SlideShare uma empresa Scribd logo
A REALIDADE BRASILEIRA E A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DOS ESPECIALISTAS Prof. Dra. Mônica Antar Gamba Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Enfermagem
DERMATOLOGY NURSING CARE: SKIN ABNORMALITES IN BRAZIL
CUIDANDO DA PELE  ERA MEDIEVAL: JÓ ATINGIDO PELA “LEPRA”
FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL 29 INSTITUIÇÕES 47 CURSOS 02 PÚBLICAS COM 168 VAGAS LÓCUS DE ATUAÇÃO A MISÉRIA
Crescimento progressivo da especialidade nos últimos anos do envelhecimento populacional e MUDANÇA ESTRUTURAL DO PERFIL  EPIDEMIOLÓGICO dos indicadores de saúde no país; Desenvolvimento de enfermagem inserida na políticas públicas e na Reforma sanitária; Desenvolvimento tecnológico: aprimoramento e criação de novas técnicas de diagnóstico e tratamento; Progressiva evolução tecnológica: velhos problemas com “novas soluções”  Aumento da ação e autonomia dos enfermeiros na dermatologia Necessidade de compartilhar saberes, ter autonomia,  ampliar conhecimentos e atuação;. ENFERMAGEM DERMATOLÓGICA
A HISTÓRIA DEIXOU PASSAR NOSSA ATUAÇÃO QUE PODERIA TER MUDADO O CURSO DE ALGUNS FATOS: “HOSPITAL DOS LEPROSOS”, EM FINS DO SÉCULO XIX
CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO DE ENFERMAGEM EM DERMATOLOGIA NO BRASIL  UNIFESP : Mônica Antar Gamba UFBA : Rose Ana David ELLU SAÚDE:  Vânia Declair FAMERP: Nadia Poletti  Mas estamos tentando fazer a história mudar...
DIFICULDADES PARA O ENFERMEIRO ATUAR NA ÁREA DE DERMATOLOGIA Mesmas dificuldades encontradas em outras especialidades, tais como:  Formação e aprimoramento (poucos cursos de pós-graduação qualificados e reconhecidos pela SOBENDE no Brasil); Poucos enfermeiros especialistas, seja na área na área assistencial, estética e clínica, como no ensino e na pesquisa; Desconhecimento da importância dessa especialidade. Iluminura catalã do século 14 mostra o personagem bíblico Jó atingido pela hanseníase
COMO SUPERAR AS DIFICULDADES? Aumento do número de especialistas Atuação direta dos enfermeiros com pacientes, familiares, outros profissionais e principalmente com a própria classe; Desenvolvimento de pesquisas científicas na área da dermatologia; Participação ativa na SOBENDE. Guilherme de Tiro descobre os primeiros sintomas de lepra de   Balduíno,  O Grande, Balduíno IV (rei de Jerusalém)
FACILIDADES PARA O ENFERMEIRO ATUAR NA ÁREA DE DERMATOLOGIA Competência para detectar as alterações cutâneas da pele e as necessidades afetadas por estas alterações; Planejar, prescrever e avaliar os cuidados de enfermagem necessários para promover á saúde e o bem estar. Avaliar resultados ; Fortalecer entidades de classe, SOBENDE, DERMACAMP e Associações de pacientes .
AUTONOMIA Consulta de enfermagem com ferramenta terapêutica dialógica  e emancipadora do cuidado ( Brandão e cols, 2006). Incorporaçlão  dos pressupostos do SUS respeitando o Pacto pela vida, aperfeiçoando o olhar  com alta acuidade e especificidade na área ( Gamba e cols, 1987). Co-relacionar  alterações observadas com condições sócio ambientais, culturais de crenças e valores pessoais, desenvolvendo pesquisas translacionais. Elaborar indicadores de qualidade desenvolvidos. Assistir baseando-se nos conceitos da clínica compartilhada, empoderamento no sentido Freiriano ( educação para mudança) e autonomia  Pesquisa, inovação tecnológica,  extensão e internacionalização;
 
O núcleo de pesquisa Cuidar-te integra graduandos, profissionais de saúde, pós graduandos sensu latto e sensu stricto  que visam desenvolver ações de assistência, ensino, extensão e pesquisa, um conjunto de ações de promoção à saúde e cuidados à pessoas com anormalidades da pele e a garantia do apoio da rede social, principalmente,  para os familiares de pessoas com: hanseníase, diabetes mellitus, meningocele, paralisia cerebral, úlcera de Buruli, dermatopatias, feridas crônicas e sequelas incapacitantes.  Contribui para a formação de profissionais críticos  que atue na área arantindo os princípos do SUS, em especial  da universalidade, equidade, referência e contra referência.  Participa na formação de discentes da graduação e pós graduação, além de profissionais da rede básica de serviços em consonância com a Liga Acadêmica de Feridas e GETRAFE- HSP. Os referenciais teóricos utilizados estão ancorados na epidemiologia, nas ciências humanas (sociologia, psicologia, pedagogia), além da estatística, histologia, dermatologia e clínicas específicas. Sua interface na extensão se dá na vivência de estudantes nos atendimentos, nas clínicas compartilhadas, nos estudos de caso, nas associações de apoio á portadores de patologias. Profª Drª Mônica Antar Gamba Cuidar- Te
Principais Objetivos: Desenvolver competências e pesquisas na área de atenção às alterações cutâneo-mucosas e incapacidades funcionais, visando aprimorar conhecimentos, investigações e o agir cuidadoso às pessoas na  promoção à saúde da pele, na prevenção e proteção, bem como na recuperação e reabilitação das alterações da pele, mucosas, anexos e incapacidades funcionais.  Contribuir com a ampliação do conhecimento dos profissionais da área da saúde que cuidam de pessoas com alterações da integridade cutâneo mucosa e incapacidades funcionais.  Planejar, organizar e avaliar permanentemente as ações nas diversas áreas da saúde e nos programas de promoção, recuperação e reabilitação funcional da pele, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida de pessoas acometidas por tais agravos.  Participar das ações de promoção à saúde de pessoas e familiares com anormalidades da pele no DERMACAMP, Costa do Marfim, Lar Escola São Francisco e CAENF.  Desenvolver ações de educação em saúde á crianças vítimas de paralisia cerebral no Lar Escola São Francisco.  Conhecer as evidências clínicas para a prevenção, avaliação e tratamento das alterações cutâneo mucosa e incapacidades funcionais.
PROJETO  ÁFRICA: DESIGUALDADE A FLOR DA PELE ÙLCERA DE BURULI
1. CENTRO DE ASSISTÊNCIA E EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM- CAENF
REALIZAÇÕES
Santos Vera Lúcia Conceição de Gouveia et ADAPTAÇÃO TRANSCULTURAL DO PRESSURE ULCER SCALE FOR HEALING (PUSH) PARA A LÍNGUA PORTUGUESA1 Rev Latino-am Enfermagem 2005 all maio-junho; 13(3):305-13 Ferreira LM, Sobral CS, BLANES, L, Horibe EK. Proliferation of fibroblasts cultured on a hemi-cellulose dressing.   : J Plast Reconstr Aesthet Surg. 2009 Apr 2. BATES JENSEN, Guihan M, Garber SL, Chin AS, Burns SP.Characteristics of recurrent pressure ulcers in veterans with spinal cord injury. Fernandes LM, CALIRI MH. Using the Braden and Glasgow scales to predict pressure ulcer risk in patients hospitalized at intensive care units;Rev Lat Am Enfermagem. 2008 Nov-Dec;16(6):973-8.
REALIZAÇÕES
BORGES, E; Caliri MH, Haas VJ.Systematic review of topic treatment for venous ulcers. Rev Lat Am Enfermagem. 2007 Nov-Dec;15(6):1163-70.     Bongiovani ALR; Barros SMO; Avaliação de risco de úlcera por pressão: propriedades de medida da versão em português da escala de Waterlow  Acta paul. enferm. v.20 n.2 São Paulo  Pressure ulcer risk assessment: sensitivity and specificity properties of the portuguese version of Waterlow scale     
6.ACAMPAMENTO DE  DIABETES
CADERNOS DE ENFERMAGEM EM DERMATOLOGIA E CUIDADOS COM A PELE
Gamba, MA; Gotlieb, SLD; Bergamaschi, DP; Oliveira, O;  Vianna, LAC.  Lower extremity amputations in patients with diabetes melllitus: a preventable practice in nursing care? A case-control study. São Paulo, Brazil; 2004.  Patricia Ferrreira; Mônica Antar Gamba; Humberto Saconato; Maria Gaby Rivero de Gutierrez Prevention and Treatment of the oral mucositis’ severity in patients of bone marrow transplantation: a meta- analysis Coca K; Gamba MA; Abrão ACFV Fatores Associados aos Traumas Mamilares: Um Estudo Caso – Controle:Factors Associated to Nipple Traumas: A Case – Control Study Silva, KM; Virgulino JV Gamba MA AVALIAÇÃO DE SEQUELAS EM HANSENÍASE: UMA ANÁLISE SITUACIONAL, no prelo
2. LAR ESCOLA SÃO FRANCISCO- LESF
 
CUIDAR-TE
3. DERMACAMP
8.  GRUPO DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE FERIDAS E CUIDADOS COM ESTOMAS DO HOSPITAL SÃO PAULO- GETRAFE: LEILA BLANES
MORHAN Dia 28 de Janeiro: Dia Mundial de Combate à Hanseníase
ACOLHIMENTO AVALIAÇÃO PREVENÇÃO  BANHO CURATIVOS PUNÇÃO MEDICAÇÃO MONITORAMENTO Cuidamos e ao cuidarmos somos cuidadas…
BUSCA DE EVIDÊNCIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS AVANÇOS ATRIZES SOCIAIS DAS TRANSFORMAÇÕES EUZELI  BRANDÃO, IRACI SANTOS, MARIA  HELENA MANDELBAUM,
PARCERIAS SMS-SP
 
OBRIGADA!! Sistema Único de Saúde  SUS  UNIVERSALIDADE, EQUIDADE, INTEGRALIDADE PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA
“ Se não adicionarmos a cada comprimido uma dosezinha da nossa vontade, do nosso compromisso, do nosso amor, eles são inócuos ou venenosos. Aliás, o amor ainda continua sendo o melhor remédio para todos os males do mundo, desde que seja traduzido em trabalho, em humildade, em ética, em compromisso, em justiça...”  Francisco Augusto Vieira (Bacurau)
REFERÊNCIAS Manual de Enfermagem em Dermatologia:  http://www.scribd.com/doc/3890092/Manual-de-Enfermagem-em-Dermatologia   Dermacamp: http://dermacamp.org.br/quem_somos.htm   Revista Nursing | Autonomia do enfermeiro em dermatologia:  http://www.nursing.com.br/article.php?a=516 Cresce no país a oferta da chamada enfermagem dermatológica - Diabetes, Vida e Comunidade:  http://www.diabetenet.com.br/conteudocompleto.asp?idconteudo=5198   Portal da Enfermagem - Dicas do Especialista:  http://www.portaldaenfermagem.com.br/dicas_read.asp?id=303 Revista Nursing:  http://www.nursing.com.br/channel.php?cid=2&init=60 Ministério da Educação e Cultura:  http://www.brasil.gov.br/sobre/educacao/pos-graduacao/especializacao

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
SANTANA, José Francisco de
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Proqualis
 
Dengue criança, ms, 2011
Dengue criança, ms, 2011Dengue criança, ms, 2011
Dengue criança, ms, 2011
Steban Freire
 
Webquest doenças tropicais
Webquest doenças tropicaisWebquest doenças tropicais
Webquest doenças tropicais
Helder Neves de Albuquerque
 
Sintonia 31-03-17
Sintonia 31-03-17Sintonia 31-03-17
Sintonia 31-03-17
Jornal Correio do Sul
 
Ambulatório de feridas cepti
Ambulatório de feridas ceptiAmbulatório de feridas cepti
Ambulatório de feridas cepti
Rosiana Ibiapina
 
Representações de adolescentes do município de santa luzia mg acerca da doenç...
Representações de adolescentes do município de santa luzia mg acerca da doenç...Representações de adolescentes do município de santa luzia mg acerca da doenç...
Representações de adolescentes do município de santa luzia mg acerca da doenç...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Ementas II
Ementas IIEmentas II
05 artigo-significado-dos-cuidados-paliativos-para-a-qualidade-da-sobrevivenc...
05 artigo-significado-dos-cuidados-paliativos-para-a-qualidade-da-sobrevivenc...05 artigo-significado-dos-cuidados-paliativos-para-a-qualidade-da-sobrevivenc...
05 artigo-significado-dos-cuidados-paliativos-para-a-qualidade-da-sobrevivenc...
Leonel Santos
 
Curso de Podologia Ementas I
Curso de Podologia Ementas ICurso de Podologia Ementas I
Curso de Podologia Ementas I
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
Pé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básicaPé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básica
adrianomedico
 
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Jessica Mendes
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Fundamentos da APS e da MFC
Fundamentos da APS e da MFCFundamentos da APS e da MFC
Fundamentos da APS e da MFC
apemfc
 
Universo Uninorte #8
Universo Uninorte #8Universo Uninorte #8
Universo Uninorte #8
Centro Universitário do Norte
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
judicleia silva
 
Monografia: Iatrogenias em Unidade de Terapia Intencia
Monografia: Iatrogenias em Unidade de Terapia Intencia Monografia: Iatrogenias em Unidade de Terapia Intencia
Monografia: Iatrogenias em Unidade de Terapia Intencia
Eli Paula
 
Aspectos psicologicos do paciente oncológico
Aspectos psicologicos do paciente oncológicoAspectos psicologicos do paciente oncológico
Aspectos psicologicos do paciente oncológico
Eliane Santos
 
Dengue manual enfermagem svs[1](2)
Dengue manual enfermagem svs[1](2)Dengue manual enfermagem svs[1](2)
Dengue manual enfermagem svs[1](2)
Rodrigo Abreu
 
TCC II - Apresentações
TCC II - ApresentaçõesTCC II - Apresentações
TCC II - Apresentações
EGPFEN
 

Mais procurados (20)

Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 
Dengue criança, ms, 2011
Dengue criança, ms, 2011Dengue criança, ms, 2011
Dengue criança, ms, 2011
 
Webquest doenças tropicais
Webquest doenças tropicaisWebquest doenças tropicais
Webquest doenças tropicais
 
Sintonia 31-03-17
Sintonia 31-03-17Sintonia 31-03-17
Sintonia 31-03-17
 
Ambulatório de feridas cepti
Ambulatório de feridas ceptiAmbulatório de feridas cepti
Ambulatório de feridas cepti
 
Representações de adolescentes do município de santa luzia mg acerca da doenç...
Representações de adolescentes do município de santa luzia mg acerca da doenç...Representações de adolescentes do município de santa luzia mg acerca da doenç...
Representações de adolescentes do município de santa luzia mg acerca da doenç...
 
Ementas II
Ementas IIEmentas II
Ementas II
 
05 artigo-significado-dos-cuidados-paliativos-para-a-qualidade-da-sobrevivenc...
05 artigo-significado-dos-cuidados-paliativos-para-a-qualidade-da-sobrevivenc...05 artigo-significado-dos-cuidados-paliativos-para-a-qualidade-da-sobrevivenc...
05 artigo-significado-dos-cuidados-paliativos-para-a-qualidade-da-sobrevivenc...
 
Curso de Podologia Ementas I
Curso de Podologia Ementas ICurso de Podologia Ementas I
Curso de Podologia Ementas I
 
Pé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básicaPé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básica
 
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
 
Fundamentos da APS e da MFC
Fundamentos da APS e da MFCFundamentos da APS e da MFC
Fundamentos da APS e da MFC
 
Universo Uninorte #8
Universo Uninorte #8Universo Uninorte #8
Universo Uninorte #8
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
 
Monografia: Iatrogenias em Unidade de Terapia Intencia
Monografia: Iatrogenias em Unidade de Terapia Intencia Monografia: Iatrogenias em Unidade de Terapia Intencia
Monografia: Iatrogenias em Unidade de Terapia Intencia
 
Aspectos psicologicos do paciente oncológico
Aspectos psicologicos do paciente oncológicoAspectos psicologicos do paciente oncológico
Aspectos psicologicos do paciente oncológico
 
Dengue manual enfermagem svs[1](2)
Dengue manual enfermagem svs[1](2)Dengue manual enfermagem svs[1](2)
Dengue manual enfermagem svs[1](2)
 
TCC II - Apresentações
TCC II - ApresentaçõesTCC II - Apresentações
TCC II - Apresentações
 

Semelhante a Monica Antar Gamba

Hanseníase (fco santana)
Hanseníase (fco santana)Hanseníase (fco santana)
Hanseníase (fco santana)
SANTANA, José Francisco de
 
Caso clinico hanseníase
Caso clinico hanseníaseCaso clinico hanseníase
Caso clinico hanseníase
Osmarino Gomes Pereira
 
2009 1-07
2009 1-072009 1-07
2009 1-07
Janilce Souza
 
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo FundoApresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
jorge luiz dos santos de souza
 
Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28
kratos8
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
Camila Melo
 
PAIM- BOCA - Diretrizes fundamentais
PAIM- BOCA - Diretrizes fundamentaisPAIM- BOCA - Diretrizes fundamentais
PAIM- BOCA - Diretrizes fundamentais
Rodrigo Calado
 
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
Ieda Noronha
 
Concepção da atuação dos enfermeiros.pdf
Concepção da atuação dos enfermeiros.pdfConcepção da atuação dos enfermeiros.pdf
Concepção da atuação dos enfermeiros.pdf
taticfarias28
 
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO  CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO  CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...
Portal da Inovação em Saúde
 
Artigo avaliação do pé dabetico
Artigo avaliação do pé dabetico Artigo avaliação do pé dabetico
Artigo avaliação do pé dabetico
Johannes Oliveira
 
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais  Fórum Saúde Mental InfantojuveniAnais  Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
CENAT Cursos
 
Ações educativas no meio escolar uma abordagem sobre a hanseníase patrícia ...
Ações educativas no meio escolar uma abordagem sobre a hanseníase   patrícia ...Ações educativas no meio escolar uma abordagem sobre a hanseníase   patrícia ...
Ações educativas no meio escolar uma abordagem sobre a hanseníase patrícia ...
bio_fecli
 
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
bibliotecasaude
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-carlos
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-1968
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-carlos
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-1968
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-1968
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-carlos
 

Semelhante a Monica Antar Gamba (20)

Hanseníase (fco santana)
Hanseníase (fco santana)Hanseníase (fco santana)
Hanseníase (fco santana)
 
Caso clinico hanseníase
Caso clinico hanseníaseCaso clinico hanseníase
Caso clinico hanseníase
 
2009 1-07
2009 1-072009 1-07
2009 1-07
 
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo FundoApresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
 
Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
 
PAIM- BOCA - Diretrizes fundamentais
PAIM- BOCA - Diretrizes fundamentaisPAIM- BOCA - Diretrizes fundamentais
PAIM- BOCA - Diretrizes fundamentais
 
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
08 artigo enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria
 
Concepção da atuação dos enfermeiros.pdf
Concepção da atuação dos enfermeiros.pdfConcepção da atuação dos enfermeiros.pdf
Concepção da atuação dos enfermeiros.pdf
 
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO  CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO  CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...
 
Artigo avaliação do pé dabetico
Artigo avaliação do pé dabetico Artigo avaliação do pé dabetico
Artigo avaliação do pé dabetico
 
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais  Fórum Saúde Mental InfantojuveniAnais  Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
 
Ações educativas no meio escolar uma abordagem sobre a hanseníase patrícia ...
Ações educativas no meio escolar uma abordagem sobre a hanseníase   patrícia ...Ações educativas no meio escolar uma abordagem sobre a hanseníase   patrícia ...
Ações educativas no meio escolar uma abordagem sobre a hanseníase patrícia ...
 
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 

Mais de Associação Brasileira de Enfermagem em Dermatologia

Fotos - I SPEED
Fotos - I SPEEDFotos - I SPEED
Maria Helena Larcher Caliri
Maria Helena Larcher CaliriMaria Helena Larcher Caliri
Nadia Rucisnci
Nadia RucisnciNadia Rucisnci
Flavia Regina Ferreira
Flavia Regina FerreiraFlavia Regina Ferreira
Momento do Patrocinador - Neve
Momento do Patrocinador - NeveMomento do Patrocinador - Neve
Momento do Patrocinador - Systagenix
Momento do Patrocinador - SystagenixMomento do Patrocinador - Systagenix
Momento do Patrocinador - Systagenix
Associação Brasileira de Enfermagem em Dermatologia
 
Rose Ana Rios David
Rose Ana Rios DavidRose Ana Rios David
Aparecida Yoshitome
Aparecida YoshitomeAparecida Yoshitome
Carla Mye Matuo
Carla Mye MatuoCarla Mye Matuo
Nadia Poletti
Nadia PolettiNadia Poletti
Vania Declair
Vania DeclairVania Declair

Mais de Associação Brasileira de Enfermagem em Dermatologia (11)

Fotos - I SPEED
Fotos - I SPEEDFotos - I SPEED
Fotos - I SPEED
 
Maria Helena Larcher Caliri
Maria Helena Larcher CaliriMaria Helena Larcher Caliri
Maria Helena Larcher Caliri
 
Nadia Rucisnci
Nadia RucisnciNadia Rucisnci
Nadia Rucisnci
 
Flavia Regina Ferreira
Flavia Regina FerreiraFlavia Regina Ferreira
Flavia Regina Ferreira
 
Momento do Patrocinador - Neve
Momento do Patrocinador - NeveMomento do Patrocinador - Neve
Momento do Patrocinador - Neve
 
Momento do Patrocinador - Systagenix
Momento do Patrocinador - SystagenixMomento do Patrocinador - Systagenix
Momento do Patrocinador - Systagenix
 
Rose Ana Rios David
Rose Ana Rios DavidRose Ana Rios David
Rose Ana Rios David
 
Aparecida Yoshitome
Aparecida YoshitomeAparecida Yoshitome
Aparecida Yoshitome
 
Carla Mye Matuo
Carla Mye MatuoCarla Mye Matuo
Carla Mye Matuo
 
Nadia Poletti
Nadia PolettiNadia Poletti
Nadia Poletti
 
Vania Declair
Vania DeclairVania Declair
Vania Declair
 

Monica Antar Gamba

  • 1. A REALIDADE BRASILEIRA E A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DOS ESPECIALISTAS Prof. Dra. Mônica Antar Gamba Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Enfermagem
  • 2. DERMATOLOGY NURSING CARE: SKIN ABNORMALITES IN BRAZIL
  • 3. CUIDANDO DA PELE ERA MEDIEVAL: JÓ ATINGIDO PELA “LEPRA”
  • 4. FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL 29 INSTITUIÇÕES 47 CURSOS 02 PÚBLICAS COM 168 VAGAS LÓCUS DE ATUAÇÃO A MISÉRIA
  • 5. Crescimento progressivo da especialidade nos últimos anos do envelhecimento populacional e MUDANÇA ESTRUTURAL DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO dos indicadores de saúde no país; Desenvolvimento de enfermagem inserida na políticas públicas e na Reforma sanitária; Desenvolvimento tecnológico: aprimoramento e criação de novas técnicas de diagnóstico e tratamento; Progressiva evolução tecnológica: velhos problemas com “novas soluções” Aumento da ação e autonomia dos enfermeiros na dermatologia Necessidade de compartilhar saberes, ter autonomia, ampliar conhecimentos e atuação;. ENFERMAGEM DERMATOLÓGICA
  • 6. A HISTÓRIA DEIXOU PASSAR NOSSA ATUAÇÃO QUE PODERIA TER MUDADO O CURSO DE ALGUNS FATOS: “HOSPITAL DOS LEPROSOS”, EM FINS DO SÉCULO XIX
  • 7. CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO DE ENFERMAGEM EM DERMATOLOGIA NO BRASIL UNIFESP : Mônica Antar Gamba UFBA : Rose Ana David ELLU SAÚDE: Vânia Declair FAMERP: Nadia Poletti Mas estamos tentando fazer a história mudar...
  • 8. DIFICULDADES PARA O ENFERMEIRO ATUAR NA ÁREA DE DERMATOLOGIA Mesmas dificuldades encontradas em outras especialidades, tais como: Formação e aprimoramento (poucos cursos de pós-graduação qualificados e reconhecidos pela SOBENDE no Brasil); Poucos enfermeiros especialistas, seja na área na área assistencial, estética e clínica, como no ensino e na pesquisa; Desconhecimento da importância dessa especialidade. Iluminura catalã do século 14 mostra o personagem bíblico Jó atingido pela hanseníase
  • 9. COMO SUPERAR AS DIFICULDADES? Aumento do número de especialistas Atuação direta dos enfermeiros com pacientes, familiares, outros profissionais e principalmente com a própria classe; Desenvolvimento de pesquisas científicas na área da dermatologia; Participação ativa na SOBENDE. Guilherme de Tiro descobre os primeiros sintomas de lepra de Balduíno, O Grande, Balduíno IV (rei de Jerusalém)
  • 10. FACILIDADES PARA O ENFERMEIRO ATUAR NA ÁREA DE DERMATOLOGIA Competência para detectar as alterações cutâneas da pele e as necessidades afetadas por estas alterações; Planejar, prescrever e avaliar os cuidados de enfermagem necessários para promover á saúde e o bem estar. Avaliar resultados ; Fortalecer entidades de classe, SOBENDE, DERMACAMP e Associações de pacientes .
  • 11. AUTONOMIA Consulta de enfermagem com ferramenta terapêutica dialógica e emancipadora do cuidado ( Brandão e cols, 2006). Incorporaçlão dos pressupostos do SUS respeitando o Pacto pela vida, aperfeiçoando o olhar com alta acuidade e especificidade na área ( Gamba e cols, 1987). Co-relacionar alterações observadas com condições sócio ambientais, culturais de crenças e valores pessoais, desenvolvendo pesquisas translacionais. Elaborar indicadores de qualidade desenvolvidos. Assistir baseando-se nos conceitos da clínica compartilhada, empoderamento no sentido Freiriano ( educação para mudança) e autonomia Pesquisa, inovação tecnológica, extensão e internacionalização;
  • 12.  
  • 13. O núcleo de pesquisa Cuidar-te integra graduandos, profissionais de saúde, pós graduandos sensu latto e sensu stricto que visam desenvolver ações de assistência, ensino, extensão e pesquisa, um conjunto de ações de promoção à saúde e cuidados à pessoas com anormalidades da pele e a garantia do apoio da rede social, principalmente, para os familiares de pessoas com: hanseníase, diabetes mellitus, meningocele, paralisia cerebral, úlcera de Buruli, dermatopatias, feridas crônicas e sequelas incapacitantes. Contribui para a formação de profissionais críticos que atue na área arantindo os princípos do SUS, em especial da universalidade, equidade, referência e contra referência. Participa na formação de discentes da graduação e pós graduação, além de profissionais da rede básica de serviços em consonância com a Liga Acadêmica de Feridas e GETRAFE- HSP. Os referenciais teóricos utilizados estão ancorados na epidemiologia, nas ciências humanas (sociologia, psicologia, pedagogia), além da estatística, histologia, dermatologia e clínicas específicas. Sua interface na extensão se dá na vivência de estudantes nos atendimentos, nas clínicas compartilhadas, nos estudos de caso, nas associações de apoio á portadores de patologias. Profª Drª Mônica Antar Gamba Cuidar- Te
  • 14. Principais Objetivos: Desenvolver competências e pesquisas na área de atenção às alterações cutâneo-mucosas e incapacidades funcionais, visando aprimorar conhecimentos, investigações e o agir cuidadoso às pessoas na promoção à saúde da pele, na prevenção e proteção, bem como na recuperação e reabilitação das alterações da pele, mucosas, anexos e incapacidades funcionais. Contribuir com a ampliação do conhecimento dos profissionais da área da saúde que cuidam de pessoas com alterações da integridade cutâneo mucosa e incapacidades funcionais. Planejar, organizar e avaliar permanentemente as ações nas diversas áreas da saúde e nos programas de promoção, recuperação e reabilitação funcional da pele, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida de pessoas acometidas por tais agravos. Participar das ações de promoção à saúde de pessoas e familiares com anormalidades da pele no DERMACAMP, Costa do Marfim, Lar Escola São Francisco e CAENF. Desenvolver ações de educação em saúde á crianças vítimas de paralisia cerebral no Lar Escola São Francisco. Conhecer as evidências clínicas para a prevenção, avaliação e tratamento das alterações cutâneo mucosa e incapacidades funcionais.
  • 15. PROJETO ÁFRICA: DESIGUALDADE A FLOR DA PELE ÙLCERA DE BURULI
  • 16. 1. CENTRO DE ASSISTÊNCIA E EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM- CAENF
  • 18. Santos Vera Lúcia Conceição de Gouveia et ADAPTAÇÃO TRANSCULTURAL DO PRESSURE ULCER SCALE FOR HEALING (PUSH) PARA A LÍNGUA PORTUGUESA1 Rev Latino-am Enfermagem 2005 all maio-junho; 13(3):305-13 Ferreira LM, Sobral CS, BLANES, L, Horibe EK. Proliferation of fibroblasts cultured on a hemi-cellulose dressing. : J Plast Reconstr Aesthet Surg. 2009 Apr 2. BATES JENSEN, Guihan M, Garber SL, Chin AS, Burns SP.Characteristics of recurrent pressure ulcers in veterans with spinal cord injury. Fernandes LM, CALIRI MH. Using the Braden and Glasgow scales to predict pressure ulcer risk in patients hospitalized at intensive care units;Rev Lat Am Enfermagem. 2008 Nov-Dec;16(6):973-8.
  • 20. BORGES, E; Caliri MH, Haas VJ.Systematic review of topic treatment for venous ulcers. Rev Lat Am Enfermagem. 2007 Nov-Dec;15(6):1163-70.   Bongiovani ALR; Barros SMO; Avaliação de risco de úlcera por pressão: propriedades de medida da versão em português da escala de Waterlow Acta paul. enferm. v.20 n.2 São Paulo  Pressure ulcer risk assessment: sensitivity and specificity properties of the portuguese version of Waterlow scale    
  • 21. 6.ACAMPAMENTO DE DIABETES
  • 22. CADERNOS DE ENFERMAGEM EM DERMATOLOGIA E CUIDADOS COM A PELE
  • 23. Gamba, MA; Gotlieb, SLD; Bergamaschi, DP; Oliveira, O; Vianna, LAC. Lower extremity amputations in patients with diabetes melllitus: a preventable practice in nursing care? A case-control study. São Paulo, Brazil; 2004. Patricia Ferrreira; Mônica Antar Gamba; Humberto Saconato; Maria Gaby Rivero de Gutierrez Prevention and Treatment of the oral mucositis’ severity in patients of bone marrow transplantation: a meta- analysis Coca K; Gamba MA; Abrão ACFV Fatores Associados aos Traumas Mamilares: Um Estudo Caso – Controle:Factors Associated to Nipple Traumas: A Case – Control Study Silva, KM; Virgulino JV Gamba MA AVALIAÇÃO DE SEQUELAS EM HANSENÍASE: UMA ANÁLISE SITUACIONAL, no prelo
  • 24. 2. LAR ESCOLA SÃO FRANCISCO- LESF
  • 25.  
  • 28. 8. GRUPO DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE FERIDAS E CUIDADOS COM ESTOMAS DO HOSPITAL SÃO PAULO- GETRAFE: LEILA BLANES
  • 29. MORHAN Dia 28 de Janeiro: Dia Mundial de Combate à Hanseníase
  • 30. ACOLHIMENTO AVALIAÇÃO PREVENÇÃO BANHO CURATIVOS PUNÇÃO MEDICAÇÃO MONITORAMENTO Cuidamos e ao cuidarmos somos cuidadas…
  • 31. BUSCA DE EVIDÊNCIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS AVANÇOS ATRIZES SOCIAIS DAS TRANSFORMAÇÕES EUZELI BRANDÃO, IRACI SANTOS, MARIA HELENA MANDELBAUM,
  • 33.  
  • 34. OBRIGADA!! Sistema Único de Saúde SUS UNIVERSALIDADE, EQUIDADE, INTEGRALIDADE PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA
  • 35. “ Se não adicionarmos a cada comprimido uma dosezinha da nossa vontade, do nosso compromisso, do nosso amor, eles são inócuos ou venenosos. Aliás, o amor ainda continua sendo o melhor remédio para todos os males do mundo, desde que seja traduzido em trabalho, em humildade, em ética, em compromisso, em justiça...” Francisco Augusto Vieira (Bacurau)
  • 36. REFERÊNCIAS Manual de Enfermagem em Dermatologia: http://www.scribd.com/doc/3890092/Manual-de-Enfermagem-em-Dermatologia Dermacamp: http://dermacamp.org.br/quem_somos.htm Revista Nursing | Autonomia do enfermeiro em dermatologia: http://www.nursing.com.br/article.php?a=516 Cresce no país a oferta da chamada enfermagem dermatológica - Diabetes, Vida e Comunidade: http://www.diabetenet.com.br/conteudocompleto.asp?idconteudo=5198 Portal da Enfermagem - Dicas do Especialista: http://www.portaldaenfermagem.com.br/dicas_read.asp?id=303 Revista Nursing: http://www.nursing.com.br/channel.php?cid=2&init=60 Ministério da Educação e Cultura: http://www.brasil.gov.br/sobre/educacao/pos-graduacao/especializacao