SlideShare uma empresa Scribd logo
facilita a coordenação
instantânea do
pensamento,
sentimento e acção;
executa um cálculo
instantâneo que nos
diz o que sentimos e o
que sentem por nós;
contribui para o “valor
hedonístico” do nosso
mundo social;
avalia a estética
social.
avalia a importância
afectiva;
liga a via inferior à
superior; COF
Assim, mesmo antes das percepções subliminares chegarem
ao nível do consciente já começámos a agir com base nesses
sentimentos, o que explica a autopropulsão do tal beijo.
É através da
(córtex cingulado
anterior) que…
… de forma
dada as fortes que esta
área tem.
Estes julgamentos feitos são
e constituem o
nosso sistema de
Estes devem-se a
CIRCUITOS NEURAIS que estão sempre
mesmo quando o
Esta sequência de RELACIONAMENTO SOCIAL
está em funcionamento CONTÍNUO, sendo afectado
pelas ALTERAÇÕES que podemos sentir nos nossos
RELACIONAMENTOS.
Com o a nossa resposta aos
pode ser, por
vezes,
Numa interacção social, entramos em circuito, recebendo um fluxo
constante de retorno, sobretudo através da expressão facial e do
tom de voz do nosso interlocutor.
Em simultâneo, outros sistemas que fazem a ligação
entre os centros emocionais e cognitivos verificam e
refinam a reacção, acrescentando novos sabores
emocionais àquilo que percebemos.
E assim formamos a primeira
Os tratamentos contra as fobias, fazem com que as
pessoas aprendam a controlar-se, pouco a pouco…
Se na altura do medo, dissermos a nós mesmos qualquer coisa
que diminua a sua força, a mesma recordação é
recodificada com menos poder sobre nós.
How can education professionals
become emotionally intelligent?,
Derya Oktar Ergur
Aqui fica a nossa
sugestão…
Grupo 1- Equipa W:I-P
Inteligência Social, Daniel Goleman

Mais conteúdo relacionado

Mais de Ana Ferreira

Apresentacao jornalismo
Apresentacao jornalismoApresentacao jornalismo
Apresentacao jornalismo
Ana Ferreira
 
Desejo: o dele e o dela
Desejo: o dele e o delaDesejo: o dele e o dela
Desejo: o dele e o dela
Ana Ferreira
 
RespiratóRio II
RespiratóRio IIRespiratóRio II
RespiratóRio II
Ana Ferreira
 
linfático
linfáticolinfático
linfático
Ana Ferreira
 
CirculatóRio Parte I I
CirculatóRio Parte I ICirculatóRio Parte I I
CirculatóRio Parte I I
Ana Ferreira
 
Neuro Hormonal
Neuro HormonalNeuro Hormonal
Neuro Hormonal
Ana Ferreira
 
CirculatóRio Parte I
CirculatóRio Parte ICirculatóRio Parte I
CirculatóRio Parte I
Ana Ferreira
 

Mais de Ana Ferreira (7)

Apresentacao jornalismo
Apresentacao jornalismoApresentacao jornalismo
Apresentacao jornalismo
 
Desejo: o dele e o dela
Desejo: o dele e o delaDesejo: o dele e o dela
Desejo: o dele e o dela
 
RespiratóRio II
RespiratóRio IIRespiratóRio II
RespiratóRio II
 
linfático
linfáticolinfático
linfático
 
CirculatóRio Parte I I
CirculatóRio Parte I ICirculatóRio Parte I I
CirculatóRio Parte I I
 
Neuro Hormonal
Neuro HormonalNeuro Hormonal
Neuro Hormonal
 
CirculatóRio Parte I
CirculatóRio Parte ICirculatóRio Parte I
CirculatóRio Parte I
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

Neuroanatomia de um beijo

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4. facilita a coordenação instantânea do pensamento, sentimento e acção; executa um cálculo instantâneo que nos diz o que sentimos e o que sentem por nós; contribui para o “valor hedonístico” do nosso mundo social; avalia a estética social. avalia a importância afectiva; liga a via inferior à superior; COF
  • 5. Assim, mesmo antes das percepções subliminares chegarem ao nível do consciente já começámos a agir com base nesses sentimentos, o que explica a autopropulsão do tal beijo.
  • 6. É através da (córtex cingulado anterior) que…
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. … de forma dada as fortes que esta área tem. Estes julgamentos feitos são e constituem o nosso sistema de
  • 13.
  • 14. Estes devem-se a CIRCUITOS NEURAIS que estão sempre mesmo quando o
  • 15.
  • 16. Esta sequência de RELACIONAMENTO SOCIAL está em funcionamento CONTÍNUO, sendo afectado pelas ALTERAÇÕES que podemos sentir nos nossos RELACIONAMENTOS.
  • 17.
  • 18. Com o a nossa resposta aos pode ser, por vezes,
  • 19. Numa interacção social, entramos em circuito, recebendo um fluxo constante de retorno, sobretudo através da expressão facial e do tom de voz do nosso interlocutor.
  • 20.
  • 21.
  • 22. Em simultâneo, outros sistemas que fazem a ligação entre os centros emocionais e cognitivos verificam e refinam a reacção, acrescentando novos sabores emocionais àquilo que percebemos.
  • 23. E assim formamos a primeira
  • 24.
  • 25.
  • 26. Os tratamentos contra as fobias, fazem com que as pessoas aprendam a controlar-se, pouco a pouco… Se na altura do medo, dissermos a nós mesmos qualquer coisa que diminua a sua força, a mesma recordação é recodificada com menos poder sobre nós.
  • 27.
  • 28. How can education professionals become emotionally intelligent?, Derya Oktar Ergur Aqui fica a nossa sugestão…
  • 29. Grupo 1- Equipa W:I-P Inteligência Social, Daniel Goleman