SlideShare uma empresa Scribd logo
Oceania 
Novíssimo continente 
Professor: Herbert Galeno 
Blog: herbertgaleno.blogspot.com.br
Introdução 
 A Oceania é o continente mais isolado do mundo, 
sua barreira geográfica fez com que fosse o último a ser 
“descoberto” pelos europeus. Em razão desse atraso em 
seu descobrimento ficou conhecido como “novíssimo 
mundo“ 
 Assim como na América e na África, a 
Oceania era ocupada por nativos antes da chegada dos 
europeus, em pouco tempo grande parte desses povos 
foram praticamente dizimados e os que restaram 
reivindicam até os dias de hoje os seus direitos.
Nova Zelândia 
Capital: 
Wellington
Colonização da Austrália 
 Os britânicos incorporaram a Austrália aos seus 
domínios em 1770. No ano da incorporação oficial, 
habitaram a ilha-continente cerca de 300 mil nativos, 
divididos em mais de 600 tribos, que falavam mais de 500 
dialetos. Viviam num estágio cultural bastante primitivo, 
desconhecendo até a prática agrícola. 
 No século XVIII, a ocupação britânica restringiu-se à 
implantação de colônias penais, a mais importante delas 
nas proximidades da cidade de Sydney, e à fixação de um 
pequeno número de colonos, que constataram as grandes 
possibilidades de se desenvolver a pecuária com sucesso 
na colônia.
 Em 1901 a Austrália tornou-se uma federação, deixando 
de depender da Inglaterra e passando a ter suas próprias 
leis e autonomia de governo. Não houve uma 
independência relâmpago, mas sim uma transição suave e 
gradual de poder da Inglaterra para a nova Austrália 
independente. Os laços de amizade e devoção à pátria 
mãe continuaram com o passar dos anos e até hoje 
mostram sinais de repeito, apesar da Coroa Inglesa não 
mandar mais nas leis e no governo australiano. Um 
Governador Geral apontado pela Rainha, foi (e até hoje 
é) enviado como representante da Inglaterra na Austrália, 
mas sob as ordens do ministério australiano.
Aborígenes australianos
Colonização da Nova Zelândia 
 Quando a Nova Zelândia foi formalmente ocupada pelos 
britânicos em 1840, as suas ilhas eram habitadas pelos 
maoris, povo de origem polinésia. De 1845 a 1870, com a 
intensificação da colonização, ocorreram pesados 
conflitos entre britânicos e maoris, contrários à ocupação 
de suas terras. 
 Derrotados, os maoris, que foram reduzidos de 300 000 
para pouco mais de 40 000, assinaram uma série de 
acordos com os colonizadores.
Maoris da Nova Zelândia
Território e população 
 No total, a Oceania possui mais de 10 mil ilhas que 
constituem 14 países independentes, além de alguns 
territórios ultramarinos, como por exemplo, as Ilhas 
Marianas do Norte pertencentes aos EUA. 
 Depois da Austrália, as maiores porções de terra da 
Oceania são as ilhas de Nova Zelândia e Papua Nova 
Guiné. 
 A população da Oceania se constitui de caucasianos, 
aborígenes e asiáticos, sendo o grupo dos caucasianos 
predominante em todo o continente devido ao processo 
de colonização, bastante tardio por sinal.
Austrália 
Capital: 
Canberra.
Divisão territorial 
 Australásia: são as maiores ilhas, Austrália, Tasmânia, 
Nova Guiné e geograficamente, porém não cultural e 
historicamente, a Nova Zelândia; 
 Melanésia ("ilhas negras"): o nome é derivado de 
melanina, pigmento escuro da pele, e alude à cor dos 
habitantes dessas ilhas pouco extensas, localizadas, em 
sua maioria, ao norte, nordeste e leste da Austrália. 
Grande parte delas são possessões francesas e britânicas; 
as que constituem países independentes são Papua Nova 
Guiné, Ilhas Salomão, Vanuatu e Fiji;
 Micronésia ("pequenas ilhas"): formada por ilhas muito 
pequenas, situadas ao norte e nordeste da Melanésia. O Reino 
Unido e os Estados Unidos possuem o maior número de 
territórios dessa área. Kiribati, Palau, Estados Federados da 
Micronésia, Ilhas Marshall e Nauru são os países 
independentes desse grupo; 
 Polinésia ("muitas ilhas"): corresponde às ilhas mais distantes 
da Austrália, dispersas por uma grande área do Pacífico. São 
em sua maioria possessões britânicas e francesas. Os países 
independentes da Polinésia são Tonga, Samoa, Tuvalu e, 
historicamente e culturalmente (o último em relação aos seus 
povos aborígenes), a Nova Zelândia (nome polinésio: 
Aotearoa). O estado estadunidense do Havaí e a ilha chilena 
Rapa Nui ou Ilha de Páscoa também fazem parte da Polinésia.
Geologia 
 A maior parte do continente é de formação vulcânica e, o 
fato de estarem localizados no limite da placa tectônica 
do pacífico faz com que a região mantenha uma atividade 
sísmica e vulcânica bastante alta. 
 Os vulcões Mauna Loa e Kilauea são os recordistas 
mundiais em quantidade de lava expelida. ( SIM, o Hawai 
é um estado americano que faz parte da Oceania!)
Relevo 
 O relevo da Oceania é predominantemente plano, com 
altitude média de 210 metros. Ao oeste das montanhas 
está a Bacia Cental , uma planície de estepes e savana. 
Ainda mais ao oeste se encontram o Grande Deserto 
Gibson e o Grande deserto Vitória , onde se erguem os 
montes Musgrave e MacDonnell. 
 No sudoeste fica a planície de Nullarbor. No território 
australiano encontram-se as planícies, bastante largas no 
norte, junto ao golfo da Carpentária e também no 
sudeste, próximo aos rios Murray e Darling.
 As montanhas que formam os Alpes Australianos 
localizam-se no leste e no sudeste, com altitudes 
modestas. A maior parte do país é formado por 
planaltos, geralmente baixos e relativamente planos. 
 Na Nova Zelândia e Papua Nova Guiné há planícies, vales 
e grandes montanhas. O pico mais alto do continente é o 
monte Wilhelm com 4.509 metros em Papua Nova 
Guiné; as paisagens são notáveis por sua variedade e, em 
particular, por seu aspecto montanhoso
Uluru e o estepe australiano (scrub)
Clima e vegetação 
 Com relação ao clima da Oceania podemos destacar a 
presença do clima desértico na parte interior da 
Austrália. Em grande parte das ilhas do continente 
destaca-se o clima tropical. 
 Na vegetação da Oceania, exceto na região desértica da 
Austrália, destacam-se a presença de florestas tropicais.
Hidrografia 
 A Oceania tem poucos rios importantes o que se deve 
em boa parte à pequena superfície das ilhas. 
 Apesar da forte pluviosidade, os leitos dos rios não 
dispõem de extensão suficiente para formação de cursos 
significativos. 
 Merecem destaque o Murray e seu afluente Darling, na 
Austrália; o Waikato, na Nova Zelândia; e o Daru, o Fly, 
o Kikori, o Purari, o Ramu e o Sepik, em Papua Nova 
Guiné.
Fauna 
 A fauna apresenta muitas espécies endêmicas e bastantes 
características como, por exemplo, os cangurus que existem 
apenas na Austrália. 
 Existem mais de 50 espécies deles e as espécies variam desde 
os pequenos wallabies até os maiores marsupiais do planeta, 
os cangurus marrons. 
 Outros animais típicos são os coalas, o diabo da tasmânia – 
que ganhou esse nome devido aos dentes afiadíssimos e 
bastante aparentes e que quase foi extinto, o dingo – uma 
espécie de cão selvagem, e o curioso ornitorrinco, um 
mamífero que bota ovos, tem pêlo, bico de pato e um ferrão 
na cauda. O crocodilo também um animal típico da Austrália e 
também um dos mais perigosos.
 A água viva, a “Box Jellyfish” ou “Sea Wasp”. Seus 
tentáculos podem chegar a vários metros de 
comprimento e liberam uma toxina mortal. 
 Outra água viva, a “Irukandji” é o menor animal do 
mundo com a capacidade de matar um homem adulto. 
 Até mesmo os cangurus, considerados pragas na 
Austrália, podem representar perigo devido ao grande 
número de acidentes causados por eles nas estradas.
Economia 
 A economia da Oceania é bem diversificada. Enquanto os 
países desenvolvidos (Austrália e Nova Zelândia) 
destacam-se pela fabricação de produtos industrializados 
e tecnologia, as outras ilhas da Oceania são dependentes 
da produção de gêneros agrícolas. 
 O Japão é um dos seus grandes parceiros comerciais.
Polinésia Francesa
Curiosidade: Alice Springs 
 Muito diferente de cidades grandes e conhecidas da Austrália, 
Alice Springs, além de ser a única cidade do deserto do país, é 
equidistante a todas as praias da Austrália. 
 "Alice", como chamada pelos seus locais, é considerada o 
centro do país e um oásis no meio do deserto australiano. 
 A cidade é pequena e simples, com apenas 27 mil habitantes. 
Mas é cheia de peculiaridades. 
 A começar pelos seus personagens, que parecem ter saído de 
um filme com esses chapéus de cowboy. E um rio, que passa 
95% do ano completamente seco. 
 Dizem até que Alice é o centro do mundo. Uma placa 
indicando isso está lá: “Rio de Janeiro a 14 mil quilômetros 
dali”.
Comparação entre alguns países (1998)
Imagens 
Ópera de Sidney
Kilauea - Hawaí
República de Vanuatu
Atol de Atafu 
Atol de Manuae
O Atol Moruroa (por vezes, chamado por erro de Mururoa) 
localiza-se no Arquipélago de Tuamotu, na Polinésia Francesa. 
Tornou-se conhecido, tal como o atol Fangataufa, desde que a 
França ali iniciou seus testes nucleares. 
Entre 1966 e 1974 foram feitos 46 testes atmosféricos e 150 
subterrâneos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Continente europeu
Continente europeuContinente europeu
Continente europeu
DANUBIA ZANOTELLI
 
Ásia
ÁsiaÁsia
Localização, demografia e regionalização da Ásia
Localização, demografia e regionalização da ÁsiaLocalização, demografia e regionalização da Ásia
Localização, demografia e regionalização da Ásia
Rodrigo Andrade
 
Asia
AsiaAsia
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
Mateus Souza
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Revisão de geografia europa - 9º ano
Revisão de geografia   europa - 9º anoRevisão de geografia   europa - 9º ano
Revisão de geografia europa - 9º ano
Simone Aguiar
 
Oceania
Oceania Oceania
Oceania
Camila Brito
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Roberta Sumar
 
O continente americano completo
O continente americano  completoO continente americano  completo
O continente americano completo
Camila Brito
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 
Mundo multipolar - Geopolítica
Mundo multipolar - GeopolíticaMundo multipolar - Geopolítica
Mundo multipolar - Geopolítica
Artur Lara
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
Stéfano Silveira
 
África
ÁfricaÁfrica
Oceania
OceaniaOceania
Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira
Artur Lara
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
Cleber Reis
 
Europa 9º
Europa 9ºEuropa 9º
Europa 9º
flaviocosac
 
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEs
Mateus Silva
 
Aspectos naturais europa
Aspectos naturais europaAspectos naturais europa
Aspectos naturais europa
Prof.Paulo/geografia
 

Mais procurados (20)

Continente europeu
Continente europeuContinente europeu
Continente europeu
 
Ásia
ÁsiaÁsia
Ásia
 
Localização, demografia e regionalização da Ásia
Localização, demografia e regionalização da ÁsiaLocalização, demografia e regionalização da Ásia
Localização, demografia e regionalização da Ásia
 
Asia
AsiaAsia
Asia
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
 
Revisão de geografia europa - 9º ano
Revisão de geografia   europa - 9º anoRevisão de geografia   europa - 9º ano
Revisão de geografia europa - 9º ano
 
Oceania
Oceania Oceania
Oceania
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
O continente americano completo
O continente americano  completoO continente americano  completo
O continente americano completo
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
Mundo multipolar - Geopolítica
Mundo multipolar - GeopolíticaMundo multipolar - Geopolítica
Mundo multipolar - Geopolítica
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
 
África
ÁfricaÁfrica
África
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
 
Europa 9º
Europa 9ºEuropa 9º
Europa 9º
 
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEs
 
Aspectos naturais europa
Aspectos naturais europaAspectos naturais europa
Aspectos naturais europa
 

Semelhante a Oceania características gerais

Oceania
OceaniaOceania
Oceania
OceaniaOceania
Oceania EFAN (1).pptx
Oceania EFAN (1).pptxOceania EFAN (1).pptx
Oceania EFAN (1).pptx
GustavoMarcelino14
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
Tataia Araujo
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
Ninho Cristo
 
Oceania E Antartida
Oceania E AntartidaOceania E Antartida
Oceania E Antartida
aroudus
 
O relevo da oceania
O relevo da oceaniaO relevo da oceania
O relevo da oceania
Marcos Matheus
 
OCEANIA
OCEANIA OCEANIA
OCEANIA
Ana Paula Sousa
 
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptx
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptxcapitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptx
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptx
sem nome
 
Aula 24 oceania
Aula 24   oceaniaAula 24   oceania
Aula 24 oceania
Jonatas Carlos
 
Japão e oceania
Japão e oceaniaJapão e oceania
Japão e oceania
recoba27
 
Japão e oceania
Japão e oceaniaJapão e oceania
Japão e oceania
recoba27
 
OCEANIA.pdf
OCEANIA.pdfOCEANIA.pdf
OCEANIA.pdf
Henrique Pontes
 
Oceania
OceaniaOceania
Slides_Oceania.pptx
Slides_Oceania.pptxSlides_Oceania.pptx
Slides_Oceania.pptx
GabrielaBrandoMotta
 
Aula 29 - Oceania população e economia.pptx
Aula 29 - Oceania população e economia.pptxAula 29 - Oceania população e economia.pptx
Aula 29 - Oceania população e economia.pptx
MariaCristinaSouzaLe1
 
oceania
oceaniaoceania
oceania
f7c0809
 
6 oceania
6 oceania6 oceania
6 oceania
Lucas Cechinel
 
Austrália
AustráliaAustrália
Austrália
danimontoro
 
Australia e nova zelandia apresentação
Australia e nova zelandia apresentaçãoAustralia e nova zelandia apresentação
Australia e nova zelandia apresentação
edsonluz
 

Semelhante a Oceania características gerais (20)

Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Oceania EFAN (1).pptx
Oceania EFAN (1).pptxOceania EFAN (1).pptx
Oceania EFAN (1).pptx
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Oceania E Antartida
Oceania E AntartidaOceania E Antartida
Oceania E Antartida
 
O relevo da oceania
O relevo da oceaniaO relevo da oceania
O relevo da oceania
 
OCEANIA
OCEANIA OCEANIA
OCEANIA
 
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptx
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptxcapitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptx
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptx
 
Aula 24 oceania
Aula 24   oceaniaAula 24   oceania
Aula 24 oceania
 
Japão e oceania
Japão e oceaniaJapão e oceania
Japão e oceania
 
Japão e oceania
Japão e oceaniaJapão e oceania
Japão e oceania
 
OCEANIA.pdf
OCEANIA.pdfOCEANIA.pdf
OCEANIA.pdf
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Slides_Oceania.pptx
Slides_Oceania.pptxSlides_Oceania.pptx
Slides_Oceania.pptx
 
Aula 29 - Oceania população e economia.pptx
Aula 29 - Oceania população e economia.pptxAula 29 - Oceania população e economia.pptx
Aula 29 - Oceania população e economia.pptx
 
oceania
oceaniaoceania
oceania
 
6 oceania
6 oceania6 oceania
6 oceania
 
Austrália
AustráliaAustrália
Austrália
 
Australia e nova zelandia apresentação
Australia e nova zelandia apresentaçãoAustralia e nova zelandia apresentação
Australia e nova zelandia apresentação
 

Mais de Colégio Nova Geração COC

China comunismo e economia
China   comunismo e economiaChina   comunismo e economia
China comunismo e economia
Colégio Nova Geração COC
 
As estruturas do relevo brasileiro
As estruturas do relevo brasileiroAs estruturas do relevo brasileiro
As estruturas do relevo brasileiro
Colégio Nova Geração COC
 
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundialA nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
Colégio Nova Geração COC
 
A desordem mundial
A desordem mundialA desordem mundial
A desordem mundial
Colégio Nova Geração COC
 
A crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismoA crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismo
Colégio Nova Geração COC
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
Colégio Nova Geração COC
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
Colégio Nova Geração COC
 
Filosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievoFilosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievo
Colégio Nova Geração COC
 
Filosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidadeFilosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidade
Colégio Nova Geração COC
 
John Rawls
John RawlsJohn Rawls
Michel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoderMichel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoder
Colégio Nova Geração COC
 
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantianoImmanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
Colégio Nova Geração COC
 
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionaisGuerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Colégio Nova Geração COC
 
Estados Unidos economia
Estados Unidos economiaEstados Unidos economia
Estados Unidos economia
Colégio Nova Geração COC
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Direitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no BrasilDireitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no Brasil
Colégio Nova Geração COC
 
David Hume
David HumeDavid Hume
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
Colégio Nova Geração COC
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Nietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existênciaNietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existência
Colégio Nova Geração COC
 

Mais de Colégio Nova Geração COC (20)

China comunismo e economia
China   comunismo e economiaChina   comunismo e economia
China comunismo e economia
 
As estruturas do relevo brasileiro
As estruturas do relevo brasileiroAs estruturas do relevo brasileiro
As estruturas do relevo brasileiro
 
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundialA nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
 
A desordem mundial
A desordem mundialA desordem mundial
A desordem mundial
 
A crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismoA crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismo
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
Filosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievoFilosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievo
 
Filosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidadeFilosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidade
 
John Rawls
John RawlsJohn Rawls
John Rawls
 
Michel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoderMichel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoder
 
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantianoImmanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
 
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionaisGuerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
 
Estados Unidos economia
Estados Unidos economiaEstados Unidos economia
Estados Unidos economia
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
 
Direitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no BrasilDireitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no Brasil
 
David Hume
David HumeDavid Hume
David Hume
 
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Nietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existênciaNietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existência
 

Último

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

Oceania características gerais

  • 1. Oceania Novíssimo continente Professor: Herbert Galeno Blog: herbertgaleno.blogspot.com.br
  • 2.
  • 3. Introdução  A Oceania é o continente mais isolado do mundo, sua barreira geográfica fez com que fosse o último a ser “descoberto” pelos europeus. Em razão desse atraso em seu descobrimento ficou conhecido como “novíssimo mundo“  Assim como na América e na África, a Oceania era ocupada por nativos antes da chegada dos europeus, em pouco tempo grande parte desses povos foram praticamente dizimados e os que restaram reivindicam até os dias de hoje os seus direitos.
  • 5. Colonização da Austrália  Os britânicos incorporaram a Austrália aos seus domínios em 1770. No ano da incorporação oficial, habitaram a ilha-continente cerca de 300 mil nativos, divididos em mais de 600 tribos, que falavam mais de 500 dialetos. Viviam num estágio cultural bastante primitivo, desconhecendo até a prática agrícola.  No século XVIII, a ocupação britânica restringiu-se à implantação de colônias penais, a mais importante delas nas proximidades da cidade de Sydney, e à fixação de um pequeno número de colonos, que constataram as grandes possibilidades de se desenvolver a pecuária com sucesso na colônia.
  • 6.  Em 1901 a Austrália tornou-se uma federação, deixando de depender da Inglaterra e passando a ter suas próprias leis e autonomia de governo. Não houve uma independência relâmpago, mas sim uma transição suave e gradual de poder da Inglaterra para a nova Austrália independente. Os laços de amizade e devoção à pátria mãe continuaram com o passar dos anos e até hoje mostram sinais de repeito, apesar da Coroa Inglesa não mandar mais nas leis e no governo australiano. Um Governador Geral apontado pela Rainha, foi (e até hoje é) enviado como representante da Inglaterra na Austrália, mas sob as ordens do ministério australiano.
  • 8. Colonização da Nova Zelândia  Quando a Nova Zelândia foi formalmente ocupada pelos britânicos em 1840, as suas ilhas eram habitadas pelos maoris, povo de origem polinésia. De 1845 a 1870, com a intensificação da colonização, ocorreram pesados conflitos entre britânicos e maoris, contrários à ocupação de suas terras.  Derrotados, os maoris, que foram reduzidos de 300 000 para pouco mais de 40 000, assinaram uma série de acordos com os colonizadores.
  • 9. Maoris da Nova Zelândia
  • 10. Território e população  No total, a Oceania possui mais de 10 mil ilhas que constituem 14 países independentes, além de alguns territórios ultramarinos, como por exemplo, as Ilhas Marianas do Norte pertencentes aos EUA.  Depois da Austrália, as maiores porções de terra da Oceania são as ilhas de Nova Zelândia e Papua Nova Guiné.  A população da Oceania se constitui de caucasianos, aborígenes e asiáticos, sendo o grupo dos caucasianos predominante em todo o continente devido ao processo de colonização, bastante tardio por sinal.
  • 12. Divisão territorial  Australásia: são as maiores ilhas, Austrália, Tasmânia, Nova Guiné e geograficamente, porém não cultural e historicamente, a Nova Zelândia;  Melanésia ("ilhas negras"): o nome é derivado de melanina, pigmento escuro da pele, e alude à cor dos habitantes dessas ilhas pouco extensas, localizadas, em sua maioria, ao norte, nordeste e leste da Austrália. Grande parte delas são possessões francesas e britânicas; as que constituem países independentes são Papua Nova Guiné, Ilhas Salomão, Vanuatu e Fiji;
  • 13.  Micronésia ("pequenas ilhas"): formada por ilhas muito pequenas, situadas ao norte e nordeste da Melanésia. O Reino Unido e os Estados Unidos possuem o maior número de territórios dessa área. Kiribati, Palau, Estados Federados da Micronésia, Ilhas Marshall e Nauru são os países independentes desse grupo;  Polinésia ("muitas ilhas"): corresponde às ilhas mais distantes da Austrália, dispersas por uma grande área do Pacífico. São em sua maioria possessões britânicas e francesas. Os países independentes da Polinésia são Tonga, Samoa, Tuvalu e, historicamente e culturalmente (o último em relação aos seus povos aborígenes), a Nova Zelândia (nome polinésio: Aotearoa). O estado estadunidense do Havaí e a ilha chilena Rapa Nui ou Ilha de Páscoa também fazem parte da Polinésia.
  • 14. Geologia  A maior parte do continente é de formação vulcânica e, o fato de estarem localizados no limite da placa tectônica do pacífico faz com que a região mantenha uma atividade sísmica e vulcânica bastante alta.  Os vulcões Mauna Loa e Kilauea são os recordistas mundiais em quantidade de lava expelida. ( SIM, o Hawai é um estado americano que faz parte da Oceania!)
  • 15. Relevo  O relevo da Oceania é predominantemente plano, com altitude média de 210 metros. Ao oeste das montanhas está a Bacia Cental , uma planície de estepes e savana. Ainda mais ao oeste se encontram o Grande Deserto Gibson e o Grande deserto Vitória , onde se erguem os montes Musgrave e MacDonnell.  No sudoeste fica a planície de Nullarbor. No território australiano encontram-se as planícies, bastante largas no norte, junto ao golfo da Carpentária e também no sudeste, próximo aos rios Murray e Darling.
  • 16.  As montanhas que formam os Alpes Australianos localizam-se no leste e no sudeste, com altitudes modestas. A maior parte do país é formado por planaltos, geralmente baixos e relativamente planos.  Na Nova Zelândia e Papua Nova Guiné há planícies, vales e grandes montanhas. O pico mais alto do continente é o monte Wilhelm com 4.509 metros em Papua Nova Guiné; as paisagens são notáveis por sua variedade e, em particular, por seu aspecto montanhoso
  • 17. Uluru e o estepe australiano (scrub)
  • 18. Clima e vegetação  Com relação ao clima da Oceania podemos destacar a presença do clima desértico na parte interior da Austrália. Em grande parte das ilhas do continente destaca-se o clima tropical.  Na vegetação da Oceania, exceto na região desértica da Austrália, destacam-se a presença de florestas tropicais.
  • 19. Hidrografia  A Oceania tem poucos rios importantes o que se deve em boa parte à pequena superfície das ilhas.  Apesar da forte pluviosidade, os leitos dos rios não dispõem de extensão suficiente para formação de cursos significativos.  Merecem destaque o Murray e seu afluente Darling, na Austrália; o Waikato, na Nova Zelândia; e o Daru, o Fly, o Kikori, o Purari, o Ramu e o Sepik, em Papua Nova Guiné.
  • 20. Fauna  A fauna apresenta muitas espécies endêmicas e bastantes características como, por exemplo, os cangurus que existem apenas na Austrália.  Existem mais de 50 espécies deles e as espécies variam desde os pequenos wallabies até os maiores marsupiais do planeta, os cangurus marrons.  Outros animais típicos são os coalas, o diabo da tasmânia – que ganhou esse nome devido aos dentes afiadíssimos e bastante aparentes e que quase foi extinto, o dingo – uma espécie de cão selvagem, e o curioso ornitorrinco, um mamífero que bota ovos, tem pêlo, bico de pato e um ferrão na cauda. O crocodilo também um animal típico da Austrália e também um dos mais perigosos.
  • 21.  A água viva, a “Box Jellyfish” ou “Sea Wasp”. Seus tentáculos podem chegar a vários metros de comprimento e liberam uma toxina mortal.  Outra água viva, a “Irukandji” é o menor animal do mundo com a capacidade de matar um homem adulto.  Até mesmo os cangurus, considerados pragas na Austrália, podem representar perigo devido ao grande número de acidentes causados por eles nas estradas.
  • 22. Economia  A economia da Oceania é bem diversificada. Enquanto os países desenvolvidos (Austrália e Nova Zelândia) destacam-se pela fabricação de produtos industrializados e tecnologia, as outras ilhas da Oceania são dependentes da produção de gêneros agrícolas.  O Japão é um dos seus grandes parceiros comerciais.
  • 23.
  • 25. Curiosidade: Alice Springs  Muito diferente de cidades grandes e conhecidas da Austrália, Alice Springs, além de ser a única cidade do deserto do país, é equidistante a todas as praias da Austrália.  "Alice", como chamada pelos seus locais, é considerada o centro do país e um oásis no meio do deserto australiano.  A cidade é pequena e simples, com apenas 27 mil habitantes. Mas é cheia de peculiaridades.  A começar pelos seus personagens, que parecem ter saído de um filme com esses chapéus de cowboy. E um rio, que passa 95% do ano completamente seco.  Dizem até que Alice é o centro do mundo. Uma placa indicando isso está lá: “Rio de Janeiro a 14 mil quilômetros dali”.
  • 26.
  • 27. Comparação entre alguns países (1998)
  • 31. Atol de Atafu Atol de Manuae
  • 32. O Atol Moruroa (por vezes, chamado por erro de Mururoa) localiza-se no Arquipélago de Tuamotu, na Polinésia Francesa. Tornou-se conhecido, tal como o atol Fangataufa, desde que a França ali iniciou seus testes nucleares. Entre 1966 e 1974 foram feitos 46 testes atmosféricos e 150 subterrâneos.