SlideShare uma empresa Scribd logo
Membrana plasmática e transporte
Equipe de Biologia
Estrutura
 Modelo do mosaico fluido (Singer e Nicholson – 1972):
bicamada lipídica (fosfolipídios) onde encontram-se imersas
moléculas de proteínas que apresentam uma mobilidade, podendo
se deslocar lateralmente ou atravessar a bicamada lipídica,
projetando-se nas superfícies interna ou externa da membrana
plasmática  fluidez.
Bicamada Lipídica
 Fosfolipídios  afinidade diferencial
com a água:
1. Cabeça hidrofílica: voltada para o meio
extracelular e para o citoplasma.
2. Cauda hidrofóbica: voltada para a parte
interna da membrana
Proteínas
Propriedades da membrana
Assimetria: as duas faces da membrana não possuem a mesma composição
lipídica, glicídica e protéica. Em geral, os glicídios encontram-se presentes na
face externa. Também as cargas elétricas se distribuem diferentemente, sendo a
face citoplasmática, a que tem maior carga negativa, em geral.
 Fluidez: seus componentes não ocupam posições definidas e são susceptíveis
de deslocações bidimensionais, de rotação ou de translação. Esta propriedade
deve-se ao fato de, em geral, não se estabelecerem ligações fortes (covalentes)
entre as diversas moléculas, mas, predominantemente, ligações lábeis (ligações de
Van der Walls e pontes de hidrogênio). Os fosfolípidos também podem trocar de
camada (flip-flop).
 Permeabilidade seletiva: permeável apenas a algumas substâncias.
Continuidade: nunca apresentam bordas livres ou descontínuas e os espaços
por ela delimitados, são sempre fechados.
Resistência à tração.
Funções da membrana
 Individualização da célula
 Transportes moleculares e iônicos
 Recepção de informação
 Transmissão de informação
 Reconhecimento celular
 Orientação de reações químicas em cadeia: enzimas localizadas na
superfície da membrana
Envoltórios externos à
membrana
 Glicocálix
 Parede celular
 Cápsula: envoltório externo à
parede celular de bactérias;
espessura e composição química
variáveis.
Glicocálix
 Envoltório externo à membrana
plasmática.
 Composição química: moléculas de
açúcar associadas aos fosfolipídios e
às proteínas da membrana.
 Funções: reconhecimento célula-a-
célula; adesão; proteção contra lesões
mecânicas, físicas e químicas.
Parede celular
 Estrutura rígida e permeável (dentro de certos limites),
responsável pela manutenção da forma da célula. Está presente no
Reino Monera (bactérias e cianobactérias), fungos, algumas algas
protistas e vegetais (incluindo algas pluricelulares) composição
química varia de grupo para grupo.
Quitina
Fungos
Sílica
Alga protista
Crisófita
Parede celular de vegetais
 Primária: celulose (polissacarídeo).
 Secundária: novos espessamentos de celulose; deposição de lignina e
suberina (lipídeos) – algumas vezes classificados como parede terciária.
 Lamela média: pectina (polissacarídeo).
Transporte através da membrana
Transportes Passivos
Osmose
Osmose em célula animal
123
Osmose em célula vegetal
 O grande vacúolo da célula vegetal adulta ocupa a maior parte do volume
citoplasmático e sua concentração é o fator primordial para regular as trocas
osmóticas entre a célula (membrana plasmática-semipermeável) e o ambiente que
a cerca.
 As células que apresentam bom volume de água, terão a membrana plasmática
pressionada contra a parede de celulose rígida, a qual vai oferecendo resistência
crescente à entrada de água no citoplasma.
Difusão Simples
Figura 2
Pequenos poros na superfície da membrana permeável permitem a passagem
seletiva de íons. Existem canais específicos para cada íon (sódio, cloro, potássio,
etc). A taxa de passagem é regulada pelo número e tamanho dos poros. Após
algum tempo, a concentração de ambos os íons (barras verde e amarela na figura
1) serão a mesma em ambos os lados da membrana.
Difusão facilitada
Difusão facilitada da glicose
Ligando = insulina
Molécula transportada = glicose
Transporte ativo
 Ocorre o movimento do
soluto contra o gradiente
de concentração  do
meio hipotônico para o
meio hipertônico.
 Sempre realizado por
proteínas transportadoras
presentes na membrana
plasmática.
 Ocorre com gasto de
energia.
Bomba de sódio e potássio
Impulso nervoso
Membrana em repouso:
canais de sódio fechados  sódio
bombeado ativamente para fora (bomba
de sódio e potássio)  polarização.
Estímulo:
abre os canais
de sódio,
possibilitando
sua entrada 
despolarização.
Transportes não mediados por
vesículas
Transportes mediados por
vesículas
 ENDOCITOSE:
1. Fagocitose: englobamento de partículas sólidas por meio de
emissão de pseudópodes. Ocorre em certos protozoários (ex.:
amebas) e células da defesa responsáveis pela fagocitose de
partículas estranhas.
2. Pinocitose: englobamento de partículas líquidas por meio de
invaginação da membrana. Ocorre em praticamente todos os tipos
celulares.
3. Mediada por um receptor: ocorre a partir da ligação de
moléculas denominadas ligando (ex.: proteínas de reconhecimento
virais) com receptores protéicos da membrana celular.
 EXOCITOSE: processo pelo qual são lançadas fora secreções
importantes do metabolismo do corpo humano e eliminados os
resíduos da endocitose (clasmocitose).
Fagocitose
Pinocitose
Endocitose mediada por um
receptor
Tipos de vacúolos
Exocitose
Especializações da membrana
plasmática
 De acordo com sua
localização, podem ser
classificadas em:
1. Apicais: Microvilosidades
(MF) com trama ou velo
terminal (VT); cílios e
flagelos; estereocílios.
2. Laterais: zônula de adesão
(ZA); zônula de oclusão
(ZO); junções GAP ou nexos;
interdigitações.
3. Basais: pregas basais;
hemidesmossomos.
Especializações para aumento
da adesão entre células:
 Desmossomos (D): são formados por
duas partes que se unem, estando uma delas
localizada em uma célula e a outra, na célula
vizinha. Em cada célula formam-se discos de
material protéico denso (placa citoplasmática),
para onde convergem filamentos de queratina
que podem se estender até a placa
citoplasmática de outro desmossomo da
mesma célula. No espaço intercelular surgem
filamentos que atuam como estruturas adesivas
entre as placas citoplasmáticas de células
adjacentes. Além de unidas entre si, as células
epiteliais aderem à lâmina basal por meio de
hemidesmossomos, cuja morfologia é
semelhante à de meio desmossomo.
 Zônulas de oclusão (ZO): são
faixas contínuas para vedação, que
impedem a entrada de macromoléculas
no espaço entre células vizinhas. Dessa
forma, as macromoléculas só podem
passar pelo interior das células. Forma-
se pela interação entre duas
membranas.
 Zônula de adesão (ZA): células
vizinhas estão firmemente unidas por
uma substância intercelular adesiva,
mas suas membranas plasmáticas
não chegam a se tocar. Na face
citoplasmática dessas membranas
existe acúmulo de material eletrodenso,
no qual se inserem microfilamentos de
actina, conferindo maior resistência a
essa região.
 Interdigitações: são especializações formadas por
reentrâncias e saliências provenientes da invaginação de
membranas de duas células adjacentes, cuja função é aumentar
a superfície de aderência entra as células.
Junções GAP ou Nexos: as
membranas plasmáticas de células adjacentes
apresentam grupos de proteínas específicas, que
se dispõem formando canais que atravessam as
bicamada de lipídios. Esses grupos de proteínas
tocam-se no espaço intercelular, estabelecendo
canais de comunicação entre as células (função
exercida nas células vegetais pelos
plasmodesmos).
Especialização para aumento
da superfície de absorção
 Microvilosidades: são projeções
microscópicas da superfície celular em
forma de “dedos de luva”, mantidas
eretas por feixes de microfilamentos
citoplasmáticos de actina que
enraízam na chamada teia terminal ou
velo terminal (VT). Esta teia terminal
possui miosina II responsável pela
produção do movimento.
 Estereocílios: encontrados na região
apical das células de revestimento do
epidídimo e do canal deferente, sendo
constituídos por longos microvilos, que
podem ou não se anastomosar
livremente entre si.
Cílios e flagelos
 Na base de cada cílio e flagelo encontramos
uma estrutura semelhante a um centríolo
chamado cinetossomo ou corpo basal, pois
essas estruturas crescem a partir do centríolo.
No corpo basal, diferentemente da haste, há 9
túbulos triplos e não apresenta o par central.
 São prolongamentos finíssimos que crescem a
partir da superfície da célula. Sua estrutura
interna chama-se axonema e é formada por 9
pares de microtúbulos dispostos de forma
cilíndrica e um par central (haste). Embora
tenham a mesma estrutura interna, cílios e
flagelos diferem entre si da seguinte forma ;
cílios são curtos e numerosos, flagelos são
longos e pouco numerosos.
 Funções: locomoção celular (algas,
protozoários, espermatozóides), captura de
alimentos (esponjas), limpeza do organismo
(epitélio traqueal nas vias respiratórias), etc.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Citoplasma e organelas
Citoplasma e organelasCitoplasma e organelas
Citoplasma e organelas
profatatiana
 
Especializacões da membrana plasmática
Especializacões da membrana plasmáticaEspecializacões da membrana plasmática
Especializacões da membrana plasmática
URCA
 
Composiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celulaComposiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celula
Pedro Lopes
 
Membrana plasmatica
Membrana plasmaticaMembrana plasmatica
Membrana plasmatica
emanuel
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Ronaldo Santana
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
César Milani
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
Katia Nunes
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celular
santhdalcin
 
Citoplasma - Organelas
Citoplasma - OrganelasCitoplasma - Organelas
Citoplasma - Organelas
Killer Max
 
Célula Vegetal
Célula VegetalCélula Vegetal
Célula Vegetal
Jézili Dias
 
Aula citologia
Aula citologiaAula citologia
Aula citologia
Adrianne Mendonça
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
profatatiana
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
Bio
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
Gisele A. Barbosa
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
Caio Maximino
 
1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular
Flávio Silva
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
Marcionedes De Souza
 
Citologia e membrana celular
Citologia e membrana celularCitologia e membrana celular
Citologia e membrana celular
César Milani
 
Organelas Celulares I
Organelas Celulares IOrganelas Celulares I
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
profatatiana
 

Mais procurados (20)

Citoplasma e organelas
Citoplasma e organelasCitoplasma e organelas
Citoplasma e organelas
 
Especializacões da membrana plasmática
Especializacões da membrana plasmáticaEspecializacões da membrana plasmática
Especializacões da membrana plasmática
 
Composiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celulaComposiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celula
 
Membrana plasmatica
Membrana plasmaticaMembrana plasmatica
Membrana plasmatica
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celular
 
Citoplasma - Organelas
Citoplasma - OrganelasCitoplasma - Organelas
Citoplasma - Organelas
 
Célula Vegetal
Célula VegetalCélula Vegetal
Célula Vegetal
 
Aula citologia
Aula citologiaAula citologia
Aula citologia
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 
Citologia e membrana celular
Citologia e membrana celularCitologia e membrana celular
Citologia e membrana celular
 
Organelas Celulares I
Organelas Celulares IOrganelas Celulares I
Organelas Celulares I
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 

Semelhante a Membrana plasmatica e_transporte_2018

Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Suely Santos
 
Membrana completa
Membrana completaMembrana completa
Membrana completa
Dalu Barreto
 
Envoltórios da célula
Envoltórios da célulaEnvoltórios da célula
Envoltórios da célula
Joao Victor
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6
César Milani
 
Biologia fai enfermagem 2 semestre 2011 ok
Biologia fai enfermagem  2 semestre 2011 okBiologia fai enfermagem  2 semestre 2011 ok
Biologia fai enfermagem 2 semestre 2011 ok
enfermagemfai
 
Membrana E Transporte
Membrana E TransporteMembrana E Transporte
Membrana E Transporte
Nutricionista
 
3.Membrana e especializações.pdf
3.Membrana e especializações.pdf3.Membrana e especializações.pdf
3.Membrana e especializações.pdf
rickriordan
 
Organelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticasOrganelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticas
marinadapieve
 
Membrana e transporte
Membrana e transporteMembrana e transporte
Membrana e transporte
Daiane Costa
 
Aula de revisão biologia
Aula de revisão biologiaAula de revisão biologia
Aula de revisão biologia
Lucas Magalhães
 
Citologiabacteriana
CitologiabacterianaCitologiabacteriana
Citologiabacteriana
Lucas Almeida Sá
 
A célula
A célulaA célula
A célula
Andreia Maria
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
naiellyrodrigues
 
Histologia - Tecidos
Histologia - TecidosHistologia - Tecidos
Histologia - Tecidos
Gilmar Giraldelli
 
Componentes celulares: do glicocálix ao complexo de golgi
Componentes celulares: do glicocálix ao complexo de golgiComponentes celulares: do glicocálix ao complexo de golgi
Componentes celulares: do glicocálix ao complexo de golgi
SESI 422 - Americana
 
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Ressurrei
 
Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
Daniela Silveira
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
Daniela Silveira
 
Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
Daniela Silveira
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
Daniela Silveira
 

Semelhante a Membrana plasmatica e_transporte_2018 (20)

Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Membrana completa
Membrana completaMembrana completa
Membrana completa
 
Envoltórios da célula
Envoltórios da célulaEnvoltórios da célula
Envoltórios da célula
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6
 
Biologia fai enfermagem 2 semestre 2011 ok
Biologia fai enfermagem  2 semestre 2011 okBiologia fai enfermagem  2 semestre 2011 ok
Biologia fai enfermagem 2 semestre 2011 ok
 
Membrana E Transporte
Membrana E TransporteMembrana E Transporte
Membrana E Transporte
 
3.Membrana e especializações.pdf
3.Membrana e especializações.pdf3.Membrana e especializações.pdf
3.Membrana e especializações.pdf
 
Organelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticasOrganelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticas
 
Membrana e transporte
Membrana e transporteMembrana e transporte
Membrana e transporte
 
Aula de revisão biologia
Aula de revisão biologiaAula de revisão biologia
Aula de revisão biologia
 
Citologiabacteriana
CitologiabacterianaCitologiabacteriana
Citologiabacteriana
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Histologia - Tecidos
Histologia - TecidosHistologia - Tecidos
Histologia - Tecidos
 
Componentes celulares: do glicocálix ao complexo de golgi
Componentes celulares: do glicocálix ao complexo de golgiComponentes celulares: do glicocálix ao complexo de golgi
Componentes celulares: do glicocálix ao complexo de golgi
 
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
 
Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
 
Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
 

Mais de José Nascimento da Silva Júnior

Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Estrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viralEstrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viral
José Nascimento da Silva Júnior
 
Sistemática e filogenética
Sistemática e filogenéticaSistemática e filogenética
Sistemática e filogenética
José Nascimento da Silva Júnior
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Sme aula 1 1o ano
Sme aula 1 1o anoSme aula 1 1o ano

Mais de José Nascimento da Silva Júnior (8)

Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Estrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viralEstrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viral
 
Sistemática e filogenética
Sistemática e filogenéticaSistemática e filogenética
Sistemática e filogenética
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Sme aula 1 1o ano
Sme aula 1 1o anoSme aula 1 1o ano
Sme aula 1 1o ano
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 

Membrana plasmatica e_transporte_2018

  • 1. Membrana plasmática e transporte Equipe de Biologia
  • 2. Estrutura  Modelo do mosaico fluido (Singer e Nicholson – 1972): bicamada lipídica (fosfolipídios) onde encontram-se imersas moléculas de proteínas que apresentam uma mobilidade, podendo se deslocar lateralmente ou atravessar a bicamada lipídica, projetando-se nas superfícies interna ou externa da membrana plasmática  fluidez.
  • 3. Bicamada Lipídica  Fosfolipídios  afinidade diferencial com a água: 1. Cabeça hidrofílica: voltada para o meio extracelular e para o citoplasma. 2. Cauda hidrofóbica: voltada para a parte interna da membrana
  • 5. Propriedades da membrana Assimetria: as duas faces da membrana não possuem a mesma composição lipídica, glicídica e protéica. Em geral, os glicídios encontram-se presentes na face externa. Também as cargas elétricas se distribuem diferentemente, sendo a face citoplasmática, a que tem maior carga negativa, em geral.  Fluidez: seus componentes não ocupam posições definidas e são susceptíveis de deslocações bidimensionais, de rotação ou de translação. Esta propriedade deve-se ao fato de, em geral, não se estabelecerem ligações fortes (covalentes) entre as diversas moléculas, mas, predominantemente, ligações lábeis (ligações de Van der Walls e pontes de hidrogênio). Os fosfolípidos também podem trocar de camada (flip-flop).  Permeabilidade seletiva: permeável apenas a algumas substâncias. Continuidade: nunca apresentam bordas livres ou descontínuas e os espaços por ela delimitados, são sempre fechados. Resistência à tração.
  • 6. Funções da membrana  Individualização da célula  Transportes moleculares e iônicos  Recepção de informação  Transmissão de informação  Reconhecimento celular  Orientação de reações químicas em cadeia: enzimas localizadas na superfície da membrana
  • 7. Envoltórios externos à membrana  Glicocálix  Parede celular  Cápsula: envoltório externo à parede celular de bactérias; espessura e composição química variáveis.
  • 8. Glicocálix  Envoltório externo à membrana plasmática.  Composição química: moléculas de açúcar associadas aos fosfolipídios e às proteínas da membrana.  Funções: reconhecimento célula-a- célula; adesão; proteção contra lesões mecânicas, físicas e químicas.
  • 9. Parede celular  Estrutura rígida e permeável (dentro de certos limites), responsável pela manutenção da forma da célula. Está presente no Reino Monera (bactérias e cianobactérias), fungos, algumas algas protistas e vegetais (incluindo algas pluricelulares) composição química varia de grupo para grupo. Quitina Fungos Sílica Alga protista Crisófita
  • 10. Parede celular de vegetais  Primária: celulose (polissacarídeo).  Secundária: novos espessamentos de celulose; deposição de lignina e suberina (lipídeos) – algumas vezes classificados como parede terciária.  Lamela média: pectina (polissacarídeo).
  • 14. Osmose em célula animal 123
  • 15. Osmose em célula vegetal  O grande vacúolo da célula vegetal adulta ocupa a maior parte do volume citoplasmático e sua concentração é o fator primordial para regular as trocas osmóticas entre a célula (membrana plasmática-semipermeável) e o ambiente que a cerca.  As células que apresentam bom volume de água, terão a membrana plasmática pressionada contra a parede de celulose rígida, a qual vai oferecendo resistência crescente à entrada de água no citoplasma.
  • 16. Difusão Simples Figura 2 Pequenos poros na superfície da membrana permeável permitem a passagem seletiva de íons. Existem canais específicos para cada íon (sódio, cloro, potássio, etc). A taxa de passagem é regulada pelo número e tamanho dos poros. Após algum tempo, a concentração de ambos os íons (barras verde e amarela na figura 1) serão a mesma em ambos os lados da membrana.
  • 18. Difusão facilitada da glicose Ligando = insulina Molécula transportada = glicose
  • 19. Transporte ativo  Ocorre o movimento do soluto contra o gradiente de concentração  do meio hipotônico para o meio hipertônico.  Sempre realizado por proteínas transportadoras presentes na membrana plasmática.  Ocorre com gasto de energia.
  • 20. Bomba de sódio e potássio
  • 21. Impulso nervoso Membrana em repouso: canais de sódio fechados  sódio bombeado ativamente para fora (bomba de sódio e potássio)  polarização. Estímulo: abre os canais de sódio, possibilitando sua entrada  despolarização.
  • 22. Transportes não mediados por vesículas
  • 23. Transportes mediados por vesículas  ENDOCITOSE: 1. Fagocitose: englobamento de partículas sólidas por meio de emissão de pseudópodes. Ocorre em certos protozoários (ex.: amebas) e células da defesa responsáveis pela fagocitose de partículas estranhas. 2. Pinocitose: englobamento de partículas líquidas por meio de invaginação da membrana. Ocorre em praticamente todos os tipos celulares. 3. Mediada por um receptor: ocorre a partir da ligação de moléculas denominadas ligando (ex.: proteínas de reconhecimento virais) com receptores protéicos da membrana celular.  EXOCITOSE: processo pelo qual são lançadas fora secreções importantes do metabolismo do corpo humano e eliminados os resíduos da endocitose (clasmocitose).
  • 26. Endocitose mediada por um receptor
  • 27.
  • 30. Especializações da membrana plasmática  De acordo com sua localização, podem ser classificadas em: 1. Apicais: Microvilosidades (MF) com trama ou velo terminal (VT); cílios e flagelos; estereocílios. 2. Laterais: zônula de adesão (ZA); zônula de oclusão (ZO); junções GAP ou nexos; interdigitações. 3. Basais: pregas basais; hemidesmossomos.
  • 31. Especializações para aumento da adesão entre células:  Desmossomos (D): são formados por duas partes que se unem, estando uma delas localizada em uma célula e a outra, na célula vizinha. Em cada célula formam-se discos de material protéico denso (placa citoplasmática), para onde convergem filamentos de queratina que podem se estender até a placa citoplasmática de outro desmossomo da mesma célula. No espaço intercelular surgem filamentos que atuam como estruturas adesivas entre as placas citoplasmáticas de células adjacentes. Além de unidas entre si, as células epiteliais aderem à lâmina basal por meio de hemidesmossomos, cuja morfologia é semelhante à de meio desmossomo.
  • 32.  Zônulas de oclusão (ZO): são faixas contínuas para vedação, que impedem a entrada de macromoléculas no espaço entre células vizinhas. Dessa forma, as macromoléculas só podem passar pelo interior das células. Forma- se pela interação entre duas membranas.  Zônula de adesão (ZA): células vizinhas estão firmemente unidas por uma substância intercelular adesiva, mas suas membranas plasmáticas não chegam a se tocar. Na face citoplasmática dessas membranas existe acúmulo de material eletrodenso, no qual se inserem microfilamentos de actina, conferindo maior resistência a essa região.
  • 33.
  • 34.  Interdigitações: são especializações formadas por reentrâncias e saliências provenientes da invaginação de membranas de duas células adjacentes, cuja função é aumentar a superfície de aderência entra as células. Junções GAP ou Nexos: as membranas plasmáticas de células adjacentes apresentam grupos de proteínas específicas, que se dispõem formando canais que atravessam as bicamada de lipídios. Esses grupos de proteínas tocam-se no espaço intercelular, estabelecendo canais de comunicação entre as células (função exercida nas células vegetais pelos plasmodesmos).
  • 35. Especialização para aumento da superfície de absorção  Microvilosidades: são projeções microscópicas da superfície celular em forma de “dedos de luva”, mantidas eretas por feixes de microfilamentos citoplasmáticos de actina que enraízam na chamada teia terminal ou velo terminal (VT). Esta teia terminal possui miosina II responsável pela produção do movimento.  Estereocílios: encontrados na região apical das células de revestimento do epidídimo e do canal deferente, sendo constituídos por longos microvilos, que podem ou não se anastomosar livremente entre si.
  • 36. Cílios e flagelos  Na base de cada cílio e flagelo encontramos uma estrutura semelhante a um centríolo chamado cinetossomo ou corpo basal, pois essas estruturas crescem a partir do centríolo. No corpo basal, diferentemente da haste, há 9 túbulos triplos e não apresenta o par central.  São prolongamentos finíssimos que crescem a partir da superfície da célula. Sua estrutura interna chama-se axonema e é formada por 9 pares de microtúbulos dispostos de forma cilíndrica e um par central (haste). Embora tenham a mesma estrutura interna, cílios e flagelos diferem entre si da seguinte forma ; cílios são curtos e numerosos, flagelos são longos e pouco numerosos.  Funções: locomoção celular (algas, protozoários, espermatozóides), captura de alimentos (esponjas), limpeza do organismo (epitélio traqueal nas vias respiratórias), etc.