A Questao Do Divorcio

5.470 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.470
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
150
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Questao Do Divorcio

  1. 1. EXEGESE: A QUESTÃO DO DIVORCIO. Pf. Eduardo Sales de Lima1 TEXTO BASE: MATEUS 5;31 E 32 Também foi dito: Aquele que repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio. Eu, porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher, exceto em caso de relações sexuais ilícitas, a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com a repudiada comete adultério. O Texto acima trata-se que uma questão legal da nação de Israel, não é uma questão teológica, mas jurídica, por isso, para entende-lo será preciso mergulhar na cultura e no sistema jurídico Israelense da época de Jesus. O Dr. Vaux, em sua pesquisa sobre Israel aponta duas escolas de interpretação: a de Shammai, mais rigorosa, aceitando o divórcio apenas em caso de adultério e má conduta, e a escola de Hillel, cuja interpretação era mais abrangente, aceitando o divórcio por qualquer motivo. Ambas tomam por base o texto de Dt 24:1: “Se um homem tomar uma mulher e se casar com ela, e se ela não for agradável aos seus olhos, por ter ele achado coisa indecente nela, e se ele lhe lavrar um termo de divórcio, e lho der na mão, e a despedir de casa” O livro de Eclesiástico autoriza o divórcio caso a esposa não obedeça o marido Eclo 25:26. Assim o sistema jurídico judaico era dúbio quanto a aceitação dos motivos para o divórcio. Atualmente a Igreja Pentecostal em Geral tem aceitado a interpretação da escola de Shammai, (o que é muito bom, pois outros textos dos profetas referem-se ao adultério como característica principal do divórcio Is 50:1; Jr 3:1,8), e autoriza o divórcio apenas em caso de adultério. Entretanto a Igreja Pentecostal, como um todo, tem defendido uma heresia, ou seja, um ensino não bíblico. É ensinado que a pessoa divorciada não pode contrair novas núpcias, “recasar”. Entretanto essa não era a posição jurídica do Judaísmo, e nem mesmo a posição de Jesus. Para o sistema legal judaico a mulher com carta de divórcio poderia se casar novamente, o que não poderia era separar-se segunda vez e voltar para o primeiro marido: “Dt 24:2-4 e se ela, saindo da sua casa, for e se casar com outro homem; e se este a aborrecer, e lhe lavrar termo de divórcio, e lho der na mão, e a despedir da sua casa ou se este último homem, que a tomou para si por mulher, vier a morrer, então, seu primeiro marido, que a despediu, não poderá tornar a desposá-la para que seja sua mulher, depois que foi contaminada, pois é 1 Eduardo Sales de Lima: Mestre em Teologia do NT; Especialista em Diálogo Inter-religioso; Coordenador do CETAD – Centro de Estudos Teológicos da Assembléias de Deus em Maringá; Professor e orientador nas áreas de Bíblia; Teologia; Missões e Família Cristã; Atualmente serve a Deus como Presbítero na Assembléia de Deus em Maringá/PR. Blog: http://teologiasalesiana.blogspot.com.br
  2. 2. abominação perante o SENHOR; assim, não farás pecar a terra que o SENHOR, teu Deus, te dá por herança”. Para entender os ditos de Jesus: Contexto Maior Mt 5:31,32 Existe uma estrutura no Sermão da Montanha: A base está em Mt 5:20 onde Jesus faz uma advertência para que a justiça dos discípulos excedesse a justiça dos fariseus, e na sequência começa a apresentar a lei, a justiça dos fariseus e a justiça que excede. Os tópicos da lei são iniciados pelo termo “Ouviste o que foi dito” que estão em 5:21,27,38,43. Assim, nossa perícope está entre Mt 5:27 a 38. A primeira pergunta: Qual é o objetivo de Jesus? Legislar nova Lei? Não. Mas corrigir as torções da lei praticadas pelos escribas e fariseus de Mt 5:20. A Maior parte dos Fariseus seguia a escola liberal de Hillel. No texto Jesus inicia condenando os fariseus que olhavam para mulheres com olhar impuro Mt 5:28 (não era um divórcio causado pela mulher) apenas o olhar já fazia do fariseu um adultero, esse é o sentido da lei, transformar o interior, não punir os erros. O termo “Também” (5:31 e 33) amplia a questão não inicia outra. Há uma ligação da atitude adultera dos judeus em desejar uma mulher e o divórcio. Assim, aquele que liberta/repudia sua mulher e dá carta de divórcio, exceto por pornéia/Relações sexuais ilícitas (Shammai), faz/expõe a mulher a tornar-se adultera (Moichaw) a voz média do verbo é traduzida pela voz ativa, assim o culpado é o sujeito, ou seja o fariseu; e aquele que se casa com a livre/repudiada, é tornado adultero ou comete adultério. A questão que Jesus está tratando não é do recasamento, mas da prática de dar carta de divórcio por qualquer coisa, tornando uma pessoa não adultera em adultera. Assim, quem produzia o adultério era a própria lei que estava sendo torcida pelo judaísmo. No texto acima Jesus não está sancionado uma lei sobre o casamento, nem proibindo o recasamento, tanto porque a própria lei de Deus o permitia. Jesus está questionando a atitude dos fariseus que desejando outra mulher, repudiavam as esposas por qualquer desagrado, jurando falsamente (5:33-37), e dando uma carta de divórcio que representava socialmente um adultério, e levava a esposa fiel e o outro homem a um casamento que socialmente era considerado adultério. Um fato interessante do texto de Mt 5:32-33 é a ausência da carta de divórcio, assim, alguns comentaristas afirmam que, repudiar a mulher e não dar carta de divórcio, exceto em caso de relações sexuais ilícitas, expõe-na ao adultério, e o que casou-se com a libertada também. Outro texto relevante para compreensão da questão está em Mt 19:3-12 Nesse texto a intenção dos fariseus vem a tona: Procuravam experimentar Jesus vs.3; perguntaram se é lícito repudiar a mulher por “qualquer motivo” (Fariseus da escola de Hillel) Jesus responde com argumento teológico dizendo que não separe o homem o que Deus uniu, ou seja, separa é ir contra Deus. Os fariseus replicaram com Moisés: Por que Moisés mandou dar carta de divórcio e repudiar? Vs.7; No verso 9 Jesus expõe a mesma questão de Mt 5:32-33, de forma mais clara: Eu, porém, vos digo: quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra comete adultério e o que casar com a repudiada comete adultério.
  3. 3. Nesse texto Jesus inclui “e casar com outra comete adultério”, assim Jesus revela o verdadeiro sentimento dos fariseus, “casar com outra”; o vs.10 revela a safadeza farisaica, se essa é a condição do homem (Fidelidade) melhor é não casar. Jesus novamente não condena o recasamento, mas o adultério oculto na lei. Os fariseus torciam a lei para fazer com que a mulher fosse culpada e eles pudessem repudiar sem dar carta de divórcio ou com carta de divórcio apontando o adultério, dessa forma não eram obrigados a pagar a multa por violação do contrato de casamento (Joachim Jeremias), e socialmente tornavam-se bem vistos. Jesus está condenando essa atitude de destruir o próximo para obter vantagem financeira e social. Assim, a interpretação do senso comum é inválida: Jesus não está tratando da questão do recasamento, mas da intenção pervertida do Fariseu, e da injustiça produzida pela carta de divórcio. A carta de Divórcio é muito diferente do divórcio brasileiro: A carta de divórcio do judaísmo representa que a mulher é uma adultera. Carta de divórcio é certificado de infidelidade conjugal e o homem que casou com a mulher com a carta só pode ser o adultero que traiu o “justo fariseu”. Ou seja, somente o cúmplice da traição (que na verdade não existiu) se casaria com uma mulher com certificado de infidelidade, assim, dificilmente ela se casaria novamente porque nenhum homem iria assumir um adultério que não cometeu. Assim quando o texto diz: “a expõe ao adultério” não está dizendo que a mulher adulterou, ou que adulterará, pois pela lei a repudiada é livre para assumir novas núpcias, entretanto a carta de divórcio “sem justa explicação” faz com que a sociedade trate a mulher como uma adultera; e o homem que casou com ela também não adulterou por casar-se, pois ela estava livre pela lei para contrair novas núpcias; entretanto será considerado cúmplice do adultério que gerou o divórcio, mesmo que não o seja. O senso comum autoriza o recasamento somente em caso de adultério, que é pior. E os casos de injustiça e opressão são penalizados com a impossibilidade do casamento. Em algumas igrejas o radicalismo chega a proibir todo e qualquer tipo de núpcias, indo totalmente contra a lei de Deus em Dt 24:2-3. No texto de Lucas 16:18 Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério; e aquele que casa com a mulher repudiada pelo marido também comete adultério. Segue a mesma interpretação. No texto de Marcos 10:4-12 A idéia está centralizada em 10:10-11 “Em casa, voltaram os discípulos a interrogá-lo sobre este assunto. E ele lhes disse: Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério contra aquela. E, se ela repudiar seu marido e casar com outro, comete adultério”. O texto deve ser completado com as idéias dos outros, o repúdio era autorizado, a banalização do repúdio era o problema, assim como a identificação do casamento como sendo uma instituição social e não religiosa. Para Jesus é justamente por ser de Deus que deve ser preservado, entretanto o adultério é considerado apenas contra o cônjuge e não contra Deus. Assim, Jesus continua apenas repreendendo os fariseus e suas torções da lei e da justiça para proveito próprio. Qual a intenção de Jesus em comparar o divorcio (permitido por lei) com o adultério (maior perversão no sistema legal judaico) revelar “Com o vosso direito encobris injustiça terrível”
  4. 4. Assim, a Bíblia não condena o recasamento nem o divórcio, entretanto ressalta várias vezes o valor do casamento, o cuidado por ser instituição divina, o cuidado pela mulher, muitas vezes oprimida e fragilizada pelas injustiças da lei judaica. Adultério para Jesus em relação ao casamento é o ato de desejar outra pessoa estando ainda casado(a), jurar em falso (criar situação de divórcio afim de parecer inocente) planejando casar-se com outra pessoa, e casar-se após o divórcio. A parte oprimida pela injustiça da lei não está em adultério, está livre pela lei, entretanto é mal vista pela sociedade, de forma que, tanto a mulher repudiada/livre e seu novo resgatador/casamento são vistos como adultério. Conselhos para lidar com casos de adultério na Igreja Atual sem ferir a Bíblia Identificar o reto Papel do Pastor O Pastor não é Juiz, assim não lhe cabe o julgamento das partes, antes como Cristo a defesa das partes é seu principal propósito (Jo 8 – A mulher adultera). Na atualidade a igreja toma partido e procura destruir as pessoas envolvidas como se estivesse limpando a sujeira da casa (Que atire a primeira pedra quem não tem nenhum pecado). Se o caso não é público, não o torne público. Trate no gabinete, e qualquer pessoa que comentar (fofocar) use da prerrogativa pastoral e corrija de forma a controlar pessoalmente o caso. Se forem líderes tome cuidado para não perde-los. O acompanhamento pessoal é o melhor caminho, mas tome cuidado, algumas famílias tendem a querer manipular o pastor e suas decisões. Se conseguirem uma vez sempre tentarão chantageá-lo para fazer suas vontades. (A ovelha não deve mandar no pastor, mas respeitá-lo) Se forem crentes novos ou fracos, a estratégia de Satanás é produzir comentários e fofocas de forma a deixá-los constrangidos e afastá-los da Igreja, nessa estratégia satanás faz com que os irmãos da igreja tomem partido de Deus e excluam os “pecadores” de seu meio social terminando de destruir a pessoa. Indo totalmente contra a Bíblia. Se o caso for público. É preciso que o Pastor use da prerrogativa pastoral. Informe a Igreja que o Pastor é você, que está cuidando do casal pessoalmente, peça orações, pois o papel do pastor e da igreja é restaurar as vidas e não promover o julgamento antecipado (tentar retirar o joio Mt 13:29). O desejo de satanás é produzir ira e revolta no coração de forma que o desejo se torne contra o irmão e não a favor (1Jo 3:15; 4:20-21). Orientar as famílias envolvidas diretamente. Explicar os textos, ensinar sobre a possibilidade do recasamento como lei de Deus, explicar os erros de interpretação do passado e acompanhar as famílias promovendo restauração e abolindo o senso de julgamento e destruição. O Casal deve ser acompanhado de perto. Deve ser ouvido e auxiliado em seus traumas e dificuldades. É importante avaliar o amor enquanto intimidade, pois nestes casos, como um dos cônjuges possui experiência, ou quando ambos possuem, vários estágios do relacionamento são antecipados o que poderia prejudicar o casamento. Ore e peça a Deus sabedoria para poder acompanhar o casal.

×