SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
PARA
PROBLEMAS COM BEBIDA
Em Center City, Minnesota
“Hazelden” conta com seis anos de experiência em recuperação
de homens com problemas com bebida. Seus diretores foram "ao olho
do furacão" de si mesmos e desenvolveram um programa baseado em
leitura, meditação, educação audiovisual, consultas e discussões, que
possibilitam aos hóspedes residentes entenderem os “porquês” deste
problema, e como paralisar esta doença.
Uma atenção especial é dada, servindo refeições apetitosas,
visando o bem-estar físico, que é reconhecido como um dos mais
importantes passos ao longo da caminhada para a recuperação.
Descanso e meditação também são importantes, e os visitantes
estarão autorizados apenas a pedido do hóspede residente.
Pesca, canoagem, piscina são algumas das possíveis diversões.
Médicos e enfermeiros disponíveis 24 horas por dia, e consultas
psiquiátricas serão agendadas mediante solicitação.
Preços razoáveis... para mais informações escreva para
341 North Dale Street Saint Paul 3, Minn.
(or) Center City, Minnesota
Uma organização sem fins lucrativos
O LUTO
UM PROCESSO DE CURA
Peter C. McDonald
Hazelden Foundation
Editora JCB Publicações Ltda
ii
Copyright © 2014, Peter C. McDonald
O Luto - Um processo de cura
Título em Inglês: GRIEVING – A HEALING
PROCESS
Publicado originalmente por: Hazelden
Foundation
Todos os direitos de tradução e
publicação para o território Brasileiro
reservados por Editora JCB Publicações
Ltda
PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU
PARCIAL POR QUAISQUER MEIOS, SEM
PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DA EDITORA
IMPRESSO NO BRASIL
Printed in Brazil
1ª Edição Brasileira
Maio de 2014
Infinite Loop Avenue,#304
California Place
Patos de Minas, MG CEP 38700-000
Telefax: (34) 6963-4958
URL: www.jcbpublicacoes.com.br
E-mail: editora@jcbpublicacoes.com
Coordenação Editorial: AMMB Syncro
Projeto Gráfico: MFMB Ilustra
Edição de texto: AMMB Syncro
Diagramação: JCB Desing
Revisão: JCB Desing
Adaptação da Capa: JCB Desing
Ilustração: MFMB Ilustra
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
McDonald, Peter C.
O Luto – Um processo de cura / Peter C. McDonald; /
Tradução: AMMB Syncro /. – 1ª. Ed. – Minas Gerais:
Editora JCB Publicações Ltda., 2014. – (Dependência
química)
Título original: Grieving – A Healing Process.
Bibliografia.
ISBN 972-8272-03-6
1. Dependência Química. 2. Compulsão. 3. Tratamento
I. Título II. Série
CDD-717.3 07-7209
iii
Nota dos Editores à Tradução Brasileira:
Uma adicção consiste no uso habitual de substâncias alteradoras
do humor (medicamentos, álcool, drogas) ou de comportamentos
(excesso de trabalho, jogos, abuso de comida, internet, falar
demais, sexo, mania de limpeza, consumismo) que é caracterizado
pela tolerância à substância ou comportamento (sendo que um
crescente e contínuo uso à substância ou comportamento se
tornam necessários para obter o mesmo efeito) e pela perda de
controle (o uso continuado apesar de suas consequências
negativas).
A dependência química consiste na adicção ao álcool e/ou
outras drogas. É uma doença progressiva e, se não for tratada,
mortal.
Sobre a Fundação Hazelden:
Os “Materiais Educacionais da Hazelden”, editados no
Brasil pela Editora JCB Publicações Ltda., oferecem uma grande
variedade de informação sobre a dependência química e as áreas
com ela relacionadas. As nossas publicações não representam
necessariamente os programas da Fundação Hazelden, nem se
pronunciam oficialmente por nenhuma organização dos Doze
Passos.
Sobre este livro:
Este livro mostra o luto como uma coisa que todos enfrentam ao
longo da vida. A perda e o luto subsequente fazem parte da vida e
não há como fugir deste fato. O Décimo Segundo Passo diz que
“temos que praticar estes princípios em todas as nossas atividades”.
Estas atividades podem ser às vezes as perdas que se tem que
enfrentar.
Sobre o autor:
O Rev. Peter C. McDonald é membro de uma equipe
multidisciplinar, que presta serviços a pacientes terminais e às suas
famílias. Ele realiza terapias espirituais e é facilitador em grupos de
apoio ao luto como um serviço à comunidade.
v
Agradecimentos
Gostaria de agradecer ao Rev. Benonis, capelão e
Tenente coronel do Exército dos Estados Unidos da
América por ter feito a ligação entre o processo do luto
e o Primeiro Passo dos A.A. Limitei-me a transcrever
para o papel o que ele descobriu através de seu trabalho
em Hazelden e durante nossos cursos residenciais de
Educação Clínica Pastoral. Aprendi muito com ele e tive,
também, o prazer de ter partilhado de sua amizade
nessa época de minha vida. Desejo ainda à Rev. Priscilla
W. Braun, senhora de grande sabedoria e amor. Este
livro é dedicado a eles.
vii
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO ..................................................................................... 9
PERDAS ASSOCIADAS AO LUTO ......................................................... 10
O PROCESSO DO LUTO ....................................................................... 14
OS CINCO ESTÁGIOS DO LUTO ......................................................... 15
CONCLUSÃO ........................................................................................ 21
Página | 9
INTRODUÇÃO
Quando se inicia verdadeiramente o Primeiro Passo
“Admitimos que somos impotentes perante nossa
adicção e que perdemos o controle de nossas vidas”,
percebe-se que ele trata simplesmente da aceitação da
perda. Isto pode parecer assustador, mas não precisa ser
assim, basta admitir que a impotência, é a aceitação da
perda de poder sobre si mesmo e sobre o mundo.
Talvez seja útil saber que em qualquer tipo de perda
se seguirá, inevitavelmente, o luto. Ele acompanha a
perda seja ela grande ou pequena. É bom saber que o
luto passa por várias fases e que quase sempre termina
pela aceitação da perda. Isto é outra forma de dizer que
o Primeiro Passo faz parte do processo de luto. Assim,
todos que admitem sua impotência no Primeiro Passo,
passaram pelo processo do luto, como um critério para
continuar o programa dos Doze Passos.
Página | 10
AS PERDAS ASSOCIADAS AO LUTO
Consideremos algumas das perdas que sofremos ao
deixar a nossa dependência:
1. A própria substância: seja a droga, o álcool, ou
outras compulsões, a garrafa (ou o que seja), é
uma velha amiga de quem muitas vezes se
depende para afastar o “sofrimento”, para ajudar
a sentir que se controla a situação e ter melhor
opinião sobre si mesmo. Quando deixamos esta
“muleta” de lado, ocorre o pensamento de que
teremos que aguentar tudo sozinho sem qualquer
tipo de ajuda.
2. Os amigos: quando paramos de beber ou de se
drogar, simultaneamente deixamos de lado um
velho círculo de amigos. Podem ser vizinhos ou
colegas de trabalho, ou até mesmo membros da
família que continuam bebendo ou se drogando.
Do mesmo modo, se a bebida ou as drogas
acompanhavam os esportes ou outras atividades
sociais, poderá ser necessário deixar estas
atividades de lado durante algum tempo, caso
continuar com elas cause risco a sua recuperação.
Os familiares codependentes (aqueles que tentam
Página | 11
controlar o comportamento do adicto ou de
outras pessoas e perdem o controle do próprio
comportamento) poderão continuar com estas
atividades ou optar em deixá-las por algum
tempo, se isto for ajudar o adicto em sua
recuperação.
3. Um relacionamento: caso esteja terminando um,
com frequência, se perde não só esta pessoa, mas
todo um grupo de amigos e conhecidos, incluindo
os membros da família que se deixa de ver e os
lugares que costumavam frequentar. Deixar
amigos e atividades cria um grande espaço de
tempo ocioso durante o qual pode se sentir,
normalmente, isolado e deprimido e que se não
for sabiamente ocupado, poderá ser um gatilho
que dispara uma recaída.
4. A autoimagem e a autoestima: sob a influência
do álcool ou do químico, o adicto acreditava que
cuidava bem de sua família, que era uma pessoa
responsável e carinhosa, pensava que controlava
as situações que surgiam, e que sua compulsão
por bebidas ou drogas não os prejudicava ou as
pessoas que estavam ao seu redor. Mas quando
se decide parar, começa a se conscientizar de que
Página | 12
não era esse o caso. Verificamos que não se tinha
o controle sobre a adicção ou às situações. Se
conscientizar disso constitui um terrível golpe
para a maioria e destrói a autoestima e as ilusões
a seu respeito.
5. Emprego: muitas vezes a drogadição ou o uso
abusivo de álcool foi a causa da perda de um
emprego (ou mesmo de uma série de empregos).
Isto pode ser uma perda realmente difícil se o
sentimento de identidade do indivíduo dependia
deste emprego. Para muitos, uma grande parte
da autoimagem está associada ao que se faz para
ganhar a vida.
6. A família: Em outros casos, muitos como
consequência de beber ou se drogar, perdem
alguém através de uma separação ou de um
divórcio. A presença da esposa, marido, pai, mãe
é importante para todos e dá sentido às vidas de
todas as pessoas. Às vezes, as pessoas mais novas
perdem os pais por causa de sua própria
dependência ou da dependência de um dos pais,
o que pode, de qualquer maneira, ser uma perda
enorme. Desempenhar o papel de criança
proporciona segurança, e perder este papel os
Página | 13
obriga a se transformar em qualquer coisa nova –
adulto, responsável, independente. Isso pode se
tornar assustador.
7. Foco: Finalmente e talvez o mais importante, é
perder a razão de viver, se tiver vivido para beber
ou se drogar, para ser pais ou para contribuir de
alguma forma através do trabalho (quer seja em
relação à família, à empresa ou à sociedade), e
perder qualquer destas coisas devido a doença.
Perde-se então a razão de viver e se não existir
uma razão para viver, morremos.
Página | 14
O PROCESSO DO LUTO
O luto é uma resposta saudável a uma situação difícil
de perda. Não importa o que se perde, pode ser um ente
querido ou o controle sobre o álcool ou as drogas.
O foco de problema é a impotência sobre o álcool, as
drogas, a vida, a morte, os sentimentos de outra pessoa,
seu comportamento.
Qualquer perda leva ao luto, e para aceitar
completamente essa perda, devemos fazer seu luto.
Somente pelo processo de luto é que chegaremos a um
estado de espírito de paz e serenidade.
A Dra. Elisabeth Kubler-Ross, estudou o processo do
luto em um trabalho e descreveu várias fases que
observou nos doentes e em suas famílias.
Embora as situações possam ser diferentes, o
processo é o mesmo para quem quer que experimente
uma perda. É por isso que os estágios por ela descritos
se aplicam igualmente ao alcoolismo ou a outras formas
de dependência.
Página | 15
OS CINCO ESTÁGIOS DO LUTO
Cada fase do processo do luto é natural e saudável,
porém é fácil se prender em uma dessas fases e este
processo serve tanto para a negação quanto para
qualquer uma das outras fases. As fases podem surgir
isoladas, ou juntas, pode-se verificar a ocorrência
repetidas vezes de algumas delas ou de todas, pode-se
regredir, o que não consiste em um problema, enquanto
nos lembrarmos do objetivo do luto: aceitação da perda.
1. Negação: Ela é um amortecedor psicológico que
protege contra os pensamentos ou sentimentos
aos quais ainda não se está mental, emocional ou
espiritualmente preparado para lidar. Todos
negam aquilo que não estão preparados para
aceitar. Lembre-se de quando soube que alguém
morreu e disse: “Não acredito”! Isto é negação e
pode durar instantes ou anos, até que se consiga
dizer: “Pronto, aconteceu. É real. E agora, como é
que me sinto? O que vou fazer agora”? Devemos
barganhar com nossos sentimentos nesta fase.
Existe uma relação entre a importância da pessoa
ou da coisa que se perdeu e o grau da negação.
Quanto maior era a dependência daquilo que se
perdeu maior será a negação. Por isso a
Página | 16
determinada altura torna-se decisivo encarar a
realidade e parar de negar a impotência, fazer o
Primeiro Passo, e admitir – mesmo que não se
aceite – a impotência.
2. Raiva: Alguma vez aconteceu de ficar com raiva
quando perdeu alguma coisa e não conseguiu
encontrar? Isso faz parte do luto. Parecemos
impotentes quanto a nossa capacidade de
localizar o objeto perdido ou aceitar a morte de
alguém próximo a nós. É uma resposta natural a
uma perda dolorosa. Ocorre exatamente o
mesmo com a dependência química. As pessoas
adictas ficam simplesmente furiosas com o fato
de perderem controle do próprio comportamento
dos próprios sentimentos ou dos sentimentos dos
outros. Costumávamos dizer: ”Só uma dose antes
de voltar para casa”, e quatro horas depois
estavam embriagados como um boné velho na
cabeça ao chegar em casa, isto quando voltamos
pra casa. No outro dia, sentimos raiva por sermos
tão fracos e de tal forma impotentes perante a
droga ou ao álcool. E os codependentes –
cônjuges e filhos – que estavam em casa nos
esperando, ficam furiosos porque, o que quer que
se faça, por mais que os amemos, continuamos a
Página | 17
beber ou a usar drogas. O problema com a raiva é
que ela pode se tornar destrutiva se não for
expressa de forma saudável. Pode se transformar
num ressentimento amargo e levar a beber ou se
drogar cada vez mais para fugir desse sentimento.
Sutil e invasiva, ela pode recair sobre os membros
da família ou manifestar-se no trabalho, e o
comportamento fica fora de controle. Pode
conduzir à violência. Pode transformar-se em
depressão (raiva de si mesmo) e levar ao
desespero ou até ao suicídio. Por isso é vital
admitir que a sente e partilhar este sentimento.
3. Dor/desespero/depressão: Representam situações
seguras que se cria ocasiões em que se permite
estar triste. Ajuda a expressar os sentimentos
profundos que se tem a respeito da perda. Muitos
adictos em recuperação falam de sua droga de
preferencia como um antigo amigo: “O meu maior
amigo era a garrafa”. É uma afirmação que se
ouve com frequência, quando se perde esse
amigo se sente triste. Com a dor vem também o
desespero, é assustador perder alguém ou
alguma coisa de que se tornou dependente, como
por exemplo a esposa. Acaba se desiludindo da
própria vida e ocorre pensamentos de desistir,
Página | 18
desejando a morte. É um sentimento de grande
solidão e desesperança. Um dos problemas com a
dor é que tal como a raiva, pode se tornar
destrutiva. Pode-se facilmente cair numa
armadilha e começar a sentir pena de si mesmo,
se tornando auto piedoso. Muitas vezes a auto
piedade, a menos que se faça qualquer coisa para
resolvê-la, conduzirá diretamente a bebida ou a
droga. Ou pode fazer voltar a um padrão de
comportamento destrutivo do qual estava se
libertando. A dor pode também levar à depressão
que pode imobilizar e o nos faz sentir
completamente desamparados. A um ponto de
nem querer sair da cama pela manhã, não
consegue dormir ou então dorme o dia todo. A
dor pode levar, também, a pensamentos ou ações
suicidas. Chorar é saudável e é uma boa forma de
expressar a dor. É uma forma de tratamento e de
limpeza. No entanto, para certas pessoas chorar
pode ser difícil. Mas chorar representa o
reconhecimento e a crescente aceitação da
impotência, e portanto, da humildade. Chorar é
saudável.
Página | 19
4. Negociação: É a tentativa desesperada para
manter o controle, para conseguir que as coisas
ocorram como se quer. Tentar controlar o uso é
negociar: “Se eu beber só uma ou duas latas
provo que me controlo, e portanto que não sou
impotente”. “Se eu beber só nos fins de semana,
isso significa que não sou impotente. Portanto
posso beber”. Ou uma esposa pode dizer: “Bem, o
convenci a não tomar outro copo, isso quer dizer
que tenho alguma influência sobre ele quanto ao
seu uso”. Negociar impede de enfrentar a
realidade e assim é uma forma de negação
também. Até certo ponto é bom pois ajuda a
realmente descobrir se controla ou não alguma
coisa. Mas também se torna destrutivo se lhe for
permitido permanecer nele por muito tempo pois
separa a realidade da perda. Deixa uma ilusão de
que ainda se tem o controle e impede de alcançar
a fase final do processo do luto.
5. Aceitação: Esta é a fase final do processo, o
objetivo do luto. Tendo passado pela negação,
raiva, tristeza e negociação, chega-se à aceitação
da perda que ocorreu. Se aceita que é impotente
e que não é a pessoa que pensava ser. Tendo
feito o luto, pode aceitar a perda do poder, e
Página | 20
seguir sua vida, o que é precisamente aquilo que
os Doze Passos querem dizer. Encontra-se a paz e
a serenidade, chega-se a um acordo com a
realidade. Não precisa de fé para admitir que é
impotente, mas precisa dela para aceitar a
impotência. A fé é o antídoto do medo, se tiver fé,
aconteça o que acontecer, tudo acabará ficando
bem, não se tem nada a temer. Pode-se aceitar o
estado de impotência sabendo que alguém ou
alguma coisa cuida de você, é aqui que entra o
Segundo Passo. “Viemos a acreditar que um Poder
superior a nós mesmos poderia devolver-nos à
sanidade”, tornando-nos assim capazes de aceitar
a nossa impotência. Podemos então decidir fazer
o Terceiro Passo e pedir ajuda. Tudo está
interligado.
Página | 21
CONCLUSÃO
Quer se esteja apenas começando a se recuperar da
adicção ou de outro tipo de dependência ou mesmo que
se encontre a vários anos num Programa de Doze
Passos, o luto é uma coisa que todos enfrentam ao
longo da vida. A perda e o luto subsequente fazem parte
da vida e não há como fugir deste fato.
O Décimo Segundo Passo diz que “Tendo
experimentado um despertar espiritual graças a estes
passos, procuramos transmitir esta mensagem a outros
adictos e praticar estes princípios em todas as nossas
atividades”. Estas atividades podem ser às vezes as
perdas que se tem que enfrentar. Quer seja a morte de
um dos pais, o fim de um relacionamento e, senão a
mais importante, o fim da dependência química, que
muitos lutam tanto para conquistar.
Seja tão honesto quanto puder ao se observar e ao
fazê-lo, saiba que se encontra entre os poucos seres
humanos que estiveram frente às suas perdas e à sua
dependência e as superaram.
O luto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaídaPlano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaída
giulliangel
 
O papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependênciaO papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependência
blogdapsique
 
Quem é o co dependente
Quem é o co dependenteQuem é o co dependente
Quem é o co dependente
blogdapsique
 
Apostila tratamento da dependência química
Apostila   tratamento da dependência químicaApostila   tratamento da dependência química
Apostila tratamento da dependência química
karol_ribeiro
 
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEISOS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
Raios de Sol CT
 
Palestra sobre drogas atual 2010
Palestra sobre drogas atual 2010Palestra sobre drogas atual 2010
Palestra sobre drogas atual 2010
Alinebrauna Brauna
 
Depressão - Marcelly e Marcilene
Depressão -  Marcelly e MarcileneDepressão -  Marcelly e Marcilene
Depressão - Marcelly e Marcilene
mahvieira
 

Mais procurados (20)

Plano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaídaPlano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaída
 
A preveno da recada apostila
A preveno da recada apostila A preveno da recada apostila
A preveno da recada apostila
 
O papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependênciaO papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependência
 
Mpcda
MpcdaMpcda
Mpcda
 
Quem é o co dependente
Quem é o co dependenteQuem é o co dependente
Quem é o co dependente
 
Palestra Sou um Adicto
Palestra Sou um AdictoPalestra Sou um Adicto
Palestra Sou um Adicto
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
 
Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
 
Rei bebe
Rei bebe Rei bebe
Rei bebe
 
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniDEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
 
Apostila tratamento da dependência química
Apostila   tratamento da dependência químicaApostila   tratamento da dependência química
Apostila tratamento da dependência química
 
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
 
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEISOS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
 
Alcoolismo (1)
Alcoolismo (1)Alcoolismo (1)
Alcoolismo (1)
 
Palestra sobre drogas atual 2010
Palestra sobre drogas atual 2010Palestra sobre drogas atual 2010
Palestra sobre drogas atual 2010
 
Catalogo de Literaturas de A.A.
Catalogo de Literaturas de A.A.Catalogo de Literaturas de A.A.
Catalogo de Literaturas de A.A.
 
12 passos aa
12 passos aa12 passos aa
12 passos aa
 
Depressão - Marcelly e Marcilene
Depressão -  Marcelly e MarcileneDepressão -  Marcelly e Marcilene
Depressão - Marcelly e Marcilene
 

Destaque

0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela 0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela
laiscarlini
 
Fatores de Riscos
Fatores de RiscosFatores de Riscos
Fatores de Riscos
Net Viva
 
Comportamento aula 03 - verdade x honestidade
Comportamento  aula 03 - verdade x honestidadeComportamento  aula 03 - verdade x honestidade
Comportamento aula 03 - verdade x honestidade
jvictormm
 
Morte e luto
Morte e lutoMorte e luto
Morte e luto
nu9000
 
Visita ao paciente terminal sobreotemordamorte veranog 010607.pp
Visita ao paciente terminal sobreotemordamorte veranog 010607.ppVisita ao paciente terminal sobreotemordamorte veranog 010607.pp
Visita ao paciente terminal sobreotemordamorte veranog 010607.pp
PrLinaldo Junior
 
Cuidando de pacientes em fase terminal: a perspectiva de alunos de enfermagem .
Cuidando de pacientes em fase terminal: a perspectiva de alunos de enfermagem .Cuidando de pacientes em fase terminal: a perspectiva de alunos de enfermagem .
Cuidando de pacientes em fase terminal: a perspectiva de alunos de enfermagem .
grupoterminalidade2
 
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalar hma-femipa
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalar   hma-femipaPalestra a sustentabilidade no contexto hospitalar   hma-femipa
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalar hma-femipa
Pró-Saúde Araucária
 
Efeito das Drogas
Efeito das Drogas Efeito das Drogas
Efeito das Drogas
Tibirica
 
Capelania hospitalar aula de introdu+ç+âo
Capelania hospitalar   aula de introdu+ç+âoCapelania hospitalar   aula de introdu+ç+âo
Capelania hospitalar aula de introdu+ç+âo
PrLinaldo Junior
 

Destaque (20)

Grandiosidade
GrandiosidadeGrandiosidade
Grandiosidade
 
Adicção
AdicçãoAdicção
Adicção
 
0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela 0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela
 
Instituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
Instituto Espírita de Educação - Perdas e LutoInstituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
Instituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
 
Fatores de Riscos
Fatores de RiscosFatores de Riscos
Fatores de Riscos
 
Comportamento aula 03 - verdade x honestidade
Comportamento  aula 03 - verdade x honestidadeComportamento  aula 03 - verdade x honestidade
Comportamento aula 03 - verdade x honestidade
 
As fases do luto
As fases do luto   As fases do luto
As fases do luto
 
Morte e luto
Morte e lutoMorte e luto
Morte e luto
 
Elaboração do Luto
Elaboração do LutoElaboração do Luto
Elaboração do Luto
 
0105
01050105
0105
 
Visita ao paciente terminal sobreotemordamorte veranog 010607.pp
Visita ao paciente terminal sobreotemordamorte veranog 010607.ppVisita ao paciente terminal sobreotemordamorte veranog 010607.pp
Visita ao paciente terminal sobreotemordamorte veranog 010607.pp
 
Cuidando de pacientes em fase terminal: a perspectiva de alunos de enfermagem .
Cuidando de pacientes em fase terminal: a perspectiva de alunos de enfermagem .Cuidando de pacientes em fase terminal: a perspectiva de alunos de enfermagem .
Cuidando de pacientes em fase terminal: a perspectiva de alunos de enfermagem .
 
Libro complementario 4 t15
Libro complementario 4 t15Libro complementario 4 t15
Libro complementario 4 t15
 
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalar hma-femipa
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalar   hma-femipaPalestra a sustentabilidade no contexto hospitalar   hma-femipa
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalar hma-femipa
 
Luto normal
Luto normalLuto normal
Luto normal
 
Efeito das Drogas
Efeito das Drogas Efeito das Drogas
Efeito das Drogas
 
Como lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcio
Como lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcioComo lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcio
Como lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcio
 
Livro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogasLivro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogas
 
Capelania hospitalar aula de introdu+ç+âo
Capelania hospitalar   aula de introdu+ç+âoCapelania hospitalar   aula de introdu+ç+âo
Capelania hospitalar aula de introdu+ç+âo
 
Adoção fatores de risco e proteção
Adoção  fatores de risco e proteçãoAdoção  fatores de risco e proteção
Adoção fatores de risco e proteção
 

Semelhante a O luto

A toxicodependência
A toxicodependênciaA toxicodependência
A toxicodependência
Msaude
 
Boletim informativo abril2015
Boletim informativo   abril2015Boletim informativo   abril2015
Boletim informativo abril2015
fespiritacrista
 
Estrate_gias+psicolo_gicas+familiar+e+o+dependente+quimico.pdf
Estrate_gias+psicolo_gicas+familiar+e+o+dependente+quimico.pdfEstrate_gias+psicolo_gicas+familiar+e+o+dependente+quimico.pdf
Estrate_gias+psicolo_gicas+familiar+e+o+dependente+quimico.pdf
ZidenioSantos1
 

Semelhante a O luto (20)

A depresso impotencia para viver
A depresso   impotencia para viverA depresso   impotencia para viver
A depresso impotencia para viver
 
A depresso impotencia para viver
A depresso   impotencia para viverA depresso   impotencia para viver
A depresso impotencia para viver
 
Toxico
ToxicoToxico
Toxico
 
O que e spiritualidade
O que e spiritualidade O que e spiritualidade
O que e spiritualidade
 
LiçãO 08 SaúDe Na FamíLia
LiçãO 08 SaúDe Na FamíLiaLiçãO 08 SaúDe Na FamíLia
LiçãO 08 SaúDe Na FamíLia
 
A toxicodependência
A toxicodependênciaA toxicodependência
A toxicodependência
 
Grandiosidade
Grandiosidade Grandiosidade
Grandiosidade
 
Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...
Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...
Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...
 
Cartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fimCartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fim
 
Cartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fimCartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fim
 
Dependência Química na Visão Espírita
Dependência Química na Visão EspíritaDependência Química na Visão Espírita
Dependência Química na Visão Espírita
 
Boletim informativo abril2015
Boletim informativo   abril2015Boletim informativo   abril2015
Boletim informativo abril2015
 
TCF sobre Alcoolismo no ambiente familiar
TCF sobre Alcoolismo no ambiente familiarTCF sobre Alcoolismo no ambiente familiar
TCF sobre Alcoolismo no ambiente familiar
 
Estrate_gias+psicolo_gicas+familiar+e+o+dependente+quimico.pdf
Estrate_gias+psicolo_gicas+familiar+e+o+dependente+quimico.pdfEstrate_gias+psicolo_gicas+familiar+e+o+dependente+quimico.pdf
Estrate_gias+psicolo_gicas+familiar+e+o+dependente+quimico.pdf
 
Cartilha depressão e transtornos alimentares
Cartilha depressão e transtornos alimentaresCartilha depressão e transtornos alimentares
Cartilha depressão e transtornos alimentares
 
Recuperação
RecuperaçãoRecuperação
Recuperação
 
Guiapraticodrogas
GuiapraticodrogasGuiapraticodrogas
Guiapraticodrogas
 
Trabalho sobre depressão
Trabalho sobre depressãoTrabalho sobre depressão
Trabalho sobre depressão
 
18. a alegria de ser jovem
18. a alegria de ser jovem18. a alegria de ser jovem
18. a alegria de ser jovem
 
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdf
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdfCristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdf
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdf
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 

Último (8)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 

O luto

  • 1.
  • 2. PARA PROBLEMAS COM BEBIDA Em Center City, Minnesota “Hazelden” conta com seis anos de experiência em recuperação de homens com problemas com bebida. Seus diretores foram "ao olho do furacão" de si mesmos e desenvolveram um programa baseado em leitura, meditação, educação audiovisual, consultas e discussões, que possibilitam aos hóspedes residentes entenderem os “porquês” deste problema, e como paralisar esta doença. Uma atenção especial é dada, servindo refeições apetitosas, visando o bem-estar físico, que é reconhecido como um dos mais importantes passos ao longo da caminhada para a recuperação. Descanso e meditação também são importantes, e os visitantes estarão autorizados apenas a pedido do hóspede residente. Pesca, canoagem, piscina são algumas das possíveis diversões. Médicos e enfermeiros disponíveis 24 horas por dia, e consultas psiquiátricas serão agendadas mediante solicitação. Preços razoáveis... para mais informações escreva para 341 North Dale Street Saint Paul 3, Minn. (or) Center City, Minnesota Uma organização sem fins lucrativos
  • 3. O LUTO UM PROCESSO DE CURA Peter C. McDonald Hazelden Foundation Editora JCB Publicações Ltda
  • 4. ii Copyright © 2014, Peter C. McDonald O Luto - Um processo de cura Título em Inglês: GRIEVING – A HEALING PROCESS Publicado originalmente por: Hazelden Foundation Todos os direitos de tradução e publicação para o território Brasileiro reservados por Editora JCB Publicações Ltda PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL POR QUAISQUER MEIOS, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DA EDITORA IMPRESSO NO BRASIL Printed in Brazil 1ª Edição Brasileira Maio de 2014 Infinite Loop Avenue,#304 California Place Patos de Minas, MG CEP 38700-000 Telefax: (34) 6963-4958 URL: www.jcbpublicacoes.com.br E-mail: editora@jcbpublicacoes.com Coordenação Editorial: AMMB Syncro Projeto Gráfico: MFMB Ilustra Edição de texto: AMMB Syncro Diagramação: JCB Desing Revisão: JCB Desing Adaptação da Capa: JCB Desing Ilustração: MFMB Ilustra Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) McDonald, Peter C. O Luto – Um processo de cura / Peter C. McDonald; / Tradução: AMMB Syncro /. – 1ª. Ed. – Minas Gerais: Editora JCB Publicações Ltda., 2014. – (Dependência química) Título original: Grieving – A Healing Process. Bibliografia. ISBN 972-8272-03-6 1. Dependência Química. 2. Compulsão. 3. Tratamento I. Título II. Série CDD-717.3 07-7209
  • 5. iii Nota dos Editores à Tradução Brasileira: Uma adicção consiste no uso habitual de substâncias alteradoras do humor (medicamentos, álcool, drogas) ou de comportamentos (excesso de trabalho, jogos, abuso de comida, internet, falar demais, sexo, mania de limpeza, consumismo) que é caracterizado pela tolerância à substância ou comportamento (sendo que um crescente e contínuo uso à substância ou comportamento se tornam necessários para obter o mesmo efeito) e pela perda de controle (o uso continuado apesar de suas consequências negativas). A dependência química consiste na adicção ao álcool e/ou outras drogas. É uma doença progressiva e, se não for tratada, mortal. Sobre a Fundação Hazelden: Os “Materiais Educacionais da Hazelden”, editados no Brasil pela Editora JCB Publicações Ltda., oferecem uma grande variedade de informação sobre a dependência química e as áreas com ela relacionadas. As nossas publicações não representam necessariamente os programas da Fundação Hazelden, nem se pronunciam oficialmente por nenhuma organização dos Doze Passos. Sobre este livro: Este livro mostra o luto como uma coisa que todos enfrentam ao longo da vida. A perda e o luto subsequente fazem parte da vida e não há como fugir deste fato. O Décimo Segundo Passo diz que “temos que praticar estes princípios em todas as nossas atividades”. Estas atividades podem ser às vezes as perdas que se tem que enfrentar. Sobre o autor: O Rev. Peter C. McDonald é membro de uma equipe multidisciplinar, que presta serviços a pacientes terminais e às suas famílias. Ele realiza terapias espirituais e é facilitador em grupos de apoio ao luto como um serviço à comunidade.
  • 6. v Agradecimentos Gostaria de agradecer ao Rev. Benonis, capelão e Tenente coronel do Exército dos Estados Unidos da América por ter feito a ligação entre o processo do luto e o Primeiro Passo dos A.A. Limitei-me a transcrever para o papel o que ele descobriu através de seu trabalho em Hazelden e durante nossos cursos residenciais de Educação Clínica Pastoral. Aprendi muito com ele e tive, também, o prazer de ter partilhado de sua amizade nessa época de minha vida. Desejo ainda à Rev. Priscilla W. Braun, senhora de grande sabedoria e amor. Este livro é dedicado a eles.
  • 7. vii SUMÁRIO INTRODUÇÃO ..................................................................................... 9 PERDAS ASSOCIADAS AO LUTO ......................................................... 10 O PROCESSO DO LUTO ....................................................................... 14 OS CINCO ESTÁGIOS DO LUTO ......................................................... 15 CONCLUSÃO ........................................................................................ 21
  • 8. Página | 9 INTRODUÇÃO Quando se inicia verdadeiramente o Primeiro Passo “Admitimos que somos impotentes perante nossa adicção e que perdemos o controle de nossas vidas”, percebe-se que ele trata simplesmente da aceitação da perda. Isto pode parecer assustador, mas não precisa ser assim, basta admitir que a impotência, é a aceitação da perda de poder sobre si mesmo e sobre o mundo. Talvez seja útil saber que em qualquer tipo de perda se seguirá, inevitavelmente, o luto. Ele acompanha a perda seja ela grande ou pequena. É bom saber que o luto passa por várias fases e que quase sempre termina pela aceitação da perda. Isto é outra forma de dizer que o Primeiro Passo faz parte do processo de luto. Assim, todos que admitem sua impotência no Primeiro Passo, passaram pelo processo do luto, como um critério para continuar o programa dos Doze Passos.
  • 9. Página | 10 AS PERDAS ASSOCIADAS AO LUTO Consideremos algumas das perdas que sofremos ao deixar a nossa dependência: 1. A própria substância: seja a droga, o álcool, ou outras compulsões, a garrafa (ou o que seja), é uma velha amiga de quem muitas vezes se depende para afastar o “sofrimento”, para ajudar a sentir que se controla a situação e ter melhor opinião sobre si mesmo. Quando deixamos esta “muleta” de lado, ocorre o pensamento de que teremos que aguentar tudo sozinho sem qualquer tipo de ajuda. 2. Os amigos: quando paramos de beber ou de se drogar, simultaneamente deixamos de lado um velho círculo de amigos. Podem ser vizinhos ou colegas de trabalho, ou até mesmo membros da família que continuam bebendo ou se drogando. Do mesmo modo, se a bebida ou as drogas acompanhavam os esportes ou outras atividades sociais, poderá ser necessário deixar estas atividades de lado durante algum tempo, caso continuar com elas cause risco a sua recuperação. Os familiares codependentes (aqueles que tentam
  • 10. Página | 11 controlar o comportamento do adicto ou de outras pessoas e perdem o controle do próprio comportamento) poderão continuar com estas atividades ou optar em deixá-las por algum tempo, se isto for ajudar o adicto em sua recuperação. 3. Um relacionamento: caso esteja terminando um, com frequência, se perde não só esta pessoa, mas todo um grupo de amigos e conhecidos, incluindo os membros da família que se deixa de ver e os lugares que costumavam frequentar. Deixar amigos e atividades cria um grande espaço de tempo ocioso durante o qual pode se sentir, normalmente, isolado e deprimido e que se não for sabiamente ocupado, poderá ser um gatilho que dispara uma recaída. 4. A autoimagem e a autoestima: sob a influência do álcool ou do químico, o adicto acreditava que cuidava bem de sua família, que era uma pessoa responsável e carinhosa, pensava que controlava as situações que surgiam, e que sua compulsão por bebidas ou drogas não os prejudicava ou as pessoas que estavam ao seu redor. Mas quando se decide parar, começa a se conscientizar de que
  • 11. Página | 12 não era esse o caso. Verificamos que não se tinha o controle sobre a adicção ou às situações. Se conscientizar disso constitui um terrível golpe para a maioria e destrói a autoestima e as ilusões a seu respeito. 5. Emprego: muitas vezes a drogadição ou o uso abusivo de álcool foi a causa da perda de um emprego (ou mesmo de uma série de empregos). Isto pode ser uma perda realmente difícil se o sentimento de identidade do indivíduo dependia deste emprego. Para muitos, uma grande parte da autoimagem está associada ao que se faz para ganhar a vida. 6. A família: Em outros casos, muitos como consequência de beber ou se drogar, perdem alguém através de uma separação ou de um divórcio. A presença da esposa, marido, pai, mãe é importante para todos e dá sentido às vidas de todas as pessoas. Às vezes, as pessoas mais novas perdem os pais por causa de sua própria dependência ou da dependência de um dos pais, o que pode, de qualquer maneira, ser uma perda enorme. Desempenhar o papel de criança proporciona segurança, e perder este papel os
  • 12. Página | 13 obriga a se transformar em qualquer coisa nova – adulto, responsável, independente. Isso pode se tornar assustador. 7. Foco: Finalmente e talvez o mais importante, é perder a razão de viver, se tiver vivido para beber ou se drogar, para ser pais ou para contribuir de alguma forma através do trabalho (quer seja em relação à família, à empresa ou à sociedade), e perder qualquer destas coisas devido a doença. Perde-se então a razão de viver e se não existir uma razão para viver, morremos.
  • 13. Página | 14 O PROCESSO DO LUTO O luto é uma resposta saudável a uma situação difícil de perda. Não importa o que se perde, pode ser um ente querido ou o controle sobre o álcool ou as drogas. O foco de problema é a impotência sobre o álcool, as drogas, a vida, a morte, os sentimentos de outra pessoa, seu comportamento. Qualquer perda leva ao luto, e para aceitar completamente essa perda, devemos fazer seu luto. Somente pelo processo de luto é que chegaremos a um estado de espírito de paz e serenidade. A Dra. Elisabeth Kubler-Ross, estudou o processo do luto em um trabalho e descreveu várias fases que observou nos doentes e em suas famílias. Embora as situações possam ser diferentes, o processo é o mesmo para quem quer que experimente uma perda. É por isso que os estágios por ela descritos se aplicam igualmente ao alcoolismo ou a outras formas de dependência.
  • 14. Página | 15 OS CINCO ESTÁGIOS DO LUTO Cada fase do processo do luto é natural e saudável, porém é fácil se prender em uma dessas fases e este processo serve tanto para a negação quanto para qualquer uma das outras fases. As fases podem surgir isoladas, ou juntas, pode-se verificar a ocorrência repetidas vezes de algumas delas ou de todas, pode-se regredir, o que não consiste em um problema, enquanto nos lembrarmos do objetivo do luto: aceitação da perda. 1. Negação: Ela é um amortecedor psicológico que protege contra os pensamentos ou sentimentos aos quais ainda não se está mental, emocional ou espiritualmente preparado para lidar. Todos negam aquilo que não estão preparados para aceitar. Lembre-se de quando soube que alguém morreu e disse: “Não acredito”! Isto é negação e pode durar instantes ou anos, até que se consiga dizer: “Pronto, aconteceu. É real. E agora, como é que me sinto? O que vou fazer agora”? Devemos barganhar com nossos sentimentos nesta fase. Existe uma relação entre a importância da pessoa ou da coisa que se perdeu e o grau da negação. Quanto maior era a dependência daquilo que se perdeu maior será a negação. Por isso a
  • 15. Página | 16 determinada altura torna-se decisivo encarar a realidade e parar de negar a impotência, fazer o Primeiro Passo, e admitir – mesmo que não se aceite – a impotência. 2. Raiva: Alguma vez aconteceu de ficar com raiva quando perdeu alguma coisa e não conseguiu encontrar? Isso faz parte do luto. Parecemos impotentes quanto a nossa capacidade de localizar o objeto perdido ou aceitar a morte de alguém próximo a nós. É uma resposta natural a uma perda dolorosa. Ocorre exatamente o mesmo com a dependência química. As pessoas adictas ficam simplesmente furiosas com o fato de perderem controle do próprio comportamento dos próprios sentimentos ou dos sentimentos dos outros. Costumávamos dizer: ”Só uma dose antes de voltar para casa”, e quatro horas depois estavam embriagados como um boné velho na cabeça ao chegar em casa, isto quando voltamos pra casa. No outro dia, sentimos raiva por sermos tão fracos e de tal forma impotentes perante a droga ou ao álcool. E os codependentes – cônjuges e filhos – que estavam em casa nos esperando, ficam furiosos porque, o que quer que se faça, por mais que os amemos, continuamos a
  • 16. Página | 17 beber ou a usar drogas. O problema com a raiva é que ela pode se tornar destrutiva se não for expressa de forma saudável. Pode se transformar num ressentimento amargo e levar a beber ou se drogar cada vez mais para fugir desse sentimento. Sutil e invasiva, ela pode recair sobre os membros da família ou manifestar-se no trabalho, e o comportamento fica fora de controle. Pode conduzir à violência. Pode transformar-se em depressão (raiva de si mesmo) e levar ao desespero ou até ao suicídio. Por isso é vital admitir que a sente e partilhar este sentimento. 3. Dor/desespero/depressão: Representam situações seguras que se cria ocasiões em que se permite estar triste. Ajuda a expressar os sentimentos profundos que se tem a respeito da perda. Muitos adictos em recuperação falam de sua droga de preferencia como um antigo amigo: “O meu maior amigo era a garrafa”. É uma afirmação que se ouve com frequência, quando se perde esse amigo se sente triste. Com a dor vem também o desespero, é assustador perder alguém ou alguma coisa de que se tornou dependente, como por exemplo a esposa. Acaba se desiludindo da própria vida e ocorre pensamentos de desistir,
  • 17. Página | 18 desejando a morte. É um sentimento de grande solidão e desesperança. Um dos problemas com a dor é que tal como a raiva, pode se tornar destrutiva. Pode-se facilmente cair numa armadilha e começar a sentir pena de si mesmo, se tornando auto piedoso. Muitas vezes a auto piedade, a menos que se faça qualquer coisa para resolvê-la, conduzirá diretamente a bebida ou a droga. Ou pode fazer voltar a um padrão de comportamento destrutivo do qual estava se libertando. A dor pode também levar à depressão que pode imobilizar e o nos faz sentir completamente desamparados. A um ponto de nem querer sair da cama pela manhã, não consegue dormir ou então dorme o dia todo. A dor pode levar, também, a pensamentos ou ações suicidas. Chorar é saudável e é uma boa forma de expressar a dor. É uma forma de tratamento e de limpeza. No entanto, para certas pessoas chorar pode ser difícil. Mas chorar representa o reconhecimento e a crescente aceitação da impotência, e portanto, da humildade. Chorar é saudável.
  • 18. Página | 19 4. Negociação: É a tentativa desesperada para manter o controle, para conseguir que as coisas ocorram como se quer. Tentar controlar o uso é negociar: “Se eu beber só uma ou duas latas provo que me controlo, e portanto que não sou impotente”. “Se eu beber só nos fins de semana, isso significa que não sou impotente. Portanto posso beber”. Ou uma esposa pode dizer: “Bem, o convenci a não tomar outro copo, isso quer dizer que tenho alguma influência sobre ele quanto ao seu uso”. Negociar impede de enfrentar a realidade e assim é uma forma de negação também. Até certo ponto é bom pois ajuda a realmente descobrir se controla ou não alguma coisa. Mas também se torna destrutivo se lhe for permitido permanecer nele por muito tempo pois separa a realidade da perda. Deixa uma ilusão de que ainda se tem o controle e impede de alcançar a fase final do processo do luto. 5. Aceitação: Esta é a fase final do processo, o objetivo do luto. Tendo passado pela negação, raiva, tristeza e negociação, chega-se à aceitação da perda que ocorreu. Se aceita que é impotente e que não é a pessoa que pensava ser. Tendo feito o luto, pode aceitar a perda do poder, e
  • 19. Página | 20 seguir sua vida, o que é precisamente aquilo que os Doze Passos querem dizer. Encontra-se a paz e a serenidade, chega-se a um acordo com a realidade. Não precisa de fé para admitir que é impotente, mas precisa dela para aceitar a impotência. A fé é o antídoto do medo, se tiver fé, aconteça o que acontecer, tudo acabará ficando bem, não se tem nada a temer. Pode-se aceitar o estado de impotência sabendo que alguém ou alguma coisa cuida de você, é aqui que entra o Segundo Passo. “Viemos a acreditar que um Poder superior a nós mesmos poderia devolver-nos à sanidade”, tornando-nos assim capazes de aceitar a nossa impotência. Podemos então decidir fazer o Terceiro Passo e pedir ajuda. Tudo está interligado.
  • 20. Página | 21 CONCLUSÃO Quer se esteja apenas começando a se recuperar da adicção ou de outro tipo de dependência ou mesmo que se encontre a vários anos num Programa de Doze Passos, o luto é uma coisa que todos enfrentam ao longo da vida. A perda e o luto subsequente fazem parte da vida e não há como fugir deste fato. O Décimo Segundo Passo diz que “Tendo experimentado um despertar espiritual graças a estes passos, procuramos transmitir esta mensagem a outros adictos e praticar estes princípios em todas as nossas atividades”. Estas atividades podem ser às vezes as perdas que se tem que enfrentar. Quer seja a morte de um dos pais, o fim de um relacionamento e, senão a mais importante, o fim da dependência química, que muitos lutam tanto para conquistar. Seja tão honesto quanto puder ao se observar e ao fazê-lo, saiba que se encontra entre os poucos seres humanos que estiveram frente às suas perdas e à sua dependência e as superaram.