apenas dos EUA e do México .                              profissionais e dos serviços de saúde para prover
  A cirurgia plástica tem por objetivo a reconstituição de                 condições de bem-estar aos pacientes.
uma     parte       do      corpo       por       meio    de        duas     Considerando a importância desta prática, resolveu-
subespecialidades: estéticas ou reparadoras. Neste                         se desenvolver um estudo para descrever o perfil dos
trabalho, usaremos definições dadas pela American                          atendimentos ambulatoriais realizados no ano de 2010
Society for Plastic Surgeons (ASPS) para efeito de                         em uma clínica de cirurgia plástica no sul do Brasil.
cobertura de seguro saúde, aprovadas pela American
                                    3
Medical Association em 1989 .                                              MATERIAIS E MÉTODOS
  Segundo a ASPS, a cirurgia plástica estética “é
                                                                             Trata-se de um estudo descritivo, exploratório, com
realizada para dar uma nova forma a estruturas normais
                                                                           abordagem quantitativa, conduzido a partir de dados
do corpo, com o objetivo de melhorar a aparência do
                                                                           secundários. O material utilizado para a análise dos
paciente e sua auto-estima”. Enquanto, a cirurgia
                                                                           dados foi a totalidade de atendimentos ambulatoriais
plástica reparadora visa corrigir lesões deformantes,
                                                                           (consultas e cirurgias) agendados em uma clínica
defeitos congênitos e/ou adquiridos. Porém, ambas
                                                                           privada de cirurgia plástica no sul do Brasil, no período
estão muito próximas devido apresentarem técnicas
                                                                           de 01 de janeiro a 31 de dezembro de 2010. O banco de
              2,4
semelhantes .
                                                                           dados para a coleta, análise e desenvolvimento do
  Contudo, a subespecialização tem se tornado uma
                                                                           estudo foi o registro dos atendimentos (consultas e
ferramenta importante de gestão no cenário atual. A
                                                                           cirurgias) do sistema eletrônico da clínica privada. Os
simplificação       de   procedimentos         cirúrgicos       com    o
                                                                           dados foram coletados por meio de um protocolo
objetivo de diminuir custos e redução do risco de
                                                                           elaborado pelo próprio autor. O acesso ao banco de
infecções, sem desconsiderar, contudo, os princípios
                                                                           dados foi permitido após a declaração de ciência e
básicos de segurança ao paciente, têm levado os
                                                                           concordância do médico e proprietário da instituição.
cirurgiões      plásticos      à        prática     constante         de
                                                                             As variáveis analisadas para estudo das consultas
                                                                5
procedimentos ambulatoriais em clínicas privadas .
                                                                           foram: Consulta Nova; Reconsulta em 30 dias; Retorno
  A cirurgia plástica ambulatorial, regulamentada pelas
                                                                           por reconsulta em 60 dias; Sexo; Idade; Mês da
portarias do Conselho Federal de Medicina, pode ser
                                                                           consulta e Motivo (queixa principal). Para fins de
definida como o ramo da cirurgia que objetiva reparar
                                                                           análise, considerou-se: “Consulta Nova” - paciente que
deformidades congênitas e/ou adquiridas bem como as
                                                                           passou em consulta pela primeira vez ou que já
desarmonias         de   ordem      estética,       por    meio       de
                                                                           freqüentava a clínica, mas pretendeu algum tipo de
intervenções cirúrgicas, em ambulatório. Pode ser
                                                                           procedimento do qual ainda não havia se submetido
dividida em grande cirurgia ambulatorial, realizada em
                                                                           anteriormente; “Reconsulta em 30 dias” – o período em
pacientes que não necessitam de internação, sob
                                                                           que o paciente volta para avaliação clínica nos primeiros
qualquer tipo de anestesia, com alta no mesmo dia; e
                                                                           30 dias após o procedimento cirúrgico; “Reconsulta em
pequena cirurgia ambulatorial, realizada sob anestesia
                                                                           60 dias” – período em que paciente retorna para
                                              6,7
local, com alta imediata do paciente .
                                                                           avaliação geral do procedimento em um prazo de 60
  Os atendimentos ambulatoriais, especificamente, as
                                                                           dias.
cirurgias, proporcionam inúmeras vantagens tanto para
________________________________________________________________________________________________
46                                           Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010
Perfil dos atendimentos ambulatoriais...                                                                              Alves EF

  Para fins de análise, foi utilizada a classificação etária
de pacientes submetidos à cirurgia plástica segundo
                                                      8
pesquisa Datafolha, encomendada pela SBCP . Foram
reunidas as faixas etárias e organizadas de acordo com
as fases de crescimento para melhor apresentação dos
dados: infância (< 12 anos), adolescência (13 a 18
anos), adulto jovem (19 a 30 anos), adulto (31 a 59
anos) e idoso (> 60 anos).
  As variáveis selecionadas para análise das cirurgias
foram: porte das cirurgias; sexo; estado civil; local de
residência do paciente; mês da cirurgia; classificação
dos procedimentos. Foram excluídas da pesquisa as
cirurgias de grande porte (Lipoaspirações/ Lipoescultura
[sucção acima de 300 ml], Mastoplastia redutora,
                                                                  FIGURA 1 – Distribuição das consultas, segundo a faixa etária
Abdominoplastias/Dermolipectomia). O motivo se deu
                                                                  dos pacientes (n= 671).
por serem estas cirurgias de maiores riscos, sendo
realizadas em hospitais e não na clínica pesquisada.
                                                                  (80,7%) foi por pacientes do gênero feminino, e 120
  Para efeito de análise, a clínica em estudo foi
                                                                  (19,4%) do masculino.
categorizada como uma unidade ambulatorial tipo II, a
                                                                    A média de idade dos pacientes consultados foi de 37
qual confere a possibilidade de executar cirurgias
                                                                  (± 16). A idade variou de 8 meses a 89 anos. Em
plásticas a partir das seguintes classificações: pequeno
                           9
                                                                  relação à cobertura das consultas tem-se que, os
porte e de médio porte . As cirurgias ambulatoriais de
                                                                  particulares foram a maioria 345 (51,4%), seguidos do
pequeno porte incluíram: Biópsia, Raspagem, Aplicação
                                                                  plano de saúde da Santa Casa com 158 (23,5%) e PAM
de toxina botulínica, Infiltração de quelóide, Exérese
                                                                  com 96 (14,3%).
com sutura (retirada de lesão cutânea benigna ou não,
                                                                    Na Figura 1 é apresentada a distribuição das faixas
através de excisão com bisturi e fechamento primário ou
                                                                  etárias dos pacientes consultados. Houve predomínio de
com reconstrução por retalho), Enxertos de até 150 ml,
                                                                  pacientes na fase adulta (31 a 59 anos), com 316
Otoplastia,    Ginecomastia,      Ninfoplastia    e   Cirurgias
                                                                  pacientes (47,1%), seguido do grupo adulto jovem (19 a
corretivas. As cirurgias ambulatoriais de médio porte
                                                                  30 anos), com 239 (35,6%). A menor proporção dos
incluíram:    Mamoplastia      de    aumento,     Mamopexia,
                                                                  pacientes pertenceu ao grupo infantil (< 12 anos), com
Lipoaspiração de até 300 ml, Ritidoplastia, Rinoplastia,
                                                                  11 (1,6%).
Blefaroplastia.
  Os dados foram compilados inicialmente em um                    TABELA 1 - Distribuição das consultas, segundo o mês
banco de dados criado no software Excel e, para                   do atendimento.

proceder à análise estatística, foi utilizada análise              Mês da consulta                   N              %
descritiva a partir de frequências absolutas e relativas e,        Janeiro                          58             8,7
                                                                   Fevereiro                        26             3,9
logo, apresentadas sob a forma de tabelas e figuras.               Março                            67              10
                                                                   Abril                            50             7,5
RESULTADOS                                                         Maio                             48             7,2
                                                                   Junho                            56             8,4
Consultas                                                          Julho                            65             9,7
                                                                   Agosto                           65             9,7
  Foram agendadas 1109 consultas durante o ano de                  Setembro                         65             9,7
2010, sendo 671 consultas             novas      (60,5%), 311      Outubro                          58             8,6
                                                                   Novembro                         65             9,5
reconsultas em 30 dias (28%) e 127 reconsultas em 60
                                                                   Dezembro                         48             7,1
dias (11,5%). A maior proporção dos agendamentos 541               Total                            671            100
________________________________________________________________________________________________
Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010                   47
Perfil dos atendimentos ambulatoriais...                                                                                    Alves EF

  Em relação à distribuição anual de consultas, é                        TABELA 3 - Distribuição dos procedimentos
                                                                         ambulatoriais registrados, segundo o local de residência
aproximadamente            homogênea,      apresentando,            no
                                                                         dos pacientes.
entanto, o mês de Março com maior procura, e com
                                                                          Local de residência                   N           %
diminuição destas nos meses de fevereiro e dezembro,
                                                                          Maringá                              134         65,4
época mais freqüente de férias (Tabela 1).
                                                                          Distritos                             3           1,5
  Na Tabela 2 percebe-se que, das consultas novas, as
                                                                          Região Metropolitana                  33         16,1
principais     queixas     tratadas    ambulatorialmente        são
                                                                          Outras localidades                    35          17
agrupadas, para fins de análise, em seis grupos: 1 -
                                                                          Total                                205         100
Afecções de pele e anexos (lipomas, nevus, neoplasias
benignas e malignas epiteliais, cicatrizes patológicas,                  Cirurgias
hemangiomas, queimaduras, lesões ulceradas); 2 -
                                                                           Foram registrados 205 procedimentos ambulatoriais
Mãos (cistos, CA, nevus); 3 - Região íntima (hipertrofia
                                                                         realizados no ano de 2010. Destes, 155 (75,6%) foram
de pequenos e grandes lábios, lipodistrofia pubiana); 4 -
                                                                         de pequeno porte e 50 (24,4%), de médio porte. Dos
Face e pescoço (Nariz - rinomegalia, desvio de septo,
                                                                         procedimentos     registrados,     houve    predomínio   de
giba óssea, fratura de ossos nasais; Cútis -                  rugas
                                                                         pacientes do gênero feminino 146 (71,2%), e 59 (28,8%)
frontais e periorbitais, bolsa palpebral, ptose palpebral,
                                                                         de homens. De acordo com o estado civil, houve
sulcos nasogenianos, flacidez de pescoço; Boca -
                                                                         predomínio dos pacientes casados com 102 (49,8%),
lábios finos; Orelhas -        fissura de lóbulo de orelha,
                                                                         deixando logo atrás os solteiros com 74 (36,1%).
conchamegalia; Mento -           queixo pequeno; e demais
                                                                           Na Tabela 3 pode-se perceber que, os pacientes
deformidades congênitas e adquiridas); 5 - Mamas
                                                                         apresentaram procedência ou origem, em sua maioria
(hipertrofia    mamária,      hipomastia,       ptose      mamaria,
                                                                         134 (65,4%), do município de Maringá, seguido de
assimetria      de      mamas,        areolar    e       mamilares,
                                                                         outras localidades do estado 35 (17%), além da própria
ginecomastia); 6 - Contorno corporal (lipodistrofia
                                                                         Região Metropolitana de Maringá com 33 (16,4%).
corporal,      flacidez,     deformidades        congênitas          e
                                                                           Para fins de análise, os distritos ligados à Maringá
adquiridas).
                                                                         são: Floriano e Iguatemi; a Região Metropolitana de
  Destes grupos, os que se destacaram foram as
                                                                         Maringá (RMM), desde fevereiro de 2010, é composta
queixas em região das mamas com 182 (27,1%) dos
                                                                         por 24 cidades: Atalaia, Bom Sucesso, Cambira, Floraí,
casos, seguido das afecções de pele e anexos 161
                                                                         Flórida, Jandaia do Sul, Lobato, Munhoz de Mello,
(24%).
                                                                         Ourizona, Presidente Castelo Branco, Santa Fé, São
                                                                         Jorge do Ivaí, Astorga, Ângulo, Doutor Camargo,
TABELA 2 - Distribuição das consultas atendidas por
Motivo (queixa principal), segundo o subgrupo                            Floresta,    Iguaraçu,   Itambé,   Ivatuba,   Mandaguaçu,
anatômico.                                                               Mandaguari, Marialva, Paiçandu e Sarandi.

Motivo (queixa principal)                            N        %            É interessante observar na Tabela 4 que, todas as
                                                                         cirurgias de médio porte foram realizadas nos primeiros
1 - Afecções de pele e anexos                        161      24
                                                                         meses do ano (Janeiro, Março e Abril). Nota-se também
2 - Região íntima                                    4        0,6
                                                                         que, dentre a distribuição anual de cirurgias de médio
3 - Face e pescoço                                   126     18,8
                                                                         porte, o mês de Março reuniu a maior parte delas
4 - Mamas                                            182     27,1
                                                                         (61,5%), bem como concentrou de forma absoluta
5 - Contorno corporal                                141      21
                                                                         (100%) apenas essa classificação cirúrgica.
6 - Múltiplas queixas                                57       8,5          Observam-se na Tabela 5 que, os mais frequentes
Total                                                671      100        procedimentos foram as exéreses e/ou raspagem de




________________________________________________________________________________________________
48                                           Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010
Perfil dos atendimentos ambulatoriais...                                                                                                           Alves EF

TABELA 4 - Distribuição dos procedimentos                                              TABELA 5 - Distribuição dos procedimentos
ambulatoriais registrados, segundo o mês e porte das                                   ambulatoriais registrados, segundo sua classificação.
cirurgias.
                                                                                       Classificação dos procedimentos                        N          %
                                Porte das cirurgias                                    Procedimentos não-cirúrgicos
                                                                        Total
  Mês da cirurgia              Pequeno                 Médio                           Infiltração de quelóide                                6         2,8

                               N           %       N       %        N       %          Aplicação de toxina botulínica                         14        6,6

 Janeiro                       16         9,6      5      12,8     21      10,3        Lipoenxertia em sulcos/depressões                      1         0,5

 Fevereiro                     14         8,4      -       -       14       6,9        Cirurgias reparadoras

 Março                          -          -       24     61,5     24      11,7        Exérese de deformidades congênitas/adquiridas          70       33,1

 Abril                          9         5,4      10     25,7     19       9,3        Extração de neoplasias benignas/malignas               22       10,4
                                                                                       Blefaroplastia (Ptose palpebral)                       3         1,4
 Maio                          10          6       -       -       10       4,9
                                                                                       Retoque de Cicatrizes/marcas                           10        4,7
 Junho                         15          9       -       -       15       7,3
                                                                                       Enxertos                                               8         3,8
 Julho                         22         13,3     -       -       22      10,7
                                                                                       Ginecomastias                                          4         1,9
 Agosto                        16         9,7      -       -       16       7,8
                                                                                       Cirurgias estéticas
 Setembro                      17         10,2     -       -       17       8,3
                                                                                       Mamoplastia de aumento                                 30       14,2
 Outubro                        9         5,4      -       -        9       4,3
                                                                                       Lipoaspiração                                          8         3,8
 Novembro                      23         13,9     -       -       23      11,2
                                                                                       Blefaroplastia                                         5         2,4
 Dezembro                      15         9,1      -       -       15       7,3
                                                                                       Rinoplastia                                            7         3,3
 Total                         166        100      39     100      205     100
                                                                                       Otoplastia                                             17        8,1
(–) sinal convencional utilizado: dado numérico igual a zero, não
resultante de resposta.                                                                Ninfoplastia                                           1         0,5
                                                                                       Mamopexia                                              1         0,5
afecções de pele e anexos 70 (33,1%); seguido das
                                                                                       Ritidoplastia                                          3         1,4
mastoplastias (mastoplastia de aumento, mamopexia,
                                                                                       Mentoplastia                                           1         0,5
ginecomastia) 35 (16,6%), além das otoplastias 17
                                                                                       Total                                                 211*       100
(8,1%).                                                                                *O resultado ultrapassa a marca dos 205 procedimentos realizados
                                                                                       devido a soma das cirurgias associadas às lipoaspirações e
  Interessante             ressaltar           o   grande          número         de   mentoplastia.
procedimentos faciais realizados (50). O principal
representante deste grupo foram os procedimentos de                                    cirúrgica estética está frequentemente associada ao
                                                                                                                              10,11,13
rejuvenescimento facial (ritidoplastia, blefaroplastia e                               padrão de beleza a ser seguido                    .
botox)     (25),          as   otoplastias         (17),       e   com     menor          Neste estudo, a média de idade dos pacientes,
participação das rinoplastias (7) e mentoplastia (1).                                  durante as consultas, foi de 37 anos, diferentemente de
                                                                                       outros estudos com perfil de atendimento semelhante
DISCUSSÃO                                                                              em que, os pacientes apresentaram uma média de
                                                                                                                          12,14
                                                                                       idade superior a 45 anos                   por representarem um
  Este estudo verificou que a maior parte dos pacientes
                                                                                       grupo de trabalhadores que desejavam restaurar a
agendados para consultas foi de mulheres. Isto
                                                                                       aparência física, pois esta reflete vigor e juventude. Isto
possivelmente              esteja     relacionado              a   uma      maior
                                                                                       sugere que a procura por cirurgias plásticas tem sido
insatisfação feminina em relação ao corpo que os
           10,11,12
                                                                                       realizada cada vez mais cedo, como pode ser reforçado
homens                ,    além      de         motivos        relacionados        à
                                     13
                                                                                       por outras pesquisas que indicam uma média etária
satisfação dos parceiros , que pode ser fortalecido pelo                                                                                           5,10,11,13
                                                                                       ainda mais jovem, compreendendo 32 a 35 anos                             .
fato da maioria das cirurgias serem realizadas por
                                                                                          As consultas particulares foram predominantes neste
mulheres casadas (49,8%). As mulheres são mais
                                                                                       estudo,         corroborando     com        dados     de      outras
influenciadas pela mídia a supervalorizar a beleza como                                              10,11
                                                                                       pesquisas             ; apesar de não caracterizados dados
forma de atração física. Desta forma, a intervenção

________________________________________________________________________________________________
Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010                   49
Perfil dos atendimentos ambulatoriais...                                                                                                  Alves EF

socioeconômicos, pode-se inferir, mediante perfil da                             (75,6%) e médio porte (24,4%), como observados neste
clientela da clínica privada que, possui alto nível                              estudo, diferentemente dos hospitais como sugerem as
educacional e socioeconômico. Deve ser considerado,                              demais pesquisas da área.
também, que os procedimentos de ordem estética são                                 Contudo, o número elevado de implantes mamários
caros,    necessitando,        na        maioria    das    vezes,      de        apresentado neste estudo, corrobora com a pesquisa
manutenção periódica, além de não serem cobertos                                 Datafolha/SBCP em 2007 e 2008, quando houve
                          12
pelos planos de saúde .                                                          registros destes procedimentos em grande proporção,
                                                                                                             1,10,11
  Neste estudo, as queixas dos pacientes foram                                   além de outros estudos                . Esses dados mostram a
predominantemente reparadoras, em 55,6% dos casos,                               realidade brasileira, na qual o ideal de corpo perfeito
seguidos das estéticas com 33,7%; estas últimas, vistas                          estabelecido pela sociedade e mídia tem levado as
                                    10                                                                                               10
na maioria dos estudos . Do total de cirurgias                                   mulheres a uma insatisfação crônica corporal .
realizadas na clínica, 187 (91,2%) pacientes realizaram                            Em suma, pareceu interessante descrever, neste
apenas um procedimento no momento da cirurgia, e 18                              estudo, os atendimentos ambulatoriais (consultas e
pacientes (8,8%), dois procedimentos associados. Este                            cirurgias), visto que na literatura não foram encontradas
último    representa     baixa           proporção        de     cirurgias       citações e nem mesmo análises com a mesma
associadas quando comparadas a um estudo feito em                                população.    Desta    maneira,           muitos   dos     dados
                                            11
dois hospitais de Santa Catarina , a qual encontrou um                           observados não permitem comparações consistentes
percentual de 22,6% de pacientes realizando-as, devido                           com a literatura da área.
motivo de maior praticidade, além de vantagens                                     A clínica em estudo é uma instituição que apresenta
econômicas.                                                                      condições para a viabilização de tais procedimentos,
  Quanto à procedência dos pacientes submetidos às                               considerando-se as inúmeras vantagens proporcionadas
cirurgias ambulatoriais, verificou-se que, a maioria                             pelos procedimentos ambulatoriais. Com base no
(65,4%) era do município de Maringá. Outro dado                                  exposto, e segundo as características relacionadas aos
interessante encontrado é que, tanto na análise das                              procedimentos de intervenção plástica ambulatorial,
consultas quanto das cirurgias, o mês de Março                                   embora a maioria dos procedimentos cirúrgicos foi por
concentrou a maior parte dos casos. Estes resultados                             exéreses de deformidades congênitas e/ou adquiridas,
não foram comparados, visto que não há pesquisas,                                não se distancia grandemente da realidade encontrada
contemplando metodologia e população semelhante,                                 no restante do Brasil, visto que há predomínio de
que      possam    ser   utilizadas          para    tal       discussão,        mulheres jovens e grande número de implantes
apresentando-se como uma limitação do estudo.                                    mamários.
  Apesar das consultas serem motivadas, em sua                                     Cada vez mais, a possibilidade de realização de
maioria, (27,1%) por queixas em região das mamas                                 procedimentos em nível de cirurgias plásticas, em
(hipomastia, assimetria, ptose mamária), conforme                                esfera ambulatorial, é uma realidade que contribui para
                                                      10,11
dados semelhantes em outras pesquisas                          , o tipo de       a alteração mínima na rotina do paciente e da família e
procedimento que prevaleceu neste estudo foi a exérese                           para a redução do risco de infecção hospitalar. Além
de deformidades congênitas/adquiridas (33,1%), em                                disso, os custos do procedimento realizado em regime
                                                                     14,15
consonância com dados de outras pesquisas                                    .   ambulatorial são inferiores aos do de regime hospitalar.
Contudo, a maioria dos estudos encontrados na                                    Frente aos resultados observados, conclui-se que a
literatura indica a lipoaspiração como o procedimento                            cirurgia plástica ambulatorial tem sido considerada um
                           8,12
cirúrgico mais realizado          . Isso provavelmente se deve                   excelente meio para melhorar a auto-estima e a auto-
ao perfil da clínica (Unidade Ambulatorial tipo II), local                       imagem, desde que essa percepção corporal não esteja
onde se realizam apenas procedimentos de pequeno                                 distorcida internamente.




________________________________________________________________________________________________
50                                           Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010
Perfil dos atendimentos ambulatoriais...                                                                                  Alves EF

REFERENCIAS

1.   Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica [online]. São       11. Dutra CC, Trevisol DJ. Perfil das Cirurgias Plásticas
     Paulo; 2009. [capturado 2011 Jan 23]. Disponível em:              Realizadas no Hospital Socimed e no Hospital Nossa
     http://www2.cirurgiaplastica.org.br/.                             Senhora da Conceição de Tubarão – SC. In: 4ª Jornada
                                                                       Unisul de Iniciação Científica, 4º Seminário de pesquisa;
2.   Poli Neto P, Caponi SNC. A medicalização da beleza.               2009 Out 29; Tubarão, SC. Tubarão: UNISUL; 2009.
     Interface 2007 set/dez; 11(23):569-84.
                                                                   12. Auricchio AM, Massarollo MCKB. Procedimentos
3.   American Society of Plastic Surgeons [online]. Nova York;         estéticos: percepção do cliente quanto ao esclarecimento
     2005. [capturado 2010 Ago 8]. Disponível em:                      para a tomada de decisão. Rev Esc Enferm USP 2007;
     http://www.plasticsurgery.org.                                    41(1):13-20.
4.   Ferreira MC. Cirurgia Plástica Estética: avaliação dos        13. Tournieux TT, Aguiar LFS, Almeida MWR, Prado LFAM,
     resultados. Rev Bras Cir Plást. [periódico online]. 2000          Radwanski HN, Pitanguy I. Estudo prospectivo da
     jan/abr [capturado 2011 Jan 31]; 15(1):55-66. Disponível          avaliação da qualidade de vida e aspectos psicossociais
     em: http://www.rbcp.org.br/detalhe_artigo.asp?id=201.             em cirurgia plástica estética. Rev Bras Cir Plást. [periódico
5.   Techy AM, Sakae TM, Bianchini N. Perfil das cirurgias             online]. 2009; [capturado 2011 Jan. 31]; 24(3):357-61.
     ambulatoriais realizadas em hospital no sul do estado de          Disponível                                               em:
     Santa Catarina. Arqu Catarin Med. 2008; 37(3):52-57.              http://www.rbcp.org.br/detalhe_artigo.asp?id=505.
6.   Beretta EM. Cirurgia plástica ambulatorial. Rev Bras Cir      14. Busch RO, Nahas FX, Mendes JA, Farah AB, Amoras Jr
     Plast. [periódico online]. 2001 set/dez [capturado 2011 Jan       WW, Houmsi CCE, et al. Compreensão pré-operatória dos
     31];           16(3):71-4.           Disponível         em:       pacientes sobre cicatrizes resultantes de cirurgia plástica
     http://www.rbcp.org.br/detalhe_artigo.asp?id=368.                 ambulatorial. Rev Bras Cir Plást. [periódico online]. 2010
7.   Souza JAG, Silva AD. Cirurgia Ambulatorial. Clinica Bras          [capturado 2011 Jan 31]; 25(1):[1 tela]. Disponível em:
     Cir. 1999; 5(1):133-42.                                           http://www.rbcp.org.br/detalhe_artigo.asp?id=702.
8.   Datafolha. Instituto de Pesquisa. Cirurgia Plástica no        15. Morais RLSL, Guislandi C, Santamaría JR, Serafini SZ,
     Brasil, 2007/2008 [online]. São Paulo; 2009. [capturado           Mulinari-Brenner    F.   Dermatologia   clínico-cirúrgica:
     2011         Jan         31].         Disponível    em:           avaliação da mudança no perfil dos procedimentos de um
     http://www2.cirurgiaplastica.org.br/.                             serviço de residência médica no Paraná-BR. Surg Cosmet
                                                                       Dermatol. 2010; 2(2):105-10.
9.   Santos JS, Sankarankutty AK, Salgado Jr W, Kemp R,
     Leonel EP, Silva Jr OC. Cirurgia ambulatorial: do conceito
     à organização de serviços e seus resultados. Medicina               Endereço para correspondência:
     2008; 41(3):274-86.
                                                                         Everton Fernando Alves
10. Fortunato MS, Trevisol DJ. Grau de satisfação de                     Rua Rio Paranapanema 779
    pacientes submetidos a cirurgias plásticas no Hospital               Maringá/Paraná - CEP: 87043-150
    Socimed e no Hospital Nossa Senhora da Conceição de                  Telefone: +55 44 88066686
    Tubarão – SC. In: 4ª Jornada Unisul de Iniciação                     E-mail: evertonando@hotmail.com
    Científica, 4º Seminário de pesquisa; 2009 Out 29;
    Tubarão, SC. Tubarão: UNISUL; 2009.




________________________________________________________________________________________________
Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010                   51

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

96020392 anamnese-examefisico-cap-01
96020392 anamnese-examefisico-cap-0196020392 anamnese-examefisico-cap-01
96020392 anamnese-examefisico-cap-01
Klíscia Rosa
 
Análise de custo minimização do curativo com hidrogel e papaína em clientes c...
Análise de custo minimização do curativo com hidrogel e papaína em clientes c...Análise de custo minimização do curativo com hidrogel e papaína em clientes c...
Análise de custo minimização do curativo com hidrogel e papaína em clientes c...
Thaisttp
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
danilo oliveira
 
diagnóstico e intervenção de enfermagem
diagnóstico e intervenção de enfermagemdiagnóstico e intervenção de enfermagem
diagnóstico e intervenção de enfermagem
Criadouro Adriano Lima
 
Qualidade em saúde
Qualidade em saúdeQualidade em saúde
Qualidade em saúde
UPA Fortaleza
 
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaNormas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
JlioAlmeida21
 
Artigo
ArtigoArtigo
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
Guilherme Barcellos
 
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose HepáticaProcesso de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
cuidadoaoadulto
 
Tratamento endodontico
Tratamento endodonticoTratamento endodontico
Tratamento endodontico
Willams Alfaia
 
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomiasDiagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
resenfe2013
 
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Guilherme Barcellos
 
Avaliação Fisioterapêutica na Unidade de Terapia Intensiva Uma Revisão Biblio...
Avaliação Fisioterapêutica na Unidade de Terapia Intensiva Uma Revisão Biblio...Avaliação Fisioterapêutica na Unidade de Terapia Intensiva Uma Revisão Biblio...
Avaliação Fisioterapêutica na Unidade de Terapia Intensiva Uma Revisão Biblio...
Luana Cabral
 
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
JlioAlmeida21
 
Medir o dano
Medir o danoMedir o dano
Medir o dano
Proqualis
 
Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710
InformaGroup
 
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Proqualis
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
resenfe2013
 
Sae
SaeSae
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...
PROIDDBahiana
 

Mais procurados (20)

96020392 anamnese-examefisico-cap-01
96020392 anamnese-examefisico-cap-0196020392 anamnese-examefisico-cap-01
96020392 anamnese-examefisico-cap-01
 
Análise de custo minimização do curativo com hidrogel e papaína em clientes c...
Análise de custo minimização do curativo com hidrogel e papaína em clientes c...Análise de custo minimização do curativo com hidrogel e papaína em clientes c...
Análise de custo minimização do curativo com hidrogel e papaína em clientes c...
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 
diagnóstico e intervenção de enfermagem
diagnóstico e intervenção de enfermagemdiagnóstico e intervenção de enfermagem
diagnóstico e intervenção de enfermagem
 
Qualidade em saúde
Qualidade em saúdeQualidade em saúde
Qualidade em saúde
 
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaNormas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
 
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose HepáticaProcesso de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
 
Tratamento endodontico
Tratamento endodonticoTratamento endodontico
Tratamento endodontico
 
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomiasDiagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
 
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
 
Avaliação Fisioterapêutica na Unidade de Terapia Intensiva Uma Revisão Biblio...
Avaliação Fisioterapêutica na Unidade de Terapia Intensiva Uma Revisão Biblio...Avaliação Fisioterapêutica na Unidade de Terapia Intensiva Uma Revisão Biblio...
Avaliação Fisioterapêutica na Unidade de Terapia Intensiva Uma Revisão Biblio...
 
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
 
Medir o dano
Medir o danoMedir o dano
Medir o dano
 
Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710
 
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...
 

Destaque

Power Failure: the Queer Ethics of Rhetoric
Power Failure: the Queer Ethics of RhetoricPower Failure: the Queer Ethics of Rhetoric
Power Failure: the Queer Ethics of Rhetoric
Kendall at UT Austin
 
11046 guia practica energia 3 ed.rev y actualizada a2011
11046 guia practica energia 3 ed.rev y actualizada a201111046 guia practica energia 3 ed.rev y actualizada a2011
11046 guia practica energia 3 ed.rev y actualizada a2011
SATE VIPAL CANALS
 
Convivencia 061
Convivencia 061Convivencia 061
Convivencia 061
Susana Vila
 
Violencia
ViolenciaViolencia
Violencia
DEisy Gauto
 
Creative commons
Creative commonsCreative commons
Creative commons
montroyal
 
Convivencia 061
Convivencia 061Convivencia 061
Convivencia 061
Susana Vila
 
3 e1773 b700-b1600-powerplus-manual---ed-5
3 e1773 b700-b1600-powerplus-manual---ed-53 e1773 b700-b1600-powerplus-manual---ed-5
3 e1773 b700-b1600-powerplus-manual---ed-5Loc Tran
 
Has Aula01
Has Aula01Has Aula01
Has Aula01
macaeh
 
Disciplina de cirurgia
Disciplina de cirurgiaDisciplina de cirurgia
Disciplina de cirurgia
Antonio Weston
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
Rene Junior
 
Doença diverticular
Doença diverticularDoença diverticular
Doença diverticular
Miguel Koury Filho
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
César Müller
 
Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica
profguilhermeterra
 
Guia de nutricao
Guia de nutricaoGuia de nutricao
Guia de nutricao
Elias Maman
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisPrincípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
profguilhermeterra
 
Implantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia seguraImplantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia segura
cmecc
 
Enseñanza de lenguas y tic
Enseñanza de lenguas y ticEnseñanza de lenguas y tic
Enseñanza de lenguas y tic
bnhizkuntzak
 
Cirurgia Ambulatorial
Cirurgia AmbulatorialCirurgia Ambulatorial
Cirurgia Ambulatorial
GracieleSonobe1
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Raniery Penha
 

Destaque (19)

Power Failure: the Queer Ethics of Rhetoric
Power Failure: the Queer Ethics of RhetoricPower Failure: the Queer Ethics of Rhetoric
Power Failure: the Queer Ethics of Rhetoric
 
11046 guia practica energia 3 ed.rev y actualizada a2011
11046 guia practica energia 3 ed.rev y actualizada a201111046 guia practica energia 3 ed.rev y actualizada a2011
11046 guia practica energia 3 ed.rev y actualizada a2011
 
Convivencia 061
Convivencia 061Convivencia 061
Convivencia 061
 
Violencia
ViolenciaViolencia
Violencia
 
Creative commons
Creative commonsCreative commons
Creative commons
 
Convivencia 061
Convivencia 061Convivencia 061
Convivencia 061
 
3 e1773 b700-b1600-powerplus-manual---ed-5
3 e1773 b700-b1600-powerplus-manual---ed-53 e1773 b700-b1600-powerplus-manual---ed-5
3 e1773 b700-b1600-powerplus-manual---ed-5
 
Has Aula01
Has Aula01Has Aula01
Has Aula01
 
Disciplina de cirurgia
Disciplina de cirurgiaDisciplina de cirurgia
Disciplina de cirurgia
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
 
Doença diverticular
Doença diverticularDoença diverticular
Doença diverticular
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
 
Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica
 
Guia de nutricao
Guia de nutricaoGuia de nutricao
Guia de nutricao
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisPrincípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
 
Implantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia seguraImplantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia segura
 
Enseñanza de lenguas y tic
Enseñanza de lenguas y ticEnseñanza de lenguas y tic
Enseñanza de lenguas y tic
 
Cirurgia Ambulatorial
Cirurgia AmbulatorialCirurgia Ambulatorial
Cirurgia Ambulatorial
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
 

Semelhante a Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia plástica

Fichas Clínicas.pdf
Fichas Clínicas.pdfFichas Clínicas.pdf
Fichas Clínicas.pdf
Brunno Rosique
 
Como escolher o seu cirurgião plástico
Como escolher o seu cirurgião plásticoComo escolher o seu cirurgião plástico
Como escolher o seu cirurgião plástico
Dr. Daniel Borges
 
Anais - VII Enenge
Anais - VII EnengeAnais - VII Enenge
Anais - VII Enenge
Sobragen
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
Expansão Eventos
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
Sobragen
 
3447-7631-1-PB.pdf
3447-7631-1-PB.pdf3447-7631-1-PB.pdf
3447-7631-1-PB.pdf
Fernandananda62
 
Artigos cme
Artigos cmeArtigos cme
Adequaçao do Internamento num Serviço de Medicina INterna Utilizando o AEP. A...
Adequaçao do Internamento num Serviço de Medicina INterna Utilizando o AEP. A...Adequaçao do Internamento num Serviço de Medicina INterna Utilizando o AEP. A...
Adequaçao do Internamento num Serviço de Medicina INterna Utilizando o AEP. A...
Javier Rodriguez-Vera
 
Aep 2004 portugal
Aep 2004 portugalAep 2004 portugal
Aep 2004 portugal
Javier Rodriguez-Vera
 
V seminário internacional em promoção da saúd1
V seminário internacional em promoção da saúd1V seminário internacional em promoção da saúd1
V seminário internacional em promoção da saúd1
Vilma Pereira da Silva
 
Medicina diagnóstica aprende_a_reciclar_exames
Medicina diagnóstica aprende_a_reciclar_examesMedicina diagnóstica aprende_a_reciclar_exames
Medicina diagnóstica aprende_a_reciclar_exames
Ministério da Saúde
 
Medicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos GilMedicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos Gil
Oncoguia
 
Galvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdfGalvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdf
JoilaneAlvesPereiraF
 
04 sobecc v19n1
04 sobecc v19n104 sobecc v19n1
04 sobecc v19n1
doriene
 
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Cláudio Cordovil
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Cláudio Cordovil7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Cláudio Cordovil
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Cláudio Cordovil
Oncoguia
 
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Alessandra Floriano Amaro
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptxDiagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
JessiellyGuimares
 
Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28
kratos8
 
O exame anatomopatológico de rotina indispensável em cirurgias orificiais 2010
 O exame anatomopatológico de rotina indispensável em cirurgias orificiais 2010 O exame anatomopatológico de rotina indispensável em cirurgias orificiais 2010
O exame anatomopatológico de rotina indispensável em cirurgias orificiais 2010
José Antonio Paniagua
 

Semelhante a Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia plástica (20)

Fichas Clínicas.pdf
Fichas Clínicas.pdfFichas Clínicas.pdf
Fichas Clínicas.pdf
 
Como escolher o seu cirurgião plástico
Como escolher o seu cirurgião plásticoComo escolher o seu cirurgião plástico
Como escolher o seu cirurgião plástico
 
Anais - VII Enenge
Anais - VII EnengeAnais - VII Enenge
Anais - VII Enenge
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
 
3447-7631-1-PB.pdf
3447-7631-1-PB.pdf3447-7631-1-PB.pdf
3447-7631-1-PB.pdf
 
Artigos cme
Artigos cmeArtigos cme
Artigos cme
 
Adequaçao do Internamento num Serviço de Medicina INterna Utilizando o AEP. A...
Adequaçao do Internamento num Serviço de Medicina INterna Utilizando o AEP. A...Adequaçao do Internamento num Serviço de Medicina INterna Utilizando o AEP. A...
Adequaçao do Internamento num Serviço de Medicina INterna Utilizando o AEP. A...
 
Aep 2004 portugal
Aep 2004 portugalAep 2004 portugal
Aep 2004 portugal
 
V seminário internacional em promoção da saúd1
V seminário internacional em promoção da saúd1V seminário internacional em promoção da saúd1
V seminário internacional em promoção da saúd1
 
Medicina diagnóstica aprende_a_reciclar_exames
Medicina diagnóstica aprende_a_reciclar_examesMedicina diagnóstica aprende_a_reciclar_exames
Medicina diagnóstica aprende_a_reciclar_exames
 
Medicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos GilMedicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos Gil
 
Galvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdfGalvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdf
 
04 sobecc v19n1
04 sobecc v19n104 sobecc v19n1
04 sobecc v19n1
 
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Cláudio Cordovil
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Cláudio Cordovil7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Cláudio Cordovil
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Cláudio Cordovil
 
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptxDiagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
 
Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28
 
O exame anatomopatológico de rotina indispensável em cirurgias orificiais 2010
 O exame anatomopatológico de rotina indispensável em cirurgias orificiais 2010 O exame anatomopatológico de rotina indispensável em cirurgias orificiais 2010
O exame anatomopatológico de rotina indispensável em cirurgias orificiais 2010
 

Mais de Universidade Estadual de Maringá

Estudo de associação entre os polimorfismos de um único nucleotídeo em genes ...
Estudo de associação entre os polimorfismos de um único nucleotídeo em genes ...Estudo de associação entre os polimorfismos de um único nucleotídeo em genes ...
Estudo de associação entre os polimorfismos de um único nucleotídeo em genes ...
Universidade Estadual de Maringá
 
Características sociodemográficas e aspectos clínicos de pacientes com doença...
Características sociodemográficas e aspectos clínicos de pacientes com doença...Características sociodemográficas e aspectos clínicos de pacientes com doença...
Características sociodemográficas e aspectos clínicos de pacientes com doença...
Universidade Estadual de Maringá
 
Doença renal policística autossômica dominante em pacientes em hemodiálise no...
Doença renal policística autossômica dominante em pacientes em hemodiálise no...Doença renal policística autossômica dominante em pacientes em hemodiálise no...
Doença renal policística autossômica dominante em pacientes em hemodiálise no...
Universidade Estadual de Maringá
 
O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...
O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...
O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...
Universidade Estadual de Maringá
 
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensivaO cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
Universidade Estadual de Maringá
 
Qualidade de vida do cuidador de enfermagem e sua relação com o cuidar
Qualidade de vida do cuidador de enfermagem e sua relação com o cuidarQualidade de vida do cuidador de enfermagem e sua relação com o cuidar
Qualidade de vida do cuidador de enfermagem e sua relação com o cuidar
Universidade Estadual de Maringá
 
A orientação homossexual e as investigações acerca da existência de component...
A orientação homossexual e as investigações acerca da existência de component...A orientação homossexual e as investigações acerca da existência de component...
A orientação homossexual e as investigações acerca da existência de component...
Universidade Estadual de Maringá
 
Perfil dos acidentes de trabalho no Brasil, 2004 2007
Perfil dos acidentes de trabalho no Brasil, 2004 2007Perfil dos acidentes de trabalho no Brasil, 2004 2007
Perfil dos acidentes de trabalho no Brasil, 2004 2007
Universidade Estadual de Maringá
 
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
Universidade Estadual de Maringá
 
Características demográficas e ocupacionais do estudante-trabalhador de enfer...
Características demográficas e ocupacionais do estudante-trabalhador de enfer...Características demográficas e ocupacionais do estudante-trabalhador de enfer...
Características demográficas e ocupacionais do estudante-trabalhador de enfer...
Universidade Estadual de Maringá
 
Qualidade de vida de estudantes de enfermagem de uma faculdade privada
Qualidade de vida de estudantes de enfermagem de uma faculdade privadaQualidade de vida de estudantes de enfermagem de uma faculdade privada
Qualidade de vida de estudantes de enfermagem de uma faculdade privada
Universidade Estadual de Maringá
 
Qualidade de vida: considerações sobre os indicadores e instrumentos de medida
Qualidade de vida: considerações sobre os indicadores e instrumentos de medidaQualidade de vida: considerações sobre os indicadores e instrumentos de medida
Qualidade de vida: considerações sobre os indicadores e instrumentos de medida
Universidade Estadual de Maringá
 
Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vidaAnálise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
Universidade Estadual de Maringá
 
Estilo de vida de estudantes de graduação em enfermagem de uma instituição do...
Estilo de vida de estudantes de graduação em enfermagem de uma instituição do...Estilo de vida de estudantes de graduação em enfermagem de uma instituição do...
Estilo de vida de estudantes de graduação em enfermagem de uma instituição do...
Universidade Estadual de Maringá
 
Mortalidade materna no paraná: o que mostra a produção científica nos últimos...
Mortalidade materna no paraná: o que mostra a produção científica nos últimos...Mortalidade materna no paraná: o que mostra a produção científica nos últimos...
Mortalidade materna no paraná: o que mostra a produção científica nos últimos...
Universidade Estadual de Maringá
 

Mais de Universidade Estadual de Maringá (15)

Estudo de associação entre os polimorfismos de um único nucleotídeo em genes ...
Estudo de associação entre os polimorfismos de um único nucleotídeo em genes ...Estudo de associação entre os polimorfismos de um único nucleotídeo em genes ...
Estudo de associação entre os polimorfismos de um único nucleotídeo em genes ...
 
Características sociodemográficas e aspectos clínicos de pacientes com doença...
Características sociodemográficas e aspectos clínicos de pacientes com doença...Características sociodemográficas e aspectos clínicos de pacientes com doença...
Características sociodemográficas e aspectos clínicos de pacientes com doença...
 
Doença renal policística autossômica dominante em pacientes em hemodiálise no...
Doença renal policística autossômica dominante em pacientes em hemodiálise no...Doença renal policística autossômica dominante em pacientes em hemodiálise no...
Doença renal policística autossômica dominante em pacientes em hemodiálise no...
 
O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...
O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...
O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...
 
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensivaO cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
 
Qualidade de vida do cuidador de enfermagem e sua relação com o cuidar
Qualidade de vida do cuidador de enfermagem e sua relação com o cuidarQualidade de vida do cuidador de enfermagem e sua relação com o cuidar
Qualidade de vida do cuidador de enfermagem e sua relação com o cuidar
 
A orientação homossexual e as investigações acerca da existência de component...
A orientação homossexual e as investigações acerca da existência de component...A orientação homossexual e as investigações acerca da existência de component...
A orientação homossexual e as investigações acerca da existência de component...
 
Perfil dos acidentes de trabalho no Brasil, 2004 2007
Perfil dos acidentes de trabalho no Brasil, 2004 2007Perfil dos acidentes de trabalho no Brasil, 2004 2007
Perfil dos acidentes de trabalho no Brasil, 2004 2007
 
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
Características dos acidentes de trânsito com vítimas de atropelamento no mun...
 
Características demográficas e ocupacionais do estudante-trabalhador de enfer...
Características demográficas e ocupacionais do estudante-trabalhador de enfer...Características demográficas e ocupacionais do estudante-trabalhador de enfer...
Características demográficas e ocupacionais do estudante-trabalhador de enfer...
 
Qualidade de vida de estudantes de enfermagem de uma faculdade privada
Qualidade de vida de estudantes de enfermagem de uma faculdade privadaQualidade de vida de estudantes de enfermagem de uma faculdade privada
Qualidade de vida de estudantes de enfermagem de uma faculdade privada
 
Qualidade de vida: considerações sobre os indicadores e instrumentos de medida
Qualidade de vida: considerações sobre os indicadores e instrumentos de medidaQualidade de vida: considerações sobre os indicadores e instrumentos de medida
Qualidade de vida: considerações sobre os indicadores e instrumentos de medida
 
Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vidaAnálise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
Análise da produção bibliográfica sobre qualidade de vida
 
Estilo de vida de estudantes de graduação em enfermagem de uma instituição do...
Estilo de vida de estudantes de graduação em enfermagem de uma instituição do...Estilo de vida de estudantes de graduação em enfermagem de uma instituição do...
Estilo de vida de estudantes de graduação em enfermagem de uma instituição do...
 
Mortalidade materna no paraná: o que mostra a produção científica nos últimos...
Mortalidade materna no paraná: o que mostra a produção científica nos últimos...Mortalidade materna no paraná: o que mostra a produção científica nos últimos...
Mortalidade materna no paraná: o que mostra a produção científica nos últimos...
 

Último

Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 

Último (8)

Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 

Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia plástica

  • 1. ARTIGO ORIGINAL Perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia plástica no sul do Brasil Outpatient service profile in a plastic surgery clinic in Southern Brazil Everton Fernando Alves1 RESUMO Objetivo: Descrever o perfil dos atendimentos ambulatoriais realizados em uma clínica de cirurgia plástica no sul do Brasil. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo descritivo, exploratório e de caráter quantitativo com o intuito de analisar a totalidade de atendimentos ambulatoriais (consultas e cirurgias) realizadas em uma clínica privada de cirurgia plástica no período de 01 de janeiro a 31 de dezembro de 2010. Resultados: Observou-se que, das 671 (60,5%) consultas novas, apenas 205 (18,5%) cirurgias foram realizadas. Março foi o mês com mais consultas (10%) e cirurgias (11,7%). Do total de consultas novas, as reparadoras foram predominantes em 55,6% dos casos seguidos das estéticas com 33,7%. A média etária foi de 37 anos e com predomínio de mulheres. A idade variou de 8 meses a 89 anos. Os pacientes casados representaram a maioria das cirurgias (49,8%); houve predomínio de pacientes na fase adulta (31 a 59 anos) com 316 pacientes (47,1%). A Unimed foi o convênio mais atendido (49,3%) nas consultas; os procedimentos cirúrgicos mais frequentes foram as exéreses e/ou raspagem de afecções de pele e anexos 70 (33,1%), seguido das mastoplastias (mastoplastia de aumento, mamopexia, ginecomastia). Conclusão: Apesar da maioria dos atendimentos cirúrgicos terem sido exéreses de deformidades congênitas e/ou adquiridas, o resultado não se distancia da realidade encontrada no restante do Brasil, com predomínio de mulheres e grande número de implantes mamários. A clínica em estudo é uma instituição que apresenta condições para a viabilização de atendimentos ambulatoriais, considerando-se as inúmeras vantagens proporcionadas por este método. Palavras-chave: cirurgia plástica; cirurgia ambulatorial; cirurgia estética; procedimentos cirúrgicos. __________________________________________________________________________________________ ABSTRACT Objective: To describe the outpatient service profile in a plastic surgery clinic in southern Brazil. Materials and Methods: It was conducted a descriptive, exploratory and quantitative study in order to analyze the total outpatient service (consultations and surgeries) performed in a private plastic surgery clinic in the period from January 1th to December 31th of 2010. Results: It was observed that from 671 (60,5%) new consultations, only 205 (18,5%) surgeries were performed. March was the month with the highest number of consultations (10%) and surgeries (11,7%). Of the total of new consultations, the reparative ones were prevalent in 55,6% of the cases, followed by the esthetic with 33,7%. The average age was 37 years and the women were predominant. The ages ranged from 8 months to 89 years. The married patients represented the majority of surgeries (49,8%)and there was a predominance of adult patients (31-59 years) with 316 patients (47,1%). Unimed was the health insurance plan more used (49,3%) in the consultations; the most frequent surgical procedures were excisions and/or scraping of skin disorders and attachment 70 (33,1%), followed by mammoplasty (augmentation mammoplasty, mastopexy, gynecomastia). Conclusion: Although most of the surgical service were exeresis of congenital deformities and/or acquired, the result is not far from the reality found in the rest of Brazil, with a predominance of women and large number of breast implants. The studied clinic is an institution that provides conditions for the feasibility of outpatient care, considering the numerous advantages offered by this method. Keywords: plastic surgery; ambulatory surgery; esthetic surgery; surgical procedures. ¹Enfermeiro. Especialista em Saúde do Trabalhador pela Universidade Estadual do Norte do Paraná. ________________________________________________________________________________________________ Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010 45
  • 2. Perfil dos atendimentos ambulatoriais... Alves EF INTRODUÇÃO Nos últimos anos houve um aumento em massa na os pacientes quanto para o profissional que as realizam procura por cirurgias plásticas, tanto em procedimentos como custo-benefício, segurança e qualidade do estéticos quanto reparadores. Segundo dados da serviço. É uma experiência na prática cirúrgica com Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), a tendência de amplo crescimento porque não depende média é de 629 mil cirurgias/ ano, tornando o Brasil o de novas tecnologias para sua implantação, mas, terceiro país do mundo em número de cirurgias apenas, transformações e adaptações por parte dos 1,2 plásticas, atrás apenas dos EUA e do México . profissionais e dos serviços de saúde para prover A cirurgia plástica tem por objetivo a reconstituição de condições de bem-estar aos pacientes. uma parte do corpo por meio de duas Considerando a importância desta prática, resolveu- subespecialidades: estéticas ou reparadoras. Neste se desenvolver um estudo para descrever o perfil dos trabalho, usaremos definições dadas pela American atendimentos ambulatoriais realizados no ano de 2010 Society for Plastic Surgeons (ASPS) para efeito de em uma clínica de cirurgia plástica no sul do Brasil. cobertura de seguro saúde, aprovadas pela American 3 Medical Association em 1989 . MATERIAIS E MÉTODOS Segundo a ASPS, a cirurgia plástica estética “é Trata-se de um estudo descritivo, exploratório, com realizada para dar uma nova forma a estruturas normais abordagem quantitativa, conduzido a partir de dados do corpo, com o objetivo de melhorar a aparência do secundários. O material utilizado para a análise dos paciente e sua auto-estima”. Enquanto, a cirurgia dados foi a totalidade de atendimentos ambulatoriais plástica reparadora visa corrigir lesões deformantes, (consultas e cirurgias) agendados em uma clínica defeitos congênitos e/ou adquiridos. Porém, ambas privada de cirurgia plástica no sul do Brasil, no período estão muito próximas devido apresentarem técnicas de 01 de janeiro a 31 de dezembro de 2010. O banco de 2,4 semelhantes . dados para a coleta, análise e desenvolvimento do Contudo, a subespecialização tem se tornado uma estudo foi o registro dos atendimentos (consultas e ferramenta importante de gestão no cenário atual. A cirurgias) do sistema eletrônico da clínica privada. Os simplificação de procedimentos cirúrgicos com o dados foram coletados por meio de um protocolo objetivo de diminuir custos e redução do risco de elaborado pelo próprio autor. O acesso ao banco de infecções, sem desconsiderar, contudo, os princípios dados foi permitido após a declaração de ciência e básicos de segurança ao paciente, têm levado os concordância do médico e proprietário da instituição. cirurgiões plásticos à prática constante de As variáveis analisadas para estudo das consultas 5 procedimentos ambulatoriais em clínicas privadas . foram: Consulta Nova; Reconsulta em 30 dias; Retorno A cirurgia plástica ambulatorial, regulamentada pelas por reconsulta em 60 dias; Sexo; Idade; Mês da portarias do Conselho Federal de Medicina, pode ser consulta e Motivo (queixa principal). Para fins de definida como o ramo da cirurgia que objetiva reparar análise, considerou-se: “Consulta Nova” - paciente que deformidades congênitas e/ou adquiridas bem como as passou em consulta pela primeira vez ou que já desarmonias de ordem estética, por meio de freqüentava a clínica, mas pretendeu algum tipo de intervenções cirúrgicas, em ambulatório. Pode ser procedimento do qual ainda não havia se submetido dividida em grande cirurgia ambulatorial, realizada em anteriormente; “Reconsulta em 30 dias” – o período em pacientes que não necessitam de internação, sob que o paciente volta para avaliação clínica nos primeiros qualquer tipo de anestesia, com alta no mesmo dia; e 30 dias após o procedimento cirúrgico; “Reconsulta em pequena cirurgia ambulatorial, realizada sob anestesia 60 dias” – período em que paciente retorna para 6,7 local, com alta imediata do paciente . avaliação geral do procedimento em um prazo de 60 Os atendimentos ambulatoriais, especificamente, as dias. cirurgias, proporcionam inúmeras vantagens tanto para ________________________________________________________________________________________________ 46 Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010
  • 3. Perfil dos atendimentos ambulatoriais... Alves EF Para fins de análise, foi utilizada a classificação etária de pacientes submetidos à cirurgia plástica segundo 8 pesquisa Datafolha, encomendada pela SBCP . Foram reunidas as faixas etárias e organizadas de acordo com as fases de crescimento para melhor apresentação dos dados: infância (< 12 anos), adolescência (13 a 18 anos), adulto jovem (19 a 30 anos), adulto (31 a 59 anos) e idoso (> 60 anos). As variáveis selecionadas para análise das cirurgias foram: porte das cirurgias; sexo; estado civil; local de residência do paciente; mês da cirurgia; classificação dos procedimentos. Foram excluídas da pesquisa as cirurgias de grande porte (Lipoaspirações/ Lipoescultura [sucção acima de 300 ml], Mastoplastia redutora, FIGURA 1 – Distribuição das consultas, segundo a faixa etária Abdominoplastias/Dermolipectomia). O motivo se deu dos pacientes (n= 671). por serem estas cirurgias de maiores riscos, sendo realizadas em hospitais e não na clínica pesquisada. (80,7%) foi por pacientes do gênero feminino, e 120 Para efeito de análise, a clínica em estudo foi (19,4%) do masculino. categorizada como uma unidade ambulatorial tipo II, a A média de idade dos pacientes consultados foi de 37 qual confere a possibilidade de executar cirurgias (± 16). A idade variou de 8 meses a 89 anos. Em plásticas a partir das seguintes classificações: pequeno 9 relação à cobertura das consultas tem-se que, os porte e de médio porte . As cirurgias ambulatoriais de particulares foram a maioria 345 (51,4%), seguidos do pequeno porte incluíram: Biópsia, Raspagem, Aplicação plano de saúde da Santa Casa com 158 (23,5%) e PAM de toxina botulínica, Infiltração de quelóide, Exérese com 96 (14,3%). com sutura (retirada de lesão cutânea benigna ou não, Na Figura 1 é apresentada a distribuição das faixas através de excisão com bisturi e fechamento primário ou etárias dos pacientes consultados. Houve predomínio de com reconstrução por retalho), Enxertos de até 150 ml, pacientes na fase adulta (31 a 59 anos), com 316 Otoplastia, Ginecomastia, Ninfoplastia e Cirurgias pacientes (47,1%), seguido do grupo adulto jovem (19 a corretivas. As cirurgias ambulatoriais de médio porte 30 anos), com 239 (35,6%). A menor proporção dos incluíram: Mamoplastia de aumento, Mamopexia, pacientes pertenceu ao grupo infantil (< 12 anos), com Lipoaspiração de até 300 ml, Ritidoplastia, Rinoplastia, 11 (1,6%). Blefaroplastia. Os dados foram compilados inicialmente em um TABELA 1 - Distribuição das consultas, segundo o mês banco de dados criado no software Excel e, para do atendimento. proceder à análise estatística, foi utilizada análise Mês da consulta N % descritiva a partir de frequências absolutas e relativas e, Janeiro 58 8,7 Fevereiro 26 3,9 logo, apresentadas sob a forma de tabelas e figuras. Março 67 10 Abril 50 7,5 RESULTADOS Maio 48 7,2 Junho 56 8,4 Consultas Julho 65 9,7 Agosto 65 9,7 Foram agendadas 1109 consultas durante o ano de Setembro 65 9,7 2010, sendo 671 consultas novas (60,5%), 311 Outubro 58 8,6 Novembro 65 9,5 reconsultas em 30 dias (28%) e 127 reconsultas em 60 Dezembro 48 7,1 dias (11,5%). A maior proporção dos agendamentos 541 Total 671 100 ________________________________________________________________________________________________ Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010 47
  • 4. Perfil dos atendimentos ambulatoriais... Alves EF Em relação à distribuição anual de consultas, é TABELA 3 - Distribuição dos procedimentos ambulatoriais registrados, segundo o local de residência aproximadamente homogênea, apresentando, no dos pacientes. entanto, o mês de Março com maior procura, e com Local de residência N % diminuição destas nos meses de fevereiro e dezembro, Maringá 134 65,4 época mais freqüente de férias (Tabela 1). Distritos 3 1,5 Na Tabela 2 percebe-se que, das consultas novas, as Região Metropolitana 33 16,1 principais queixas tratadas ambulatorialmente são Outras localidades 35 17 agrupadas, para fins de análise, em seis grupos: 1 - Total 205 100 Afecções de pele e anexos (lipomas, nevus, neoplasias benignas e malignas epiteliais, cicatrizes patológicas, Cirurgias hemangiomas, queimaduras, lesões ulceradas); 2 - Foram registrados 205 procedimentos ambulatoriais Mãos (cistos, CA, nevus); 3 - Região íntima (hipertrofia realizados no ano de 2010. Destes, 155 (75,6%) foram de pequenos e grandes lábios, lipodistrofia pubiana); 4 - de pequeno porte e 50 (24,4%), de médio porte. Dos Face e pescoço (Nariz - rinomegalia, desvio de septo, procedimentos registrados, houve predomínio de giba óssea, fratura de ossos nasais; Cútis - rugas pacientes do gênero feminino 146 (71,2%), e 59 (28,8%) frontais e periorbitais, bolsa palpebral, ptose palpebral, de homens. De acordo com o estado civil, houve sulcos nasogenianos, flacidez de pescoço; Boca - predomínio dos pacientes casados com 102 (49,8%), lábios finos; Orelhas - fissura de lóbulo de orelha, deixando logo atrás os solteiros com 74 (36,1%). conchamegalia; Mento - queixo pequeno; e demais Na Tabela 3 pode-se perceber que, os pacientes deformidades congênitas e adquiridas); 5 - Mamas apresentaram procedência ou origem, em sua maioria (hipertrofia mamária, hipomastia, ptose mamaria, 134 (65,4%), do município de Maringá, seguido de assimetria de mamas, areolar e mamilares, outras localidades do estado 35 (17%), além da própria ginecomastia); 6 - Contorno corporal (lipodistrofia Região Metropolitana de Maringá com 33 (16,4%). corporal, flacidez, deformidades congênitas e Para fins de análise, os distritos ligados à Maringá adquiridas). são: Floriano e Iguatemi; a Região Metropolitana de Destes grupos, os que se destacaram foram as Maringá (RMM), desde fevereiro de 2010, é composta queixas em região das mamas com 182 (27,1%) dos por 24 cidades: Atalaia, Bom Sucesso, Cambira, Floraí, casos, seguido das afecções de pele e anexos 161 Flórida, Jandaia do Sul, Lobato, Munhoz de Mello, (24%). Ourizona, Presidente Castelo Branco, Santa Fé, São Jorge do Ivaí, Astorga, Ângulo, Doutor Camargo, TABELA 2 - Distribuição das consultas atendidas por Motivo (queixa principal), segundo o subgrupo Floresta, Iguaraçu, Itambé, Ivatuba, Mandaguaçu, anatômico. Mandaguari, Marialva, Paiçandu e Sarandi. Motivo (queixa principal) N % É interessante observar na Tabela 4 que, todas as cirurgias de médio porte foram realizadas nos primeiros 1 - Afecções de pele e anexos 161 24 meses do ano (Janeiro, Março e Abril). Nota-se também 2 - Região íntima 4 0,6 que, dentre a distribuição anual de cirurgias de médio 3 - Face e pescoço 126 18,8 porte, o mês de Março reuniu a maior parte delas 4 - Mamas 182 27,1 (61,5%), bem como concentrou de forma absoluta 5 - Contorno corporal 141 21 (100%) apenas essa classificação cirúrgica. 6 - Múltiplas queixas 57 8,5 Observam-se na Tabela 5 que, os mais frequentes Total 671 100 procedimentos foram as exéreses e/ou raspagem de ________________________________________________________________________________________________ 48 Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010
  • 5. Perfil dos atendimentos ambulatoriais... Alves EF TABELA 4 - Distribuição dos procedimentos TABELA 5 - Distribuição dos procedimentos ambulatoriais registrados, segundo o mês e porte das ambulatoriais registrados, segundo sua classificação. cirurgias. Classificação dos procedimentos N % Porte das cirurgias Procedimentos não-cirúrgicos Total Mês da cirurgia Pequeno Médio Infiltração de quelóide 6 2,8 N % N % N % Aplicação de toxina botulínica 14 6,6 Janeiro 16 9,6 5 12,8 21 10,3 Lipoenxertia em sulcos/depressões 1 0,5 Fevereiro 14 8,4 - - 14 6,9 Cirurgias reparadoras Março - - 24 61,5 24 11,7 Exérese de deformidades congênitas/adquiridas 70 33,1 Abril 9 5,4 10 25,7 19 9,3 Extração de neoplasias benignas/malignas 22 10,4 Blefaroplastia (Ptose palpebral) 3 1,4 Maio 10 6 - - 10 4,9 Retoque de Cicatrizes/marcas 10 4,7 Junho 15 9 - - 15 7,3 Enxertos 8 3,8 Julho 22 13,3 - - 22 10,7 Ginecomastias 4 1,9 Agosto 16 9,7 - - 16 7,8 Cirurgias estéticas Setembro 17 10,2 - - 17 8,3 Mamoplastia de aumento 30 14,2 Outubro 9 5,4 - - 9 4,3 Lipoaspiração 8 3,8 Novembro 23 13,9 - - 23 11,2 Blefaroplastia 5 2,4 Dezembro 15 9,1 - - 15 7,3 Rinoplastia 7 3,3 Total 166 100 39 100 205 100 Otoplastia 17 8,1 (–) sinal convencional utilizado: dado numérico igual a zero, não resultante de resposta. Ninfoplastia 1 0,5 Mamopexia 1 0,5 afecções de pele e anexos 70 (33,1%); seguido das Ritidoplastia 3 1,4 mastoplastias (mastoplastia de aumento, mamopexia, Mentoplastia 1 0,5 ginecomastia) 35 (16,6%), além das otoplastias 17 Total 211* 100 (8,1%). *O resultado ultrapassa a marca dos 205 procedimentos realizados devido a soma das cirurgias associadas às lipoaspirações e Interessante ressaltar o grande número de mentoplastia. procedimentos faciais realizados (50). O principal representante deste grupo foram os procedimentos de cirúrgica estética está frequentemente associada ao 10,11,13 rejuvenescimento facial (ritidoplastia, blefaroplastia e padrão de beleza a ser seguido . botox) (25), as otoplastias (17), e com menor Neste estudo, a média de idade dos pacientes, participação das rinoplastias (7) e mentoplastia (1). durante as consultas, foi de 37 anos, diferentemente de outros estudos com perfil de atendimento semelhante DISCUSSÃO em que, os pacientes apresentaram uma média de 12,14 idade superior a 45 anos por representarem um Este estudo verificou que a maior parte dos pacientes grupo de trabalhadores que desejavam restaurar a agendados para consultas foi de mulheres. Isto aparência física, pois esta reflete vigor e juventude. Isto possivelmente esteja relacionado a uma maior sugere que a procura por cirurgias plásticas tem sido insatisfação feminina em relação ao corpo que os 10,11,12 realizada cada vez mais cedo, como pode ser reforçado homens , além de motivos relacionados à 13 por outras pesquisas que indicam uma média etária satisfação dos parceiros , que pode ser fortalecido pelo 5,10,11,13 ainda mais jovem, compreendendo 32 a 35 anos . fato da maioria das cirurgias serem realizadas por As consultas particulares foram predominantes neste mulheres casadas (49,8%). As mulheres são mais estudo, corroborando com dados de outras influenciadas pela mídia a supervalorizar a beleza como 10,11 pesquisas ; apesar de não caracterizados dados forma de atração física. Desta forma, a intervenção ________________________________________________________________________________________________ Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010 49
  • 6. Perfil dos atendimentos ambulatoriais... Alves EF socioeconômicos, pode-se inferir, mediante perfil da (75,6%) e médio porte (24,4%), como observados neste clientela da clínica privada que, possui alto nível estudo, diferentemente dos hospitais como sugerem as educacional e socioeconômico. Deve ser considerado, demais pesquisas da área. também, que os procedimentos de ordem estética são Contudo, o número elevado de implantes mamários caros, necessitando, na maioria das vezes, de apresentado neste estudo, corrobora com a pesquisa manutenção periódica, além de não serem cobertos Datafolha/SBCP em 2007 e 2008, quando houve 12 pelos planos de saúde . registros destes procedimentos em grande proporção, 1,10,11 Neste estudo, as queixas dos pacientes foram além de outros estudos . Esses dados mostram a predominantemente reparadoras, em 55,6% dos casos, realidade brasileira, na qual o ideal de corpo perfeito seguidos das estéticas com 33,7%; estas últimas, vistas estabelecido pela sociedade e mídia tem levado as 10 10 na maioria dos estudos . Do total de cirurgias mulheres a uma insatisfação crônica corporal . realizadas na clínica, 187 (91,2%) pacientes realizaram Em suma, pareceu interessante descrever, neste apenas um procedimento no momento da cirurgia, e 18 estudo, os atendimentos ambulatoriais (consultas e pacientes (8,8%), dois procedimentos associados. Este cirurgias), visto que na literatura não foram encontradas último representa baixa proporção de cirurgias citações e nem mesmo análises com a mesma associadas quando comparadas a um estudo feito em população. Desta maneira, muitos dos dados 11 dois hospitais de Santa Catarina , a qual encontrou um observados não permitem comparações consistentes percentual de 22,6% de pacientes realizando-as, devido com a literatura da área. motivo de maior praticidade, além de vantagens A clínica em estudo é uma instituição que apresenta econômicas. condições para a viabilização de tais procedimentos, Quanto à procedência dos pacientes submetidos às considerando-se as inúmeras vantagens proporcionadas cirurgias ambulatoriais, verificou-se que, a maioria pelos procedimentos ambulatoriais. Com base no (65,4%) era do município de Maringá. Outro dado exposto, e segundo as características relacionadas aos interessante encontrado é que, tanto na análise das procedimentos de intervenção plástica ambulatorial, consultas quanto das cirurgias, o mês de Março embora a maioria dos procedimentos cirúrgicos foi por concentrou a maior parte dos casos. Estes resultados exéreses de deformidades congênitas e/ou adquiridas, não foram comparados, visto que não há pesquisas, não se distancia grandemente da realidade encontrada contemplando metodologia e população semelhante, no restante do Brasil, visto que há predomínio de que possam ser utilizadas para tal discussão, mulheres jovens e grande número de implantes apresentando-se como uma limitação do estudo. mamários. Apesar das consultas serem motivadas, em sua Cada vez mais, a possibilidade de realização de maioria, (27,1%) por queixas em região das mamas procedimentos em nível de cirurgias plásticas, em (hipomastia, assimetria, ptose mamária), conforme esfera ambulatorial, é uma realidade que contribui para 10,11 dados semelhantes em outras pesquisas , o tipo de a alteração mínima na rotina do paciente e da família e procedimento que prevaleceu neste estudo foi a exérese para a redução do risco de infecção hospitalar. Além de deformidades congênitas/adquiridas (33,1%), em disso, os custos do procedimento realizado em regime 14,15 consonância com dados de outras pesquisas . ambulatorial são inferiores aos do de regime hospitalar. Contudo, a maioria dos estudos encontrados na Frente aos resultados observados, conclui-se que a literatura indica a lipoaspiração como o procedimento cirurgia plástica ambulatorial tem sido considerada um 8,12 cirúrgico mais realizado . Isso provavelmente se deve excelente meio para melhorar a auto-estima e a auto- ao perfil da clínica (Unidade Ambulatorial tipo II), local imagem, desde que essa percepção corporal não esteja onde se realizam apenas procedimentos de pequeno distorcida internamente. ________________________________________________________________________________________________ 50 Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010
  • 7. Perfil dos atendimentos ambulatoriais... Alves EF REFERENCIAS 1. Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica [online]. São 11. Dutra CC, Trevisol DJ. Perfil das Cirurgias Plásticas Paulo; 2009. [capturado 2011 Jan 23]. Disponível em: Realizadas no Hospital Socimed e no Hospital Nossa http://www2.cirurgiaplastica.org.br/. Senhora da Conceição de Tubarão – SC. In: 4ª Jornada Unisul de Iniciação Científica, 4º Seminário de pesquisa; 2. Poli Neto P, Caponi SNC. A medicalização da beleza. 2009 Out 29; Tubarão, SC. Tubarão: UNISUL; 2009. Interface 2007 set/dez; 11(23):569-84. 12. Auricchio AM, Massarollo MCKB. Procedimentos 3. American Society of Plastic Surgeons [online]. Nova York; estéticos: percepção do cliente quanto ao esclarecimento 2005. [capturado 2010 Ago 8]. Disponível em: para a tomada de decisão. Rev Esc Enferm USP 2007; http://www.plasticsurgery.org. 41(1):13-20. 4. Ferreira MC. Cirurgia Plástica Estética: avaliação dos 13. Tournieux TT, Aguiar LFS, Almeida MWR, Prado LFAM, resultados. Rev Bras Cir Plást. [periódico online]. 2000 Radwanski HN, Pitanguy I. Estudo prospectivo da jan/abr [capturado 2011 Jan 31]; 15(1):55-66. Disponível avaliação da qualidade de vida e aspectos psicossociais em: http://www.rbcp.org.br/detalhe_artigo.asp?id=201. em cirurgia plástica estética. Rev Bras Cir Plást. [periódico 5. Techy AM, Sakae TM, Bianchini N. Perfil das cirurgias online]. 2009; [capturado 2011 Jan. 31]; 24(3):357-61. ambulatoriais realizadas em hospital no sul do estado de Disponível em: Santa Catarina. Arqu Catarin Med. 2008; 37(3):52-57. http://www.rbcp.org.br/detalhe_artigo.asp?id=505. 6. Beretta EM. Cirurgia plástica ambulatorial. Rev Bras Cir 14. Busch RO, Nahas FX, Mendes JA, Farah AB, Amoras Jr Plast. [periódico online]. 2001 set/dez [capturado 2011 Jan WW, Houmsi CCE, et al. Compreensão pré-operatória dos 31]; 16(3):71-4. Disponível em: pacientes sobre cicatrizes resultantes de cirurgia plástica http://www.rbcp.org.br/detalhe_artigo.asp?id=368. ambulatorial. Rev Bras Cir Plást. [periódico online]. 2010 7. Souza JAG, Silva AD. Cirurgia Ambulatorial. Clinica Bras [capturado 2011 Jan 31]; 25(1):[1 tela]. Disponível em: Cir. 1999; 5(1):133-42. http://www.rbcp.org.br/detalhe_artigo.asp?id=702. 8. Datafolha. Instituto de Pesquisa. Cirurgia Plástica no 15. Morais RLSL, Guislandi C, Santamaría JR, Serafini SZ, Brasil, 2007/2008 [online]. São Paulo; 2009. [capturado Mulinari-Brenner F. Dermatologia clínico-cirúrgica: 2011 Jan 31]. Disponível em: avaliação da mudança no perfil dos procedimentos de um http://www2.cirurgiaplastica.org.br/. serviço de residência médica no Paraná-BR. Surg Cosmet Dermatol. 2010; 2(2):105-10. 9. Santos JS, Sankarankutty AK, Salgado Jr W, Kemp R, Leonel EP, Silva Jr OC. Cirurgia ambulatorial: do conceito à organização de serviços e seus resultados. Medicina Endereço para correspondência: 2008; 41(3):274-86. Everton Fernando Alves 10. Fortunato MS, Trevisol DJ. Grau de satisfação de Rua Rio Paranapanema 779 pacientes submetidos a cirurgias plásticas no Hospital Maringá/Paraná - CEP: 87043-150 Socimed e no Hospital Nossa Senhora da Conceição de Telefone: +55 44 88066686 Tubarão – SC. In: 4ª Jornada Unisul de Iniciação E-mail: evertonando@hotmail.com Científica, 4º Seminário de pesquisa; 2009 Out 29; Tubarão, SC. Tubarão: UNISUL; 2009. ________________________________________________________________________________________________ Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 45-51, jul./dez. 2010 51