SlideShare uma empresa Scribd logo
Avaliação e Incorporação de Tecnologias do
SUS: Precisamos redesenhar a estrutura e as
regras para oncologia?
Dr. Cláudio Cordovil Oliveira – Pesquisador em Saúde Pública
Departamento de Ciências Sociais
Para o Forum Oncoguia 2017
Regulação de
medicamentos [órfãos]
no Brasil
Antes de mais nada
Medicamentos
órfãos
• São aqueles voltados para diagnóstico, prevenção ou
tratamento de “doenças raras”.
• Muitos subtipos de câncer são definidos como “doenças
raras”, incluindo todos os cânceres pediátricos.
• Mais de um terço de todas as drogas órfãs são voltadas para
o tratamento de indicações oncológicas.
• O acesso ao mercado de medicamentos órfãos oncológicos
está sendo progressivamente comprometido.
Por quê?
• Estes medicamentos prestam-se a significativa incerteza
sobre sua custoefetividade.
CONITEC
• Criada em 2011 por meio de Lei Federal e regulamentada
por Decreto Presidencial, estabeleceu novas regras para
incorporação de tecnologias em saúde no SUS.
• Através desta Lei Federal (Lei 12.401) a Avaliação de
Tecnologias em Saúde foi institucionalizada como critério
indispensável para tomada de decisão sobre a
incorporação de tecnologias em saúde no SUS.
Marco legal da incorporação
de tecnologias no SUS
• Lei nº 12.401/2011
• Altera a lei nº 8.080 e dispõe sobre assistência terapêutica e
incorporação de tecnologia em saúde no SUS;
• Cria a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS
(CONITEC);
• Regras baseadas em evidências (eficácia, segurança e efetividade) e
estudos de avaliação econômica (custo-efetividade);
• Prazo para avaliação: 180 dias, prorrogáveis por mais 90 dias;
Competências da
CONITEC
• Emitir relatórios de recomendação sobre incorporação de
tecnologias de saúde ao SUS (via ATS) (exclusão e alteração
também).
• Emitir relatórios de recomendação sobre constituição de
Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas (ou alteração).
Dado consagrado
na literatura
internacional “Se procedimentos-padrão em
ATS fossem aplicados a
medicamentos órfãos,
praticamente nenhum deles seria
custoefetivo”.
Drummond, M. et al. Assessing the economic challenges posed by orphan drugs.
International Journal of Technology Assessment in Health Care, 23(1) p. 36-42.
2007.
E ainda:
“Os modelos vigentes de ATS foram
concebidos originalmente para o estudo de
doenças prevalentes (...) O caso das
doenças raras exige abordagem
especialmente voltada para suas
especificidades” (SOUZA et al, 2010).
Limitações da MBE
• Follador e Secoli (2010) observam que a MBE “é uma
forma de tecnologia de processos e, como tal, passível de
erros, limitações e excessos”, sendo incapaz de responder
a casos individuais e, portanto, “podendo prejudicar o
princípio ético da beneficência”. Estes autores também
alertam para as limitações da MBE quando há pouca
disponibilidade de artigos científicos que atendam aos
critérios determinados por esta metodologia.
Produção X Incorporação
• “Com o crescimento do emprego das ATS para controlar a
adoção e difusão de tecnologias em saúde, as atuais políticas
para medicamentos órfãos estão sendo crescentemente vistas
como insatisfatórias na maioria das perspectivas adotadas
para analisar o problema”.
DRUMMOND, M.; TOWSE, A.: Orphan drug policies: a suitable case
or treatment. European Journal of Health Economics, 15(4):335-40, 2014
Um impasse?
PRODUÇÃO
INCORPORAÇÃO
AOS SISTEMAS DE SAÚDE
ATS e medicamentos
órfãos (‘n’ pequeno)
“Embora as ATS geralmente se baseiem em uma avaliação
robusta da custoefetividade de uma nova tecnologia, a
evidência clínica e econômica exigida para este propósito nem
sempre está disponível para medicamentos órfãos, em parte
devido às dificuldades de se recrutar pacientes para os testes
clínicos de tais medicamentos”.
TORDRUP, D; TZOUMA, V.; KANAVOS, P.
Orphan drug considerations in
health technology assessment in eight european countries.
Rare diseases and orphan drugs, 1(3), 2014.
Enquanto isso na Europa...
• Dados disponíveis sugerem que existe inconsistência na
qualidade da evidência dos medicamentos órfãos aprovados,
e não existe um mecanismo claro para determinar seus preços.
Estudo realizado com 74 medicamentos órfãos (EMA) verificou
que 73% deles (54) demonstraram qualidade moderada de
evidências; 85% mostraram efeitos clínicos significativos e
efeitos adversos sérios foram reportados em 86,5% dos casos.
Onakpoya, I. et al. Effectiveness, safety and costs of orphan
drugs: an evidence-based review. BMJ Open 2015, 5
e007199 doi:10.1136/bmjopen-2014-007199
Medicamentos órfãos não apresentam
custoefetividade satisfatória
quando se empregam
métodos convencionais de ATS
JUDICIALIZAÇÃO
Como o Ministério da Saúde
vê o problema
Como oito países europeus
vêem o problema
“Uma importante implicação (...) deste estudo é que as ATS
convencionais provavelmente falham em considerar
precisamente as especificidades e os desafios impostos pelos
medicamentos órfãos, desta forma obrigando os países que as
empregam a aplicar considerações especiais,frequentemente
em base ad hoc”. TORDRUP, D; TZOUMA, V.; KANAVOS, P. Orphan drug considerations
in health technology assessment
in eight european countries. Rare diseases and orphan drugs, 1(3), 2014.
Os países pesquisados
Inglaterra Escócia Suécia França
Alemanha Espanha Itália Polônia
ATS convencionais
e medicamentos órfãos
“Os altos preços destes medicamentos podem não ser comensuráveis com
o nível de evidência esperado em termos de benefício obtido.
Consequentemente, os medicamentos órfãos não são considerados como
um emprego custoefetivo de recursos, quando se observam os critérios-
padrão de ATS.
Isso tem levado a adaptações na forma de avaliar tais medicamentos, tais
como levar em conta a severidade da doença ou a disponibilidade de
terapias alternativas”.
TORDRUP, D; TZOUMA, V.; KANAVOS, P.
Orphan drug considerations in health technology
assessment in eight european countries.
Rare diseases and orphan drugs, 1(3), 2014.
• Estudo envolvendo cinco países (Austrália, Canadá,
Inglaterra, França e Suécia) e usando oito MOO e outros não
MOO verificou que estes medicamentos eram avaliados
através de ATS convencionais.
• Processos adicionais para facilitar o acesso a MOO, mas
raramente. Adkins, E. et al. Oncology drugs for orphan indications: how are HTA process
evolving for this specific category?
ClinicoEconomics and Outcomes Research. Vol. 9, Jun 2017
Limiar de custoefetividade
• Nestes países as decisões eram tomadas empregando-se
limiares de custo efetividade.
Conclusão do estudo
• Implicação predominante do estudo é que a aplicação de
critérios-padrão de ATS para MOO em muitos países falha
em considerar quaisquer incertezas em torno de sua
efetividade clínica e custo efetividade.
• Isto resulta em disparidades nas decisões de reembolso por
ATS por conta de divergências no trato e na consideração
da incerteza
Proposta de solução
• Agências de ATS devem adotar enfoque mais flexível para
custoefetividade.
• A Suécia, para decidir, leva em conta o pequeno número de
pacientes, o impacto orçamentário e importantes
necessidades médicas não contempladas.
Obrigado!
Cláudio Cordovil Oliveira
Pesquisador em Saúde Pública
Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca/Fiocruz
claudio.oliveira@ ensp.fiocruz.br
Marco legal: Lei 6.360/76
Regulação econômica
• Redução de custos de
aquisição
• Ações pró-competitivas
• Estímulo à dinâmica do
mercado
• Reparo ou atenuação de
falhas de mercado
Regulação sanitária
• Eficácia e segurança
comprovadas
• Observância a padrões de
qualidade.
Evidências em:
registro, preço e incorporação
Anvisa
•Registro (autorização de comercialização)
•Eficácia e segurança
CMED/Anvisa
•Preços máximos
•Evidências de eficácia, comparação de custos
de tratamento e preços internacionais.
Conitec
•Recomenda ou não incorporação ao SUS
•Eficácia, segurança e custo-efetividade
Anvisa: Vigilância sanitária
• No Brasil não há um órgão específico para regulação de
medicamentos ou uma agencia exclusiva de medicamentos.
• A competência da Anvisa é ampla e se estende ao que é
conhecido como vigilância sanitária (pesticidas, alimentos,
cosméticos e outros produtos).
• Criada pela Lei 9.782 de 26/01/1999
Anvisa
• Comprovação de segurança e eficácia e da qualidade do produto é
exigência legal para o registro de medicamentos no Brasil
• Para fins de registro, a evidência mais consistente para avaliação de
eficácia e segurança de novos medicamentos é dada por ensaios
clínicos fase III (em seres humanos)
• Estudos duplo cegos controlados e randomizados.
• Tamanho da amostra deve assegurar poder estatístico adequado ao
estudo
Câmara de Regulação do Mercado
de Medicamentos (CMED/Anvisa)
• A Anvisa atua como Secretaria Executiva da CMED, órgão
interministerial responsável por regular o mercado e
estabelecer critérios para a definição e o ajuste de preços.
O que são Avaliações de
Tecnologias em Saúde?
• Avaliação sistemática de propriedades, efeitos e/ou impactos
de tecnologias de saúde (…).
• Seu principal propósito é informar políticas de saúde. (OMS)
Fontes analisadas em
processos de ATS (CONITEC)
• Estudos clínicos: estudam uma intervenção a fim de avaliar
seus efeitos.
• Revisões sistemáticas de estudos clínicos: análise conjunta
de estudos que avaliam o mesmo efeito (maior
confiabilidade)
• Avaliações econômicas: estudos que relacionam valores dos
recursos aplicados e resultados de saúde obtidos.
Vídeo institucional da CONITEC
Incorporação de
tecnologia pelo
SUS via ATS
O tripé das
ATS
convencionais
Hierarquia da
evidência para
tomada de
decisão com
base em ATS
Dr. Denizar Vianna
Medicina (UERJ)
Uma pergunta:
“Os métodos-padrão de ATS refletem adequadamente as
preferências da sociedade?”
Drummond, M. et al. Assessing the economic challenges
posed by orphan drugs.
International Journal of Technology Assessment in Health Care, 23(1) p. 36-42. 2007.
JUDICIALIZAÇÃO
• Os top 10 representaram 92,9% dos gastos;
• Os 10 mais judicializados são indicados para doenças
genéticas;
• 06 produtos possuem registro na ANVISA (2 foram
indeferidos [Juxtapid (Aegerion) e Cinryze (Shire)]
• Nenhum deles foi incorporado ao SUS (continuam sendo
judicializados e adquiridos pelo MS através de demanda
judicial
Protocolos clínicos
e diretrizes
terapêuticas
CMDE e CEAF
• Até 30/11/2009, os medicamentos de alto custo eram
denominados “excepcionais”, pelo SUS.
• Nesta data é publicada a Portaria que institui o Componente
Estratégico da Assistência Farmacêutica (CEAF) : Portaria
GM/MS 2.981 mais tarde alterada pela Portaria GM/MS Nº
1.554, de 30 de julho de 2013.
PCDT - MS
• Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) desde
2001, com regularidade.
• O primeiro deles é datado de 19 de abril de 2001 (Portaria
SAS nº 125)
• Esta foi também a primeira vez em que a dispensação
destes medicamentos ‘excepcionais’ foi vinculada à
observância dos PDCT.
• São orientados pela MBE.
O que são os PCDTs?
Os PCDT são recomendações, desenvolvidas por meio de revisão
sistemática da literatura científica existente, para apoiar a decisão
do profissional e do paciente sobre o cuidado médico mais
apropriado, em relação às condutas preventivas, diagnósticas ou
terapêuticas dirigidas para determinado agravo em saúde ou
situação clínica. Assim, os protocolos buscam sistematizar o
conhecimento disponível e oferecer um padrão de manejo clínico
mais seguro e consistente, do ponto de vista científico para
determinado problema de saúde (Conselho Regional de Farmácia,
2010)
Protocolos terapêuticos
Conhecimento
Científico
Tomada
de
decisão
Vantagens dos protocolos
< variabilidade da prática clínica
< assimetria de informação
>promoção da educação continuada profissionais de saúde
>atenção a grupos de pacientes negligenciados por políticas públicas
• Servem como instrumentos de auditoria
• Para escolha de sistemas e planos de saúde a serem reembolsados
• Proteção legal para o exercício da prática médica
(WOOLF et al., apud VASCONCELOS, 2009).
Causas para não-adesão
• Rigidez na aplicação para pacientes individuais
• Recomendações muito simplificadas ou “livro de receitas”,
• Redução da autonomia médica
• Falta de familiaridade
• Falta de confiança nas evidências que suportam o protocolo
ou no órgão ou entidade que o produziu
(Vasconcelos, 2009).
Limites dos PCDTs
“Desconsidera “a variabilidade da assistência demandada por
pacientes com necessidades especiais”, o que poderia levar à
“ocorrência de práticas prejudiciais para o paciente” “
(VASCONCELOS, 2009)
A possível solução
Dr. Kevin Marsh
Análise de Decisão Multicritério

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ATS_Introdução_MPAS_2012
ATS_Introdução_MPAS_2012ATS_Introdução_MPAS_2012
ATS_Introdução_MPAS_2012
Fernando Gusmão-filho
 
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Cassyano Correr
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
Guilherme Barcellos
 
Compreender as causas
Compreender as causasCompreender as causas
Compreender as causas
Proqualis
 
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Proqualis
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 
Como avaliar a cultura de segurança do paciente
Como avaliar a cultura de segurança do pacienteComo avaliar a cultura de segurança do paciente
Como avaliar a cultura de segurança do paciente
Proqualis
 
V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"
CONITEC
 
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
Oncoguia
 
Segurança do pasciente
Segurança do pascienteSegurança do pasciente
Segurança do pasciente
IrYarasdp
 
Atenção farmacêutica a grupos de risco
Atenção farmacêutica a grupos de riscoAtenção farmacêutica a grupos de risco
Atenção farmacêutica a grupos de risco
Nemesio Silva
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
CNseg
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Atualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em SaúdeAtualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Isabella Oliveira
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Cassyano Correr
 
Aula cultura de_seguranca
Aula cultura de_segurancaAula cultura de_seguranca
Aula cultura de_seguranca
Proqualis
 
Auditoria em saude
Auditoria em saudeAuditoria em saude
Auditoria em saude
InformaGroup
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Proqualis
 
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
JOFARUFPR
 
Erros de medicação
Erros de medicaçãoErros de medicação
Erros de medicação
enfanhanguera
 

Mais procurados (20)

ATS_Introdução_MPAS_2012
ATS_Introdução_MPAS_2012ATS_Introdução_MPAS_2012
ATS_Introdução_MPAS_2012
 
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
 
Compreender as causas
Compreender as causasCompreender as causas
Compreender as causas
 
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Como avaliar a cultura de segurança do paciente
Como avaliar a cultura de segurança do pacienteComo avaliar a cultura de segurança do paciente
Como avaliar a cultura de segurança do paciente
 
V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"
 
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
 
Segurança do pasciente
Segurança do pascienteSegurança do pasciente
Segurança do pasciente
 
Atenção farmacêutica a grupos de risco
Atenção farmacêutica a grupos de riscoAtenção farmacêutica a grupos de risco
Atenção farmacêutica a grupos de risco
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Atualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em SaúdeAtualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
 
Aula cultura de_seguranca
Aula cultura de_segurancaAula cultura de_seguranca
Aula cultura de_seguranca
 
Auditoria em saude
Auditoria em saudeAuditoria em saude
Auditoria em saude
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
 
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
 
Erros de medicação
Erros de medicaçãoErros de medicação
Erros de medicação
 

Semelhante a 7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Cláudio Cordovil

Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...
Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...
Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...
Empreender Saúde
 
Auditoria em saude
Auditoria em saudeAuditoria em saude
Auditoria em saude
InformaGroup
 
Efetividade Comparativa Artigo
Efetividade Comparativa ArtigoEfetividade Comparativa Artigo
Efetividade Comparativa Artigo
Isabella Oliveira
 
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptxSLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
MrcioFlvioArajo
 
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/DoenteAprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
Proqualis
 
Luis Fernando Rolim
Luis Fernando RolimLuis Fernando Rolim
Medicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos GilMedicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos Gil
Oncoguia
 
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
Oncoguia
 
Democratizando a incorporação de tratamentos no SUS
Democratizando a incorporação de tratamentos no SUSDemocratizando a incorporação de tratamentos no SUS
Democratizando a incorporação de tratamentos no SUS
Oncoguia
 
[OPERAÇÃO UNIFORME] Fase 1: Meu SUS é igual ao seu SUS?
[OPERAÇÃO UNIFORME] Fase 1: Meu SUS é igual ao seu SUS?[OPERAÇÃO UNIFORME] Fase 1: Meu SUS é igual ao seu SUS?
[OPERAÇÃO UNIFORME] Fase 1: Meu SUS é igual ao seu SUS?
Oncoguia
 
Nova declaração da OMS sobre TAXAS de CESÁREAS
Nova declaração da OMS sobre TAXAS de CESÁREASNova declaração da OMS sobre TAXAS de CESÁREAS
Nova declaração da OMS sobre TAXAS de CESÁREAS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
DouglasSantos936253
 
Equidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
Equidade no Acesso ao Conhecimento em SaúdeEquidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
Equidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
http://bvsalud.org/
 
8901
89018901
8901
Mlopes008
 
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
Eduardo Myung
 
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
LAFARCLIN UFPB
 
Estudos De Utilização De Medicamentos
Estudos De Utilização De MedicamentosEstudos De Utilização De Medicamentos
Estudos De Utilização De Medicamentos
sbrassica
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
Cassyano Correr
 
Curso curicular 4 ano - Knowledge translation
Curso curicular 4 ano - Knowledge translationCurso curicular 4 ano - Knowledge translation
Curso curicular 4 ano - Knowledge translation
David Rodrigues
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Arare Carvalho Júnior
 

Semelhante a 7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Cláudio Cordovil (20)

Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...
Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...
Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...
 
Auditoria em saude
Auditoria em saudeAuditoria em saude
Auditoria em saude
 
Efetividade Comparativa Artigo
Efetividade Comparativa ArtigoEfetividade Comparativa Artigo
Efetividade Comparativa Artigo
 
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptxSLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
 
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/DoenteAprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
 
Luis Fernando Rolim
Luis Fernando RolimLuis Fernando Rolim
Luis Fernando Rolim
 
Medicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos GilMedicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos Gil
 
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Maria José Delgado Fagundes
 
Democratizando a incorporação de tratamentos no SUS
Democratizando a incorporação de tratamentos no SUSDemocratizando a incorporação de tratamentos no SUS
Democratizando a incorporação de tratamentos no SUS
 
[OPERAÇÃO UNIFORME] Fase 1: Meu SUS é igual ao seu SUS?
[OPERAÇÃO UNIFORME] Fase 1: Meu SUS é igual ao seu SUS?[OPERAÇÃO UNIFORME] Fase 1: Meu SUS é igual ao seu SUS?
[OPERAÇÃO UNIFORME] Fase 1: Meu SUS é igual ao seu SUS?
 
Nova declaração da OMS sobre TAXAS de CESÁREAS
Nova declaração da OMS sobre TAXAS de CESÁREASNova declaração da OMS sobre TAXAS de CESÁREAS
Nova declaração da OMS sobre TAXAS de CESÁREAS
 
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
 
Equidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
Equidade no Acesso ao Conhecimento em SaúdeEquidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
Equidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
 
8901
89018901
8901
 
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
Custo e efetividade em programas de promoção de saúde versão 28.11.17 - Exemp...
 
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Estudos De Utilização De Medicamentos
Estudos De Utilização De MedicamentosEstudos De Utilização De Medicamentos
Estudos De Utilização De Medicamentos
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
Curso curicular 4 ano - Knowledge translation
Curso curicular 4 ano - Knowledge translationCurso curicular 4 ano - Knowledge translation
Curso curicular 4 ano - Knowledge translation
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
 

Mais de Oncoguia

Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
Oncoguia
 
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
Oncoguia
 
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveFeelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Oncoguia
 
Insights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupInsights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient Group
Oncoguia
 
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Oncoguia
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Oncoguia
 
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Oncoguia
 
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasPercepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Oncoguia
 
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Oncoguia
 
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresImpactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Oncoguia
 
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasCosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Oncoguia
 
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Oncoguia
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justa
Oncoguia
 
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerPercepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Oncoguia
 
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfDatafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Oncoguia
 
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecComo contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Oncoguia
 
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Oncoguia
 
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamStudy of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Oncoguia
 
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
Oncoguia
 
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Oncoguia
 

Mais de Oncoguia (20)

Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia2022
 
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
Câncer de mama: pontos que merecem atenção!
 
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveFeelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
 
Insights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupInsights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient Group
 
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicas
 
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
 
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasPercepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
 
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
 
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresImpactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
 
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasCosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
 
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justa
 
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerPercepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncer
 
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfDatafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
 
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecComo contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
 
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
 
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamStudy of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
 
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
 
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
 

Último

Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
ADRIANEGOMESDASILVA
 

Último (11)

Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
 

7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Cláudio Cordovil

  • 1. Avaliação e Incorporação de Tecnologias do SUS: Precisamos redesenhar a estrutura e as regras para oncologia? Dr. Cláudio Cordovil Oliveira – Pesquisador em Saúde Pública Departamento de Ciências Sociais Para o Forum Oncoguia 2017
  • 4. Medicamentos órfãos • São aqueles voltados para diagnóstico, prevenção ou tratamento de “doenças raras”. • Muitos subtipos de câncer são definidos como “doenças raras”, incluindo todos os cânceres pediátricos.
  • 5. • Mais de um terço de todas as drogas órfãs são voltadas para o tratamento de indicações oncológicas. • O acesso ao mercado de medicamentos órfãos oncológicos está sendo progressivamente comprometido.
  • 6. Por quê? • Estes medicamentos prestam-se a significativa incerteza sobre sua custoefetividade.
  • 7. CONITEC • Criada em 2011 por meio de Lei Federal e regulamentada por Decreto Presidencial, estabeleceu novas regras para incorporação de tecnologias em saúde no SUS. • Através desta Lei Federal (Lei 12.401) a Avaliação de Tecnologias em Saúde foi institucionalizada como critério indispensável para tomada de decisão sobre a incorporação de tecnologias em saúde no SUS.
  • 8. Marco legal da incorporação de tecnologias no SUS • Lei nº 12.401/2011 • Altera a lei nº 8.080 e dispõe sobre assistência terapêutica e incorporação de tecnologia em saúde no SUS; • Cria a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC); • Regras baseadas em evidências (eficácia, segurança e efetividade) e estudos de avaliação econômica (custo-efetividade); • Prazo para avaliação: 180 dias, prorrogáveis por mais 90 dias;
  • 9. Competências da CONITEC • Emitir relatórios de recomendação sobre incorporação de tecnologias de saúde ao SUS (via ATS) (exclusão e alteração também). • Emitir relatórios de recomendação sobre constituição de Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas (ou alteração).
  • 10. Dado consagrado na literatura internacional “Se procedimentos-padrão em ATS fossem aplicados a medicamentos órfãos, praticamente nenhum deles seria custoefetivo”. Drummond, M. et al. Assessing the economic challenges posed by orphan drugs. International Journal of Technology Assessment in Health Care, 23(1) p. 36-42. 2007.
  • 11. E ainda: “Os modelos vigentes de ATS foram concebidos originalmente para o estudo de doenças prevalentes (...) O caso das doenças raras exige abordagem especialmente voltada para suas especificidades” (SOUZA et al, 2010).
  • 12. Limitações da MBE • Follador e Secoli (2010) observam que a MBE “é uma forma de tecnologia de processos e, como tal, passível de erros, limitações e excessos”, sendo incapaz de responder a casos individuais e, portanto, “podendo prejudicar o princípio ético da beneficência”. Estes autores também alertam para as limitações da MBE quando há pouca disponibilidade de artigos científicos que atendam aos critérios determinados por esta metodologia.
  • 13. Produção X Incorporação • “Com o crescimento do emprego das ATS para controlar a adoção e difusão de tecnologias em saúde, as atuais políticas para medicamentos órfãos estão sendo crescentemente vistas como insatisfatórias na maioria das perspectivas adotadas para analisar o problema”. DRUMMOND, M.; TOWSE, A.: Orphan drug policies: a suitable case or treatment. European Journal of Health Economics, 15(4):335-40, 2014
  • 15. ATS e medicamentos órfãos (‘n’ pequeno) “Embora as ATS geralmente se baseiem em uma avaliação robusta da custoefetividade de uma nova tecnologia, a evidência clínica e econômica exigida para este propósito nem sempre está disponível para medicamentos órfãos, em parte devido às dificuldades de se recrutar pacientes para os testes clínicos de tais medicamentos”. TORDRUP, D; TZOUMA, V.; KANAVOS, P. Orphan drug considerations in health technology assessment in eight european countries. Rare diseases and orphan drugs, 1(3), 2014.
  • 16. Enquanto isso na Europa... • Dados disponíveis sugerem que existe inconsistência na qualidade da evidência dos medicamentos órfãos aprovados, e não existe um mecanismo claro para determinar seus preços. Estudo realizado com 74 medicamentos órfãos (EMA) verificou que 73% deles (54) demonstraram qualidade moderada de evidências; 85% mostraram efeitos clínicos significativos e efeitos adversos sérios foram reportados em 86,5% dos casos. Onakpoya, I. et al. Effectiveness, safety and costs of orphan drugs: an evidence-based review. BMJ Open 2015, 5 e007199 doi:10.1136/bmjopen-2014-007199
  • 17. Medicamentos órfãos não apresentam custoefetividade satisfatória quando se empregam métodos convencionais de ATS JUDICIALIZAÇÃO
  • 18. Como o Ministério da Saúde vê o problema
  • 19. Como oito países europeus vêem o problema “Uma importante implicação (...) deste estudo é que as ATS convencionais provavelmente falham em considerar precisamente as especificidades e os desafios impostos pelos medicamentos órfãos, desta forma obrigando os países que as empregam a aplicar considerações especiais,frequentemente em base ad hoc”. TORDRUP, D; TZOUMA, V.; KANAVOS, P. Orphan drug considerations in health technology assessment in eight european countries. Rare diseases and orphan drugs, 1(3), 2014.
  • 20. Os países pesquisados Inglaterra Escócia Suécia França Alemanha Espanha Itália Polônia
  • 21. ATS convencionais e medicamentos órfãos “Os altos preços destes medicamentos podem não ser comensuráveis com o nível de evidência esperado em termos de benefício obtido. Consequentemente, os medicamentos órfãos não são considerados como um emprego custoefetivo de recursos, quando se observam os critérios- padrão de ATS. Isso tem levado a adaptações na forma de avaliar tais medicamentos, tais como levar em conta a severidade da doença ou a disponibilidade de terapias alternativas”. TORDRUP, D; TZOUMA, V.; KANAVOS, P. Orphan drug considerations in health technology assessment in eight european countries. Rare diseases and orphan drugs, 1(3), 2014.
  • 22. • Estudo envolvendo cinco países (Austrália, Canadá, Inglaterra, França e Suécia) e usando oito MOO e outros não MOO verificou que estes medicamentos eram avaliados através de ATS convencionais. • Processos adicionais para facilitar o acesso a MOO, mas raramente. Adkins, E. et al. Oncology drugs for orphan indications: how are HTA process evolving for this specific category? ClinicoEconomics and Outcomes Research. Vol. 9, Jun 2017
  • 23. Limiar de custoefetividade • Nestes países as decisões eram tomadas empregando-se limiares de custo efetividade.
  • 24. Conclusão do estudo • Implicação predominante do estudo é que a aplicação de critérios-padrão de ATS para MOO em muitos países falha em considerar quaisquer incertezas em torno de sua efetividade clínica e custo efetividade. • Isto resulta em disparidades nas decisões de reembolso por ATS por conta de divergências no trato e na consideração da incerteza
  • 25. Proposta de solução • Agências de ATS devem adotar enfoque mais flexível para custoefetividade. • A Suécia, para decidir, leva em conta o pequeno número de pacientes, o impacto orçamentário e importantes necessidades médicas não contempladas.
  • 26. Obrigado! Cláudio Cordovil Oliveira Pesquisador em Saúde Pública Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca/Fiocruz claudio.oliveira@ ensp.fiocruz.br
  • 27. Marco legal: Lei 6.360/76 Regulação econômica • Redução de custos de aquisição • Ações pró-competitivas • Estímulo à dinâmica do mercado • Reparo ou atenuação de falhas de mercado Regulação sanitária • Eficácia e segurança comprovadas • Observância a padrões de qualidade.
  • 28. Evidências em: registro, preço e incorporação Anvisa •Registro (autorização de comercialização) •Eficácia e segurança CMED/Anvisa •Preços máximos •Evidências de eficácia, comparação de custos de tratamento e preços internacionais. Conitec •Recomenda ou não incorporação ao SUS •Eficácia, segurança e custo-efetividade
  • 29. Anvisa: Vigilância sanitária • No Brasil não há um órgão específico para regulação de medicamentos ou uma agencia exclusiva de medicamentos. • A competência da Anvisa é ampla e se estende ao que é conhecido como vigilância sanitária (pesticidas, alimentos, cosméticos e outros produtos). • Criada pela Lei 9.782 de 26/01/1999
  • 30. Anvisa • Comprovação de segurança e eficácia e da qualidade do produto é exigência legal para o registro de medicamentos no Brasil • Para fins de registro, a evidência mais consistente para avaliação de eficácia e segurança de novos medicamentos é dada por ensaios clínicos fase III (em seres humanos) • Estudos duplo cegos controlados e randomizados. • Tamanho da amostra deve assegurar poder estatístico adequado ao estudo
  • 31. Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED/Anvisa) • A Anvisa atua como Secretaria Executiva da CMED, órgão interministerial responsável por regular o mercado e estabelecer critérios para a definição e o ajuste de preços.
  • 32. O que são Avaliações de Tecnologias em Saúde? • Avaliação sistemática de propriedades, efeitos e/ou impactos de tecnologias de saúde (…). • Seu principal propósito é informar políticas de saúde. (OMS)
  • 33. Fontes analisadas em processos de ATS (CONITEC) • Estudos clínicos: estudam uma intervenção a fim de avaliar seus efeitos. • Revisões sistemáticas de estudos clínicos: análise conjunta de estudos que avaliam o mesmo efeito (maior confiabilidade) • Avaliações econômicas: estudos que relacionam valores dos recursos aplicados e resultados de saúde obtidos.
  • 37. Hierarquia da evidência para tomada de decisão com base em ATS
  • 38.
  • 40. Uma pergunta: “Os métodos-padrão de ATS refletem adequadamente as preferências da sociedade?” Drummond, M. et al. Assessing the economic challenges posed by orphan drugs. International Journal of Technology Assessment in Health Care, 23(1) p. 36-42. 2007.
  • 41. JUDICIALIZAÇÃO • Os top 10 representaram 92,9% dos gastos; • Os 10 mais judicializados são indicados para doenças genéticas; • 06 produtos possuem registro na ANVISA (2 foram indeferidos [Juxtapid (Aegerion) e Cinryze (Shire)] • Nenhum deles foi incorporado ao SUS (continuam sendo judicializados e adquiridos pelo MS através de demanda judicial
  • 42.
  • 44. CMDE e CEAF • Até 30/11/2009, os medicamentos de alto custo eram denominados “excepcionais”, pelo SUS. • Nesta data é publicada a Portaria que institui o Componente Estratégico da Assistência Farmacêutica (CEAF) : Portaria GM/MS 2.981 mais tarde alterada pela Portaria GM/MS Nº 1.554, de 30 de julho de 2013.
  • 45. PCDT - MS • Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) desde 2001, com regularidade. • O primeiro deles é datado de 19 de abril de 2001 (Portaria SAS nº 125) • Esta foi também a primeira vez em que a dispensação destes medicamentos ‘excepcionais’ foi vinculada à observância dos PDCT. • São orientados pela MBE.
  • 46. O que são os PCDTs? Os PCDT são recomendações, desenvolvidas por meio de revisão sistemática da literatura científica existente, para apoiar a decisão do profissional e do paciente sobre o cuidado médico mais apropriado, em relação às condutas preventivas, diagnósticas ou terapêuticas dirigidas para determinado agravo em saúde ou situação clínica. Assim, os protocolos buscam sistematizar o conhecimento disponível e oferecer um padrão de manejo clínico mais seguro e consistente, do ponto de vista científico para determinado problema de saúde (Conselho Regional de Farmácia, 2010)
  • 48. Vantagens dos protocolos < variabilidade da prática clínica < assimetria de informação >promoção da educação continuada profissionais de saúde >atenção a grupos de pacientes negligenciados por políticas públicas • Servem como instrumentos de auditoria • Para escolha de sistemas e planos de saúde a serem reembolsados • Proteção legal para o exercício da prática médica (WOOLF et al., apud VASCONCELOS, 2009).
  • 49. Causas para não-adesão • Rigidez na aplicação para pacientes individuais • Recomendações muito simplificadas ou “livro de receitas”, • Redução da autonomia médica • Falta de familiaridade • Falta de confiança nas evidências que suportam o protocolo ou no órgão ou entidade que o produziu (Vasconcelos, 2009).
  • 50. Limites dos PCDTs “Desconsidera “a variabilidade da assistência demandada por pacientes com necessidades especiais”, o que poderia levar à “ocorrência de práticas prejudiciais para o paciente” “ (VASCONCELOS, 2009)
  • 52. Dr. Kevin Marsh Análise de Decisão Multicritério