SlideShare uma empresa Scribd logo
Fórum de Empreendedorismo Social 30 de setembro 2010 NICOLAU PRIANTE FILHO - COORIMBATÁ Qual é o ponto de mudança para que empreendedores sociais compartilhem projetos e esforços?
PONTO DE MUDANÇA – INSERSÃO DAS PESQUISAS EM SITUAÇÕES DE TRABALHO Pesquisas  UFMT - aprimoramento do secador e qualidade das passas  - 1998 Secador do sonho - 1996 Chaminé em ziguezague  Construção do secador na própria residência do pesquisador. COMPARTILHAR ESFORÇOS - desenvolvimento do secador como demanda de um empreendimento social. Secador chaminé ziguezague inox - 2003
1999 – Pesquisas sobre o efeito do desmatamento da Amazônia no clima do Planeta. Quem pode propor algo novo para os amazônidas? RESPOSTA - TODO MUNDO JUNTO! Mas quem pode juntar todo o mundo? Como fazer isto?
INICIANDO POR UM SITUAÇÃO REAL DE TRABALHOERGOLOGIA – Atividade de trabalho é fonte de reflexão e de renormalização. Pierre Trinquet “... a atividade do trabalho está fortemente correlacionada com as relações sociais no seio das empresas e das nações, o estado atual dessas relações nem sempre favorecem processos de trabalho construtivos e humanistas.” “Daí deriva a maior parte de nossas dificuldades em compreender, conhecer, organizar, formar, prevenir os riscos do trabalho, organizar uma formação profissional e gerenciar, eficazmente, a atividade laboriosa e elaborar uma metodologia de pesquisa fecunda”
Prêmio Nobel de Economia de 2002 Daniel Kahneman e Vernon Smith, psicólogos, receberam o Prêmio Nobel de Economia de 2002. Kahneman e Smith foram premiados por inovações nos campos de economia experimental e psicologia econômica. A maior parte dos indivíduos parece ser mais avessa a uma perda de um determinado tamanho do que favoráveis a um ganho do mesmo tamanho.
UM CASO DE ESTUDO E OPORTUNIDADE DE PESQUISA-AÇÃO - MT – 2003 Comunidade quilombola impedida de produzir, sem reconhecimento da posse da terra, de baixo nível escolar, de baixa qualificação profissional e sem tradição na participação em empreendimentos coletivos; fracas relações de confiança mútua e descrença em relação aos projetos da academia e/ou governamentais de geração de renda.  Agricultores familiares e pescadores profissionais atuam de forma individual sem uma articulação coletiva. Comercialização depende de atravessadores que compram seus produtos, legalmente ou não, pagando baixos preços, porém estando sempre presentes para a aquisição dos produtos (relações de confiança já estabelecidas). De um modo geral, há uma grande descrença nas ações em quaisquer atividades associativas ou cooperativas. Universidadesapoiam os empreendimentos econômico-solidáriostendo-os como objetos de estudo ou mesmo formas de obtenção de recursos para laboratórios ou suas próprias equipes. A investigação participativa não se insere de modo eficaz na vida dos beneficiários.  Pouca inserção das ações acadêmicas na solução de problemas locais de inclusão social. Baixo envolvimento de acadêmicos com políticas de desenvolvimento local sustentável de setores públicos e empresariais.
O QUE EU POSSO FAZER? O BOM TRABALHO E. F. Schumacher  Tradução Mauro Meirelles de Oliveira Santos “Faça três coisas, uma após a outra, uma levando à outra. Informe-se. Ajude outros que estão já trabalhando. Inicie onde puder e como puder”.   “Comece onde estiver. Mas comece. Não espere pela situação perfeita”.
Tecnologia social (TS)Uma das prioridades da IV Conf. Nac. de C, T & I– Brasília junho 2010 a) fase de criação. As TSs nascem ou da sabedoria popular, ou do conhecimento científico, ou da combinação de ambas; b) fase de viabilidade técnica, na qual há a consolidação de um padrão tecnológico (soro caseiro); c) fase de viabilidade política. A tecnologia, por várias razões e meios, ganha autoridade e visibilidade. Especialistas influentes comentam e recomendam-na. Entidades civis e outras organizações passam a reivindicar seu uso. Movimentos sociais passam a apontá-la como solução; d) fase de viabilidade social, quando a tecnologia tem de se mostrar capaz de ganhar escala. a tecnologia precisa ter bases de apoio para que seja demonstrada, reaplicada e cercada de orientações a quem a aplica – O DESAFIO DA INTERSETORIALIDADE;
TECNOLOGIA SOCIAL e ECONOMIA SOLIDÁRIA Prof. Paul Singer (Secretário Nac. de Economia Solidária) respondendo a pergunta: Qual o alimento da autogestão? “A felicidade: as pessoas se sentem efetivamente mais felizes em não ter em quem mandar, nem quem mande nelas.”
O DESAFIO DA INTERSETORIALIDADE MEDO X CORAGEM CORAGEM DE ACEITAR O DIFERENTE CORAGEM DE TRILHAR CAMINHOS DESCONHECIDOS CORAGEM DE INOVAR
COOPERATIVA  DOS PESCADORES E ARTESÃOS DE PAI ANDRÉ E BONSUCESSO – COORIMBATÁ Fevereiro 2000 ,[object Object],área de ação para efeito de admissão de associados abrangendo todos os municípios do território Nacionale de países com os quais o Brasil mantenha relações diplomáticas.
ESTABELECIMENTO E CONSOLIDAÇÃO DE RELAÇÕES DE CONFIANÇA A figura do Pesquisador Cooperado - Pesquisas para solução de problemas de cooperativas de pessoas de baixa renda,levando-se em conta aspectos culturais e operacionais na solução de problemas regionais;  - É professor- pesquisador da Universidade e não participa da renda da Cooperativa. Recebe pela coordenação de projetos; - Caso a Cooperativa tenha prejuízos, o pesquisador cooperado é também responsabilizado e deve pagar. Vantagens ,[object Object]
 Favorece a atuação transdisciplinar;
 É gestor de recursos de projetos e participa da diretoria da cooperativa.
 Pesquisador utiliza o potencial da Universidade e o seu status social para solução de problemas  e fazer a interação Universidade - Sociedade
 Facilidade de acesso a setores de comercialização da sociedade para os produtos da Cooperativa.,[object Object]
 Envolvimento direto com o marketing dos produtos;
 Comercialização privilegiada dos produtos;
 Participação na abertura de novos mercados.MODELO 15-07-00 MODELO 28-10-00 Rede CEMAT 06-11-00 Comercialização 2000 Comércio de peixe - 2002 Comércio de manga - 2002 Reunião MODELO - Quilombolas 2005
Centro Público de ES Aguacerito Leather  Jacaré COOPAVAM castanha do Brasil MT Fomento Defesa Civil CENTRAL DE COMERCIALI-ZAÇÃO DA AGRIC. FAMILIAR PREFEI- TURAS MTE SENAI SES Centro Formação ES - CO ARCA Multincu-badora BRASIL LOCAL SECITEC Fórum Estadual de Econ. Solidária INDEA SICME SEBRAE MTE SEDER SETECS EMPAER MTE SISTEMA INTEGRADO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SOCIAL REDE DE COLABORAÇÃO SOLIDÁRIA MDA BANCO DE ALIMENTOS MDS INTERMAT CONSEA MT Rede  Cemat MDS DRS BB SEAP IMEQ MT
PROJETO REDE DE COLABORAÇÃO SOLIDÁRIA COORIMBATÁ PATROCINADO PELA PETROBRAS ,[object Object],- Ampliação da área de atuação do Projeto para Baixada Cuiabana  em Rede de Colaboração Solidária – articulação com projeto Agregação de Valor à Produção através da Agroindustrialização - CONSAD da Baixada Cuiabana - MDS. - Processamento de frutas e mandioca (doces, banana e mandioca chips, frutas passas), processamento de peixe e de jacaré, produção de húmus de minhoca - articulação com agricultores familiares e comunidades ribeirinhas. ,[object Object]
Consolidar um Sistema Integrado de Inovação Tecnológica Social para incubação de empreendimentos da Economia Solidária
ARCA Multincubadora – Incubadora de Tecnologia Social para empreendimentos da Economia Solidária,[object Object]
Diretor Operacional: Nicolau Priante Filho  nicolaup@terra.com.br / Fone (65) 9962 0047 COORIMBATÁ: Presidente Sebastião de Magalhães Fone: (65) 96176928 E-mail coorimbata@gmail.com Dir. Administrativo-Financeiro:  Cristina Acosta dos S. F. Silva Fone: (65) 3615 2800 / (65) 9927 4113
PASSAR O VÍDEO ODM 2007 SE DER TEMPO PASSAR O VÍDEO EMPREENDEDOR SOCIAL 2009 Restante dos slides poderão ser utilizados caso surjam perguntas sobre outras atividades na COORIMBATÁ
PARCERIA COOPAVAN-COORIMBATÁ PARA COMERCIALIZAÇÃO DA CASTANHA DO BRASIL NA REDE DE SUPERMERCADOS MODELO E EM FEIRAS NACIONAIS PARCEIROS DA REDE DE COLABORAÇÃO SOLIDÁRIA – CONSULTORIA VIVENCIAL PARA ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS E BOAS PRÁTICAS PARA CERTIFICAÇÃO DA CASTANHA
Histórico processamento de frutas - COORIMBATÁ Colheita e comercialização de manga in natura – Piracema 2001 Pesquisa UFMT - Secador de frutas jun. 98 Secador de frutas - 2005 Unidade de processamento de frutas COORIMBATÁ - 2009 Promoção de produtos - 2009
COORIMBATÁ - CADEIA PRODUTIVA DAS FRUTAS COORIMBATÁ - apoio a produção no Quilombo Mata Cavalo – Projeto para aquisição de caixas d´água e ferramentas. Planejamento Estratégico - Apoio Rede Supermercados MODELO Produção de doces de frutas regionais e banana frita COMERCIALIZAÇÃO EM FEIRAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E EM GRANDES REDES DE SUPERMERCADOS Produção de frutas passas
CULTIVOQUILOMBO MATA CAVALON. SRA. LIVRAMENTO - MT
COORIMBATÁ - CADEIA PRODUTIVA DAS FRUTAS Recursos FUPIS - Apoio a produção no Quilombo Mata Cavalo – articulado com programa Letra Ação - Jan 2007.
COORIMBATÁ - CADEIA PRODUTIVA DAS FRUTAS Produção de banana no assentamento Vale do Abençoado Sto Ant. Leverger – Ago 06 Primeira Entrega de doce de banana p/ Merenda Escolar Cuiabá – 11 Set  06 Visita COORIMBATÁ a assoc. de produtores de Jangada – Proces. do cajú - out 06
Banana , mandioca chips e castanha do Brasil diversos sabores PRODUTOS COORIMBATÁ Doces em barra – banana, cajú e manga. Passas de abacaxi, banana e manga.
Encontro de Picinguaba Ubatuba-SP – QUILOMBO DA FAZENDA -  julho 2010 Grupo Invenções Democráticas – USP - Reaplicação Pesquisador Cooperado
ÁRVORE: vida, cuidado e respeito com o meio ambiente, símbolo de sustentabilidade e alerta para a necessidade de garantir o futuro das próximas gerações. PEIXE: simboliza água, frescor e está diretamente associado aos pescados da região. MÃO: simboliza cuidado, higiene, garantia de saúde e segurança alimentar, contato humano e o fato dos produtos serem artesanais.
Histórico produção de húmus de minhoca  COORIMBATÁ UNIDADE PRODUTIVA  Húmus de minhoca 2009 UNIDADE PRODUTIVA  Húmus de minhoca 2005 Supermercados MODELO  marketing dos produtos desde  2004 Pesquisa UFMT/FAPEMAT  Húmus de minhoca fev 04
CONSAD Baixada Cuiabana – Projeto Agregação de Valor a Produção Através da Agroindustrialização - COORIMBATÁ – CUIABÁ Curso Cooperativismo - Nov 05 Curso sobre Comercialização Mar 06 Processamento de doces e banana frita em Cuiabá - COORIMBATÁ Cooperados COORIMBATÁ em Cuiabá

Mais conteúdo relacionado

Destaque

ITIL Foundation Certificate of Attendance.
ITIL Foundation Certificate of Attendance.ITIL Foundation Certificate of Attendance.
ITIL Foundation Certificate of Attendance.
Bhavesh Kara
 
Visita del director a las aulas
Visita del director a las aulasVisita del director a las aulas
Visita del director a las aulas
emmstone
 
004 10 - cap - poderes diretores
004 10 - cap - poderes diretores004 10 - cap - poderes diretores
004 10 - cap - poderes diretores
Projeto Rondon
 
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
fcams
 
U model
U modelU model
U modelscano7
 
Lenguaje digital y audiovisual
Lenguaje digital y audiovisualLenguaje digital y audiovisual
Lenguaje digital y audiovisual
Yohana Ferreyra
 
Takwim persekolahan 2015
Takwim persekolahan 2015Takwim persekolahan 2015
Takwim persekolahan 2015
fafa111283
 
Resolução Nº. 05/2012
Resolução Nº. 05/2012Resolução Nº. 05/2012
Resolução Nº. 05/2012
Anderson Ramos
 
Moocs desafios do sec xxi
Moocs   desafios do sec xxiMoocs   desafios do sec xxi
Moocs desafios do sec xxi
Agrupamento de Escolas da Guia-Pombal
 
O lar da nakba ou ver as fotografias de Ahlam Shibli
O lar da nakba ou ver as fotografias de Ahlam ShibliO lar da nakba ou ver as fotografias de Ahlam Shibli
O lar da nakba ou ver as fotografias de Ahlam Shibli
Home
 
Palestra com Glauco Diógenes
Palestra com Glauco DiógenesPalestra com Glauco Diógenes
Palestra com Glauco Diógenes
Priscila Souza
 
Hq Daniel
Hq DanielHq Daniel
Hq Daniel
Mary Santos
 
Mississauga Marathon 2015 Apparel
Mississauga Marathon 2015 ApparelMississauga Marathon 2015 Apparel
Mississauga Marathon 2015 ApparelDara Jacobs
 
EXPERIENCIAS DE AULA
EXPERIENCIAS DE AULAEXPERIENCIAS DE AULA
EXPERIENCIAS DE AULA
Nidiatati
 
Psychology Library Skills 2012
Psychology Library Skills 2012Psychology Library Skills 2012
Psychology Library Skills 2012
SHewlett
 
Viimeinen joutsen The last swan
Viimeinen joutsen   The last swanViimeinen joutsen   The last swan
Viimeinen joutsen The last swan
Terttu Lajunen
 
Célula y Nutrición en el ser humano
Célula y Nutrición en el ser humanoCélula y Nutrición en el ser humano
Célula y Nutrición en el ser humano
valentinalunarojas7b2014epe
 
LECTURA ORANTE:Tercera Semana de Pascua, Fr Julio César González Carretti
LECTURA ORANTE:Tercera Semana de Pascua, Fr Julio César González CarrettiLECTURA ORANTE:Tercera Semana de Pascua, Fr Julio César González Carretti
LECTURA ORANTE:Tercera Semana de Pascua, Fr Julio César González Carretti
ORDEN SEGLAR CARMELITAS DESCALZOS
 
Blackdeckerthecompleteguidetogaragesocr 140801012405-phpapp01
Blackdeckerthecompleteguidetogaragesocr 140801012405-phpapp01Blackdeckerthecompleteguidetogaragesocr 140801012405-phpapp01
Blackdeckerthecompleteguidetogaragesocr 140801012405-phpapp01
Cleber Prado Dos Santos
 

Destaque (20)

ITIL Foundation Certificate of Attendance.
ITIL Foundation Certificate of Attendance.ITIL Foundation Certificate of Attendance.
ITIL Foundation Certificate of Attendance.
 
Visita del director a las aulas
Visita del director a las aulasVisita del director a las aulas
Visita del director a las aulas
 
004 10 - cap - poderes diretores
004 10 - cap - poderes diretores004 10 - cap - poderes diretores
004 10 - cap - poderes diretores
 
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
1268 apostila -_direito_civil_-_parte_geral
 
U model
U modelU model
U model
 
Pic 5
Pic 5Pic 5
Pic 5
 
Lenguaje digital y audiovisual
Lenguaje digital y audiovisualLenguaje digital y audiovisual
Lenguaje digital y audiovisual
 
Takwim persekolahan 2015
Takwim persekolahan 2015Takwim persekolahan 2015
Takwim persekolahan 2015
 
Resolução Nº. 05/2012
Resolução Nº. 05/2012Resolução Nº. 05/2012
Resolução Nº. 05/2012
 
Moocs desafios do sec xxi
Moocs   desafios do sec xxiMoocs   desafios do sec xxi
Moocs desafios do sec xxi
 
O lar da nakba ou ver as fotografias de Ahlam Shibli
O lar da nakba ou ver as fotografias de Ahlam ShibliO lar da nakba ou ver as fotografias de Ahlam Shibli
O lar da nakba ou ver as fotografias de Ahlam Shibli
 
Palestra com Glauco Diógenes
Palestra com Glauco DiógenesPalestra com Glauco Diógenes
Palestra com Glauco Diógenes
 
Hq Daniel
Hq DanielHq Daniel
Hq Daniel
 
Mississauga Marathon 2015 Apparel
Mississauga Marathon 2015 ApparelMississauga Marathon 2015 Apparel
Mississauga Marathon 2015 Apparel
 
EXPERIENCIAS DE AULA
EXPERIENCIAS DE AULAEXPERIENCIAS DE AULA
EXPERIENCIAS DE AULA
 
Psychology Library Skills 2012
Psychology Library Skills 2012Psychology Library Skills 2012
Psychology Library Skills 2012
 
Viimeinen joutsen The last swan
Viimeinen joutsen   The last swanViimeinen joutsen   The last swan
Viimeinen joutsen The last swan
 
Célula y Nutrición en el ser humano
Célula y Nutrición en el ser humanoCélula y Nutrición en el ser humano
Célula y Nutrición en el ser humano
 
LECTURA ORANTE:Tercera Semana de Pascua, Fr Julio César González Carretti
LECTURA ORANTE:Tercera Semana de Pascua, Fr Julio César González CarrettiLECTURA ORANTE:Tercera Semana de Pascua, Fr Julio César González Carretti
LECTURA ORANTE:Tercera Semana de Pascua, Fr Julio César González Carretti
 
Blackdeckerthecompleteguidetogaragesocr 140801012405-phpapp01
Blackdeckerthecompleteguidetogaragesocr 140801012405-phpapp01Blackdeckerthecompleteguidetogaragesocr 140801012405-phpapp01
Blackdeckerthecompleteguidetogaragesocr 140801012405-phpapp01
 

Semelhante a Nicolau Priante Filho - Coorimbatá

SITECS - Serex 2011
SITECS - Serex 2011SITECS - Serex 2011
SITECS - Serex 2011
Oscar Zalla Sampaio
 
Areas de gestao
Areas de gestaoAreas de gestao
Areas de gestao
Arleno
 
Projeto modelo pbsm (reparado) aves
Projeto modelo pbsm (reparado) avesProjeto modelo pbsm (reparado) aves
Projeto modelo pbsm (reparado) aves
Rosaria Miranda
 
Responsabilidade Social
Responsabilidade SocialResponsabilidade Social
Responsabilidade Social
Patricia Melero
 
Economia solidria sensibilizao
Economia solidria  sensibilizaoEconomia solidria  sensibilizao
Economia solidria sensibilizao
Fábio Alexandre Oliveira
 
GV-executivo – Vol. 16, n. 5 - 2017
GV-executivo – Vol. 16, n. 5 - 2017GV-executivo – Vol. 16, n. 5 - 2017
GV-executivo – Vol. 16, n. 5 - 2017
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
http://pt.slideshare.net/osvaldoaguiaraguiar7/boletim-6-38255311Cartilha
http://pt.slideshare.net/osvaldoaguiaraguiar7/boletim-6-38255311Cartilhahttp://pt.slideshare.net/osvaldoaguiaraguiar7/boletim-6-38255311Cartilha
http://pt.slideshare.net/osvaldoaguiaraguiar7/boletim-6-38255311Cartilha
Osvaldo Aguiar Aguiar
 
Apresentação Fiema 27.06 - Tendências de Mercado.pdf
Apresentação Fiema 27.06 - Tendências de Mercado.pdfApresentação Fiema 27.06 - Tendências de Mercado.pdf
Apresentação Fiema 27.06 - Tendências de Mercado.pdf
vtrinta30
 
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
FIFE2014
 
Suzano
SuzanoSuzano
Suzano
Carla Viola
 
Palestra cidades inteligentes
Palestra cidades inteligentesPalestra cidades inteligentes
Palestra cidades inteligentes
CPqD
 
O impacto das tecnologias no comportamento e estilo de vida nas cidades intel...
O impacto das tecnologias no comportamento e estilo de vida nas cidades intel...O impacto das tecnologias no comportamento e estilo de vida nas cidades intel...
O impacto das tecnologias no comportamento e estilo de vida nas cidades intel...
CPqD
 
ApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO MultiplicadoresApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO Multiplicadores
thaisfantazia
 
ApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO MultiplicadoresApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO Multiplicadores
thaisfantazia
 
Apresentação Multiplicadores
Apresentação MultiplicadoresApresentação Multiplicadores
Apresentação Multiplicadores
guestcd7b95
 
Programa GREENFEST
Programa GREENFESTPrograma GREENFEST
Programa GREENFEST
Sofia Cabral
 
Programa detalhado
Programa detalhadoPrograma detalhado
Programa detalhado
Sofia Cabral
 
Presentation Fund IT3 Capital
Presentation Fund IT3 CapitalPresentation Fund IT3 Capital
Presentation Fund IT3 Capital
HSG Hub São Paulo
 
Comemoração do Aniversário de 1 Ano da Dialogus Consultoria
Comemoração do Aniversário de 1 Ano da Dialogus Consultoria Comemoração do Aniversário de 1 Ano da Dialogus Consultoria
Comemoração do Aniversário de 1 Ano da Dialogus Consultoria
Dialogus Consultoria
 
Apresentação de sol transformar
Apresentação de sol transformarApresentação de sol transformar
Apresentação de sol transformar
Guy Valerio Barros dos Santos
 

Semelhante a Nicolau Priante Filho - Coorimbatá (20)

SITECS - Serex 2011
SITECS - Serex 2011SITECS - Serex 2011
SITECS - Serex 2011
 
Areas de gestao
Areas de gestaoAreas de gestao
Areas de gestao
 
Projeto modelo pbsm (reparado) aves
Projeto modelo pbsm (reparado) avesProjeto modelo pbsm (reparado) aves
Projeto modelo pbsm (reparado) aves
 
Responsabilidade Social
Responsabilidade SocialResponsabilidade Social
Responsabilidade Social
 
Economia solidria sensibilizao
Economia solidria  sensibilizaoEconomia solidria  sensibilizao
Economia solidria sensibilizao
 
GV-executivo – Vol. 16, n. 5 - 2017
GV-executivo – Vol. 16, n. 5 - 2017GV-executivo – Vol. 16, n. 5 - 2017
GV-executivo – Vol. 16, n. 5 - 2017
 
http://pt.slideshare.net/osvaldoaguiaraguiar7/boletim-6-38255311Cartilha
http://pt.slideshare.net/osvaldoaguiaraguiar7/boletim-6-38255311Cartilhahttp://pt.slideshare.net/osvaldoaguiaraguiar7/boletim-6-38255311Cartilha
http://pt.slideshare.net/osvaldoaguiaraguiar7/boletim-6-38255311Cartilha
 
Apresentação Fiema 27.06 - Tendências de Mercado.pdf
Apresentação Fiema 27.06 - Tendências de Mercado.pdfApresentação Fiema 27.06 - Tendências de Mercado.pdf
Apresentação Fiema 27.06 - Tendências de Mercado.pdf
 
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
 
Suzano
SuzanoSuzano
Suzano
 
Palestra cidades inteligentes
Palestra cidades inteligentesPalestra cidades inteligentes
Palestra cidades inteligentes
 
O impacto das tecnologias no comportamento e estilo de vida nas cidades intel...
O impacto das tecnologias no comportamento e estilo de vida nas cidades intel...O impacto das tecnologias no comportamento e estilo de vida nas cidades intel...
O impacto das tecnologias no comportamento e estilo de vida nas cidades intel...
 
ApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO MultiplicadoresApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO Multiplicadores
 
ApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO MultiplicadoresApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO Multiplicadores
 
Apresentação Multiplicadores
Apresentação MultiplicadoresApresentação Multiplicadores
Apresentação Multiplicadores
 
Programa GREENFEST
Programa GREENFESTPrograma GREENFEST
Programa GREENFEST
 
Programa detalhado
Programa detalhadoPrograma detalhado
Programa detalhado
 
Presentation Fund IT3 Capital
Presentation Fund IT3 CapitalPresentation Fund IT3 Capital
Presentation Fund IT3 Capital
 
Comemoração do Aniversário de 1 Ano da Dialogus Consultoria
Comemoração do Aniversário de 1 Ano da Dialogus Consultoria Comemoração do Aniversário de 1 Ano da Dialogus Consultoria
Comemoração do Aniversário de 1 Ano da Dialogus Consultoria
 
Apresentação de sol transformar
Apresentação de sol transformarApresentação de sol transformar
Apresentação de sol transformar
 

Mais de Unomarketing

Painel Wal-Mart
Painel Wal-MartPainel Wal-Mart
Painel Wal-Mart
Unomarketing
 
Mauricio Turra - espm - abap
Mauricio Turra - espm - abapMauricio Turra - espm - abap
Mauricio Turra - espm - abap
Unomarketing
 
Campanha imprimir é dar vida - Case Abigraf
Campanha imprimir é dar vida - Case AbigrafCampanha imprimir é dar vida - Case Abigraf
Campanha imprimir é dar vida - Case Abigraf
Unomarketing
 
A teoria do centésimo macaco - Luiz Bouabci – Mob Consult
A teoria do centésimo macaco - Luiz Bouabci – Mob ConsultA teoria do centésimo macaco - Luiz Bouabci – Mob Consult
A teoria do centésimo macaco - Luiz Bouabci – Mob Consult
Unomarketing
 
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - Santander
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - SantanderCriando ideias - Maria Luiza Pinto - Santander
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - Santander
Unomarketing
 
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2Miguel Dantas - Goodyear - painel 2
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2
Unomarketing
 
Koann Vikoren Skrzyniarz - Susteinable Life Media - painel 3
Koann Vikoren Skrzyniarz - Susteinable Life Media - painel 3Koann Vikoren Skrzyniarz - Susteinable Life Media - painel 3
Koann Vikoren Skrzyniarz - Susteinable Life Media - painel 3
Unomarketing
 
José carlos duarte ibm - painel 4
José carlos duarte   ibm - painel 4José carlos duarte   ibm - painel 4
José carlos duarte ibm - painel 4
Unomarketing
 
Rafael sampaio aba
Rafael sampaio   abaRafael sampaio   aba
Rafael sampaio aba
Unomarketing
 
Case emotivox - Market Analysis - case 1
Case emotivox - Market Analysis - case 1Case emotivox - Market Analysis - case 1
Case emotivox - Market Analysis - case 1
Unomarketing
 
Ismael Rocha - espm - abap
Ismael Rocha - espm - abapIsmael Rocha - espm - abap
Ismael Rocha - espm - abap
Unomarketing
 
Programação completa do Seminário Unomarketing 2010
Programação completa do Seminário Unomarketing 2010Programação completa do Seminário Unomarketing 2010
Programação completa do Seminário Unomarketing 2010
Unomarketing
 
2º Dossiê Certificados e Rótulos
2º Dossiê Certificados e Rótulos2º Dossiê Certificados e Rótulos
2º Dossiê Certificados e Rótulos
Unomarketing
 
Luiz Bouabci 2º dossiê de certificados e rótulos
Luiz Bouabci  2º dossiê de certificados e rótulosLuiz Bouabci  2º dossiê de certificados e rótulos
Luiz Bouabci 2º dossiê de certificados e rótulos
Unomarketing
 
Ricardo Voltonili 2º dossiê de certificados e rótulos
Ricardo Voltonili  2º dossiê de certificados e rótulosRicardo Voltonili  2º dossiê de certificados e rótulos
Ricardo Voltonili 2º dossiê de certificados e rótulos
Unomarketing
 
Greenwashing no brasil
Greenwashing no brasilGreenwashing no brasil
Greenwashing no brasil
Unomarketing
 
Guia Ambiental De Midia
Guia Ambiental De Midia Guia Ambiental De Midia
Guia Ambiental De Midia
Unomarketing
 
Fabian Echegaray - 1º Dossiê de consumo consciente
Fabian Echegaray - 1º Dossiê de consumo conscienteFabian Echegaray - 1º Dossiê de consumo consciente
Fabian Echegaray - 1º Dossiê de consumo consciente
Unomarketing
 
Ricardo Voltolini - 1º Dossiê de consumo consciente
Ricardo Voltolini - 1º Dossiê de consumo conscienteRicardo Voltolini - 1º Dossiê de consumo consciente
Ricardo Voltolini - 1º Dossiê de consumo consciente
Unomarketing
 
Luiz Bouabci - 1º Dossiê de consumo consciente
Luiz Bouabci - 1º Dossiê de consumo conscienteLuiz Bouabci - 1º Dossiê de consumo consciente
Luiz Bouabci - 1º Dossiê de consumo consciente
Unomarketing
 

Mais de Unomarketing (20)

Painel Wal-Mart
Painel Wal-MartPainel Wal-Mart
Painel Wal-Mart
 
Mauricio Turra - espm - abap
Mauricio Turra - espm - abapMauricio Turra - espm - abap
Mauricio Turra - espm - abap
 
Campanha imprimir é dar vida - Case Abigraf
Campanha imprimir é dar vida - Case AbigrafCampanha imprimir é dar vida - Case Abigraf
Campanha imprimir é dar vida - Case Abigraf
 
A teoria do centésimo macaco - Luiz Bouabci – Mob Consult
A teoria do centésimo macaco - Luiz Bouabci – Mob ConsultA teoria do centésimo macaco - Luiz Bouabci – Mob Consult
A teoria do centésimo macaco - Luiz Bouabci – Mob Consult
 
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - Santander
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - SantanderCriando ideias - Maria Luiza Pinto - Santander
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - Santander
 
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2Miguel Dantas - Goodyear - painel 2
Miguel Dantas - Goodyear - painel 2
 
Koann Vikoren Skrzyniarz - Susteinable Life Media - painel 3
Koann Vikoren Skrzyniarz - Susteinable Life Media - painel 3Koann Vikoren Skrzyniarz - Susteinable Life Media - painel 3
Koann Vikoren Skrzyniarz - Susteinable Life Media - painel 3
 
José carlos duarte ibm - painel 4
José carlos duarte   ibm - painel 4José carlos duarte   ibm - painel 4
José carlos duarte ibm - painel 4
 
Rafael sampaio aba
Rafael sampaio   abaRafael sampaio   aba
Rafael sampaio aba
 
Case emotivox - Market Analysis - case 1
Case emotivox - Market Analysis - case 1Case emotivox - Market Analysis - case 1
Case emotivox - Market Analysis - case 1
 
Ismael Rocha - espm - abap
Ismael Rocha - espm - abapIsmael Rocha - espm - abap
Ismael Rocha - espm - abap
 
Programação completa do Seminário Unomarketing 2010
Programação completa do Seminário Unomarketing 2010Programação completa do Seminário Unomarketing 2010
Programação completa do Seminário Unomarketing 2010
 
2º Dossiê Certificados e Rótulos
2º Dossiê Certificados e Rótulos2º Dossiê Certificados e Rótulos
2º Dossiê Certificados e Rótulos
 
Luiz Bouabci 2º dossiê de certificados e rótulos
Luiz Bouabci  2º dossiê de certificados e rótulosLuiz Bouabci  2º dossiê de certificados e rótulos
Luiz Bouabci 2º dossiê de certificados e rótulos
 
Ricardo Voltonili 2º dossiê de certificados e rótulos
Ricardo Voltonili  2º dossiê de certificados e rótulosRicardo Voltonili  2º dossiê de certificados e rótulos
Ricardo Voltonili 2º dossiê de certificados e rótulos
 
Greenwashing no brasil
Greenwashing no brasilGreenwashing no brasil
Greenwashing no brasil
 
Guia Ambiental De Midia
Guia Ambiental De Midia Guia Ambiental De Midia
Guia Ambiental De Midia
 
Fabian Echegaray - 1º Dossiê de consumo consciente
Fabian Echegaray - 1º Dossiê de consumo conscienteFabian Echegaray - 1º Dossiê de consumo consciente
Fabian Echegaray - 1º Dossiê de consumo consciente
 
Ricardo Voltolini - 1º Dossiê de consumo consciente
Ricardo Voltolini - 1º Dossiê de consumo conscienteRicardo Voltolini - 1º Dossiê de consumo consciente
Ricardo Voltolini - 1º Dossiê de consumo consciente
 
Luiz Bouabci - 1º Dossiê de consumo consciente
Luiz Bouabci - 1º Dossiê de consumo conscienteLuiz Bouabci - 1º Dossiê de consumo consciente
Luiz Bouabci - 1º Dossiê de consumo consciente
 

Nicolau Priante Filho - Coorimbatá

  • 1. Fórum de Empreendedorismo Social 30 de setembro 2010 NICOLAU PRIANTE FILHO - COORIMBATÁ Qual é o ponto de mudança para que empreendedores sociais compartilhem projetos e esforços?
  • 2. PONTO DE MUDANÇA – INSERSÃO DAS PESQUISAS EM SITUAÇÕES DE TRABALHO Pesquisas UFMT - aprimoramento do secador e qualidade das passas - 1998 Secador do sonho - 1996 Chaminé em ziguezague Construção do secador na própria residência do pesquisador. COMPARTILHAR ESFORÇOS - desenvolvimento do secador como demanda de um empreendimento social. Secador chaminé ziguezague inox - 2003
  • 3. 1999 – Pesquisas sobre o efeito do desmatamento da Amazônia no clima do Planeta. Quem pode propor algo novo para os amazônidas? RESPOSTA - TODO MUNDO JUNTO! Mas quem pode juntar todo o mundo? Como fazer isto?
  • 4. INICIANDO POR UM SITUAÇÃO REAL DE TRABALHOERGOLOGIA – Atividade de trabalho é fonte de reflexão e de renormalização. Pierre Trinquet “... a atividade do trabalho está fortemente correlacionada com as relações sociais no seio das empresas e das nações, o estado atual dessas relações nem sempre favorecem processos de trabalho construtivos e humanistas.” “Daí deriva a maior parte de nossas dificuldades em compreender, conhecer, organizar, formar, prevenir os riscos do trabalho, organizar uma formação profissional e gerenciar, eficazmente, a atividade laboriosa e elaborar uma metodologia de pesquisa fecunda”
  • 5. Prêmio Nobel de Economia de 2002 Daniel Kahneman e Vernon Smith, psicólogos, receberam o Prêmio Nobel de Economia de 2002. Kahneman e Smith foram premiados por inovações nos campos de economia experimental e psicologia econômica. A maior parte dos indivíduos parece ser mais avessa a uma perda de um determinado tamanho do que favoráveis a um ganho do mesmo tamanho.
  • 6. UM CASO DE ESTUDO E OPORTUNIDADE DE PESQUISA-AÇÃO - MT – 2003 Comunidade quilombola impedida de produzir, sem reconhecimento da posse da terra, de baixo nível escolar, de baixa qualificação profissional e sem tradição na participação em empreendimentos coletivos; fracas relações de confiança mútua e descrença em relação aos projetos da academia e/ou governamentais de geração de renda. Agricultores familiares e pescadores profissionais atuam de forma individual sem uma articulação coletiva. Comercialização depende de atravessadores que compram seus produtos, legalmente ou não, pagando baixos preços, porém estando sempre presentes para a aquisição dos produtos (relações de confiança já estabelecidas). De um modo geral, há uma grande descrença nas ações em quaisquer atividades associativas ou cooperativas. Universidadesapoiam os empreendimentos econômico-solidáriostendo-os como objetos de estudo ou mesmo formas de obtenção de recursos para laboratórios ou suas próprias equipes. A investigação participativa não se insere de modo eficaz na vida dos beneficiários. Pouca inserção das ações acadêmicas na solução de problemas locais de inclusão social. Baixo envolvimento de acadêmicos com políticas de desenvolvimento local sustentável de setores públicos e empresariais.
  • 7. O QUE EU POSSO FAZER? O BOM TRABALHO E. F. Schumacher Tradução Mauro Meirelles de Oliveira Santos “Faça três coisas, uma após a outra, uma levando à outra. Informe-se. Ajude outros que estão já trabalhando. Inicie onde puder e como puder”. “Comece onde estiver. Mas comece. Não espere pela situação perfeita”.
  • 8. Tecnologia social (TS)Uma das prioridades da IV Conf. Nac. de C, T & I– Brasília junho 2010 a) fase de criação. As TSs nascem ou da sabedoria popular, ou do conhecimento científico, ou da combinação de ambas; b) fase de viabilidade técnica, na qual há a consolidação de um padrão tecnológico (soro caseiro); c) fase de viabilidade política. A tecnologia, por várias razões e meios, ganha autoridade e visibilidade. Especialistas influentes comentam e recomendam-na. Entidades civis e outras organizações passam a reivindicar seu uso. Movimentos sociais passam a apontá-la como solução; d) fase de viabilidade social, quando a tecnologia tem de se mostrar capaz de ganhar escala. a tecnologia precisa ter bases de apoio para que seja demonstrada, reaplicada e cercada de orientações a quem a aplica – O DESAFIO DA INTERSETORIALIDADE;
  • 9. TECNOLOGIA SOCIAL e ECONOMIA SOLIDÁRIA Prof. Paul Singer (Secretário Nac. de Economia Solidária) respondendo a pergunta: Qual o alimento da autogestão? “A felicidade: as pessoas se sentem efetivamente mais felizes em não ter em quem mandar, nem quem mande nelas.”
  • 10. O DESAFIO DA INTERSETORIALIDADE MEDO X CORAGEM CORAGEM DE ACEITAR O DIFERENTE CORAGEM DE TRILHAR CAMINHOS DESCONHECIDOS CORAGEM DE INOVAR
  • 11.
  • 12.
  • 13. Favorece a atuação transdisciplinar;
  • 14. É gestor de recursos de projetos e participa da diretoria da cooperativa.
  • 15. Pesquisador utiliza o potencial da Universidade e o seu status social para solução de problemas e fazer a interação Universidade - Sociedade
  • 16.
  • 17. Envolvimento direto com o marketing dos produtos;
  • 19. Participação na abertura de novos mercados.MODELO 15-07-00 MODELO 28-10-00 Rede CEMAT 06-11-00 Comercialização 2000 Comércio de peixe - 2002 Comércio de manga - 2002 Reunião MODELO - Quilombolas 2005
  • 20. Centro Público de ES Aguacerito Leather Jacaré COOPAVAM castanha do Brasil MT Fomento Defesa Civil CENTRAL DE COMERCIALI-ZAÇÃO DA AGRIC. FAMILIAR PREFEI- TURAS MTE SENAI SES Centro Formação ES - CO ARCA Multincu-badora BRASIL LOCAL SECITEC Fórum Estadual de Econ. Solidária INDEA SICME SEBRAE MTE SEDER SETECS EMPAER MTE SISTEMA INTEGRADO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SOCIAL REDE DE COLABORAÇÃO SOLIDÁRIA MDA BANCO DE ALIMENTOS MDS INTERMAT CONSEA MT Rede Cemat MDS DRS BB SEAP IMEQ MT
  • 21.
  • 22. Consolidar um Sistema Integrado de Inovação Tecnológica Social para incubação de empreendimentos da Economia Solidária
  • 23.
  • 24.
  • 25. Diretor Operacional: Nicolau Priante Filho nicolaup@terra.com.br / Fone (65) 9962 0047 COORIMBATÁ: Presidente Sebastião de Magalhães Fone: (65) 96176928 E-mail coorimbata@gmail.com Dir. Administrativo-Financeiro: Cristina Acosta dos S. F. Silva Fone: (65) 3615 2800 / (65) 9927 4113
  • 26. PASSAR O VÍDEO ODM 2007 SE DER TEMPO PASSAR O VÍDEO EMPREENDEDOR SOCIAL 2009 Restante dos slides poderão ser utilizados caso surjam perguntas sobre outras atividades na COORIMBATÁ
  • 27. PARCERIA COOPAVAN-COORIMBATÁ PARA COMERCIALIZAÇÃO DA CASTANHA DO BRASIL NA REDE DE SUPERMERCADOS MODELO E EM FEIRAS NACIONAIS PARCEIROS DA REDE DE COLABORAÇÃO SOLIDÁRIA – CONSULTORIA VIVENCIAL PARA ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS E BOAS PRÁTICAS PARA CERTIFICAÇÃO DA CASTANHA
  • 28. Histórico processamento de frutas - COORIMBATÁ Colheita e comercialização de manga in natura – Piracema 2001 Pesquisa UFMT - Secador de frutas jun. 98 Secador de frutas - 2005 Unidade de processamento de frutas COORIMBATÁ - 2009 Promoção de produtos - 2009
  • 29. COORIMBATÁ - CADEIA PRODUTIVA DAS FRUTAS COORIMBATÁ - apoio a produção no Quilombo Mata Cavalo – Projeto para aquisição de caixas d´água e ferramentas. Planejamento Estratégico - Apoio Rede Supermercados MODELO Produção de doces de frutas regionais e banana frita COMERCIALIZAÇÃO EM FEIRAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E EM GRANDES REDES DE SUPERMERCADOS Produção de frutas passas
  • 30. CULTIVOQUILOMBO MATA CAVALON. SRA. LIVRAMENTO - MT
  • 31. COORIMBATÁ - CADEIA PRODUTIVA DAS FRUTAS Recursos FUPIS - Apoio a produção no Quilombo Mata Cavalo – articulado com programa Letra Ação - Jan 2007.
  • 32. COORIMBATÁ - CADEIA PRODUTIVA DAS FRUTAS Produção de banana no assentamento Vale do Abençoado Sto Ant. Leverger – Ago 06 Primeira Entrega de doce de banana p/ Merenda Escolar Cuiabá – 11 Set 06 Visita COORIMBATÁ a assoc. de produtores de Jangada – Proces. do cajú - out 06
  • 33. Banana , mandioca chips e castanha do Brasil diversos sabores PRODUTOS COORIMBATÁ Doces em barra – banana, cajú e manga. Passas de abacaxi, banana e manga.
  • 34. Encontro de Picinguaba Ubatuba-SP – QUILOMBO DA FAZENDA - julho 2010 Grupo Invenções Democráticas – USP - Reaplicação Pesquisador Cooperado
  • 35. ÁRVORE: vida, cuidado e respeito com o meio ambiente, símbolo de sustentabilidade e alerta para a necessidade de garantir o futuro das próximas gerações. PEIXE: simboliza água, frescor e está diretamente associado aos pescados da região. MÃO: simboliza cuidado, higiene, garantia de saúde e segurança alimentar, contato humano e o fato dos produtos serem artesanais.
  • 36.
  • 37. Histórico produção de húmus de minhoca COORIMBATÁ UNIDADE PRODUTIVA Húmus de minhoca 2009 UNIDADE PRODUTIVA Húmus de minhoca 2005 Supermercados MODELO marketing dos produtos desde 2004 Pesquisa UFMT/FAPEMAT Húmus de minhoca fev 04
  • 38. CONSAD Baixada Cuiabana – Projeto Agregação de Valor a Produção Através da Agroindustrialização - COORIMBATÁ – CUIABÁ Curso Cooperativismo - Nov 05 Curso sobre Comercialização Mar 06 Processamento de doces e banana frita em Cuiabá - COORIMBATÁ Cooperados COORIMBATÁ em Cuiabá
  • 39. Curso de Gestão Financeira Peixe Dez 05 Curso Boas Praticas Fab. Peixe-Nov 05 Recepção do Peixe - COORIMBATÁ Limpeza de Peixe - COORIMBATÁ CONSAD Baixada Cuiabana – Projeto Agregação de Valor a Produção Através da Agroindustrialização - COORIMBATÁ – V. Grande
  • 40. COORIMBATÁ - CADEIA PRODUTIVA DO PEIXE Parceria com pequenos piscicultores Parceria com colônias de pescadores de outros municípios Entrega de equipamentos para Cooperativa COORIMBATÁ LANCHA DE PESCA E TURISMO Lingüiça de peixe- Comitê de mulheres Caminhão – DRS - BB Estocagem de peixe
  • 41.
  • 42. Parceria para abate do jacaré Parceria MODELO limpeza de peixe Parceria COOPAVAM castanha do Brasil Orientação comunicação e linguagem
  • 43. FRIGORÍFICO COORIMBATÁ PARCERIA C/ AGUACERITO P/ PROCESSAMENTO DE JACARÉS E PEIXES – SET 2009
  • 44. NÚCLEO GESTOR ARCA MULTINCUBADORA SOFTWARE DE GESTÃO ADMINISTRATIVO FINANCEIRA Inclusão digital de pescadores profissionais artesanais